Área de alerta de desmatamento na Amazônia cresce 103,7% na comparação com novembro passado, apontam dados do Inpe

Infográfico mostra os registros de alertas de desmatamento para o mês de novembro, segundo o Inpe — Foto: Elida Oliveira/G1

O mês de novembro de 2019 teve recorde no registro de áreas sob alertas de desmatamento na Amazônia: foram 563,03 km² entre 1° e 30 de novembro, a maior área em toda a série histórica, que começa em 2015. Na comparação com o mesmo mês de 2018, o aumento foi de 103,7%.

De janeiro a novembro de 2019, 8.974,31 km² estiveram sob alerta, quase o dobro do registrado nos mesmos meses em 2018, 4.878,7 km² – aumento de 83,9%.

Os dados são do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), ligado ao Ministério da Ciência, e fazem parte do sistema de Detecção em Tempo Real (Deter). Este sistema não é usado como a taxa oficial de desmatamento na Amazônia, mas pode indicar a tendência de devastação do bioma. Ele só tem registro a partir de 2015 porque o sistema de detecção passou a usar novos padrões de satélites e a comparação com os dados obtidos desde 2004 não é indicada pelos cientistas.

A taxa oficial de desmatamento é medida pelo Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes). O dado mais recente foi divulgado no mês passado: foram devastados 9.762 km² entre agosto de 2018 e julho de 2019, aumento de 29,5% em relação ao período anterior. O G1 entrou em contato com o Ministério do Meio Ambiente para saber que medidas estavam sendo tomadas para evitar a devastação, mas ainda aguarda retorno.

Com informações do G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bento disse:

    Esse governo chegou para destruir toda corrupção e outras mazelas criadas pelo governo anterior
    e não tem limites, aí está toda nossa confiança.

    • Amançador. disse:

      Tem que botar pra produzir mesmo, ano que vem, tem que bater o recorde, tá tudo sobre controle, a Amazônia brasileira só tem 3% desmatado.
      Tem que igualar a Europa, com pelo menos 50% desmatada.
      Hoje, se ja somos o segundo maior produtor de grãos do mundo, vamos passar fácil pro primeiro e se tornar imbatível.
      Deixa os esquerdopatas europeus e brasileiros, berrar. Kkkkkkk
      Tá tudo controlado o resto é politicagem sebosa, usam até crianças e adolescentes, nessa campanha idiota.
      Chupa mané macron.
      Chupa molusco.

  2. Xô PT disse:

    Os PTralhas acharam pouco quebrar o país, agora estão tocando fogo em tudo. OH RAÇA RUIM!!!

    • Araújo disse:

      O PT criou políticas sociais de inclusão, teve até miserável que conseguiu viajar de avião. Hoje tem miserável que se acha rico de direita kkkkkk

  3. Junior disse:

    Esse governo veio para destruir tudo, não adianta mais confiança, chegou o limite.

Desmatamento na Amazônia cresce quase 30% entre agosto de 2018 e julho de 2019, diz Inpe

Foto aérea mostra uma parcela desmatada da Amazônia perto de Porto Velho — Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

A área desmatada na Amazônia foi de 9.762 km² entre agosto de 2018 e julho de 2019, de acordo com números oficiais do governo federal divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Trata-se de um aumento de 29,5% em relação ao período anterior (agosto de 2017 a julho de 2018) que teve 7.536 km² de área desmatada.

Os números divulgados nesta segunda-feira (18) são do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), considerado o mais preciso para medir as taxas anuais. Ele é diferente do Deter, que mostra alertas mensais, e já sinalizava tendência de aumento.

Quatro destaques do levantamento

Alta foi de 29,5% em 12 meses: área passou de 7.536 km² (agosto/17 e julho/18) para 9.762 km² (agosto/18 – julho/19)

Foi a maior área desde 2008, quando o Prodes apontou 12.911 km² desmatados

Desde 2012, quando desmatamento foi de 4.571 km², aumento anual foi de 11,4%

Ministro Ricardo Salles diz que principal motivo do crescimento é prática de atividades econômicas ilegais

Período agosto – julho

O Prodes usa o intervalo entre agosto e julho porque ele abrange tanto as épocas de chuva quanto as de seca na região amazônica. Desse modo, envolve os momentos mais cruciais no “ciclo do desmatamento” e é capaz de identificar eventuais influências do clima. O desmatamento costuma ser seguido de queimadas.

A divulgação do dado foi feita durante evento em São José dos Campos (SP) e teve a presença dos ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, além do diretor do Inpe, Darcton Damião.

O levantamento do Prodes é realizado desde 1988. A informação publicada nesta segunda ainda é preliminar: como em todos os anos, o Inpe revisará o dado no primeiro semestre de 2020, e chegará à taxa consolidada.

O Prodes faz o mapeamento com imagens dos satélites Landsat, CBERS e ResourceSat. O sistema consegue quantificar as áreas desmatadas maiores que 6,25 hectares. Também registra o chamado “corte raso” das florestas, que é a remoção completa da cobertura florestal primária. Segundo o Inpe, o nível de precisão do Prodes é de aproximadamente 95%.

Desmatamento por estados

Com 3.862 km² de área desmatada, o estado do Pará teve a maior contribuição com o desmatamento da região. Foram 39,56% de toda a floresta derrubada.

Mato Grosso, Amazonas e Rondônia ultrapassaram os mil km² de desmatamento e foram, nesta ordem, os estados que mais contribuíram com o aumento da taxa de desmate atrás do Pará.

G1

 

Amazônia tem outubro com o menor número de queimadas da história, desde o início do monitoramento em 1998

Foto: Fábio Tito/G1

Outubro de 2019 apresentou o menor número de queimadas na Amazônia desde o início do monitoramento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em 1998. O número mais baixo de focos, até então, havia sido registrado no mesmo mês daquele ano, com 8.777 detecções de calor. Neste ano, foram 7.855 pontos registrados durante todo o mês de outubro.

Segundo o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), não há apenas um motivo para atribuir à queda do fogo na Amazônia. A temporada de chuva começou em algumas regiões, assim como houve uma redução nas queimadas intencionais – reflexo da repercussão do fogo e também do índice alto no mês de agosto. Além disso, ocorreu a implementação da Operação da Garantia da Lei e da Ordem Ambiental (GLO), comandada pelo Exército Brasileiro por meio de um decreto do governo federal para combater crimes ambientais.

Com informações do G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cesar disse:

    Quando aumentou o desmatamento a responsabilidade era do gov. Bolsonaro, agora que caiu foi por motivos diversos. Brincadeira né IPAM, assim a tua credibilidade vai ao chão.

  2. pereira disse:

    Com certeza o povo brasileiro não ACREDITA, nessas e em tantas outras MENTIRAS contadas por esses institutos e por essas agencia reguladoras. UMA CORJA DE PINOQUIOS.

  3. Ems disse:

    Será a matéria de capa da Folha de São Paulo ???

Bolsonaro diz que a Amazônia “interessa ao mundo”, está “aberta” e tem que ser explorada de forma racional

Foto: José Dias / PR

O presidente Jair Bolsonaro, que cumpre agenda no Japão para a cerimônia de entronização do imperador Naruhito, voltou a defender a exploração da Amazônia nesta segunda-feira. Na avaliação de Bolsonaro, “a Amazônia está aberta e tem que ser explorada”.

Em conversas com jornalistas, o presidente foi indagado se a floresta seria pautada nas conversas bilaterais no país asiático.

— A Amazônia interessa ao mundo todo, está aberta. Tem que ser explorada, é nossa a Amazônia, não abro (mão) disso. Tem mais de 20 milhões de pessoas que não podem ser tratadas como alguns países no mundo querem — afirmou Bolsonaro, sem especificar as nações às quais se referiu.

Questionado sobre as relações entre Brasília e Tóquio, Bolsonaro voltou a falar sobre a exploração amazônica.

— O Brasil tem grande potencial. Temos nossa Amazônia, tem que ser explorada de forma racional, o livre comércio, restabelecer a confiança. Muitos investidores japoneses perderam fortunas com o governo do PT com roubalheira, com corrupção, e o trabalho nosso é restabelecer essa confiança — seguiu o presidente.

O Globo, com Valor

 

‘Interesse na Amazônia não é no índio nem na porra da árvore, é no minério’, diz Bolsonaro

Foto: Isac Nóbrega/ Divulgação

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira que “o interesse na Amazônia não é no índio nem na porra da árvore, é no minério”. A afirmação ocorreu em discurso a garimpeiros de Serra Pelada (PA) em frente ao Palácio do Planalto, após Bolsonaro receber representantes do grupo.

O presidente afirmou que irá divulgar um vídeo sobre a exploração do grafeno que, ajudaria a “abrir a cabeça da população”, e voltou a criticar o líder indígena Raoni Metuktire , dizendo que ele não fala pelos índios.

— Esse vídeo é muito bom para abrir a cabeça da população de que o interesse na Amazônia não é no índio nem na porra da árvore, é no minério. E o Raoni fala pela aldeia dele, fala como cidadão, não fala pelos índios, não. É outro que vive tomando champanhe e em outros países por aí — disse o presidente.

Os garimpeiros pedem uma “administração militar” da área. Eles fazem parte da Cooperativa de Mineração dos Garimpeiros de Serra Pelada (Coomigasp).

Bolsonaro afirmou que enviará as Forças Armadas se houver amparo na lei. Ele disse que a situação será tratada pelo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e afirmou que quer dar uma resposta ainda nesta terça.

— Se tiver amparo legal, eu boto as Forças Armadas lá. Se tiver amparo legal, não vou prometer para vocês o que não posso fazer. Se tiver amparo legal, eu boto as Forças Armadas lá, a gente resolve esse problema aí.

Empresas estrangeiras, ‘pelo que parece’, pagam propina

O presidente afirmou que, “pelo que parece”, empresas estrangeiras pagam propina para não terem crimes ambientais divulgados, mas não especificou a quais companhias estava se referindo.

— O mundo, muitas vezes, (fica) criticando o garimpeiro. Agora, a covardia que fazem com o meio ambiente, empresas de vários países do mundo fazem aqui dentro do Brasil, ninguém toca no assunto porque a propina, pelo que parece, pelo que parece, corre solta, pelo que parece.

Bolsonaro também disse que a mineradora Vale cometeu um “crime” na década de 1990, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.

— Esse é um país que é roubado há 500 anos. A gente conhece o potencial mineral do Brasil. Eu sei como a Vale do Rio Doce abocanhou, no governo FHC, o direito mineral no Brasil. O crime que aconteceu.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tarcísio Eimar disse:

    É isso aí, votei no PR pra ser assim mesmo, dizer na bucha sem delongas. E é pra apertar mais ainda pq o povo ainda não entendeu,alias nunca entende mesmo.

  2. Clara disse:

    Tão patriota que não sabe nem de onde vem a [email protected]**@ do nome do país que governa. O negócio é atiçar a [email protected]**# do gado com baixaria e teoria de conspiração sebosa.

  3. Ana leticia disse:

    Poxa, o presidente falou o nome "porra", imagina LULADRAO que chamou a nossa governadora de" tubo de desodorante e grelo duro". Na realidade nossos últimos presidentes são cada um pior que o outro, vejamos o Honorável Bandido, leiam o livro , Sarney. FHC que entregou a Telebrás e vale por menos de 10% do seu a valor. De Collor ninguém precisa dizer nada, pois todos já sabem o corrupto inveterado que ele é. LULADRAO tá preso, logo não precisa dizer nada. Dilma nosso poste de estimação, semelhante a LULADRAO ajudou a roubar essa bagatela de 1 TRILHAO. Temer e sua galerinha com dinheiro de corrupção já diz tudo sobre ele. Portanto chamar esse palavrao deve ser um crime muito grave mesmo, o restante é só santo.kkkkkkk

  4. JEGUEDEGUE disse:

    O interesse na Amazônia não é no índio nem na porra da árvore, é no minério que vou dar pra os zamericanu, talkei?! Tem q ver isso aí, talkei?! E não me venham perguntar onde tá a porra do Queiroz de novo, talkei?! I love you Trump.

    My fiofó is all yours Mr. Trump. I love you.

  5. #Lula Na Cadeia sempre disse:

    Esse RAONI é outro malandro, o ladrao condenado Lula colocou uma usina no meio do Amazônia , ROUBOU OQUE PODE NESSA OBRA e esse FDP não abriu a boca esses anos todos , só um IDIOTA PTRALHA para acreditar nesse espertalhão

  6. Ferreira disse:

    E a Produção industrial desaba enquanto governo Bolsonaro combate o socialismo!

  7. ALIRIO disse:

    Valeu meu PRESIDENTE, bote p fuder…

  8. Thor Silva disse:

    O presidente fala a língua da gente, sem mimimi. Foda eram os outros presidentes que falavam muito formal e por trás meteram a mão no bolso da nação.

    • Cidadão Indignado disse:

      O filhinho dele é tão honesto! É de uma reputação ilibadíssima.

  9. Bolsominion disse:

    Já já vira notícia internacional. Nosso mito é um poço de inteligência.

  10. Almir Dionisio disse:

    Um presidente da república que ao falar para nação fala PORRA, já diz a que veio.
    Literalmente o Brasil não teve sorte com os últimos presidentes.
    Cada povo tem o governo que merece.
    Aguenta BRASIL>

    • Chico disse:

      Melhor que roubar o país

    • Pacífico Sul disse:

      Primeiro: isso não foi um pronunciamento à Nação, ok?
      Segundo: Espero que não tenha se esquecido de como o presidiário se referiu a então Senadora do PT, hoje governadora do teu estado!

STF homologa acordo de R$ 1 bi para Amazônia e R$ 1,6 bi para educação com fundos da Lava Jato na Petrobras

Foto: Nelson Jr/STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), homologou nesta terça-feira (17) o acordo para destinar R$ 1 bilhão para a preservação da Amazônia, e R$ 1,6 bilhão para a área de educação. Os recursos têm como origem uma multa paga pela Petrobras às autoridades brasileiras após um acordo junto ao governo dos Estados Unidos.

Com a homologação, Moraes autorizou a transferência “imediata” do dinheiro, que se encontra depositado em uma conta na Caixa Econômica Federal, para a conta única do Tesouro Nacional.

Do total deR$ 1 bilhão destinado à Amazônia Legal, R$ 430 milhões devem ser repassados pela União aos estados da região, levando em consideração a área desmatada e o número de focos de queimadas em cada estado, entre outros fatores, como área territorial e população estimada.

A ideia de destinar parte do dinheiro pago pela Petrobras à preservação da Amazônia foi dada pela Mesa Diretora da Câmara dos Deputados e também pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, após a repercussão internacional com o aumento do número de queimadas na Floresta Amazônica.

De início, a procuradora e membros do Congresso defendiam que toda a quantia fosse destinada à União, para ser aplicada nas áreas de educação e ciência.

No dia 5 de setembro, um acordo selando a destinação dos recursos para a Amazônia e para a educação foi assinado pela procuradora-geral, pelos presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), bem como pelo advogado-geral da União, André Mendonça, e o procurador-geral da Fazenda Nacional, José Levi Mello do Amaral Jr.

“A defesa da Amazônia, que é patrimônio brasileiro, é muito importante, e ela agora conta com recursos que irão para a área da agricultura, para assistência técnica, para regularização fundiária, para prevenção de queimadas e também para a regeneração da floresta”, disse Raquel Dodge após a assinatura do acordo.

Fundo

O ministro Alexandre de Moraes é o relator de dois processos – uma ação de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) e uma reclamação – que tratam da destinação dos mais de R$ 2,5 bilhões que a Petrobras se comprometeu a repassar às autoridades brasileiras após o acordo firmado com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Com o pagamento da quantia, as autoridades norte-americanos se comprometeram a não processar a Petrobras em decorrência dos prejuízos causados a acionistas estrangeiros pelos casos de corrupção investigados na Operação Lava Jato.

De início, um segundo acordo firmado entre a Petrobras e a força-tarefa da Lava Jato no Paraná previa que o dinheiro fosse destinado a uma fundação a ser gerida pelo Ministério Público Federal (MPF) paranaense, mas Moraes considerou que tal destinação seria ilegal, após ter sido acionado pela Procuradoria-Geral da República (PGR), e bloqueou o valor por meio de liminar (decisão provisória) proferida em março.

Para o ministro, o acordo firmado entre Petrobras e o Ministério Público Federal no Paraná “desrespeitou os preceitos fundamentais da separação de poderes, do respeito à chefia institucional, da unidade, independência funcional e financeira do MPF e os princípios republicano e da legalidade e da moralidade administrativas, pois ambas as partes do acordo não possuíam legitimidade para firmá-lo”.

Amazônia

Dos R$ 1,06 bilhão destinados à Amazônia Legal, ficou determinado que o dinheiro deve obrigatoriamente ser aplicado em “prevenção, fiscalização e ao combate do desmatamento, incêndios florestais e ilícitos ambientais”.

Do dinheiro destinado à Amazônia, além dos R$ 430 milhões a serem repassados aos estados da região, R$ 630 milhões devem ser empregados pela União em operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) na região, a serem executadas sob a supervisão do Ministério da Defesa; em ações de responsabilidade a serem promovidas pelo Ministério do Meio Ambiente e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama); e na regularização fundiária, a ser implementada pelo Ministério da Agricultura.

Educação

A parcela de R$ 1,6 bilhão destinada à educação deve ser empregada pela União de acordo com a seguinte divisão: R$ 1,001 bilhão em ações relacionadas à educação infantil a serem executadas pelo Ministério da Educação; R$ 250 milhões no desenvolvimento da primeira infância, por meio do programa Criança Feliz, gerido pelo Ministério da Cidadania; e R$ 100 milhões a ações socioeducativas em cooperação com os estados, preferencialmente por intermédio do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luladrão Encantador de Asnos disse:

    Mesmo com esse montante recuperado os denfensores dos corruptos continuam atacando a Lava Jato. A ideologia cega.

  2. paulo disse:

    nesse caso não precisa os governadores da região norte irem atrás daquela micharia da Alemanha e França 178 milhões valeu !

  3. Anti-Político de estimação disse:

    É bastante dinheiro, mas ainda é uma quantia menor do que a FORTUNA que os políticos querem despejar no famigerado e bilionário fundo partidário.

  4. Fernando disse:

    Péra! gilmar beiço de panela e luladrão vão anular a lava-jato e o dinheiro tem que ser devolvido para os ladrões denovo. Tão pensando que é assim?

Mourão critica “ecorradicalismo incensado pela imprensa” e fala que oferta de ajuda a Amazônia é “filantropia de fachada”

Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão, durante a Marcha da Saudade 2019, do Centro de Instrução de Guerra na Selva (30/05/2019). Foto: Adnilton Farias/VPR

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, denunciou uma “campanha internacional movida contra o Brasil” por causa das queimadas na Floresta Amazônica.

Em artigo publicado nessa quarta-feira, 28 de agosto, no jornal Estadão, Mourão disse que a oferta do G7 para ajudar a Amazônia é uma “filantropia de fachada”:

“Cabe apontar o que se revela nas declarações oficiais, nas confidências mal escondidas, nas entrelinhas dos comunicados e no ecorradicalismo incensado pela imprensa: a velha ambição disfarçada por filantropia de fachada.”

Mourão acrescentou:

“Acusações de maus-tratos a indígenas, uso indevido do solo, desflorestamento descontrolado e inação governamental perante queimadas sazonais compõem o leque da infâmia despejada sobre o país, a que se juntou a nota diplomática do governo francês ofensiva ao presidente da República e aos brasileiros.”

O vice-presidente avaliou que “a História dá razão ao Brasil em qualquer debate sobre a Amazônia”:

“Não há país que combine legislação ambiental, produtividade agropecuária, segurança alimentar e preservação dos biomas com mais eficiência, eficácia e efetividade do que o Brasil.”

Com informações de Estadão e UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. mauricio disse:

    o alan provavelmente estava morando na lua quando em 2005 as queimadas aumentaram e muito , puxe pela memoria, leia a revista veja de 2005, quando petistas foram presos recebendo propina, vendendo a amazonia

  2. Allan Pontes disse:

    VTNC quer agora reflorestamento nos quintais e ruas…hahahaha…o assunto é outro VTNC, acho q vc leu e não entendeu o post e tb meu comentário….hahahaha

    • VTNC disse:

      Realmente não entendestes minha resposta ,VTNC ,encerra a conversa aqui !

  3. Allan Pontes disse:

    Hahahaha quero mesmo ver qd nada mais restar da floresta, esse ai já deverá ter passado dessa para melhor(?) e nossos filhos e netos comendo fumaça, isso sim!

    • VTNC disse:

      Comece reflorestando seu quintal sua rua , seu bairro, dê exemplos,tenha soluções , porque críticos de sofá já temos demais !

    • joaozinho disse:

      Seria mais bonita se a França internacionaliza-se Paris e permitisse a imigraçao pra dar exemplo…. e reflorestar toda os campos devastados pela agricultura francesa. Daria um baita exemplo.. mas esqueci; a França e seus adoradores sao hipocritas. Preferem criar uma guerra pra derrubar um governo que nao abre as pernas pra o comercio fajuto frances. Franceses colonialistas, assassinaram milhoes de africanos e indios. Mas isso pra alguns intelectuais é coisa do passado. O ruim é o governo atual, culpado de tudo que é ruim…. pra eles claro.

Países que abrigam Amazônia vão se reunir em 6 de setembro

O presidente Jair Bolsonaro informou nesta quarta-feira(28) que os países que têm em seu território áreas da Amazônia vão se reunir em 6 de setembro para debater uma “política única” de preservação e desenvolvimento da região, registra a Crusoé.

Bolsonaro fez o anúncio ao lado de Sebastián Piñera, presidente do Chile, que visitou o Palácio da Alvorada nesta manhã. O encontro deve ocorrer em Leticia, na Colômbia. A Venezuela, apesar de ter parte da floresta em seu território, não foi convidada.

Países que abrigam a Amazônia vão se reunir no dia 6 de setembro

Crusoé

PGR defende que R$ 1,2 bilhão do valor pago pela Petrobras em acordo com autoridades dos EUA resgatado na Lava Jato vá para Amazônia

FOTO: Antonio Cruz/ Agência Brasil

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu nesta segunda-feira (26) junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) que R$ 1,2 bilhão do valor pago pela Petrobras em um acordo com autoridades dos Estados Unidos no âmbito da Lava Jato seja destinado para o combate ao fogo na Amazônia.

A nova destinação do dinheiro se justifica diante de “uma nova situação emergencial, decorrente de extensas e devastadoras queimadas na Floresta Amazônica, com imenso impacto ambiental, social e econômico”, escreveu Raquel Dodge em manifestação enviada ao STF.

“Nessa perspectiva, considero necessário ao interesse público a repartição dos valores e destinação dos recursos para incluir a proteção ambiental sustentável, o que atende a toda a sociedade brasileira”, acrescentou a PGR.

Na semana passada, a mesa diretora da Câmara dos Deputados, por iniciativa do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez o mesmo pedido em manifestação enviada ao STF.

Nesta segunda-feira, Raquel Dodge defendeu que o R$ 1,2 bilhão seja encaminhado ao Ministério do Meio Ambiente, sendo R$ 200 milhões destinados ao descontingenciamento do orçamento da pasta e R$ 1 bilhão ao financiamento de ações de proteção ambiental.

A PGR disse que os R$ 1,3 bilhão restantes do dinheiro pago pela Petrobras deve ser destinado à educação, conforme previsto anteriormente.

Bloqueio

O Supremo deve dar a palavra final sobre o destino dos recursos, que chegam no total a R$ 2,5 bilhões, valor que se encontra bloqueado, em uma conta na Caixa Econômica Federal, por força de uma liminar (decisão provisória) do ministro Alexandre de Moraes, proferida em março a pedido da própria PGR.

O dinheiro diz respeito a multas decorrentes de prejuízos causados a investidores norte-americanos por causa da corrupção na Petrobras. A princípio, os recursos seriam destinados a uma fundação ligada à força tarefa da Lava Jato no Paraná, conforme acordo firmado entre a operação e o governo dos Estados Unidos, mas Moraes considerou que tal destinação seria ilegal.

Desde o bloqueio, em março, a destinação do dinheiro tem sido alvo de discussões entre autoridades do governo e do Ministério Público Federal (MPF), sem que até o momento tenha-se chegado a uma resolução. Até mesmo prefeituras, como a do Rio de Janeiro, pleitearam o recebimento de ao menos parte da quantia, alegando prejuízos com queda na arrecadação de royalties do petróleo.

Em um entendimento preliminar entre a PGR e o governo, ficou definido que os recursos seriam destinados às áreas de ciência e educação. A procuradora-geral da República decidiu, entretanto, defender que parte seja agora destinada a órgãos ambientais. “São necessárias ações imediatas e concretas contra queimadas”, afirmou ela.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Observador disse:

    Dinheiro tem q ir para o tesouro nacional. O executivo vai dizer aonde vai gastar. Por mais nobre q seja a defesa da amazonia.

  2. Fernando disse:

    Só o comandante e a força tarefa da lava jato pra salvar a Amazônia dos brasileiros. Os petralhas roubaram e moro consegue recuperar, debela o incêndio na floresta e a Amazônia volta pra o domínio do Brasil. MORO 2022, agora pra os brasileiros ter o domínio do Brasil e não os corruptos.

  3. Véio de Rui disse:

    E pra o nordeste nada?

G7 diz que valor para combate a incêndios na Amazônia é de R$ 82 milhões

FOTO: NASA via EFE / 21.8.2019

O G7 anunciou nesta segunda-feira (26) que o valor mobilizado para o combate aos incêndios na Amazônia é de US$ 20 milhões (cerca de R$ 82 milhões).

O anúncio se trata de uma correção da quantia inicialmente divulgada pelo presidente da França, Emmanuel Macron, que havia dito que os membros doariam 20 milhões de euros — e não dólares — para a luta contra as queimadas. Se liberado em euros, o valor equivaleria a cerca de R$ 91 milhões.

Plano para países afetados

A medida compõe a primeira etapa de um plano em parceria com os países afetados para que essa região disponha dos meios necessários “agora que mais necessita”, disse Macron, em entrevista coletiva ao lado do presidente do Chile, Sebastián Piñera.

Além disso, Macron afirmou que a França oferecerá meios militares para as tarefas de controle do incêndio.

“No próximo mês, construiremos uma iniciativa para a Amazônia que será apresentada oficialmente na Assembleia Geral da ONU com todos os países da região”, manifestou.

Já Piñera se declarou “muito contente” pelo acordo com as democracias mais industrializadas e com os países amazônicos para o combate aos incêndios e lembrou que agora é muito necessário o reforço de cooperação pela Amazônia.

A segunda etapa, diante da Assembleia Geral da ONU, contará com a colaboração do Chile para iniciar o processo de reflorestamento, “respeitando a soberania, mas cooperando para cuidar melhor” da biodiversidade”, comentou Piñera.

R7, com EFE

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cade as respostas disse:

    Vou repetir as perguntas pertinentes que Renan fez nesse site, ele postou:
    VAMOS AOS FATOS:
    Informações OFICIAIS começam a ser divulgadas, pois até o final do ano de 2016, eram proibidas, escondidas, ignoradas, manipuladas.
    Dados do INPE revelam que a Amazônia teve 125 mil quilômetros quadrados desmatados nos 8 anos do governo Lula.
    O recorde foi em 2004, quando o INPE registrou em apenas um ano desmatamento de 27,7 mil quilômetros quadrados, equivalente ao Estado de Alagoas, SEM QUE TENHAMOS OUVIDO PROTESTOS DE ONGs ou líderes europeus.
    O Instituto Imazon diz que nos últimos 12 meses foram desmatados 05 mil km2, ou seja, 66% a MENOS que a média anual do governo Lula.
    Qual a fonte? Consultem os sites, blogs, está na mídia.
    Estão entendendo que a mídia paga fez? Omitiu os fatos, não revelou os acontecimentos, afinal eram agraciadas com os repasses milionários dos recursos públicos e ficavam omissas, caladas e indiferentes ao que acontecia na Amazônia.
    Não vi ninguém contestar, pois a situação da Amazônia era de "venda territorial" do Brasil, tudo nas mãos das ONGs, muitas estrangeiras, que apenas exploravam o solo brasileiro sem repor -1 árvore. Se estivessem repondo a vegetação, não existiria tanto desmatamento.

    • Said disse:

      Parabéns pela postagem, é isso mesmo onde rola dinheiro fácil rola sacanagem,vamos mudar essa triste realidade.

Governo estuda enviar Exército para combater queimadas na Amazônia

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (23) que estuda enviar o Exército para combater as queimadas na Amazônia por meio de uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO). Segundo ele, a decisão será tomada ainda nesta manhã. “É uma tendência [determinar uma GLO]. A tendência é essa, a gente fecha agora de manhã”, disse, ao deixar o Palácio da Alvorada.

De acordo com Bolsonaro, ontem (23) houve uma reunião para tratar do assunto. “O que tiver ao nosso alcance nós faremos. O problema é recurso”, ressaltou.

Em despacho publicado ontem em edição extra do Diário Oficial da União, o presidente determina que todos os ministérios, de acordo com suas competências, adotem “medidas necessárias ao levantamento e combate a focos de incêndio na região da Amazônia Legal para a preservação e a defesa da Floresta Amazônica, patrimônio nacional”.

Realizadas exclusivamente por ordem expressa da Presidência da República, as missões de GLO ocorrem nos casos em que há o esgotamento das forças tradicionais de segurança pública. Nessas ações, as Forças Armadas agem por tempo limitado, com o objetivo de preservar a ordem pública, a integridade da população e garantir o funcionamento regular das instituições.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sertanejo disse:

    E esses estudos terminam quando mesmo? Quando queimar tudo? A Bolívia, bem menor que o Brasil, já conseguiu pelo menos um avião tanque. E aqui, até agora, nenhuma providência concreta.

  2. Sérgio disse:

    No momento, eles estão no Congresso. Fazendo lobby para ficar de fora da Reforma da Previdência!!!!!!!

Bolsonaro diz que ONGs podem estar por trás de queimadas na Amazônia

FOTO: REUTERS/Adriano Machado

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira que organizações não-governamentais podem estar por trás das queimadas na Amazônia por terem perdido recursos e estarem querendo atingi-lo.

Ele não apresentou evidências das alegações e, indagado se tinha provas do que afirmava, disse que não existem planos escritos nesses casos.

“O crime existe. Isso temos que fazer o possível para que não aumente, mas nos tiramos dinheiro de ONGs, 40% ia para ONGs. Não tem mais. De modo que esse pessoal está sentindo a falta do dinheiro. Então pode, não estou afirmando, ter ação criminosa desses ongueiros para chamar atenção contra minha pessoa, contra o governo do Brasil”, disse o presidente em entrevista ao sair do Palácio da Alvorada.

Em seguida, Bolsonaro afirmou que “tudo indica” que pessoas se preparam para ir à Amazônia filmar e então “tocaram fogo” na floresta.

Questionado se tinha provas ou indícios das acusações que fazia, o presidente afirmou que isso “não tem um plano escrito” e “não é assim que se faz”.

Desde o início deste ano, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que monitora os focos de queimadas no país, já detectou mais de 72 mil pontos, especialmente nos Estados do Mato Grosso, Pará, Rondônia e Amazonas. O número é 83% maior que no mesmo período de 2018 –um ano atípico por ter sido muito úmido– e o maior dos últimos sete anos.

Terra

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Pombão disse:

    É período seco em varias regiões cansei de ver queimadas atrevem BSB. Mais hj tudo a imprensa imputa ao presidente

  2. J. Dantas disse:

    Temos quase 1 milhão de ONGs e 20 mil sindicatos atuando no Brasil, só oerdem para funcionários públicos quando a matéria é trabalho, dedicação e comprometimento com a causa da sociedade… Será que o Brasil é realmente um paraíso para tanta abnegação??? Será que só o Brasil está precisando de tanta ajuda e de tantas ONGs???

  3. Ustra disse:

    Engole o choro, esquerdinhas derrotados!!!! kkkkkkkkkkkkkk

  4. Maria disse:

    Vinte anos de Governos deitando e rolando na Amazônia e o povo sequer tocava no assunto. Graças a estupidez de Bolsorano o povo acordou para os problemas da Amazônia.

  5. Carlos disse:

    Se fala, de certo que tem informações de serviços de inteligência. Divulga dessa forma para que os que estão fazendo isso saibam que estão monitorados. Parabéns Presidente.

  6. Bento disse:

    E eu nem tinha pensado nessa possibilidade.
    Nosso Presidente tem toda razão, cortou a mamatinha, e a quem interessa essas queimadas.
    Fazem o crime, filmam e soltam para o mundo.
    Países inocentes cortam a ajuda e eles vão por trás e negociam por fora para ter a ajuda de volta.
    Para salvar quem??? O bolso deles é claro
    Pelo dinheiro tem gente que é capaz de tudo
    Nosso Presidente tem razão em levantar tal suspeita. Muito suspeito, bota suspeito nisso.

  7. Martha disse:

    Bolsonaro é um IRRESPONSÁVEL! Como ele pode sair propagando isso sem qualquer prova do que está falando? Se fosse só sobre esse tema, mas ele dá pitaco em tudo e faz suas ilações sobre qualquer assunto, sem provar NADA!

    • Chato disse:

      Você leu a matéria? Você é cria do PT. Não sabe, ao menos, interpretar um texto simples! Segue trecho da fala do presidente: "Então pode, NÃO ESTOU AFIRMANDO, ter ação criminosa…"

  8. Marcos disse:

    Nem merece meu comentário!!!

  9. Luiz Antônio disse:

    É muita leviandade uma acusação dessa.

    É muito baixo nível

  10. Rick disse:

    Faz sentido. Deve ter muito agricultor na Europa preocupado com a facilitação do comércio, em decorrência do acordo Mercosul com a UE. Eles só querem um pé para botar areia.

    • Amo os Minions disse:

      Adoro essas teorias da conspiração.

    • Rick disse:

      Amo gente que acha que o Mundo é governado pelos ursinhos carinhosos.
      Que fofo! cute-cute-cute!

    • Luladrão Encantador de Asnos disse:

      Igual aos que acreditam que Lula é inocente.

As obras do governo Bolsonaro na Amazônia

O governo vai começar o seu plano de desenvolvimento pela região amazônica e enviará três ministros – Gustavo Bebianno, Ricardo Salles e Damares Alves – ao oeste do Pará para avaliar investimentos de infraestrutura e definir grandes obras na região, registra o Estadão.

Jair Bolsonaro busca cumprir a promessa de aumentar a presença do Estado no chamado Triplo A – área que se estende dos Andes ao Atlântico, onde organismos internacionais supostamente pretendem criar uma faixa independente para preservação ambiental.

“A região é estratégica para os militares, que querem marcar posição contra o que chamam de ‘pressões globalistas’.”

Os ministros desembarcam nesta quarta-feira em Tiriós (PA) para discutir com líderes locais a construção de uma ponte sobre o Rio Amazonas na cidade de Óbidos, uma hidrelétrica em Oriximiná e a extensão da BR-163 até a fronteira do Suriname.

“A hidrelétrica teria, na avaliação do governo, o propósito de abastecer a Zona Franca de Manaus e região, reduzindo apagões. A ampliação da BR-163 – construída nos anos 1970, ainda inacabada e notícia por causa de seus atoleiros – cumpriria uma meta de integração da Região Norte. Já a ponte ligaria as duas margens do Amazonas por via terrestre, ainda feita por travessia de barcos e balsas. O projeto serviria como mais um caminho para o escoamento da produção de grãos do Centro-Oeste.”

O Antagonista

Macaco que ronrona e piranha vegetariana estão entre as 400 espécies recém-descobertas na Amazônia

2013-657472333-2013102390359.jpg_20131023Um macaco que ronrona como um gato e até mesmo uma piranha vegetariana estão entre as mais de 400 novas espécies de animais e plantas identificadas na Amazônia nos últimos anos. Elas fazem parte das principais descobertas na região entre 2010 e 2013 compiladas pela organização ambiental WWF como alerta para a importância de preservar este bioma e sua biodiversidade. Ao todo, são 258 espécies de plantas, 84 de peixes, 58 de anfíbios, 22 de répteis, 18 de aves e uma de mamífero, numa média de duas descobertas por semana que se somam às mais de 1,2 mil novas espécies de animais e plantas identificadas no período de 1999 a 2009 na região e listadas pela própria WWF em relatório anterior, divulgado em 2010.

— A Amazônia é o bioma número um em biodiversidade no mundo, não há região que concorra com ela nisso — destaca Cláudio Maretti, líder da Iniciativa Amazônia Viva da WWF, responsável pela compilação da lista com base em estudos publicados em periódicos científicos reconhecidos nos últimos anos. — A lista mostra que mesmo com poucos recursos estamos descobrindo novas espécies na Amazônia a um ritmo de uma a cada três a quatro dias e que ainda temos muito a investigar sobre a região, um verdadeiro caldeirão de biodiversidade.

Serviços ecossitêmicos

Segundo Maretti, a divulgação da lista ultrapassa a simples verificação sobre a grande biodiversidade ainda desconhecida da Amazônia. Para ele, além de conhecer é preciso reconhecer que a região presta importantes serviços ecossistêmicos para o planeta — os quais todas as espécies de plantas de animais lá presentes ajudam a construir.

— A lista serve não só para conhecermos mais sobre nossa natureza como também sobre o bem comum que ela nos proporciona — diz. — A Amazônia funciona como um “ar condicionado” do planeta. Ela estoca carbono e a circulação de ar e umidade nela promove o resfriamento e estabiliza o regime de chuvas não só na região como fora da Amazônia. Estes são alguns tipos dos serviços ecossistêmicos que são produto desta complexidade de seres vivos que vivem lá. São estas espécies múltiplas de biodiversidade que prestam serviços que toda a sociedade usa.

A estratégia da WWF com a compilação também é orientar os governos dos nove países que abarcam o bioma da Amazônia — Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname, Venezuela e Guiana Francesa — sobre as melhores maneiras de preservar a região e ao mesmo tempo aproveitar suas riquezas naturais, conta Maretti. Na opinião dele, o Brasil tem feito isso bem com a criação de unidades de conservação e a demarcação de terras indígenas, mas a situação ainda pode e precisa melhorar muito para assegurar a sobrevivência de uma parcela significativa desta biodiversidade.

— Como a Amazônia é a área natural mais importante do mundo, ela teria que ter os parques nacionais mais bem geridos do mundo — defende. — Claro que não podemos pedir para os nove governos deixarem a Amazônia intocada, mas podemos exigir a preservação de uma boa representação da sua biodiversidade e a manutenção dos seus serviços ecossistêmicos. Além do poder de nos maravilhar, a lista serve para orientar. Precisamos investir mais em ciência para investigar e saber onde está esta maior variabilidade biológica para saber também onde é melhor preservar.

Segundo Maretti, as principais ameaças ao futuro da Amazônia continuam sendo o desmatamento para ampliação das fronteiras agropecuárias e a fragmentação de seus ambientes aquáticos, como a interrupção e desvio dos cursos dos rios para a construção de barragens. Nas contas de Maretti, com 30% do território da Amazônia protegidos por unidades de conservação, o restante poderia ser alvo de políticas de desenvolvimento sustentável que levem em conta as características próprias da região.

— A Amazônia tem que servir para o bem da Humanidade, mas isso não pode ser feito seguindo a lógica do desmatamento para levar até lá modelos que não são dela, como grandes plantações de soja — avalia. — Temos que aproveitar o que a Amazônia já tem de bom e pode oferecer naturalmente, fazendo o bioma produzir para nós.

Muitos dos novos animais e plantas identificados na região, no entanto, são altamente especializados e adaptados às áreas que habitam, o que pode dificultar políticas para sua preservação. É o caso, por exemplo, da piranha vegetariana. Batizada Tometes camunani, ela foi encontrada na bacia do Rio Trombetas, no Pará, e ocorre exclusivamente nas zonas encachoeiradas dos rios, locais frágeis e ameaçados pela ação humana.

— Ela é um exemplo da maravilha da biologia — conta. — Na linha evolutiva que levou à espécie, ela mudou o comportamento do ramo que a gerou para aproveitar melhor os alimentos disponíveis, no caso, capins aquáticos.

O Globo

Desmatamento da Amazônia afeta chuvas em países distantes da floresta, diz estudo

A perda de floresta tropical pode afetar pessoas a milhares de quilômetros de distância, de acordo com um novo estudo. O desmatamento pode causar uma grave redução das chuvas nos trópicos, com graves consequências para as pessoas, não só nesta região, mas em áreas vizinhas, disseram pesquisadores da Universidade de Leeds, na Inglaterra, e do Centro de Ecologia e Hidrologia do Conselho de Pesquisa Ambiental Britânico.

O ar que passa sobre grandes áreas de floresta tropical produz pelo menos duas vezes mais chuva do que o que se move através de áreas com pouca vegetação. Em alguns casos, florestas contribuem para o aumento de precipitação a milhares de quilômetros de distância, de acordo com o estudo publicado na revista Nature.

Considerando as estimativas futuras de desmatamento, os autores afirmam que a destruição da floresta pode reduzir as chuvas na Amazônia em 21% até 2050 durante a estação seca.

“Nós descobrimos que as florestas na Amazônia e na República Democrática do Congo também mantêm a precipitação nas periferias destas bacias, ou seja, em regiões onde um grande número de pessoas depende dessas chuvas para sobreviver”, disse o autor do estudo, Dominick Spracklen, da Escola sobre a Terra e o Ambiente da Universidade de Leeds.

“Nosso estudo sugere que o desmatamento na Amazônia ou no Congo poderia ter conseqüências catastróficas para as pessoas que vivem a milhares de quilômetros de distância em países vizinhos.”

 

Da BBC Brasil

Cataratas do Iguaçu e Amazônia estão entre as Sete Novas Maravilhas da Natureza

As Cataratas do Iguaçu foram eleitas integrantes das Sete Novas Maravilhas da Natureza. O anúncio foi feito em Buenos Aires, na Argentina, em cerimônia realizada nesta quarta-feira (22).

A Nova Maravilha é dividida entre o Brasile a Argentina, a linha imaginária da fronteira entre os dois países fica na Garganta do Diabo, uma das quedas d’água. As Cataratas possuem a maior sequência de cachoeiras do mundo e já foram decretadas como Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Além das Cataratas, a Amazônia é outro patrimônio brasileiro eleito como Nova Maravilha. A votação foi realizada pela internet.

Fonte: G1