Polícia

Joice Hasselmann: polícia do DF descarta agressão e diz que deputada caiu ‘da própria altura’

Foto: Reprodução

A Polícia Civil do Distrito Federal concluiu, nesta sexta-feira (13), que a deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) caiu possivelmente em decorrência de efeitos de remédio para dormir. Na madrugada de 18 de julho, a parlamentar acordou com marcas de sangue no chão do apartamento onde mora, na capital, mas não lembrava o que ocorreu.

“A Polícia Civil do Distrito Federal, por intermédio da 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte), concluiu as investigações do caso da Deputada Joice Hasselman no sentido de ‘queda da própria altura’, possivelmente decorrente dos efeitos de remédio para dormir”, diz nota da corporação.

“No caso, não se evidenciou quaisquer elementos que apontassem para a prática de violência doméstica ou atentado/agressão por parte de terceiros.”

Ainda de acordo com a Polícia Civil, o inquérito foi encaminhado ao Judiciário e ao Ministério Público.

O G1 entrou em contato com a assessoria de imprensa da deputada, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem. O advogado da parlamentar, Antônio Carlos de Almeida Castro, conhecido como Kakay, disse que “confia no trabalho técnico da Polícia Civil de Brasília”. Além disso, ele afirmou que “acata a decisão técnica do IML [Instituto de Medicina Legal]”.

A Polícia Civil informou ainda que periciou o apartamento da deputada. Além disso, os investigadores disseram que o inquérito foi baseado na apuração da própria corporação. A Polícia Legislativa já havia constatado que não houve invasão no imóvel de Joice.

Relembre o caso

Ao acordar, no dia 18 de julho, a deputada percebeu que estava com dois dentes quebrados e um corte no queixo. Um hospital de Brasília constatou que Joice também teve cinco fraturas no rosto e na costela.

A parlamentar conta que ligou para o marido, o médico Daniel França, que estava no apartamento e dormia em outro quarto, e ele a socorreu.

Sete dias após o episódio, em 25 de julho, o casal afirmou que, nos primeiros dias, acreditava se tratar de uma queda. Joice disse que só solicitou que a Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados (Depol) investigasse o caso cinco dias depois, por recomendação de um médico.

Perícia

Peritos do Departamento de Polícia Legislativa (Depol), da Câmara dos Deputados, já haviam concluído que nenhuma pessoa estranha entrou no apartamento funcional onde a parlamentar mora, entre os dias 15 e 20 de julho. Os profissionais analisaram câmeras de segurança do imóvel.

Em 27 de julho, a corporação concluiu o inquérito que apura um incidente ocorrido no imóvel. A Polícia Legislativa realizou perícia em 16 câmeras do prédio e ouviu funcionários que trabalham no local.

À época, o inquérito foi encaminhado para o Ministério Público Federal. Porém, o procurador Wellington Divino Marques de Oliveira decidiu devolver os autos à corporação. Ele afirmou que só vai se manifestar após o término de todos os laudos periciais, mas não detalhou quais faltam.

Marido negou agressões

O marido da deputada chegou a ser apontado como o responsável pelas lesões, segundo o casal. Entretanto, ao lado da esposa, em uma coletiva à imprensa dias após o ocorrido, França negou ter atacado Joice.

“Eu nunca agredi ninguém, nunca dei um tapa em ninguém, nem um murro em ninguém. Não tenho nenhum motivo para fazer isso, eu jamais faria isso”, afirmou o médico.

À época, Joice afirmou que, quem acusar o marido de ser o responsável pelas agressões, será processado. “Não vou admitir mancharem a honra do meu marido e a minha honra também, porque isso é colocar o meu caráter e minha história em suspeita”, disse Joice.

Na ocasião, a deputada afirmou que apresentou o nome de dois suspeitos à investigação. De acordo com a deputada, um deles seria parlamentar. Joice comentou ainda que desconfiava que sua casa já havia sido invadida cerca de três meses antes das lesões.

Na ocasião em que ficou ausente por 10 dias do imóvel, foi encontra uma carteira de cigarro dentro da casa, que não tem fumantes, segundo a parlamentar.

G1

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Joice descarta participação de marido no que classifica como ‘atentado’: “Não sou mulher de malandro e seria a primeira a denunciar”

FOTO: YOUTUBE/ REPRODUÇÃO – MONTAGEM R7

A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) descartou, nesta sexta-feira (23), a participação de seu companheiro, o neurocirurgião Daniel França, no atentado que diz ter sido vítima.

Joice informou que sofreu fraturas no rosto e na coluna em um incidente ocorrido em seu apartamento funcional em Brasília, no último domingo (18). De acordo com o texto, a deputada “acordou já caída no chão do corredor, entre o quarto e o banheiro, com o rosto em uma poça de sangue, sem saber exatamente o que aconteceu”.

Do chão, ela conseguiu chamar o marido – o neurocirurgião Daniel França, que estava no apartamento, mas tinha dormido em outro quarto – para socorrê-la e prestar os primeiros socorros.

Nas redes sociais, usuários questionaram a atuação do neurocirurgião. Um membro disse que França deveria ser o principal suspeito “até que câmeras e a investigação mostrem o contrário”.

“Esse tipo de ilação só ajuda os criminosos. Não vou permitir injustiças e calúnias em cima de gente decente, honesta, nobre, em cima de um homem que daria a vida por mim. Isso é pura canalhice especulatória”, rebateu Joice.

A deputada disse que os homens, inclusive, deveriam fazer curso com França. “Um lord que nunca sequer levantou a voz para mim, que abre a porta do carro, puxa a cadeira para eu sentar, me espera com flores e uma taça de champanhe sempre que pode em casa”, contou.

“Não sou mulher de malandro e seria a primeira a denunciar qualquer agressão, seja de marido, irmão, pai, ou quem quer que seja. Meu marido médico foi quem me socorreu. Se estou viva e não afogada numa poça de sangue é por ele”, completou.

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) prestou solidariedade a Joice, questionou o “sono” do marido da deputada e disse que o caso é muito complicado. A parlamentar respondeu o colega ao avaliar que não tem o “perfil de mocinha indefesa que sofre violência doméstica”. “Eu enfrentaria e denunciaria. Ademais, é fácil eu dar uma sova nele caso tentasse algo.”

Exames constaram traumas pelo corpo (joelho, costela, ombro e nunca), cinco fraturas na face e uma na coluna. A segurança no apartamento da parlamentar foi reforçada. Joice desconfia ter sofrido um atentado e, por isso, acionou o Departamento de Polícia Legislativa para abrir investigação sobre o caso. As imagens da câmera de segurança do edifício devem ser analisadas.

R7

 

Opinião dos leitores

    1. Como é chifrudo, essa senhora aparece com uma história dessas mais que braba e tu vem falar asneiras, deixa de ser imbecil, chegue em casa assobiando alto, seu problema está no armário.

  1. Vários pontos obscuros… Havia uma pessoa no apartamento e não ouviu nada… A pessoa é agredida brutalmente e não lembra de nada… O caso só é comunicado muito tempo depois… A pessoa que socorreu apesar de médico e da gravidade dos ferimentos, não acionou uma ambulância…

  2. Agredida ou acidentada ela foi, as marcas ficaram, afirmar que está muito estranho está facil. Esses prédios não dispõem de segurança? Alguma porta foi arrombada? Cameras existem? A razão da demora em comunicar a policia e a mídia? Porque polícia legislativa? Com tantas agressões e tão contundentes, ninguém escutou nada ou ouviu nada? Que sono danado esse do marido? Tantos traumas não se produzem em tempo recorde? Deus perdoe, tudo muito estranho, mais nada difícil de descobrir, a não ser que alguém queira esconder ou esteja mentindo.

  3. Muito estranho, aconteceu no domingo e só na terça foi que levou o caso a público! Sei não…

    1. Não era nem pra ter levado.
      Vai se dar mal.
      Essa história tá muito mal contada.
      Vcs vão vê.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Não podemos banalizar o instrumento do impeachment. No caso de Bolsonaro, ainda não há uma comprovação que permita”, diz governador petista

Foto: Cristiano Mariz/VEJA

O governador do Piauí é um petista moderado, muito próximo a Lula e que não esconde o entusiasmo diante da perspectiva de o PT voltar ao Palácio do Planalto em 2023. Embora admita que há espaço para uma candidatura que represente a chamada terceira via, Wellington Dias acredita que a tendência, por enquanto, é mesmo a polarização entre Jair Bolsonaro e Lula — estratégia, ressalte-se, que atende aos interesses de ambos. Ao ser questionado sobre a possibilidade de impeachment, por exemplo, ele critica a banalização do instrumento e ressalta que ainda não vê provas suficientes para iniciar uma ação de destituição do presidente da República, embora seu partido tenha sido um dos signatários do mais recente pedido de impedimento. À frente do Consórcio Nordeste, grupo que reúne os estados da região, Dias afirma que a pressão dos governadores acelerou a vacinação no país, uma bem-sucedida contraposição à política do governo federal que ele avalia como “desastrosa”. Em entrevista a VEJA, olhando também para o passado, o governador admite que a candidatura à reeleição de Dilma Rousseff foi um erro, diz não ver problemas em firmar aliança com o chamado Centrão e revela que chegou a participar de conversas para a formação de uma insólita chapa com o tucano Aécio Neves (MG) com vistas às eleições presidenciais de 2010. A seguir os principais trechos.

O senhor segue a mesma linha dos oposicionistas de que o governo adotou uma política genocida no enfrentamento da pandemia? Ninguém pode negar que tivemos uma tragédia no Brasil. Cito um dado apenas: o Brasil tem 2,7% da população mundial e já alcançou mais de 13% do número de óbitos do mundo. O Brasil tem cerca de quatro vezes mais óbitos do que a proporção de sua população. É uma tragédia. Não seguir a ciência levou a essa tragédia. Não ter monitoramento, não ter a compra de insumos, não ter plano para prevenção e tratamento, não fazer a compra de vacina quando teve oportunidade, tudo isso junto levou a esse resultado desastroso.

O presidente teria deixado de fazer isso deliberadamente para matar as pessoas? Precisa ser analisado se o objetivo era causar as mortes ou se tinha mesmo alguém que acreditava que a propagação do vírus era uma forma de se livrar rápido do problema. A ciência negou isso o tempo inteiro. Se houve mesmo incentivo à propagação do vírus para se livrar da pandemia, foi uma política genocida. Vamos esperar o resultado da CPI.

Qual a impressão que o senhor tem do presidente Bolsonaro? Eu convivi com o deputado Jair Bolsonaro no Congresso. Nesse período atuamos em um mesmo bloco e mantivemos relação sempre respeitosa. O presidente precisa colocar o interesse do país acima das disputas políticas. Infelizmente, ele procura manter um tensionamento permanente. A disputa política fica sempre em primeiro plano e a pauta de interesse público em segundo.

E sobre o governo Bolsonaro? Além dos problemas no combate à pandemia, o que precisamos hoje na política é de diálogo. Na área econômica, não é possível acreditar apenas no livre mercado. Há necessidade de ter um plano, uma presença forte do governo estimulando o setor privado para que a gente tenha chance. O país está dependendo das commodities muito mais do que antes. Commodities que, sob o ponto de vista econômico, geram crescimento, mas não muito emprego e renda. Também estamos estragando nossas relações internacionais, metendo-nos o tempo todo em assuntos impróprios. A imagem do Brasil no exterior é péssima, especialmente por causa da política ambiental, da questão indígena, da forma como tratamos a segurança. O armamento vai na contramão da história. Em resumo: o governo é muito ruim.

Por que o eleitor deve acreditar que o PT é alternativa a todos esses problemas? Temos uma situação tão grave no Brasil que devemos priorizar o diálogo. Lula se coloca como alternativa pela sua reconhecida capacidade de dialogar, ouvir e tolerar. Há a necessidade de alguém com experiência democrática, alguém empenhado em fortalecer as instituições que foram atingidas nesse período. Há a necessidade de criar uma política de pacificação dentro do país, aliada a um plano que possa fortalecer a economia, gerar emprego e renda.

A corrupção não será um empecilho a esse projeto eleitoral do ex-presidente? Hoje é mais fácil responder sobre isso. Foram dezessete processos que criaram para o Lula e para outros líderes uma imagem de corrupção. Destes, catorze já foram arquivados. O que houve, na verdade, foi uma estratégia política coordenada pelo juiz Sergio Moro, que depois se tornou ministro do governo que ajudou a eleger com pretensões de ir ao Supremo. Eu sempre disse que a Lava-Jato era uma ação contra os líderes políticos e empresariais. Nós vamos defender o combate à corrupção, que ainda é grave no Brasil. Mas não dessa maneira.

O senhor fala como se não tivesse havido casos gravíssimos de corrupção durante os governos do PT. Pagou e pagará qualquer um que cometer crime de corrupção em nossos governos. Quem cometeu, quem a Justiça comprovou que cometeu, foi expulso do PT. O que precisa ser dito, em alto e bom som, é que, enquanto partido, continuamos defendendo a ideia de que quem cometer corrupção terá de pagar. O que não podemos é permitir o espetáculo processual, expondo pessoas inocentes.

O PT se corrompeu? Digo que pessoas do meu partido, em meio a 1,5 milhão de militantes, infelizmente, também foram para o descaminho.

Quem? O ex-ministro Palocci confessou em depoimentos, não sou eu quem o está julgando. Era uma pessoa preparada, com capacidade técnica extraordinária.

Apenas ele? O ex-ministro José Dirceu foi julgado, condenado e cumpriu pena, mas ele sustenta que não participou de nenhuma ilegalidade. No caso do mensalão, foram apresentadas apenas provas testemunhais.

O senhor acredita na formação de uma frente ampla para enfrentar o presidente Bolsonaro em 2022? Sinceramente, não. Um campo político com o apoio que tem o ex-presidente Lula dificilmente abrirá mão de utilizar essa vantagem. O que estou dizendo: é possível que o ex-ministro Ciro Gomes seja candidato? Sim. Que o campo do ex-presidente Fernando Henrique, Doria, Eduardo Leite, lancem candidato? Sim. Defendo o entendimento pensando no interesse maior.

Hoje o PT critica a aliança que o governo fez com o chamado Centrão, mas o partido fez a mesma aliança quando estava no poder. Em todos os lugares do mundo você governa com os partidos que ajudaram a construir a vitória. Qualquer presidente precisa confiar a composição de um governo a um conjunto de líderes. Evidentemente, o ideal é que as escolhas priorizem afinidade, conhecimento e experiência nas áreas de atuação. Fui governador entre 2003 e 2010, período em que Lula foi presidente. Vi de perto a capacidade dele de dialogar, construindo uma maioria no Congresso que permitiu a aprovação de projetos importantes. O que não pode é submeter o país a qualquer caminho que seja prejudicial ao interesse da população.

O senhor considera que as escolhas foram adequadas nos governos petistas? Tanto foram adequadas que isso foi o que gerou problemas, principalmente na gestão da presidenta Dilma. O conflito que ela enfrentou tinha a ver com determinados anseios de aliados que queriam indicação em determinadas áreas que não foram atendidas.

O senhor faz muitos elogios ao governo Lula, mas pouco fala sobre o governo Dilma, que foi destituída por um processo de impeachment. Dilma foi uma presidenta honesta, uma presidenta com elevado espírito público. Em 2009, eu avaliava que não seria uma tarefa fácil substituir um dos maiores presidentes da história deste país. Havia a necessidade de ter alguém que tivesse uma experiência maior em relação à política. Dilma foi eleita para o primeiro mandato e seguiu o programa daquele primeiro mandato. Em 2014, havia a oportunidade de uma alternância, mas o Lula nunca sugeriu isso a ela. Foi aí que começaram os problemas.

Lula errou ao não impor sua candidatura em 2014? O que o presidente Lula diz é que, quando houve a alteração constitucional prevendo a reeleição, Fernando Henrique exerceu esse direito. Ele também teve o direito à reeleição. Por isso, não seria razoável a primeira mulher presidente do Brasil não exercer esse direito. O problema é que era um momento muito tenso e exigia uma capacidade de diálogo, de articulação, realmente muito elevada, e ela tinha essa dificuldade.

Mas o que a ex-presidente poderia ter feito de diferente? Eu estava no Congresso Nacional, no Senado Federal, era líder do bloco de apoio ao governo da presidenta Dilma. Repito: uma pessoa honesta, uma pessoa de grande espírito público, mas tinha muitas dificuldades em relação aos líderes. Você não é obrigado a dizer sim aos pleitos que são apresentados. Mas é razoável que ouça, é razoável que receba e responda. E que responda com uma justificativa adequada e uma política de respeito. Olhando para trás, acho que, se Lula tivesse sido candidato em 2014, creio que não teríamos enfrentado os problemas que enfrentamos.

Defender o impeachment do presidente Bolsonaro é uma estratégia correta? Compreendo que a democracia prevê a figura do afastamento de um presidente da República, mas não podemos banalizar o instrumento do impeachment. Ou existe uma prova muito concreta, robusta, ou temos de respeitar a soberania da vontade popular. No caso de Bolsonaro, na minha opinião, ainda não há uma comprovação que permita o impeachment. Não duvido que venha a surgir. Se tiver desvios, especialmente nesse caso da Covaxin, aí muda tudo. Se o remédio necessário for o impeachment, vamos usar. Mas não podemos levar o país a aventuras.

É verdade que o senhor chegou a cogitar a possibilidade de formar uma chapa com Aécio Neves em 2010? Na época teve aquela dobradinha em Minas Gerais, de Lula e Aécio, o Lulécio. Esse diálogo foi aberto pela boa relação dele com o Lula, pela possibilidade de ele se filiar a um partido da nossa base e como um líder destacado, citado para ser candidato a presidente pelo campo político apoiado pelo Lula. Eu estava no segundo mandato de governador e meu nome era lembrado como alternativa para vice. Hoje eu brinco que ele perdeu a chance de ser presidente e ainda tirou a minha de ser vice.

Veja

Opinião dos leitores

    1. Não há e nunca vai ter.
      O que tem muito é cachorrada desses vagabundos.
      É melhor Jair se acostumando.
      Vai até 2026.
      Éssa quadrilha não manda mais no Brasil.
      Palhaços corruptos.

  1. Acho que a militância digital remunerada recebeu dinheiro, estão “endiabrados” hoje. Kkkkkkkk

  2. Os caras querem entregar o Brasil para corruptos defensores de ladrões e ficam na internet, conversando asneiras sobre um presidente honesto, competente, bem intencionado, patriota, religioso, trabalhador, sincero e boa praça. Preferem um canalha, cachaceiro, analfabeto, mentiroso, mal caráter, preguicoso, corrupto e lavador de dinheiro. Está muito fácil separar o joio do trigo.

  3. Seguindo a lógica dele e de muitos outros não vamos banalizar a prisão, vamos deixar o cara que cometeu crime cometer pelo menos uns 20 pra poder prender.

    A lei é clara, não existe meio termo, fez errado é prisão, fez errado é impeachement…

    O resto é conversinha de quem tem medo de banalizar isso ou aquilo e chegar a sua vez.

  4. Mais um defensor de bandidos, altamente seletivo. Fecha os olhos para o manancial de corrupção que assolou os governos do PT ao tempo em que tentar isentar os chefes da ORCRIM, o Zé “Daniel” Dirceu e o bandido mor, o vagabundo de 9 dedos. Para simplificar, do PT não escapa NENHUM, incluindo esse traste da reportagem.

  5. Tirar uma besta, pra assumir um cavalo?
    Deixa ele aí.
    Quero ver ele passar a faixa pra Lula. Aí as tripas são um nó de vez!

  6. Petistas sabidos. Batem em Bolsonaro não querem seu impeachment, porque sabem que é a única chance para voltar ao poder é enfrenta-lo no segundo turno. Estão morrendo de medo da terceira via, principalmente se for Moro.

    1. O ex juiz, assim como outros da mesma vertente, está “queimado” à direita e à esquerda. Essa tal 3a. via só interessa ao PT pois tende a tirar alguns votos da ÚNICA barreira que ainda protege o Brasil do caos, que é o presidente Bolsonaro. O PSDB não passa de um PT banhado, perfumado, que estudou mais um pouco e que prefere vinhos finos a um litro de 51.

    2. Eles batem no presidente porque sabem que ele é o único verdadeiramente diferente. O resto é tudo farinha do mesmo saco.

  7. Pro PT não interessa o impeachment. Acabaria com a candidatura Lula. Melhor concorrer com Bozo, é a determinação do chefe.

    1. Exatamente! O MINTO só tem chances de ganhar as eleições de 2022 contra Lulaladrão e vice versa…

  8. Um impeachment agora só vale pelo menos 01(um) ano e alguns meses. No próximo ano no voto, esse maluco ficará impedido por 04(quatro) anos. O que é melhor?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

‘Não há nenhum fato novo que justifique’ impeachment de Bolsonaro, diz Arthur Lira

Foto: Pablo Valadares / Câmara dos Deputados/Divulgação

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), reforçou o discurso de que não há justificativa para dar andamento a um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. Apesar da abertura de investigação da Procuradoria-Geral da República (PGR), semana passada, para verificar se Bolsonaro cometeu crime de prevaricação ao não determinar a apuração das suspeitas de irregularidades na compra da vacina Covaxin, Lira avalia que “neste momento, não há nenhum fato novo que justifique e que tenha alguma ligação direta com o presidente da República”. O fato de “algum parlamentar ter dito que entregou um documento” a Bolsonaro “não justifica”, a abertura do processo de impedimento, ressaltou o deputado.

“Não podemos institucionalizar o impeachment no Brasil, temos de aprender a discutir esses assuntos com muita seriedade”, declarou o presidente da Câmara à rádio Jovem Pan. Para ele, o País “não pode ser instabilizado politicamente a cada presidente que é eleito”. Segundo Lira, a abertura de um processo neste momento “desestabilizaria a economia e pararia o Brasil”. Na semana passada, o presidente da Câmara recebeu um ‘superpedido’ de impeachment firmado por diversos partidos de oposição, movimentos sociais e representantes do centro e direita, inclusive ex-bolsonaristas como o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP).

Para Lira, os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid trouxeram “realidades” que já estão sendo investigadas pela comissão. “A presidência da Câmara tem o papel de atuar com imparcialidade e neutralidade e vai esperar o desenrolar dos acontecimentos”, afirmou.

Reformas

Lira afirmou que busca o consenso para dar a andamento a votações importantes na Casa, tanto entre os parlamentares quanto com setores da economia. Sobre a reforma tributária, o presidente da Câmara avalia que chega um momento da discussão em que “as coisas tendem a subir um pouco a temperatura”.

“Mas eu costumo dizer aqui sempre com muita paciência, com muita transparência, o assunto será discutido com os setores, com os setores produtivos, com o governo, com os entes federativos, com todos os que geram divisas e riquezas para o País”, afirmou o deputado.

Segundo ele, “não teremos aumento de carga tributária”.

“Nós vamos trabalhar para que a reforma seja neutra, sem a sanha arrecadatória da receita. Iremos desburocratizar, simplificar, dar segurança jurídica, sem atrapalhar o crescimento do Brasil”, afirma.

Em relação ao projeto de lei da privatização dos Correios, Lira afirmou que o relatório deve estar pronto nesta terça-feira (6). Segundo ele, entre a segunda quinzena de julho e primeira semana de agosto, a matéria deve estar em Plenário para que seja discutida entre os parlamentares.

Voto impresso

Lira disse que não tem queixas sobre a urna eletrônica, mas que não vê problemas em ter auditagem “para acabar com a versão que está posta na rua que tem fraude no sistema”, afirmou, referindo-se à Proposta de Emenda Constitucional em tramitação na Câmara. “Muito melhor uma averiguação matemática, calibrada, do que talvez uma eleição questionada.” O voto impresso tem sido defendido pelo presidente Jair Bolsonaro. “O que temos que afastar são as versões. Tem muita versão sobre voto impresso, polarização sobre voto auditável, tem muitas situações que a população tem tido informações muito divergentes”, afirmou.

Estadão

Opinião dos leitores

  1. Nunca ouve!
    Quem faz esse cabaré é gente do naipe de Renan, Dpvat, globo lixo fôia de sum palo, e a esquerdalhada derrotada.
    Mas vai até 2026.
    Sem dúvidas.
    Eu só digo que um ladrão condenado govetna esse país quando eu vi.
    Até lá, não entra na minha cabeça.

  2. Correto. O deputado está destravando as pautas que interessam ao Brasil e que foram ignoradas pelo desprezível e insignificante Rodrigo Maia. O Lira demonstrações no Brasil e isso incomoda a esquerdalha.

  3. Não há razão juridica, não há apoio de parlamentares e, principalmente, não há apoio POPULAR para impeachment. Só há a vontade da esquerdalha, que enche a boca de “democracia”, mas nunca aceitou a vontade do povo brasileiro, que ELEGEU Bolsonaro presidente contra tudo e todos. Por isso, ele é merecedor de ser chamado de MITO.

  4. O que está ocorrendo é que o Centrão está “cozinhando” Bolsonaro em fogo baixo, e tornando-o cada vez mais refém dos seus interesses escusos. Só os fanáticos, os idiotas e os mal-intencionados não querem perceber isso.

  5. O único fato determinante que o centrão levará em conta para abrir o processo é o fechamento das tetas das verbas. Money!!!!!

  6. Grande Deputado Lira, homem íntegro, honesto e competente, um dos melhores Presidente que a Câmara dos deputados Já teve até hoje , desde o fim do Regime Militar. Um estadista de peso, um democrata por vocação.

    1. Muito íntegro ! Condenado em segunda instância por corrupção ! Mestre das rachadinhas ! Foi o Minto que ensinou ele ou ele ao Minto ?

    2. Defendendo ladrão vagabundo? Logo o bastião da moral comentarista oficial do blog. Que decepção. Hipocrisia que chama?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

‘A CPI não trará efeito algum’, diz Arthur Lira, que não vê ‘circunstâncias’ para o impeachment

Foto: Cristiano Mariz / Agência O Globo

Incomodado com o trabalho da CPI da Covid no Congresso, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), defende que não houve atraso na compra de vacinas da Pfizer. Caso o governo Bolsonaro tivesse adquirido os imunizantes antes, diz Lira, “não teria resolvido o problema da pandemia”. O parlamentar lamenta as mais de 500 mil mortes por Covid-19 no Brasil, mas alega que essa tragédia não é motivo para instaurar um processo de impeachment contra o presidente da República. De acordo com Lira, falta uma circunstância política. O presidente da Câmara ainda afirma que a reforma administrativa deverá ser votada neste ano, mas promete que o texto final não vai afetar a vida dos atuais servidores públicos. Sobre a disputa eleitoral em 2022, com Bolsonaro e Lula no páreo, ele não acredita na possibilidade de uma terceira via.

A CPI da Covid no Senado tem ganhado protagonismo na agenda do Congresso. Qual a sua opinião sobre o trabalho da comissão?

Neste momento, a CPI é um erro. A guerra está no meio. Como é que você vai apurar crime de guerra no meio da guerra? Como vai dizer qual é o certo? Até dois meses atrás, o Chile era a nossa referência. Como está hoje? Por que está desse jeito se já vacinou 60%, 70%? No combate à pandemia, não tem receita de bolo pronta. Você não sabe qual variante (predomina), se fica ou sai de lockdown. A CPI polarizou politicamente e não vai trazer efeito algum, a não ser que pegue alguma coisa.

O senhor não acredita que a CPI esteja apontando caminhos importantes?

Não. Participei das conversas com a Pfizer, numa reunião em fevereiro com o Rodrigo Pacheco, o (Paulo) Guedes, o general (Luiz Eduardo) Ramos e o presidente Bolsonaro. Naquela época, não tinha autorização da Anvisa e achavam que o contrato era leonino. O que dissemos? Se tem dinheiro, se tem empenho, se o mundo todo está assinando esse contrato… Então, faça. Do dia em que a Pfizer propôs ao dia em que o governo fez (o contrato), se não errei as contas, alteraria em três milhões de doses (a mais). É muita dose. Ajudaria muita gente. Mas resolveria o problema da pandemia?

Mas a Pfizer já vinha negociando com o governo desde agosto…

Mas onde ela fechou em agosto, fora nos Estados Unidos e em Israel? Tinha 500 mil doses num canto, 100 mil doses em outro. Não tinha nada grande. Israel tem quantos habitantes? Seis milhões? Um país riquíssimo, com todas as proteções. Num país como Portugal, três milhões de doses vacinam 30% da população. Três milhões de doses no Brasil não vacinam Alagoas.

Mesmo assim seria importante salvar vidas.

Não estou dizendo que não é (importante). Estou dizendo que não é a salvação da pandemia. Qualquer vida é importante. Salvar uma vida é bom demais. Agora, não sou governo. A minha atuação nisso foi fazer com que assinassem.

Há condições de abrir processo de impeachment contra o presidente?

Não é por aí. A minha função no impeachment é de neutralidade. Não sou eu que faço o impeachment. Você quer dizer que o presidente Bolsonaro não tem voto na Câmara para segurar um pedido de impeachment? Que ele não tem base de apoio popular para se contrapor a um pedido de impeachment? Então, o que é que estão querendo? Que eu desorganize o país, que eu comece uma conflagração de 122 votos que querem contra 347 que não querem? Vocês querem testar? O que a população quer é testar? Acha que é o caminho? Vamos testar. O que eu estou dizendo é que o impeachment é feito com circunstâncias, com uma política fiscal desorganizada, uma política econômica troncha. O impeachment é político.

E as 500 mil mortes por Covid não seriam uma justificativa?

499 mil (mortes) seriam. 501 mil seriam. Uma seria. A questão é sobre se tem (circunstâncias). Tem? Ou é uma parte que está pedindo? Vai resolver o quê? É o (vice-presidente Hamilton) Mourão que vai resolver? O que é que vamos fazer com o impeachment? Impeachment tem várias circunstâncias, e venho dizendo isso muito claramente. O (ex-presidente Michel) Temer tinha apenas 3% de aprovação popular, com o Janot (Rodrigo Janot, ex-procurador-geral da República) todo o dia disparando uma flecha. E passou por dois pedidos negados na Câmara. Lula teve o mensalão e não teve pedido de impeachment, com um rebanho de gente pedindo. Fernando Henrique teve. Rodrigo Maia, claramente de oposição a Bolsonaro, teve 67 pedidos de impeachment na gaveta. Pautou um? Por quê?

O que falta então para tocar o impeachment?

Falta circunstância. Falta um conjunto de coisas. Enquanto a economia tiver em crescimento… Veja bem, não estou faltando com respeito a nenhuma vítima. 499 mil, 501 mil, são todas significativas como uma vida. Pelo amor de Deus! O que estou dizendo é que o impeachment não é feito só disso.

Quais são seus compromissos de pauta de votação?

Tocando as reformas, a administrativa e a tributária. Fizemos a autonomia do Banco Central. Compromisso de votar as privatizações. Quando me candidatei, fui a seis frentes, das mulheres, ruralistas, anticorrupção. E hoje essas matérias estão vindo.

Mas as reformas administrativa e tributária, não.

Mas tudo a seu tempo. Todo mundo ficou pacientemente esperando o relatório (da tributária) por dois anos. O Aguinaldo (Aguinaldo Ribeiro, relator) ficou dois anos, e ninguém via uma linha do relatório dele.

E sobre a reforma administrativa?

Passou na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Foi uma batalha. Criamos a comissão, abrimos para a participação de todos os partidos, mesmo aqueles que não têm direito regimental. Tem a versão de que vai acabar com a educação, acabar com o funcionalismo. Não vai mexer em um centímetro de direito adquirido, tenho dito isso. Não vamos permitir nada da promulgação para trás. Agora, da promulgação para a frente, é nossa obrigação fazer um Estado mais ágil, mais moderno.

Como o senhor avalia a disputa presidencial em 2022 com Lula no páreo?

Lula é um player importante. Presidente duas vezes. O que eu não acredito é em terceira via. Não tem condição. No Brasil, nunca houve isso. Ao menos depois da volta do voto para presidente. Foi Collor e Lula (em 1989), depois anos de Lula contra o PSDB e a Dilma também (contra o PSDB). E, em 2018, o Bolsonaro substitui o PSDB na disputa com o PT. O PT está sempre lá. Por que não estaria nessa?

Na semana passada, a Câmara aprovou a Lei de Improbidade. Qual a opinião do senhor?

Uma lei que vem num momento correto. Não tem essa história de que fui beneficiado. Foi escolhido um relator do PT (Ricardo Zarattini). E foi aprovada com 408 votos no plenário. Tem que mudar. A atual lei está errada. A lei foi feita depois do impeachment do Collor (em 1992), coisa analógica. Hoje, a Polícia Federal tem 800 instrumentos para fiscalizar, o Ministério Púbico outros 500. É tudo digitalizado.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. CPI e merda de gato NÃO serve pra NADA. Sou pra gastar dinheiro do povo, a paciência da população e no final distribuir medalhas para quem cometeu crimes. Enfim CPI uma verdadeira porqueira. Se mandam o relatório pra justiça vai dá em PIZZA. Que DEUS tenha MISERICÓRDIA de NÓS.

  2. O Governo do Mito, não tem roubalheira; às Estatais dando lucros, os Ministros trabalhando. Lula ladrão este sim, roubavam em todo canto.

  3. vocês não queiram calcular os gastos por hora que ocorrem em uma CPI dessas. para não dá em nada? outra que esse tal de arthur lira não tem credibilidade pra falar. é farinha do mesmo saco! crimes de sobra cometidos e o cara vir dizer que não vai dar em nada? esses são os costumes deles!! coitado do povo! ser comandado por bandidos!!

  4. A CPI da farsa, do circo, da perseguição, do autoritarismo, dos corruptos, como queiram adjetivar, todos esses cabem bem nela, vem mostrando o quanto esse país está aparelhado pela esquerda.
    Quanto o grito dos desesperados está em pauta.
    Quanto a perseguição ao Presidente é feita diariamente.
    Quanto a abstinência de recurso público no bolso casa estrago.
    Quanto a esquerda precisa criar situações que possam levar ao afastamento do Presidente.
    Mesmo diante da pandemia e blindagem que o STF tem dado aos políticos da esquerda, o desespero é evidenciado nas ações desconexas, imorais, absurdas que criam e a verdade destrói diariamente.

  5. De uma coisa tenho certeza.
    Serviu pra desmascarar quem está atrás desse circo.
    Nunca vi um homem tão forte como jair Bolsonaro.
    Desmascarou o STF.
    ” ” os senadores corruptos.
    A globo lixo e vai seguindo mostrando sozinho como esse país funcionava, só não vê quem não quer.
    Cabra macho.
    Tem meu voto.
    Com toda certeza.

  6. Esse tá como quer no governo do MINTO das rachadinhas… Votou a toque de caixa um projeto de lei para inocentar a si mesmo no processo de improbidade que tem contra ele… É a nova política que segundo o MINTO nunca se aliaria ao Centrão… KKKKKK

  7. Acho ser necessária a apresentação do relatório para emissão de pontos de vistas.Nosso alagoano e nordestino,Dr Artur Lira estar se antecipando,dando opinião ainda não recomendada pra quem tem uma função tão elevada.O conheci falando menos,kalma. O futuro exige temperança.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Queiroga diz que não vê ‘risco adicional’ na realização da Copa América

Foto: Reprodução / CNN

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira (7) que não vê “risco adicional” na realização da Copa América no Brasil. O país foi anunciado como sede do campeonato pela Conmebol e confirmado pelo ministro-chefe da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, na última terça-feira(1º).

Segundo Queiroga, o país recebeu outros eventos esportivos como o Campeonato Brasileiro que “ocorreu normalmente, com várias partidas, não houve sequer um caso de contaminação no campo.”

De acordo com o governo federal, a Copa América acontecerá em quatro estados a partir de 13 de junho – Brasília, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Goiás. Para o ministro da Saúde, há um controle sanitário no Brasil que permite o monitoramento de casos da Covid-19 enquanto o evento acontece.

“As pessoas estão entrando no país seguindo as regras, com exames de RT-PCR. Com controle sanitário adequado, eu não vejo um risco adicional em função dessa competição. A vigilância em saúde existe. Os protocolos sanitários da CBF são validados por especialistas.”

Para Queiroga, não cabe ao ministério proibir o evento. “A prática de esportes não está proibida. A Copa América é um evento privado. Não compete ao Ministério da Saúde autorizar ou não.”

Reconvocação na CPI da Pandemia

O ministro da Saúde voltará a falar aos senadores da CPI da Pandemia nesta terça-feira (8). Ele foi reconvocado e deve prestar esclarecimentos sobre explicar contradições e sanar dúvidas dos membros da comissão a partir das declarações de outros depoentes já ouvidos.

“Eu retorno à CPI sem problemas. Os senadores são pessoas que têm um grande espírito público e acreditamos que querem buscar o melhor cenário para o nosso país”, disse Queiroga na manhã desta segunda-feira.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Também não vejo nada demais em termos esses jogos aqui no Brasil, mas depois o “legado” será sensacional e vamos ver quem será responsabilizado por uma grande e terceira onda de contaminações pelo Covid 19

    1. Palhaçada destes jogadores e deste.tecnico comunista adorador de ladrão, querendo fazer política, brasileirão série A a D em andamento, campeonatos estaduais , copa do.noedeste, sul americana, libertadores, copa do Brasil aconteceram e ou vem rolando tranquilamente, mas a copa América é que vai infectar o Brasil inteiro.
      Bando.de canalhas hipócritas.
      Vocês acham que a série D do brasileiro tem a metade da segurança da.copa América?
      Óbvio que não, mais está sendo disputada sem qualquer problema.

    1. Falou o especialista remunerado em babar ovo de político corrupto das rachadinhas… O ministro da saúde deveria se preocupar em entregar as vacinas que prometeu e todo mês entrega só a metade! Não tem moral nenhuma!

    2. Lindo o confronto de dois acéfalos desocupados. Um de esquerda e outro de direita.

    3. Imparcial: não sou de esquerda! O que faço com meu tempo livre não diz respeito a mais ninguém!

    4. Deixe de chupar o dedo menino! Esse doidinho de mané fulera só faz isso e escrever besteira, certamente está se achando tampa de F., arranja uma lavagem de roupa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

COPA AMÉRICA: Fátima diz que RN não tem ‘nível de segurança epidemiológica’ e que governo é contrário a realização do evento no estado

Foto: Reprodução/Twitter

O governo do Rio Grande do Norte informou que o Estado é contrário a sediar jogos da Copa América por causa da pandemia da Covid-19. Após reunião realizada pela Conmebol nesta segunda-feira, a Arena das Dunas, em Natal, chegou a ser cogitada como uma das sedes para os jogos.

O governo informou que não foi procurado oficialmente pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Nas redes sociais a governadora Fátima Bezerra afirmou que “apesar de sermos um dos Estados com estrutura física disponível, não temos hoje níveis de segurança epidemiológica para realização do evento no nosso estado”.

A gestora ainda completou:

“Ao contrário, estamos numa luta diuturna para amenizar os efeitos da pandemia, que está em um momento crescente por aqui. O Governo é, portanto, contrário à realização do evento no nosso estado”, escreveu.

Opinião dos leitores

  1. O PT na copa de 2014, preferiu estádios a hospitais e a direita foi contra, hoje a direita quer a Copa América e o PT não quer, resumindo, estão fazendo o povo de besta, mais uma vez.

  2. Os caras vao jogar em campo e tem todo um protocolo. Nao vai ter torcidas. Essa governadora chibata, vai buscar nossos 5 milhoes de respirador, diabos.

  3. A ARENA DAS DUNAS, além de ser um estádio particular, fica na capital! Portanto, ela não tem autonomia nenhuma pra proibir nada! A não ser que tenha uma “ajudazinha” do stf. A culpa da ocupação alta nas hospitais, é única e exclusiva dela, que flexibilizou tudo, com os níveis de ocupação ainda no vermelho, acima de 90%. Que moral ela tem pra falar isso, quando os seus “amiguinhos” aglomeraram sem dó, no sábado? Nenhuma! Fatão, cala a boca e se recolha a sua insignificância! E vai cuidar de rever esse erro infeliz, de destinar apenas 10% das doses das próximas vacinas, aos profissionais de educação!

  4. Deixa eu tentar explicar aqui para alguns, que eu acho que não entederam.
    NÃO HAVERÁ PÚBLICO, NAO HAVERÁ TORCIDA.
    O que terá são hóspedes em hotéis que estão sofridos, exposição do turismo do RN de graça, algumas fontes de renda para um povo desesperado.
    Será que precisa desenhar???

  5. É só fazer um acordo com o governo federal. Aceita a realização da copa e em troca o governo federal vacina a população potiguar por completo. Quando é pra fazer manifestação contra ou a favor do governo, não tem preocupação com infecção.

    1. Jacleclér é com estádio vazio.
      O que falta é sintonia entre governos, enquanto o Governo Federal faz sua parte, o governo Estadual e Municipal ficam no joguinho de empurrar, empurra e o fumo entrando no lombo do sofrido povo potiguar.
      Já deixamos de ser comedor de camarão e somos hoje engolidores de sapos.

  6. Correto governadora, vai chegar cepa de todos os paises, vai ser dificil controlar, depois fica o prejuizo, aonde milhares de brasileiros irao a obito, se fosse seguro teria sido na argentina ou colombia, mas la os governantes nao aceitaram

  7. Mas manifestação sem futuro, com uma ruma de papangu comedor de mortadela pode? Essa governadora é uma piada de muito mau gosto mesmo!!! Manifestação pela vacina? E isso que estão injetando no braço dos brasileiros é o que seu bando de abestado?!!!

  8. É o que se esperava de um governante com o minimo de responsabilidade. O Brasil caminha para 500 mil mortes, falta de leitos em utis, com uma terceira Onda batendo na Porta e o genocida quer uma copa para formar o circo dos horrores das mortes. E o gado que vive mugindo ainda que a copa de 2014 é a responsável pela falta de leitos. Mais um ato criminoso do cavaleiro das trevas e que governadores e prefeitos que o apoiarem serão responsaveis também. Vão tirar leitos de onde não tem para disponibilizar para as equipes.

    1. Interessante não vermos a mesma preocupação em relação à aglomeração promovida sábado, dia 29/05. Ou era “dia livre de covid”???

  9. “O melhor programa econômico do governo é não atrapalhar aqueles que produzem, investem, poupam, empregam, trabalham e consomem.“
    Barão de Mauá (para Fátima Bezerra)

  10. Não votei, nem voto na esquerda. Mas concordo com a GV, não faz sentido priorizar campeonato de futebol nesse momento.

    1. Mas já está havendo campeonatos de futebol normalmente…estaduais, Brasileirão, libertadores, sulamericana…

  11. Nesse formato nem vai ter publico, vai ser uma forma de divulgação do turismo na cidade. Essa governadora só atrapalha, além de não fazer qualquer coisa pra o Estado. Fica calada ao menos e não atrapalha.

  12. Decisão acertada…uma coisa é Abc x América num estadual sem prestígio nenhum…outra é empurrar seleção brasileira numa pandemia aqui…os loucos vão se aglomerar pra ver Neymar e Cia…isso se chama previsibilidade.

  13. Eu não entendo mas nada, aonde que delegações e times sem torcida cam trazer risco com toda segurança da Conmebol, hora Abc e América jogavam a onde em Vênus por acaso, Fátima vai levar o RN pra onde meu pai.

    1. Até concordo com a sra… no que se refere à insegurança epidemiológica… só faltou ela explicar:

      1) o porquê de o ‘governo’ dela não ter a mesma preocupação em relação à aglomeração promovida sábado, dia 29/05. Ou era “dia livre de covid”???
      2 – quais medidas (para além ineficiente – ou não comprovado – do trancar tudo) o ‘governo’ dela comprova ter algum resultado positivo em relação às internações e mortes? Ou só tirar fotos quando as vacinas chegam salva alguém?
      3 – qual o número do processo contra a empresa ou o consórcio acerca dos respiradores pagos, que nunca chegaram ao estado?? Quantas vidas foram perdidas pela falta dos respiradores?? Como classificar isso??

  14. Quando falta competência, sobra Lockdoow, restrições e níveis de segurança epidemiológica e pública.

    1. Por trás dos gritos de boiadas, há um burro frustrado Kkkķ.
      MITO 2022

    2. A esquerda não tem vergonha na cara.
      Não sei se é falta de caráter ou excesso de burrice.

  15. O Brasil não tem, que dirá o estado do RN. A incompetência veio lá do planalto. Que presidente chupeta!!!

  16. Ela quis dizer desgoverno.. qual a diferença que fazer jogos estaduais e nacionais e a copa América? Não terá público, mas terá, visibilidade internacional para a cidade e tbm uma boa renda das delegações, jornalistas, equipes de apoio e ademais.. todos estarão seguindo os protocolos ! Excelente oportunidade para a cidade

  17. Muito bem governadora, não aceite já temos problemas demais por aqui , não precisamos de mais

    1. Temos muitos problemas causados pelas restrições imposta pela Governadora do RN.
      Falta emprego, leitos, UTIs , segurança e educação.
      O RN tá indo pro brejo.

  18. Será que ela quis dizer, que o Estado não tem nível de segurança pública, para garantir que o evento ocorra sem transtornos e garantir a segurança dos atletas e pessoal da cobertura.
    Oh governadora incompetente é essa do nosso querido RN.

    1. Cala a boca seu reiera!! Em um passado não muito distante vc criticava o governo do PT por construir estádio ao invés de hospitais! Vc está recebendo dinheiro dos oligarcas de FALIRAM o estado? Tenha vergonha seu REIERA!!

    2. Inocente sabe de nada não, vai postar suas babozeiras em outro blog..

  19. Nisso eu concordo. Nao estamos num momento pra que se aglomere dentro de um Estadio, quando ha novas cepas na cidade e pouca gente vacinada. é um evento que so vai trazer problema e praticamente nenhum beneficio neste momento.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Pazuello nega ter ignorado propostas da Pfizer e cita demora questionada em razão de cláusulas contratuais impostas pela empresa: “assustadoras” e complicadíssimas”

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

O ex-ministro Eduardo Pazuello, que presta depoimento nesta quarta-feira (19) na CPI da Covid, negou que o Ministério da Saúde tenha deixado de responder propostas da farmacêutica Pfizer sobre ofertas ao Brasil de vacinas contra a Covid-19. Segundo ele, ao longo do ano passado e no começo de 2021, o ministério e a empresa empreenderam negociações, em um processo que culminou na aquisição de imunizantes.

Pazuello declarou que a demora para a compra de vacinas da Pfizer se deu por conta de cláusulas contratuais impostas pela empresa, que ele chamou de “assustadoras” e “complicadíssimas”.

A proposta da Pfizer ao governo federal foi um dos temas mais abordados pela CPI na semana passada. O ex-secretário de Comunicação Fábio Wajngarten e o gerente da Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo, relataram que uma oferta foi enviada ao presidente Jair Bolsonaro e a outras autoridades do governo federal em agosto de 2020 e permaneceu sem resposta até novembro, quando Wajngarten tomou conhecimento da proposta após uma conversa informal com um empresário.

Após Pazuello negar que a sugestão tenha permanecido sem resposta, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), e o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), declararam que pedirão do ex-ministro documentos que comprovem o andamento das negociações, e que contradiriam as versões apresentadas por Wajngarten e Murillo.

“Vou responder todas as perguntas”

Pazuello começou a falar aos senadores por volta de 9h20 desta quarta. Seu pronunciamento foi aguardado por conta de um habeas corpus dado a ele pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, que deu a ele o direito de permanecer em silêncio perante a comissão. O ex-ministro, porém, afirmou que responderia todas as perguntas.

Até 12h, todos os questionamentos foram feitos por Calheiros – que, por ser o relator da comissão, tem o direito à palavra de modo ilimitado. O emedebista perguntou ao ex-ministro sobre temas como sua chegada ao Ministério, se teve autonomia para conduzir seus trabalhos, o conhecimento do suposto “gabinete paralelo” e o relacionamento com o presidente Bolsonaro, entre outros tópicos.

Pazuello afirmou que a linha de trabalho que adotou durante sua passagem pelo Ministério da Saúde era definida por ele em parceria com a equipe técnica da pasta. A declaração foi feita em resposta a um questionamento sobre a adesão ou não a orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a pandemia. Na avaliação do ex-ministro, as diretrizes da OMS sobre a pandemia “iam e vinham” e, por isso, era necessária uma análise posterior do próprio Ministério.

Ele declarou que o presidente Bolsonaro não o pressionou a adotar práticas como o incentivo ao tratamento precoce e o desestímulo às medidas de distanciamento social. Confrontado por Calheiros com manifestações públicas de Bolsonaro contra, por exemplo, o “fique em casa”, Pazuello disse que as postagens e discursos do presidente não se reproduziam em orientações oficiais no âmbito governamental.

O ex-ministro disse desconhecer a existência do “gabinete paralelo” e a influência do vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente, em decisões do Ministério – a presença de Carlos foi citada pelo ex-ministro Luiz Henrique Mandetta e também por Murillo e Wajngarten, como uma figura influente nas orientações a Bolsonaro. Pazuello definiu o empresário Carlos Wizard Martins como um “amigo”, mas negou que ele tenha exercido influência significativa durante sua gestão no Ministério. O ex-ministro relatou que Wizard organizou uma reunião com médicos, em algo que deveria representar um comitê de aconselhamento ao Ministério, mas que o processo não foi bem-sucedido, tendo se limitado a uma única reunião, que foi encerrada abruptamente.

Em relação ao tratamento precoce, Pazuello apontou que o Ministério precisou apresentar “um freio de arrumação” quanto ao emprego de medicamentos como a cloroquina, pelo fato de que não havia uma diretriz nacional sobre o assunto. “O que o Ministério da Saúde fez foi só isso: seguir o Conselho Federal de Medicina e determinar que a prescrição é do médico”, apontou.

Imunidade de rebanho

O ex-ministro foi também questionado sobre a aplicação da tese de “imunidade de rebanho” para o combate à Covid-19. Segundo ele, não houve nenhuma diretriz por parte dele e nem de outros segmentos do governo federal para trabalhar a “imunidade de rebanho” como política pública.

A “imunidade de rebanho” pressupõe que o combate a uma pandemia pode ser bem sucedido quando um número elevado de pessoas é infectado. Assim, cria-se uma população resistente à doença. Para a Covid-19, porém, especialistas acreditam que a tática é arriscada, por conta da alta taxa de transmissibilidade e dos efeitos negativos da doença.

Pazuello falou que não conversou com o empresário Carlos Wizard sobre a tese, e que teve diálogos rápidos com o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) sobre o assunto. O emedebista, que foi ministro da Cidadania do governo Bolsonaro, é defensor da proposição. Pazuello relatou que Terra, assim como outros congressistas, era presença constante no Ministério, mas descartou que ele tenha exercido influência nas políticas da pasta. O deputado, desde o início da pandemia, tem apresentado opiniões e previsões que minimizam a gravidade da doença.

Gazeta do Povo

Opinião dos leitores

  1. Dando um verdadeiro banho em Renan. Parabéns ao general, mesmo com HC e autorizado pelo STF a se negar a responder, não se negou nem se negará a responder qualquer pergunta, já reiterou isso para deixar bem claro. Espetacular, a oposição está tonta!!

    1. A cloroquina que você tomou hoje, está vencida.
      Ele mente desde às 10 da manhã.

    1. Vai chorando esquerdalha! Cita um argumento! A exemplo do vídeo da reunião, essa CPI tá servindo é de palanque pra Bolsonaro. Acho que a barbie (randolfinho) se arrependeu de ter inventado kkk

    2. José Tomaz deve ser o dono da verdade… já que sabe quem mente ou não, diga aí pra nós quem são os que falam a verdade dentre os inquiridores…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Pacheco descarta adiar instalação da CPI e quer reunião presencial para eleger presidente da comissão

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), descartou a possibilidade de adiar a instalação da CPI da Pandemia e afirmou que irá determinar sessão presencial para a eleição do presidente da comissão.

“Estou aguardando os nomes e indicações de partidos. Depois, anunciarei a data para instalação da CPI. Vou determinar que a eleição do presidente da comissão seja presencial e recomendar que funcionamento também seja presencial. Mas caberá ao presidente da CPI determinar, num acordo de procedimento com os demais membros, o que pode ser presencial, o que pode ser semipresencial”, afirmou Pacheco.

A declaração do presidente do Senado vem em um momento de expectativa pela decisão do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a liminar do ministro Luís Roberto Barroso, que determinou a criação da CPI, já que os requisitos para isso tinham sido preenchidos.

Ministros do STF dão como certa a manutenção da liminar, mas estudam uma modulação que deixe clara a prerrogativa do presidente do Senado para definir como será o funcionamento: se presencial, virtual ou num modelo híbrido. Alguns integrantes do STF ainda avaliam que o Senado deve decidir o momento mais adequado para a instalação da CPI.

Com minoria dentro da comissão, o governo aposta nessa decisão do STF para ganhar tempo e adiar a instalação da CPI. Para isso, investe no discurso de que não há condições sanitárias para realização de sessões presenciais.

Líderes do governo lembram que as comissões não estão funcionando no Senado e que as sessões do plenário têm sido virtuais por determinação de Pacheco. Apesar disso, o presidente do Senado, mesmo tendo externado posição contrária à abertura de CPI neste momento da pandemia, mantém firme posição de seguir decisão do ministro Barroso e garantir a instalação da comissão já nas próximas duas semanas.

BLOG DO CAMAROTTI – G1

Opinião dos leitores

  1. Como é? Renan Calheiros cotado pra compor a CPI da Covid? Vai terminar igualzinho a Delcidio Amaral!😂😂😋

  2. Ei seus aluados, a Lourdes Siqueira disse apenas que se Renan Calheiros for o presidente da comissão, será uma péssima escolha, o que é uma verdade absoluta. Leia novamente analfabetos, se é que conseguem, que a mesma nem tocou no nome do presidente, vcs são uns seletivos idiotas, tentar justificar um erro com outro, coisa não salutar e correto, e não vamos falar em companhias de quem. Para melhor falar sobre esse assunto, escutem a ex petista Heloisa Helena, expulsa do PT, por ter denunciado essas relações espúrias só com gente boa: Sarney, Calheiros, Jader Barbalho, Collor de Melo, Temer, Henrique Eduardo Alves, Ciro (olha o coice), Valdemar da Costa Neto (o mesmo), Benedito Lira (o pai), apoio dos evangelicos, ou seja, tudo farinha do mesmo saco, isso sem falar da nata dos empresários da construção civil, construção pesada, ditadores do mundo, aí fica difícil.

  3. Se o presidente da CPI for mesmo o Renan Calheiros é uma vergonha para os senadores que se enquadram como corretos, ainda… Renan é o retrato do submundo da política brasileira.

    1. É verdade, Lourdes. Ainda bem que o nosso mito sagrado se cercou de homens honrados para aconselha-lo como o Roberto Jefferson, o Artur Lira, Valdemar Costa Neto, Ciro Nogueira, Bibo Nunes, Onix Lorenzoni, fora a área espiritualizada com Malafaia, Valdomiro, R.R. Soares, Edir Macedo, Magno Malta.
      Só gente honesta e cheia de amor cristão no coração.

    2. Não esqueça de Dr.Jairinho e da Flordeliz…
      Dois grandes defensores da família e dos bons costumes…fechados com Bolsonaro…

    3. Quem matou marielle? O Sr João tem notícias?
      Alguém fala mais alguma coisa?
      É só uma pergunta.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

‘Não vai ter lockdown nacional’, diz Bolsonaro em Chapecó (SC)

Foto: Reprodução/CNN Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) descartou nessa quarta-feira (7) a adoção de um lockdown de caráter nacional para prevenir o contágio pelo novo coronavírus.

“Seria muito mais fácil atender e fazer, como alguns querem, da minha parte – porque eu posso – um lockdown nacional. Não vai ter lockdown nacional”, disse, em discurso em Chapecó, na região oeste de Santa Catarina.

Bolsonaro também descartou qualquer apoio das Forças Armadas a prefeitos e governadores que queiram adotar medidas de isolamento contra a Covid-19. “O nosso Exército brasileiro não vai à rua para manter o povo dentro de casa.”

Bolsonaro visitou o centro avançado de atendimento para casos de Covid-19 na cidade catarinense, onde reiterou ser contra a imposição de restrição de uso a remédios como a hidroxicloroquina, apesar de não mencionar o nome do medicamento, e defendeu o uso off label – ou seja, fora do previsto na bula.

“Eu fui acometido de Covid. Procurei não me apavorar. Tomei o medicamento que todo mundo sabe qual foi. No dia seguinte, estava bom. Muitos fizeram isso”, afirmou o presidente.

“Agora, não podemos admitir impor limite ao médico. Se o médico não quer receitar aquele medicamento, não receite. Se outro cidadão qualquer acha que aquele medicamento não tá certo porque não tem comprovação científica, que não use. Liberdade dele”, continuou.

Para justificar esse uso não previsto de remédios, Bolsonaro citou como exemplo o caso de soldados na Guerra do Pacífico que receberam água de côco nas veias.

“Olha a questão do off label, fora da bula, é um direito [do paciente] e um dever do médico (…) Como na guerra do Pacífico. O soldado chegava ferido e não tinha sangue para transfusão. Começou-se ali a injetar água de coco na veia do ferido. E deu certo. É uma realidade ou não é?”

Os relatos, no entanto, indicam que a água de côco foi usada em substituição ao soro na hidratação de soldados e não em substituição ao sangue, como afirmou Bolsonaro.

Bolsonaro também afirmou que se considera o único líder mundial que continua “apanhando isoladamente” por conta das medidas que defende contra a pandemia.

“O mais fácil é ficar do lado da massa, da grande maioria. Se evita problemas, não é acusado de genocida, não sofre ataques por parte de gente que pensa diferente”, afirmou. “O nosso inimigo é o vírus, não é o presidente, a governadora ou o prefeito. E dá para sairmos dessa.”

‘Exemplo para outros municípios’

Bolsonaro também defendeu que a cidade de Chapecó seja estudada e sirva de exemplo para outras cidades do país na forma de combater o novo coronavírus.

“Quero que Chapecó seja uma cidade para ser olhada pelos demais 5700 prefeitos do Brasil – se bem que tem prefeito que está na linha do João Rodrigues”, afirmou.

“Mas quando se fala em vida, qualquer esforço para nós é válido. Temos que estudar Chapecó. Qualquer medida é válida. Temos que ver as medidas tomadas pelo prefeito, pela governadora”, completou.

Com CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. 27 minutos de discurso, um dos melhores do PR.
    Como sempre, verdadeiro, sem medo.
    Recomendo a ptezada e a esquerdalhada assistirem.
    Tá no YouTube.
    É so pesquisar.

  2. No RN, a governadora NÃO abriu novos leitos hospitalares, deixando o povo morrer na fila de UTI. Desviou os bilhões recebidos do governo federal, impede o tratamento precoce e atrasa a distribuição das vacinas que chegam ao estado. E está destruindo o que resta da economia do RN, com esse “lockdown” irresponsável. O RN padece.

  3. Pense num buraco sem fundo que o Brasil entrou com esse sem noção! Quem participar desse governo terá o currículo manchado pro resto da vida/morte! Governo de cadáveres.

  4. Mas, os governadores “lacradores” seguem arruinando seus estados. Aqui no RN, as empresas vão quebrando aos montes e, com elas, vão embora empregos e arrecadação de impostos. Hoje, o buffet infantil Tim Tim por Tim Tim anunciou que está “suspendendo atendimento temporariamente” e justificou isso “em virtude das constantes prorrogações do decreto do Governo do Estado”. E a governadora parece estar gostando disso.

  5. O MINTOmaníaco tem razão: vai manter a narrativa de que Lockdown não funciona e de que placebos funcionam senão os neurônios dos bolsopetista fundem. Já basta o negacionista já estar usando máscara e dizer que poderá até tomar vacina gente! Kkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Presidente do MDB descarta apoio a Bolsonaro ou Lula

Foto: Pablo Jacob / Agência O Globo

Com políticos do MDB que defendem uma candidatura do próprio partido à Presidência, outros que sustentam o apoio a Lula, e ainda com parcela que tem preferência por Bolsonaro, a legenda inicia de forma mais incisiva, este mês, discussões para definir qual será a posição oficial da legenda na eleição do ano que vem. Presidente nacional do MDB, Baleia Rossi (SP) afirmou ao GLOBO que, no momento, o apoio a Lula ou Bolsonaro estão descartados, pois essas hipóteses, diz, sequer estão sendo aventadas nas conversas envolvendo a cúpula da sigla. Baleia afirma que o consenso é o lançamento de uma candidatura própria. E acredita que, caso um nome da sigla não venha a se mostrar competitivo, o melhor caminho para o MDB seria abraçar uma candidatura externa de centro, como João Doria (PSDB-SP), Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) ou Luciano Huck (sem partido).

Para Baleia, Doria é nacionalmente reconhecido pelo empenho na vacinação contra o Covid-19, mas precisaria melhorar sua popularidade na própria São Paulo para se tornar viável no ano que vem. Mandetta, por sua vez, é visto pelo dirigente emedebista como um nome que ganhou projeção ao participar dos debates quando era ministro da Saúde e tem a imagem associada à defesa da ciência. Huck, por sua vez, seria eleitoralmente um bom nome, de fácil assimilação, mas precisaria demonstrar mais interesse no pleito presidencial.

— Esses três nomes estão em pé de igualdade. E não temos discutido internamente o apoio a Lula ou Bolsonaro. A decisão interna é por uma terceira via. Um candidato mais ao centro, mais equilibrado, que entregue mais e tenha mais empatia com a população, que são as características do MDB. Hoje está descartado o apoio a Lula ou Bolsonaro — disse Baleia, ressaltando, contudo, que começará este mês a fazer consultas formais a deputados federais, senadores e presidentes estaduais dos partido sobre 2022.

Em conversas com dirigentes dos partidos, Baleia tem dito que o MDB “seria prejudicado” se “caminhasse com algum dos extremos”. O presidente da sigla reconhece que há políticos influentes da legenda que defendem apoio a Lula, principalmente no Nordeste, e a Bolsonaro, especialmente no Sul, e sustenta que uma forma de unificar o partido seria lançar uma candidatura da própria legenda. Ele afirma já ter conversado com o ex-presidente Michel Temer sobre entrar na disputa, mas que isso foi descartado. E, nesse cenário, o nome ao qual se refere com mais entusiasmo é o da senadora Simone Tebet (MS), embora também cite os governadores Renan Filho, de Alagoas, e Ibaneis Rocha, do Distrito Federal.

— A Simone tem muito potencial para crescer. Foi a primeira mulher candidata à presidência do Senado e se saiu muito bem este ano — avalia.

Mas a defesa de uma candidatura própria tem dificuldades internas. O senador Renan Calheiros (MDB-AL), por sua vez, afirma que o partido só poderia ir para esse rumo caso ela venha a se mostrar viável do ponto de vista eleitoral.

— Nós, do MDB, sonhamos há muitos anos em ter candidatura própria e competitiva à Presidência, porque isso ajuda a alavancar os palanques regionais. É o que queremos. Em 2020, fomos o partido que mais elegeu prefeitos nas capitais e grandes cidades. Temos vitalidade para isso. Mas lançar um nome sem competitividade à Presidência, como na eleição passada (quando Henrique Meirelles foi candidato), não adianta. Em vez de ajudar, só atrapalha os palanques regionais. Por isso, temos que aguardar para ver se nosso nome para 2022 vai se corporificar na sociedade, atrair partidos — avaliou o senador, que defende o apoio a Lula.

— Sinceramente, acho que o apoio do MDB a uma dessas candidaturas alternativas de centro é um caminho difícil de acontecer. Lula leva vantagem sobre Doria, Huck e Mandetta não apenas pela polarização com Bolsonaro ou pela probabilidade mais alta de ganhar. É pelo próprio perfil do Lula, que atrai o centro no qual o MDB está inserido. É uma tendência o meu apoio a ele caso o MDB não tenha candidato, mas ainda não posso colocar como uma coisa consumada.

No Sul, por sua vez, o partido é mais alinhado ao presidente Jair Bolsonaro. O deputado federal Osmar Terra (RS) chegou a ser ministro de Bolsonaro e tem participado de eventos com o presidente, como inaugurações de escolas cívico militares.

Citada por Baleia como possível presidenciável, a senadora Simone Tebet afirma ser necessário o MDB participar de um debate com os partidos de centro sobre a construção de uma terceira via.

— O MDB tem todas as condições de ter uma candidatura própria. Mas acho que o mais importante é estarmos na mesa de discussão com os demais partidos de centro. Seja para definirmos um nome próprio, compor com alguma chapa… A sociedade brasileira cansou do radicalismo e da polarização e está entendendo que política se faz pelo caminho do meio, do equilíbrio — avalia a senadora.

Além disso, no Senado, dois emedebistas são líderes do governo Bolsonaro: Eduardo Gomes, que faz a interlocução do Planalto junto ao Congresso, e Luiz Fernando Bezerra, que lidera o governo junto ao Senado. Dirigentes do MDB, contudo, minimizam o fato, pois afirmam se tratar de relações pessoais de Bolsonaro com os parlamentares, não tendo o aval do partido. Caciques da legenda destacam que nem Braga nem Bezerra comandam os diretórios estaduais de seus respectivos estados.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Juntando TODOS os opositores do presidente, não dá metade de um candidato. É uma vergonha.

  2. Vendo os nomes que vão surgindo para concorrer com Bolsonaro em 2022, dá prá imaginar o desespero dos seus opositores. A grande esperança dessa gente, especialmente da esquerda assumida, é o canalha, cachaceiro, semi-analfabeto, ex-presidiário, corrupto e lavador de dinheiro de 9 dedos. E os outros… Chega a ser engraçado.

  3. Santos sabido….kkkkk REDIAS: forma intermediária dos trematodeos digeneticos, fosse longe ao dar as REDEAS ao inepto do Doriana, melhor escrever menos, cai muito a possibilidade de dizer besteira.

  4. Kkkkkk
    Tem jeito não piaba.
    Pode vir quem vier.
    Bota o Michael Temer e o Rocha Loures de vice.
    Kkkkkkkk
    Mito 2022.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Guedes faz afago ao Congresso, defende vacinação em massa e descarta imposto

Foto: Reprodução/CNN Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou o auxílio emergencial como “um instrumento muito efetivo” e defendeu a vacinação em massa para que “38 milhões de brasileiros [os ‘invisíveis’] possam trabalhar para ganhar a própria vida”. Ele também agradeceu ao Congresso pela aprovação da PEC Emergencial, promulgada na segunda-feira, disse que as novas lideranças do Congresso ajudaram a “destravar a pauta de reformas”. Guedes afirmou, ainda, que não irá “cair na armadilha” de aumentar impostos.

As afirmações foram feitas em entrevista exclusiva à CNN, com o âncora Márcio Gomes e o analista político Igor Gadelha, gravada na segunda-feira (15). Veja abaixo alguns dos principais tópicos abordados pelo ministro.

Auxílio emergencial

“Eu queria começar agradecendo o Congresso. Acabo de ter a informação de que o Congresso promulgou a PEC Fiscal. Isso era importante porque, como você diz, a coisa começa com o auxílio emergencial, que foi um instrumento muito efetivo. Nós protegemos 64 milhões de brasileiros durante a primeira grande onda da pandemia, e nós temos que agora renovar os esforços, porque essa tragédia continua entre nós.”

Troca de comando no Congresso

“É importante deixar claro para todo mundo que é a política que dispara essas ondas de reformas. Nós tínhamos que esperar justamente a troca de comando na Câmara dos Deputados e no Senado para podermos encaminhar [as reformas]”.

Vacinação em massa

“O que vem pela frente? Vacinação em massa. Porque os 38 milhões de invisíveis, que nós descobrimos, são pessoas que têm que trabalhar de manhã para comer à noite. Então, elas precisam dessa vacinação, porque está indissociável a economia da saúde. Economia e saúde andam juntos, são indissociáveis. Então, se nós quisermos que esses 38 milhões de brasileiros possam trabalhar para ganhar a própria vida, eles têm que ser vacinados. A vacinação em massa é um passo indispensável, porque ela permite que haja uma redução dramática do desemprego informal.”

Tomar a vacina

“Já queria ter vacinado. Já queria ter vacinado. Eu acho ótimo. Sou candidato a vacinar, quero me vacinar.”

Andamento das reformas

“Considerando todos os fatores, nós temos um Congresso reformista. Ele já avançou com a reforma da Previdência, fizemos a cessão onerosa. Nós estamos fazendo muita coisa que estava parada. Eu acho que nós temos conseguido um coeficiente de 70% de aprovação das medidas que mandamos. 70% parece um número razoável, incluindo o fogo amigo. O que é satisfatório para fazer a economia se mover.”

Reforma administrativa

“A [reforma] administrativa está pronta para ser aprovada. Ela é uma reforma leve e suave. Como eu disse, ela já conseguiu, para os três níveis da Federação, economizar uns R$ 140, R$ 150 bilhões em salários, que nenhuma reforma administrativa teria potência para fazer isso em tão curto tempo. E, ao mesmo tempo, em nível federal, ela permite uma economia de outros R$ 300 bilhões.”

Reforma tributária e alta de impostos

“A [reforma] tributária é um pouco mais complexa, e justamente nós não queriamos cair na armadilha que estava preparada para fazer aumento de impostos. Nós estamos há 40 anos aumentando os impostos no Brasil. Toda vez que há um déficit, nós aumentamos os impostos.

O nosso raciocínio na tributária foi exatamente o seguinte: a economia brasileira teve dois anos de recessão, em 2015 e 2016, ou seja, a base de arrecadação caiu bastante. Tivemos de novo em 2017, 2018 e 2019, um crescimento de 1%, 1,3%, 1,4%. È um crescimento baixo, ou seja, continua reprimida a arrecadação. Então, seria um contrassenso, baseado nesse déficit que está lá, você tentar aumentar os impostos para fechar o déficit.

Muitos críticos, inclusive, despreparados, estavam reclamando o tempo inteiro, que nós devíamos estar aumentando os impostos, porque tem um déficit, etc. Despreparados porque você não deve aumentar impostos no meio de uma recessão. Se não, você agudiza a recessão.”

Troca no comando da Petrobras

“O que nós dissemos ao presidente é que isto tem um custo econômico pesado. Então, resultado: se o objetivo era baixar o preço do combustível, o que aconteceu com isso [a troca do presidente da Petrobras] foi que os mercados começaram a subir o câmbio, a Petrobras perdeu valor, e o presidente mesmo falou: ‘Mas, peraí, eu quero fazer isso organizadamente’.

Aí, mostrou-se ao presidente que tem contratos, e o presidente, o CEO da Petrobras, na verdade, que é o Castello Branco, não terá seu contrato renovado. Por quê? Quer se mexer nessa governança? Isso é uma questão em aberto aí para o futuro. Vamos ver como esse novo presidente da Petrobras vai enfrentar esse problema ali na frente.”

Lava Jato

“A Lava Jato não foi uma ficção. Aconteceram uma porção de coisas. Pode ter tido arbritrariedades de um lado, ou do outro, mas a verdade é que bilhões foram devolvidos. Se bilhões foram devolvidos, bilhões foram roubados. Tem diretor da Petrobras que devolveu US$ 100 milhões. Muita coisa aconteceu e, realmente, tinha uma grande liderança política à frente disso tudo.”

Futuro econômico

“Eu acho que daqui até o fim do governo –ao contrário do que está sendo dito, que vai ser cada vez mais difícil, porque a base do governo é instável… Eu acho o contrário. Eu acho que o governo ficou dois anos para montar sua base de sustentação parlamentar. E justamente ela acaba de destravar a pauta de reformas.”

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Infelizmente, não vejo com otimismo as reformas pautadas por esse governo, principalmente essa reforma administrativa que, em sua essência, retira direitos dos servidores públicos.
    Como condição e para ganhar o apoio popular, foi aprovada a PEC emergencial que garante o auxílio emergência e proíbe os entes federativos conceder aumento salarial ao servidor público por 15 anos.
    Sou servidor público estadual há 12 anos, nunca tive aumento, nunca mudei de nível e ganho exatamente o mesmo que ganhava no primeiro mês de trabalho, e agora com a garantia de passar mais 15 anos sem aumento.
    Será que o servidor público não é cidadão? Não tem família? Não contribui para economia? Mas se engana quem pensa que o servidor não vota e seus familiares também.
    Como o ministro da economia disse “Vamos jogar uma granada na mão do inimigo (o servidor público).
    Sei que a ideia desse governo é sucatear o serviço publico do Brasil, para assim precarizar o serviço ofertado pelos governos e impulsionar a narrativa que deve privatizar tudo.
    Veja os correios que mesmo dando lucro vai ser privatizado, não para economizar, mas para atender interesse do mercado.
    O Grande problema do serviço público no Brasil são os cargos comissionados (Presidentes, diretores, coordenadores e tantos outros cargos comissionados) ocupados na sua GRANDE MAIORIA com indicação política, apadrinhados, incompetentes, por arranjos políticos que são colocados lá não para atender o interesse comum, que é servir o cidadão mais para fazer politicagem.
    Em contraponto vamos assistir daqui a pouco algumas categorias politizadas conseguir aumentos consecutivos e o judiciário recebendo auxílios e mais auxílios, e reajustes passando o dedo no nariz da grande maioria dos servidores.
    Triste do nosso país e do nosso povo…

  2. Não podiam ter focado na vacinação em massa,quando as primeiras ofertas foram ofrrecidas.
    Omissão cruel….!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: “Em hipótese alguma vou renunciar para ser candidato a governador”, diz Álvaro Dias, em entrevista ao Meio-Dia RN

Em entrevista ao Meio-Dia RN nesta quarta-feira(10), na 96 FM, com o BG, o prefeito de Natal, Álvaro Dias, descartou a possibilidade de disputar as eleições em 2022.

Segundo o chefe do executivo municipal, “não tem a menor possibilidade de ser candidato a governador”. Veja vídeo abaixo:

 

Opinião dos leitores

  1. Claro que o que ele está fazendo é de um candidato, se Fátima fechar ele abri, se Fátima abri ele fecha. Será que ele pensa que somos imbecis é não percebemos que ele é candidato. Ora bolas, vá enganar outro.

  2. Nesse momento que estamos vivenciando, hoje no nosso RN. Nao existe ninguem mais preparado para gerenciar nosso estado a nao se Dr. Alvaro Dias.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

“Alguns querem que eu decrete lockdown. Não vou decretar. O meu Exército [que é o Exército de vocês] não vai para a rua para obrigar o povo a ficar em casa”, diz Bolsonaro

Foto: Marcos Corrêa/Presidência

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que o “seu” Exército não irá “obrigar o povo a ficar em casa”. Bolsonaro disse que poderia decretar um lockdown em todo o país, mas que não fará isso. O presidente também disse que “alguns estão se excedendo”, sem especificar quem.

— Alguns querem que eu decrete lockdown. Não vou decretar. E pode ter certeza de uma coisa: o meu Exército não vai para a rua para obrigar o povo a ficar em casa. O meu Exército, que é o Exército de vocês. Fiquem tranquilos no tocante a isso daí. Agora, vamos ver até onde o Brasil aguenta esse estado de coisas. Eu quero paz, tranquilidade, democracia, respeito às instituições. Mas alguns estão se excedendo — disse Bolsonaro a apoiadores, na saída do Palácio da Alvorada.

Desde o início da pandemia de Covid-19, no ano passado, Bolsonaro criticas as medidas de isolamento social, tomadas para diminuir o contágio do novo coronavírus. O Brasil passa pelo pior momento da pandemia, com recordes seguidos nos registos de mortes.

Na semana passada, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) defendeu um toque de recolher nacional, das 20h às 6h, incluindo finais de semana e um lockdown em regiões com mais de 85% de ocupação de leitos.

Nesta segunda, ao elogiar a atuação do Japão na pandemia, Bolsonaro insinuou que no Brasil algumas pessoas se uniram para tentar derruba-lo, mas não explicou quem.

— No Japão não tem fica em casa. E é uma população, acho que talvez a mais idosa do mundo. Mas lá ninguém estava unido para derrubar o presidente. Assim é quase no mundo tudo. Raro são os países que estão aproveitando a pandemia para tentar derrubar o presidente.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. E agora teremos a batalha do ladrāo contra o alucinado. Façam suas apostas. Quem sabe lançam uma chapa juntos. É o bolsopetismo a todo vapor. O Gado chora mas Bozo nem sequer fingiu indignação. Está comemorando.

  2. Ninguém quer Lockdown animal, basta ficar em silêncio e não sabotar o seu ministério da saúde, nem estimular o suicídio pela contaminação do virus. Se temos 10 milhões de contamimados por covid, já estamos atingindo quase 10% dos eleitores que infelizmente escolheram o senhor pra presidente. Outros 55 milhões que não votaram certamente estão escapando, mas respeite ao menos seu eleitorado.

  3. Corte os vencimentos de TODOS os funcionários públicos que estão em casa, além de TODA verba publicitária estatal para a extrema-imprensa e veja a mágica acontecer.

    Parabéns a todos os profissionais da saúde, segurança, do campo e profissionais liberais que não pararam um dia.

    1. a besteira q o Silva fala o BG não censura… vai estudar Silva… o trabalho remoto foi provado que rende mais q o presencial e ainda fornece economia para o serviço público..

  4. Sensacional ver a revolta dos apoiadores de corruptos, da mídia e jornalistas em choque por abstinência de recursos públicos. Das opiniões que sequer conseguem entender o que está escrito kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Mas para aqueles que se fazem de desinformados, existe comprovação científica que o lockdown é solução para a pandemia? Quem fez e onde foi publicado?
    Qual a cidade, região ou país que adotou o lockdown e resolveu a pandemia?
    Quem adotou o lockdown o que aconteceu com a economia dos locais?
    O México, Peru, Uruguai adotaram o lockdown? Como vai a pandemia nesses países?
    Depois das respostas vocês soltam sua críticas. Por favor que ela tenham 1% de coerência.

  5. Essa criatura está desorientada sabem por que? porque fazem dois anos que não se ver um ato de corrupção no seu governo, seus imbecis hipocritas e estúpidos adoradores de marginais.

  6. Canalhas petistas adoradores de bandidos, quem fala a verdade sempre é criticado por vcs seus idiotas uteis.

    1. Não teve carnaval. O problema é de gestão pública, o governo federal não sabe o que fazer. A gestão Bolsonaro é um desastre.

  7. A situação é de saturamento epidmologico, a saúde estar a beira do colapso, os equipamentos sao insufientes e saturados, o pessoal da linha de frente, em exaustão e com problemas neurológicos, pedindo afastamento das funções Só nos resta uma única saída, a Interdição de Jair Bolsonaro da presidência. CRIAR uma comissão gestora, para corrigir o nagacionismo e urgenciar uma campanha de vacinação em massa.

  8. Que criatura desorientada! Quem danado quer exército na rua. Esse cidadão não sabe o que faz ou fala.

    1. Qual seria a outra forma dele trancar o povo em casa? Ou exército ou puliça.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Rodrigo Maia diz que não vai aceitar pedido de impeachment de Bolsonaro: “não vou deferir”

Foto: GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDO

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse ao blog nesta segunda-feira (1º) que não vai dar andamento aos pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Não vou deferir impeachment”, disse Maia.

Maia deixa nesta segunda a presidência da Câmara, cargo que lhe dá a prerrogativa de dar andamento aos pedidos de impeachment contra o presidente da República.

No domingo (31), em reunião tensa com representantes do DEM e da esquerda, Maia acenou com a possibilidade de dar andamento a um desses pedidos.

A ameaça foi feita em resposta à debandada de integrantes do DEM, partido de Maia, para a candidatura de Arthur Lira (PP-AL) – candidato do Planalto – na disputa pela presidência da Câmara.

Segundo relatos de presentes, ACM Neto, presidente do DEM, informou a Maia e aos demais que 16 deputados do partido haviam decidido votar em Lira, deixando o candidato do atual presidente da Casa, Baleia Rossi (MDB-SP), com apenas 15 deputados da sigla – um tiro de misericórdia na candidatura do emedebista.

Na manhã desta segunda-feira (1º), Lira chegou a incluir em sua agenda um ato de adesão formal do DEM à sua candidatura. O encontro, porém, não foi realizado após um veto de ACM Neto. A candidatura do parlamentar, entretanto, continua a contar com cerca de metade dos votos do DEM.

Blog Andréia Sadi – G1

Opinião dos leitores

  1. A Desgovernadora Fátima Bokus nem projeto pra educação tem, ainda se diz Profa kkk
    Pense no governo de merda esse do RN

    1. Não desvie o foco. O assunto é teu "presidente", que em matéria de incompetência dá aula a qualquer governador!

    2. A unica coisa que essa "GUVENADORA" fez em.2 anos foi o dia das lesbicas kkkkk
      Só no RN mesmo

    1. Quebrou as pernas dos PTralhas, que ainda estavam na esperança de voltar a cena política, pra tentar roubar só mais um pouquinho, pq nao tinham terminado ainda o serviço completo, dançaram. Quem tem , tem medo. Kkkkk

  2. Esse tal "impeachment" não passa de uma ideia estapafúrdia dessa oposição irresponsável e inimiga da democracia, que NUNCA se conformou com a perda do poder e de suas "boquinhas" através de eleição legítima do atual presidente. Não há apoio popular nem parlamentar para tal absurdo, nem muito menos motivo legítimo. Caso esse "Botafogo" cometa tal sandice, será mais uma vez humilhado. O novo presidente da Câmara poderá até anular esse ato pois, conforme a Constituição e o Regimento Interno da Casa, a sessão de hoje é apenas para a eleição da nova Mesa Diretora. Embora ainda caiba recurso ao STF, ação que vem sempre sendo tomada por aqueles que não têm votos e querem ganhar no "tapetão".

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Supremo descarta prioridade em vacina a pessoas com deficiência

FOTO: NELSON JR./SCO/STF

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski negou em despacho de terça-feira (25) a inclusão de todas as pessoas com deficiência e seus cuidadores ou responsáveis no grupo prioritário da vacinação contra a covid-19.

Segundo o ministro, a alteração na lista de grupos prioritários exigiria uma série de providências, como identificação e quantificação das pessoas beneficiadas, e elas “que demandariam avaliações técnicas mais aprofundadas e estudos logísticos de maior envergadura, incompatíveis com uma decisão de natureza cautelar”.

“Além disso, considerada a notória escassez de imunizantes no país – a qual, aliás, está longe de ser superada -, não se pode excluir a hipótese de que a inclusão de um novo grupo de pessoas na lista de precedência, sem qualquer dúvida merecedor de proteção estatal, poderia acarretar a retirada, total ou parcial, de outros grupos já incluídos no rol daqueles que serão vacinados de forma prioritária”, argumentou Lewandowski.

Hoje, estão incluídos no grupo prioritário da campanha nacional de imunização os portadores de deficiência permanente e severa.

Lewandowski observou em sua decisão que o pedido feito pelo partido Podemos é semelhante ao apresentado pela Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down, que também foi negado.

R7

Opinião dos leitores

  1. Ele negou a prioridade da Vacina para a Pessoa com Deficiência, porque com certeza ele não tem um Filho, um Neto, o Pai ou a Mãe ou alguma PESSOA COM DEFICIENCIA na sua família.
    PERDOA meu Deus esse Senhor, ele não sabe o mal que estar fazendo a População das Pessoas com Deficiência, em todo o Brasil.???

  2. Quem diria que,
    Leite condensado e chiclete teriam mais repercussão que Champanhe,Caviar e Lagosta.
    Realmente são novos tempos.??‍♀️

    1. Leite condensado para centenas de mihares.
      Lagosta para algumas dezenas.
      O senso de equivalência da esquerdalha me comove.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *