Aplicativo de sucesso entre adolescentes é usado para divulgar pornô e golpes de diversos tipos

Golpes no TikTok direcionam usuário para sites adultos e contas falsas — Foto: Divulgação/TikTok

O TikTok, aplicativo de vídeos e dublagens para Android e iPhone (iOS), tem sido usado por criminosos para aplicar golpes de diversos tipos, como redirecionamento para sites de conteúdo adulto e compra de seguidores. A informação consta em relatório divulgado pela empresa de cibersegurança Tenable nesta quarta-feira (14). Segundo o documento, o app também está repleto de contas falsas de famosos.

“Dada a ascensão meteórica de popularidade do TikTok, não é surpresa nenhuma que golpistas tomassem conhecimento [dele]”, disse Satnam Narang, pesquisador da Tenable. Ele conta que começou a rastrear golpes no TikTok em março, quando o app ultrapassou a marca de um bilhão de instalações, superando redes sociais como Facebook e Instagram. Vale lembrar que a plataforma é muito popular, principalmente, entre crianças e adolescentes — nos EUA, por exemplo, 60% dos 500 milhões de usuários do aplicativo são de 16 a 24 anos. “Até o momento, porém, esses golpes parecem estar em estágio inicial”, atestou.

A ByteDance, empresa responsável pelo TikTok, disse que removeu todas as contas mencionadas no relatório da Tenable, mas não informou o número de perfis apagados ou o quão predominantes são os golpes descritos no documento.

“O TikTok tem práticas rígidas de proteção do usuário contra conteúdos falsos, fraudulentos ou enganosos. Marcamos e removemos a maior parte das contas de spam antes que elas cheguem ao feed dos usuários, e continuamente aprimoramos nossas medidas de segurança, até mesmo quando agentes maliciosos trabalham para escapar de nossas proteções”, afirmou uma porta-voz da empresa.

Entenda os golpes

Segundo o relatório da Tenable, um dos golpes envolvia o roubo de vídeos que mostravam mulheres dançando de biquíni ou fazendo exercícios físicos, publicados originalmente no Instagram ou Snapchat. As filmagens redirecionavam o usuário do TikTok para uma conta do Snapchat, prometendo fotos e vídeos de nudez.

Mais tarde, usando esses mesmos perfis, os golpistas levariam os espectadores a sites de conteúdo pornográfico por assinatura, ganhando dinheiro a cada clique e cadastro de novos membros “premium”. De acordo com o documento, essas contas fraudulentas teriam, em média, 650 seguidores e receberiam mais de 1,7 mil curtidas em seus vídeos. O perfil mais popular descoberto por Narang, por exemplo, tinha mais de 12,3 mil seguidores.

Outra tática usada pelos criminosos consistia em se passar por influenciadores do TikTok ou celebridades para aplicar golpes. Promessas de um rápido aumento de seguidores em troca de dinheiro também estavam entre as fraudes recorrentes no app.

Globo, via Techttudo, CNET e MediaKix

 

App Store, da Apple, chega à marca de 40 bilhões de downloads

Os proprietários de iPhones, iPads e iPods Touch já fizeram o download de mais de 40 bilhões de aplicativos na App Store, da Apple, desde julho de 2008, quando a loja virtual de aplicativos foi inaugurada. Os números impressionantes não param aí: a loja tem hoje 500 milhões de usuários ativos, em 155 países, e só no ano passado eles fizeram 20 bilhões de downloads, metade do total registrado até hoje, segundo o

comunicado oficial da Apple divulgado hoje.

O mês de melhor desempenho foi justamente o passado, dezembro. É tradição de fim de ano – os downloads são impulsionados pelas vendas de Natal dos aparelhos iOS – e os novos donos contribuíram para o total de 2 bilhões de apps baixados, recorde já registrado em um só mês.

Os números da Apple não levam em conta as atualizações dos aplicativos já instalados em um aparelho, apenas novos apps baixados. Hoje, de acordo com a Apple, já são mais de 775.000 aplicativos diferentes para os aparelhos iOS disponíveis na loja – eram 15.000 quando a loja foi aberta, há 4 anos e meio. Do total, 300.000 estão adaptados para os iPads.

iOS x Android

Embora os números da Apple sejam grandiosos, já há previsões de que o Google Play, do Google, a loja que concentra apps, livros, músicas e filmes para os aparelhos móveis que rodam o sistema operacional Android, irá ultrapassar a App Store em número de aplicativos ainda neste ano, por volta de junho.

Até lá, de acordo com o portal The Sociable, a Google Play deverá estar hospedando algo em torno de um milhão de apps. Os downloads já ultrapassaram a marca dos 30 bilhões.

As centenas de marcas, modelos e formatos de aparelhos Android disponíveis no mercado fizeram o sistema operacional do Google ter ultrapassado, e muito, o iOS em termos de vendas. O Android tem hoje 75% do market share nos EUA, frente a cerca de 15% do iOS,mostra esse artigo do portal Cnet.

Ao mesmo tempo que o fato impulsiona os downloads e o crescimento do Google Play, é responsável pela fragmentação intensa, o principal problema da plataforma – há usuários que ainda usam aparelhos com as velhas versões 1.5 e 1.6 do sistema operacional, de 2008, e outros que já estão na 4.2, a mais atual do Android, passando por 2.1, 2.2, 2.3. 3.1, 3.2, 4.0 e 4.1.

Nem todos os aparelhos são atualizáveis, o que depende de fabricantes e operadoras, e nem todos os apps funcionam em todas as versões. Em resumo, uma confusão.

Estadão

[VÍDEO] Hacker russo mostra como burlar pagamentos nos apps do iPhone

O jailbreak para iOS já tem ferramentas que permitem que pessoas baixem gratuitamente aplicativos que são pagos, de forma ilegal. Mas um hacker russo descobriu um método para burlar outro sistema de segurança: o de compras dentro de aplicativos. Esta fraude, no entanto, é ainda mais sofisticada, e não exige nem mesmo o jailbreak do aparelho.

O hacker responsável é identificado apenas como ZonD80, e a suspeita é de que ele seja um desenvolvedor de aplicativos para a plataforma da Apple. O método, criado por ele e ilustrado por um vídeo seu no YouTube, envolve a instalação de dois certificados assinados digitalmente no dispositivo iOS, além da alteração do DNS da conexão Wi-Fi. Depois disso, toda vez que o usuário tentar comprar um item dentro de um aplicativo, um aviso para curtir a página dohacker aparece. Depois de tocar em “Curtir”, a compra é ativada automaticamente.

As compras dentro de aplicativos são fontes de renda não só de desenvolvedores de programas gratuitos como pagos também. Os donos dos apps podem, com o método dohacker, perder muito sinheiro se uma grande quantidade de usuários resolverem se utilizar da trapaça. Mas é importante que a Apple tome conhecimento da façanha rapidamente, para poder reparar o hack em breve.

Um aviso no blog do desenvolvedor diz que o serviço está inativo devido a uma grande onda de acessos, mas que ele planeja ativá-lo novamente em breve.

Confira o vídeo onde o desenvolvedor mostra o funcionamento do seu hack:

Fonte: 9to5Mac