Plenário aprova destaque que reduz tempo mínimo de contribuição de homens para 15 anos

Foto: Assessoria de Comunicação da Câmara dos Deputados

O plenário da Câmara aprovou na madrugada desta sexta-feira, 12, por 445 votos a 15, o destaque do PSB que reduz de 20 para 15 anos o tempo mínimo de contribuição exigido para homens do regime geral (setor privado) poderem se aposentar.

O texto-base da reforma, aprovado em primeiro turno pela Câmara nesta quarta-feira, 10, previa tempo mínimo de contribuição de 20 anos para homens. Segundo o texto-base, o tempo mínimo para homens aumentaria gradualmente – partindo de 15 anos – e chegaria a 20 anos em 2029.

O plenário não conseguiu analisar ainda todas as sugestões de alterações ao texto-base. Faltam oito destaques, que devem ser apreciados em sessão desta sexta. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), marcou uma nova sessão para as nove horas. O destaque dos professores, apresentado pelo PDT, ficou para ser analisado na sessão desta sexta. Ele propõe reduzir a idade mínima para 55 anos no caso dos homens e 52 anos no caso das mulheres.

Estadão

 

Previdência: Maia quer concluir votação em dois turnos até sexta-feira

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse hoje (11) que espera concluir a votação em dois turnos da proposta de emenda à Constituição (PEC 6/19) da reforma da Previdência até amanhã (12). O plenário retomará os trabalhos nesta quinta-feira para votar os destaques ao texto-base.

Ao chegar à Casa, Maia afirmou que vai trabalhar para concluir a etapa de votação do primeiro turno na noite desta quinta-feira. “E vamos votar o segundo turno amanhã. Essa é a minha expectativa”.

Ontem (10) à noite, o plenário aprovou o texto original da reforma da Previdência por 379 votos a favor e 131 contra. Na sequência, os deputados rejeitaram um destaque que pretendia retirar os professores da reforma da Previdência. Por 265 a 184, com duas abstenções, os parlamentares decidiram manter as regras para os professores que constam no texto-base.

Maia continua a negociação com líderes partidários sobre destaques e emendas. Os destaques mais aguardados são o que aumenta a aposentadoria para as trabalhadoras da iniciativa privada e o que suaviza as regras de aposentadorias para policiais e agentes de segurança que servem à União.

O presidente da Câmara também disse não ter garantia de que um destaque do PDT, que diminui a idade mínima de aposentadoria dos professores da ativa para 52 para as mulheres e 55 anos para os homens será rejeitado pelo plenário. Segundo Maia, as propostas relacionadas a essa categoria são difíceis, mas destacou que, se for aprovado, o impacto fiscal ao longo dos dez anos não é tão elevado.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Mito-rei disse:

    É verdade amigo, se continuar assim com os empregos em declínio eles vão sentir na carne os cortes de verbas pra manter a luxúria de todos eles.

  2. Mito disse:

    É verdade amigo, se continuar assim com os empregos em declínio eles vão sentir na carne os cortes de verbas pra manter a luxúria de todos eles.

  3. Vitor Silva disse:

    Ainda tem os gados que são a favor dessa reforma. Os espertos todos conseguiram ficar de fora para os otários que não conseguiram pagar pra eles. Essa galera devia pensar: Se é tão boa por que essa turma está querendo ficar de fora? Mas não ficam só nessa de ou é Mito ou é Lula e o fumo entrando.

  4. Papudim disse:

    Vamos parabenizar todos os políticos do nosso país… estes que fazem as leis… conseguiram aprovar a reforma trabalhista e agora a reforma da previdência… ambas vieram para destruir os trabalhadores brasileiros…. os empresários estão rindo À toa pq se beneficiam da desgraça alheia…

    • José disse:

      Verdade! Agora queria ver a reforma política com todos os cortes de gastos.

Sobre poder da “caneta do presidente”, Rodrigo Maia destaca deturpação para criação de atritos, e diz: “Não vamos criar maldade onde não existe”

Foto: Nelson Almeida / AFP

Questionado por jornalistas mais cedo, Rodrigo Maia comentou a declaração de Jair Bolsonaro de que a caneta do presidente tem mais poder do que a do presidente da Câmara.

“Ele fala da importância que um bom decreto tem. Não tem maldade nenhuma. Não vamos criar maldade onde não existe.”

E mais:

“Eu sei em qual contexto ele falou.”

Maia acrescentou que é momento de olhar pelo Brasil e não para picuinhas políticas.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    Os irresponsáveis esquerdopatas gostam mesmo é de fofocas, futricas, intrigas, BBB (eles adoram), disse me disse, blá blá blá… Povinho sem caráter, sem ética, sem moral. Sinceramente, até esse Rodrigo Maia, que nem é lá uma "Brastemp" (centrão, delatado pela Odebrecht), já está desmascarando as más intenções dessa corja. Deixem de torcer pelo pior, cambada de agourentos. Torçam pelo Brasil ao menos uma vez. Se o país arruinar, vcs irão junto. E o governo de Fatão irá prás cucuias. Criem responsabilidade.

  2. Luladrão Encantador de Asnos disse:

    Não acho Rodrigo Maia boa coisa, mas tenho que reconhecer que nesta oportunidade ele mandou bem. Desarmou a futrica que a imprensa tenta fazer.

  3. Nélio Wanderley disse:

    Imprensa podre. Estão contra o povo e a favor de poucos que se locumpletam de afagos da máquina administrativa , através do mecanismo…

  4. David disse:

    Nunca antes na história desse país, um presidente da Câmara criou tantos obstáculos para o país andar. Pior que o povo já foi pra rua, exercendo pressão pra ele mudar de postura, e nada. Pior q Rodrigo maia só teve uma diferença de 57 milhões e 600 mil votos a menos que Bolsonaro. Esse país é uma m**** mesmo.

Rodrigo Maia discorda da apresentação de texto alternativo à reforma da Previdência cogitado por parlamentares

 Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), discorda da apresentação de um texto alternativo à reforma da Previdência enviada pelo governo, como foi cogitado por parlamentares na semana passada.

Embora considere que seja “muito cedo” para essa discussão, uma vez que o prazo para emendas no projeto ainda está em curso, Maia defende que o objetivo do texto da reforma da Previdência seja trabalhar pela “maior economia” possível.

“Vamos discutir em cima de um valor e fechar o texto. Não tem essa coisa de texto alternativo, até porque o texto do governo já vai ser modificado na comissão especial, por exemplo, o BPC e a aposentadoria rural que não passam”, declarou Maia.

O BPC é o benefício de prestação continuada pago a idosos e deficientes de baixa renda. Congressistas já declaram que são contra manter mudanças para esses beneficiados na previdência, assim como a aposentadoria rural.

Para Maia, está “muito cedo” para definir o relatório da previdência. “O deputado Samuel Moreira está trabalhando no relatório, ainda tem o prazo de emendas, pode ter voto separado? Pode. Vai ter? Não sei”, disse Maia.

A PEC da reforma da Previdência foi entregue pelo presidente Jair Bolsonaro ao Congresso em 20 de fevereiro. Em abril, ela foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que retirou do texto quatro pontos que constavam do projeto original.

Após a análise da comissão especial da Câmara, o texto precisa ser votado em 2 turnos no plenário antes de seguir para o Senado.

O governo deseja obter uma economia de R$ 1 trilhão em 10 anos, como prevê a proposta enviada pelo Executivo ao Congresso em fevereiro.

Perguntado se o valor de economia com a reforma da Previdência vai ser de R$1 trilhão, como quer o governo, ele diz: “Estamos fazendo conta. Pode ser de um, estamos trabalhando em cima de um valor”.

Maia voltou a cobrar articulação política do governo para aprovar a reforma. “Depende da capacidade do governo de conseguir a maioria. A nossa parte estamos fazendo”.

Reforma administrativa

O presidente da Câmara afirmou, também, que até quinta-feira (23) espera conseguir um acordo para votar a Medida Provisória que reestrutura de forma administrativa o governo federal.

Entre as medidas, está a recriação do ministério das Cidades, e a transferência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) para o Ministério da Economia. O governo havia defendido a permanência do Coaf no Ministério da Justiça e Segurança Pública, mas foi derrotado em comissão na Câmara. Agora, aguarda votação em plenário.

O Coaf é uma unidade de inteligência financeira do governo federal que atua principalmente na prevenção e no combate à lavagem de dinheiro – crime que consiste na prática de disfarçar dinheiro de origem ilícita.

Andréia Saddi – G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Severino disse:

    Discorda nada, é que ele tá vendo a barca furada e resolveu parar com essa papangusada.

Rodrigo Maia, sobre delação de dono da Gol: “Mais um inquérito a ser arquivado”

Rodrigo Maia, citado na delação de Henrique Constantino, negou ter recebido propina:

“Nunca me pagou nada, isso é mentira dele. Não tem como provar e vai ser mais um inquérito arquivado na justiça brasileira.”

E reforçou:

“Nunca tive relação com ele, nunca tive nenhum benefício deles.Como outras delações que já foram arquivadas, como da Odebrecht, essa vai ser arquivada também.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flávio A disse:

    Esses MAIAS sempre aprontando. O daqui no Arena das Dunas já o outro em delação ao MPF. Sinceramente canoniza esses caras,são verdadeiros Santos. Nunca deixam rastros são profissionais,Fernandinho Beira Mar não joga nem na escolinha deles!!

  2. Manoel disse:

    Esse Rodrigo Maia é um inocente, pelo amor de Deus deixa ele em paz,.

  3. Anti-Comunista disse:

    CORRUPÇÃO GENERALIZADA. NINGUÉM QUER LARGAR O OSSO.

Rodrigo Maia diz que sua relação com Bolsonaro é pior do que já foi e ataca o governo

Foto: Adriano Machado / Reuters

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse na noite desta quarta-feira, em entrevista à GloboNews, que a política externa do governo Jair Bolsonaro é um “desastre”. Maia criticou ainda a política de Educação do governo e a “falta de agenda” para o país. Segundo ele, a ausência de propostas dificulta a relação do Executivo com o Congresso.

— Qual é a agenda do governo? Qual é a agenda do governo para a Educação? Eu não conheço. Qual é a agenda do governo nas relações internacionais? É um desastre — afirmou o presidente da Câmara.

Durante a entrevista, Maia acrescentou que o Planalto deveria ter listado as ações do governo para que os parlamentares pudessem saber se poderiam participar ou não do governo.

— A gente não sabe ainda qual é a agenda do governo para dizer se faz parte ou não.
Perguntado se sua relação com o presidente da República seria melhor do que já foi “como deputado”, Maia afirmou que, “pessoalmente, é pior”. No mês passado, Maia e Bolsonaro trocaram farpas. Embora o presidente da Câmara tenha indicado que o entendimento ainda é difícil, ressaltou que isso “não é relevante”, porque o que importa é “acordar cedo” para tocar a agenda econômica.

Nesta quinta-feira, Maia rejeitou um pedido de impeachment protocolado pelo deputado Marco Feliciano (PSC-SP) contra o vice-presidente da República, Hamilton Mourão. Críticas públicas de Carlos Bolsonaro, filho do presidente, dirigidas ao vice abriram uma crise dentro do governo. Sobre o assunto, Maia afirmou que já tem “muitas confusões” para administrar e que rejeitou o pedido porque não era cabível.

— Há um conflito dentro desse governo, que o Parlamento não quer participar — afirmou Maia.

O presidente da Câmara também disse que pode votar o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sergio Moro, ainda no primeiro semestre deste ano. Ele ressaltou que dialoga pessoalmente com Moro sobre a proposta e que haverá uma convergência com o projeto do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Morais.

Rodrigo Maia disse ainda ter certeza que a reforma da Previdência será aprovada na Câmara, mas evitou fazer uma projeção de qual será a economia.

Afirmou também que as mudanças no BPC (Benefício de Prestação Continuada) e na aposentadoria rural não devem ser aprovadas e será muito difícil criar o regime de capitalização, pretendido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

— Capitalização vai ter de explicar muito bem. O custo de capitalização também é muito alto, R$ 400 bilhões em dez anos — afirmou Maia, que acrescentou: — Qual modelo é esse? Capitalização pura? Chance zero de passar.

O presidente da Câmara disse que hoje tem mais gente a favor da reforma, “mas ainda não é a maioria”. E afirmou que “o governo foi omisso no começo” da tramitação, mas tem conversado constantemente com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

— As coisas estão caminhando. As coisas estão melhorando.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jorge Lobo disse:

    Neste particular, estou com o presidente miliciano.

  2. J..Dantas disse:

    É lamentável a cultura do brasileiro e o sistema corrupto que foi mantido por séculos controlando todos. Infelizmente, se o presidente não se corromper, não distribuiir cargos, não lotear as estatais para serem saqueadas e não pagar mensalão aos outros poderes, não vai conseguir governar… Triste realidade na nossa república das bananas, onde o maior culpado é o povão alienado e massa de manobra.

  3. Paulo Trindade disse:

    Político da velha guarda, acostumado a trabalhar se tiver articulação (muita articulação $$$$).
    Deixaram ele se reeleger presidente da câmara, vão pagar o preço por isso.
    O que Rodrigo Maia vez com as 10 medidas contra corrupção? Quem deu apoio político a ele até final de 2018? Precisa dizer mais?

  4. Antonio Turci disse:

    E$$A ALMA QUER REZA…….

  5. Anti-Político de estimação disse:

    Esse gordinho sinistro não vale nada, é um gangsterzinho. Depois, os sudestinos ficam dizendo que só os nordestinos não sabem votar…

  6. Piquet Carneiro CE. disse:

    Quer fizer que o parlamento não quer participar??
    Me engane que eu go$to.
    $e $oltar a bunfunfa, $ão iguai$ a mo$ca de padaria, $o vão no doce.

  7. Ceará-Mundão disse:

    Então, Rodrigo Maia enxerga o mesmo que eu vejo e digo sempre por aqui: que o Brasil está no caminho certo, está melhorando. Prá frente é wue anda. Retrocesso jamais.

Bolsonaro diz que crise com Rodrigo Maia é ‘página virada’

Reprodução: TV Globo

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (28) que a crise com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é “página virada”.

Bolsonaro deu a declaração durante entrevista após receber a comenda da Ordem do Mérito Judiciário Militar, em Brasília. Maia era um dos homenageados, porém não compareceu ao encontro.

Nos últimos dias, a relação de Bolsonaro e Maia se desgastou, com troca de declarações ásperas dos dois lados.

Bolsonaro disse que esse tipo de situação “acontece”. Ele classificou o caso como “uma chuva de verão”.

“Página virada, um abraço, Rodrigo Maia. O Brasil está acima de todos. Acontece, é uma chuva de verão”, disse o presidente.

“Outros problemas acontecerão, com toda a certeza. Mas, pode ter certeza, na minha cabeça e na dele, o Brasil acima de tudo e Deus acima de todos”, acrescentou.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fagner disse:

    Conta outra. Governo desastrado.

  2. jefferson disse:

    esse presidente e louco,o brasileiro estar ferrado com esse governante.

Rodrigo Maia sobre Bebianno: líderes de partidos podem passar por isso

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira (14) ao blog que o presidente Jair Bolsonaro precisa “comandar a solução” para a crise política que envolve o ministro da Secretaria Geral, Gustavo Bebianno.

O ministro é suspeito de ter autorizado durante a campanha eleitoral a liberação de R$ 400 mil em recursos públicos do fundo partidário para uma candidata “laranja” do PSL, partido de Jair Bolsonaro. Nesta semana, Bebianno disse que conversou três vezes com Bolsonaro enquanto ele ainda estava internado em um hospital em São Paulo. Em uma rede social, o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, classificou a afirmação de Bebianno como “mentira absoluta”. Depois, Jair Bolsonaro compartilhou as mensagens do filho na mesma rede social.

Nesta quarta, em entrevista ao blog, Bebianno afirmou que não pretende pedir demissão.

“A impressão que dá é que o presidente está usando o filho para pedir para o Bebianno sair. E ele é presidente da República, não é? Não é mais um deputado, ele não é presidente da associação dos militares”, declarou Maia.

“Então, se ele está com algum problema, ele tem que comandar a solução, e não pode, do meu ponto de vista, misturar família com isso porque acaba gerando insegurança, uma sinalização política de insegurança para todos”, afirmou o presidente da Câmara.

Para Maia, é um “risco muito grande” para um governo transformar o episódio de Bebianno em uma crise porque, segundo ele, há desafios importantes para o governo enfrentar, entre os quais a aprovação da reforma da Previdência.

“Olha, eu não gosto de ficar me movendo nas relações familiares, mas eu acho que o episódio do Bebianno não tem relação com o Bebianno. O Bebianno transferiu dinheiro para o diretório [do PSL], não é? Ou para uma candidata de um estado. Qualquer presidente de partido poderia passar por isso. Você transformar isso numa crise dentro do Palácio do Planalto, eu acho que é risco muito grande pra um governo que precisa analisar a liderança, unidade, porque vai ter desafios importantes começando pela Previdência”, declarou.

Andréia Sadi – G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Joaquim disse:

    Filho de presidente “apita” agora é?

    • Tereza disse:

      Na política velha eram os bandidos, espero que com o Bolsonaro pelo menos os filhos dêem uma freada nesses bandidos.

PSL fecha apoio a Rodrigo Maia à reeleição à presidência da Câmara

Rodrigo Maia conseguiu selar um importante apoio à sua candidatura à reeleição à presidência da Câmara: o apoio do PSL de Jair Bolsonaro, dono de uma bancada de 52 deputados.

Maia e Luciano Bivar, o presidente do partido, tiveram uma longa reunião na manhã desta quarta-feira(02), em que foi acertado o apoio.

Bivar conseguiu de Maia a promessa de que as pautas prioritárias de Bolsonaro relativas às reformas serão pautadas com urgência.

Conseguiu mais: o PSL ficará com uma das vagas na mesa da Câmara e com as presidências de duas das mais importantes comissões da Câmara, a CCJ e a Comissão de Finanças e Tributação

Lauro Jardim – O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Waldemir disse:

    Chora petistas o Lula tá preso babaca

  2. Francisco disse:

    Só falta nomear Treme, Treme…

  3. Cesar Rodrigues disse:

    Começou o toma lá dá cá

  4. kalina disse:

    Mesmo governo Temer

Rodrigo Maia, do DEM, desiste de concorrer à Presidência

Maia participa de sessão da Câmara no início deste mês; deputado anunciou desistência da pré-candidatura à Presidência. (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), desistiu da pré-candidatura à Presidência da República nas eleições de 2018. Em carta divulgada nesta quinta-feira (26), Maia afirmou que irá concorrer a deputado federal – ele está no 5º mandato.

“Arquivo, momentaneamente, a pretensão presidencial que vislumbrei para marcharmos juntos, em 2018, com o projeto que estamos construindo em torno de Geraldo Alckmin. Serei candidato a deputado federal pelo Rio de Janeiro e mais uma vez empenharei o novo mandato que espero ter a honra de conquistar em favor do Brasil e dos brasileiros”, diz o texto.

Na carta, Maia cita a decisão do “Centrão” – grupo de partidos do qual fazem parte o DEM, do presidente da Câmara, além de PP, PR, PRB e Solidariedade – de oficializar o apoio à candidatura de Alckmin ao Planalto. O ato ocorreu na manhã desta quinta.

Na carta, endereçada aos partidos do “Centrão”, ao PHS e ao Avante, Maia afirma que a biografia de Alckmin “saberá honrar os projetos, os anseios, a experiência e o espírito público e republicano” dos partidos que compõem o Centro Democrático, como se autointitula o “Centrão”.

Em seu discurso durante o anúncio de apoio do “Centrão”, Alckmin afirmou que o grupo se uniu em torno de sua candidatura por “convicção em um grande esforço conciliatório”.

Pré-candidatos

A pré-candidatura de Maia havia sido anunciada em 8 de agosto. O parlamentar assumiu a presidência da Câmara em 2017 após a renúncia – e posterior cassação do mandato – de Eduardo Cunha (MDB-RJ), também foi presidente do partido ao longo do ano passado.

As legendas começaram a oficializar as candidaturas à Presidência em 20 de julho, por meio de convenções partidárias. Até a manhã desta quinta-feira, cinco nomes haviam sido definidos, e dez figuravam como pré-candidatos. Veja quem são.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ANTONIO FELIX NETO FELIX disse:

    ELE NÃO IRÁ SE ELEGER PARA DEPUTADO. SERÁ INVESTIGADO.

Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, política de preços da Petrobras não deve mudar

Por interino

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia – Pedro Ladeira/Folhapress

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), disse nesta sexta-feira (1) que Pedro Parente tinha “credibilidade” e que a saída dele do comando da Petrobras não deve trazer mudanças na política de preços da empresa.

“Não deve haver mudança e sim o governo usar os impostos regulatórios para compensar aumento no preço do petróleo”, afirmou à Folha nesta sexta (1º). Para ele, Parente “tem muita credibilidade e estava fazendo um ótimo trabalho”.

Maia, no entanto, já havia defendido no início da paralisação de caminhoneiros que a política de preços de combustíveis da Petrobras precisava passar por ajustes para evitar aumentos diários e sucessivos em períodos de alta acentuada do petróleo.

O presidente da Petrobras pediu demissão na manhã desta sexta (1º), em reunião com o presidente Michel Temer. Parente estava na empresa desde junho de 2016. ​

Para o pré-candidato ao Planalto pelo PSDB, Geraldo Alckmin, a saída de Parente não pode “desperdiçar o trabalho de recuperação da Petrobrás”.

“Com a saída de Pedro Parente, o importante nesse momento é não desperdiçar o trabalho de recuperação da Petrobras. Precisamos definir uma política de preços de combustíveis que, preservando a empresa, proteja os consumidores”, afirmou via Twitter.

Ele vinha sendo criticado pela insistência com a política de preços dos combustíveis implantada durante sua gestão, que levou a aumentos que culminaram com a paralisação dos caminhoneiros.

A demissão também gerou reação de representantes da esquerda.

“Não basta trocar o entreguista Pedro Parente na presidência da Petrobras. Tem de mudar sua política de preços para os combustíveis e a ofensiva privatista na empresa e na entrega do pré-sal. Tem de recuperar a Petrobrás para o Brasil e para os brasileiros”, disse a senadora e presidente do PT, Gleisi Hoffmann, também pela rede social.

“Pedro Parente, ministro do apagão elétrico do PSDB e ministro do apagão de combustível de Temer, não aguentou a pressão. E caiu fora do governo golpista”, disse o senador Humberto Costa (PT).

No Twitter, pré-candidata à Presidência Manuela D’Ávila (PCdoB) disse que a “pressão popular botou Parente para fora”. “Agora é mudar esse governo pra Petrobras voltar a estar a serviço do povo”, disse.

“A desastrosa política de preços da Petrobras e a privatização branca causaram um estrago que o povo brasileiro está sentindo no bolso”, afirmou Guilherme Boulos, pré-candidato pelo PSOL, para que Parente “já vai tarde”.

Em fato relevante, a Petrobras informou que um presidente interino será escolhido pelo conselho de administração da companhia nesta sexta. Disse ainda que não haverá mudanças na diretoria.

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Hermes disse:

    Esse deve ser acionista, quer dizer que o certo é fuder o povo pra fazer o preço das ações subirem né? Palhaço. A rigor. O Pedro Parente foi trabalhar na sádia perdigão, será que ele vai dolarizar o preço do GALETO ou vai vender como é hoje? Se for no dólar o preço do frango vai subir todos os dias como sobe gasolina.

  2. Nilvan Rodrigues da Silva disse:

    Como não mudar a politica de preços da Petrobrás cara pálida? Num está vendo que o assalariado e a sociedade em geral aguenta essa política de aumento abusivo dos combustíveis. O Brasil é um país rico demais pra abrir mão de suas riquezas para atender os acionistas da Petrobras. Se preciso for, quebre todos esses contratos unilateral e fraudulento que roubam todas nossas riquezas. O Brasil tem que atender e servir aos brasileiros. Não aos acionistas da bolsa de Wall Street.

  3. Ana disse:

    Sabe da história, " não é no meu". Ou seja se o problema não lhe atinge, pode ferrar quem quiser. Obtuso, acho que não, canalha seria melhor.

  4. Xeleléu disse:

    Idiota obtuso!!!!
    Errou a conta do buraco de 3 para 13!!!!
    Depois quis acabar com imposto…
    Depois se lembrou q veste a fantasia de liberal…
    Agora é tarde.
    Papangu!!!!

Rodrigo Maia: análise de impeachment não pode ser no drive-thru

Rodrigo Maia, presidente da Câmara, durante sessão plenária da Câmara – Jorge William / O Globo

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ),disse nesta quarta-feira que a entrega de pedidos de impeachment contra um presidente da República não é como um “drive-thru”, ou seja, uma entrega rápida. Aliado do governo, Maia negou que esteja “engavetando” os 12 pedidos já protocolados contra o presidente Michel Temer e argumentou que é preciso ter “calma e paciência” para tratar deste tipo de assunto. Ele disse que a aprovação nesta terça da MP do FGTS dá segurança ao governo de que a base está votando, o que dá mais segurança de que a Câmara está funcionando.

— Não posso avaliar uma questão tão grave como essa (pedidos de impeachment) num drive-thru. Não é assim. Quanto tempo se discutiu aqui o governo Dilma. As coisas não são desse jeito. Temos que ter paciência. Estão dizendo que eu engavetei: não tomei decisão! E não é uma decisão que se tome da noite para o dia. O presidente da Câmara não será instrumento para a desestabilização do Brasil. Esse tem sido o meu comportamento: muita paciência, calma, tentando garantir uma agenda. Estou olhando para 2018, com o Brasil podendo crescer de 3% a 4%. E com esse olhar preciso ter uma agenda que garanta essa possibilidade — disse Maia.

Ele disse ainda que a PEC da Eleição direta é um problema da CCJ:

— Se está na Comissão, não cabe ao presidente da Câmara (decidir).

Maia comemorou a votação desta terça e disse que nesta quarta a discussão será sobre o projeto que legaliza benefícios fiscais dados pelos estados dentro da guerra fiscal, como pediu a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia.

— O país tem os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, e, nós, como deputados, temos a obrigação de votar uma pauta. A matéria de ontem era uma MP que interessava a todo o Brasil, tanto que todos os partidos votaram a favor. A pauta da Câmara está funcionando e claro que dá uma sinalização forte para o governo de que a base está votando. Mas, mais do que isso, dá uma sinalização para a sociedade que a Câmara tem uma agenda, que tem o foco na recuperação econômica do Brasil — disse.

E acrescentou que se negocia mesmo um Refis mais vantajoso para as empresas dentro da MP 766.

— É do processo democrático a obstrução. Iniciar a discussão da convalidação. Supremo está pronto para pautar e tenho dialogado de forma permanente com a ministra Cármen Lúcia no sentido que a solução legislativa é melhor que a solução no STF. Ela concorda e tem sido muito correta. No mínimo, vamos começar esse debate hoje — disse.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fernando Antonio Ribeiro Bastos disse:

    Esse "olhando para 2018", já diz tudo desse patife, lógico olhando a sua reeleição.

Associações de juízes repudiam declaração de Rodrigo Maia sobre o fim da Justiça do Trabalho

Por interino

A Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 2ª Região (Amatra-2), entidade que reúne juízes e desembargadores do maior Tribunal Regional do Trabalho do País, repudiou na manhã desta quinta-feira (9), em nota, as declarações do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Em evento realizado na quarta-feira (8), Maia disse que os juízes trabalhistas vêm tomando “decisões irresponsáveis”‘ e que a Justiça do Trabalho “não deveria nem existir”. Na avaliação de Maia, o excesso de regras no mercado de trabalho gerou 14 milhões de desempregados no Brasil.

Na Nota, a Amatra-2, que abrange abrange São Paulo, grande ABC, Barueri, Caieiras, Cajamar, Carapicuíba, Cotia, Diadema, Embu, Ferraz de Vasconcelos, Franco da Rocha, Guarulhos, Itapecerica da Serra, Itaquaquecetuba e Baixada Santista, destaca que não se pode, de forma nenhuma, transferir a responsabilidade pela crise econômica, “agravada pelo mau gerenciamento do dinheiro público”, para os ombros dos trabalhadores e do Poder Judiciário. “Os Juízes aplicam a Constituição e as leis vigentes.”

Para a entidade, a existência de uma “justiça especializada” garante o julgamento por magistrados que estudam profundamente a legislação do trabalho, trazendo decisões mais justas e compatíveis com a especificidade das relações de trabalho. “Querer fazer uma reforma da legislação que rege a relação capital-trabalho a toque de caixa, isto sim é uma atitude irresponsável e casuística”, critica.

A Amatra-2 diz ainda que “sob o guarda-chuva da crise, o presidente da Câmara quer votar nesta quinta um projeto de lei de 1998 que significa um retrocesso social nas relações de trabalho no País, ampliando a terceirização para a atividade-fim das empresas”. E continua: “Esta seria a forma para tornar a reforma trabalhista enviada ao Congresso pelo governo Temer, do qual Maia é aliado, uma legislação mais agressiva. Se aprovada, a medida irá direto à sanção do presidente Michel Temer. A história mostrará quem são os irresponsáveis.”

Anamatra e Coleprecor também se revoltam contra “críticas irresponsáveis”

A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), entidade que representa mais de 4.000 juízes do Trabalho no País, e o Colégio de Presidentes e Corregedores de Tribunais Regionais do Trabalho (Coleprecor) também divulgaram notas de repúdio às declarações do presidente da Câmara.

Para as entidades, as declarações de Rodrigo Maia “ofendem os juízes do Trabalho que atuam em todo o Brasil e que, ao contrário do que afirma o parlamentar, têm a importante missão de equilibrar as relações entre o capital e o trabalho, fomentando a segurança jurídica ao garantir a correta aplicação do Direito, de forma digna e decente”.

“Críticas sobre o aprimoramento de todas as instituições republicanas são aceitáveis, mas não aquelas — aí sim irresponsáveis — com o único objetivo de denegrir um segmento específico do Poder Judiciário que, especialmente neste momento de crise, tem prestado relevantes serviços ao país e aos que dela mais necessitam”, afirmam a Anamatra e o Coleprecor.

Segundo as entidades, em 2015, 11,75% (4.980.359 processos) do total de novos processos ingressados no Poder Judiciário representaram as ações relativas ao pagamento de verbas rescisórias, “dado que revela o quanto a Justiça do Trabalho é imprescindível em um país desigual e injusto”.

“Também causa repulsa à Anamatra, ao Coleprecor e aos seus representados as afirmações do deputado de que a reforma trabalhista encaminhada pelo Governo Federal ao Parlamento seria ‘tímida’ e que a reforma da Previdência não possuiria pontos polêmicos, declarações essas que revelam um profundo desconhecimento dos princípios constitucionais que regem os direitos trabalhistas e sociais, além dos verdadeiros reflexos das propostas para o País”, diz a nota subscrita por Germano Silveira de Siqueira, presidente da Anamatra, e James Magno Araújo, presidente do Coleprecor.

R7

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. César B. disse:

    Perfeitas as palavras do deputado César Maia, chega de se gastar tanto com justiças caras, que funcionam em palácios magníficos, a custa do sofrido contribuinte.

  2. Rosaldo. disse:

    Quantos comentários imbecis. E este do Rodrigo é o maior. A justiça NÃO TEM PREÇO. Desde quando, no Brasil, um trabalhador tem poder de negociação frente ao patrão????

  3. Paulo Barros disse:

    Rodrigo Maia falou só a verdade.

  4. sil disse:

    ta ganhado quanto dos patroes ou seja ele um é patrao pois deve ter empresa e não pagar bem aos seus funcionarios que o coloca na justica

  5. Jofran disse:

    As vezes só percebemos o que tem valor pra nós quando perdemos o que temos.
    Pára quem pensava que estava ruim, agora dá pra perceber que a cada movimento salvador do País, mais benefícios, aumentos e privilégios são concedidos a alta casta política e empresarial.
    Ao mesmo tempo em que mais arrocho, restrições e retirada de direitos consagrados pela conquista em lutas históricas do trabalhador, são implementadas a "toque de caixa".

    • Ceará-Mundão disse:

      Qual direito trabalhista está sendo atacado? Pelo que se comenta, a reforma trabalhista proposta apenas regulamenta algo que já é previsto na Constituição Federal: a supremacia das negociações coletivas. Ou seja, fortalece os sindicatos, que passarão a ser protagonistas nessas negociações.

  6. LAURO disse:

    O Brasil o Estado virou refém das corporações. Tenho pena do SOFRIDO POVO BRASILEIRO.

  7. Val Lima disse:

    Justiça cara e ineficiente …

  8. Eu disse:

    Pra quem. Unca deu um pregi numa barra de sabão, o nome deputado ta certo. Mas a quem os trabalhadores vao recorrer nos litigios? Com ela ja ruim, imagina sem. Ha disparidade em tudo. Esses politicos perderam a noção, agira eles esquartejam qualquer um plena luz do dia. E vcs defendo tese A ou B. Pra eles nao importa, eles nao discutem, apenas tiram de nós e roubam pra eles.

  9. Carlos disse:

    Pois é… Somente em "republiquetas"existem tribunais do trabalho para acabar com a economia e trucidar os empregadores "heróis". É por isso que, a exemplo do Brasil, esses países periféricos e atrasados não vão para frente e possuem baixo nível de escolaridade e não se importam com as questões sociais de sua população. Gente, vamos avisar para eles que o problema é a Justiça do Trabalho e as leis trabalhistas, para que essas pobres "republiquestas" abaixo cheguem ao mundo civilizado!!!
    ALEMANHA: Tribunal Federal do Trabalho da Alemanha (Bundesarbeitsgericht)
    FINLÂNDIA: Tribunal do Trabalho (Työtuomioistuin)
    NORUEGA: Tribunal do Trabalho (Arbeidsrett)

    Em tempo: devemos julgar a importância de uma instituição pelo cálculo entre "gasto" que ela gera e a "riqueza" que devolve. Logo, acabemos com a Justiça Criminal também, gente! Só serve para prender bandido e gerar gastos nos presídios! Que importa se alguém matou sua mãe?! Ela já morreu mesmo. Você ainda vai gastar dinheiro dos impostos com a polícia e a justiça para condenar o assassino que, depois, ficará preso na cadeia? E para que serve a Justiça Eleitoral? Ora! Gastos e mais gastos… para que serve? Devolve algum dinheiro a alguém? Não… é só para tentar fazer das eleições um lugar mais civilizado. Não! Certamente, assim não dá!
    Para que serve uma Justiça do Trabalho?! Droga! Só para condenar empregadores que não cumprem as leis do país. Tudo bem se aqueles que cumprem sofrem com a "concorrência desleal" dos que não recolhem FGTS, não pagam adicional noturno, horas extras, demitem o empregado e mandam procurar a Justiça do Trabalho. Quando chega lá, fazem "acordo" no equivalente a 60%-70% do seria realmente devido por lei e ainda dividem em 5 parcelas. PELO FIM DA JUSTIÇA DO TRABALHO!
    P.S.: Façam uma pesquisa no site do TRT-21… Peguem os nomes das grandes redes de supermercado que vocês conhecem (locais e até internacionais). Perceberão que uma grande rede LOCAL cumpre tão bem a legislação, que praticamente não tem ações contra ela. Quando tem, são improcedentes ou resolvidas com acordo (a empresa percebe que houve alguma falha). já grande REDES INTERNACIONAIS possuem vááááários e repetidos processos contra elas. Na maioria das vezes, são condenadas. Façam a pesquisa e tirem suas conclusões!

    • Carlos disse:

      Droga! Esqueci de dizer que temos de acabar com a Justiça Federal também!!!! Afinal, além dos gastos com pessoal e funcionamento, a Justiça Federal condena, na maioria das vezes, a União e seus órgãos a pagarem alguma coisa. Então, ao extinguir a Justiça Federal, a gente mata dois coelhos com uma cajadada: acaba o gasto do funcionamento da Justiça Federal e o gasto público com as condenações!!! Olha só que ideia legal que eu tive agora!!! Vamos fazer um abaixo-assinado, gente?

    • Ceará-Mundão disse:

      Segundo comentou o deputado Rodrigo Maia, a estrutura da Justiça do Trabalho seria transferida para a Justiça Federal.

    • Carlos disse:

      Agora ficou claro, Ceará-Mundão!
      A fusão da Justiça do Trabalho com a Justiça Federal vai trazer economia para o Brasil e competitividade para as empresas brasileiras! Isso porque deixaram de existir os servidores e juízes do trabalho, né? Com a incorporação deles na JF, nao vai mais precisar gastar dinheiro! Muito bom! E as empresas… poxa, vai ficar massa! Vamos concorrer em pé de igualdade com os chineses!!! VIVA! Ficaremos muito felizes trabalhando como os empregados chineses e certamente teremos os salários da Suécia! Sim, porque a desregulamentação vai gerar salarios maiores para todos! Estou tão feliz em ter um presidente da câmara federal pensando na gente! Eu era tão ingênuo… ia na conversa dos bobalhões que falavam que nossa CLT era algo bom e que a Justiça do Trabalho era até um meio de evitar concorrência predatória e precarização do trabalho. Obrigado por abrir meus olhos !!!

  10. Vasconcelos disse:

    Quando vemos um grupo não querer que mude nada no seu segmento é porque existe muito privilégio. A justiça precisa de reforma profunda em todos os seus tentáculos.

  11. João disse:

    Boa parte dos empresários preferem que o trabalhador vá à JT para negociar a demissão. Lá, eles fazem acordo, diminuem o valor e parcelam em 10 vezes sem juros. Por que não cumprem a lei e pagam assim que demitem? Palhaçada. Cumpram a CLT. A JT está cheia de ações por conta desses empresários devedores. Se não tem competência, não se estabeleça. Simples.

    • Mário disse:

      Fazem isso porque uns mal intencionados quando recebem seus direitos vão a JT mentir para quebrar a empresa. Eu mesmo recebi as minhas contas pagas corretamente e não faltaram colegas inescrupulosos sugerindo que eu fosse à JT, pois com certeza que ganharia mais algumas lascas. Dei banana para os desonestos.

  12. Edu disse:

    Tai uma coisa correta que esse Deputado disse, pois a Justiça Trabalhista é cara é inócua. Se pegarmos os salários dos Juízes e Desembargadorores daquela casa, são verdadeiras fortunas, de 100 mil por mês têm vários. E mesmo ganhando fortunas dignas de milionários, não conseguem julgar a contento. Hora da sociedade, através de seus representantes tornar pública essa discussão, saber se os estudos que comprovam que seria muito melhor acabar com a Justiça Trabalhista, pois a economia seria de milhões.

    • Carla disse:

      Disse tudo!! Assim como o mp e entidade de classes que ganham fortunas, em cima dos associados .

  13. Luiz Fernando disse:

    A economia seria enorme para o País.

  14. paulo martins disse:

    Qual mesmo a serventia de uma "justiça" esquartejada como a do Brasil?
    Justiça do Trabalho, Justiça Eleitoral, Justiça Militar, Justiça Desportiva…
    Haja mordomia e vitaliciedade bancadas com o suor e a vida miserável levada pelo cidadão-contribuinte.
    E haja carteirada ("sabe com quem está falando?") de 'otoridade' inescrupulosa, num país acostumado historicamente a fazer justiça com as próprias mãos.

  15. Curioso disse:

    E quanto custa a Justiça do Trabalho e quais são os salários pagos aos Magistrados e Servidores?

    • Joao disse:

      Recentemente, saiu o orçamento para Justiça do Trabalho: 22 bilhões; previsão de acordos trabalhistas: 9 bilhões. Mais conveniente: Fechar, por falta de utilidade.