Messi lidera ranking de jogadores mais ricos do futebol; Neymar aparece em 3º

Foto: © Albert Gea/Reuteurs/Direitos Reservados

Messi não conseguiu concretizar o que seria uma transferência multimilionária do Barcelona neste mês após uma disputa contratual, mas o craque argentino ainda continua sendo o jogador de futebol mais bem pago do planeta.

Segundo uma lista organizada pela Forbes, os vencimentos de Messi no ano chegaram a US$ 126 milhões (US$ 92 milhões em salário e US$ 34 milhões em contratos de patrocínio).

Como era de se esperar, Cristiano Ronaldo aparece em segundo lugar na relação com vencimentos de US$ 117 milhões. O atacante da Juventus tem também o status de jogador de futebol com mais seguidores nas redes sociais.

O brasileiro Neymar aparece em terceiro na lista da Forbes, com vencimentos de US$ 96 milhões, enquanto seu companheiro de PSG Kylian Mbappé é o quarto com US$ 42 milhões.

O campeonato inglês continua sendo a liga mais rica do planeta, apesar de apenas três de seus jogadores figurarem na lista dos 10 mais bem pagos: o atacante egípcio Mohammed Salah (Liverpool), em quinto com US$ 37 milhões, o meia francês Paul Pogba (Manchester United), em sexto com US$ 34 milhões, e o goleiro espanhol David De Gea (Manchester United), em 10º com US$ 27 milhões.

O francês Antoine Griezmann (Barcelona) aparece em sétimo, e o galês Gareth Bale (Real Madrid) é o oitavo. O atacante Robert Lewandowski (Bayern de Munique), único jogador da liga alemã, é o nono.

Agência Brasil

Bolsonaro lidera corrida eleitoral de 2022 em todos os cenários, mostra pesquisa

Foto 1: Jacqueline Lisboa/AGIF/ Fotos 2,3,4 3 5: Reprodução

Levantamento foi realizado entre os dias 18 e 21 de julho e ouviu 2.030 pessoas em 188 municípios dos 26 estados e do Distrito Federal. A margem de erro é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos.

O governo Jair Bolsonaro passou nos últimos três meses por uma tempestade política perfeita. À crise inaugurada pela pandemia do novo coronavírus, menosprezada pelo presidente desde o início, somaram-se a conturbada demissão de seu ministro mais popular, Sergio Moro, duas trocas no Ministério da Saúde, a abertura de um inquérito para apurar interferência política na Polícia Federal, a divulgação em vídeo de uma escabrosa reunião de seu gabinete, o cerco a bolsonaristas radicais em duas investigações do Supremo, a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), em uma casa do advogado de Bolsonaro, o diagnóstico de Covid-19 do chefe do Executivo e o saldo nefasto de mais de 80 000 mortos pela doença. Mesmo em meio a dificuldades sérias, que poderiam estraçalhar a popularidade de inúmeros políticos, Bolsonaro segue firme, mostrando mais uma vez que é um fenômeno político. Se a disputa presidencial fosse hoje, ele seria reeleito.

Essa é uma das principais conclusões de um levantamento exclusivo realizado pelo instituto Paraná Pesquisas entre os dias 18 e 21 de julho. Mesmo sendo um mandatário controverso à frente de um país dividido em relação ao seu governo, Bolsonaro lidera todos os cenários de primeiro turno — com porcentuais que vão de 27,5% a 30,7% — e derrotaria os seis potenciais adversários em um segundo round da corrida ao Planalto em 2022: o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-­prefeito Fernando Haddad (PT), o ex-­governador Ciro Gomes (PDT), o ex-­ministro Sergio Moro, o governador paulista João Doria (PSDB) e o apresentador Luciano Huck. Um feito impressionante, considerando-se que, segundo a mesma pesquisa, 48,1% dos brasileiros desaprovam a sua gestão (eram 51,7% no fim de abril) e 38% consideram ruim ou péssimo o seu trabalho (eram 39,4%). Comparada a um levantamento anterior da Paraná Pesquisas, de três meses atrás, a aprovação oscilou positivamente de 44% para 47,1%, enquanto o contingente que considera seu mandato ótimo ou bom foi de 31,8% para 34,3%, variação acima da margem de erro de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos.

A eleição de 2022 ainda está distante, mas chama atenção a capacidade de resistência do presidente. Os constantes solavancos políticos e as lambanças em série na condução da pandemia não colaram nele a ponto de erodirem a sua mais fiel base de apoio, de cerca de 30% dos eleitores — número que é considerado até por adversários como freio a um processo de impeachment (há dezenas deles nas mãos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia). Na visão de especialistas, Bolsonaro conseguiu escapar à lógica de que sucumbiria às crises por dois motivos: o auxílio emergencial, que amenizou efeitos econômicos da pandemia em uma população indiferente às confusões de Brasília, e a atitude mais comedida do presidente nos últimos tempos, especialmente após a escalada de tensão com o Supremo. Seu filho e senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) disse ao jornal O Globo, na quarta-feira 22, que a “postura de distensionamento” será permanente. “Desde que percebeu que o conflito com o STF era perigoso, o presidente recuou, ficou quieto, parou de dar declarações bombásticas. Para uma parte dos eleitores que o apoiam, mas eram críticos ao desempenho, a postura de Bolsonaro paz e amor ajuda a melhorar a avaliação”, diz o cientista político José Álvaro Moisés, da USP. “Bolsonaro volta a subir principalmente com o auxílio de 600 reais, que passou a chegar a mais gente. Com o fator bolso, a crise política fica menor. Lula, na época do mensalão, era um herói, porque o bolso estava cheio”, avalia Murilo Hidalgo, diretor do Paraná Pesquisas. Com os bolsonaristas já cativos, o governo busca justamente o “fator bolso” e a expansão de programas sociais para diversificar a sua base eleitoral. A pesquisa mostra que melhoraram os índices de avaliação no Nordeste, uma cidadela petista e lulista. Os nordestinos ainda são os brasileiros menos afeitos ao presidente, porém os que desaprovam o governo caíram de 66,1% para 56,8% entre abril e julho e os que aprovam subiram de 30,3% para 39,4%.

Pela perspectiva atual, fica difícil imaginar uma força que possa rivalizar com o presidente. A desaprovação ao seu governo, no entanto, faz supor que exista espaço para um projeto alternativo, menos radical e mais equilibrado. Entre os possíveis nomes de centro-­direita, quem aparece melhor hoje é alguém que estava colado ao presidente até recentemente, o ex-ministro Sergio Moro. Nas disputas de segundo turno, depois do inelegível Lula, Moro é quem mais se aproxima de Bolsonaro (44,7% contra 35%). Nas de primeiro turno, ele termina em segundo lugar, quando o candidato do PT é Fernando Haddad e em terceiro, mas não longe, quando é incluído o nome de Lula (veja os quadros). Visto como um ícone na batalha anticorrupção, Moro apresenta potencial de crescimento numa faixa hoje ocupada por Bolsonaro, mas que pode ser conquistada se as revelações do caso Fabrício Queiroz tisnarem de vez a imagem do presidente em relação ao cuidado com o dinheiro público. Essa ameaça de Moro já entrou no radar do bolsonarismo nas redes sociais e em manifestações de rua, que o elegeram como novo integrante do hall de “traidores da pátria”. O ponto negativo de Moro como alternativa a Bolsonaro é que, em razão de sua atuação como juiz, marcadamente contra Lula e o PT, ele dificilmente vai aglutinar apoios da esquerda. Outro dado dificultador é que ninguém sabe ao certo quais são as posições econômicas defendidas pelo ex-ministro.

Depois de derrubar a economia do país e assaltar o estado brasileiro, o velho oponente ideológico ainda tem um eleitorado cativo (Paulo Maluf também tinha, mesmo depois de comprovadas todas as denúncias de corrupção contra o ex-prefeito de São Paulo). Embora tenha sido condenado e preso na Lava-Ja­to e esteja inelegível pela Lei da Ficha Limpa, Lula tem ainda um forte recall entre os eleitores desse espectro. O petista chega a ter ampla vantagem sobre o presidente entre nordestinos (34,1% a 18,7%) e eleitores que estudaram até o ensino fundamental (31,5% a 21%). Na verdade, a fidelidade das pessoas ao petista se assemelha, de certa forma, à dos bolsonaristas mais ferrenhos. Há um quê de identificação e simpatia pessoal, elementos mais emocionais do que racionais. “Lula é uma liderança com raiz social muito importante, criou o Bolsa Família, fortaleceu universidades. Foi contestado pela corrupção, mas não eliminou esse apoio”, diz José Álvaro Moisés, da USP. Embora o piso eleitoral da esquerda seja respeitável, seu teto é baixo. Ninguém desse campo político demonstra capacidade de bater o presidente num eventual segundo turno. Tanto Lula quanto Haddad, oponente de 2018, são derrotados por Bolsonaro nas simulações de embates diretos — o capitão, aliás, ganha de seus rivais, não só os petistas, em todos os recortes de gênero, idade e escolaridade, à exceção da preferência por Lula entre os que estudaram até o ensino fundamental. “No segundo turno, onde estão os 48% que desaprovam Bolsonaro? Não tem ainda um candidato para catalisar essa desaprovação”, analisa o cientista político Antonio Lavareda.

Aos que gostariam de ver um candidato de Centro no Planalto em 2022, o levantamento do Paraná Pesquisas não traz boas novidades. Os dois principais nomes desse grupo, João Doria e Luciano Huck, tiveram desempenho pífio na pesquisa. Mesmo sem o nome de Moro no cenário, Doria alcança apenas 4,6% das intenções de voto. Nessa mesma simulação, Huck, que já beirou os 12%, cravou apenas 8,3%. No caso do apresentador da Globo, é até compreensível esse encolhimento. Embora faça lives em suas redes, algumas delas mostrando os camarins de sua atração na emissora, Huck não exerceu nenhum papel fundamental no combate à pandemia — nem poderia. Era natural que caísse (há pessoas de seu entorno que garantem que ele nem está assim tão empolgado para concorrer em 2022). Doria, por outro lado, merecia um reconhecimento maior do eleitorado. Sua atuação no combate ao coronavírus pode não ser perfeita, mas foi a melhor possível entre os governadores. Os números talvez mostrem que a estratégia do presidente de jogar a crise sanitária no colo de governadores e prefeitos aparentemente deu certo até agora, com a irresponsabilidade não se traduzindo em impopularidade.

O ex-governador de Minas, Magalhães Pinto, cunhou uma frase que define à perfeição esse momento da disputa de 2022: “Política é como nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”. Tudo pode, é claro, mudar até lá — e mesmo antes disso. Existem no horizonte de Bolsonaro ao menos duas questões que podem comprometer o seu projeto de reeleição: o desfecho imprevisível do caso Queiroz e a perspectiva de tormenta econômica no rescaldo da pandemia (está previsto um tombo de quase 6% do PIB), agravada pelo auxílio emergencial, que, em tese, vai até setembro. Mas é inegável que o capitão segue firme no páreo até agora, com uma inabalável resistência e, a rigor, nenhum adversário à altura.

Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ricardo disse:

    Homi, e olhe que não respondi a essa pesquisa, senão a diferença para os adversários seria ainda maior! 💙💚💛🇧🇷✅

    Atura ou surta! 🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣

  2. Cigano Lulu disse:

    Calma, gado bravo: a relação do Capetão Cloroquina com "Veja" não é nova. Foi nas páginas do semanário da Abril que ele desfilou pela primeira vez seu talento de "articulista traíra". Sim, Veja foi concebida em 1968 exatamente para combater os abusos e crimes da ditadura militar.
    Acolhedora do contraditório, a revista estampava em sua edição de 3 de setembro de 1986 o artigo intitulado "O salário está baixo", no qual o Capetão conclamava a caserna a se insurgir contra o próprio Exército que lhe provia salário, casa, comida e alguma dignidade.

  3. Hedylamar disse:

    Logo logo vão ser proibidas pelo todo poderoso STF. Pode escrever.

  4. Jair Bolsonaro disse:

    Decreto 171/2020:
    Decreto que as pesquisas eleitorais não mereciam a nossa confiança até ontem. A partir de hoje elas são confiáveis, principalmente as da Veja.
    Talkey?

  5. Bozoloide disse:

    Muuuu🐮🐮🐮muuuuu🐮🐮🐮🐮🐮viva a Veja🐮🐮🐮🐮muuuuu

  6. Gilberto disse:

    VAI TER OUTRA FACADA FAKE?

  7. otarocha disse:

    Faltou a inclusão do atual governador do Maranhão Flavio Dino.Acho q esse vai surpreender.

  8. riva disse:

    O que essa cambada de fisiológicos deve fazer é mudar o discurso, um bando de grasnadores ressentidos que ao longo de décadas esnobam o povo, agora se depara com um político profissional limitadíssimo que fala uma linguagem desprovida de hipocrisia e que se encaixa como luva no pensamento de grande parte da população brasileira. Está provado que a arrogância da esquerda juntamente com aquilo que se chama centro corrompido não pensam no Brasil, mas nos interesses corrompidos e corruptores. É melhor virá o disco. Caso contrário, sofrerão uma derrota humilhante. Além de que há uma imprensa venal que não pensa no Brasil. Vão dançar feio.

  9. francisco disse:

    o mais interessante nestas pesquisas, é colocarem o nome de Lula como candidato, quando todos sabem que ele, jamais será candidato, nem a vereador. A lei da Ficha Limpa, ficha que alias, ele não tem, o proibi de qualquer tentativa.

  10. Queiroz disse:

    Aí sim. Agora a Veja é confiável. Só acho que se a ema estivesse nessa pesquisa ganhava de lavada

  11. joaozinho disse:

    A pesquisa nao mostra que ha uma aceitacao razoavel de bolsonaro com menos de 30%, e sim uma grande rejeicao aos demais nomes com mais de 50% no segundo turno. Nao ha nomes novos, o povo vota por eliminacao. Cloroquina nao afasta apenas as emas.. afasta tb os politicos que ja sao de carteirinha negativados.

  12. Pepe disse:

    A corrida será longa,vamos ver o desenrolar do tempo,depois os debates,tudo é precipitado.Lula não vai se candidatar.
    Aposto na dupla Mantega e Moro.

  13. Francisco de Assis disse:

    Cadê a ema nessas pesquisas?

  14. Franclin disse:

    Tem nem vergonha de compartilhar notícia falsa.

  15. Gibira disse:

    Mito 2022 para desespero dos Burros esquerdopatas.

  16. .40 disse:

    Quero só ver o que o gado vai dizer. Quando as pesquisas apontavam a reprovação alta do governo, a pesquisa era fake e agora gado, a pesquisa é fake ou não? #ForaBozoEPTralhas

  17. Manoel disse:

    E o gado fica feliz e os burros choram
    B2022 e o mito.

  18. RENOVAÇÃO TOTAL 2020 e 2022 disse:

    Pelo que estou vendo ele pode até lançar Queiroz para prefeito do Rio com o Ronnie Lessa de vice que o povo apoia. Bolsonaro cresceu bastante nas pesquisas depois que se aliou a Roberto Jefferson e ao centrão do mensalão.

  19. Lourdes Siqueira disse:

    Depois que as pesquisas apontavam Dilma eleita Senadora /MG disparada e nem se quer foi eleita, eu agora viro a tabela ao contrário….kkkkkkkkkk
    Pense num negócio desacreditado!!!!!

Brasileiro de 34 anos dorme 4h por noite e lidera pesquisa de vacina em Oxford, no Reino Unido

(Foto: Arquivo pessoal, via BBC News Brasil)

Mestre em saúde pública, o médico infectologista Pedro Folegatti já trabalhou pesquisando doenças tropicais, infecciosas e parasitárias no Brasil, na Tanzânia, em Uganda e no Reino Unido, antes de se tornar um dos cientistas do instituto que leva o nome do inventor da vacinação, Edward Jenner, na Universidade de Oxford.

O ponto alto da carreira, no entanto, começou em fevereiro deste ano, quando Folegatti se tornou um dos responsáveis pelos milhares de testes que vem sendo realizados no desenvolvimento de uma das vacinas mais promissoras contra o novo coronavírus.

“Temos trabalhado dia e noite, fim de semana, feriado, desde o final de fevereiro, para fazer esses ensaios clínicos acontecerem”, conta o médico de 34 anos, que tem dormido em média 4 horas por noite, em entrevista por telefone à BBC News Brasil.

O empreendimento foi notícia no mundo inteiro na segunda-feira (20), quando um artigo co-assinado pelo brasileiro sobre testes com 1.077 voluntários nas fases 1 e 2 da vacina apontou que ela é segura e tem capacidade de gerar uma resposta positiva no sistema imunológico.

A próxima etapa envolve voluntários no mundo inteiro — incluindo 5 mil brasileiros. Mas a missão ainda está começando.

“O que os resultados preliminares mostram é que, sim, a vacina é segura ao não induzir efeitos colaterais graves em nenhum dos 1077 participantes que foram recrutados (…). E sabemos que, sim, existem diversos anticorpos sendo induzidos por uma ou duas doses da vacina. A qualidade desses anticorpos é boa, no sentido de que ele não só existe em quantidade suficiente, mas também é capaz de neutralizar o vírus. E induz também outro pedaço da resposta imune, que chamamos de imunidade celular por linfócito T”, diz.

“Agora, o passo que precisa ser dado é saber se essa resposta imune que é induzida pela vacina é suficiente para garantir proteção contra o coronavírus.”

À reportagem, o único brasileiro na linha de frente da produção da vacina no Reino Unido detalhou a velocidade inédita das pesquisas — “O processo costuma acontecer em torno de muitos e muitos e muitos meses. A gente conseguir recrutar 1077 voluntários em um período de um mês é sem dúvida uma coisa sem precedentes” — e faz alertas sobre a responsabilidade compartilhada por meio de um “pacto social” em meio à pandemia.

“O fato de uma pessoa escolher não se vacinar ou não usar uma máscara não é uma escolha individual e repercute de forma bastante significativa na sociedade como um todo. Essas coisas se traduzem em aumento de custos no sistema de saúde e fundamentalmente em milhares de vidas perdidas”, diz.

“É importante que as pessoas tenham ciência de que não é só uma gripezinha, não é só um resfriado, existem milhares de vidas perdidas por conta dessa doença e as pessoas precisam fazer o papel delas: ficar em casa, usar máscara em ambientes públicos, lembrar de lavar as mãos várias vezes ao dia. Essas medidas são bastante importantes como estratégia de contenção do vírus na ausência de um tratamento ou vacina eficaz”, diz.

Leia os principais trechos da entrevista AQUI via Época/BBC

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Raimundo disse:

    A esquerda cara-de-pau.
    Os esquerdistas querem se passar pela própria ciência. Eles acham que a esquerda é a ciência.
    Um pessoal que defende o comunismo, uma ideologia retrógrada, ultrapassada, quer pousar de sabichão.
    O fato é que, no momento, a ciência não tem nenhum tratamento comprovado. Quando HOUVER COMPROVAÇÃO de que a vacina funciona, todo mundo vai tomar.
    O que não faz sentido é estar doente e ficar em casa tomando banha da cobra jararaca.
    A Cúpula da esquerda incita o ódio na militância.
    Zumbis do treinador dia e noite acabam agindo igual cães espumando de ódio.
    Lula já comemorou a chegada do vírus.
    São abutres. Quanto mais morte e desemprego melhor para eles.
    Pois foram derrotados em 2018, serão derrotados em 2020 e tragédias são a tábua de salvação política para eles.

  2. Anti-Político de Estimação disse:

    E ainda existem débeis mentais com espirito medievo que não valorizam, e até desdenham, da ciência e dos cientistas…… Ainda bem que "os cães ladram enquanto a caravana passa".

Biden lidera intenções de voto para presidente nos EUA com 44%, ante 38% de Trump

Foto: Chip Somodevilla/Getty Images

 

O ex-vice-presidente Joe Biden lidera as intenções de voto para a Presidência dos Estados Unidos, segundo pesquisa eleitoral divulgada nesta segunda-feira, 27, pelo USA Today e realizada em parceria com a Universidade de Suffolk.

Em âmbito nacional, Biden aparece com 44% das intenções de voto, contra 38% do atual presidente Donald Trump.

O USA Today destaca que, na pesquisa realizada em dezembro de 2019, quando Trump enfrentava o processo de impeachment, o atual presidente liderava as intenções de voto com 44%, ante 41% de Biden.

Exame, com Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Neto disse:

    Agora o louco vai " enloucar" mais ainda.

RN lidera com TO taxa de mortes de policiais no país, aponta levantamento

Com 1,3 morte a cada mil policiais, o Rio Grande do Norte lidera, junto com Tocantins, a taxa de mortalidade entre policiais militares e civis no país, de acordo com dados de 2019 levantados pelo Monitor da Violência, do G1.

Segundo o levantamento,iIsso ocorreu mesmo com a redução, em mais da metade, dos crimes fatais contra os agentes de segurança do estado em relação ao ano anterior – passando de 25 para 12 – queda de 52%.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro Henrique disse:

    Fátima do PT foi a responsável pela diminuição no número de mortos de PM. LEIAM direito

    !Segundo o levantamento,iIsso ocorreu mesmo com a redução, em mais da metade, dos crimes fatais contra os agentes de segurança do estado em relação ao ano anterior – passando de 25 para 12 – queda de 52%.!

  2. Ivan disse:

    Não sabia que o governador de Tocantins era do PT.

    • Braulio Pinto disse:

      Em Tocantins eu não sei quem é o governador. Aqui no Rio Grande do Norte a governadora é Fatima, do PT. Fatima, do PT. Do PT.

  3. guga disse:

    Governo do P´T é isso mesmo. Odeiam policiais e amam bandidos.

MPB bate sertanejo e lidera as músicas mais gravadas no Brasil

O sertanejo é o gênero musical que tem ditado tendências e o que mais tem tocado em rádios, shows e outros segmentos – mas é a MPB que reina absoluta entre as músicas mais gravadas de todos os tempos no Brasil.

Das 10 primeiras do ranking inédito produzido pelo Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição),”Aquarela do Brasil”, de Ary Barroso, é a campeã. A canção lidera com 399 gravações até agora e foi gravada por nomes importantes da música brasileira e de diversos gêneros musicais. De Carmem Miranda a Elis Regina, passando por Dominguinhos, Cauby Peixoto, Agnaldo Rayol, Alcione e Alexandre Pires, entre outros. Também foi gravada por artistas estrangeiros como Dionne Warwick, Luciano Pavarotti e Plácido Domingo.

Veja o ranking das 10 músicas mais gravadas de todos os tempos:

Comunique-se

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eduardo Peixoto disse:

    Faltou "Caneta Azul". Rsss!!!

  2. Carlos Bastos disse:

    Essas músicas sertanejas de hoje, cantado pelos bombados é uma grande porcaria.

Indicados ao Oscar 2020: ‘Coringa’ lidera lista; veja geral

Joaquin Phoenix em cena de ‘Coringa’ — Foto: Divulgação

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas anunciou nesta segunda-feira (13), em Los Angeles, os indicados ao Oscar 2020. A cerimônia dos melhores do cinema acontece no dia 9 de fevereiro em Los Angeles, com transmissão do G1.

Veja destaques do Oscar e a lista completa abaixo:

“Coringa” é o filme com maior número de indicações, 11 no total, presente em categorias importantes como melhor filme, melhor diretor (Todd Philips), e melhor ator (Joaquin Phoenix).

“Era uma vez em Hollywood”, “1917”, “O Irlandês” dividem a segunda colocação, com 10 indicações cada.

“Democracia em vertigem”, documentário brasileiro da diretora Petra Costa, que mostra o processo de impeachment de Dilma Rousseff, também foi indicado.

Melhor filme

“Ford v Ferrari”
“O irlandês”
“Jojo Rabbit”
“Coringa”
“Adoráveis mulheres”
“História de um casamento”
“1917”
“Era uma vez em… Hollywood
“Parasita”

Melhor ator

Antonio Banderas – “Dor e Glória”
Leonardo DiCaprio – “Era uma vez em… Hollywood”
Adam Driver – “História de um casamento”
Joaquim Phoenix – “Coringa”
Jonathan Price – “Dois papas”

Melhor diretor

Martin Scorsese – “O irlandês”
Todd Phillips – “Coringa”
Sam Mendes – “1917”
Quentin Tarantino – “Era uma vez em… Hollywood”
Bong Joon Ho – “Parasita”

Melhor atriz

Cynthia Erivo – “Harriet”
Scarlett Johansson – “História de um casamento”
Saoirse Ronan “Adoráveis Mulheres”
Charlize Theron – “O escândalo”
Renée Zellweger – “Judy – Muito Além do Arco-Íris”

Atriz coadjuvante

Kathy Bates – “O caso Richard Jewell”
Laura Dern – “História de um casamento”
Scarlett Johansson – “Jojo Rabbit”
Florence Pugh – “Adoráveis mulheres”
Margot Robbie – “O escândalo”

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bixa bixerrima disse:

    Democracia em vertigem do Brasil é o brasil no Oscar, ficou devendo, pq,será?!

Bolsonaro lidera intenções de votos para 2022, diz Veja/FSB; cenários apontam vantagem expressiva

Foto: Sergio Lima/Poder360

Jair Bolsonaro (PSL) lidera a disputa para a eleições de 2022. O atual presidente da República conta com 34% das intenções de voto. O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) tem 17%. Em seguida aparecem o apresentador de TV Luciano Huck (sem partido), com 11%, e o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) com 9%.

João Amoêdo (Novo) fica em 5º lugar com 5% das intenções. O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), aparece logo em seguida com 3%.

Os dados foram divulgados nesta 6ª feira (18.out.2019) pela revista Veja. O levantamento foi feito pela FSB. A pesquisa foi realizada por telefone com 2.000 eleitores de 11 a 14 de outubro de 2019 em todos os Estados. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Eis os outros 2 cenários de 1º turno:

2º TURNO
Eis os números:

Bolsonaro 46% x 38% Lula (branco/nulo/nenhum/não sabe: 17%)
Bolsonaro 46% x 26% Doria (branco/nulo/nenhum/não sabe: 29%)
Bolsonaro 43% x 39% Huck (branco/nulo/nenhum/não sabe: 19%)
Bolsonaro 47% x 34% Haddad (branco/nulo/nenhum/não sabe: 20%)
Huck 40% x 29% Haddad (branco/nulo/nenhum/não sabe: 32%)

Poder 360, com Veja

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Wallace Nunes de Carvalho Trigueiro disse:

    Ciro Gomes 2022!

  2. JSL disse:

    Luciano Hulk ganhando, vai acabar com o Uber, pois só anda de táxis.

  3. Lula Livre #SQN disse:

    BOLSONARO 2022!

  4. Pedro disse:

    MORO 2022 !!!!!

  5. Realidade disse:

    Qual a utilidade de uma pesquisa agora? Validade nula e amanhã o Ibope ou o Datafolha publicam outra pesquisa com resultado invertido, todos ganhando de Bolsonaro!
    Mas falando em crise, se Bolsonaro não criar crises, como nunca antes na história desse país, a oposição e outros poderes constituídos que não aceitam ver um forasteiro, democraticamente colocado no poder, um ser que estava fora do grupo que poderia garantir e pactuar das articulações institucionalizadas no domínio do Estado, vão criar crise após crise, problema por problema, transformando nada em tudo de ruim.
    Qual dia desde janeiro de 2019 a maior parte da mídia não criou uma crise no governo?
    Se Bolsonaro tem tanto domínio, qual a razão da reforma da previdência não conseguir ser concluída depois de 10 meses? Quem impacta a reforma é Bolsonado ou aqueles que lutam pela retomado do poder?
    Os gritos desesperados de todos que perderam as benesses da articulação política podem ser ouvido em alto e bom som, comprovadas em suas continuadas decisões e matérias contra o governo e, como o povo brasileiro está vendo, não são poucos.
    A grande diferença entre os lados políticos no Brasil é que a esquerda por mais corrupção que seja comprovada, provada e apresentada, pois mais que sejam condenados pela justiça, eles estão juntos e abraçados, mantendo seu repertório e defendendo suas mentiras a qualquer preço, mesmo que isso signifique transformar o Brasil numa Venezuela.
    Já a direita que se posicionou contra a corrupção, não sabe trabalhar unida, estão se perdendo no jogo de versões diariamente lançadas por aqueles que querem, precisam e estão lutando pela retomada do poder. Não é questão acusatória, é um relato da triste realidade que o Brasil passa hoje e que alguns, insistem em afirmar: Tudo normal no país, instituições funcionando normalmente! Estão mesmo?

  6. Eider Calafange de Carvalho disse:

    Voto no atual presidente

  7. Eider Calafange de Carvalho disse:

    BOLSONARO 2022

  8. Allan Laranjeiras disse:

    Ele não acredita em pesquisa (02)

    • Silvio. disse:

      Essa pesquisa e falsa.
      Nela o Mito ainda não ganha em primeiro turno, onde o correto é ganhar em primeiro turno, e disparado na frente, tem mais se incluir o nome do nosso herói Sérgio Moro, pra 2026, aí não tem nem graça, no mínimo da 87% já em primeiro turno.
      Kkkkm
      Esse país tem jeito.
      Basta afastar os ladrões da esquerda .
      Kkkk

  9. Curiosa disse:

    Ele não acredita em pesquisa

VÍDEO – LEMBRA DELE? Champinha liderou rebelião em SP e fez agente de saúde refém na madrugada desta quarta

Foto: Reprodução/Record TV

O detento Roberto Aparecido Alves Cardoso, o Champinha, liderou uma rebelião em uma Unidade Experimental de Saúde, administrada pela Secretaria de Saúde e Secretaria de Administração Penitenciária, na madrugada desta quarta-feira (4), na zona norte de São Paulo. As informações são da Record TV.

Acompanhado de outros dois detentos, o líder fez um enfermeiro refém ameaçando-o com um espeto. O grupo se trancou na enfermaria do local para reivindicar mais direitos e comodidade na reclusão.

Champinha ficou conhecido pelo sequestro e morte do casal, Liana Friedenbach, na época com 16 anos, e Felipe Caffé, que tinha 19, em 2003. Liana ainda foi abusada várias vezes pelo próprio Champinha e os comparsas. Quando foi preso, Champinha era menor de idade e foi para as dependências da Fundação Casa, onde poderia permanecer por até três anos.

Porém, passado esse período, o Ministério Público pediu sua interdição civil. Considerado sem capacidade psicológica de conviver em sociedade por sofrer de distúrbios mentais e desvio de caráter, a Justiça acatou o pedido do Ministério e ele foi encaminhado para a unidade experimental de saúde que fica dentro da Fundação Casa. A unidade é exclusiva para infratores com distúrbios mentais.

A rebelião já chegou ao fim e o enfermeiro foi resgatado sem nenhum dano de saúde. Em nota, a SES-SP (Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo) informa que o tumulto foi controlado em menos de meia hora e que os atendimentos multidisciplinares aos internos seguem sem qualquer anormalidade. Esclarece, ainda, que não pode divulgar qualquer detalhe sobre os internos lá atendidos por questões de segurança e porque as informações são mantidas sob sigilo de Justiça.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Hulkenberg disse:

    Quem lembra muito bem desse traste, é o presidente Bolsonaro.
    Era justamente esse vagabundo que a Maria do Rosário defendia, na discussão com o então deputado Jair Bolsonaro. Ele
    Responde processos até hoje, por causa desse troço ruim.

  2. Observador disse:

    Pai da menina morta é advogado. Contrario a redução maioridade penal. Basta pesquisar no google.

  3. VTNC disse:

    O estado deveria interna-lo na cidade dos pés juntos , lixo tem que ser descartado !

  4. Joao Maria disse:

    Tem que matar logo. Um escroto desse só dá prejuízo à sociedade. Vai acabar matando mais gente.

  5. SE AJEITE NÃO disse:

    Lembro sim, o menino de ouro de Maria do Rosário.