Diversos

VÍDEO: Bolsonaro entrega MP do ‘Auxílio Brasil’, que reajusta em 50% o antigo ‘Bolsa Família’; presidente apresenta PEC dos Precatórios à Câmara

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegou ao Congresso pouco após às 10h30 desta segunda-feira (9) com a Medida Provisória (MP) que cria o Auxílio Brasil, novo programa para substitui o Bolsa Família.

O novo programa deve entrar em vigor em novembro, mas deve ter o valor definido em setembro, segundo o ministro da Cidadania João Roma, e deve abranger mais de 16 milhões de pessoas ante os atuais cerca de 14 milhões. Além disso, segundo Roma, terá novas ferramentas, com ênfase de segurança alimentar e na primeira infância. A ideia do governo é pagar pelo menos R$ 300, 50% a mais do que os atuais R$ 198.

Ao lado de Roma e do ministro da Economia, Paulo Guedes, o presidente também apresentou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos precatórios, que prevê a possibilidade de parcelar as dívidas do governo que tramitaram na Justiça. Os dois textos estão ligados porque a PEC dos precatórios, se aprovada, deve abrir espaço para um reajuste no valor do programa social.

Essa última proposta, no entanto, ainda não foi entregue nos detalhes, porque o texto ainda não está pronto e precisa de ajustes. Como a CNN antecipou mais cedo, o governo procura um acerto entre equipe econômica e política para saber o que, de fato, entrará na proposta.

“Essas duas matérias são decisivas para o Brasil. Primeiro, porque a PEC dos precatórios cria previsibilidade dos gastos (…) a capacidade de pagamento e a pressão que isso exerce no governo precisa ser disciplinada”, disse Guedes após a entrega.

Segundo o ministro, é uma matéria decisiva e traz uma conexão com os programas sociais. “Não só assegura a implementação dos programas, como permite a transformação do Estado brasileiro”.

O evento desta manhã não constava na agenda do presidente, mas, como o assunto é muito importante para equipe econômica, ir à Câmara foi um gesto que mostrou o desejo do governo de que o pacote vá para frente.

“Vamos contar com certeza com Câmara e Senado para dar celeridade, ainda mais nesse momento tão importante de retomada econômica”, disse Lira após a fala de Guedes.

Os dois temas vêm sendo bastante discutidos dentro do governo nos últimos dias —principalmente a medida provisória que cria o novo Bolsa Família, que vai se chamar Auxílio Brasil.

Desde o ano passado o governo tem debatido alternativas para promover mudanças no benefício social, principalmente com relação ao valor pago. A expectativa do governo é que a PEC dos precatórios seja aprovada no Congresso com a opção de parcelamento e, assim, conseguir espaço no orçamento para o pagamento do novo benefício social. Só em 2021, o país deve pagar R$ 90 bilhões em precatórios, que são dívidas do governo com pessoas e empresas.

Com CNN Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. “Se os porcos pudessem votar, o homem com o balde de comida seria eleito sempre, não importa quantos porcos ele já tenha abatido no recinto ao lado”.

    Orson Scott Card

  2. O MINTOmaníaco das rachadinhas tá fazendo tudo o que o pt fez ou queria fazer…. Pense numa nova política parecida .kkkk. daqui a uns anos os bolsopetistas vão ter vergonha de idolatrar mais um político corrupto…

  3. eu acho que deveria aumentar logo pra 1000 reais, aí ninguém iria trabalhar mais. Hoje em dia você chama 3 pessoas pra fazer um serviço pra ver se 1 vem, ninguém quer mais trabalhar.

  4. MITOqueiro, acabou de acabar com o PT dessa vez, enterrou o bolsa família que agora vai se chamar AUXÍLIO BRASIL.
    Kkkkkkkk
    A turma de ze tomais vai ter que migrar pra esse novo programa logo após as eleições de 2022.
    Pois a boquinha vai acabar.
    O restinho de petista com mandato que exister aqui pelo RN, vai perder todinhos inclusive o chefe ladrão de nove dedos.
    Kkkkkkk
    Ave Maria!
    O cara so tem nove dedos e é o maior ladrão do mundo, diga aí se tivesse os dez.
    Pelas caridades.
    Sangue de Cristo tem poder.
    Amem!!!

  5. Hô Véio Bom é Esse Presidente Bolsonaro. Ano que vem o funcionalismo público Federal, tbm vai ter aumento de mais de 30%, sem falar na correção do imposto de renda. O Véio Bolsonaro, vai ganhar no primeiro turno.
    Chora mundiça de esquerdopatas.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Bolsonaro diz que governo quer Bolsa Família no mínimo a R$ 300, podendo chegar a R$400,00, e confirma estudo de “Vale gás” a cada 2 meses para beneficiados pelo programa

O presidente Jair Bolsonaro comentou nesta quarta-feira(04) o valor sobre o preço do gás de cozinha, alvo de críticas da população, e confirmou em primeira mão ao BG que o governo tem um estudo avançado com a Petrobras para a disponibilidade de 1 botijão de gás a cada 2 meses para beneficiados pelo Bolsa Família.

Segundo Bolsonaro, o estudo do “vale gás” foi encaminhado a Petrobras, com um fundo orçado em cerca de R$ 3 bilhões. O presidente, porém, destaca que a Petrobras também tem parte de uma participação privada e depende de um consenso para a posterior implementação.

Sobre o valor do botijão de gás, Bolsonaro destaca que zerou o imposto federal, e que o valor elevado passa pelo ICMS do respectivo governador do estado, além da soma da margem de lucro de quem está vendendo. O presidente, por fim, entende que essa questão foge de seu alcance, e que fez a sua parte. “Podia estar no valor de R$ 60 a 65,00”, disse, aconselhando a população a cobrar das autoridades e seus governantes.

Sobre o Bolsa Família, Bolsonaro disse que a média hoje em dia está em R$ 192,00(centro e noventa e dois reais), e que a ideia do governo é levar o valor no mínimo a R$ 300,00, podendo chegar a R$ 400,00.

 

 

 

Opinião dos leitores

  1. O cachaceiro nem coragem vai ter de se candidatar.
    Lascou se.
    Vai provar do próprio veneno aqui no Nordeste.
    Se lascou se.
    No resto do Brasil, da metade da Bahia pra lá, ninguém sabe mais nem quem é esse pinguço ladrão condenado em duas instância, e solto por o famoso boca de veludo.

    1. Mas quem todo dia se insinua no blog mostrando sua carência amorosa, da sua dadivosa é você, cuidado tão colocando coisas na sua cabeça kkk

  2. Eita que o genocida vai fazer de tudo pra vê se vê a poeira de Lula de uma motocicleta a cada um brasileiro talvez vc vá pro segundo turno miliciano

  3. Rapaz vocês não sabem quem está “AMUADO , PUTO e REVOLTADO” com BG e Ênio Sinedino é o falastrão do Calígula, o homem tá tirando do cú e comendo, homi pense numa raiva e num ódio, ele disse que jamais perdoaria esses dois, ele ficou assim porque queria ir pra Brasília conhecer o nosso presidente Jair Messias Bolsonaro, pense num problema grande que BG e Ênio arranjaram. kkkkkkkkkkkkkkkk.

  4. Cada vez mais o Governo do MINTOmaníaco das rachadinhas parece com o de DilmAnta! Não sei qual dos dois fala mais asneira e qual deles distribuiu mais benesses pra comprar voto com programas sociais… Uma coisa eh certa: o centrão corrupto fez e faz parte do governo dos dois… Como fazia do de Lulaladrao também… Só que agora os corruptos do governo federal estão com mais liberdade pra roubar , afinal o MINTOmaníaco das rachadinhas acabou com a Lava Jato né?!

    1. Kkkkkk. Omi o MINTOmaníaco das rachadinhas só pensa em livrar a si e os filhos das investigações dos crimes que cometeram… Deixa de falar bosta!

  5. O valor do gás de cozinha na Paraíba está em torno de 78 a 85 reais.
    Aqui no RN, devido a Desgovernadora Fátima Paraíba, o valor chega próximo dos 100,00 reais.

    1. O gás só está caro aqui no RN né mesmo!? Deixa de ser idiota!

    1. Pro MINTOmaníaco das rachadinhas começar a melhorar a popularidade dele tem que colocar no mínimo uns mil reais…

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Comissão aprova projeto que dobra valor do Bolsa Família na pandemia

FOTO: ARQUIVO/AGÊNCIA BRASIL

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei que dobra o valor de três benefícios pagos pelo programa Bolsa Família enquanto durar a emergência em saúde pública decorrente da pandemia de covid-19.

O texto aprovado foi o substitutivo, apresentado pela deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ), ao projeto 681/2020. Dessa forma, o benefício básico, destinado a unidades familiares em situação de extrema pobreza, passará dos atuais R$ 89 para R$ 178.

O benefício variável destinado a unidades familiares em situação de pobreza também aumentará – se há gestantes, nutrizes, crianças entre 0 e 12 anos ou adolescentes até 15 anos, passará de R$ 41 para R$ 82.

A matéria prevê que nas situações em que for mais vantajoso, os benefícios do programa substituirão o auxílio emergencial, previsto na MP (Medida Provisória) 1039/21. Ficou de fora apenas a benesse para superação da extrema pobreza.

O texto tramita em caráter conclusivo, ou seja, votado apenas por comissões sem necessidade de análise pelo plenário. A matéria foi aprovada na última quarta-feira (30) e será analisado, agora, pelas Comissões de Finanças e Tributação e Constituição e Justiça.

R7, com Agência Câmara

Opinião dos leitores

    1. Vai nada,o Véio Guedes é o primeiro a bater o martelo, quando é para beneficiar os mais humildes.
      E o Véio da caneta Bic assina, que o Véio Bolsonaro é duro, o Véio é bom, o Véio Bolsonaro é espetacular.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Bolsonaro estuda aumentar Bolsa Família em ‘pelo menos 50%

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nessa quinta-feira, em sua live semanal nas redes sociais, que pretende aumentar o Bolsa Família em ‘pelo menos 50%’.

Segundo ele, o ministro da Economia, Paulo Guedes , tem estudado o assunto ‘com responsabilidade’.

Segundo a jornalista Malu Gaspar, do Globo, ele tem sido pressionado por líderes do Centrão para manter o auxílio emergencial até o fim do mandato , como estratégia para reeleição.

O presidente mencionou uma das principais pautas dos protestos realizados contra ele no último sábado: o aumento do auxílio emergencial:

“Tem gente que fala que o auxilio emergencial, que está em R$ 250, é um absurdo, muito pouco. Concordo. Mas vocês nunca falaram que o Bolsa Família está hoje, em média, R$ 192. Resolveram falar que (R$ 250) é pouco por conta da pandemia. Quando não tinha pandemia, o pobre podia continuar vivendo com R$ 192, que é pouco”, disse.

O presidente então acrescentou:

“Estamos trabalhando para aumentar esse valor (do Bolsa Família). Pretendemos chegar aí… dar pelo menos 50% (de aumento). Está lá o Paulo Guedes discutindo esse assunto. Com responsabilidade.”

Na transmissão, Bolsonaro falou que esta foi uma “semana de glória” para a economia e que a previsão é de o Produto Interno Bruto (PIB) crescer no mínimo 4% neste ano de 2021.

Ele também criticou o preço dos combustíveis, que, na visão dele, seriam inflados por conta do ICMS, imposto estadual:

“Cada estado cobra o que bem entende (de ICMS). E cobra em cima do preço médio que você paga na bomba. Tem que ser o preço da refinaria (que é menor) ou um valor fixo. Que seja um valor fixo. Conversei com o (presidente da Câmara dos Deputados) Arthur Lira (PP-AL). Vai botar um projeto em votação que trata desse assunto”, disse Bolsonaro, em mais um aceno para os caminhoneiros, categoria de sua base política que reivindica redução no preço do diesel.

Com IG

Opinião dos leitores

  1. Bateu o desespero. Um programa que ele dizia ser bolsa vagabundos, agora vai aumentar. É cumpade, com o Lula vai ter que rebolar.

  2. O desespero de quem sabe que está perdido, sem saída e sem perspectiva nem de chegar ao 2º turno, faz com que o indivíduo minta. O que não é novidade para quem faz parte desse governo.
    Todos mentem.

  3. Acho que tá certo em ter um valor justo para o Bolsa. FAMÍLIA. E que deveria tirar esse resíduos de valores repassado para o senador e a Câmara dos deputados federais com redução de cargos comissionados. Existe também outras formas para manter esse fundo de assistência do bolsa família, cobrar 0,10% sobre qualquer movimentação financeira realizada no território nacional. Isso faria uma distribuição de renda justa para um consumo de bens e alimentos para uma correção de estabilidade social justa, fazendo com que as crianças tenho a obrigação de ter uma educação adequada e aplicado pelo o estado.

    1. Vixe! Criar mais imposto ainda? Pq o governo federal não enxuga a máquina pública, diminui privilégios, não privatiza (tem dezenas de estatais que o MINTO poderia privatizar ou extinguir sem qualquer autorização do Congresso. Ele até criou uma estatal com uma canetada, então tem como extinguir várias assim)… Mas não, afinal, o governo do MINTO está cada dia mais parecido com o governo de LULAladrão! E não venham me dizer q o governo do MINTO não tem corrupção que Ricardo Salles já mostrou que tem e não deu tempo roubar tanto assim pq afinal o governo só tem dois anos…. O PT ficou 14 anos então roubou com força!

  4. O cara já é bem recebido por onde passa, “arrasta” milhares em passeios de moto (tem convites para TODO Brasil), em aeroportos, em manifestações quase todo final de semana. Imagina depois de aumentar o Bolsa Família. Maltrata os vagabundos, Mito. Kkkkkkkk

  5. O Mito vai se “apropriar” do Bolsa Família. Desse jeito, vai matar a esquerdalha de raiva. Kkkkkkkkl

  6. Estou me sentindo no governo do PT: o MINTO usando o bolsa família, que ele tanto criticava, para tentar melhorar a popularidade dele! KKKKKK. Como se não bastasse o mensalão (igual o PT fez) que ele também criou para angariar apoio do Centrão (que ele tanto criticava)!

    1. O incomivel (quem vai comer aquilo? Eca) não faz nada novo… só imita… é um copiador.

    2. Gente!! Vamos optar pela terceira VIA, já vimos que a esquerda foi o pior desastre e agora direita radical só nos traz empobrecimento. Ex.: Veja o prejuízo do contribuinte: 08 anos de LULA, + 06 DILMA, + 02 TEMER e agora + 3 anos do BOZO. Esse mesmo dizia que o CONTRIBUINTE só ia pagar IMPOSTO apartir de R$ 5.000,00 para mim e o povo brasileiro perdeu a credibilidade. A falta de respeito é tanto, não fala pelos corrigir as perdas que é 103%. Presidente BOZO, em 03 de outubro de 2022, Você sai desse patamar.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Bolsa Família deve aumentar valor e número de beneficiados, diz ministra-chefe da Secretaria de Governo, Flávia Arruda

Foto: © Marcello Casal JrAgência Brasil

A ministra-chefe da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, disse nessa segunda-feira (24) que propostas de mudanças no Bolsa Família devem ser apresentadas nos próximos meses, com aumento de valor e de número de beneficiários. Flávia Arruda foi entrevistada no programa Sem Censura, da TV Brasil, e tratou também de temas como covid-19, vacinação e das reformas administrativas e tributárias.

“Não é uma questão do texto da Câmara ou o texto do governo. Não existe uma disputa de protagonismo e sim uma coisa prática, necessária e urgente, que eu acho que é a ampliação não só do valor, mas também dos beneficiários. Com essa pandemia e com o auxílio emergencial, milhões de brasileiros que eram invisíveis passaram a ser vistos pelo governo e a gente sabe da necessidade que tem dessa ampliação da distribuição de renda”, disse a ministra-chefe, que acrescentou que a discussão sobre o Bolsa Família está em seu radar.

Flávia Arruda disse que já conversou sobre o assunto com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e reconhece que o país vive um momento de escassez de recursos para assuntos que não estejam ligados à pandemia. “Milhares de famílias perderam o emprego, milhares de famílias passaram de pobreza para extrema pobreza, existe a possibilidade [de mudança no programa]. O cobertor é curto, mas dá para ajustar porque o presidente [Jair Bolsonaro] e o governo sabem da importância que é nesse momento da ampliação não só do valor quanto dos beneficiários”, disse.

Única mulher dentre os ministros que atuam no Palácio do Planalto na seara da articulação política, Flávia Arruda disse que foi muito bem recebida após assumir o cargo. “Às vezes um detalhe a mulher vê de uma forma diferente. Não que os homens não vejam, os homens são muito focados, mas as mulheres conseguem ver de uma forma mais ampla as coisas que estão acontecendo ao redor e pode ajudar um pouco mais.”

Deputada federal antes de assumir o cargo de ministra, Flávia Arruda diz que é uma grande defensora de pautas que ampliam o espaço para as mulheres na política. Ela considera a equidade de gênero fundamental. “Nós crescemos 50% do que era na legislatura passada, mas ainda é muito pouco mediante não só outros países, como aqui no Brasil. De 513 [deputados] somos 77 mulheres na Câmara. É necessário essa ampliação, a gente precisa dessa equidade. As mulheres têm que participar mais, mas as mulheres têm que ter voz ativa também neste processo. Por isso ainda é importante essa necessidade de cotas, ou de mais participação dentro da lei, até que isso se torne mais igual entre homens e mulheres. Depois disso, pode deixar que as mulheres tomam conta do resto”, disse.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Essa ministra é casada com um político afastado do cargo pelo “mensalão do DEM” e chegou a ser condenado … Mas ainda bem que no governo do MINTO não tem corrupção (ainda) e segue a nova política né?!

    1. O presidente da CPI é envolvido com desvios de dinheiro da saúde e você nunca falou sobre ele. Desce do muro, mané! Cai logo pra seu lado preferido. Ou seja, a canhota.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Líder do governo defende ampliar Bolsa Família para substituir auxílio, e ‘filtro’ em cadastros

Foto: Wallace Martins/Estadão Conteúdo

Na esteira da discussão a respeito da substituição do Auxílio Emergencial, o líder do governo na Câmara dos Deputados, deputado Ricardo Barros (PP-PR), defende junto a ministros do governo Bolsonaro ampliar as famílias que recebem o benefício e um “filtro” de prefeituras nos cadastros de beneficiários do programa.

Como o governo não tem recursos para continuar pagando o Auxílio Emergencial, que acabou em dezembro, a equipe econômica estuda formas de manter assistida a população mais vulnerável e atingida pela pandemia.

Barros afirma que o governo vai socorrer quem mais precisa, mas não será no modelo do auxílio.

“O Auxílio Emergencial foi feito dentro decreto de calamidade, é um cheque em branco e não temos mais. Não se pode repetir a fórmula do auxílio. Vamos socorrer, mas não naquele modelo. A ajuda para quem precisa vai ser mais uma continuação do Bolsa Família”, diz Barros.

Para realizar essa inclusão, o líder do governo defende que as prefeituras verifiquem se quem está recebendo o Bolsa Família e vai, eventualmente, receber o novo benefício “realmente precisa”.

“No auxílio tudo foi feito por declaração voluntária. Se precisava ou não, ninguém conferiu. Defendo que as prefeituras façam essa verificação”, afirma Barros.

Outro ponto que o parlamentar quer emplacar são novos critérios e exigências para receber o benefício, como qualificação profissional e desempenho escolar.

“O programa não incentiva a sair. A rampa de ascensão social precisa ter mecanismos para que as pessoas saiam depois. Então, podemos ampliar mas precisa cobrar desempenho escolar, qualificação profissional, por exemplo”.

A substituição do Auxílio Emergencial é prioridade no governo. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) conta com a solução do projeto para se capitalizar eleitoralmente para 2022.

Barros disse que o tema está sendo tratado por Onyx Lorenzoni (ministro da Cidadania), a equipe econômica e o relator do Orçamento, senador Marcio Bittar (MDB-AC).

Até agora, não há definição da fonte de recursos para pagar a extensão do programa.

Blog da Andréia Sadi – G1

Opinião dos leitores

  1. Esse “líder” acordou dia desses com a polícia federal em sua casa e gabinete.
    Belo governo esse.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Governo Federal quer aumentar tíquete médio do Bolsa Família para R$ 200

Foto: Ubirajara Machado – 16.fev.2016/MDS

O governo federal espera ampliar o tíquete médio do Bolsa Família para ao menos R$ 200 com a reforma do programa que deve ser apresentada em fevereiro, afirmou o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, em entrevista à CNN Rádio.

“Cinco milhões de famílias ganham em torno de R$ 80 por mês. Esse valor vai aumentar. Estamos trabalhando para todos que estão no Bolsa – hoje o tíquete médio é R$ 190/mês – e queremos que supere a marca de R$ 200 por mês para todos, corrigindo as deformidades que tem o programa”, disse o ministro.

Ele afirmou que as propostas de alterações já foram concluídas por sua pasta e enviadas para a Casa Civil, onde o projeto passa por análise dos demais ministérios envolvidos no programa.

“Acredito que nos primeiros dias de fevereiro já tenhamos condição de fazer a apresentação tanto do novo Bolsa Família quanto do programa de microcrédito digital”, completou, ressaltando que as duas medidas devem acontecer após eleição do novo presidente da Câmara.

Segundo Onyx, com os dois programas o governo espera impactar até 40 milhões de pessoas – 20 milhões em cada um deles. No mês de fevereiro, segundo o ministro, 14,3 milhões de famílias serão beneficiadas pelo Bolsa Família.

Já o programa de microcrédito digital produtivo é voltado para parte dos 26 milhões de brasileiros que foram identificados pelo governo como informais a partir dos dados de pedido de auxílio emergencial.

No entanto, quando questionado sobre a possibilidade de o governo criar um novo programa emergencial de transferência de renda em 2021, o ministro evitou responder diretamente.

“Nosso microcrédito produtivo digital não é projeção, é realidade. Temos [o projeto] totalmente formatado, deverá ser implementado por meio de Medida Provisória e estará pronto na próxima semana”, afirmou Onyx.

“Em menos de 60 dias, poderemos atingir mais de 20 milhões de pessoas, com crédito de até R$ 1 mil, com 4 meses de carência e 20 meses para pagamemtp, em um programa de 24 meses”, disse Onyx.

“Isso preservaria algo muito importante: o equilíbrio fiscal do estado brasileiro. Estamos hoje em situação muito dramática.”

Segundo o ministros, os gastos até dezembro do ano passado chegaram a quase R$ 800 bilhões, somando os mais de R$ 300 bilhões de auxílio emergencial e outros gastos como os recursos da saúde e do Pronamp.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. O presidente não assume os compromissos que tem. Cadê o décimo do bolsa família? Alguém sabe o preço do gás? A gasolina? Preço médio em Natal hoje R$ 5,19. O presidente da república não tem compromisso com o povo. Ao povo, ele faz passar vergonha e humilhação. O compromisso do presidente é com os filhos dele. Somente. Mourão 2021!

  2. Tem muita gente que recebe sem precisar, tem uma aluna na academia musfi, que paga com o cartão do bolsa família todo mês.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Governo divulga calendário de pagamentos do Bolsa Família em 2021

Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Ministério da Cidadania divulgou nesta segunda-feira (11) o calendário anual de pagamentos dos benefícios do Programa Bolsa Família para 2021. As informações foram publicadas no Diário Oficial da União. Em janeiro, o pagamento será feito entre os dias 18 e 29.

Programa com 14 milhões de famílias inscritas, o Bolsa Família paga os beneficiários conforme o dígito final do Número de Identificação Social. Os depósitos ocorrem sempre nos dez últimos dias úteis de cada mês. As datas já haviam sido divulgadas pela Caixa Econômica Federal, responsável por operar o Bolsa Família. Confira o calendário.

Migração

Em dezembro, a Caixa começou a migração dos beneficiários que ainda sacam o Bolsa Família exclusivamente com o Cartão Cidadão para a conta poupança social digital. Usada no pagamento do auxílio emergencial, a conta poupança permite o pagamento de boletos e de contas domésticas (como água, luz e gás).

Foto: Ministério da Cidadania/divulgação

Agência Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Governo publica regras para cancelar Bolsa Família de quem doou ou foi candidato nas eleições

O governo federal publicou nesta segunda-feira (4) regras para cancelar o pagamento do Bolsa Família para os beneficiários que tenham feito doações de campanha ou participado como candidatos nas eleições municipais de 2020.

Serão cancelados, já em janeiro de 2021, o pagamento para as famílias que tenham algum membro:

eleito nas eleições municipais

que foi candidato nas eleições e declarou à Justiça Eleitoral patrimônio maior que R$ 300 mil

Em fevereiro, serão cancelados os pagamentos de famílias em que:

um integrante tenha doado para uma campanha valores mensais per capita (por pessoa) iguais ou maiores que dois salários mínimos

um integrante tenha sido prestador de serviço para uma campanha e tenha recebido valores mensais por pessoa iguais ou maiores a dois salários mínimos

Além disso, também em fevereiro, o governo vai fazer o bloqueio temporário do pagamentos para famílias em que:

um membro tiver doado para campanhas eleitorais um valor mensal por pessoa entre meio salário mínimo e dois salários mínimos

um membro tenha sido prestador de serviço em campanha e tenha recebido o valor per capita mensal entre meio e dois salários mínimos.

Nesses dois casos acima, o bloqueio temporário servirá para o governo confirmar as eventuais irregularidades. As famílias terão até maio para atualizar o cadastro e provarem que estão em situação legal. Caso contrário, o pagamento do Bolsa Família será cancelado em junho de 2021.

Todos os beneficiários que tiverem o pagamento cancelado poderão apresentar ao governo, por meio das prefeituras, eventuais esclarecimentos para atestar que ainda mantêm as condições para fazer parte do Bolsa Família.

Para participar do programa, a família deve ter renda mensal por pessoa de até R$ 89,00. Ou então, deve ser uma família com renda mensal por pessoa de até R$ 178, em que haja crianças, adolescentes, mulheres grávidas ou amamentando.

O governo informou que fará os bloqueios e os cancelamentos com base em dados cruzados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), do Tribunal de Contas da União (TCU) e do Cadastro Único, que reúne informações das famílias aptas a receberem pagamentos de programas sociais.

No fim de dezembro, o TSE informou que 91,5 mil beneficiários do auxílio emergencial ou do Bolsa Família doaram para campanhas eleitorais nas eleições municipais de 2020. Os valores chegam a R$ 77,5 milhões.

G1

 

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Governo descarta prorrogar auxílio, ampliará Bolsa Família com ao menos 6 milhões de pessoas, e mira informais com a “Carteira Verde e Amarela”

FOTO: LIDIANNE ANDRADE/MYPHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Com o fim do auxílio emergencial em dezembro, o governo Bolsonaro deve incluir ao menos 6 milhões de pessoas no programa Bolsa Família, segundo levantamentos iniciais do Ministério da Economia. Atualmente, 14,2 milhões de famílias recebem o benefício.

A alternativa foi a saída encontrada pelo governo, segundo uma fonte da cúpula, para o fim do auxílio, já que não se trabalha com a extensão do benefício emergencial para 2021. A medida, no entanto, manterá sem cobertura boa parte dos trabalhadores informais que sacaram o benefício emergencial durante a pandemia, chamados pelos ministro Paulo Guedes de “40 milhões de invisíveis”.

Para melhorar a situação desses informais que não estarão em programas assistenciais, o governo também aposta em medidas de inserção no mercado de trabalho, como, por exemplo, a Carteira Verde e Amarela, que desburocratiza e barateia contratações.

A criação de um programa mais robusto, Renda Cidadã, ou Renda Brasil, ainda pode ser discutida pelo Congresso, mas ainda não há um desenho para o novo programa. O presidente Bolsonaro não aceitou propostas que mexeriam em outros benefícios para criar o novo programa e prometeu “cartão vermelho” para quem tocasse no assunto.

R7

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Renda Brasil deve atender 8 milhões de pessoas a mais que o Bolsa Família

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O novo programa assistencial do governo Jair Bolsonaro, batizado de Renda Brasil, deve atender 8 milhões de pessoas além dos que já são contemplados pelo Bolsa Família. O benefício médio deve ficar entre R$ 250 e R$ 300, acima dos R$ 190 pagos atualmente em média pelo programa atrelado a gestões petistas.

Desde o início do governo, a equipe econômica e a área social trabalham na criação de um novo programa de transferência de renda para criar uma marca própria do governo Bolsonaro. A ideia ganhou força após o auxílio emergencial, benefício social concedido a 66 milhões de brasileiros.

Hoje, 14,2 milhões de famílias recebem o Bolsa Família, mas 95% delas estão recebendo, desde abril, o auxílio criado para ajudar no enfrentamento da crise causada pela covid-19. A ideia é que, com o fim do auxílio, os beneficiários do Bolsa sejam contemplados no novo programa, juntamente 8 milhões de pessoas a mais (cerca de 2,5 milhões de famílias).

O Bolsa Família usa como linha de corte para a concessão do benefício a situação de cada família, classificada em extrema pobreza (rendimento de até R$ 89 por pessoa) e pobreza (até R$ 178 por pessoa). O Renda Brasil deve elevar essa linha de corte para R$ 100 e R$ 250, respectivamente.

No novo programa, está prevista a criação de um bônus para as famílias com filhos que passarem de ano e tiverem bom desempenho escolar. O prêmio será dado no fim de cada ano. As famílias que tiverem jovens fazendo curso profissionalizante também serão beneficiadas.

Beneficiários que têm um filho pequeno também vão ganhar mais. O Bolsa Família já dá um benefício para a mãe com filho recém-nascido, de zero até os seis meses, mas a ideia do Renda Brasil é estender esse benefício para crianças com até 3 anos. A ideia é que os pais usem esse voucher para matricular os filhos em creches particulares.

Os valores e o alcance do novo programa ainda não foram definidos porque o governo vai propor ao Congresso uma revisão de programas considerados ineficientes.

Na mira estão gastos como abono salarial (benefício de um salário mínimo voltado para quem ganha até dois pisos, mas que acaba sendo recebido também por jovens de classe média em início de carreira) e seguro-defeso (pago a pescadores artesanais no período de reprodução dos peixes, quando a pesca é proibida, mas com alto índice de irregularidades), além do salário-família (pago a trabalhadores formais e autônomos que contribuem para a Previdência Social, de acordo com a quantidade de filhos).

Para acabar com o abono salarial, é preciso aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), o que exige apoio de três quintos da Câmara (308 de 513 deputados) e do Senado (49 de 81 senadores). Vários governos já tentaram sem sucesso, inclusive estava prevista uma restrição na reforma da Previdência, mas a medida foi retirada.

O seguro-defeso e o salário-família dependem da aprovação de um projeto de lei para serem extintos, o que exige apoio da maioria. Mesmo assim, também não é uma tarefa fácil porque tentativas em outros governos não prosperaram.

O economista Ricardo Paes de Barros, um dos formuladores do Bolsa Família, já tinha defendido a unificação dos programas como caminho para o combate à pobreza pós-pandemia. Nas contas dele, com a fusão, seria possível transferir de R$ 100 bilhões a R$ 120 bilhões à população mais vulnerável, com uma renda que vá de R$ 200 a R$ 300 por pessoa. “O Brasil tem condições de zerar a pobreza”, afirmou ele, que é professor do Insper e economista-chefe do Instituto Ayrton Senna.

Para Paes de Barros, além de um programa que garanta uma renda mínima às camadas mais vulneráveis, é necessário fazer a inclusão produtiva para que o trabalhador incremente sua renda e alcance autonomia.

A ideia do governo é que o novo programa assistencial tenha uma porta de saída: os contemplados vão estar automaticamente habilitados ao novo programa de emprego, uma versão ampliada da Carteira Verde Amarela. O beneficiário vai poder sair da informalidade e ingressar no mercado formal em uma vaga com salário mais baixo e encargos reduzidos.

Estadão Conteúdo

Opinião dos leitores

  1. Eita! Pensei que o MINTOmaníaco era contra dar essas bolsas esmola pro povo! Ele falava tão mal do bolsa família do PT e agora quer criar um bolsa família pra chamar de sua? Sei não!!! Será que daqui a uns 14 anos estaremos vendo a família do MINTOmaníaco toda indiciada e presa igual fizeram com os petistas e Lula ladrão? Ah, claro que não! O MINTOMANÍACO criou o juiz de garantias e foi contra a prisão em segunda instância né?!

    1. Homi tu ainda ta teimando?
      Ainda não se conformou??
      O homi ta reeleito!!
      Não perde mais, de jeito nenhum.
      Bota isso na tua cabeça, ou vai ficar sofrendo até 2026??
      Aí depois tem mais pêia viu??
      Olhe, preste atenção!
      O seu PT e o ladrão Lula da Silva, não ganhan mais uma eleição no Brasil de jeito nenhum, não tem mais a quem vcs enganar.
      Acabou!!
      Acabou!!
      Vc vai vê.

  2. Bolsonaro descobriu que o bolsa família não é fábrica de vagabundos, tanto que está dando o décimo terceiro, ampliando o número de beneficiados e aumentando o valor. O bolsa família aumenta e fideliza o eleitorado necessitado. Pra quê dar vara, anzol e ensinar a pescar, se dar o peixe dá muito mais voto, movimenta a economia e gera empregos. Aí sim! Essa é a forma de governo que dá certo para todos.

    1. Pelo menos o bolsa família do PT tinha uma contrapartido: filhos na escola. Agora é compra de votos mesmo. Pra que falava mal do bolsa família, mais um tapa na cara dos hipócritas.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Ministro Onyx Lorenzoni desmente reportagem sobre retirada de recursos do Bolsa Família para propaganda e diz que tentam jogar Nordeste contra o governo

Foto: Reprodução/Twitter

O ministro da Cidadania do Governo Bolsonaro, Onyx Lorenzoni, anunciou que desmontou “mais fake news criminosas” com o objetivo de “distorcer” informações. Ele diz que não é verdade que o governo tirou dinheiro do Bolsa Família para gastar com propaganda. “Os recursos estão garantidos, disso em trecho;

O ministro ainda disse que, “mais uma vez tentam jogar o povo do Nordeste contra o governo”. Ele ainda destaco que “é importante lembrar que o Nordeste responde sozinho por mais de 51% dos benefícios. Ninguém cuidou tanto do NE”, finalizou.

 

Opinião dos leitores

  1. E ele liga para o povo? Ele liga em defender os filhos e defender os empresários. A população pobre que se lasque.

  2. Vamos deixar de falar desse governo, que a PF e a justiça já estão cuidando dele. Nesses dias nosso presidente será outra pessoa.

    1. Quem? O colunista da Globo? O tucano de Curitiba? O fofoqueiro? O juiz que queria ser ministro do supremo? Kkkkkkkkkkkk

    2. Tem um tal de Tacla Duran por aí a fora, que não garante muito moro em 2022.
      Assunto para próximos capítulos.

    1. É bem verdade o que dizes! No governo do teu ladrão favorito, foram mais de oito bilhões em propaganda do governo, gastos só com a Rede Globo. Quantos hospitais no Nordeste, seriam construídos com esses bilhões?
      Diz aí quadrúpede.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro anuncia ampliação do Bolsa Família

 

O presidente Jair Bolsonaro recorreu novamente ao Twitter para anunciar mais medidas de auxílio aos Estados. Segundo ele, o governo vai ampliar o programa Bolsa Família para contemplar 1,505 milhão de famílias, “praticamente zerando a fila dos requerentes”.

Na semana passada, a equipe econômica anunciou um aumento de R$ 3,1 bilhões no Orçamento do Bolsa Família, o que permitiria a inclusão de 1,2 milhão de famílias. Hoje, o presidente não especificou quanto de recursos serão destinados para ampliar o alcance do programa.

– Ampliação do bolsa-família, abrangendo 1.505.000 famílias, praticamente zerando a fila dos requerentes / @MinCidadania

– Via Sistema Único de Assistência Social, liberação imediata de R$100.000.000 para todos os municípios e até o final de semana mais R$100.000.000 — Jair M. Bolsonaro (@jairbolsonaro) March 23, 2020

Bolsonaro disse ainda que o governo, por meio do Ministério da Infraestrutura, está fazendo um “alinhamento” com Estados e municípios sobre decretos que garantam o tráfego de pessoas e cargas, “garantindo a unidade e respeito ao que se propõe a Constituição”. A medida valerá para os espaços marítimo, aéreo e terrestre.

O presidente citou ainda que o governo federal vai comprar leitos de CTI para atender pacientes afetados pela covid-19 – mas não especificou o número de contratações. Outra medida será a liberação imediata de R$ 100 milhões para municípios por meio do Sistema Único de Assistência Social (Suas).

Bolsonaro disse ainda que quatro fábricas nacionais atuarão com “foco total” na produção de respiradores. O objetivo será produzir 3,5 mil unidades ao mês.

O presidente também informou que assinou autorização para concessão de empréstimo ao Estado de Alagoas, para ajudar no combate ao coronavírus. Ele não especificou o valor da operação. A medida segue ao Senado para aprovação em plenário.

Estadão

Opinião dos leitores

  1. Bozo é d mais… colocou mais de 2 milhões pra fora e agora vai colocar 1,5 milhões de volta (sabe Deus quando)..se é que ele vai fazer isso mesmo… é bom ficar de olho pq mais mentiroso não há…

  2. Engraçado, ninguém comenta uma medida tão importante, agora se fosse para crítica, já estava cheio, o povo hipócrita.

    1. Resposta pra idiota a gente tem. 3% do bolsa família foi destinado a comedor de capim igual a você. Obrigado pela opinião pública e pela justiça ele vai começar a tratar o nordeste igual ao restante do pais.

      Governo tem obrigação de acudir o povo com o bolsa família, não faz de bom grado, tá fazendo porque não quer ser criticado fazendo mais merda.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Ministro Marco Aurélio proíbe cortes no Bolsa Família na região Nordeste enquanto perdurar o estado de calamidade pública

Foto: Nelson Jr./STF

Em decisão liminar, ministro Marco Aurélio, do STF, proíbe cortes no Programa Bolsa Família enquanto perdurar o estado de calamidade pública.

A decisão foi proferida na última sexta-feira, 20. S. Exa. determina que a União disponibilize dados a justificarem a concentração de cortes de benefícios do Programa Bolsa Família na Região Nordeste, bem assim dispense aos inscritos nos Estados autores tratamento isonômico em relação aos beneficiários dos demais entes da Federação.

Os Estados da BA, CE, MA, PB, PE, PI e RN são os autores da ação. Segundo narram, conforme dados oficiais, foram destinados à Região Nordeste 3% dos novos benefícios e 75% às Regiões Sul e Sudeste, e seria “inexplicável a dissonância”, a sinalizar, argumentam, “inobservância de critério legal ou constitucional para a inscrição das famílias”.

Matéria completa aqui no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Coronavírus: Após pedido de Bolsonaro, Voucher para trabalhador informal terá valor do Bolsa Família e dura 4 meses, anuncia Paulo Guedes

Foto: Sérgio Lima/Poder360

O voucher (cupom) para pessoas desassistidas, desalentadas e totalmente fora da economia formal começa a ser distribuído em até duas semanas, disse nesta manhã de 4ª feira (18.mar.2020) ao Poder360 o ministro da Economia, Paulo Guedes. “O valor não pode ser maior nem menor do que o do Bolsa família”, afirmou.

Hoje o Bolsa Família paga em média R$ 191 por mês para as famílias cadastradas. O mínimo é R$ 89. Gestantes, mães que amamentam e crianças de até 15 anos recebem cada uma mais R$ 41. O adicional máximo é de R$ 205. Para a extrema pobreza há valor extra variável.

O “coronavoucher”, como vem sendo chamado informalmente dentro do governo, pretende atingir 18 milhões de famílias. Se cada uma dessas famílias receber o valor médio equivalente ao do Bolsa Família, o custo mensal será R$ 3,438 bilhões.

Paulo Guedes diz que o sistema será montado a jato, de maneira desburocratizada.

“A Caixa Econômica Federal tem 26.000 postos de atendimento. Já estão sendo preparados. O interessado no voucher vai se apresentar e dizer o nome e dar alguma identificação. O atendente checará se o nome já consta como beneficiário do Bolsa Família ou do BPC (Benefício de Prestação Continuada). Se não estiver recebendo nada, estará habilitado para receber o voucher e já recebe o dinheiro”, diz Guedes.

E como será possível prevenir fraudes? “O pessoal da Caixa será treinado. Teremos alguma checagem que vai permitir identificar quem se inscreveu e não deveria receber. Não é 1 programa de renda universal nem renda básica, como alguns erroneamente disseram. O Brasil não tem condição de dar dinheiro para todo mundo agora. Não vamos dar dinheiro para ricos. No 2º mês em que as pessoas forem receber na Caixa, já terá sido realizada uma checagem adicional. Aí, quem se inscreveu sem ter direito não receberá mais”, explica o ministro.

Guedes explica que há mais de uma semana o presidente Jair Bolsonaro manifestou desejo de ajudar os mais vulneráveis na sociedade: “O presidente falou comigo na outra semana. A gente fala que os aeroportos estão vazios e é possível enxergar. Mas tem uma enorme parte da sociedade que fica invisível. O trabalhador informal que vende churrasquinho na esquina, o ambulante que vende mate nas praias. O presidente está muito sensível a isso e já havia determinado que estudássemos como ajudar essa parcela da população. É o que está sendo feito. Este governo se preocupa com os desassistidos”.

Sobre aumentar o valor do benefício do Bolsa Família, Guedes diz que isso é uma possibilidade, mas que já estão sendo agregadas rapidamente cerca de 1,2 milhão de famílias ao programa.

O ministro Onyx Lorenzoni (Cidadania) informou nesta semana que o Bolsa Família deve neste ano ter uma carteira de 14,2 milhões de famílias. “Será o maior número da história”, afirma Onyx.

MÁSCARAS E RESPIRADORES

Na área da saúde, o governo está com algumas prioridades para tentar soluções imediatas. “Durante a guerra, a Alemanha usou fábricas da Volkswagen para fazer tanques. Nós temos de identificar plantas no Brasil com capacidade de fabricar respiradores mecânicos e financiar imediatamente a produção desses equipamentos. É para isso que temos agora o estado de emergência que foi anunciado ontem. O presidente sempre me diz que ‘a saúde do brasileiro’ está acima de tudo e vamos buscar obsessivamente cumprir essa missão”.

O ministro acha que pode ser possível começar a fabricar quase imediatamente o respirador mecânico, que é 1 equipamento vital para quem fica em condições precárias de saúde por causa de infecção com o coronavírus. “Podemos importar e já zeramos o imposto desse tipo de material, mas acho que temos de encontrar também uma saída aqui dentro do Brasil, porque é perfeitamente possível”, declara Guedes.

O mesmo vale para máscaras que têm sumido do mercado. “Custava R$ 0,50 ou menos e agora é R$ 2 e ninguém acha. Tabelar preço é o pior que pode acontecer. Some tudo de uma vez e o rico vai comprar máscara por R$ 35 e receber em casa entregue por motoboy. Vamos também buscar fábricas que tenham condições de produzir aqui no Brasil e investir nisso imediatamente”.

O ministro celebrou o fato de a empresa cervejeira Ambev ter anunciado que vai produzir álcool em gel, outro item que tem sumido das prateleiras dos supermercados. “Já não era sem tempo. A Ambev e outras empresas de bebidas recebem muito subsídio em Manaus. É ótimo que se preocupem em devolver 1 pouco para a sociedade”.

DINHEIRO DA EMERGÊNCIA

O ministro diz que é errado achar que o estado de emergência seja uma “liberdade para gastar”. Afirma que tudo o que será feito de despesa extra será para “saúde, saúde, saúde”.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, vai ajudar na definição de prioridades. O senso comum dentro do governo é de que em 2019 houve uma economia de aproximadamente RS$ 100 bilhões no pagamento da dívida pública, por causa da redução da taxa básica de juros, a Selic (hoje e 4,25% ao ano, podendo ser cortada nesta 4ª feira pelo Banco Central). Em teoria, esse seria o valor que poderia ser gasto agora com o estado de emergência.

“O estado de emergência nos permite descumprir a meta fiscal previamente anunciada [de ter 1 rombo máximo de R$ 124 bilhões em 2020]. Mas não se trata de furar o teto dos gastos, pois aí o dinheiro vai diretamente para os rentistas: os juros subiriam de maneira alucinada e isso nós não vamos deixar acontecer”, declara Guedes.

Tudo o que área da saúde exigir “será fornecido”. Não faltará verba para o setor mais necessitado neste momento, explica o ministro.

Mas Guedes volta a falar sobre a necessidade de manter algum ritmo de aprovação de reformas.

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. Olha aí, custa o presidente sentar na cadeira e trabalhar? As férias já acabaram… faz 15 meses que o governo assumiu.
    Bem melhor qdo o presidente deixa a folga e trabalha. É isso que o Brasil precisa nessa hora.
    Seja ele ou qualquer outro.
    Deixar de preguiça e começar a trabalhar.
    O povo brasileiro exige.

    1. TÁ PEDINDO DEMAIS AMIGO…O VAGABUNDO PASSOU 28 ANOS NO CONGRESSO E NÃO FEZ NADA, VAI FAZER EM UM ANO? ESQUEÇA

  2. Depois de passar semanas ironizando a epidemia do coronavírus, Bolsonaro enviou nesta quarta um pedido para decretação do estado de calamidade pública no país.
    Guedes acata proposta do PT e promete vale para trabalhadores informais.
    O voucher irá mirar 18 milhões de famílias e sua concessão será feita pela Caixa Econômica Federal e foi sugerido pelo Partido dos Trabalhadores

  3. vai terminar a pandemia e eles nao conseguem cadastrar nem a metade das pessoas que vão solicitar esse voucher, ai ele diz q é só nao receber BF e BPC , que já receberá o voucher, nunca será só assim, vamos ver a burocrácia que será para ter o direito.

    1. Numa atitude positiva, o CANALHA esquerdalha ainda encontra um jeito, mesmo calhorda, de destratar o governo

  4. O nosso presidente é um MITO mesmo, taí assistência social chegando lijeiro.
    A petralhada fica doida.
    Os urubus do congresso piram.
    Cala te a boca desgraçados, o Presidente Bolsonaro não tem culpa NENHUMA dessa PANDEMIA, se exister culpados nisso tudo, é os chinesas, que come tudo que é porcaria.
    Maldita sopa de morcego.

    1. Amigo Aprigio, antes de postar algum comentário, verifique a gramática e a concordância.
      Ou será que o amigo é da turma que nunca gostou de ler?
      Ah, para a turma e galera do presidente, educação não é tudo.

    2. Vamos parar de ficar babando e idolatrando políticos que estão lá para trabalhar para o povo mesmo, já que foram eleitos, e são pagos, para isso.

    3. Verdade, Jorge! Ele deve ter estudado na época em que o PT estava no poder. Não tem culpa pela péssima qualidade do ensino que o governo PeTralha oferecia. Mas para quem frequentou escola na época da ditadura petista, ele está de parabéns, pois não foi adestrado pelo encantador de jumentos e nem pela DilmAnta. Sabe discernir muito bem o que é um governo corruPTo de uma gestão que, vem tentado, com muito sacrifício, acabar com esse malefício entranhado na política brasileira, especialmente praticado pelos políticos da esquerda. Já você, escreve direitinho mas não consegue tirar a viseira.

    4. O que vale, é que a petralhada entendeu.
      Né Aprígio.
      Burros mesmo é uns estudantes, que adora um ladrão.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Tasso quer convocar Onyx para explicar redução do Bolsa Família no Nordeste

Foto: Agência Senado

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o senador Tasso Jereissati afirmou que a redução da participação do Nordeste nas novas concessões de benefícios do Bolsa Família pode significar o rompimento da bancada nordestina com o governo federal.

“Uma das extravagâncias mais perversas que já vi de um governo foi essa notícia recente que, na distribuição do Bolsa Família, coube ao Nordeste brasileiro, reconhecidamente região mais pobre e necessitada, apenas 3%”, afirmou.

O senador tucano disse ainda que vai pedir a convocação do ministro da Cidadania Onyx Lorenzoni ao Congresso para dar explicações sobre as concessões do programa.

“Estou solicitando a convocação, com urgência, do Ministro da Cidadania para vir ao Senado Federal e explicar esse fato, para que possamos tomar as medidas cabíveis. Isso pode significar o rompimento do Nordeste com o Governo Federal.”

Segundo reportagem do Estadão, o Nordeste recebeu 3% dos novos benefícios enquanto Sul e Sudeste responderam por 75% das novas concessões.

O ANTAGONISTA

Opinião dos leitores

  1. TEM QUE SER ZERADO!!
    CHEGA DE ESMOLAS .
    ESSA DESGRAÇA DE BOLSA NÃO TIRA NINGUÉM DA MISÉRIA, SÓ SERVE PRA GERAR DISCURSOS, E NADA MAIS. BASTA VÊ, O QUE O CORONÉ TASSO JEREISSATI TÁ DIZENDO.

  2. Infelizmente, o Brasil véio está indo rumo ao abismo em ritmo acelerado. Esse governo não vai deixar pedra sobre pedra!
    Que Deus tenha piedade de todos nós!

    1. Da esquerda Caviar, o que fazes para ajudar o povo nordestino? Quantos tiras do próprio bolso para ajudar um necessitado? Simplesmente reclamando porque o vinho ficou mais caro ou o dolar e Euro subiram.

  3. O Presidente do Peru resolveu o PROBLEMA de seu país, e tem 79% de aprovação popular: DISSOLVEU O CONGRESSO! Seria a solução também para o Brasil? Penso que a grande maioria sabe a resposta, mas não é coerente escrever porque tem outro "Poder" querendo, aparentemente, calar a OPINIÃO dessa grande maioria. Faço ressalva às exceções.

  4. Manda esse safado chamar Cid Gomes, pra se explicar, porque ele quis passar por cima de várias pessoas, inclusive crianças, com uma máquina escavadeira.
    Não só esse pilantra , mais toda população sabe que o bolsa família foi reduzido, porque tiraram os pilantras que não precisavam e recebiam, isso era uma herança dos petralhas.

    1. Amigo, é bom você olhar os fatos. Foi reduzido, mas, foi aumentado o número de bolsas concedidas para o Sul e sudeste. Outro ponto, o nordeste é a região em que mais tem pessoas que se encaixam no perfil, mas, o que fizeram? Retiraram mais bolsas daqui e puseram para o nordeste, a questão é essa. Aqui é onde mais precisa, mas você tira e põe para o nerdeste por qual motivo?

    2. Sr. Bruno, com todo repeiro ao ponto de vista, mais porque temos que levar tudo para lado político partidário, estamos falando de pessoas carentes que tem no bolsa família a sua única fonte de renda, vamos pensar mais nesses nossos irmãos nordestinos.

    3. Pessoas não. Quis passar por cima de marginais amotinados, encapuzados e armados dentro de um quarte,l em que a hierarquia e a disciplina foi mandada para a casa do cacete e ainda usavam suas esposas como bucha de canhão. Além do mais, estavam tocando terror e achacando a população de Sobral.

    4. Correto Bruno, quem saiu na realidade eram pessoas que não se enquadravam no perfil, tipo, vereadores, assessores, empresários e outros que já tinham voltado para trabalhar. Como o nordeste continua sendo o reduto dos PTralhas, aqui era onde tinha mais sujeira.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *