Polícia

Fundador da Qualicorp é preso em operação da PF que investiga suposto caixa 2 de Serra na campanha de 2014

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (21) uma operação que investiga suposto caixa 2 na campanha de José Serra (PSDB) ao Senado em 2014. O empresário José Serpieri Júnior, sócio e fundador da Qualicorp, foi preso após as investigações apontarem que ele fez doações não contabilizadas de R$ 5 milhões ao tucano.

Em nota, o senador José Serra disse que lamenta a espetacularização da investigação e que desconhece as acusações. Ele disse que “foi surpreendido esta manhã com nova e abusiva operação de busca e apreensão em seus endereços, dois dos quais já haviam sido vasculhados há menos de 20 dias pela Polícia Federal. A decisão da Justiça Eleitoral é baseada em fatos antigos e em investigação até então desconhecida do senador e de sua defesa”. (Leia a íntegra abaixo). O G1 aguarda um posicionamento da Qualicorp.

A operação, que foi denominada Paralelo 23, é uma nova fase da Lava Jato que apura crimes eleitorais e é feita em conjunto com o Ministério Público Eleitoral (MPE). As apurações se restringem a fatos de 2014, quando Serra ainda não tinha o mandato de senador. Por volta das 8h50, três dos quatro mandados de busca e apreensão já tinham sido cumpridos.

Resumo:

Serra, que havia sido denunciado por lavagem de dinheiro no início do mês (leia mais abaixo), é um dos alvos de mandados de busca e apreensão.

Foram expedidos mandados para serem cumpridos no gabinete de Serra no Senado, no apartamento funcional dele em Brasília e em dois imóveis do senador em São Paulo.

Investigações apontam doações por meio de operações financeiras e societárias simuladas, que ocultavam a origem ilícita dos R$ 5 milhões recebidos.

Segundo investigações, o empresário José Seripieri Júnior, fundador e acionista da Qualicorp, grupo que comercializa e administra planos de saúde coletivos, determinou doações não contabilizadas a Serra em duas parcelas no valor de R$ 1 milhão e uma de R$ 3 milhões.

Ao todo, são cumpridos quatro mandados de prisão temporária e 15 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Brasília, Itatiba e Itu.

O empresário José Serpieri Júnior, sócio e fundador da Qualicorp, foi preso.

Até por volta de 8h45, três pessoas haviam sido presas; entre elas Artur Azevedo. Ele teria pedido a prisão domiciliar por motivos de saúde, segundo o MP.

Também foi determinado pelo juiz da 1ª Zona Eleitoral o bloqueio judicial de contas bancárias dos investigados.

Os outros alvos de mandados de prisão são:

Arthur Azevedo Filho
Mino Mattos Mazzamati
Rosa Maria Garcia

Segundo a operação, os investigados responderão por pelos crimes descritos abaixo, com penas de 3 a 10 anos de prisão:

associação criminosa (artigo 288 do Código Penal)
falsidade ideológica eleitoral (artigo 350 do Código Eleitoral)
lavagem de dinheiro (artigo 1º da Lei nº 9.613/1998)

Serra denunciado por lavagem de dinheiro

O senador José Serra já tinha sido alvo de outra operação no início deste mês, quando foi denunciado pela força-tarefa da Lava Jato em São Paulo por lavagem de dinheiro. Na ocasião, a filha dele, Verônica Allende Serra, também foi denunciada pelo mesmo crime.

Segundo o Ministério Público Federal, a Odebrecht pagou a Serra cerca de R$ 4,5 milhões entre 2006 e 2007, supostamente para usar na sua campanha ao governo do estado de São Paulo. Outros cerca de R$ 23 milhões foram pagos entre 2009 e 2010, para a liberação de créditos com a Dersa, estatal paulista extinta no ano passado, ainda segundo a denúncia.

Os procuradores concluíram que houve lavagem de dinheiro usando a técnica “follow the money” (“siga o dinheiro”, em tradução livre). A denúncia diz que Serra e Verônica praticaram lavagem de dinheiro de obras do Rodoanel Sul no exterior de 2006 a 2014.

Operações ocultavam origem ilícita de dinheiro

Em relação à operação desta terça-feira, o caso de suposto caixa 2 foi remetido para a primeira instância da Justiça Eleitoral de São Paulo após a colaboração espontânea de pessoas que teriam sido contratadas em 2014 para estruturar e operacionalizar os pagamentos de doações eleitorais não contabilizadas.

Por meio da quebra do sigilo bancário e da troca de informações com o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), foram identificados indícios do recebimento das doações eleitorais não contabilizadas a Serra.

As investigações apontam que as doações foram repassadas por meio de operações financeiras e societárias simuladas, de modo que ocultavam a origem ilícita dos R$ 5 milhões recebidos.

As investigações também identificaram outros pagamentos de valores elevados feitos por grandes empresas, sendo uma do setor de nutrição e outra da construção civil, perto das eleições de 2014. Essas doações, segundo foi investigado, eram feitas a uma das empresas supostamente utilizadas pelo então candidato para a ocultação do recebimento das doações. Esses fatos ainda serão objeto de mais apurações.

Nota Serra

“O senador José Serra foi surpreendido esta manhã com nova e abusiva operação de busca e apreensão em seus endereços, dois dos quais já haviam sido vasculhados há menos de 20 dias pela Polícia Federal. A decisão da Justiça Eleitoral é baseada em fatos antigos e em investigação até então desconhecida do senador e de sua defesa, na qual, ressalte-se, José Serra jamais foi ouvido.

José Serra lamenta a espetacularização que tem permeado ações deste tipo no país, reforça que jamais recebeu vantagens indevidas ao longo dos seus 40 anos de vida pública e sempre pautou sua carreira política na lisura e austeridade em relação aos gastos públicos. Importante reforçar que todas as contas de sua campanha, sempre a cargo do partido, foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Serra mantém sua confiança no Poder Judiciário e espera que esse caso seja esclarecido da melhor forma possível, para evitar que prosperem acusações falsas que atinjam sua honra.”

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Serra se diz surpreso com denúncia e aliados chamam acusação de requentada de inquérito arquivado pelo STF

Foto: Rovena Rosa / Agência Brasil

Para lideranças do PSDB ouvidas pela CNN, a denúncia contra o senador José Serra traz informações requentadas de inquérito arquivado pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

“Parece que estou vendo um filme de novo. Essa história já ocorreu. Será que é o mesmo filme?”, afirmou um tucano paulista.

Nesta manhã, Serra recebeu a denúncia com surpresa, de acordo com auxiliares. Advogados dele, do Rahal, Carnelós e Vargas do Amaral Advogados, fazem a análise do inquérito que teria sido localizado na casa do delegado, responsavel pela ação, por causa da pandemia.

Além do inquérito que apura novos desdobramentos do caso, o Ministério Público Federal também apresentou denúncia contra o senador e a filha Verônica por suposta lavagem de dinheiro transnacional. A denúncia configura um passo além na investigação e, se aceita, Serra se tornaria réu.

Em 2018, a ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal, arquivou um inquérito com informações similares às de agora – ou seja, nem mesmo chegou na etapa de denúncia. A investigação tratava do suposto pagamento de propina da Odebrecht para Serra, como agora – os recursos seriam transferidos para uma conta na Suíça .O pedido de arquivamento por prescrição de pena foi feito pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Tucanos ouvidos pela coluna interpretaram a denúncia como um recado da Lava Jato, que vive em crise com a Procuradoria-Geral da República e há tempos não realizava ações contra políticos de relevância nacional.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Chegou no PSDB, agora a lava-jato não presta mais, Moro tucano nunca condenou um político do PSDB

    1. MORO, MP e PF criaram e desenvolveram com êxito magnífico a lava jato e, ao longo do tempo, suas operações tem cuidado de defender exclusivamente os patrimônio financeiros do povo brasileiro, ao mesmo tempo que escracha os verdadeiros algozes dos miseráveis e corruptos dessa nação. Portanto, é um organismo vivo e irretocável que a população brasileira exige vitaliciedade e preservação, inclusive quem tentar acabar com essa operação e seus componentes, pagará um preço político altíssimo. Tá dado o recado!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

MPF: Serra recebeu ao menos R$ 4,5 milhões em propina em conta no exterior

Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O MPF (Ministério Público Federal) diz que esquema de lavagem de dinheiro envolvendo o senador José Serra teria três camadas e que o parlamentar teria recebido ao menos R$ 4,5 milhões em propina da Odebrecht entre 2006 e 2007.

A PF (Polícia Federal) fez operação na casa de Serra em São Paulo depois de ter sido denunciado por lavagem de dinheiro pela força-tarefa da Lava Jato.

“Especificamente, JOSÉ SERRA praticou, entre outros, três crimes de lavagem de ativos por ter participado, de forma consciente e voluntária, da primeira (por meio do uso da CIRCLE TECHNICAL, de JOSÉ AMARO), da segunda (por meio do uso da DORTMUND INTERNATIONAL) e da terceira camadas de ocultação e dissimulação (por meio de transferências para a FICUS CAPITAL e para a CITADEL FINANCIAL ADVISORY)”, diz a denúncia.

Primeira camada

Serra teria solicitado R$ 4,5 milhões à empreiteira e os valores deveriam ser pagos por meio da offshore chamada Circle Technical Company Inc.

De acordo com a denúncia, a empresa era controlada por José Amaro, amigo de Serra.

“Vê-se, portanto, que uma grande gama de pagamentos, feitos pela ODEBRECHT à CIRCLE em curto período e de modo fracionado, embora estivessem vinculados nos sistemas de contabilidade da empreiteira a “VIZINHO”, codinome de JOSÉ SERRA, e tivessem sido feitos por sua solicitação e em seu favor, tiveram de fato, como destinatário imediato, a pessoa de JOSÉ AMARO RAMOS. E neste diapasão, por envolverem valores de natureza espúria, relacionada a crimes de corrupção (notadamente a passiva, na modalidade solicitar) e de cartel, e por visarem a ocultá-la e a dissimulá-la, nada mais foram que atos de lavagem de ativos”, diz denúncia.

Segunda camada

Nesta fase, o MPF diz que os valores recebido pela Circle da Odebrecht foram pulverizados e que “embora os valores respectivos tenham sido movimentados pelo sistema financeiro, eles seguiam sob controle de José Amaro”.

Algumas das transferências foram realizadas à offshore Dortmund, que, segundo o MPF, é controlada pela filha de José Serra, Verônica Allende Serra.

“Assim, ao JOSÉ AMARO RAMOS realizar, a partir de contas suas, transferências vultosas em favor da DORTMUND, entre 2006 e 2007, o que se praticava eram atos de ocultação e dissimulação da natureza espúria dos valores que recebera da ODEBRECHT no período, assim, s eus reais destinatários: JOSÉ SERRA e sua filha VERÔNICA SERRA”, diz denúncia do MPF.

Segundo o texto, a offshore Dortmund serviu como uma segunda camada de lavagem de dinheiro, permitindo o recebimento de “936.000,00 euros, oriundos de três empresas de JOSÉ AMARO RAMOS, que, por sua vez, foi beneficiado, no período, por valores transferidos a partir de offshores controladas pela ODEBRECHT”.

Segundo a denúncia, o dinheiro era transferido de uma offshore da companhia para outra de José Amaro, amigo de Serra.

Terceira camada

Segundo o MPF, a Dortmund enviou ao Banco Arner um pedido de transferência U$ 25.000,00 à Ficus Capital, empresa atuante no mercado financeiro internacional, com Francisco Ravecca como um dos sócios.

O MPF diz que “assim, parte dos valores – oriundos da ODEBRECHT – que ingressaram na conta da DORTMUND por meio de transferências realizadas a partir de contas de JOSÉ AMARO foram remetidos a FRANCISCO RAVECCA”.

A denúncia aponta que, em 2014, a Dortmund liquidou os valores existentes na conta. “Dessa forma, valores transferidos a JOSÉ AMARO RAMOS, pela ODEBRECHT, por solicitação de JOSÉ SERRA e tendo este como beneficiário final, foram remetidos, a partir de diversas operações, ao controle de VERÔNICA SERRA, filha do referido agente político, sendo, ao fim, liquidados para outras contas, em uma terceira camada de dispersão patrimonial, integrante, a toda evidência, de uma cadeia de lavagem de ativos”, diz a denúncia.

O R7 tenta contato com a defesa dos citados.

R7

 

Opinião dos leitores

  1. Será que o PT tinha razão quando dizia que Moro era tucano? Ele nunca investigou a turma do PSDB, agora que saiu do governo começaram as operações pra cima da turma do bico grande, Aécio, Serra, Alckmin, Dória…

  2. O Moro tinha conhecimento de tudo isso, mas como estava a serviço da elite fez vista grossa para não melindrar toda a corja do PSDB.

    1. Agora após as denúncias do MPF é que o juiz aceitando as denúncias inicia seu trabalho.
      Agora inicia o trabalho do juiz .
      O ex-juiz Sérgio Moro prestou relevantes serviços ao país,assim como outros juízes.
      Não é um herói nacional e tb não é um traidor.

    1. …pior é que não escapa um, mesmo. Como dizia Bezerra da Silva: se gritar pega ladrão fica um meu irmão. E o povo se matando por causa de políticos, nammm!

    2. Já escapou.
      Jair Messias Bolsonaro.
      Zero de crimes tá!!
      Não responde a processos por desonestidade, corrupção, não é sequer investigado.
      Pode espalhar!!!
      Pura verdade.
      Vc precisa conhecer melhor esse cidadão brasileiro, cheio de erros como qualquer mortal, mas em matéria de corrupção, é zero.
      A globo, folha de São Paulo, tenta pegar, mas tá sempre com os burros n'Agua.
      Ponto final.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Corpo de Bombeiros combate fogo em serra no interior do RN

Foto: redes sociais

O Corpo de Bombeiros Militar do Rio Grande do Norte (CBMRN) segue combatendo o fogo na Serra que fica entre as cidades de Portalegre e Viçosa, no interior do Estado. Desde ontem (7) dez militares e cerca de 30 voluntários estão trabalhando para debelar o fogo que se encontra no meio da serra.

Veja mais – FOTOS: Incêndio na zona rural de Portalegre-RN persiste e preocupa moradores

Durante a madrugada desta terça-feira (8) o trabalho de abertura de estradas foi iniciado para se conseguir chegar ao foco central do fogo. “Alguns focos já foram debelados. Estamos utilizando máquinas e o conhecimento dos voluntários nativos para abrirmos estradas. Vamos trabalhar o dia todo”, disse o capitão Joilton Cunha, oficial do CBMRN no local.

Ainda não há informações sobre a área atingida e o que teria motivado o fogo. Também não há registros de vítimas e danos em edificações até o momento.

Opinião dos leitores

  1. Posso estar enganado, por não ter a informação, mas não é comum esse tipo de evento no nosso estado, não recordo a última série de incêndios no RN… no mínimo, digno de uma investigação mais profunda.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

FOTOS E VÍDEOS -(BELEZA DA SERRA): Município de Martins registra dias cada vez mais frios

Foto: Instagram martinsrn

O município de Martins, situado na área de Serra da região Oeste, e distante cerca de 380 km da capital potiguar, como de costume no período de julho, tem registrado baixas temperaturas.

Para quem gosta do frio e paisagens deslumbrantes, a cidade no interior do Rio Grande do Norte é um convite irresistível. O registro no início desta terça-feira(23), do Instagram @martinsrn apresenta seus 15 graus.

Veja abaixo vídeos e fotos:

 

Ver essa foto no Instagram

 

Venha curtir esse friozinho na Serra mais charmosa do Rio Grande do Norte. . ?: @alexcavalcante25 ?: @lularissapsi

Uma publicação compartilhada por Martins, Rio Grande do Norte ? (@martinsrn) em

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

VÍDEOS: Riacho dos Dormentes, entre Portalegre e Viçosa, com maior chuva do ano na Serra

Registro de fortes pancadas de chuvas na região de Serra do Rio Grande do Norte nas últimas horas. Riacho dos Dormentes, entre Portalegre e Viçosa, com grande volume de água, e consequente alegria dos moradores.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Denúncia

Delação da OAS cita pagamentos a Cabral, Aécio, Serra e mais 18

Os ex-governadores José Serra (PSDB-SP), Aécio Neves (PSDB-MG) e Fernando Pimentel (PT-MG) Foto: Ailton de Freitas / Jorge William / Agência O Globo

A construtora OAS distribuiu entre 2010 e 2014 cerca de R$ 125 milhões em propinas e repasses de caixa dois a pelo menos 21 políticos de oito partidos . A revelação é parte da delação premiada feita por oito ex-funcionários que atuavam na “Controladoria de Projetos Estruturados”, o departamento clandestino da empreiteira, homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado e que era mantida até agora em sigilo.

O GLOBO teve acesso a um relatório de 73 páginas da Procuradoria-Geral da República (PGR) em que a procuradora-geral, Raquel Dodge, resume as revelações dos ex-executivos, contidas em 217 depoimentos, e pede providências ao ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato no Supremo. Os funcionários do setor revelaram os nomes dos políticos, as campanhas financiadas irregularmente, as obras superfaturadas para alimentar o caixa clandestino da empreiteira e o método de funcionamento do esquema.

A lista de beneficiários elencada pelos delatores é multipartidária e reuniria alguns dos mais proeminentes políticos do país no período. Entre os acusados de receber propina estão o senador Jaques Wagner (PT) e o ministro Vital do Rêgo, do Tribunal de Contas da União, além do ex-governador Fernando Pimentel (PT-MG), do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) e do ex-ministro Edison Lobão (MDB-MA). Vários outros teriam recebido caixa dois, entre eles o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o senador José Serra (PSDB-SP), o deputado Aécio Neves (PSDB-MG), o ex-prefeito Eduardo Paes e o ex-governador Sérgio Cabral. Procurados, eles refutaram as acusações ou negaram-se a comentá-las.

Há ainda uma longa lista de burocratas de estatais, integrantes de fundos de pensão, empresários e doleiros que também são citados como beneficiários de dinheiro do setor. É a primeira vez que integrantes da OAS explicam como funcionava o sistema de propinas da empreiteira. O esquema ilegal da construtora envolvia ainda o superfaturamento de obras emblemáticas, como estádios da Copa de 2014, a transposição do Rio São Francisco, o Porto Maravilha, no Rio, e a Ferrovia de Integração Oeste-Leste, além de empreendimentos no exterior.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Já sei que não vai dar em nada porquê o atual presidente da Câmara de Deputados está no meio.

  2. VIXE, VAO PRENDER ESSES NAO É ????? E SE PRENDER VIRARAO COMPANHEIROS DE CELA DE LULA ??? OU FARAO UM PRESIDIO CINCO ESTRELAS??? E AGORA…………?!?!?!?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

PT vê menção a Serra como combustível para CPI

299187-970x600-1O PT avalia como combustível para a instalação imediata de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na Câmara o fato de o ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) ter sugerido um acordo à multinacional alemã Siemens para evitar o travamento de uma licitação para a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), como revelou a Folha.

“Está demonstrada a participação de agentes públicos. Isso mostra a urgência de instalação de uma CPI”, disse o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP), designado pela liderança petista na Câmara como articulador da coleta das 171 assinaturas necessárias para a criação da comissão de inquérito. Ele afirma que a coleta começará hoje, mas que o grosso das assinaturas deverá vir na próxima terça-feira, quando a Câmara estará mais cheia.

A mensagem relata uma conversa que um diretor da Siemens, Nelson Branco Marchetti, diz ter mantido com Serra e seu secretário de Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella, durante congresso do setor ferroviário em Amsterdã, na Holanda.

Teixeira afirma ver indícios de crime por parte de José Serra, embora o conteúdo do e-mail não indique que o tucano sabia da existência de um cartel.

“Na minha avaliação, está caracterizada fraude a licitação”, afirma o deputado, em relação ao fato de o tucano ter sugerido que a Siemens poderia ser subcontratada pela concorrente CAF, que já havia apresentado preço mais baixo para o fornecimento de 40 trens para a CPTM.

O petista diz que o esforço central do partido, rival histórico de Serra, será conseguir as assinaturas para a CPI. Ele descarta, nesse primeiro momento, tentar a convocação de Serra ou de executivos da Siemens em comissões específicas da Casa.

Na Assembleia Legislativa de São Paulo, onde o governo tucano tem ampla maioria, o líder do PT na assembleia, deputado Luiz Claudio Marcolino, afirmou que a citação do ex-governador José Serra (PSDB) mostra a necessidade da instalação de uma CPI.

“Com o envolvimento no nome do Serra, a suspeita sai da esfera apenas de funcionários da administração pública e vai para a esfera política, o que deve ser alvo de uma investigação dos deputados”, afirmou.

O deputado Ricardo Berzoini (PT-SP), contudo, entende que, caso haja uma conexão temática com alguma das comissões permanentes da Câmara, é necessário, sim, que o partido defenda a convocação de Serra e de executivos da Siemens.

“Se tiver acho que é necessário, até porque envolve uma questão mais grave do que o simples fato de haver um esquema de cartel, que é a existência de empresas estrangeiras promovendo a corrupção dentro do Brasil”, disse.

Ao lado de Candido Vaccarezza (PT-SP), Berzoini defendeu que Serra tenha todo o direito de defesa garantido, e afirmou tratar o caso com cautela.

“Sempre sou cauteloso com qualquer notícia desse tipo, porque é preciso sempre preservar o direito de defesa. Mas os elementos são muito contundentes, eu acho que existe uma necessidade de haver uma apuração rigorosa para saber exatamente o que aconteceu”, disse Berzoini.

Para Vaccarezza, é preciso garantir “amplo direito de defesa e apurar os fatos com rigor, sem nenhuma condenação a priori”.

Folha

Opinião dos leitores

  1. Kasinsk, essa é a postura perfeita do perfeito "ANALFABETO POLÍTICO", como dizia Bertold Brech. Da sua omissão surgem a prostituição, a criminalidade, a corrupção, a violência, os desvios, etc, enquanto alimentam os maus políticos. Pessoas como vc são orgânicas, servindo apenas para propósitos passionais fanáticos.

  2. Agora vc se entregou Kasink, "todo analfabeto político afirma que não gosta de política". Essa omissão é justamente a energia que os oportunistas precisam para prosperar. De pessoas como vc é que se alimentam os maus políticos. Pessoas que afirmam "detestar política", são, segundo Bertold Brech, o exército de ANALFABETOS POLÍTICOS, massa de manobra dócil para ser tranquilamente manipulada de um lado para outro como lhes aprouver. Mudar o seu discurso e dizer que não disse o que vc disse, não vai livrar a tua cara de pau. Toda Generalização é um erro do ponto de vista científico. O fato é que devemos nos desnudar de nossas falsas máscaras e nos vestir de um manto onde nossa bandeira deve ser a Justiça, a Isonomia, a paz e a probidade de todos em prol de uma nação limpa, ética e moralmente inatacável.
    Se manca Paulo Kasinsk. Pega a tua viola e bota no saco, faz um curso de conscientização e se politiza aprendendo que as grandes mudanças na história não acontecem aos saltos, e sim em processos que pode começar de maneira simples e em qualquer lugar ou momento. PT, PDB, DEM, PMDB, PTB, PDT, PV E DEMAIS Partidos, são feitos de homens "espertos"que se aproveitam dos espaços que os homens honestos e despolitizados feito vc, deixam abertos. Assim, acorda, vamos estudar e participar do processo requerendo justiça sem discriminações de qualquer natureza. Chega de parcialidades e passionalidades em favos dos tubarões, condenando apenas os inimigos e os peixes pequenos. é muito fácil ser forte encima dos fracos,não? Difícil é ser justo com os grande e verdadeiros corrupto em nossa linda e hipócrita sociedade.

  3. Bacana o seu comentário, Pedro Paulo. Mas, acredite: nem de política eu gosto. Imagine… O que eu disse no primeiro comentário, e daí esse entendimento que eu estaria defendendo o PSDB, é que nas próprias palavras do deputado PTista, está lá:"Indícios… Não indique…" . Não digo nem afirmei que Serra tem ou não culpa na história, apenas achei a acusação, digamos, rala para o tamanho da dimensão que deram. E que o PT já fez melhor. Só isso. Ainda me resta um pouco de juízo para não ter que estar defendendo político ou partido. Sem essa. E mais: não brigo com os fatos. Abs.

  4. O maior escândalo deste país é que 45 inquéritos referentes às denúncias contra o PSDB paulista foram arquivados pelo Ministério Público de São Paulo, que teve que trazê-los à luz por pressão internacional, já que as multinacionais europeias corromperam políticos de outros países, além dos que corromperam no Brasil, e as notícias só estavam sepultadas aqui, no único dos países relacionados com o caso da Alstom em que ninguém foi punido. E a imprensa surda, muda, calada…

    Não é de estranhar, portanto, que, a blindagem descarada de corruptos amigos da Globo e de outros veículos da mídia tenha despertado revolta crescente na sociedade, que passou a ser contrária à grande imprensa em geral e que tem, até mesmo, levado à violência, com ataque a unidades móveis de várias emissoras e expulsão de repórteres da Globo dos protestos, além de depredação de prédios da Vênus Platinada.

  5. Esse Paulo Kasinsk… Paulo, não é que haja defensores incondicionais do PT nos comentários abaixo. Vejo-os mais como alguém que procura a realidade do fatos. Ninguém precisa divulgar ou defender a versão do PSDB sobre os escândalos políticos que envolve esse partido, porque isso a imprensa já faz com "categoria". Agora, por amor a verdade, é necessário que haja um contraponto, porque, se não, se instaura a ditadura do pensamento único. Aí sempre o PT será o grande vilão do Brasil, e o PSDB e outros partidos uns coitadinhos que sofrem com a denúncias infundadas dos petistas e são todos agremiações de frades franciscanos e irmãs carmelitas…

    Demonstre bom senso e reconheça a denúncia da Siemens e da Alstom, que nem certamente o fez no caso do "mensalão", quando o deputado Roberto Jefferson colocou a boca no mundo!…

  6. Ora, meu ilustríssimo Zé Ninguém. Não adianta vociferar. E agradeço, porque na sua acusação está a minha resposta: ao me acusar de defender o PSDB, essa mesma acusação, inversamente vai para você, que defende o PT. Sacou? Isso eu desmonto fácil. É minha praia. Agora veja, nunca é demais lembrar: não sou eu que está no encalço de alguns PTistas, é a Justiça, Zé Ninguém. No mais, obrigado pela atenção. Vou ver o meu Vasco jogar. Esse Juninho é um cracaço, né não, Zé Ninguém? Só falta você me dizer que além de PTista é Flamenguista. Mas pode continuar a escrever. Terá resposta. No mais, me perdoe esse estilo de escrever, digamos, elegante. É congênito.

  7. paulo kasinsk, mostra a tua cara. Quero ver quem paga para vc defender o que defende diariamente. Suas pocisões já estão manjadas: Age como Ministério Público acusando pesada, continua e sistematicamente tudo o que for dito sobre o PT, enquanto age como advogado de defesa de tudo que é desfavorável ao PSDB. Tão óbvia é a sua postura que nos faz rir de suas manifestações. Os fatos atribuídos ao PT são presumidamente verdadeiros a priori, e os imputados ao PSDB são apenas invenções, falsos indícios e montagens. Acorda homi. Enquanto tivermos essa visão passional e virulentamente fanática, não iremos a lugar nenhum. Temos que tratar a todos por igual, Petistas, Tucanos, Militares, civis, religiosos, ateus, etc… HIPOCRISIA TEM LIMITE!

  8. Meu caro Ricardo Couto. Agradeço por ter lido alguns comentários meus e pela lembrança. Seu comentário merece o meu perdão, porque está claro que você não leu, aqui mesmo no BG, quando afirmei que não tinha Partido, que o meu Partido é o Partido da minha bela cidade de Natal. Dito isto, fica esclarecido. Também não se avexe, não, como diz a canção. Não livro a cara de ninguém, apenas procuro ser minimante coerente no que estou criticando. Não sou da turma do "KKKKKKKKK", tipo de expressão-comentário muito profundo para mim, e que portanto não sei usá-lo. E usei, num contexto onde a crítica era a esse pensamento mais que profundo, o "KKKKKKKKKKKKK". Me esforço, muito, meu ilustre leitor, por fazer dos comentários pelo menos algo de interessante, em respeito a você e a outros leitores. Se não consigo, paciência. Também quero lembrar-lhe que sou humano, portanto, com todas as mazelas, erros e contradições dessa condição. E quero dizer da importância e do respeito que dou ao Blog do BG, por abrir essa janela para que possamos nos expressar. Por mais contundentes que sejam minhas críticas, me imponho certos limites. Não misturo o pessoal com o profissional, e tenho plena consciência do que é a lei. É isso. Nos vemos por aqui.

  9. Caro Ricardo! A caixa preta não é o governo de São Paulo. A caixa preta é a Petrobras, os Fundos de Pensão e das ONGS espalhadas por aí que recebem dinheiro público para não sei o que, mas que na verdade, financiam as campanhas do PT. A roubalheira aí, faz o governo de São Paulo ser ladrão de laranja cravo na feira. Daí se pergunta: A troco de que a OAB está utilizando indevidamente o dinheiro da contribuição anual dos advogados para encomendar pesquisa IBOPE para saber se o povo quer reforma política? Isso não é assunto da OAB. Está mais do que claro que o PT e seus comparsas farão de tudo e utilizarão todos os meios possíveis, sejam eles lícitos ou ilícitos para permanecer no Poder, inclusive, se utilizando da OAB. Já é hora da OAB se explicar porque dentro de seus quadros, há membros da esquerda que estão atuando partidariamente e indiscriminadamente para encobrir a roubalheira do PT. Você duvida? Eu não.

  10. Gostaria muito que a teoria sobre "o domínio do fato" que foi aplicado por Joaquim Barbosa para condenar o José Dirceu fosse utilizada da mesma forma nesse escândalo do propinoduto do metrô de SP, para vermos outros políticos como Serra e Alckmin pagarem por seus atos.
    Mas infelizmente da mesma forma que a imprensa trata de forma diferente determinados escândalos a justiça também se comporta assim.

    1. E AINDA EXISTE UMA SÓ CRIATURA NA FACE DA TERRA QUE TENHA DÚVIDA DA SAFADEZA DO TRIO DE LADRÕES DO PSDB DE SÃO PAULO? NEM OS FAMILIARES DESSES LARÁPIOS ACREDITAM NELES.

  11. Factoide do factoide. Releia esse trechinho aqui; as maiúsculas são por minha conta: "Teixeira afirma ver INDÍCIOS de crime por parte de José Serra, embora o conteúdo do e-mail NÃO INDIQUE que o tucano sabia da existência de um cartel". Pode?, esse chafurdo todo? O PT está cada vez mais hilário, já foi melhor na modalidade "atirar pedra". Normal, as mãos andam ocupadas demais com outras coisas.

    1. Kkkkkkkkkkk

      Acompanho esse blog e costumo ler alguns comentários , sempre vejo esse Paulo Kasinsk fazer comentários políticos, cobrando rigor nas punições, investigações…
      Mas me parece que a indignidade dele é seletiva, apresenta uma postura para denuncias contra o PT e outra contra os políticos do PSDB.
      Caro Paulo, a caixa preta que é o governo de SP deixa qualquer político do Brasil parecendo ladrão de galinha, para se ter uma ideía da blindagem que possui o PSDB em SP foi preciso uma investigação na França contra a Alstom para se descobrir o esquema de propina e superfaturamento das obras do metrô.
      Sr. Paulo será que a Siemens, empresa alemã, que está sendo investigada na França admitiria que pagou propina a pessoas ligadas ao PSDB de SP apenas para criar um factoide para o PT usar contra o PSDB?
      Acorda!
      Essa indignidade seletiva não ajuda em nada a melhorarmos o país.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Trabalhador é morto enquanto construía casa

Um crime de homicídio foi registrado na manhã desta sexta-feira (6), no município de Serra Negra do Norte, situada a 303 km de Natal. A vítima foi identificada como José Juvino de Araújo Neto, 40 anos, residente na rua Aristides Alves de Moura, no centro da cidade.

De acordo com o soldado Tavares, oficial da Polícia Militar em serviço, a vítima trabalhava na construção da residência, quando foi abordado por um Celta preto, que chamou pelo seu nome. Na ocasião, José Juvino virou para tentar reconhecer a pessoa, quando foi atingido com um disparo na região do rosto.

Segundo o soldado Tavares, a vítima foi atingida no olho e caiu sem vida em frente à residência. A Polícia Militar realiza diligências pela região na busca pelo autor do crime. “Nosso 1º levantamento nos leva para um suspeito, mas preferimos manter em segredo para que a investigação não seja atrapalhada”, concluiu o policial militar.

Fonte: DN Online

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Privataria Tucana: Jornalista acusa tucanos de receber propinas

Um livro que chegou à praça no fim de semana faz sérias acusações contra o ex-governador José Serra, uma delas de receber propinas de empresários que participaram das privatizações conduzidas pelo governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).

Publicado pela Geração Editorial, “A Privataria Tucana” foi escrito pelo jornalista Amaury Ribeiro Jr., que no ano passado foi acusado de participar da montagem de uma central de espionagem no comitê da campanha da presidente Dilma Rousseff.

O livro sustenta que amigos e parentes de Serra mantiveram empresas em paraísos fiscais e as usaram para movimentar milhões de dólares entre 1993 e 2003, mas não oferece nenhuma prova de que esse dinheiro tenha relação com as privatizações.

Algumas informações do livro circularam na campanha eleitoral do ano passado e boa parte do material foi publicada antes por jornais e revistas, entre eles Veja, Estadão e Folha.

O livro mostra que uma empresa controlada pelo empresário Carlos Jereissati nas Ilhas Cayman repassou US$ 410 mil para Ricardo Sérgio de Oliveira, ex-diretor da área internacional do Banco do Brasil e amigo de Serra.

Segundo os documentos apresentados pelo livro, a transferência foi feita dois anos depois do leilão em que um grupo controlado por Jereissati arrematou o controle da antiga Telemar. Mas o livro não exibe prova de que a transação tenha algo a ver com Serra e a privatização.

Outro alvo do livro é a filha de Serra, Verônica Serra, que foi sócia da empresária Verônica Dantas numa firma de prestação de serviços financeiros na internet, a Decidir.

Verônica Dantas é irmã do banqueiro Daniel Dantas, que controlou a antiga Brasil Telecom até o início de 2005. A Telemar e a Brasil Telecom atualmente são parte da Oi.

O jornalista também diz que Gregório Preciado, casado com uma prima de Serra, teve ajuda de Ricardo Sérgio na privatização do setor elétrico e depois movimentou dinheiro em paraísos fiscais.

No governo FHC, Ricardo Sérgio, como diretor do Banco do Brasil, exercia influência sobre a Previ, o fundo de pensão dos empregados do BB, que se associou aos vários grupos que participaram das privatizações da época.

Ribeiro Jr. foi acusado pela Polícia Federal de ter violado o sigilo fiscal de dirigentes tucanos e dos familiares de Serra durante suas investigações, pagando despachantes para obter ilegalmente informações sobre eles.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *