Ser gay é uma questão biológica, e não uma escolha, sustenta pesquisa

2014-685921138-20140205162301740afp.jpg_20140205Foto: AFP

Ser gay não é uma escolha, mas algo que se carrega no DNA, afirma nova pesquisa da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos. Cientistas descobriram dois genes que estariam ligados à homossexualidade nos homens. Com possibilidade de teste genético durante a gravidez, estudo gera temor de que discriminação possa incentivar abortos.

Pesquisadores analisaram o DNA de 400 irmãos gays, recrutados em festivais do Orgulho Gay durante vários anos. Eles conseguiram destacar dois genes que afetariam a orientação sexual dos participantes. Mas ainda não se sabe qual a sua atuação.

O resultado da pesquisa foi divulgado na conferência anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência e reabre a polêmica do “gene gay”, levantada após pesquisa de 1993 que apontou evidência genéticas para a orientação sexual. No entanto, outros estudos que se seguiram não conseguiram encontrar uma ligação genética.

– Orientação sexual não tem nada a ver com a escolha. Nossos resultados sugerem que pode haver genes em jogo. Encontramos evidências para dois conjuntos que determinam se um homem é gay ou hétero – disse Michael Bailey, da Universidade Northwestern, em Illinois, que contribuiu para o estudo, ao “Daily Mail”. – Embora esta descoberta possa um dia levar a um teste pré-natal para definir a orientação sexual masculina, este não seria muito preciso, uma vez que existem outros fatores que podem influenciar o resultado.

Apesar de dizer que o resultado não seria definitivo, o pesquisador aumenta a polêmica ao incentivar o uso de exames para o “diagnóstico sexual”.

– É claro que os pais não devem ter permissão para torturar ou matar bebês. Mas eles podem atualmente optar por interromper a gravidez no início, por isso, devem ser autorizados a ter o máximo de informações sobre a criança – afirmou Bailey.

O psicólogo Qazi Rhaman, da instituição britânica King’s College, em Londres, explicou que a genética é considerada responsável ​​por até 40% da orientação sexual de uma pessoa, e que é provável que muitos genes estejam envolvidos. Portanto, ele acredita que é muito difícil que um teste genético determine a orientação sexual de um indivíduo.

– Não há risco real de alguém encontrar um teste genético para a orientação sexual com base nessa ou em qualquer outra descoberta científica sobre a genética da sexualidade nos últimos 20 anos – ressaltou Rhaman. – A razão é que não há nenhum “gene gay”. Por isso, você não vai ser capaz de desenvolver um teste para encontrá-lo.

Rhaman, que estuda a biologia da orientação sexual e as implicações para a saúde mental, acrescentou que todos os traços psicológicos envolvem a genética e as pessoas não devem ter medo sobre a ligação da homossexualidade com o DNA.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Robson Mendes disse:

    Cada dia fica mais claro que quem é gay nasce assim, ninguem escolhe ser gay, os evangélicos deveriam deixar de persegui-los, até o Papa Francisco tem um mente mais aberta para estas pessoas, todos nós temos hoje ou um amigo , um parente proximo ou distante nesta situação e naõ queremos aceitar por pura ignorância. É bom saber que a ciência aos poucos vem encontrando a verdadeira causa da orientação sexual, qualquer um de nós podemos ter um filho assim.

Em um ano, Natal registrou 32 uniões homossexuais

Pelo menos 32 casais do mesmo sexo registraram suas uniões nos principais cartórios de Natal no último ano, segundo levantamento preliminar da Associação de Notários e Registradores do Brasil (Anoreg-BR). A união estável homossexual foi reconhecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 5 de maio de 2011, mas, segundo especialistas, ainda esbarra na ausência da lei e no preconceito.

Em todo o país a conta chega a 1.277 casais nas 13 capitais.

São Paulo 407
Rio de Janeiro 336
Fortaleza 113
Vitória 101
Manaus 87
Brasília 56
Curitiba 37
Teresina 36
Natal 32
Salvador 31
Maceió 17
Palmas 17
Cuiabá 7

A associação levantou os dados disponíveis de registro desse tipo de união nos principais cartórios das capitais do país desde maio do ano passado. Embora incompleto, é o primeiro levantamento do tipo realizado em nível nacional, já que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ainda não colhe dados sobre a união estável entre homossexuais em seus questionários.

Conforme a Anoreg-BR, mesmo nos cartórios há dificuldade para conseguir esse tipo de informação. A associação recebeu respostas que não incluem todos os cartórios. O restante não forneceu os dados. Além disso, nem todos os cartórios aceitam realizar as uniões.

Somando-se os registros informados isoladamente por algumas cidades fora das capitais, como Cascavel e Londrina (PR), Mossoró (RN) e Sorriso (MT)  a associação contabilizou 1.712 registros de união estável no último ano.

 

Esse número deve ser ainda maior, já que existem cerca de 9.000 tabelionatos de notas no país. Segundo o Censo 2010, o Brasil tinha naquele ano 60 mil casais homossexuais, dentre 37,5 milhões de casais do mesmo sexo.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sergio Nogueira disse:

    Para mim esse tipo de dado é literalmente uma prova que andamos para trás (com o perdão do trocadilho).

Ator global dá beijaço gay em campanha para revista

273348-400x600-1A sexta edição da revista “Antro Positivo”, publicação sobre artes cênicas editada pelo diretor Ruy Filho em parceria com a designer Patrícia Cividanes, não repercutiu na internet como as edições anteriores. Na verdade, fez muito mais barulho que suas antecessoras.

Colocada no ar na quinta-feira passada (30), a publicação trouxe a público a campanha “Liberdade na Vida e na Arte”. A série fotográfica organizada pela própria revista e assinada pelo fotógrafo Alex Silva mostra atores que se beijam na boca, homens com homens e mulheres com mulheres. Nem todos são necessariamente gays.

Gero Camilo e Caco Ciocler abrem a série de amassos. Também participaram Lavínia Pannunzio com Maria Manoella e Gustavo Haddad com Kiko Bertholini.

Desde a postagem da revista, o mosaico de retratos que reúne todos os beijos teve mais de 63 mil visualizações, com 377 compartilhamentos. Segundo Ruy, foi a postagem mais acessada da revista. O vídeo de divulgação da campanha (http://vimeo.com/65205170) foi visto mais de 16 mil vezes.

A campanha está entre as manifestações que começaram com a posse de Marco Feliciano (PSC-SP) na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. “Mas não é contra o cara, simplesmente”, diz Ruy. “É por tudo o que está acontecendo, as proibições artísticas, a questão dos direitos homossexuais, o retrocesso que parece tomar a compreensão das coisas no Brasil”, diz. O diretor cita a proibição judicial da peça “Edifício London” –baseada no caso Isabella Nardoni–, escrita por Lucas Arantes e montada pelo grupo Os Satyros, como exemplo de restrição à liberdade artística.

Para o diretor, “parece que, cada dia mais, andamos mais para trás”. Ele reitera que a campanha não se restringe ao debate sobre casamento ou direitos gays. “É sobre liberdades: liberdade de escolha, de criação, de ser e de fazer”.

Além dos compartilhamentos, houve também respostas contrárias à campanha. “Nojento, abominável, horrível…” foi postado por uma leitora. Outro diz: “Nós não somos obrigado e ver estas imagens…”.

Da Folha

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Raanan disse:

    Ai, ai!!!! meu sonho de consumo é o Caco Cicler!!!! Quando olho essa foto o que me vem a mente é: Quer sortudo esse Gero Camilo!!!!

  2. Manuel Sabino disse:

    A reação automática das pessoas ao se deparar com uma imagem de dois homens se beijando é de virar o rosto ou fechar os olhos. O sentimento é de ofensa, de repulsa. Mas porque o mesmo efeito não ocorre quando vemos um casal heterossexual, ou mesmo duas mulheres se beijando? A nossa reação automática não é natural, nem mesmo inspirada pela bíblia (Jesus nunca virou as costas para aqueles considerados pecadores). Ela é resultado de um aprendizado de preconceito, provavelmente estimulado pelo medo dos pais de que seu filho siga aquele caminho e sofra por isso. Passamos a infância aprendendo a temer o desconhecido, a fazer piadas com a diferença, a humilhar quem tem a ousadia de não se ajustar. Tenho lutado para superar meus preconceitos e respeitar a orientação sexual das outras pessoas. Imagens como esta são feitas para chocar. E chocam os que, como eu, ainda não se libertaram totalmente do preconceito. Neste sentido, é uma forma de protesto interessante. Mas só será efetiva para as pessoas que tiverem o amadurecimento para superar o treinamento de seus medos.

  3. Ismael disse:

    Isso eh mesmo protesto? Penso que existe melhores formas de agir. Por que não escrever um artigo, se engajar em palestras, etc? Creio que seria mais positivo e não conspiraria contra o que dizem defender. Vejam os comentários jah postos. Eh exemplo claro do que digo.

  4. rnatal disse:

    É triste uma cena destas.
    Deus fez homem e mulher.
    Traduzo esta cena em poucas palavras: Descriminar nunca – Apoiar Jamais.

  5. João Silva disse:

    DEVIA DAR TUDO, E NÃO SÓ UM BEIJO…

    • Karla Nascimento disse:

      Forma esquisita de protestar! Acho q a vontade é de sair do armário mesmo.

Geneticista faz vídeo rebatendo declarações de Malafaia sobre gays

Um mestre em genética que está fazendo doutorado no Reino Unido fez um vídeo rebatendo as declarações dadas pelo pastor Silas Malafaia. Em entrevista dada à jornalista Marília Gabriela, o religioso disse que ninguém nasce Gay: “O homossexualismo é um comportamento”, disse no De Frente com Gabi.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Auxiliadora disse:

    Esse Cara foi simplesmente o máximo, colocou o homofóbico do Malafaia no lugar dele, ou seja, na ralé da falta de conhecimento científico.

“A Aids é o câncer gay”, dispara deputado federal de São Paulo

O deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) deu mais uma declaração polêmica sobre a homossexualidade: segundo o parlamentar e também pastor evangélico, “a AIDS é o câncer gay”. A declaração foi feita durante o congresso dos Gideões Missionários.

A informação foi divulgada em um artigo do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) para o site Brasil247. Segundo o discurso do pastor, os homossexuais e os usuários de drogas seriam os responsáveis pela disseminação do vírus da AIDS. Em sua conta no Twitter, Feliciano também culpou a “sexualidade libertina” pelo aumento dos casos da doença.

Wyllys retrucou as afirmações do pastor: “O perfil dos infectados se modificou drasticamente, deixando de ser uma doença restrita aos LGBTs e passando a atingir cada vez mais jovens, mulheres e idosos heterossexuais. As mulheres respondem por 48% das novas infecções e os jovens entre 15 e 24 anos, por 42%. Somente entre 2000 e 2010, o percentual de pessoas com mais de 60 anos infectadas, subiu 150%”, escreveu Wyllys.

Fonte: Virgula

Gay conta ter gasto mais de R$ 60 mil para tentar 'conversão' à heterossexualidade

O americano Peteson Toscano conta ter gasto USS$ 30 mil (cerca de R$ 60.500), recorrido a três tentativas de exorcismo e passado por um casamento fracassado até conseguir superar seus dilemas pessoais e aceitar que era gay.

O processo durou 17 anos e Toscano hoje milita contra tratamentos que atendem por com nomes como ”conversão” ou ”terapia reparadora”, voltados para gays que querem mudar sua orientação sexual.

Tais práticas contam com o apoio de Igrejas fundamentalistas cristãs. E alguns dos que se submeteram a elas asseguram sua eficácia e se definem como ex-gays.

Mas Toscano, de 47 anos, afirma que não só estes processos não funcionam como também causam danos psicológicos.

Ele é de uma tradicional família ítalo-americanda do Estado de Nova York. Cristão devoto e evangélico, Toscano teve dificuldades em aceitar o que via como um conflito entre sua orientação sexual e sua fé.

‘Desespero terrível’

”Eu estava fazendo algo errado pelo qual eu seria punido na outra vida. E por isso sentia muito medo e um desespero terrível”, afirma, em entrevista à BBC.

Como um adolescente que cresceu nos Estados Unidos da década de 80, Toscano viveu em uma época em que o termo ”gay” era um sinônimo de Aids. Até 1973, psiquiatras americanos classificavam homossexuais como sendo insanos.

”Eu somei dois mais dois e cheguei ao que me parecia ser uma equação lógica, a de dizer ‘isto é errado, é ruim, eu preciso consertar isso’. E 17 anos depois eu finalmente acordei e retomei a razão”, afirma.

Os anos de tratamento são uma lembrança dolorosa. Após ter entrado em depressão depois de uma entrevista à rádio pública dos Estados Unidos na qual relatou os processos a que se submeteu, ele agora evita entrar em pormenores.

Experiência traumática

Mas ele relata que um dos incidentes mais sombrios ocorreu durante seu internamento por dois anos no centro Love in Action (Amor em Ação), hoje rebatizado como Restoration Path (Caminho da Restauração), na cidade de Memphis, no Estado americano do Tennessee.

Lá, ele foi instruído a registrar todos os encontros homossexuais que já havia tido. Em seguida, pediram que ele relatasse o mais constrangedor destes encontros para sua família.

Tais terapias não se limitam, no entanto, aos Estados Unidos. Toscano visitou a Inglaterra na década de 90 a fim de se submeter a um exorcismo. Ele já tinha se submetido a dois exorcismos fracassados nos Estados Unidos.

De acordo com Peterson, esse tipo de prática ”é danosa psicologicamente especialmente para os jovens. Se você acredita nisso, você fará qualquer coisa para rasgar a sua alma”.

Nos Estados Unidos, já estão sendo tomadas medidas para proibir parcialmente as terapias de conversões para gays no Estado da Califórnia. E o governador Jerry Brown está avaliando um projeto de lei que torna ilegal a terapia reparadora para crianças. Se aprovada, será a primeira medida nesse sentido tomada no país.

Toscano tem um blog e um canal de YouTube e usa sua experiência como ator de teatro realizando apresentações nas quais procura conscientizar pessoas sobre os danos causados aos que se submetem a tratamentos para suprimir ou mudar suas orientações sexuais.

Fonte: BBC

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Daniel Judson disse:

    Caro Bruno,o que vç quis dizer usando o termo " Igrejas Fundamentalistas Cristãs?" não esqueça que a doutrina cristã em relação ao homosexualismo é igual perante a Bíblia independente de Igrejas… 

Decisão inédita no RN converte união estável em casamento

Os desembargadores da 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça decidiram, à unanimidade dos votos, pela conversão em casamento de uma união estável homoafetiva, relativa a um casal que convive como se casados fossem há quase uma década. A decisão configura o primeiro caso na história da jurisprudência potiguar.

Os autores entraram com o pedido de conversão na primeira instância, mas tiveram o pleito extinto sem resolução do mérito ante o reconhecimento da impossibilidade jurídica da pretensão. Ao recorrerem para a segunda instância, a 3ª Câmara Cível, entretanto, entendeu não só pela possibilidade jurídica do pedido, como também, se valendo do art. 515, § 3º, do CPC, adentrou no mérito da ação para julgar procedente o pleito concensual dos Autores (Apelantes).

De acordo com a relatora, desembargadora Sulamita Bezerra Pacheco (juíza convocada), “pensar de modo diferente, é o mesmo que fomentar insegurança jurídica a estas situações (dirimidas pelos Guardiões Máximos Constitucional e Infraconstitucinal), afrontar a dignidade da pessoa humana, discriminar preconceituosamente o optante pelo mesmo sexo, vilipendiar (desrespeitar) os princípios da isonomia e da liberdade, e retirar da família constituída pelo casal homoafetivo a proteção Estatal arraigada na Carta Magna, reduzindo-a a uma subcategoria de cidadão e conduzindo-a ao vale do ostracismo.

Para a julgadora, “a opção sexual do ser humano voltada à formação da família, não deve ser motivo de críticas destrutivas, mas sim de integral proteção estatal, até porque, como há muito apregou o poeta Machado de Assis em seu primeiro romance denominado Ressurreição “Cada qual sabe amar a seu modo; o modo pouco importa; o essencial é que saiba amar””.

Aeroporto de São Gonçalo: advogado acusa servidor do TJRN de quase prejudicar financiamento

 

O representante jurídico do Consórcio Inframérica, do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante, Diogo Pignataro, se mostrou indignado com a postura de um servidor da Corregedoria do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte que mesmo tendo sido solicitado a providenciar uma certidão indispensável para a assinatura do contrato de financiamento junto ao BNDES, “foi embora”, como ele mesmo cita no microblog twitter.

Segundo o advogado, o servidor cujo nome não foi revelado, se recusou a fornecer uma certidão das Varas da Comarca de São Gonçalo. Apesar da falta da colaboração por parte do citado, Pignataro afirmou que não houve prejuízo na obtenção do documento graças à intervenção de outros servidores do órgão. “Graças que contamos com o auxílio de outros servidores e conseguimos a bendita Certidão, já enviada ao BNDES, propiciando a assinatura”, garantiu ele. O motivo para tal recusa não foi pormenorizado pelo advogado.

Diogo Pignataro afirmou que na próxima segunda (06) vai protocolar uma representação formal contra tal servidor junto ao Desembargador Corregedor do TJRN.

[FOTO] Duplo sentido em placa de cinema vira piada sobre Batman e Homem-Aranha

Foto: Thiago Lucken Monteiro / Reprodução de internet

 

Piadas sobre a preferência sexual do Homem-morcego sempre existiram. Mas aproveitando a estreia de “Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge” um trocadilho está fazendo sucesso nas redes sociais. O letreiro de programação nada inocente do Cine Show de Volta Redonda pegou carona na fama do super-herói ao colocar os nomes de três filmes em cartaz na vertical: “Batman” , “E aí comeu” e “Homem Aranha”.

Ao passar pelo local, Thiago Lucken Monteiro, um dos administradores da página virtual do Paraíso Gamer no Facebook, fez a foto com seu celular e postou a foto na rede. A imagem já foi compartilhada por milhares de pessoas em todo o país.

Em tempo, no último fim de semana “Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge” chegou ao topo das brilheterias nos Estados Unidos e Canadá, mas após após o massacre em um cinema do Colorado, teve uma queda de 60% em relação à estreia na semana passada. O fim da trilogia de Christopher Nolan só estreou no Brasil na última sexta-feira. Por aqui, a produção brasileira “E aí comeu?” chegou a casa de 2 milhões de espectadores.

Fonte: Extra

Raí e Zeca Camargo têm romance há mais de dois anos, diz colunista

Raí, ex-jogador do São Paulo e forte símbolo sexual entre as mulheres, chocou os holofotes com a notícia do seu relacionamento com Zeca Camargo. Segundo boatos, o casal já está junto há uns dois anos.

Todo mundo sabe que o apresentador só fica no armário durante os programas da TV. Porque nas baladas gay em Sampa, Zeca sempre bomba! Agora, de Raí, pouca gente desconfiava.

Segundo a colunista Fabiola Reipert, do R7, a Globo, que sempre surpreende pela manutenção de estereótipos conservadores, proibiu qualquer vinculação dos nomes de Raí e Zeca Camargo em programas da emissora. A colunista ainda revelou que Zeca ficou bastante irritado com isso, pois os dois têm passado por várias saias justas.

Fonte: Holofote / Bahia Notícias

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcio Palestrino disse:

    Primeiro foi o Júnior Baiano que tinha um caso com a Vera Verão quando era jogador do São paulo, depois foi o Richarlyson q apareceu por lá, e agora o ídolo dos tricolores Raí se revela kkk

  2. Robharvard disse:

    Estou torcendo pelos dois!!!Felicidades!!!

  3. junio costa disse:

    Ja nao é de hoje que isso acontece .Ha um tempo atras  Vampeta ,entao jogador do corinthians saiu na  g magazine ,capa.O ator que fazia a Vera Verao no sbt ,disse em entrevista que estava namorando  um jogador  meio campo do corinthians e da seleção brasileira (na época quem era?)

    • Partisan disse:

      Era o Júnior Baiano! O nome do namorado jogador da Vera Verão veio à tona depois de um caso de violência doméstica, quando a Vera Verão foi dar queixa à polícia.

  4. Marcio miranda pereira disse:

    A vida sexual de cada pessoa só interessa a ela e ao seu parceiro. As evidências são muitas e não precisa ser detetive. Rai entra no programa Bem Estar com programa de emagrecimento, o mesmo projeto que haviam feito com Zeca Camargo no Fantástico. Rai escreveu livros infantis, e todo mundo sabe que Zeca Camargo da palestras sobre livros e escritores na Fenac, Livraria Cultura. Os dois com certeza tem projetos de vida e um contribui com o outro para ficarem cada vez mais ricos. (Marcio Miranda Pereira)

  5. Juliano disse:

    Os dois tem passado por várias sais justas? Como assim? Como não tem uma foto doi dois juntos? Claro que esse tipo de fofoca inventada não tem comprovação.
     

  6. Tri Campeão Continental! disse:

    Todos deviam desconfiar, ele tem fortes ligações com o São Paulo…  kkkkkkkkkkk

  7. wagner disse:

    caraca se for verdade vo mudar de time sou verdao agora kkkkkkkkk
     

  8. Braz disse:

    O que importa é o amor.

    • Fvanderleinando disse:

       deixa de ser preconceituoso para mim e quem tem dignidade o importante e q zeca e um profissional de mao cheia e rai foi um grande jogador e ponto final.

    • Betania disse:

      Todos tem direito de ser feliz! cada um com sua escolha.

Compositor de músicas de Justin Bieber assume homossexualidade

O cantor de Hip Hop Frank Ocean decidiu assumir publicamente a homossexualidade. Nesta quarta-feira, o compositor de músicas de Justin Bieber, Beyonce e John Legend, escreveu em seu Tumblr um comunicado falando sobre seu primeiro amor por um homem.

“Há quatro verões, conheci uma pessoa. Tinha apenas 19 anos. Ele também. Passamos o verão juntos. E o verão seguinte também. Quase todos os dias. E nos dias em que estávamos juntos, o tempo deslizava. Na maior parte do dia, eu observava o sorriso dele. Ouvia o que ele dizia e o silêncio dele, até ele dormir. Sono que muitas vezes partilhava com ele”.

O post continua contando que quando percebeu estar apaixonado, o cantor viu que estava perdido. “Era maligno. Não havia remédio. Não conseguia escapar nem negociar com o sentimento. Sem opção. Foi o meu primeiro amor, mudou a minha vida. Ele me deu tapinhas nas costas, disse coisas bonitas. Fez o melhor que pode, mas disse que não sentia o mesmo”.

Já havia rumores sobre a orientação sexual de Ocean e ele antecipou no Twitter que o post no blog era para esclarecer as dúvidas. Alguns críticos que ouviram seu novo álbum solo, “Channel orange”, que será lançado na semana que vem, constataram que várias canções de amor eram endereçadas a um homem.

Do coletivo Odd Future, Frank Ocean iniciou sua carreira solo no ano passado e fez sucesso com composições para artistas famosos, como Justin Bieber, Beyoncé e John Legend.

Fonte: O Globo

Pepê e Neném assumem homossexualidade: ‘Nós duas somos’


As cantoras gêmeas Pepê e Neném deram uma declaração reveladora a Marília Gabriela: contaram que ambas são homossexuais e que nunca namoraram um homem.

“A gente é (homossexual) desde criança. As duas. Eu com dez anos de idade me apaixonei por uma menina”, disse Neném na entrevista.

Apesar do sucesso no fim da década de 90, elas contaram à apresentadora que nunca se aproveitaram da fama para ficar com uma mulher:

“Nós nunca passamos do limite, nunca paqueramos filha de empresário e nunca ficamos com fã. Nunca. Antes de qualquer coisa, somos profissionais”, contou Pepê.

Carreira

Elas lembram que assinaram contrato sem orientação na época que atingiram o auge da carreira, e que, deslumbradas, esbanjaram o dinheiro que ganhavam.

“O empresário passava pra gente que o nosso show custava 15 mil e na verdade era 30 mil”, revelou Neném.

Hoje morando de aluguel, elas contam que vão contar com uma participação de peso em um trabalho futuro:

“Zeca (Pagodinho) vai participar de uma música muito boa com a gente. Ele é uma pessoa especial”.

Fonte: Extra

Homofóbicos podem ser gays enrustidos

Recentemente, alguns psicólogos americanos resolveram revisitar a teoria da relação entre a homofobia e a homossexualidade com novos estudos. E a conclusão foi exatamente a mesma: homofóbicos parecem sentir um desejo reprimido por pessoas do mesmo sexo.

O artigo descreve seis estudos com 784 estudantes universitários americanos e alemães. A primeira missão dos participantes foi classificar a própria orientação sexual numa escala de 1 a 10 (1 aos extremamente gays; 10 para os heterossexuais inquestionáveis). Na sequência, assistiram a uma exibição de fotos e palavras (tipo imagens de casais homossexuais ou palavras relacionadas a cada um dos dois grupos) e, na medida em que eram mostradas, precisavam encaixá-las o mais rápido possível na categoria apropriada (héteros ou gays).

Acontece que, antes de cada slide, aparecia na tela a palavra “eu” ou “outro”, por apenas 35 milissegundos (ou 0,035 segundos).Segundo os autores do estudo (eles escreveram um artigo para o New York Times), esse tempo foi suficiente para que os participantes conseguissem ver a palavra subliminarmente, mas curto demais para que pudessem vê-la conscientemente.

Aí entra a teoria (conhecida como associação semântica): se a palavra “eu” preceder imagens ou outras palavras que refletem a sua orientação sexual (um beijo entre homem e mulher, por exemplo, se você for hétero), fica mais fácil encaixá-la na categoria correta. Mas se você forgay e passar por essa mesma situação (foto de casal hetéro se amando + palavra “eu”), sua cabeça vai precisar de mais tempo para associá-la ao grupo correto.

E então as máscaras caíram. Mais de 20% daqueles que se descreveram como “muito macho”, com nota 10, tiveram resultados incoerentes. Ou seja, eles precisaram de mais tempo para classificar as figuras do mundo gay quando a palavra subliminar era “outro”. E eram eles também os mais ativos na luta contra a igualdade dos direitos homossexuais e com fortepreconceito contra gays. É como se eles descontassem nos homossexuais toda a dor que sentem pelos desejos reprimidos, por não conseguirem sair do armário.E disso aí surge a homofobia.

*Com informações da Super

 

Roteirista de HQ tira Batman do armário: 'Ele é gay'

“Não estou usando o termo gay de modo pejorativo, mas a verdade é que Batman é muito, muito gay.” Foi assim que o roteirista Grant Morrison tirou do armário o super-herói da DC Comics – cuja relação com o parceiro Robin era alvo de suspeitas há tempos. A declaração está na última edição da Playboy americana. A revista traz também trabalhos de Frank Quietly, desenhista que passa para o papel as ideias de Morrison.

“Obviamente, como personagem fictício Batman está destinado a ser heterossexual, mas a base de seu conceito é totalmente gay. E acho que é por isso que as pessoas gostam dele. Muitas mulheres avançam sobre Batman, pulando telhados com roupas fetichistas atrás dele. Mas ele nem liga – está mais interessado em sair com seu parceiro.”

Não foi apenas a “sexualidade desviante”, como a define, o único elemento que tornou Batman atraente para o roteirista. “Eu me interessei pela questão de classe do herói: ele é um homem rico que luta pelos pobres. É uma missão muito bizarra a de sair à noite vestido de morcego, mandar os junkies para o inferno e depois voltar para a sua mansão.”

Morrison tem grande interesse pelo lado psicológico dos personagens. No ano passado, ele já havia adiantado que escreveria uma história sobre o confronto da Mulher Maravilha com suas origens feministas e fetichistas, trabalho que toca agora.

Ainda na edição, o roteirista aproveitou para explicar as origens do Super Homem, criado durante a Grande Depressão e destinado a ser o herói dos oprimidos. “Os escritores americanos frequentemente dizem que é difícil escrever Super-Homem. Eles dizem que ele é muito poderoso; você não pode dar problemas a ele. Mas ele é uma metáfora. Para mim, ele tem os mesmos problemas que nós, mas numa escala Paul Bunyan”, disse, em referência a um lenhador gigante, figura lendária nos Estados Unidos.

Fonte: Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João disse:

    Nunca li tanta besteira! Quem conhece a HQ original, bem como as melhores adaptações do herói, sabe que não existe nada disso! Indico a leitura da HQ "A Piada Mortal". Aproveite e veja a nova animação "Batman Ano Um". Esse papo de viadagem é decorrente da série de TV, cuja imagem está no Blog! Se informe mais!

Norma do Ministério da Saúde proíbe homens gays de doar sangue

Motivado por uma campanha da empresa onde trabalha, em Belo Horizonte, o produtor cultural Danilo França, de 24 anos, decidiu doar sangue pela primeira vez. Junto com um grupo de colegas, seguiu as etapas previstas: preencheu a ficha de inscrição e foi para a entrevista com o médico do hemocentro. Na momento da conversa, França descobriu que não poderia doar sangue porque mantém um relacionamento homossexual. “Fiquei atordoado, sem graça. Fiquei chateado e me senti discriminado”, disse França.

Uma norma nacional considera inapto à doação qualquer homem que tenha se relacionado sexualmente com outro homem no período de 12 meses. O mesmo vale para heterossexuais que, no mesmo período, se relacionaram sexualmente com várias parceiras.

Entidades de defesa dos direitos dos homossexuais reclamam da restrição e querem reacender o debate sobre o tema. “A cada fato novo, a gente tem que abrir a discussão. Se a pessoa usa preservativo e não tem comportamento de risco, não pode ser impedida de doar”, argumenta Toni Reis, presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT).

A regra do Ministério da Saúde, que vigora há mais de sete anos e vale para todos os hemocentros, foi baseada em estudos internacionais que apontam que o risco de contágio pelo vírus da aids (HIV) é 18 vezes maior nas relações entre homossexuais masculinos, na comparação com relações entre pessoas heterossexuais. O motivo é a prática do sexo anal, que aumenta o risco de contaminação por doenças sexualmente transmissíveis (DST). Foi essa determinação que fez com que a Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia de Minas Gerais (Hemominas) negasse ao produtor cultural a possibilidade de doar sangue.

Em junho de 2011, o ministério baixou uma portaria que proíbe os hemocentros de usar a orientação sexual (heterossexualidade, bissexualidade, homossexualidade) como critério para seleção de doadores de sangue. “Não deverá haver, no processo de triagem e coleta de sangue, manifestação de preconceito e discriminação por orientação sexual e identidade de gênero, hábitos de vida, atividade profissional, condição socioeconômica, raça, cor e etnia”. Mas, na prática, os homossexuais masculinos ativos sexualmente seguem impedidos de doar sangue. Para as lésbicas, não há restrições.

O coordenador de Sangue e Hemoderivados do ministério, Guilherme Genovez, alega que a norma brasileira é avançada quando comparada à legislação de outros países. Nos Estados Unidos, por exemplo, um homem que tenha tido, no mínimo, uma relação sexual com outro homem fica proibido de doar sangue pelo resto da vida. “Acima de tudo, está o direito de um paciente receber sangue seguro”, alega o coordenador, lembrando que os testes não identificam imediatamente a presença de vírus em uma bolsa de sangue.

Desde o ano passado, o governo federal está implantando o NAT, sigla em inglês para teste de ácido nucleico, para tornar mais segura a análise do sangue colhido pelos hemocentros. O exame reduz a chamada janela imunológica, que é o período de tempo entre a contaminação e a detecção da doença por testes laboratoriais. Com o NAT, o intervalo de detecção do vírus HIV cai de 21 para dez dias. Até agora, 59% do sangue doado no país passam pelo NAT. A previsão é que a tecnologia chegue a todos os hemocentros até julho.

Fonte: Agência Brasil

Escola proíbe gay de usar camiseta antipreconceito

Um estudante declaradamente gey da escola Waynesville, que fica em Ohio, nos Estados Unidos processou a instituição em que cursa o ensino médio, acusando-a de discriminação.

De acordo com o processo, ele foi proibido arbitrariamente pela escola de usar uma camiseta com a frase “Jesus não era homofóbico”. Ainda não se tem muitos detalhes sobre o caso e a direçãop da escola não quis se pronunciar sobre o ocorrido.

O mundo passando por mudanças, mas a principal mudança deve ser na cabeça de algumas pessoas. Mas a gente tem que se lembrar que mexer com religião é sempre um problema. Ainda mais que a Igreja é contra a relação homoafetiva.