Apreensão de droga nas fronteiras disparam e crescem 295% passando 90t para 356t

Foto: Fabio Seixo | Agência O Globo

O Programa Nacional de Segurança das Fronteiras e Divisas (VIGIA) do Ministério da Justiça registrou, nos últimos quatro meses, um aumento de 295% na apreensão de drogas em comparação ao primeiro quadrimestre do ano.

De maio a agosto de 2020, foram apreendidas 356 toneladas de drogas apreendidas, entre maconha, cocaína, haxixe e outros entorpecentes. De janeiro a abril, foram 90 toneladas.

Foram confiscados também 27 milhões de maços de cigarros, contra 24 milhões no primeiro quadrimestre do ano, o que representa um aumento de 16%. O crescimento também foi registrado na apreensão de veículos (47%), embarcações (167%), armas (12%) e celulares (605%). O número de prisões efetuadas durante as operações também cresceu (48%).

Lauro Jardim – O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Maconhista disse:

    Maconha não é droga seus idiotas, é uma planta! Droga é rivotril, whisky, aspirina.

  2. Tarcísio Eimar disse:

    Libera essa porra. Agora alteram a CF e o código penal pra pena de morte também, lei do talião também é uma boa. Amigo veio onde tem peia, cacete, chibata, açoite, pau no lombo nego pensa duas vezes antes de errar.

  3. Jacó disse:

    Já imaginou o viciado poder ter uma plantinha de maconha em casa para poder usar quando quiser!!?? esses malditos traficantes iriam ter que arrumar outro meio de vida.

  4. Eu disse:

    Isso podia tá gerando empregos, renda e recolhendo impostos mas só está dando custos polícia, justiça, cadeia e saúde. Legalizado tira o poder econômico das facções, libera a força policial, desafoga a justiça, prisões e ajuda a pagar a conta da saúde.

  5. A verdade está lá fora disse:

    Liberar as droas e depois tratar os viciados???? Que idéia brilhante
    O Uruguai liberaram, depois o trafico aumentou seguindo de roubo e homicídios.
    Quem vai controlar a droga? Vão criar um maconhabrás???

    • Jair disse:

      Empresas privadas, igual a Souza Cruz ou Ambev que produzem as drogas cigarro e álcool, ficariam encarregadas da produção e venda aos otários. Seriam milhares de empregos criados, além de impostos gerados para o Estado, que ficaria encarregado de promover campanhas de esclarecimento sobre o perigo das drogas, assim como é feito com cigarros. Só para lembrar, a violência no Uruguai e muitíssimo menor que no Brasil.

  6. François Cevert disse:

    Parabéns as Pf's, PRF's, PC´s e PM's dos estados de fronteiras desse brasilzão que comem um dobrado correndo atrás dos traficantes e fazendo apreensões importantes para nosso país.

    • Jair disse:

      Libera o uso das drogas, faz uma campanha forte contra o consumo e trata os viciados, pois além de acabar com o tráfico, geraria empregos formais e ainda deslocaria esse pessoal da segurança que trabalha no combate ao tráfico para outras atividades, como por exemplo, fiscalizar e prender os ladrões de fios do centro da cidade, pois estão roubando toda a fiação da região central da cidade e a polícia não faz absolutamente nada. Estou vendo a hora a Cosern criar uma polícia privada para acabar com esses escárnio.

China fechará fronteiras a estrangeiros para evitar nova onda de contaminação do coronavírus

Médicos usam roupas de prevenção à Covid-19 para trabalhar em um hospital de Hubei, na China Foto: NOEL CELIS / AFP

A China decretou nesta quinta-feira que fechará temporariamente suas fronteiras para a maioria dos estrangeiros, mesmo aqueles com vistos de entrada ou autorização de residência válidos, devido à pandemia da Covid-19, anunciou o Ministério das Relações Exteriores. A medida, que entrará em vigor à 0h local de sábado (13h de sexta-feira no horário de Brasília) visa evitar a reincidência da disseminação em massa do vírus no país.

Em comunicado, Chancelaria afirmou que “é uma medida provisória que a China está sendo forçada a tomar para lidar diante de uma situação de repique” da epidemia, citando medidas semelhantes adotadas por outros países.

A China, onde a pandemia do novo coronavírus começou em dezembro, na cidade de Wuhan, não registrou novos casos de transmissão local em seis dos últimos oito dias, mas o número de casos em pessoas que chegam do exterior chegou a 500. Todos os 67 casos novos relatados até o final da quarta-feira foram importados, e todos os 47 comunicados no dia anterior idem, disse a Comissão Nacional de Saúde em um comunicado emitido nesta quinta-feira. O número total de casos está em 81.285 no momento.

Mais cedo, Pequim já havia ordenado que as companhias aéreas reduzissem drasticamente o número de vôos dentro e fora do país, pois Pequim teme que os viajantes do exterior possam reacender o surto de coronavírus que paralisou o país por dois meses.

A Administração da Aviação Civil da China (AACC) ordenou as companhias aéreas chinesas a manter apenas uma rota para qualquer país e limitar o número de voos para um por semana, a partir de 29 de março. Companhias aéreas estrangeiras também serão obrigadas a reduzir a suas rotas internacionais para a China e a operar apenas uma rota para o país.

Em comunicado, o órgão regulador afirmou que, “de acordo com a necessidade de contenção de epidemias, a AACC pode imprimir uma política para reduzir ainda mais o número total de vôos internacionais de passageiros”.

Cerca de 80% dos vôos internacionais já estavam sendo cancelados antes do anúncio, mas as companhias aéreas chinesas foram convidadas a não cortar suas rotas internacionais até o pedido feito nesta quinta-feira pela AACC.

Reforço também no Japão

O Japão, que até agora conseguiu evitar a disseminação em massa do coronavírus que atingiu a Europa e a América do Norte, também tomou novas medidas urgentes nesta quinta-feira para responder ao que o primeiro-ministro, Shinzo Abe, descreveu como uma “crise nacional”, após uma onda de casos em Tóquio.

Com 47 novos casos relatados na capital, Abe proibiu a entrada de cidadãos de 21 países europeus e do Irã e criou uma nova força-tarefa para crises — um passo preliminar para declarar estado de emergência, apesar de seu governo ter dito que não havia nada planejado nesse sentido.

— Para superar o que pode ser descrito como uma crise nacional, é necessário que o estado, os governos locais, a comunidade médica e o povo ajam como um só e avancem com medidas contra infecções por coronavírus — disse Abe em um encontro da força-tarefa.

Abe disse ainda que lançou a força-tarefa sob uma lei recentemente revisada, depois de receber um relatório que apontava uma grande chance de o vírus se espalhar amplamente pelo país.

Na noite de quinta-feira, o Japão tinha 1.369 casos domésticos de coronavírus, além de 712 do cruzeiro marítimo atracado perto de Tóquio, que durante um tempo chegou a ser a maior fonte de infecções fora da China, de acordo com registros da emissora NHK. Houve 46 mortes domésticas e 10 de passageiros do navio.

As autoridades japonesas temem que um aumento de casos sem fonte conhecida de infecção possa sinalizar uma nova onda maior.

Em Tóquio, o total diário de novos casos quase triplicou nos últimos quatro dias. Na última quarta-feira, a governadora Yuriko Koike já havia alertado para o risco de um aumento explosivo de infecções na capital. Koike pediu aos moradores que evitem passeios não essenciais até 12 de abril, especialmente no fim de semana.

A governadora solicitou ainda que as prefeituras vizinhas de Saitama, Chiba e Kanagawa pedissem a seus residentes que se abstivessem de viagens não urgentes e não essenciais a Tóquio, informou o jornal Nikkei. Mais tarde, o governador de Kanagawa pediu aos moradores que ficassem em casa neste fim de semana.

— O governo e as autoridades locais cooperarão com a consciência de que este é um momento muito crítico para impedir a propagação do vírus — disse em entrevista coletiva o secretário-geral do gabinete, Yosihide Suga.

Mais tarde, Suga afirmou, no entanto, não haver necessidade de mudar o plano de reabrir as escolas no início de abril. Muitas fecharam no início deste mês a pedido de Abe.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eugênio Neco disse:

    Deveriam ter pensado antes de comer os morcegos contaminados.

  2. Observador disse:

    agora que fecham, depois de quebrar o resto do planeta. País irresponsável, criminoso.

  3. Tarcísio Eimar disse:

    Mais q lógico, já está quase livre do surto. Pra que se misturar agora.

  4. Roberto disse:

    No dos outros é refresco…

  5. ForaCanalhas disse:

    Faça uma IMPLOSÃO que resolve de uma vez por todas. Exportadores de desgraça!!!!

  6. N.A. disse:

    Feche e jogue as chaves fora, essa PRAGA veio de lá. Quem danado que ir naquela MERDA?

União Europeia fecha fronteiras por 30 dias para conter coronavírus


A União Europeia determinou nesta segunda-feira (16) o fechamento de todas as fronteiras para viagens não essenciais por 30 dias, como uma medida de controlar o coronavírus.

A presidente do bloco, Ursula von der Leyen disse também que o prazo pode se estender por mais que 30 dias caso seja necessário.

A decisão foi tomada depois que diversos países do bloco, como Itália, Espanha, Alemanha, França, Portugal, Polônia, Grécia e Bulgária fecharam fronteiras e/ou restringiram o acesso de turistas aos países.

Viagens entre a União Europeia e o Reino Unido, que deixou o bloco no começo no dia 31 de janeiro, serão permitidas até o plano ser finalizado na terça-feira (17), disse a presidente.

A Europa se tornou o epicentro da crise, que começou em Wuhan, na China, depois que o país asiático conseguiu controlar o número de novos contágios. A Itália se tornou o país mais atingido, com mais de 24 mil casos e 1,8 mil mortes.

O plano também vai analisar como será mantido o livre mercado entre os países e como ele vai operar sem riscos.

Até agora, as únicas exceções determinadas para a proibição de viagens serão para cidadãos da União Europeia voltando para casa, funcionários da área da saúde e cientistas que estão trabalhando pela vacina contra o coronavírus e pessoas que viajam entre países da União Europeia pelo trabalho.

R7