Polícia

JACAREZINHO – RJ: ONU pede que MP faça investigação independente, cita tendência de ‘uso desproporcional’ da força em favelas, e delegado nega execução: “quem não reagiu, foi preso”

Foto: Ricardo Moraes/Reuters

O escritório de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) cobrou, nessa sexta-feira (7), uma investigação independente sobre a operação policial no Jacarezinho que deixou 25 mortos, incluindo um policial.

O porta-voz dos Direitos Humanos da ONU, Rubert Colville, disse em entrevista coletiva em Genebra, na Suíça, que há um histórico de uso desproporcional e desnecessário da força pela polícia.

“Pedimos que o promotor conduza uma investigação independente e completa do caso de acordo com os padrões internacionais”, disse Colville

O porta-voz ainda se diz preocupado com o fato de que a cena do crime não tenha sido preservada, dificultando o trabalho da perícia para a elucidação das circunstâncias da morte.

“É particularmente preocupante que a operação tenha ocorrido apesar de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de 2020 restringindo as operações policiais em favelas durante a pandemia de Covid-19”, afirma Colville.

Ele faz um alerta às autoridades brasileiras para que o uso da força seja aplicado quando estritamente necessário, respeitando os princípios da legalidade, precaução necessidade e proporção.

“A força letal deve ser usada como último recurso e apenas em casos em que há ameaça iminente à vida ou de um sério perigo”.

Comissão da Alerj suspeita de execuções

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) afirma que há “graves indícios de execução” no Jacarezinho e também pediu uma investigação do Ministério Público.

“É preciso dar o nome correto do que aconteceu no Jacarezinho: chacina. É absurdo naturalizar esse tipo de ação. As pessoas esperam do governo a vacina e a comida, é só recebem terror e morte. Não existe pena de morte no Brasil. A polícia não pode combater o crime cometendo crimes contra humanidade. O MP precisa investigar com seriedade e compromisso com a população do Rio”, afirma a presidente do grupo, Renata Souza (PSOL).

25 mortos

Um dos mortos foi o policial civil André Leonardo de Mello Frias, da Delegacia de Combate à Drogas (Dcod). A Polícia Civil diz que os outros 24 assassinados eram criminosos, mas não revelou as identidades ou as circunstâncias em que foram mortos.

Moradores da comunidade denunciam que suspeitos foram executados. O Ministério Público recebeu, em sua ouvidoria, denúncias de abusos policiais, que estão sendo investigados.

O delegado Ronaldo Oliveira nega que tenha havido execução. “Para deixar bem claro: quem não reagiu, foi preso. Ou foi preso ou fugiu”.

O sociólogo Daniel Hirata, do Geni/UFF, classifica a operação como inaceitável e diz que é mais grave do que chacinas como a de Baixada Fluminense, em 2005, ou a de Vigário Geral, em 1993.

“Foi a operação mais letal que consta na nossa base de dados, não tem como qualificar de outra maneira que não como uma operação desastrosa (…) É uma ação autorizada pelas autoridades policiais, o que torna a situação muito mais grave”.

Ele diz que, segundo os moradores, a ação se tornou mais violenta após a morte do policial e que ficou “incontrolável”. Na manhã desta sexta, a comunidade amanheceu com policiamento reforçado.

Com G1

Opinião dos leitores

  1. Olha no que dá a complacência do estado, com a ajuda do STF, inclusive com a comprovada permissão de áreas destinadas ao crime com o uso de drogas, além do faz de conta de dar atenção devida às fronteiras e as amizades com governantes de países produtores de drogas. O Brasil virou rota e piada de péssimo gosto, hoje os meliantes mandam nas ruas e nós ficamos presos em casa. Quero saber se com pão e mortadela se conseguiria subir nesses antros de marginalidade, a política do faz de conta tem um preço amargo.

  2. Desproporcional como, se os bandidos defendidos pela esquerda seboso, pq existe uma esquerda coerente e inteligente, estava mais armada e com um quantitativo maior que a polícia? Só os canalhas semelhante aos bandidos os defendem.

  3. Os policiais tem de reagir imediatamente a essa onda de criminalização de suas obrigalções constitucionais, a polícia sempre existiu para defender a sociedade, como disse o Delegado, “quem não reagiu foi presso” se fosse a contráruio e tivese morrido 25 policiais os direitos humanos achariam normal.

  4. Que a ONU, os Direitos Humanos e as ONGS que defendem bandidos os adotem. Que sejam vítimas de sua crueldade. Qie morram nas mãos deles.
    Força desproporcional é bandido atirando em PM de cima para baixo, com armamento de maior letalidade e sem compromisso de preservar nenhuma vida de inocente.
    Que merda de país estamos construindo, onde só quem tem direitos são os bandidos e os políticos corruptos?
    Até quando a sociedade vai aceitar isso de forma passiva?
    Onde estão a ONU, os Direitos Humanos e essas ONGs sugadoras do dinheiro público quando bandidos matam o cidadão de bem ou os policiais?
    A sociedade precisa urgentemente exigir e lutar por mudanças, se quisermos uma sociedade melhor no futuro.

  5. Manda esse povo da ONU e outros subir lá no morro, distribuindo picolé e apenas dizendo que veio prender bandidos. Se sair um vivo é milagre…

  6. Acho que foram poucos CPF cancelados, o que tinha de marginal que foi filmado, fugindo pelos telhados é pouco! E a verdade é que a Polícia teve que reagir, já no início da operação executaram o inspetor da PC, André Farias! Ai vem Direitos Humanos, OAB, imprensa, deveriam considerar os policiais uns heróis em colocar a vida em risco em prol da população. História de não combater facção criminosa por causa da milícia é muita cara de pau! É preciso sim combater, punir e aumentar a pena dos dois!

  7. fez certinho, reagiu é chumbo tinha que ter matado mais, a ONU E BOSTA ÉW A MESMA COISA MANDA EM NADA AQUI NÃO, tem que fazer todo dia, bater ate reduzira a zero esses criminosos, operação feita com inteligência, parabéns a policia

  8. Quando a PM é juridicamente impedida de atuar em área, publicamente conhecida, como sendo de atuação de bandidos e traficantes, tem muita coisa errada com quem tomou a decisão. Essa pilantragem de combater bandido e traficante com conversa, convencimento e flores, é de uma irresponsabilidade imensurável, parece coisa de gente conivente com o crime.
    Qual a razão do viciado atacar cidadão com arma para tomar o dinheiro e ir comprar o tóxico? Porquê o cidadão está desarmado. Se o viciado for roubar o traficante, vai ser recebido a bala de grosso calibre. Essa é a realidade! O resto é discurso torpe
    Quais os partidos políticos que defendem o bandido com a máscara de excluído social?

  9. O que parece ser só mais uma operação desastrada e sem inteligência da polícia também pode ser visto como uma forma de preparo de terreno para que a milícia possa dominar um território aonde nunca conseguiu se instalar. É fácil ficar comentando como se fosse um apresentador de programa policial popularesco com chavões surrados, mas para quem vive nessas regiões sem lei essa novela não tem graça nenhuma.

    1. Quer ser inocente útil, é problema seu, mas não venha externar sua opinião desvirtuada. Milícia vai tomar conta do espaço a qualquer preço e na hora que estiver mais forte. A regra é quem está mais forte toma conta dos negócios, sempre foi assim. Mas alguns tem o desvio mental e deterioração social de só ver a ação da PM como coisa ruim. Vá para Colômbia e Venezuela, lá a Milícia em nome do governo faz o que você entende e aceita, só atua democraticamente.

  10. Polícia miliciana.
    Uma verdadeira chacina, nunca vi uma operação como essa no Leblon, Ipanema, barra da Tijuca, etc.

    1. Um jumento direitopata, eleitor de outro ASNO fascista e genocida falando de …”milícia”?!?!
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Esses eleitores do jumento mor fazem-me rir !!!!!!!!!
      Miliciano é esse assassino que voces doentes mentais colocaram na presidência por falta de opção, junto com a sua prole de BANDIDOS!
      Mais óia quem vem falar de milícia !!!kkkkkkkkkkkkkkkkk
      Vai estudar, JUMENTO!

  11. 24 CPF cancelados, engraçado é a imprensa fazer um alvoroço pela morte de 24 bandidos e ficar calada pela morte trágica de 3 crianças e 2 professoras por um esquerdista de 18 anos

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Portaria do Futuro: tendência que promete alavancar a segurança eletrônica em condomínios

FOTO: Divulgação

Com a promessa de oferecer mais segurança e mais economia, o sistema de portaria remota é um bom exemplo de tecnologia aplicada aos condomínios e que deve alavancar a segurança eletrônica em 2021. Tendência em países da Europa, essa inovação tecnológica ganhou as regiões Sul e Sudeste do Brasil há alguns anos, mas agora está conquistando também os nordestinos.

A portaria remota é um exemplo perfeito de impacto na vida dos condôminos e é capaz de promover, de forma positiva, uma mudança de cultura e costumes. Aos poucos, os profissionais do setor têm mostrado o quanto essa inovação tecnológica pode facilitar os processos que envolvem segurança, comunicação, eficiência e praticidade.

Com a ajuda de uma central de monitoramento, a portaria remota permite o controle de acesso de visitantes e prestadores de serviços à distância. Para que tudo isso funcione perfeitamente, o condomínio precisa contratar uma empresa especializada e investir em uma aparelhagem que consiste em câmeras de segurança, sistema de identificação de moradores e conexão de internet para que as imagens sejam transmitidas em tempo real. Com a tecnologia adquirida, um interfone virtual passa a funcionar no celular dos condôminos, comunicando sem fio com a portaria do empreendimento e/ou portaria remota.

Entre as principais vantagens deste modelo de portaria estão a segurança, a eficiência, a economia e, ainda, a redução de ações trabalhistas. “A segurança é, sem dúvida, o ponto mais forte da portaria remota, uma vez que desenvolvemos sistemas inteligentes e integrados. As portarias virtuais trazem agilidade e facilidade nas entradas e saídas de pessoas, visitantes e entregas. Isso porque tudo pode ser feito através de permissões pré-definidas pelos próprios moradores ou proprietários, como reconhecimento facial e biometria. Além de oferecer uma redução de custos, em alguns casos, de até 50%, em tempos de pandemia é essencial para evitar o contato com outras pessoas”, pontua Silvânia Melo, gerente administrativa da Personal Terceirização e Monitoramento.

NÚMEROS

No Brasil, mais de 500 mil condomínios já adotaram a tendência. Em 2019, a Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese) previu uma alta de 30% no setor de portaria e monitoramento remoto para 2020. Com a pandemia, esse crescimento se consolidou e especialistas preveem que, em 2021, os números sejam ainda maiores. A pesquisa da Abese também apontou que as regiões Sul e Sudeste são as que mais concentram este serviço, sendo São Paulo a cidade com maior adesão, somando 43%. O estado é seguido por Paraná (13%), Rio Grande do Sul (9,2%) e Rio de Janeiro (8,4%).

Opinião dos leitores

  1. Em condomínios de apartamento onde não é permitido entrar com o carro, pode até funcionar, mas em condomínios de casas, é inviável, enquanto vc fica fica esperando que a central te atenda, corre o risco de levarem vc e o carro…

  2. Meu condomínio já funciona com esse tipo de portaria, inicialmente não era a favor, mas no decorrer do tempo acabei observando que a segurança aumentou. Tudo fica registrado!

  3. Pelo lado dos porteiros, é triste!
    Mas, pelos custos, a portaria eletrônica é caminho sem volta!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

Natal é destino tendência para 2021 em lista do Ministério do Turismo

FOTO: Emprotur

A valorização do turismo doméstico é uma das tendências identificadas no comportamento do turista pós-covid. O Ministério do Turismo divulgou uma lista com os 21 destinos tendência para 2021. Nesse sentido, Natal (RN), conhecida como “Cidade do Sol”, figura como um dos destinos mais buscados para o ano. O levantamento foi realizado tomando como base os principais sites de pesquisa do setor, além de publicações e dos destinos que se alinham à demanda do novo turista.

Na região Centro-Oeste aparecem Brasília e os municípios goianos de Alto Paraíso de Goiás e Cavalcante onde está localizado o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, eleito um dos 25 melhores “Parques Nacionais” do mundo pela National Geographic. A mesma publicação elencou o cerrado brasileiro como único destino brasileiro indicado na lista de 25 melhores viagens para planejar no futuro.

“O levantamento reforça que estamos no caminho certo para que a retomada aconteça. O turismo doméstico tem um enorme potencial que merece ser conhecido pelos brasileiros e com esse foco que o Ministério do Turismo vem trabalhando – oferecer melhor infraestrutura, serviços cada vez mais qualificados e seguindo os protocolos de biossegurança”, comentou o ministro Gilson Machado Neto.

O Sudeste, juntamente com o Nordeste, lidera a listagem com sete destinos – Angra dos Reis (RJ), Belo Horizonte (MG), Petrópolis (RJ), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), São Sebastião (SP) e Ubatuba (SP). No Nordeste, além de João Pessoa (PB) aparecem também Ipojuca (PE), Fortaleza (CE), Maceió (AL), Natal (RN), Porto Seguro (BA) e Salvador (BA).

A região Sul conta com quatro destinos: Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Foz do Iguaçu (PR) e Gramado (RS). Os destinos seguem a tendência de comportamento identificada em viajantes pós-covid de optar por destinos de natureza ou com foco no turismo rural. De acordo com o Booking, 59% dos entrevistados pretendem ir para um destino de natureza próximo. Ainda segundo o buscador, outra forte tendência é a opção por viagens rápidas, três em cada quatro (73%) brasileiros querem fazer viagens mais curtas em 2021 do que fizeram em 2019 – ocupando, mais uma vez, o primeiro lugar no ranking global em meio aos viajantes que demonstraram esse desejo.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo

Opinião dos leitores

  1. Essa porcaria desse governo, diretamente contribui com a desvalorização do real diante do dólar e literalmente prende quem almeja conhecer ou voltar ao exterior. Muito triste viver em um país onde faz de sua população escravos e uma submissão extrema.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

ALÉM DO HOME OFFICE: Semana de 4 dias e escritórios sem aperto são tendências fortes no mundo do trabalho pós-pandemia

TUDO EM CASA – Agatha Matias, gerente de marketing da Unilever, trabalha sempre acompanhada do gatinho Fubá: “Em tempos tão difíceis, o home office me proporcionou segurança e melhor qualidade de vida”. A empresa é pioneira em flexibilização, o que facilitou sua adaptação à pandemia – Egberto Nogueira/Ímãfotogaleria/VEJA

“A única coisa que devemos temer é o próprio medo”, discursou o presidente americano Franklin Delano Roosevelt (1882-1945) em março de 1933, durante o lançamento do New Deal, o bem-sucedido plano de recuperação econômica para combater a crise de 1929, a Grande Depressão. O programa revolucionou o mercado com inovações como o salário mínimo, a redução da jornada de trabalho e o seguro-desemprego. Quase um século depois, outro grande e trágico acontecimento — a pandemia do novo coronavírus — também mudará para sempre a vida do trabalhador e dos patrões. Cada vez mais, flexibilização será regra do jogo, mesmo depois de a vacina chegar. Em tempos normais, apenas algumas empresas consideradas excêntricas apostavam no home office. O isolamento social, porém, pôs o paradigma do trabalho remoto à prova e agora até mesmo os mais céticos reconhecem que é possível ganhar dinheiro, até mais, fora do escritório — na mais visível das mudanças provocadas pela disseminação do vírus, que mexeu também com as famílias (leia aqui) e com os serviços de telemedicina (leia aqui).

VEJA entrevistou nos últimos dias executivos de algumas das maiores empresas do Brasil para descobrir quais tendências dominarão o mercado daqui por diante. Logo de cara, ficou evidente: não há pressa para voltar ao escritório. O Itaú já avisou seus 55 000 colaboradores que o trabalho remoto será mantido ao menos até fevereiro de 2021. Na companhia de alimentos Kraft Heinz, só 10% do pessoal tem ido até a sede, mas apenas às segundas e terças-feiras, e sempre de forma voluntária. Aqueles que pertencem ao grupo de risco ou usam transporte público estão proibidos de retornar. Já a XP Investimentos decidiu dar um passo além das rivais e aboliu definitivamente o trabalho presencial.

Todas as empresas consultadas pela reportagem afirmaram que estão plenamente satisfeitas com o desempenho de seu pessoal durante a pandemia e que, mesmo a distância, a produtividade aumentou. Segundo David Vélez, CEO do banco digital Nubank, as taxas de engajamento dos funcionários que estão em casa bateram recorde de 90% durante a pandemia. “Todos os times reportaram ganhos de produtividade”, afirma. O corte de custos, a melhora na qualidade de vida e a possibilidade de contratar talentos em qualquer parte do mundo são outros benefícios do trabalho remoto apontados pelos gestores. A falta de interação pessoal, aquele cafezinho no corredor que pode suscitar ideias geniais, é um ponto negativo, mas as empresas estão atrás de soluções. “Tivemos de revisar as formas de comunicação, com reuniões pontuais e concisas”, diz Maurício Rodrigues, vice-presidente de finanças da farmacêutica alemã Bayer.

AMBIENTE AREJADO – Selda Klein, gerente de RH da C&A, na reformada sede da empresa: “Agora temos espaços mais abertos e integrados, sem baias nem mesas fixas, e com fácil comunicação” – Egberto Nogueira/Ímãfotogaleria/VEJA

Gigantes estrangeiros como Twitter e Facebook já sinalizaram o desejo de implementar o home office permanente para quem assim preferir. No Brasil, o Bradesco deu a seus funcionários a opção de trabalhar remotamente de forma fixa, oferecendo uma ajuda de custo de 1 080 reais no primeiro ano para cobrir gastos com internet e luz. A tendência geral, porém, caminha em direção ao modelo “híbrido”, com os funcionários indo de um a três dias até a firma.

A pandemia, sem dúvida alguma, quebrou as barreiras do horário comercial e rotinas preestabelecidas. A multinacional Unilever, que foi pioneira em medidas de flexibilização no Brasil, como o job sharing (no qual pessoas dividem uma mesma função e trabalham apenas três dias por semana) e jornada de meio período, pretende ampliar seu leque, com horários livres para os funcionários — eles decidem o melhor período para a labuta. Algumas empresas usam a tecnologia para monitorar e controlar os horários dos funcionários, mas a tendência é que as relações sejam cada vez mais de confiança. “O que importa é entregar as tarefas”, diz Flavia Caroni, diretora de RH da Kraft Heinz. Entre as novas ideias destaca-se a adoção de um dia a mais de descanso, incentivada até por governos como o da Alemanha, Nova Zelândia e Reino Unido. “A semana de quatro dias pode funcionar em qualquer negócio ou país”, diz o neozelandês Andrew Barnes, autor do livro The 4 Day Week (A Semana de Quatro Dias). “A redução da jornada de trabalho protege todas as tradições e estilos de vida, fatores cruciais para a coesão familiar, qualidade de vida e senso de comunidade.”

A maioria das empresas brasileiras, porém, não se entusiasma com a ideia de reduzir a jornada. Na realidade, os funcionários têm trabalhado mais, o que explica inclusive a alta produtividade. Especialmente no começo da pandemia, muitos esticaram a jornada temendo perder o emprego. A conta, porém, sempre chega e a saúde mental passou a ser prioridade. A Ambev criou um departamento exclusivo para o atendimento psicológico de seus funcionários. Palestras e aulas de mindfulness (atenção plena) foram incorporadas ao expediente.

O novo normal afetou mais drasticamente o topo e a base da pirâmide corporativa. Os mais jovens se ressentem do acompanhamento presencial, o que exige maior capacidade de adaptação e amadurecimento, mas têm a seu favor a familiaridade com as tecnologias. Já os chefes tiveram de se tornar mais facilitadores e menos controladores. “A pandemia trouxe tristeza, mas também aprendizado”, afirma Sofia Esteves, fundadora da Cia de Talentos, a maior empresa de recrutamento do país. “O líder tinha uma exigência muito grande de ser o super-­homem e, diante da incerteza, teve de assumir suas fragilidades e desenvolver sua sensibilidade.”

Nesse cenário, os escritórios não vão morrer, mas terão de ser “ressignificados”, para usar uma palavra típica do mundo corporativo. “A sede da empresa é um catalisador de sua cultura e ganhou um papel mais importante, já que as pessoas não têm de estar lá o tempo todo. O novo escritório tem de ser uma experiência mais atrativa e sedutora”, diz Sérgio Athié, presidente do Athié Wohnrath, maior escritório de arquitetura do país, especializado em projetos corporativos. “As grandes mesas com porta-retratos da família devem ser extintas e dar lugar a espaços colaborativos. Até pelo temor de uma nova pandemia futura, espaços mais abertos e ventilados, como a cobertura dos prédios ou o térreo, devem ser reaproveitados.”

Diante da necessidade de cortar custos, os chamados coworkings, ou escritórios compartilhados, tendem a ganhar tração. “A demanda por flexibilidade, que já existia, explodiu”, diz Lucas Mendes, CEO da WeWork no Brasil. Recentemente, a empresa lançou um cartão que dá acesso a todos os prédios da empresa no mundo. No Brasil, o passo mais ousado, reafirme-se, foi da XP Investimentos. A empresa aboliu o trabalho presencial e está construindo a Villa XP, um câmpus amplo e futurista que lembrará as sedes de Apple e Google, no Vale do Silício, e da Tencent, em Shenzhen, China.

São Roque, no interior de São Paulo, receberá o projeto, que contará com hotel, restaurantes, áreas de lazer e esportes, clínicas médicas, creches, laboratórios, auditórios e salas de reuniões abastecidas por fontes de energia renováveis. Engana-se, porém, quem pensa que os funcionários terão de se deslocar para o ambiente. O espaço receberá eventos corporativos, e não só da XP, além de atividades pontuais para funcionários, como o treinamento de novos contratados. “A ideia é ter um espaço moderno, em consonância com a dinâmica do trabalho descentralizado”, diz Guilherme Sant’Anna, head de gente e gestão da XP. “O escritório será utilizado só por funcionários em treinamento e para reuniões específicas.”

A tecnologia, evidentemente, se torna cada vez mais fundamental para viabilizar essa mudança. A Via Varejo, dona de Casas Bahia, Ponto Frio e do site de vendas do Extra, avançou a digitalização da empresa, pondo de pé um modelo até então ignorado pelas varejistas: a venda pelo Whats­App. As questões relacionadas aos benefícios também demandam mudanças. “Estando mais em casa, o colaborador deve ter maior autonomia e flexibilidade”, diz Raphael Machioni, CEO da Vee, startup de benefícios como vale-cultura e planos de academias de ginástica. “Ele pode, por exemplo, trocar o vale-transporte por um auxílio home office.” As novidades do mercado também são fruto da reforma trabalhista, que atualizou a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e regulamentou o teletrabalho. Melhor ou não, só o tempo dirá, mas certamente o novo mundo profissional será muito diferente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Secretário de saúde confirma estabilidade da covid-19 no RN e tendência de declínio

Foto: Sandro Menezes – ASSECOM/RN/ILUSTRATIVA

Em entrevista coletiva para apresentação dos dados epidemiológicos da Covid-19 nesta quarta-feira (16), o secretário estadual de Saúde, Cipriano Maia, destacou que apesar da situação de estabilidade da doença no estado ainda é preciso seguir o distanciamento físico e, principalmente, o uso correto da máscara. “Mais uma vez repetimos que a pandemia não acabou. Há uma ameaça de um novo surto com o crescimento da transmissibilidade na Europa e nós não podemos relaxar”.

Os dados apresentados pela Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), apontam um total de 65.933 casos confirmados, 30.807 suspeitos e 128.251 descartados. Foram registrados 2.330 óbitos, sendo dois nas últimas 24 horas e ainda 282 óbitos em investigação.

O número de novos casos nas últimas 24 horas foi de 286. Cipriano lembrou que no auge da pandemia o número de casos chegou a um pico de 1.000 novos registros em um dia. “A tendência é de declínio, mas a nossa meta é que não registremos nenhum óbito. A população, as autoridades e as instituições devem seguir a retomada com responsabilidade, respeito e cumprimento das normas de segurança”, frisou.

No RN, a taxa de ocupação de leitos está em 42,2%. Por região, a ocupação de leitos é a seguinte: Seridó – 67%, Oeste – 42%, Metropolitana de Natal – 34%, Alto Oeste – 80%, Potengi-Trairi – 18%, Mato Grande e Agreste 33% – todos os leitos Covid disponíveis. Até o final da manhã desta quarta (16) há 243 pessoas internadas em leitos críticos e clínicos nas unidades de saúde públicas e privadas.

O índice R(t) – que determina o potencial de propagação do vírus – segundo os dados do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde – LAIS da UFRN, está em 0,87 para o RN como um todo. Porém, essa taxa de transmissibilidade continua acima de 1 nas regiões do Oeste (1,11), Alto Oeste (1,09) e Seridó (1,03). A taxa de isolamento da população está em 36,1%, de acordo com o secretário o número é compatível com o processo de retomada das atividades.

Opinião dos leitores

  1. Favor enumerar ao menos duas ações concretas e reais da governadora contra o Covid caríssimos petistas. 5 milhões desviados? Contra a invermectina? Falência das empresas do estado? Não criação de leitos e divulgação de Leitos fakes no interior do estado?
    Fez uma super mega ultra medida, mandou um secretário com cara de pinguço ficar no RN Tv falando em nome dela e quando saía da toca da Redinha: falava o mesmo discurso de Dilmalouca: Estamos trabalhando incansavelmente, repito, trabalhando incansavelmente, ‘’ripito’’. Só faltou falar em dobrar a meta ou ensacar vento das eólicas como a ídola dela. Por que será que o prefeito Foi o político que mais cresceu no Brasil?

  2. Se tivesse dependido de Bolsonaro, o nº de mortos teria pelo menos dobrado.
    Quem não se lembra dos "bons" exemplos que ele deu?
    Parabéns à governadora e seu secretário!
    OBS. Enviar recursos federais pro Estado não é bondade, é obrigação.

  3. Obrigado presidente Jair MESSIAS Bolsonaro por ter ajudado os municípios do Rio Grande do Norte no combate ao vírus Chinês. Se nós fôssemos depender dessa Desgovernadora ridícula, nós estaríamos fud…

  4. Dali , Fátima! Campeã do Brasil em diminuição da COVID 19. Isso se chama gestão em saúde. Rumo a mais um mandato. São mais 06 anos . Quem não aguentar , P …rsrsrs

    1. Parabéns! Kkkkk ficou escondida em um buraco durante a pandemia e os prefeitos administrando os recursos, EPIs e medicações repassadas pelo governo federal… Pior avaliação durante o covid…. As pesquisas, não sou eu kkkkkkkk

    2. Kkkk
      Dalhe ivermectina cloroquina.
      Vamos tocar o barco, por essa desgovernadora o povo tava em casa escondido igual a ela.
      Cadê o hospital de campanha?
      Cadê o dinheiro das ambulâncias?
      Cade os respiradores???
      Governo fraco, pífio e inoperante.
      Pede pra sair incompetente.
      Fora Fátima do PT.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Consumo de insetos é tendência e você já pode estar participando sem saber

Mais expostos ou disfarçados em pratos, os insetos devem se tornar, cada vez mais, uma parte da alimentação das pessoas Foto: Rossano Linassi / Divulgação

Quem nunca sentiu medo ou nojo ao ver um inseto? Da barata à borboleta, esse grupo de animais não faz parte da alimentação de boa parte da população do Brasil. Mas o que está por trás dessa aversão? E, afinal, quais são as vantagens de se consumir insetos, na chamada entomofagia?

Primeiramente, é importante destacar que os insetos que vemos no nosso cotidiano não devem ser iguais aos que consumimos. O chef Rossano Linassi explica que, quando produzidos para consumo, os insetos são criados em cativeiro, em condições especiais.

“O maior cuidado é impedir que [os insetos] saiam e outros entrem, com barreiras físicas”, explica Linassi. Esse bloqueio é essencial, pois impede que insetos do ambiente externo, possivelmente com doenças, contaminem os do ambiente especial.

Além disso, os insetos recebem como alimentação trigo, aveia, frutas e legumes. Os ambientes de criação também têm controle de temperatura e umidade. Segundo Linassi, a criação é tranquila, mas ainda não é barata. “As criações são pequenas e direcionadas para produção de ração. A produção pequena impacta no preço do quilo [de inseto], tornando-o mais caro. Isso ocorre por ter poucos produtores grandes e uma produção mais manual”, destaca o chef.

Atualmente não há nenhuma lei que proíba o consumo de insetos por humanos no Brasil, mas também não há uma legislação específica sobre o assunto. No geral, a maior parte dos criadores volta-se para a produção de ração, devido à baixa demanda por parte de consumidores humanos.

Casé Oliveira, chef de cozinha e presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Insetos (Asbraci), explica que, como qualquer outro alimento, os insetos ficam sujeitos a leis de padrão de qualidade e boas práticas de manipulação. Quando usados em restaurantes e outros estabelecimentos comerciais, a fiscalização da qualidade dos insetos fica a cargo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Já quando os insetos são usados como componentes de alimentos industrializados, prática mais comum do que imaginamos, o produto, e toda sua composição, é enviado à Anvisa e analisado. “Essa comprovação é uma obrigação do fabricante que deve apresentar à Anvisa um dossiê técnico-científico com as informações necessárias para a avaliação, incluindo dados de avaliação toxicológica e potencial alergênico”, explica a Anvisa em nota enviada para o E+.

“Hoje comemos [insetos] de forma involuntária, não sabemos que está na composição”, explica Casé Oliveira, se referindo aos alimentos industrializados. Dentre os alimentos que podem possuir insetos na composição, Oliveira destaca: “Todos os produtos industrializados com corantes orgânicos de cor rosa, vinho ou púrpura, têm o corante carmim, feito de inseto. Em suco de caixinha é muito usado. [Insetos] Já estão no nosso dia a dia, como na maquiagem por exemplo”.

Na opinião do chef, um ponto importante é sempre olhar os rótulos dos produtos que estamos comprando, entretanto não é incomum que empresas tentem mascarar a presença de insetos, substituindo o nome dos animais pela classificação técnica dos componentes.

Os benefícios de incluir insetos na alimentação

(mais…)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *