Jornalismo

Eduardo Bolsonaro é condenado a indenizar a jornalista Patrícia Campos Mello por ofensas em live

Foto: Reprodução

A Justiça de SP condenou o deputado Federal Eduardo Bolsonaro a indenizar a jornalista Patrícia Campos Mello, repórter e colunista da Folha de S.Paulo, por ofensas proferidas durante live no YouTube.

O juiz de Direito Luiz Gustavo Esteves, de São Paulo, apontou que o parlamentar imputou à Patrícia, “falsamente, a prática de fake news e, via consequência, a conquista de uma promoção no trabalho” e “que teria se insinuado sexualmente para obter informações do seu interesse”.

O magistrado recordou na sentença que nenhum direito é absoluto, incluindo o direito de livre manifestação e pensamento.

“O réu ao postar/transmitir em sua rede social que a autora teria praticado fake news e, como resultado, obtido uma promoção em seu trabalho, bem como que teria se insinuado sexualmente a terceira pessoa, no exercício de sua profissão, por certo, transbordou tais limites, ofendendo a honra daquela, colocando em dúvida, inclusive, a seriedade do seu trabalho jornalístico e de sua empregadora.”

Mais detalhes AQUI no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Diplomata gritador de hambúrguer kkkkk papai não vai deixar você zoar com a China nas redes sociais.

  2. Filho de peixe peixinho é . O pai e os filhos só fazem merda ? ……. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk aí pai paraaaaaaa ????

  3. Grande Diplomata!!!
    Xinga tido mundo, sai correndo e quem ficar que limpe a merda feita pelo filhinho playboy da Barra da Tijuca.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

CONSERVADORA SUÉLLEN ROSIM: Homem negro é autor de ofensas racistas à prefeita eleita em Bauru-SP, diz polícia

Suéllen Rosim, prefeita eleita de Bauru — Foto: Divulgação

A Polícia Civil identificou o autor das ofensas racistas postadas nas redes sociais contra a prefeita eleita de Bauru (SP), Suéllen Rosim (Patriota). Segundo o delegado Eduardo Herrera dos Santos, o suspeito é um homem negro de 37 anos que queria “despertar uma discussão”.

A identificação do autor foi anunciada durante coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira (3). O homem, que é investigado pelo crime de injúria, prestou depoimento e foi liberado.

“Neste momento as investigações prosseguem e a tipificação penal, como inicialmente foi feita como injúria racial, ela permanece. Neste momento não temos mudança quanto à tipificação. Pelo contrário, existe a possibilidade sim de que seja acrescentada a tipificação também de uma eventual falsidade pelo perfil falso que foi criado”, diz Herrera.

“Não há impedimento quanto a conduta pelo fato de ele ser negro e ter praticado uma conduta de ofensa racial contra outro negro”, completa o delegado.

Mensagens com conteúdo racistas contra a prefeita eleita de Bauru foram divulgadas no Whats App — Foto: Whats App/ Reprodução

O delegado disse que o suspeito, morador de Bauru, criou dois perfis, um no WhatsApp e outro em rede social.

“Foi um trabalho intenso de investigação. Foram utilizadas várias técnicas investigativas, como quebra de dados e principalmente as técnicas tradicionais que possibilitou que chegássemos até ele, e depois de entrevistá-lo, apesar de inicialmente a negativa, confessou detalhadamente como praticou o fato”.

As mensagens postadas na internet chegaram ao conhecimento da prefeita eleita, que registrou um boletim de ocorrência durante o segundo turno.

Em um dos trechos da mensagem postada no grupo, o agressor diz “não podemos eleger aquela mulher com cara de favelada para ser nossa prefeita. Essa gentinha irá afundar Bauru”.

Em outra mensagem, o agressor diz: “não tenho nada contra, mas essa gente de pele escura, com cara de marginal administrado essa cidade, será o fim”.

Ameaça de morte

Na terça-feira (1º), Suéllen voltou à delegacia para prestar depoimento sobre as ofensas racistas e também denunciou uma ameaça de morte recebida por e-mail.

Na mensagem, o homem se identifica, a ofende de ‘macaca’ e alega que vai comprar uma pistola no Rio de Janeiro para matá-la na casa.

De acordo com o delegado, a mensagem foi anexada ao primeiro boletim de ocorrência e será investigada pela Polícia Civil como injúria racial, a princípio. Neste ataque com ameaça de morte, nenhum suspeito foi identificado.

Ao G1, Suéllen disse que espera que os envolvidos sejam identificados e punidos pela lei.

“Práticas de injúria racial devem ser combatidas independentemente de quem veio e da motivação. Não se levanta uma bandeira disseminando ódio. As autoridades continuaram tomando as providências necessárias para o caso. Assim como nos outros comentários e a ameaça que recebi”, diz Suéllen.

“É um absurdo a gente ainda ter que ouvir esse tipo de palavra, dessas questões raciais. É inadmissível. Lamento muito. A gente tem tanta coisa pra discutir da cidade, tantos problemas no município e a gente ter que discutir um assunto tão pesado”, afirma.

Apoio

O Conselho da Comunidade Negra de Bauru se manifestou sobre o caso e divulgou uma carta de repúdio aos ataques. Informou também que acompanha as investigações. A Central Única das Favelas (Cufa Global), e o Instituto da Mulher Negra Geledés também manifestaram apoio à prefeita eleita.

Nesta terça-feira (1º), a Federação dos Jornalistas de Língua Portuguesa (FJLP) emitiu uma nota em apoio à prefeita eleita, que é jornalista.

 

A entidade repudiou “o ataque covarde e imoral desferido pelas redes sociais com foco na questão racial e de gênero” contra Suéllen, reforçou a importância dos profissionais da imprensa para a manutenção da democracia e expressou solidariedade à prefeita eleita.

A FJLP disse ainda que condena “toda e qualquer manifestação de ódio e discriminação racial e de gênero para consigo e seus pares” e requer das autoridades competentes a punição dos infratores.

“É uma minoria que ataca, mas precisa ser combatida. Porque eu ainda acredito muito que as mensagens de carinho que eu recebi foram muito maiores. Que a Justiça seja feita para que essa pessoa não faça isso com outras pessoas”, comenta a prefeita eleita.

Eleição em Bauru

Suéllen foi a candidata à Prefeitura de Bauru mais votada no primeiro turno entre os 12 candidatos que disputaram. Ela teve 57.844 votos, o que representou 36,12%.

Com essa atuação, ela foi ao segundo turno na disputa de votos com o segundo colocado, Dr Raul (DEM), que ficou com 53.299 votos (33,28%) na votação de 15 de novembro.

Já no segundo turno, Suéllen foi eleita prefeita de Bauru com 55,98% dos votos (89.725), mais de 19 mil a frente do Dr Raul, com 44,02% (70.558 votos). Veja como foi a apuração na cidade.

Essa vai ser a primeira vez que Suéllen ocupa uma cargo público. Também será a primeira vez que uma pessoa negra, e uma mulher, vai comandar a Prefeitura de Bauru em 124 anos de história da cidade.

Antes dela, apenas Estela Almagro, que foi eleita vereadora, ocupou o cargo de vice-prefeita nos dois mandatos de Rodrigo Agostinho.

G1

Opinião dos leitores

  1. Algumas pessoas, parte da imprensa e radicais de esquerda querem mais é provocar tensões raciais.
    É mais para proveito político.
    Muitos negros são mortos por traficantes de drogas e os Black blocs não protestam contra os traficantes.

  2. Essa negócio de racismo é coisa de maricas. Quem criou a idéia de cotas?
    Todos somos iguais. Taí! A mídia toda falando bobagens. De onde partiu o "racismo"? De um negro. Portanto….

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO: “Vai pra casa, vagabundo! Vai comer sua mortadela com a sua mãe, seu sem vergonha”, reage Doria em evento

Assista aqui em post na íntegra

Em um evento ontem à noite, em Taubaté, João Doria discutiu com manifestantes que apoiam Jair Bolsonaro e que o chamavam de “Pinóquio do pau oco”.

O governador reagiu assim:

“Vai pra casa, vagabundo! Vai comer sua mortadela com a sua mãe, seu sem vergonha.”

E mais:

“Vai cobrar do Major Olímpio seus ‘duzentinho’ para vir aqui falar bobagem no microfone. Vai pra casa, aposentado.”

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. Político é assim: pra se eleger vende a própria mãe! Povo sem honra e escrúpulos, o poder pelo poder!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

“O que foi Sergio Moro se não um juiz ladrão?”, provoca Maria do Rosário

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / ABr

Na CCJ da Câmara, a deputada petista Maria do Rosário chamou Sergio Moro de ladrão ao criticar a PEC que estabelece a prisão de condenados em segunda instância.

“O que vossas excelências estão tentando é fazer pura politicagem. (…) Vossas excelências estão a serviço de um juiz ladrão, Sergio Moro. Eu estou repetindo aqui as palavras de Glauber, porque Glauber deu essa opinião. O que foi Segio Moro se não um juiz ladrão?”

Em julho, o deputado do PSOL Glauber Braga chamou Moro de ladrão durante audiência com o ministro da Justiça na Câmara.

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. Essa deputada vagabunda Petista possui moral para atacar um juiz e agora ministro que acabou com a ladroeira e a quadrilha de políticos do seu partido que quase levou o Brasil a falência, cala essa boca imbecil.

  2. A apreensão de drogas em 2019 está quebrando todos os recordes! A esquerda tem mesmo do que reclamar…

  3. Mais de 9 meses como “super ministro “ e a única coisa que Moro fez foi prender um hacker que descobriu que ele era bandido.??

    1. Projetos foram enviados, mas o Rodrigo Maia seguer botou em pauta.
      Medo de ir fazer companhia ao maior ladrão do mundo.

    2. Mala, tu tem foro privilegiado igual a mulher do grelo duro tem??

    3. e tem algo que ele possa fazer com esse supremo e congresso que temos? amiga estamos de màos e pės atados. Por isso vamos trabalhar. Impeachment dos 10 Juizes do STF.

  4. Que país é esse gente ? Estamos realmente no Brasil ?
    Uma desqualificada, incompetente, mal amada (também qual seria o animal que poderia fazer este tampo de mulher ?) que usa a tribuna de um poder para chamar um homem probo como Sérgio Moro de ladrão.
    E fica por isso mesmo…
    Mais sabem de quem é a culpa ? Dos porcos que compõem a porcilga chamada STF.
    Aonde vamos chegar ?
    Só Deus saberá!!!!

  5. Basta processar por danos morais, ahhhh, mas ela tem imunidade parlamentar.
    É só usar o processo dela conta o Bolsonaro, mesmo princípio.

  6. BG
    Esquizofrênica irresponsável, quer adular seu chefe ladrão com acusações IMORAIS, se escondendo atras do foro privilegiado.

    1. Esse cabaré chamado congresso nacional é de da inveja a qualquer puteiro aqui do RN uma desqualificada, fuleira, puta, sapatão, lésbica, junto com o maconheiro do rio de janeiro chamado glauber braga chama o juiz Sérgio Moro de ladrão e fica por isso mesmo, só tem um jeito é quem matou a outra fuleira mariele franco matar também essas duas insignificâncias.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

STF determina buscas em inquérito sobre ofensas a ministros da Corte

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou as primeiras medidas no inquérito que investiga ofensas a ministros da Corte. As ações estão sendo cumpridas na manhã desta quinta-feira (21) e incluem busca e apreensão nas casas de suspeitos em São Paulo e Alagoas. A investigação corre em sigilo.

Nessa quarta-feira (20), o ministro, que é relator da investigação, indicou dois delegados para atuar no caso. Foram designados para a investigação o delegado federal Alberto Ferreira Neto, chefe da Delegacia Especializada em Repressão a Crimes Fazendários, e o delegado Maurício Martins da Silva, do Departamento de Inteligência da Polícia Civil de São Paulo.

Moraes anunciou ainda que a servidora do Supremo Cristina Yukiko Kusahara vai organizar, dentro da Corte, os trabalhos da equipe responsável pelo inquérito.

O despacho de Alexandre de Moraes que designou os nomes dos primeiros investigadores que o auxiliarão no inquérito permite, oficialmente, o início das investigações.

Na última quinta (14), o presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli, anunciou no plenário da Corte a abertura de um inquérito para apurar “notícias fraudulentas”, ofensas e ameaças a ministros do tribunal. Na ocasião, Toffoli informou que Alexandre de Moraes – ex-ministro da Justiça e ex-secretário de Segurança Pública de São Paulo – iria conduzir as investigações.

O inquérito foi alvo de críticas de procuradores da República que atuam na Operação Lava Jato, juristas e até mesmo integrantes do STF. Um dos magistrados mais antigos da Suprema Corte, o ministro Marco Aurélio Mello foi uma das vozes críticas à decisão de Dias Toffoli.

Camila Bomfim – G1

 

Opinião dos leitores

    1. Lunático, LULA TÁ PRESO E FIDEL TÁ MORTO!!!!! Quer mais o quê, deslumbrado?

  1. CUBA, VENEZUELA, TURQUIA, CORÉIA DO NORTE DITADURAS TOTALITÁRIAS
    O PT E LULA QUERIA FAZER UMA DITADURA COMUNISTA NO BRASIL.

  2. A esquerda falou tanto de Bolsonaro, mas o espírito do autoritarismo paira mesmo é no STF. Falar mal de Ministro daquela corte espúria é crime.

  3. é o poste mijando no cachorro nesse país.
    ninguém pode questionar esses ministros do STF?
    é igual maomé, se falar qualquer coisa merece morrer?

    aí tem coisa, a PF deveria investigar, principalmente Gilmar Mendes!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Filho de ex-ministro do STF nega agressões de Dias Toffoli contra Ricardo Noblat

Eduardo Pertence, filho do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Sepúlveda Pertence, encaminhou um texto ao blogueiro da Globo Ricardo Noblat negando as acusações desferidas neste final de semana.

De acordo com Noblat, ministro José Dias Toffoli teria o chamado de filho da put* e dito que ele chupasse sua pic* doce. Os insultos teriam sido desferidos durante um evento em Brasília.

A carta foi publicada no site da Tribuna da Imprensa e o BG aqui a reproduz. Confira o texto na na íntegra:

“Caro Noblat,

Aprendi a lhe respeitar e admirar desde criança, por consequência do meu pai, Sepúlveda Pertence, seu amigo e admirador.

Contudo, não posso deixar de demonstrar meu espanto com essa leviana notícia. Estava eu, junto ao meu pai, nessa mesma festa.

Você foi recebido na mesa dele com todas as loas e elogios. 

Fiquei na festa até o final, chegando a acompanhar o Min. Toffoli até seu carro, quando ele foi embora.

Afirmo não ter presenciado nada aparecido com o que você noticiou aqui.

Não vi, nem ouvi dele, nada assemelhado as loucuras aqui mencionadas.

De minha parte, testemunho que não houve.

De sua parte, espero que o Mensalão não esteja alterando sua noção de realidade.

Continue, fora isso, sendo o grande e admirável jornalista que sempre foi.

Com respeito, mas espanto.

Eduardo Pertence”.

 

Opinião dos leitores

  1. Se liga Mané…

    Ele ja telefonou ao Noblat se desculpando pq de onde estava realmente ao poderia ouvir a conversa…

    Fato : tofolli nao desmentiu.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

STJ determina que mensagens ofensivas no Twitter, Facebook e Orkut terão que ser retiradas em até 24 horas

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) determinou que mensagens publicadas em redes sociais, como Twitter,  Orkut e Facebook, que sejam consideradas ofensivas ou impróprias pelos usuários terão de ser retiradas do ar em até 24 horas após serem denunciadas.

Empresas responsáveis por serviços de e-mail, como Hotmail e Google, serão obrigadas a fornecer auxílio na localização do remetente de mensagens que causem danos morais. As decisões foram tomadas pela ministra Nancy Andrighi.

A primeira, que trata sobre redes sociais, foi provocada por uma carioca que se divorciou. Pouco tempo depois ela descobriu um perfil falso em seu nome no Orkut.

Thomas Hodel – 19.mai.12/Reuters
STJ decide que empresas como Facebook, Google e Microsoft terão de retirar conteúdo ofensivo em até 24 horas
STJ decide que empresas como Facebook, Google e Microsoft terão de retirar conteúdo ofensivo em até 24 horas

A mulher apontou o conteúdo como ilícito, mas a suspensão da página ocorreu só dois meses depois.

A Justiça determinou que o Google pague R$ 10 mil a ela. Também decidiu que a empresa, dona do Orkut, fica obrigada a suspender conteúdos denunciados dentro de um dia, sem apuração prévia.

Depois dessa medida, a empresa deverá checar se o caso é verdadeiro e se mantém a suspensão.

“A decisão abre precedente no STJ e uniformiza a jurisprudência. É um marco de regulamentação e todas as futuras questões estarão sob essa ótica”, disse Andrighi.

Se a empresa não cumprir o prazo, ela passará a ser responsável solidária pelo dano, podendo ser acionada na Justiça. “Fiquei sabendo que nos EUA eles são capazes de tirar as mensagens em 30 minutos. Levar 62 dias no Brasil é um absurdo”, disse Andrighi.

OUTRO LADO

A diretora jurídica do Google, Fabiana Siviero, disse que a empresa lida com muitos casos semelhantes e que a jurisprudência ainda é inconstante no país.

“Nós não vemos nenhuma obrigação ou efeito dessa decisão para o Google. Há uma inviabilidade técnica para fazer isso e em nenhum outro lugar do mundo é assim. A decisão de remover é irreversível. Ao tirar do ar, o conteúdo vai embora”, disse.

Segundo ela, a empresa deve entrar com recurso no STJ para esclarecer esses pontos.

A segunda decisão do STJ foi motivada por uma ação de um advogado do Rio Grande do Sul que se sentiu prejudicado por e-mails enviados para sua rede de contatos sobre sua conduta profissional.

Em nota, a Microsoft Brasil disse que, “mediante ordem judicial, fornece os dados existentes em relação a contas de e-mail específicas”.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

MPF quer pena maior para Tuieteira que disse que "Nordestino não é gente"

O Ministério Público Federal (MPF) vai recorrer da decisão judicial que condenou a ex-estudante de Direito Mayara Petruso a 1 ano, 5 meses e 15 dias de reclusão por veicular mensagem de preconceito e discriminação contra nordestinos no Twitter.

Para o MPF, a pena é insuficiente para punir a jovem que postou a seguinte frase em sua página: “Nordestino não é gente. Faça um favor a SP: mate um nordestino afogado!”

A ofensa foi publicada no dia 31 de outubro de 2010, no domingo de votação do segundo turno da eleição presidencial, logo após a vitória eleitoral de Dilma Rousseff sobre José Serra. O Nordeste foi a região em que a petista abriu maior vantagem em relação ao tucano.

Serviço comunitário. A pena foi definida pela juíza federal Mônica Camargo, da 9.ª Vara Federal Criminal em São Paulo. A punição, porém, foi convertida em prestação de serviço comunitário e pagamento de multa e indenização de R$ 500 à ONG Safernet, que atua na prevenção de crimes cibernéticos.

Na sentença, a juíza diz que a jovem, no curso do processo, acabou sofrendo também uma punição moral.

“Houve consequências especialmente graves para a própria M., que perdeu seu emprego, abandonou a faculdade, até hoje tem medo de dizer o nome da empresa na qual trabalha e que lhe abriu as portas, viveu seis meses reclusa em sua casa, com medo de sair à rua, situações extremamente difíceis e graves para uma jovem de sua idade.”

A magistrada sugeriu que a sentenciada seja encaminhada para “serviço em entidade que possa contribuir para seu processo pessoal de recuperação emocional”.

Durante o processo, Mayara alegou que não tinha a intenção de ofender os nordestinos e não é preconceituosa.

Exemplo. A condenação de Mayara repercutiu na internet como exemplo de que a Justiça está atenta a esse tipo de crime.

Ontem, na página do Twitter da Safernet, a ONG que receberá a indenização, um post comunicava: “Com essa condenação, a Justiça Federal e o MPF-SP deixam claro que racismo e preconceito nas redes sociais é coisa séria e traz consequências”.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Justiça condena Tuiteira que ofendeu Nordestinos na rede

A Justiça Federal de São Paulo condenou por crime de discriminação a estudante de Direito que postou, em 2010, mensagem preconceituosa e de incitação à violência contra nordestinos no Twitter. Mayara Petruso foi condenada a 1 anos, 5 meses e 15 dias de reclusão. A pena foi convertida em prestação de serviço comunitário e pagamento de multa.

Logo após à divulgação do resultado das eleições presidenciais, Mayara responsabilizou o povo do Nordeste pela vitória de Dilma Rousseff (PT). “Nordestino não é gente. Faça um favor a SP: mate um nordestino afogado!”, escreveu a estudante no microblog.

A universitária confessou ter publicado a mensagem e alegou ter sido motivada pelo resultado das eleições. Ela disse à Justiça que não tinha a intenção de ofender, que não é pessoa preconceituosa e não esperava que a postagem tivesse tanta repercussão. Ela afirmou ainda estar envergonhada e arrependida pelo que fez.

Para a juíza federal Mônica Aparecida Bonavina Camargo, da 9ª Vara Federal Criminal em São Paulo, Mayara, independentemente de ser ou não preconceituosa, acabou gerando inúmeros comentários com conteúdo agressivo e preconceituoso na internet. A sentença foi divulgada nesta quarta-feira pela Justiça Federal.

“A Constituição proíbe tais condutas a fim de que o preconceito – fato social – seja um dia passado e deixe de existir […]. É importante que a sociedade seja conscientizada quanto à neutralidade que as questões de diferenças entre as pessoas devem envolver, não sendo a origem, a religião, o gênero, a cor de pele, a condição física, a idade etc. motivo para atitudes agressivas”, diz a sentença.

Na época, a jovem cursava o primeiro ano de Direito e estagiava em escritório de advocacia. Após a repercussão do fato, perdeu o emprego, abandonou a faculdade e mudou de cidade com medo de represálias.

Fonte: O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Sabe aquele site que falava mal de Pretos, Nordestinos e Gays? Os donos foram presos

Duas pessoas foram presas nesta quinta-feira, 22, acusadas de serem os responsáveis por postagens na internet de mensagens de apologia de crimes graves e da violência, principalmente contra mulheres, negros, homossexuais, nordestinos e judeus, além da incitação do abuso sexual de menores, segundo a Polícia Federal.

A Operação Intolerância prendeu Emerson Eduardo Rodrigues e Marcelo Valle Silveira Mello, moradores de Curitiba e Brasília, respectivamente. Eles foram identificados e presos preventivamente como os responsáveis pelas postagens no site silviokoerick.org.

As inúmeras denúncias relacionadas ao conteúdo discriminatório do site foram dirigidas ao Ministério Público Federal e à ONG SaferNet, onde também foram registrados, até o último dia 14, 69.729 pedidos de providências a respeito do conteúdo criminoso do site investigado, um número recorde da participação de populares no controle do conteúdo da internet brasileira.

Agentes da PF também darão cumprimento aos mandados de busca e apreensão para examinar residências e locais de trabalho dos suspeitos em busca de elementos materiais da responsabilidade criminal, demonstrada ao longo da investigação e que, preliminarmente, permitiu identificar o cometimento dos crimes de incitação/indução à discriminação ou preconceito de raça.

Entre os conteúdos publicados pelos criminosos, havia referência ao apoio prestado ao atirador Wellington, que em 2011 atacou a tiros uma escola em Realengo, no Rio, matando diversas crianças, bem como à suposta incapacidade da Polícia Federal em o localizar e deter.

Fonte: Estadão

Do Blog: Esse site criou revolta no Nordeste, até hoje um dos posts mais lido no BG foi o que fizemos falando dos absurdos postados nele, os bacanas tiraram do AR mas não teve jeito, foram para o Xadrez. Acho é pouco!!!!

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Twittar ofensas pode ser considerado crime, diz jurista

Está no Link do Estadão:

Cuidado com xingamentos nas redes sociais. No debate sobre segurança e privacidade na era digital, realizado nesta terça-feira na Campus Party, Vitor Hugo das Dores Freitas, presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia da OAB-SP, ressaltou que ofensas na internet podem ser julgadas como injúria, calúnia e difamação, assim como qualquer outro crime. Segundo ele, nisto se incluem xingamentos e violações de privacidade publicadas via Twitter e Facebook. “O caso de blogueiros condenados, por exemplo, mostra este risco”, disse.

Privacidade em xeque. Os palestrantes foram unânimes: é cada vez mais fácil (e perigoso) expor informações pessoais na rede. E retirá-las depois não é tarefa fácil. “É preciso consciência no compartilhamento de dados”, afirmou Omar Kaminski, advogado e membro do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br).

Os especialistas também recomendam sempre ler os termos de uso de provedores, e-mails e redes sociais. Sem saber, o internauta pode acabar concordando em ter seus dados pessoais revelados ou vendidos.

“Estamos cada vez mais acostumados ao monitoramento”, avaliou Kaminski. As inúmeras câmeras espalhadas em Londres, lembrou ele, mostram o “big brother” que já é feito pelos governos sob conhecimento público. “Privacidade e segurança estão sempre em conflito”, disse. “Uma vez perdida a privacidade, nunca mais conseguiremos recuperá-la.”

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

O Roçoio no Senado foi grande. “Débil mental e Safado" deram o tom

Josias de Souza

O Parlamento, como se sabe, é resultado de uma lenta evolução da humanidade rumo à solução negociada e pacífica dos conflitos.

Humberto Costa (PT-PE) e Mario Couto (PSDB-PA) frequentam, em Brasília, o pedaço mais vetusto desse universo, o Senado.

Nesta quarta (24), Costa e Couto –o primeiro líder do PT, o outro líder da minoria— trocaram o “vossa excelência”e o “nobre colega” por tratamentos menos lhanos.

O rififi começou em meio a um discurso do petista. Humberto Costa criticava a intenção da oposição de inaugurar uma CPI.

Em aparte, Mario Couto disse que o colega defendia a corrupção. A temperatura subiu ao ponto de ebulição depois que Costa desceu da tribuna.

(mais…)

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Prefeito do DEM não gostou de editorial e chamou repórter de "filho da p…"

Portal Comunique-se

O prefeito de Mogi das Cruzes, município da região da Grande São Paulo, Marco Aurélio Bertaiolli (DEM), não gostou do editorial do jornal Mogi News intitulado “Equívoco“, publicado nesta terça-feira (2/8). O texto afirma que o político foi infeliz ao declarar, em entrevista ao próprio veículo, que a cidade não precisa de equipamentos para a realização de ressonâncias magnéticas na rede pública.

(mais…)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Está sendo processada Twiteira que ofendeu o Nordeste no final do 2º turno

Portal UOL:
A Justiça Federal de São Paulo, após receber denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal (MPF), anunciou nesta quinta-feira (2) que abriu processo pelo crime de racismo contra a estudante de direito Mayara Penteado Petruso. Segundo a denúncia, oferecida pela Procuradoria da República em São Paulo, Mayara postou em seu perfil no Twitter mensagem de incitação à discriminação no dia 31 de outubro de 2010.
Na ocasião, pouco após a divulgação do resultado do segundo turno das eleições presidenciais, a jovem publicou a seguinte mensagem em seu microblog: “Nordestisto (sic) não é gente. Faça um favor a Sp: mate um nordestino afogado!”. O ato de intolerância foi alvo de inúmeras críticas na própria rede social, assim como nos meios de comunicação.
Ao prestar depoimento ao MPF, a jovem assumiu que postou os comentários em sua página do Twitter, confirmando ainda ser a criadora do perfil. A denúncia foi oferecida no último 3 de maio e o processo aberto no último dia 4 de maio.
O crime de racismo, disposto no artigo 20 da lei 7716/89, prevê pena de 1 a 3 anos de prisão e multa – pena que pode subir para 2 a 5 anos de prisão e multa, caso o crime seja cometido via meios de comunicação social.
O caso tramitou sigilosamente até o recebimento da denúncia pelo Poder Judiciário. O objetivo era preservar o conteúdo das quebras de sigilo telemáticas feitas para confirmar se o perfil realmente era atualizado por Mayara.

Opinião dos leitores

  1. Muitas pessoas querem se destacar, priorizando a vida de outros. Creio que a punição trará a consciência dessa jovem, bastante experiência do significado
    do amor, compaixão , respeito e direito constitucionais de igualdade….
    Não podemos pegar o que sentimos ou optamos como vida pessoal, para tirar vantagens sobre uma situação generalizada, como estão fazendo outros grupos sociais(se é que podemos chamá-los assim), de requerer direitos ilegais que os
    sobrepoem acima da constituição de nosso país! É preciso fazer cumpri-se as
    leis de nosso país com objetividades.
    Querer tirar vantagem de situações isoladas, não fará melhorar o nosso país e nem a vida daqueles que o assim desejam.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Ed Motta chama Paula Toller de burra e Brasileiro de feio

Folha Online:

Para usar um termo em voga nos últimos dias, o foco de Ed Motta desde quarta-feira, 11, é a “gente diferenciada”. O cantor, lembrado por alguns hits que emplacou nos anos 1980 e 1990, fez de seu perfil no Facebook uma verdadeira metralhadora giratória.

“[Estou] em Curitiba, lugar civilizado, graças a Deus. O Sul do Brasil, como é bom, tem dignidade isso aqui. Frutas vermelhas, clima frio, gente bonita. Sim porque ooo povo feio o brasileiro, rsrs. Em Avião, dá vontade chorar rsrsrs. Mas chega no Sul ou SP gente bonita compondo o ambiance rsrsrsrs”, escreveu.

Em outro post, fez a equação: “Mulher feia tem que ser mega competente rsrs. Se não, é Paula Toller nas cabeças rsrs. Linda, burra e sem talento.” E depois: “Mulher feia tem que cantar igual [à cantora] Sarah Vaughn, se não eu não tenho tempo hahaha!”.

(mais…)

Opinião dos leitores

  1. Paula Toller: uma artista com 30 anos de carreira solida, fala inumeras linguas (ingles, portugues, frances, italiano, espanhol, etc) feliz com sua familia (marido e filho). Essa Deuza, RAINHA da musica brasileira (alem da voz de Sereia e´ COMPOSITORA)= Ed Motta, da um tempo: ve se SOME de uma vez e pare de tentar chamar a atençao para si, tentar VOLTAR a midia a custa da fama dos outros. Paula Toller e´sim inteligente e talentosa, esse monstrengo do Ed Motta foi que provou ser burro falando asneiras e sem talento=pois NAO tem sucesso nem na vida pessoal.

  2. SAI DAÊ JUBARTE.
    NEM EDUCAÇÃO VC TEM, O QUE DIRÁ CULTURA!!
    APRENDA A RESPEITAR, SE VC NÃO FAZ SUCESSO É PQ O SEU SOM É CANSADO E REPETITIVO, E PRINCIPLAMNETE, SEM CRIATIVIDADE, VC NÃO PASSA DE UM PLAGIADOR DO QUE FOI SUCESSO NAS DECADAS PASSADAS. CRIE UM NOVO SOM, JUBARTE.

  3. O Ed Motta fez comentários infelizes, mas o cara canta muito. Tem uma linda voz, além de ser um músico multi instrumentista. Ao invés dele falar da beleza, deveria criticar o moldelo de música que a mídia adota para o povo brasileiro como: Tati Quebra Barraco, Luan Santana, Restart, Mc Serginho, Latino entre outras porcarias.

  4. Povo Brasileiro é feio? Não seria o povo da sua casa? Mas um que para voltar a mídia faz qualquer asneira

  5. Paula Toller sem talento? De "cantor" ele passou a ser piaditas?
    uhauhauhahuuha

    O que esse filhote de jubarte entende de beleza? Aliás, quem é ele pra chamar as pessoas de feias? kkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

OAB vai processar Twitteira por ofensas a Nordestinos

Estadão:

SÃO PAULO – A Ordem dos Advogados do Brasil do Ceará (OAB-CE) afirmou que entrará nesta quinta-feira, 12, com notícia crime no Ministério Público Federal contra Amanda Régis e Lucian Farah. Os dois torcedores do Flamengo postaram mensagens preconceituosas em relação aos nordestinos na noite de ontem, quarta-feira, durante a partida entre o rubro-negro e o Ceará pelas quartas-de-final da Copa do Brasil.

O presidente da OAB-CE, Valdetário Andrade Monteiro, justifica a notícia crime por considerar que qualquer forma de preconceito deve ser combatida. “Não podemos permitir que a pessoa, com um certo grau de conhecimento, se utilize da internet para disseminar prática de racismo”, declarou.

A torcedora que se identifica no microblog como Amanda Régis, escreveu: “Esses nordestinos pardos, bugres, índios acham que tem moral, cambada de feios. Não é à toa que não gosto desse tipo de raça” (sic). Já Farah afirmou: “Acho que eh soo .. bando de viado que roobaram esse jogo .. nordestinos burros!” (sic); “Ei, nordestinos, eu quero eh que vcs se fodam, fmz? seus nordestinos filhos da puta” (sic); além de “Só vim no twitter falar o qnto os NORDESTINOS é a DESGRAÇA do brasil.. pqp ! bando de gnt retardada qe acham que sabe de alguma coisa”(sic).

Com a repercussão negativa, Amanda Régis apagou o comentário de seu perfil, mas seu tweet já havia sido copiado. Na manhã de hoje, Lucian Farah postou pedido de desculpas aos nordestinos e explicou os motivos das postagens. “Como brasileiro, TORÇO sim ! e quando torço, sou FANÁTICO ! e qdo sou fanático, eu xingo msm ! mas ontem me exaltei e fui alé disso ! qdo me referi aos nordestinos, queria me referir inteiramente ao time do ceara. e tenho CERTEZA que nao fui o unico a xingar os nordestinos” (sic).

Opinião dos leitores

  1. É totalmente inadmissível como existem pessoas que não tem noção de coletividade e muito menos de respeito. "Passar dos limites" não é isso que vejo, parece-me mais "passar a mão na cabeça". Vejo mais como uma falta de educação. Preconceito é ignorância. Ignorância em ver o outro. E pra piorar o cara tenta se redimir e piora ainda mais o que falou antes.

  2. E o povo daqui reage a tudo isso como? Torcendo pelos times de lá, é claro. Lamentável.

  3. Pela forma como escreve, podemos supor que o professor de português dessa distinta garota, é o TIRIRICA.

    1. Sr. Fernando, não acho que o Tiririca seja o professor de português dessa criatura, até porquê o Tiririca é cearense e com certeza não iria ensinar preconceito, nem genética, visto que a distinta moça descobriu uma "raça" dentro da raça humana. Brincadeira a parte, temos é que nos valorizar, aumentar nossa auto estima e aproveitar nosso Nordeste. Temos também que cobrar dos governantes que realmente desenvolvam de forma real e significativa nossa infra estrutura, como também a educação de nosso povo.

  4. Será que um otário desses merece resposta??????
    mas afinal de contas gente sem moral e cheio de preconceitos não faltam.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *