Bolsonaro diz que está descartado aumento de imposto sobre cerveja, cigarro e itens com açúcar

Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (24) que está descartado aumento de imposto sobre cerveja, cigarro e itens com açúcar.

“Paulo Guedes, desculpa, você é meu ministro, te sigo 99%, mas aumento de imposto para cerveja não”, afirmou Bolsonaro ao desembarcar em Nova Délhi, na Índia.

A mudança na tributação foi aventada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta quinta-feira (23).

Guedes está em Davos, na Suíça, onde participa do Fórum Econômico Mundial. Lá, em entrevista à GloboNews, o ministro afirmou que o governo avalia uma cobrança de tributos sobre cigarros, álcool e produtos com açúcar numa eventual proposta de reforma tributária a ser apresentada pela equipe econômica.

De acordo com ele, o sistema tributário de vários países prevê a cobrança do “imposto do pecado” para diminuir o consumo de cigarros, álcool e produtos com açúcar.

“Não tem nada definido, tem um grupo fazendo a reforma tributária. Fala-se de tributos e impostos e existe esse conceito de tributar coisas que fazem mal para a saúde”, disse Guedes.

Porém, Bolsonaro disse nesta sexta ser contra a proposta. “Não tem como aumentar, não consegue mais aumentar a carga tributária no Brasil. Todo mundo consome algo de açúcar todo dia, não da pra aumentar”, complementou o presidente.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bento disse:

    É óbvio
    Quem tem interesse de tumultuar é quem perdeu as eleições.
    Esses partidos vivem disso até quando estavam no poder não rram diferentes.

  2. Nildo disse:

    Aiiiimm tem gente enganando o povo…
    Quando Bolsonaro decretou o fim do DPVAT quem foi a justiça pedir que o imposto continuasse? O PSOL o maior puxadinho do PT.
    Só lembrando a "turma do quando pior melhor" pra eles:
    Menor taxa de juros do cheque especial;
    Geração que 640 mil novos empregos;
    Deixou em ZERO alíquota para importação de equipamento médico;
    Sancionada lei da liberdade econômica;
    Governo ZERA imposto de IMPORTAÇÃO de 532 produtos;
    Extinção 27 mil cargos federais sem servidor ocupando que servia como cabide de emprego;
    Vem muito mais por aí… aguardemmmmm.
    A vocês resta a mentira, a falácia e o desespero em ver um governo fazendo pelo povo.

  3. Carlos Medeiros disse:

    Quem tá de kaô nessa história?..alguém tá blefando, né ?

  4. Nando disse:

    Tudo combinado: vc levanta a bola e eu chuto a Gol. Cri uma babozeiras no imposto que proíbo. …entenderam otarios? Sem pré jogando pra arquibancada.

  5. Anderson disse:

    Muitos crimes e contravenções estão associadas ao consumo do álcool. Deveria ser taxado parte para a saúde (doenças relacionadas) e segurança (crimes relacionados).

Bolsonaro descarta separar ministério de Moro: ‘Chance é zero’

Foto: Reprodução/Globo News

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira (24) que está descartada a possibilidade de desmembrar o Ministério da Justiça, comandado por Sergio Moro.

Na quinta-feira (23), Bolsonaro havia dito que o governo estava estudando recriar a pasta da Segurança Pública, que atualmente está sob o comando de Moro. Com a mudança, Moro ficaria na Justiça e um outro ministro comandaria a área da segurança.

Bolsonaro chegou a afirmar que era “lógico” que o ministro não estava gostando do debate.

Nesta sexta, ao chegar a Nova Déli, na Índia, para uma viagem oficial, o presidente voltou ao tema. Desta vez, disse que a chance de recriar a pasta da Segurança Pública é “zero”.

“O Brasil está indo muito bem, na segurança pública os números demonstram que estamos no caminho certo. É minha máxima, né, em time que está ganhando não se mexe”, afirmou.

Em seguida, ele foi questionado por jornalistas se a mudança estava descartada. “Lógico que está descartado. Nem precisava responder”, declarou o presidente.

“A chance no momento é zero. Tá bom ou não? Tá bom, né? Não sei amanhã. Na política, tudo muda, mas não há essa intenção de dividir [o Ministério da Justiça]. Não há essa intenção”, completou Bolsonaro.

O movimento de recriação do Ministério da Segurança Pública ganhou força após uma reunião, na quarta-feira (22), em Brasília, entre Bolsonaro e secretários estaduais de Segurança, que pediram ao presidente uma pasta específica para a área.

Bolsonaro disse que alguns secretários “podem querer enfraquecer o governo” e ressaltou que não há desgaste entre ele e Moro.

“Essa questão de novo, dos secretários, alguns, não são todos, querendo a divisão. Alguns podem estar bem intencionados e outros podem querer enfraquecer o governo. Não existe qualquer atrito entre eu e Moro, eu e [Paulo] Guedes [ministro da Economia], e qualquer outro ministro”, disse Bolsonaro.

‘Superministério’

Na quinta, quando afirmou que a recriação da Segurança Pública estava em análise, Bolsonaro disse que, na época em que convidou Moro para o governo, ficou acertado entre os dois que a pasta a ser comandada pelo então juiz federal seria a da Justiça.

“Se for criado [o Ministério da Segurança], daí ele [Moro] fica na Justiça. O que era inicialmente. Tanto é que, quando ele foi convidado, não existia ainda essa modulação de fundir com o Ministério da Segurança”, disse o presidente.

A declaração contrariou o que o próprio Bolsonaro afirmou na época: “A questão da segurança ir para a Justiça, nós já tínhamos decidido”, disse ele no Twitter em novembro de 2018.

O próprio Moro, quando aceitou o convite para ser ministro, afirmou: “Fui convidado pelo sr. Presidente eleito para ser nomeado Ministro da Justiça e da Segurança Pública na próxima gestão”.

O Ministério da Segurança Pública foi criado na gestão do ex-presidente Michel Temer, antecessor de Bolsonaro. Devido à junção dos dois ministérios sob seu comando e ao peso de sua participação no governo, Moro foi chamado no início da gestão Bolsonaro de “superministro” da Justiça e Segurança Pública.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Foi pura maldade do fotógrafo, ou Bolsonaro foi à Índia travestido de colombina divulgar a abertura do carnaval brasileiro?

  2. Humberto disse:

    Bolsonaro tem a caneta. Moro tem um dossiê. Façam suas apostas

  3. Jose de Arimatea Lopes Fernandes disse:

    O governo Bolsonaro entraria em ambiente de total isolamento, criando clima para o fortalecimento do PT e o retorno de Lula ao poder.
    Bolsonaro sentiu que Moro tem respaldo da sociedade, por isso desistiu de sua própria vontade.
    Ele ainda vai retornar a esse mesmo assunto, é só aparecer uma oportunidade.

  4. Bil berg disse:

    Vai meu bichim!!
    Estamos aqui a todo vapor, com toda garra pra te apoiar e defender MITO.
    Mas lembre se que os seus eleitores, seguidores e apoiadores, na sua estrondosa maioria, NÃO SÃO ALIENADOS, é gente que quer, porque quer que esse país vá pra frente e dê certo.
    Esse assunto, se quer deveria ter entrado em pauta.
    MORO É MORO, patrimônio valiosíssimo Nacional, como dizia o ex ministros, Antonio Rogério Magri, é IMEXIVÉL.
    Nem invente de coverssar merda com esse corrupto, safado travestido de cordeiro do Rodrigo Maia, e sua corja, que a CANGAIA VIRA.
    Que vê??
    Invente!!
    Aí, tchau Reeleição.
    Essa é a pura verdade, verdadeira e ponto final.

  5. Ceará-Mundão disse:

    Bobo é quem pensa que Bolsonaro é burro e despreparado. Será que alguém assim conseguiria chegar aonde ele chegou sem dinheiro, sem partido forte e enfrentando TODA a grande mídia e TODO o aparato montado pelo "mecanismo" no Brasil? Óbvio que não. Com todos os seus defeitos (penso que nem são tantos), ele tem demonstrado ser um ótimo estrategista. E caminha prá se reeleger (embora ainda estejamos longe) e matar os esquerdopatas e corruptos de raiva.

  6. Gabriel Fernandes disse:

    Isso foi apenas um recuo estratégico de quem deve ter sido bombardeado pelos seguidores dele nas redes sociais, se ele mexer com o Moro ele se ferra, mas ele tem ciúmes do Moro. Bolsonaro é o verdadeiro idiota que quando abre a boca só atrapalha. Se ele ficasse calado estávamos um três passos a frente na economia e atrapalharia menos seu próprio governo. É o que digo a oposição ao Governo Bolsonaro é o próprio Bolsonaro e seus filhos patetas!!!

    • Ricardo disse:

      Ele nunca disse que pretendeu recriar esse Ministério. O resto é espuma.

    • Bento disse:

      Menos Gabriel menos.
      Ninguém é perfeito, más foi o único com coragem junto com MORO que enfrentaram os bandidos de alta periculosidade da corrupção.
      Bolsonaro é acima de tudo um grande estratégista.

“Quem falar em CPMF está demitido”, diz Paulo Guedes

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Paulo Guedes, em entrevista à GloboNews, descartou qualquer possibilidade de restaurar a CPMF:

“O último que falou isso foi demitido.”

Merval Pereira notou que a proposta do governo pode ser descrita como uma CPMF digital.

Paulo Guedes respondeu:

“Quem falar em CPMF está demitido. Isso não é CPMF.”

O Antagonista com O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Firmino disse:

    Aiiimmmm eles vão criar o CPMF? Onde está escrito isso? A esquerdalha vai dizer que não tem escrito mas está colocado nas entrelinhas. Entrelinhas da imaginação da esquerda que quer o pior para o país. Mas não é a esquerdalha que foi a justiça para impedir o fim do DPVAT?
    Finalmente os esquerdopatas querem imposto ou não?

  2. Flavio disse:

    Tem cara de gato, tem pelo de gato, mia como gato, mas não é gato. É o que? Kkkkkkkk

  3. Nono Correia disse:

    O cara pretende taxar o uso de aplicativos de celular, mas claro é claro que isso não é CPMF, é CPMF com outro nome. Então tá certo. O gado vai mugir em 4…3…2…

  4. Escritor disse:

    Entao se demita.

  5. Anti-Político de Estimação disse:

    "Isso não é CPMF….." . Ou seja, vem por aí mais uma lapada no contribuinte brasileiro, mas só que com outro nome, para enganar os trouxas.
    Vamos remando, precisamos juntar cada vez mais dinheiro para o fundão sem-vergonha e para o mercado financeiro.

  6. otarocha disse:

    Pronto,é só arranjar outro nome.

FOTO: Secretaria descarta intoxicação por óleo em turista de MG que teve manchas no corpo após banho de mar na Bahia

Foto: Arquivo Pessoal

A Secretaria Municipal de Saúde de Ilhéus, no sul da Bahia, onde o turista de Minas Gerais sofreu manchas no corpo após tomar banho de mar, descartou nesta terça-feira (5) o quadro de intoxicação pelo óleo que atinge as praias do litoral nordestino.

De acordo com o boletim, o diagnóstico inicial de Anderson Gabriel é de queimadura de primeiro grau. Os exames feitos por ele não tiveram alterações e as costas dele apresentam quadro de descamação. Ele foi internado na segunda (4), no Hospital Regional Costa do Cacau após um mal-estar, com vômitos e náuseas.

De acordo com o coordenador da Vigilância em Saúde da cidade, Gleidson Souza, a queimadura não tem relação com as manchas de óleo que atingiram a cidade. Ele disse ainda que o turista já teve melhora no quadro de mal-estar nesta terça.

“A queimadura não tem relação epidemiológica com o óleo. O paciente não tem sinais de intoxicação clássico do petróleo, não teve nenhuma alteração nos exames. No momento ele está com bom estado geral, orientado, sinais vitais normais. Sem sinal de intoxicação”, descreveu Gleidson.

O G1 questionou ao coordenador se há informação sobre o que causou a queimadura no turista. Segundo Gleidson, as causas da queimadura ainda estão sendo apuradas.

Em entrevista ao G1, no domingo (3), Anderson Gabriel contou que caminhava sozinho na praia quando decidiu tomar um banho de mar. O turista conta que ficou dentro da água por cerca de 40 minutos e saiu quando o corpo começou a arder.

“Eu estava fazendo uma caminhada na areia. Aí na hora que eu fui tomar um banho de mar, fiquei uns 40 minutos dentro da água. O meu corpo começou a coçar e queimar, e eu saí da água. Na praia eu não vi óleo, mas quando eu cheguei em casa, que eu fui tomar banho, começou a sair uma água escura [do corpo] e a bucha ficou muito oleosa”, lembrou Anderson.

O coordenador da Vigilância disse que a esponja usada por Anderson foi analisada, mas que vestígios de óleo não foram encontrados. Ele pontuou ainda que uma análise da água também está sendo feita.

G1

Força-tarefa descarta atuação de auditores da Receita em investigações da Lava-Jato

Força-tarefa descarta atuação de auditores da Receita em investigações da Lava-Jato

Após a deflagração nesta quarta-feira da operação Armadeira , que teve entre seus alvos auditores fiscais e analistas tributários da Receita Federal , representantes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal defenderam, em entrevista coletiva, que os investigados não tinham envolvimento com a Operação Lava-Jato . O auditor fiscal Marco Aurélio Canal, considerado pelo MPF como a liderança da organização criminosa, ocupava o posto denominado “supervisor nacional da Equipe Especial de Programação da Lava-Jato” na Receita.

A equipe comandada por Canal na Receita Federal era encarregada de fiscalizar a movimentação financeira e o patrimônio de pessoas físicas e jurídicas que haviam sido alvo da Lava-Jato. Canal recebia dossiês do setor de inteligência da Receita, e podia decidir abrir ações fiscais contra determinados alvos. O que o grupo criminoso liderado por Canal fazia, porém, era achacar quem seria alvo desse tipo de procedimento: cobravam propina para que esses processos não fossem abertos.

— Jamais houve contato dessas pessoas com a fase sigilosa, investigativa das operações. Depois que as operações eram publicizadas, ele (Canal) era o responsável por monitorar casos em que pudesse ter incidência de tributos, de maneira burocrática. Ele não estava envolvido com investigações da força-tarefa da Lava-Jato — afirmou o procurador do MPF Almir Teubl.

Canal conduzia a programação de fiscalização contra os envolvidos na Lava-Jato. Sua equipe recebia os resultados das quebras de sigilo da Lava-Jato, cruzava com as informações internas e, depois desse processo, selecionava os contribuintes a serem fiscalizados.

O nome da operação (“Armadeira”) faz referência, segundo o delegado da PF Rodrigo Alves, a um tipo de aranha “que tem atuação bastante agressiva, mas age por vontade própria”.

— Não podemos confundir a atuação desses servidores com a atuação institucional da Receita Federal, que foi fundamental, inclusive, nessas investigações — argumentou Alves.

As investigações, segundo a PF, tiveram início no fim de 2018, a partir da delação premiada do empresário Ricardo Siqueira Rodrigues, alvo da Operação Rizoma, e que declarou ter sido alvo de achaques por parte do grupo criminoso na Receita Federal. Segundo a investigação, o grupo cobrou inicialmente propina de 750 mil euros para não dar prosseguimento a ações fiscais contra o empresário. Após negociações, o valor final acertado foi de 550 mil euros.

O pagamento da primeira parcela, de 50 mil euros, foi monitorado pelo MPF e pela PF em uma “ação controlada”. O dinheiro foi depositado numa conta bancária em Portugal em nome do analista tributário Marcial Pereira de Souza e de sua mulher, Mônica. Segundo a procuradora do MPF Marisa Ferrari, um pedido de cooperação internacional já foi feito para bloquear o dinheiro e iniciar os trâmites de sua devolução ao Brasil.

De acordo com Ferrari, as investigações identificaram também um esquema criminoso paralelo, envolvendo o auditor fiscal Leônidas Quaresma, que recebia vantagens indevidas para reduzir a carga tributária de pessoas físicas e jurídicas em atualizações de valores de imóveis. As investigações em relação a Quaresma serão desmembradas, segundo Ferrari, por não terem relação aparente com a atuação do grupo ligado à Lava-Jato.

A operação deflagrada nesta quarta-feira executou 41 mandados de busca e apreensão em endereços dos investigados e de seus familiares. Dos 14 mandados de prisão – nove preventivas e cinco temporárias -, 11 haviam sido cumpridos até o início da tarde.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ferreira disse:

    E SE ELES ABRIREM A BOCA E ENTREGAR OS MUITOS ESQUEMAS ILEGAIS QUE FORAM FEITOS PARA INVESTIGAR A VIDA DAS PESSOAS (ADVERSÁRIOS POLÍTICOS QUE ESTAVAM SENDO PERSEGUIDOS IMPLACAVELMENTE) SEM AUTORIZAÇÃO DA JUSTIÇA?
    NA DÚVIDA,MELHOR SOLTAR ELES MESMO E DEIXAR PRA LÁ OS TAIS DESVIOS DE QUE ESTAVAM SENDO ACUSADOS.

  2. Vicente disse:

    Agora está na hora de fazer uma quebra de sigilo telefônico e fiscal do pessoal do COAF petralha, como movimentaram mais de 2 trilhões e eles nem levantaram suspeitas. Tem wue fazer uma devassa nos operadores do coaf. incrível esse absurdo.

Governo descarta congelamento e anuncia que salário mínimo e BPC continuarão sendo corrigidos pela inflação

Foto: Ilustrativa

O Ministério da Economia anunciou nesta quinta-feira(19) que o salário mínimo e o Benefício de Prestação Continuada (BPC) continuarão sendo corrigidos pela inflação.

A possibilidade de congelamento do mínimo para conter o crescimento das despesas obrigatórias está descartada, segundo o governo.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. toni disse:

    o que e isso uma piada de muito mau gosto congelar o salario minimo o aumento ja e uma merda e agora vem com essa imagina congelar o salario minimo tão de sacanagem so pode so pode so podeeeeeeee!!!!!!! ha eu to muito puto com essa mais muito putooooooooo!!!!!!!!! putooooooooo!!!!!!!!! grgrgrgrgrgrgrgrgrgr!!!!!!!!!!!!!!!!! iradooooooooooooo!!!!!!!!

Dodge descarta pedido do PT para investigar Moro

Foto: Marcelo Camargo/Ag Brasil – 1.7.19

Raquel Dodge rejeitou um pedido do PT para investigar Sergio Moro por suposta violação do sigilo das investigações sobre as candidatas laranjas de Marcelo Álvaro Antônio.

O partido acusa o ministro de informar a Jair Bolsonaro sobre o andamento do inquérito, o que poderia levar à destruição de provas envolvendo o PSL de Minas Gerais.

“Não há sequer indicação de que o Ministro tenha adentrado na investigação, obtido informações sigilosas ou repassado, retirando a autonomia da Polícia Federal, como inferem – sem indícios de prova – os representantes”, escreveu a procuradora-geral.

Também descartou crime de responsabilidade por parte de Bolsonaro.

O Antagonista

Governador descarta renúncia: ‘É ato de covardia’

O governador Robinson Faria (PSD) afirmou na manhã desta quarta-feira (21), durante entrevista ao Jornal 96, que pretende permanecer no cargo até o final de seu mandato, destaca reportagem do Nominuto.

“Renunciar é um ato de covardia, é um ato de oportunismo. Você renunciar o mandato de governador para buscar um mandato e eu fui eleito para governar os quatro anos”, declarou.

“Político que renuncia o mandato para buscar outro caminho é um político oportunista”, criticou o governador. Para alguns observadores, Robinson Faria fez referência indireta ao prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves (PDT), que pode renunciar ao cargo para disputar a eleição do governo. O prazo de desincompatibilização para quem ocupa cargos no Executivo se encerra no dia 7 de abril.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Almir Dionisio disse:

    Vendo hoje a entrevista do Governador no Bom Dia RN se percebe o quanto o governador tá perdido, olha o tempo todo para o passado e ainda diz que faz gosto ver a penitenciária de Alcaçuz, como se fosse ponto turístico do estado.
    Evidenciou que herdou um estado quebrado, porém o mesmo fazia parte da gestão anterior como Vice-Governador, ou seja, tinha conhecimento da situação do estado.
    Evidenciou várias obras que seu governo tá fazendo, esquecendo de dizer que a maioria foi graças ao projeto do RN Sustentável aprovado na gestão de Rosalba, muita coisa ainda parada pq o governo não tem recursos para as contrapartidas.
    Um fato é público e notório, o governador não tem apoio da bancada estadual e federal, esses políticos não pensam no desenvolvimento do RN, mais sim nos seus projetos políticos pessoais.
    Sabemos que vivemos um momento de profunda crise econômica em nosso país, porém o governo não se preparou para enfrentá-la.
    Gastou rios de dinheiro com consultorias que até o presente momento não mostraram os seus resultados.
    O certo é que necessitamos urgente de uma posição do governo no tocante a regularização dos pagamentos dos servidores e de um projeto que realmente seja atrativo para fomentar a economia do RN