Polícia

Acusado de matar Marielle é suspeito pela morte de ex-deputado e mais três pessoas

Foto: Marcelo Theobald / Agência O Globo

Além da morte do ex-policial André Henrique da Silva Souza, o André Zoio e sua companheira, Juliana Sales de Oliveira, de 27 anos, a Força-Tarefa do Caso Marielle e Anderson (FTMA) do Ministério Público do Rio (MPRJ) encontrou indícios de envolvimento do sargento reformado da PM Ronnie Lessa em outros quatro assassinatos. Em decorrência desses achados, serão reabertos os inquéritos que investigam as mortes do ex-deputado estadual Ary Brum, em 18 de dezembro de 2007, do então presidente da associação do Camelódromo da Rua Uruguaiana, Alexandre Farias Pereira, em 18 de maio de 2007, e dos irmãos Ary e Humberto Barbosa Martins, ocorridos em 6 de novembro de 2006.

Na casa de Lessa, os investigadores encontraram a íntegra do depoimento de um filho do então líder do Camelódromo, prestado à época da execução da vítima, grampeado a um bilhete no qual se lia “Periquito mandou sarquear”. Sarquear, na gíria policial, significa levantar a folha de antecedentes criminais (FAC) de investigados. A força-tarefa apurou que “periquito” era o apelido de Djacir Alves de Lima, que teria assumido controle da associação no lugar de Alexandre.

Na quebra do sigilo digital de Lessa, os investigadores também constataram que Lessa pesquisou o CPF do ex-deputado estadual Ary Brum no dia 22 de outubro de 2007. Cerca de dois meses depois, no dia 18 de dezembro, Brum foi executado em carro oficial no viaduto de acesso à Linha Vermelha, em São Cristóvão, na Zona Norte, ao sofrer uma emboscada pelos ocupantes de um Honda Civic. Um motociclista dava cobertura aos assassinos. Assim como no caso de Ary Brum, Lessa também pesquisou Ary Barbosa e a mulher dele —cujo nome será omitido por questão de segurança —, nos dias 2 e 9 de outubro de 2006, portanto, cerca de um mês antes do duplo homicídio.

Alexandre Farias Pereira era líder do Camelórdromo da Uruguaiana, no Centro, e foi morto quando passava de picape pela Avenida Brigadeiro Lima e Silva, em Duque de Caxias, no dia 18 de maio de 2007. O motivo da morte de Alexandre seria a disputa pelos lucros provenientes de negócios ilícitos e o controle do Camelódromo.

Reportagem publicada pelo O GLOBO, em março de 2006, citou denúncias de camelôs da Uruguaiana de que Alexandre lucrava cerca de R$ 150 mil por mês na cobrança de taxas para permitir a venda de produtos piratas no local. De acordo com os ambulantes, o dinheiro era recolhido por seguranças a título de “contribuição social”. Antes do homicídio, a Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM) abriu um inquérito para investigá-lo, mas depois do crime, o caso também não foi adiante.

Os irmãos Ary e Humberto Barbosa Martins foram mortos em 6 de novembro de 2006. O crime ocorreu na Avenida Beira-Mar, no Centro do Rio. As vítimas estavam num Golf e saíam de um posto de gasolina quando foram atacadas a tiros. O pára-brisa foi atingido por pelo menos 11 disparos. Ary Barbosa, que dirigia o carro, morreu na hora. Humberto, que era policial federal e estava no carona, morreu a caminho do hospital.

Ligação com Girão

A Força-Tarefa do Caso Marielle e Anderson so MPRJ e a Delegacia de Homicídios da Capital (DH) concluíram as investigações que comprovam a ligação de Cristiano Girão, ex-vereador e ex-chefe da milícia de Gardênia Azul, na Zona Oeste do Rio, com Lessa. Girão teria contratado Lessa para executar o ex-policial André Zóio, e sua companheira, Juliana. Os crimes ocorreram em 14 de junho de 2014 e a motivação seria uma disputa pelo controle da Gardênia. O vínculo é considerado pela polícia e pelo MPRJ como um passo decisivo na elucidação do Caso Marielle. A investigação do caso Marielle Franco

A peça que estava faltando para conectar Girão a Lessa foi descoberta pelas promotoras da força-tarefa, Simone Sibílio e Letícia Emile, e pelo delegado Moysés Santana, que indiciou Girão. Em consequência disso, as promotoras denunciaram o ex-vereador. Este foi o último ato do trio que deixou o caso na semana passada. Segundo fontes, as duas promotoras entregaram os cargos alegando “interferências externas” da Polícia Civil no MPRJ. Já Santana foi exonerado do cargo.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. SE ESSA VEREADORA AI, LIDERAVA PESQUIZA PARA O SENADO, PROCUREM NO TERREIRO DE CASA QUE TINHA CONCORRENTE FORTE!!

  2. A vereadora Marielle, era líder nas pesquisas para o senado, quem foi eleito senador pelo RJ na última eleição?

    1. Quem foi que mandou matar Bolsonaro??
      Que conversar de lider em pesquisas??
      Só se for do data folha que dava vitoria a Dilmanta em MG.
      A rigor!!
      Quem é mesmo essa marielle?????????

    2. Ele não discute com bicho de chifre por ter muito, tu sabe não é José Tomaz “cão que ladra não morde”

  3. SÓ FALTA ENCONTRAR O MANDANTE OU OS MANDANTES. OU ALGUÉM AINDA ACREDITA QUE ESSE CIDADÃO FEZ ISSO SEM UMA ORDEM?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Viúva do Capitão Adriano diz que chefe de milícia mandou matar Marielle

Foto: CMRJ/Renan Olaz

Julia Mello Lotufo, viúva do miliciano Adriano da Nóbrega, afirmou que a ordem para o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes partiu de um dos líderes da milícia de Gardênia Azul, comunidade da zona oeste do Rio de Janeiro. A informação foi dada por Julia ao MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) durante a proposta de delação, segundo a Veja.

A revista afirma que as fontes com conhecimento sobre a proposta de delação da viúva de Adriano não quiseram informar o nome da pessoa que teria mandado matar a vereadora. O ex-vereador Cristiano Girão Martins é um dos chefes da milícia da Gardênia Azul, segundo a Justiça.

Girão perdeu seu mandato em 2010 depois de ser condenado a 14 anos de prisão. Ele cumpriu pena e está em liberdade condicional. Também é um dos investigados como mandante do assassinato de Marielle.

O MP-RJ pediu a prisão de Julia em março deste ano. Ela é acusada de comandar um grupo de apoio à milícia de seu marido. O grupo seria responsável pela lavagem de dinheiro e pela atividade de agiotagem. Atualmente, ela está em prisão domiciliar e utiliza uma tornozeleira eletrônica.

A delação está sob sigilo, mas, segundo a Veja, o MP ainda não fechou um acordo por preocupações por supostas inconsistências e falta de provas em relação a alguns dos relatos.

Julia afirma que Adriano não teve nenhuma participação no assassinato de Marielle. Ele teria cobrado informações de seus comparsas sobre o caso porque estava preocupado que as investigações atrapalhassem seus negócios em Rio das Pedras. Foram eles que citaram uma das lideranças da milícia de Gardênia Azul.

Foi essa a milícia que, segundo Julia, tinha procurado seu marido para que ele participasse do plano para matar Marielle. Adriano teria negado por considerar a ideia muito arriscada. O motivo do outro grupo miliciano seria que a atuação da vereadora colocava em risco as atividades do grupo criminoso.

OUTROS CRIMES

Além do caso Marielle, a proposta de delação de Julia conta com informações sobre os negócios do Capitão Adriano na milícia de Rio das Pedras e no Escritório do Crime, um grupo de assassinos de aluguel.

Julia afirmou que Adriano planejava os assassinatos. Em sua delação, ela relatou 10 assassinatos que teriam sido organizados pelo marido. Também informou sobre autoridades que teriam recebido propina para ignorar as atividades criminosas.

Em sua delação, Julia não fala sobre o caso das “rachadinhas” contra o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ). “Rachadinha” é a prática do agente público que recolhe parte ou até a totalidade do salário pago a assessores e funcionários de gabinete. Flávio nega as acusações.

Julia já afirmou em outras ocasiões que Adriano não tinha intimidade com a família Bolsonaro. Segundo ela, o contato dele no gabinete de Flávio era com Fabrício Queiroz.

A viúva de Adriano também disse em outro depoimento, ao MP da Bahia no ano passado, que seu marido foi executado como uma ação de queima de arquivo. O corpo dele foi exumado na última 2ª feira (12.jul.2021) e será submetido a novos exames periciais.

A delação da viúva do miliciano seria um dos motivos para as promotoras Simone Sibílio e Leticia Emile deixaram a força-tarefa que investiga o assassinato de Marielle, no início de julho. Elas teriam ficado fora das negociações sobre a colaboração premiada

Sibílio e Emile estavam à frente do inquérito que apura a morte de Marielle desde setembro de 2018. O crime ocorreu em 14 de março daquele ano.

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. Çey… Roni Lessa, Adriano da Nóbrega, Marcelo Queiroz e CIA, nem conhecem os bolsonaros… de onde foi que tiraram essa história? Nossa…

    1. Bandido é tudo eleitor do PT. Se arrochar, vão acabar descobrindo que era filiado do PSOL. Igual ao Adélio. Kkkkkkk

    2. Isso não é delação, isso mentirão. Não conhece a família do bozo ta de brincadeira….

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEO: Apoiadores de Daniel Silveira agridem manifestante que homenageou Marielle em frente à sede da PF no Rio

 Foto: Matheus Rodrigues/G1

Apoiadores do deputado federal Daniel Silveira (PSL) que se manifestavam em frente à sede da Polícia Federal, onde ele está preso desde a noite de terça-feira (16), agrediram um homem que levava um cartaz em homenagem à vereadora assassinada Marielle Franco.

Na campanha, Daniel Silveira ficou conhecido por quebrar uma placa com o nome da parlamentar.

A confusão começou em frente a uma das entradas da PF. Um apoiador de Daniel Silveira discutiu com o homem que carregava a placa de Marielle e arremessou o objeto.

O dono da placa correu atrás e, ao pegá-la, foi derrubado e agredido com um golpe “mata-leão”. (VÍDEO AQUI).

A agressão ocorreu em frente à imprensa. Repórteres e fotógrafos tentaram acalmar os ânimos e foram hostilizados pelos apoiadores de Daniel Silveira.

Logo após a confusão, a Polícia Militar esteve no local e tirou fotos. Em seguida, os militares passaram a acompanhar o local de longe.

André Rios, advogado de Silveira, chegou a falar com os apoiadores para que eles fizessem a manifestação num local mais afastado, mas os manifestantes continuaram lá.

Prisão de Daniel Silveira

O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) passou a madrugada desta quarta-feira (17) preso na sede da Polícia Federal no Rio de Janeiro, na Zona Portuária da cidade. Ele foi preso em flagrante na noite de terça (16). O parlamentar divulgou um vídeo no qual faz apologia ao AI-5, instrumento de repressão mais duro da ditadura militar, e defende a destituição de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), o que é inconstitucional.

Silveira nega que tenha cometido crime. Em nota, ele afirma ser “evidente o teor político da prisão”.

“A prisão do deputado representa não apenas um violento ataque à sua imunidade material, mas também ao próprio exercício do direito à liberdade de expressão e aos princípios basilares que regem o processo penal brasileiro”, escreveu a defesa.

No vídeo, Silveira ataca seis ministros do Supremo: Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Dias Toffoli.

A prisão foi determinada pelo ministro Alexandre de Moraes. Na decisão, Moraes definiu que o mandado deveria ser cumprido “imediatamente e independentemente de horário por tratar-se de prisão em flagrante delito”.

O ministro determinou que o YouTube retire o vídeo do ar, sob pena de multa diária de R$ 100 mil, e ordenou que a polícia armazene cópia do material. A decisão deve ser analisada pelo plenário do STF na sessão desta quarta.

Mesmo em flagrante e por crime inafiançável, a prisão de um deputado federal precisa passar pelo crivo da Câmara. Na decisão, Moraes diz que o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), deve ser “imediatamente oficiado para as providências que entender cabíveis”.

G1

Opinião dos leitores

    1. Foi morta por milicianus q tinham receio dela vencer as eleições para o Senado e deixar de fora outro candidato. Essa é Marielle Franco.

  1. O deputado discursou pela extinção dos membros do STF, zegado discursa pela extinção de 57 milhões de brasileiros, haja humildade e coerência, é um chulé mesmo.

  2. Esse zegado é uma figura imbecil, vc tem razão potiguar. Eles tentaram por 13 anos forjar uma nação vermelha, perceberam logo no início da caminhada as facilidades da esmola para muitos e a riqueza para poucos, opção feita, vamos enganar os analfabetos e otarios.

    1. Depois que "acabou a mamata" as coisas melhoraram para caramba em?

  3. Vai ser a próxima Sara Whinter, e quando perder o mandato, vai gastar o que juntou com advogados e vai para a tranca, babaca.

  4. É por essa e outras que a liberação da posse e do porte de arma de fogo tem que ser aprovada o mais rápido possível. Só assim o povo terá como se defender.

  5. É assim que os brucutus lidam com quem tem opiniões diferentes das suas. Igual certos articulistas que comentam notícias aqui nesse blog.

  6. Como brasileiros, devemos estar apreensivos com a discordância que vem ocorrendo sistematicamente em nosso cotidiano. Tanto um lado como o outro de forma extrema perdem suas razões quando simplesmente querem impôr sua opinião como verdade absoluta. Falta punição, e regras mais severas, pois corrupção tem em todos os lados e de todas as formas, maiores ou menores são distúrbios de uma sociedade doente onde a discórdia, o ódio e o rancor impera. Cada vez temos vistos sintomas de uma democracia que vem sendo ameaçada e testada, e tomara que possamos superar essa história de esquerda X direita, que só alimentam os extremos e são formas de se chegar ao poder. Que venha o moderado, com uma preferência de uma economia mais liberal e voltado para o desenvolvimento social que não pode ser esquecido num país pobre como o nosso. Avante Brasil!

    1. Falou tudo! Quem tem político (quase sinônimo de corrupto) de estimação no Brasil ou eh torcedor ou está ganhando de alguma forma!

  7. É muito ódio se disseminando no Brasil, que pena . A médio prazo, perdemos todos.

    1. Como dizia Chiba RRaba "A desgraça de uma louca é a outra dar corda"

  8. Acho que a câmara tem que barrar essa prisão e se posicionar contra essa arbitrariedade do STF e mostrar a sua independência. E de imediato enviar esse Deputado ao conselho de ética para a punição do mesmo.

  9. Dos 3 que quebraram a placa da rua com o nome em homemagem vereadora Marielle, já foram dois presos.
    O Witzel e agora o Tonho da Lua.
    Falta só um agora.
    kkkkkkkkkkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Justiça do RJ nega recurso da defesa e acusados de homicídio de Marielle vão a júri popular

Foto: Reprodução/TV Globo

A Justiça do Rio negou o recurso das defesas dos acusados dos homicídio de Marielle Franco e Anderson Gomes nesta terça-feira (9). Com o resultado, Ronnie Lessa e Élcio Queiroz vão ser levados a júri popular. A decisão foi dos desembargadores da 1ª Câmara Criminal, por unanimidade.

Lessa e Queiroz respondem por duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, emboscada e sem dar chance de defesa às vítimas, e estão presos no presídio federal de Porto Velho.

O advogado de Ronnie Lessa, Bruno Castro, fez o recurso para tentar impedir que seu cliente seja julgado pelo Tribunal do Júri. Em sua fala, citou uma testemunha que teria dito que o atirador que disparou contra o carro onde estava Marielle era negro, e desafiou:

“Eu desafio a acusação trazer qualquer fato concreto que possa colocar o Ronnie Lessa na cena do crime. É muito simples o Ministério Público argumentar que ele teria deixado esse celular na Barra da Tijuca sem provas. Temos a comprovação com prova técnica que ele estava na Barra da Tijuca”, disse o advogado.

As advogadas que representavam as famílias de Marielle e Anderson Gomes, que foram assistentes de acusação, ressaltaram que as provas obtidas pelo Grupo de Apoio Especializado e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público e pela Delegacia de Homicídios da Capital são suficientes para levar Lessa e Élcio a júri popular.

“Provas periciais não deixam dúvidas sobre indícios de autoria”, declarou Luciana Pivato, advogada que representa Mônica Benício, viúva de Marielle.

Histórico

Em março do ano passado, a 4ª Vara Criminal da Justiça do Rio decidiu levar Lessa e Élcio a júri popular.

Desde que Lessa e Queiroz foram presos, em março de 2019, a defesa alega que há falta de provas e evidências que liguem a dupla às execuções.

Grande parte das investigações da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) é baseado na análise de câmeras de segurança das ruas e acesso de dados de navegação como, por exemplo, a localização na noite do crime e pesquisas que foram feitas nos celulares dos dois.

Ronnie Lessa é apontado como autor dos disparos que mataram Marielle e Anderson e Élcio é acusado de dirigir o carro prata usado nos assassinatos.

Relembre o caso

Marielle e Anderson foram atingidos por tiros de uma submetralhadora por homens em um carro que seguia o que eles estavam, na Região Central do Rio, em 14 de março de 2018.

Ronnie Lessa é apontado na denúncia como o autor dos disparos. Ele estaria no banco de trás do Cobalt que perseguiu o carro da vereadora. Segundo a investigação, Élcio de Queiroz dirigia o Cobalt usado para perseguir as vítimas.

Só em 12 de março de 2019, dois dias antes de completar um ano do crime, os dois foram presos. Até hoje, não se sabe quem mandou matar Marielle.

G1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia do RJ cumpre 5 mandados em ação envolvendo suspeito de matar Marielle; na mira, duplo homicídio de casal em 2014

Foto: Paula Martini – 30.jun.2020 / CNN

A Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) realizam nesta quarta-feira (9) a Operação Déjà Vu, para cumprir cinco mandados de busca e apreensão no RJ e em SP contra suspeitos de um duplo homicídio em 2014.

Os alvos são personagens conhecidos no território fluminense: o ex-vereador Cristiano Girão e o policial militar reformado Ronnie Lessa, preso suspeito de atentado contra a vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes, em março de 2018.

A ação acontece nos bairros de Recreio, Bangu, Gardênia Azul e Barra da Tijuca, todos na zona oeste da capital fluminense.

Duplo homicídio em 2014

De acordo com fontes da Polícia Civil, os alvos da operação de hoje estão envolvidos no homicídio de um casal, em junho de 2014, com mais de 40 tiros, em Gardênia Azul. Um dos personagens da investigação é Ronnie Lessa, suspeito de ligação com o assassinato do casal.

As vítimas, identificadas como Juliana Sales de Oliveira e o ex-PM André Henrique da Silva Souza (André Zóio), estavam em um carro quando foram abordadas por pelo menos três homens em outro veículo. Foram efetuados diversos disparos de arma de fogo contra o automóvel do casal.

Segundo a Divisão de Homicídios, Cristiano Girão teria contratado Lessa para matar Juliana e André, que era miliciano em Gardênia Azul. Os policiais estiveram nesta quarta nos endereços do ex-vereador na Barra da Tijuca e em um município localizado a 40 km da capital paulista. Ele foi localizado em São Paulo, mas não há mandado de prisão contra ele.

A investigação apontou que o homicídio teria sido motivado por uma disputa territorial entre organizações criminosas de milícia que atuam na região.

A Divisão de Homicídios identificou semelhanças entre o assassinato do casal e o da vereadora Marielle Franco, como o carro das vítimas em movimento no momento dos disparos e com muitas rajadas de tiros.

Participam da operação desta quarta policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) e do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil de São Paulo, agentes do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco/MPRJ), da corregedoria da Secretaria de Estado de Polícia Militar e da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP).

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Quem mandou matar Jair Bolsonaro?
    Quem contratou o escritório de advocacia para defender o assassino Adélio Bispo?

    1. Rapaz! Pense numa PF incompetente, não conseguiu resolver o mistério da facada até hoje.

    2. Se investigarem direitinho pode ser que se chegue a conclusão de que quem mandou matar bolsonaro foi o próprio bolsonaro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Delegado descarta elo da família Bolsonaro no crime do Caso Marielle: “Não tem nenhuma participação. Temos certeza”

Fofo: Fernando Frazão/Agência Brasil

O delegado Antônio Ricardo Lima Nunes, titular do Departamento Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa (DGHPP), afirmou, na manhã desta quarta-feira, que a Polícia Civil do Rio tem certeza que “não há nenhuma participação da família Bolsonaro” nas mortes da vereadora Marielle Franco (Psol) e de seu motorista Anderson Gomes.

— Não tem nenhuma participação da família Bolsonaro nesse evento. Não temos indício dessa família no caso. Temos certeza que não há participação — afirmou Nunes.

Questionado sobre quais são os indícios que levaram os investigadores a descartarem o envolvimento de algum parente do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) na morte da parlamentar e seu motorista, Nunes garantiu que “não tem elementos que indiquem a participação”.

No ano passado, um dos porteiros do Condomínio Vivendas da Barra, no Recreio do Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio, onde vive a família Bolsonaro, disse em depoimento à Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) que um homem chamado Élcio (que seria Élcio Queiroz, um dos acusados pela execução de Marielle) deu entrada no local em 14 de março de 2018 dirigindo um Renault Logan prata. Ele teria informado ao porteiro que iria visitar a casa 58, de Bolsonaro. O porteiro afirmou ter confirmado a entrada com o “seu Jair”.

O presidente, à época deputado federal, estava em Brasília conforme registros da Câmara dos Deputados. Indagado nesta quarta-feira se o porteiro havia mentido, Antônio Ricardo disse que “o porteiro é um senhor e pode ter se enganado no momento” e afimou que o presidente Jair Bolsonaro também não teve participação nos assassinatos de Marielle e Anderson. A Polícia Civil não informou se vai ou não indiciar o porteiro por denunciação caluniosa.

Jair Bolsonaro sempre negou que tenha recebido em sua casa Élcio Queiroz. O presidente da República afirmou que o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), usa a Polícia Civil para perseguir a família Bolsonaro.

Carlos Bolsonaro prestou depoimento no caso

No dia 26 de abril de 2018, pouco mais de um mês após o crime, Carlos Bolsonaro (Republicanos) prestou depoimento ao delegado Giniton Lages, então titular da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) sobre o caso na condição de testemunha.

À Giniton, Carlos afirmou que discutiu, em 2018, com um assessor de Marielle após ser chamado de “fascista”. Segundo o filho de Bolsonaro, a própria Marielle teria entrado na situação e apaziguado os ânimos.

No dia do depoimento, Carlos Bolsonaro afirmou que soube da morte da colega de parlamento pela imprensa.

Mais um suspeito preso

Nesta quarta-feira, mais um suspeito de participação no crime foi preso. O sargento do Corpo de Bombeiros Maxwell Simões Corrêa, o Suel, de 44 anos, é apontado como cúmplice do sargento da reserva da Polícia Militar Ronnie Lessa, acusado de matar a vereadora Marielle Franco (PSOL). Segundo a Polícia Civil, até às 10h30 o bombeiro não havia prestado depoimento.

Suel foi localizado num condomínio no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio. Ele já estava na mira da DHC e do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio (MPRJ), desde a prisão de Lessa e do ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, em março do ano passado. De acordo com os investigadores, coube ao bombeiro ajudar, logo após a prisão do sargento, no descarte das armas escondidas por Lessa.

Extra – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Pronto caso encerrado para acusação da família do JB.
    Os esquerdopatas podem partir para outra aí já perderam.

  2. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…quanto o delegadim ganhou…mais um monstro defendendo o SATANÁS …XÔ

  3. A polícia sabe trabalhar. Não vai espantar pra pegar. Algumas peças do quebra-cabeças estão no fundo do mar.

  4. só uma pessoa com nome de cachorro p falar umas asneiras dessas….kkkkkkkk Prefeita….KKKKKKKKKKK….

  5. Isso quer dizer que vale pro rapaz que foi morto junto com ela.
    O motorista, que os canalhas esquerdistas desonestos botaram no esquecimento.
    So falam nessa Mariele.
    A rigor, quem é mesmo essa Marielle???
    Fez o quê por vc, vc, vc, vc.???
    Nada!!!

    1. A mesma resposta e amesma interrogação vale para o esfaqueador de Bolsonaro, esses alinhados são todos acéfalos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

PSOL cancela ato em homenagem a Marielle no RN

Foto: reprodução

A direção estadual do PSOL decidiu cancelar as homenagens que seria realizadas neste sábado (14) à memória da vereadora Marielle Franco, assassinada em 14 de março de 2018.

O evento começaria às 9h com café da manhã na sede do PSOL, teria sequência com um panfletaço no Centro e terminaria com show de Luana Luz, no Beco da Lama.

A data marca os dois anos da execução da parlamentar que virou ícone de luta pela defesa dos Direitos Humanos no Brasil. O cancelamento da atividade tem relação com a pandemia do Coronavírus.

Os órgãos de saúde do Rio Grande do Norte recomendaram que nenhum evento público ou privado com mais de 100 pessoas seja realizado para evitar a transmissão do vírus.

Saiba Mais – agência de reportagem

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Civil ofereceu delação a suspeitos da morte de Marielle, dupla recusou e voltou a dizer que não tem participação em crime

Elcio Vieira de Queiroz e Ronnie Lessa, ex-policiais suspeitos de participarem do assassinato da vereadora Marielle Franco – 14/03/2019 (Bruna Prado/AP – Alexandre Brum/Agência O Dia/Estadão Conteúdo)

A Polícia Civil do Rio de Janeiro ofereceu acordo de delação premiada aos ex-policiais militares Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz, suspeitos do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Em troca de benefícios como uma eventual redução de pena, eles teriam que apontar o nome do suposto mandante do crime. A dupla recusou e voltou a dizer que não tem participação nos homicídios. A proposta foi feita no dia 5 de novembro, uma semana após reportagem da TV Globo revelar que o depoimento de um porteiro envolvera o nome do presidente Jair Bolsonaro no caso.

Lessa e Queiroz foram ouvidos das 10h às 20h no presídio de Porto Velho, em Rondônia, onde estão presos desde junho – antes, a dupla passou por Bangu 1, no Rio, e pela penitenciária federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. Gravado em áudio e vídeo, o depoimento faz parte das investigações da Polícia Civil sobre a existência de um mandante da morte de Marielle. A oitiva foi realizada um mês depois da dupla ser ouvida no âmbito do processo em que são réus por homicídio triplamente qualificado.

Os suspeitos foram perguntados se sabiam o nome de alguém que pudesse ter ordenado o crime, e responderam se conheciam uma série de políticos e milicianos do Rio – inclusive aqueles que, de acordo com as investigações, fariam parte do Escritório do Crime, grupo de matadores de aluguel que estaria por trás de diversos homicídios ligados às disputas da contravenção e que jamais foram esclarecidos.

Os réus também negaram quando foram perguntados sobre uma suposta relação deles com o porteiro Alberto Mateus, que trabalha no condomínio onde Ronnie Lessa vivia no dia do crime. O presidente Jair Bolsonaro também possui uma casa no local. Em outubro, em depoimento à Polícia Civil, o porteiro mencionou o nome de Bolsonaro no caso ao dizer que, no dia 14 de março de 2018, quando Marielle e Anderson foram mortos, foi “seu Jair” quem autorizou a entrada do suspeito Élcio de Queiroz no condomínio. Segundo as investigações, Élcio e Ronnie saíram dali para cometer o crime naquela noite.

No começo deste mês, reportagem da revista VEJA revelou que Alberto Mateus vive no bairro da Gardênia Azul, onde Ronnie Lessa exerceria “influência”, de acordo com a apuração do crime. Na semana passada, em depoimento à Polícia Federal, o porteiro Alberto Mateus afirmou que se enganou ao mencionar o nome de Bolsonaro à Polícia Civil.

Procurada para comentar a reportagem, a Polícia Civil informou que “o caso corre sob sigilo”.

Veja

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: Veja íntegra da “live” em que Bolsonaro se apresenta com revolta, rebate Jornal Nacional sobre matéria do Caso Marielle e faz série de acusações

Tão logo acabou o Jornal Nacional, da TV Globo, que levou ao ar uma reportagem revelando que os acusados de matar a vereadora Marielle Franco estiveram em seu condomínio, no Rio de Janeiro, no dia do crime, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez uma “live” via Facebook, diretamente da Arábia Saudita – onde eram quase 4h da madrugada –, e, muito exaltado, abriu guerra contra a emissora. Acusou a rede de fazer um “jornalismo podre e canalha”. Sobrou também para o governador do RJ, Wilson Witzel (PSC), que, segundo o presidente, teria vazado o processo sobre o assassinato para a TV Globo.

Bolsonaro ressaltou que jamais poderia estar na sua casa no condomínio, uma vez que estava em Brasília participando de sessões da Câmara – à época, era deputado federal.

Segundo ele, o porteiro do condomínio, que, de acordo com a reportagem, teria dito que um dos envolvidos no caso, o ex-policial militar Elcio Queiroz, teria anunciado na portaria que iria à casa 58, de propriedade de Bolsonaro, mas acabou indo para a de Ronnie Lessa, outro envolvido, teria sido forçado a dar esta declaração ou não leu o processo. “Ou ele mentiu ou o induziram a um falso testemunho”, disse o presidente.

O presidente acusou diretamente o governador Witzel de ter vazado o processo conduzido pela Polícia Civil, que corre em sigilo, para a Globo. A intenção de Witzel, segundo Bolsonaro, é destruí-lo e, assim, ficar sem um concorrente de peso nas eleições presidenciais de 2022.

“Por que querem me destruir? Por que essa patifaria? São canalhas, patifes. A morte de Marielle não vai colar [em mim]. Parem de trair o país. Vocês estão destruindo o Brasil. Mas sei porque fazem isso. Não tem mais dinheiro público para vocês. Acabou a mamata. Só converso com vocês em 2022. Estou no meu limite com vocês. Mas não tem como me pegar. É uma imprensa porca, canalha e imoral.”

Com acréscimo de informações do Metrópoles

Opinião dos leitores

  1. Mesmo "porca, canalha e imoral" é fundamental uma imprensa livre, ainda que em um simulacro de democracia. Note-se bem: eu disse imprensa livre, essa mesma acusada de fazer um "jornalismo podre e canalha". Como cidadão preciso dela, ainda que para combatê-la.

    1. Concordo . democracia e liberdade, sempre !

    2. Ué, o cara tava em Brasília. Tem assinatura dele lá. Por que ficar assim tão exaltado? A reportagem citou que ele estava em Brasília, ninguém implicou o presidente pessoalmente. Pra que esse chilique? Está devendo?

    3. A globo ajudou Collor contra Lula, e levantou Aécio contra Dilma, mas agora ela é petista. Só trouxa mesmo nesse Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Bolsonaro quer saber quem mandou matar Marielle

Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira(12) que espera que a investigação sobre Marielle Franco chegue aos mandantes do assassinato.

“Espero que realmente a apuração tenha chegado de fato a quem foram os executores, se é que foram eles, e a quem mandou matar.”

Mais cedo, a Polícia Civil do Rio de Janeiro informou à imprensa o nome de dois ex-policiais, presos hoje, apontados como o atirador e o motorista do carro usado no crime.

Bolsonaro também disse que está interessado em saber quem mandou matá-lo.

O Antagonista

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

CASO MARIELLE: Esquerda explora prisão de suspeito em condomínio que Bolsonaro tem casa; denúncias não mencionam o nome do presidente

As teorias conspiratórias não tem limite. Blogs de esquerda exploram uma coincidência: o PM reformado Ronnie Lessa, preso nesta terça-feira(12) por suspeita de ter atirado na vereadora Marielle Franco, mora no condomínio Vivendas da Barra, o mesmo de Jair Bolsonaro.

Nas redes sociais, a militância explora até mesmo uma foto do então deputado com o suspeito, e deixa no ar a interpretação para cada um.

Lessa foi preso em sua casa, no condomínio Vivendas da Barra, na Barra da Tijuca, zona oeste. O local é o mesmo em que o presidente JairBolsonaro tem casa. Os trechos da denúncia divulgados até o momento não mencionam o nome do presidente. Ao menos 34 imóveis ligados à investigação tiveram mandados de busca e apreensão expedidos. Não há notícia até o momento de quais desses locais têm relação com a família Bolsonaro.

O PM reformado, por sinal, colecionava homenagens por anos de bons serviços prestados e ficha limpa. A classe politica, inclusive, tinha o costume de homenageá-lo

Ronnie Lessa e sua guarnição, quase sempre formada pelos mesmos integrantes, eram parabenizados duas vezes por mês, em média.

Era um louvor por mês, sendo que, em 1997, no mês de março houve duas menções. Mas a PM não havia mais espaço para Lessa que junto com outros colegas da mesma guarnição passaram a dar serviço nas delegacia especializadas do Rio, como as que cuidavam de roubos de cargas _ justamente porque a maioria dos alvos era de favelas da área do quartel de Rocha Miranda, que a guarnição conhecia bem _, de capturas de presos (Polinter) e para coibir os sequestros.

Entre os colegas que seguiram com Lessa estão: Roberto Oliveira Dias, conhecido como Beto Cachorro; e os irmãos Ivan Jorge Evangelista de Araújo e Floriano Jorge Evangelista Araújo.Todos foram investigados na Operação Guilhotina, deflagrada pela Polícia Federal que apurava a corrupção policial na Polícia Civil. Lessa conseguiu não foi indiciado na época.

DISCRETO MAS EFICAZ

O então deputado estadual Pedro Fernandes (PSD), avô do secretário estadual de educação, de mesmo nome, homenageou Lessa por ser um “brilhante exemplo” para a corporação.

Lessa também recebeu moção do deputado estadual Pedro Fernandes (PSD), em 23 de novembro de 1998, avô do atual secretário de Educação Pedro Fernandes. Fernandes destacou na época: “a maneira como vem pautando sua vida profissional como policial-militar do 9º BPM. Sem nenhum constrangimento posso afirmar que o referido militar é digno desta homenagem por honrar, permanentemente, com suas posturas, atitudes e desempenho profissional, a sua condição humana e de militar discreto mas eficaz.

Com informações de O Antagonista, Folha e O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. Pronto, agora chegou o que faltava. Quer dizer que se no meu bairro, na minha quadra morar um bandido, um estelionatário, um assassino, também passo a ser suspeito???
    Se assim for, quem teve todos os ex chefes escolhidos e nomeados para casa civil investigados, processados e presos, também está envolvido?
    Se assim for, quem teve todos seus ex tesoureiros investigados, processados e presos, também tem culpa direta nos crimes?
    Se quiserem a lista de associações criminosa será extensa, afinal podemos listar algumas páginas onde membros, dirigentes, tesoureiros, ministros e líderes foram investigados, processados e estão presos e assim todos os próximos também devem está envolvidos na extensa lista de pessoas e crimes
    Se essa é a lógica, então vamos usá-la até que todos sejam criminalizados pelos crimes realizados por pessoas que moram próximas ou participam do mesmo ideais

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *