IBGE: Mais ricos recebem 36 vezes acima do que ganham os pobres em 2017

Em 2017, os ricos do país ganharam 36,1 vezes mais do que metade dos mais pobres. Este grupo 1% mais rico da população brasileira, em 2017, teve rendimento médio mensal foi de R$ 27.213. O valor representa, em média, 36,1 vezes mais do que a metade dos mais pobres – cujo renda mensal foi de R$ 754. Em 2016, o grupo mais rico ganhava 36,3 vezes que a média do rendimento de metade dos mais pobres.

Os dados fazem parte da pesquisa Rendimento de todas as fontes 2017, divulgada hoje (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e estatística (IBGE) com base em dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

A publicação revela que a massa de rendimento médio mensal real domiciliar per capita, em 2017, foi de R$ 263,1 bilhões. Deste total, os 10% da população com os maiores rendimentos ficavam com 43,3% do total. Os 10% menores rendimentos detinham apenas 0,7% da renda.

Para o coordenador da pesquisa, Cimar Azeredo, os números mostram que a desigualdade ainda é grande no país. “Vamos separar a população inteira, do mais baixo ao mais alto. Se você pega metade dela, verá que a média de rendimento médio dos 50% que ganham menos é de R$ 754, valor mais que 36 vezes menor do que o rendimento da população que ganha os maiores salários, e que chega a R$ 27.213. Os 10% com os maiores rendimentos chegam a deter 43% do total recebido”, afirmou.

Concentração

Na região Sudeste, a concentração de renda foi ainda maior. Nesta região, está a maior parcela da população e reúne rendimento médio mensal real do grupo de 1% mais ricos. No Sudeste, este grupo chegou a ter concentração 33,7 vezes superior ao rendimento médio mensal real de 50% da população com os menores rendimentos – em 2016 era de 36,3 vezes.

A região que apresentou a menor relação foi a Sul (25 vezes, em 2017 e 24,6 vezes em 2016). Em 2016, o número era 36,3 vezes maior.Também foi o Sul que teve a menor desigualdade com 25 vezes, em 2017 e 24,6 vezes em 2016.

O estudo do IBGE compara o rendimento da população do ponto de vista da distribuição por Grandes Regiões, tipo de rendimento, sexo, cor ou raça, nível de instrução, levando em consideração os indicadores de concentração de renda. Também são avaliados os programas de transferência de renda do governo federal.

Rendimento do trabalho

Os dados do IBGE indicam que, em 2017, as pessoas que tinham rendimento de todos os trabalhos correspondiam a 41,9% da população residente, o equivalente a 86,8 milhões de pessoas, percentual afetado pela crise econômica que afetou o país. Em 2016, o percentual chegava a 42,4% Em 2017, 24,1% dos residentes (50 milhões) possuíam algum rendimento proveniente de outras fontes. Em 2016 este percentual era menor: 49,3 milhões de pessoas tinham rendimento de outras fontes, o equivalente a 24% dos residentes.

O rendimento de outras fontes, mais frequente na população, vinha de aposentadoria ou pensão. Em 2017, 14,1% da população recebia por aposentadoria ou pensão; 2,4%, por pensão alimentícia, doação ou mesada de não morador; 1,9%, por aluguel e arrendamento; enquanto 7,5% recebiam outros rendimentos, como seguro-desemprego, programas de transferência de renda do governo, rendimentos de poupança, valores similares aos de 2016.

Para o coordenador da Pnad Contínua, os números derrubam o mito de que principalmente nas regiões Norte e Nordeste, os programas de transferência renda respondem pela maior parte do rendimento das famílias.

“Isso não é verdade. Quando olhamos o país como um todo, observamos que 73,8% da composição do rendimento da família vem do trabalho, !9,4% de aposentadoria ou pensão e outros rendimentos como aluguel (2,4%), e o restante de pensões, doação de não morador.”

Bolsa Família

Com relação aos programas de transferência de renda do governo federal, a pesquisa constatou que o percentual das famílias brasileiras que recebiam o Bolsa Família caiu 0,6 ponto percentual entre 2016 e 2017, ao passar de 14,3%para 13,7%.

Segundo a pesquisa, o rendimento médio mensal real domiciliar per capita dos domicílios que recebiam o Bolsa Família em 2017 foi de R$ 324, bem inferior ao rendimento médio mensal real domiciliar per capita dos que não recebiam, que era de R$ 1.489.

Os dados indicam que os maiores percentuais de famílias que recebiam algum tipo de benefício dos programas de transferência de renda do governo estavam localizados, no ano passado, nas regiões Norte e Nordeste, com respectivamente 25,8% e 28,4% dos domicílios.

Já o Benefício de Prestação Continuada (BPC) era recebido por 3,3% dos domicílios do país, que tinham rendimento médio real domiciliar per capita de R$ 696 reais. As regiões Norte e Nordeste apresentaram os maiores percentuais (5,6% e 5,2%, respectivamente).

Desigualdade por cor, sexo e instrução

Os números da pesquisa Rendimento de todas as fontes 2017 mostram a continuidade de distorção histórica do mercado de trabalho do país: a desigualdade salarial entre homens e mulheres, cor e raça e por nível de escolaridade.

A pesquisa retifica a persistência do salário maior para os homens do que para as mulheres. Enquanto o rendimento médio mensal real de todos os trabalhos, no Brasil, foi de R$ 2.178; entre os homens, esta média chegou a R$ 2.410. Já para as mulheres, o rendimento médio mensal registrado foi de R$ 1.868, ou seja: o equivalente a 77,5% do rendimento masculino. Em 2016, essa proporção era ainda menor: 77,2%.

As regiões Nordeste e Norte, apesar de terem os menores valores de rendimento médio mensal real para ambos os sexos dentre todas as demais regiões, apresentaram as maiores proporções de rendimento das mulheres em relação aos homens: Isto é, as maiores taxas de proximidades.

No Nordeste, o salário da mulher equivalia a 84,5% do salário do homem em 2017, enquanto no Norte este percentual era de 87,9%. Em 2016, o salário da mulher equivalia a 88,4% do homem no Nordeste e a 89,2% no Norte.

A Região Sudeste, que registrou a segunda maior média salarial para as mulheres (R$ 2.053) e a maior para os homens (R$ 2.810), foi, paralelamente, a região onde as mulheres registraram a menor proporção do rendimento masculino (73,1% em 2017 ante 71,7% de 2016).

“O Brasil é um país bastante desiguais quando se leva em conta os cortes por sexo, cor e raça, nível de instrução e regiões distintas do país. “Nós somos praticamente cinco país em um só demonstrados pelo retrato de cada uma das cinco regiões”, afirmou o coordenador da pesquisa.

Do ponto de vista da cor e da raça, o IBGE constatou que o rendimento médio mensal real de todos os trabalhos das pessoas brancas era, em 2017, de R$ 2.814, maior que os rendimentos observados para as pessoas pardas (R$ 1.606) e pretas (R$ 1.570).

As mulheres brancas apresentaram rendimentos 29,2% superiores à média nacional de R$.2 178, enquanto as pardas e pretas receberam rendimentos 26,3% e 27,9%, respectivamente, inferiores a essa média.

A mesma distorção foi observada quando a análise é feita sob o ponto de vista do grau de escolaridade, com o nível de instrução se mostrando indicador importante na determinação do rendimento médio mensal real de todos os trabalhos, apresentando uma relação positiva, ou seja: quanto maior o nível de instrução alcançado, maior o rendimento.

“As desigualdades pelos cortes de cor (preta ou parda em relação a Branca) chega a quase à metade. A diferença persiste porque há, no Brasil, como em outras partes do mundo, maior rendimento para aqueles que tem nível superior. Só que a participação de pessoas de cor de nível superior no Brasil é muito baixa”, acrescentou Azeredo.

Segundo o levantamento, as pessoas que não possuíam instrução apresentaram o menor rendimento médio: R$ 842. Por outro lado, o rendimento das pessoas com ensino fundamental completo ou equivalente foi 67,3% maior, chegando a R$ 1.409.

Por fim, aqueles que tinham ensino superior completo registraram rendimento médio aproximadamente 3 vezes maior que o daqueles que tinham somente o ensino médio completo e mais de 6 vezes o daqueles sem instrução.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    VIVA O NEOLIBERALISMO!!

IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior

Mesmo em número maior entre as pessoas com ensino superior completo, as mulheres ainda enfrentam desigualdade no mercado de trabalho em relação aos homens. Essa disparidade se manifesta em outras áreas, além do item educação. É o que comprova o estudo Estatísticas de Gênero: Indicadores Sociais das Mulheres no Brasil, divulgado nesta quarta-feira (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Tomando por base a população de 25 anos ou mais de idade com ensino superior completo em 2016, as mulheres somam 23,5%, e os homens, 20,7%. Quando se comparam os dados com homens e mulheres de cor preta ou parda, os percentuais são bastante inferiores: 7% entre os homens e 10,4% entre mulheres.

Em relação ao rendimento habitual médio mensal de todos os trabalhos e razão de rendimentos, por sexo, entre 2012 e 2016, as mulheres ganham, em média, 75% do que os homens ganham. Isso significa que as mulheres têm rendimento habitual médio mensal de todos os trabalhos no valor de R$ 1.764, enquanto os homens, R$ 2.306.

A economista Betina Fresneda, analista da Gerência de Indicadores Sociais do IBGE explica que os resultados educacionais não se refletem necessariamente no mercado de trabalho. Segundo ela, as mulheres, por terem nível de instrução maior do que os homens, não deveriam ganhar o mesmo salário, em média, deles. “Deveriam estar ganhando mais, porque a principal variável que explica o salário é educação. Você não só não tem um salário médio por hora maior, como na verdade essa proporção é menor.”

Também a taxa de frequência escolar líquida ajustada no ensino médio em 2016 exibe maior percentual de mulheres (73,5%) que de homens (63,2%). A média Brasil atingiu 68,2%. Estudos mostram que o ambiente escolar é mais adequado ao tipo de criação dado às meninas, em que se premia a disciplina, por exemplo, disse a analista. “Tem mais a ver então com características da criação das meninas. Outros estudos mostram que, a partir do ensino médio, por exemplo, os homens começam a conciliar mais estudo e trabalho do que as mulheres. Diversos fatores que estão associados a papéis de gênero.”

Em termos de rendimentos, vida pública e tomada de decisão, a mulher brasileira ainda se encontra em patamar inferior ao do homem, bem como no tempo dedicado a cuidados de pessoas ou afazeres domésticos. A pesquisa confirma ainda a desigualdade existente entre mulheres brancas e negras ou pardas.

No tópico da educação, o estudo procurou ressaltar também que entre as mulheres, as desigualdades são marcantes. As mulheres brancas alcançam superior completo em proporção duas vezes maior que as pretas ou pardas. “Então, existe um efeito também da cor da pessoa na chance de concluir o ensino superior”, destacou a economista.

O IBGE reuniu informações de três pesquisas no levantamento: Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) e Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), partindo da base do Conjunto Mínimo de Indicadores de Gênero (Cmig), proposto pela Organização das Nações Unidas (ONU). Somaram-se a isso dados do Ministério da Saúde, do Congresso Nacional e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira do Ministério da Educação (Inep). Os indicadores apurados foram agrupados em cinco temas: estruturas econômicas e acesso a recursos; educação; saúde e serviços relacionados; vida pública e tomada de decisões; e direitos humanos de mulheres e crianças. Dependendo do indicador, o período analisado vai se 2011 a 2016.

Estruturas econômicas

De acordo com o estudo, o tempo dedicado aos cuidados de pessoas ou a afazeres domésticos é maior entre as mulheres (18,1 horas por semana), do que entre os homens (10,5 horas por semana). Na média Brasil, são dedicadas por homens e mulheres 14,1 horas por semana a esse tipo de trabalho. “Por qualquer nível de desagregação que a gente faça, seja por regiões, como por raça ou por grupo de idade, há mulheres se dedicando com um número de horas bem maior do que os homens a esse tipo de trabalho”, ressaltou a pesquisadora do IBGE, Caroline Santos.

Para Caroline, esse indicador é importante porque dá visibilidade a um trabalho não remunerado, que é executado pelas mulheres, dentro de casa. E tem pouca visibilidade. Por regiões, verifica-se que no Nordeste, as mulheres dedicam um número maior de horas a cuidados, nesse tipo de atividade (19 horas por semana, contra 10,5 horas semanais dos homens).

Caroline destacou que por cor ou raça existe o agravante histórico, característico da formação do país, em que as mulheres pretas ou pardas se dedicam mais a esse tipo de trabalho não remunerado. De acordo com o estudo, as mulheres pretas ou pardas dedicam 18,6 horas semanais para cuidados de pessoas ou afazeres domésticos, contra 17,7 horas entre as mulheres brancas.

Tempo parcial

Segundo o estudo do IBGE, a dupla jornada fica nítida para as mulheres quando elas têm que se dividir entre os afazeres domésticos e o trabalho pago. Isso faz com que elas sejam obrigadas a aceitar, em alguns casos, trabalhos mais precários, afirmou Caroline.

Para mostrar como a carga horária é um diferencial na inserção de homens e mulheres no mercado de trabalho, quando se aborda o tempo parcial, verifica-se que o número de mulheres apresenta um percentual maior (28,2%) do que o de homens (14,1%).

Por cor ou raça, 31,3% das mulheres pretas ou pardas estão no trabalho por tempo parcial, ante 25% de mulheres brancas.

Representatividade

No que se refere à questão da representatividade, o estudo divulgado pelo IBGE evidencia que as mulheres são sub-representadas em várias áreas, não só na vida política, como no Congresso Nacional e cargos ministeriais, mas também nos cargos gerenciais, nos cargos públicos e privados e na instituição policial.

De acordo com a pesquisadora do IBGE Luanda Botelho, o Brasil está mal posicionado no ranking de países que informaram à organização Inter-Parliamentary Union (IPU) o percentual de cadeiras em suas câmaras de deputados ocupadas por mulheres em exercício. Em dezembro de 2017, o Brasil ocupou a 152ª posição entre 190 países, com 10,5%, atrás de nações com histórico de violência contra a mulher, inclusive. Na comparação mundial, Luanda definiu como grave a situação do Brasil, que mostra o pior resultado entre os países sul-americanos.

A pesquisadora destacou que o Brasil há ainda uma participação feminina reduzida nos cargos ministeriais. Em 13 de dezembro do ano passado, dos 28 cargos de ministro, apenas dois eram ocupados por mulheres.

Segundo o IBGE, as mulheres estão em desigualdade com os homens no que se refere aos cargos gerenciais, tanto no setor público quanto no privado. Considerando cargos gerenciais por sexo, segundo os grupos de idade e cor ou raça, 62,2% dos homens ocupavam cargos gerenciais, em 2016, contra 37,8% das mulheres. Nas faixas etárias mais jovens, entre 16 a 29 anos de idade, em especial, as mulheres apresentam melhor desempenho: 43,4% contra 56,6% de homens.

A participação de mulheres no efetivo das polícias civil e militar no Brasil é um indicador importante para avaliar a representatividade da mulher e também está associada à política nacional contra a violência contra a mulher. A lei prevê que a mulher vítima de violência seja atendida, preferencialmente, por policiais do sexo feminino. Mas ainda é pequena a participação feminina nas duas corporações. Em 31 de dezembro de 2013, as mulheres representavam 13,4% do efetivo ativo das polícias militares e civis no país, de acordo com dados da Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic).

No total Brasil, a proporção de mulheres no efetivo das polícias civis dos estados brasileiros atingia 26,4%, em dezembro de 2013, enquanto a participação nas polícias militares era de 9,8%.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Vinicius Rodrigues disse:

    Eu quero saber pq uma mulher q cursa Serviço Social ou Sociologia ou Pedagogia ou Ciências Biológicas… e etc, q são a grande maioria das mulheres, tem que ganhar igual ou superior a homens que cursam Engenharias, tecnológicas e afins… que são as maiorias dentro desses cursos. se a mulher quer ganhar igual ao homem, que vão cursos áreas que pagam mais, igual os homens, ora… que falácia essa historia que mulher ganha menos!

  2. Didi disse:

    Tá na hora da mulherada vira esse jogo. O justo é elas ganharem dinheiro acima dos marmanjos. Kkkkk

  3. Beto disse:

    Existe discriminação até na hora de publicar os 100 mais ricos do mundo, quase todos homens, mulher só as herdeiras. rsrsrs

IBGE: inflação do mês é a menor desde Plano Real

Foto: Marcos Alves – O Globo

Os preços subiram, em média, 0,29% em janeiro, frente ao mês anterior, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial no país. É resultado mais baixo para meses de janeiro desde o início do Plano Real. O fim da cobrança da bandeira vermelha nas contas de luz, que tinha vigorado em dezembro, ajudou na desaceleração dos preços.

Em janeiro de 2017, a taxa tinha sido de 0,38%. Em 12 meses, a inflação, que havia encerrado 2017 em 2,95%, desacelerou para 2,86%.

Os dados foram divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira. Em dezembro, a variação havia ficado em 0,44%, em relação a novembro. A mediana prevista por analistas consultados pela Bloomberg previa uma inflação oficial de 0,41% em dezembro e de 2,98% no acumulado em 12 meses.

O Brasil fechou 2017 com a menor inflação em duas décadas, graças principalmente à queda dos preços dos alimentos. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 2,95%, foi a menor taxa desde 1998 (1,65%) e a segunda menor da série histórica. O número ficou abaixo do piso da meta estabelecida pelo governo, que era de 3%. É a primeira vez que isso acontece desde que o sistema de metas foi implantado, em 1999.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Carllos Henrique disse:

    Excluindo itens de maior aumento como a gasolina, gás de cozinha, etc realmente esse índice nunca vai ser ruim.

  2. Walter disse:

    O cara tentando convencer que a inflação está baixa mesmo, não basta o bandido golpista. A lógica dos golpistas é a mesma que um pai de família cortar duas refeições por não comprar alimentação e ainda comemorar a perda de peso da sua família. Com salário em queda, desemprego em alta, quem pode comprar? se não compra não tem inflação. Essa é a lógica dos bandidos que tomaram o poder. Claro que a mídia, sempre bem paga, faz a parte de convencimento de comemorar a perda de peso por passar fome. Já fizeram apologia ao fogão de lenha e a lamparina, fazer apologia à fome é coisa simples.

    • Chico disse:

      Não é o cara não, quem está dizendo é o IBGE. Lembra na época de querida?? 15% ao ano 12 milhões de desempregados. Para de torcer para o PT feito um time de futebol, pense no Brasil deixe esses desonestos de lado.

  3. VERA disse:

    hoje pela manhã, fui abastecer o meu carro, um HB 20 e paguei, acreditem, 183,01 para encher o tanque… 4,28 o litro no Posto Jaguarari !!!!
    Só pode ser um pesadelo, antes do carnaval….

  4. henriques disse:

    Inflação mostrada por esse Governo atualmente, realmente não parece mostrar a realidade.

  5. Paulor disse:

    Eu gostaria de saber como uma inflação em que :
    a gasolina sobe todos os dias, a energia tambem etc pode ser baixa … isso é a maior mentira que eu já vi !!

    • Netto disse:

      Gasolina e energia não são os únicos componentes dos índices de inflação. Além disso os aumentos recentes já foram contabilizados. No caso do preço da gasolina, esse passou a seguir mais de perto a equação valor dólar/barril do petróleo. O que inclusive tá tirando a Petrobras da lama em que o PT deixou (já que querem ter uma estatal mesmo). Fato que inclusive beneficia quem pegou o FGTS para se arriscar comprando ações da empresa.

IBGE: 30,9% dos jovens no RN não trabalham nem estudam

Pelo menos 30,9% dos jovens potiguares de 16 a 29 anos não estudam e nem trabalham. Os dados da Síntese de Indicadores Sociais (SIS) divulgada nesta sexta-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os dados são referentes a 2016 e revelam ainda que 25% dos jovens do RN só estudam e 36,2% só trabalham.

Em todo o país, o número de jovens que não estudam nem trabalham subiu de 34,2 milhões em 2012 para 41,25 milhões em 2016 – o equivalente a 25,8% do total de jovens brasileiros nessa faixa etária.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ems disse:

    Pense numa ociosidade !

  2. Cidadão disse:

    se eu disser q isso é reflexo do governo assistencialista do PT, vão dizer q é pq eu sou do contra, mais faz q eu prego q essa é a geração PT, veja a idade!

    • Comedor de mortadela disse:

      Não, Quem vai dar escola pros jovens é a iniciativa privada e o DEM/PSDB q quando governou construiu uma escola técnica no RN.

IBGE: 1% da população ganha 36 vezes a renda média da metade mais pobre

Dados divulgados nesta quarta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que, em 2016, 1% dos trabalhadores com os maiores rendimentos recebia por mês, em média, R$ 27.085 – o equivalente a 36,3 vezes mais do que a metade da população com os menores rendimentos, que ganhava, em média, R$ 747.

A massa de rendimento médio mensal real domiciliar per capita alcançou R$ 255,1 bilhões em 2016. A parcela dos 10% com os menores rendimentos da população detinha apenas 0,8% do total, enquanto os 10% com os maiores rendimentos ficaram com 43,4%. O grupo dos que têm maior rendimento tem uma parcela da massa de rendimento superior à dos 80% da população com os menores rendimentos (40,8%).

O rendimento domiciliar per capita é a divisão dos rendimentos domiciliares pelo total de moradores.

No país, o rendimento médio real domiciliar per capita foi R$ 1.242. As regiões Norte e Nordeste apresentaram os menores valores (R$ 772) e a região Sudeste o maior, R$ 1.537.

Da remuneração média mensal domiciliar per capita, 74,8% provêm do trabalho e 25,2% vêm de outras fontes, principalmente aposentadoria e pensão (18,7%).

Homens e mulheres

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do IBGE, também apontou diferenças salariais entre homens e mulheres. No ano passado, elas receberam, em média, R$ 1.836, o que equivale a 22,9% menos do que os homens (R$ 2.380).

O Sudeste registrou a maior média de rendimento para homens, R$ 2.897, e mulheres, R$ 2.078. No entanto, a região também teve a maior desigualdade salarial do país: as mulheres ganham 28,3% menos do que os homens.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. David32 disse:

    Engraçado que no governo do PT eu ouvia se falar em distribuição de renda, e oque houve ? Está as estáticas mostram o processo inverso, nunca se concentrou tanta renda na mãos de uma minoria !
    Os métodos adotada pelo PT só.servoram para escravizar o povo e gerar uma forma de legalizar o voto de cabresto , viva o coronelismo moderno!

  2. Severino Bilhares disse:

    O IBGE passou 13 anos sem poder informar dados negativos do governo, era proibido sob ameaça de demissão imediata.
    Então podemos entender que esse é o resultado dos 13 anos e meio de poder do PT.
    Quanta diferença entre o discurso e a realidade

  3. Rafael Alexandre Nobre disse:

    Essa informação deve está errada. O PT não diz todo dia que diminuiu a desigualdade salarial no Brasil?
    O PT não afirma que elevou milhões a classe média? Onde estão todos esses novos bem sucedidos que o PT deixou? Cadê os novos brasileiros que estão bem por terem entrado nas universidades devido as cotas? Cadê os milhões de empregos que o PT afirmar ter gerado?
    Será que tudo isso que é dito não passa de mais mentiras pregadas pelo PT?

  4. Chimango disse:

    bom mesmo é em Cuba, lá tem igualdade demais!!!!

  5. Carlos disse:

    Mais uma destas "pesquisa comprova que pesquisas realmente comprovam". Não trazem nada de nov e só serve para colocar [email protected] na cabeça do povo.

  6. Romualdo disse:

    É essa desigualdade que os conservadores querem preservar?
    É essa situação social de injustiça e exploração que a direita deseja manter intocada e até agravar?

    • JolsonaroRN disse:

      E por 14 anos no poder a esquerda (PT) não mudou esse quadro? Porque?

    • Netto disse:

      Advinha em que degrau da pirâmide está boa parte dos funcionários públicos, tão caros (sem trocadilho) às esquerdas? Advinha quem não quer mexer com isso?

    • Acorda Brasil disse:

      Voootz… Passou os últimos anos na Europa é amigo? Quem você acha que estava no governo na última década e meia? (Perdida por sinal)

    • Ceará-Mundão disse:

      Só falta esse insensato "cumpanhero" (desculpem a redundância) dizer que a culpa é do Temer (mesmo sabendo que foram eles que levaram ele ao poder). Realmente, se não soubesse que essa gente age de má fé, imaginaria que esse camarada teria vivido os últimos 15 anos num lugar bem distante daqui e sem comunicação nenhuma.

IBGE: No RN, 10% mais pobres precisam trabalhar quase 20 anos para levar o salário de 1 mês do 1% maior

Segundo dados divulgados hoje pelo IBGE, em 2016 no RN os 10% com maiores rendimentos do trabalho no estado abocanhava 46% das rendas do trabalho. Os 50% mais pobres ficaram com apenas 17%.

No estado, enquanto o 1% com maiores rendimentos do trabalho recebem mensalmente cerca de R$ 22 mil, os 10% com menor rendimento recebem apenas R$ 95. A relação é 232,5 para um. Ou seja, os 10% mais pobres precisam trabalhar quase 20 anos para levar o salário de 1 mês do 1% maior.

O 1% mais bem remunerado leva 14,1% de todos os rendimentos do trabalho. Uma fração maior do que aquela com a qual fica os 40% com menores remunerações.

IBGE: Número de casamentos entre homens cresce 64% no RN; entre mulheres caiu 3,23%

Estatísticas do Registro Civil feita pelo IBGE revela que em 2016 o número de casamentos entre homens cresceu 64,71% no Rio Grande do Norte em relação a 2015. De acordo com o levantamento, no ano passado o Rio Grande do Norte registrou 28 casamentos entre dois homens, superando os 17 de 2015.

Os números ainda revelam que o casamento entre mulheres caiu 3,23% no estado. Em 2016 foram 32 e e em 2015, 31.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Brasil Desmoralizado disse:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  2. Vinicius Rodrigues disse:

    Eu mesmo estou a procura de um parceiro a pelo menos 2 anos, tem muito "homem", mas falta comprometimento entre os homossexuais, a promiscuidade desse segmento é altíssima.

    • PROF. EDUARDO AGUIAR disse:

      Tem que ver onde procura. Sofro do mesmo mal por não saber.

  3. maria disse:

    FIM DOS TEMPO

    • PROF. EDUARDO AGUIAR disse:

      Ora, Maria, tem nada fim dos "tempo". É o começo de um novo tempo. Vá se acostumando .

IBGE divulga movimentação do varejo no RN

Dados divulgados nesta terça-feira, 15, pelo IBGE mostram que o varejo restrito do RN cresceu 2,1%, em relação ao mês de maio. Quando comparado com o mesmo período de 2016, esse percentual sobe para 2,2%. Um acúmulo de -1,3% no ano e -5,3%, nos últimos 12 meses.

Já o varejo ampliado registrou em junho deste ano queda de 0,5% sobre junho do ano passado. No ano acumula queda de -4,3% e de -6,9% em 12 meses. No segundo trimestre de 2017 o varejo restrito do RN recuou -0,5% em relação ao primeiro trimestre, na série com ajuste sazonal.

Amanhã serão divulgados dados do setor de serviços e na quinta-feira sairão os dados do mercado de trabalho.

IBGE: PIB cai 0,8 % no terceiro trimestre e tem a sétima queda seguida; no acumulado, recuo de 4% em relação a igual período em 2015

O Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, fechou o terceiro trimestre do ano com queda de 0,8% em relação ao trimestre anterior. Com isso, o país registra o sétimo trimestre seguido de retração da economia. Já no resultado acumulado do ano até setembro, o PIB apresentou recuo de 4% em relação a igual período de 2015, maior queda para este período desde o início da série em 1996.

Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 1,580 trilhão. Os dados das Contas Nacionais Trimestrais foram divulgados hoje (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na análise dos subsetores da economia, a agricultura teve retração de 1,4% no período, a indústria caiu 1,3% e o setor de serviços registrou queda de 0,6%.

Os dados do IBGE mostram ainda que o consumo das famílias caiu 0,6% e o do governo, 0,3%. Já a Formação Bruta de Capital Fixo, que são os investimentos, recuou 3,1%.

No setor externo, as exportações de bens e serviços caíram 2,8% e as importações recuaram 3,1%.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Neco disse:

    Herança maldita.

IBGE: RN é o maior gerador de energia eólica do Brasil, e o maior produtor de petróleo da região nordeste

É destaque no portal G1-RN. O Rio Grande do Norte é o maior produtor de energia eólica do Brasil. É o que aponta o estudo ‘Logística de Energia 2015 – Redes e fluxos do território’ do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o estudo, o estado é responsável por mais de 30% da energia eólica produzida no país. O estudo também revela que o RN também é o maior produtor de petróleo de toda a região nordeste. Confira todos os detalhes, com números, em reportagem completa AQUI

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Guilhermina Alecrim disse:

    Sem nenhuma vantagem para o estado, já que continua com altos índices de desemprego, preços elevados de combustíveis e energia elétrica. Onde está o trabalho de nossos representantes?

  2. VDC disse:

    RN é o maior gerador de energia eólica do Brasil, e o maior produtor de petróleo da região nordeste, PORÉM….KKKK

  3. Escritor disse:

    Energia e Petróleo quando enviado a outros Estados não geram pagamento de ICMS. Norma Constitucional. Imunidade. As eólicas quando adquirem turbinas e pás para se instalarem aqui no RN, também não são pagam ICMS. Isenção.

  4. Raul disse:

    Maior Produtor ok ! mais com Relação ao preço da GASOLINA sempre repassados com valor alto. já os nossos vizinhos da PB a Gasolina e mais barata kkkkkk

  5. BOSCO disse:

    Boa Mário ! kkkkkkkkkkkkkkkkk

  6. Paulo Sergio Martins disse:

    Por isso que não saio daqui: o Rio Grande do Norte é um eldorado adormecido…
    Porém, quando ele entrar em eupção, salve-se quem puder!

  7. mário disse:

    E porque não aparenta ter nada?

Marcelo Queiroz: “Nossa estimativa é de retração de vendas na casa dos 4%”

Convidado por Robinson Faria, Marcelo Queiroz participa de reunião na Escola do GovernoO Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do RN (Fecomercio), Marcelo Queiroz, repercutiu os números da pesquisa do IBGE sobre o desempenho de vendas do comércio varejista potiguar em novembro de 2015, divulgados nesta quarta-fera (13).

De acordo com Marcelo, os dados já eram previstos e a própria Federação já vinha fazendo alertas sobre o fraco desempenho do setor de vendas desde o ano passado.

“Desde o ano passado vimos alertando para uma queda considerável nas vendas do varejo, com repercussões diretas e negativas em toda a economia – sobretudo na nossa capacidade de geração de emprego e renda. E os números que o IBGE divulgou nesta quarta-feira, 13, comprovam isto. Segundo o instituto, as vendas caíram, naquele mês, 12,3%, sobre o mesmo mês do ano anterior. Com isso, o acumulado do ano indica retração de 5%. Para efeito de comparação, de janeiro a novembro de 2014 o varejo do estado havia registrado aumento de 2,15% nas vendas. Diante desse número, nossa estimativa para o fechamento do ano (quando saírem os dados de dezembro) é de retração de vendas na casa dos 4% a 5%”, analisou.

Primeiro semestre de 2015 registra pior resultado para o comércio nos últimos anos

A crise financeira enfrentada pelo país já é sentida diretamente no comércio. Os seis primeiros meses desse ano foram os piores para o setor desde 2011, segundo dados do IBGE. Pior, foi o primeiro ano em que houve retração no balanço do primeiro semestre.

Em 2011, o comércio varejista registrou um crescimento de 7,55%. No ano seguinte, um novo crescimento de 5,18%. Em 2013, o maior crescimento da economia no setor do comércio varejista com 9,37%. No ano passado, os seis primeiros meses registraram um crescimento de 3,20%. Agora, em 2015, houve uma queda -1,90%.

E apesar do otimismo do setor, os números continuam sendo desfavoráveis. O mês de julho registrou uma queda de 3,4%. Puxando a parcial anual para -2,11%.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. SINESIO FILHO disse:

    Isso é mentira das zelites golpistas….. O Brasil esta uma maravilha., segundo Dilmalvadesa e tem alienados que acreditam nela.KKKKK

IBGE: Apenas 6% dos hospitais públicos do país têm leitos de UTI Neonatal

A oferta de leitos ou berços de UTI neonatal em estabelecimentos públicos ou conveniados ao SUS (Sistema Único de Saúde) está disponível em somente 6,6% das cidades brasileiras.

O dado foi levantado pela pesquisa Munic 2014 (perfil de municípios), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e divulgada nesta quarta-feira (26).

Outro dado divulgado foi sobre o número de unidades municipais com serviço de nefrologia: somente 8,7% dos municípios possuíam espaço com essa atividade.

Já no quesito internação, 59,9% dos municípios brasileiros necessitavam referenciar usuários de atenção básica para internação em outros municípios. A região Centro-Oeste apresentou os menores percentuais (46%), enquanto a região Sudeste, os maiores (66%).

A pesquisa também apontou que a concentração destes berços de UTI neonatal acontece na região Sudeste onde 9,3% das cidades têm acesso a este tipo de recurso. Em sentido contrário, o Nordeste apresenta a pior concentração com somente 3,7% de seus municípios possuindo leitos ou berços de UTI neonatal.

Em relação às unidades que realizavam parto hospitalar, todas as públicas tinham interligação com cartório ou um posto de cartório nas unidades. “Isso é bom pois evita a subnotificação do nascimento”, avaliou Vânia.

Folha Press

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cruz disse:

    Uma Vergonha!!!

IBGE: desemprego sobe para 6,7% em seis regiões do país

O desemprego em seis regiões metropolitanas do país subiu para 6,7% em maio, informou hoje (25) a Pesquisa Mensal do Emprego (PME) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em maio do ano passado, o desemprego estava em 4,9%.

A PME produz indicadores mensais sobre a força de trabalho que permitem avaliar as flutuações e a tendência, a médio e a longo prazos, do mercado de trabalho. A pesquisa abrange as regiões metropolitanas do Recife, de Salvador, Belo Horizonte, do Rio de Janeiro, de São Paulo e Porto Alegre.

De março para abril deste ano, a taxa aumentou de 6,2% para 6,4%, subindo 0,2 ponto percentual. Já a variação de abril para maio alcançou 0,3 ponto percentual, considerada estatisticamente estável.

No início do ano, o desemprego era 5,3%, e uma trajetória de alta o levou para 5,9% em fevereiro e 6,2% em março. Com o resultado de maio, o crescimento do desemprego acumula 1,4 ponto percentual este ano.

A taxa é a mais alta já registrada para um mês de maio desde 2010, quando alcançou 7,5%. Desde então, a taxa vinha caindo na comparação com o mesmo período do ano anterior e registrou sua primeira alta em 2015 na comparação com 2014.

A população ocupada e a população não economicamente ativa ficaram estáveis em ambas as comparações e houve queda de 1,8% no número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado em relação a 2014. Na comparação com abril, o emprego formal no setor privado ficou estável.

A região metropolitana que registra a maior taxa de desemprego é Salvador, com 11,3%, seguida do Recife, com 8,5%, de São Paulo, com 6,9%, Belo Horizonte, com 5,7%, Porto Alegre, com 5,6%, e do Rio de Janeiro, com 5%.

Agência Brasil

IBGE: apenas 1/4 da população pratica exercícios com regularidade

Somente um quarto dos brasileiros pratica exercícios físicos com regularidade. E, ao contrário do senso comum, não é no litoral que a população tem maior preocupação com a forma física. O Centro-Oeste é a região que tem a proporção mais elevada de pessoas que fazem exercícios ao menos 150 minutos semanais – 24 1% da população. No Distrito Federal, quase metade dos homens faz alguma atividade física (41,6%); entre as mulheres, a proporção é de 29,6%. Os sedentários, a proporção de adultos classificados de “insuficiente ativos”, correspondem a 46% da população.

As mulheres, que têm hábitos alimentares e cuidados com a saúde melhores que os homens, se exercitam menos – 18,4%, quando entre eles essa parcela é de 27,1%. A Região Norte tem a menor proporção de mulheres que fazem algum tipo de atividade física – 15,4%. Para a gerente da Pesquisa Nacional de Saúde 2013, Maria Lucia Vieira, isso pode estar relacionado à falta de tempo. “Teríamos que fazer uma pesquisa sobre o uso do tempo, mas parece estar relacionado ao fato de ela trabalhar, cuidar da família, da casa. Sobra pouco tempo para atividade física”, afirmou.

O IBGE também pesquisou a atividade física durante as tarefas domésticas e a participação feminina é muito superior – 18,2% das mulheres dedicavam 150 minutos semanais, pelo menos, à arrumação da casa. A participação masculina foi de apenas 5,4%.

fonte: Estadão Conteúdo

IBGE: expectativa de vida sobe para 74,9 anos

A expectativa de vida do brasileiro de ambos os sexos ao nascer passou de 74,6 anos em 2012 para 74,9 anos em 2013, segundo dados divulgados nesta segunda-feira, 01, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O aumento, embora pequeno, mantém a tendência de crescimento da taxa por anos consecutivos.

Em 2011, a esperança de vida do brasileiro era de 74,1 anos. Em 2002, há cerca de dez anos, por exemplo, o índice era de 71 anos. Os dados estão na Tábua Completa de Mortalidade, publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira.

fonte: Estadão Conteúdo