Delegacia de Capturas prende foragido na Zona Norte

Os policiais civis da Delegacia Especializada em Capturas e Polinter (Decap) prenderam na tarde de ontem, domingo (20), o foragido da justiça, Carlos Antonio Bezerra da França.

O foragido foi preso no bairro Pajuçara, localizado na zona norte de Natal,por força de mandado de prisão expedido pela 12ª Vara Criminal da Comarca de Natal. Carlos Antônio é condenado pelo crime de roubo, ocorrido em 2007.

Câmara de Monitoramento de Homicídios do RN propõe mudança na atuação de delegacia

 Depois de discutir, anteriormente no dia 17, os principais problemas atravessados pelo Instituto Técnico Científico de Polícia do RN (Itep-RN), a Câmara de Monitoramento de Homicídios do RN realizou, nesta sexta (24), na presidência do TJRN, mais uma mesa redonda para apontar soluções, desta vez, relacionadas aos procedimentos de atuação da Delegacia de Homicídios (DEHOM).

Na reunião, coordenada pelo juiz auxiliar da presidência do TJRN, Fábio Filgueira, participaram representantes do Ministério Público, OAB – seccional RN, além da Defensoria Pública, Polícia Civil e Secretaria de Segurança Pública. Todos concordaram com a ampliação das competências daquela unidade de polícia.

Dentre as várias mudanças sugeridas nos procedimento da delegacia, foi discutida a importância da Dehom estar presente nos locais do crime – que tem sido feita apenas pelas delegacias distritais – e não apenas no que se refere às investigações.

“É tudo pra ontem nessas questões. Sabemos que existem coisas que dependem de ‘outros’. Mas, aquilo que está em nossas mãos pra fazer, podemos apresentar soluções”, reforça Filgueira, no momento em que todos enfatizaram a importância de modificar os modelos de atuação da DEHOM, cujas alternativas seriam todas apresentadas à Secretaria de Segurança Pública, para ter ou não o aval.

“O RN tem sido vítima de homicídios pelas torcidas organizadas desde 1998. Tudo é mesmo urgente”, enfatizou o representante da OAB, Marcos Dionísio, presidente do Conselho Estadual dos Direitos Humanos.

TJRN

FOTO: Crise da Polícia no RN é tão grande que até o teto de delegacia na Grande Natal não fica "de pé"

576x432xdelegacia.jpg.pagespeed.ic.9NtQKOKiIeFoto: Anderson Flavio Barbosa

O episódio trágico, pela falta de estrutura nas delegacias do Rio Grande do Norte, infelizmente, acaba sendo cômico pela exposição ao ridículo que a nossa Polícia tem passado. O desabamento foi registrado na manhã dessa segunda-feira(25), na Delegacia de Polícia Civil na cidade de Ceará-Mirim, região metropolitana de Natal.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sergio Nogueira disse:

    Tratar segurança pública com amadorismos só traz esse resultado. Começou com o prédio do CIOSP agora essa delegacia.
    Essa piada é um governo. Agora é esperar a famosa explicação: "Estamos licitando a reforma da delegacia e no máximo em 15 anos tudo estará normalizado."
    Porque afinal a Primeira Dama não renuncia?

Dezenove suspeitos de depredação em prédio da Câmara Municipal de Natal serão ouvidos por delegado

Dezenove são os suspeitos de depredação da Câmara Municipal de Natal durante os 10 dias em que foi ”tomado” por manifestantes do Movimento Passe Livre. É o que disse o presidente da Casa, o vereador Albert Dickson (PP).

Em decorrência dos prejuízos que somam mais de R$ 30 mil, segundo o presidente da CMN, um inquérito foi aberto para apurar o caso na 1ª Delegacia de Polícia Civil, sob o comando do delegado Elivaldo Jácome.

A lista com os suspeitos já está anexada ao inquérito e cada um deles será ouvido nos próximos dias, assim como o próprio vereador Albert Dickson (PP), este a prestar depoimento ainda nesta semana, na quinta-feira(31), e que afirma que a Câmara tem diversas provas gravadas e fotografadas.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. primo das primas disse:

    Só r$ 30 mil? Quantos grades foram refeitas e o investimento contra depredação nos últimos meses?

Por falta de estrutura, delegacia em Natal é interditada pela Covisa

A coisa tá feia. A Coordenadoria de Vigilância Sanitária do Rio Grande do Norte interditou no último dia 23 de julho a 7ª Delegacia de Polícia localizada na avenida Mário Negócio, no bairro das Quintas, Zona Oeste de Natal.

De acordo com a Covisa, o prédio onde funciona a delegacia tem várias falhas na estrutura, colocando em risco a saúde das pessoas que lá trabalham. A determinação pela interdição é válida até que a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social realize reformas em todo o prédio.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Zé Ninguém disse:

    O dinheiro devolvido está fazendo falta, hein?
    Será que a culpa é do Governo Federal nesse caso?
    Isso explica em que ESTADO a SEGURANÇA PÚBLICA do RN se encontra?
    Proponho aos cidadãos de bem de nossa ilustre cidade Natal, a fazer um "TUR" pelas delegacias de Policia, só da Capital mesmo, e tirem fotos, filmem, documentem, o que encontrarem, para ver a real situação nos bastidores de uma propaganda governamental que teima em nos vender uma imagem falsa de a Rosa de Mossoró está no Estado das Maravilhas. Se fizerem isso também com as Escolas e Postos de Saúde, aí teremos um panorama interessante para apresentarmos ao nosso povo que está pagando essa conta e ainda vai pagar muito mais em virtude dos três grandes empréstimos que o Governo do Estado contraiu para investir em áreas que deixam dúvidas em relação a suas prioridades no momento de CAOS que estamos vivenciando.
    Taí uma dica para o Blog: fazer um concurso de fotografias e filmagens dos Postos de Saúde, Delegacias de Polícia e Escolas Públicas do Estado, pois se na Capital tem essas situações, imagine nos interiores.
    E já que ninguém pede a intervenção e afastamento dessa gestora que já deu provas mais do que suficiente de que está mais perdida do que cego em tiroteio, que abram a caixa preta das finanças do Estado, pois a eleição se aproxima…
    E ninguém ainda entende porque o "polvo" está nas ruas hein?

Juiz determina retorno imediato de PMs para lotação em delegacia de Pau dos Ferros

O juiz da Vara Criminal de Pau dos Ferros, Rivaldo Pereira Neto, deferiu pedido de liminar, para determinar, de imediato, que o Estado do Rio Grande do Norte, através do Comando Geral da Polícia Militar, lote novamente oito policiais militares, que então prestavam serviços na Delegacia Regional de Pau dos Ferros, até que haja a convocação de policiais civis concursados ou remanejamento de outros do próprio quadro.

Os PMs já trabalhavam na 4ª DRPC e no último dia 2 de maio foi emitido um boletim mantendo-os por mais dois anos. Porém, no último dia 8, o Comando Geral da PM determinou que esses policiais retornassem para o 7º BPM de Pau dos Ferros. Isso aconteceu também nos municípios de Alexandria e Patu. Como consequência, 39 cidades teriam que lavrar os flagrante – após as 18h e durante finais de semana – em Mossoró, pois as Delegacias desses municípios ficariam fechadas por falta de efetivo.

Visando o imediato retorno de policiais militares para Delegacia Regional de Pau dos Ferros uma advogada entrou com ação popular alegando que diversos policiais militares, já há alguns anos, estão cedidos à Delegacia em razão da completa ausência de policiais civis para prestarem serviços. E que tal situação está confirmada, pelo fechamento da Delegacia Regional no período noturno e nos fins de semana, pois conta com apenas três policiais civis e um delegado.

Segundo o juiz Rivaldo Pereira Neto , à primeira vista, o ato do Comandante Geral da PM/RN ordenando o retorno de policiais militares aos seus postos nas respectivas unidade militares de origem, apresenta-se legal. Contudo, analisando o ato em um contexto mais abrangente, aferindo-se não apenas a legalidade estrita, mas outros princípios constitucionais – princípio da juridicidade, tem-se que o referido ato padece de vícios insanáveis.

Sem estrutura

“A pretexto de dotar a PM local de maior estrutura de recursos humanos, criou-se um caos na segurança pública não só no Município de Pau dos Ferros, mas de outras dezenas de cidades que a Regional abrange” – pontua o juiz.

“Considerando que a PM local, conforme confessadamente afirma o Comandante local em ofício dirigido a esta autoridade judiciária, também não conta com viaturas suficientes para encaminhar, à autoridade policial mais próxima, os autuados em flagrante para procedimento de lavratura do respectivo auto de prisão, criou-se um dilema insolúvel: não vai poder prender ninguém, pois o fazendo não terá a quem apresentar para lavrar o auto de prisão em flagrante”, destaca o magistrado.

Na decisão, o juiz reconhece o desvio de função dos policiais militares atuando como agentes da polícia judiciária e que tal situação já deveria ter sido equacionada com a convocação de policiais civis em tempo oportuno. “No entanto, admitir-se que de forma repentina, e sem qualquer previsibilidade, resulte no fechamento de uma Delegacia Regional de Polícia Civil nos períodos onde justamente há maior pressão da criminalidade (noite e fins de semana), impedindo a realização de prisão de quem quer que seja, ainda que por crimes hediondos, isto seria fechar os olhos para um frontal violação de um direito fundamental de segunda geração (direito social à segurança), que também por força do art. 144 da CF/88 constitui um dever do Estado e um direito de todos”, disse o juiz Rivaldo Pereira Neto.

Ele disse ainda que os policiais civis e militares, embora com funções distintas, são parte integrante de um mesmo sistema, o de segurança pública, previsto no mesmo art. 144 da CF/88, de forma que eventual desvio de função de oito policiais militares implica em prejuízo bem inferior do que simplesmente o fechamento de um estratégica Delegacia Regional do porte de Pau dos Ferros.

Mossoró: MP quer investigar manutenção de presos em delegacias

A Promotoria de Justiça da Comarca de Mossoró instaurou Inquérito Civil Público para investigar a manutenção de presos provisórios ou condenados no mesmo Prédio da Delegacia de Polícia Civil Especializada em Furtos e Roubos de Mossoró.

De Acordo com o Inquérito Civil as unidades prisionais destinadas aos presos provisórios da Comarca de Mossoró, previstas no Decreto Estadual n.º 20.382, de 12/03/2008, SEJUC não são suficientes para a demanda, e que tal fato, associado à falta de investimento na construção de cadeias públicas, nos moldes do que determina a Lei n.º 7.280/82 e das resoluções do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária vem causando superlotação e manutenção de presos em condições desumanas.

Conforme apurado pela Promotoria, o Centro de Detenção Provisória Masculino (CDP) do Município de Mossoró funciona no mesmo Prédio da Delegacia de Furtos e Roubos, que não tem estrutura física adequada para custodiar presos além do tempo necessário à lavratura do auto de prisão em flagrante, o que favorece a ocorrência de fugas, depredação das repartições policiais, apropriação indevida de armas por criminosos e mesmo a destruição de autos de inquérito, documentos e outros elementos de prova.

O Promotor de Justiça da Comarca, Silvio Ricardo Gonçalves de Andrade Brito, dentre outras diligências, oficiou  à COVISA – Coordenação de Vigilância Sanitária, para a realização de inspeção nos locais em questão, a fim de verificar a salubridade dos imóveis e a compatibilidade do funcionamento destes como unidades prisionais de acordo com a legislação sanitária, no prazo de 20 dias, esclarecendo detalhadamente eventuais irregularidades encontradas.

O representante do MP oficiou ainda ao Secretário Estadual de Justiça e Cidadania requerendo, no prazo de 10 dias, informações a respeito da existência de Plano Estadual Penitenciário que contemple a reforma do imóvel onde funciona o CDP Masculino ou construção de outra cadeia pública na Comarca de Mossoró, com cópia deste, esclarecendo a existência de previsão orçamentária e eventual convênio com Governo Federal em andamento para esse fim.

Sinpol quer mais que promessas de novos presídios e cadeias

No olho do furacão, o Governo garantiu nesta quarta-feira (08) na imprensa que fará finalmente a construção de algumas das cadeias públicas que tanto a sociedade vem reivindicando. Diante do descumprimento do Termo de Acordo, assinado no Tribunal de Justiça no dia 13 de julho de 2011, com os policiais civis, o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol)  protocolou ofício pedindo reunião com a SEJUC para cobrar dos gestores o Cronograma de Obras.

O Sindicato observa que não basta o Estado dizer que dará sua contrapartida e informar cifras milionárias. O que quer, e que é devido judicialmente à categoria, é a apresentação de prazos e roteiros das obras. Segundo a cláusula terceira do referido Termo, que trata sobre a remoção de todos os presos que ainda se encontram irregularmente custodiados nas delegacias, o Estado se comprometeu a apresentar, 30 dias após o enceramento da greve, ou seja, antes do final de agosto de 2011, o cronograma de execução de obras das Cadeias Públicas de Lajes, Macau, Ceará-Mirim, Mossoró e ampliação da Penitenciária de Alcaçuz.

O SINPOL/RN ressalta ainda que vem cobrando a apresentação desse cronograma nas muitas audiências com representantes do Governo, assim como nos Ofícios enviados. O que chama mais atenção é que a administração vem alegando falta de recursos e limite prudencial, quando na verdade faltou competência para conseguir os recursos federais. Tanto que segundo o relatório do “Plano Diretor do Sistema Penitenciário”, que descrimina os investimentos e ações previstas para a área, e foi atualizado em fevereiro de 2011, o Rio Grande do Norte perdeu, no último ano, R$ 47 milhões de verba federal destinados à construção ou ampliação de treze cadeias públicas (mais de duas mil vagas).

Promessas

Agora, além de confirmar a assinatura de um contrato com a empresa Jireh Comércio e Representações Ltda, no valor de R$ 204 mil, para executar, já a partir desta segunda-feira (13), as obras de manutenção da rede elétrica e conclusão das obras de esgotamento sanitário do pavilhão 5 da Alcaçuz, o secretário Kércio Silva Pinto também anunciou que o Governo está garantindo a contrapartida financeira para a construção de uma cadeia publica na Zona Norte e para substituição da antiga Deprov.

O gestor também garantiu que o Ministério da Justiça, através do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), garantiu a verba de R$ 25 milhões para a construção de estabelecimentos penais, cada um com capacidade para 200 vagas, em média, sendo dois presídios masculinos em Parelhas, na região do Seridó, e em Ceará Mirim, na Região Metropolitana de Natal (RMN) e dois presídios femininos, em Mossoró, na região Oeste e em Parnamirim, também na Grande Natal.

Em nota, Sindicato diz: "O caos do sistema penitenciário está estabelecido"

O Sindicato da Polícia Civil e Servidores da Segurança Pública (Sinpol) tomou medidas no início da tarde desta terça-feira (7) diante dos últimos acontecimentos e decisões na esfera presidiária, que afetam diretamente as delegacias, e, portanto, a Polícia Civil do Rio Grande do Norte.

Além de ter protocolado ofícios solicitando reuniões de urgência com a procuradora-geral de Justiça Adjunta, Maria Auxiliadora de Souza Alcântara, e com o juiz da 12ª Vara de Execuções, Henrique Baltazar, responsável pela decisão de interditar Alcaçuz, a entidade emitiu Nota à Opinião Pública dizendo não ao retorno de presos às delegacias e afirmando: “O caos do sistema penitenciário está estabelecido”.

Veja na íntegra:

Polícia Civil diz não ao retorno de presos às delegacias

Sinpol enfrentará decisão ilegal da Sejuc
Caos do sistema penitenciário está estabelecido

“Delegacia não é presídio ou cadeia pública, e o policial é para investigar”. Foi com essa fala que o presidente do SINPOL/RN anunciou o posicionamento da categoria face à decisão que impedirá o recebimento de presos nas unidades prisionais do Estado. Para Djair Oliveira, o Governo, em especial a SEJUC, tem que assumir tal responsabilidade, já que ela é estabelecida por Lei.

O SINPOL lembra a SEJUC que a decisão do Dr. Henrique Baltazar não pode respingar na Polícia Civil, vez que existe decisão maior e já ratificada pelo TJRN, STJ e STF (Ação Civil Pública Nº 001.06.026377-7 que foi movida pelo MPRN), a qual já transitou em julgado, na qual decidiu que “policial civil do RN não deve mais custodiar presos de justiça”.

Na ocasião, o SINPOL/RN ratifica o posicionamento da Delegacia Geral, vez que, o Dr. Fábio Rogério, garante em entrevistas na imprensa que não aceitará que policiais civis sejam vigias de presos, citando que: “Eles (referindo-se aos integrantes da SEJUC) têm que assumir a responsabilidade pelos presos. Não vou admitir este desvio de função dos policiais civis.”

O SINPOL lembra que atualmente o Governo do Estado devolveu R$ 47 milhões ao Governo Federal, por não ter apresentado um programa de reforma, ampliação e construções de novas unidades prisionais, demonstrando, pois, a generalização da incompetência, bem como demonstra a falta de vontade política para resolver o problema ora em questão.

Contudo lembramos a você, companheiro, que a mobilização é, na maioria das vezes, a arma eficaz para a manutenção da democracia, a qual vem “apanhando” (e muito) de governos incompetentes que, às vezes, não tão alicerçadas na verdadeira justiça.

A palavra agora está com o Governo do Estado, na ocasião em que se faz o seguinte questionamento: onde ficarão os presos de justiça a partir de amanhã? Porque nas delegacias de policia civil, eles não ficarão.

Adepol emite nota de repúdio contra custódia de presos em delegacias

A Associação dos Delegados da Polícia Civil (Adepol) emitiu uma nota de repúdio se manifestando contra a permanência de presos nas delegacias em virtude da interdição do presídio de Alcaçuz. A nota é assinada pela delegada Ana Claudia Saraiva, presidente da Associação.

Confira a nota na íntegra

Nota de repúdio

A Associação dos Delegados de Policia Civil do Estado do Rio Grande do Norte repudia na integra o anúncio de que diante da negativa do coordenador de administração penitenciária em receber novos presos, por causa da interdição parcial de Alcaçuz, prevista para essa quarta-feira (8), os presos voltariam a ficar custodiados nas delegacias.

Isso seria um retrocesso inadmissível, todos que representam a policia civil passaram anos na luta para retirada de presos das unidades policiais, problema que além de comprometer o trabalho de investigação, representa um desvio de função policial, além de dificultar o acesso do cidadão que precisa de atendimento em uma Delegacia. Portanto, não iremos aceitar passivos a pretensão de devolver a policia judiciária uma atribuição que não é dela.

São anos de falta de investimentos, construção e ampliação de cadeias públicas e presídios no Estado. A SEJUC, a quem compete administrar e custodiar a população carcerária, há anos não apresenta solução definitiva para tal problemática.
Não criam novas vagas no sistema, o número de prisões aumenta, a superlotação ultrapassa o limite tolerável , então qual a solução que encontram? transferir o problema para policia civil? chega de improviso, isso é inaceitável.
A Policia Civil do Estado, que já não dispõe de estrutura física, abriu mão de alguns dos seus prédios, transferindo-os para a SEJUC, durante décadas fez concessões, assumindo responsabilidades que não são suas, fomos mais que compreensivos e contributivos, querer que continuemos a fazer o que não nos compete é no mínimo um desrespeito a nossa instituição e ao cidadão.

Há mais de 10 anos se discute a necessidade imperiosa de ampliação de vagas no sistema prisional, perguntamos quantas cadeias públicas foram construídas? o que se vê volta e meia são fugas de presos, superlotação e na prática sempre o improviso de soluções e transferência de responsabilidades.

Quanto tempo continuaremos a assistir o caos sem que nada de concreto seja feito? não há milagres, a única solução é a construção de presídios e cadeias públicas no Estado. Já não acreditamos em promessas e cronogramas de construção que não se concretizam.

A população clama por segurança, a policia precisa continuar trabalhando e efetuando as prisões dos delinqüentes, se o Estado não oferece lugar para custodiá-los o problema é da gestão penitenciária que só será resolvido quando for feito aquilo que há tanto tempo se fala em fazer, construir, ampliar o número de vagas.
Se não há vagas nos presídios, se neles e nas cadeias públicas as condições de custódia são desumanas, o que dizer das condições das Delegacias que não foram construídas para tal finalidade?
Estamos lutanto por melhores condições para realizar nosso trabalho que é investigar o crime, por isso não poderemos permitir esse retrocesso de desvio de função para fazer um trabalho que não nos compete. Que cada instituição cumpra o seu papel, de forma integrada, mas cada um assumindo as suas responsabilidades.

Ana Claudia Saraiva
Presidente Associação dos Delegados de Polícia Civial do RN

Caicó vai ganhar delegacia da PRF e obras já começaram

O Superintendente da Polícia Rodoviária Federal do Rio Grande do Norte, Rosemberg Alves, esteve reunido hoje(03), com o prefeito de Caicó, Bibi Costa. O objetivo foi  estreitar a parceria com o Poder Executivo local. O trabalho dos policiais começa nos próximos meses com a instalação definitiva em Caicó.

O terreno onde será erguida a Delegacia Regional da Polícia Rodoviária Federal já foi escolhido, e, inclusive, a empresa contratada para tocar a obra fez a terraplanagem e nos próximos dias começa os trabalho. O local está distante cerca de 600 metros do Posto do Moinho, na margem da BR 427, no sentido Caicó-Serra Negra do Norte.

O posto da serra da Rajada será desativado. A Delegacia em Currais Novos também. Os dois serão erguidos no novo local.

Fonte: Blog do Sidney Silva

Advogados trocam socos e pontapés em plena Delegacia de Plantão

O Grande Sérgio Costa narra esse roçoio no Portal BO. Lamentável,

Um episódio um tanto quanto curioso marcou a noite da Segunda-feira (23), na Delegacia de Plantão da Zona Sul de Natal, no bairro de Candelária. O local que sempre foi reduto de histórias de ações policiais e temas que norteiam a segurança pública acabou sendo palco de uma verdadeira troca de socos violenta protagonizada por dois advogados criminalistas.

O fato aconteceu no início da noite quando um dos envolvidos chegou à delegacia para atender um cliente que se encontrava preso por porte ilegal de arma. Ao dar entrada na sala onde ficam detidos os acusados de crimes, o Dr. Foi abordado por um colega também advogado que o indagou sobre sua carteira da OAB. Aparentemente chateado com a indagação o jovem criminalista relutou em apresentar o documento o que provocou uma ameaça do colega de lhe dar voz de prisão.

Os ânimos ficaram alterados e o advogado do preso apresentou a carteira dizendo que o colega era um “goiaba”. “Vou mostrar que você é um goiaba, um goiaba”, disse.

Poucos minutos depois, quando todos pensavam que a discussão estava dada como terminada veio o pior, o advogado chamado de goiaba teria revidado chamando o outro de “bixona”. Com isso os dois entraram a vias de fato e trocaram socos e ponta pés em plena delegacia, na frente da imprensa, dos policiais e de três jovens que aguardavam ser ouvidos pelo delegado.

Imediatamente os agentes que estavam na recepção e na sala de investigação correram para dar fim ao “pau”. Os dois foram separados, mas demoraram trocando farpas com palavrões e ameaças.

Eu vi tudo! Testemunhei tudo e com todo o respeito aos queridos amigos advogados, os quais mantenho uma relação de boa amizade, que se envolveram e assistiram comigo o cacete, o ocorrido não foi legal, foi no mínimo feio e que de alguma forma me deixou com vergonha alheia.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Micael Melo disse:

    Lamentável…

  2. Tatu disse:

    Estes são membros de uma verdadeira corja de advogados de porta de cadeia

  3. Paulo disse:

    Era pra rasgar o nomes desses Advogados de porta de cadeia.

Bandido toma carro de assalto ao lado da delegacia de Candelária

Um carro foi tomado de assalto agora há pouco em Candelária. O dono do veículo estava chegando em casa, na rua Ernesto Nazareth, quando um homem armado saiu de trás de uma árvore e anunciou o assalto.

A vítima teve a arma apontada para a cabeça, não teve alternativa a não ser obedecer o criminoso. O carro levado foi um Fiat Punto Verde, de placas MYY-9555. O carro não tem seguro e o dono está desesperado. Quem tiver alguma informação, avise a polícia.

A rua Ernesto Nazareth é palco comum de assaltos. Várias casas já foram alvos dos bandidos. Este de hoje seria mais um qualquer, se não tivesse ocorrido ao lado da delegacia de plantão da zona Sul e do Centro de Detenção Provisória de Candelária. Quer dizer, na verdade crimes perto de instituições policiais aqui em Natal também não são nada incomuns.

Fonte: Jacson Damasceno

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gustavo disse:

    Que bobeira hein, carro sem seguro…

Raimundo Fernandes cobra presença de delegados, juízes e promotores em municípios do interior

O deputado Raimundo Fernandes (PMN) sugeriu ao governo do Estado a criação de um projeto de lei que determine a permanência, por pelo menos dois anos, de um promotor de justiça nas comarcas. Outra sugestão feita pelo parlamentar é a nomeação de delegados nas cidades-pólo do Rio Grande do Norte.

Segundo ele a simples presença desses agentes da justiça e segurança seria responsável pela diminuição dos números da violência nesses locais.

“A população precisa cobrar dos órgãos competentes a presença de juízes, delegados e promotores. Essa situação se repete em várias comarcas. Na minha cidade, São Miguel, por exemplo, o juiz vai de oito em oito dias. A lei para a permanência de um promotor de justiça por pelo menos dois anos em cada comarca é para que evite as constantes transferências e remoções”, destacou.

Os deputados Vivaldo Costa (PR) e Leonardo Nogueira (DEM) concordaram com a argumentação de Raimundo Fernandes.

Polícia Civil estoura fábrica de documentos falsos em Natal

A Polícia Civil estourou agora há pouco uma fábrica de documentos falsos em Natal. O local foi durante as investigações que decorreram da prisão do professor  José Regeofran Melo Feitosa, 42 anos, que tentava fazer um saque usando documentos falsos em uma agência do Banco do Brasil no final da manhã de hoje.

Na ação coordenada pela Delegacia Especializada em Falsificações e Defraudações (Defd) foram apreendidos vários materiais utilizados na falsificação dos documentos e duas pessoas foram presas. O local foi onde José Regeofran comprou o documento falso.

O delegado Júlio Costa, titular da Especializada começa uma coletiva logo mais na própria delegacia.

Relembre o caso

Polícia prende em flagrante homem tentando realizar saque ilegal

Sindicatos dão parte na delegacia contra a Secretaria de Saúde

Pondo em prática a decisão de intensificar o movimento de greve da saúde, o Sindicato dos Médicos do RN (Sinmed), Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do RN (SindSaúde) e Sindicato dos Odontologistas do RN (Soern) se reunem nesta sexta-feira (18), às 9h, em frente ao maior hospital do estado, o Walfredo Gurgel e de lá sairão em caminhada à delegacia de polícia para registrar um Boletim de Ocorrência (B.O.) contra a Sesap, na pessoa de sua secretária interina Dorinha Burlamaqui.

Segundo o presidente do Sinmed, Geraldo Ferreira, o B.O. será feito para denunciar os riscos que a Sesap deixa os pacientes correrem através da falta de leitos, de medicamentos e vagas em UTI no HWG.

A expectativa dos sindicatos é de que, com essa ação, as autoridades convoquem os responsáveis pela situação da saúde no RN e procedam as medidas cabíveis para assegurar o atendimento adequado a população. Geraldo Ferreira também informou ao Diário de Natal o interesse de levar o caso ao Ministério Público e, para isso, os sindicatos estão fazendo um levantamento da realidade dos hospitais da rede pública a fim de apresentar dados concretos sobre os riscos aos quais a população norte-riograndense está exposta quando necessita ser atendida por meio do Sistema Único de Saúde.

Fonte: DN Online