Diversos

FOTOS: Doria toma sol sem máscara em piscina de hotel de luxo no Rio em meio a turistas e vira alvo de críticas em meio à pandemia

Foto: Reprodução

No momento em que o Brasil ultrapassa 473 mil óbitos por Covid após 135 dias com média móvel de mortes acima de 1.000, o governador João Doria (PSDB) foi flagrado sem máscara tomando sol na piscina de um hotel em meio a turistas neste domingo (6) no Rio de Janeiro.

A atitude foi criticada depois que imagens do tucano viralizaram em redes sociais. Doria é um dos principais críticos da política do presidente Jair Bolsonaro de ignorar as regras de distanciamento durante a pandemia.

“O governador João Doria estava neste domingo no hotel Fairmont, no Rio de Janeiro, em momento de descanso com a esposa e não promoveu nenhum tipo de aglomeração”, diz nota do Governo de São Paulo.

Sem mencionar o nome de Doria, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), filho do presidente Bolsonaro, publicou um vídeo curto e escreveu: “‘Lockdown, fome e desemprego pra você, marquinha pra mim…’ Duvido você acertar quem é esse tomando vitamina D! Sabe?”

Outro filho do presidente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), também compartilhou imagens e afirmou: “Esse é o cara que queria ser líder do país”.

O Brasil registrou 866 mortes pela Covid-19 e 41.114 novos casos da doença neste domingo (6) do fim do feriado prolongado de Corpus Christi. Assim, o país chega a 473.495 óbitos e a 16.946.100 pessoas infectadas pelo coronavírus desde o início da pandemia, no ano passado.

É comum que em finais de semana e feriados os números diminuiam por causa dos plantões nas secretarias de Saúde estaduais.

A média móvel de mortes ficou em 1.629 óbitos por dia —o número está há 135 dias acima de 1.000 mortes diárias, considerado um patamar bastante alto.

Doria já havia provocado controvérsia ao viajar para Miami nas vésperas do Natal de 2020, em meio a um anúncio de endurecimento do plano estadual de contenção da pandemia do novo coronavírus.

Na ocasião, ele planejava tirar licença de dez dias, mas mudou de ideia com a revelação de que seu vice, Rodrigo Garcia, tinha contraído a Covid-19.

Em vídeo na época, o tucano se desculpou e disse que reconhecia o erro. “Desculpas para aqueles que imaginaram que eu estivesse aqui deixando a cidade, o estado de São Paulo, depois de medidas restritivas para desfrutar de uma vida confortável, com menos restrições, em Miami. Não houve esse gesto de pouca responsabilidade da minha parte.”

Folha de São Paulo

Opinião dos leitores

  1. Essa é a pandemia das mentiras, da hipocrisia e da politicagem. O povo brasileiro está tendo uma excelente oportunidade para separar o joio do trigo. Enquanto o povo em geral usa máscaras, muitas máscaras “famosas” estão caindo.

  2. É piada da pesada!
    Em meio uma crise sanitária imprevisível, o governo de SP escalope de sua cidade para desfrutar as delícias do Rio. Como se tudo estivesse as mil maravilhas e esquecendo os seus mortos.

  3. Só quem pode ir pra hotel de luxo é Flávio Bolsonaro? Como bem diz o presidente ele está tomando vitamina D. Está sozinho sem aglomeração.Contra fatos não há argumentos.

    1. O problema não é a máscara, muito menos o sol, é claro. O problema é a hipocrisia. Mas vc com certeza sabe disso. É que vc faz parte do problema.

  4. Impossível ser o Doria. É mentira. Ele nos ensinou a fechar nossas empresas, cancelar nossas viagens, suspender atividades físicas ao ar livre e ficar em casa. Para o COVID19 não nos pegar. #ObrigadoDoria #EsquerdaHipocrita

  5. essa manchete é tendenciosa!! Bruno quando bolsogenonaro estiver aglomerando, aí você faça uma postagem também neste sentido. não deixe de postar esse comentário afinal nós vivemos em uma democracia.

    1. O problema não são as máscaras nem tampouco o sol, é claro. O problema é a hipocrisia. Mas, vcs sabem disso. Se fazem de doidos prá tentar passar melhor.

  6. O problema não é tanto ele estar em um hotel pegando sol, o problema que ele sempre defende que o cidadão fique em casa, sendo que ele faz o contrário, nunca para em casa.

    1. Exatamente. Mas, a esquerdalha insiste em mais uma narrativa mentirosa. Essa gente não tem jeito.

  7. O maior vírus que assola o Brasil é o da hipocrisia, são inúmeros exemplos: professores do serviço público que estão com seus filhos em escolas particulares com aulas semi-presenciais; a turma do fique em casa se aglomerando e ainda posta em redes sociais; pessoas com alto poder aquisitivo que não ajudam ninguém, mas falam de empatia; tem os que são contra o tratamento precoce, mas quando adoecem são os primeiros a tomar;….
    E por ai seguem vários exemplos, existe um ditado que fala ” A palavra Educa, mas o exemplo arrasta”.
    Atualmente no Brasil o ditado mais utilizado é: ” Faça o que digo, mas não faça o que eu faço “

  8. Se ele pagou o hotel com o dinheiro dele, ninguém tem nada a ver com isso.
    O bananinha ficou puto por que o papai genocida dele aglomera e leva o vírus pra onde vai, só isso.

  9. Esse genocida do calça cravada pode ficar sem máscara, que tem o apoio das midiaslixo, dos esquerdopatas e dos hipócritas.

    1. Vai tu pra praia e usa máscara…tua cara vai ficar mais feia do que já é…

    2. Pessoal da esquerda apoiando Dória??? Tá sabendo legal… Kkkkkkk

  10. Dória é um imbecil! Mas perto do MINTO que aglomera em tudo quanto é lugar e raramente usa máscara nem obedece o distanciamento social , o “calcinha apertada” não usar máscara no momento de lazer dele não causa mal algum… E o bananinha ficar alardeando isso nas redes sociais só mostra que ele não trabalha e não tem o que fazer já que projeto que é bom não apresenta nem aprova NENHUM!

    1. Estão os bolsominiun procurando pêlo em ovos.Fracos em argumentos.

    2. Calígula, a diferença entre eu, Dória e Bananinha, é que não concorri a cargo público! Quem concorre tem que prestar contas à população! Mas eles também podem comprar apoio com cargos para ter gente como vc o defendendo o dia todo né!?

  11. O cara está isolado,distante dos outros,bem diferente do abraço de tamanduá dado pelo presidente em inúmeros locais.

    1. Esse cara, diferente do presidente, é estranho kkkkk, comportamento de camaleão.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

FOGO NO PARQUINHO: Acabou chance de conversa do DEM com Doria para falar sobre 2022, diz ACM Neto

Foto: Instagram/ACM Neto

A estratégia de convencer seu vice Rodrigo Garcia a migrar do DEM para o PSDB tirou o partido de ACM Neto da mesa de negociações com João Doria (SP) para 2022, o que tende a isolar o governador em suas tratativas políticas para a campanha presidencial.

A leitura é do próprio presidente do DEM, ACM Neto, que diz ao Painel que Doria já havia sido avisado em reuniões das consequências dessa estratégia caso decidisse prosseguir com ela.

Nesta sexta-feira (14), Garcia oficializou sua troca de sigla.

O presidente do DEM diz que deseja que a dobradinha histórica do DEM com o PSDB seja mantida e que se esforçará nesse sentido, mas que encara o partido e Doria separadamente.

ACM Neto diz que Doria vinha fazendo pressão para que Garcia trocasse de sigla.

“O partido vinha acompanhando isso. Tentei ponderar várias vezes com o governador, argumentando que era um erro estratégico. O PSDB de São Paulo estava desconsiderando o fato de que o DEM sempre esteve ao lado deles. Estivemos ao lado de Doria nas eleições de prefeito e de governador. Nacionalmente também. Forçar um quadro do DEM a ir para o PSDB é altamente incompatível com essa história. Uma postura altamente individualista, na minha opinião, fruto de projeto pessoal do governador, que desconsidera que o momento é de unir, e não dividir”, continua o presidente do DEM.

Doria disputará as prévias do PSDB em outubro para tentar ser oficializado como candidato presidencial do partido. Chegar à disputa com a preterição do DEM pode ser um peso negativo para o governador.

“Não tenho dúvida de que foi um cálculo errado. Isso o isola ainda mais. Ele está longe de ser unanimidade no PSDB e amanhã ou depois, ainda que seja escolhido pré-candidato, limita muito o espaço dele de construção política, já que com o aliado histórico ele não terá nem clima para conversar”, diz o ex-prefeito de Salvador.

ACM Neto afirma que já conversou com Bruno Araújo sobre o ocorrido e que não tratou especificamente de Doria, mas procurou deixar claro que as conversas sobre projetos conjuntos nacionalmente e estadualmente seguem intactas.

Sobre Rodrigo Garcia, ele afirma que ainda precisa discutir o destino político do partido no estado, mas que não está brigado com o vice-governador paulista por entender que a responsabilidade pelo episódio é inteiramente de Doria.

Folha de São Paulo

Opinião dos leitores

  1. Acabou a chance do DEM de voltar a ter alguma relevância. O DEM sai menor, fraco e irrelevante.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

CONSTRANGIMENTO: Doria diz que não sabia do uso de tecnologia estrangeira na Butanvac

Foto: Reprodução/CNN Brasil

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), foi questionado nesta segunda-feira (29) sobre o porquê dele não ter citado o uso de tecnologia estrangeira no desenvolvimento da Butanvac, vacina do Instituto Butantan, que foi anunciada como “100% brasileira.” (ASSISTA VÍDEO AQUI).

O hospital Mount Sinai, de Nova York, afirmou que a Butanvac se utilizou de pesquisa desenvolvida nos Estados Unidos. Doria minimizou o fato e disse que, no momento, qualquer tecnologia e ajuda é bem-vinda para combater a pandemia.

“Entendo que a Butanvac é uma vacina nacional, brasileira. Importante é termos a vacina e temos uma vacina nacional. Se ela tem parte dela via tecnologia internacional, é uma boa contribuição, positivo. Temos que combater a pandemia com todas as forças disponíveis,” disse o governador.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. O Doria já lucraria politicamente com o anúncio de uma vacina produzida pelo Butantã sem pagar royates, e é uma ótima notícia, mas ele força a barra demais aí vem com uma forçação de barra de 100% brasileira, parque? Só pra tentar livrar mais politicamente. Resultado falou demais, aí sai por mentirosos e enganador.

  2. É necessário ser muito sem noção, para não ver nesse indivíduo, as suas péssimas qualidades. O pessoal do PSDB, cheio de lagartixas, percebeu logo com quem estava andando e já lhe deu um canto de carroçeria.

  3. Da boca do Doria só sai mentira, incrível como esse cara mente descaradamente, não tem carisma, só ganhou a campanha para governo do Rio com o slogan "bolsoDoria" e um palhaço mesmo, o estado de São Paulo tem o maior índice de morte do Brasil ele desativou os leitos antes da hora, fala tanto em ciência e faz o contrario.

    1. Já? Porque já? O governo federal demorou uma eternidade pra se mexer e só fez por conta de Doria.

    2. Larga de ser Otávio e desinformado.
      No mesmo dia que ANVISA aprovou vacinas já foram distribuidas.

    1. E porque o estardalhaço para divulgar que era 100% brasileira. "Agora vai dizendo número sem nem pensar" luladrão sobre os dados brasileiros. Parceria esquerdalha que dá certo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

PRESIDENCIÁVEL: Governador gaúcho, Eduardo Leite surge como alternativa a Doria em 2022

O pontapé simbólico ocorreu no último dia 11, em uma churrascada no Galpão Crioulo, que fica na área externa do Palácio Piratini, sede do governo gaúcho, em Porto Alegre. Enquanto as peças de carne nobre assavam, o governador Eduardo Leite (PSDB) era aclamado como o mais novo pré-candidato à Presidência para 2022 pela comitiva de deputados tucanos de vários estados. Não por acaso, o convescote ocorreu apenas três dias após um jantar organizado pelo governador paulista João Doria (PSDB), onde ele tentou reivindicar o controle do partido para pavimentar a sua pretensão de ser o escolhido na disputa pelo Planalto — a iniciativa repercutiu muito mal internamente e desembocou na revoada de correligionários para o evento no Sul.

Foto: Arte/Veja

Na ocasião, Leite disse que “aceitava a missão” de debater um plano de propostas para o Brasil. Para um político conhecido pelo cuidado com que mede as palavras, a declaração não passou de um eufemismo para transmitir a seguinte mensagem: sim, ele é candidatíssimo. O nome de Leite já é veiculado há algum tempo como uma aposta futura para os projetos nacionais do PSDB, mas nunca um grupo havia ido até a sua presença levar o tal do “cavalo encilhado”, que um outro gaúcho célebre, o ex-governador Leonel Brizola, tornou famoso em uma frase sobre a importância de, na política, nunca perder a oportunidade quando ela se apresenta.

Em um partido como o PSDB, com enormes dificuldades de renovação em seus principais quadros, o político de 35 anos percorreu até aqui uma trajetória promissora. Tendo no currículo um elogiado mandato como prefeito de Pelotas, cidade de 343 000 habitantes no interior gaúcho, e apenas dois anos como governador, Leite já mostrou qualidades. A principal delas foi construída em meio ao cenário de terra arrasada que recebeu: um estado quebrado, que não conseguia pagar em dia nem o salário do funcionalismo. Com uma reforma fiscal e administrativa, que mexeu em questões sensíveis como o plano de carreira do magistério e regras de aposentadoria, ele diminuiu o déficit previdenciário em 17% — a primeira queda desde 2010 —, estancou o crescimento da folha do funcionalismo e colocou os vencimentos dos servidores em dia após cinco anos de atrasos e parcelamentos.

O governador também conseguiu uma aprovação, embora com ressalvas, do plano do estado para entrar no Regime de Recuperação Fiscal — o seu antecessor, José Ivo Sartori (MDB), teve a proposta rejeitada em 2017. Para efeito de comparação, outro estado importante em situação de penúria fiscal, Minas Gerais não conseguiu ter a sua proposta aprovada porque o governador Romeu Zema (Novo) concedeu reajustes salariais ao funcionalismo, o que vai na contramão de uma boa política fiscal de um estado em grave crise. “Eu diria que o Eduardo Leite fez avanços que nenhum outro governador recente conseguiu. Retirou os penduricalhos dos salários, à exceção dos militares, e conseguiu reduzir os gastos de pessoal”, aponta o economista Raul Velloso, especialista em contas públicas. Para Gil Castello Branco, da Associação Contas Abertas, ainda que insuficientes, as medidas apontam ao menos para a melhora do quadro. “A economia do estado está na UTI. Tal como ocorre com os tratamentos de saúde, os remédios podem ser venenos dependendo da dosagem. Creio que o governo está aplicando a medicação com cautela”, afirma.

Lidar com abacaxis fiscais não é uma novidade para Leite. Apesar de formado em direito, ele estudou gestão pública na Universidade Columbia (EUA) e fez mestrado em gestão e políticas públicas na FGV-SP. Filho de uma família de classe média (os pais são professores da rede federal e os irmãos, servidores públicos), ele chegou aos 23 anos à Câmara de Vereadores de Pelotas, depois de entrar para a política pelas mãos do pai, José Luis Marasco Leite, que disputou sem sucesso a prefeitura em 1988. Em 2012, Eduardo Leite foi eleito, aos 27, o prefeito mais jovem da história de sua cidade. Focou os seus esforços na melhoria da gestão da máquina e na aplicação dos recursos públicos — ganhou apoio popular ao retirar verba do desfile das escolas de samba para subsidiar a abertura de uma unidade de saúde.

Se as contas do Rio Grande do Sul eram uma encrenca conhecida, a pandemia foi um desafio inesperado. Mas aí ele também saiu-se bem. Com políticas acertadas, como dobrar o número de leitos de UTI e promover a defesa ostensiva da vacinação e do uso de máscaras, ele conseguiu evitar o pior: o estado é hoje o 17º do país em número de mortes pela Covid-19, na proporção da população. A partir da análise de dados e com a ajuda de médicos, universidades, setores econômicos e prefeituras, ele montou um modelo chamado de Distanciamento Controlado, no qual o estado passou a adotar graus variados de isolamento social dependendo do avanço do vírus e baseado em onze indicadores, como número de óbitos e ocupação de leitos de UTI. “Ele conseguiu mostrar a imagem de gestor, aparecendo quase todos os dias na casa das pessoas”, diz Jefferson Jaques, diretor-presidente do Instituto Methodus, que produz pesquisas internas para partidos. Na avaliação mais recente de sua gestão, do Ibope, feita em outubro de 2020, só em Porto Alegre, 29% avaliavam o governo de Leite como ótimo ou bom, 30% consideravam ruim ou péssimo e 39% o tinham como regular.

Apesar das conquistas importantes na saúde e na área fiscal, Leite tem muito o que avançar na gestão do estado. Em relação às contas públicas, por exemplo, ainda tem um abacaxi de 78 bilhões de reais em dívida, sendo quase 90% dela com o governo federal, que o estado não paga há cinco anos, amparado por uma liminar do Supremo Tribunal Federal. Ele também tenta tirar do papel uma de suas promessas, a de privatizar três companhias estatais do setor de infraestrutura (veja o quadro). Na educação, não conseguiu cumprir as metas do Ideb (indicador da educação básica) em 2019 e enfrenta pressão dos professores por reajuste salarial. “A educação é um caos. Temos um governo que está se destacando em fechamento de turmas e escolas e desvalorização de professores”, diz Helenir Schürer, presidente do sindicato da categoria, que, ao lado de outras, fez protestos quase diários durante a reforma empunhando cartazes chamando o governador de “Eduardo Mãos de Tesoura”. Vice-líder do PT na Assembleia, Fernando Mainardi afirma que as reformas pesaram no bolso dos servidores. “Os professores, assim como o funcionalismo, estão oito anos sem reajuste. Na Previdência, ele passou a cobrar de quem ganha abaixo do teto. Ou seja, cortou gastos à custa dos trabalhadores”, afirma.

Mas mesmo entre os inimigos há alguma boa vontade com Leite. O próprio Mainardi reconhece que o rival é “uma pessoa correta, de diálogo”. Leite, vira e mexe, atravessa a rua e vai à Assembleia, que é vizinha ao Piratini, negociar diretamente com os parlamentares, além de visitar os sindicatos. Com esse estilo, formou uma base com mais de quarenta dos 55 deputados, mesmo o PSDB tendo apenas quatro cadeiras. Por mais que sejam simbólicos, ele faz gestos para agradar a gregos e troianos. Encampou, por exemplo, um projeto da opositora Luciana Genro (PSOL) que proibia queima de fogos de artifício acima de 100 decibéis — e tirou uma foto ao lado dela no palácio. Na inauguração da duplicação da RS-118, convidou os ex-governadores Germano Rigotto (MDB), Yeda Crusius (PSDB), Tarso Genro (PT) e Ivo Sartori (MDB) para participar do evento — eles não foram, mas Leite, no discurso, disse que a estrada só saiu por contribuição deles. “Ele não vê os opositores como inimigos”, propagandeia o secretário da Casa Civil, Artur Lemos, um dos seus articuladores políticos. “O gaúcho sempre teve a imagem de brigão. Hoje, enquanto o Brasil inteiro está brigando, temos um governador que busca a conciliação”, completa Leany Lemos, presidente do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul. Na visão dos aliados, Leite é contra a “grenalização da política”, em referência ao clássico Grêmio x Internacional — ele também foge dessa polarização do futebol gaúcho e diz torcer para o pequeno Brasil de Pelotas.

O flerte de parte do PSDB com Leite, inclusive de caciques como o senador Tasso Jereissati (CE) e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso — de quem recebeu apoio político e financeiro nos seus estudos no exterior —, começou já em 2018, quando chamou a atenção o fato de ele não ter se alinhado automaticamente a Jair Bolsonaro, como fez Doria. A aproximação cresceu à medida que o paulista foi empilhando o que tucanos influentes classificam como erros decorrentes de pura inabilidade política, como a mudança abrupta do figurino de seguidor de Bolsonaro para opositor ferrenho. “Surgiu uma nova liderança, que além de ser bom gestor mostrou habilidade política”, diz o deputado Domingos Sávio (MG), vice-presidente do PSDB. No mesmo dia em que foi aclamado pré-candidato, FHC ligou para o governador gaúcho. Deu sinal verde para a candidatura, mas pediu para ele evitar fraturas na sigla.

Apesar do movimento em favor de Leite, não é possível considerar Doria carta fora do baralho. Além de governar de forma competente o estado mais rico do país, ele tem a seu favor o histórico em prévias, ao vencer, quando pouca gente apostava nisso, nas eleições para a prefeitura e o governo de São Paulo. Para muitos, o aceno a Leite também pode ser interpretado como uma tentativa de frear a tentação de Doria de controlar o partido. “Pode ser o lançamento de um nome que, embora não tenha grandes chances de vitória em 2022, reconstitua o processo de alternativas das lideranças do partido”, diz o cientista político José Álvaro Moisés, da USP. Feito o voo inaugural, o gaúcho agora pensa em como reforçar o seu nome. O plano é construir um programa de pautas para o país que congregue diversos partidos de centro e especialistas de diferentes correntes ideológicas. A estratégia envolve ainda participar o máximo possível de videoconferências para se tornar mais conhecido fora do Rio Grande do Sul.

A equação do PSDB passa por não repetir os erros de 2018, quando Geraldo Alckmin protagonizou o fiasco de terminar com 4,76% dos votos, porcentual próximo ao que apresenta Doria hoje nas pesquisas, apesar da tremenda vitória política obtida com sua aposta na CoronaVac. Em busca dos eleitores que migraram para Bolsonaro em 2018, incomoda parte do partido o exagerado tom de oposição de Doria, enquanto Leite se mantém moderado. O desafio de ambos, no entanto, é muito parecido — se tornar conhecido nacionalmente. No caso de Leite, com uma dificuldade adicional: o seu ativo, por ora, é a austeridade fiscal, infelizmente de pouco apelo junto às massas. Mas, seguindo o conselho de Brizola, o governador montou no cavalo encilhado e se mostra um desafiante sério para ser o presidenciável no hoje dividido ninho tucano.

Veja

Opinião dos leitores

  1. Qualquer um é melhor que o atual.
    O Bozo falha em todos quesitos. Principalmente educação pessoal!

  2. Esse é mais da turma do PSDB, da turma de Aécio Neves, Dória, FHC, Serra, Azeredo, Alckmin. Todos com problemas na justiça. Esse é o PSOL Kiss.

  3. O calcinha apertada já tá fugindo da candidatura à presidência kkkķkkk.
    A Doriana poderia ter a Pepa Pig e Alexandre Frota seria o 1° Damo kkkkkk

  4. O problema da educacao é o modelo sindical.. onde a educacao nao importa, so o sindicato. Educacao com cabresto sindical é coisa implantada pelo PT, por isso que nao funciona a contento no Brasil e é um ralo de dinheiro publico. Ineficiente porque se gasta muito, vive em greve pensando em salario e em partidos politicos. Educacao publica tem medo de concorrencia privada e de homeschooling. Ate a ciencia no Brasil acabou-se.. hoje é ciencia da ideologia… E nao adianta dar exemplos raros, excessao nao é regra.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

PSDB mantém Bruno Araújo presidente e decisão é derrota para João Doria

Foto: Divulgação/PSDB

A Executiva Nacional do PSDB aprovou nesta 6ª feira (12.fev.2021), por unanimidade, a prorrogação do mandato de Bruno Araújo como presidente do partido. A decisão configura derrota política para o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que almejava assumir o controle da sigla.

Ex-ministro e ex-deputado, Bruno Araújo foi eleito presidente tucano em 2019, substituindo Geraldo Alckmin com o apoio do próprio João Doria, que via em Araújo um rosto para personificar seu projeto de “novo PSDB”. O mandato do ex-ministro como presidente do partido se encerraria em maio deste ano, mas agora foi estendido até maio de 2022.

João Doria postulou o comando do partido em reunião realizada na 2ª feira (8.fev) com integrantes da cúpula tucana. No dia seguinte, divulgou nota cobrando a expulsão do deputado Aécio Neves (PSDB-MG) dos quadros da legenda. A exposição pública do racha no partido motivou reação de aliados do mineiro.

Na 4ª feira (10.fev), os presidentes de 26 diretórios estaduais do PSDB assinaram ofício em apoio à permanência de Araújo no comando do partido, contrariando as ambições de Doria. O movimento foi endossado por deputados e senadores tucanos.

“Os parlamentares estão certos de que, com a decisão, o partido seguirá mantendo a democracia interna e a convergência na busca de soluções para que o país possa vencer a pandemia e retomar o crescimento com justiça social”, escreveram deputados e senadores, em notas praticamente idênticas.

A indisposição de alas do PSDB com o movimento de Doria teve outro efeito colateral para o paulista. Além de ver a pretensão de assumir o comando da sigla ir pelo ralo, o pré-candidato à Presidência em 2022 também abriu caminho para o fortalecimento de outra liderança tucana, o governador gaúcho Eduardo Leite.

Em almoço realizado nessa 5ª feira (11.fev) com 10 deputados e 1 senador do PSDB, o governador do Rio Grande do Sul ouviu apelos para que desse início a uma campanha para tornar seu nome conhecido no país.

O Poder360 apurou junto a deputados que participaram da reunião que o convite deve ser aceito. Mas de forma cautelosa. A ideia é começar por viagens na região Nordeste. O senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL), que estava no encontro, ficaria responsável por organizar parte da agenda futura.

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. Doria doriana não decola nem dentro do partido.
    Derrotado.
    Já não se reeleger governador de São Paulo.
    Lascou se.

  2. Esse calça justa não serve nem para presidente de partido politico , imagine querer ser presidente do Brasil. Só leva peia .

  3. Esse calça colada tinha mesmo era que parar de querer aparecer. Só leva na tarraqueta e não se manca.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

RACHA: Doria mira candidatura à Presidência, tenta presidir PSDB e amplia crise no partido

João Doria, Aécio Neves e Bruno Araújo Foto: Editoria de Arte

Em mais uma tentativa de viabilizar sua candidatura à Presidência da República em 2022, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), apresentou a integrantes da cúpula do seu partido um plano para assumir o comando do PSDB nacional, afastar o deputado mineiro Aécio Neves e abrigar dissidentes do DEM, como o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (RJ). O movimento expôs uma divisão no partido e foi visto por alguns tucanos como apressado, já que ninguém na legenda havia sido consultado previamente.

A nova ofensiva de Doria, explicitada durante um jantar no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista, na noite de anteontem, acontece uma semana após o DEM ter rachado ao desembarcar do bloco de Baleia Rossi (MDB-SP), candidato apoiado por Maia e derrotado na disputa à presidência da Câmara. A eleição de Arthur Lira (PP-AL), apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro, também deixou claro que Doria não tem todos os votos da bancada federal do PSDB, que também se dividiu.

Deputados do PSDB, alguns ligados a Aécio, pretendem ir ao Rio Grande do Sul pedir ao governador Eduardo Leite que coloque à mesa sua candidatura ao Palácio do Planalto. Ao lado de Doria, o nome de Leite tem sido citado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso como as candidaturas mais fortes da sigla.

Tucanos avaliam que Doria estaria se antecipando para expor a cisão na sigla antes da eleição para, com isso, ter certeza de que terá apoio para sua candidatura. E se, eventualmente, não houver consenso, poder justificar uma saída do partido no futuro.

No jantar, o tucano teve apoio de integrantes de seu governo, como o ex-ministro Antonio Imbassahy, que atua em Brasília para defender os interesses do estado, do presidente estadual do PSDB, Marco Vinholi, além do presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Cauê Macris. No entanto, esbarrou em resistências internas. A começar por nomes experientes como o ex-senador Aloysio Nunes, que avaliou que, antes de comandar o partido, Doria precisaria de apoio robusto dos correligionários, o que ele ainda não tem.

Segundo aliados, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, optou por uma posição moderada durante o jantar e sugeriu a Doria que fizesse, primeiro, um levantamento na sigla para verificar se há respaldo ao seu nome antes de tomar uma decisão de candidatura para comandar a sigla.

O presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, teria demonstrado surpresa com a pauta do encontro, já que não tinha sido avisado antes da intenção de Doria de assumir a legenda e contava permanecer no cargo até maio do ano que vem. De acordo com pessoas da direção nacional do partido, a fala de Doria também causou incômodo na executiva nacional por ter atropelado a liturgia que envolve esse tipo de assunto.

Afastamento de Aécio

O plano de Doria envolve o afastamento de Aécio do partido. Além de o deputado mineiro ser réu em uma investigação de corrupção e ter sido alvo de ao menos oito inquéritos, Doria atribui a Aécio o movimento que teria levado parte da bancada do PSDB a votar em Lira.

Em coletiva à imprensa na manhã de ontem, quando anunciou a ampliação de estações do metrô da capital, o governador pregou que a sigla deve estar unida para fazer oposição a Bolsonaro. A saída de Aécio, segundo aliados de Doria, poderia servir para reafirmar o controle do governador sobre o partido.

— Pedi o afastamento (do Aécio). O PSDB não deve abrir espaços para comportamentos desse tipo — afirmou Doria. — Os que quiserem fazer vassalagem ao Bolsonaro que tenham coragem e dignidade de pedir pra sair do PSDB.

Doria chegou a dizer que sua posição tinha a anuência de Fernando Henrique, que não se pronunciou sobre o caso. O ex-presidente deve se reunir com o governador na manhã de hoje.

Aliado de Aécio, o líder do PSDB na Câmara, Rodrigo de Castro (MG), afirmou que a discussão sobre a expulsão do deputado mineiro não é “sequer cogitada” pela bancada tucana em Brasília. “Seu afastamento do PSDB já foi objeto de deliberação da Executiva Nacional e, assim, essa discussão não é sequer cogitada no âmbito da bancada federal”, afirmou Castro, em referência à votação que livrou Aécio da expulsão em 2019. O pedido havia sido motivado pelas investigações contra o ex-senador. Aécio nega todas as acusações.

Após a declaração de Doria, ele e Aécio trocaram acusações por meio de notas durante a tarde. O deputado mineiro classificou a atitude de Doria no jantar como “destemperada” e disse que o governador paulista demonstrou que pretendia “afastar o atual presidente do PSDB, Bruno Araújo, para que ele próprio assumisse a presidência”. “Se o Sr João Doria, por estratégia eleitoral, quer vestir um novo figurino oposicionista para tentar apagar a lembrança de que se apropriou do nome de Bolsonaro para vencer as eleições em São Paulo, através do Bolsodoria, que o faça, sem utilizar indevidamente e de forma oportunista outros membros do partido”, afirmou.

O governador paulista, então, fez uma tréplica. Por meio de uma nota intitulada “Doria, Aécio e novo PSDB”, disse que o partido não pode “se subordinar” a projetos que “se perderam pela conduta inapropriada em relação à ética pública”. Ainda segundo Doria, a pandemia e a crise econômica exigem “um posicionamento contrário” a Bolsonaro.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. João AGRIPINO Dória, o bobo da corte, já perdeu a graça.
    Sua arrogância, sua prepotência e seu destempero não passam de atitudes ridículas, que se parecem muito com birra de criança mimada, quando leva um bom NÃO dos pais.

  2. Pode olhar aí no YouTube.
    Onde esse canalha vai no interior de São Paulo, a vaia come no centro.
    Esse não ganha mas nem pra se reeleger, quanto mais pra presidente.
    Carta fora do baralho.
    Podem apostar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Doria pede afastamento de Aécio Neves do PSDB; governador de SP atribui ao deputado movimento que teria levado a ‘traições’ na eleição da Câmara

Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

O governador João Doria pediu o afastamento do deputado mineiro Aécio Neves do PSDB durante reunião com correligionários e líderes da sigla na noite de segunda-feira no Palácio dos Bandeirantes.

Doria atribui ao deputado mineiro um movimento que teria levado a uma série de traições na bancada do PSDB na eleição à Câmara dos Deputados, na semana passada, quando o partido apoiava formalmente Baleia Rossi (MDB-SP), que acabou derrotado na disputa.

Aécio nega ter atuado a favor de Arthur Lira (PP-AL), cuja candidatura tinha o apoio do presidente Jair Bolsonaro e acabou vitoriosa. Doria e Bolsonaro travam embates diários com vistas às eleições de 2022.

Para pessoas próximas de Doria, a ação de Aécio seria uma retaliação ao movimento do governador para tirá-lo da sigla. Em agosto de 2019, quando o PSDB rejeitou o pedido de expulsão do mineiro, Doria afirmou que o “velho PSDB esconde sujeiras” e que iria “até o fim” para expulsar Aécio, investigado na Lava-Jato.

O tucano conseguiu se livrar da punição com 33 votos a seu favor na Executiva e apenas três contra, provando o seu cacife interno. O relator do processo interno, que descartou a punição, foi o deputado Celso Sabino (PA), que, recentemente, defendeu publicamente a candidatura de Lira.

Em coletiva de imprensa nesta manhã, quando anunciou a ampliação de estações do metrô da capital, Doria confirmou sua nova ofensiva contra Aécio.

– Pedi o afastamento (…) O PSDB não deve abrir espaços para comportamentos desse tipo. Mas você não pode ter dissidências num partido que se posiciona com clareza a favor da vida, em defesa da democracia, da saúde e do meio ambiente. E deputados e senadores defendendo o oposto. Isto não é partido. Então aqueles que tenham pensamento distinto que tenham dignidade e coragem e peçam pra sair. Se tiverem coragem que saiam. É a atitude que se espera de alguém com o mínimo de dignidade. É o que se espera de um parlamentar, que foi eleito pelo voto popular. Então respeite o voto e a democracia e saia – afirmou Doria.

Réu por corrupção e obstrução de Justiça, o mineiro é acusado de receber propina do empresário Joesley Batista. Ele nega os crimes. Procurado, Aécio ainda não se manifestou.

Enquanto busca ampliar seu espaço no PSDB para uma eventual candidatura em 2022, Doria também tem atuado para atrair parte do DEM, que vive um racha interno e cuja direção nacional se nega a fazer oposição a Bolsonaro. A estratégia do tucano passaria pela filiação do deputado Rodrigo Maia e do seu vice, Rodrigo Garcia, que comanda a sigla no estado de São Paulo.

A ideia de Doria sempre foi emplacar Garcia para sucessão no governo estadual em troca de apoio do DEM numa eventual candidatura ao Planalto. Agora, porém, diante da incerteza sobre o posicionamento da sigla, a solução seria filiar Garcia ao PSDB. Os tucanos pretendem manter a hegemonia no governo do estado mais rico do país, onde governam há quase 25 anos ininterruptamente.

Nos últimos dias, Maia se insurgiu contra o presidente do DEM, ACM Neto, e acusa o antigo aliado de abandonar o bloco de Baleia Rossi na eleição da Câmara e se aliar ao governo Bolsonaro.

Doria vai receber ACM Neto nesta noite para um jantar no Palácio dos Bandeirantes. Mais cedo, Doria negou estremecimento na relação com o DEM.

– Não há distanciamento na relação com ACM Neto, tanto que o receberemos junto com o ex-deputado e ex-ministro Mendonça Filho. Não rompemos esta relação, mas o nosso alinhamento sempre foi com o deputado Rodrigo Maia – disse Doria.

O governador ainda frisou que quer estar junto com Maia no que chamou de “frente democrática” e frisou que sua posição e do PSDB são de oposição ao presidente Jair Bolsonaro.

– Os que quiserem fazer vassalagem ao Bolsonaro que tenham coragem e dignidade de pedir pra sair do PSDB –, concluiu o governador.

O Globo

 

Opinião dos leitores

    1. Verdade. Só imbecis não notam o esforço hercúleo da imprensa pra esconder que SP detém um dos piores índices de mortalidade por COVID19 no Brasil. Tudo em defesa da agenda esquerdista, nisso são unidos.

  1. Esse Doria só engana os trouxas do MBL. Um partido cheio de corrupto, ele, Serra, Alckmin, Beto Rocha, Aloysio Nunes, Marconi Perillo, Azeredo e Aécio. Expulsa um e fica 200 . SP governado por Dória com o maior número de mortes.

  2. Pense numa menina fofoqueira e que gosta de barroca. Misericórdia… uma coisa dessa, sem relevância quer ser presidente do Brasil… Deusnuslivre

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Doria ameaça ir ao STF contra governo federal por habilitação de leitos de Covid-19

Foto: Governo do Estado de São Paulo

João Doria afirmou que pretende recorrer ao STF se o Ministério da Saúde não informar até o fim desta segunda-feira (8) o prazo para habilitar os leitos de internação para Covid-19 no estado que deixaram de ser custeados pelo governo federal, registra a Folha.

Na quarta-feira passada (3), o secretário paulista da Saúde, Jean Gorinchteyn, havia informado que, dos cerca de 5.000 leitos custeados pelo governo federal no estado de São Paulo até o fim de 2020, apenas 564 estavam habilitados este ano.

A habilitação prevê repasse de verba para custos com profissionais, equipamentos e insumos para manutenção do funcionamento dessas vagas de internação no SUS.

Em coletiva nesta segunda, o governador paulista afirmou que a Procuradoria-Geral do Estado já foi autorizada a conduzir a questão na Justiça caso a resposta não venha ainda hoje.

O Antagonista

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS E VÍDEO: Caminhoneiros protestam contra Doria por causa do aumento do ICMS em SP

 Fotos 1 e 2: Alexandre Calado/TV Globo; foto 3: Cíntia Acayaba/G1 SP

Motoristas de caminhões estavam fazendo carreata com buzinaço na manhã desta quarta-feira (27) em protesto contra o aumento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na cidade de São Paulo. Distribuidores de mercadores do estado também participam do ato. O governo paulista divulgou nota informando que a manifestação tem caráter político e foi convocada por simpatizantes bolsonaristas. ASSISTA VÍDEO AQUI.

Por volta das 8h, os veículos se reuniram em frente ao Estádio Municipal do Pacaembu, na Zona Oeste da capital, e saíram em direção a quatro locais: a sede do governo estadual, no Morumbi, na Zona Sul, o Ministério da Fazenda, e nas marginais Pinheiros e Tietê.

Os motoristas querem que seja retirado o fim de isenção do ICMS. O aumento do imposto acarretaria, segundo eles, um acréscimo de carga tributária de 12% a 13%.

O número total de caminhões envolvidos no ato não foi divulgado, mas a expectativa dos organizadores é de que cerca de 900 veículos participem da manifestação. A Polícia Militar (PM) e a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) acompanham o ato.

Com G1

Opinião dos leitores

  1. Podem pesquisar.
    Ja ouve um tratoraço no estado inteiro.
    Por onde esse calça justa passa em São Paulo, a váia come no centro.
    Podem pesquisar.
    Tá no YouTube.

  2. Eis o jeito esquerdista de governar !!! Impostos e mais impostos. Enquanto isso o governo federal corta impostos !!! Só não vê quem não quer.

    1. Dória, a guinada liberal do PSDB é esquerdista, é cada politizado por whatsapp que a gente vê por aqui.

    2. muuuuuuuuuuuui liberal… aumentando impostos.
      Fechando comércios.

  3. Querem transferir o título de genocida do presidente para o gov de SP.
    Gasolina vai pra R$ 7, botijão de gás R$ 100.
    O gado se faz de cego, surdo e mudo.

    1. Zé Gado, não sei nem como classificar seu comentário. Burrice talvez? Quem majora preço de gás ou gasolina, não só governo, especialmente o federal, já que boa parte da composição desses preços, são o próprio ICMS. Agora aumentar ICMS é uma “ir”- responsabilidade do governo estadual.

    2. Além de variar de acordo com o mercado internancional. Todas as petroleiras saudáveis têm suas obrigações amarradas ao dólar. Ou se aguenta isso, ou se fica sem petroleira. Por mim, já deviam ter privatizado, mas é o que se tem no curto prazo (ou se quebra, fazendo populismo com os preços). Quer que a gasolina baixe (ou seu eu também quero): faça reformas para atrair capital produtivo – inclusive destravando o marco do gás – e rezem para o Golfo Périsco não explodir.

    3. Esse cara é um energúmeno, não estuda porra nenhum, só repete que nem papagaio, é tão covarde que nem o nome dele tem coragem de colocar nos comentários.

  4. Doria vai matar o povo de fome. Vao colocar a conta da publicidade dele nas costas do povo. Genocida.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Vacinação adiantada de Doria divide governadores e gera mal-estar em grupo de WhatsApp

A decisão de João Doria (PSDB-SP) de aplicar a primeira vacina nesse domingo (17) gerou mal-estar. Em grupo de WhatsApp de governadores, Wellington Dias (PT-PI) disse que a atitude foi lamentável. “O entendimento sempre foi o Brasil numa mesma data. Um estado coloca os demais como de segunda categoria”, escreveu.

A insatisfação chegou a Eduardo Pazuello (Saúde), que sentiu confiança para convidar governadores a um ato simbólico nesta segunda-feira (18).

Até o fim da noite, Doria não tinha respondido no grupo. Nos bastidores, governadores se dividiram. Alguns dizem ter sido uma atitude previsível do tucano, de explorar politicamente os efeitos do acerto de ter apostado na ciência e na vacina contra o negacionismo de Jair Bolsonaro e seu ministro. Outros endossaram a crítica.

Na visão de parte do grupo, a ação do governador paulista deu sobrevida a Pazuello. Quem não concordou decidiu ir para o lado do enfraquecido ministro com a justificativa de que devem todos se unir ao plano nacional de imunização.

Quem criticou Doria diz que o ato convocado pelo titular da Saúde estará maior por causa da insatisfação gerada. Alguns deles tinham o mesmo discurso de Pazuello: a vacina é do SUS, não de SP. Convidado para a cerimônia, Doria enviará o vice-governador Rodrigo Garcia (DEM) em seu lugar.

Desde o início da pandemia, o governador de São Paulo tomou a liderança em medidas que observavam a ciência, enquanto o presidente da República tentava minimizar a pandemia.

De um lado, Doria apostou em ações de isolamento social da população, seguindo orientação de especialistas, e, de outro, passou levantar a bandeira da vacina. Virou, assim, o maior contraponto a Bolsonaro, tendo apoio também de colegas governadores.

Painel – Folha de São Paulo

Opinião dos leitores

  1. Querem apadrinhar a vacina, esquecem que a o SUS desembolsou milhões na terceira fase.

  2. É cada comentário bosta! Como se calça apertada fosse um jesus. Anvisa fala que a coronavac não vale merda mesmo assim liberou. Tem tbm a Oxford que é mais eficaz e só falam na coronavac, tudo politicagem! Tá chegando carnaval kkkkk

  3. O Doria apostou na ciência segundo o texto certo? Quais os números da Pandemia em São Paulo? Melhores que o resto de Brasil?

  4. só criticou Dória os governadores "CALÇA FOLOTES" que são incompetentes e só vão vacinar os seus cidadãos por causa da persistência do governo de São Paulo. Porque se fossem depender do rascunho de presidente, terminava o ano e ninguém se vacinava.

    Da mesma forma, esses incompetentes não criticam o desgoverno que chegou a envelopar um avião para nada, porque ia buscar uma vacina que a índia não vendeu.

    Mas a inveja mata… tome cuidado para não se contaminar.

    Da próxima sejam competentes e façam como Dória… trabalhe.

  5. Esse calça colada é um palhaço. 100% politicagem. Cadê os dados completos? O PCC não permite. A garota propaganda já tomou a terceira dose. Mas já que é caldo de batata, tá tudo certo kkk

    1. Verdade, competente eram os governos anteriores que faziam da corrupção a moeda de apoio comprando a mídia, congresso, empresas e financiava as ditaduras de Cuba, Venezuela e tantas outras. Competente era o governo anterior que produzia um escândalo de corrupção por mês e levou as empresas públicas a operar no vermelho por anos

  6. Não vou defender nem atacar ninguém, mas existem situações peculiares nessa pandemia.
    Qual governador ficou a frente da PROIBIÇÃO NO USO DA IVERMECTINA, CLORIQUINA e ZINCO? Qual estado brasileiro tem o maior número de mortes com covid 19? Qual governador tem dado espetáculo na mídia, fazendo da pandemia uma irresponsável disputa política?
    Qual a UNICA vacina que teve propaganda da mídia e foi defendida por 01 governador? Qual o governador, que MESMO SEM COMPROVAÇÃO CIENTÍFICA e testes DEFENDEU e COMPROU antecipadamente uma vacina?
    Se essas perguntas tiverem apenas 01 NOME como resposta, fica a dita: "PIOR CEGO É AQUELE QUE NÃO QUER VÊ e SE DEIXA MANIPULAR".

    1. Parabens pelo comentário
      Si para acrescentar por que ele fez de tudo para nao entregar os 6 milhões de dose que tinga em SP
      R É por que nao tinha 6 milhões duvido que tinha e duvido que vai vacinar o numero de pessoas que ficou de vacina lá

    2. Quem comprou foi o SUS.
      A vacina é do SUS, não é de São Paulo.
      Satisfeito??
      Esse Doria é um canalha discarado, faz da desgraça alheia, uma politicagem sebosa.
      Essa a verdade.
      Desde o início que ele faz essa presepada, tentando abafar o aumento dos impostos.
      Um cara desses não serve pra presidir um país.
      É um safado.
      Vota quem quer, mas sabendo quem ele é.
      É um Fanfarrão!!

  7. O choro é livre. Queria que minha Governadora também pulasse a frente e começasse logo a vacinação. Farinha pouca meu pirão primeiro. Quero ver o morador de São Paulo reclamar. Cambada de babacas quem critica. Ele bancou a vacina do Butantã, então ele que receba os louros e Bolsonaro que se lasque.

  8. Dória pode ser tudo, agora ninguém pode tirar dele o direito de ser o maior responsável pelo o programa de vacinação no Brasil.
    Reagiu todas as teses negativistas de Bolsonaro e seus comparsas, investiu no Butantã, produziu e estocou vacinas, enquanto o Presidente insistia no receituário de suas grarrafadas primitivas.

  9. Governo incompetente.
    Negacionista, achismo, boiada imunda. Atrapalha quem quer agir e salvar vidas.

  10. Doria é o maior combustível desse governo. É o que ele faz que impulsiona essa cambada de milico incompetente!!!

    Obrigado, Doria!!!

    1. Melhor ser exibido que inepto como o MINTOmaníaco… Kkkkkkkk. Pense num presidente ruim , fraco…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Se Anvisa aprovar uso da Coronavac, vacinação pode ser antecipada, diz Doria

Foto: Divulgação/Governo de São Paulo

O governador de São Paulo, João Dodria (PSDB), afirmou nesta segunda-feira (11) que pode antecipar a vacinação contra o novo coronavírus no estado – prevista para ser iniciada do dia 25 – caso a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) conclua a análise do pedido de uso emergencial da Coronavac antes do prazo previsto de 10 dias.

“Está mantido o prazo de 25 de janeiro. São Paulo iniciará a vacinação em 25 de janeiro e, se possível, até antes. Se houver a liberação da vacina antes, iniciaremos a vacinação antes. Aliás, é o que desejamos para todo o Brasil”, disse Doria, em entrevista à CNN Rádio.

“Ao meu ver, não é o momento de a ciência burocratizar e fazer excessos de exigências de uma vacina que já se mostrou eficiente e eficazez. Nem para a vacina do Butantan, nem para a de Oxford ou nenhuma outra”, completou o governador.

Questionado sobre a eficácia de 65,3% da Coroanvac divulgadou nesta segunda pela Indonésia, em comparação com o valor de 78% divulgado pelo Butantan, Doria afirmou que o instituto apresentará “dados complementares” sobre a vacina na terça-feira (12), a partir das 12h45.

“É bem vinda essa aprovação [da Coronavac] na Indonésia. É o primeiro país que aprova formalmente, através de sua agência de vigilância sanitária, a Coronavac e já iniciou a imunização de sua população”, afirmou.

Doria disse também que a Sinovac, laboratório chinês que desenvolveu a Coronavac em parceria com o Butantan, deve apresentar nesta semana o pedido de uso definitivo do imunizante na China.

“A agência de Vigilância Sanitária chinesa está classificada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma das agências que podem certificar vacinas e adotá-las mundialmente. As outras são o FDA, dos EUA, a agência europeia e a agência japonesa”, disse Doria.

Segundo o político, o governo paulista não descarta usar o dispositivo da lei da pandemia que obrigaria a Anvisa a analisar em até 72h o pedido de uso definitivo da Coronavac se a aprovação for emitida na China.

Críticas ao Ministério da Saúde

Doria também voltou a criticar a estratégia do Ministério da Saúde de priorizar o imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford com a farmacêutica AstraZeneca e disse que quanto mais vacinas aprovadas, melhor para os brasileiros.

“É o que o Ministério da Saúde deveria ter feito desde maio, a opção por várias vacinas e não por uma vacina. O Ministério da Saúde cometeu o gravíssimo erro de centrar todas suas fichas em uma única vacina, a de Oxford/AstraZeneca, uma boa vacina, e torcemos para que ela produza a sua eficácia e seja distribuída e colocada para imunização dos brasileiros o mais breve possível”, disse.

“Mas o ideal é que tivéssemos hoje já quatro ou cinco vacinas. Quanto mais vacinas, mais brasileiros serão vacinados e mais rapidamente imunizados e protegidos.”

CNN Brasil

 

Opinião dos leitores

  1. Esse babaca tá é mentindo. Falou que a eficácia era 78% , descobriram que não chega a 66% . Compra da China a 1,60 e quer vender a 10,0. E agora a ciência não vale mais? Ele tá doido é pra ganhar dinheiro, não salvar vidas.

    1. Realmente, a Coronavac tem eficácia de 65,3%, ela é mais cara do que a de Oxford, que tem quase 95% de eficácia.
      Então porque pagar por um produto mais caro e que não funcionará para um 1/3?
      É o mesmo que comprar uma bandeja de ovos com 30 unidades e jogar fora 10.
      Sei da importância de qualquer vacina, mas nesse caso, acredito não compensar, tanto pela movimentação logística, quanto eficiência.

    2. A vacina de OX ford tem eficácia de 70%, e ainda estão misturando com Sputnik V para ver se com a gororoba ela melhora!

  2. Ao meu ver, não é o momento de a ciência burocratizar e fazer excessos de exigências de uma vacina que já se mostrou e eficaz. Como é, calcinha apertada? Quer dizer que é ao seu bel-prazer ?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Governo Doria diz que Coronavac é eficaz, mas adia divulgação de dados

CoronaVac — Foto: JN

A Coronavac, imunizante no centro da “guerra da vacina” entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o governador João Doria (PSDB-SP), tem eficácia superior a 50% e terá o registro pedido à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

O índice preciso, contudo, não será divulgado nesta quarta (23) pelo governo paulista, como estava previsto.

A Sinovac Biotech, laboratório chinês que criou a vacina, pediu ao Instituto Butantan, patrocinador do principal estudo da sua fase 3 no mundo, o envio de toda a base de dados.

Os chineses querem unificar e equalizar os dados com os ensaios feitos em outros países, como Turquia e Indonésia, para evitar que índices diferentes sejam divulgados.

Isso deve levar no máximo 15 dias, e o governo paulista afirma que seu planejamento de começar a inoculação em 25 de janeiro está mantido. Tudo dependerá da velocidade de aprovação da Coronavac pela Anvisa.

O sigilo é garantido por contrato entre as partes. Os dados, aos quais a Folha teve acesso, foram analisados pelo Comitê Internacional Independente, baseado na Áustria, que monitorou o ensaio com cerca de 13 mil voluntários.

O mínimo exigido para aprovar uma vacina é 50% de cobertura, segundo orientação da Organização Mundial da Saúde, o que consolida a Coronavac como um trunfo político de Doria ante Bolsonaro, que trabalha abertamente contra campanhas de imunização.

O estudo começou no dia 20 de julho. A Coronavac, desenvolvida pelo laboratório Sinovac e que será produzida pelo Butantan, já havia demonstrado ser segura e capaz de provocar resposta imune em até 97% dos participantes de etapas anteriores do estudo, feitas na China.

Em 23 de novembro, como a Folha adiantou, o Butantan informou que havia ultrapassado o número mínimo (61) de infectados pelo coronavírus em sua fase 3 para poder analisar se o imunizante de fato é eficaz contra a doença na vida real.

Com isso seria possível ter um resultado preliminar, mas a alta circulação do vírus no Brasil levou o número de contaminados a 170, como foi revelado na segunda (14). Isso permitiu a realização de um estudo considerado completo.

A reportagem procurou o Butantan e o governo estadual para comentarem o resultado, mas não obteve resposta.​

Vacinas como a da Pfizer e da Moderna têm percentuais mais altos de eficácia, de 95% e 94,5%, respectivamente, e utilizam uma nova tecnologia de vetor genético para estimular resposta imune.

Imunizantes como vírus inativados, como a Coronavac, costumam ter cobertura menor —as anuais de gripe ficam abaixo de 60%. A vantagem é que eles têm longa história de segurança e, no caso do fármaco da Sinovac/Butantan, não precisam de baixíssimas temperaturas para serem armazenados —a da Pfizer necessita de 70 graus negativos para durar mais tempo.

Os resultados serão enviados para a China, onde o pedido de registro da vacina ocorrerá na NMPA (Associação Nacional de Produtos Médicos), de forma concomitante à requisição na Anvisa.

A expectativa no governo Doria é dar um xeque-mate na Anvisa, que com o Ministério da Saúde tem sido vista como uma trincheira de resistência bolsonarista à Coronavac. O tucano é rival político e virtual candidato a disputar a Presidência contra Bolsonaro em 2022.

Pela legislação aprovada em fevereiro acerca de medicamentos e vacinas para a Covid-19, se um fármaco for autorizado nos EUA, Europa, Japão ou China, tem de ser avaliado em três dias pela Anvisa. Se ela falhar no prazo e não der uma justificativa técnica, ele é aprovado automaticamente.

Três dias é o prazo que o governo estadual crê que a aprovação da Coronavac irá levar na China. Com isso, o governo Doria acredita ser possível executar o seu plano de imunização, que prevê iniciar a vacinação com profissionais de saúde e pessoas com mais de 60 anos a partir de 25 de janeiro, mesmo com o atraso imprevisto desta quarta.

Desde que anunciou a programação, o tucano colocou Bolsonaro na defensiva. Apesar de várias idas e vindas do ministro Eduardo Pazuello (Saúde), que por ordem de Bolsonaro havia retirado a Coronavac dos planos de compra de vacinas do governo federal, o jogo virou.

Confrontado com a pressão paulista, aliada à jogada de pedir o registro definitivo na China, o Planalto por fim apresentou um plano que inclui a Coronavac e cujas datas de vacinação são quase convergentes.

Ainda falta, contudo, acertar isso em contrato. O Butantan está em contato com a pasta de Pazuello, e a expectativa é de que a situação se resolva nesta semana. Na segunda (21), a Anvisa concedeu o certificado de boas condutas à Sinovac, após inspecionar sua fábrica em Pequim.

Desde o começo da pandemia, que já matou mais de 187 mil brasileiros, 45 mil deles em São Paulo, a rivalidade entre Bolsonaro e Doria foi transposta para a questão do manejo da maior crise de saúde pública em um século.

Ambos os governantes são criticados pela politização inerente ao fato de que deverão se enfrentar nas urnas em 2022, mas a necessidade de uma vacina colocou Doria em posição de vantagem na questão da pandemia quase que por gravidade.

A Anvisa, que teve sua imagem arranhada ao suspender testes da Coronavac sem avisar o Butantan após o suicídio de um voluntário, terá sua análise do imunizante escrutinada.

Bolsonaro já mostrou, quando celebrou a suspensão da fase 3 da vacina, que pode pressionar —mas já foi aconselhado a deixar o embate de lado, dada a demanda óbvia pelo imunizante.

Enquanto isso, o presidente tem insistido em fazer campanha contra a vacinação de forma indireta, dizendo que não obrigaria ninguém a ser inoculado e sugerindo um termo de responsabilidade para quem o fizesse.

Até a ofensiva paulista, só havia apresentado um plano de vacinação tímido, que só começaria em março e que estava direcionado para o imunizante da AstraZeneca, mudou de tom.

Além das 100 milhões de doses compradas dos britânicos, das potenciais 160 milhões que a Fiocruz poderá fazer daquela vacina e das 42 milhões encomendadas do consórcio internacional Covax Facilty, o governo abriu negociação para adquirir mais 70 milhões de doses do fármaco da americana Pfizer, já em uso no Reino Unido e nos EUA.

Com o aparente sucesso de seu esforço antivacina, já que o Datafolha aponta queda no número de pessoas dispostas a se imunizar, o presidente mudou o tom e apresentou seu novo plano, mais detalhados embora não tenha datas definidas.

São Paulo conta ter 46 milhões de doses da Coronavac no fim deste mês, 6 milhões delas prontas da China e o restante, formulada a partir de insumos a granel. A questão pendente é como essa distribuição ocorrerá no estado caso a Coronavac seja mesmo incorporada no Plano Nacional de Imunização.

Outras 15 milhões de doses são esperadas pelo Butantan até março, que pretende ter a capacidade anual de produzir 100 milhões de doses da Coronavac com a nova fábrica que abrirá em meados de 2021.

Outra dúvida é acerca dos acordos para exportação da vacina, para a Argentina, por exemplo. Politicamente, será difícil explicar por que toda a produção nacional possível não seria aplicada no Brasil primeiro.

Folha de São Paulo

 

Opinião dos leitores

  1. Corram cobaias, corram pra tomar as suas! Vacina pra acéfalo, típico eleitor lixo do PT… são tudo ladrao.

  2. Mas qual seria o porquê de tantas adiações? Será que tem algo errado? 50% é muito pouco!
    Tá igual o candidato do nhonho, todos os dias será anunciado e nada.

  3. Dória safado, enganador, fujão, traidor, corrupto. Parabéns pra quem acredita nele. O Alckmin que o diga.

  4. "Bolsonaro, que trabalha abertamente contra campanhas de imunização";
    Faz o cronograma de ações do GF frente aos laboratórios desenvolvedores da vacina…
    Nenhum país do Mundo ainda vacinou 1% de sua população.
    Ele defende a vacinação facultativa e que não vai tomar por já ter sido infecatado .
    Daí a dizer que é cotra campanhas de imunização vai uma distãncia intransponível.
    DÁ PARA CHAMAR REALMENTE ISSO DE JORNALISMO?
    É militância partidária EXTREMISTA sem compromisso com a verdade.
    BG, acho que seria melhor deixar de divulgar o que sai na Folha.

    1. Típico gado?
      Prega boicote e censura quando não gosta da notícia.
      Quer ficar feliz com o noticiário? Vai lá pra Terça Livre que é dirigido especialmente pra criaturas que nem você.

    2. Neco, Bolsonaro é um negacionista, como você. Tudo o que foi dito dele ainda é pouco.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Após avalanche de críticas nas redes sociais com viagem, Doria anuncia que voltará de Miami depois de vice testar positivo para covid

Foto: Reprodução/TV Globo

Horas depois de ter chegado a Miami, na Flórida, nos Estados Unidos, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) , anunciou que vai voltar ao Brasil após seu vice ser diagnosticado com Covid-19.

“Acabo de receber a notícia de que o vice-governador, Rodrigo Garcia, testou positivo para Covid-19. Por conta disso, estou cancelando minha licença e retorno ainda hoje para SP para seguir o trabalho à frente do Governo de SP. Desejo pronta recuperação ao Rodrigo Garcia”, disse Doria em sua conta no Twitter.

Em nota, o governo de São Paulo afirmou que ele desistiu das férias com a família na Flórida, onde chegou nesta quarta.

“O governador João Doria decidiu retornar a São Paulo nesta quarta-feira (23), assim que tomou conhecimento de que o vice-governador Rodrigo Garcia testou positivo para coronavírus. Ele desistiu das férias com a família na Flórida, onde chegou hoje”, diz a nota.

Doria foi criticado nas redes sociais por viajar durante o endurecimento das regras da quarentena no período de festas. O governador foi fotografado em aeroporto, na madrugada desta quarta, em uma fila para voo com destino a Miami.

Em coletiva de imprensa na terça-feira (22), o governo de São Paulo determinou medidas de endurecimento da quarentena, com o aumento nas restrições de funcionamento de bens e serviços em todo estado durante o Natal e o réveillon. De acordo com o anúncio, apenas serviços essenciais poderão funcionar nos dias 25, 26 e 27 de dezembro e 1, 2 e 3 de janeiro.

Podem funcionar nos dias 25, 26 e 27 de dezembro e 1, 2 e 3 de janeiro:

farmácias;
mercados;
padarias;
postos de combustíveis;
lavanderias;
meios de transporte coletivo, como ônibus, trens e metrô;
e hotéis, pousadas e outros serviços de hotelaria.

Não abrem nos dias 25, 26 e 27 de dezembro e 1, 2 e 3 de janeiro:

shoppings;
lojas;
concessionárias;
escritórios;
bares, restaurantes e lanchonetes (exceto para delivery);
academias;
salões de beleza;
e cinemas, teatros e outros estabelecimentos culturais.

G1

Opinião dos leitores

  1. Calcinha arrochada foi em Miame só tomar a vacina americana… os bestas é que vão toma a chinesa… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    1. E tu vais ficar esperando aqui no RN sem vacina, sem p. nenhuma e ainda estás rindo. És uma hiena. kkkkkkkkkkk

  2. Ah, essa galera que gosta de chamar os conservadores de gado… são chatos, mas a incoerência desses iluminados nos diverte. Ora, o que o povo não entende é que Doria ia ficar em casa, e daí que a casa é em Miami? E outra, para esse mesmo povo que era contra uma medicação com 80 anos de uso, até que estão aceitando bem a vaChina desse hipócrita feita em 6 meses, né não? Ah, esses iluminados que não são manipulados como nós, o gado. O que seria de nós sem eles? #FiqueEmCasa

    1. Gadôôôô!!!
      ?????
      Vaquinha de presépio!!!
      ??????

    2. Eu também discordo que vocês sejam chamados de gado . Os bovinos não merecem. Vocês não passam de puxa saco sem vergonha mesmo. Sabe que tá falando merda, mas o orgulho dos ignorantes fala mais alto.

    3. Ô Neco, aprenda uma coisa na vida: A melhor resposta para argumentos desqualificados é um bom xingamento bem qualificado. Seu sonso.

    4. Pois é nobre Neco, mas os bovinos manipulados são os conservadores. Esse nível de pensamento "elevadíssimo" é o subproduto da "Pátria Educadora" do PT, a massa média é assim.

    5. Arguementos são desqualificados mediante a refutação dos fatos.
      O resto é argumento ad hominem. Ataca-se o argumento, não o argumentador.

    6. …. e em que hipóteses um argumento contrário ao seu pode ser discutitido?
      Pode se partir discordando de todas as premissas?

  3. Os defensores do fica em casa não aparece pra da apoio a gazela de são Paulo, a cambada desapareceu.

  4. Dória navega na política de acordo com a conveniência para que ele esteja em evidência.
    Já foi de direita, hoje é sócio majoritário da associação feita com os governadores de esquerda do Nordeste. Eles passaram a formar um só bloco, mantém o mesmo discurso, tomam as mesmas decisões.
    Em passado recente Dória criticava Lula, agora está de braços dados com seus apoiadores em todo Brasil

  5. Pq os esquerdistas adoram viajar para os Estados Unidos?? Não seria mais fácil ir pra Venezuela?

    1. Dória: playboy, liberal, coxinha e antipetista ferrenho é esquerdista? WTF?! Direita no Brasil é integralista?

    2. Se Dória é a guinada liberal do PSDB e tu vem com essa conversa mole de esquerda, êta que Olavão lavou a cabeça da geral.

    3. E quem disse que quem acha o Bozo um completo idiota tem que ser de esquerda? Vocês bolsonaristas precisariam entender se houvesse honestidade que não é só a esquerda que rouba e atrasa o país.

  6. Fechou São Paulo e foi "aglomerar" nos states, tão dizendo por ai que vai aproveitar para tomar a vacina da Pfizer e deixar a coronavac chinesa para os bestas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Após decretar fase vermelha em SP, Doria viaja com esposa para passar o Natal e Ano Novo em Miami

Foto: Reprodução/Redes sociais

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e a primeira-dama Bia Doria embarcaram para Miami nesta madrugada, logo após a meia-noite, segundo informou a revista Oeste.

Doria deixou o País logo após assinatura de decreto que impõe restrições de funcionamento a diversas atividades, inclusive bares e restaurantes.

O casal permanecerá nos Estados Unidos, onde não há restrições no funcionamento de bares e restaurantes, para as festividades de Natal e réveillon até o dia 2 de janeiro.

Doria e sua mulher devem retornar ao Brasil na madrugada do dia 3 de janeiro, segundo a revista. Os três filhos do casal vão para Trancoso, Bahia.

Em São Paulo, por determinação de Doria, bares e restaurantes ficarão fechados como decorrência do retorno à fase vermelha do plano de contingência da covid-19.

Isso significa que as comemorações de fim ano para as famílias que permanecem em São Paulo serão mais restritas.

Diário do Poder

 

Opinião dos leitores

  1. Vou também, a Odébrexi comprou minha passagem e a de janja, tomar uns vinhos com Doriana, coversar da minha volta a presidência com ajuda de minha manada, e já adianto, quando eu ganhar, vou criar o Bolsa amigo mamador… TáOquei ! Companheiros.

  2. O competente arrojado e dinâmico governador Dória , vai para um merecido descanso nos EUA . Andei pesquisando e governador vai realizar duas palestras sobre a recuperação econômica de São Paulo e sobre seu excelente plano de vacinação , que literalmente salvou a nossa nação . Agora imaginem os senhores TONHO ministrando uma palestra nos EUA ??! Pelas caridades ! Iríamos morrer de vergonha . Além de falar mal e errado não tem conhecimento de economia , planejamento . iríamos todos ficar rubros de vergonha . Seria cômico para não dizer olaria , quando Tonho e terminasse com aquele famoso TÁ OK !AH PAPAI ! Chega Asclepiades , trás logo meu caldo de maniçoba , que estou com soluço de tanto rir .

  3. Calça arrochada quer empurrar a vacina chinesa no povo brasileiro, mas vai para os Estados Unidos tomar a americana,,, é o besta!

    1. Mais o boso não esconde nada de ngm e nem é hipócrita como esse doria

    2. SC fica no Brasil.
      Tá de férias ou indo aos locais atingidos pela enchente?
      'Menas', né?

  4. É essa porcaria que quer ser Presidente?
    Fecha o seu Estado e viaja para Exterior.
    Isso é uma cópia do Aécio Neves.
    Em 2022 vai ter menos voto do que Geraldo Alckmin.
    Isso é um partido de riquinho. É só ver o aumento de 45% no salário de prefeito em São Paulo, em plena pandemia o indivíduo fazer isso.
    Esse é o PSDB E DEM.
    ESSE é o bloco de Rodrigo Maia, que se aliou com o PT, PSOL e PDT.

    1. Ñ se esqueça do bloco do CENTRÃO, aquele da tão mal falada velha politica, do toma lá da cá, com qual nosso saudoso presidente se alinhou de forma tão repentina.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

Em reunião tensa, Doria bate boca com Pazuello sobre vacina

Foto: Divulgação

Em reunião tensa, o governador de São Paulo, João Doria, elevou o tom nesta terça-feira, dia 8, e cobrou diretamente o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, sobre a compra da CoronaVac, a vacina que é produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

“O que difere, ministro, a condição e a sua gestão de privilegiar duas vacinas em detrimento de outra? É uma razão de ordem ideológica e política ou é uma razão de falta de interesse de disponibilizar mais vacinas?”, afirmou Doria, questionando por que o governo federal assinou Medidas Provisórias bilionárias para comprar os imunizantes produzidos pela Oxford-AstraZeneca e as do consórcio Covax — a exemplo da CoronaVac, elas também não foram aprovadas pela Anvisa. “Por que excluir se o procedimento é exatamente igual?”, indagou o tucano.

Pazuello não gostou dos questionamentos e reagiu dizendo que a vacina do Butantan “não é do estado de São Paulo”. “Não sei por que o senhor fala tanto como se fosse do estado”, comentou. Para por um ponto final na discussão, o ministro declarou que “havendo demanda e preço, todas as condições serão alvo de nossa compra”.

Doria ainda lembrou o ministro sobre o protocolo de intenções que ele havia assinado para a aquisição de 46 milhões de doses da vacina do Butantan. “Infelizmente, o presidente desautorizou o senhor, foi deselegante com o senhor e em menos de 24 horas impediu que a sua palavra fosse mantida perante os governadores”, disse o governador.

A conversa quente ocorreu em reunião convocada pelo Ministério da Saúde com governadores e secretários da Saúde para falar sobre o plano nacional de imunização no Brasil. O encontro foi marcado às pressas depois que os governadores começaram a pressionar Brasília a antecipar o início da vacinação contra a Covid-19 previsto para março.

No encontro, Pazuello falou sobre a possibilidade de adiantar o programa nacional para o fim de fevereiro, data na qual ele calcula que a vacina da Oxford-AstraZeneca estará devidamente registrada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O clima de cobrança foi bem diferente do que se viu na reunião anterior, realizada em outubro, na qual Pazuello foi aclamado como “pacificador” – naquela ocasião, os elogios dos governadores, inclusive de Doria, provocaram indignação do presidente Jair Bolsonaro que desautorizou o seu ministro publicamente.

Veja

Opinião dos leitores

  1. https://www.washingtonpost.com/world/asia_pacific/coronavirus-vaccine-china-bribery-sinovac/2020/12/04/7c09ae68-28c6-11eb-9c21-3cc501d0981f_story.html

    O governador engomadinho, Fanta, das calças espreme-piu-piu, deve estar rasgando as calcinhas neste momento! No artigo do Washington Post sobre corrupção e subornos da Sinovac, aparece nome e foto do Dória!!

    Washington Post: “Enquanto a China se aproxima de uma vacina contra o coronavírus, nuvem de suborno paira sobre a farmacêutica Sinovac”.

    O foco do artigo não é a eficácia da vacina, mas o pagamento de suborno para aprovação dos produtos e ceticismo da classe médica com a “flexibilidade moral” da empresa.

  2. Saiu menor do que entrou, TODOS os outros governadores o criticaram. Ficou decido que o MS será o único responsável por toda a distribuição da vacina, ja tendo inclusive, negociado 300 milhões de doses (2 etapas de vacinação com 150 milhões de pessoas)

  3. Doriana quer empurrar essa vacina de qualquer jeito,deve ta ganhando uma "laminha" nessa transação,pilantra!!!!!

  4. Na China essa Coronavac já é utilizada? Tem comprovação de sua eficácia? Porra nenhuma. Querem empurrar de goela abaixo. Tem coisa por tra$.

  5. Gente, avisem o pessoal que navega, que o farol de mãe Luiza está em pane, curto circuito de burrice, entrou um jumento e mordeu a isca da ignorancia e quem vai decidir sobre a obrigatoriedade de se tomar a vacina é o STF,, O que acho um erro.

  6. Como falam e defendem a esquerda:
    – O democrata Dória que impor a vacina chinesa no Brasil custe o que custar, passando por cima da Anvisa. Além de querer impor a obrigatoriedade a todos e a prisão de quem se recusar a tomar.
    – Já o autoritário ministro fascista, quer ter segurança quanto as vacinas, espera pela regulamentação da anvisa, acha melhor ver todas as opções de vacinas sem determinar uma, que existam prioridades para aplicar, uma escala para tomar, dando prioridade de acordo com o grupo de risco.
    Assim vive o Brasil, entre os democratas e preocupados governadores de SP e Nordeste e os autoritários ministros do governo federal.

  7. E o Governo Federal que gastou milhões com a Cloroquina que até agora não serviu de nada? E ainda desautorizou o início das experiências com a vacina da China por puro ciúmes haja vista que era com o governador de São Paulo mas em consonância como o Ministro da Saude, o Pazzuelo, o que denota nenhum cuidado com a população brasileira , somente ele se manter bem na política!

    1. Falou o cientista protetor da esquerda. "A ivermectina não serve pra nada" EXATO!
      Por isso os irresponsáveis médico em todo país e Europa, receitam a ivermectina na primeira fase do tratamento contra o covid, por ela não servir para nada.
      Alienado Farol, viva em seu mundo ilusório, acreditando nas versões que seus corruptos de estimação vendem e você sem pesquisar, fica repetindo, valeu papagaio sem cérebro.

    2. Prova Flavio Luz q os europeus estão tomamdo vermifugo contra covid.

  8. O Butatan pertence de fato ao Estado de SP, nisso o MS errou. Porem, nao se pode liberar farmacos e vacinas em fase de testes sem a devida comprovacao, seria irresponsabilidade.

  9. Dória é que só fala dessa vacina da China como se não houvesse outras, por que o governador de São Paulo só se interessa por essa vacina? Quais serão os motivos obscuros que o fazem insistir tanto apenas nessa vacina específica?

  10. Doriana deve está colocando dinheiro no bolso com essa vacina. O laboratório tem histórico de pagador de propina para aprovação de medicamentos.

  11. "a exemplo da CoronaVac, elas também não foram aprovadas pela Anvisa. “Por que excluir se o procedimento é exatamente igual?”

  12. Doriana comprou 46 milhões de doses da Coronavac e tá atrás de alguém pra pagar a conta. Isso é o que eu chamo de "tirar diploma de fresco com o c* dos outros."

    1. Parabéns Edilson! Pela segurança da sua resposta dá pra ver que vc é o professor que emite o diploma. Kkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

Crivella chama Doria de “vagabundo” e “viado”, e depois pede desculpas

Foto: Bruno Rocha/Foto Arena

Prefeito do Rio de Janeiro e candidato à reeleição, Marcelo Crivella (Republicanos) aparece xingando o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em um vídeo que viralizou hoje nas redes sociais. Depois, em nota enviada ao UOL, Crivella pediu desculpas ao tucano, que lamentou o ocorrido e disse que o carioca “se apequena”. (leia mais abaixo).

Nas imagens, Crivella, em tom exaltado, grita que Doria é “vagabundo” e também usa um termo homofóbico, “viado”, para ofendê-lo. O prefeito estava falando sobre as OS (Organizações Sociais) de saúde.

“Eu entrei na Justiça contra esses vagabundos. Sabe o que eles fizeram? Dei dinheiro para pagar aos funcionários, eles pegaram e pagaram fornecedor, que tinha que pagar dia 10 de dezembro. E faltou dinheiro. Sabe de quem é essa OS? Essa OS é de São Paulo. É do Doria. Viado! Vagabundo!”. (Marcelo Crivella).

De acordo com o jornal O Globo, os xingamentos aconteceram em uma reunião com filiados do Republicanos que disputaram a eleição para vereador. O evento aconteceu ontem, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Após os gritos de Crivella, os presentes vibram com as ofensas e aplaudem o prefeito.

O vídeo foi publicado no Facebook por Sandro Avelar, presidente da escola de samba Império Serrano. Ele apoia Eduardo Paes (DEM) no segundo turno da disputa pela prefeitura do Rio.

Em pesquisa divulgada ontem pelo Ibope, Paes lidera a disputa pelo segundo turno com 53% das intenções de voto, contra 23% de Crivella.

“Momento de revolta”, diz Crivella

Em nota enviada ao UOL, a campanha de Crivella disse que a manifestação do prefeito foi um “momento de revolta” e pediu desculpas ao governador de São Paulo.

“A fala foi um momento de revolta pela OS reter o salário de médicos e enfermeiros mesmo tendo recebido da prefeitura. Em tempos de pandemia isso pode custar vidas. Marcelo Crivella pede desculpas pelos excessos, e ao governador João Doria.”

Depois Crivella divulgou a mesma mensagem nas redes sociais.

A reportagem também procurou a assessoria de João Doria, que se manifestou pelo Twitter. O governador disse que o prefeito deveria dar exemplo, mas “se apequena” com as ofensas. E apostou que Crivella não conseguirá a reeleição para prefeito.

Lamento que o prefeito do Rio de Janeiro, um pastor que deveria ser um exemplo, faça ataques, use palavrões e o preconceito para se referir a um governador. O prefeito Crivella se apequena e lamentavelmente encerra seu ciclo de forma melancólica.

UOL

Opinião dos leitores

  1. Sacanagem chamar o cara de VIADO só porque o cara usa calça apertada esmagando os ovos.kkkkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *