Empregados da Petrobras filiados à federação suspendem greve

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Empregados da Petrobras filiados à Federação Única dos Petroleiros (FUP), que reúne 13 sindicatos, decidiram na manhã desta quarta-feira (27) suspender a greve iniciada há dois dias. Inicialmente, a paralisação estava prevista para ocorrer até sexta-feira (29).

Na segunda-feira (25), o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Ives Gandra determinou multa diária de R$ 2 milhões aos sindicatos de petroleiros e à FUP, caso decidissem manter a greve. A decisão foi publicada na segunda-feira, motivada por reclamação da Petrobras.

Gandra considerou, em sua decisão, que os petroleiros recém assinaram um Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) e que não fazia sentido arguirem descumprimento de cláusulas por parte da Petrobras.

Em nota, a FUP avaliou como positiva a mobilização. “Além de garantir a produção de petróleo e o abastecimento de combustíveis para a população – compromisso assumido e cumprido pelos trabalhadores do setor de petróleo –, o movimento conseguiu chamar a atenção da sociedade para a política de demissões e transferências em massa, de venda de ativos e de reajustes constantes da gasolina e do óleo diesel promovida pela atual gestão da empresa”, diz o comunicado.

Segundo a FUP, a mobilização contou com 26 mil trabalhadores, direta e indiretamente, o correspondente a mais de um terço do atual corpo de funcionários da Petrobras.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Atento disse:

    A petrobrás é uma fábrica de milionários. O que tem de peão semianalfabeto rico não é brincadeira. Desse jeito, não tem como essa turma deixar de ser petralha.

  2. Cesar disse:

    Mais uma derrota para o petismo. A Petrobras será privatizada, Guedes já tem o plano na gaveta, está só aguardando o momento certo para sacá-lo.

  3. Ivan disse:

    Na hora q privatizar, esses problemas deixam de ser nossos…

    • paulo disse:

      BG
      Acabou o tempo dos "cupaeros", agora é trabalho, ninguém viu mobilização nenhuma quando o índio cocaleiro confiscou os ativos da Petrobrás na Bolívia. Caras de pau.

Federação dos Trabalhadores na Indústria do RN externa preocupação com aumento nas demissões‏

O setor da indústria do Rio Grande do Norte tem sofrido com aumento das demissões, inclusive demissões em massa e até mesmo fechamento de empresas. A Federação dos Trabalhadores na Indústria do RN tem registrado homologações diariamente, mas, também tem registrado o não cumprimento dos direitos dos trabalhadores por parte das empresas, o que tem gerado preocupação. Até julho deste ano, foram mais de 700 demissões.

No mês de agosto, por exemplo, uma mineradora localizada na cidade de Jucurutu fechou as portas e demitiu 22 funcionários, sem, no entanto, pagar os direitos trabalhistas. Isso fez com que o departamento jurídico da Federação entrasse com uma ação coletiva, de número 0001025-35.2014.5.21.0006, junto ao Tribunal Regional do Trabalho.

Joaquim-Bezerra-de-Menezes-“Além de ingressar com a ação, entramos com uma liminar para que os trabalhadores possam receber pelo menos o FGTS e o Seguro Desemprego de imediato”, comenta Joaquim Bezerra de Menezes Neto, presidente da FTI-RN.

De acordo com ele, nos sete primeiros meses de 2014, a Federação homologou 514 demissões na sede de Natal e mais 189 casos na sede de Mossoró, somando mais de 700 demissões em apenas sete meses. Ainda segundo Joaquim Bezerra, os dados são de apenas parte do setor da indústria que é representado pela Federação e não incluem áreas como construção civil e têxtil, que também têm registrado demissões.

Em igual período de 2013, de janeiro a julho, a FTI tinha homologado 457 demissões. Ao longo de todo o ano passado foram 797 demissões registradas na Federação. Já em 2012 foram 761 casos e, no ano de 2011, 687 demissões. “Ou seja, nos últimos anos temos registrado aumento e, neste ano de 2014, em apenas sete meses, já estamos próximos ao total do ano passado”, ressalta.

Fechamento de indústria é reflexo da falta de política de incentivo fiscal

Na semana passada, a fábrica de calçados Alpargatas fechou mais uma unidade, desta vez, na cidade de Santo Antônio. O anúncio do fechamento pegou de surpresa os trabalhadores e o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria dos Calçados no Rio Grande do Norte. Aproximadamente 200 pessoas foram dispensadas da empresa.

Marcones Marinho da Silva, secretário geral da FTI-RN e representante do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria dos Calçados, ressalta que é essa não é a primeira vez que isso acontece. Em 2008, a Alpargatas fechou a unidade da cidade de São Paulo do Potengi e, em 2012, a de Natal, no bairro de Neópolis.

HHH“Infelizmente, nós e os trabalhadores só sabemos do fechamento no dia em que a fábrica é fechada. Então, todos são pegos de surpresa. Além disso, é de extrema preocupação o que tem acontecido no Rio Grande do Norte. Sabendo disso, o Sindicato tem tentado reunião com o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, mas sem sucesso”, revela.

De acordo com Marcones, os trabalhadores buscam entender como tem funcionado o relacionamento entre o Governo do Estado e as indústrias no Rio Grande do Norte. “Isso porque, ao contrário do que possa parecer, a Alpargatas, por exemplo, de acordo com a revista Exame, teve uma receita líquida de R$ 1,747 bilhão, de janeiro a julho deste ano, com elevação de 9,5%, o que vai na contramão do fechamento de uma unidade por suposta crise no setor”.

Para o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria dos Calçados no Rio Grande do Norte, o que falta é política de incentivo fiscal para indústrias que atuam em solo potiguar. “Outros estados do Nordeste, como Paraíba e Ceará, têm atraído cada vez mais empresas. Inclusive, coincidentemente, a própria Alpargatas, teve expansão de suas atividades na Paraíba, nos últimos anos”, destaca Marcones.

Joaquim Bezerra de Menezes Neto, presidente da FTI-RN alerta: “se os gestores não pensarem uma política de incentivo fiscal que vise curto, médio e longo prazo, projetando o futuro da indústria no Estado, a situação tende a se agravar e as demissões e fechamento se tornarem cada vez mais constantes”.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Joaozinho da escolinha disse:

    .. e tem candidato prometendo retirar os incentivos fiscais da industria porque favorece o "rico". Tem cada alienado, sem noção!!! Só sabe a importância da industria quem precisa de emprego no nosso Estado, porque candidato que pensa somente no funcionário publico não representa ninguém. Quem paga o funcionalismo publico é a produção, o capitalismo. Funcionário publico não produz, apenas serve!

"ESPÍRITO DE COPA": Após exigir e receber dinheiro para entrar em campo em campo contra Portugual, Gana está pronta para "jogar pela nação"

A seleção de Gana, que queria mais dinheiro da federação para continuar na Copa, agora está pronta para entrar em campo. Os africanos jogam contra Portugal. Os portugueses têm chances reduzidas de se classificar. Essa partida, então, pode marcar a despedida de Cristiano Ronaldo.

Não. Portugal não veio pedir socorro. Se treinou nesta quarta-feira (25), em Brasília, na Academia dos Bombeiros, foi porque a Fifa decidiu preservar o gramado do estádio Mané Garrincha. Mas não é exagero dizer que Portugal está em uma emergência. Nesta quinta-feira (26), contra Gana, precisa golear. Despertar o fogo adormecido do melhor jogador do mundo, que mudou de penteado mais uma vez, mas ainda não acendeu nesta Copa. E torcer para Alemanha e Estados Unidos não empatarem.

O técnico Paulo Bento chega à véspera do jogo decisivo enfrentando cinco desfalques por lesão. E as cobranças da imprensa portuguesa.

“Vocês dizem que eu vou colocar o lugar à disposição, você dizem que eu vou embora e depois vem me perguntar? O mais lógico seria fazer ao contrário”, reclamou Paulo Bento.

Portugal pode ter seus problemas, mas Gana tem dívidas. O dinheiro do prêmio pela classificação para a Copa do Mundo. E, nesta quarta-feira (25), os jogadores não treinaram em protesto.

A corrida coreografada até engana, mas os guerreiros estão de mau humor. O técnico diz que está difícil pedir paciência, mas que o presidente de Gana prometeu solução nas próximas horas. Os atletas exigem pagamento em dinheiro. Um avião carregado de dólares é a resposta.

Segunda a “Agência France-Presse”, Gana despachou mais de US$ 3 milhões.

“De qualquer jeito, vamos jogar pelo nosso país”, jura Atsu.

“Agora, temos de vencer. Senão, ainda vão dizer que perdemos por causa do dinheiro”, completou o jogador.

Avião chega a Brasília com dinheiro enviado pela federação de Gana

O avião chegou no meio da noite, desta quarta-feira (25), em Brasília, e um comboio com policiais levou o dinheiro da Base Aérea até o hotel onde estão hospedados os jogadores da seleção de Gana.

Com informações do Jornal Nacional

Após briga, federação proíbe entrada de Mancha Verde e Gaviões da Fiel em estádios

A Federação Paulista de Futebol proibiu nesta segunda-feira (26) a entrada das torcidas organizadas Gaviões da Fiel e Mancha Alviverde nos estádios até que sejam apurados os fatos da briga que resultou na morte de um palmeirense na manhã deste domingo (25) na Zona Norte de São Paulo. Segundo a federação, a decisão vale até que os responsáveis sejam punidos.

A delegada Margarette Barreto, da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), pediu nesta tarde a proibição para a FPF.  Cerca de 300 torcedores das organizadas se envolveram na confusão. A polícia apura se o confronto foi organizado pela internet.

A briga ocorreu horas antes do jogo entre os clubes pelo Campeonato Paulista. Na briga, o estudante André Alves Lezo, de 21 anos, levou um tiro na cabeça. Ele morreu horas mais tarde e foi enterrado na tarde desta segunda.

Em nota, a federação diz que, “considerando que é dever da entidade preservar a disciplina nos campos de futebol, resolve proibir a entrada nos estádios, até que sejam apurados os fatos e os responsáveis punidos nos termos da legislação em vigor (Estatuto do Torcedor)”. A federação não informa como será feita a proibição da entrada das torcidas nos jogos.

Segundo a Margarette Barreto, o pedido de restrição de acesso aos estádios das duas torcidas foi feito apenas à Federação Paulista de Futebol e ainda não é analisado pela Justiça. Vinte e sete torcedores já estavam impedidos de entrar nos estádios. As sanções aplicadas pela federação, no entanto, são apenas administrativas.

A torcida Gaviões da Fiel informou que não foi oficialmente comunicada sobre a proibição e que, por isso, não irá se manifestar. O G1não conseguiu entrar em contato com a Mancha Alviverde na tarde desta segunda para comentar o caso.

Contra proibição

O gerente de futebol do Palmeiras, César Sampaio, esteve no enterro do jovem e disse nesta que a proibição da entrada de torcidas organizadas nos estádios paulistas pode não inibir a violência entre os adeptos.

“Os torcedores sendo proibidos de ir ao estádio pode até inibir [a violência], mas isso não inibe que eles se encontrem. Esse problema não foi no estádio, foi antes do jogo”, disse Sampaio.

Fonte: G1