Justiça do RJ nega recurso da defesa e acusados de homicídio de Marielle vão a júri popular

Foto: Reprodução/TV Globo

A Justiça do Rio negou o recurso das defesas dos acusados dos homicídio de Marielle Franco e Anderson Gomes nesta terça-feira (9). Com o resultado, Ronnie Lessa e Élcio Queiroz vão ser levados a júri popular. A decisão foi dos desembargadores da 1ª Câmara Criminal, por unanimidade.

Lessa e Queiroz respondem por duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, emboscada e sem dar chance de defesa às vítimas, e estão presos no presídio federal de Porto Velho.

O advogado de Ronnie Lessa, Bruno Castro, fez o recurso para tentar impedir que seu cliente seja julgado pelo Tribunal do Júri. Em sua fala, citou uma testemunha que teria dito que o atirador que disparou contra o carro onde estava Marielle era negro, e desafiou:

“Eu desafio a acusação trazer qualquer fato concreto que possa colocar o Ronnie Lessa na cena do crime. É muito simples o Ministério Público argumentar que ele teria deixado esse celular na Barra da Tijuca sem provas. Temos a comprovação com prova técnica que ele estava na Barra da Tijuca”, disse o advogado.

As advogadas que representavam as famílias de Marielle e Anderson Gomes, que foram assistentes de acusação, ressaltaram que as provas obtidas pelo Grupo de Apoio Especializado e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público e pela Delegacia de Homicídios da Capital são suficientes para levar Lessa e Élcio a júri popular.

“Provas periciais não deixam dúvidas sobre indícios de autoria”, declarou Luciana Pivato, advogada que representa Mônica Benício, viúva de Marielle.

Histórico

Em março do ano passado, a 4ª Vara Criminal da Justiça do Rio decidiu levar Lessa e Élcio a júri popular.

Desde que Lessa e Queiroz foram presos, em março de 2019, a defesa alega que há falta de provas e evidências que liguem a dupla às execuções.

Grande parte das investigações da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) é baseado na análise de câmeras de segurança das ruas e acesso de dados de navegação como, por exemplo, a localização na noite do crime e pesquisas que foram feitas nos celulares dos dois.

Ronnie Lessa é apontado como autor dos disparos que mataram Marielle e Anderson e Élcio é acusado de dirigir o carro prata usado nos assassinatos.

Relembre o caso

Marielle e Anderson foram atingidos por tiros de uma submetralhadora por homens em um carro que seguia o que eles estavam, na Região Central do Rio, em 14 de março de 2018.

Ronnie Lessa é apontado na denúncia como o autor dos disparos. Ele estaria no banco de trás do Cobalt que perseguiu o carro da vereadora. Segundo a investigação, Élcio de Queiroz dirigia o Cobalt usado para perseguir as vítimas.

Só em 12 de março de 2019, dois dias antes de completar um ano do crime, os dois foram presos. Até hoje, não se sabe quem mandou matar Marielle.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. putis grila disse:

    BOLSONARO na cadeia
    Chefe MOR
    QUADRILHEIRO

Seis pessoas são indiciadas por homicídio triplamente qualificado pela morte de Beto Freitas no RS

Conhecido como Beto, João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi espancado por dois seguranças em Porto Alegre Foto: Reprodução

Seis pessoas foram indiciadas por homicídio triplamente qualificado por envolvimento no assassinato de Beto Freitas. O desfecho do inquérito, conduzido pela delegada Roberta Bertoldo, da 2ª Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoas, foi divulgado em entrevista coletiva no Palácio da Polícia, no Rio Grande do Sul. Segundo a policial, não há nenhum indício de que a motivação central do crime tenha sido racismo, mas houve contexto discriminatório.

Homem negro de 40 anos, João Alberto Freitas foi espancado atee a morte no Carrefour, em Porto Alegre, no dia 19 de novembro, na véspera do Dia da Consciência Negra. O assassinato do cliente do supermercado gerou protestos em todo o país e galvanizou o movimento negro em todo o país.

Entre os indiciados pelo crime estão os seguranças terceirizados Geovane Gaspar Dutra, ex-soldado temporário da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, e Magno Braz Borges. Os dois foram detidos em flagrante pelo espancamento e pela morte por asfixia de Beto Freitas.

De acordo com a diretora do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), delegada Vanessa Pitrezs, a fiscal Adriana Alves Dutra, que filmou o espancamento, e outro segurança, Paulo Francisco da Silva, também foram indiciados por não prestarem ajuda à vítima. Mais dois funcionários do Carrefour tiveram sua prisão solicitada à Justiça.

Ainda segundo a delegada, os indiciados demonstraram “maneira alvitante de conduta”, intimamente ligada à condição socioeconômica da vítima, “a qual não se pode dissociar sua cor de pele”. No entanto, o racismo não foi considerado motivação para o crime. Os indiciados responderão pela asfixia de Nego Beto, o que impossibilitou socorro à vitima, e motivo torpe, relacionado ao “contexto discriminatório” em que o crime aconteceu.

– Se a cor da pele da pessoa fosse outra, provavelmente a situação (também) seria outra – afirmou a delegada Roberta Bertoldo.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Silvandro disse:

    E nessa piscadinha… o policial que tomou na nuca por um vagabundo, que se f….!! E o engraçado que o policial era branco!! Para esse mídia podre que temos hoje, o que interessa é jogar no ventilador o tema que mais provoca ódio, e os retardados de plantão potencializam isso!! Vidas importam, independente de cor!!

  2. JD disse:

    É uma pena que Delegado e MP não decidem absolutamente nada, vai ficar para o judiciário…….Homicídio culposo!

Polícia Civil prende suspeito por lesão corporal e tentativa de homicídio contra ex-companheira em Natal

Policiais civis da Delegacia Especializada em Capturas e Polinter (DECAP) de Natal prenderam, na noite desta quarta-feira (09), um homem de 25 anos. Ele foi preso no bairro Potengi, na Zona Norte de Natal.

Ele foi detido em cumprimento a um mandado de prisão preventiva, expedido pela 2ª Vara Criminal da Comarca de Natal, pela prática dos crimes de lesão corporal e tentativa de homicídio, cometidos contra sua ex-companheira.

O homem foi conduzido até a DECAP e encaminhado ao sistema prisional, onde ficará à disposição da Justiça. A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações, de forma anônima, através do Disque Denúncia 181 ou por meio dos telefones da DECAP: (84) 98135-6174 (WhatsApp) ou 3232-7867.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Matheus disse:

    Calígula , esse tipo de comportamento é mais pro gado, já deviam serem acostumados com chifre.

  2. Calígula disse:

    Esse animal deve ser petista

Polícia Civil indicia suspeitos por homicídio de empresário na Grande Natal

Policiais civis que integram a Força-Tarefa no município de São Gonçalo do Amarante divulgaram, nesta segunda-feira (07), o indiciamento de dois homens pela suspeita da prática do homicídio do empresário Efrânio Barbalho de Morais, 29 anos, cometido no dia 02 de maio de 2017, na rua Bela Vista, no bairro Novo Amarante, no município de São Gonçalo do Amarante.

Segundo as investigações, no dia do crime, a vítima estava fechando o seu comércio, quando foi surpreendida por disparos de arma de fogo, que foram efetuados por um homem que estava em um veículo “Fiat Uno Vivace”, de placas clonadas. Ainda de acordo com as investigações, o autor intelectual do crime seria o atual esposo de uma ex-namorada de Efrânio, enquanto o executor do homicídio seria um amigo do possível mandante. Os dois, mandante e executor, respondem a processos criminais por furto e roubo, respectivamente.

Foi apurado ainda que o autor intelectual do crime tem facilidade para conseguir veículos clonados para cometer crimes. A motivação do crime foi passional, pois, após o mandante ter descoberto que sua esposa teve um caso amoroso com a vítima, enquanto o casal esteve separado, o mandante se matriculou na mesma academia que Efrânio frequentava, com o objetivo de identificá-lo. Além disso, alguns dias antes do crime, o autor intelectual do crime teve uma discussão com Efrânio, na academia, motivada por ciúmes da esposa, a qual também frequentava o local, no município de São Gonçalo do Amarante.

Depois da discussão, o mandante e o executor foram vistos conversando em um lava a jato, próximo ao estabelecimento comercial da vítima; quando, possivelmente, passaram a monitorar a rotina dela. Ainda durante a investigação, foi constatado que o mandante do crime trabalhava portando arma de fogo, em uma empresa de segurança que não estava autorizada a prestar segurança armada.

Além do crime de homicídio duplamente qualificado, o mandante do crime também foi indiciado por porte ilegal de arma de fogo, enquanto a gerente da empresa de segurança foi indiciada por falsidade ideológica, pois teria afirmado falsamente que seus funcionários não trabalhavam armados. Por sua vez, o proprietário da academia que eles frequentavam, foi indiciado pelo crime de falso testemunho.

A Polícia Civil solicita que a população continue prestando informações, por meio do Disque Denúncia 181, que auxiliem no processo de elucidação de outros indícios do crime, bem como agradece a ajuda das testemunhas que prestaram depoimento nos autos do Inquérito Policial.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

VÍDEO: Polícia Civil divulga imagens de câmeras de segurança e procura homem por homicídio contra porteiro em Candelária, na Zona Sul de Natal

Policiais civis da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) divulgaram, nesta quinta-feira (26), imagens do sistema de câmeras de segurança que podem auxiliar na identificação do suspeito da prática do crime de homicídio, praticado por volta das 18h, no dia 07 deste mês, na rua Raimundo Chaves, 1840, no Condomínio Solar Humberto Pignataro, em Candelária, na Zona Sul de Natal.

O suspeito que aparece no vídeo, possivelmente, teria deixado o carro estacionado ao lado da igreja católica de Lagoa Nova, em uma praça, onde teria realizado o percurso para o local do crime caminhando. De acordo com as imagens, no casaco do suspeito, na lateral esquerda e nas costas, havia estampado o símbolo da universidade Georgetown, dos Estados Unidos da América; o mesmo símbolo aparece no boné de cor azul e branca.

O crime foi praticado com uma espingarda calibre 12, que estava guardada dentro de um guarda-chuva, auxiliando para a não identificação da arma e do possível crime. Segundo as investigações, o suspeito teria simulado ser um entregador, pois estava portando uma caixa de papelão, como se ela fosse uma encomenda. O crime vitimou Judson de Oliveira Lima, 33 anos, porteiro, atingido por disparo na cabeça. O rosto do suspeito estava coberto por uma máscara. Câmeras de vigilância do condomínio flagraram a imagem dele.

Ainda segundo as investigações, o carro usado pelo autor do crime foi da marca “Chevrolet”, no modelo “Corsa Classic Sedan”, de cor “prata”, sem calotas (rodas de ferro na cor preta); além disso, o veículo possuía a pintura do teto queimada.

A Polícia Civil solicita que a população envie informações, de forma anônima através do Disque Denúncia 181, que possam auxiliar na identificação do homem que aparecem nas imagens.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Polícia Civil captura, na Zona Sul de Natal, foragido do Distrito Federal por homicídio

Foto: Ilustrativa

Policiais civis da Delegacia Especializada em Capturas e Polinter (DECAP) de Natal, após investigações em parceria com o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), prenderam, nesta sexta-feira (23), José Ribeiro de Souza. A prisão aconteceu no bairro de Neópolis, na Zona Sul de Natal.

De acordo com as investigações, ele responde processo pelo crime de homicídio, pela suspeita de provocar a morte de um homem na Capital Federal. O mandado de prisão preventiva foi expedido pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal.

A Polícia Civil ressalta que o trabalho de parceria entre a DECAP e o MPRN, realizado através do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO), é promovido com uma crescente cooperação e interação no sentido da busca de um trabalho cada vez mais efetivo e consistente em prol da sociedade Potiguar.

José Ribeiro foi conduzido até a DECAP e encaminhado ao sistema prisional, onde ficará à disposição da Justiça. A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações, de forma anônima, através do Disque Denúncia 181 ou 3232-7867 (DECAP).

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcos Benício disse:

    O que está acontecendo? Geralmente são os meliantes do nordeste que aprontam por aí e vêm se esconderem aqui e são presos. Agora está acontecendo o inverso?

  2. Jonas disse:

    BG estás recebendo da polícia e? polícia prende ladrão de galinha, polícia solta idosa presa na casa dela, polícia sobe no telhado para salvar menino.,homem publica una notícia da polícia Botando moral e indo pra cima dos meliantes de Mãe Luíza, Paço da Pátria e Mosquito para acabar com aquele tráfico que impõe medo na população indefesa da área.

Polícias Civil e PRF prendem suspeito por homicídio que vitimou empresário em evento político em Felipe Guerra-RN

Policiais civis da Delegacia Municipal de Apodi, com o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF), deram cumprimento, nessa quinta-feira (22), a um mandado de prisão preventiva, contra Pedro Henrique Machado, 25 anos, pela suspeita da prática do crime de homicídio.

De acordo com as investigações, Pedro Henrique é apontado como o autor do homicídio, que vitimou o empresário Douglas da Silva Barros,32 anos, na noite do último domingo (18), durante um evento político, em Felipe Guerra. Na ocasião, o suspeito efetuou cinco disparos com uma arma de fogo contra Douglas da Silva.

Foi constatado também que Pedro Henrique tinha uma antiga desavença com a vítima. O suspeito estava foragido da Justiça e foi detido no município de Floriano, localizado no Estado do Piauí.

Pedro Henrique foi conduzido até a delegacia e encaminhado ao sistema prisional, onde permanecerá à disposição da Justiça. A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. PAULO disse:

    Investigação eficiente e célere, parabéns aos Policiais Civis envolvidos!

Polícia Civil prende três policiais militares lotados na Grande Natal suspeitos de envolvimento no homicídio do jovem Gabriel

 Foto: Cedida pela família

Policiais civis da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) deram cumprimento, nessa quinta-feira (17), em desdobramentos da Operação “Romanos 12:19”, a mandados de prisão temporária em desfavor de três investigados pelo crime de homicídio que vitimou o jovem Giovani Gabriel de Souza Gomes. As diligências resultaram na prisão de três policiais militares e na renovação da prisão temporária de outro policial militar, que havia sido preso no dia 19 de agosto deste ano. Os quatro suspeitos são lotados no município de Goianinha.

A investigação revelou que após um roubo de um veículo pertencente ao irmão do policial militar suspeito (sargento), ocorrido em Parnamirim, foram acionados colegas para dar apoio ao seu irmão na recuperação do veículo, que possuía rastreador. Diversos policiais foram contactados para atender a ocorrência, deslocando-se até a região onde apontava o GPS. Ao longo das buscas, uma guarnição da Polícia Militar (PM) chegou ao local onde o veículo estava, presenciando o momento no qual os criminosos estavam retirando os pertences do veículo.

Os suspeitos do roubo, ao visualizarem a viatura, fugiram pela região de mata. Os policiais deram continuidade às buscas, ingressando na mata. No local, alguns policiais militares abordaram o jovem “Gabriel” e se certificaram de sua história. Após alguns momentos de detenção, eles liberaram o jovem. Ao sair da região de mata, Giovani Gabriel foi visto por populares que passavam com seu veículo pelo local e avisaram a uma outra viatura que também realizava as buscas no local.

Nessa viatura, estavam os três cabos presos nesta quinta-feira (17), que haviam sido acionados pelo sargento. Os militares então abordaram o jovem Gabriel, que chegou a informar aos policiais que já havia sido liberado pela outra viatura; mas, mesmo assim, o jovem foi colocado na mala do veículo, sendo este o último momento em que foi visto com vida.

As investigações apontam que os três policiais executaram a vítima e se deslocaram até o município de São José do Mipibu, onde deixaram o corpo, que foi encontrado no dia 14 de junho, em uma região de mata na comunidade Pau Brasil, a 30 km de Natal e a 20 km de Parnamirim.

De acordo com as investigações, os três cabos que estavam na viatura, desde o momento que abordaram o jovem Gabriel, mantiveram um estreito processo de comunicação com o sargento, irmão da vítima do crime de roubo em Parnamirim. Tal comunicação indica o conhecimento dos fatos e participação ativa na prática do crime de homicídio, pois, ainda de acordo com as investigações, o sargento chegou a agradecer aos três cabos presos, em grupo de WhatsApp, todo o apoio prestado.
Dois dos policiais estavam de serviço e foram presos após se apresentarem ao Comando Geral e o terceiro suspeito foi preso em sua residência. Dessa forma, foram identificados e presos todos os envolvidos no homicídio de Giovani Gabriel. Com a prorrogação da cautelar, o Inquérito deve ser concluído no prazo de 30 (trinta) dias, restando pendente apenas os laudos periciais e a análise de dados para a finalização da investigação.

Sobre o caso

Giovani Gabriel foi visto pela última vez na manhã do dia 5 de junho deste ano, quando saiu de casa no bairro Guarapes, em Natal, para ir de bicicleta à casa da namorada em Parnamirim. Na semana seguinte ao desaparecimento, os policiais civis chegaram a encontrar suas sandálias e a bicicleta em uma área de vegetação em Parnamirim, próxima à casa da namorada. O corpo do jovem Gabriel foi encontrado no dia 14 de junho, em uma região de mata na comunidade Pau Brasil, em São José de Mipibu – a 30 km de Natal e a 20 km de Parnamirim. De acordo com as investigações, o crime de homicídio provavelmente ocorreu logo após o jovem Gabriel ser confundido com um suspeito da prática de um crime de roubo de um veículo, no bairro de Emaús, no município de Parnamirim.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lucis disse:

    Se fosse filho de rico a mídia já estaria fazendo pressão.Lamentavel a morte desse rapaz

  2. Hildo disse:

    Aí é briga de cachorro grande. Puliça x puliça.

  3. Dede Costa Gournnon disse:

    Lamentável o assassinato desse rapaz, que seja feita justiça e os culpados paguem pelo crime dentro dos limites da lei, chega de impunidade. Vidas de moradores de bairros populares importam.

  4. Entregador De Pizza disse:

    Aguardando a Associação dos praças emitir uma nota e os comentários dos patriotas…

  5. Sergio disse:

    Até que enfim Se fosse um filhinho do papai, o clamor seria grande…

Polícia Civil divulga informações sobre suspeitos pelo homicídio ex-dirigente do ABC

Fotos: Reprodução

A Delegacia de Homicídios e de Proteção à Pessoa da Zona Sul (DHZS) integrante da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) divulgou, nesta quarta-feira (15), características físicas e informações sobre os dois suspeitos pelo homicídio de Leonardo Queiroz, 42 anos, ex-dirigente do time de futebol ABC, morto em 20 de junho de 2019. Os dados fazem parte do laudo de exame de perícia criminal elaborado pelo Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP) que integra o inquérito sobre o homicídio.

De acordo com o laudo, um dos suspeitos possui a altura de 1,85m e o outro 1,90m e ambos usavam bonés no dia do crime, diante da análise das imagens de câmeras de segurança e de medições realizadas em locais por onde os suspeitos transitaram após o crime. “Com a divulgação dessas informações, nós solicitamos que a população continue a nos enviar informações anônimas e com total garantia de sigilo, para que nós possamos identificar e localizar os suspeitos pelo crime”, afirmou o delegado titular da DHZS, Ernani Fernandes.

As investigações apontam que os suspeitos são jovens e atléticos, com idades entre 20 e 30 anos. A Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima, através do Disque Denúncia 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. adalberto disse:

    agora vai. acho que em Natal só tem uma pessoa com 1,85m e outra com 1,90m que gostam de usar boné à noite.

  2. Cabo Silva disse:

    Com essas sombras de gente ficou muito fácil identificar!!!!

Polícia Civil prende suspeitos por homicídio em Natal e Parnamirim

Policiais civis da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) deram cumprimento, nesta quinta-feira (23) e quarta-feira (22), a mandados de prisão temporária em desfavor de três homens, investigados pela suspeita da prática do crime de homicídio que vitimou José Antônio da Silva Neto, no dia 16 de julho de 2019, no bairro Potengi, na Zona Norte de Natal.

Foram presos, nesta quinta-feira (23), já no sistema prisional: Wellington Félix da Cunha, mais conhecido como “Boneco” ou “Orelhudo”, preso na Penitenciária Estadual de Parnamirim (PEP) e Ivanildo Rocha da Cruz, mais conhecido como “Bucho”, preso no Complexo Penal Dr. João Chaves (CPJC). Natan Batista de Souza, preso nesta quarta-feira (22), foi conduzido até a delegacia e encaminhado ao sistema prisional, onde permanecerá à disposição da Justiça.

A Polícia Civil solicita que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181.

http://www.policiacivil.rn.gov.br/Conteudo.asp?TRAN=ITEM&TARG=229715&ACT=&PAGE=&PARM=&LBL=NOT%CDCIA

Polícia Civil prende na Grande Natal suspeito por tentativa de homicídio contra companheira com pedaço de vidro

Foto: Ilustrativa

Policiais civis da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM) da Zona Sul, com apoio da Delegacia Municipal de Extremoz, prenderam Oacy Carvalho da Silva, 31 anos, na manhã desta terça-feira (10), no bairro Moinho dos Ventos, na cidade de Extremoz. Ele foi preso mediante o cumprimento de um mandado de prisão preventiva expedido pela 1a. Vara Criminal da Natal.

Oacy Carvalho é suspeito de ter tentado matar a companheira, de 24 anos, usando um pedaço de vidro e uma faca. De acordo com as investigações, na noite do dia 03 de março deste ano, o homem que não aceitava o fim de relacionamento, atacou a vítima no rosto, no peito e nas costas. A mãe da vítima, que estava no local, socorreu a vítima e chegou a receber ameaças do suspeito.

A Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima através do Disque Denúncia 181.

http://www.policiacivil.rn.gov.br/Conteudo.asp?TRAN=ITEM&TARG=226574&ACT=&PAGE=&PARM=&LBL=NOT%CDCIA

Acusado de matar ex-namorada no interior do RN é preso em SP

Foto: Polícia Civil/Divulgação

Uma investigação realizada pela Delegacia Municipal de São Miguel, com apoio do Núcleo de Feminicídio da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), resultou na prisão de Paulo Roberto da Silva, de 36 anos, detido por policiais civis do Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos), da Polícia Civil de São Paulo, na manhã desta quarta-feira (11), em Guarulhos.

Os policiais civis do Garra cumpriram um mandado de prisão temporária, expedido pela Justiça do RN, contra Paulo Roberto, por ele ser o principal suspeito pelo feminicídio da ex-companheira Renata Ranyelle Almeida, de 23 anos. Ele é o suspeito por ter disparado um tiro no rosto da vítima, no dia 23 de novembro, quando ela trabalhava em uma loja na cidade de São Miguel, região Oeste do Rio Grande do Norte. No dia 29 de novembro, a vítima faleceu.

“As investigações da Polícia Civil do RN revelaram que o suspeito já tinha um histórico de violência contra mulheres. A primeira esposa dede separou-se e fugiu para São Paulo. Após isso, ele casou-se com Renata e continuou a praticar atos violentos. Diante as ações do homem, ela também decidiu-se separar de Paulo Roberto”, detalhou a delegada-geral Ana Cláudia Saraiva.

Veja mais – (CIÚMES) – VÍDEO: Dentro de camburão em SP, homem que matou ex-namorada no interior do RN descreve crime com absoluta frieza

Durante os mais de 15 dias de investigações, os policiais civis potiguares descobriram que no dia 22 de novembro, a vítima participou de uma festa de uma amiga em comum. Um dos amigos do suspeito fotografou Renata Ranyelle beijando um rapaz e enviou a foto para Paulo Roberto. No dia seguinte, ele planejou todo o crime e forjou um roubo na loja onde ela trabalhava. No dia 27 de novembro, o suspeito teria fretado carros e conseguiu transpor os estados do Paraíba, Pernambuco e Alagoas. De lá, ele seguiu para o estado de São Paulo e contou com a ajuda de pessoas que são investigadas pelo crime de falsificação de documentos.

“A Polícia Civil do RN já apreendeu a provável arma e a motocicleta que foram usadas no dia do crime. Tudo está sendo analisado, assim como a participação de todas as pessoas que deram apoio para o suspeito”, detalhou o diretor da Diretoria da Polícia Civil do Interior (DPCIN), delegado Inácio Rodrigues.

Foto: Redes Sociais/Facebook

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Maria disse:

    Vei parabéns Polícia esse canalha deve morrer na cadeia

  2. Roberto disse:

    Parabéns aos policiais que obtiveram êxito nessa ação.

  3. Francisco disse:

    Parabéns a polícia civil qui colocou esse bandido na cadeia e qui a justiça não solte .

  4. ELYAUSE MOREIRA DA SILVA JUNIOR disse:

    Parabéns à PCRN.

  5. CHICO100 disse:

    Parabénnnnssss, Policia Civil! Foi cirúrgica e prendeu esse meliante! Essa instituição faz muito por nós cidadãos do RN. Imagine se Vcs tivessem estrutura de trabalho e salário em dia!

  6. Roberto disse:

    E ainda tem gestor que quer a Polícia Civil trabalhando como PM!

  7. Feyb disse:

    ISSO AÍ!! agora é só o juiz não soltar

  8. PAULO disse:

    PARABÉNS, BOM TRABALHO DA POLÍCIA CIVIL!!!

Cunhado de Ana Hickmann é absolvido de acusação de homicídio

(Foto: Leandro Couri/EM/D.A. Press)

O cunhado da apresentadora de TV Ana Hickmann foi absolvido, por três votos a zero, na tarde desta terça-feira. Gustavo Henrique Belo Correia era acusado de homicídio doloso – quando há intenção de matar – contra o fã da artista, Rodrigo Augusto de Pádua, que, em maio de 2016, invadiu um hotel no Bairro Belvedere, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, onde Ana estava hospedada, e tentou matá-la. Pádua foi morto com três tiros na nuca, depois de lutar com o cunhado da apresentadora.

O julgamento ocorreu na tarde desta terça-feira, na sede do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), no Bairro Serra, na Região Centro-Sul de BH. Antes da audiência, Gustavo conversou com o Estado de Minas e demonstrou tranquilidade e confiança em sua defesa.

Após o julgamento, Gustavo Correia se mostrou satisfeito com a decisão do júri. “Era o que eu esperava. Meus familiares também, só que a gente nunca cantou vitória”, disse.

O cunhado da apresentadora de TV ainda agradeceu o apoio do presidente Bolsonaro e do Ministro da Justiça, Sérgio Moro. “Foi muito importante desde o começo. Sou muito agradecido. Independente de partido político, se é direita, se é esquerda, se é centro, não interessa. Isso é questão de justiça”, afirmou.

O advogado de Corrêa também celebrou o resultado. “A justiça tarda mas não falha”, disse Fernando José da Costa. Ele contou que foi uma surpresa a decisão do Ministério Público de Minas Gerais de apresentar denúncia de homicídio doloso, mesmo quando o inquérito tenha sido concluído como legítima defesa.

“Lamentavelmente aquele promotor de 1ª Instância, Dr. Francisco de Assis, desde o início, se convenceu da culpabilidade de Gustavo. Tanto é que antes do interrogatório, momento mais importante do processo, o mesmo deu uma entrevista informando que iria pronunciar o Gustavo. Ou seja, não deu sequer a oportunidade de ouvir a versão de Gustavo”, disse. “Respeito o Ministério Público, mas a atuação desse promotor não foi técnica, não foi imparcial”, completou.

O advogado informou ainda ressaltou que trabalhava para aliviar o sofrimento da família de Corrêa e Ana Hickmann, que, segundo ele, ainda fazem tratamento psiquiátrico. “Prometi trazer a eles (família) essa vitória jurídica. Pessoas honestas, que trabalharam uma vida inteira, de repente viram seu filho réu. Foi gerado um grande sofrimento de uma família trabalhadora”, disse.

No fim, ele agradeceu o trabalho da justiça mineira. “Hoje eu parabenizo o Poder Judiciário e o Tribunal de Justiça de Minas Gerais que, além de manter a sentença absolutória, deu uma lição de moral, de conforto à família Corrêa”.

O caso

Em 2017, Gustavo foi absolvido pela juíza Âmalin Aziz Sant’Ana, titular do juízo sumariante do 2º Tribunal do Júri da capital, que considerou que o réu agiu em legítima defesa. Mas, em abril de 2018, o promotor do Tribunal do Júri do Fórum Lafayette, Francisco de Assis Santiago, recorreu da decisão que inocentou o cunhado.

O MPMG apresentou denúncia por homicídio doloso contra Gustavo Corrêa em 7 de julho de 2016. Ele foi enquadrado no artigo 121 do Código Penal, que prevê reclusão de 12 a 30 anos por homicídio qualificado. A denúncia foi em sentido oposto ao que a Polícia Civil do estado apontou na investigação.

O delegado Flávio Grossi, responsável pelo caso, pediu o arquivamento do inquérito, alegando que Gustavo teria agido em legítima defesa.

Estado de Minas

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Brasil Acima de Todos disse:

    Absolvição justíssima. A verdade imperou. Parabéns advogado e a justiça.

  2. J. Dantas disse:

    Chupa MP, que ganha um miserê…… mais um herói salvo das garras do MP…se fez justiça!

Sargento da PM será julgado no Tribunal do Júri de Natal por participar do homicídio do advogado Antônio Carlos ocorrido em 2013

Foto: Reprodução

Na próxima segunda-feira, 02, deverá ir a julgamento o último envolvido na morte do advogado Antônio Carlos, trata-se do sargento da Polícia Militar, Antônio Carlos Ferreira de Lima, acusado de envolvimento no crime.

O 1º Tribunal do Júri da Comarca de Natal que condenou os réus acusados da morte do advogado Antônio Carlos de Souza Oliveira, de 41 anos. A vítima foi assassinada a tiros dentro de um bar na Zona Oeste de Natal na noite de 9 de maio de 2013.

Veja matéria completa no portal Justiça Potiguar, clicando aqui.

Cunhado de Ana Hickmann voltará a ser julgado por homicídio em setembro

Foto: Reprodução/TV Record

O cunhado da apresentadora Ana Hickmann, acusado de homicídio por ter matado um homem que a atacou, declarou estar “feliz e lisonjeado” com o apoio recebido do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Bolsonaro e o ministro da Justiça Sérgio Moro evocaram o episódio envolvendo a apresentadora e seu cunhado, Gustavo Corrêa, na sexta-feira (9) e no sábado (10), para voltar a defender a diminuição ou o fim da aplicação de pena por excesso em casos de homicídio por legítima defesa se o homicida tiver agido sob “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”, conforme prevê o pacote anticrime proposto por Moro.

“A gente sempre fica feliz, é um presidente dando o apoio, independentemente de qual seja. Ficaria feliz se fosse qualquer outro presidente”, afirmou Corrêa à Folha. Ele será julgado em segunda instância em setembro, após ter sido absolvido no ano passado.

Sobre a mudança no Código Penal proposta pelo presidente, ele apoia. “Bolsonaro tem total razão. Quando uma pessoa entra armada na sua casa, não deve existir nenhum tipo de lei nem nada que vá contra o que você pode fazer, independentemente se sejam dois, três ou trinta tiros. Ainda mais quando a arma é dessa pessoa e você está desarmado”, afirmou.

Em 21 de maio de 2016, Ana, Corrêa e Giovana, sua então esposa que trabalhava como assessora da apresentadora, estavam hospedados em um hotel em Belo Horizonte quando foram abordados por Rodrigo Augusto de Pádua, que se identificava como fã de Ana.

Segundo informações no inquérito, Rodrigo foi ao hotel com um revólver porque fora bloqueado das redes sociais da apresentadora, a quem mandava mensagens insistentemente.

Ele tomou os três como reféns em um quarto e, segundo afirmou Corrêa em interrogatório, passou a xingá-los e a ameaçá-los agressivamente com o revólver. A apresentadora desmaiou, o invasor se irritou e atirou na direção dela, acertando Giovana.

Após o tiro, Corrêa saltou sobre Pádua para tomar a arma. Já no chão, após luta corporal, ele pegou o revólver e deu três tiros na nuca do invasor, que morreu. As duas mulheres já haviam deixado o quarto, e o cabeleireiro da apresentadora, Júlio da Silva, estava do lado de fora do quarto e ouviu a disputa.

Gustavo foi denunciado pelo Ministério Público de Minas Gerais por homicídio doloso, quando há a intenção de matar, sob o argumento de que houve excesso na legítima defesa.

À época, o promotor Francisco Santiago disse que sua acusação tinha como cerne a localização dos tiros, na parte de trás da cabeça.

“Onde é que foram dados os tiros? Na nuca de alguém. Como eu posso entender legítima defesa com quem dá três tiros na nuca de alguém? (…) A legítima defesa exige que você tenha moderação na sua ação. A lei não diz que você pode matar. A lei diz que você pode se defender, mesmo que tenha que matar. A vítima estava dominada”, afirmou.

O caso interessa a Bolsonaro e Moro porque ilustra a mudança no Código Penal proposta pelo pacote anticrime, que patina na Câmara. O texto prevê que o juiz possa reduzir a pena por homicídio até a metade ou deixar de aplicá-la se o excesso decorrer de “escusável medo, surpresa ou violenta emoção”.

“Pessoas não reagem a ataques injustos com régua e compasso na mão. Somos todos humanos”, escreveu Moro em suas redes sociais no sábado (10).

“É justo o cunhado da Ana Hickmann ir para tribunal do júri? Não vou nem falar em condenação. A proposta do Moro prevê acabar com isso aí. Nada mais claro que a legítima defesa. Nesse caso não tem que se levar em conta a questão do excesso”, disse Bolsonaro na sexta (9).

“Aquela pessoa não pode ser tratada como uma assassina. Defendeu a família. E as pessoas não são máquinas, podem cometer algum excesso”, completou o ministro.

Em abril do ano passado, Corrêa foi absolvido da acusação de homicídio. A juíza avaliou que ele agiu em legítima defesa. Sobre o excesso, escreveu que “não era exigível comportamento diferente de Gustavo”, já que “utilizou do meio que dispunha para se defender (a arma trazida pela própria vítima).” No entanto, o Ministério Público recorreu e ele será julgado em segunda instância, provavelmente em 10 de setembro.

Corrêa diz que “a posição mostrou porque os tiros foram na nuca. Caí atrás dele. Não me arrependi, faria tudo igual, não contaria quantos tiros eu daria. Se isso é excesso ou não, vamos descobrir na próxima audiência. Vamos ver o que vai acontecer com os desembargadores”, afirma, sobre o julgamento no mês que vem.

Gustavo também disse que falou por telefone em julho com Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente, e recebeu apoio do deputado. “Teve uma ligação, do Eduardo, para o meu irmão [Alexandre, casado com Ana Hickmann e famoso apoiador de Bolsonaro]. Disse que estava do nosso lado para o que precisasse.”

Para especialistas, a generalidade de cláusulas como “medo” e “violenta emoção”, que dão abertura a interpretações múltiplas, podem impactar as estatísticas sobre o crime no Brasil.

Casos de feminicídio, por exemplo, em que o homem diz ter sido atacado pela mulher e que a assassinou por ter sentido “medo” poderão se encaixar como eventos de ação justificada e implicar em pena reduzida ou dissolvida.

Estudo feito pelo Conselho Nacional do Ministério Público mostrou que, de 2011 a 2012, 83% dos homicídios com causa provável no estado de São Paulo tiveram motivos “fúteis” ou foram cometidos por “impulso”. Outros estados mostraram números semelhantes, como Santa Catarina (74,46%) e Pará (94,12%).

Também há temor de que a aprovação da proposta de Moro estimule as mortes causadas por policiais. Em 2018, 6.160 pessoas foram mortas por policiais, segundo levantamento do G1, do Núcleo de Estudos da Violência da USP e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Um policial que, ao ver um colega atingido durante ação, atira e mata uma pessoa, por exemplo, poderá afirmar que agiu sob violenta emoção e ter a pena abrandada ou eliminada.

O pacote anticrime de Moro também estabelece hipóteses de legítima defesa para policiais. Segundo o texto, está em legítima defesa o policial que age para prevenir agressões ou risco de agressões a si mesmo e a outras pessoas. Pela lei atual, o policial deve aguardar ameaça concreta ou a efetivação do crime para agir.

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Arnaldo Franco disse:

    Não sei quem gosta mais de bandidos: o STF ou esse tal de MPF.

  2. Aroldo Pontes disse:

    Sejam todos bem vindos ao Brasil, onde o crime compensa APENAS PARA QUEM JÁ É DO RAMO. Poderiam regulamentar a profissão assinar a carteira dos criminosos profissionais, pois até salário já existe. Nunca vou entender a Lei do nosso país. Um país tão bonito e rico manipulado por mãos de gente incompetente e sem vergonha.

FOTO: Polícia Civil prende em Nova Parnamirim suspeito de homicídio contra a mãe em Maceió-AL

Foto: Divulgação/Polícia Civil

Policiais civis do 2º Distrito de Polícia de Parnamirim prenderam, na noite dessa terça-feira (06), Jefferson Silva da Cruz, 35 anos. Ele é suspeito de praticar crime de homicídio contra a mãe, em Maceió, no estado de Alagoas, e estava foragido. Jefferson Silva também é apontado como autor de um homicídio ocorrido na cidade de Parnamirim, no ano de 2002.

A prisão ocorreu no bairro Nova Parnamirim, em cumprimento a um mandado de prisão preventiva expedido pela 8ª Vara Criminal da Comarca de Maceió.

Ele foi conduzido até a delegacia e encaminhado ao sistema prisional, onde ficará à disposição da Justiça.

A Polícia Civil pede ajuda à população enviando informações de forma anônima, através do Disque Denúncia 181 ou Disque Denúncia da 2ª DP de Parnamirim, por meio do aplicativo WhatsApp: (84) 9 8135-6724.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cap_Mor disse:

    Um cabra desse serve pra quê?

  2. PAULO disse:

    O cara matou a PRÓPRIA MÃE?! Certamente um homicida em potencial a menos nas ruas. Parabéns aos policiais civis que o prenderam.