Saúde

RN pode ser um dos primeiros estados a declarar fim da pandemia, ‘mas ainda não é hora de relaxar’, diz coordenador do Lais/UFRN

Foto: Arthur Barbalho/Lais/UFRN

Em entrevista ao Bom Dia RN, da Inter TV Cabugi, nesta quinta-feira(17), o professor Ricardo Valentim, que coordena o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (Lais) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), disse que o Rio Grande do Norte pode ser um dos primeiros estados a declarar fim da pandemia, ‘mas ainda não é hora de relaxar’.

Valentim assim disse:

“Pelo que estamos vendo de dados, o Rio Grande do Norte tem tudo para ser um dos primeiros estados do Brasil a declarar que está saindo dessa pandemia. Eu acredito que a gente vai ter um ano de 2022 muito promissor, mas precisamos fazer o dever de casa”.

A declaração do coordenador do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (Lais) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) ressalta que, apesar do otimismo, o estado ainda vive um momento crítico e que “ainda não é hora de relaxar” as medidas de prevenção.

Sobra a expectativa, Valentim pontua:

“Essa redução que a gente está observando no número de novos casos tem relação primeiro com a imunização. Nós temos mais de 800 mil pessoas que tomaram pelo menos uma dose e mais de 400 mil que tomaram as duas doses – e quanto mais a gente vai se imunizando, maior vai ser o impacto na rede assistencial. Deve entrar em conta também a população que foi contaminada e se recuperou da doença”, considera.

Ainda na entrevista, o professor apontou que a proporção de idosos internados com Covid-19 caiu de 75% no meio de 2020 e está abaixo de 30%. Junto com os trabalhadores da saúde, esse público foi o primeiro a ser imunizado no estado. A mesma tendência deverá se estender ao restante da população com o avanço da vacinação, que já vem apresentando resultados no público geral, de acordo com ele.

“Tivemos em maio mais de 30 mil novos casos, porém, o número de internações começa a cair no final do mês. Há uma redução do número de novos casos, transmissibilidade e adoecimento e também analisamos redução nos pedidos de internação. Por mais de 16 dias esses pedidos vêm reduzindo”, ponderou.

Opinião dos leitores

  1. Se a nossa governadora tivesse utilizado as verbas destinadas a covid 19 e orientado a população a fazer uso de ivermectina metade desses obtos teria sido evitado , um grande exemplo disso é com os presos de alcacuz , a maioria contrairam o virus mas não houve óbitos porque será ?

  2. Boa tarde, professor!

    Nao temos nem 12% da populacao Brasileira vacinada. Fazemos parte de um destino turistico e em consequencia disso recebemos pessoas de outros estados que podem nao terem sido vacinados. Nos EUA, o presidente Biden anuncia meta de vacinar 70% da população adulta dos EUA contra a Covid-19 até 4 de Julho. Nova York ja comemora os 70% de vacinados. Nao seria prematuro afirmar que poderemos ser o primeiro estado a sair da pandemia?

  3. Estados que mais vacinaram :
    MS 37%, RS 35%,ES 32%

    RN vacinou 26%

    No Nordeste quem está na frente :
    BA : 28%,PE : 27%,SE : 27%

    Acho q isso é propaganda do Governo , mas tomara q seja verdade.

    Fonte : G1
    Ou seja , não tá na frente nem no Nordeste
    Essas previsões são pra auto promoção ou pra criar cenarios convenientes pra atrair grana ou gerar panico, tipo os 12000 mortos …

    1. Deixa de ser hipocrita se não fosse a governadora Fátima já estaríamos com o tripulo de mortes aqui no estado….esses bostonarianos só sabe conversar merda.

  4. Esse é aquele que manda os professores voltaram mas ele mesmo sendo professor trabalha de casa? To ligado

    1. Ele trabalha em casa e produz mais do que vc falador de bosta, o cara é pesquisador e vc um boboca telcador de asneiras.

  5. Coincidência ou não, foi só o governo do estado falar na compra de algumas doses da vacina russa – sputinik (sem a devida comprovação científica) que já correram aos meios de comunicação informando melhora no quadro da pandemia?
    Sem contar que existe um estoque de 30% de doses de vacinas que forma enviadas ao RN pelo governo federal e ainda não chegou na população.
    Olha que o RN ainda não conseguiu chegar as 11 mil mortes anunciadas e alardeada em março de 2020 pelo secretário estadual de saúde, mesmo com 18 meses de pandemia. Isso que eles devem entender como eficiência.

  6. Se nao tivessem usado meios sórdidos pra esconder e nao aplicar a vacina, já estaríamos bem mais avançado com as vacinas, sempre mantendo um estoque criminoso de 400 a 500 mil vacinas, qdo se sabe que 10% desse valor já seria suficiente.

  7. Calígula, sei que és um vovô, mas condensa tua barrigada numa postagem. As pessoas normais agradecem.

  8. Alguém aí perguntou onde vende Bandeira do Brasil. Vende na casa do zíper na Coronel Estevam e numa loja de variedades na Av 2, vizinho a loja Colegial. Eu vou para a barragem das oiticicas montado No Lula meu jegue e vou levar minha cachorrinha poodle Dilma kkkkk

  9. Hô mentira grande kkk
    É o medo da CPI
    Aperta ela que ela peida, fica mais acuada que rato com medo de gatos kkkkk

  10. Gente, Foi só alguns parlamentares honestos falarem em abrir uma CPI, que o RN ressurge das cinzas das profundezas, para se tornar o 1° Estado livre da Pandemia!!! Pense numa mentira grande kkkkkj

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

Vão faltar hotéis e aviões na temporada de verão, diz presidente da CVC

Foto: CVC/Divulgação

A CVC já está com a cabeça na temporada de verão. Após a promessa de estados como São Paulo e Rio de Janeiro de vacinar todos os adultos com ao menos uma dose até setembro e outubro, cresce a expectativa do turismo pela retomada do setor. “A volta à normalidade vai coincidir com a alta temporada. Na minha visão, vão faltar hotéis e aviões porque vai haver um boom de viagens”, acredita Leonel Andrade, presidente da CVC. A empresa, assim como as companhias aéreas, afundou, em abril do ano passado, em função da pandemia. A CVC, que já chegou a valer 10 bilhões de reais, em 2019, viu seu valor de mercado despencar para menos de 1 bilhão, em 2020. Hoje, com uma recuperação mais sólida, já está avaliada em quase 6 bilhões de reais.

O tom para a retomada internacional, contudo, é mais cauteloso, já que muitos países só permitem a entrada de brasileiros depois de uma quarentena e outros sequer aceitam brasileiros ainda. “Vai acontecer a mesma coisa no turismo internacional, mas seis meses depois do doméstico. O maior desafio é reabrir as fronteiras, é um problema político que o governo precisa resolver”, diz o comandante da CVC. Os preços, que despencaram com a pandemia, devem acompanhar a demanda e subir, voltando aos patamares de 2019 até o final do ano, segundo o executivo.

Na última terça-feira, 8, a CVC informou ao mercado que contratou os bancos Citi e BTG Pactual para realizar uma nova oferta de ações. É a terceira oferta. A companhia já captou 700 milhões de reais em duas ofertas, realizadas em setembro de 2020 e em fevereiro de 2021. A dívida da CVC, que já foi de 1,6 bilhão de reais, caiu para cerca de 600 milhões no primeiro trimestre do ano.

Radar Econômico – Veja

Opinião dos leitores

  1. Com toda certeza.
    O Brasil vai bombar!!!
    Turismo de natureza vai explodir!!
    Bolsonaro reeleito já no primeiro turno.
    Não há menor dúvida.
    Basta prestar atenção no sentimento espontâneo do eleitor. Politico Ladrão nunca mais.
    O povo tá com nojo dessa praga que tanto infelicitou a nação brasileira.
    Vão roubar no inferno, aqui mesmo não.
    Xô satanás.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trânsito

Rodoviários de Natal vivem expectativa para vacinação

Valdir Vicente, tem 47 anos e é motorista de ônibus da linha Maria Lacerda, Nova Parnamirim. Foto: Divulgação

Valdir Vicente, tem 47 anos e é motorista de ônibus da linha Maria Lacerda, Nova Parnamirim. No transporte, ele toma os cuidados para prevenção da Covid-19, espera ser vacinado para proteger a si e as centenas de pessoas que transporta por dia. ‘’Sempre lavando as mãos, passando álcool em gel e usando a máscara corretamente. A gente está em linha de frente e em linha de risco. A gente carrega muitas pessoas, temos que tomar essa vacina’’, disse.

Os rodoviários em Natal têm expectativas de serem incluídos no cronograma do Plano Estadual de Imunização contra Covid-19. O Seturn fez essa requisição em caráter de urgência, junto ao Governo do RN e a Prefeitura de Natal. O consultor técnico, Nilson Queiroga, alega que os trabalhadores desempenham um serviço essencial.

‘’O transporte coletivo urbano é um serviço essencial, definido pela Constituição. O motorista é um profissional da linha de frente, cada motorista atende mais de 300 pessoas diariamente, inclusive recebendo dinheiro, cartões, conferindo. Realmente há uma necessidade urgente para que esse grupo seja incluído como prioritário. Serão beneficiados também os passageiros já que quando eles embarcarem no ônibus, ele vai pagar a passagem, vai se identificar com um profissional já protegido, ou seja, imunizado’’, salientou.

Elisangela Pascoal é analista do Departamento pessoal e usa o ônibus para ir e voltar do trabalho. Ela é passageira da linha do mesmo motorista dessa matéria e apoia a vacinação dos profissionais. ‘’Eles deveriam sim serem vacinados até porque são um dos grupos da linha de frente e tem contato diretamente com as pessoas, contato com dinheiro. Muitas vezes, eles ficam ali naquele lugar, mas fica bem cheio nesse espaço que eles ficam. Tanto eles têm contato como a gente que é passageiro. É bem importante que essa vacina chegue logo para que todos nós tenhamos acesso a ela’’, disse

De acordo com a Associação Nacional de Empresas de Transportes Urbanos (ANTU), estados como Bahia, Paraíba, Pernambuco, São Paulo e Distrito Federal já vacinam profissionais rodoviários. Caso a iniciativa seja aprovada, a previsão é imunizar cerca de 2 mil trabalhadores do transporte público em Natal.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Com isolamento baixo e economia melhor, economistas já veem PIB acima de 4,3%

Foto: Reprodução/CNN Brasil

Depois de uma onda de pessimismo que veio junto com o aumento recorde nos casos e mortes por coronavírus no país, nos primeiros meses deste ano, bancos, corretoras, consultorias e casas de análises do mercado financeiro começam agora a revisar seu posicionamento e a estimar uma economia melhor do que acreditavam que 2021 seria capaz de entregar.  

Muitos que, antes, falavam na possibilidade até de uma nova recessão no primeiro semestre, já começam a tirar do negativo as projeções de PIB para o primeiro e o segundo trimestre, enquanto os números para o ano completo são também revisados para um resultado mais forte. Se, até um mês atrás, a maior parte das estimativas falava em uma economia rastejante, que cresceria de 2% a 3% em 2021, no máximo, agora já há muitos falando em um crescimento que pode até passar dos 4%.

Por trás da trégua, está uma leva de quarentenas que saíram com efeitos menores sobre a atividade do que as do ano passado, resultados prévios de setores como indústria e comércio que foram melhores do que o esperado, e também uma injeção bilionária de recursos que está entrando no país via setor agrícola e exportações de commodities, os produtos básicos cujos preços no mercado internacional não param de subir.

O banco BTG Pactual, por exemplo, já fala em crescimento de 4,3% para este ano, ante os 3,5% esperados até então. O Credit Suisse vai na mesma toada e projeta alta de 4%, 0,4 ponto percentual a mais que a projeção anterior de 3,6%. “Dados econômicos suaves em abril já reforçam um cenário positivo para a economia, com apenas um leve impacto do endurecimento das medidas de distanciamento social adotadas ao longo do mês”, escreveu a equipe econômica do banco em um relatório recente a clientes.

Na XP Investimentos, a revisão foi de 3,2% para 4,2%, por conta de “um ambiente externo [que] voltou a ficar positivo para as economias emergentes”, com os juros globais baixos e as commodities em alta, e de uma economia doméstica resiliente mesmo “em meio à piora da pandemia e à redução da atividade”, de acordo com relatório do economista-chefe do grupo, Caio Megale

Na média do mercado financeiro, acompanhada semanalmente pelo Banco Central por meio do Boletim Focus, as previsões para o PIB para 2021 vêm crescendo há 4 semanas seguidas e estão hoje em 3,45%. Há um mês, este número estava em 3%.

Isolamento mais frouxo, economia melhor

“Quase tudo no primeiro trimestre foi mais forte do que o esperado”, disse ao CNN Brasil Business Alberto Ramos, diretor do grupo de pesquisas econômicas para América Latina do Goldman Sachs. “Houve a própria população, que não colaborou muito com as novas restrições, o que, embora aumente o risco à saúde, melhorou a atividade.”

O banco de investimentos está hoje com uma das projeções de crescimento mais altas do mercado, de 4,5% para 2021. A estimativa anterior da equipe era de 4,1%. “E há grande chance de que esse número fiquei ainda maior”, de acordo com Ramos.

Na semana passada, o IBC-Br, dado do Banco Central que calcula a atividade mensal e serve de prévia para o PIB, mostrou uma queda bem mais amena do que se esperava para março, quando cidades do país inteiro voltaram a fechar comércios e serviços em meio ao aumento de casos e hospitais no limite. Para o trimestre, o indicador apontou um crescimento de 2,3%.

“As restrições deste ano tiveram um impacto menor sobre a economia e a circulação do que o que vimos no segundo trimestre do ano passado”, disse a economista da equipe de análises do Itaú Unibanco Júlia Gottilieb.

“As pessoas aprenderam a conviver com as restrições à mobilidade. As fábricas não fecharam, como da outra vez. Temos home office, deliveries e um monte de coisas que, no segundo trimestre do ano passado, eram ainda novidade e não sabíamos muito bem ainda como lidar.”

Entre abril e junho do ano passado, primeiro trimestre completo atingido pela pandemia, a economia praticamente parou, no Brasil e no mundo, e o PIB, numa queda histórica, despencou mais de 9% de uma vez.

O PIB do primeiro trimestre deste ano deve ser divulgado pelo IBGE no dia 1º de junho. O do segundo trimestre sai em 1º de setembro.

CNN Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. O Brasil está saindo da crise sanitária e devemos isso ao governo Bolsonaro. O presidente se preocupa com todos os aspectos da vida do nosso povo e por isso o país está se saindo melhor até do que muitos países desenvolvidos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO: “Água mais perto da Paraíba e do Rio Grande do Norte”, celebra Bolsonaro, ao destacar retomada de testes de estrutura de integração do Rio São Francisco

O presidente Jair Bolsonaro destacou nesta quinta-feira(15) em suas redes sociais que o Governo Federal retomou nesta semana os testes da estrutura que está levando as águas do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco da Barragem de Atalho ao Reservatório Porcos, no Ceará.

“Água mais perto da Paraíba e do Rio Grande do Norte!”, comemorou o presidente, mencionando o Ministério do Desenvolvimento Regional e o ministro Rogério Marinho.

Opinião dos leitores

  1. O Brasil é um país fadado ao atraso, jamais será uma Nação potente e se igualar aos paises de 1° Mundo! Taí o judiciario que nós temos, a herança maldita do Partido das Trevas, PT e agora quando tivemos a chance de colocar na presidencia um cara DURO, HONESTO, eis que a desgraça bate nossa porta!! O Maldito Covid! Que o SATÂNICO Zé Inácio agradeceu a natureza pela criação do Virus!!! Isso sem falar num Senado e Câmara acuados por conta dos Processos que têm, engavetados prontos para serem usados no momento oportuno!!! Vergonha!!

  2. Governo Bolsonaro finalmente concluindo obras “eternas” iniciadas nos governos do PT e que serviam apenas para suas roubalheira. O nordeste finalmente vai ter água.

  3. Na realidade, petistas acéfalos, a transposição do rio São Francisco, foi uma ideia desde a época do D. Pedro II. A única coisa que Lula fez e muito, foi roubar e enganar o sofrido povo do Nordeste, com esse discurso ridículo que só quem é burro cai.

  4. Precisou um nordestino iniciar a obra,com 90 % de realizada,mas o fato de ter dado continuidade é um ponto positivo para o presidenciavel ministro da infra estrutura TARCISIO e ao ministro do desenvolvimento regional,contraponto do presunçoso ministro da economia ,mega Guedes

    1. D Pedro l era nordestino? Ele foi quem fez o 1o projeto, passou por todos, vai terminar o governo Bolsonaro e não conclui. Será se o próximo consegue concluir?

    1. Mais um projeto do PT que foi usado por 20 anos como promessa de campanha.
      Teve o custo inicial aumentado em 100x e naõ foi concluído para poder continuar sendo promessa de campanha.
      Aí aparece esse tal de Bolsonaro sem noção e conclui o projeto, que absurdo! Mais um discurso que o PT não pode mais usar sem fim…

    2. Projeto que não saiu do papel, teve que vir um presidente de verdade e realizar. Sonha mortadelante….kkkkkkk

    3. Bolsonaro fez 5 % da obra e esses doidim acha que foi ele quem fez a obra toda, sai dai bolsoloide genocida

    1. Mortadela esse troço do bostonaro pegou as obras com mãos de noventa por cento prontas pelo governo Lula e Dilma fique sabendo bostonariano

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Covid-19 reduz em quase dois anos expectativa de vida do potiguar em 2020, revela análise de pesquisadores da UFRN

Ganho na expectativa de vida ao nascer (em anos) se excluídos os óbitos por SRAG, 2020. Fonte dos dados básicos: Painel Covid Registral

Uma análise apresentada por pesquisadores da UFRN estima que a pandemia da covid-19 reduziu em 1,86 anos a expectativa de vida do norte-rio-grandense em 2020. Os dados apontam as diferenças na expectativa de vida da população considerando duas situações: a expectativa de vida baseada no total de óbitos registrados e a segunda levando em conta a exclusão das mortes por covid-19. Assim, foi possível quantificar os anos de vida que teriam sido ganhos caso essas mortes tivessem sido evitadas. A análise completa pode ser lida aqui.

Os professores Ricardo Ojima e José Vilton Costa, do Departamento de Demografia e Ciências Atuariais da UFRN e Victor Hugo Dias Diógenes, do Departamento de Finanças e Contabilidade da UFPB, explicam que a expectativa de vida ao nascer de uma população é um indicador demográfico que, a grosso modo, avalia o nível da mortalidade de uma determinada região. “De modo simplificado, trata-se de uma média de anos esperados de vida que uma criança nascida em determinada localidade teria caso as taxas de mortalidade presentes se mantivessem no futuro”, apontam.

Como pode ser conferido no gráfico a seguir, os estados nordestinos que apresentaram os maiores ganhos na expectativa de vida ao nascer com a teórica exclusão da covid-19 foram Ceará, Pernambuco e Maranhão, com ganhos de 2,65, 2,33 e 2,28 anos, respectivamente. “Isso quer dizer que se fossem retirados os óbitos por coronavírus de 2020 no Ceará, por exemplo, a expectativa de vida poderia ser 2,65 anos maior. O Rio Grande do Norte, com 1,86 anos, se encontra em posição intermediária e apresenta uma diferença de anos que está abaixo da média do Brasil e, no Nordeste, perde apenas para Paraíba, Bahia e Piauí”, comparam os pesquisadores.

No caso do RN, as pessoas com 60 anos de idade teriam adicionado 6,3% ao seu tempo de vida com a extinção da covid-19. Ou seja, para uma pessoa que tivesse chegado aos 60 anos de idade em 2020 no Rio Grande do Norte era esperado que ela vivesse até os 86 anos, porém essa expectativa de vida caiu para 84,5 anos. Portanto, o coronavírus contribuiu com uma perda de um ano e meio na vida do potiguar desta faixa etária.

O estudo aponta que, em termos proporcionais, os maiores ganhos com a exclusão da covid-19 em termos de anos da expectativa de vida seriam nas idades mais avançadas. Isso se deve ao fato de que os grupos de maior risco para o desenvolvimento de quadros graves da doença serem os mais idosos, como pode ser conferido no gráfico abaixo:

Ganho na expectativa de vida (em %) por idade se excluídos os óbitos por SRAG, 2020. Fonte dos dados básicos: Painel Covid Registral

No quadro geral, a análise aponta que o Brasil apresentaria um ganho com a exclusão da covid-19 de 2,6% no valor da expectativa de vida ao nascer, enquanto o Nordeste, 2,53%. “Mas ao verificarmos esse ganho na expectativa de vida em cada idade, nota-se que esse ganho é decrescente, o que já é esperado. No entanto, se consideramos o ganho proporcional na expectativa de vida em cada idade, verifica-se que os maiores ganhos percentuais ocorrem nas idades mais avançadas”, reitera o estudo.

SRAG

O estudo utiliza a sigla SRAG na análise, que significa Síndrome Respiratória Aguda Grave, por agrupar as doenças respiratórias causada por vírus gripais, como a covid-19. Como principal virose registrada entre as internações e os óbitos no ano passado, segundo os dados do Infogripe/Fiocruz, a covid-19 foi responsável por 99,3% das mortes com resultado laboratorial positivo para vírus respiratório no ano de 2020.

Os dados básicos para a análise apresentada nesta pesquisa foram obtidos na Central de Informações do Registro Civil (CRC) que são atualizados diariamente no Portal da Transparência (Painel Covid Registral) e mantido pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen).

Com UFRN

Opinião dos leitores

  1. Isso se chama ociosidade, ou melhor não ter o que fazer, vão procurar uma lavagem de roupa, gastando o dinheiro dos nossos tributos pra fazer pesquisa do óbvio, resumindo bando de desocupados.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

CONSTRUÇÃO CIVIL: O setor que venceu a pandemia e deve bombar em 2021, segundo executivos

Foto: Pilar Olivares/Reuters

Embora a pandemia tenha devastado a economia, um setor conseguiu atuar de forma extremamente resiliente, com retomada rápida e números surpreendentes. Na visão de executivos de construtoras e incorporadoras ouvidos pela EXAME, 2021 deve ser um dos melhores anos para a construção civil no Brasil, com avanço exponencial de lançamentos no mercado imobiliário e expansão da receita.

A projeção ocorre mesmo diante das incertezas que aindam rondam a economia brasileira, com o provável fim do auxílio emergencial e efeitos residuais da crise global.

O nível de atividade da construção civil registrou alta pelo quarto mês consecutivo, o que confirma a tendência de recuperação no setor. Segundo pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) relativa à novembro, a utilização da capacidade operacional no setor atingiu 63% no período, o maior nível desde dezembro de 2014. A sondagem mostra ainda que a confiança dos empresários permanece em alta no setor.

Para Diego Villar, presidente da Moura Dubeux, a pandemia teve um viés positivo para a construção civil porque as pessoas acabaram fazendo uma reflexão sobre a forma como moram. “O que também contribuiu para o desempenho do setor, neste ano, foi a demanda reprimida. O mercado imobiliário ficou muitos anos sem lançamentos.”

Segundo o executivo, 2021 será um dos melhores anos para o mercado imobiliário. “O governo federal deve retomar o caminho do equilíbrio fiscal, em um horizonte de estabilização do dólar e continuidade das discussões acerca de reformas, especialmente a tributária. A demanda ficará ainda mais aquecida”, acredita.

O valor geral de vendas (VGV) da empresa alcançou 770 milhões de reais a partir dos lançamentos que começaram, de fato, em agosto. O montante é mais do que o dobro do registrado em todo o ano passado. Para 2021, a Moura Dubeux reserva recorde de lançamentos em toda a história da empresa.

Selic

Com a taxa básica de juros (Selic) em mínima histórica, o ambiente é favorável para a compra de imóveis, principalmente na faixa de médio padrão. Para Rodrigo Resende, diretor de marketing e novos negócios da MRV, a Selic pode ter alguma correção no ano que vem, mas ainda de forma tímida.

“Acreditamos que a Selic continuará muito mais baixa do que no passado recente. O Brasil está entrando na tendência global de juros baixos.”

Como o financiamento tende a ficar mais atrativo, o setor deve colher frutos dessa política no ano que vem. “Independentemente da pandemia, a taxa de juros continua convidativa para o setor”, acrescenta Resende.

A construtora Engeform, que em 2020 somou 1 bilhão de reais somente em obras de saneamento, está se beneficiando do ambiente atual. “A taxa de juros baixa permite melhores condições para a empresa se alavancar e viabilizar negócios que antes não seriam possíveis com patamares mais altos”, afirma André Abucham, diretor-superintendente da empresa.

Além do bom desempenho em saneamento, a companhia acaba de fechar um contrato para levantar duas torres corporativas na região da avenida Juscelino Kubitschek, centro financeiro da capital paulista. O JK Square São Paulo terá aproximadamente 70 mil m², cinco subsolos e pavimento térreo com 12 lojas, onde será instalada uma área de convivência com espaços para circulação e permanência, em estilo “open mall”.

“A demanda continua expressiva no mercado imobiliário, os escritórios estão passando por uma reinvenção. As empresas terão que adaptar seus espaços para se adequar no pós-pandemia”, diz Eduardo Araújo, gestor de negócios da Engeform.

Novo normal

A Mac Construtora, que em 2020 registrou um VGV de 450 milhões de reais, prevê cinco lançamentos para o ano que vem e um crescimento de 20% da receita.

A construtora aposta no aprimoramento do conceito de moradia em seus novos lançamentos. “As pessoas estão buscando apartamentos mais funcionais, com espaço para home office e áreas comuns em que elas possam conviver com seus familiares”, diz Ricardo Pajero, CEO da área comercial da Mac.

A aposta também é da paranaense Laguna, que neste ano deve somar um VGV de 150 milhões de reais na incorporação, um avanço de 15% sobre 2019. A empresa tem forte atuação em apartamentos acima de 2 milhões de reais.

“Oferecemos conforto acústico e térmico, além de plantas diferenciadas. Isso passou a ser muito valorizado na pandemia”, diz André Marin Laguna, diretor de incorporações do grupo Laguna.

Em um cenário ainda de déficit habitacional e de infraestrutura no Brasil, o horizonte se mostra altamente positivo para os negócios. A aposta do mercado é de forte retomada. Resta saber se os riscos em torno da economia brasileira serão suprimidos e o setor finalmente poderá usufruir do grande potencial que tanto se fala no país.

Exame

Opinião dos leitores

  1. Vai nessa!!! Desemprego monstruoso impede pessoas de bom senso se meter com compra de imóvel e suas prestações sem fim. Crise, que crise, era o mote do setor imobiliário 2013/2020. Teve crise não filho, foi só uma marolinha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

Hotelaria de Natal e Pipa tem uma expectativa de 55% de ocupação para janeiro de 2021

O setor hoteleiro do Rio Grande do Norte ainda está se recuperando da crise do COVID-19, e em pesquisa realizada entre os associados da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio Grande do Norte (ABIH-RN), é esperada uma ocupação média de 55% em Natal e Pipa, os dois maiores destinos turísticos do estado.

Em comparação com janeiro de 2020, quando a crise do coronavírus ainda não havia atingido o Brasil, a ocupação média foi de 83% nesses dois destinos, uma queda de quase 34% do esperado para a alta estação. A estimativa é feita com base nas reservas para o período.

Para o presidente da ABIH-RN, o empresário José Odécio, o problema da baixa ocupação está na “instabilidade que é gerada pela pandemia em face até mesmo da situação de consenso entre os órgãos públicos e a incerteza que a pandemia gera nas pessoas. Tínhamos um bom fluxo de turistas da América do Sul e agora não temos mais, estávamos crescendo em turistas vindo da Europa, mas por causa dos fechamentos está quase inexistente. Os únicos que nos restam são os brasileiros, com mais ênfase para o regional, os turistas a nível nacional estavam começando a voltar, mas com a volta dos rumores de uma segunda onda do vírus, houve um receio por parte de muita gente em viajar. Esperamos que a partir de janeiro, essa situação possa mudar e com a vinda da vacina isso possa se estabilizar”.

“Mas é necessário que os entes públicos falem a mesma linguagem e não prejudiquem os setores da atividade econômica, que já estão prejudicados, muitas vezes pelo conflito de posicionamento deles. Mas acreditamos que, tomando os cuidados necessários que a iniciativa privada está tomando, dá sim para melhorar a situação do turismo e da economia mesmo com o vírus.”, finalizou José Odécio.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

IBGE: Expectativa de vida no RN é a maior do Norte e Nordeste

Foto: Reprodução

 

A a Tábua Completa de Mortalidade de 2019, que foi divulgada nesta quinta-feira (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), destaca que a expectativa de vida no Rio Grande do Norte é a maior entre todos os estados das regiões Norte e Nordeste.  De acordo com o órgão, a expectativa de vida do potiguar ao nascer aumentou de 76,2 anos em 2018 para 76,4 anos em 2019. No ano anterior, o estado já possuía a maior média das regiões. O número, no entanto, ainda fica abaixo da média nacional, que é de 76,6 anos.

A pesquisa indica ainda que a diferença de expectativa de vida entre homens e mulheres no estado é a sexta maior entre as 27 unidades da federação. Essa diferença é de 8 anos. No Rio Grande do Norte, a expectativa de vida da mulher ao nascer é de 80,4 anos, enquanto a dos homens é 72,4 anos.

Essa disparidade é menos apenas do que no Pará (8,1 anos), Sergipe (8,5 anos), Piauí (8,6 anos), Bahia (9,2 anos) e Alagoas (9,5 anos).

Ainda de acordo com a Tábua de Mortalidade, aos 60 anos de idade, a expectativa de vida da mulher potiguar atingiu 24,5 anos adicionais. Já a do homem, 20,4 anos.

Um outro ponto também chama a atenção no levantamento, ao destacar que o Rio Grande do Norte também tem a maior probabilidade de uma pessoa de 60 anos de idade completar 80 anos entre os estados do Norte e Nordeste. Segundo a perspectiva da pesquisa, de cada 1 mil pessoas que chegavam aos 60 anos de idade em 2019, 619 atingiriam os 80 anos.

No registro por gênero, 691 a cada 1 mil mulheres de 60 anos atingiriam os 80 anos de idade. Entre os homens, são 535 – o que dá 156 óbitos a mais que na população feminina.

Com acréscimo de informações do G1

Opinião dos leitores

  1. Me engana que eu gosto,com tanta gente no Nordeste passando fome,como vai viver tudo isso,o ibge é manipulado co.o tudo no governo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Expectativa de vida no Brasil sobe para 76,6 anos em 2019

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

A expectativa de vida ao nascer no Brasil em 2019 era de 76,6 anos, segundo dados da Tábua da Mortalidade, divulgados hoje (26) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A estimativa é 0,3 ano superior à de 2018, divulgada na pesquisa do ano passado (76,3 anos).

A Tábua da Mortalidade é divulgada anualmente pelo IBGE e usa como referência dados de 1º de julho do ano anterior.

O dado, que é uma média da expectativa de vida dos dois sexos, foi publicado na edição de hoje (26) do Diário Oficial da União. A divisão do dado, por sexo, será feita às 10h pelo IBGE.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Com o Véio Bolsonaro, até a expectativa de vida do cidadão Brasileiro aumenta. Eita Véio Bom, Eita Véio chibateiro.
    É Mito, o Mito disparou, disparou.

  2. ixi, agora o Bozo e sua trupe que se baseia na bíblia, ele quer ser o faraó que escravisa o povo, vai fazer outra reforma e o povo vai ter que trabalhar até 70. Os mínions vão achar ótimo e aplaudir enquanto morrem antes de aposentarem.m

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Nosso segundo mandato terá mais obras que o primeiro”, prometeu Paulinho durante grande caminhada em São Gonçalo

Foto: Júnior Santos

Conhecido por inaugurar uma obra por semana, desde o início do seu mandato em 2017, e por executar mais de 300 ações em três anos, o prefeito de São Gonçalo do Amarante/RN, Paulinho Emídio (PROS) prometeu realizar ainda mais obras no segundo mandato, caso seja reeleito. Neste domingo (1) sua campanha esteve no Bairro Jardins, onde voltou a reunir multidão em praça pública.

Antes de iniciar a mobilização, Paulinho disse que nos quatro cantos da região ia ter trabalho realizado por sua administração. “Vamos andar no asfalto e calçamento novos, passar por escola de ensino médio nova, por construção de praça, iluminação de LED e ainda por escola e unidade de saúde reformadas. Por onde nossa campanha passar vai ter marca da nossa gestão”, disse.

O prefeito ainda disse que já estão planejadas grandes obras para o município, muitas já com dinheiro na conta da Prefeitura esperando os processos licitatórios serem concluídos. Entre elas, o hospital geral, polo empresarial e várias intervenções como construção de pontilhões, estradas e pavimentações asfálticas.

“Nosso segundo mandato terá ainda mais obras que o primeiro. Serei reeleito no dia 15 de novembro, vou tomar posse no dia primeiro de janeiro de 2021 e já no dia 2 as obras vão continuar a todo vapor em São Gonçalo. Porque o desenvolvimento não pode parar”, enfatizou.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO: Técnica desenvolvida por pesquisadores da UFRN aumenta expectativa no combate à desertificação do semiárido

O replantio da Caatinga, castigada pela ação humana há séculos, é uma das alternativas utilizadas em ações para sua restauração. O problema é que, nos métodos convencionais, a mortalidade das plantas transplantadas chega a 70%, o que significa um grande desafio para as equipes que atuam nesse bioma. Porém, uma técnica desenvolvida por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) demonstrou que algumas espécies de plantas têm maior resistência a esse processo, o que gera uma grande esperança no reestabelecimento de áreas florestais do semiárido.

Entre os métodos de plantio diferenciados para essa área, a pesquisa coordenada pela professora Gislene Ganade, do Departamento de Ecologia do Centro de Biociências (CB/UFRN) e coordenadora do Laboratório de Ecologia da Restauração (LER), experimentou a substituição de plantas de raízes curtas por mudas de raízes longas. Esse primeiro trabalho realizado entre os anos de 2013 e 2016 numa área de cinco hectares da Floresta Nacional de Açu (Flona), no município de Assú, apresentou resultados muito satisfatórios. A ação utilizou seis espécies de arvores nativas, entre elas a jurema preta, a catingueira e a aroeira.

Pesquisadora Gislene Ganade transplanta muda de Juazeiro. Foto: Divulgação

O experimento revelou que as plantas grandes com raízes grandes atingem até 70% de sobrevivência, enquanto as plantas pequenas com raízes pequenas apenas 30%. O melhor é que os resultados foram confirmados para plantas irrigadas durante 1 ano e plantas irrigadas só no momento do plantio, dispensando assim o custo de montagem de um sistema de irrigação periódica. Não é à toa que a técnica utilizada ganhou o certificado Dryland Champions (campeões das terras áridas) da Organização das Nações Unidas (ONU).

A mesma técnica foi aplicada com grande sucesso em um segundo experimento de plantio de ampla escala implementado também na Flona de Açu, utilizando então 16 espécies de árvores. O trabalho realizado entre 2016 e 2019, foi registrado pela equipe em fotos e num vídeo apresentado pela professora Gislene Ganade. A técnica de plantio com mudas de raízes longas também já foi implementada em outras áreas dos municípios de São Bento do Norte (RN) e no Parque Nacional do Catimbau, em Pernambuco.

Além disso, o projeto já estabeleceu uma lista das localidades em que mais de 600 espécies arbóreas podem ser plantadas em toda a Caatinga, inclusive considerando as mudanças climáticas e sua relação com a perda ou ganho de espécies em cada localidade. Uma projeção futura foi apresentada para os próximos 50 anos, de 2020 a 2070. A experiência exitosa reforça a tese do grupo de pesquisadores do LER de que a Caatinga pode e deve ser restaurada.

Pesquisa

O projeto desenvolvido pela UFRN para a restauração da Caatinga está integrado à plataforma TreeDivNet que colabora com 16 países. Além disso, mantém parcerias com a Universidade Técnica de Munique (Alemanha) e a Universidade de Exeter (Inglaterra) em pesquisas que investigam as espécies arbóreas com maior potencial ecofisiológico para fixar carbono e restaurar áreas degradadas no semiárido brasileiro.

A partir desta pesquisa já foram desenvolvidas 10 teses de doutorado, 6 dissertações de mestrado, 14 trabalhos de conclusão de curso, 7 artigos científicos e 6 artigos submetidos em revistas internacionais. Recentemente, ela foi apresentada na live Restauração da Caatinga: Avanços e novas perspectivas, promovida pela Associação Caatinga de Fortaleza, pela professora Gislene Ganade. Esse tema tem o incentivo da ONU que instituiu a Década de Restauração de Ecossistemas, com início marcado para 2021 e seguindo até 2030.

A ação da ONU é voltada à recuperação de ecossistemas degradados em todo o mundo para o combate à crise climática e para o fortalecimento da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos.  Nesse sentido, destaca a professora Gislene Ganade, “a Caatinga terá importante contribuição para o mundo se projetos de restauração em larga escala forem implementados, sendo que esses projetos também representam uma valiosa contribuição ao combate à desertificação desse importante ecossistema brasileiro”.

UFRN

Opinião dos leitores

  1. Parabéns a UFRN pelo ótimo trabalho. O gado não vai gostar dessa matéria porque o gado só gosta de pasto e mentiras.

    1. Pelo seu comportamento e no linguajar raivoso…. deve trabalhar na UFRN ou fazer parte daquilo de alguma forma. Falar de pessoas como se fossem animais nao é nada etico, e parece fazer parte de alguns meios que espero nao ser educacional. Felizmente, o ente publico as vezes faz jus a sua despesa.. e quando nao faz, deve ser criticado e cobrado. Tem outro animal que simboliza quem nao quer entender criticas construtivas e simboliza ideologias, mas acho feio usar esses termos.

    2. João, vai ver se eu estou na esquina. Deixa de ser hipócrita. Você sabe muito bem que quem sustenta seus argumentos com baixo nível intelectual e alto nível de sadismo é a caterva que sustenta o que ouvem do seu líder mor. Gado é até um elogio para vermes. Agora vocês é que são mi mi mi, é?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Otimismo volta às bolsas com menos contaminação na Itália e expectativa por estímulos nos EUA

Foto: Getty Images

Após os tombos nos mercados globais ontem, o dia amanhece ensolarado no home office do Valor Investe em São Paulo e também nas bolsas internacionais.

As razões para o movimento positivo nas principais bolsas do mundo é a redução – pelo segundo dia seguido – no registro de novos casos e mortes na Itália, um dos casos mais críticos após o arrefecimento da contaminação na China, e a continuidade das negociações nos EUA para a aprovação no Senado de um pacote de estímulos para a economia.

Os investidores esperam que o pacote seja aprovado ainda hoje.

A alta vista lá fora deve impactar os negócios na bolsa por aqui, que abre às 9h no mercado futuro e às 10h no à vista.

O principal fundo de índice (ETF) de ações brasileiras negociado em Nova York, o EWZ, subia 8,07%, a US$ 22,50, às 7h20.

Mercados internacionais

As bolsas asiáticas encerraram em forte alta na primeira sessão depois que o Federal Reserve (Fed), banco central dos EUA, anunciou que comprará de maneira ilimitada títulos do Tesouro americano e títulos hipotecários para combater om impacto da pandemia de coronavírus nos mercados, uma vez que o Senado adiou a votação sobre um pacote de ajuda de mais US$ 1 trilhão.

O Kospi, índice de referência da Bolsa de Seul, na Coreia do Sul, saltou 8,60%, e o Nikkei, da Bolsa de Tóquio, avançou 7,13%.

Na Austrália, o S&P-ASX 200, um dos índices que mais têm sido afetado pelos efeitos da pandemia e da desaceleração da China, subiu 4,17%. Em Hong Kong, o Hang Seng fechou em alta de 4,46%.

Na China, o índice Xangai Composto teve alta de 2,34%, e o Shenzen Composto subiu 2,10%, depois que as autoridades chinesas começaram a retirar as restrições à população da província de Hubei, onde fica a cidade de Wuhan, epicentro da origem da pandemia do novo coronavírus.

Os índices futuros dos Estados Unidos operam em forte alta e tiveram suas negociações paralisadas após baterem o limite de alta de 5% no pré-mercado.

As bolsas da Europa operam em alta consistente em meio a sinais de que a disseminação do coronavírus está diminuindo na Itália, que é um dos países mais atingidos, enquanto as negociações em torno um pacote de estímulos para a economia continuam nos EUA.

Os índices preliminares de gerentes de compras da zona do euro como um todo e da Alemanha e França caíram em março para is piores níveis em toda a série histórica, evidenciando o baque que a economia vem tomando com o avanço do coronavírus no continente.

O índice composto da zona do euro (indústria + serviços) caiu para uma leitura de 31,4 pontos em relação a 51,6 em fevereiro, o que é um recorde desde que a série começou em julho de 1998. O consenso de economistas apontava para 38,8.

Qualquer leitura do PMI abaixo de 50 pontos indica condições de contratação da atividade econômica.

“O PMI de março é indicativo de queda do PIB a uma taxa trimestral de cerca de 2%, e claramente há margem para que a desaceleração se intensifique ainda mais, pois ainda mais políticas draconianas para lidar com o novo coronavírus serão potencialmente implementadas nos próximos meses”, disse Chris Williamson, economista-chefe de negócios da IHS Markit.

(mais…)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Sistema de saúde pode entrar em colapso em abril, diz ministro

Foto: © Marcello Casal JrAgência Brasil

O sistema de saúde pode entrar em colapso em abril em decorrência da pandemia do novo coronavírus, disse nesta sexta-feira (20) o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante videoconferência da qual participaram o presidente Jair Bolsonaro e representantes de associações empresariais brasileiras hoje (20).

“No final de abril sistema entra em colapso. O colapso é quando você pode ter o dinheiro, o plano de saúde, a ordem judicial, mas não há o sistema para entrar”, afirmou o ministro.

A estimativa do Ministério da Saúde é que haja um crescimento dos casos do Covid-19 nos próximos 10 dias, uma subida mais aguda em abril, permanecendo alta em maio e junho. A partir de julho é a expectativa de início da desaceleração. Em julho começa um plateau (estabilidade) e em agosto um movimento de queda.

Mas a intensidade depende das medidas adotadas e do comportamento das pessoas, destacou Mandetta. Neste sentido, o ministro reiterou a importância da redução de circulação e iniciativas de isolamento. “Para evitar esse colapso eventualmente pode ser necessário segurar a movimentação para ver se consegue diminuir a transmissão. Quando tomamos medida de segurar 14 dias, o impacto só é sentido 28 dias depois. A cadeia é sustentada e você quebra”, comentou Mandetta.

Isolamento

Ontem (19) o Ministério divulgou novo protocolo para os postos de saúde. Nos locais com transmissão comunitária (São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Porto Alegre, Belo Horizonte e Santa Catarina) pessoas com sintomas do novo coronavírus terão um atendimento agilizado, serão colocadas em isolamento por 14 dias assim como familiares e todos os idosos acima de 60 anos.

Nos locais sem transmissão comunitária, pessoas com sintoma de Covid-19 devem buscar os postos de saúde e ficar em isolamento, com monitoramento a cada 48 horas. Caso mais graves serão encaminhados para atendimento hospitalar.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Colegas, resumindo: até Setembro/2020, salve-se quem puder. Boa sorte, 1 abraço e qualquer coisa fora do planejado, nos vemos no além.

  2. Está na hora dos planos de saúde também adiarem seus AUMENTOS(aumento mesmo, pois são são bem e muito bem acima da inflação, o que não caracteriza reajuste).

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Usuário do transporte público em Natal vive a angústia por estudo da Prefeitura e definição de valor da tarifa

Foto: Josenilson Rodrigues/Busão de Natal

A sociedade natalense e o movimento estudantil aguardam uma definição do prefeito de Natal, Alvaro Dias, sobre a polêmica do reajuste tarifa de ônibus na capital.

Após o anúncio no Diário Oficial do Município da nova tarifa que entraria em vigor no dia  1º de março, a revolta da população fez o Executivo recuar, com uma revogação no DOM. “Reajuste suspenso. Vamos buscar com a equipe econômica da Prefeitura uma solução para diminuir o impacto do reajuste da tarifa de ônibus”, disse Alvaro Dias pelas redes sociais no fim de fevereiro.

Enquanto isso, o natalense aguarda da área econômica da Prefeitura e a Secretaria de Mobilidade Urbana de Natal o “estudo” anunciado sobre um eventual subsídio às empresas que operam o sistema de transporte. Entre medidas especuladas nos bastidores, uma retirada ou desoneração do Imposto Sobre Serviços(ISS).

Em resumo, até o momento, uma lacuna e a insegurança do natalense sobre o valor da tarifa.

Opinião dos leitores

  1. Importante saber quem vai pagar a conta do subsídio ou isenção. Na hora que as empresas de ônibus deixarem de pagar seus impostos, quem vai pagar no lugar deles? Será que vai ter novo aumento de IPTU pra compensar?!!!!!!!

  2. ENTRA PREFEITO, SAI PREFEITO, TEM COISAS EM NATAL NÃO MUDAM:
    FROTA ANTIGA, PREÇOS CAROS, PRIVILÉGIOS AOS ÔNIBUS NO TRÂNSITO, BURACOS NAS RUAS, ÁGUA DESPERDIÇADA POR VAZAMENTO, ESGOTOS ESTOURADOS, ALAGAMENTOS.
    O POVO SE SACRIFICANDO PARA PAGAR TARIFAS ALTAS DEVIDO AO PREÇO ABSURDO DOS COMBUSTÍVEIS EM NATAL, O MAIS CARO DO NORDESTE!
    NATAL NÃO É PARA QUEM QUER, É PARA QUEM PODE!

  3. impressionante como bg se preocupa com o natalense no que se refere ao valor da passagem de onibus, fala alguma coisa sobre a reforma da previdencia do governo fatima bezerra, fala da insegurança, onde todos os dias temos noticias de assaltos , carros tomados por bandidos, os buracos feitos pela caern, é só um exemplo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Rafael, goleiro do ABC, mira “grande partida” diante do Vasco, e destaca importância financeira para o clube e visibilidade

Foto: Luciano Marcos/ABC F.C.

A equipe abecedista tem pela frente o desafio mais importante da temporada até o momento. O alvinegro vai enfrentar o Vasco/RJ nesta quinta-feira (5), no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ), confronto válido pela 2ª fase da Copa do Brasil.

O goleiro Rafael falou das dificuldades do jogo e garantiu que o grupo está bem preparado. “Sabemos do peso da camisa do Vasco, da qualidade da equipe deles, da pressão que sofreremos da torcida, que deve encher o Maracanã, mas sabemos do nosso potencial, estamos vindo em um bom momento e vamos forte, bem preparados, para buscar a classificação”, afirmou o camisa 1.

Rafael destacou a importância do confronto. “Esse é um jogo muito importante em vários sentidos. Tem o lado financeiro para o clube, uma classificação dará uma verba importante, tem a visibilidade para o clube e para nós, jogadores, tem muita coisa em jogo. O grupo está ciente de tudo isso e vamos focados para fazer uma grande partida”.

Os vinte relacionados para o duelo:

Goleiros: Rafael e Erivelton;

Laterais: Pedro Costa, Marlon e Bruno Souza;

Zagueiros: Joécio, Vinicius Leandro, Richardson e Vitor Salvador;

Volantes: Felipe Manoel, Cedric e Wesley Dias;

Meias: Berguinho, Jailson, João Paulo e Pedrinho;

Atacantes: Paulo Sérgio, Igor Goularte, Núbio Flávio e Jordan.

Com informações do ABC

Opinião dos leitores

  1. Somente o futebol proporciona momentos como esse.
    O ABC entrando em campo como favorito contra o…Vasco da Gama-RJ !!
    Em pleno maracanã e diante de mais de cinquenta mil espectadores o time comandado pelo boçal e prepotente mas competente Fco Diá, tem amanhã uma chance dessas que se diz "uma em um milhão" em virtude das circunstâncias, de fazer história eliminando Vasco da Gama da copa do Brasil.
    Além de botar uma grana boa nos cofres (só não se sabe se a justiça do trabalho vai permitir…) o alvinegro ganha uma injeção de auto estima que poderá alavancar a equipe nas competições que disputa.
    E o Vasco…vivendo uma crise sem precedentes na sua história, o time cruzmaltino vive o dilema entre, entregar o jogo e apressar a demissão do técnico Abel Braga, ou se superar, passar de fase na competição e dar uma amenizada nas finanças do clube.
    A sorte está lançada. O ABC, entra não como franco atirador, mas como franco favorito.
    Torcida não ganha jogo, apenas exerce uma pressão que, dependendo do transcorrer da partida pode virar de lado.
    E o alvinegro só não passa pelo gigante da colina se conseguir ser pior que ele…

    1. Vou cantar o resultado …um bando de pernas de pau ( ABC) irão correr feito uns doidos , e nos acréscimos do segundo tempo ( como sempre faz) tomar 1 GOL ….para não achar que estou inventando , veja os últimos 100 jogos do ABC que perdeu , foi nos acréscimos , time sem GARRA

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *