Bolsonaro diz que a Amazônia “interessa ao mundo”, está “aberta” e tem que ser explorada de forma racional

Foto: José Dias / PR

O presidente Jair Bolsonaro, que cumpre agenda no Japão para a cerimônia de entronização do imperador Naruhito, voltou a defender a exploração da Amazônia nesta segunda-feira. Na avaliação de Bolsonaro, “a Amazônia está aberta e tem que ser explorada”.

Em conversas com jornalistas, o presidente foi indagado se a floresta seria pautada nas conversas bilaterais no país asiático.

— A Amazônia interessa ao mundo todo, está aberta. Tem que ser explorada, é nossa a Amazônia, não abro (mão) disso. Tem mais de 20 milhões de pessoas que não podem ser tratadas como alguns países no mundo querem — afirmou Bolsonaro, sem especificar as nações às quais se referiu.

Questionado sobre as relações entre Brasília e Tóquio, Bolsonaro voltou a falar sobre a exploração amazônica.

— O Brasil tem grande potencial. Temos nossa Amazônia, tem que ser explorada de forma racional, o livre comércio, restabelecer a confiança. Muitos investidores japoneses perderam fortunas com o governo do PT com roubalheira, com corrupção, e o trabalho nosso é restabelecer essa confiança — seguiu o presidente.

O Globo, com Valor

 

Deputado Fábio Faria é favorável à unificação das eleições

Foto: Reprodução/Facebook

“Desde 2007, quando assumi meu primeiro mandato como deputado federal, assinei várias PECs favoráveis à prorrogação de mandato e unificação das eleições. Inclusive já apresentei emendas em relação a isso. Se tiver a votação, votarei a favor, com certeza”, destacou o deputado federal Fábio Faria (PSD/RN).

O assunto foi tema de uma reunião entre prefeitos do Rio Grande do Norte e a Bancada Federal Potiguar. Fábio, que está no quarto mandato na Câmara Federal, afirmou que é a favor do pleito dos gestores municipais e que vai trabalhar para a unificação das eleições nacionais, embora considere difícil a proposta ser pautada ainda este ano, pelo fato de já ser público o posicionamento contrário do presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM/RJ), de alterar as regras das eleições no curso dos atuais mandatos.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jose Neto disse:

    Excelente idéia, no Brasil quando o ano não é véspera, é ano eleitoral, assim ninguém trabalha, e ficam apenas em seus conchavos.
    Se não for possível essa unificação para termos eleições só de 4 em 4 anos, pelo menos deveriam mudar o formato, um eleição para o executivo e outra para o legislativo!

Maioria dos deputados eleitos é favorável a privatizar estatais

A maioria (57%) dos 513 deputados federais eleitos é a favor de privatizar empresas estatais, indica levantamento do G1:

Favoráveis à privatização de estatais: 135 (26%)
Favoráveis à privatização, mas somente das estatais deficitárias: 159 (31%)
Contra a privatização de estatais: 92 (18%)
Não quiseram responder a essa pergunta: 26 dos 412 que responderam ao questionário

Foto: Alexandre Mauro/G1

Privatização de estatais

A privatização de empresas estatais foi um dos temas em discussão entre presidenciáveis durante a campanha eleitoral deste ano.

O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a se manifestar, em entrevista à GloboNews, favorável à privatização de “todas” as estatais.

Em agosto, durante a campanha, o presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que “se não tiver solução”, o futuro governo poderia privatizar a Petrobras. Depois de eleito, no último dia 19, afirmou que a estatal pode ser privatizada “em parte”.

No último dia 23, Paulo Guedes anunciou a criação da Secretaria Geral de Desestatização, no âmbito do Ministério da Fazenda, como organismo responsável por conduzir as privatizações. O empresário Salim Mattar será o secretário.

Metodologia

Entre os dias 5 e 23 deste mês, o G1 aplicou aos deputados um questionário sobre 18 temas que deverão constar da pauta de debates legislativos.

Todos os 513 deputados foram contatados – 412 (80%) responderam e 101 (20%) não responderam ou prometeram enviar as respostas, mas não o fizeram.

Parte dos deputados respondeu pessoalmente ou por telefone e outra parte por e-mail, aplicativos de mensagens ou por intermédio das assessorias. Todos foram informados de que a divulgação das respostas não será feita de forma individualizada.

* Participaram do levantamento: Adriane Schultz, Aline Ramos, Carol Prado, Carolina Dantas, Cauê Fabiano, Cauê Muraro, Cesar Soto, Clara Velasco, Darlan Alvarenga, Elida Oliveira, Elisa Clavery, Fabiano Costa, Felipe Grandin, Fernanda Calgaro, Gabriela Caesar, Gustavo Garcia, Karina Trevizan, Lara Pinheiro, Laura Naime, Lucas Vidigal, Luiz Guilherme Gerbelli, Marília Neves, Marina Franco, Marta Cavallini, Mônica Aquino, Paula Paiva Paulo, Rafaela Putini, Ricardo Novelino, Rodrigo Ortega, Taís Laporta, Thaís Matos, Thiago Lavado e Thiago Reis

G1

 

Dodge é favorável à aprovação com ressalvas das contas de Bolsonaro

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A procuradora-geral Eleitoral, Raquel Dodge, apresentou parecer favorável à aprovação das contas da campanha do presidente eleito Jair Bolsonaro, com ressalvas. No parecer, a procuradora diz que “a contas devem ser aprovadas, porque as irregularidades não são graves e não comprometem a análise da regularidade das contas, pois perfazem percentual diminuto em relação ao montante arrecadado na campanha eleitoral”.

Segundo Dodge, nesse caso, aplicam-se “os postulados da proporcionalidade e da razoabilidade”. O julgamento da prestação de contas de Bolsonaro, no plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), está previsto para o dia 4 de dezembro. A análise da movimentação financeira da campanha é etapa essencial para que a diplomação ocorra no dia 10 de dezembro.

Conforme o parecer da Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE), a Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias (Asepa) do TSE, identificou impropriedades na movimentação financeira da campanha de Bolsonaro, “por descumprimento de obrigações de natureza eleitoral, que não comprometem a regularidades das contas prestadas”.

A campanha de Bolsonaro arrecadou R$ 4.390.140,36 e gastou R$ 2.456.215,03. As irregularidades identificadas pela assessoria do TSE referem-se a R$ 113.275,00, o que representa 2,58% da arrecadação. Na parte de despesas, as impropriedades referem-se a R$ 58.333,32, o que corresponde a 1,33% do total gasto.

O parecer da PGE foi juntado ao processo na noite desta segunda-feira. O relator no TSE é o ministro Luís Roberto Barroso.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcelo disse:

    Todos iguais seis por meia dúzia

    • Pedro Filho disse:

      RESPEITE o trabalhador e cidadão de bem, IGUAIS NÃO!
      Se teve erros nas contas, que faça a defesa, isso está LONGE de ser CORRUPÇÃO, por sinal, Bolsonaro usou menos recurso na campanha que a vaquinha pedida por HUINDDAD para pagar as dívidas após a campanha, mesmo tendo gasto milhões. Isso sem contabilizar os R$ 20 milhões gastos pelo ex presidente que sequer era candidato e fez campanha ilegal.
      A diferença é estratosférica entre as situações.

  2. kalina disse:

    Pronunciem se bolsominions!

    • Sales disse:

      As contas da Engenheira estocadora de vento, madrinha dos petralhas, àquela que declarou na Argentina que o diabo era seu parceiro até hoje estão com ressalvas!

    • Esquerda mi mi mi disse:

      Quem entende bem do assunto "contas" é Lula, Odebrecht e cia.
      Principalmente se Dirceu e Pallófi participarem. Sai cada conta!!!
      kkk

    • Ceará-Mundão disse:

      Vocês, petralhas, deviam se preocupar com o enorme número de crimes e ilegalidades cometidos por seus heróis bandidos. Agora mesmo, na última eleição do RN, estamos tomando conhecimento de diversos fatos escabrosos envolvendo petistas. Natália Bonavides, Isolda e Francisco do PT estão com problemas REAIS e SÉRIOS e, suas prestações de contas. Defuntos, beneficiários do Bolsa Família, gente sem capacidade financeira, tem muito "doador" de campanha estranho nas prestações de contas dos petistas. Deixem de estar olhando para erros insignificantes nas prestações alheias. Os verdadeiros bandidos são todos "vermelhinhos", "talquei"?

    • Duendevermelho disse:

      Eita… Bolsonaro? Aquele que perdia até pra um absorvente no segundo turno? Kkkkkkkkkk

      Podem chorar Petralhada, pq
      Eu fui e continuo sendo caixa 2 do Bolsonaro!!

São Paulo: Ganso não ignora "mala branca" de Vasco e Fluminense e quer dinheiro extra para presentes de Natal

O meia Paulo Henrique Ganso se divertiu com a possibilidade de o São Paulo receber um incentivo financeiro de Vasco e Fluminense, que lutam contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro, para derrotar o Coritiba na tarde de domingo, em Itu. Para ele, a chamada “mala branca” seria bem-vinda no Morumbi.

“Polêmica? Depende… Não vejo problema algum nisso, até porque você está recebendo um dinheiro  para ganhar o jogo. Pena que ainda não aconteceu nada para a gente comprar umas coisinhas de Natal”, gargalhou Ganso, nesta quinta-feira, com a tranquilidade de quem não está ameaçado de ir para a Série B.

Na nona colocação da tabela, com 50 pontos ganhos, o São Paulo afastou de vez o risco de queda de divisão e já não tem mais pretensões em seu compromisso final na temporada. O Coritiba, ao contrário, soma 45 e está à beira da zona de rebaixamento, de onde Vasco (44) e Fluminense (43) querem fugir desesperadamente.

Mesmo com a falta de uma “mala branca” vinda do Rio de Janeiro, o Coritiba não deverá esperar facilidade diante do São Paulo. Paulo Henrique Ganso assegurou que a equipe dirigida por Muricy Ramalho estará motivada para conquistar um bom resultado no interior paulista.

“Estamos com a cabeça tranquila para jogar futebol. No primeiro turno, a gente também estava lá embaixo na tabela, e eles não ajudaram. Vamos com força total para vencer a partida, independentemente de isso ser bom para Vasco ou Fluminense”, avisou o meia.

No confronto do primeiro turno, há três meses, o São Paulo perdeu por 2 a 0 para o Coritiba. No dia seguinte, o presidente Juvenal Juvêncio decidiu demitir o técnico Paulo Autuori, então pressionado pelas chances de rebaixamento.

Fonte: Terra