Saúde

Imperial College: Taxa de transmissão da Covid-19 no Brasil tem pequena queda

Foto: Sandro Pereira/Fotoarena / Agência O Globo

A taxa de transmissão (Rt) da Covid-19 no Brasil é de 1,02, segundo levantamento do Imperial College de Londres, divulgado nesta terça-feira. O índice representa uma pequena queda em relação ao relatório divulgado na semana passada, quando o Rt estava em 1,05, mas ainda é considerado alto.

O Rt acima de 1 indica que a doença avança sem controle no Brasil. A taxa de contágio é uma das principais referências para acompanhar a evolução epidêmica do Sars-CoV-2 no país. Quando fica abaixo de 1, o índice indica tendência de desaceleração. O Rt atual significa que cada 100 pessoas contaminadas transmitem a doença para outras 102.

A universidade britânica também projeta que o Brasil deve registrar 7.630 óbitos pelo novo coronavírus esta semana, um aumento em relação a anterior, quando foram contabilizadas 7.276 mortes pela doença. No pior quadro estimado, as perdas para a Covid-19 podem chegar a 7.910.

Dentro da margem do Imperial College, o Rt brasileiro pode variar de 0,95 até 1,06.

Especialistas costumam ponderar que é preciso acompanhar o Rt por um período prolongado de tempo para avaliar cenários, levando em conta o atraso nas notificações e o período de incubação do coronavírus, que chega a 14 dias. Além disso, por ser uma média nacional, a taxa de contágio não significa que a doença está avançando ou retrocedendo em todas as cidades e estados do país.

O Brasil, no entanto, apresenta um Rt acima de 1 desde dezembro. Na semana passada, a taxa de transmissão apresentou um viés de alta pela primeira vez desde a primeira quinzena de janeiro, revertendo uma tendência de oscilação negativa observada nas semanas anteriores. Agora, a taxa voltou a apresentar uma pequena queda.

Estatísticas oficiais indicam que a média móvel de mortes por Covid-19 no Brasil está 2% maior do que o cálculo de 14 dias atrás, e se mantém superior a mil há 33 dias consecutivos. Os dados são do consórcio formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo.

Um levantamento realizado pelo GLOBO a partir de informações das secretarias estaduais de saúde também mostrou que ao menos 12 estados brasileiros e o Distrito Federal estão com taxas de internação por Covid-19 acima de 80% nas UTIs da rede pública para a doença.

Contágio pela Covid-19

Segundo o levantamento do Imperial College, as maiores taxas de transmissão da semana foram registradas na Etiópia (Rt 1,49), Iraque (1,44) e Quênia (Rt 1,33).

Já os menores índices foram identificados na Suécia (Rt 0,29), na Suíça (Rt 0,46) e em Portugal (Rt 0,57).

Os Estados Unidos, que ultrapassaram na segunda-feira a marca de 500 mil mortes pela Covid-19, não fazem parte do levantamento.

De acordo com o relatório do Imperial College, o mundo registrou, até o dia 22 de fevereiro, mais de 110 milhões de casos de Covid-19 e mais de 2,4 milhões de mortes pela doença.

O Globo

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Band aproveita desistência da Globo e fecha acordo para transmissão da F1 por dois anos

Foto: Red Bull Content Poo

A Band vai transmitir o Mundial de Fórmula 1 nas temporadas 2021 e 2022. Na esteira da desistência do Grupo Globo em manter na sua grade a principal categoria do automobilismo depois de longas negociações com o Liberty Media, a emissora sediada no Morumbi, em São Paulo, adquiriu os direitos de transmissão do Mundial pelos próximos dois anos. A informação foi dada primeiramente pelo jornalista Flávio Ricco nesta sexta-feira (5) e, em seguida, pelo site Máquina do Esporte, assinado pelo jornalista Erich Beting, e confirmada pelo GRANDE PRÊMIO. É questão de tempo para que o acordo seja oficializado pelas duas partes.

Trata-se de um retorno da Band às transmissões do Mundial. Em 1980, a emissora paulista foi a primeira a transmitir ao vivo e na íntegra uma temporada completa da Fórmula 1. A partir de 1981, e de forma ininterrupta, a Globo tornou-se a detentora dos direitos de transmissão do campeonato. O último acordo vigorou até o fim de 2020 e não foi renovado.

Na noite da última quinta-feira, a Globo informou ao GRANDE PRÊMIO, em comunicado, que não chegou a um acordo com o Liberty Media e, portanto, não vai transmitir a F1 pela primeira vez em 40 anos.

“A Globo manteve negociações constantes com a FOM/Liberty Media sobre a renovação dos direitos da Fórmula 1, sempre considerando a nova realidade mundial dos direitos esportivos. Infelizmente não houve acordo. A Globo continuará a fazer a cobertura da categoria em suas plataformas para manter o fã do esporte informado sobre tudo o que acontece no mundo do automobilismo”, informou a emissora carioca.

Trata-se da segunda desistência da Globo em transmitir a Fórmula 1. A primeira havia sido oficialmente comunicada em agosto e tinha os mesmos motes de agora: as altas cifras cobradas pela FOM/Liberty Media, que chegavam a US$ 22 milhões (cerca de R$ 120 milhões na cotação de hoje).

A partir de então, deu-se uma corrida pelo ouro da Fórmula 1. Foram tempos em que até a TV Cultura mostrou interesse em passar a categoria. A Disney, que transmite o campeonato na América Latina toda, quis abraçar a causa, mas tinha ciência de que, sozinha, não conseguiria e que o Liberty Media buscava uma emissora em TV aberta.

Em meados de dezembro, a Disney anunciou que havia encerrado as negociações por entender que não era financeiramente viável. A emissora que detém os canais ESPN e FOX Sports tentava uma parceria com o SBT.

Com os meses de indefinição, a Globo voltou à mesa de negociações em novembro para manter o campeonato em sua programação na temporada 2021 a pedido de Chase Carey, que ocupava o posto de chefão da Fórmula 1 até o fim do ano passado antes de dar espaço ao italiano Stefano Domenicali.

Carey foi o responsável por todo o imbróglio que ajudou a tirar a Globo, em um primeiro momento, da transmissão da categoria e dar força para a Rio Motorsports. Quando notou que não sairia autódromo nem dinheiro garantindo o acordo para os direitos de TV, entrou em contato pessoalmente com a prefeitura de São Paulo para reatar a parceria com Interlagos e pedir que a Globo considerasse uma nova proposta.

A Globo, então, fez uma oferta menor que os US$ 20 milhões (R$ 108,4 milhões na cotação de hoje) então propostos inicialmente, soube o GRANDE PRÊMIO. Liberty Media/FOM fizeram uma contraproposta. As negociações ficaram paralisadas por um tempo em virtude da virada de ano e foram retomadas em janeiro. A 50 dias do início previsto da temporada no Bahrein, veio a notícia da desistência da emissora.

Em novembro, a Globo perdeu os direitos da Stock Car para a Bandeirantes, que adicionou a principal categoria do automobilismo brasileiro no seu portfólio, cada vez mais encorpado depois que a emissora do Morumbi voltou a exibir o Show de Esporte, programa recheado de transmissões esportivas ao vivo e que fez da Band referência nos anos 1980 e 1990, tendo Luciano do Valle no comando à época.

Para sua nova incursão no automobilismo, que reúne também as transmissões da Indy, a Band adicionou aos seus quadros o jornalista Reginaldo Leme, companheiro de transmissão de Galvão Bueno em 40 anos na Globo.

A F1, internamente, tinha compreensão de que só a Globo teria condições estruturais e financeiras de exibir as corridas em TV aberta. O Brasil é o maior mercado do mundo em termos de audiência.

Além da Band, a Fórmula 1 vai oferecer como opção ao fã brasileiro a F1 TV Pro, serviço via streaming que, na sua versão completa, vai estar disponível ao público do país pela primeira vez a partir desta temporada.

Grande Prêmio – Lance

 

Opinião dos leitores

  1. Essa é a globolixo se desmanchando mais rápido que manteiga no maçarico.
    Acabou a mamata deles!!!!!
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    1. Bozo vai passar e a Globo fica. É muitíssimo melhor que as concorrentes. Mas o PR precisa manter a imagem de defensor dos costumes e garantir o apoio de grupos religiosos fundamentalistas. Não há projetos, só ataques a quem não concorda com suas cagadas.

  2. Não gosto da Globolixo, mas quem torce contra acha que essa perdas de transmissão são motivo de que a emissora está afundando? Ela está apenas se readequando ao mercado. Quem acompanha F1 hoje em dia? Audiência baixa. Perguntem aos jovens se eles conhecem algum programa de TV de qualquer emissora? A audiência está migrando para as plataformas digitais, como Netflix, Disney+, Globoplay, Youtube e assim vai.

  3. A globo perde o direito de transmissão dos eventos, um atrás do outro.
    Perdeu do campeonato brasileiro;
    Perdeu das olimpíadas;
    Perdeu da copa libertadores;
    Perdeu da copa do mundo;
    Perdeu a F1
    Os anunciantes estão correndo da emissora;
    80% dos atores das novelas foram demitidos;
    Faustão vai embora até final do ano;
    Parece que só resta o tal BBB que não serve pra nada em termos de educação, cultura ou entretenimento.
    Nisso tudo o grupo globo teve a maior e mais marcante perda, naquilo que nunca deveria ter se desviado, nem um milímetro: ACABOU A CREDIBILIDADE.

  4. A globo lixo acabou.
    Daqui pra frente, é só espalhar fake news nos telejornais como no caso do leite moça e novelas indecentes.
    As 17 horas cenas de sexo explícito e nada mais.
    Acabou!!
    Já era!
    Vai colhendo o que plantou.
    O ibope mentiroso ja foi, tá a espera do grupo globo lixo e grupo folha.
    Audiência e anunciantes, pra outro lado agora.
    O lado da descendência, da família.

    1. É lixo só pq o Bozo disse, no momento que ele disser que ama a Globo, o gado vai seguir fielmente o que o Bozo mandar.
      Muuuuuuuuuuu

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Imperial College: taxa Transmissão da Covid cai no Brasil; maiores na Irlanda, Peru e Portugal

A taxa de transmissão (Rt) da Covid-19 no Brasil é de 1,08, de acordo com levantamento do Imperial College de Londres, divulgado nesta terça-feira (26). O índice representa uma queda em relação ao relatório divulgado no dia 19 de janeiro, quando o Rt estava em 1,20, mas ainda é considerado alto.

A taxa atual significa que cada 100 pessoas contaminadas transmitem a doença para outras 108. O Rt acima de 1, apresentado pelo Brasil há semanas, indica que a doença avança sem controle no país. Quando fica abaixo de 1, aponta tendência de estabilização.

A universidade britânica também projeta que o Brasil deve registrar 7.540 óbitos pelo novo coronavírus esta semana, enquanto na anterior foram contabilizadas 6.997 mortes.

Especialistas costumam ponderar que é preciso acompanhar o Rt por um período prolongado de tempo para avaliar cenários, levando em conta o atraso nas notificações e o período de incubação do coronavírus, que chega a 14 dias. Além disso, por ser uma média nacional, a taxa de contágio não significa que a doença está avançando ou retrocedendo em todas as cidades e estados do país.

Dentro da margem de erro calculada pelo Imperial College, o Rt brasileiro pode variar de 0,99 até 1,10. A universidade destaca, ainda, que a notificação de mortes e casos no Brasil está mudando, e “os resultados devem ser interpretados com cautela”.

Estatísticas nacionais mostram altos números de casos e mortes pela Covid-19 no país. Nesta segunda-feira (25), a média móvel foi de 1.055 óbitos pela doença, 6% maior se comparada com o cálculo de 14 dias atrás, mas a maior desde o dia 4 de agosto, quando foram registrados 1.066 óbitos em média. A informação é do boletim divulgado pelo consórcio de veículos de imprensa formado por O GLOBO, Extra, G1, Estado de S. Paulo, UOL e Folha de S. Paulo.

Contágio pelo mundo

As maiores taxas de transmissão da semana foram registradas na Irlanda (Rt 1,50), Peru (1,40), Portugal (Rt 1,39), Ruanda (Rt 1,36) e México (Rt 1,29). Os Estados Unidos não foram incluídos na análise do relatório.

Na América do Sul, além do Peru, Bolívia (Rt 1,25), Uruguai (Rt 1,24) e Venezuela (Rt 1,21) apresentam os índices mais elevados.

De acordo com o levantamento do Imperial College, o mundo registrou, até esta segunda-feira (25), mais de 97 milhões de casos de Covid-19, e mais de 2,1 milhões de mortes.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Teria evitado se os políticos sem vergonha tivessem proibido carreatas e passeatas nas eleições de novembro passado,

  2. Num poderia ter sido evitado antes? Se o presidente fosse um exemplo de responsabilidade, um líder! Ao contrário, desacreditou na ciência e ficou de babão de ovo do presidente americano, foi usado por Trump.

    1. Ele só líder para quem votou nele. A esse povo ele deve satisfação. Não precisou do seu voto para se eleger.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Imperial College: taxa de transmissão do coronavírus cai no Brasil, mas segue alta, a 1,04

Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

A taxa de transmissão (Rt) da Covid-19 no Brasil é de 1,04, de acordo com levantamento do Imperial College de Londres, divulgado nesta terça-feira (5). Isso significa que, de acordo com a estimativa da universidade britânica, cada 100 pessoas contaminadas pela Covid-19 no país transmitem a doença para outras 104.

O índice representa uma queda em relação ao levantamento divulgado no dia 15 de dezembro, quando o Rt estava em 1,13, mas ainda é considerado alto. A taxa de transmissão é uma das principais referências para se acompanhar a evolução epidêmica do Sars-CoV-2 no Brasil. Quando está abaixo de um, indica tendência de estabilização.

O levantamento também projeta que o total de óbitos pela Covid-19 no país esta semana deve ser de 5.440, um crescimento em relação à última semana, quando a universidade contabilizou 4.923 mortes pela doença.

Especialistas ponderam que é preciso acompanhar o Rt por um período prolongado de tempo para avaliar cenários e tendências, levando em conta o atraso nas notificações e o período de incubação do novo coronavírus, que chega a 14 dias. Além disso, por ser uma média nacional, a taxa de contágio pode variar nas cidades e estados do país.

De acordo com a margem de erro calculada pela universidade britânica, que analisa países em todo o mundo, a taxa de transmissão brasileira — o país tem dimensões continentais — pode variar de 0,92 até 1,26.

O Imperial College destaca, ainda, que a notificação de mortes e casos no Brasil está mudando, e “os resultados devem ser interpretados com cautela”.

Contágio pelo mundo

As maiores taxas de transmissão da semana foram registradas em Honduras (Rt 1,78), Bolívia (Rt 1,72) e Irlanda (Rt 1,45). O índice também é alto na Dinamarca (Rt 1,36), Egito (R 1,33), África do Sul e Nigéria (1,29), Chipre (Rt 1,24), Uruguai (Rt 1,23) e Reino Unido (1,22), entre outros. Os Estados Unidos não foram incluídos na análise do relatório.

Na América do Sul, além da Bolívia, Uruguai e Brasil, também apresentam alto índices de contágio o Chile (Rt 1,16) e a Colômbia (Rt 1,08).

De acordo com o levantamento do Imperial College, o mundo registrou, até esta segunda-feira (4), mais de 83 milhões de casos de Covid-19 e mais de 1,8 milhões de mortes.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Titia Cacá está agressiva hoje. O que foi que houve? Alguém falou mal dos sobrinhos ou é porque Bozo, o Incapaz andou fazendo merda de novo?

  2. Venho essa foto do ônibus lotado, lembro do Pixuleco, ZéGado com seus amigos, todos nú em um banheiro apertado tomando banho Romano.

    1. Pixuleco termine de defecar, antes que seu esfíncter entre em falência de tanto, ser estocado pelos primos dotados.
      Cuidado mona , desse jeito você vai acabar usando bolsa de colostomia kkkk

    2. Pixu, e se fosse o PT?
      Kkkkkkkk
      Só aqui no RN, nos primeiros meses de pandemia, o governo queria onze mil.
      Kkkkkkk
      O PR empurrou cloroquina e ivermectina, o resultado é esse.
      O mandeta, queria o exército nas ruas juntando corpos.
      Kkkkkk
      Palhaços!!
      Sai do blog por alguns estantes, vá tomar um banho o dia inteiro conectado, daqui a pouco vc ta fedendo, uma inhaca que não tem cão que aguente.
      Depois va arrumar um namoro com um burro pixu, seu mal é falta de sexo.
      Rsrsrs

    3. Kkkkk ! É a mesma coisa de Caca Cacá Cacá , que é a mesma coisa de Calígula Lara os íntimos . Grande figura humana , presidente do ABSITOLA DI CACÁ . O homem dia sobrinhos musculosos . Aí papai !

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Taxa de transmissão da Covid-19 cresce no Brasil e país registrará mais mortes, diz Imperial College

Enterro de vítima da Covid-19 no cemitério São João Baptista, no Caju, Zona Portuária do Rio, na última quinta-feira (3) Foto: Hermes de Paula / Agencia O Glob / Agência O Globo

A taxa média de transmissão (Rt) da Covid-19 no Brasil foi de 1,14 na última semana, segundo cálculo do Imperial College de Londres. O levantamento da universidade britânica foi divulgado nesta terça-feira (8) e inclui números compilados até ontem. O índice brasileiro cresceu 0,12 em relação à semana passada, quando havia oscilado para baixo, e projeta um aumento expressivo de mortes nos próximos sete dias.

Embora ainda esteja mais baixo do que os números observados há duas semanas, o Rt acima de 1,0 indica que a doença avança sem controle no país. O atual índice, também chamado de R0, indica que cada 100 pessoas contaminadas contagiam outras 112. A taxa de contágio é uma das principais referências para acompanhar a evolução epidêmica do Sars-CoV-2 no Brasil. Quando fica abaixo de 1, o índice indica tendência de estabilização.

O Imperial College projeta que o Brasil registrará 4.620 mortes pelo novo coronavírus nesta semana, um aumento de 630 óbitos em relação à última semana. Na margem do Rt estimada, as perdas para a Covid-19 podem chegar a 4.970 no pior cenário.

O número supera por larga margem países europeus que enfrentam uma segunda onda, como a França (2.360), o Reino Unido (3.130 vítimas fatais na próxima semana) e fica atrás da Itália (5.380). A taxa de transmissão brasileira também é maior do que a a italiana (1,03), britânica (0,98) e francesa (0,79).

Especialistas costumam ponderar que é preciso acompanhar o Rt por um período prolongado de tempo para avaliar cenários, levando em conta o atraso nas notificações e o período de incubação do coronavírus, que chega a 14 dias. Além disso, por ser uma média nacional, a taxa de contágio não significa que a doença está avançando ou retrocedendo em todas as cidades e estados do país.

De toda maneira, o Brasil vê os casos de Covid-19 e as mortes pela doença crescerem há aproximadamente um mês. Na última segunda-feira, após 58 dias, a média móvel de óbitos pelo novo coronavírus no país voltou a ficar acima de 600, segundo o consórcio de veículos de imprensa formado por O GLOBO, Extra, G1, Estado de S. Paulo, UOL e Folha de S. Paulo.

Dentro da margem da universidade britânica, o Rt brasileiro pode variar de 1,09 até 1,24. O Brasil aparece à frente de outros países sul-americanos que também enfrentam momentos delicados com a Covid-19, como a Argentina (0,89) e Colômbia (1,01).

Os maiores índices levantados pelo Imperial College são da Eslovênia (1,39), Letônia (1,38), Coreia do Sul (1,38), Japão (1,37) e Finlândia (1,35). Estes países, no entanto, registram índices muito baixos de mortes, indicando que a capacidade de resposta ao crescimento dos casos tem sido positiva.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Série D: TV Brasil transmite nesta sexta-feira Campinense e América

Foto: Canindé Pereira/América FC/Direitos Reservados

Nesta sexta-feira (27), Campinense (PB) e América (RN) se enfrentam pela 14ª (e última) rodada do grupo 3 da Série D do Campeonato Brasileiro. A partida, realizada a partir das 15h (horário de Brasília) no estádio Amigão, em Campina Grande, terá a transmissão ao vivo da TV Brasil.

Com a posição definida, cabe ao clube potiguar aguardar a definição do adversário na próxima etapa, o quarto colocado do grupo 4, posto disputado por três equipes, todas empatadas com 18 pontos: Coruripe, Central e Potiguar.

O Coruripe, atual quarto colocado, recebe o Vitória da Conquista, já o Potiguar visita o Freipaulistano (SE), enquanto o Central joga em casa com o Jacyobá em partidas que também acontecem nesta sexta a partir das 15h.

Cumprindo tabela

Enquanto isso, os donos da casa terão que lamber as feridas e tentar fechar a temporada da forma mais digna possível. Esse é o cenário construído após a derrota de 2 a 1 da Raposa para o Afogados (PE) e por uma combinação de resultados no último sábado (21). Agora, o Campinense ocupa a sexta posição, com 14 pontos em 13 jogos, e já está eliminado da competição.

Para o último compromisso da atual temporada, o treinador Luciano Silva terá bastante trabalho para montar um time. Durante a semana, a diretoria do Campinense confirmou o desligamento de cinco atletas: os meias Daniel Sobralense e Kiko Alagoano, os atacantes Jobson e Frontini e o zagueiro Anderson Schmoeller.

Em 2020, o Campinense foi vice-campeão estadual e conquistou a vaga na Copa do Brasil de 2021 e na edição da Série D do próximo ano.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Eu quero ver se esse presidente da nossa federação, vai manter o Arena das Dunas ,com esse futebol nosso de série D, .quando o Estado terminar de pagar o consórcio, se tivessem investido na construção de um hospital de trauma, teria ficado um legado do gov. de Rosalba, o que ela deixou foi essa dívida pra o governo atual pagar, é nos sem receber o salário de dezembro e o décimo de 2018, ainda bem que esse governo é um governo sério, que está honrando com nós servidores.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Sem TV aberta com desistência da Globo, Bandsports terá transmissão de Uruguai x Brasil em pay-per-view, com comentários de Neto

(Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Os fãs de esporte poderão acompanhar a Seleção Brasileira no pay-per-view da TV fechada. O BandSports, canal esportivo de TV por assinatura da Band, transmitirá o jogo entre Uruguai x Brasil, nesta terça-feira, às 20h (de Brasília), pela 4º rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022, com narração de Oliveira Andrade e comentários de Neto. A informação é do jornalista Júlio Gomes, do UOL.

O PPV da BandSports também irá exibir todos os outros quatro jogos da rodada, incluindo o duelo entre Peru x Argentina, às 21h30, em Lima. O preço para a compra do pacote será de R$19,90. O duelo entre Uruguai x Brasil não será vendido à parte, ou seja, quem comprar o clássico terá, necessariamente, direito a todos os jogos da 4ª rodada.

O clássico sul-americano, no entanto, continua sem exibição para a TV aberta. A Globo não entrou em acordo com a Mediapro, empresa espanhola detentora dos direitos de transmissão de oito seleções na competição, e desistiu de exibir a partida. A emissora, no entanto, vai repetir o trabalho realizado no jogo contra o Peru, no mês passado.

Em outubro, as emissoras de TV aberta encontraram o mesmo problema nas negociações para transmitir o duelo entre Peru x Brasil, que terminou com goleada brasileira por 4 a 2, com direito a três gols de Neymar. Na ocasião, a CBF adquiriu os direitos e repassou para a TV Brasil. Além da BandSports, o jogo também terá transmissão do EI Plus, streaming da Turner, que mais uma vez licenciou os direitos exclusivos da plataforma on-line nas Eliminatórias.

Lance

Opinião dos leitores

  1. Infelizmente tem tudo haver com politica. Para quem pode pagar um canal fechado, mesmo que seja conduzido por um canal não muito profissional no assunto, está tudo bem. Porém, sabemos que a maioria da população que tanto adora futebol, principalmente a seleção brasileira, não tem acesso a canal pago e perdemos cada vez mais aquela que já foi um dos nossos maiores orgulhos e identidade.

  2. Cadê a platinada??
    Ô prejuízo cachorro da mulesta essa emissora levou por não querer ajudar o país.
    Esse povo deve está com a mão na cabeça de tanto aperreio.
    MITO Bolsonaro reeleito em primeiro turno.
    2022.

    1. O Bozo não elege nem vereador, quanto mais ganhar no prumeiro turno, o gado cada vez mais delira na megalomania do Bozonero

  3. Esse boi ta tá deve ter levado tanto chifres, que hoje só come capim dado pelo Burro-Mor de 9 dedos.

    1. Que tipo de brasileiro é vc que não suporta ver a camisa do seu país?

    2. Deprimente Sr. Boi Tatá, simplesmente deprimente ver um comentário como esse. Se vc não respeita as cores/bandeira de seu país vc só mostra o ser desprezível que é e certamente adorador do bandido/adestrador de 9 dedos. Provavelmente um dos muitos que perderam a mamata e agora choram. Independente de política, um cidadão deve respeitar e adorar as cores/bandeira de seu país. Pode não gostar de futebol, eu não gosto, mas desrespeitar seu país é demais. Vc e seus "camaradas" deveriam se mudar p/ Cuba ou Venezuela já que acha que lá que é um modelo de governo correto.

    3. Vc ficam dando corda para esse desocupado que passa o dia bostejando na área de comentários,
      até em notícia sobre a cor do céu.

    4. Não consigo compreender esses comentários sobre a matéria publicada,o que uma pelada de futebol tem haver com a política-partidaria?para mim futebol é futebol,política é política.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

Como prevenir a transmissão da Covid-19 nas praias durante o verão? Conheça as medidas de proteção para evitar a disseminação na estação mais quente do ano

(Foto: Xavier Mouton Photographie/Unspash)

Em um ano em que a principal recomendação foi “fique em casa”, o relaxamento das medidas de proteção contra a Covid-19 – com a retomada gradual dos serviços e a reabertura de alguns espaços públicos – está fazendo com que, ao primeiro sinal de céu azul e temperaturas em elevação, as praias sejam tomadas por multidões. Aglomeração, pessoas sem máscara e compartilhando copos e objetos têm sido rotina no litoral brasileiro, especialmente após o feriado de 7 de setembro.

Embora o Ministério da Saúde tenha publicado em junho no Diário Oficial da União uma portaria (nº 1.565) com orientações para retomada das atividades e convívio social seguro, o documento não traz recomendações sobre os cuidados na praia e dá a prerrogativa a estados e municípios de definirem suas próprias regras. “O importante é lembrarmos que o novo coronavírus continua circulando e adoecendo as pessoas e que o cuidado deve ser mantido, independentemente do local em que se está”, explica o infectologista Moacyr Silva Junior, do Hospital Israelita Albert Einstein.

Bom senso e respeito à saúde individual e coletiva são fundamentais. Por isso, o uso de máscara e o distanciamento físico são atitudes que devem ser mantidas nas areias e calçadões das praias. Para ajudar a população a se proteger contra a Covid-19 e reduzir a propagação do vírus, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), nos Estados Unidos, elaborou uma cartilha com as principais recomendações para os banhistas. O órgão é um dos mais respeitados no mundo em prevenção à doenças.

Confira as principais dicas:

• Ambientes externos e abertos têm menos probabilidade de espalhar o vírus do que locais fechados. Mesmo assim, o risco existe e quanto maior a interação com pessoas que não são da sua família, maior a chance de contaminação.

• Prefira fazer as viagens para praia em carros particulares apenas com pessoas da sua família, que não tenham sintomas e nem a confirmação da doença.

• Não vá à praia e fique em isolamento se tiver qualquer sintoma de Covid-19 (dor de cabeça, febre, coriza, tosse, dor de garganta), se estiver aguardando resultado de exame ou resultado positivo para a doença.

• O risco de contaminação é mais baixo quando visitantes da praia ficam a pelo menos 2 metros de distância dentro e fora da água de pessoas com quem não vivem.

• Não compartilhe alimentos, bebidas, equipamentos (como guarda-sol, cadeiras de praia), brinquedos com pessoas com quem não convivem

• Leve para a praia álcool gel, sabonete e água doce para lavagem das mãos sempre que possível ou após encostar em superfícies tocadas com frequência por pessoas que não são do seu convívio, como cadeiras de praia. Lembre-se que desinfetantes para as mãos podem não ser tão eficazes se as mãos estiverem visivelmente sujas ou oleosas.

• Conheça e respeite as políticas estaduais e municipais para controle da Covid-19 sobre prática esportiva na praia, distanciamento físico, competições e festas.

• Lembre-se que, ao se proteger, você reduz as chances de propagação do novo coronavírus e protege outras pessoas.

“Não temos ainda como prever com certeza qual será o comportamento do vírus nas próximas semanas ou meses. Isso dependerá muito de como cada indivíduo está lidando com a situação. Apesar da redução de casos, as pessoas estão saindo para as ruas, mas não podem relaxar os cuidados”, diz o infectologista do Einstein.

Galileu, via Agência Einstein

Opinião dos leitores

    1. Cristian, até onde eu seu a escolha da profissão é livre. Se a pessoa não quiser se expor que procure outra profissão. Quem quer ser médico e não correr o risco da profissão meu amigo…. da -lhe hipocrisia . Estamos em Guerra contra a "ciência " e seus hipócritas.

    2. Ainda sim, você acha que é terrorismo? Você pode discordar dos métodos, criticar alguns artigos e a revisão pelos pares, mas chamar essa doença bem letal de terrorismo é um acinte contra a Razão.

  1. Ainda insistem com esse terrorismo? Esse vírus tem baixíssima letalidade e as taxas de contaminação e óbitos estão caindo vertiginosamente. Por outra, falar em contaminação ao ar livre e sob sol escaldante é ridículo. E até no mar? Piada. A vida tem que seguir. A humanidade já convive com doenças muito piores.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Taxa de transmissão da Covid-19 fica abaixo de 1 pela terceira semana seguida no Brasil, aponta Imperial College

A taxa de transmissão do novo coronavírus no Brasil se manteve abaixo de 1 pela terceira semana seguida, aponta estudo do Imperial College London. O relatório mostra que o índice está em 0,93 — cada grupo de 100 pacientes com o vírus infecta outras 93 pessoas, o que indica desaceleração no contágio.

O número, também chamado de ritmo de contágio (Rt), reforça a tendência de estabilização da pandemia.

Segundo o relatório, os dados levam em conta a mediana das estimativas de mortes na comparação das duas semanas. De acordo com a margem de erro, essa taxa pode ser maior (até Rt = 1,01) ou menor (até Rt = 0,83). A instituição também informa que as autoridades brasileiras têm revisado os números, e pede que os índices do Brasil sejam lidos com cautela.

Em agosto, a taxa de transmissão do novo coronavírus no país caiu pela primeira vez para valores abaixo de Rt = 1.

Casos e mortes no Brasil

O Brasil registra mais de 150 mil mortes desde o início da pandemia e o número de casos de Covid-19 já passa de 5,1 milhões. A média móvel de novas mortes em 7 dias esteve em 562 na segunda-feira (12), segundo o balanço do consórcio de meios de comunicação com base nos dados das secretarias estaduais de Saúde.

O número é mais baixo desde 9 de maio e representa uma queda de 19% em relação aos dados registrados em 14 dias, a primeira desde 13 de setembro. Antes dessa queda, a média móvel de novas mortes estava estável.

G1

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Denúncia

“O Lado Oculto Do Império” – (VÍDEO): Globo fez pacto com Sérgio Cabral para garantir transmissão das Olimpíadas, destaca reportagem da Record

Confissões inéditas do ex-governador do Rio Sérgio Cabral, contadas à Polícia Federal, revelam que o grupo Globo sabia do esquema criminoso de compra de votos envolvendo o estado e o Comitê Olímpico Internacional – para a escolha do Rio de Janeiro como sede dos jogos de 2016. Se aproveitando da relação próxima com Cabral, os executivos da Globo fizeram um pacto: assegurar, a qualquer custo, a compra exclusiva dos direitos da Olimpíada. O medo era perder, mais uma vez, o direito de transmissão para a concorrência. Assista à integra da terceira reportagem da série O Lado Oculto do Império.

R7

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Última cartada da Globo fracassa e SBT adquire direitos de transmissão exclusiva em TV aberta da Copa Libertadores até 2022

Foto: Manuel Velasquez/Getty Images

O SBT fechou a compra dos direitos de transmissão da Copa Libertadores da América para TV aberta. A notícia foi antecipada pelo UOL Esporte na última segunda-feira (7). O contrato foi assinado na manhã desta quinta-feira(10) pelo vice-presidente da emissora de Silvio Santos, José Roberto Maciel, e representantes da Conmebol, a entidade máxima do futebol sul-americano. A primeira transmissão será entre Bolívar e Palmeiras, pela terceira rodada da fase de grupos, na próxima quarta-feira (16/9).

A partir de agora, a emissora de Silvio Santos irá tomar providências para a montagem de sua equipe. Nessa operação, o SBT conta com um trunfo. Como a Conmebol se responsabiliza pelo aspecto técnico das transmissões (equipamentos, especialistas etc), o canal pode usar mais recursos na contratação dos profissionais à frente das câmeras.

Os primeiros nomes estudados para a narração são os de Téo José e de André Henning. O primeiro trabalha para a Disney e foi emprestado ao SBT para comandar a transmissão do Fla-Flu que decidiu o Carioca deste ano, em julho. O segundo é o nome titular da Turner em transmissões do Brasileirão e da Liga dos Campeões da Europa. Ambos estão com contrato perto do fim com seus empregadores.

Para reportagem e comentários, Mauro Naves é um dos nomes preferidos da cúpula, devido a sua experiência e popularidade após muitos anos na Globo. Naves foi contratado no início do ano pelo Fox Sports e atua como comentarista dos canais Disney. Também serão contratados produtores e coordenadores de transmissão para compor uma equipe robusta. Ao todo, pelo menos 30 profissionais devem chegar para o núcleo esportivo.

Globo tentou última cartada

O acordo entre Conmebol e SBT só foi possível depois de a Globo decidir rescindir seu contrato com a competição já iniciada, mas interrompida devido à pandemia do novo coronavírus. A emissora carioca manteve negociações com a confederação sul-americana e ainda tentou uma última cartada nesta semana para manter a Libertadores em seu menu. Mas esta aproximação foi rejeitada: a entidade já estava com condições e valores acertados com o SBT.

A Globo tinha um contrato até 2022 por US$ 60 milhões por ano pelos direitos tanto de TV aberta e jogos da TV fechada. Mas pediu a rescisão do acordo à Conmebol por considerar o valor alto.

A Libertadores é restrita ao SBT em TV aberta, mas também conta com outros veículos no ramo por assinatura, pelo Fox Sports, e em streaming redes sociais, pelo Facebook. Na TV fechada, a Disney já sabe quais partidas fará, mas pode aumentar esse pacote porque partidas antes previstas para o SporTV estão sem dono —e ela é uma das interessadas. Já o Facebook pode ter perdido a exclusividade de jogos na quinta por causa das mudanças no calendário em decorrência da pandemia, mas continua com um pacote sob sua propriedade, incluindo partidas de Flamengo e Santos.

Tabela e mercado

Neste primeiro momento, o SBT não tem o poder de mexer nos horários e apenas herda o que já havia sido escolhido pela Globo. Mas, a partir da fase de mata-matas, a emissora de Silvio Santos poderá escolher horários que lhe agradem melhor, incluindo a possibilidade de exibir alguns jogos mais cedo. Por ora, a estreia oficial do SBT na Libertadores concorrerá contra o jogo entre Corinthians x Bahia, pelo Campeonato Brasileiro, na quarta (10).

Outro ponto é fechar o pacote de publicidade para os anunciantes. Diretor comercial do SBT, Fred Muller procurou informalmente nomes do mercado publicitário para saber qual seria o interesse de marcas relevantes em anunciar nas transmissões que começam na semana que vem. A resposta foi animadora. Ao menos seis grandes empresas demonstraram interesse imediato. Entre elas, estão duas que fecharam cotas no Fla-Flu do Carioca, exibido pelo canal em julho: PicPay e Ambev.

A informação que circula no mercado hoje é de que o pacote comercial estará disponível em breve. Além de seus próprios patrocinadores, o canal de Silvio Santos também dará espaço para os parceiros comerciais da Conmebol, algo que a Globo não fazia até então.

“É muito bom poder anunciar esta parceria. Sabemos que o futebol é o esporte mais popular no Brasil e, como somos também uma emissora popular, nada melhor do que podermos voltar às transmissões nacionais com um torneio como a Libertadores. Esperamos corresponder às expectativas dos fãs do futebol e do mercado publicitário”, disse José Roberto dos Santos Maciel, CEO do SBT.

“Temos o prazer de apresentar o SBT como novo detentor dos direitos televisivos da Libertadores para o Brasil. Esta aliança nos permitirá levar a emoção da ‘Glória Eterna’ a mais torcedores no território brasileiro”, afirmou Juan Emilio Roa, diretor comercial da Conmebol.

UOL

Opinião dos leitores

  1. Alguém tem dúvida do fim do poder único dos marinhos, perde campeonato carioca, vem perdendo o brasileiro, perdeu fórmula 1 (ninguém mais assistia mesmo), copa do mundo vai perder também e agora a libertadores, mas sabe o que vai acontecer , irão se aliar a investidores comunistas chineses para continuarem vivo como fez a Band, para tentar acabar com a democracia no Brasil.
    Vamos continuar com o nosso boicote a essa emissora lixo.

  2. Eita agora sem F1, sem Libertadores,sem Camp. carioca, Galvão Bueno vai narrar o que na Globo, a queda do império sangue suga dos Marinhos.
    Quero ver a eficiência e o famoso padrão Globo de qualidade sem a enxurrada de verba pública, chegou a hora de mostrar quem é você dona Globo, não era o bicho papão, da show agora.

  3. Engraçado é que virou Globolixo agora. Quando a emissora perseguia o PT, era a queridinha do gado.
    Como sempre, a verdade dói.

  4. Excelente notícia, como mané é mané, vamos agora dividir o dinheiro com SBT, BAND, E OUTRAS MENORES, só não podemos é sustentar a emissora Grobo (assim mesmo)…..

  5. Da-le SBT e RECORD, que se lasque a Globo e quem apoia essa Merda chamada Globolixo, e o doleiro que sustentava a Globo?

  6. Como é lindo ver os vermes caindo da bicheira e se contorcendo até a morte por inanição (de dinheiro público).

    1. Você está, infelizmente, equivocado! O dinheiro público ainda continua lá sendo usado agora para bancar o SBT… Só não vê quem não quer ver!

    2. Não é manoel.
      Vc é quem está totalmente equivocado.
      O SBT recebe dinheiro público pelo que tem direito em lei.
      Vá estudar primeiro.
      Agora se fosse, tava bom de mais, compare a programação das duas tvs, verás que o SBT é o canal da família.
      Todo mundo pode assistir, a qualquer hora.
      Já a globo lixo, não tem a menor condição.
      As 17 horas nas novelas sujas, (malhação) está os cabras torondo as mulheres pra todo que é criança vê.
      Fora globo lixo.
      Vai acabar!!!
      Questão de tempo.
      A mamata acabou!!!
      Só recebe o que tem direito.
      A mamata acabou!!!!

    3. Deixa de ser lesa GADO Socorro lima!!!!!!
      A mamata não acabou, mudou só os mamadores.
      Deixa de papo furado q vc assiste a globo sim, GADO, ou só assiste o programa da Cristina altamente famíliar no sbt ????? ou ainda o programa familiar fofocalizando???? Acho q vc assiste também o programa mais q familiar do ratinho, kkkkkkkk. Deixa de bobagem, acorda GADO.
      Toca o berrante seu menino….
      ÔÔÔÔÔ GADO ôôôôô

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

OMS desaconselha ventilador em local público fechado por causa de risco transmissão da Covid-19

Foto: Divulgação

Após reconhecer parcialmente evidências sobre transmissão da Covid-19 pelo ar, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou nesta semana novas orientações sobre o tema, desta vez alertando para a possibilidade de o ventilador e o ar-condicionado servirem como apoio na propagação do coronavírus de pessoa a pessoa em ambientes fechados.

No formato de “Perguntas e Respostas”, o documento “Ventilação, Ar-Condicionado e Covid” desaconselha o uso de ventiladores em ambientes fechados e compartilhados por pessoas que não vivem na mesma casa e alerta que janelas e portas devem estar sempre abertas durante o uso.

“O ar soprado de uma pessoa infectada diretamente para outra [por meio do ventilador] em espaços fechados pode aumentar a transmissão do vírus de uma pessoa à outra”, alerta a publicação da OMS.

Sobre o uso do ventilador, o documento da OMS orienta:

Deve ser usado somente em casa e em espaço compartilhado por membros da família que vivem juntos

Não deve ser ligado se algum membro da família estiver infectado

Não deve ser ligado quando alguém de fora da casa estiver no ambiente domiciliar (ex: visitas, profissionais que tenham vindo consertar algo, profissionais da saúde etc)

Em locais de trabalho ou escolas, deve-se ligar o ventilador somente “se for inevitável”. Neste caso, deve-se manter porta e janelas do local abertos para permitir a troca de ar do ambiente externo com o interno

Se puder escolher entre um ou outro, escolha o ventilador de teto, já que o de mesa ou pedestal sopra o vento diretamente de uma pessoa a outra

Janelas e portas sempre devem estar abertas durante o uso do ventilador

Sobre o ar-condicionado, a publicação orienta que a função de recirculação do ar não deve ser usada em nenhum momento. Além disso, o aparelho deve ser limpo regularmente e inspecionado com frequência.

Nesta sexta-feira (31), um estudo de Harvard também fez alerta sobre a transmissão do coronavírus pelo ar ao concluir que 59% do surto ocorrido dentro de um cruzeiro no Japão em fevereiro foi por contaminação aérea. O navio em questão é o Diamond Princess, que chegou a ficar quase um mês de quarentena em um porto japonês, com mais de 3,7 mil passageiros e 700 casos.

Transmissão aérea da Covid

No dia 9, após a divulgação de uma carta assinada por cientistas de vários países, a OMS reconheceu que há evidências que confirmem a transmissão do coronavírus pelo ar em alguns locais específicos e sob determinadas condições.

Segundo a organização, estudos recentes levantaram a hipótese do coronavírus, ao ser expelido por um infectado por meio da fala ou tosse, ser capaz de permanecer no ar e ser inalado por outras pessoas que estejam no mesmo ambiente, até horas depois.

No documento publicado do dia 9, a OMS:

Reafirma que reconhece a transmissão aérea pode ocorrer em procedimentos médicos em ambiente hospitalar que geram aerossóis (como em algumas técnicas de oxigenação e ventilação assistida de pacientes).

Alerta que não há estudos que comprovem a transmissão do Sars-Cov-2 por aerossol lançado no ambiente durante a fala normal.

Diz, porém, que não pode ser descartada a transmissão pelo ar em ambientes internos inadequadamente ventilados e lotados como restaurantes, academias de ginástica e karaokês.

Entretanto, a organização considera que, nesses locais aglomerados, a transmissão por gotículas também pode ser um dos fatores combinados de transmissão. E ainda cita que nesses espaços é maior a chance de um “superespalhador” (infectado com alta carga viral) ser o responsável pela transmissão para várias pessoas, sobretudo se cuidados com higiene e máscaras não forem adotados no espaço.

O documento também avaliou relatórios de pesquisadores que apontam surtos da Covid-19 relacionados a aerossóis concentrados em ambientes como restaurantes, academias e durante a prática do canto (como em karaokês e corais).

“Nesses eventos, a transmissão de aerossóis de curto alcance – particularmente em ambientes internos, com espaços lotados e inadequadamente ventilados – por um período prolongado de tempo com pessoas infectadas não pode ser descartada.”

Na quinta (30), a líder técnica da OMS, Maria van Kerkhove, alertou que boates e casas noturnas estão virando focos de coronavírus. “Cada vez mais vemos as boates como espaços de infecções”, disse.

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Televisão

‘Chaves’ não será mais exibido no SBT após problema com direitos autorais

Foto: Reprodução

Os seriados “Chaves“, “Chapolin” e “Chespirito” não serão mais exibidos no SBT a partir do dia 1º de agosto, informou a emissora nesta sexta-feira (31). Após mais de 35 anos no ar, os programas tiveram seus direitos de exibição barrados no Brasil após notificação da Televisa na última quarta-feira (29). Segundo o SBT, “um problema pendente a ser resolvido com o titular dos direitos das histórias” é o entrave para a exibição dos seriados no país.

Leia a nota do SBT na íntegra:

“A partir deste sábado, 01 de agosto, o SBT deixará de exibir o seriado Chaves. A informação chegou à emissora nesta última quarta-feira (29/07), por notificação da Televisa, emissora mexicana detentora dos direitos da obra produzida, na qual informa que a suspensão é devida a um problema pendente a ser resolvido com o titular dos direitos das histórias.

A exibição dos seriados Chaves, Chapolin e Chespirito estaria garantida até 31/07/2020, com possibilidade de renovação entre as partes, o que verbalmente havida sido confirmado. No entanto, a negativa em relação ao acordo com o grupo detentor de direitos intelectuais sobre as histórias, chegou a apenas poucos dias do fim do contrato.

O SBT lamenta a decisão, principalmente em respeito ao seu público, que acompanha fielmente os seriados há tantos anos na emissora. A emissora continua na torcida para um acordo entre as duas empresas mexicanas o mais rápido possível e, se isto acontecer, teremos o prazer de informar aos fãs de Chaves, Chapolin e Chespirito, imediatamente.”

Jovem Pan

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

FNF vai realizar transmissão dos jogos na retomada do Estadual por meio de plataforma que vai gerar renda para as oito equipes

Foto: Divulgação

A Federação Norte-rio-grandense de Futebol reuniu representantes dos oito clubes que disputam a primeira divisão do Campeonato Potiguar 2020 para apresentar detalhes da tabela com os jogos restantes do estadual e do esquema que será montado para a transmissão das partidas.

A FNF vai realizar a transmissão dos jogos por meio de uma plataforma que vai gerar renda para as oito equipes. A “TV FNF” vai exibir as partidas de forma exclusiva, com qualidade de televisão, levando aos torcedores a experiência de acompanhar o jogo no estádio, com todos os detalhes. A renda das transmissões vai ser rateada entre os clubes. Em breve a Federação Norte-rio-grandense de Futebol vai apresentar a equipe completa que irá participar das transmissões. O projeto da “TV FNF” é coordenado pelo jornalista Thiago César, com apoio da assessoria de comunicação da federação, com Iuri Seabra.

“É um formato que temos certeza que será sucesso e que deve servir de modelo para outras competições e federações pelo Brasil. O projeto foi aprovado por unanimidade pelos filiados e representa uma nova forma de captação financeira para todos eles”, disse o presidente da FNF, José Vanildo da Silva.

A Federação Norte-rio-grandense de Futebol também apresentou o detalhamento da tabela com o restante dos jogos do Campeonato Potiguar 2020. A competição vai retornar no dia 10 de agosto, uma segunda-feira, com a partida entre o América e o Globo na Arena das Dunas. Na rodada de retorno, também jogam Palmeira contra Potiguar na quarta dia 12, Santa Cruz e ABC no mesmo dia e Força e Luz contra ASSU na quinta-feira, dia 13.

FNF

Opinião dos leitores

  1. Comprei o restante dos jogos do Potiguar paguei 110,00 não consigo entrar par assistir os jogos solicitei orientação como acessar aos jogos pelo computador ninguém me ajudou muito triste nunca mais caio nessa !

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Coronavírus: o risco real de transmissão pelos olhos

Evidências comprovam que o coronavírus pode ser contraído pelos olhos e alguns estudos sugerem a possibilidade de transmissão do vírus pelas lágrimas. Shelyna Long/Getty Images

A possibilidade de transmissão do novo coronavírus pelos olhos tem sido motivo de preocupação para muitos pessoas. Isso fez com que o uso do escudo facial saísse do ambiente hospitalar e passasse a ser visto nas ruas, usado por inúmeras pessoas, nos mais diversos ambientes. Mas, afinal, isso é realmente necessário?

Segundo o oftalmologista Wallace Chamon, membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e professor da Unifesp, não existe nenhuma orientação das autoridades sanitárias para o uso de escudos faciais pela população geral. “Profissionais que estão sujeitos a entrar em contato com a secreção do paciente, principalmente profissionais de saúde da linha de frente de atendimento, realmente precisam usar”.

A possibilidade de contrair o coronavírus pelos olhos veio a público pela primeira vez no final de janeiro, quando diversos especialistas afirmaram que essa forma de transmissão seria “absolutamente possível”. O contágio ocorreria quando o paciente encosta as mãos infectadas junto ao globo ocular.

Em maio, um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, confirmou que o coronavírus pode entrar no corpo humano pelos olhos. Os pesquisadores chegaram a essa conclusão após encontrarem a proteína ECA2 e a enzima TMPRSS2 nos olhos de pessoas que morreram de outras causas que não Covid-19.

A ECA2 e a enzima TMPRSS2 são usadas pelo coronavírus para invadir as células e se multiplicar no organismo. Isso explicaria por que alguns pacientes com Covid-19 apresentam conjuntivite. Segundo os autores, os resultados sugerem que os olhos não são somente uma porta de entrada para a infecção, mas também uma fonte de transmissão, por meio das lágrimas.

Especialistas acreditam que a conjuntivite, sintoma presente em 1% a 3% dos pacientes com Covid-19, pode ser o resultado do coronavírus se deslocando do trato respiratório para os olhos. Mas também poderia ser um resultado direto do vírus atacar as células dos olhos, ligando-se aos receptores da ECA2 presente no órgão.

“Há um ducto que liga o trato respiratório aos olhos. Portanto, se todo o trato respiratório tiver coronavírus, provavelmente alguma partícula viral vai escapar para a lágrima, por essa ligação, mas isso não significa que pode haver transmissão pela lágrima”, explica Chamon,

Pesquisa publicada da revista científica Ophthalmology, da Academia Americana de Oftalmologia, concluiu que é improvável que pacientes infectados transmitam o vírus para outras pessoas através das lágrimas. Entretanto, os autores ressaltaram que nenhum dos pacientes do estudo apresentou conjuntivite em decorrência da doença. Isso ignifica que, embora rara, ainda existiria a possibilidade desse tipo de transmissão em pessoas com Covid-19 que desenvolvem conjuntivite como um dos sintomas.

Prevenção

Qual é a melhor forma de se proteger? “Os principais cuidados para prevenir a infecção por coronavírus são higienizar as mãos, manter a etiqueta respiratória, evitar colocar a mão na face ou coçar os olhos e sempre usar máscara”, diz o infectologista Gerson Salvador, especialista em saúde pública pela USP.

O coronavírus, assim como outros vírus respiratórios, entra no organismo por mucosas, como boca, nariz e olho. Isso acontece principalmente por meio das nossas mãos, que acabam se contaminando quando tocamos em superfícies e levarmos a mãos ao rosto, o vírus entra no organismo. Por isso é tão importante manter as mãos limpas.

Outra forma possível é um pessoa infectada tossir ou espirrar diretamente no rosto de uma pessoa saudável e uma gotícula entrar diretamente nos olhos. Por outro lado, se todas as pessoas estiverem de máscara, isso não acontece.

“Se alguém sem máscara tossir nos meus olhos, eu serei infectado, mesmo que eu esteja de máscara. Por isso, somente eu usar máscara não é suficiente. Nesse caso, eu realmente precisaria estar de máscara e escudo facial. Então é importante lembrar que usar máscara serve não só para auto-proteção, mas também para proteger outras pessoas”, diz o infectologista Wilbur Chen, professor de Universidade de Maryland, nos Estados Unidos.

Embora não seja necessário, não há contraindicação para quem decidir usar o escudo facial pois se sente mais seguro e protegido, desde que ele seja usado como complemento ao uso da máscara e jamais no lugar dela.

Veja

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

TRANSMISSÃO DO SBT: Com rivalidade intensa, Fla-Flu encerra na noite desta quarta Carioca marcado por polêmicas

Foto: © Lucas Mercon/Fluminense F.C./Direitos Reservados

Não há como falar em Fla-Flu sem lembrar de Mário Filho e Nelson Rodrigues. Os dois irmãos, que ainda pequenos se mudaram para o Rio de Janeiro, eternizaram o clássico entre rubro-negros e tricolores em linhas diferentes das quatro que circundam o gramado. Crônicas de exaltação ao match, que teria começado “40 minutos antes do nada”, dão todo um charme ao embate, que, se em alguns momentos ficou em segundo plano entre os grandes duelos do futebol carioca, não perdeu sua essência após mais de 100 anos de disputa e rivalidade.

Rivalidade que está em alta como pouco se viu nos últimos anos. Menos pelas arquibancadas, que, aliás, estarão vazias mais uma vez por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19), e mais pelos bastidores, com troca de farpas que se intensificaram nos últimos 10 dias. Nesta quarta-feira (15), a partir das 21h (horário de Brasília), o jogo que decide o campeão carioca de 2020, no Maracanã, põe um ponto final nessa discussão. Ao menos até o reencontro entre os times no Campeonato Brasileiro.

Será o terceiro embate entre Flamengo e Fluminense em uma semana. Em campo, na última quarta-feira (8), empate por 1 a 1 no tempo normal, gols de Gilberto (Flu) e Pedro (Fla), com posterior decisão nos pênaltis, com goleiro Muriel brilhando e dando ao time das Laranjeiras o título da Taça Rio, o segundo turno do Estadual. Fora dele, o clima nada amistoso entre as diretorias desde a determinação de volta do campeonato (Rubro-Negro a favor, Tricolor contra) se intensificou na esfera dos direitos de transmissão da partida.

Para entender: o Grupo Globo era detentor dos direitos de 11 dos 12 participantes do Carioca, a exceção do Flamengo. Alegando quebra de contrato pelo fato de o clube da Gávea ter transmitido a partida contra o Boavista, pela fase de grupos da Taça Rio, o conglomerado rescindiu o contrato do Estadual. O Rubro-Negro se baseou na Medida Provisória 984, que dá à equipe mandante o direito de exibição do jogo.

Para a final da Taça Rio, o mando de campo foi definido em sorteio na Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj), com vitória do Fluminense, que, portanto, poderia exibir a partida em seu canal no YouTube, a FluTV. O Tribunal de Justiça Desportiva (TJD), então, foi acionado e também liberou o canal do Flamengo (FlaTV) para transmitir o duelo, o que gerou troca de notas públicas entre os clubes, algumas em tom irônico. A exclusividade ao Tricolor só foi garantida, minutos antes de a bola rolar, pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

O título da Taça Rio colocou, outra vez, Fluminense e Flamengo frente a frente, desta vez para decidir o título carioca, pois o Rubro-Negro fora campeão da Taça Guanabara, primeiro turno do estadual. Desta vez sem polêmica sobre direitos de transmissão, a partida teve vitória flamenguista por 2 a 1, com gols de Pedro e Michael para o time da Gávea e de Evanilson para o das Laranjeiras.

A transmissão de domingo (12), pela FluTV, chegou a 3,3 milhões de espectadores, pouco menos que os 3,6 milhões de quatro dias antes, um recorde no YouTube.

Para o duelo desta quarta, o Flamengo negociou os direitos de exibição com o SBT, que transmitirá a partida em rede nacional em TV aberta. No duelo decisivo, o time do português Jorge Jesus tem a vantagem do empate para levar o título pela 36ª vez. O Fluminense precisa vencer por dois gols de diferença, pelo menos, para levar o 32º caneco estadual no tempo normal. Se a vitória tricolor for por um gol, a decisão será nos pênaltis. O clube comandado por Odair Hellmann não conquista o Carioca desde 2012.

No Flamengo, o principal desfalque é o atacante Gabriel, expulso nos acréscimos do jogo de domingo, quando deixava o gramado para ser substituído. O lateral-direito Rafinha, com uma torção no tornozelo esquerdo sofrida no clássico, é dúvida. Se ele não jogar, o provável substituto será Matheuzinho, promovido da equipe sub-20, já que o reserva imediato, João Lucas, recupera-se da covid-19. Já a novidade será a volta do atacante Bruno Henrique, poupado no primeiro jogo da final por causa de dores na panturrilha esquerda.

Jorge Jesus, portanto, deve mandar o Flamengo a campo com: Diego Alves; Rafinha (Matheuzinho), Rodrigo Caio, Léo Pereira e Filipe Luís; William Arão, Gerson e Everton Ribeiro; Arrascaeta, Bruno Henrique e Pedro.

Pelo lado do Fluminense, o zagueiro Nino pode retornar ao time após ficar fora da partida anterior devido a um entorse no joelho esquerdo. Digão atuou no lugar. Os atacantes Wellington Silva, diagnosticado com o novo coronavírus, e Fred, que passou por uma cirurgia no olho esquerdo, desfalcam o Tricolor nesta quarta. O camisa 9 só deve retornar ao time no Campeonato Brasileiro.

Se mantiver a base da equipe que encarou o Flamengo nos últimos jogos, Odair Hellmann deve escalar o Flu com: Muriel; Gilberto, Matheus Ferraz, Digão (Nino) e Egídio; Dodi, Hudson e Yago; Nenê, Marcos Paulo e Evanilson.

Transmissão da Rádio Nacional

E você pode acompanhar a final do Campeonato Carioca, entre Flamengo e Fluminense, nesta quarta a partir das 20h45 (horário de Brasília). A locução será de Felipe Rangel, os comentários de Waldir Luiz, a reportagem de Mauricio Costa e o plantão e produção de Luiz Ferreira.

Sintonize a Rádio Nacional do Rio de Janeiro em 1130 kHz AM ou acesse radios.ebc.com.br a partir das 20h45 e fique por dentro das emoções de mais um Show de Bola Nacional.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *