Saúde

‘Questão contratual’, diz Queiroga sobre atraso na chegada de insumo da China ao Butantan

Foto: Reprodução/CNN Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, atribuiu o atraso na entrega do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) ao Instituto Butantan à “questão contratual”. Nesta sexta-feira (14), o Butantan anunciou a paralisação da produção da Coronavac por falta dos insumos, que aguardam liberação na China.

O país asiático tem dez mil litros do IFA prontos e aguardam liberação para embarque no Brasil. Até lá, o Butantan não tem como continuar a produzir o imunizante. Em evento de imunização de atletas olímpicos, Queiroga afirmou que “a questão do Butantan com a China é uma questão contratual.”

“Eu espero que [a entrega] desse suprimento de IFA ocorra normalmente e a produção se regularize pra que tenhamos também disponível a vacina Coronavac”, disse o ministro.

Mais cedo, em coletiva de imprensa, o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que não há problemas com o contrato com a China e reduziu a expectativa de entrega de vacinas para este mês de 12 milhões para “pouco mais de 5 milhões”.

“Tínhamos a previsão de 12 milhões de doses em maio e vamos entregar pouco mais de 5 milhões. E, em junho, temos a previsão de 6 milhões [de doses]. Se o IFA chegar muito rapidamente, vamos cumprir. Vamos recuperar o cronograma de maio e cumprir o de junho. Do ponto de vista da nossa relação contratual, não temos problemas. O problema é com a liberação [dos insumos] que precisa acontecer o mais rápido possível”, disse Dimas em resposta à CNN.

Os dez mil litros de IFA que aguardam a liberação para embargue ao Brasil correspondem a 18 milhões de doses da Coronavac. Nesta semana, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) atribuiu o atraso na chegada dos insumos a “entraves diplomáticos” causados pelo governo federal.

Queiroga voltou a negar que haja “entraves diplomáticos” entre o Brasil e a China. “Nós temos relações muito boas com todos os países, inclusive com a China. É um parceiro comercial importante do Brasil. O Brasil integra um bloco econômico com a China chamado de Brics. Eu me reuni já, pelo menos duas ou três vezes, com o embaixador Yang Wanming [embaixador da China no Brasil] e não há nenhum problema diplomático do Brasil com a China”, disse Queiroga.

Na coletiva de imprensa desta sexta, Doria repetiu as críticas ao governo federal e fez um apelo aos chineses pela liberação de novos insumos. “Temos um entrave diplomático fruto de declarações desastrosas do governo federal e isso gerou um bloqueio no embarque desses insumos. É muito ruim quando um presidente da República agride um país. A má notícia é que a partir de agora o Instituto Butantan não pode processar novas vacinas”, disse Doria.

Procurado pela CNN, o Ministério das Relações Exteriores informou, por meio de nota, que a pasta mantém tratativas com a China e “acompanha permanentemente o processo de autorização de exportação de IFAs, inclusive por meio da Embaixada do Brasil em Pequim”.

Segundo a pasta, as “autoridades chinesas comprometeram-se a fazer todo o possível para cooperar com o Brasil no combate à pandemia de Covid-19 e reiteraram que eventuais atrasos não são intencionais, dado que a China está exportando IFAs para diversos países”, o que tem gerado sobrecarga tanto na fabricação de vacinas e insumos quanto nos trâmites burocráticos necessários para liberação.

Paralisação momentânea na produção da Fiocruz

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou nesta quinta-feira (13) que interromperá por alguns dias, na próxima semana, a produção da vacina contra Covid-19 até a chegada de uma nova remessa de insumo – prevista para o sábado (22).

A Fiocruz não informou se essa interrupção causará algum impacto nas próximas entregas das doses do imunizante ao PNI, do Ministério da Saúde, mas disse que, à princípio, o cronograma de entregas permanece semanal – sempre às sextas-feiras.

Nesta sexta (14), a Fiocruz entrega mais 4,1 milhões de doses da vacina ao PNI, totalizando 34,3 milhões de doses disponibilizadas ao Ministério da Saúde.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Isso é uma retaliação da China diante das acusações de bolsonaro contra aquele país. Nossa nação, é o único país do mundo que não pode falar da china, haja vista ser o maior comprador do mundo dos nossos produtos, além de único fornecedor de insumos pra tratamento e vacinas no combate ao covid. Logo temos um presidente imbecíl ou abobalhado, pois por mais que esteja claro que a China e a maior culpada por essa pandemia, essa não é a hora de tentar peitar a china, deixe ao menos salvar as vidas com as vacinas. O ômi burro

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Não fui orientado pelo presidente sobre uso de cloroquina, diz ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, na CPI da Covid

Foto: Edilson Rodrigues – 6.mai.2021/Agência Senado

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quinta-feira (6), em depoimento à CPI da Pandemia, que não foi orientado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o uso da cloroquina em pacientes com Covid-19.

“Não recebi [orientação]. Essa é uma questão técnica que tem que ser enfrentada pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec). Eu sou instancia final decisória, e posso ter que dar um posicionamento acerca disso”, disse Queiroga.

A resposta do ministro foi interrompida pelo presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), que pediu respostas objetivas. “O senhor é testemunha aqui. Tem que dizer sim ou não. O senhor está aqui como ministro e médico. Peço para responder, se não vamos encerrar essa sessão agora”, disse Aziz.

“Existem correntes, uma defende e outra é contraria. Precisa de um protocolo técnico, e isso tem que ser avaliada quanto ao mérito da evidência cientifica, isso é colocado em audiência pública e o ministro é a instância final”, reiterou o ministro.

Questionado pelo relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL) sobre se compartilhava ou não da opinião de Bolsonaro sobre o medicamento, Queiroga disse que não cabia a ele “fazer juízo de valor sobre opinião do presidente”.

“Essa é uma questão de natureza técnica, essa medicação foi suscitada no tratamento e o uso compassivo foi feito em diversas situações e estudos já mostram que o medicamento não tem efeito em vários âmbitos.”

Queiroga disse ainda que “não houve qualquer tipo de pressão” sobre uso de qualquer remédio e que está em elaboração um protocolo clínico para substituir a atual orientação sobre o uso de cloroquina.

Ele também afirmou que não autorizou e não tem conhecimento sobre a distribuição do remédio na sua gestão à frente da pasta.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Não perguntaram qual a opinião dele no tratamento, se não receita nada é igual ao mandetta, toma dipirona e vai para casa esperar a falta de ar, ai sim, quando estiver internado com o pulmão tomado eles tem medicamentos para tratamento.

  2. Como é ministro, tenho gastado meu salário com ivermectina e cloroquina, há 2 anos porque o presidente mandou, até nem tomei vachina porque os blogueiro apoiadores do presidente irientam pra não tomar, pois tem um chip na vacina que deixa o vacinado escravo da China. Isso não existe? Pu caridade

  3. “Não fui orientado pelo presidente sobre uso de cloroquina, diz ministro da Saúde, Marcelo Queiroga….”
    Foi não…o Dr. Bozo queria só MUDAR A BULA da cloroquina, só isso…

  4. Marrapaz….é capaz do Bozolóide também negar que recomendou o tal “tratamento precoce”…
    Bozo falando que não defendeu a cloroquina em 3, 2, 1….
    Bota pra lascar, CPI…kkkkkkkkkk
    A bozolandia pira….muuuuuuuuummmmm

    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      03 dias a CPI dos corruptos querendo impor fala e ordem que Bolsonaro não deu!
      03 ministros falando a verdade e a esquerdalha querendo colocar fala que não existiu. Bolsonaro pode ser a favor da medicação precoce, é direito dele, assim como a esquerda obrigou politicamente a anvisa aprovar a coronavac sem a comprovação científica necessária. Senadores ficha suja querendo jogar o Presidente na mesma conta que eles fazem política

    2. Fernando, o teu mito queria apenas e simplesmente alterar a bula do remédio…só queria isso…
      Não custa nada fazer um esforço e colocar seus dois neurônios pra exercitar o raciocínio…mas eu entendo vc…é difícil analisar criticamente… mais fácil aceitar as versões do Dr Bozo que chegam no “grupindozap”…

    3. Fernando, Flávio Bolsonaro também está na CPI? Ou o ex-vice líder do governo no Senado, Chico Rodrigues, mas você pode tá falando do cão de guarda do governo na CPI, Ciro Nogueira, ou o líder do governo no Senado, Fernando Coelho. Perguntando, pois não entendi!

  5. Ô medo grande da CPI…kkkkkkkkkkkkkk
    O MInTO tá se desfazendo aos poucos…ninguém acredita mais nas bravatas do inepto, só faz latir pra mover a boiada burra…Acabou porra!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ministério da Saúde lança estudo para entender comportamento da Covid-19 em 274 cidades do país, e Queiroga diz que ‘negacionismo é negar o que o governo federal tem feito no investimento na pesquisa’

Foto: Agência O Globo

Em evento de lançamento da pesquisa PrevCOV, sobre a prevalência de infecção pela Covid-19 no Brasil, realizado nesta quarta-feira, o ministro da Saúde Marcelo Queiroga afirmou que “negacionismo é negar o que o governo federal tem feito no investimento na pesquisa, na ciência e na tecnologia”.

As declarações foram percebidas como respostas às críticas feitas ao governo federal durante a CPI da Covid no Senado, que investiga possíveis ações e omissões do governo Bolsonaro no combate à pandemia. A CPI começou a ouvir nesta terça-feira ex-ministros da Saúde antecessores de Queiroga durante a atual gestão.

O novo estudo, que deve começar em junho, é, informou a Saúde, um dos maiores do mundo sobre a soroprevalência do coronavírus. A pasta quer estimar a prevalência da infecção pelo coronavírus nas capitais, nos estados e nas regiões metropolitanas.

Entre os principais objetivos está mapear a extensão da transmissão do vírus e compreender o comportamento da doença no país e seus determinantes, como características demográficas e epidemiológicas dos participantes.

A amostra utilizada será semelhante à aplicada pela Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE. Ao todo, serão coletados dados em 274 cidades, com abrangência de 62 mil domicílios nestes locais e público alvo de 211.129 indivíduos. O investimento é, de acordo com o ministro, de R$ 200 milhões.

— (Este) é um governo que tem investido fortemente na pesquisa. Não só em relação a inquéritos epidemiológicos como esse, mas em pesquisa de fármacos inovadores, em fomento ao complexo industrial da saúde. Negacionismo é negar o que o governo federal tem feito no investimento na pesquisa, na ciência e na tecnologia — afirmou o ministro.

A PrevCov quer estimar a exata magnitude da infecção nas capitais e regiões metropolitanas para assim ter cálculos mais precisos da morbidade e letalidade da doença. O objetivo, diz a Saúde, é aperfeiçoar estratégias de enfrentamento à pandemia no Brasil e direcionar políticas de prevenção.

Em 14 meses de pandemia, o Brasil já perdeu, de acordo com os números do consórcio dos veículos de imprensa, 411.854 pessoas pela Covid-19.

Serão parceiras da PrevCov a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Vacinação e banco de dados

Segundo o Ministério da Saúde, os moradores das residências selecionadas para participar da pesquisa serão cntactados por SMS ou WhatsApp, e depois receberão uma ligação telefônica para confirmar os dados e fazer o agendamento. No dia da visita, um profissional de saúde identificado irá coletar uma amostra de sangue dos participantes.

A presidente da Fiocruz, Nísia Trindade, destacou que o estudo possibilitará a coleta de dados sobre a vacinação contra a Covid-19 no país.

Além disso, parte das amostras será armazenada na Fiocruz para compor um biorrepositório — reservatório de amostras — nacional da infecção pelo Sars-Cov-2. Ele poderá ser usado para estudos complementares posteriores.

Ministério diz estar ‘empenhado’ em ampliar testagem

Queiroga também destacou ser necessário “pôr fim” à circulação do vírus para que “possamos ter nossa vida de volta como era antes” e defendeu a atuação do governo federal no enfrentamento à pandemia.

Queiroga afirmou que o governo “não mediu esforços para ter vacinas suficientes” e destacou que a maioria das doses de imunizantes contra a Covid-19 usadas no país serão produzidas em território nacional, em duas instituições públicas.

— O Brasil não pode persistir com complexo de vira-lata. Temos a capacidade de produzir vacinas para responder às epidemias e endemias que porventura assolem nossa sociedade — afirmou.

Queiroga também destacou a necessidade de continuar com medidas não farmacológicas e afirmou que o Ministério “está empenhado” em ampliar a testagem da população.

— Entendemos que com testagem adequada poderemos promover uma abertura segura da economia. Não podemos ficar na história de não fazer nada ou querer fazer tudo, e às vezes fazer de forma desarranjada que não traz os efeitos desejados pela sociedade e pelo governo. Bolsonaro tem de maneira clara externando sua preocupação em relação à saúde e à economia — disse o ministro.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Se fez estudo e pesquisas científica, e continua disseminando que aglomerar, ainda mais desprotegido pode, aí sim está tipificado o dolo, e é irrefutável essa constatação. Só resta impeachment e cadeia.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Queiroga anuncia antecipação de doses da Pfizer totalizando 15,5 milhões até a junho

Foto: Reprodução/CNN Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta quarta-feira (14) que o governo antecipará o recebimento de doses da vacina da Pfizer contra a Covid-19 até o mês de junho, totalizando 15,5 milhões de doses do imunizante.

“Trago para o senhores uma boa notícia: a antecipação de doses da vacina da Pfizer, fruto de ação direta do presidente da República, Jair Bolsonaro, com o principal executivo da Pfizer, que resulta em 15,5 milhões da Pfizer já no mês de abril, maio junho”, disse o ministro, em entrevista após a 2ª reunião do comitê para o enfrentamento da pandemia.

“Ou seja, conseguimos antecipar, no calendário anteriormente previsto, das 100 milhões de doses, 2 milhões de doses da vacina da Pfizer que vai fortalecer nosso calendário de vacinação.”

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. O governo Bolsonaro está agindo, fazendo a sua parte. Estados e municípios precisam fazer a sua. Vamos torcer para que essas vacinas não sejam estocadas ou desviadas quando chegarem no RN. Por aqui, a coisa não está fácil. Já sumiu muito dinheiro enviado prá cá pelo governo federal e não vemos para onde foi. Cadê os novos leitos hospitalares?

  2. Hô Véio Bom da gota serena é o Presidente Bolsonaro e Dr Queiroga. A Pfizer dando show, compromisso e credibilidade dos seus produtos.
    O homem é bom, o homem é espetacular.

  3. Esse esclerosado é igual ao pesadelo.
    Falar é uma coisa, vacina no braço do povo é outra.
    #GovernoGenocida

    1. Vai chorando, mas tenta outra narrativa! Essa não engana ninguém mais. Até à água da China estamos aplicando com força. Um dia você cansa. Tem que preparar narrativas até 2026. Já pensou o trabalho que dá?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Bolsonaro dá posse a Marcelo Queiroga como ministro da Saúde

Foto: JN

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deu posse numa discreta cerimônia no Palácio do Planalto, nesta terça-feira (23), ao médico Marcelo Queiroga como novo ministro da Saúde.

Segundo fontes, o novo ministro esteve com o presidente numa cerimônia discreta, como pedira Queiroga em virtude da gravidade da pandemia.

Para oficializar o ato ainda é necessária a publicação no Diário Oficial da União, no entanto, a exoneração do atual ministro Eduardo Pazuello ainda não foi expedida pelo presidente da República.

A troca de comando no Ministério da Saúde foi anunciada na semana passada. O médico cardiologista aceitou o convite do presidente da República na segunda-feira (15), desde então ele tem participado de uma série de reuniões com o atual chefe da pasta, lideranças sanitárias e políticos para firmar a transição de gestão.

Em uma de suas primeiras declarações como ministro nomeado, Queiroga disse que a política de combate à pandemia é responsabilidade do presidente, cabendo ao ministro apenas a tarefa de executá-la.

O médico tem feito elogios ao trabalho do general Eduardo Pazuello, porém, em entrevista à CNN na sexta-feira (19), o novo ministro disse que a sua gestão terá como principal diferença em relação a do militar o “compromisso com as medidas de bloqueio do vírus”.

Apesar de se comprometer em aplicar medidas de neutralização da circulação do vírus, o médico declarou diversas vezes ser contra a adoção do lockdown, sobretudo como política de governo no enfrentamento à crise sanitária instalada no país.

De acordo com o novo ministro, é preciso que o governo conscientize as pessoas da importância do distanciamento social responsável, do uso de máscaras e da higienização das mãos como forma de prevenção ao coronavírus.

Para efetivar as suas ideias e manter o alinhamento com o presidente, Queiroga pretende fazer mudanças na equipe do Ministério da Saúde já nos primeiros dias de sua gestão, como contou à CNN.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Pense num governo competente, empossa um ministro sem exonerar o outro, eita cabaré bagunçado. Viva Maria Boa, pense num cabaré organizado e lá tinha hierarquia!!! Bolsonaro é um porra louca mesmo!!! E o Brasil pegando o pato pela incompetência.

    1. O medo do ministro "especialista em logística " de perder o foro privilegiado eh grande! Pq será? Deve ser por excesso de competência kkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

‘Política é do governo Bolsonaro, ministro executa’, diz Queiroga em Brasília

Foto: CNN Brasil

O cardiologista Marcelo Queiroga, escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para assumir o Ministério da Saúde, realiza na manhã desta terça-feira (16) uma reunião com o atual chefe da pasta, o general Eduardo Pazuello, para organizar a transição do cargo.

Na chegada à Esplanada dos Ministérios, Queiroga falou com jornalistas e declarou que “a política (de saúde) é do governo Bolsonaro e não do ministro da Saúde. O Ministro executa”. Após a declaração, o médico disse ser necessário uma “união nacional para vencer o vírus”.

“O presidente está muito preocupado com a situação (do país na pandemia), pensa nisso dioturnamente”, afirmou. “O governo está trabalhando, politicas publicas estão sendo colocadas em prática, já anunciou cronograma de vacinação”.

Questionado por jornalistas sobre os projetos que pretende adotar na pasta, o futuro ministro não se manifestou sobre a possibilidade da sua gestão implementar políticas públicas de distribuição do medicamento hidroxicloroquina, ou aderir ao lockdown.

“As minhas opiniões são públicas, basta pesquisar”, respondeu.

Queiroga já havia se manifestado em entrevista à CNN que o lockdown não pode ser política de governo. Segundo o médico, a medida só deve ser utilizada em situações extremas.

O futuro ministro se recusou a avaliar a gestão do atual chefe do Ministério Saúde, mas defendeu o trabalho desenvolvido por Eduardo Pazuello e disse que dará continuidade ao que foi feito pelo general nos 10 meses em que ficou no cargo, como ministro interino e oficial.

“Não tem avaliação da gestão Pazuello, não vim aqui avaliar. Vim aqui trabalhar pelo Brasil”, disse. “O ministro Pazuello tem trabalhado arduamente para melhorar as condições sanitárias no Brasil e eu fui convidado pelo Presidente Bolsonaro para dar continuidade a esse trabalho”.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Trocou 6 por meia dúzia,mas é bom êle lembrar que as ações de um militar tem o agasalho das forças armadas,como médico êle fez um juramento bem diferente,o perigo em obedecer ordens "superiores" têm que ser avalisadas oelis conselhos de classe.

  2. Nada mudou. A solução é retirar o chefe e não errar mais nas próximas eleições. Quase 2 décadas de erro. O Brasil não aguenta mais políticos corruptos e inéptos.

  3. De que adianta pesquisar as opiniões na Internet se ele já mudou algumas, antes era a favor ao isolamento social agora é contra

  4. Tinha dúvida se dr Queiroga aceitou o convite sem a mancha da vaidade, infelizmente, agora tenho certeza.
    Outro pau mandado por um genocida. Pobre de nós brasileiros, só Jesus na causa/causo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *