UFRN realiza pesquisa sobre impacto socioeconômico da Covid-19

O Núcleo de Economia Aplicada e Conjuntura (NEAC), do Departamento de Economia (Depec), do Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), da UFRN, está realizando uma pesquisa intitulada: “Impacto socioeconômico da COVID-19 nos moradores de Natal/RN”, com o objetivo de contribuir para a mensuração do impacto da pandemia no bem-estar da população da cidade do Natal-RN. A pesquisa é voluntária e pode ser respondida a partir deste link.

Para o professor Diego André, coordenador do NEAC, o estudo é importante para compreender como a chegada do coronavírus e as medidas implementadas para combatê-lo afetou a vida da população natalense: “Para isso, estamos interessados em coletar informações sobre como a pandemia afetou o emprego e a renda, além do efeito do isolamento social no deslocamento das pessoas e na saúde emocional”.

Desde o início da Pandemia, a equipe vem produzindo boletins com informações atualizadas e enfoque local que podem ser consultados neste link. Os documentos apresentam dados como distribuição espacial de variáveis como renda, número de agências bancárias, número de respiradores, dentre outros e tem o objetivo de levar informação à sociedade em geral e contribuir para que ações individuais, coletivas e governamentais sejam realizadas em prol da contenção da doença no estado.

Outras informações podem ser consultadas no Instagram e Facebook do Núcleo.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marco polo disse:

    Ver se servem pra alguma coisa….

Pesquisa no Reino Unido diz que 2/3 das mulheres pensam em outro durante o sexo

Foto: shutterstock

Já pensou em outro durante o sexo? Você não está sozinha. Segundo uma pesquisa do site de namoro saucydates.com, mais das metade das mulheres do Reino Unido fantasia com outras pessoas durante relações sexuais. Para o The Sun, o site de namoro afirma que geralmente a pessoa imaginada é famosa.

Enquanto 62% das mulheres confirmam a fantasia, 56% dos homens também pensam em outra pessoa. A pesquisa ouviu mais de 8 mil pessoas e muitos não se sentem confortáveis com isso. O fundador do site de namoro, David Minns, diz que “homens e mulheres se sentem culpados de pensar em outra pessoa”.

Ainda de acordo com os dados do site, os famosos que mais rondam os pensamentos das mulheres na hora do sexo são os atores Daniel Craig, Brad Pitt e Aidan Turner. Enquanto isso, os homens fantasiavam mais com Rihanna, Lady Gaga e Katy Perry.

Outras fantasias incluíam Justin Bieber, David Beckham e o modelo David Gandy, enquanto os homens também pensam na cantora Rita Ora e nas atrizes Kate Beckinsale e Jennifer Aniston.

Além dos famosos, muitos responderam que pensavam em amigos, colegas de trabalho, estrelas pornô e parceiros de amigos. E homens e mulheres também disseram que era difícil não imaginar em ex-namorados.

As fantasias das mulheres são mais eróticas, com 50% das pessoas afirmando terem imaginado o sexo em uma praia ou quarto de hotel durante o ato com o parceiro.

IG

Professor da UFRN é nomeado embaixador de instituição alemã de fomento à pesquisa

Foto: Reprodução/site UFRN

O professor Leonardo Martins, do Departamento de Direito Público (DPU), do Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), da UFRN, foi nomeado no último dia 30, cientista embaixador da Alexander von Humboldt Foundation (AvH), no Brasil, com mandato de três anos, até abril de 2023.

Com a nomeação, o professor passa a ser um dos principais elos de ligação entre a instituição e o Brasil. Será responsável, entre outras ações, pela formação de redes de cooperação entre organizações intermediárias/instituições de financiamento científico no Brasil e a AvH e outros parceiros na Alemanha, representação da instituição em eventos no país, além de promover eventos em parceria com instituições de ensino superior e institutos de pesquisa nacionais e outros parceiros alemães.

Para o professor Leonardo Martins, a nomeação é importante para a UFRN e, principalmente, para o fortalecimento dos núcleos e centros de pesquisa científicas do RN e do Brasil em geral. “Muito além da honra pessoal de representar a Fundação tenho uma missão muito clara. Em síntese, trata-se de fazer chegar ao conhecimento dos potenciais bolsistas e premiados da Fundação (futuros líderes e membros da elite científica mundial) as muitas possibilidades de fomento e, ao mesmo tempo, motivá-los a compor um projeto de excelência com reais chances de obter êxito nos rigorosos processos seletivos. Para se ter uma ideia, vários premiados com o Nobel foram bolsistas da AvH”, destaca.

As parcerias são essenciais, como destaca o professor Leonardo Martins: “Vamos buscar apoio das autoridades acadêmicas da UFRN, da UFERSA e demais Instituições de Ensino Superior (IES) do Estado, dos colegas docentes, pós-graduandos de todos nossos programas, bem como das autoridades políticas para mobilizar os talentosos e vocacionados cientistas, jovens ou não, da nossa região”.

Além de embaixador, professor Leonardo Martins também foi convidado a compor a diretoria do Clube Humboldt do Brasil, função que desempenhará concomitantemente à de cientista embaixador nos dois primeiros anos de seu mandato. O clube reúne cerca de 230 universitários e cientistas brasileiros beneficiários dos programas de fomento à pesquisa da AvH.

Fundação AvH

A Alexander von Humboldt (AvH)  é a principal instituição pública alemã de fomento de pesquisadores e cientistas de todas as áreas do conhecimento. A Fundação fomenta projetos de pesquisas científicas de cidadãos alemães em todo o mundo e de não alemães nas instituições universitárias e científicas alemãs. Em geral, suas bolsas de pesquisa pressupõem o título acadêmico de doutor. Portanto, previstas para projetos de pós-doutorado em diante.

Recentemente, porém, a AvH criou um programa voltado para jovens acadêmicos provenientes especificamente do Brasil, da China, dos EUA, da Índia e da Rússia que devem ter alguma experiência comprovada de liderança em seus respectivos países nos âmbitos da política, economia, imprensa, Administração Pública, sociedade ou cultura, e um projeto muito promissor a ser executado em instituições alemãs. A seleção é baseada exclusivamente no mérito e na excelência acadêmico-científicos do(a) candidato(a) e de seu projeto.

Outras informações sobre a AvH podem ser consultadas no site.

UFRN

Pesquisa do PPGSE/UFRN revela descoberta sobre novas espécies de fungo

Foto: Divulgação

Programa de Pós-graduação em Sistemática da Evolução (PPGSE), do Centro de Biociências da UFRN,  informa a publicação de artigo de autoria da Mestra Gislaine Cristina de Souza Melanda, intitulado Diversidade presa em gaiolas: Revisão de Blumenavia Möller (Clathraceae, Basidiomycota) revela três espécies escondidas,  na  PLOS ONE, revista científica de acesso online, publicada pela Public Livrary of Science.

artigo é uma compilação dos resultados da pesquisa de dissertação de mestrado, realizada sob orientação do professor Dr. Iuri Goulart Baseia, do Laboratório de Biologia de Fungos  do  CB/UFRN,  com o objetivo de fazer a revisão na taxonomia de um grupo de cogumelos gasteroides. Os cogumelos gasteroides formam um gênero de fungos que possuem uma diversidade de formas e cores e que necessitam de agentes externos para sua dispersão.

O gênero estudado, Blumenavia, pertence à família Clathraceae e, na descrição do artigo “apenas duas espécies são reconhecidas atualmente: B. rhacodes e B. angolensis”. Contudo, ainda segundo o artigo,  “os caracteres morfológicos adotados nas delimitações de espécies dentro deste gênero são inconsistentes, e os dados moleculares são escassos”, de modo que a pesquisa propôs rever e identificar caracteres informativos de modo a contribuir para a delimitação das espécies de Blumenavia.

O estudo da pesquisadora Gislaine Cristina de Souza Melanda, realizado por meio de análises morfológicas e moleculares, resultou na descrição de três espécies novas: uma do Rio Grande do Sul, uma do Ceará e uma com distribuição no México.  Com a descoberta, o gênero estudado aumentou o número de espécies para 7.

Segundo o artigo “De acordo com nossos estudos, sete espécies podem ser consideradas no gênero: B. rhacodes e B. angolensis são mantidos, B. usambarensis e B. toribiotalpaensis são reavaliados, e três novas espécies são propostas”. O artigo tem como co-orientadora e co-autora a Dra. María Paz Martín, do Real Jardin Botânico de Madrid, da Espanha.

Com informações da UFRN

Pesquisa XP/Ipespe: 49% consideram governo Bolsonaro ruim ou péssimo, 27% ótimo ou bom e 24% avaliam como regular

Foto: Reprodução

Pesquisa da XP/Ipespe divulgada nesta segunda-feira(04) avalia o governo Bolsonaro. Seu desempenho é considerado ruim ou péssimo por 49% dos brasileiros – 7 pontos a mais do que na semana passada.

Ele é considerado ótimo ou bom por 27% – 4 pontos a menos. Regular consideram 24%.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. aof disse:

    27 mais 24 é igual a 5l. 51 é mais que 49. Continuam perdendo, papudos!

    • IB disse:

      Pq vc acha que esses 24% iriam votar no Bolsotario nas próximas eleições? E essa pesquisa é só uma fotografia de uma rota de queda que esse desgoverno segue. Chora mais que tá bom!

  2. LEO disse:

    Quem aguentou 14 anos da Qudrilha Petralha,aguentar 8 anos do Capitão é fichinha……..

  3. Ricardo Wayne disse:

    O cachaceiro tá morto!kkkkkk

  4. Cigano Lulu disse:

    O PT é mesmo uma desgraça. Bolsonaro é consequência direta dos desmandos da quadrilha petista.

    • IB disse:

      Bolsonaro é cria de Moro e Globo! Agora que saiu do controle tá só fazendo merda tentam associar ele a Lula/PT com o cinismo e os argumentos rasos típicos da extrema direita limitada.

  5. Severino disse:

    Esquerda nunca mais !!!

    • Silverio disse:

      Severino…procura severina xique xique…por que teu disco ta furado…se nao for LULA SERÁ MORO…MOROU …BOLSONARO ESTA AMARRADO NAS PROFUNDESAS INFERNO

    • realista disse:

      Silvério, já estais defendendo mouro ? quem te viu e quem te ver .

  6. Antenado disse:

    A turma do contracheque está muito preocupada com os mais pobres.😩

    • Delano disse:

      Eles aparelharam e robotizaram, chegue nas repartições públicas e fale isso.

    • Zanoni disse:

      Foi reprovado em quantos concursos públicos? Há crime em ser servidor público?

  7. Pedro disse:

    Concordo com todos vcs, só espero que não venham propor a volta do PT. Seria por demais incoerente e trágico, se não fosse cômico.

  8. CIDADAO55 disse:

    O pico diminuiu. Mas, a epidemia do BOLSONAVÍRUS 19-22 ainda vai durar muito ao que parece. Ou seja, a população ainda vai padecer muito.

    • CIDADAO55 disse:

      Espero que os eleitores estejam vacinados contra os exttemismos, tanto de direita quanto de esquerda e demais aproveitadores. Que possamos eleger um presidente com um plano de governo para o Brasil r para os brasileiros.

  9. Paulo Neto disse:

    Ou seja, 27% de gente realmente escrota nessa Brasil. Mas isso são as ditas pessoas de bem em seu carros e apartamentos de luxo.

    • Carlão disse:

      Gente escrota não cara. Abomino o presidente eleito mas não misture tudo. Desses aí só uma fração goza de todas as benesses, a maioria só não quer o PT.

    • João disse:

      E 49% são os idiotas, adoradores do maior ladrão da política brasileira. Tá lá no google: procure saber quem é o maior ladrão do mundo e verás a resposta. Bolsonaro fala o que pensa, é meio bronco, mas não é corrupto. Já o "nine fingers", tem vários processos nas costas, foi preso, sendo solto por armação dos seus afilhados do STF… 27% não são escrotos, apenas não aceitam a roubalheira do PT e não querem fazer parte dessa quadrilha.

    • José Quirino disse:

      Bozo não é corrupto kkk pergunta ao Queroz.

  10. MECÃO disse:

    Ainda tá muito alta a popularidade do CORONOSAURU!

  11. Carlão disse:

    Pesquisa XP vale ou são comunistas?

Crise da covid-19 reduz renda de 77% dos mais pobres e só 26% de mais ricos, diz pesquisa


Foto: Sérgio Lima/Poder360

Pesquisa realizada pelo DataPoder360, divisão de pesquisas do Poder360, indica que 77% das pessoas sem salário fixo ou desempregadas tiveram renda reduzida em resultado da crise causada pela pandemia da covid-19.

Por outro lado, apenas 26% das pessoas que recebem mais de 10 salários mínimos (equivalente a R$ 10.450) dizem ter sofrido algum impacto econômico por causa da pandemia.

Os dados mostram que quanto mais baixa a inserção econômica do entrevistado, maior tem sido o impacto da crise na renda. Só 15% dos desempregados e sem salário fixo disseram não ter tido a renda prejudicada, contra 71% dos mais ricos, que afirmam estar mantendo suas receitas incólumes neste período.

Ao todo, a pesquisa mostra que 63% dos brasileiros tiveram o salário ou a fonte de renda prejudicada, 31% não tiveram e 6% não souberam responder.

Imagem: reprodução/Poder360

O levantamento foi realizado em uma parceria editorial do jornal digital Poder360 e o jornal A Tarde, de Salvador (BA). O levantamento teve patrocínio da Associação Comercial da Bahia.

Foram feitos 2 estudos simultâneos –1 nacional e outro apenas no Estado da Bahia, ambos por meio de ligações para celulares e telefones fixos de 13 a 15 de abril.

No levantamento nacional, foram entrevistadas 2.500 pessoas de 512 municípios nas 27 unidades da Federação. Na Bahia, foram entrevistadas 2.500 pessoas em 201 municípios. A margem de erro é de 2 pontos percentuais e o intervalo de confiança é de 95%.

ROTINA DE TRABALHO

Outro aspecto que evidencia a diferença de impacto da crise do novo coronavírus nas pessoas de diferentes faixas de renda é a alteração na rotina de trabalho.

O DataPoder360 mostra ainda que os mais ricos foram os que tiveram uma mudança maior e mais adequada às orientações contra a covid-19.

De acordo com os dados, 80% entre os brasileiros que recebem de 5 a 10 salários mínimos e 70% dos que recebem mais de 10 salários mínimos puderam trabalhar em home office.

O percentual dos que disseram ter tido a rotina de trabalho alterada por causa da pandemia cai gradualmente entre os que têm uma renda menor ou não possuem renda fixa. Apenas 36% mudaram a rotina, 43% disseram não ter passado a trabalhar em casa.

O que esses números indicam? Que quanto menos recursos tem a pessoa, mais ela teve de manter sua rotina de trabalho, sem poder aderir ao regime de confinamento.

Pessoas nas faixas médias de renda também tiveram menos mudanças na forma de trabalhar. Entre os que recebem até 2 salários mínimos, 53% mudaram a rotina e entre os que recebem de 2 a 5 salários, foram 56%.

No total, 40% dos brasileiros disseram ter passado a trabalhar em casa, 46% disseram não ter tido a rotina alterada.

RETORNO AO TRABALHO

A pesquisa mostra ainda que, considerando o grupo de risco da covid-19 (idosos e portadores de doenças crônicas), 43% dos brasileiros defenderam o retorno de jovens ao trabalho com o uso de máscaras para proteção contra o coronavírus. Já 49% afirmam que todos devem ficar em casa. Apenas 7% não responderam ou não souberam responder.

O percentual de pessoas que acreditam que os jovens devem voltar a trabalhar é maior entre os mais pobres.

Imagem: reprodução/Poder360

Entre os que consideram que jovens devem sair do isolamento, 44% são homens e 46% são pessoas entre 25 e 44 anos e 53% têm só o ensino fundamental e 47% estão desempregados ou não possuem renda fixa.

A região na qual as pessoas mais querem o retorno dos jovens ao trabalho é a Norte (65%). Em seguida, estão Centro-Oeste (54%), Sul (49%), Sudeste (42%) e Nordeste (33%).

Os mais ricos e os que têm maior grau de escolaridade correspondem a 82% e 65%, respectivamente, das pessoas que não querem que os jovens retornem ao trabalho.

AGLOMERAÇÕES

O DataPoder360 mostra que 72% dos brasileiros não pegaram ônibus, metrô ou estiveram em lugares com muitas pessoas nas últimas duas semanas. Apenas 24% afirmaram terem ido a ambientes de aglomerações.

Os mais jovens foram os que mais fizeram uso de transporte público ou estiveram com muitas pessoas. Pessoas de 16 a 24 anos correspondem a 35% do total. Os de 25 a 44 anos, correspondem a 28%.

Além disso, entre os que estiveram em aglomerações, 26% são homens, 31% têm o ensino médio e 25% têm ensino superior.

O Norte foi a região na qual as pessoas mais desrespeitaram (31%) as orientações contra a covid-19. Essa é a 3ª região na qual há mais casos da doença no país: 7.469 até 6ª feira (17.abr.2020).

Em seguida, estão Sudeste (26%), Nordeste (24%), Centro-Oeste (18%) e Sul (16%).

Pode 360

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Simão disse:

    OLHEM, OLHEM O PORQUE DA PREOCUPAÇÃO DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA.
    TA VENDO??
    AINDA CHAMAM O CARA DE LOUCO.
    VAI ACERTAR O MESSIAS.
    BG!!!
    NÃO SE PODE QUERER ENCINAR A GANHAR, UM CARA QUE JÁ É GANHADOR.
    NÃO É A TOA QUE GANHOU APELIDO DE MITO.
    por falar em MITO, quero dizer que estamos juntos!
    Não há motivos para arrependimentos.
    O MITO de novo, depois é MORO.
    Esses, que se apresentam aí, Deus me livre, só menino traquino.
    Tô fora.

  2. Silvio disse:

    Mas é uma lógica, você parado, sem ganhar dinheiro, irá comer o restinho das reservas ou não vai nem ter dinheiro pra se sustentar. Por um tempo limitado, o governo pode suprir essa sua manutenção. Só que com o tempo, os recursos do governo também se esgotarão. Logo, se existem pessoas, na sua imensa maioria que essa doença não leva a fatalidade, então que continuem trabalhando, já os idosos, com morbidade, com doenças cardíacas e preexistentes, esses tem que serem preservados, protegidos e tratados com cuidados pra evitar infectados, e que deem condições de mantê-los saudáveis e com a imunidade alta. Caso isso não seja possível, não existirá outro caminho, que não o do caos, onde miseráveis e famintos serão todos dessa nação, e com isso um extermínio de uma país inteiro, não temos outra saída, estamos entre a cruz e a espada.

  3. Eduardo Peixoto disse:

    Até que enfim temos uma pesquisa publicada por aqui que não veio da serviçal Folha de São Paulo. Vamos fer se outros blogs e órgãos de notícias locais também publicarão. Ainda bem que esse blog não está se prestando a ser o mensageiro da desgraça e agente fomentador do caos em nosso estado. Parabéns, BG!

  4. Petistamaravilhoso disse:

    Façam igual aos artistas da globo, fiquem em casa e para aproveitar assistam a Globo, só assim vocês não sairão nunca mais, pois o mundo acabou, enquanto isso a audiência deles só aumenta.

  5. Cigano Lulu disse:

    Hipocrisia pouca é bobagem: daí porque o natalense (majoritariamente funcionário público, pensionista ou aposentado) repete com tanta facilidade o mantra "fique em casa".

    • Íria disse:

      Verdade, não sabe ele que a esquerdalha vai a partir desse mote "fique casa", a redução de seu salário, o atraso no pagamento e outras maldades. A governadora vai usar a queda da arrecadação e dá o xeque mate, daí meu amigo servidor, tome pêia, sempre justificando o resultado do fique em casa. Se pensarem que irão ganhar dinheiro sem trabalhar, entraram foi numa barca furada. Olhe o que está acontecendo no correligionário cearense da governadora. É de arrepiar os cabelos!

Após 11 mortes, médico explica pesquisa com cloroquina e critica uso político do estudo

Foto: Hector RETAMAL/AFP

A morte de 11 pacientes durante estudo sobre o uso da cloroquina em pacientes graves com Covid-19, em hospital de Manaus (AM), está sendo usada politicamente tanto por críticos do presidente Jair Bolsonaro quanto por seus fiéis seguidores.

Para uns, as mortes provariam que a cloroquina não seria a solução para combater a doença causada pelo novo coronavírus – ao contrário do que defende Bolsonaro, que vê na substância a verdadeira saída para diminuir o isolamento social e suas consequências. Por outro lado, para os “bolsonaristas”, o uso de altas doses de cloroquina em 7 desses 11 pacientes mostraria um “plano da esquerda” para tentar desacreditar a cloroquina e Bolsonaro durante a crise sanitária. Algumas mensagens nas redes sociais, sem qualquer prova, sugerem que os pesquisadores teriam “matado de propósito” só para “desautorizar a campanha pró-cloroquina de Bolsonaro”.

O responsável pelo estudo, o médico infectologista Marcus Vinícius Guimarães de Lacerda, pesquisador há 20 anos, vinculado a duas fundações reconhecidas internacionalmente pelos estudos sobre malária, a Oswaldo Cruz e a Fundação de Medicina Tropical do Amazonas, critica o uso político da sua pesquisa.

Em entrevista para a Gazeta do Povo (leia abaixo), ele afirma que os resultados preliminares não respondem de forma definitiva se a cloroquina é eficaz ou não no tratamento da Covid-19, apenas que a substância é tóxica se utilizada em altas doses – o próprio pesquisador continua um estudo com cloroquina em pacientes em fase inicial da doença, na dose indicada pelo Ministério da Saúde.

Ao mesmo tempo, ele confirma ter usado cloroquina e não a hidroxicloroquina (mais fácil de ser metabolizada pelo organismo), como adotou o estudo chinês que ele quis reproduzir, porque, segundo ele, “a curto prazo cloroquina e hidroxicloroquina não apresentam toxicidade cardíaca; a cloroquina, somente em longo prazo, apresenta toxicidade ocular”.

A Gazeta do Povo procurou diversas fontes que criticam o estudo realizado para tentar averiguar se há, de fato, algum erro no método científico adotado. Algumas dessas fontes questionam a conduta dos responsáveis pela pesquisa, sobretudo as altas doses, mas não quiseram ter seus nomes divulgados e nem mostraram provas.

Leia entrevista aqui na Gazeta do Povo.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Adejair disse:

    Pelo que entendi na matéria o médico responsável pela pesquisa está querendo um álibi. Ficou bem nítido na matéria quando informa que foi utilizado limite superior ao recomendado em alguns pacientes, ou seja, "ERRO" médico.

  2. Henrique disse:

    Sabia que altas doses são tóxicas e mesmo assim forneceu aos pacientes?
    Queria testar o que todos conhecem?
    Tá mal contada a história.
    As doses eram cavalares. E depois saiu alardeando na mídia que iria parar o estudo porque tinha havido complicações com a cloroquina.
    É muita irresponsabilidade para um profissional.

  3. Joao disse:

    Esse medico foi irresponsavel.. se ha uma dose maxima diaria, pq ele passou deste limite recomendado pelo MS? Que tipo de pesquisa particular é esta que parece nem registro existir? Ora.. ate uma aspirina dada em excesso tb pode matar. E ainda continua a pesquisa usando agora a dose recomendada, isso corrige o erro anterior? Este farmaco pode ser administrado ate seis semanas pra tratamentos específicos, sem graves efeitos colaterais em percentual alto de pacientes. Sao 100 anos de uso para tratar malaria, sem praticamente riscos Muito irresponsavel.

  4. Manoel disse:

    Estou muito ansioso pra ver esses médicos e cientistas defenderem que TODOS os remédios vendidos em farmácia precisam de receita já que TODOS tem muitos efeitos colaterais e contra indicações. Quem quiser ver eh só ler a bula dos remédios que toma… Ou será que só agora descobriram que hidroxicloroquina e Anitta tem efeitos colaterais??

Pesquisadores australianos testam antiparasita para matar coronavírus

Foto: Reprodução/Universidade de Pittsburgh

Pesquisadores da Universidade Monash, em Melbourne, na Austrália, anunciaram nesta sexta-feira (3) a descoberta de que um remédio antiparasita disponível ao redor do mundo pode ser capaz de matar o novo coronavírus, causador da covid-19.

Segundo o estudo, quando testado em laboratório, a Ivermectina foi capaz de acabar com qualquer material genético do vírus em 48 horas.

O líder do estudo, Dr. Kylie Wagstaff confirmou que, além da eliminação total em 48 horas com uma única dose, o remédio mostrou, também, eficácia na redução da carga viral nas primeiras 24 horas.

O pesquisador alertou, ainda, que os testes foram realizados in vitro, sendo necessários testes em humanos para garantir a eficácia da droga:

“A Ivermectina é amplamente usada e é vista como uma droga segura. Nós precisamos descobrir agora se a dosagem que é possível de se utilizar em humanos será eficaz”.

Apesar de desconhecer o mecanismo exato de como a Ivermectina atua no coronavírus, o líder do estudo acredita que, baseando-se em estudos anteriores com outros tipos de vírus, ela faz com que vírus pare de “reduzir” a habilidade da célula de se livrar dele.

A droga já havia mostrado eficácia em testes in vitro contra outros tipos de vírus, como os da dengue, da zika, do influenza e até mesmo do HIV.

O próximo passo é definir uma correta dosagem para humanos, garantindo a segurança do paciente, ao mesmo tempo em que o vírus ainda seja afetado. Só a partir daí é que será possível iniciar os testes clínicos.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bia disse:

    Deus è pai

  2. Bosco disse:

    Amém!

  3. Terto Ramos disse:

    Boa!!
    Que seja logo essa descoberta.
    Excelente notícia!!
    Vamos avante, com Deus e nossa Senhora.

Pesquisa XP/Ipespe: Governo Bolsonaro tem 42% de avaliação ‘ruim’ ou ‘péssima’ em abril; ótimo ou bom 28%, e consideram regular 27%

Foto: Reprodução

A reprovação ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) atingiu 42% em abril, ante 36% em março, de acordo com edição extra da “Pesquisa XP com a População”, realizada pela instituição em parceria com o instituto Ipespe. É o maior nível de avaliações ruins ou péssimas desde o início do mandato, mas ainda estável no limite da margem de erro da pesquisa, de 3,2 pontos porcentuais.

A proporção da população que avalia o governo como “ótimo ou bom” caiu de 30% para 28% no período, também estável dentro da margem. Regular consideram 27%. Nominalmente, é a primeira vez que a taxa fica abaixo do nível dos 30%.

A pesquisa incluiu um questionário especial sobre a pandemia do coronavírus no País e mostrou que Bolsonaro tem tido aprovação menor que a do ministro da Saúde, Henrique Mandetta. A atuação de Bolsonaro no combate ao vírus foi considerada “ruim ou péssima” por 44% da população, enquanto 29% enxergaram o desempenho do presidente como “ótimo ou bom” e 21%, como “regular”.

Ele tem a avaliação mais negativa entre todos os atores pesquisados. A aprovação da atuação do presidente está empatada na margem de erro com a do Congresso (30%), da população (34%), e do Supremo Tribunal Federal (29%), mas abaixo da do ministro de Mandetta (68%), dos governadores (59%), do ministro da Economia, Paulo Guedes (37%) e dos profissionais da saúde (87%).

Aprovação de governadores dispara em meio à pandemia

A proporção de pessoas que considera a administração dos governadores como “ótima ou boa” disparou de 26% em meados de março para 44%.

O crescimento ficou muito acima do limite da margem de erro, de 3,2 pontos porcentuais para cima ou para baixo.

Os governadores da região Sul têm a maior taxa de aprovação, de 54%. Na pesquisa anterior, era de 35%. Em seguida, vêm os chefes de Estados do Nordeste (27% para 50%); do Norte e Centro-Oeste (24% para 44%) e, por último, do Sudeste (22% para 37%).

No mesmo período, a avaliação positiva do Congresso avançou de 13% para 18%, mas estável no limite da margem de erro. No entanto, a avaliação “ruim ou péssima” teve forte queda, de 44% para 32%, enquanto a proporção dos que consideram o Congresso regular avançou de 37% para 45%

Mandato de Bolsonaro

A pesquisa também captou deterioração nas expectativas para o restante do mandato de Bolsonaro. A proporção da população que espera que o governo dele seja “ruim ou péssimo” avançou de 33% para 37%, enquanto a avaliação “ótima ou boa” recuou de 38% para 34%.

“O que estamos vendo é que Bolsonaro mantém esse núcleo de apoio em torno de 30% e isso é o que ele precisa para chegar até 2022. Não esperamos mudança no comportamento dele”, disse o head de Macro Sales e Análise Política da XP, Richard Back, em webinário de divulgação da pesquisa.

A pesquisa ouviu 1000 pessoas, por telefone, entre os dias 30 de março e primeiro de abril. A amostragem leva em conta sexo, região, idade, tipo de cidade, religião, porte do município, ocupação, nível educacional e renda.

Estadão

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Fonte estadão tá de sacanagem, confiança zero desta pesquisa, faça cada um levantamento frente ao seu grupo social e verá a realidade, no meus grupos chega a uns 60% a 80% pro Bolsonaro, mesmo com essas insistências dele.

  2. Fábio disse:

    Fonte: Estadão? Bela fonte! Um jornal esquerdista. Outra: nunca participei destas pesquisas. Quem me garante que esses números são tudo mentira? Mais outra: e Bolsonaro tá se lixando pra essas pesquisas. Ótimo! Quem não ajunta, só faz espalhar. Bolsonaro 2022!

  3. Jose disse:

    Pior é mais incompetente presidente de nossas história: Bolsonaro, o Breve.

    • Fábio disse:

      Correção: Melhor presidente que já apareceu. Porque tem que limpar as merdas que os outros deixaram. O pior são as moscas que gostam de ficar sobrevoando a merda.

  4. Biu disse:

    Aumentou a aprovação em 1% a mais di resultado da eleição, que foi de 57%

  5. Martins disse:

    28% consideram o governo desse louco ótimo/bom?
    Realmente o gado precisa ser estudado.

    • BRASILACIMADETUDO disse:

      E os jumentos encantados pelo 9 dedos também.

    • Rio disse:

      Viúvas do Pinguço Trambiqueiro só sabem chorar……chamando os outros de gado, mas nem percebem que nessa fazenda eles estão no chiqueiro do porco Barbudo.

  6. Maria Moraes disse:

    Pesquisa fake, estão loucos para tomar o poder! O povo está com o Bolsonaro!!!

    • Beto Dal disse:

      Ué, se não fizer um bom governo, outro vai sim ser eleito e ocupar a cadeira de presidente. Um dia a gente acerta!!!!

Governo faz pesquisa para avaliar comportamento no combate à covid-19


Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Para avaliar as práticas de prevenção e condições de saúde da população no momento da pandemia de covid-19, o Ministério da Saúde começou na quarta-feira (1º) a pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel Covid-19). O levantamento será feito por telefone celular com pessoas de 18 anos ou mais em todas as capitais do país e vai auxiliar o Ministério da Saúde no planejamento de ações e de programas de saúde para reduzir os casos de infecção pelo coronavírus.

Entre as questões abordadas estão os comportamentos adotados ou não pela população, como forma de prevenção à doença, que meios de comunicação utilizam para informações, presença de sintomas, busca por serviço de saúde, presença de doenças crônicas.

As ligações vão ser feitas até as 21h em todos os dias da semana durante o mês de abril. “Os números de telefones são definidos aleatoriamente, por meio de sorteio garantindo, desta forma, a representatividade de toda a população brasileira”, diz nota do Ministério da Saúde.

Na pesquisa são perguntadas informações sobre idade, sexo, escolaridade, estado civil, raça/cor para que os resultados reflitam a distribuição sociodemográfica da população total. A pesquisa não pede dados do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), Registro Civil (RG) ou informações bancárias.

Agência Brasil
*Com informações do Ministério da Saúde

PESQUISA BG COVID-19 NATAL: veja como o(a) leitor está reagindo e se informando diante da pandemia

Nada melhor do que, no dia em que comemoramos os 9 anos de um veículo de informação, presentear o nosso leitor com mais informação, numa pesquisa respondida por eles próprios. Neste momento de crise devido à pandemia do Coronavírus, o Blog do BG realizou e presenteia seus leitores com uma pesquisa cheia de respostas sobre como a população está avaliando este momento.

Uma pesquisa que vai servir de referência, nesta hora em que tão importante quanto cumprir a quarentena e o isolamento social, é ter informação essencial na mão, e poder saber como as pessoas estão reagindo e se informando sobre o vírus. Mais um presente do BG, para você, nosso fiel leitor. Que venham mais 9 anos.

As perguntas foram enviadas pelo Whastapp e 915 pessoas responderam.

CLIQUE ABAIXO E ACESSE:

Pesquisa_Corona_Natal_BG NOVA

Um em cada quatro franceses não toma banho todos os dias, aponta pesquisa

Foto: Ilustrativa

Um em cada quatro franceses não toma banho todos os dias. É o que aponta um levantamento realizado no país europeu, que também pontua um “baixo respeito às normas sanitárias”.

Os franceses têm a reputação de ser sujos e esta imagem não se desgrudará deles tão facilmente: só 76% tomam um banho completo – lavando todo o corpo – todos os dias, segundo uma pesquisa realizada pela firma Ifop.

Os dados mostram que as mulheres são menos descuidadas que os homens. Enquanto 81% delas afirmaram se banharem diariamente, apenas 71% deles mantêm o mesmo hábito.

O porcentual entre os homens ainda diminui quando se trata de desempregados (60%), moradores de zonas rurais (59%) e idosos com mais de 65 anos (57%).

Além disso, somente um quarto (25%) dos entrevistados afirmou lavas as mãos depois de assoar o nariz, o que demonstra, segundo a pesquisa, “o desconhecimento das normas sanitárias básicas, apesar das numerosas campanhas de saúde pública e os riscos de doenças virais atuais”, como o coronavírus. Ainda quanto ao hábito de lavar as mãos, apenas 71% declararam lavar as mãos ao sair do banheiro e 37% ao sair do transporte público.

Roupas de baixo

Um estudo publicado nessa quarta-feira, 26, no jornal francês “Le Parisien” mostrou que 94% das francesas trocam de calcinha todos os dias. O porcentual é muito superior do que a média registrada nos anos 50, quando apenas 17% das mulheres do país tinham esse hábito.

Por outro lado, apenas três em cada quatro homens franceses trocam de cueca todos os dias.

Estadão, com AFP

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Laura disse:

    Achei um horror hoje na FM 96 os radialistas chamando os franceses de sujos e fedorentos, generalizando todos os franceses.
    Mesmo que alguns sejam, não acho elegante esse tipo de colocação. Achei uma falta de respeito. Outro jornalista comentava que “velho” só morria de queda de rede e outra coisa que não me recordo agora, enquanto outro ria. Também não gostei.
    Estou achando esses jornalistas muito despreparados para apresentarem um programa e sem assuntos interessantes para abordar com a população.
    Tanta coisa séria acontecendo neste país e eles preocupados em debochar dos idosos e com o cheiro dos franceses. Poupem-me!!!!

  2. Patrícia Silva disse:

    Que horror. Só se tiver congelando. Aff tomo uns 5 banhos por dia. Deus me livre.

  3. NETINHO MAGNATA disse:

    Quando a gente passa a tomar um banho por dia, já cria um tipo de “cebo” nas entranhas do corpo, imagine passar uns 3 (três) ou 4 (quatro) dias sem tomar banho. A rumaaaa de sebosos!!!!
    E o bom é que quando esses sebosos chegam por aqui, todos adulam, querem dar o rabo e etc., agora vá um brasileiro para lá! Lá, somos índios, porcos, analfabetos, monstros, drogados e por aí vaiiii
    Viva lê France!!!!

  4. Observador disse:

    O que há de novo nesta informação? Ouço falar isto a pelo menos 200 anos.

  5. Flauberto Wagner disse:

    A repulsa deles por água é tão antiga que o próprio Luiz XV não era tão chegando a um banho, aí venho ideia de substituir água por outro produto que os deixassem limpos, criaram o perfume e hoje são os melhores do mundo.
    Agora, não banho não é só coisa de franceses é coisa até de brasileiros também.

  6. Gustavo disse:

    Um luxo esses franceses!

  7. Cap_Mor disse:

    Conheci 1 francês que não tomava banho em 4 dias 🙂

    • manezinho disse:

      Bizarro nao é ele deixar de tomar banho.. é essa informacao intima dele com vc.

Avaliação do governo Bolsonaro fica estável em fevereiro, mostra pesquisa XP/Ipespe

Presidente Jair Bolsonaro posa para fotos com populares na entrada do Palácio da Alvorada (Agência Brasil/Agência Brasil)

 

A avaliação da população em relação ao governo de Jair Bolsonaro apresentou cenário de estabilidade entre janeiro e fevereiro, de acordo com levantamento da XP Investimentos em parceria com o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe). Dados divulgados ao Estado apontam que 36% dos entrevistados consideraram o governo ruim ou péssimo, contra 39% em janeiro – mesmo porcentual desde outubro de 2019. Outros 34% avaliaram o governo como ótimo ou bom, contra 32% em janeiro, e 29% como regular (28% no mês anterior).

As variações estão dentro da margem de erro da pesquisa – de 3,2 pontos percentuais – e mostram a divisão de opiniões que tem marcado os levantamentos do tipo nos últimos meses.

A expectativa da população para o restante do mandato de Bolsonaro também não variou. Para 40%, a perspectiva é ótima ou boa e para outros 33% é ruim ou péssima. São os mesmos porcentuais de janeiro. Outros 21% esperaram um resto de governo como regular, ante 20% em janeiro.

O levantamento teve abrangência nacional e ouviu mil entrevistados, por telefone, entre segunda-feira, 17, e quarta-feira, 19.

Em um ano, a avaliação negativa do governo Bolsonaro cresceu de 17%, em fevereiro de 2019, para 36% neste mês, enquanto a resposta de ótimo ou bom variou de 40% para 34%. O porcentual dos que consideraram regular o governo variou dentro da margem de erro, de 32% para 29% em um ano.

As expectativas ruim e péssima para o restante do governo Bolsonaro saíram do piso de 15% em fevereiro de 2019 para 33% este mês, enquanto a perspectiva ótima e boa saiu de 60% para 40%. Já a perspectiva regular para o resto do mandato segue praticamente estabilizada e dentro margem de erro desde o início da série de levantamentos, e variou de 20% para 21% em um ano.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lenio disse:

    E O BANDIDO DE ESTIMAÇÃO DA FAMÍLIA?
    MAS BANDIDO BOM NÃO É BANDIDO MORTO?
    HOMENAGEAR BANDIDO PODE?
    ENTRE RACHADINHAS, LARANJAS E CHOCOLATES, DEFENDER MILICIANOS PODE?
    POIS É BOZONARO, CADA DIA VAI FICANDO MAIS DIFÍCIL DEFENDER HIPÓCRITAS QUE LIDERAM BANDIDOS, HOMENAGEIAM BANDIDOS, EMPREGAM EM SEUS GABINETES BANDIDOS, MORAM NO MESMO CONDOMÍNIO E SÃO AMIGOS DE BANDIDOS.
    AS FICHAS DE MUITA GENTE JÁ ESTÃO CAINDO E OS FAKES CONSTANTES JÁ NÃO SURTEM OS MESMOS EFEITOS QUE ANTES.
    A BATATA ESTÁ ASSANDO NO "ANEL" DE COURO DOS QUE PREGAM A MORTE E A GUERRA E SE DIZEM CRISTÃOS ADORADORES DA PAZ E DO AMOR.
    AS BANCADAS DO BOI, DA BALA E DA BÍBLIA ESTÃO NO TOPO DA LISTA DE HIPÓCRITAS EXPLORADORES DO SISTEMA. MAIORES MAMADORES DO PODER PÚBLICO.

JUÍZO PASSA LONGE: Pesquisa diz que pessoas se sentem atraídas por outras no carnaval, aponta “motivos” para traição, e revela que maioria não quer separação

Foto: Ilustrativa

O carnaval está aí é o clima é de folia e pegação até para os comprometidos. Pelo menos é isso que indica pesquisa do site Second Love, dedicado a pessoas que desejam ter relações extraconjugais, que mostra que a infidelidade aumenta nesse período.

De acordo com o site, isso acontece porque muitos homens e mulheres encontram nos bloquinhos ou nas festas de carnaval uma oportunidade de fugir de uma relação que pode ter caído na monotonia. Os motivos para cometer uma traição , segundo os 2400 entrevistados na pesquisa, não param por aí:

cerca de 50% sentem-se atraídos por outras pessoas;

68% das mulheres confessam a necessidade de sentirem desejadas novamente;

25% das mulheres referem-se à necessidade de uma aventura por viverem um relacionamento sem sexo;

mais de 80% dos homens traem devido à falta de sexo com a justificativa de ter mais frequência e variedade

Ainda assim, a ideia é trair nos dias de folia e seguir o relacionamento , já que 70% dos entrevistados afirmam que não querem se divorciar. Eles dizem que ainda amam seus parceiros, valorizam a família ou que apenas buscam uma diversão, não um novo namorado (a). Para eles, trair no carnaval é uma oportunidade para experimentar momentos de fantasia e exaltação, além de viver níveis altos de adrenalina.

IG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Anderson M. G. disse:

    Em um relacionamento verdadeiro não há traição. Afastem se dessa degradação chamada Carnaval que só potencializa a traição!

Aventura ou insegurança? Pesquisa aponta motivos para traição no carnaval

Foto: Ilustrativa

Todo início de ano o carnaval levanta as seguintes questões nos relacionamentos: Por que trair no carnaval , quando existe a opção de terminar o relacionamento? Por que mentir para curtir o carnaval, se existe a possibilidade de abrir o coração outra vez e mudar o rumo da sua vida? Encontrar essas respostas levam para outra pergunta: Por que terminar com o parceiro, quando tudo que a pessoa deseja é apenas um amor de carnaval, ou seja, passageiro?

As condutas morais não passam de regras éticas que visam orientar o comportamento coletivo, e que ignoram a felicidade e as particularidades de cada um. O desejo de trair dentro de um relacionamento e, principalmente, casamento, é algo que pesa.

Segundo pesquisa da Second Love, 6 em cada 10 mulheres que procuram um amante durante o período carnavalesco, não querem se divorciar; mas querem ter uma aventura, sentir emoções, ou seja, uma diversão passageira e não um compromisso com alguém.

Em outro cenário, em um relacionamento estável e duradouro, por exemplo, regendo uma família feliz e cumprindo inúmeros papéis exigidos – mulheres e homens apaixonados, mães e pais cuidadosos -, a diversão acaba sendo deixada ‘de lado’.

Caso juntarmos tudo isto com a rotina e a monotonia das relações monogâmicas de longa duração, a vontade de ir em um bloquinho de carnaval ou dar uma fugidinha de casa acaba surgindo inevitavelmente.

A Second Love realizou uma consulta com os usuários e listou alguns motivos que alimentam o desejo de trair durante o carnaval e outros pelas quais o término da relação não é desejado, mesmo com o desejo de se divertir livremente durante esse período.

Durante o carnaval, a traição ocorre, pois:

– Cerca de 50% que são infiéis, sentem-se atraídos por outras pessoas;
– 68% das mulheres confessam a necessidade de sentirem desejadas novamente;
– 25% das mulheres referem-se à necessidade de uma aventura por viverem um relacionamento sem sexo;
– Mais de 80% dos homens traem devido à falta de sexo com a justificativa de ter mais frequência e variedade;
– Nos relacionamentos a longo prazo, corpo e sexo acabam se tornando secundários;
– É uma oportunidade para experimentar momentos de fantasia e exaltação;
– Sentem necessidade de correr riscos e experimentar níveis altos de adrenalina.

Mais de 70% dos usuários confessam que não planejam terminar o relacionamento para curtir o carnaval, pois:

– Ainda amam seus parceiros;
– Valorizam a harmonia familiar;
– Muitos casais mantêm um acordo para se relacionar abertamente;
– Não querem outro parceiro, apenas uma diversão durante o período de carnaval .

IG

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Toni disse:

    LEGAL MUITO LEGALLLLLLL!!!!!!!! PEGA O DEDO E ARRRRGGGG!!!!!!!!!

  2. gustavo disse:

    Interessante!