Balança comercial inicia 2020 com superávit de US$ 1,77 bilhão

Foto: Pixabay

O Ministério da Economia informou nesta segunda-feira (13) que a balança comercial registrou em janeiro deste ano, até este domingo (12), um superávit de US$ 1,778 bilhão.

Quando as exportações superam as importações, o resultado é de superávit. Quando acontece o contrário, o resultado é de déficit.

De acordo com o governo, as exportações no período somaram US$ 6,351 bilhões (alta de 10,4% na comparação com janeiro de 2019).

Nessa comparação, houve aumento nas vendas de produtos semimanufaturados (8,5%) e básicos (23%), enquanto houve queda nas exportações de produtos manufaturados (-3,4%).

As importações, ainda segundo o governo, totalizaram US$ 4,573 bilhões (queda de 12,3% na mesma comparação).

Recuaram os gastos com combustíveis e lubrificantes (-35,6%), adubos e fertilizantes (-28,5%), aeronaves e peças (-16,6%), cereais e produtos da indústria da moagem (-14%), farmacêuticos (-5,5%).

Ano de 2019 e projeções

No ano passado, a balança comercial registrou superávit de US$ 46,6 bilhões. Com isso, o saldo positivo, assegurado principalmente pela exportação de produtos básicos, ficou 19,6% abaixo do de 2017.

A expectativa do mercado financeiro para este ano é de nova queda do saldo comercial. Segundo pesquisa realizada pelo Banco Central na semana passada, a previsão para 2020 é de um saldo positivo de US$ 37,3 bilhões nas transações comerciais do país com o exterior.

O Banco Central, por sua vez, prevê um superávit da balança comercial de US$ 32 bilhões neste ano – com exportações em US$ 225 bilhões e compras do exterior no valor de US$ 193 bilhões.

O Ministério da Economia, que não divulgou projeção para o saldo comercial de 2020, avaliou que o “menor dinamismo” do comércio internacional deve ser visto como um “fenômeno estrutural e não cíclico” e que a Argentina “continuará sendo um fator negativo”.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ricardo Carvalho disse:

    Péssima notícia para os devotos do partido que virou quadrilha e para a turma do quanto pior, melhor!

    • Arthur disse:

      Notícia normal, todos os anos de Lula foram de superávit, enquanto o dólar estiver nas alturas é mais jogo vender do que comprar de fora. Ô mania feia desses minions comentar asneira.

Vasco prevê dobrar superávit em 2020 e arrecadar R$ 48 milhões com o sócio-torcedor

Imagem do projeto do novo CT do Vasco — Foto: Vasco da Gama

No próximo dia 26 de dezembro o Conselho Deliberativo do Vasco votará se aprova ou não a proposta orçamento de 2020, que apresentou números expressivos em comparação a do ano passado. O superávit, por exemplo, que foi de R$ 72 milhões, dobrou, passando para R$ 154 milhões. Em relação ao valor de receita bruta, uma margem líquida estipulada em 49,7%.

Outro ponto curioso na proposta apresentada pela diretoria administrativa fica na parte de “Direitos Federativos e econômicos”, ou seja, quanto o clube espera arrecadar com uma possível venda de atletas. O valor é de R$ 46 milhões, bem inferior ao que se imagina receber em uma proposta por Talles Magno.

Proposta prevê R$ 18,9 milhões em doações para o CT

Um dos principais objetivos da diretoria no próximo ano, a obra de construção do novo CT prevê R$ 18,9 milhões em doações, sendo que o custo final seria de R$ 22 mi. Entre os maiores gastos estão: Superestrutura (R$ 5 mi), campos (R$ 1,5 mi), campo/estádio (R$ 1,7 mi) e parte elétrica (R$ 1,5 mi).

Quanto aos custos gerais para a temporada, o clube, mesmo com um bom superávit, também não destarta a possibilidade de um empréstimo no valor de R$ 42 milhões para manter as contas em dia.

Globo Esporte

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. PITANGA disse:

    Atualmente os torcedores dos times cariocas se resumem a dois grupos: o grupo dos FLAMENGUISTAS e o grupo dos secadores. O choro é livre…

  2. Bento disse:

    O Flamengo desembarcou no Rio e só tinha 5 gatos minguando aguardando.
    Como às coisas mudam

    • H4CK3R disse:

      Aonde vc viu isso, eterno vice?? Assisti no Sportv, Fox Sports e ESPN Brasil ontem à noite e não vi pouca gente aguardando o time. Pelo contrário.
      Faz assim: guarde R$7,00 todo mês e pague a contribuição que seu time lançou como promoção e ajude a não depender de outras equipes a não cair pra série B sempre! Aproveite que Eurico morreu e não vai ficar com o $$$. SRN
      Flamengo não é so dos cariocas! Flamengo é do mundo!!!

  3. Bento disse:

    O vasco e o cheiro de carniça são dos cariocas.
    É por isto que todos nós do Rio Grande do Norte estamos na série "d" por não apoiar 100% os nossos clubes do coração Abc América e Alecrim.
    Será que os cariocas tem carinho pelos nossos times?

    • Amaury disse:

      Frescura. Agora estão querendo controlar o time par se torcer. mi mi mi do caralho. Coisa chata. Torça, pague as contas do time, vista camisa, faça o que quiser e deixe que cada um cuida da sua vida. Chatonildo.

  4. Anderson disse:

    Esperando os comentários dos recalcados do time do cheirinho…

    • Curiosa disse:

      Cheirinho? Campeão Brasileiro, Libertadores, vice campeão mundial….Vasco o que mesmo? hahahaha

    • Amaury disse:

      Os recalcados estão ocupados segurando todos os troféus do ano… e tentando imaginar como gastar quase um bilhão arrecadado. Mais alguma coisa torcedor de segunda?

Contas do governo registram superávit de R$ 8,6 bilhões em outubro; no acumulado, melhor resultado para o período em três anos

Foto: Ilustrativa

As contas públicas registraram superávit de R$ 8,67 bilhões em outubro. Este é o primeiro saldo positivo desde abril deste ano.

Segundo o Tesouro Nacional, apesar do saldo positivo, este foi o pior resultado para o mês em quatro anos.

No acumulado dos dez primeiros meses deste ano, o governo acumula déficit primário de R$ 63,8 bilhões, melhor resultado para o período em três anos.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. aof disse:

    Certíssimo, Bruno. Só fala o nome do Presidente pra criticar. mas, justiça seja feita, o Blog do BG está fazendo uma transcrição do site O Antagonista.

  2. Bruno Milla Tech disse:

    CONTAS DO GOVERNO BOLSONARO, assim deveria ter na chamada!!! Quando é pra meter o pau vem o nome do presidente!!!

Balança comercial tem superávit de US$ 2,293 bilhões em julho

Arquivo/Agência Brasil

A queda nas exportações de commodities (bens primários com cotação internacional), principalmente de petróleo e soja, fez a balança comercial registrar o mais baixo superávit para meses de julho em nove anos. No mês passado, o país exportou US$ 2,293 bilhões a mais do que importou, valor 40,8% inferior a julho de 2018. Desde 2010, o saldo não registrava níveis tão baixos para meses de julho (US$ 1,332 bilhão).

Tanto as exportações como as importações caíram no mês passado. Em julho, o país vendeu US$ 20,054 bilhões para o exterior, com recuo de 14,8% pelo critério da média diária em relação ao mesmo mês do ano passado. As importações somaram US$ 17,761 bilhões, redução de US$ 8,9% também pela média diária.

Com o resultado de julho, a balança comercial acumula superávit de US$ 28,369 bilhões nos sete primeiros meses do ano. O valor é 16,3% inferior ao registrado no mesmo período do ano passado (US$ 33,891 bilhões). As exportações somam US$ 129,896 bilhões, retração de 4,7% na comparação com o mesmo período de 2018 pela média diária. As importações totalizam US$ 101,527 bilhões, recuo de apenas 0,9% pelo mesmo critério.

Segundo o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão, a maior parte da queda do saldo em julho é explicada pela soja, cujo valor exportado caiu 34,6% em julho deste ano em relação ao mesmo mês do ano passado, e pelo petróleo, cujas vendas recuaram 61,2% na mesma comparação. “Sozinhos, esses dois produtos responderam por 57% da queda do superávit comercial”, destacou.

Em relação ao petróleo, Brandão disse que a desaceleração da economia mundial está reduzindo a demanda global por combustíveis. Sobre a soja, ele explicou que problemas sanitários estão reduzindo a produção de carne suína na China, impactando a demanda do país asiático pela soja brasileira, usada na alimentação dos porcos.

Outro fator que contribuiu para a queda das vendas externas foi a exportação de uma plataforma de petróleo no valor de US$ 1,2 bilhão ocorrida em julho do ano passado que não se repetiu este ano. Em contrapartida, as importações de plataformas de petróleo também caíram. No mês passado, o país importou duas plataformas no valor de US$ 3,3 bilhões, contra cinco plataformas que entraram no país em julho do ano passado.

Categorias

Todas as categorias de produtos registraram queda nas exportações em julho. As vendas de manufaturados recuaram 12,3% em relação às de julho do ano passado, com destaque para turbinas de aviação (-45,9%), veículos de carga (-33,6%), autopeças (-16,2%). Segundo Brandão, a crise na Argentina, o principal importador de bens industrializados do Brasil, continua a contribuir para a queda.

As exportações de semimanufaturados caíram 4,6% em relação ao mesmo mês do ano passado, com destaque para óleo de soja bruto (-49,1%), catodos de cobre (-26,5%) e semimanufaturados de ferro e aço (-15,5%). A maior retração foi registrada nos produtos básicos, com queda de 16,7%. Além do petróleo e da soja, puxaram o recuo o minério de cobre (-32,7%), a carne de frango (-12,5%) e a carne bovina (-10,4%).

Meta anual

Depois de o saldo da balança comercial ter encerrado 2018 em US$ 58,959 bilhões, o segundo maior resultado positivo da história, o mercado estima um superávit menor em 2019, motivado principalmente pela recuperação da economia, que reativa o consumo e as importações.

Segundo o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, os analistas de mercado preveem superávit de US$ 52 bilhões para este ano. O Ministério da Economia projeta superávit de US$ 56,7 bilhões para o saldo da balança comercial em 2019.

Agência Brasil

 

Governo tem superávit de mais de meio bilhão de reais

O superávit financeiro que revelaram as contas do Governo do Estado no último  relatório resumido de execução orçamentária, publicado no Diário Oficial (DOE) de 30 de novembro, é de R$ 563,3 milhões. Isso quer dizer que entre a receita apurada (R$ 6,3 bilhões) e a despesa liquidada (R$ 5,7 bilhões) restaram mais de meio bilhão que estão nos cofres do Executivo e que precisam ser explicados quanto a origem e o destino dos valores, sobretudo porque o Governo acumula dívidas não pagas com fornecedores, deve ao funcionalismo a implantação de reajustes salariais e se ressente de extrema dificuldade financeira. O secretário de Planejamento e das Finanças (Seplan), Obery Rodrigues, tem justificado o “resíduo positivo” acumulado pelo Estado salientando que os recursos têm fim específico  e são indisponíveis.

Mas o deputado estadual Fernando Mineiro (PT), que fez uma leitura dos números publicados no DOE, deu uma tônica diferente à questão e provocou o Governo a justificar por que esses recursos aparecem corriqueiramente nos balanços orçamentários do Governo como sendo uma sobra entre receita e despesa – o conhecido superávit. “Eu reafirmo que estão fazendo caixa. Se não é caixa a administração estadual dê transparência ao processo e faça com que a sociedade tenha acesso a  verdade informação sobre esses recursos”, desafiou o parlamentar.

O petista fez um levantamento tendo como base os balanços apresentados pelo Governo desde o início do ano. Ele disse ter constatado que a receita realizada e a despesa liquidada – que havia recuado nos dois bimestres anteriores – voltou a crescer, segundo a publicação no DOE de novembro último. Em números absolutos, o superávit consolidado em fevereiro, que era de R$ 284,3 milhões, passou a ser de R$ 409,9 milhões em abril. Em  junho não seguiu a trajetória de crescimento e baixou para R$ 389,7 milhões, tendo mantido a curva descendente em agosto, quando se revelou um superávit ainda menor, de R$ 244,3 milhões. O saldo de outubro, no entanto, mostrou que o montante voltou crescer, quando chegou a mais de meio bilhão.

Fonte: Tribuna do Norte