Segundo volume do livro do escritor Paulo D’Aurel, “Ensaios Sobre a Lei da Vida, Os Dez Mandamentos à Luz da Kriya Yoga”, será lançado nesta quinta

Nesta quinta-feira, 08, haverá o lançamento do segundo volume do livro do escritor Paulo D’Aurel, “Ensaios Sobre a Lei da Vida, Os Dez Mandamentos à Luz da Kriya Yoga”, a partir das 18:00, no Eugênio Café do Shopping Cidade Jardim.

O livro traz uma visão aprofundada da religião do Oriente e do Ocidente, numa interpretação harmonizante.

Paulo D’Aurel é o pseudônimo do juiz de Direito Paulo Sérgio da Silva Lima.

Livro “Eleições no Brasil: manual compacto de campanha negativa”, de Daniel Menezes e Dr. Anderson Santos, será lançado na noite desta quarta em Natal

O livro “Eleições no Brasil: manual compacto de campanha negativa”, de autoria do diretor do Instituto Seta, Daniel Menezes, e o professor do departamento de políticas públicas da UFRN, Dr. Anderson Santos, será lançado na noite desta quarta-feira(05), às 19h, na margem Hub de fotografia, situado quase vizinho ao Shopping Midway.

‘Nem só de gol vive o futebol’: potiguar reúne em livro particularidades sobre países participantes da Copa do Mundo

Em épocas de Copa do Mundo, quem já não se perguntou sobre as particularidades de um determinado país participante do campeonato mundial? Sua população e seus costumes, entre outras coisas? Tomado por esses questionamentos, o amante do futebol, Eugênio Cunha, lança na próxima quarta-feira (30) o livro “Nem só de gol vive o futebol”, em que reúne informações quanto à história, geografia, cultura e curiosidades dos países participantes da Copa da Rússia. O lançamento acontecerá às 18h, no Temis Club Balcão Bar, na sede do América Futebol Clube.

O autor explica que a publicação é fruto da falta de informações que sempre despertaram o seu interesse ao acompanhar o evento esportivo ao longo dos anos. “Daí a ideia de escrever este livro, que não tem pretensão nenhuma de ser uma obra literária e sim uma coletânea de informações gerais dos países participantes da Copa 2018, na Rússia, bem como das onze cidades que sediarão as partidas desse evento que tanto atrai a atenção do mundo todo”, resume ele.

Doutor em Ciências do Mar pela Universidad de Barcelona, na Espanha, Eugênio Cunha é geólogo, professor aposentado da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), tendo sido também secretário municipal de meio ambiente, diretor geral do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (IDEMA) e presidente da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (ABEMA).

Heraldo Palmeira reúne coletânea de contos em livro que retrata cotidiano urbano

Na TN Online

O produtor cultural Heraldo Palmeira tem se dedicado cada vez mais à escrita. Depois de fazer carreira na música atuando como cantor, compositor e produtor musical, esse seridoense de Acari que correu o mundo tem transformado suas vivências em narrativas ficcionais.

Mais afeito ao gênero crônica, escrevendo para diversos blogs potiguares e nacionais, agora Heraldo se aventura pela conto e lança a coletânea “30 Contos de Réis”, que reúne três dezenas de textos inéditos. Publicado pela editora Alameda, de Brasília, o livro será lançado em Natal, em vários pontos da cidade, a partir da próxima semana.

Os contos tratam de situações urbanas. A maioria dos textos é recente, mas alguns foram escritos em meados dos anos 80, o que dá ao texto uma variedade temporal. As referências vão da época da Ditadura Militar até aos escândalos atuais de corrupção, mas mostrando esses contextos como pano de fundo na narrativa.

Os temas giram em torno de sentimentos humanos, falam de desejos, alegrias, tristezas, mostram encontros e desencontros amorosos. “São histórias que colhi pela vida, experiências que vivi, vi e ouvi”, explica Heraldo Palmeira, que vive entre São Paulo, Rio de Janeiro, Natal e Acari. “São contos que se encerram neles mesmos. Tem um texto direto, fácil de ler”.

De acordo com o jornalista Ricardo Setti, que escreve o prefácio, a riqueza do livro está relacionada a variedade dos temas. “Se encontram a nostalgia de uma infância idílica no interior, a descoberta do amor, rupturas e reconciliações, altos e baixos da vida conjugal, violência doméstica, relação entre pai e filho”, diz o texto de Setti.

Cidade natal de Heraldo, Acari está bem revelada no livro. “Falo do interior e de episódios que testemunhei no Seridó”, conta o autor, que já tinha abordado Acari em outras duas oportunidades, mas dentro da linguagem audiovisual, com os documentários “Prosa e Música”, sobre a primeira Banda de Música de Acari, a Filarmônica Maestro Felinto Lúcio Dantas, e “Agosto em Acari”, sobre a festa da padroeira da cidade, Nossa Senhora da Guia, contada a partir das histórias da população. A experiência com documentários, por sinal, aparece no livro com um conto escrito em formato de roteiro.

Por todo o livro aparecem citações a livros, filmes e discos. Alguns trechos de música também surgem, possibilitando quase uma trilha sonora. “Tem alguns amigos que leram o livro e estão montando uma playlist de música a partir das citações do livro”, conta Heraldo. “Até o momento os leitores tem recebido bem o livro.

Serviço

Lançamento do livro “30 Contos de Réis”, de Heraldo Palmeira

Letra & Música – Floriano Peixoto, 290 (em frente UnP Petrópolis)

Flora Café – Rodrigues Alves, 443 (dentro da floriculltura Flor de Algodão)

*O livro ficará à venda em todos estes locais.

Preço: R$ 35,00

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fran disse:

    Quais dias e horários do lançamento? Ou só ficará às venda??

Daladier Cunha Lima lança livro dia 10 pela Editora Jovens Escribas

Daladier Pessoa Cunha LimaO médico e professor Daladier Pessoa Cunha Lima lança seu mais novo livro – Retratos da Vida – no próximo dia 10 de dezembro. A sessão de autógrafos ocorre no Centro Universitário UNI-RN, na rua prefeita Eliane Barros, no bairro Tirol, com início às 19h.

O livro reúne artigos escritos por ele entre os anos de 2009 e 2014 e publicados em jornal local sobre fatos do cotidiano, suas vivências, como médico e professor, e a sua recente luta contra um câncer. Alguns dos textos referem-se, também, a pessoas e instituições que mereceram, em algum momento, a atenção do autor. Toda a renda arrecadada com a venda dos exemplares será revertida para a Liga Norte-rio-grandense Contra o Câncer.

A data para lançamento foi escolhida pelo autor em comemoração aos 50 anos de formatura da turma de 1965 do curso de Medicina da UFRN, da qual ele fez parte. O livro tem o selo da Editora Jovens Escribas.

Daladier Pessoa Cunha Lima foi o primeiro reitor eleito da UFRN. Exerceu o cargo de 1987 a 1991. Antes, foi diretor do Centro de Ciências Sociais da Saúde, Pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação e Vice-reitor da universidade. Graduado em Medicina pela UFRN (1965), tem especialização em Medicina do Trabalho e Administração Universitária. Sua experiência acadêmica é também enriquecida pela vivência em instituições universitárias no exterior.

Ao se aposentar, abdicou da Medicina e optou pela Educação, tendo se dedicado à instalação da, então, Faculdade Natalense para o Desenvolvimento do Rio Grande do Norte (FARN) no ano de 1999. É, ainda, membro da Academia de Medicina do Rio Grande do Norte e do Instituto Histórico e Geográfico do RN e autor de vários trabalhos escritos em forma de palestras, conferências, discursos e artigos publicados em jornais de Natal.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Elves Alves disse:

    Se for somada a idade dos autores publicados pela Editora Jovens Escribas… sei não, viu? A "juventude" dessa turma deve contabilizar, de leve, uns cinco milhões de anos.

Jornalista Rubens Lemos Filho lança livro de crônicas com memória afetiva da história do ABC

rubinhoO jornalista Rubens Lemos Filho lançará, no próximo dia 20, o livro “O Rosto Alegre da Cidade”, o qual reúne 67 crônicas e extenso material fotográfico sobre momentos importantes da história do ABC. O lançamento acontecerá na sede do Clube dos Radioamadores do RN, a partir das 19h.

O livro, lançado através da editora Flor do Sal, traz um passeio pela memória afetiva de Rubens Lemos Filho, cuja história se confunde com parte da história do Mais Querido. Abecedista por influência do pai, o saudoso jornalista e comentarista Rubens Lemos, Rubinho acompanha o Alvinegro desde os sete anos de idade. Foi testemunha dos grandes jogos e das grandes equipes de um futebol que, em grande parte, não existe mais. “O Rosto Alegre da Cidade” é a expressão desse sentimento.

“Faço uma espécie de testemunho da convivência de um torcedor com o ABC. É o resgate de um tempo. Aí estão presentes os ídolos que foram meus ídolos, as grandes vitórias, as derrotas que chorei na arquibancada, os episódios que considero importante na história do clube, que eu vivi, e também os episódios que foram narrados pelo meu pai”, explica.

As crônicas rememoram as grandes equipes montadas pelo ABC, como o time de 1983, que tinha jogadores como Marinho Apolônio, Silva e Dedé de Dora. Naquele ano, o Alvinegro fez 114 gols no Estadual, com a dupla de ataque formada por Marinho e Silva marcando 63 gols. “Lembro dos craques desse tempo, os locutores esportivos desse tempo. E há um momento, para mim foi o mais bonito, que foi o time de 1983, o time de 114 gols. Quem imagina hoje um time fazer 114 gols num campeonato? E a dupla de atacantes fazer 63? Isso não existe mais no futebol”.

Personagens dos bastidores do ABC também fazem parte da lista de homenageados por Rubens Lemos Filho. Homens como José Prudêncio Sobrinho e Ernani Alves da Silveira. “Eu relembro, por exemplo, José Prudêncio Sobrinho, que hoje está esquecido. Ele foi o diretor que exauriu o seu patrimônio para se doar ao ABC. Prudêncio foi goleiro, técnico, dirigente, supervisor, foi tudo no ABC”, diz. E complementa: “Cito também Ernani Alves da Silveira, que foi o eterno presidente do Conselho Deliberativo do ABC. Um homem que conseguia abrandar as crises só com a sua presença, a sua moral, com o carisma que tinha. Não existem mais homens assim”.

A história do ABC Futebol Clube foi marcada nos estádios que abrigaram o seu futebol e por isso o Juvenal Lamartine e o Machadão, demolido no ano de 2011, estão presentes em “O Rosto Alegre da Cidade”. “Trata-se de uma homenagem também ao Juvenal Lamartine e principalmente o meu desagravo ao Castelão, ao Machadão, do qual sou viúvo. Os dois estão aí em imagens e jogos memoráveis”, aponta.

O que emerge das 67 crônicas é a memória acerca do futebol alegre e popular do ABC. “Quero mostrar para a próxima geração, para o meu filho e para os filhos do meu filho que houve um ABC vitorioso, grandioso, altivo e especialmente um ABC popular. Era um clube alegre, que reunia a massa da cidade, os mais simples, em torno do futebol. Um futebol bonito e bem jogado”, finaliza.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eduardo Figueira disse:

    Caro Rubens Lemos,
    Peço permissão para publicar o artigo abaixo.

    Tem um ditado popular que diz o seguinte “Faça da sua ausência o bastante para que alguém sinta sua falta, mas não prolongue-a demais para que esse alguém não aprenda a viver sem ti”. Autor desconhecido. Esse ditado casa muito bem o que vive o ABC. O que se percebeu, então? Percebemos que quase no final do campeonato fomos perceber que boa parte do elenco nunca serviu ao ABC. Tanto é verdade, que não estamos sentindo a ausência deles. E os resultados são contundentes. Em quatro jogos o ABC ganhou três e empatou um. Com eles fizemos míseros 16 pontos, enquanto que em quatro jogos já fizemos 10. Olha, contra fatos reais e não “convicções” não tem argumento. Que eles continuem fora do elenco, quem sabe o ABC não permaneça na B. Difícil, mas não impossível.
    Quero aproveitar este momento para externar a minha simpatia e gratidão ao Sr. José Paiva Torres. Um homem íntegro e abnegado ao nosso Mais Querido. Na verdade, um presidente que nunca deixou de ser. Não aparece para o público, mas na hora do sufoco ele é lembrado e sempre está à disposição. Nota 10 para o Sr. Paiva.
    E ao diretor Rui Barbosa, que tal repetir a façanha daquele belo time de 1983? Quando converso com os meus amigos, recordo que quando cheguei a Natal para trabalhar no BB, em 1978, o meu amor pelo Mais Querido foi fulminante. De lá para cá, o time de 1983 foi o melhor time do ABC que vi jogar. Na época, a aposta não para saber se o ABC ia ou não ganhar. A aposta era para saber o placar do jogo. Daquele elenco, tenho conhecimento que dois jogadores já não estão entre nós: Dudé e Dedé de Dora. Este último, dono de um petardo poderoso da esquerda que nem a bola ousava desobedecer à ordem enviada pelo craque.
    Eduardo – ABC SEMPRE

  2. Flauberto Wagner disse:

    Das 67 crônicas, cheguei a ler boa partes delas as quais eram publicadas diariamente no JH, já com relação ao ABC realmente seu passado é de muita gloria e o presente de muita decepção.

Quem é Cândido Peçanha?

Por Marlon Reis

No livro “O nobre deputado”, personagem Cândido Peçanha serve para mostrar cenário em que membros de cúpulas partidárias e outros agentes estão envolvidos para conquistar mandatos a partir do desvio de dinheiro público.

Cândido Peçanha — personagem principal do livro O nobre deputado (Leya) — é um deputado de terceiro mandato que conhece bem as regras do jogo. Tem uma base que inclui o apoio de 14 prefeitos, com quem mantém uma relação de negócios alimentada pelo fluxo de dinheiro público e privado. Quando se reporta aos municípios com os quais mantém negócios utiliza a expressão “prefeituras amigas”. Eles também tem sob seu domínio quatro entidades sem fins lucrativos, por meio dos quais canaliza verbas oriundas de emendas e convênios.

 O deputado Peçanha é generoso na distribuição de emendas parlamentares, mas tem por praxe a cobrança de uma “taxa de retorno” de no mínimo 20%. Mas essa comissão pode aumentar, conforme a facilidade ou as necessidades circunstanciais. Não importa o tipo de obra ou serviço que deve ser custeado com aquela verba; sua parte fica reservada para ajudar a cobrir as despesas da próxima campanha.

 Mas esse dinheiro não é suficiente, afinal concorrentes cada vez mais endinheirados estão “inflacionando” as eleições. Eles tentam invadir os redutos eleitorais de Cândido Peçanha com ofertas que atingem cifras capazes de impressionar até os mais experientes. Sim, todos os apoios obtidos pelo nosso parlamentar foram comprados. Às vezes ele perde uma base eleitoral para oponentes com campanhas mais ricas, mas acaba dando um jeito de compensar. Não falta prefeito ou presidente de associação disposto a vender sua base eleitoral.

 Para robustecer suas finanças de campanha, Peçanha recorre aos amigos empreiteiros. É um “bate-pronto”. O financiamento de campanha é apenas um empréstimo de curto prazo e altíssima rentabilidade. Funciona assim: o deputado influencia a definição do orçamento para beneficiar prefeituras e instituições parceiras. Depois disso, licitações dirigidas cuidam de fazer chegar esse dinheiro aos cofres das empresas certas. Grande parte desse montante volta para o deputado benfeitor e tudo sempre termina bem.

 O que você acaba de ler é o perfil de um personagem por meio do qual busco escancarar o universo que embala grande parte das campanhas dos deputados eleitos no Brasil. Escrevi O nobre deputado para expor uma realidade chocante, mas que está longe de ser surpreendente. Sabemos todos que nossas eleições são gravemente influenciadas pela compra do apoio político. Vence quem tem mais dinheiro. Essa é a regra demonstrada exaustivamente por pesquisas realizadas no Brasil por instituições acadêmicas daqui e do exterior.

 Para escrever o livro, recorri ao uso de estratégias de pesquisa desenvolvidas para a elaboração da minha tese de doutorado. Fiz uso de entrevistas baseadas em questionários semi-estruturados para ouvir uma dezena de participantes diretos do cenário investigado, todos eles membros de cúpulas partidárias locais ou agentes de negociações ilícitas envolvendo a conquista de mandatos. Não são pessoas derrotadas. São pessoas vitoriosas que aprenderam a jogar segundo as regras em vigor. Aprenderam com o sistema e se tornaram especialistas em vencer. E estão agindo agora mesmo enquanto transcorre mais um processo eleitoral.

 Os relatos foram confrontados com muitas outras fontes de pesquisa até que eu pudesse construir o perfil de Cândido Peçanha. O nobre deputado foi, a partir daí, escrito em primeira pessoa a fim de que o leitor pudesse se aproximar da mente de alguém que faz do desvio a regra e que considera natural tudo o que se vê levado a fazer para não ser “cuspido” por esse universo singular. Peçanha não confia nas instituições. Segundo sua ótica, tudo se baseia numa disputa pelo poder. Tudo faz parte de um grande jogo de interesses em que o nosso protagonista não é um caso isolado, mas um player devidamente preparado para prevalecer num universo em que a liderança política foi aos poucos sendo substituída pela força nada glamourosa do dinheiro.

 Fonte: Congresso em Foco

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Renata disse:

    Pois é, a culpa de existir políticos assim é do povo. Dinheiro para financiar a campanha é dinheiro para comprar voto. O povo só tem o que merece.

  2. Victor disse:

    Típico político brasileiro!! Lamentável.. Tomara que a resposta venha nas urnas em outubro!!

Advogado Gleydson Oliveira lança livro nesta quinta

Gleydson Oliveira 3 (1)O advogado Gleydson Oliveira lança nesta quinta-feira (12), às 19h, na livraria Saraiva do Midway Mall, a obra “Comentários ao Código Civil Brasileiro – Volume 8 – Responsabilidade Civil”, publicada pela Editora Forense.

Esse é o quinto livro de autoria de Gleydson Oliveira, que é professor adjunto da UFRN, doutor e mestre em Direto Processual Civil pela PUC/SP, sócio do escritório Alves, Andrade e Oliveira Advogados, em Natal, e tem atuação destacada em direito imobiliário.

Tuma Jr: livro com denúncias sobre governo Lula é ‘prestação de contas’

 11_55_05_11_fileO livro em que o ex-secretário nacional de Justiça Romeu Tuma Jr. faz denúncias graves sobre o governo Lula ainda não foi publicado, mas tem motivado muita polêmica em Brasília. Segundo o autor, Assassinato de Reputações é sua “prestação de contas à sociedade”. Tuma Jr. não topou gravar entrevista, mas falou por telefone ao Jornal da Record.

— É a minha defesa diante das falsas acusações que me foram implicadas. Não deixaram eu falar quando eu recebi falsas acusações, então eu resolvi escrever. Espero que aqueles que não quiseram me ouvir, pelo menos, agora me leiam.

Na obra, o ex-secretário de Justiça denuncia uma conta do mensalão no exterior, liga o ministro da Secretária-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, e detalha um esquema de espionagem dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal).

Nesta terça, o ministro Gilmar Mendes disse que “houve desmandos” durante o governo Lula e disse que “os fatos [denunciados por Tuma Jr.] são muito graves e demandam uma investigação profunda”.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. primo das primas disse:

    "BRASIL, PAÍS DE TODOS" os escândalos! Ou de tolos?

Livro com denúncias contra PT chega às livrarias nesta quinta-feira

10_49_32_531_file O livro que vem causando polêmica desde o último fim de semana chega às livrarias nesta quinta-feira (12). Assassinato de Reputações – Um crime de Estado, do ex-secretário nacional de Justiça Romeu Tuma Júnior chegará primeiro à Livraria Travessa, no Rio de Janeiro, mas segundo a assessoria de comunicação da loja, não haverá festa de lançamento ou noite autógrafos previstas por enquanto.

O livro, de 560 páginas, já está em pré-venda pelo R7 Livros por R$ 69,90 (clique aqui). Segundo a editora Topbooks, Assassinato de Reputações termina de ser impresso ainda nesta quarta-feira (11), quando deve começar a ser distribuído nas livrarias.

De acordo com a sinopse disponível nos sites, o livro faz “uma verdadeira devassa nos métodos postos em prática durante o governo Lula”.

Tuma Jr. antecipou parte do conteúdo do livro em entrevista à edição da revista Veja desta semana. Nela, o ex-secretário Nacional de Justiça diz que, enquanto estava no Ministério da Justiça, descobriu uma conta nas ilhas Cayman utilizada para movimentar recursos do esquema do mensalão. Ainda segundo Tuma Jr., o governo Lula usou a máquina pública para montar dossiês contra adversários.

No livro, Tuma Jr. ainda diz que o ex-presidente Lula foi informante do Dops (Departamento de Ordem Política e Social) durante a ditadura militar. O ex-secretário de Justiça também faz graves acusações acerca do caso Celso Daniel, o ex-prefeito do PT que teria sido assassinado depois de se insurgir contra um esquema de corrupção em Santo André.

Segundo ele, o atual ministro da Secretaria-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, teria lhe confessado um plano de sequestrar o ex-prefeito; plano esse que deu errado e acabou levando à morte de Celso Daniel.

A oposição convidou Tuma Jr. para depor na Comissão de Fiscalização e Controle, mas ainda não há data para a audiência e nem confirmação da presença do ex-secretário.

Ele deixou o governo em 2010, acusado de manter ligações com a máfia chinesa. Gravações telefônicas interceptadas pela Polícia Federal durante investigação sobre contrabando ligaram Tuma Jr. ao principal alvo da operação, Li Kwok Kwen, apontado como um dos chefes da máfia, em São Paulo.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Joaozinho da escolinha disse:

    Vou comprar esse livro. Produzido sem recursos do Estado, pelas mãos de um jornalista sério, teoricamente é neutro.

  2. Alan disse:

    Mas amigos, sabemos que o grande cabeça disso tudo é o LU LÁ LÁ, o cara é um mala. Chega de PT, veja que muita coisa apareceu no nesse governo, temos que tirar o PT de cena, Fora fora fora LULA, já roubou demais.

  3. Francisco disse:

    Olha Rafael Vale,
    Agora entendi, o que melhorou foi o PT USAR a MÁQUINA PÚBLICA em seu favor.
    Neste caso especificamente o Ministro da Justiça, petista de carteirinha, SÓ DEIXOU CHEGAR A IMPRENSA os NOMES dos supostos INVESTIGADOS que estão ligados a partidos políticos NÃO COLIGADOS AO PT, ou não foi isso?
    Ele vem usando o "cargo" para levar o "suposto" escândalo ao conhecimento do povo, publicando APENAS os nomes de A e B que são de partidos contra a administração do PT, ou não é isso que existe? O próprio "Ministro" vem se enrolando por usar essa tática vergonhosa.
    Já notaram que o PT a cada NOVA CONDENAÇÃO dos "companheiros" na semana seguinte "aparece" uma nova pesquisa de intensão de votos, onde Dilma CRESCE eleitoralmente? Quanta coincidência… Isso sim é o PT, máscara, manipulação, faz de conta, enrolada, enrolada, enrolada e o BRASIL descendo a ladeira… CUBA é nosso futuro!

    • Rafael Vale disse:

      Falar em "suposto" escândalo já mostra toda sua parcialidade, assim fica difícil debater com fanáticos que possuem indignação seletiva.
      Não acho que o governo do Lula e o da Dilma sejam maravilhosos, apenas pela idade que possuo e por lembrar dos tempos do Sarney, Collor, Itamar e FHC posso garantir que os dois foram melhores que seus antecessores, principlamente no aspecto social.
      Com relação a usar a máquina pública, acho que você desconhece o Geraldo Brindeiro, Procurador Geral da República na época do FHC que ficou conhecido como o engavetador geral da república.
      De 626 inquéritos criminais que recebeu, engavetou 242 e arquivou outros 217. Somente 60 denúncias foram aceitas. As acusações recaíam sobre 194 deputados, 33 senadores, 11 ministros e quatro ao próprio presidente FHC. Por conta disso, Brindeiro recebeu o jocoso apelido de "engavetador-geral da república". Entre as denúncias que engavetou está a de compra de votos para aprovação da emenda constitucional que aprovou a reeleição para presidente, beneficiando o então presidente Fernando Henrique Cardoso.
      Se sua indignidade não é seletiva leia o link da folha de SP: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/08/1334864-livro-contra-fhc-revela-fonte-que-provou-compra-de-votos-pela-emenda-da-reeleicao.shtml

      Com relação ao Ministro da Justiça acho que a explicação que ele deu ao Deputado Rodrigo Maia do PSDB/RJ foi mais que suficiente, o ministro lembrou que o próprio Rodrigo Maia solicitou abertura de processo contra o Ministro da Justiça, na época Tasso Genro, porque o mesmo não enviou para a PF uma denúncia apócrifa contra Lula, sendo assim qual atitude o Deputado Rodrigo Maia do PSDB/RJ esperava que o atual ministro tivesse diante de uma denuncia que vem balizada em apurações da justiça da Suiça, Alemanha e França.
      A máquina que você tanto fala, deve ser a máquina que fez o Procurador da República lotado em SP, Rodrigo Grandis, "guardar" em uma pasta errada pedido da justiça Suiça que envolvia nomes diretamente ligados ao PSDB.
      Chega de sujeira para debaixo do tapete, a caixa de pandora que SP no dia que for aberta vai mostrar quem é o PSDB, basta ver o que vem se descobrindo com essa máfia do ISS que atuou por anos e o escândalo do metrô ainda mais antigo.
      Sem falar que a máquina montada pelo PT denunciou e julgou o mensalão, mais é incapaz de "conseguir" fazer o mesmo com o mensalão tucano, conhecido como mensalão mineiro, que acabou de completar 10 anos.

  4. Romildo Costa disse:

    Veja quem são alguns dos herois rescentes da oposição:

    Tuma Jr., o policial que perdeu o cargo de Secretario Nacional de Justiça por comprovadas ligações com o contrabandista Li Kwok Kwen. É possivel dar crédito a um personagem que, no papel de chefe da área federal contra o contrabando, foi flagrado negociando um salvo-conduto para um dos maiores contrabandistas do País, Li Kwok Kwen, o chinês que controla o contrabando de produtos piratas em São Paulo.

    O senador Aloysio Nunes que é um dos principais líderes do PSDB nacional está envolvido até o pescoço com as denuncias do propinoduto tucano no metrô de SP.

    Demostenes Torres que nada mais era que um senador a serviço dos interesses de Carlinho Cachoeira.

  5. Marília Silva disse:

    O BRASIL realmente é um trem muito grande e de difícil condução.
    Precisa demorar 12 anos para que alguém tenha a coragem de vir a população falar quem são os mentores e senhores do PT. Precisou um mensalão para estimular?
    Se o PT continua crescendo, a falta de oposição tem 50% de culpa nisso.
    O único projeto efetivo do PT é a distribuição dos recursos públicos através dos milhares de programas de bolsa que vemos e ninguém faz nada!!!
    O PT fez discurso por 16 anos criticando tudo e prometendo mudar para muito melhor. O que mudou??? Onde estão as reformas políticas e tributária? A saúde melhorou? A educação tem qualidade? O cidadão está seguro? Nossa polícia civil e militar nos dão tranquilidade? Nosso código Penal deixa bandido na cadeia?
    Alguém sabe o que melhorou? Qual discurso político, promessa do PT virou realidade?

    • Rafael Vale disse:

      "Alguém sabe o que melhorou?"
      Respondendo de forma objetiva, se compararmos com o governo do PSDB de FHC, praticamento tudo melhorou, inclusive o combate a corrupção, a sujeira deixou de ser varrida para debaixo do tapete, deixou-se de engavetar denuncias, o Modus Operandi do PSDB que ainda funciona a todo vapor em São Paulo não existe mais na esfera federal.

    • Sergio Nogueira disse:

      Rafael, os escândalos deixaram de ser varridos para debaixo do tapete? Sério? Fala aí sobre o Rosegate, sobre a Cooperativa dos bancários de SP, sobre o dossiê dos aloprados, sobre a Delta, nos brinde com a informação sobre condenados nesses escândalos gerados no ventre petista e que até hoje dormem o sono dos justos numa gaveta qualquer.
      Nunca antes na estória desse país viu-se tanta sede para roubar os cofres públicos. Sempre são descobertos e ficam impunes graças a máquina petista de fazer heróis.

    • josé Francisco disse:

      Já tivemos uma pessoa que teve a coragem de revelar um esquema de corrupção que se chamou Mensalão. Se existem corruptos presos é porque fizeram uma investigação profunda em busca dos fatos, buscando o melhor para o País, sem fanatismos.
      Agora temos outras denúncias de uma pessoa que presta também, um grande serviço à
      sociedade brasileira para se acabar com a corrupção. O correto é fazer como dantes foi feito, investigação profunda. Vasculhar a verdade de forma isenta e prender os corruptos para o bem do nosso Brasil. Dar crédito às informações contidas nesse livro e proceder uma investigação geral é o mínimo que a Justiça pode fazer para se
      mostrar independente e correta.

  6. Ricardo Silva disse:

    esse PT foi e é a maior farsa que esse Brasil já teve, é uma verdadeira gangue, este país está se tornando ingovernável……. fora bando de Ptralhas…..

  7. Sergio Nogueira disse:

    Parece que a barba vai cair, digo, a máscara.

Jovens jornalistas lançam nesta terça o livro "Valdetário Carneiro: A essência da bala”

640x361_13yp85oq1075374428t0Foto: Reproduzida via portal BO

Os jornalistas Rafael Barbosa e Paulo Nascimento lançam nesta terça-feira(10), a partir das 18h, na Pinacoteca do Estado,o livro “Valdetário Carneiro: A essência da bala”, publicação feita em parceria com a Editora Tribo.

A obra trata da morte de um dos maiores bandidos do Rio Grande do Norte e nordeste, que completa 10 anos, e será lembrada com detalhes inéditos revelados através de entrevistas com amigos, familiares e policiais que passaram pelo período na década de 90.

Em uma pesquisa realizada em mais de um ano, os jornalistas prometem enriquecer a história do Rio Grande do Norte em um livro obrigatório para leitura aos estudantes de comunicação, imprensa e sociedade em geral.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Leticia disse:

    Queria muito lê esse livro, mas não encontro. Alguém pode indicar ou ajudar?

  2. Marcos Almeida disse:

    Onde encontro o livro?

  3. Julio César disse:

    Os meninos que fizeram o trabalho, podem até ser pessoas bem intencionadas, porém o livro está muito longe da verdade dos fatos vividos naqueles tempos. Carece o livro de informações de personagem que fizeram aqueles dias, desde o judiciário, como a polícia civil e militar, quanto aos familiares das vítimas. Poderia ter sido um belo trabalho, mas o que ai está, é simplesmente uma apologia ao crime, com objeto de satisfazer a uma família!

  4. Gustavo Alencar disse:

    Gostaria de saber como faço para comprar um exemplar?? Alguém poderia me informar?? Grato.

  5. Fernando Junior disse:

    Se tivessem lido o livro, não estariam comentando que " É UMA APOLOGIA AO CRIME".
    Procurem ter o conhecimento da obra,para poderem fazer citações a respeito. Deixo aqui uma pergunta: Esse facínora, faz parte da história recente do nosso estado?
    Leiam o livro para que se possa tirar conclusões sobre enaltecimento ou não do personagem. Desejo a todos uma boa leitura e interpretação.

  6. Wigna disse:

    Primeiro é necessário que se faça uma correção nessa parte do livro que afirma que Valdetário foi preso injustamente. Na verdade ele foi acusado de roubo porque já tinha o hábito de roubar, essa é que é a verdade, mas a mídia distorceu de forma a melo-dramatizar a biografia de um assassino cruel, frio e calculista. Depois, quem necessita estudar história são esses "intelectuais" (entre aspas, viu?) que não conhecem uma personagem sequer dessa história e vêm aqui vomitar uma série de baboseiras em defesa da marginalidade. Considero desprezível a atitude dos jornalistas. Apologia e indução ao crime. Entre as 20 pessoas entrevistadas não consta o relato de nem um dos familiares de suas vítimas. Valdetário era sanguinário, matou inocentes, desvirtuou destinos, arruinou dezenas de famílias… covarde, só agia em bando, matava na presença de mulheres e crianças. Os tais "jornalistazinhos" receberão por essa "obra" abjeta o numerário enodoado tal qual àquele que Valdetário granjeava nos assaltos, que de tão sujo não lhe rendeu sequer uma casa para que os seus filhos herdassem. Deixou sua família na pobreza, tanto em valores materiais quanto morais.

  7. Fernanda disse:

    Quero muito esse livro, pra quem não sabe foi um criminoso sim, mas que entro para essa vida devido a uma injustiça que aconteceu com ele!!!

  8. LUIS ALEX DE OLIVEIRA disse:

    Vale lembrar caro amigo Marcos que ele entrou na vida de crimenoso devido a prisão dele injustamente.

  9. Marcos disse:

    Que estado é esse que se valoriza um criminoso lançando um livro da sua vida ?
    O RN não tem jeito

    • Viviane disse:

      Não se trata de valorizar "um criminoso", e sim de apenas contar a história dele, que pelo jeito, você nem deve saber, Marcos. Se fosse assim não teríamos biografias de muitas e muitas "personalidades" do mundo, como Hilter, Mussolini, etc.

    • Wellisson disse:

      Caro marcos,

      O problema do RN, assim como o do nosso país, não é valorizar "bandido" como vc está dizendo é a falta de cultura do nosso povo. Compre o livro, amigo. Conheça a história do seu Estado, leia mais, critique menos…
      Toda leitura é válida!

      Parabéns pela obra, pessoal!

      Abçs.

    • Carlos disse:

      É isso mesmo! A grande maioria das pessoas continuam sendo burras, falando o que não sabe.
      Esperimente ler antes de falar as besteiras e influenciar os outros idiotas!

Desembargador e assessor jurídico lançam livro sobre regimento interno do TJRN

 O desembargador João Rebouças, juntamente com o assessor jurídico Guilherme Vanin, lançam o livro “Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte Comentado”, no dia 28 de novembro de 2013, às 19h, na Livraria Saraiva do Shopping Midway Mall.

A obra conta com 348 páginas e terá, nessa primeira edição, uma tiragem de 400 exemplares. É direcionado para estudantes, servidores do Tribunal de Justiça, assessores jurídicos e advogados militantes na Corte de Justiça Potiguar, assim como será de grande utilidade para os que pretendem ingressar na carreira da magistratura ou no quadro de servidores do TJRN.

O trabalho traz a íntegra do Regimento Interno em vigor; comentários orientados pela jurisprudência do CNJ e do TJRN; composição e dados gerais do TJRN; fluxogramas, organogramas, mapas e esquemas de alguns procedimentos originários e recursais e a íntegra das Emendas Regimentais nº 01/2009 a 16/2013.

“O livro é importante porque vem dar maior conhecimento e segurança para os que vão utilizar o Regimento Interno do Tribunal de Justiça, tanto nos julgamentos do Pleno quanto nos julgamentos da Câmara Criminal”, afirma o desembargador João Rebouças.

Segundo Guilheme Vanin, a ideia de comentar o Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte surgiu diante da relevância não só institucional, como também para o exercício da rotineira prática e prestação do serviço jurisdicional e forense, sobretudo, diante das dificuldades, entraves e dúvidas que naturalmente surgem, na prática, sobre a fiel aplicabilidade dos dispositivos que o integram.

O desembargador João Rebouças disse que o livro é um estudo comparativo de decisões do CNJ e do próprio TJRN, como questões de ordem, por exemplo. Ele explicou que nem todas as situações que surgem nas sessões de julgamentos encontram respostas no Regimento Interno. Por isso se justifica, na visão do magistrado, a confecção da obra.

Síntese

De acordo com os autores, a obra consiste, sintética e basicamente, em tratativas, embasadas em critérios objetivos e respaldadas em casos práticos apreciados pelo Tribunal de Justiça potiguar, esquematizando, ordenando e interpretando as suas previsões principiológicas e preceituais e as respectivas filigranas procedimentais.

No entanto, explicam os autores que “a obra não tem o pretensioso intuito, frise-se, inatingível, de esgotar as possibilidades práticas de incidência da norma e abranger todas as possíveis situações submetidas àqueles que se socorrerem do Regimento Interno desta Corte, o que seria impossível em se tratando de uma obra jurídica, dedicada a abranger hipóteses fáticas infinitas”.

TJRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Carro de Som disse:

    Excelente livro! Vou ao lançamento com certeza! Vou gritar bem alto: "venha cá!
    Venha cá!" Onde ficam as vagas de deficientes para eu estacionar?

  2. Tales disse:

    Esse livro vai ser show! Pau pra dar em doido. Estarei no lançamento para comprar e bebericar aquele uísque de leve. Vou ler de cabo a rabo e fazer anotações pq quero entrar pro TJ e ficar rico. Parabéns aos autores.

  3. Filigrana disse:

    Legal, vai me ajudar nos estudos para o concurso do TJ para servidora…

Livro "Direito Corporativo – Temas atuais" será lançado nesta quinta

O livro “Direito Corporativo – Temas atuais” será lançado nesta quinta-feira (7), às 19h, na livraria Saraiva do Midway Mall, em Natal.

A obra apresenta uma coletânea de artigos sobre variados assuntos do direito corporativo escritos por 34 renomados profissionais, entre advogados, magistrados e professores, em comemoração aos 10 anos de atuação do escritório André Elali Advogados.

Com foco voltado para o mercado corporativo, a banca sediada em Natal tem como sócios os advogados André Elali, Kallina Flôr e Evandro Zaranza e possui filiais em São Paulo, João Pessoa e Recife.