Política

CPI da Covid: Nise Yamaguchi defende tratamento precoce baseado em ‘ciência profunda’ e diz que ‘não se pode impedir médico de dar opinião’; imunologista desconhece suposto ‘gabinete paralelo’

Foto: Reprodução

A CPI da Pandemia ouve neste momento a médica Nise Yamaguchi, oncologista e imunologista, que defende o chamado “tratamento precoce” para a Covid-19. O depoimento, previsto para começar às 9h, foi iniciado por volta das 10h10.

Funcionária do Hospital Israelita Albert Einstein, Nise tem 62 anos e chegou a ser cotada para o cargo de ministra da Saúde após a demissão de Luiz Henrique Mandetta, em abril de 2020, e no mês seguinte, quando Nelson Teich deixou o comando da pasta, 29 dias após sua nomeação.

Frases em destaque da médica durante a CPI:

“Isso é baseado em ciência e uma ciência bastante profunda [sobre o tratamento precoce]”.

“Não podemos impedir os médicos de exprimir sua opinião. O grande inimigo comum é o vírus, é a mortalidade”.

Resumo de CPI da Pandemia:

Médica diz não integrar e desconhecer existência de gabinete paralelo

Perguntada se fazia parte de um suposto gabinete paralelo de aconselhamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre assuntos relacionados à pandemia à margem do Ministério da Saúde, Nise disse desconhecer a existência de tal estrutura.

“Eu desconheço um gabinete paralelo e muito menos que eu integre qualquer gabinete paralelo”, afirmou.

“Eu sou uma colaboradora eventual e participo junto com os ministros de Saúde, deixei bem claro, como médica, cientista, chamada para opinar em comissões técnicas, em reuniões governamentais, reuniões específicas com setores do Ministério da Saúde”, completou.

Ela disse ainda que nunca levou para essas reuniões com Bolsonaro sua defesa de tese da imunidade de rebanho.

“Não, nunca discuti imunidade de rebanho com ele. Na realidade, tive poucos encontros. O que eu tenho são posições públicas, que são bastante detalhadas e muito bem estruturadas, baseadas na ciência daquele momento.”

Imunidade de rebanho era pertinente em junho de 2020, defende Nise

O relator da CPI exibe dois vídeos em 2020 em que Nise defende a retomada de atividades e a imunidade de rebanho, associada ao tratamento dos casos de Covid-19 e da vacinação. Na sequência, questionou se ela mantinha essa posição atualmente.

“A resposta não é simples porque a imunidade de rebanho tem sido declarada como ir para as ruas, fazer a convivência normal e isso gerar a imunidade absoluta. O que estou dizendo é que a imunidade de rebanho é um fato, não deve ser interpretada”, disse Nise.

Renan insistiu na pergunta, querendo saber se ela mantinha sua opinião. “Estou dizendo que a resolução daquela época, em junho passado, tínhamos uma realidade diferente. Imaginávamos que uma segunda, terceira onda, viria com o mesmo vírus. Para aquele momento, a discussão era pertinente”, explicou a especialista.

Ela disse também que não retira o que falou por que “para aquele momento era bastante conveniente e necessária a discussão”. Nise também falou que nunca defendeu a imunidade de rebanho apenas pelo contágio natural da doença.

“Não só a natural, a vacinal também. Eu citei ali, está claro, eu falava que as vacinas também fariam parte daquele momento. E mais, que o tratamento precoce e imediato também seria parte, que é o que eu preconizo.”

Nise diz que busca de novos tratamentos norteou vida profissional

Em sua exposição inicial, antes de ser questionada pelo relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), Nise afirmou que a vontade de “buscar novos horizontes e novos tratamentos” fez parte de sua vida profissional.

“Tudo isso para dizer que estou à disposição do nosso país. Não estou aqui para defender um governo, estou aqui para defender o povo brasileiro com relação às ações que considero importantes”, afirmou.

“Tenho sido conhecida pela minha defesa em prol do tratamento imediato. Isso é baseado em ciência e uma ciência bastante profunda, em que temos artigos científicos publicados (…) Imagina você ter um médico que, depois, o mundo inteiro desacredita? Em prol dessa confiança que procuramos o senador Omar Aziz para conversarmos neste sentido.”

“Queria me antecipar e colocar os dados científicos antes da discussão política. Meu objetivo é estar aqui como perita técnica, como médica e como convidada”, concluiu.

O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), esclareceu que o depoimento de Nise é na condição de convidada, apesar dela ter aceitado fazer o juramento se comprometendo a falar toda a verdade aos questionamentos da comissão – como é obrigatório a quem é convocado pela CPI.

“Caso haja algum senador não satisfeito com as respostas, aí, sim, faríamos uma convocação”, disse Aziz.

Governistas reclamam de alteração na agenda da CPI

Senadores governistas, como Marcos Rogério (DEM-RO) e Eduardo Girão (Podemos-CE) questionaram a mudança da agenda da CPI, com o cancelamento da participação de médicos a favor e contra o uso da cloroquina na quarta-feira (2) para adiantar o depoimento de Luana Araújo, que ficou apenas dez dias no cargo de secretária extraordinária de enfrentamento à Covid, no Ministério da Saúde.

“Essa é uma forma desrespeitosa de tratar nossos depoentes. (…) Não podemos tratar os depoentes dessa forma. Deve-se haver respeito por cada um dos convidados dessa comissão”, disse Rogério.

Aziz afirmou que a mesa diretora da CPI entende que não é papel da CPI fazer audiências públicas, mas sim investigar.

“Publicamos ontem a pauta de quarta-feira, não vai acontecer novamente de desconvocarmos alguém (…) Eu peço desculpa para as pessoas que estavam convocadas.”

Com CNN Brasil e G1

Opinião dos leitores

  1. Tudo tem limite. E o limite em uma sociedade civilizada e racional é a Ciência praticada pelos estudiosos pesquisadores e confirmada por suas instâncias certificadoras. Não há outras formas fora dessa perspectiva que não sejam dignas de observação e questionamentos. Ou vamos agora largar séculos de estudos, experiências e pesquisas por “tratamentos miraculosos” sem comprovação de eficácia em nenhum lugar do mundo?
    Fanatismo mata!!!
    Foi assim na Idade Média durante a Peste Negra.

  2. Esses canalhas corruptos que dominam essa CPI passam vergonha a cada depoente que tentam humilhar. O povo já entendeu o significa aquilo lá. E o presidente sairá ainda mais forte de mais essa palhaçada.

  3. Os opiniosos deviam criticar e perguntar aos senadores pilantras numa grande CPI publica se eles roubam; sim ou não ? E deixar de fazer essa pseudo oposição rasteira , odiosa, desnecessária e inútil. Porque não patrulharam Qd a quadrilha que saqueou o Brasil por 16 anos agia ? Aonde estavam a imprensa , ministério público,receita federal , banco central e os canhotos eleitores ? !?!

  4. Uma médica respeitada, uma verdadeira cientista sendo questionada e humilhada por vagabundos. Muitos anos de conhecimentos, de estudos e experiência sendo postos em dúvida por politicos corruptos que deveriam estar presos ao invés de estarem interrogando pessoas decentes. E ainda vemos alguns imbecis ignorantes, alguns comentando por aqui mesmo, fazendo coro a esses absurdos cometidos por essa CPI circense. No Brasil, os vagabundos se consideram gente.

    1. Direita Honesta: Uma médica respeitada…blablabla
      A médica: NÃO SABE qual é a diferença entre um vírus e um protozoário.
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    2. Médico, Otto Alencar desmascara Nise Yamaguchi: “não sabe o que é vírus, brincou com a cara do povo brasileiro”
      Durante depoimento da médica à CPI, o senador Otto Alencar revelou que a médica conselheira de Bolsonaro não tem apreço pela ciência: “A senhora apostou em uma droga que podia dar certo ou não. E a ciência, por mais que a senhora tenha curso, não admite isso: querer apostar no escuro”.

  5. Quando pequeno ouvia as pessoas falarem que se cavasse um buraco profundo iria chegar no Japão. Deve ser isso a que ela se refere, já que ela é japonesa de descendência. Orientada, obviamente pelo mito, conhecedor com profundidade da ciência da ignorância.

    1. Pode acreditar, vcs acreditam em tudo, mentira, galhofa, cachaça, frases da Anta e do molusco, que Cuba, Venezuela e Angola são bons países, Que Palocci é mentiroso, não tinha dinheiro na cueca do irmão do deputado, o catador de excremento é um Ronaldinho, a Anta é inteligente o triplex e o sítio eram da defunta, Emílio e Marcelo Odebrecht são safados, bem como, Sérgio Machado, Leo Pinheiro, Marcos Valério, Nelma Kodama, Pedro Barusco, Paulo, Nestor Cervero, Vixe, vou parar.

    2. Você deve ser desses que acredita que Lula é inocente kkkk

    3. Puro que tô veno, tu deve de ser um dotô formado na ciênça. acho que tu deve ter ganhado um prêmo nobeu da paz pro mode ter descoberto a cura do cancer. Deves ser, por obra do divino, a essência do conhecimento científico no Mundo. Onde estais, Ser Supremo, que não nos passou a fómula da cura contra o covid 19.

  6. Ciência profunda faz referência a muito estudo, muita pesquisa, muita responsabilidade, muitos testes, segurança no resultado. A esquerda não entende nada disso, ela só sabe o que é cota nas universidades, passar sem fazer prova, ou seja, estudo e conhecimento que é preciso, nem pensar.
    Tanto que seu maior ídolo é um semi analfabeto, sem qualquer diploma de ensino, mas que sabe profundamente o que é corrupção generalizada e compra de apoio através da corrupção.

    1. Ciência profunda faz referência à ciência das trevas…não é sem razão que agora temos no Brasil: fome, pandemia e seca…O omi é mesmo o enviado do satanás!

  7. Se tivéssemos imunidade de rebanho em 2020, imagine a quantidade de mortos que não estaria agora. Até porque não conhecíamos o vírus naquela época e agora, estamos começando a conhecer. Não se pode fazer uma imunidade de rebanho, sem ao menos ter o minimo de conhecimeto, que na verdade naquela época, nem os maiores cientistas do mundo sabiam se comportar frente a essa pandemia. Portanto, acho inócuo e iresponsável, assim como ela tem a opinão dela, também tenho a minha, estudiosa como sou.

    1. Kkkkkkkkkkk só não é profunda com tu, relés porta voz da esquerda falida, analfabeta e ladrona. Por mais que esses três acéfalos da CPI, cortem falas propositadamente, inventem, tentem impor opiniões, não é a toa que essa profissional é reconhecida no meio médico e científico. Vc precisa estudar e sai dessa redoma imbeciloide Kkkklk.

    2. Além de imbecis, mentirosos. A médica acabou de esclarecer nessa propria CPI dos corruptos que continua atendendo normalmente no Hospital Alberto Einstein e que o mal-entendido foi totalmente sanado há tempos. Porque a esquerdalha insiste tanto em mentir? Só pode ser falha de caráter, má índole.

    3. As hienas que emitem sons assemelhados a sorrisos, usam essa forma de comunicação para demonstrar união, eficiência, intimidação e capacidade de luta. Vc dessa vez vai aprender Kkkklk, se quiser desenho. Por outro lado, vcs idiotas, ineptos, covardes, mentiroso, só sabem entortar a boca suja, que exala odor fétido, por isso mesmo, nunca conseguem manter nada na vida, são uns eternos perdedores. Por mais, a hiena sorri, enquanto vcs resmunga amedrontados, ou só emitem sons de bichinhas, tipo, sai daí bem…kkkkkkk.

  8. A CPI do circo presidida, redigida e composta por senadores que respondem a processo por corrupção, passa vergonha todo dia. Os condenáveis senadores, só sabem impor suas mentiras aos depoentes e nem assim, conseguem as respostas que eles desejam.
    São políticos com processos por corrupção querendo achar erro na conduta de profissionais que tentam salvar vidas e respeitam a vida, acima da ideologia política. No mais é o de sempre, narrativa, versão, mentira e mais mentira que saem dos senadores querendo criar o que não existe.
    Vários países já produziram estudos científicos comprovando a eficácia da medicação contra o vírus, só no Brasil a esquerdalha continua negando os estudos científicos publicados e comprovados.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Imprensa nacional destaca que deputado potiguar troca tratamento precoce por curtidas

FOTO: ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO RN/DIVULGAÇÃO

Reportagem nesta segunda-feira(10) da BBC, e repercutida pela imprensa nacional, destaca o deputado e médico potiguar Albert Dickson. No texto, uma abordagem sobre médicos no Brasil  que defendem e prescrevem medicamentos “comprovadamente ineficazes ou sem eficácia comprovada para prevenir ou “tratar” a covid-19.

A BBC inicia a reportagem com o seguinte texto:

“Alguém conhece médico que passa tratamento precoce?”, pergunta um rapaz no Telegram. Em poucos segundos, recebe uma lista de médicos espalhados pelo Brasil e seus contatos. Entre eles, Albert Dickson. Abaixo, uma observação: “Para consultar com esse médico precisa se inscrever no seu canal do YouTube, printar a página, enviar o print da inscrição pelo WhatsApp, o nome completo do paciente, cidade/estado e sintomas”.

Diversos médicos no Brasil defendem e prescrevem medicamentos comprovadamente ineficazes ou sem eficácia comprovada para “prevenir” ou “tratar” a covid-19, prática que dizem ser um suposto “tratamento precoce” (leia mais sobre esses medicamentos no fim da reportagem). Há opções de consultas pagas, atendimento gratuito e, neste caso, concedidas após pedido de um “like” no YouTube.

Procurado por e-mail pela BBC News Brasil, o deputado respondeu que “sugere” a inscrição em seu perfil de Instagram e canal do YouTube porque neles publica “pesquisas atualizadas” e “explica a doença de forma detalhada e nossa experiência com a mesma, além de tirar dúvidas ao vivo”.

Além disso, diz ele, não é obrigatório se inscrever no canal para ser atendido. “Apenas sugerimos, o que muitos não fazem, e continuamos a atender e responder. A consulta virtual não se paga absolutamente nada, nunca cobrei (e que mesmo se fosse não é proibido no Brasil)”, afirmou.

Dickson disse ser também “acima de tudo médico, e o tratado internacional e o Conselho Federal de Medicina na resolução 04/20 nos dá o direito médico de medicar contra o covid e nele prevalece a autonomia médica”.

Por e-mail, Dickson também reafirmou ser “defensor do tratamento precoce desde o início da pandemia” e disse que continuará nesta defesa, afirmando haver “várias pesquisas já preconizadas e publicadas”. “Outro ponto chama-se observação clínica que tem sido resolutivo nessa pandemia para muitos médicos.”

LEIA reportagem na íntegra AQUI.

Opinião dos leitores

  1. Me consulto com o Dr Albert e tem dado certo. Um excelente medico, sempre preocupado com suas centenas de pacientes que diariamente o procuram. Se quiserem seguir jornalistas e sua busca incessante por denegrir a imagem de quem realmente trabalha para salvar vidas, vá em frente… marquem consulta com jornalistas, blogueiros etc. quando estiverem doente.

    1. Os Ptralhas não podem tomar ivermectina , pois ela mata os parasitas .

  2. Muitos médicos recomendam e fazem o tal “tratamento precoce”. E muitos que se dizem contra (médicos ou não) usam ivermectina como se fosse vacina. Hipocrisia e mentiras. Cada um tome o que quiser, onde quiser. Cuidem das suas vidas e deixem a vida alheia em paz.

  3. Povo acredita naquilo que quer , os PTralhas acreditam que o verme ladrao Lula é inocente , com milhões de dinheiro recuperado , com julgado por juízes , desembargadores e ministro e ainda acreditam que o RATO LADRAO CONDENADO LULA é inocente 🤮🤮🤮🤮

  4. Quem não acredita no Dr Albert é só se consultar com os jornalistas da BBC. Ou pode ficar em casa tomando dipirona à espera da falta de ar como dizia o Mandeta. Resumindo, toma quem quer !!!

    1. Eu me consulto com meu médico que não prescreve remédio pra piolho.

    2. Você não tem cabeça por isso não toma o remédio. Saiu o resultado da pesquisa do laboratório Norvatis nos EUA, leia e continuei sem tomar, afinal os hospitais estão ai a lhe esperar

    3. Mas, o médico é Ele, deve receitar remédios eficazes aos pacientes, não enganá-los. Os repórteres estão fazendo o trabalho deles corretamente. Denunciando, checando as informações para que as pessoas tenham as informações adequadas para decidir.

    4. Tá “serto” os principais planos de saúde do país não adotam a medicação preventiva, eles preferem que o paciente seja internado, vá para a UTI e assim o plano tem um custo altíssimo com os pacientes, ao invés de receitar um medicamento barato… tem trouxa pra tudo…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Juíza proíbe governo federal de promover campanhas publicitárias defendendo tratamento precoce contra a covid-19 ou uso de “remédios sem comprovação científica”

Foto: Pixabay/Ilustrativa

A Justiça Federal em São Paulo proibiu na noite de ontem (29) que a Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) do governo federal promova campanhas publicitárias defendendo tratamento precoce contra a covid-19 ou promova o uso de remédios sem comprovação científica contra a doença, o kit-covid. Procurado, o governo não se manifestou.

A liminar expedida pela juíza Ana Lucia Petri Betto também obriga a retratação pública dos quatro influenciadores contratados pelo governo para defender o “atendimento precoce” em suas redes sociais.

[Que] a SECOM se abstenha de patrocinar ações publicitárias, por qualquer meio que seja, que contenham referências, diretas ou indiretas, a medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19, especialmente com expressões como ‘tratamento precoce’ ou ‘kit-covid’ ou congêneres. (Juíza Ana Lucia Petri Betto, em decisão).

A decisão, à qual o UOL teve acesso, atendeu a uma Ação Civil Pública da educadora Luna Brandão contra a campanha publicitária “Cuidados Precoces Covid-19”, com verba de R$ 19,9 milhões. Desse montante, R$ 85,9 mil foram destinados a 19 pessoas contratadas para divulgar a campanha, incluindo quatro influenciadores, que dividiram R$ 23 mil, conforme revelou a Agência Pública em março.

Sobre o tema, a juíza decidiu que “os influenciadores arrolados no polo passivo, no prazo de 48 horas da intimação, publiquem, em seus perfis oficiais, mensagem de esclarecimento, indicando que não endossam a utilização de medicamentos sem eficácia comprovada”.

Na época, o governo orientou a ex-BBB Flávia Viana (2,5 milhões de seguidores) e os influenciadores João Zoli (747 mil), Jéssika Taynara (309 mil) e Pam Puertas (151 mil) a publicarem seis stories no Instagram afirmando ser “importante que você procure imediatamente um médico e solicite um atendimento precoce” caso sentisse sintomas de covid-19.

Governo defendeu “tratamento precoce”, diz juíza

Como os influenciadores falavam em “atendimento precoce”, a União se defendeu no processo dizendo “que jamais patrocinou qualquer campanha publicitária que incentivasse o apregoado ‘tratamento precoce'”.

A juíza respondeu que “o argumento não se sustenta” diante das “fartas menções governamentais ao chamado ‘tratamento precoce'”, como em uma publicação no Twitter citada por ela.

“Nota-se que a expressão utilizada —’Procure uma Unidade de Saúde e solicite o tratamento precoce’—, guarda quase que total identidade em relação àquelas dos roteiros entregues aos influenciadores: (Juíza Ana Lucia Petri Betto, em decisão)

Segundo a magistrada, as campanhas publicitárias do governo devem “ser pautadas” por “clareza e transparência” e que, portanto, “no mínimo, a ação publicitária com os influenciadores tem o potencial de induzir em erro”.

Na ação, a juíza menciona ainda “prejuízos materiais ao erário” e “também aqueles imateriais, lesando a própria moralidade administrativa”.

“Significado simbólico”

Advogado da autora, Roberto Piccelli afirmou ao UOL que “a decisão tem um significado simbólico”. “Deixa claro que a Justiça não tolerará o uso de recursos públicos para produzir campanhas de desinformação em massa”, diz.

Com a sentença, a União e os influenciadores têm 48 horas para se retratar. Já a devolução dos R$ 23 mil pagos aos influenciadores —outro pedido da ação— só será decidida na sentença, após a defesa tanto da União quanto dos influenciadores.

“Os réus terão que dar explicações sobre essa campanha custeada com recursos públicos”, diz Piccelli. Caso a sentença condene à devolução da verba, ainda caberá recurso ao governo.

UOL

Opinião dos leitores

  1. É uma irresponsável essa juíza. Existem N estudos espalhados pelo mundo à fora, confirmando a efetividade do tratamento precoce!!! Absurdo!! E todo dia médicos e pesquisadores descobrem novas abordagens medicamentosas!! Aceitar pedido de “educadora” sem consultar evidencias ciêntificas e relatos confirmando a importancia do tratamento precoce é ser negacionista!

  2. Falta só essa juiza mandar fechar todos os cursos de Medicina e ELA PRÓPRIA determinar o que os médicos devem prescrever aos seus pacientes. Estamos vendo a vitória da falta de bom senso, do autoritarismo, do ativismo judicial, da ignorância travestida de “bom mocismo”. E essa gente não se toca, não consegue perceber os absurdos que estão protagonizando. Tratamento precoce quer dizer que as pessoas devem procurar o médico e não devem ficar em casa, esperando ficar sem respirar, como dizia aquele Mandetta criminoso. E se o médico lhe receitar algo que vc não queira, NÃO TOME e vá embora, vá prá casa tomar o que quiser, onde quiser. É muito fácil resolver esse assunto.

  3. Depois que os ilustres ministros do STF passaram a dar palpite e decisões até em jogo de porrinha, a justiça que nunca foi justa, pois só serve para os pobres, se arvora a tudo, os coitados dos juizecos de primeira, segunda (mesmo) estão feito biruta, vão para onde o nariz virar, o que já era complicado virou zona. Agora se metam a abrir a boca na frente dessas autoridades, que não entendem de nada, mais acham que podem, sabem e decidem sobre tudo.

  4. A VACINA ESTÁ NA FASE 3 DE INVESTIGAÇÃO E ESTÃO VENDENDO A IDÉIA QUE TÁ COMPROVADA CIENTIFICAMENTE SUA EFICIÊNCIA E SEGURANÇA,JUIZ É MÉDICO E PODE INTERFERIR NA AUTONOMIA MÉDICA E DO PACIENTE ?

  5. O presidente Bolsonaro tem incomodado muita gente, já estamos no décimo turno das eleições presidenciais, e passe a tropa.

  6. Ela tem alguma comprovação científica em favor do lockdown? Se tem apresente!
    O que ela entende de medicina? Qual a razão dela não ter procurado o parecer de vários médicos? Essa deveria ter sido o cuidado mínimo nesse caso.
    Se não, seja contra essa medida que não resolve nada. As mortes diminuíram depois de 60 dias de lockdown? Quem tomou 02 doses da vacina, está salvo? Todos que tomaram a vacina, mesmo depois de 20 dias, nenhum morreu?
    Como essa juíza sabe que a medicação não salva? O achômetro dela vale mais que mais de 5 mil parecer de médicos que prescrevem a medicação e salvam vidas? O que ela entende de medicina?

    1. Acho que Michael deve ter aberto, mas você não Tiago.
      Em que livro existe comprovação científica sobre o lockdown?
      Qual o conhecimento que essa juiz tem sobre a saúde? O mesmo dos jornalistas palpiteiros, dos políticos inquisitores e o seu?
      Realmente você nunca deve ter lido nada e se leu, não teve a capacidade de entender o que mais de 5 mil médicos falam, defendem e receitam a medicação precoce, salvando vidas!

    2. Acho que a juiza nem saiba o que seja um efeito colateral que é diferente de uma reação adversa e esse Tiago tb

    3. Depois de ler seu comentário, Michael, só me veio uma coisa na cabeça: Chega de internet por hoje!
      Que loucura, meu Deus!!! Século XXI habitado por gente da idade da pedra.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Bolsonaro elogia e anuncia visita a prefeito de Chapecó por tratamento precoce; presidente também diz que “Brasil precisa voltar a trabalhar”

Foto: Reprodução Facebook

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu novamente, nesta segunda-feira (5), o uso de medicamentos sem eficácia comprovada para o tratamento da Covid-19.

Em cerimônia de entrega de residências populares no Distrito Federal, Bolsonaro disse que viajará nesta semana para Chapecó (SC) onde, segundo ele, o prefeito João Rodrigues (PSD) faz “um trabalho excepcional” no “atendimento na ponta da linha” de quem necessita de tratamento.

A prefeitura liderada por Rodrigues intensificou no início de 2021 uma campanha pelo chamado tratamento precoce, com uso de medicamentos como ivermectina e cloroquina. As substâncias não têm eficácia comprovada contra a Covid-19.

“[Rodrigues é um] exemplo a ser seguido, por isso estou indo para lá. Para exatamente não só ver, mas mostrar a todo o Brasil que o vírus é grave, mas seus efeitos têm como ser combatidos. Mais ainda, naquele município -com toda certeza em mais [cidades], em alguns estados também- o médico tem a liberdade total para trabalhar com o paciente, total. Esse é dever do médico, uma obrigação e direito dele”, declarou o presidente.

Em outro momento de seu discurso, Bolsonaro voltou a dizer que as políticas de enfrentamento ao vírus não podem ser mais nocivas do que a própria doença e defendeu que as pessoas voltem ao trabalho.

“O Brasil precisa voltar a trabalhar”, disse.

Em Chapecó, os remédios do chamado tratamento precoce já eram ofertados, mas tiveram o uso estimulado depois que Rodrigues tomou posse em 1º de janeiro.

Bolsonaro advoga desde o ano passado o uso de cloroquina e ivermectina no tratamento da Covid-19, mesmo após diversos estudos não terem atestado que esses medicamentos funcionam para o combate ao vírus.

Especialistas alertam ainda que o chamado tratamento precoce pode estar associado a efeitos colaterais que muitas vezes agravam o quadro de pessoas que ingressam nos hospitais.

O próprio presidente afirma ter usado hidroxicloroquina quando se infectou com o vírus em meados do ano passado.

O Tempo, com Folha Press

Opinião dos leitores

  1. As UTIs de Chapecó estão com 100% de ocupação. É só olhar no site da própria prefeitura de lá. O tratamento precoce não funcionou e cada vez morre mais gente por lá, do mesmo jeito que ocorre no resto do Brasil. O presidente precisa de pessoas mais informadas perto dele.

  2. O prefeito de Vitória da Conquista tb defendia o tratamento precoce inclusive comprou os medicamentos com dinheiro da própria prefeitura, morreu mês passado de covid

  3. As medidas eficazes contra o vírus são o tratamento precoce, o isolamento social (não confundir com esse “lockdown” absurdo e irresponsável), medidas sanitárias e vacinação. Também é necessário investir na saúde. O resto é mero exercício de controle social. Cadê os novos leitos hospitalares?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Diga sim ao tratamento precoce – por Elza Bezerra

Foto: Ilustrativa

Estou no meu décimo dia de Covid e pensei muito antes de escrever esse texto, mas a debilidade deixada pela doença e o antagonismo irracional que tomou conta das pessoas me convenceram a fazer esse clamor.

Uma leve fadiga no início, um dia bem, mais um pouco de fadiga pós pedal no terceiro dia e, no quarto dia, desabei. Dores no corpo, nas costas, irritação na garganta, febre, tosse.

Antes mesmo da confirmação pelo Swab, procurei Dra. Kyvia Bezerra Mota, minha prima, envolvida desde o ano passado na luta contra a Covid, árdua defensora do tratamento precoce. Confiei inteiramente na sua orientação e iniciei o protocolo por ela receitado.

Em meio ao desconhecido, optei por lutar com as armas hoje disponíveis. Sem certeza absoluta – até porque na medicina uma verdade só dura enquanto outra não suplanta a anterior – preferi apostar nos medicamentos existentes, com orientação médica. Na emergência médica não há tempo a perder. Quem sabe faz a hora não espera acontecer.

A cada novo sintoma, piora de algum ou reação do meu corpo, lhe repassava a informação, para adequar os medicamentos. Tentativa de vencer as muitas batalhas contra um vírus de efeitos múltiplos e desconhecidos.

No sexto e sétimo dias, desânimo total, o medo veio com mais força do que os sintomas, a cabeça desmanchou-se em lágrimas. Seria eu a próxima vítima? Com tantas notícias de pessoas que não resistiram à doença, as dúvidas pioram os sintomas. O oxigênio testado a cada três horas, saturação mantida, alívio.

Troca de mensagens com minha médica, que me tranquilizou, dizendo que, apesar da agressividade inflamatória dessa nova cepa, tinha um monte de médicos me vigiando e me colocou em contato com Dra. Rosângela Morais, infectologista. Numa vídeo consulta, ela me tranquilizou.

Eu tinha acabado de perder meu pai (não por Covid), passei alguns dias frequentando a UTI e vi pessoas entubadas lutando para sobreviver. Só de imaginar passar por esse quadro, aumentava ainda mais o meu temor.

Interiormente, questionava a orientação de alguns médicos para aguardar em casa a manifestação da doença (sem qualquer tratamento) e, se faltar oxigênio, procurar um hospital. Que absurdo, nem pensar! Poderia ser tarde demais. Não queria fazer parte da teoria de Malthus.

De qualquer forma, se caísse nesse pesadelo, iria ser cobaia de medicamentos da mesma forma (até porque nenhum medicamento até agora foi comprovadamente 100% eficiente para combater a doença).

Definitivamente, segui ministrando os medicamentos do protocolo precoce, com o amor e a ajuda da filha e do marido que se fizeram enfermeiros, médicos, incentivadores, cuidadores, cozinheiros, família! E até agora não manifestaram a doença. E, se Deus quiser, não vão adoecer.

O que mais me deixa indignada em tudo que o mundo está passando é a desunião de uma classe formada para cuidar do próximo. Acho inconcebível politizar a medicina. Médicos condenando colegas que defendem o tratamento precoce, quando poderiam estar unindo forças, ética, conhecimento e técnicas para evitar novas mortes.

Enquanto a vacina eficaz não chega para todo mundo, é dever do médico que fez o juramento de Hipócrates salvar vidas com os recursos disponíveis. Estamos em uma guerra contra um vírus desconhecido, temos que lançar mão do que há agora, jamais a inércia.

Tenho apresentado significativa melhora e credito isso à capacidade dos medicamentos em reduzir a carga viral, melhorar a inflamação e prevenir os trombos. Não tenho como replicar uma Elza e deixa-la sem tratamento para saber se teria o mesmo desfecho.

Gostaria que meu texto oxigenasse a mente dos médicos. Não recomende ao seu paciente a observação e um simples analgésico. Essa doença não é simples. Arrisque com ele, a vida não tem preço!

Quando minha filha era pequena, indaguei a Dr. Ney Fonseca (o nosso querido pediatra) se as estatísticas sobre o teste do pezinho justificavam furar o recém-nascido. Com sua fisionomia de paz, ele me respondeu que se salvasse uma única criança, então tinha valido a pena.

Hoje eu renovo o ensinamento de Dr. Ney à luta contra Covid. O tratamento precoce pode não evitar a doença, mas ela vem mais leve e moderada. Se você sair com vida, então valeu a pena.

Meu organismo está se recuperando lentamente, sigo com todas as recomendações. Logo estarei restabelecida e de volta à plena atividade.

Agradeço aos médicos que me curaram e rezo pela união de todos aqueles que estão na linha de frente da Covid, nos hospitais ou fora deles. Esses, sim, estão esgotados e não tem prazo para suspender a luta!

Íntegra do texto e link abaixo:

Opinião dos leitores

  1. Elzinha,adorei o seu comentário,nosso primo Zé Augusto já tinha me falado a respeito da dr.Kivia, que faz parte da familia.Graças a Deus, eu e Akika que somo da área ds risco estamos escapando desse virus.Desejo a prima sucesso em sua recuperação. Abraços.

  2. Como minha prima Elzinha, fiz o tratamento precoce quando peguei covid em dezembro: azitromicina, hidroxicloroquina, ivermectina, zinco e vitamina D. A partir do sexto dia de sintomas, passei para anticoagulante e corticoide, até ficar boa. E faria tudo novamente. Parabéns pelo relato, sempre preciso e sem mi-mi-mi!!

  3. Eu tomo caldo de feijão verde no almoço. Não fiquei doente de Covid. Nem precisei fazer medicina para estar espalhando essas receitas por aí.

  4. Eu tive covid e minha mãe com 90 anos tem incluisive câncer de pulmão, Parkinson diabetes e Alzheimer, nós duas fomos curadas, com orientações médica por consulta vídeo. Fizemos sim o tratamento com os medicamentos que hoje existem. Eu ainda fui na urgência do hospital São Lucas para realizar o swap e exames os quais de sangue deram alterados e a médica olhou para mim e disse : fique isolada! mas não passou um remédio, eu com todos os sintomas. Não gostei do procedimento da mesma. Daí tive que procurar outro médico, Ele passou TUDO FOI EXCELENTE. A minha vizinha que teve câncer no seio, hoje curada, também foi a urgência do hospital São Lucas com o resultado do swap positivo covid e a médica só disse fique isolada. Falou comigo, falamos com o médico que me tratou e o mesmo passou os remédios, ela foi curada do covid sem internação. CONCORDO COM A SRA. ELZA EM DIZER QUE POLITIZARAM A MEDICINA, e a pesquisadora que deu entrevista no BG que os médicos não estão passando o tratamento precoce. ENCERRO DIZENDO COVID É UM VÍRUS EXTREMAMENTE AGRESSIVO.

  5. Eu comi cavaco chinês, de 15 em 15 dias, e não peguei covid, A quem interessa esconder a verdade sobre o cavaco chinês?

  6. Elsinha lindo e sábio texto. Deus há de lhe devolver toda a disposição, para continuar a sua laboriosa missão. Bjo na Selma.

  7. Cada organismo é um universo. Uns aceitam certas terapias, outros não. O prevenção se faz necessária pois pode salvar, se não todos mas alguns, enquanto a vacina não chega. Esta, aliás, certamente fará um grande bem à maioria. Mesmo assim, haverá alguém em cujo organismo não terá o efeito esperado. Parabéns a autora do texto, à Dra. Kivia e demais médicos citados.

  8. Fiz o tratamentp precoce e escapei, como o Sábio Dr. NEY disse, se escapar um, já valeu a pena. Quem fala é porque não pegou essa praga, mas se chegar a pegar vai querer tomar até mijo de jumenta buchuda. Excelente texto.

  9. Dúvida Cruel. Conheço pessoas que se recuperaram sem fazer o tratamento precoce. Conheço pessoas que fizeram o tratamento precoce, e ainda assim, foram para a UTI em estado grave. Uma até morreu. O que precisa ser feito é um estudo nos padrões técnicos vigentes, para dizer se o tratamento precoce funciona ou não. Opiniões existem para todos os gostos. De profissionais, de palpiteiros. O estudo científico existe para isso. Criar grupos controles e avaliar. Enquanto não sai um resultado, vamos de opinião em opinião tentando sobreviver. Estamos numa guerra. Seria menos mal se fosse apenas contra o vírus.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Levantamento aponta que mais de 1/3 dos médicos no país acreditam em medicamentos como hidroxicloroquina e ivermectina no “tratamento precoce” da Covid

Levantamento da Associação Médica Brasileira (AMB) apontou que mais de 1/3 dos médicos vê algum tipo de eficácia no dito “tratamento precoce” para infectados da covid-19. Segundo a pesquisa, feita com 3.882 profissionais em formato online, 34,7% fazem essa avaliação para a cloroquina e 41,4% para a ivermectina. O uso desses dois remédios tem sido defendido pelo presidente Jair Bolsonaro e até distribuídos em algumas redes públicas, como as de Porto Alegre e do Amazonas. Para a entidade, a falta de consenso sobre o tema causa confusões.

Presidente da Associação Paulista de Medicina (APM), José Luiz Gomes do Amaral diz que a polarização interfere. “Certas doenças evoluem bem com tratamento, sem tratamento e apesar do tratamento. O que não se pode deixar prevalecer é um clima de torcida de futebol. Que as nossas lideranças deixem para os técnicos as questões técnicas, que elas sejam respeitadas e não, via polarização, tentar desacreditar o que a ciência busca confirmar ou orientar.” Sobre a vacina, 97,5% afirmaram que não só vão tomar, como vão prescrever para seus pacientes.

A pesquisa foi feita por meio de questionário online e foi respondida por médicos de todas as regiões do País em janeiro – os profissionais de São Paulo responderam entre 18 de dezembro de 2020 e 18 de janeiro. A margem de erro é de um ponto porcentual para mais ou para menos. Entre os mais de 3 mil médicos que participaram, 54% atuam na linha de frente de combate ao vírus em instituições públicas e privadas.

Com acréscimo de informações do Estadão

Opinião dos leitores

  1. O que eu acho mais interessante é que daqui a pouco depois que notarem que as pessoas que tomavam esses medicamentos morreram ,nenhum médico vai admitir que prescreveu. Aguardem carta.

  2. A vacina usada no Brasil para imunização que tem menor eficácia global, tem 50%. Isso provado usando estudos e métodos científicos, conforme manda o figurino.
    Já os remédios pra verme e malária que foram usados de forma emergencial graças a criatividade e coragem dos profissionais médicos, que é uma medida louvável é claro e parabéns pela capacidade de resposta, têm 33%, de crença dos médicos, segundo informa uma associação.
    Contra fé não tem discussão.
    O problema foi politização e a irresponsabilidade por parte do presidemte em encorajar diuturnamente os brasileiros a não tomarem os cuidados, ou seja, não usar máscaras, não evitar o contato físico, não evitar aglomerações e "levarem a vida normalmente" por que segundo o mesmo presidente, ele tinha determinado a produção de Hidroxicloroquina, ou seja, na crença dele, a cura.
    Tanto que o governo, até hj, sempre que comunica que alguém de seus quadros é diagnosticado com covid, a pessoa está sendo tratada com a Cloroquina.
    Aí já é demais.

    1. O que não quer dizer que ela prejudique ou impeça outras medidas.

  3. É simples assim, quem quiser toma o kit , quem não quiser fique em casa esperando a falta de ar chegar e as forças ficarem bem fraca para aí sim ir ao hospital e tomar os medicamentos que só no hospital ajudam a recuperação ou como último recurso a tubalina, e boa sorte!!!!

  4. O que é isso agora? Questão de acreditar ou não? Existem estudos em Universidades como a de Monash na Austrália, Cidade do Cabo e a própria OMS; esses "médicos" de meia tigela que advogam contra nunca se deram ao trabalho de ler os artefatos dessas pesquisas? Talvez porque não falem Inglês, ou talvez porque acreditem, como a americana Jane Fonda, que a COVID19 é uma bênção para a esquerda. De um jeito ou de outro, são canalhas, e os seus seguidores ignorantes, vítimas dignas de pena.

    https://swprs.org/who-preliminary-review-confirms-ivermectin-effectiveness/

  5. O mais importante é a opinião de pixuleco e seus codinomes, esse é uma carreta carregada de inteligência de dilma. Hehehe.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

ARTIGO: Tratamento precoce na covid-19: sim ou não!? Polêmica válida, mas não a mais importante – por Dr. Geraldo Pinho

Foto: Arquivo pessoal

Diante da pandemia que o novo coronavírus trouxe ao mundo, muitas questões e polêmicas foram postas e levantadas, em um debate muitas vezes calorosos e acirrados. Dentre elas, a adoção ou não do tratamento precoce na covid-19.

Antes de mais nada, queria me posicionar e proferir opinião pessoal: sou a favor. Médico e paciente, numa relação de confiança e comunhão, com a devida informação e esclarecimentos dos benefícios e riscos de cada medicação, dentro do contexto da individualidade do paciente e do caso, podem e devem instituir tratamento precoce, se assim for a decisão conjunta tomada.

Mas acredito que esse debate e polêmica são rasos e superficiais! O mais importante está mais profundo, em camada mais abaixo.

Ficou escancarado a deficiência das redes de saúde em ofertar a melhor assistência possível à população. Faltas de leitos, UTIs, insumos, EPIs, como de tantas outras coisas, ficaram evidenciadas.

Do que adianta, às vezes, a discussão do tratamento precoce ou não, se nem todos os médicos e pacientes tem o remédio à disposição? Como vou prescrever tal droga se em determinada rede de saúde não tem?

Aqui chego no ponto crucial de minha análise, onde considero que o debate deveria estar sendo realizado: *qualidade e eficiência dos nossos modelos de atenção à saúde.* A pandemia, de uma forma ou de outra, irá passar. Seguirá seu rumo. Seja por descoberta de uma droga eficaz na cura ou pela chegada de uma vacina (que está próxima). A imunidade chegará em algum momento. Mas aí fica a questão: e a humanidade!?

Precisamos dos serviços de saúde 7 dias por semana, 24 horas por dia. A falta de gestão, eficiência e planejamento seguirão presentes, mesmo após o encerramento da pandemia.

Temos nas mãos, mais uma vez, uma oportunidade ímpar de se discutir e pensar a saúde de uma forma mais abrangente e ampla! É essa saúde que queremos para nós? Para nossos amigos e familiares? Para a população?

Não falo apenas dos quesitos materiais e logísticos, mas sobretudo do fator humano! Profissionais de saúde mal remunerados, jornadas de trabalho excessivas, desmotivados e quase sempre desvalorizados pelas gestões.

Que após a imunidade, tratemos e lutemos de humanizar a saúde e daqueles que estão inseridos nela. Que os salários sejam justos e condizentes, que as horas trabalhadas sejam adequadas, que o profissional seja sempre valorizado, em capacitação e reciclagem constante. Que tenha perspectiva de crescimento, de carreira… Porque não!?

Que não falte nada: desde leitos à medicação, desde UTIs a EPIs.

Que as gestões sejam pautadas no planejamento, eficiência e boa governança. Baseadas em indicadores e métricas. Que a qualidade e resultados sejam os nortes e lemas.

Isso que temos que discutir, esse tem que ser o debate. O covid irá embora, mas todas as outras doenças e mazelas permanecerão.

Enquanto isso não acontece, esperamos ansiosamente o fim da pandemia. Mas, sobretudo, sonhamos com uma saúde melhor, maior e mais humana! Para toda população e para os profissionais de saúde.

Dr. Geraldo Pinho
Médico radiologista
CRM/RN: 6921
RQE: 3682

Opinião dos leitores

  1. Excelente. Com destaque para o que entendo ser o ponto crucial do texto: "Que as gestões sejam pautadas no planejamento, eficiência e boa governança. Baseadas em indicadores e métricas. Que a qualidade e resultados sejam os nortes e lemas."

  2. Parabéns, Dr Geraldo!

    Eu e meu esposo fomos atendidos pelo pelo senhor no instituto de radiologia. Conseguimos o encaixe e você já nos entregou o resultado na hora. Mas o que mais nos marcou foi sua forma humana de dar o resultado do covid, nos contando sua experiência pessoal com a doença e explicando o tratamento. Tenha certeza que aqueles pequenos gestos fizeram a diferença para nós naquele momento difícil. Só temos que te agradecer! Que Nosso Senhor te retribua em dobro, abençoando você e sua família. Que tenhamos uma saúde cada vez melhor.

    1. Em termos humanos e atenção não vou colocar em dúvida a capacidade do Dr Gugu . Até parabenizo pelo inédito gesto de entregar pessoalmente o exame . Como sou cliente te do instituto de radiologia a muito tempo , adoro o serviço da clínica , mas nunca tive a sorte de ao menos ver o radiologista . Faço o exame sou muito bem atendido e vou receber depois . No que se refere ao comentário aí é outra história . O dr Gugu , precisa melhorar muito para ficar aceitável , falou , falou e não disse nada . Como é um rapaz novo , tem muito tempo para melhorar .

  3. Concordo com vc, e no tom de brincadeira, vc esqueceu de dizer que anestesista tb não é médico .como os colegas falam!kkkkk esse ai será que sabe dá um diagnóstico de covid? Kkkk brincadeira. Perguntem aos médicos!

  4. Rapaz , fazia tempo que não lia um artigo tão vaselinado . Agora confirmo que os médicos que dizem em tom de brincadeira que radiologista e ortopedista não são médicos . Esse bonitão aí todo engomado com a não nos bolsos do jaleco fez um oito e não disse nada . Pelas caridades

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Sindicato dos Médicos do RN é a favor do tratamento precoce com a hidroxicloroquina

Foto: Ilustrativa/ENIVAL FERNANDEZ/AGÊNCIA PIXEL PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Em comunicado nesta quinta-feira(14), contra o lockdown, o Sindicato dos Médicos do RN (Sinmed/RN)A posição do Sinmed/RN ainda destacou que é a favor do tratamento precoce com a hidroxicloroquina, como forma de evitar agravamento, e busca de leitos de UTI.

O Sinmed-RN ainda diz: “Medidas de isolamento devem contemplar grupos de risco como idosos e portadores de doenças crônicas graves”, diz trecho.

Veja mais: Em comunicado, Sindicato dos Médicos do RN (Sinmed) é contrário ao lockdown

Opinião dos leitores

  1. A opinião é do Sindicato do Médicos!Quem tem autoridade para usar ou não o medicamento são os Médicos ou não?
    Se fosse opinião da CUT …
    Lockdown é atestado de incompetência de quem teve 50/60 dias para agir, recebeu grana para isso, e não fez nada.
    Sem atividade econômica o estado não arrecada e chegará a hora dos que vivem confortavelmente de salários públicos também entrarem na roda.

  2. Sugiro aos que são contra o uso da hidroxicloroquina, de forma politiqueira, que, acaso venha a ser infectado e hospitalizado, declare por escrito ao hospital que não quer ser tratado com as referidas drogas.

  3. O SINMED-RN não sabe organizar uma Liive, que dirá algo mais específico, como um estudo de metanálise acerca do caso. Pura bravata!
    Isso é politicagem de seu presidente que aspira uma cargo no legislativo há muito tempo.

  4. ESSE É O MESMO "SINDICATO" QUE CONTRATOU A BANDA GRAFITH PARA UM SHOW EM FRENTE AO WALFREDO GURGEL. QUAL A CREDIBILIDADE DE UM ENTE DESSES?

    1. Ei, paciencia. Que é que tem a ver o Grafitão aqui? E se o sindicato tivesse contratado Caetano Veloso, teria algum problema?

  5. Ignorância. Na medicina existe uma coisa chamada “baseada em evidências “. E baseado em evidências, a hidroxicloroquina tem salvado muitas pessoas. Da mesma forma, BASEADO EM EVIDÊNCIAS, e também afirmado pela OMS, o isolamento não tem dado bons resultados, além de trazer riscos como abuso de crianças, aumento de violência doméstica e empobrecimento da população, que juntos matarao muito mais que o COVID.

    1. Você tem que parar de buscar suas evidências nos canais de YouTube bolsonaristas. A evidência global, publicada em revistas científicas, é que essa droga não tem efeito significativo contra o coronavirus, e que pode causar sequelas graves.

    2. Tem efeitos positivos sim. Nos estágios iniciais. Não pra entubado. Se informe.

  6. Desde quando sindicato exerce papel científico? Se fosse a opinião (e olhe que opinião não é argumento) de uma associação médica, ainda que uma dessas confrarias que se reúnem para discutir frivolidades, eu ficaria calado. Mas um sindicato… É muita falta do que fazer.

    1. Qualquer pessoa pode fazer uma afirmação cienticamente válida.

    2. É por aí, cadê uma revisão da literatura de todos essas pesquisas recentes, com double-blind peer review?
      Sou contrário ao lockdown, mas parece que a população tocou o foda-se para quarentena, acreditando na panaceia das máscaras. Se desde o dia 17/03 o pessoal tivesse rigorosamente respeitado, a situação seria bem diferente.

    3. Eu vejo como uma desonestidade intelectusl quando se atribui aos outros a crençs em soluções mágicas. Ninguém, por exemplo, tá dizendo que a cloriquina serve para todo s os casos

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *