‘Eu ainda tenho cabeça de gordo’: a história desse potiguar que perdeu 42 kg é a inspiração de que você precisa para se manter em seu propósito

por Dinarte Assunção

Marcelo exibe o resultado de seu esforço e determinação.

 

O jornalista Marcelo Soares tinha 144 quilos, falta de ar, dores na coluna, dificuldade de andar e pré-diabetes quando tudo começou, em 6 de março de 2017.

“Eu comia tudo que queria e não me via uma pessoa gorda. Achava que aquele era meu corpo e que eu era daquele jeito”, relatou Marcelo ao blog.

Abrir mão do engano que infligia a si mesmo foi uma decisão provocada pelo agravamento dos problemas que começaram a comprometer sua saúde. Procurou ajuda, mas não tinha tanta esperança. Para piorar, os primeiros 15 dias de dieta foram desesperadores.

“Foram dias muito difíceis. Sua cabeça não muda do dia para noite. Eu ainda tenho cabeça de gordo. Tenho vontade de comer besteira”, desabafa. Para não cair em tentação, se lembra de onde veio. “Só vou conseguir algo diferente, realizando coisas diferentes”.

Nos primeiros dias de academia, ouviu do instrutor que a meta seria perder 40 quilos como objetivo inicial. “Eu disse que ele estava louco. Jamais conseguiria perder aquilo tudo”. Em 2 de novembro passado, antes do tempo previsto, estimado em dezembro, os 40 quilos haviam se dissipado em suor e esforço e documentado na conta do Instagram @superacaomhps.

“O que me ajudou também foi ver os resultados dos primeiros 50 dias, quando eu perdi 14 quilos e percebi que o que eu estava fazendo funcionava e me estimulava”, explica o jornalista.

Mas a partir daí a dificuldade aumentou. O metabolismo se acostumou à dieta e exercícios e perder peso ficou mais difícil. Marcelo já perdeu 42 kg e está com 102 Kg. Com 1,78 m, espera chegar aos 82 kg.

Novos hábitos, novas possibilidades. Antes, ele sequer conseguia se baixar para amarrar o cadarço do sapato. Hoje, já participou de duas corridas de rua. O salário, que antes era para gastar basicamente com comida, tem atualmente outra finalidade.

“Hoje eu gasto com outras coisas. Roupas, por exemplo. Antes eu não vestia o que queria, mas o que cabia. Hoje eu escolho o que comprar”, conta ele, que saiu do manequim GG para M.

“Eu estou muito feliz, cada vez mais realizado. Meu sono melhorou, minha disposição melhorou. A mudança física é evidente, mas o ganho para a saúde é imensurável”, comemora o campeão.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Michel disse:

    Parabéns. Meu amigo pois eu também consegui…somos exemplos. Veja.meus resultados no meu insta…zeus_am_2003

  2. Marcus Paulo disse:

    Perder peso tem uma grande influencia psicológica. Até mesmo a cirurgia bariátrica, que nunca tive coragem de fazer. Em outubro de 2014 estava pesando 132 kgs e resolvi perder ou eliminar peso, sem neurose e lentamente. Coloquei como meta perder no máximo 1,5 kg por mês. Ao final de um ano perderia 18 kgs. Portanto sem nenhum desespero perdi em três anos, até Outubro de 2017 perdi 43 kgs. Dei uma relaxada e recuperei alguns kilos, mas tenho a tranquilidade psicológica que não serei mais gordo. Sai de calça 60 para 48 e ainda mantenho esse numero de calça e camisa M ou G. Um detalhe interessante é que nesses três anos não fiz um exercício físico sequer, sem dentro de um carro para qualquer deslocamento e sei que necessito fazer para readquirir massa muscular…..

  3. Jaildson disse:

    Precisamos sempre nos espelhar em exemplos assim. Isso resgata a confiança em nós mesmos, que tudo é uma questão de foco e perseverança. Parabéns ao jornalista. Que sirva de lição para quem tem qualquer projeto e reluta em dar o ponta pé inicial. Grande exemplo!

  4. Rodrigues disse:

    Parabéns pro rapaz.

  5. Andrea disse:

    Acompanhei de perto essa mudança, sei o quanto foi difícil porque ele já havia tentado perder peso outras vezes sem sucesso (perdia e ganhava tudo de novo). O que fez a diferença desta vez foi a determinação, Marcelo estava realmente focado. A orientação profissional também foi crucial nesse processo.
    Vibro com sua vitória, meu amigo, feliz demais por você. Parabéns pelo resultado!

  6. Almir Dionisio disse:

    Parabéns – Um exemplo para as pessoas se estimularem e buscar perda de peso de uma forma saudável e natural sem recorrer a cirurgias de redução de estômago sem necessidade. Show

Senado aprova projeto que limita peso de mochilas para alunos

 O Senado aprovou nesta quarta-feira projeto que limita o peso das mochilas dos alunos de ensino fundamental e médio. O objetivo do projeto é minimizar danos à saúde dos estudantes, provocados pelo excesso de peso carregado diariamente pelos alunos.

A CAS (Comissão de Assuntos Sociais) do Senado já havia aprovado o projeto na semana passada, em primeiro turno. Hoje, a comissão concluiu a votação da proposta –que segue para análise da Câmara se não houver pedido para o plenário do Senado votar a matéria.

Pela proposta, os estudantes não poderão carregar mochilas mais pesadas do que 15% que o seu peso corporal.

Uma criança que tenha o peso de 25 quilos, por exemplo, não poderá carregar mais de 3,7 quilos na mochila. Já um jovem que pese 45 quilos, terá que transportar na mochila o peso máximo de 6,7 quilos.

O projeto determina que o peso do estudante deve ser informado pelos pais ou responsáveis à escola por escrito, no caso de alunos da educação infantil ou ensino fundamental, ou pelos próprios estudantes do ensino médio. Mas não estabelece como será a fiscalização do peso carregado pelos alunos.

Pela proposta, as escolas ficam obrigadas a instalar armários para que os estudantes deixem diariamente parte de seu material escolar, reduzindo o peso das mochilas. O texto diz que os armários são “insumos indispensáveis ao desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem”.

No caso das escolas públicas, o custo da instalação dos armários deve ser incluído no cálculo do custo mínimo por estudante previsto em lei.

O projeto também determina que o poder público promova ampla campanha educativa sobre o peso máximo permitido nas mochilas. A proposta, no entanto, não estabelece sanções para as escolas que desrespeitarem a regra.

Relatora do projeto, a senadora Ângela Portela (PT-RR) disse que o objetivo da limitação do peso é evitar problemas de saúde para estudantes que ainda estão com sua formação física incompleta –especialmente para crianças e jovens entre 10 e 16 anos.

“Basta ver a saída de uma escola pública ou particular para constatar o tamanho avantajado das mochilas que as crianças e os adolescentes são obrigados a transportar diariamente, com evidentes prejuízos à saúde de quem ainda tem constituições físicas em formação”, afirmou.

Autor do projeto, o deputado Sandes Júnior (PP-GO) disse que a Sociedade Brasileira de Ortopedia prevê que cerca de 60% a 70% dos problemas de coluna na fase adulta são causados pelo carregamento de peso excessivo e por esforços repetitivos na adolescência.

“Essa situação tem ensejado iniciativas em várias partes do mundo, como na Argentina, no estado norte-americano da Califórnia e também no Brasil, onde alguns municípios já aprovaram leis para limitar o peso do material escolar a ser transportado”, disse o deputado.

Folha

Fazer nove refeições por dia emagrece

Comer nove refeições por dia ajuda a perder peso e diminuir a taxa de colesterol. É o que diz estudo do Colégio Imperial de Londres, que comparou as dietas de 2 mil pessoas do Reino Unido, dos Estados Unidos, do Japão e da China.

Todos consumiam a mesma quantidade de caloria por dia, mas metade comia menos de seis vezes, enquanto a outra ingeria mais refeições. Os resultados mostraram que o primeiro grupo apresentou uma pressão arterial sistólica, a pressão que o sangue exerce sobre os vasos enquanto o coração bate, bem maior que o segundo. Os que comiam com menos frequência também se apresentaram significantemente mais gordos.

Os pesquisadores agora planejam um teste maior com 50 pacientes com alta pressão sanguínea, que passarão a comer três ou nove refeições por dia. Os níveis de insulina, glicose e ácidos graxos também serão medidos. Desta maneira, será possível descobrir os efeitos dos dois tipos de regime.

Com informações de O Globo

Potiguar Renan Barão viaja para o Canadá, onde disputa do cinturão do UFC

O lutador Renan Barão embarcou na noite desta segunda-feira (16) para o Canadá, onde faz a luta mais importante de sua carreira, contra o americano Urijah Faber, pelo cinturão interino da categoria galo do UFC. Porém, se engana quem pensa que o brasileiro demonstrou algum nervosismo antes de subir no avião. Se dizendo “bem treinado”, Barão afirmou que agora é só “fazer o dever de casa” para fazer o país ter mais um campeão no principal evento de MMA do mundo.

“Estou tranquilo. A preparação foi muito boa. Deu para estudar bastante o jogo do Faber. Agora, vai ser só chegar lá e fazer o dever de casa”, afirmou Renan Barão antes de entrar no avião, ao lado dos técnicos Dedé Pederneiras e Jair Lourenço, além do preparador físico Thiago Macedo.

Faltando apenas alguns dias para a luta, Renan Barão também entra na reta final da perda de peso. Na casa dos 60 quilos já, o brasileiro precisa bater os 61,4 quilos, pelo fato de ser uma luta pelo cinturão (interino). “Vai dar um trabalho um pouco maior essas últimas 400 gramas. Perder os primeiros quilos é fácil, mas quando vai se aproximando do peso da categoria, fica mais complicado. Mas estou na paz, vai dar tudo certo”, garantiu Barão.

Com um cartel com 30 lutas, uma derrota e um empate, segundo os números apresentados pelo UFC, Renan Barão já conhece o Canadá. Foi lá onde fez a estreia no WEC (ainda em 2010), evento que abriu as portas para que ele se tornasse lutador do UFC. “Só tenho boas lembranças de lá. Os canadenses também são muito receptivos e amam MMA”, acrescentou.

O UFC 149, que vai ter Barão VS Faber como evento principal da noite, está marcado para o dia 21 de julho, na cidade de Calgary, Alberta, Canadá. Barão, por sinal, é o único brasileiro no evento, que terá também a disputa entre os pesos médios Hector Lombard e Tim Boetsch (o vencedor pode enfrentar Anderson Silva) e os pesados Cheick Kongo e Shawn Jordan.

Técnico de Barão garante: “No sábado, Brasil terá novo campeão do UFC”

Faltam poucos dias para o Brasil ter um novo campeão no UFC. Pelo menos, é o que garante Jair Lourenço, um dos técnicos do lutador Renan Barão, que no sábado decide o cinturão interino dos pesos galos (até 61,8 quilos) do maior evento de MMA do mundo, contra o americano Urijah Faber. A luta será a principal do UFC 149, realizado no Canadá.

“Barão está muito confiante e muito bem preparado. Está no melhor momento da vida dele. Pela confiança que demonstra, no sábado o Brasil terá seu novo campeão do UFC”, afirma Jair Lourenço, que é o líder em Natal da Kimura, academia filiada a Nova União (Rio de Janeiro), onde Renan Barão treina desde o maio, exclusivamente, para essa luta. “Barão está totalmente focado. A condição dele nem de longe lembra como foi a da última luta”, acrescenta.

A última luta de Barão no UFC, vale lembrar, foi em fevereiro, contra o americano Scott Jorgensen e, apesar da vitória incontestável por pontos, o brasileiro sofreu na parte física, consequência de uma virose que o atacou duas semanas antes de subir no octógono. “Daquela vez ele teve esse problema de saúde e pensamos até em cancelar a luta, mas desta vez não. Ele está bem preparado e fez um trabalho especial de condicionamento físico e força muscular”, explica Jair Lourenço.

Apesar de não ter participado de toda a preparação de Renan Barão, visto que boa parte dela foi feita na Nova União, Jair Lourenço gostou do que viu ao chegar no Rio de Janeiro para fazer os “ajustes finais”. “Assisti a avaliação física dele e pude ver que está muito bem. Além disso, tive o prazer de encontrar uma academia inteiramente mobilizada para essa luta. Todo mundo passando muita energia positiva para Barão”, revela Jair Lourenço.

Nessa “união” da qual o técnico de Barão faz referência, estão presentes os potiguares Ronny Markes e Jussier Formiga, os dois colegas de Barão no UFC, e ainda o campeão dos pesos pena, José Aldo, que passou dicas importantes para Barão chegar a vitória – Aldo já lutou e venceu Faber. “Conversei com ele e também fiquei feliz com o que me disse: que Barão tem tudo para sair com uma vitória importante do UFC 149”, acrescenta Lourenço.

“Faber lutará fora da zona de conforto”

Aos 33 anos, Urijah Faber, é um dos mais experientes e conhecidos lutadores do UFC. Para Jair Lourenço, porém, de nada vai adiantar essa fama se o americano não demonstrar, dentro do octógono, o que anda dizendo antes do UFC 149. E mais: com a mudança do local da luta, que seria nos Estados Unidos, mas agora vai ser no Canadá, Faber terá que sair de sua “zona de conforto”.

“A mudança da luta foi muito importante para Renan Barão. Se antes iria lutar em Las Vegas, no dia 7 de julho, agora ele fará a luta principal do UFC 149, no Canadá, sem toda aquela torcida que seria possível ver nos Estados Unidos para Faber. Não que a torcida contrária influencie Renan Barão, mas vai fazer Faber lutar fora de sua zona de confortor”, avalia Jair Lourenço.

Para quem não tem acompanhado, apesar de ter respeitado Renan Barão mais que os adversários anteriores no UFC, Urijah Faber já chegou a dizer que seria o adversário mais duro da carreira do brasileiro, mas que Barão não seria o oponente mais difícil dentre aqueles que já enfrentou. “Isso aí vamos deixar para mostrar no octógono. Barão está confiante, mas quer deixar para mostrar lá dentro quem é o melhor”, revela Jair Lourenço.

O fato da luta ter sido transferida para o Canadá também ajudou pelo retrospecto positivo que Barão tem, também, no território canadense, onde fez sua estreia no WEC, evento que integrou antes de ir para o UFC. “Barão tem boas lembranças do Canadá. Foi lá onde ele deu o primeiro passo na carreira internacional e vai ser lá onde, se Deus quiser, ele vai dar mais um passo importante rumo ao cinturão do UFC”, torce Jair Lourenço.

Com 29 lutas de invencibilidade, Renan Barão não sabe o que é perder desde 2005 e, conseguindo uma vitória contra Faber, no sábado, se torna o campeão interino dos pesos galo. Isso, porque dono oficial do cinturão da categoria, Dominick Cruz, está afastado do octógono por um tempo indeterminado, devido a uma lesão no joelho. Quando estiver apto para voltar a lutar, o campeão enfrentará o interino e o vencedor fica com o título da categoria.

Mais de 70% das mulheres com mais de 50 estão tentando perder peso

Uma pesquisa publicada na revista especializada “International Journal of Eating Disorders” aponta que a idade não protege as mulheres de transtornos alimentares e das preocupações excessivas com o peso.

Entre participantes de uma pesquisa, todas com mais de 50 anos, 3,5% relataram comer compulsivamente, quase 8% induzem vômito ou usam laxantes e mais de 70% estão tentando perder peso. De acordo com o estudo, 62% das mulheres afirmaram que seu peso tem impacto negativo em suas vidas.

O trabalho, liderado pela médica Cynthia Bulik, diretora do programa de transtornos alimentares da Universidade da Carolina do Norte, envolveu 1.849 americanas.

“Sabemos pouco sobre como mulheres com 50 anos ou mais se sentem a respeito de seu próprio corpo. É errada a impressão de que elas ‘superam’ a insatisfação com o corpo e os transtornos alimentares com a idade. Ninguém se deu ao trabalho de perguntar. Como a maioria das pesquisas se concentra nas jovens, nosso objetivo foi entender as preocupações das mulheres dessa idade para dar base a pesquisas futuras e ao planejamento de atendimento”, afirmou Bulik em um comunicado divulgado pela universidade.

A idade média das participantes era 59 anos e 92% eram brancas. Mais de um quarto delas, 27%, eram obesas, 29% estavam acima do peso, 42% tinham peso normal e 2% estavam abaixo do ideal.

Cerca de 36% das mulheres disseram ter passado ao menos metade do tempo nos cinco anos anteriores fazendo dieta e 40% afirmaram se pesar duas vezes por semana ou mais.

O peso ocupava os pensamentos de 64% delas todos os dias.

Fonte: Folha

Quase metade dos brasileiros está acima do peso

Uma pesquisa anual feita pelo Ministério da Saúde indica que o país manteve, em 2011, a tendência de crescimento do excesso de peso e da obesidade entre adultos.

Em 2006, 43% dos adultos brasileiros registravam excesso de peso, entendido como IMC (Índice de Massa Corporal) de 25 ou mais. Em 2011, a pesquisa identificou aumento dessa taxa para 48,5%.

O percentual de adultos brasileiros obesos (IMC de 30 ou mais), por outro lado, passou de 11% em 2006 para 15,8% em 2011.

O crescimento é significativo tanto entre homens quanto entre mulheres e é visto como “preocupante” pelo ministério.

“A notícia para olhar com atenção é que continuamos com crescimento [de sobrepeso e obesidade]. Não é abrupto, mas vemos o aumento de maneira sistemática e consistente”, afirmou nesta terça-feira Jarbas Barbosa, secretário de Vigilância em Saúde do ministério.

O ministro Alexandre Padilha rejeitou a tese de que o fator determinante para o aumento das taxas de obesidade e sobrepeso tenha sido a melhoria econômica brasileira e, consequentemente, o ganho de poder aquisitivo pelas famílias.

“Não mudou o hábito alimentar nos últimos seis anos, não foi nesse período que aumentou o consumo de leite com gorgura, carne com gordura”, disse Padilha. “Agora é a hora de virar o jogo se não quisermos chegar nos patameres do Chile, da Argentina e, muito menos, dos Estados Unidos.”

Enquanto o Brasil tem 15,8% da população obesa, o Chile tem 25,1%, a Argentina tem 20,5% e os Estados Unidos, 27,6%.

O inquérito por telefone (Vigitel) ouviu 54.144 pessoas com 18 anos ou mais em 26 Estados, durante o ano de 2011. O objetivo da pesquisa é identificar hábitos de vida que podem ter impacto na saúde pública.

Menos cigarro

Se o brasileiro mantém a tendência de aumento do peso, por outro lado, continua em queda a prevalência do tabagismo no país.

Entre 2006 e 2011, o percentual de fumantes no país caiu de 16,2% para 14,8%. A queda ocorreu entre os homens (20% em 2006 e 18,1% em 2011). Entre as mulheres, um dos principais alvos atuais da indústria do tabaco, a prevalência ficou estável na faixa dos 12% e 13%.

Se feito o corte por escolaridade, é possível perceber a presença mais forte do tabaco entre os menos instruídos. O percentual de fumantes chega a 18,8% entre os brasileiros com até oito anos de escolaridade e cai para 10% entre os que têm 12 anos ou mais de estudos.

A disparidade entre pessoas com mais e menos escolaridade se repete em quase todos os hábitos analisados e é marcante quando referente à realização de exames preventivos, como a mamografia.

Entre mulheres de 50 a 69 anos com até oito anos de instrução, apenas 68,5% afirmaram em 2011 ter realizado o exame nos dois anos anteriores. O percentual chega a 87,9% entre mulheres dessa faixa etária com 12 anos ou mais de escolaridade.

A diferença, segundo Barbosa, demonstra que “apesar de estar crescendo [a cobertura da mamografia], ainda há esforços a serem realizados”.

Durante entrevista coletiva nesta terça, o ministério listou medidas que foram adotadas nos últimos meses para combates os problemas identificados nessa pesquisa e nas anteriores, como aumento da oferta de mamografias, aumento na taxação do cigarro e a implantação de academias nos municípios.

Fonte: Folha

ATENÇÃO: Cerveja evita ganho de peso, aponta estudo

Barriga de cerveja? Uma pesquisa da Universidade de Barcelona aponta que a cerveja, ao invés de fazer engordar, evita ganhar peso. Segundo os pesquisadores, o que engorda, na verdade, são os petiscos que acompanham a gelada.

Além disso, segundo o estudo, tomar cerveja todos os dias evita problemas cardíacos, hipertensão e diabetes. “Sabemos que a cerveja não é a culpada pela obesidade, já que ela tem cerca de 200 calorias por caneca – o mesmo que um café com leite integral”, destacam os pesquisadores ao site Viaje Aqui.

O estudo foi feito com 1.249 homens e mulheres.

Estadão