Saúde

Pesquisar sobre saúde na internet ajuda pessoas a reconhecerem sintomas, reconhece estudo em Harvard

Foto: Pixabay

Sinto febre alta e dor de cabeça. Se eu perguntar ao Google, ele vai me dizer que pode ser uma simples gripe, mas também há a possibilidade de se tratar de um caso de dengue. Ou então meningite. E quem sabe hepatite E? Que atire a primeira pedra quem nunca recorreu à internet diante dos primeiros sinais de que algo no seu corpo talvez estivesse errado.

Esse hábito é tão comum, que pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, decidiram analisá-lo para entender seus impactos na vida das pessoas.

“Frequentemente, eu recebo pacientes que só vieram até o meu consultório porque pesquisaram alguma coisa no Google e a internet disse que eles têm câncer”, relata, em nota, David Levine, um dos autores da investigação. “Eu pensei: isso acontece com todos? Quanta cibercondria [ansiedade resultante de buscas online relacionadas à saúde] a internet está criando?”, questiona.

Publicado no periódico JAMA Network Open no último dia 29 de março, o estudo contou com 5 mil pessoas e utilizou descrições de doenças que costumam afetar a população, como viroses, ataque cardíaco e derrame. Cada participante teve que ler uma lista de sintomas e imaginar que eles se aplicavam a alguém próximo, como um amigo ou familiar. Em seguida, os indivíduos forneceram um diagnóstico com base nas informações dadas. Depois, eles procuravam os sintomas na internet e apresentavam novamente um veredicto.

Após identificar qual seria a condição correspondente aos sintomas, os participantes selecionaram um grau de triagem para cada caso, variando entre “deixe o problema de saúde melhorar por conta própria” e “ligue para a emergência”. Além disso, foi solicitado que os indivíduos registrassem os próprios níveis de ansiedade.

Os pesquisadores concluíram que as buscas online deram uma pequena ajuda às pessoas, que apresentaram diagnósticos mais corretos após recorrerem à internet. Não foi registrada uma melhora na habilidade de escolher a triagem mais adequada e tampouco foram identificadas alterações na ansiedade.

“Nosso trabalho sugere que provavelmente não há problema em dizer aos nossos pacientes para pesquisarem sintomas”, afirma Levine. “Isso começa a formar a base da evidência de que não há tanto perigo e que, na verdade, pode existir alguma vantagem”, complementa.

Apesar disso, os especialistas reconhecem que há uma certa limitação no estudo, uma vez que os participantes imaginaram que os sintomas se aplicavam a algum amigo ou parente. Não se sabe se as pessoas agiriam da mesma forma caso elas mesmas estivessem sob análise. Além disso, a pesquisa não representa todos os internautas que utilizam a internet para fazer buscas relacionadas à saúde.

Galileu

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Pernambucano de 17 anos entra em Harvard: ‘Vou aplicar meu conhecimento no Brasil’

Foto: Arquivo Pessoal

O jovem de 17 anos João Victor Arruda, morador de Camaragibe, em Pernambuco, desbancou milhares de concorrentes e foi admitido em umas mais importantes instituições de ensino do mundo, a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. O adolescente irá cursar Government, o que seria equivalente ao curso de Ciência Política.

Para ingressar em Harvard o processo envolveu a reunião de diversos documentos, como cartas de recomendação, redações sobre experiências pessoais, análise das notas do Ensino Médio e a realização de provas. O jovem afirma que a universidade americana recebeu 10.086 candidatos de todo o mundo e, apenas 747 foram aprovados. João está entre os três representantes do Brasil, sendo o único do Nordeste.

O estudante João Victor afirma que recebeu apoio do programa Oportunidades Acadêmicas, do EducationUSA, para acompanhar todas as etapas do processo. A previsão é de que ele viaje aos Estados Unidos em agosto deste ano, com a ajuda financeira do programa, além da bolsa recebida pela própria universidade.

“Eles oferecem ajuda individual e financeira para alunos de baixa renda que sejam academicamente qualificados para estudar nos EUA. Além disso, também tive muito apoio moral de amigos e professores”, conta o estudante.

Ele afirma que a família nunca teve dinheiro para lhe pagar curso de Inglês, mas com determinação estudou sozinho e hoje considera bom o seu nível de idioma para acompanhar as aulas na universidade americana.

“Pretendo seguir a carreira diplomática ou política no futuro, mas de qualquer forma quero regressar ao Brasil e atuar na construção de um futuro melhor para nossa nação. Pretendo aplicar todos os conhecimentos que irei obter em Harvard e trazê-los para o Brasil”, diz.

O estudante atribui a conquista a seu esforço e comenta que ainda não assimilou que, em breve, estará na conceituada Universidade de Harvard.

“Quando eu soube foi uma mistura de “não acredito” com realização. Na verdade, a ficha não caiu ainda. Costumo brincar que só vai cair quando eu estiver no campus, mas também me sinto muito feliz em saber que meus esforços deram resultado, principalmente depois desse ano caótico que foi 2020”.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Vacina contra o câncer criada em Harvard é eficaz em 100% dos testes

Esponja é inserida sob a pele em área onde paciente teve tumor removido. Foto: Divulgação/Wynn Institute

Cientistas do Wynn Institute, ligado à Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, conseguiram resultados promissores em uma potencial vacina contra alguns tipos de câncer.

O estudo, publicado nesta semana na revista científica Nature Communications, mostra que o pequeno disco desenvolvido foi capaz de prevenir a recidiva de tumores em camundongos.

A vacina é um biomaterial do tamanho de um comprimido (8 mm x 2 mm) que foi idealizado para ser implantado na área onde o paciente já teve um tumor prévio, como de mama, por exemplo.

Essa esponja é implantada sob a pele e projetada para recrutar e reprogramar as células imunológicas do próprio paciente “no local”, instruindo-as a viajar pelo corpo, alojar-se nas células cancerosas e, em seguida, matá-las.

Segundo o Wynn Institute, a potencial vacina reúne o poder de dois dos tratamentos muito usados contra o câncer: a quimioterapia e a imunoterapia.

Ao mesmo tempo em que tem a capacidade de matar as células cancerígenas (quimioterapia), ela também tem o efeito de longo prazo da imunoterapia.

“Quando camundongos com câncer de mama triplo-negativo agressivo (TNBC) receberam a vacina, 100% deles sobreviveram a uma injeção subsequente de células cancerosas sem recidiva”, diz o estudo.

Um dos autores do estudo, Hua Wang, ressaltou a importância desse tipo de tecnologia para o tratamento de alguns tipos de tumores malignos cujos tratamentos disponíveis hoje não têm tanta eficácia.

“O câncer de mama triplo-negativo não estimula respostas fortes do sistema imunológico, e as imunoterapias existentes não conseguiram tratá-lo. Em nosso sistema, a imunoterapia atrai várias células imunológicas para o tumor, enquanto a quimioterapia produz um grande número de fragmentos de células cancerosas mortas que as células imunológicas podem pegar e usar para gerar uma resposta eficaz e específica contra o tumor.”

Embora otimistas, os estudos para esse tipo de antígeno ainda precisam de mais respostas e devem continuar pelos próximos anos. Os cientistas pretendem explorar combinações de quimioterapia com vacinas contra o câncer para melhorar a resposta antitumoral em casos de difícil tratamento.

O diretor-fundador do Wyss Institute, Don Ingber, comemorou o avanço da potencial vacina e disse que ela “oferece uma nova esperança para o tratamento de uma ampla gama de cânceres”.

“É uma forma inteiramente nova de quimioterapia combinada que pode ser administrada por meio de uma única injeção e potencialmente oferece maior eficácia com toxicidade muito menor do que os tratamentos convencionais usados ​​hoje.”

R7

Opinião dos leitores

  1. Pelo informado parece que é muito menos agressivo do que a quimioterapia e rádio terapia, podendo, talvez, ser implantada perto de algum órgão onde é perigoso aplicar estes tratamentos tipo uma artéria do coração, resta saber o valor, quando estará pronta e se os urubus que ganham dinheiro com os tratamentos atuais irão permitir.

  2. Vai ser obrigatória a quem tem a doença ou nesse caso não precisa? Tem que ser respeitado o direito humano sobre a vida?
    Nesse caso, a pessoa pode decidir se quer ou não tomar e como vai ficar sua vida?
    Em países democráticos como Venezuela, Cuba e Coréia do Norte quem vai de uso é o líder, ditador e democrata soberano, mandatário da nação. O ditador manda e criam a justificativa que "assim será melhor para todos, só assim, obrigando a tomar, o povo será salvo".

    1. Pela resposta do Edvaldo, já sabemos em quem votou..
      NÃO leu…nem sabe do que o texto fala, mas já tá dando sua "opinião".
      Muuuuuuuuuuuu

    2. Vamos com calma, se for comunista no poder é obrigação; caso seja messias, a gente toma por devoção.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Aluno que trabalhava como lixeiro é aceito em curso de direito de Harvard

Rehan Staton e o irmão: ex-lixeiro deve começar as aulas em Harvard no segundo semestre deste ano (Instagram/Reprodução)

Quando criança, Rehan Staton foi chamado de “deficiente” por um professor e não vislumbrava um futuro com sucesso. Em meio a problemas familiares e dificuldades financeiras, as notas do futuro estudante de direito em Harvard só caíam e seu rendimento na escola era baixo.

“Muitas vezes não havia comida na mesa e eletricidade em casa”, recordou Staton ao jornal The Washington Post. “Isso foi comum durante toda a minha infância.”

A vida escolar de Rehan piorou depois que sua mãe o abandonou com os dois irmãos e o pai. A vida do jovem americano só começou a ter algum propósito quando ele começou a praticar esportes na escola e se apaixonou por boxe. No entanto, problemas de saúde o impediram de seguir em frente.

Depois de formado no ensino médio, ele não foi aceito em nenhuma universidade e começou a trabalhar como lixeiro na cidade de Bladensburg, no estado de Maryland. Foi nesse trabalho, que começava às cinco horas da manhã, que Rehan encontrou o apoio para voltar a estudar.

“Os outros lixeiros foram as únicas pessoas na minha vida que me colocaram para cima e me disseram que eu poderia ser alguém”, disse Staton na reportagem do jornal americano.

Primeiro, o universitário começou a estudar uma espécie de ciclo básico na Universidade de Maryland, mas ele ainda não havia desistido de estudar Direito e ainda não podia abrir mão do trabalho como lixeiro. Quando não podia tomar banho antes da aula, Rehan sentava nos fundos da sala para evitar as encaradas e os comentários dos colegas.

Em uma publicação no seu Instagram, Rehan Staton agradeceu ao irmão, que precisou abandonar os estudos e voltar a trabalhar para que Rehan pudesse ir para faculdade.

“Então, eu fui negado por todas as faculdades às quais me inscrevi depois do colegial, então peguei um emprego como lixeiro para ajudar meu pai. Mas uma chance de ir para Bowie State apareceu. No entanto, eu precisava manter meu emprego para poder ajudar meu pai nas contas, porque meu irmão já estava na faculdade. Meu irmão abandonou a escola depois que o semestre terminou para que ele pudesse conseguir um emprego para cobrir as contas e para que eu pudesse ir para a escola. Esse sacrifício é a única razão pela qual vou para a Faculdade de Direito de Harvard neste outono. Isso não seria possível sem você. Eu te amo, grande irmão”.

Enquanto trabalhava em período integral, Rehan fez as inscrições para diversas escolas de direito nos Estados Unidos. Além de Harvard, ele foi aceito na Universidade de Columbia, na Universidade de Pennsylvania e na Universidade do Sudeste da Califórnia.

Rehan, no entanto, escolheu a faculdade mais famosa do mundo e deve começar as aulas em Harvard no segundo semestre deste ano.

Exame

 

Opinião dos leitores

  1. Uma em um milhão, parabéns. A maioria fica naquela estória; quando crescer vou ser isso ou aquilo, quando começa a crescer fica buchada e começa o perrengue de novo.

    1. Gente fracassada é assim mesmo, desdenha das conquistas alheias.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Distanciamento social intermitente pode ser necessário até 2022 se não houver vacina, diz estudo de Harvard

Foto: Ilustrativa/Seleções

Estratégias intermitentes de distanciamento social talvez precisem ser empregadas até 2022 para evitar que o novo coronavírus continue a colocar em risco os sistemas de saúde mundo afora, indica um estudo assinado por pesquisadores da Universidade Harvard, nos EUA.

Na pesquisa, que acaba de sair na revista especializada Science, a equipe liderada por Marc Lipsitch, do Departamento de Epidemiologia da instituição americana, usou dados sobre o Sars-CoV-2 e sobre outras formas de coronavírus para tentar simular uma enorme variedade de cenários de evolução da Covid-19 ao longo dos próximos anos, chegando até 2025.

As incertezas são grandes, a começar pelo fato de que ainda não está claro como ficará a imunidade das pessoas que já tiveram a doença e se recuperaram. Mas, considerando tudo o que sabe sobre os parentes do vírus que circularam ou ainda circulam pelo planeta, a resistência ao parasita, criada por uma primeira infecção que o organismo debelou produzindo anticorpos, será temporária, durando apenas um ou dois anos. Essa é, por exemplo, a escala de tempo da imunidade ao causador da Sars, “primo” do patógeno causador da atual pandemia.

Nessas condições, a tendência é que o novo coronavírus, Sars-CoV-2, passe a circular todos os anos, ou a cada biênio, tal como outros coronavírus que hoje causam formas de resfriado mundo afora (em geral, com sintomas leves ou moderados). Com a ajuda dos dados existentes nos EUA sobre a circulação desses coronavírus que já são velhos conhecidos dos médicos, os cientistas testaram estimar o que pode acontecer com a nova ameaça.

Uma das mais informações mais importantes para tais simulações é o chamado R0 ou número de reprodução básica — grosso modo, correspondente a quantas novas pessoas alguém que carrega o vírus é capaz de infectar, em média. Um R0 = 3, por exemplo, significa que cada doente contamina, em geral, três outras pessoas.

Os dados americanos indicam que os coronavírus que já são “mansos” possuem R0 em torno de 2. O número tende a cair nos meses mais quentes do ano e a subir no outono e no inverno, e essa queda é mais acentuada nos lugares mais frios, como Nova York, e menos importante nos locais mais quentes, como a Flórida. Já os dados obtidos até agora sobre o Sars-CoV-2 indicam que seu R0 fica entre 2 e 3, e não se sabe até que ponto ele pode ter atuação sazonal (dependente da época do ano).

Seja como for, todas as simulações mostram que o vírus continuaria conseguindo se multiplicar na população em qualquer período do ano. O que muda se ele “gostar” mais do inverno é a presença de picos maiores e recorrentes nessa época.

Os pesquisadores também simularam os efeitos das medidas de distanciamento social — fechamento de escolas, eventos, comércio, restrição da circulação etc. — sobre o avanço da doença e a sobrecarga do sistema de saúde. A principal variável seria justamente o efeito sobre o R0 do vírus (reduções de 60%, 40% ou 20% na quantidade de pessoas infectadas por cada doente, por exemplo).

Um dos indicativos importantes é que o distanciamento social radical, se realizado uma única vez e por um período relativamente curto, talvez traga resultados piores, porque ele acaba “reservando” uma grande população de pessoas suscetíveis, sem que haja chance de algumas delas desenvolverem defesas. Assim, quando o contato com o vírus retorna, o pico de casos pode ser mais abrupto. Nas simulações, fases de distanciamento social longas (20 semanas de duração) e com efetividade moderada (reduzindo o R0 do vírus entre 20% e 40%) são as que mais conseguem reduzir o tamanho total e os picos da doença.

Os pesquisadores ressaltam que seu objetivo não é recomendar políticas específicas, já que é preciso considerar também fatores econômicos e sociais. O único jeito de calibrar melhor as medidas vai ser obter mais conhecimento, a começar por dados sobre o comportamento do vírus em regiões tropicais como o Brasil – eles ressaltam que seus dados valem para as áreas temperadas da Terra.

Também vai ser preciso saber como a imunidade ao Sars-CoV-2 realmente funciona e entender o impacto de medidas como medicamentos e vacinas (por ora, não há nada confiável, apesar dos muitos testes). Vai ser crucial testar cada vez mais pessoas para determinar a presença de anticorpos contra o vírus e saber calibrar o “abre e fecha” do distanciamento social com base na proporção de novos casos e de leitos de hospital e UTI na população de cada país, destacam eles.

“Eu diria que é uma previsão simples, mas honesta”, diz Chico Camargo, que faz pesquisa de pós-doutorado em ciência de dados na Universidade de Oxford (Reino Unido). “O modelo deles não divide a população em categorias demográficas, como a idade, nem considera nenhuma intervenção como o rastreamento de contatos. Uma das coisas que vai tornar a nossa sociedade mais resistente a essas doenças é poder reagir rápido, no estilo da Coreia ou de Hong Kong, e nos lugares certos, sem fechar tudo.”

Folha de São Paulo

 

Opinião dos leitores

  1. Se sobrarem pessoas vivas, pois as que o covid19 não matar o Doria45 vai matá-las de fome, sede e falta de hospitais. A crise só existe porque o PSDB nunca investiu em nada na área da saúde nesse estado! Só criou alguns Hospitais para esquecer de manter os anteriores. Puro marketing.

  2. Triste esta estimativa, pois no Brasil vai falir todas as empresas as quais já estavam na UTI econômica a bastante tempo. Em assim sendo, vamos preparar pra uma guerra civil.

  3. Curioso. Até 2022, o ano da eleição presidencial. Muito curioso. O presidente é JAIR MESSIAS BOLSONARO. Igualzinho a massa de bolo, quanto mais bate, mais cresce. Vão se acostumando aí…. lacração despeitada. Vão morrendo aí do bofe…..

  4. Vai ter vacina no final desse ano.
    A maior corrida do ouro atualmente é comercializar essa vacina.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

O professor de Harvard que acredita que podemos estar diante de uma prova de vida alienígena

É em meio ao silêncio que o físico Abraham Loeb, chefe do Departamento de Astronomia da Universidade Harvard, encontra inspiração para resolver de forma criativa problemas científicos complexos. Questões sobre a origem e o destino da humanidade sempre estiveram presentes em sua vida. Até a adolescência, Avi, como é conhecido, viveu na fazenda de seus pais, em Israel. Aos fins de tarde, ele buscava ovos no galinheiro. E, nos finais de semana, trabalhava dirigindo um trator.

Alimentava sua solidão lendo filósofos e escritores existencialistas, como o francês Jean-Paul Sartre e o argelino Albert Camus. Se não fosse o serviço militar obrigatório, Loeb poderia ter estudado filosofia. “Trabalhava na fazenda sozinho, sem pessoas à minha volta, cercado pela natureza e pensando sobre as questões fundamentais”, explica Loeb à Galileu. “Atualmente, eu consigo inspiração na maioria das vezes quando estou sozinho, sem pessoas por perto. Eu gosto de ser independente.”

Sua mais recente paz criativa, no entanto, tem causado uma das maiores polêmicas no mundo científico. Loeb é um dos primeiros cientistas considerados sérios, de uma prestigiada universidade norte-americana, a defender que o Oumuamua, o primeiro objeto a cruzar nosso espaço vindo de fora do Sistema Solar, possivelmente tenha sido construído por uma civilização alienígena, quem sabe na própria Via Láctea.

“Eu não considero a discussão sobre vida fora da Terra de forma especulativa. Cerca de um quarto de todas as estrelas possuem um planeta do mesmo tamanho e temperatura como a Terra, onde água líquida deve existir e a química da vida como a conhecemos possa ter se desenvolvido”, afirma. “Se você jogar os dados dezenas de bilhões de vezes só na Via Láctea, há uma pequena chance de estarmos sozinhos. Qualquer um que defenda que somos únicos e especiais está demonstrando arrogância.”

Em outubro de 2017, pesquisadores da Universidade do Havaí detectaram por meio do telescópio Pan-Starrs esse objeto. Devido à sua trajetória fora dos padrões dentro do Sistema Solar, batizaram-no de Oumuamua, que em havaiano significa “mensageiro de muito longe que chega primeiro”. Cientistas do mundo se debruçaram sobre esse estranho visitante. De onde teria vindo tal objeto?

Com cerca de 400 metros de comprimento, ele mostrava desvios de órbita em relação ao Sol e uma aceleração e brilho incomuns a cometas e asteroides. Até que em 2018, Loeb e seu aluno de pós-doutorado Shmuel Bialy publicaram um artigo científico na revista Astrophysical Journal Letters que deixou todo mundo de cabelo em pé.

Com as informações obtidas nas três noites de observação em 2017, foi possível sugerir que o formato do Oumuamua se assemelhava a um charuto alongado e muito fino, de cor avermelhada, com brilho dez vezes mais intenso que um asteroide ou cometa. Para Loeb, o objeto poderia ser natural, produzido de uma forma desconhecida no universo, ou realmente um objeto artificial.

Pela sua velocidade, de 26 km/s, e aceleração próximo ao Sol sem a detecção de emissões de gás, como ocorre no derretimento de gelo em cometas, Loeb sugere que poderia ser uma vela solar flutuando no espaço, um lixo espacial de algum equipamento tecnológico. “Outra alternativa, em um cenário mais exótico, o Oumuamua pode ser uma sonda totalmente operacional enviada intencionalmente para as vizinhanças da Terra por uma civilização alienígena”, escrevem os pesquisadores.

Desde então, Loeb virou pop star da ciência, um garoto propaganda da possibilidade de se encontrar vida além da Terra, procurado pela imprensa e por cineastas interessados em levar a sua história para as telas.

(mais…)

Opinião dos leitores

  1. Já não bastasse o dogma de reencarnação do espiritismo, ainda aparece esse louco de pedra.

  2. Melhor ele continuar procurando ovos em galinheiro, porque alienígena ele não vai encontrar nunca.

    Como é que a pessoa passa a vida inteira estudando para nada?

    Só Freud para explicar a cabeças desses babacas mesmo

  3. Tal qual a propagando do shampoo denorex, aquele que 'parece mas não é', uma prova de vida que parece ser alienígena diante das asneiras que profere, seria a ameba fascista, sua prole imbecil e seus seguidores alien nados.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Witzel colocou no currículo doutorado em Harvard, mas nunca estudou na universidade; assessoria explica “intenção”

Foto: Mauro Pimentel / AFP

O ex-juiz federal e governador do Rio, Wilson Witzel, tem, pelo menos, sete cursos em seu histórico acadêmico. No currículo Lattes – plataforma em que profissionais listam seus feitos ao longo da carreira -, ele enumera cursos de graduação e de pós em várias universidades. Uma passagem pela prestigiada Harvard é um dos pontos altos: lá, Witzel teria feito um curso conhecido como “sanduíche”, quando o aluno faz parte do doutorado numa instituição de ensino internacional parceira da universidade em que estuda. No caso do governador, um pedaço da pós-graduação em “judicialização da política” que ele cumpre na Universidade Federal Fluminense, desde 2015, teria sido feito no campus de Cambridge, no estado de Massachusetts, nos EUA. Mas, o problema é que isso nunca aconteceu. A UFF informou ao GLOBO que o governador nunca sequer manifestou interesse em participar da seleção. Apenas dois alunos matriculados na mesma pós-graduação de Witzel foram para lá. É preciso se candidatar e passar por pelo crivo da universidade para obter a bolsa, que é financiada pelo governo brasileiro.

Procurado, Witzel confirmou que não estudou em Harvard. A informação, segundo a sua assessoria de imprensa, constava na plataforma Lattes porque o governador tinha a intenção de estudar na universidade americana durante um ano quando ainda era juiz federal, mas o objetivo nunca foi à frente. Curiosamente, o governador cita, inclusive, o nome de seu orientador na universidade dos EUA, o professor Mark Tushnet. Agora, o governador prometeu corrigir o currículo e acrescentou que pretende fazer a defesa de sua tese, na UFF, até agosto deste ano. A última edição do currículo do governador foi feita no dia 8 de abril de 2016, um ano após ele ter ingressado no doutorado. De acordo com a universidade, as inscrições para o “sanduíche” em Harvard estiveram abertas entre 2015 e 2018.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Se fizerem uma devassa nos lattes, vão descobrir que há mais ficção do que realidade.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

Artigo publicado em Harvard lista 11 dicas que podem ajudar a melhorar o sexo; especialistas destacam que truques são infalíveis

Fotos: shutterstock

O corpo sofre uma série de transformações físicas com a idade que acabam influenciando na sexualidade. Os níveis hormonais caem e há alterações no funcionamento neurológico e circulatório, cenário que pode levar a problemas sexuais, como a disfunção erétil ou a dor vaginal. Tudo isso contribui para relações sexuais menos prazerosas. Diante disso, como melhorar o sexo?

Um artigo publicado na revista de saúde da Universidade de Harvard, dos Estados Unidos, vem para responder a questão. Os especialistas fizeram uma lista com 11 dicas que podem ajudar a melhorar o sexo . Adotando os truques, a vida sexual pode ser muito mais prazerosa.

Como melhorar o sexo?

Veja as 11 dicas de Harvard de como melhorar o sexo:

1. Eduque-se

Tem alguma questão sobre sexo? Pesquise! Há uma série de bons materiais de autoajuda disponíveis sobre todo o tipo de questão sexual. Navegue na internet, faça algumas pesquisas para que você e a pessoa com que se relaciona se informem melhor sobre as questões.

Se você quer abordar alguma questão com o outro, mas não sabe como, a ideia é destacar alguns trechos da pesquisa e mostrar, perguntando sutilmente “o que você acha disso?”.

2. Dê tempo a si mesmo

Quando o corpo envelhece, as respostas sexuais começam a diminuir. Para melhorar isso, os especialistas indicam ao casal buscar um ambiente tranquilo, confortável e sem interrupções para o sexo.

Além disso, é preciso entender que com as mudanças físicas do seu corpo significa que será preciso mais tempo para se excitar e chegar ao orgasmo. Dê tempo ao seu corpo e compreenda essas mudanças físicas. Adaptar-se à elas pode ser uma boa forma de melhorar as relações.

3. Use lubrificante

O ressecamento vaginal costuma chegar junto com a menopausa. Porém, o problema é bem fácil de resolver, basta usar lubrificante artificial.

O produto vai deixar a penetração mais confortável e facilitar o sexo. Há uma infinidade de produtos, o que também pode deixar a relação mais divertida.

4. Mantenha o contato físico

Com o passar do tempo, é comum o contato físico do casal esfriar e os beijos e amassos não serem mais tão frequentes. No entanto, isso também é prejudicial para o sexo. Os especialistas de Harvard sugerem fazer o possível para se envolver, beijar e abraçar para manter um vínculo emocional e físico com a pessoa.

5. Pratique o toque

Explore as zonas erógenas do corpo da pessoa com quem você se relaciona. As zonas erógenas são regiões do corpo com várias terminações nervosas, por isso, são mais sensíveis ao toque e causam prazer quanto tocadas, como, por exemplo, a parte interna da coxa e os seios.

A dica é guiar o outro por essas regiões e mostrar onde você gosta de ser tocada.

6. Aposte em diferentes posições sexuais

Tentar posições sexuais diferentes não apenas deixa o sexo mais divertido, como também pode ajudar a dar mais prazer para a mulher.

De acordo com os especialistas, se você quer mais estimulação no ponto G, por exemplo, o ideal é o homem penetrar a parceira por trás. Dessa forma, o toque será mais profundo e atingirá a região mais facilmente.

7. Coloque as fantasias sexuais em prática

A dica é começar anotando suas possíveis fantasias sexuais e atividades que deseja colocar em prática com o parceiro. Tente pensar em uma experiência ou em um filme que tenha despertado em você o desejo sexual e compartilhe essa memória com o outro. Segundo os especialistas, esse exercício é bastante útil para pessoas com pouca libido. Depois, coloquem em prática.

8. Faça exercícios de Kegel

Exercícios de Kegal são movimentos que fortalecem o assoalho pélvico e melhoram o desempenho sexual. Os especialistas explicam que tanto homens quanto mulheres podem fazer os exercícios.

Para praticar, você deve contrair o músculo como se estivesse tentando segurar a urina no meio do processo. Segure a contração por dois três segundos e solte. Repita o exercício por dez vezes. O ideal é fazer cinco séries por dia.

O bom desses exercícios é que eles podem ser feitos em qualquer lugar, seja dirigindo, sentada na mesa do trabalho ou em pé na fila do banco.

Com o assoalho pélvico fortalecido, as mulheres conseguem sentir mais prazer na relação e chegar ao orgasmo mais facilmente.

9. Relaxe

A dica é relaxar antes do sexo . Faça algo tranquilo e que te deixe confortável antes de partir para a relação sexual. O casal pode sair para jantar e tomar um bom vinho, fazer joguinhos eróticos ou até assistir um filme romântico para se preparar para a cama. Além disso, os especialistas indicam técnicas de relaxamento, como exercícios de respiração ou yoga.

10. Use brinquedos sexuais

Brinquedos sexuais, como vibradores, são ótimas ferramentas para conhecer o próprio corpo e entender seus pontos de fazer. Não tenha medo de comprar um vibrador e conhecer o próprio corpo, ele vai te ajudar a chegar lá mais facilmente.

11. Não desista

Você colocou todas as dicas anteriores em prática e ainda não foi o suficiente para melhorar o sexo ? Não desista. Busque ajuda com ginecologistas, sexólogas e terapeutas sexuais. Essas são profissionais preparadas para lidar com as questões sexuais da melhor forma e te ajudarão a encontrar outras saídas para lidar com o problema.

IG

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

“Vou ser claro: a democracia não está em risco no Brasil. Absolutamente não. O que está acontecendo é a luta pelo Estado de Direito”, declara Moro em Harvard

Foto: Jorge Araújo – Folha Press

Pouco mais de uma semana após ter ordenado a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o juiz Sergio Moro afirmou nesta segunda (16) que a democracia brasileira não está em risco.

“Vou ser claro: a democracia não está em risco no Brasil. Absolutamente não. O que está acontecendo é a luta pelo Estado de Direito”, declarou. “Eu acho que é exatamente o oposto. Ao final, nós teremos uma democracia mais forte, e uma economia ainda mais forte.”

Moro pediu licença para fazer um “comentário inicial sobre o que está acontecendo” ao participar de um painel sobre crimes de colarinho branco na Universidade de Harvard, nos EUA.

“É importante dizer algumas coisas, porque o mundo está prestando atenção”, comentou, em referência, ainda que não explícita, à recente prisão do líder petista.

Diante de uma plateia de juízes, procuradores e estudantes de direito brasileiros, o magistrado afirmou que há dois jeitos de encarar a situação do Brasil neste momento: uma, com vergonha. Outra, com orgulho.

“Há alguma razão para estarmos orgulhosos, não de um juiz ou de alguns procuradores, mas do povo brasileiro como um todo”, afirmou, lembrando dos protestos contra a corrupção ocorridos nos últimos anos.

O juiz citou ainda um discurso do então presidente americano Theodore Roosevelt, em 1903, que afirmou que “a exposição e punição da corrupção pública é uma honra para uma nação, e não uma desgraça”. Moro já havia mencionado o mesmo discurso em um vídeo que divulgou na noite anterior às eleições em 2016.

“Eu acho que isso define o que boa parte do povo brasileiro pensa neste momento”, disse.

O evento de que Moro participa é organizado pela Harvard Law Brazilian Studies Association.

Abordado pela Folha, Moro não quis comentar a invasão ao tríplex no Guarujá que é atribuído ao ex-presidente Lula, sob o argumento que poderá ter que se posicionar sobre o episódio nos autos no futuro.

DELAÇÕES LEVES

O magistrado ainda reconheceu, durante o painel, que alguns acordos de delação premiada firmados no decorrer da Lava Jato foram “muito leves” —mas que eram a alternativa possível diante do histórico de impunidade em casos de corrupção.

“É preciso levar em conta as condições de negociação dos procuradores”, afirmou. “Eu concordo que alguns [acordos] poderiam ter sido mais duros, mas às vezes é difícil.”

Moro ainda voltou a defender o fim do foro privilegiado, inclusive para juízes, e declarou ser a favor de uma emenda constitucional para acabar com a ferramenta, que chamou de “um escudo contra a responsabilização”. Foi aplaudido pela plateia.

O tema irá voltar a julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal) no dia 2 de maio.

Perguntado pela imprensa se o fim da prerrogativa de foro não poderia aumentar o risco de influência política no Judiciário, em processos contra prefeitos e vereadores pelo interior do país, o juiz afirmou que toda mudança “tem benefícios e, eventualmente, efeitos colaterais”.

“Aí precisa de transparência. Você tem o juiz, o promotor, a sociedade civil local”, comentou.

O evento de que Moro participou foi organizado pela Harvard Law Brazilian Studies Association.

Além dele, também falaram nesta segunda o ministro do STF Luís Roberto Barroso, a procuradora-geral da República Raquel Dodge e o juiz federal no Rio de Janeiro Marcelo Bretas, entre outros.

Folha de São Paulo

 

 

Opinião dos leitores

  1. Quando eu penso em começar à acreditar no judiciário vem uma proposta no mínimo indecente como a que foi divulgada hoje no estado do RN onde estão querendo pagar retroativo de 2006 até a data de hoje no TJ sobre licença-prémio. Por outro lado penso " Vão devolver para quê ? Para o executivo desviar como é de costume. Resumindo, é desvio de todo lado e os menos favorecidos ou esclarecidos é que pagam o pato como sempre! País de gente hipócrita.

  2. Muito boa a escolha dos palestrantes: o ministro do STF Luís Roberto Barroso, a procuradora-geral da República Raquel Dodge e o juiz federal no Rio de Janeiro Marcelo Bretas, além do próprio Sérgio Moro. Eis aí um time de patriotas, de pessoas de fibra, que está lutando por um futuro melhor para nossa nação. Se diminuir a corrupção nas esferas do poder, sem dúvida melhora a vida do brasileiro.

  3. Aplaudido na Universidade de Harvard, nos EUA, a quem serve e serviu esse tempo todo, e vaiado na Universidade Federal do Paraná, por destruir os Direitos e Garantias fundamentais em processos onde o juiz atua como investigador e julgador da sua própria investigação, ultrapassando todos os limites da justiça sob o olhar omisso e conivente do STF, para proteger um grupo e perseguir outro com agilidade e manipulações grosseiras de entendimento que permitiu condenar uns e libertar outros praticamente sob os mesmos argumentos, como o caso da mulher de Cunha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Pesquisador de Harvard apóia a história de um homem zumbi que teria voltado para casa após 21 anos “morto”

444Ele afirma ter sido envenenado e enterrado vivo e exumado logo depois. A religião afro-caribenha do Vudu (também chamada de Vodun ou Voodoo) possui inúmeras histórias de controle da mente e do corpo, possessão e pessoas em estado de “zumbi”.

Embora muitos sejam céticos e não acreditem na possibilidade, um pesquisador canadense diz ter encontrado uma explicação para um importante caso que ocorreu no Haiti.

Clairvius Narcisse era um homem haitiano, pobre, que nasceu gravemente doente em 1962. Seus sintomas incluíam febre, dificuldade para respirar e sensação de insetos rastejando sob sua pele. Ele foi levado para o hospital e tratado por médicos (um deles era americano e havia sido treinado nos EUA). Após alguns meses, seu estado de saúde declinou e ele foi considerado morto e enterrado em seguida.

A história de Narcisse diz que ele acordou dentro do caixão. Ele teria sido colocado em transe através de envenenamento ou sob efeito de feitiço. Na noite seguinte, ele foi exumado por um Bokor, um tipo de xamã do Vudu e levado para um local ainda desconhecido. Foi-lhe dado algum tipo de mistura para colocá-lo em estado de “zumbi”. A substância o deixou susceptível a sugestões e comandos, e ele foi forçado a trabalhar em uma plantação de cana-de-açúcar de manhã até a noite. A cada dia, a mesma mistura era dada a ele, o que mantinha seu corpo disponível para receber ordens.

Alguns presos conseguiram fugir desse cativeiro, inclusive Narcisse, que viveu 18 anos vagando e mendigando nas ruas. Em 1981, ele chegou à sua aldeia natal e foi reconhecido por sua irmã, mesmo após 20 anos. Ele também a reconheceu porque ela gritou bem alto em seu ouvido. Ela o convenceu que ele ‘era ele’, através de um apelido usado apenas na família.

Um psiquiatra foi trazido para questionar Narcisse sobre sua história. Ele foi capaz de responder corretamente todas as perguntas com base na informação dada por sua família.

Os meios de comunicação do país mostraram sua história e diversos canais de notícias de grande importância nos EUA cobriram o caso. Além disso, pesquisadores da prestigiada Universidade de Harvard pesquisaram o ocorrido.

Um deles, o etnobotânico Wade Davis (que estuda como as pessoas usam as plantas), afirmou que Narcisse realmente pode ter ficado sob influência de uma ou mais drogas para mantê-lo em estado sedativo-sugestivo.

De acordo com Davis, uma neurotoxina chamada tetrodotoxina, abreviada como TTX, é responsável pelo estado de “morte”, exatamente o estado que Narcisse apresentou ao ser declarado morto e ter sido enterrado. A toxina está disponível através de algumas espécies de sapos no Haiti. Narciso acha que seu irmão foi o responsável por fazê-lo tomar a toxina.

Doses diárias de uma toxina paralisante, aparentemente, não conseguem fazer você se tornar um escravo, mas Narcisse acredita que outra planta, chamada Datura stramonium, pode ter sido incluída na mistura que foi dada não só a ele, mas também para outros trabalhadores, produzindo efeitos de delírio, sugestionabilidade e amnésia. Doses mais elevadas produzem efeito de alucinação.

O pesquisador Davis afirma ter estado presente durante a realização de algumas dessas poções e está convencido que elas são as responsáveis pela inacreditável história vivida por Narcisse.

Jornal Ciência

Opinião dos leitores

  1. Imagine se esse pesquisador conhecesse a política brasileira… Encontraria um monte de zumbi.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *