Política

Renan quer convocar à CPI ex-cunhada de Bolsonaro para saber se suposto esquema da rachadinha foi ‘espelhado’ na gestão da pandemia

Renan quer convocar à CPI ex-cunhada de Bolsonaro para saber se esquema da rachadinha foi ‘espelhado’ na gestão da pandemia

Ao blog, o relator Renan Calheiros (MDB-AL) disse que vai apresentar ainda nesta segunda-feira (5) um requerimento para convocar Andrea Valle, ex-cunhada do presidente Jair Bolsonaro, para um depoimento na CPI da Covid.

Em reportagem publicada pelo portal “Uol”, Andrea apontou envolvimento direto do presidente no esquema das rachadinhas (prática ilegal em que funcionários de um gabinete repassam parte dos salários ao parlamentar que os emprega).

O objetivo da convocação, segundo Renan, é saber se “houve espelhamento do caso das rachadinhas na gestão da pandemia por parte do governo federal”.

O espelhamento, segundo Renan, seria a reprodução, no governo federal, de supostas práticas que teriam sido cometidas nos gabinetes parlamentares da família Bolsonaro.

“Quantos coronéis há no Ministério da Saúde? No gabinete, nesse esquema da rachadinha, foi um coronel [referência à reportagem do Uol]. Quero sabre se o senador Flávio [filho de Bolsonaro] influenciou nessas nomeações. E se o vereador Carlos [também filho] teve influencia no gabinete paralelo. Por isso, quero convocar a Andrea”, explicou Renan.

O senador continuou:

“Vou apresentar ainda hoje [segunda-feira] esse requerimento. Todo esse esquema nos gabinetes da família passava por um coronel. A convocação da Andrea não é para incriminar, é para esclarecer.”

Questionado se o requerimento tem condição de ser aprovado na CPI, Renan não soube responder

“Se vai passar, não sei. Mas vou apresentar”, ressaltou.

Blog do CAMAROTTI – G1

Opinião dos leitores

  1. É requisito da CPI que o fato que lhe deu ensejo seja certo e determinado. Qual a ligação que rachadinha tem com pandemia? rsrsrs

  2. Isso é palhaçada! Por isso, que se perde credibilidade fácil desses políticos. Papel sério, passa longe. Não é novidade nenhuma essa história. Só quem não sabe que o Jair é o mentor e número 00 na organização de miliciano é o gado. O cara que mete pau na política, fala mal de todos e era deputado do baixo clero por 28 anos. Rodou PP, PSC, PSL, e vários outros. E colocou três filhos na política, é porque a mamata nunca acabou. Eu que nunca mamei, mas aqui se agridem por bandeiras que só ferram é o brasileiro. E a gente só porrada! Aumenta Petrobras, será que até o fim do ano vai estar 10,00?? Dólar caiu con força, e aumento para ferrar o brasileiro. Mas, tá tudo bem só comemorar, o Brasil bom meu Deus. Como diz um doido aqui, o véi macho. Com arma na mão, todo mundo é cidadão!

    1. Seriedade e Renan Calheiros na mesma frase fica difícil, mas se existe uma denúncia dessa tal ex cunhada precisa ser investigado e esclarecido nos órgãos competentes para isso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Lula exalta Renan Calheiros e diz que senador tem ‘credencial’ para relatar a CPI

FOTO: FERNANDO BIZERRA/EFE

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva elogiou a escolha do senador Renan Calheiros (MDB-AL) para a relatoria da CPI da Covid, que investiga o uso de recursos públicos e a atuação de gestores no combate à pandemia.

Lula afagou o emedebista ao dizer que Renan “tem credencial” para ser relator, uma vez que é experiente e tem décadas de mandato no Congresso.

“O Renan foi eleito pelo povo já há quatro ou cinco mandatos. O Renan é uma pessoa importante no Senado, o MDB é um partido importante. Ora, por que ele não pode ser o relator? Acho que tem credencial para ser relator, como poderia ter alguém do DEM, do PSL, de qualquer outro partido político”, disse Lula em entrevista à rádio Jovem Pan Natal.

Renan foi eleito presidente do Senado por quatro vezes: entre 2005 e 2007, com Lula na Presidência da República; em 2007, foi reeleito presidente do Senado, mas renunciou em dezembro daquele ano após denúncia de ter despesas pessoais pagas por um lobista; de 2013 a 2015, com Dilma (PT); e entre 2015 e 2017, com Dilma e, depois, Michel Temer (MDB) no Palácio do Planalto.

O petista destacou ainda que o brasileiro busca sempre o “político perfeito”, que não existe. “Renan Calheiros é senador da República. Muitas vezes, a gente fica querendo o político perfeito, que não foi eleito pelo povo. […] O político que a gente sonha, que às vezes as pessoas falam que não prestam, o bom talvez seja a pessoa que quer um bom. A pessoa tem que se candidatar”, sugeriu.

Lula aproveitou a ocasião para exaltar a postura de Renan quando este presidiu o Senado Federal enquanto era presidente da República. “Eu acho que o Renan foi um presidente do Senado que, quando eu fui presidente, trabalhou de forma muito responsável para que a gente pudesse fazer o governo que fizemos”, encerrou.

Renan está no Congresso Nacional desde 1983, quando se elegeu deputado federal. Depois disso, foi reeleito deputado federal em 1987 e assumiu uma vaga no Senado em 1995. Desde então, já está na sua quarta legislatura no Senado.

R7

Opinião dos leitores

    1. Lula vai ganhar de lavada no primeiro turno. E o BG já descobriu o mapa da mina. O velhinho dá Ibope! É só botar uma foto dele que chove comentários, a audiência explode. E Bolsonaro? Bolsonaro já é passado. A onda agora é xingar o Lula todos os dias para audiência aumentar cada vez mais.

  1. Um total de 0 (zero) pessoas surpreendidas com essa declaração. Eles se merecem. Os iguais se reconhecem. Afinal, nada mais coerente do que corrupto condenado defender outro.

  2. Se Luladrao falou é porque ele sabe!!!! Afinal de contas, um ladrao conhece outro apenas no olhar!!!!!😂😂😂

  3. Ladrão tem que defender Ladrão. Dois dos maiores Ladrões do BRASIL.
    Nesse País nós estamos é F _ _ _ _ _ _. Será que não vai surgir uma nova liderança, uma pessoa que pelo menos poderemos confiar. O Brasil está carente de Lideres de VERGONHA. É lamentável , mais é VERDADE!

  4. Kkkkkkkkkkkk
    Kkkkkkkk
    Um monte de processos responde o Renan, se não falha a memória 19.
    Uma ficha de dar inveja aos menbros do PCC.
    Quer dizer, essa dupla se merece.
    Pois bem!!
    Quem estiver com saudades desses dois robando o país, vote em Lula ano que vem.
    Simples assim.

  5. Ontem o senador GIRÃO apresentou vários indícios que apontavam irregularidades no consórcio Nordeste, foi protocolado um requerimento convocando o secretário GABAS do consórcio Nordeste , a oposição votou contra a convocação de GABAS , Veja os indícios: a empresa que ganhou a licitação na Bahia em toda sua vida só tinha emitido 2 notas fiscais , o capital da empresa era de 100 mil reais , o valor do negócio foi 500 vezes maior que o capital da empresa, o endereço da empresa era em uma residência, MESMO ASSIM OS CORRUPTOS LIVRARAM GABAS DA CPI…..ESPERAR O QUÊ DESSES BANDIDOS .

  6. 2 políticos “SUPER-HONESTOS” … Roubalheiros e Lularápio … gozam da cara do povo brasileiro… a CPI é mais do que necessária para mostrar o quão PODRE é o governo do Minto na gestão da pandemia, mas Renan Calheiros como relator é PRA ACABAR…

  7. Lula o paí da mentira e falso salvador da pobres e dos oprimidos do Brasil,o Pai da divisão da hierarquia social,de genero sexual,da cor etnica ou racial no Brasil.

  8. O mais honesto do mundo atestando a idoneidade de um sujeito fora de qualquer suspeita de ser desonesto, inclusive, as acusações feitas a ele pelo pt no passado, era apenas inveja de sua honestidade impecável.

  9. É por essas e outras infinitamente mais graves, que digo, votei nesse pilantra duas vezes, do que me arrependo amargamente. Acreditava nesse crápula, por vir da pobreza, ser humilde, ter um discurso coerente, centrado, uma enorme capacidade de convencimento, raciocínio lógico e tudo mais, fui, fomos e muitos continuamos sendo enganados por esse pária. O Brasil não pode depender de um sujeito volátil, torpe, pequeno, mentiroso, ladrão, que se arvora a maior que os outros. Vcs que reclamam e repudiam Bolsonaro, deviam ter um pouquinho de inteligencia e bom senso, isso dito saindo da boca desse pilantra é um tapa de mão espalmado na cara de vcs, um escárnio, uma malhação com os otarios, nojento. Ainda bem que não dependo desse pilantra para sobreviver, dele quero distância e me envergonho por ele ser nordestino.

  10. Quem não tem credencial é o Flávio…
    Aliás, ele controla os hospitais federais, segundo Witzel…ele escolhe os fornecedores…será que tem rachadinha com os fornecedores???

    1. Homem de Deus, esse Santo Witzel sabia de tudo isso e só foi falar num circo cheio de palhaços, no mínimo PREVARICOU, logo ele um juizaço, honesto, eita que tem muito imbecil nesse mundo de meu Deus, cada morador inteligente, deslocado, é de matar.

  11. Renan, o mais novo queridinho da eswuerdalha. Esses dois bandidos formam uma dupla perfeita. É claro que se merecem. Mas o povo está vendo tudo isso.

  12. O Senador Renan está fazendo um excelente trabalho e se não fosse a CPI, o país não iria saber que o genocida arquitetou o assassinato em massa da população.

    1. Vc é louco !! Quanta besteira, comentário idiota !! Em massa , so ser for a que está faltando na sua cabeça

    2. José Tomaz vc merece ser estudado com cuidado, suas origens tem que ser avaliadas, eita cabrito burro. Nem reza braba.

    3. Verdade Tomaz…graças a CPI o genocida tá correndo atrás de vacina….

  13. Nada mais justo, um criminoso de alta periculosidade defendendo seu comparsa. Em um país sério, os dois estariam encarcerados cada um com penas de mais de cinquenta anos cada um pelo cem números de crimes que os dois cometeram.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Wajngarten diz que não fez adjetivação a Pazuello em entrevista e Renan diz que vai pedir a prisão de ex-secretário de Comunicação

Renan Calheiros afirma que vai pedir a prisão de Fabio Wajngarten. Questionado, o ex-secretário de Comunicação voltou a dizer que não chamou o ex-ministro Eduardo Pazuello de incompetente em entrevista à revista Veja:

“Não fiz nenhuma adjetivação ao general Pazuello. Em nenhum momento o chamei de incompetente”.

A revista “Veja” divulgou áudio da entrevista concedida, em que o ex-secretário afirma o seguinte, quando questionado sobre o tema: “Incompetência, incompetência. Quando você tem um laboratório americano com cinco escritórios de advocacia apoiando na negociação e você tem do outro lado um time pequeno, tímido, sem experiência, é 7 a 1”.

Com G1 e CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. A veja publicou àudio que comprova que o nome difìcil mentiu. Isso deixa campo aberto para o pazuello fazer tudo mais sabe, mentir. A jogada para cpi agora é colocar o nome estranho e o pazuello como investigados, eles vão poder mentir a vontade, mas a cpi vai power query seus sigilos telefònicos, bancários e fiscal. Simples.

  2. Rapaz, quem diria, um canalha como Renan Calheiros pedir a prisão de um cidadão brasileiro parece brincadeira, o sujeito tem mais de catorze processos por todo tipo de falcatrua e agora quer dar uma de juiz de direito, pense num crapula.

    1. Quem está sendo julgado, e por ora vai sendo condenado, é o Bozo e sua política negacionista. Na política não existem inocentes.

  3. É o poste mijando no cachorro, um bandido se achando, querendo prender pessoas honestas, só por que não falou o que essa raça de viboras querem ouvir!!

  4. Falou fino…kkkkkkkkk
    Não sustentou o que disse…como todo bolsonarista metido a valente, é só um covardão…
    Muuuuuuummmmmmm

    1. E você frustrado porque não foi preso. Quem deveria ta preso era se ladrão de estimacao

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro: “Vou dar sugestão para o Renan. Depois fazer a CPI do leite condensado”

FOTO: ALAN SANTOS/PR – 23.04.2021

O presidente Jair Bolsonaro ironizou na manhã desta quarta-feira (12) o trabalho CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado, que apura a condução do governo e federal e dos estados e municípios na condução da pandemia.

“Você viu o Renan Calheiros [senador pelo MDB de Alagoas e relator da comissão] essa semana? ‘A CPI não existe para investigar desvio de recurso.’ Vou dar sugestão para o Renan: depois fazer a CPI do leite condensado”, afirmou o presidente, aos risos, a apoiadores durante tradicional conversa em frente ao Palácio do Alvorada.

Em janeiro, o presidente recebeu críticas por conta da polêmica da compra de leite condensando, item que consumiu mais de R$ 15 milhões dos órgãos do Executivo federal no ano passado, segundo reportagem do portal “Metrópoles”. À época, Bolsonaro afirmou que o item atende 370 mil militares e é usado também em programas de alimentação via Ministério da Cidadania e Ministério da Educação.

A ideia original da CPI era investigar as ações e omissões do governo federal durante a crise sanitária. Por pressão do presidente e de sua base aliada, o escopo foi ampliado para apurar a aplicação dos recursos despendidos pela União aos governos regionais no combate à covid-19.

Sobre a função da CPI, em entrevistas recentes, Renan Calheiros tem dito que o objetivo dos trabalhos é, ainda, apurar a gestão do governo federal, mas caso haja necessidade, prefeitos e governadores poderão ser chamados para depor.

Com R7

Opinião dos leitores

  1. Era bom fazer a CPI do depósito de QUEIROZ na poupança MICHEQUE. Por que 89 mil??? O povo quer saber…..

    1. Nós estamos no brasil, não nos EUA. Lá é que passou de mais de 550 mil

    1. Tem cara que aplaude até luladrao, só sendo igual a ele, né não. Kkkkk

  2. A maioria dos comentários que fazem por aqui revelam bastante sobre os comentaristas e NADA acrescentam ao debate, não possuem serventia alguma. Só as molecagens de sempre, que ressoam apenas entre eles mesmos. Espero que estejam ao menos recebendo “pixulecos” por isso.

    1. O cara tem de ser muito destemido pra peitar o STF e uma CPI de frente viu…

  3. Renan vagabundo ladrão, cria de Collor, traiu todos os poderosos durante anos, agora quer derrubar Bolsonaro , um bandido coitado !

    1. Vc entende de política mesmo, cria do Collor. Estudou com os livros do Olavo. Falar nisso cadê o guru terraplanista ? Ah criticou Bolsonaro agora o gado deixou de lado, ninguém pode criticar. Mas gado pode criticar, ameaçar, fazer arminha, fale news e por aí vai….

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Renan não aceita respostas em depoimento de Wajngarten, cita suspeita de ‘mentira’ e ameaça pedir prisão de ex-secretário de Comunicação

O relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), disse nesta quarta-feira (12) que a comissão pode pedir a prisão do ex-secretário de Comunicação Fábio Wajngarten caso se confirme que ele tenha mentido.

Wajngarten foi convocado para explicar a declaração dada à revista “Veja” na qual disse que a “incompetência” do Ministério da Saúde causou atraso na compra de vacinas contra a Covid-19.

O ex-chefe da Secom também disse, em entrevista, que o presidente Jair Bolsonaro não poderia ser responsabilizado, pois recebeu informações erradas no processo de aquisição de vacinas.

Nesta quarta-feira, porém, o ex-chefe da Secom usou um tom mais moderado.

VEJA MAIS  – CPI: Fabio Wajngarten elogia Pazuello, cita “morosidade da administração pública”, Renan e comissão se irritam com depoimento, ameaçam encerramento e novo convite como “investigado”

Renan pediu ao presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), que requisite o áudio da entrevista dada à ‘Veja’ para checar o que foi dito pelo ex-auxiliar do governo.

“Se ele não mentiu, a revista ‘Veja’ vai ter que pedir desculpas a ele. Se ele mentiu, terá desprestigiado e mentido ao Congresso Nacional, o que é um péssimo exemplo. Eu queria dizer que vou cobrar a revista ‘Veja’. Se ele não mentiu, que ela se retrate a ele. E, se ele mentiu à revista Veja e a esta comissão, eu vou requerer a Vossa Excelência na forma da legislação processual a prisão do depoente. Apenas para dizer isso e para não dizerem que nós não estamos tratando a coisa com a seriedade que essa investigação requer”, disse o relator da CPI.

Este é o quinto dia de depoimentos da comissão parlamentar de inquérito, que apura ações e omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia de Covid e eventual desvio de verbas federais enviadas a estados e municípios.

Com acréscimo de G1

Opinião dos leitores

  1. Comequeé??!! Ladrão e Corrupto pode pedir prisão de alguém?! Pode. No Brasil! Como também pode ser Senador, Presidente de CPI, etc etc tudo nas barbas do stf.

  2. Eduardo Lemos, perfeito o seu comentário. Única explicação: o Brasil, não é para amadores. João Macena.

  3. Renan Calheiros é o novo herói da esquerdalha? Todos se merecem. Mas essa CPI está decepcionando a quadrilha. Aliás, ele sempre foi parceiro do PT e fez parte da grande roubalheira que houve na época. Foi ministro do vigarista de 9 dedos. E qual o caráter de quem defende e enaltece esse tipo de gente? Da prá conviver com gente decente. Comigo, não.

    1. Você é puro e honesto demais Direitinha. Seu lugar é um convento.

  4. O depoente mentiu deliberadamente. Testemunha que mente comete crime e é cabível prisao em flagrante. Sem mimimi, boiada.

    1. Sai daí babaca, tire o babador e vá trabalhar seu troço, se mentir (o que não ocorreu) desse cadeia, teu molusco asqueroso pegava perpétua. E esse Renan que vcs agora idolatram é uma retidão só, nunca mentiu o coitado. Prestou atenção quando o mesmo falou? Quase que algumas palavras não saiam, ele tem na memória o caso da amante, filha, quem pagava e o Sérgio Machado com suas conversas nada republicanas.

  5. Infelizmente na nossa pátria amada é assim…
    O sujeito mata o outro, aparece com a cabeça pingando sangue, é filmado praticando o ato, mas não fica preso…
    Desvia milhões dos cofres públicos, encontram caixas desse dinheiro desviado no apartamento dele, e não vai preso, alegando que “o dinheiro não é dele e que nunca tinha visto”…
    E por aí vai…
    Mas se não falar o que a CPI quer ouvir, aí é considerado um criminoso de alta periculosidade, e tem que ser preso…

  6. Na condição de testemunha, ele não pode mentir. Independente do que se ache do Renan, ele é senador, eleito e em gozo dos seus direitos e portanto, pode pedir a prisão, caso o ex ministro tenha mentido, como parece. Uma coisa ficou explicitly, a falta de vacina for irresponsabilidade do governo e como consequência, mais de 400 mil mortes.

  7. Na vdd quem merecia ser varrido do mapa com uma bomba não é só esse pilantra safado e sim o estado q elege um corrupto desse para senador

  8. Esse Senador Renan Calheiros só não está preso , porquê goza do foro privilegiado.
    O que é um péssimo exemplo sao6os Parlamentares envolvidos em escândalos de corrupção e agindo com nada tivesse acontecido.

    1. Né isso! Renan Calheiros tá querendo “tratorar” o depoente… Ops, “tratorar” é um verbo que não podemos usar por aqui…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Senadores governistas vão ao STF contra Renan na CPI da Covid e mantém batalha judicial

Foto: Edilson Rodrigues / Edilson Rodrigues/Agência Senado

Senadores governistas que integram a CPI da Covid apresentaram um mandado de segurança ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar tirar Renan Calheiros (MDB-AL), escolhido ontem como relator, do colegiado. Na peça, Marcos Rogério (DEM-RO), Jorginho Mello (PL-SC) e Eduardo Girão (Podemos-CE) alegam que parlamentares que possuem parentesco em primeiro grau com possíveis alvos da investigação devem ser considerados impedidos. Renan é pai do governador de Alagoas. A comissão tem como um dos focos apurar o envio de recursos federais a estados e municípios.

Se aceita, a medida também poderia afetar outro senador do MDB, Jader Barbalho (PA), que é pai do governador do Pará, Helder Barbalho. Jader ocupa vaga de suplente na Comissão Parlamentar de Inquérito.

“Tendo em vista as previsões legislativas acima elencadas, mostrase evidente a vedação, por força do ordenamento jurídico pátrio, a participação de parlamentares que possuam parentes em linha reta ou colateral até terceiro grau em Comissões Parlamentares de Inquérito. Cumpre salientar que entre os membros da CPI encontra-se dois parlamentares que possuem parentes em gestões estaduais”, diz trecho do documento.

Para embasar o pedido, os senadores citam requerimentos apresentados por eles para localizar processos que indiquem possíveis desvios de recursos federais na pandemia. Os requerimentos ainda dependem da aprovação da maioria da comissão — os governistas estão em minoria, com quatro dos 11 membros titulares.

“Veja-se, portanto, que o Estado de Alagoas não é apenas mera hipótese quanto à investigação em curso, mas uma certeza, vez que já há requerimento quanto aos recursos enviados a todos os Estados, o Distrito Federal e as Capitais. Ademais, sabe-se que as provas serão reunidas, também, em relação ao Estado de Alagoas, para o respectivo exame e Juízo de valor quanto à correção ou não da aplicação dos recursos”, afirmam os parlamentares na ação.

Entre os requerimentos, Marcos Rogério apresentou uma solicitação ao colegiado para que todos os governadores e os prefeitos das capitais enviem informações sobre a aplicação dos recursos enviados, com as notas de empenho, ordens bancárias, notas fiscais, extratos bancários e processos administrativos de despesa.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. O nível do SENADO no BRASIL está muito baixo. Escolher um cabra com RENAN CALHEIROS para qualquer cargo é Uma VERGONHA. ELE RENAN era para está PRESO.

  2. Ô coisa linda de ver é desespero de bolsominion…🤣🤣🤣🤣
    Continua que tá ótimo… kkkkk

  3. Ô medo grande…estão tentando esconder o que?
    Pega fogo cabaré…🤣🤣🤣
    (Haja imosec pro Bozo)

    1. Não se trata de defender. Renan é repulsivo, um sem futuro. Acontece que não há impedimento legal p ele ser relator. Isso é claro. Além disso o próprio Renan já se declarou impedido p relatar e votar sobre questões envolvendo o estado de Alagoas.

  4. Fica claro em alguns comentários acima, o quão hipócritas são as pessoas que esquecem o quanto o renan “canalha” está envolvido em pelo menos 18 processos de corrupção. A ira é tão grande contra o presidente, que não percebem “o tiro no pé” que estão dando! A esquerda doentia, se alia ao proselitismo político ideológico, com verdadeiros canalhas, como é esse cidadão aí! Se é que pode ser chamado de cidadão. A não aceitação da vitória do presidente atual, que tem seus defeitos e se realmente tiver culpa, que seja punido, provoca esses devaneios. Porém, não pela mão, ou acusação, de uma “raposa tomando conta do galinheiro”! Todos sabem qual era o partido dos vices-presidentes petistas, né? Pois é, o partido de temer, de cunha, de Renan, de garibaldi, de Henrique… e por aí, vai!

  5. Não concordo com essa judicialização. Isso deveria ser resolvido pelo Senado. Mas, Renan na relatório é demais. E essa judicialização de TUDO é prática adotada pela oposição “lacradora”.

  6. Os senadores escolhidos para CPI é uma afronta ao cidadão de bem. Todos tem processos por corrupção, como essas criaturas podem julgar alguém? Já começa tudo errado, parece revanchismo com a honestidade. Renan Calheiros te 13 processos, o presidenta da CPI tem 306 processos contra ele, o senador do PT, Humberto costa coleciona 1.294 processos contra ele e assim a lista é longo…
    Deve ser por todos esses currículos políticos recomendáveis que a torcida pelos corruptos de estimação tem festejado tanto essa CPI.

    1. Verdade! Tão ridiculo como o apoio de alguns a Roberto Jeferson.

    2. É que Bolsonaro é tão horrível que faz até a gente gostar de Renan Calheiros

  7. Esse Renan nem deveria ter sido eleito. Como pode alguém como ele ser nomeado relator de uma CPI? E quase todos os demais membros são investigados por corrupção.

  8. Renam Calheiros! Já pensou como o mundo dá voltas? o brazil véi desmantelado. Obrigado bolsonaro por desmoralizar e destruir o nosso país.

  9. Que medo da CPI é esse? Pq sera? Agora vai ficar escancarada a falta de açao do governo. “Gripezinha”, “nao sou coveiro”, “vachina” e por aí vai… agora vao ter de explicar ao povo brasileiro.

  10. Mas que medo todo eh esse? O que há com essa base do governo que agiu “tão corretamente” e que segundo o MINTOmaníaco “acertou em tudo”? Quem não deve não teme não eh? Vão passar outra vergonha judiciária pois o impedimento de Renan eh tão somente no estado de Alagoas o que não invalida em nada sua relatoria, exceto se o mesmo fizesse o relatório referente aquele Estado! Recomendo aos senadores tomarem o mesmo remédio do presidente inepto: imosec …

    1. Mas se o filho do PR tivesse na comissão, ai não poderia, né? Quanto mais ser o relator.

    2. Medo de ser julgado por um bando de cafajestes, corruptos, desquificados e que ainda conseguem encarar jumentos…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

CPI da Covid não fará perseguição, mas é preciso punir responsáveis por mortes, diz Renan

Foto: Reprodução/Globo News

Escolhido nesta terça-feira (27) como relator da CPI da Covid, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) afirmou em seu primeiro discurso que a comissão não fará perseguições, mas que é preciso punir “imediata e emblematicamente” os responsáveis pelas mortes durante a pandemia.

Renan foi indicado relator pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), durante a instalação da comissão. A CPI será responsável por apurar ações e omissões do governo federal e eventuais desvios de verbas federais enviadas aos estados para o enfrentamento da pandemia.

“Não estamos aqui para maquinar ações persecutórias, não estamos aqui diante da atenção integral da nação e do mundo, para blindar, engavetar, tergiversar ou procrastinar. Tudo será investigado, como exige a Carta democrática, de maneira transparente, acessível”, declarou o relator.

“O país tem o direito de saber quem contribuiu para as milhares de mortes, e eles devem ser punidos imediata e emblematicamente”, acrescentou Renan, em outro trecho do discurso.

O Brasil soma quase 400 mil mortes por Covid. A média móvel de mortes no país nos últimos 7 dias chegou a 2.451 óbitos. O número de mortes em 2021 já supera o total de óbitos de 2020.

Alvo da Lava Jato e crítico da operação, Renan afirmou também que não será, na relatoria da CPI, “discípulo” do ex-juiz Sergio Moro e do procurador Deltan Dallagnol, “arquitetando” provas.

“Não somos discípulos de Deltan Dallagnol nem de Sérgio Moro. Não arquitetaremos teses sem provas ou power points contra quem quer que seja”, acrescentou.

Combate ao ‘negacionismo’

Em vários momentos, Renan disse que a CPI será pautada pela ciência, com a consulta a especialistas, e pelo combate ao “negacionismo”.

“Nossa cruzada será contra a agenda da morte. Contrapor o caos social, a fome, o descalabro institucional, o morticínio, a ruína econômica e o negacionismo não é uma predileção ideológica ou filosófica, é uma obrigação democrática, moral e humana. Os inimigos dessa relatoria são pandemia e aqueles que, por ação, omissão, incompetência ou malversação, se aliaram ao vírus e colaboraram com o morticínio”, disse o emedebista.

Ainda no discurso, o relator da CPI disse que “intimidações” e “arreganhos” não vão detê-lo. Apoiadores de Bolsonaro, nas redes sociais, têm feito sucessivos ataques à escolha de Renan como relator. Apesar de “adversidades”, Renan disse não “eternizar” mágoas.

Sessão de abertura

Aliados do Palácio do Planalto tentaram impedir a indicação de Renan Calheiros para a relatoria. Durante a sessão, diversos parlamentares criticaram Renan por assumir o posto mesmo sendo pai do governador de Alagoas, Renan Filho (MDB).

Filho do presidente Jair Bolsonaro, por exemplo, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), disse não ter dúvidas de que Renan atuará com parcialidade e tentará proteger governadores, entre os quais Renan Filho (MDB).

Apesar das críticas, o relator da CPI disse que os colegas “podem esperar” dele um trabalho “isento, objetivo, técnico, desapaixonado, destemido e colegiado”.

“Sem medo de absolver quem merecê-lo e sem hesitação para imputar quem é responsável”, declarou.

Eduardo Pazuello

Durante o primeiro discurso como relator, Renan Calheiros afirmou que as gestões no Ministério da Saúde “serão investigadas a fundo””.

Sem citar o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, Renan afirmou que não será o Exército que “estará sob análise”.

“A memória remete para as 454 mortes em combate na segunda grande guerra, com um universo de 25 mil pracinhas. Esse pequeno número de baixas reflete a liderança de um estrategista de guerra. Imaginem um epidemiologista conduzindo nossas tropas em Monte Castelo. Na pandemia o Ministério foi entregue a um não especialista, um general”, declarou.

“O que teria acontecido se tivéssemos enviado um infectologista para comandar nossas tropas? Provavelmente um morticínio. Porque guerras se enfrentam com especialistas, sejam elas bélicas ou sanitárias. A diretriz é clara: militar nos quartéis e médicos na Saúde. Quando se inverte, a morte é certa. E foi isso que aconteceu. Temos que explicar, como, por que isso ocorreu”, completou Renan.

Relatoria na Justiça

Na noite desta segunda (26), a Justiça Federal em Brasília chegou a conceder uma liminar (decisão provisória), atendendo a um pedido da deputada bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP), para suspender a eventual escolha de Renan para relator.

A Mesa do Senado recorreu, e o Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1), com sede em Brasília, derrubou a decisão.

À colunista do G1 e da GloboNews Ana Flor, Omar Aziz disse que, eleito presidente, indicaria Renan Calheiros para a função “e ponto”. Segundo o Blog do Valdo Cruz, aliados do Planalto avaliam que o movimento de Zambelli foi um erro político e pode acirrar os ânimos na CPI.

G1

Opinião dos leitores

  1. A CPI não vai punir ninguém, e sim encaminhar ao MPF sua s conclusões.
    A velha política dando show, SPTF incentivando. Veremos no que vai dar.

  2. FALOU O PALADINO DA MORAL E DA ÉTICA SÓ NO BRASIL A RAPOSACUIDANDO DO GALINHEIRO

  3. Será se os desvios de verbas do combate a pandemia, a falta de investimento no meios de tratamento do covid, e ausência de política de auxílio financeiro aos principais setores produtivos, atingidos pelos Lockdown não serão investigados nessa cpi? E os grupos envolvidos nas operações da PF sobre os desvios de verbas públicas direcionadas pra pandemia? Esses temas caem bem na carapuça de nossa governadora.

  4. BANDIDO CUIDANDO DE BANDIDO.
    TODAS OS REQUERIMENTOS EM CIMA DO GOVERNO FEDERAL, NADA PARA INVESTIGAR OS ESTADOS QUE ATÉ AQUI NÃO PROVARAM PARA ONDE FORAM OS MILHÕES RECEBIDOS DURANTE A PNADEMIA.
    ESSA CPI TEM ILEGALIDADE TANTO QUANTO O PROCESSO DAS FAKE NEWS QUE SÓ INVESTIGA QUEM CRITICA O STF. A CORDA VAI ARREBENTAR.

  5. O bosonaro já providenciou uma cola para membros do seu governo responderem na cpi. Resta saber se as respostas serão de marcar. Se não for o caldo entorna.

    1. Se chegar aos governadores não escapa um, vão ser condenados, pois nenhum tem como justificar os gastos durante a pandemia, falando do nordeste, DF, SP e RS. Tem desvio de toda forma e meio. Tem de tudo, menos medida contra a pandemia.

    1. A esquerda comemorando mais uma quadrilha montada na CPI.
      A alegria é enorme, fazia tempo que eles não tinham algo nas mãos para poder armar mais uma perseguição ao governo federal. Olha a ficha corrida dos senadores que formam a mesa da CPI, causa inveja a uma certa turma da Itália que moravam na Sicília e Nápoles

  6. Um BANDIDO desse falando em punição!!!
    Esse CORRUPTO era para está preso a muito tempo, a Brasil vei sem jeito

    1. Triunfa mesmo, taí o filho do presidente, desviou dinheiro publico com funcionario fantasma e ta livre.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

TRF-1 derruba liminar que impedia Renan de ser relator da CPI da Covid

Foto: Mateus Bonomi/Crusoé

O desembargador Francisco de Assis Betti, presidente em exercício do TRF-1, acaba de derrubar a decisão liminar de um juiz de primeira instância que impedia o senador Renan Calheiros (MDB) de ser o relator da CPI da Covid. A comissão está sendo instalada nesta manhã.

O desembargador alegou, por exemplo, que a designação de relator da CPI “é prerrogativa do presidente da respectiva comissão”.

“A Suprema Corte, em diversas oportunidades, já assentou não ser possível ao Poder Judiciário a análise ou a modificação da compreensão legitimamente conferida às previsões regimentais de organização procedimental pela Casa Legislativa, por se tratar de matéria interna corporis.”

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. Comissão Parlamentar do Riso!!! Renan Calheiros? Um sujo pra fiscalizar os maus-lavados? Só rindo mesmo…

  2. Como pode se ter dois pesos e duas medidas, para obrigar o senado abrir uma CPI, basta uma canetada de um ministro, para afastar um senador suspeito, de uma relatoria dessa mesma CPI, aí vamos respeitar as “independência dos poderes “. KKKKKKK😩😩😩

  3. -Quando foi a última vez que vc ouviu falar em corrupção em escala nas empresas estatais.

    – Quando foi a última vez vc viu nos jornais a notícia de contratos Bilionários do governo COM EVIDÊNCIAS DE SUPER FATURAMENTO.

    -qual foi o ministro desse governo que foi afastado por suspeita de desvio de verbas em pleno exercício.

    – quem desviou verbas nessa PANDEMIA, o governo federal ou Estados e municípios.

  4. Podem estrebuchar… Quando sentem que pela primeira vez na vida vão ter que prestar conta e mostrar trabalho essa turma endoida.

  5. Apesar de repudiar esse corrupto, que nem deveria ter sido eleito (culpa do povo alagoano), penso que é questão a ser resolvida pelo Senado. Sou contra essa judicialização de tudo. Os Poderes deveriam ser de fato independentes.

    1. Dividirão os bilhões entre os compadrios e fica tudo resolvido. Renan investigando o filho….enredo de filme de terror para a família brasileira.

  6. Saiam da frente, saiam , saiam…(nesse momento, Bozo passa toda velocidade em direção ao banheiro…teve um desarranjo intestinal…kkkkkkkkk)

    1. Fico imaginando o caráter de alguém que comemora a atuação de um indivíduo como esse Renan. O que será que se passa na sua cabecinha? Que valores vc defende? Em quem vc vota? Perguntas retóricas, já imagino as respostas.

    2. AI NÃO É LULA LADRÃO NÃO MEU AMIGO. VOCÊ VAI MORRER E NÃO VAI VER LULA INOCENTADO.

    3. Pablito, todo cidadão é inocente até que se prove o contrário.
      Se alguém aqui arrumar uma prova só que seja que apresente e aí pode chamar de ladrão quem comprovadamente ladrão é. Mas tem que ser prova. Convicção não é prova.

    4. Patriota, você acredita em papai noel? DEVE ACREDITAR POR ACHAR QUE LULA NÃO É CORRUPTO.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

CPI da Covid: Omar Aziz confirma acordo para ignorar justiça e diz que, se eleito presidente, indicará Renan para relatoria ‘e ponto’

Foto: Reprodução/GloboNews

O senador Omar Aziz (PSD-AM) afirmou nesta terça-feira (27) que, se eleito presidente da CPI da Covid, indicará o senador Renan Calheiros (MDB-AL) para a relatoria da comissão “e ponto”.

A sessão de instalação da CPI está marcada para as 10h desta terça. Após a eleição do presidente e do vice da comissão, será escolhido o relator.

Há cerca de dez dias, a maioria dos integrantes da CPI chegou a um acordo para que Aziz seja eleito presidente; Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice; e Renan Calheiros, relator.

Nesta segunda (26), contudo, atendendo a um pedido da deputada bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP), a Justiça Federal em Brasília suspendeu a eventual escolha de Renan para relator.

Ao blog, Omar Aziz afirmou: “Se escolhido presidente, vou indicar Renan e ponto”.

“Não mudou nada, a decisão do juiz é sem nexo”, acrescentou o senador.

Aziz disse ainda que não recebeu notificação sobre a decisão. “O juiz enviou ao presidente do Senado, que não tem poder de interferir na composição da CPI”, completou.

Omar Aziz é o candidato do grupo de sete senadores de oposição e independentes, que vêm se reunindo nas últimas semanas e que representa maioria dos senadores na CPI.

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) corre por fora.

Na noite desta segunda-feira, o grupo majoritário da CPI se reuniu e definiu a espinha dorsal do início dos trabalhos.

Após a eleição do presidente e da escolha do relator, nesta terça, o plano de trabalho deve ser apresentado pelo relator na quarta-feira. A ideia, até o momento, é começar ouvindo o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

Depois, outros ex-ministros, incluindo Eduardo Pazuello e o atual titular da pasta, Marcelo Queiroga. Diretores da Anvisa também serão chamados.

Blog da Ana Flor – G1

Opinião dos leitores

  1. Realmente essa politicagem está precisando ser encerrada e iniciada do zero.
    Uma CPI criada por decisão judicial, agora vai ignorar uma decisão judicial?
    Para criar a CPI não teve questionamento do senado, mas para tirar um relator cujo filho está envolvido diretamente na CPI e tem 11 processos por corrupção no STF, a decisão judicial será desrespeitada? Coerência nenhuma, comprometimento com senador processado por corrupção, total.

  2. Ver petista defendendo Renan Calheiros é o mesmo que ver bolsonarista defender Roberto Jefferson.

  3. Pra os seguidores do mito o Cunha é “meu malvado favorito” e o condenado Roberto Jefferson é o cristão “Bob Jeff”. Não dá pra cobrar mta coerência. 😅

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

PF vê ‘evidências robustas’ de caixa dois de R$ 600 mil da Odebrecht para Renan Calheiros

Foto: Roque de Sá/Agência Senado

A Polícia Federal concluiu que há “evidências robustas” de que o senador Renan Calheiros (MDB-AL) recebeu doações eleitorais irregulares da Odebrecht.

Em relatório entregue ao Supremo, os investigadores concluíram que o senador recebeu R$ 600 mil da empreiteira na campanha de 2010 sem declarar a quantia à Justiça Eleitoral. De acordo com a PF, foi cometido o crime de caixa dois.

“Há elementos concretos e relevantes no sentido da existência de materialidade e autoria dos crimes investigados no presente inquérito, encontrando-se presentes indícios suficientes de que o senador José Renan Vasconcelos Calheiros cometeu o crime previsto no art: 350 do Código Eleitoral, na modalidade caixa 2″, concluiu a delegada da PF Rejane Nowicki.

Segundo as investigações, Renan recebeu o dinheiro em duas parcelas, em 20 de agosto e em 15 de setembro de 2010. A PF afirma que os repasses foram viabilizados por um doleiro, que entregou as quantias ao senador num hotel de Maceió.

O relatório está no gabinete do relator do inquérito, o ministro Marco Aurélio, que deve agora enviá-lo à Procuradoria-Geral da República, que decidirá como proceder.

A defesa de Renan disse que ainda não teve acesso ao relatório.

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. COLOCA UMA CANGA NELE JUNTO AO OUTRO LADRÃO BARBUDO E ENVIA PARA A PAPUDA QUE É LUGAR ADEQUADO PARA ELES. ESSE ALÉM DE LADRÃO É SÍNICO AO EXTREMO.

  2. CX 2 ainda hj é comum, vc imaginem naquela época da lava jato. Deixem só passar as eleições desse ano, q ano q vem vai ter até CX 3

  3. E dai? O ministro onix recebeu também. Mas é como digo, se for amigo é caixa 2, sw for inimigo é propina.

  4. Vai sair caro para esses pilantras, ter as facilidades das decisões emanadas de alguns ministros do STF, notadamente daqueles que não estavam presentes na posse do novo presidente do tribunal. Oxalá ele mantenha seu olho crítico e respeito as leis, como disse em seu discurso de posse.

  5. Só a ponta do iceberg. Esse Coroné das Alagoas é um dos maiores bandidos já produzido nessas terras brasileiras.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Renan parte para o ataque: senador critica o ministro do STF Marco Aurélio Mello

Givaldo Barbosa / Agência O Globo

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) partiu para o ataque mais uma vez. O alvo da vez é o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello. Renan, numa rede social, disse que o magistrado “espanca” a separação de poderes ao decidir pelo fim do voto secreto na votação pela Presidência do Senado. O emedebista considera que essa é um assunto exclusivo do Senado. Renan também lembrou de outros episódios em que colidiu com Mello, um deles quando Mello tentou afastá-lo da presidência da Casa por meio de uma liminar em 2016.

Coluna Expresso – (POR MURILO RAMOS)

Opinião dos leitores

  1. Gostaria que alguém me explicasse qual é o mais safad……. fica visível tamanha preocupação para tornar público o voto aberto no quesito presidência do senado. Roub….. por cima de roub….. mas o povo quer e votam para que continud dessa forma, portanto viva esse país de analfabetos

  2. Esse corrupto sabe que ninguém tem coragem de votar nele pra presidente do senado, e quer a escolha com votos do porão, longe das vistas do povo brasileiro. Trapaceiro canalha

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Renan, Sarney e Jucá formam quadrilha, afirma Janot

Ao pedir autorização do Supremo Tribunal Federal para a instauração de inquérito destinado a apurar o crime de embaraço à Operação Lava Jato – formalmente embaraço à Justiça – supostamente cometido pelo ex-presidente José Sarney, os senadores do PMDB Renan Calheiros (AL) e Romero Jucá (RO), e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se refere ao grupo como “quadrilha” e “organização criminosa”.
“Está em curso um plano de embaraço da investigação por parte de integrantes da quadrilha e seus associados. Como sói acontecer em organizações criminosas bem estruturadas, o tráfico de influência é apenas uma das vertentes utilizadas por esses grupos”, afirma Janot.

No documento, Janot afirma que a atuação da Lava Jato, que resultou na prisão de dezenas de pessoas e recuperação de milhões em dinheiro desviado, gerou “grande preocupação de todos os integrantes da organização criminosa”.

“Esse temor, no caso do núcleo político, gestou um plano para obstrução da Operação Lava Jato, com a utilização desvirtuada das funções e prerrogativas do Poder Legislativo, cooptação do Poder Judiciário e desestruturação, por vendita e preocupação contra futuras atuações, do Ministério Público”, afirma o procurador no documento.

Segundo o procurador-geral, houve uma “atuação planejada e concentrada de congressistas” para, entre outras coisas, dificultar que investigados e réus celebrem acordos de colaboração premiada, rever e reduzir os poderes do Ministério Público e anistiar agentes públicos envolvidos. Janot também descreve a atuação do grupo para tentar exercer tráfico de influência junto ao então ministro relator das ações penais no Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki.

O pedido se fundamentou no termo de colaboração premiada assinado por Machado, no qual são transcritos trechos de mais de seis horas de conversas gravadas com Sarney, Jucá e Renan. Para o procurador, as conversas “demonstram a motivação de estancar e impedir, o quanto antes, os avanços da Operação Lava Jato em relação a políticos, especialmente do PMDB, do PSDB e do próprio PT, por meio de acordo com o Supremo Tribunal Federal e da aprovação de mudanças legislativas”.
Segundo o procurador-geral, o objetivo dos congressistas era “construir uma ampla base de apoio político para conseguir, pelo menos, aprovar três medidas de alteração do ordenamento jurídico em favor da organização criminosa – 1) proibição de acordos de colaboração premiada com investigados ou réus presos; 2) a proibição de execução provisória da sentença penal condenatória mesmo após rejeição dos recursos defensivos ordinários, o que redunda em reverter pela via legislativa o julgado do STF que consolidou esse entendimento; 3) e a alteração do regramento dos acordos de leniência, permitindo celebração de acordos independente de reconhecimento de crimes”.

Janot argumenta que há “elementos concretos de atuação concertada entre parlamentares, com uso institucional desviado, em descompasso com o interesse público e social, nitidamente para favorecimento dos mais diversos integrantes da organização criminosa”.

Defesas

Renan se manifestou por meio de sua assessoria. “O senador Renan Calheiros esclarece que não fez nenhum ato para embaraçar ou dificultar qualquer investigação e que sempre foi colaborativo, tanto que o Supremo Tribunal Federal já manifestou contrariamente à pedido idêntico.”

O criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro Kakay, defensor do senador Romero Jucá e do ex-presidente José Sarney, também falou sobre a instauração do inquérito. “Se houve crime este teria sido praticado pelo ex-diretor da Transpetro Sérgio Machado, autor das gravações que dão sustentação ao pedido de inquérito do procurador-geral da República Rodrigo Janot, que atribui aos peemedebistas suposta obstrução à Operação Lava Jato”.

“Eu acho que esse pedido é um pouco consequência, quase que natural, daquele pedido de prisão (dos peemedebistas) que foi feito (por Rodrigo Janot) e que foi um fiasco. Nas gravações realizadas por Sérgio Machado não tem nenhum sinal de qualquer tentativa de obstrução. Temos que fazer uma reflexão mais profunda sobre essa hipótese de tudo ser obstrução à Lava Jato”, escreveu.

“Quando se discutia a Lei de Abuso da Autoridade os procuradores foram ao Congresso e alardearam que estava havendo obstrução da Lava Jato. Ora, o projeto é de 2009, a Lava Jato nem existia. Depois, quando se criticava a prisão (de condenados) em segunda instância também vieram os procuradores e alegaram que isso iria paralisar a Lava Jato. Quer dizer, a Lava Jato é importantíssima, seus resultados são fantásticos, mas o País existe também fora da Lava Jato.”

“Pegar senadores discutindo modificação legislativa, que é a função deles, e dizer que estão tramando contra a Lava Jato é o mesmo que três ou quatro advogados criticarem a operação e, por isso, serem acusados de obstruírem a Justiça. Se algum jornalista fizer um olhar mais crítico à Lava Jato vão dizer que ele quer obstruir a Lava Jato.”

“Vivemos um momento crítico. É coisa grave. Virou um país monotemático. Não existe naquelas gravações (de Sérgio Machado) qualquer tentativa de obstrução à Lava Jato. (…) Não vejo no conteúdo das gravações nenhuma tentativa de obstrução.

UOL, com Estadão

 

Opinião dos leitores

  1. Esse advogado pensa que engana quem com ese discurso ridículo minha gente???? Mas está certo… fazendo o papel dele… fazendo jus ao seu contrato de honorários… E se ele está ganhando o dele, nada mais deve importar…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Renan sobre impeachment no Senado: ‘Tudo tem seu tempo’

RenanLulaMarquesFolha11Apontado como um dos últimos aliados do governo no PMDB, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse nesta quarta-feira que o voto no processo do impeachment é uma “questão de consciência” e criticou a postura de partidos que deixaram recentemente a base do governo e passaram a apoiar o processo que pode levar à derrubada da presidente Dilma Rousseff do poder. Segundo o senador, as legendas não deveriam exigir que suas bancadas votassem unidas a favor ou contra a queda da petista. Até o momento, fecharam questão pró-impeachment o PRB e as siglas de oposição, enquanto o governista PR e os recém-desembarcados PP e PMDB vão liberar as bancadas.

“Esse fechamento de questão nos partidos é uma forçação de barra, porque o que vamos ter é um julgamento do impeachment, que, mais que uma questão partidária, é, sobretudo, uma questão de consciência”, disse. O presidente do Senado evitou fazer projeções sobre a celeridade do processo de impeachment na Casa caso a Câmara dos Deputados aprove, no domingo, a admissibilidade do pedido contra a presidente Dilma. No caso de Fernando Collor de Mello, em 1992, o Senado acelerou a tramitação do processo, recebeu a documentação do impeachment no dia 30 de setembro e afastou o então presidente já no dia 2 de outubro.

“Eu não sou cartomante ou quiromante para fazer previsões. Tudo tem o seu tempo. O impedimento também tem seu tempo. É importante que se observem os prazos e que o presidente seja isento. Se o presidente da Casa não for isento, não guardar independência e responsabilidade que deve ter no cargo, ele acabará desequilibrando o processo, e esse não é o meu propósito”, afirmou, em um recado velado ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), aliado do vice-presidente Michel Temer e um dos principais artífices do impeachment de Dilma.

“Não vai, o Senado, ter um presidente que vai desequilibrar o processo”, completou.

Fonte: Veja

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Renan diz a aliados que vai provocar votação do impeachment nas férias

RenanCalheiros-Foto-WilsonDias-AgenciaBrasil-3fev2015O presidente do Senado e do Congresso, Renan Calheiros (PMDB-AL), fez chegar a aliados, nesta segunda-feira (7), a informação de que não pautará a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) antes do prazo definido na Constituição para o recesso parlamentar – 22 de dezembro, antes de quando deputados e senadores têm de finalizar a tramitação da peça orçamentária, sob pena de não poderem entrar em recesso. O objetivo de Renan, segundo relato de senadores próximos do peemedebista, vai ao encontro das pretensões do Palácio do Planalto a respeito do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, no sentido de acelerar tal votação – atualmente, Dilma dispõe de votos para derrubar a ofensiva contra seu mandato.

Segundo a Agência Estado, a ideia de Renan, a quem cabe convocar o Congresso no período de recesso parlamentar, é evitar a exposição da presidente Dilma, com os riscos de uma convocação extraordinária do Congresso para votar o processo de impeachment. A Constituição determina que, para a reunião especial de deputados e senadores em pleno recesso, é necessária a maioria absoluta dos votos tanto na Câmara quanto no Senado (257 e 41 votos, respectivamente) – segundo o Estadão de domingo (6), o imponderável da votação uma semana depois de ter sido iniciado o andamento do processo, antes da decisão sobre o impeachment, seria um indesejado termômetro do que pode acontecer ao governo.

O ano legislativo não poder ser concluído sem que deputados e senadores aprovem, nos termos do artigo 57 da Constituição, o texto da LDO. Segundo relato de aliados, Renan poderia simplesmente não pautar a votação da matéria, depois de eventual aprovação na Comissão Mista de Orçamento. O texto pode até ser pautado até 22 de dezembro, mas não ser votado por falta de quórum, por exemplo – o que geraria a convocação do Parlamento em pleno recesso, segundo os planos do Planalto.

Fonte: Congresso em Foco

Opinião dos leitores

  1. Aproveita e tira esse canalha também, ia esquecendo leva junto com ele, Collor de Merda, Henrique,Garibaldi, Jajá, Rogério Marinho e resto da cambada do RN.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

PGR pede abertura de inquéritos contra Renan, Jader e Delcídio

A Procuradoria-geral da República encaminhou nesta segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedidos para que sejam abertos dois novos inquéritos para investigar os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL), Jader Barbalho (PMDB-PA) e o ex-líder do governo Delcídio do Amaral (PT-MS) por indícios de lavagem de dinheiro e corrupção. Os casos serão analisados pelo ministro Teori Zavascki, relator das ações sobre o escândalo do petrolão na Corte.

Os dois pedidos de inquérito estão em segredo de Justiça e envolvem também o deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE), apontado pelos investigadores da Lava Jato como o preposto de Renan Calheiros no esquema de cobrança de propina em contratos fraudados na Petrobras.

Renan Calheiros já responde a outros inquéritos resultantes das investigações da Operação Lava Jato. Em um dos casos que motivou a abertura de investigação contra o presidente do Senado, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa informou às autoridades que Renan recebia dinheiro de empreiteiras contratadas pela estatal, realizava as negociatas em sua própria casa e recolhia propina da Transpetro, subsidiária da Petrobras então controlada por Sergio Machado, seu aliado. Em depoimento ao juiz Sergio Moro, o ex-diretor da Petrobras disse ter sido apadrinhado na Petrobras pelo PP e pelo PMDB e afirmou ter se reunido na casa do senador Romero Jucá (PMDB-RR), na casa Calheiros e também com o deputado Aníbal Gomes para discutir propina.

As diversas referências a Renan nos autos da Lava Jato, incluindo as recentes delações premiadas do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró e do lobista Fernando Baiano, demonstram, segundo o Ministério Público, que o peemedebista atuava no esquema de corrupção e fraudes em contratos na Petrobras. A força-tarefa de procuradores questiona as doações eleitorais recebidas pelo senador, apontando que várias empresas estavam envolvidas no esquema de corrupção de parlamentares e que elas utilizavam o sistema de doações eleitorais para camuflar o real objetivo das movimentações de dinheiro: o pagamento de propinas.

Já o lobista Fernando Baiano disse que repassou propina a integrantes do PMDB por conta da compra da refinaria de Pasadena, no Texas, e de contratos de sondas. Em acordo de delação premiada, conforme revelou VEJA, Baiano contou que o esquema de corrupção na área internacional da Petrobras começou em 2006, no governo Lula, e envolveu os senadores Renan Calheiros (PMDB), Delcídio Amaral (PT), Jader Barbalho (PMDB) e o ex-ministro Silas Rondeau, que, após o mensalão, substituiu Dilma Rousseff na pasta de Minas e Energia. Todos negam as acusações.

O presidente do Senado se manifestou sobre a questão por meio de nota:

O Presidente do Senado, Renan Calheiros, reitera que suas relações com as empresas públicas nunca ultrapassaram os limites institucionais. O Senador já prestou os esclarecimentos necessários, mas está à disposição para novas informações, se for o caso. O Senador acrescenta ainda que nunca autorizou, credenciou ou consentiu que seu nome fosse utilizado por terceiros.

Fonte: Veja

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Renan, Serra e Aécio discutem impeachment de Dilma em jantar

O PSDB ofereceu um jantar ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para discutir o agravamento da crise política e a possibilidade de abertura de um processo de impeachment contra Dilma Rousseff.

O encontro ocorreu na noite de terça (4), no apartamento do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). Participaram os últimos dois presidenciáveis tucanos, os senadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP).

Eles discutiram cenários no caso de destituição da presidente e eventual posse do vice, Michel Temer.

No jantar, integrantes dos dois partidos afirmaram que o governo está “perdido”, mas chegaram a um consenso de que a tese do impeachment “não está madura”, relataram à Folha quatro participantes do jantar.

Peemedebistas e tucanos criticaram as manobras do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para tentar acelerar a abertura de um processo de impedimento. Eles afirmaram que seria melhor esperar as manifestações do dia 16 e o julgamento das pedaladas fiscais no Tribunal de Contas da União.

Também foram feitas críticas à aprovação de uma “pauta-bomba” na Câmara, na contramão do ajuste.

Serra afirmou que os deputados estão cometendo “loucuras fiscais” ao aprovar projetos que aumentam os gastos públicos e reajustam os salários de servidores acima da inflação.

O tucano fez coro com o senador Romero Jucá (PMDB-RR) ao prever o agravamento da crise econômica nos próximos meses. Os dois traçaram um cenário de alta do desemprego e paralisação dos investimentos privados.

Os senadores discutiram as consequências econômicas de um possível impeachment.

O jantar foi descrito por tucanos como um gesto para se aproximar de Renan, que tem feito críticas públicas ao ajuste fiscal e à coordenação política do governo. No início do ano, o PSDB apoiou a candidatura de Luiz Henrique da Silveira (PMDB-SC) à presidência do Senado.

Também participaram os líderes do PMDB, Eunício Oliveira (CE), e do PSDB, Cássio Cunha Lima (PB), além do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP).

Folha Press

Opinião dos leitores

  1. Como Ciro Gomes disse, a direita só tem bundão e medrosos. Quero ver se essa galera se aguentar na rua caso o golpe seja dado. Mais uma vez digo: Não pensem q a militância do PT é a mesma do PRN. PRevejo dias turbulentas caso esse golpe aconteça.

  2. Qual seria o problemas das forças armadas se manifestarem? Lula já ameaçou com o exército de Stédile. Estão reclamando de quê PeTistas? Cada um usa as armas que tem. Só vocês podem ameaçar, conceituar, julgar, mostrar, constituir e ordenar?
    Qual é o sentido disso? Isso é democracia ou ditadura PeTista?
    O que vocês falam tem que ser obedecido e jamais inquestionável? Que ditadura é essa?
    O PT mantém sua inquisição dentro do ParTido de vocês, aqui fora ainda existe o direito a resposta, ao contraditório, a uma segunda opinião. Ou será que só os PeTistas tem direito a ampla e inesgotável defesa?

  3. Petralhada maldita alienada militonta, favor reproduzir o que o Senador José Serra falou, em defesa do desgoverno Dilma: "os deputados estão cometendo loucuras fiscais ao aprovar projetos que aumentam os gastos públicos e reajustam os salários de servidores acima da inflação".

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *