Polícia

FOTOS – Meninos de Belford Roxo-RJ: polícia acha ossada em área onde homem teria deixado corpos

Fotos: Reprodução/ TV Globo

A Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) encontrou uma ossada enquanto fazia buscas em uma área próxima a uma ponte em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, onde teriam sido deixados sacos com corpos de três meninos desaparecidos no município.

Segundo informações obtidas pelo G1, os ossos achados se assemelham a costelas e estariam dentro de um saco preto.

O material foi levado para perícia e deve demorar pelo menos sete dias para ser analisado. Foram encontrados também fios de cabelo, que serão analisados.

Segundo fontes da Polícia Técnico-Científica, a ossada será levada para o setor de antropologia do Instituto Médico Legal. Não está descartado que seja uma ossada animal, devido ao estado avançado de decomposição.

A informação veio de uma denúncia nesta semana. Após sete meses de investigação, um homem se apresentou à polícia acusando o próprio irmão de ter participado da ocultação dos corpos.

Um saco com corpos teria sido jogado de uma ponte, que fica acima de um rio que corta o município. A ação é feita com a ajuda de bombeiros do quartel de Belford Roxo e Grupamento de Buscas e Salvamento da corporação.

Lucas Matheus, de 9 anos, e Alexandre Silva, 11, e Fernando Henrique, 12, sumiram no dia 27 de dezembro depois que saíram para brincar.

Nesse período, os agentes já trabalharam com várias linhas de investigação — entre elas, a de que as crianças tenham sido vítimas de traficantes da região.

Outra hipótese é a de que os meninos tenham sido mortos após um deles ter roubado uma gaiola de passarinho de um parente de um dos traficantes do Castelar, onde moram.

Várias operações e buscas já foram realizadas em lugares onde surgiram notícias de que eles foram vistos, mas nada que leve ao paradeiro dos meninos.

Informações falsas e trotes que chegam pelo Disque Denúncia também atrapalham o trabalho dos investigadores.

Veja detalhes da investigação

Última imagem dos meninos, feita na Rua Malopia, perto da feira de Areia Branca — Foto: Reprodução

1. Quando os meninos sumiram?

Lucas Matheus, de 9 anos, e Alexandre Silva, 11, e Fernando Henrique, 12, desapareceram no dia 27 de dezembro após sair para brincar no campo de futebol ao lado do condomínio onde moram, no bairro Castelar.

2. Quando eles foram vistos pela última vez?

Eles foram vistos pela última vez em uma feira no bairro da Areia Branca, também em Belford Roxo.

3. O que fizeram os familiares após o sumiço?

Os meninos costumavam voltar para casa para almoçar. As famílias estranharam a demora e começaram as buscas por conta própria.

Eles percorreram diferentes locais, como hospitais, IML e delegacias. Também postaram fotos das crianças nas redes sociais.

4. Quando a polícia foi acionada?

Sem pistas, as mães dos meninos foram, no dia seguinte, à Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense para pedir ajuda.

5. O que fez a polícia?

A polícia iniciou as investigações e a busca por imagens de câmeras de segurança que tivessem registrado os passos dos meninos, mas nada encontrou.

As primeiras testemunhas só foram ouvidas uma semana depois que as famílias procuraram a polícia para comunicar o desaparecimento.

Os investigadores fizeram ainda operações na região para tentar achar alguma pista deles, mas nada foi encontrado.

A DHBF também coletou material genético dos familiares para armazenamento em banco de dados e análise de DNA.

6. O que fez o Ministério Público?

Promotores analisaram o material recolhido pela polícia e encontraram imagens de câmeras de segurança mostrando os meninos passando na Rua Malopia, perto da feira de Areia Branca

As imagens só foram achadas em março, mais de dois meses depois do sumiço.

A filmagem já tinha sido apreendida pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense durante as investigações.

7. O que dizem os familiares dos meninos?

Segundo os familiares, a investigação começou tarde demais. Eles também reclamam da falta de pistas sobre o caso e de muitos trotes.

“Só trote, só trote [Quero pedir] Para as pessoas não ficarem fazendo isso com a gente, mandando trote, porque é muito doloroso”, diz Tatiana Ribeiro, mãe de Fernando Henrique.

“Minhas filhas vão sempre na delegacia tentar saber de algo, mas a polícia diz que não tem pista nenhuma. Acho estranho não ter nada. Ou às vezes acho que eles não querem passar o que sabem para a gente”, diz Silvia Regina da Silva sobre as filhas Camila Paes Silva, mãe de Lucas, e Rana Jéssica da Silva, mãe de Alexandre.

8. Alguém foi preso durante a investigação?

No dia 20 de julho, a PM prendeu um homem que, segundo a corporação, teria envolvimento no caso.

Conhecido como “Rabicó”, ele foi detido por policiais do 39° BPM (Belford Roxo). Investigadores ouvidos pelo G1 disseram que o Rabicó não consta nas investigações da Polícia Civil sobre o caso e que o homem seria um traficante na comunidade Castelar, região de onde eram os meninos.

Apesar do nome não estar nas investigações, a Polícia Civil não descarta que a prisão possa ajudar, já que ele atuava no tráfico da área. O celular dele foi encaminhado para análise.

9. Há denunciados no caso?

Dez suspeitos viraram réus por torturar um homem acusado injustamente pelo sumiço dos meninos.

Segundo a polícia, o homem é inocente e foi espancado e surrado a mando de traficantes de uma organização criminosa.

Entre os denunciados, está o tio de Lucas e Alexandre, que teria atraído o homem até o local onde ele foi agredido pelo grupo.

Entre os denunciados também está Wiler Castro da Silva, vulgo “Estala”, gerente do tráfico de drogas do Castelar e apontado como suspeito do desaparecimento das crianças.

10. Qual é a última informação sobre o caso?

Nesta quarta-feira (28), um homem se apresentou à Polícia Militar e acusou o irmão de ter participado da ocultação dos corpos dos três meninos.

Ele foi até o 39º BPM (Belford Roxo) e declarou que as crianças teriam sido espancadas e mortas a mando de José Carlos dos Prazeres Silva, conhecido como “Piranha”, e que os corpos foram levados para a Estrada Manoel de Sá em um carro e depois deixados em uma ponte.

O homem disse que procurou uma unidade da PM porque a delegacia era perto da comunidade Castelar.

Depois da denúncia, o outro irmão também se apresentou à Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense e negou as acusações. Ele afirmou que a denúncia foi motivada por uma rixa com o irmão.

11. O que falta esclarecer?

Quase quatro meses depois do desaparecimento, a Polícia Civil criou uma força-tarefa para as investigações, com agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, da Subsecretaria de Inteligência e da Delegacia de Descoberta de Paradeiros.

Mas até agora, ninguém sabe o que de fato aconteceu com as crianças.

G1

 

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Operação de combate ao tráfego irregular de veículos em área de dunas registra diversos rastros em Zona de Proteção Ambiental em Natal

Foto: Divulgação

Agentes do Grupamento de Ação Ambiental da Guarda Municipal do Natal (Gaam/GMN) participaram nesse domingo (04) de uma operação de combate ao tráfego irregular de veículos em área de dunas pertencente à Zona de Proteção Ambiental 01, que engloba o Parque da Cidade do Natal. A operação, apoiando policiais militares da Companhia Independente de Proteção Ambiental (Cipam), percorreu quilômetros de dunas realizando o policiamento preventivo.

Segundo informações do coordenador do Gaam/GMN, Isaac Cruz, os guardas e policiais militares estavam com informações de que veículos 4X4 estavam transitando sem autorização na área de proteção. “Houve uma denúncia dessa prática ilegal e fizemos o extenso patrulhamento encontrando diversos rastros de veículos que passaram pela área de dunas. Fizemos uma geral compreendendo toda a margem esquerda da Avenida dos Xavantes, logo após a rotatória sentido BR 101”, informou.

A operação foi realizada dentro dos moldes da ação de saturação que compreende ampliar demasiadamente o número de patrulhamento e abordagens em uma área considerada crítica do ponto de vista da insegurança. A principal agressão sofrida pelo meio ambiente na condução de veículos nesses campos é a degradação da vegetação rasteira, que é a responsável pela fixação das dunas. Essa prática é comum e traz um dano significativo ao meio ambiente.

O cidadão flagrado transitando com veículo em dunas de área de proteção ambiental está cometendo crime e pode ser punido com multa de acordo com a legislação que tipifica esses casos. Para denunciar a prática de crime ambiental o cidadão pode ligar para o número 190 do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) e informar o tipo de delito e o local para que os guardas municipais sejam acionados e inibam a ação criminosa. O infrator flagrado cometendo crime ambiental responde administrativamente e criminalmente pelo crime cometido.

ZPAs

Natal conta com 10 Zonas de Proteção Ambiental (ZPAs) que estão resguardadas pelo seu atual Plano Diretor, sendo cinco delas regulamentadas através de legislações específicas. Somadas as suas respectivas áreas, as 10 ZPAs de Natal representam aproximadamente 34% da área total do município.

ZPA 01

San Valle (Zona Sul e abrange o conjunto San Valle no bairro Pitimbu);

ZPA 02

Parque das Dunas (Zona Leste e refere-se ao Parque Estadual das Dunas de Natal);

ZPA 03

Rio Pitimbu (Zona Sul e visa proteger o Rio Pitimbu);

ZPA 04

Guarapes (Fica nos bairros dos Guarapes e Planalto na Zona Oeste visando proteger o campo dunar);

ZPA 05

Lagoinha (Zona Sul no bairro de Ponta Negra garantindo um ecossistema de dunas fixas e lagoas);

ZPA 06

Morro do Careca (localizada no bairro Ponta Negra na Zona Sul com o intuito de proteger o Morro do Careca e áreas adjacentes);

ZPA 07

Forte dos Reis Magos (Zona Leste no bairro do Santos Reis e visa proteger o campo dunar e o mangue do Rio Potengi);

ZPA 08

Estuário do Rio Potengi (Zona Norte e visa proteger o ecossistema de manguezal localizada à margem do Rio Potengi, abrangendo também o Rio Jundiaí);

ZPA 09

Rio Doce (abrange dunas e lagoas ao longo do rio Doce, no bairro de Lagoa Azul, na Zona Norte);

ZPA 10

Mãe Luíza (localizada no bairro de mesmo nome e busca proteger as encostas dunares adjacentes ao Farol de Mãe Luiza, na Zona Leste).

Opinião dos leitores

  1. Bom seria uma boa explicação a respeito do mega empreendimento que está sendo feito na área ZPA -01 ou a agressão a zona ambiental e seletiva ?

  2. Muito bom, mas construir as margens dos rios mansões, extrair areia de Rio e dunas e etc não e crime ambiental.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

LAIS/UFRN seleciona pesquisadores com graduação na área da saúde; bolsas até R$ 4 mil

O Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), abre inscrições para a seleção de pesquisadores para o projeto Pesquisa Aplicada Para Integração Inteligente Orientada ao Fortalecimento das Redes de Atenção Para Resposta Rápida à Sífilis.  Os interessados devem se inscrever até o dia 2 de julho, no site do Lais.

O processo de que trata o edital visa à seleção de pesquisadores de três perfis diferentes, sendo eles: graduado na área de saúde e com titulação de doutor em Saúde Coletiva ou em Ciências da Saúde ou áreas correlatas;  graduado em cursos da área de saúde e especialista em Monitoramento e Avaliação em Saúde; e  graduado e especialista na área de saúde.

O valor da bolsa varia de acordo com o perfil do candidato, sendo respectivamente R$ 4.000, R$ 3.000 e  R$ 2.000.

Os candidatos aprovados no processo seletivo comporão uma lista de cadastro de reserva, sendo então convocados conforme a ordem do resultado final deste certame, a disponibilidade de eventuais vagas e a validade do certame.

Com UFRN

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Pesquisa da UFRN concorre a prêmio internacional na área de Odontologia

Fotos: Divulgação/UFRN

A doutoranda Ana Larisse Carneiro Pereira, do Programa de Pós-Graduação em Ciências Odontológicas da UFRN (PPGCO), sob orientação da professora Adriana da Fonte Porto Carreiro, é finalista do Prêmio Neal Garrett, que faz parte do evento promovido pela Internacional Association For Dental Research (IADR). A pesquisa que está concorrendo é intitulada Veracidade de um dispositivo para a fabricação de infraestruturas de arco completo, na área de Prótese e Implantodontia.

A pesquisa foi selecionada para concorrer ao prêmio, ficando entre as cinco indicadas como finalistas. Esses cinco estudos serão apresentados a uma banca avaliadora do prêmio, para definir o primeiro colocado. De acordo com a professora Adriana da Fonte Porto Carreiro, esse é um evento de destaque mundial em pesquisa na área de Odontologia.

Promovido anualmente pela Internacional Association For Dental Research (Associação Internacional de Pesquisa Odontológica), o evento será totalmente on-line nesta edição, acontecendo entre os dias 21 e 24 de julho.

A pesquisa é sobre o desenvolvimento de um dispositivo para a área de Odontologia que possibilita melhorar a precisão do escaneamento realizado na boca do paciente e que propicia a geração de um modelo digital mais preciso para implantes dentários. Com o invento, é possível saber, com maior perfeição, a distância entre um implante e outro, e também a angulação.

Com UFRN

Opinião dos leitores

  1. Com o dinheiro do governo se pesquisa o sexo das borboletas, o povo continua sem assistência e o professor distante da sala de aula.

  2. “Isso é um vexame! O que que se faz em muitas universidades e faculdades do Brasil, o [que o] estudante faz? Faz tudo, menos estudar.”
    Jair, 12 de dezembro de 2019.

    1. Temos que rever essas verbas direcionar para programas públicos que alcance a maioria da população sem acesso ao tratamento odontológico.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Guarda Municipal debela incêndio em área do Parque da Cidade do Natal

Foto: Divulgação

O Grupamento de Ação Ambiental da Guarda Municipal do Natal (GAAM/GMN) atuou no combate a um princípio de incêndio ocorrido no Parque da Cidade do Natal. As chamas iniciaram na vegetação próxima as escadarias do Parque e beirou boa parte de uma das trilhas pavimentadas que teve área da sua vegetação completamente afetada pelas chamas.

O foco de fumaça foi visualizado pelos guarda municipais que patrulham 24h todos os locais de circulação de pessoas, como também as áreas de trilhas naturais da unidade de conservação ambiental. Para o local foi enviado uma viatura com agentes e equipamentos utilizados no combate a focos de incêndio como abafadores e pás. O corpo de bombeiros foi acionado e enviou uma equipe que trabalhou em parceria com os guardas ambientais

Depois de uma hora o fogo foi contido, sendo evitada a propagação das chamas e a destruição da flora e fauna da Zona de Proteção Ambiental 01 (ZPA 01). A causa do início do fogo não foi detectada pelos guardas, porém é importante que as pessoas que frequentam o Parque fiquem atentos e não descartem na área verde resto de cigarro ou outras coisas que possam gerar fogo na vegetação, principalmente nesse período seco.

Os agentes do Gaam/GMN vêm assiduamente trabalhando no combate a pequenos focos incêndio na ZPA 01 e, em alguns casos, foi detectado ação criminosa. Para denunciar a prática de crime ambiental o cidadão pode ligar para o número 190 do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) e informar o tipo de delito e o local para que os guardas municipais sejam acionados e inibam a ação criminosa. O infrator flagrado cometendo crime ambiental responde administrativamente e criminalmente pelo crime cometido.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Decreto regulamenta provisoriamente uso da área não edificante de Ponta Negra

Foto: Google Street View

A Prefeitura do Natal publicou decreto regulamentando provisoriamente os usos compatíveis para a Área Não Edificante (non aedificandi) do bairro de Ponta Negra. O objetivo é garantir a proteção do conjunto cênico-paisagístico composto pela Praia de Ponta Negra, o monumento natural do Morro do Careca e as dunas associadas, ao estabelecer as diretrizes técnicas para os processos de licenciamento ambiental e urbano de área. O documento terá validade até a aprovação definitiva do Plano Diretor pela Câmara dos Vereadores.

O decreto nº 12.160 de 27 de janeiro de 2021 foi publicado na edição da última sexta-feira, 29 de fevereiro, no do Diário Oficial do Município (DOM). E considera a crescente demanda para utilização da área non aedificandi para usos diversos e a necessidade de disciplinar a ocupação de acordo com os usos compatíveis com a Zona Especial de Interesse Turístico. Além da tramitação de ação civil pública, na qual foi firmado acordo para fixação da disciplina urbanística e ambiental na área e o processo de revisão do Plano Diretor, que deverá definir os objetivos da sociedade para cada porção do território.

Os usos admitidos serão sujeitos ao prévio licenciamento conforme termo de referência expedido pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (SEMURB). O titular da pasta , Thiago Mesquita, explica que a Área Não Edificante de Ponta Negra foi criada a partir do Decreto Municipal n.º 2.236, de 19 de julho de 1979 e corresponde a um total de nove quadras de lotes, distribuídos ao longo da margem esquerda da Roberto Freire.

“A atual legislação proíbe qualquer edificação nos lotes nele especificados, com material de construção definitivos como concreto, por exemplo. E por se tratar de uma área privada, o objetivo do decreto é garantir a preservação dos aspectos cênico-paisagísticos. Por isso, estabeleceu-se a permissão de atividades de caráter temporário e de vocação natural da região, que é o turismo”, disse.

De acordo com o decreto, fica vedada qualquer edificação sobre o lote, bem como a fixação de equipamentos de suporte sobre base de alvenaria ou similar, que configure edificação, sendo permitido a instalação de equipamentos removíveis, com área máxima de 18m² e que não interfira negativamente na paisagem.

Também fica proibida a instalação de decks de madeira ou estrutura similar, com a finalidade de fixar vitrines, publicidade, tendas, toldos, exposição de mercadorias ou de extensão da calçada, adentrando no limite do lote na Av. Engenheiro Roberto Freire. “As regras estão bem definidas para impedir qualquer tipo de construção que possa trazer prejuízo para a paisagem e seus elementos constituintes, nem necessitem de área construída para seu desempenho”, acrescenta Mesquita.

Além disso, na área regulamentada fica proibida a instalação e funcionamento para usos industriais, comércio atacadista, venda e estocagem de mercadorias, entreposto de mercadoria, terminais atacadistas, armazéns e frigoríficos. E também os serviços profissionais, escritórios de negócios, pessoais e de saúde e laboratórios, hospedagem, habitação ainda que temporária, camping, oficinas, postos de abastecimento e lavagens, como também, estacionamento de veículos de grande porte, como ônibus, caminhões e similares.

Os equipamentos instalados no lote devem garantir a livre circulação de pedestres, obedecendo à faixa de 1,80m. Para o funcionamento das atividades relacionadas aos usos permitidos, deverão ser atendidos os seguintes condicionantes sanitários: instalação de banheiros químicos, com lavatório para higienização das mãos, com solução para o esgotamento sanitário; ponto de abastecimento de água, com oferta de água corrente e potável; e plano de gerenciamento de resíduos sólidos urbanos.

Após o cumprimento das etapas definidas no decreto, será emitida Licença de Operação para as atividades analisadas. Posterior a emissão da licença citada, deverá o empreendedor juntar o Alvará da Vigilância Sanitária e o Atestado de Vistoria do Corpo de Bombeiros, para a obtenção do Alvará de Funcionamento definitivo perante a Semurb. As licenças expedidas terão validade máxima de dois anos, podendo ser prorrogadas por igual período.

Para acessar o decreto completo e conferir em detalhes as diretrizes, clique aqui.

Opinião dos leitores

  1. No lugar da prefeitura liberar essa área deveria desapropriar todos os imóveis na Rua Erivan França – que aliás, deveria se chamar Rua do Careca; e revitalizar a orla. É preciso ouvir ideias prefeito!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Guarda Municipal encontra vestígios de treinamento de tiro com arma de fogo em área de preservação do Parque da Cidade do Natal

Foto: Divulgação SEMDES

A Ronda de Proteção Ambiental da Guarda Municipal do Natal (Ropam/GMN) realizou na terça-feira (12) uma incursão nas trilhas de vegetação nativa dentro da Zona de Proteção Ambiental 01, que engloba o Parque da Cidade do Natal. A medida possibilitou os guardas municipais encontrar pontos de invasão e vestígios de locais suspeitos de estarem sendo utilizados para treino de tiro com arma de fogo.

A área de vegetação é de acesso restrito e fica em ambiente isolado onde o tráfego de pessoas não é permitido sem autorização prévia dos órgãos ambientais. Durante a incursão foram encontradas garrafas pets com volume de dois litros cheias de areia e com marcas de tiros efetuados utilizando armas de fogo. “Acreditamos que estavam utilizando o local para aperfeiçoar o tiro com armamento de fogo”, contou um dos guardas.

Os guardas do Ropam também conseguiram identificar que algumas placas de aviso de proibição ao acesso à área de preservação estavam marcadas com diversos buracos ocasionados por projéteis de chumbo. Outra percepção foi no tocante a vegetação, onde foi possível identificar o tráfego de pessoas nas matas e dunas.

De acordo com a Coordenação do Ropam/GMN, as incursões na região onde foram encontrados os vestígios de invasão e treinamento com arma de fogo passarão a ser melhor monitorados no intuito de identificar e deter os invasores.

O Ropam foi criado em julho de 2019 e tem a missão de ser um reforço na segurança da área onde está localizado o Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte. A medida ampliou o efetivo de guardas municipais que atuam no patrulhamento das trilhas pavimentadas e naturais do Parque, como também reforçou as guarnições nas entradas e saídas da unidade de conservação ambiental. O patrulhamento preventivo das guarnições da GMN no Parque da Cidade é feito por guardas municipais utilizando viaturas e a pé.

Opinião dos leitores

  1. Isso é o resultado do abandono que a Prefeitura de Natal, gestão de Álvaro Dias,
    empregou ao Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte. Um local tão bonito e útil para a cidade está entregue aos bandidos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Semurb desocupa Área de Proteção Permanente na Zona Norte de Natal e resgata aves silvestres

Foto: Fiscalização Semurb

Após participar de uma reintegração de posse de uma Área de Proteção Permanente (APP), na zona Norte de Natal, fiscais da Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) identificaram uma criação ilegal de animais silvestres próximo ao local da ação. O fato ocorreu nesta quarta-feira (23), na avenida Moema Tinôco proximo ao Rio Doce, quando foram resgatadas 27 aves, sendo quatro delas ameaçadas de extinção, e um tijuaçu. A ação contou com o apoio da Guarda Municipal de Natal.

De acordo com o supervisor de fiscalização ambiental da Semurb, Gustavo Szilagyi foram removidos os piquetes instalados em cerca de 14 hectares, numa área próxima ao Rio Doce, localizada na Zona de Proteção Ambiental (ZPA-9), cujo local é uma APP. Apenas um dos invasores foi identificado. “A reintegração ocorreu de forma tranquila. O proprietário se comprometeu a cercar o local e recuperar a área degradada pelos invasores”, disse ele.

Próximo ao local, os fiscais identificaram três imóveis que faziam a criação em cativeiro de 27 aves silvestres, sendo quatro delas ameaçadas de extinção e um tijuaçu. Todos os animais resgatados passarão por uma avaliação de um veterinário. “As aves da mata atlântica serão soltas numa reserva e as de caatinga e as que estão precisando de tratamento serão conduzidas para o IBAMA”, disse Gustavo.

Szilagyi ainda informa que os criadores foram conduzidos à Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (Deprema) para prestar esclarecimentos e lavratura de um Termo Circunstancial de Ocorrência (TCO).

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Colégio Porto promove live sobre novo ensino médio baseado em área de interesse nesta terça

Foto: Divulgação

O Colégio Porto promove, na noite desta terça-feira (24), uma live para apresentar as novas bases metodológicas para o ano letivo de 2021. A ideia é discutir o novo ensino médio com aplicação de itinerários formativos, que direcionam os estudantes conforme área de interesse (humanas, exatas, biológicas).

“A turma da 1ª série do ensino médio já segue as orientações da nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Sendo assim, neste ano, nossos alunos já cumpriram uma carga específica de BNCC e agora, na segunda série, vão trabalhar o restante de conteúdo de base, além de trabalhar também os itinerários formativos. Por exemplo: antes do intervalo eles serão 2ª série A, B e C e, após o intervalo, os alunos vão migrar para as áreas que eles escolheram, seja ciências humanas, exatas ou biológicas”, detalha a diretora pedagógica do Colégio Porto, Ana Cristina.

O encontro virtual terá a presença de Márden de Pádua Ribeiro, assessor pedagógico do Bernoulli Sistema de Ensino, e da diretora pedagógica, Ana Cristina. O bate-papo começa às 19h30 no canal do Colégio Porto no YouTube.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

MEC quer ampliar oferta de cursos na área de energia renovável

Foto: © Miguel Ângelo/CNI

O Ministério da Educação (MEC) institui um programa para ampliar a oferta de cursos e de profissionais nas áreas de energias renováveis e eficiência energética. A Portaria nº 941/2020 foi publicada nesta quinta-feira (12) no Diário Oficial da União e traz as diretrizes do Programa para Desenvolvimento em Energias Renováveis e Eficiência Energética na Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Programa EnergIF).

Ele abrangerá as áreas de energia eólica; energia solar fotovoltaica; eficiência energética na indústria e nas edificações; biogás e biometano; biocombustíveis; e hidrogênio renovável e mobilidade elétrica. Um outro ato da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do MEC deverá tratar sobre as modalidades de ensino, os tipos de curso e os tipos de oferta.

Entre as diretrizes do programa está a ampliação de infraestrutura para laboratórios e aquisição de usinas para geração de energia renovável e a formação profissional tecnológica nesse setor para ampliar a geração de empregos, preferencialmente com mão de obra local. O MEC quer ainda estimular, avaliar e difundir a implementação de iniciativas de eficiência energética, para assegurar maior direcionamento do gasto público e do uso dos recursos naturais.

O Programa EnergIF será voltado às instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, que é constituída, principalmente, pelos institutos federais de educação. Também será permitido a parceria com demais instituições de ensino, públicas ou privadas.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Produção na área do pré-sal bate recorde pelo segundo mês seguido; maior número de poços produtores terrestres foi registrado na Bacia Potiguar

Foto: © Geraldo Falcão / Agência Petrobras

Pelo segundo mês consecutivo, a produção na área do pré-sal registrou recorde, tanto no petróleo quanto no gás natural. Em agosto, foram produzidos 2,776 MMboe/d (milhões de barris de óleo equivalente por dia). Desse total, 2,201 MMbbl/d (milhões de barris por dia) de petróleo e 91,398 MMm3/d (milhões de m3 por dia) de gás natural.

No recorde anterior, em julho, a produção de petróleo ficou em 2,179 MMbbl/d e a de gás natural 88,88 MMm3. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (2) no Boletim Mensal da Produção de Petróleo e Gás Natural da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

De acordo com a ANP, o resultado representa aumento de 1,4% em relação ao mês anterior e de 14,4% na comparação com agosto de 2019. “A produção no pré-sal teve origem em 117 poços e correspondeu a 70,7% da produção nacional”.

Produção nacional

Também em agosto a produção nacional atingiu 3,927 Mmboe/d, de acordo com o boletim. Desse total, 3,087 MMbbl/d são de petróleo e 134 MMm3/d, de gás natural. Na produção de petróleo, houve aumento de 0,3% em relação ao mês anterior e de 3,3% frente a agosto de 2019. Na produção de gás natural, a alta ficou em 2,4% se comparado a julho e de 0,1% ante o mesmo mês do ano anterior.

Por causa da pandemia da Covid-19, 33 campos tiveram as suas produções interrompidas temporariamente em agosto. Entre eles, 16 são marítimos e 17 terrestres. Também permaneceram com a produção interrompida 60 instalações de produção marítimas.

Os campos marítimos produziram 96,9% do petróleo e 85,5% do gás natural. Os campos operados pela Petrobras responderam por 94,7% do petróleo e do gás natural produzidos no Brasil. Os que tem participação exclusiva da Petrobras produziram 42,9% do total.

Destaques

O maior produtor de petróleo e gás natural foi o campo de Tupi, no pré-sal da Bacia de Santos, que registrou 1,004 MMbbl/d de petróleo e 44,5 MMm3/d de gás natural.

A instalação com maior produção de petróleo foi a plataforma Petrobras 77, que produz no campo de Búzios por meio de quatro poços a ela interligados, com a produção atingiu 165,598 Mbbl/d de petróleo.

A unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência (FPSO) Cidade de Itaguaí foi a instalação com maior produção de gás natural. Ela opera no campo de Tupi por meio de sete poços interligados e produziu 7,337 Mmm³/d.

O maior número de poços produtores terrestres (1.097) foi registrado em Estreito, na Bacia Potiguar. Marlim Sul, na Bacia de Campos, foi o campo marítimo com maior número de poços produtores: 67.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

    1. o que muito boçal quer é que aumente mais. pra pobre ki nem eu, que anda e uno, deixar de causar engarrafamento.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Operação do Idema identifica área de Mata Atlântica degradada na Grande Natal e interior

As equipes de Fiscalização e do setor Florestal do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente – Idema, participaram essa semana, nos dias 23 e 24, em parceria com o Ministério Público do RN, da Operação Mata Atlântica em Pé, em áreas desmatadas nos municípios de Extremoz e Pedro Velho.

Em Extremoz, foram identificadas áreas degradadas para empreendimentos imobiliários. Em Pedro Velho, a área desmatada é destinada ao plantio de cana-de-açúcar. Neste último, o responsável foi notificado a paralisar os serviços e comparecer ao Idema para regularizar sua situação junto ao Órgão Ambiental.

“Recebemos do MP os alertas para possíveis áreas desmatadas, contudo diante das constatações no local, será necessário retornar a região com droner para termos informações mais detalhadas para posterior autuação, uma vez que necessitamos desses dados para subsidiar o Auto de Infração, assim como o bioma existente no local, o qual será confirmado pelo Setor Florestal”, afirma a coordenadora do setor de Fiscalização do Idema, Kelly Dantas.

A iniciativa busca a proteção e a recuperação do bioma a partir da identificação das áreas degradadas nos últimos anos e dos responsáveis pelas agressões, para cobrar a reparação dos danos e outras medidas compensatórias. A Operação Mata Atlântica em Pé é coordenada pelo Ministério Público, e se configura em um trabalho em conjunto visando o combate ao desmatamento do bioma Mata Atlântica em todo território nacional.

O Setor de Geoprocessamento do Idema, pelo levantamento feito nas áreas, tomado com base nos alertas enviados e informações apuradas, fará uma análise detalhada para posterior adoção das medidas cabíveis, caso haja confirmação de desmatamento ilegal.

O bioma Mata Atlântica está presente em 17 estados brasileiros e cobre cerca de 13% do território nacional. No ano de 2019, o Estado do Rio Grande do Norte zerou o desmatamento da Mata Atlântica, segundo a Atlas da Mata Atlântica. Além dele, o Estado de Alagoas também conseguiu zerar os desmatamentos acima de 3 hectares. O Atlas mede desflorestamentos maiores que 3 hectares, portanto os números não atestam que o desmatamento acabou totalmente no estado, mas que ele pode estar ocorrendo em pequena escala.

Entenda a Operação Mata Atlântica em Pé

1ª fase:

Levantamento das áreas desmatadas:

Com apoio da Fundação SOS Mata Atlântica e do Mapbiomas Alerta, são identificados via satélite como áreas desmatadas nos 17 estados onde há presença do bioma Mata Atlântica.

2ª fase: Identificação dos proprietários e caracterização das áreas

O Ministério Público, em conjunto com os órgãos públicos ambientais e policiais ambientais, identificação dos proprietários, preenchidos históricos, de uso e conservação da área e cruzamento com bancos de dados

3ª fase: Fiscalização e autuação

Os órgãos públicos ambientais e polícias ambientais realizam a fiscalização das áreas desmatadas, em campo ou meio remoto, e adotam as medidas administrativas cabíveis

4ª fase: Responsabilização pelos danos ambientais

O Ministério Público, com base nas fiscalizações, adota providências extrajudiciais ou judiciais para um integral dos problemas e responsabilização dos infratores.

Opinião dos leitores

  1. Em Carnaúba do Padre, o entorno da colina do Cristo foi desmatado, as nascentes do Timbozinho estão desprotegidas, a Lagoa está secando porque ocorreu desmatamento grotesco (a vegetação era basicamente de ipês). Viveiros de camarão foram construídos sem estudos técnicos em áreas perigosas, como é o caso de um localizado na Rua do Perdão próximo à escadaria do Cristo, metros acima das ruas do centro do povoado; viveiros de camarão contaminando e represando mananciais, matando espécies aquáticas e outros animais que bebem essa água. Até a antiga via de acesso ao povoado foi fechada com cerca de arame por conta da construção de viveiro de camarão. Até o uso indiscriminado de veneno nas plantações corre solto e a área é grande produtora de feijão. Cabe nessa Operação Mata Atlântica em Pé uma quinta fase: CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL, a população deve ser convidada a fazer parte de um plano de ação e passar a se protagonista no processo de preservação do ambiente que tanto necessita.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

FOTOS: ‘Deu vontade’, diz homem preso em flagrante após confessar que ateou fogo em área de vegetação no interior do RN

Homem ateou fogo em vegetação às margens da BR-226 em Janduís, região Oeste — Fotos: Focoelho.com

Um homem de 62 anos foi preso em flagrante na tarde desta terça-feira (8) depois de atear fogo em uma área de vegetação às margens da BR-226, no município de Janduís. Questionado pela Polícia Militar sobre o motivo de ter iniciado o fogo, ele disse que o fez porque “deu vontade”. Ele foi encaminhado a delegacia e em seguida ao sistema prisional.

Opinião dos leitores

  1. É mais um esquerdopata lutando para destruir a nação.
    Tem que investigar quem é o mandante.
    Se pegasse 10 anos de prisão nunca mais faria isso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Guarda Municipal registra crimes ambientais em área de preservação de Natal

Foto: Divulgação

O Grupamento de Ação Ambiental da Guarda Municipal do Natal (Gaam/GMN) registrou, nessa quinta-feira (23), crimes ambientais praticados em vários pontos da capital. As ações ilegais foram relacionadas a aterramentos em áreas de preservação ambiental e descarte de resíduos sólidos de construção civil.

O primeiro flagrante registrado pelo patrulhamento de guardas municipais e pela equipe de fiscalização ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) foi na região do KM 06, nas proximidades do bairro de Felipe Camarão, onde homens estavam aterrando uma área de mangue. “Nessa situação, identificamos os responsáveis e acionamos o setor de fiscalização da Semurb para emitir o auto de infração”, contou o coordenador do Gaam/GMN, Isaac Cruz.

Durante o patrulhamento, novos flagrantes foram detectados pelas equipes, sendo um deles dentro da Zona de Proteção Ambiental 08, que constitui uma das mais importantes áreas de proteção ambiental de Natal. A mesma foi criada com o objetivo específico de proteger o ecossistema de manguezal e estuário dos Rios Potengi e Jundiaí por serem considerados naturalmente frágeis contra as intervenções humanas. A área é constituída quase em sua plenitude por manguezal, além de resquícios de mata atlântica.

Outros três registros de despejo de material de construção civil foram flagrados pelos guardas nos bairros de Bom Pastor, Ponta Negra e Bairro Vermelho. Nesse último, foi detectado despejo de restos de tinta num canal nas proximidades do Hospital Memorial. Nesses casos, a fiscalização registra o auto de infração e os guardas municipais orientaram a retirada imediata do material da área sob pena de agravamento da infração cometida

Opinião dos leitores

  1. Todo dia há crime ambiental em relação a poluição sonora em Natal. No dia que faltar grana, é só fazer uma boa ronda intensiva que recupera o da gasolina, das diárias e ainda dá para investir pesado em equipamento;.

  2. Puxa, pensei que esse desmatamento só acontecia na Amazônia! Se aqui em Natal não se consegue evitar o desmatamento de uma área pequena imagine na Amazônia !

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Câmara aprova Rio Grande do Norte, Paraíba e Amapá na área da Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf)

Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nessa segunda-feira (20) proposta que acrescenta os estados de Amapá, Rio Grande do Norte e Paraíba na área de atuação da Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco (Codevasf).

Foi aprovado um substitutivo do relator, deputado Silvio Costa Filho (Republicanos-PE), que incorporou emendas ao Projeto de Lei 4731/19, de autoria do presidente do Senado, Davi Alcolumbre. O projeto volta ao Senado devido às mudanças propostas pelos deputados.

Para o relator, a Codevasf é “um instrumento fundamental para o desenvolvimento regional, principalmente o Nordeste, por isso o projeto oferece ao governo uma autorização para atuar em novas bacias hidrográficas”.

Além de atender integralmente os estados de Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Piauí, Maranhão, Ceará e Goiás, nas bacias hidrográficas tanto continentais quanto litorâneas, a Codevasf deverá atuar ainda no Amapá, na Paraíba, no Rio Grande do Norte e nos municípios da região do Alto Rio Pardo, em Minas Gerais.

Devido às polêmicas debatidas em Plenário sobre a falta de recursos, Silvio Costa Filho acrescentou dispositivo para condicionar à dotação orçamentaria prévia a instalação e a manutenção de órgãos e setores de operação e representação da empresa fora de sua sede.

Entretanto, devido à grande extensão do estado de Amazonas, o relator decidiu não incluir suas bacias entre as apoiadas pela Codevasf, como proposto no projeto original.

Entre os rios pertencentes a estados não abrangidos totalmente pela atuação da empresa, o relator incluiu as bacias hidrográficas dos rios Jequitinhonha, Mucuri e Araguari, em Minas Gerais; de Contas, na Bahia; e de Gurupi, nos estados de Maranhão e Pará.

Ampliação

Para o deputado Tiago Mitraud (Novo-MG), a votação do projeto não deveria ter acontecido neste momento de pandemia. “Em um período em que estamos vivendo uma crise da pandemia e uma crise fiscal muito grave, estamos fazendo um projeto de lei para estender a atuação de uma companhia que foi criada para cuidar do vale do rio São Francisco, inclusive, para o Amapá”, criticou.

Por outros motivos, o deputado Edmilson Rodrigues (Psol-PA) também afirmou ser contra o texto. Segundo ele, a companhia “tem, infelizmente, servido quase sempre como moeda de troca política para oportunistas e tem sido instrumento de expulsão de pequenos produtores rurais em favor do agronegócio”.

Já o deputado Hildo Rocha (MDB-MA) argumentou que o projeto é inconstitucional porque a iniciativa seria exclusiva do presidente da República. “Isso é uma tremenda inconstitucionalidade. Não tem nenhum sentido. A Codevasf tem um tamanho com o qual não aguenta funcionar”, disse.

O deputado José Airton Félix Cirilo (PT-CE) concordou com a aprovação do projeto. “Acho positivo incluir novas bacias hidrográficas para promover o desenvolvimento regional, sobretudo na área de irrigação, na área de revitalização de bacias”, ponderou.

Também favorável ao projeto, a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) ressaltou que a empresa precisará de mais recursos. “Vamos votar favoravelmente à matéria, mas alertamos que a Codevasf precisará de reforço para que não deixe em descoberto o cobertor que ora está estendido sobre a bacia do São Francisco”, declarou.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Weintraub posta VÍDEO com Moro para anunciar R$ 10 milhões para bolsas de estudo na área de segurança pública

Foto: Reprodução/Twitter

Abraham Weintraub publicou um vídeo com Sergio Moro nas redes sociais para anunciar o aporte de R$ 10 milhões para bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado na área de segurança pública.

Os custos serão bancados pelas duas pastas. Segundo o MEC, um edital será publicado em 15 dias para que os interessados possam se inscrever no programa.

“São 100 ou 200 vagas para quem queira aprofundar conhecimento. Pesquisa, soluções em biologia, qualquer área do conhecimento que beneficie a segurança pública”, disse Weintraub no vídeo.

O Antagonista

 

Opinião dos leitores

  1. Boa… sera que vai voltar o bolsa formação para agentes de segurança públicas? Que existia ate 2011?

  2. Brasil acima de tudo.
    Parabéns Ministro da Educação e ao grande Herói Nacional Ministro Sérgio Moro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *