Diversos

Empresários de casas de recepção e buffets cobram inserção do setor em decreto

Mais uma vez fora das normas do decreto estadual, o setor de casas de recepção e buffets cobra uma decisão do Governo estadual para que este segmento seja inserido e, possa, aos poucos ir se recuperando do forte impacto que foram atingidos desde o ano passado com a pandemia.

Na publicação do decreto no Diário Oficial do Estado (DOE) desta quarta-feira (12), se fala em um “plano específico de retomada gradual” para o setor de eventos no RN

Segundo o decreto, a “autorização para realização de eventos corporativos, técnicos, científicos, culturais, artísticos, sociais, comemorativos e afins” estão dependentes deste plano.

Empresários do setor e filiados ao Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do RN (SHRBS-RN) externaram sua insatisfação e alertaram para o que o segmento esteja inserido em um próximo decreto.

O empresário Luciano Almeida espera que o Estado se mostre solidário com os milhares de trabalhadores e centenas de Empresas do setor na esperança de chegar a uma solução viável garantindo a sobrevivência do setor e a saúde da população através da criação de um Protocolo de Retomada a ser publicado no próximo decreto estadual. “Pela primeira vez, o Governo sinaliza para o setor de eventos determinando que haverá de ser feito uma Portaria regulamenta-o. Dessa forma, acende uma esperança de retomada ainda no primeiro semestre de 2021”, analisou.

Para Danielle Canuto, que também é proprietária de casa de recepção e buffet, o setor de eventos, e mais especificamente os eventos sociais como casamentos, aniversários e formaturas, já elaborou e protocolou tanto na Prefeitura como no Governo estadual um plano de retomada. “Esse plano tem um formato análogo ao funcionamento de um restaurante ou bar, inclusive foi elaborado em conjunto com a mesma equipe técnica. Todos os protocolos de biossegurança, espaçamento entre as mesas, capacidade reduzida”, explicou.

A empresária ressaltou que “enquanto estamos preparados com todos os protocolos e sem poder trabalhar, as pessoas estão realizando eventos clandestinos em fazendas, praias e mesmo em residências, sem qualquer protocolo e segurança”.

Ela comentou a indignação com “a falta de sensibilidade das autoridades do nosso Estado, que está matando as empresas e massacrando todos os trabalhadores do setor de eventos”.

 

Opinião dos leitores

  1. É mais uma vez os políticos do nosso estado esquecem que o setor de eventos faz parte de um dos setores que mais geram dividendos para o nosso estado. Empresas e empresários quebrando, demitindo, inúmeras famílias sem seu sustento e nossos políticos nada fazem para nosso situação melhorar. É triste a nossa realidade, é triste ter que demitir uma pessoa que passou a ser parte de nossa família, uma pessoa que vinha crescendo juntos conosco, isso tudo é muito triste.

  2. Falta coragem para o empresariado no enfrentamento aos decretos insanos desse desgoverno, que vêm, ao longo de mais de 01 (um) ano, causando inúmeras demissões e um crescente fechamento de micro e pequenas empresas no nosso Estado. Tem que judicializar, marcar posição, nem que seja para perder as ações, já que se conhece o posicionamento do STF a respeito dessa matéria, sempre em prol dos governadores. Se não houver união, discurso uníssono, e ações claras, objetivas, coerentes e em uma só direção, muitas empresas ainda sofrerão, e o desemprego assolará no nosso Estado de forma irreversível. Empresário subserviente, e que agradece os favores do Estado, merece falir mesmo!

  3. Exatamente! Se o protocolo de retomada gradual já existe com mais de 40 protocolos de biossegurança e redução da capacidade para funcionamento não temos mais o que esperar ou discutir! Esse mesmo documento foi entregue para todas as autoridades das esferas do poder estadual e municipal. Já está tudo muito bem definido e alinhado!

  4. É complicado ser empresário e trabalhador nesse governo de Fátima do PT. Aliás, ser estudante também é muito difícil. A incompetência, falta de atitude e o projeto político dessa governadora acarretam grandes problemas para o RN.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Empresas do setor de eventos no RN têm prejuízo estimado de R$ 191 milhões

O Novo Notícias destaca que a sexta-feira 30 de abril foi marcada pelo Dia Nacional do Profissional de Eventos. Movimento provocado pelo Natal Convention Bureau com o objetivo de ocupar a mídia local, agendando vários profissionais de eventos para entrevistas e matérias jornalísticas, com o objetivo de sensibilizar as autoridades e a opinião pública acerca de milhares de pessoas absolutamente sem renda há um ano.

Na pauta, a situação crítica de um mercado que registrou prejuízo de R$ 270 bilhões com a pandemia do novo Coronavírus entre março e dezembro do ano passado no Brasil, onde perdas levaram ao desemprego de 3 milhões de pessoas. No Rio Grande do Norte, estima-se a alta cifra de R$ 191 milhões que deixaram de circular no último ano, com cálculos baseados nas pesquisas mais recentes.

O segmento, que tem um grande impacto na cadeia produtiva, já acumula 13 meses de uma crise sem precedentes e ainda com poucas possibilidades de soluções à vista. O próprio Ministério da Economia, na portaria 20.890, atesta que o Setor de Eventos foi o mais afetado na pandemia.

O mercado de eventos corporativos faz parte da cadeia econômica do Turismo através dos congressos, exposições comerciais e seminários, em razão de provocar fluxo de deslocamento entre cidades, estados e países, além da ocupação hoteleira. Por isso, atinge um número maior de naturezas de serviços, no caso, mais empresas que se nutrem dessa cadeia.

Outro dado interessante é que o ‘turista de evento’, comprovadamente deixa mais dinheiro na cidade-sede onde o evento acontece. Enquanto o turista que vem a lazer gasta cerca de R$ 322 por dia, o turista que vem para um evento gasta cerca de R$ 516,00, de acordo com os dados do Natal Convention Bureau.

O presidente Executivo do Natal Convention Bureau, George Gosson, destaca que a atividade de eventos abarca diversos tipos e formatos, e que, por exemplo, há eventos que são similares à dinâmica de um cinema, uma sala de aula, em ambientes controlados, que não oferecem o mesmo risco de um evento social ou um show, em que onde quase sempre há a bebida alcoólica e a inquietação do público como fatores complicadores do controle da programação.

Para Chirley Dantas, empresária proprietária da Crion Eventos, os eventos corporativos têm plena condição de serrem retomados, “porque seguimos protocolos, controlando efetivamente o número de pessoas e distanciamento social, dentre outras medidas de segurança que mantém esse tipo de evento, como uma extensão das corporações que nós atendemos como clientes”, explica.

Para ela, vários tipos de incentivos efetivos poderiam ser implementados, como a renegociação de possíveis dívidas, com interferência bancária, a paralisação temporária na cobrança de impostos, sem comprometer a emissão de certidões, e a isenção de taxas públicas, municipais e estaduais, por pelo menos 1 ano, para licenciamento e realização de eventos, como uso de espaço público, publicidade, estruturas, entre outras que se façam necessárias para a realização de um evento.

Com informações via Novo Notícias

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Demissões no setor de turismo respondem por quase 40% do desemprego em Natal, indica pesquisa

Foto: Reprodução/Blog do Dina

O Blog do Dina – por Dinarte Assunção, destaca nesta quarta-feira(05) que as demissões ao longo de 2020, motivadas em grande parte pela pandemia de covid-19, afetaram muitos setores da economia, nenhum, no entanto, como o turismo. É o que indica o “Monitora Turismo”, pesquisa realizada pela dra. Mariana Aldrigui, da USP, especialista em Turismo e presidente do conselho de Turismo da Fecomercio-SP.

O Monitora Turismo tem profundidade considerável em sua metodologia porque Aldrigui mapeia os impactos sobre o emprego em 571 atividades ligadas ao setor, direta ou indiretamente. Os números de emprego da pesquisa que ela consolida considera apenas os vínculos formais.

Em 2020, enquanto o saldo geral do Brasil de empregos foi positivo, de quase 143 mil empregos, puxados por construção civil e indústria, o turismo encerrou 110.833 postos de trabalho.

Ao considerar os 20 destinos turísticos mais relevantes do país, o Monitora Turismo constatou que 39% das vagas de emprego encerradas em Natal foram no setor.

Segundo dados do Caged, Natal desligou 3.196 postos de trabalho formais em 2020. Desses, o Monitora Turismo identificou que 1.246 foram de pessoas ligadas a uma das principais atividades econômicas da capital.

No comparativo com cidades de porte semelhante, Natal fica à frente no desemprego no turismo para Maceió (34%) e João Pessoa, onde as demissões no setor responderam por 27% dos desligamentos gerais.

Veja matéria na íntegra no Blog do Dina – por Dinarte Assunção AQUI.

 

Opinião dos leitores

  1. Infelizmente, isso é uma tendência mundial e de momento. Acredito que o RN irá se recuperar em relação ao setor de turismo mais rápido que muitos Estados. Os nossos gestores precisam socorrer as famílias afetadas por enquanto.

    1. Essa conversa é linda para quem tem o salário garantido no final do mês, mesmo sem produzir nada. Se você estivesse passando fome e sem dar uma vida digna para os filhos, queria ver se teria essa mesma conversinha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Prefeitura formaliza proposta ao Governo zerar impostos para setor de transporte

A Prefeitura de Natal encaminhou nessa segunda-feira (19) ao Governo do Estado a proposta de zerar a alíquota de ICMS para as empresas de transporte público. Na semana passada, o prefeito Álvaro Dias já havia apresentado medida semelhante, só que em relação ao Imposto Sobre Serviços (ISS), que é de abrangência municipal. Antes, já havia sido aprovada — também por iniciativa da Prefeitura e com aprovação da Câmara Municipal — a redução de 50% na cobrança do ISS ao segmento.

Por meio do ofício 454/2021, do seu Gabinete, o prefeito Álvaro Dias formalizou nesta segunda-feira à governadora Fátima Bezerra a proposta de que o Governo do Estado também zere o ICMS do sistema. “Tal ação auxiliaria não apenas o Município do Natal a manter sua operação, mas todas as cidades do Estado que possuem sistema de transporte público coletivo, assim como esse próprio Governo, que é gerenciador do transporte coletivo intermunicipal”, aponta o prefeito no documento remetido à governadora.

Na semana passada, durante reunião de conciliação coordenada pelo juiz da 6ª Vara da Fazenda Pública, Francisco Seráphico da Nóbrega Coutinho, também para tratar sobre o sistema de transporte público de Natal, o prefeito Álvaro Dias já propusera o incentivo fiscal para o segmento.

“Estamos em um momento crítico, enfrentando muitas dificuldades e uma pandemia avassaladora que está comprometendo muito nossas receitas. É preciso existir uma solidariedade entre os entes para pagar essa conta de forma conjunta e melhorar a oferta do serviço à população. Estamos nos comprometendo a zerar o ISS e esperamos que o Governo do Estado faça o mesmo em relação ao ICMS. Essa medida, inclusive, vai ajudar também aos municípios da região metropolitana e cidades maiores, como Mossoró. A Prefeitura de Natal tem todo o interesse em resolver essa questão, já deu claras demonstrações disso e espera que as nossas propostas sejam acatadas”, destacou Álvaro, naquela ocasião.

O sistema de transporte público em Natal vem funcionando nos últimos anos com desequilíbrio financeiro, quadro que se agravou desde o início da pandemia, no ano passado. As empresas alegam não ter como aumentar a frota sem ter a contrapartida financeira para colocar mais ônibus nas ruas.

Opinião dos leitores

  1. Junior rodoviário poderia disponibilizar 250 motoristas, gratuitamente, e Fátima dar o oleo diesel e as empresas entrariam com os ônibus e os pneus…
    Pacto pela vida…
    Acredito ser difícil para as empresas bancarem ônibus vazios.
    Esse pessoal da esquerda fala em valorização da vida mas na hora H estudante quer andar de graça em horário de pico, governo do estado não banca nada…

    1. Fátima e suas desculpas…
      Até agora só papo e os onibus lotados e depois de 5 mil óbitos coloca a culpa em Bolsonaro…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Prefeitura de Natal apresenta proposta para zerar alíquota de ISS para o setor de transporte

Foto: Alex Régis / Secom

Em reunião de conciliação realizada na manhã desta quinta-feira (15) pelo juiz da 6ª Vara da Fazenda Pública, Francisco Seráphico da Nóbrega Coutinho, para tratar sobre o sistema de transporte público da cidade, a Prefeitura de Natal propôs reduzir a zero a alíquota do Imposto Sobre Serviços (ISS) do setor. Já foi aprovada a redução de 50% do imposto, mas o sistema funciona com um desequilíbrio financeiro, e as empresas alegam não ter como aumentar a frota sem ter a contrapartida financeira para tanto.

A proposta apresentada pelo município e para que, além da redução do ISS, o Governo do Estado, que também já reduziu pela metade o ICMS sobre o diesel usado pelas empresas de transporte, isente totalmente o imposto para esse tipo de serviço, como uma contrapartida a necessidade de reduzir a lotação dos ônibus e ao mesmo tempo tentar reduzir o desequilíbrio do sistema. O município também apresentou a proposta de um reforço no número de viagens nos horários de pico do transporte e da disponibilização de um portal com todas as informações sobre o comportamento da lotação de cada linha de ônibus.  No encontro ficou acordado um prazo de cinco dias para a produção dessa Nota Técnica com a proposta do município a partir da qual poderá ser tentada uma nova audiência de conciliação.

A reunião conduzida pelo juiz Francisco Seráphico da Nóbrega contou com a participação do prefeito de Natal, Álvaro Dias, procurador-geral do Município, Fernando Benevides, Secretário Municipal de Mobilidade Urbana, Paulo César Medeiros, técnicos da STTU, representante do Ministério Público Estadual (MP/RN), Defensoria Pública do Estado (DPE/RN), Seturn e Sitoparn.

Além da proposta de zerar a alíquota do ISS para o setor, destacando que o projeto já está pronto e será enviado para a Câmara Municipal nos próximos dias, o Município vai implementar ainda um painel de monitoramento que indicará a capacidade de cada viagem/frota para identificar se há ou não a necessidade do reforço nos horários de pico, objetivando diminuir as aglomerações nos veículos.

“Estamos em um momento crítico, enfrentando muitas dificuldades e uma pandemia avassaladora que está comprometendo muito nossas receitas. É preciso existir uma solidariedade entre os entes para pagar essa conta de forma conjunta e melhorar a oferta do serviço à população. Estamos nos comprometendo a zerar o ISS e esperamos que o Governo do Estado faça o mesmo em relação ao ICMS. Essa medida, inclusive, vai ajudar também aos municípios da região metropolitana e cidades maiores como Mossoró. A Prefeitura de Natal tem todo interesse em resolver essa questão, já deu claras demonstrações disso e espera que as nossas propostas sejam acatadas”, disse o prefeito Álvaro Dias.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

IBGE: Setor de serviços avança 3,7% em fevereiro e elimina perdas da pandemia; e-commerce contribui

Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

O setor de serviços cresceu 3,7%, na comparação com dezembro, e superou o nível em que se encontrava antes da pandemia de Covid-19, segundo dados divulgados hoje pelo IBGE.

Com o resultado, o setor acumula crescimento de 24%, se recuperando da contração de 18,6% quando despencou entre os meses de março e abril do ano passado.

O resultado de fevereiro veio acima da expectativa de analistas ouvidos pela Reuters, que previam crescimento de 1,5%.

O setor de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (4,4%) foi o que puxou a alta, com o avanço dos serviços de logística e transporte rodoviário de cargas.

O gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, explica que o segmento cresceu de forma significativa desde junho de 2020 e neste mês de fevereiro atingiu seu ponto mais alto da série, iniciada em janeiro de 2011.

— Esse movimento de junho de 2020 até fevereiro de 2021 está bastante relacionado com o aumento do e-commerce, em função das necessidades de isolamento social e adaptação que as empresas tiveram que fazer para realizar entregas de forma mais rápida. Isso fez com que a receita dessas empresas de logística e transporte de carga observassem aumentos de forma contínua até fevereiro — diz o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

O Globo

 

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Juiz absolve ex-presidente Michel Temer e mais cinco em acusação de corrupção no setor dos portos

Foto: André Coelho / Agência O Globo

O juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal do Distrito Federal, absolveu o ex-presidente Michel Temer (MDB) e outras cinco pessoas da acusação de corrupção no setor dos portos, apresentada no fim de 2018 pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Após o emedebista deixar a Presidência, o caso passou a tramitar na primeira instância, e agora teve uma sentença de absolvição sumária.

Também foram absolvidos o ex-deputado Rodrigo da Rocha Loures (MDB), o coronel João Baptista Lima, que era apontado como operador financeiro do ex-presidente, e os empresários Antonio Celso Grecco, Carlos Alberto Costa e Ricardo Mesquita.

A PGR acusava Temer de receber propina em troca da publicação de um decreto portuário, quando exerceu a Presidência, que beneficiou empresas do setor, por meio da prorrogação de contratos de concessão. Em sua sentença, o juiz apontou que a denúncia não trazia provas do pagamento de propina ao ex-presidente.

“O extenso arrazoado apresentado à guisa de acusação, contudo, não indica qual a vantagem recebida pelo agente público nem, tampouco, qual a promessa de vantagem que lhe foi dirigida. Dedica-se, ao invés, a empreender narrativa aludindo a um suposto relacionamento entre Michel Miguel Elias Temer Lulia, Antonio Celso Grecco e Ricardo Conrado Mesquita que teria perdurado por duas décadas. Durante esse período, presumivelmente, teriam sido pagas ‘vantagens indevidas’, tudo isso com vistas à prática de um ato de ofício, a saber, o Decreto nº 9.048/2017, cognominado ‘Decreto dos Portos'”, escreveu o juiz.

A sentença aponta que não faria sentido associar o decreto ao pagamentos de propina anteriores a Temer ter assumido a Presidência.

“A par de serem inverossímeis, os fatos indicados na denúncia não se fizeram acompanhar de elementos mínimos que os confirmassem. Não se apontou quais seriam as vantagens indevidas recebidas ou prometidas; não se indicou como teria se dado esse ajuste entre os Denunciados; não se apontou uma única razão pela qual terceiros iriam despender valores em favor de agente público por um período indefinido de tempo, ausente qualquer indicação de que teria atribuição para a prática do ato de ofício almejado. Essas informações são essenciais a qualquer denúncia que verse sobre o suposto cometimento do crime de corrupção passiva qualificada”, escreveu.

O mesmo juiz já havia absolvido Temer na acusação de que teria dado o aval ao empresário Joesley Batista para a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (MDB), baseada em uma gravação feita por Joesley de uma conversa com o então presidente. O diálogo ficou conhecido pela frase proferida pelo emedebista na ocasião: “Tem que manter isso, viu”. O juiz considerou, neste caso, que a gravação não comprovava que Temer praticou um crime.

Em nota, o advogado Fábio Tofic Simantob, que defende Celso Grecco e Ricardo Mesquita, afirmou que a sentença “recoloca os fatos e a Justiça nos seus devidos lugares”. “A decisão reconhece que a denúncia apresentava fatos aleatórios e nenhuma prova de crime cometido pelos empresários, como vínhamos apontando”, disse o advogado.

Os advogados Maurício Silva Leite, Alexandre Sinigallia e Paola Forzenigo, que defendem João Baptista Lima e Carlos Alberto Costa, afirmaram em nota que “as infundadas acusações apresentadas pelo Ministério Público trouxeram inúmeros problemas aos acusados, os quais tiveram suas vidas pessoais e profissionais devastadas. A decisão de absolvição sumária põe fim às descabidas acusações e faz justiça”.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. É preciso mais provas do que o vídeo do Loures com uma mala de dinheiro endereçada ao Temer? Que justiça de merda é essa?

  2. BRASIL! PAÍS DA SACANAGEM, Da CORRUPÇÃO . Da PUTARIA. Vai ser ÓTIMO ter que devolver o dinheiro que os LADRÕES roubaram . Só falta acontecer isso. Devolver e indenizar todos . Já estamos todos lascados , aí vai acabar de VEZ MESMO. Essa PORRA não tem mais Jeito ..

  3. Esse País só teria jeito se fosse redescoberto, o roubo aqui é fácil, só se prende os que não tem como comprar a liberdade, a sociedade está carcomida pelas traças do executivo, legislativo, judiciário e poderosos. Quem resolve afrontar essa realidade corre o risco de ser preso, abrir a boca, Deus nos livre.

    1. Bolsonaro é o Presidente mais honesto que o País já teve. Não rouba e nem deixa roubar. Tem gente que prefere vigarista, cachaceiro, mijado, ladrão, mentiroso…

  4. Nos últimos dias os corruptos estão com tudo, vencendo todos os processos, sendo soltos, tendo provas anuladas, processos anulados… E ainda tem gente que acredita que o MINTOmaníaco acabou com a corrupção… Ela está mais impune que antes!

  5. Estou muito curioso para ver quem vai se revoltar com esta notícia.
    Quero ver quantas manifestações contra a corrupção e pelo fechamento do TRF vai acontecer.
    Afinal, é mesmo contra a CORRUPÇÃO que lutamos, não é mesmo?
    Com a palavra os Patriotas, Revoltados On Line, Militares, Silas Malafaia, etc,, que não suportam a CORRUPÇÃO… Dos outros.

    1. E mesmo viu. Corrupção só é aceita se vier dos políticos amados por esses patetas.
      Cada povo tem o governo e os governantes que merece.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Setor de serviços avança 0,6% em janeiro, após estabilidade no fim do ano no país

Foto: Edilson Dantas / Agência O Globo

Considerado o motor da economia, o setor de serviços começa este ano com alta de 0,6% em janeiro, na comparação com dezembro, segundo dados divulgados hoje pelo IBGE. O resultado mostra uma leve recuperação após a estabilidade registrada em dezembro.

Em 12 meses, porém, o setor acumula queda de 8,3%, a mais intensa perda neste período de comparação desde que a série histórica do IBGE foi iniciada, em dezembro de 2012. É o único setor econômico que não recuperou as perdas da pandemia.

O resultado de janeiro veio acima da expectativa de analistas ouvidos pela Reuters, que previam crescimento de 0,2%.

O setor de transportes (3,1%) foi o que puxou a alta, com o avanço nas viagens de ônibus e avião em janeiro, mês de férias e quando as medidas de isolamento social estavam menos rígidas do que agora.

O IBGE ressalta, no entanto, que embora o turismo tenha registrado expansão no primeiro mês do ano, ainda precisa crescer 42,1% para retornar ao nível pré-pandemia.

O gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, acrescenta que, além dos viajantes, este aumento pode ter vindo do deslocamento de pessoas que voltaram a trabalhar ou estão procurando emprego. A crise do mercado de trabalho, que já estava crítica, com 13,4 milhões de desempregados em dezembro, foi agravada com o fim do auxílio emergencial em janeiro, levando mais pessoas a buscarem uma vaga.

Lobo destaca ainda que o resultado também foi influenciado pelo transporte de cargas, essencial para o setor do comércio e da indústria.

Avanço em apenas dois segmentos

Dos cinco segmentos pesquisados, apenas transportes e serviços profissionais, administrativos e complementares tiveram avanço. Este último cresceu 3,4%. Segundo Lobo, os serviços mais demandados foram os técnico-profissionais, como de engenharia, especialmnete voltados para a exploração de petróleo.

As áreas de serviços e de comércio foram as mais devastadas pela pandemia e apresentam maior lentidão na recuperação. Em 2020, serviços — que responde por 70% do PIB — fechou o ano com um tombo recorde de 7,8% na comparação com 2019.

Em março e abril, o setor de serviços teve o seu pior momento, com o fechamento dos estabelecimentos, mas começou a reagir gradualmente à medida em que a flexibilização ampliava. No fim do ano, porém, encolheu diante do recrudescimento da pandemia, proximidade do fim do auxílio emergencial — o beneficio deixou de ser pago a partir de janeiro — e fragilidade do mercado de trabalho.

Perda de 1 milhão de empregos

A expectativa é que o ritmo lento de avanço seja mantido no primeiro trimestre, especialmente após os decretos de restrição de funcionamento entre fevereiro e março e com a lentidão da campanha de vacinação, já que o setor depende muito de contato entre as pessoas.

Dentre as categorias mais afetadas do setor, estão a de serviços prestados às famílias, que inclui restaurantes e hotelaria. Segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), mais de 300 mil estabelecimentos fecharam as portas, levando à perda de um milhão de empregos na pandemia.

Em janeiro, o segmento de serviços prestados às famílias apresentou queda de 1,5%. A maior retração entre os cinco segmentos acompanhados pela pesquisa foi em outros serviços (-9,2%), que inclui corretoras e outras instituições financeira.

Na semana passada, o IBGE divulgou o índice da produção industrial brasileira, que perdeu fôlego e avançou 0,4% em janeiro, na comparação com dezembro. Na próxima sexta-feira, dia 12, será a vez de conhecer o desempenho do varejo, na Pesquisa Mensal do Comércio.

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Proposta na Câmara dos Deputados cria plano para setor de eventos para que empresas superem perdas econômicas em razão da pandemia

Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

O Projeto de Lei 5638/20 cria o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse), com o objetivo de oferecer condições para que o setor de eventos possa mitigar perdas em razão da pandemia do novo coronavírus.

A proposta em tramitação na Câmara dos Deputados prevê o parcelamento de débitos tributários e não tributários em qualquer estágio de cobrança, inclusive para empresas optantes pelo Simples Nacional.

Poderão ser até 120 parcelas, não inferiores a R$ 300. Conforme o texto, estão previstos descontos de 70% nas multas, de 70% nos juros e de 100% nos encargos legais, todos não cumulativos com outras reduções admitidas em lei.

Além do parcelamento de dívidas, a proposta prevê, entre outras medidas, iniciativas para crédito ao setor, preservação dos empregos, manutenção do capital de giro das empresas, financiamento de tributos e desoneração fiscal.

“O Perse vai garantir a sobrevivência do setor de eventos até que as atividades sejam retomadas sem restrições, bem como gerar a capacidade econômica para que volte a operar”, explicou o autor, deputado Felipe Carreras (PSB-PE).

“O Ministério da Economia, na Portaria 20.890/20, atesta que o setor de eventos foi afetado na pandemia”, continuou. “Foi escolhido, ainda que inconscientemente, para ser sacrificado em nome de todos. Hoje, estados e municípios proíbem eventos como pretexto para preservar a saúde”, disse.

Carreras citou ainda dados do setor que considera significativos no País. Pesquisa do Sebrae em 2013 apontou R$ 209,2 bilhões em faturamento, 2 milhões de empregos diretos e indiretos e R$ 48 bilhões em impostos.

Tramitação

O projeto é sujeito a tramitação em caráter conclusivo nas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Auxílio ao setor de bares e restaurantes será decidido em até 15 dias, diz Bolsonaro

Foto: Bigstock

O presidente Jair Bolsonaro prometeu responder, em até 15 dias, se o governo tem condições ou não de ajudar novamente o setor de bares e restaurantes, que enfrenta os efeitos do recrudescimento da pandemia de Covid-19. Bolsonaro levou representantes da categoria a uma reunião nesta quarta (27) com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e saiu de lá com uma lista de pedidos que inclui adiar o início dos pagamentos de empréstimos subsidiados concedidos em 2020 e retomar a permissão para que empresas reduzam salário e jornada ou suspendam contratos de trabalhadores.

O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci, participou da reunião e pediu a prorrogação da carência para pagar empréstimos no âmbito do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) e a prorrogação para que firmas possam reduzir a jornada e os salários dos funcionários, além de ajuda para empresas em relação ao Simples Nacional, regime de tributação especial.

“Vamos estudar nos próximos dias o impacto fiscal e a resposta [será] em duas semanas no máximo. No máximo. Da minha parte, tudo que eu procuro fazer é para resposta imediata. Sim ou não, mas imediata”, declarou Bolsonaro depois do encontro.

O programa foi anunciado em abril do ano passado como medida para evitar um aumento ainda maior do desemprego diante da pandemia do coronavírus, que provocou restrições no funcionamento ou mesmo o fechamento de parte do comércio e da indústria.

Como contrapartida, o governo banca um benefício para quem teve o salário reduzido ou o contrato suspenso até o limite do seguro-desemprego (R$ 1.813). Foram pagos R$ 33,5 bilhões a 9,8 milhões de trabalhadores. O custo total do programa, no entanto, era estimado em R$ 51,6 bilhões.

Contra o “fecha tudo”

Bolsonaro voltou a criticar as políticas de restrição de horário para o funcionamento do comércio adotadas pelo governo de São Paulo e pela prefeitura de Belo Horizonte (MG) como medidas para evitar o colapso do sistema hospitalar neste momento de agravamento da pandemia.

“Tem um estado (São Paulo) que, ao fechar tudo a partir das 20h e sábado e domingo também, atinge diretamente, atinge o coração de garçons, donos de bares e de eventos. Bem como o mesmo problema está acontecendo na capital BH (Belo Horizonte)”, comentou.

O presidente comentou que o setor foi pedir “socorro” ao ministro da Economia, Paulo Guedes. “Não podemos botar na rua seis milhões de pessoas que ficariam prejudicadas com as medidas ora adotadas pelo estado de São Paulo e pela capital de Minas Gerais”, reforçou Bolsonaro.

O presidente da Abrasel afirmou que o setor “paga uma conta desproporcional” com a pandemia da covid-19.

“O presidente está entendendo a importância de preservar os empregos do setor, manter as empresas, até que a gente possa com a retomada da economia voltar à normalidade”, disse Solmucci.

O chefe do Executivo fez ainda um apelo para chefes de governo de estados e municípios para não aderirem a um “lockdown”. Na semana passada, por conta da alta de infecções pela Covid-19, o governo de São Paulo anunciou regras mais restritivas para o funcionamento do comércio. Em Belo Horizonte, desde o início do mês, também vigoram medidas de fechamento com prioridade para atividades essenciais.

A partir desta segunda (25), em São Paulo, passou a valer a fase vermelha, em que só é permitido o funcionamento de serviços essenciais, das 20h às 6h. As regras também vão valer aos sábados, domingos e feriados. As restrições no período da noite e durante os finais de semana devem vigorar até, pelo menos, 8 de fevereiro.

Matéria completa AQUI na Gazeta do Povo

Opinião dos leitores

  1. Se o governo federal der uma diminuida aí na compra de chiclete, refrigerante e leite condensado já aparece um dinheirinho pra ajudar catedoria.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Chefe de setor de informática da Prefeitura do Natal é vacinado contra Covid, e sindicato apura denúncias de outros casos

A vacinação contra a Covid-19 em Natal começou nesta quarta-feira (20). Inicialmente, a previsão era de que somente profissionais de saúde que atuam na linha de frente do combate ao novo coronavírus deveriam ser vacinados. O que se viu, no entanto, foi que algumas pessoas que teoricamente não deveriam estar no grupo prioritário receberam o imunizante. A Tribuna do Norte, em reportagem, destaca que uma das pessoas em questão foi o engenheiro de computação Bruno Samuel da Silva Corrêa, que ocupa o cargo de chefe de setor de informática da Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social de Natal (Semtas).

VEJA MAIS – GRAVE: Prefeitura do Natal fura fila e vacina profissionais contra covid que não estão contemplados na fase 1; sindicato diz que formalizará denúncia

Através das redes, ele fez uma postagem do momento em que foi vacinado. “Voluntário do programa municipal de vacinação”, postou. Não há a confirmação sobre o motivo pelo qual ele foi vacinado. Além dele, o Sindicato dos Servidores Públicos de Natal (Sinsenat) informou, através de suas redes sociais, que vem recebendo denúncias sobre outras pessoas que supostamente estariam furando a fila de imunização contra a Covid.

Até o momento, a Prefeitura do Natal não se pronunciou sobre o caso.

Com acréscimo de informações da TN

Opinião dos leitores

  1. Absurdo classe de maqueiros sendo impedido de tomar a vacina alegando que não é classe prioridade mais como se é quem recebe todos os pacientes …..absurdo

  2. A prefeitura do Natal jogou literalmente no lixo a tão propalada campanha vacinação, se o prefeito não tomar uma ação forte e estancar essa falta de vergonha, poderá até responder na justiça.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Detran-RN verifica casos suspeitos de Covid-19 e restringe atendimento; veja o que funciona

Foto: Divulgação

O Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran) vem a público informar que o atendimento presencial no setor de Registro de Veículos na sede, em Natal, nesta segunda-feira (14) está restrito apenas ao serviço de vistoria veicular e somente para quem estava agendado. Os demais serviços do setor foram cancelados. O Detran comunica ainda que todos os atendimentos relativos ao setor de Registro de Veículos estarão suspensos nesta terça (15), quarta (16) e quinta-feira (17), retornando na sexta-feira, dia 18.

A medida ocorre para verificação de casos suspeitos de Covid-19 nos servidores que atuam na área e também para realização de sanitização dos ambientes de trabalho.

O Detran/RN informa que quem está marcado para ser atendido nesses dias será avisado sobre o cancelamento pelo e-mail utilizado na hora do agendamento e deve reagendar o serviço para outra data.

O Detran/RN atende rigorosamente os protocolos sanitários determinados pelas autoridades de saúde visando a prevenção e o controle do Coronavírus. O Departamento de Trânsito pede a compreensão de toda sociedade diante da necessidade de suspensão temporária dos atendimentos do Setor de Registro de Veículos e esclarece que não medirá esforços para manter servidores e usuários em segurança nesse momento de Pandemia.

Departamento Estadual de Trânsito do RN

Natal (RN), 14 de dezembro de 2020

Opinião dos leitores

  1. Pararam porque tem suspeita de COVID-19 em funcionário né…ficaram doentes devido a balada do final de semana prolongado, em vez de cumprir o distanciamento social. Se continuar assim vai acabar igual aos Correios…a população vai descobrir que eles não servem para nada mesmo…melhor fechar…aliás…se eles não avisarem que estão parados, a população nem se dá conta…porque o serviço é sempre muito ruim e demorado!

  2. Soube que na Central do Cidadão do Via Direta, teve vários funcionários positivados, Risco grande para os demais funcionários e usuários

  3. Só querem uma desculpa, para não trabalhar.
    Igual a maioria dos professores.
    Os pelegos dos sindicalistas, não podem ver um funcionário espirrando que já fecham repartições públicas e privadas.

  4. BG
    Esse Detran do RN deveria ser fechado definitivamente, a semana passada já fechou 4ª/5ª e sexta, agora 2ª/3ª/4ª, como bem diz Romário este órgão fechado é um maravilha. Atendimento nunca prestou, serviços idem, o Cidadão é sempre tratado com desdem, portanto FECHAR definitivamente fará um bem danado a população, bem que o governo Federal através do Denatran arranjaria uma solução boa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Setor supermercadista também descobre as vantagens do Sistema Megga Solar

Foto: Divulgação

A Megga Solar continua expandindo os serviços e incluindo novos segmentos entre os que investem em energia solar pra baixar os custos fixos do negócio. Agora é a vez dos supermercados de bairro, o chamado varejo de “vizinhança”, lojas que geralmente possuem entre 4 e 8 checkouts e que trabalham com margens ainda menores de lucro, pois não possuem o giro das grandes redes.

Pensando nisso a Megga Solar preparou um kit especial voltado pra este tipo de empreendedor, e que está sendo um grande sucesso. Marcas conhecidas como Super Show, Rede Seridó e Elói Chaves, entre tantos outros, já perceberam as vantagens.

A Megga Solar é uma das empresas de energia solar que mais crescem no Brasil, e hoje já atende vários estados do Nordeste.

“A energia solar cai como uma luva para o pequeno e médio supermercadista, pois ele vive de oferecer preços competitivos, e quando ele zera o consumo de energia na loja, consegue repassar isso pros preços na prateleira e ficar ainda mais competitivo” reforça Max Assunção Filho, diretor da Megga Solar.

A Megga Solar tem um site com todas as informações e muitas ofertas especiais em meggasolar.com.br. O telefone da Megga Solar é o 3217- 7155.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

TERRA DEVASTADA: Setor do turismo do RN demitiu mais de 60% dos funcionários durante pandemia

Na série de contatos que o Blog vem fazendo com empresários do setor de turismo, desde essa quarta-feira(15), no qual chegamos a conversar com 12 de diversos segmentos, impressionam os relatos de demissões e de falta de perspectivas. ASSUSTADOR.

Para se ter ideia, teve hotel grande que já demitiu 80% dos funcionários. Não bastasse, também teve pequenos restaurantes ou pequenas empresas que fecharam para não reabrir.

Contactada pelo Blog, a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio Grande do Norte(ABIH-RN) confirmou a devastação do segmento no estado do Rio Grande do Norte, que é o inclusive, o mais afetado – sendo disparado o mais importante para a economia potiguar.

A ABIH-RN fez uma pesquisa com seus associados, e confirma, somente pelos seus dados, que oficialmente foram mais 60% de demissões nos seus associados.

Portanto, existem empresas que, de fato, não mais reabrirão. Estão endividadas. E algumas que vão reabrir, não tem noção como será a volta e não tem estrutura financeira, precisando de auxílio não só para o equipamento voltar a funcionar como também para atender os protocolos exigidos.

No seguimento de serviços relacionados ao turismo, a situação ainda é pior, é de sobrevivência pessoal.

Guias, Bugueiros, Agentes de Viagens, Receptivos, Casa de Câmbio a situação ainda é pior.

Precisamos lembrar ainda do encerramento das atividades do Hotel Thermas e do Manoa Park.

Opinião dos leitores

  1. Enquanto o estado perde uma de suas principais fontes de ingressos de recursos, vejo alguns Dep Estaduais preocupados em não fazer a reforma previdênciária p/não "prejudicar" servidor…Precisamos produzir recursos, isso é que precisa ser o nosso foco!!! Não culpo o atual governo petista, o foco desse estado SEMPRE FOI o bem estar do servidor, outrora meio ambiente, enquanto isso seguimos empobrecendo…Outros estados começam à voltar a crescer, a economia reagindo, mas o RN, rumo à devastação…

  2. Antes da pandemia já vinha devagar. Algumas agências de receptivo de Natal só pensa em explorar, ao invés de pensar em prestar um bom serviço.

  3. Turismo no RN = Andar de Buggy sem segurança em duna, conhecer delegacia depois de ser assaltado, ser explorado nas praias pagando a metade do quíntuplo, atendimento porcaria, orla de PN fedendo a urina e por aí vai!

    1. Com todas essas mazelas que você citou, ainda somos um dos 5 destinos mais procurados no Brasil, imagine se houvesse melhoras e o Turismo fosse levado com a importância que merece.

  4. BG o RN, em todos os segmentos empresariais, está morto há muito tempo e agora a situação agravou-se com uma administração estadual inepta e incompetente. Não temos indústrias, o comércio era sofrível e o turismo já vive a maior crise da história, principalmente pela inoperância administrativa da governadora.

  5. Mas com certeza a Secretaria de Turismo e o Presidente da Emprotur, estão elaborando um plano com alternativas de sobrevivência do setor, com novos produtos e outros mercados. Ê o que todos esperam.

    1. Vc acredita em papo Noel? Pé grande? Monstro do lago Ness? Sucupira? Saco? Boi Tá tá?
      O RN está as traças e agora que ela vem salvar ou elaborar um plano?
      Tem que ter gente competente e não é neste governo tenho certeza.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Setor de atividade física se prepara para reabertura no RN

Foto: Divulgação

As academias de musculação e estabelecimentos de atividade física que não fazem uso de ar-condicionado vão poder reabrir suas portas nesta semana no Rio Grande do Norte, depois de mais de três meses de fechamento do setor. A prefeitura de Natal fará a liberação da área amanhã, terça-feira dia 14 de julho, enquanto o Governo do Rio Grande do Norte prevê a reabertura do setor no restante do estado no dia seguinte, a quarta-feira dia 15 de julho. O Conselho Regional de Educação Física da 16ª Região acompanha o retorno das atividades e reforça a importância do cumprimento dos protocolos apresentados pelas autoridades. O Conselho também criou uma cartilha de orientação que foi disponibilizada na internet, no site www.cref16.org.br, trazendo os principais pontos que devem ser seguidos para garantir a segurança nesse retorno.

“São orientações desde a chegada das pessoas, que deve acontecer sem nenhum tipo de toque, até questões como distanciamento de pessoas, distância entre equipamento, demarcação de locais para exercícios, circulação de ar natural, reforço na higienização, duração de treinos e controle do número de pessoas, afim de garantir segurança para os usuários e também para todos os profissionais do setor”, explica o diretor executivo do CREF16/RN, Adriano França.

O QUE DIZ O PROTOCOLO

A Prefeitura de Natal e o Governo do Rio Grande do Norte utilizam como orientação técnica para a reabertura gradual da economia os protocolos organizados pela Federação do Comércio do RN, a Fecomércio, que contou com a participação de diversas entidades e comitês científicos na sua elaboração.

De acordo com o documento, academias, clubes, box de crossfit e demais estabelecimentos de atividade física que vão reabrir nesta semana devem utilizar ventilação natural- sem uso do ar-condicionado, observar a distância de 2 metros entre pessoas e a ocupação de 6,25m²,proibir a entrada e permanência de pessoas sem máscaras, oferecer água, sabão e álcool em gel 70% para higienização, liberar a utilização de bebedouros apenas para abastecimento de garrafas pessoais, ter aulas com no máximo 40 minutos, agendar os atendimentos, garantir o uso de equipamentos de proteção individual para funcionários e capacitar colaboradores sobre as novas regras.

As aulas coletivas poderão acontecer, desde que sejam respeitadas as determinações sobre distanciamento e ocupação. A mesma regra vale para a realização de treinos coletivos ou com o acompanhamento de personal trainer ao ar livre. Os demais estabelecimentos, que façam a utilização de sistema de ar-condicionado, só vão poder reabrir a partir do dia 5 de agosto.

Opinião dos leitores

  1. Não era nem pra ter sido fechadas.
    Era só controlar as entradas do pessoal , com hora marcada.
    Academias gera SAÚDE.
    As atividades físicas é uma unanimidade entre todos os médicos do mundo.
    Primeiríssima necessidade.

  2. Excelente, mais precisa que sejam fiscalizados os espaços antes da abertura.
    A higienização das academias em Natal deixa muito a desejar, algumas com apenas 01 servidor por turno para realizar a higienização.
    Sabemos que esse processo no protocolo deverá ser continuo com a utilização de cada equipamento por aluno.
    Eu particularmente continuarei me exercitando ao ar livre com os cuidados necessários e em casa. O momento ainda requer medidas de isolamento para a redução dos casos de transmissibilidade.
    Sabemos a importância da atividade física para a qualidade de vida e até mesmo o psicológico do individuo, porém, os alunos precisam que as academias propiciem o atendimento do protocolo estabelecido, bem como contribuírem para que tudo transcorra dentro do que foi estabelecido.
    Cada um será fiscal, devendo denunciar qquer medida que não esteja sendo observada e cumprida pelo estabelecimento,
    assim como colaborar com as medidas estabelecidas para os alunos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Estado reduz pela metade ICMS do diesel para o setor de transporte coletivo de Natal, interestadual e cargas

O Governo do Estado, através da Secretaria Estadual de Tributação (SET-RN), decidiu nesta terça-feira (23) reduzir em 50% a base de cálculo do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) do diesel e biodiesel adquiridos por empresas de transporte coletivo urbano, intermunicipal e alternativo no Rio Grande do Norte. A decisão foi confirmada após reunião da equipe do governo com trabalhadores e empresários.

A medida atende a uma demanda tanto de donos de empresas quanto de rodoviários, e representa um esforço do governo para contribuir com o fim da paralisação dos motoristas e cobradores de ônibus de Natal, que já dura dois dias. A superlotação da frota de emergência potencializa os riscos de transmissão do novo coronavírus (Covid-19) entre os passageiros que precisam usar o serviço.

Atualmente, o Estado recolhe 18% do valor desse tipo de combustível e, com a redução da base de cálculo pela metade, serão recolhidos das empresas de ônibus urbanos e de transporte de passageiros uma alíquota de apenas 9%, recursos que o governo abre mão para dar alternativas no sentido de sanar o impasse entre os trabalhadores do setor rodoviário e as empresas de transporte coletivo.

A desoneração visa também mitigar os efeitos da crise gerada pela pandemia para as empresas neste momento delicado da economia, em que grande parte do setor produtivo está com a rentabilidade baixa.

A redução será publicada nos próximos dias no Diário Oficial do Estado em forma de decreto, apresentando os detalhes para ter acesso ao benefício fiscal. A regra valerá tanto para as empresas de ônibus urbanos da capital quanto para o transporte opcional regulamentado pelos órgãos de trânsito e mobilidade urbana e intermunicipal.

Opinião dos leitores

  1. Só se vê esses empresários PÔDRES de rico às custas de benesses públicas.
    Se dá pra um, tem q dar a todos, pois estamos todos na mesma situação.
    Ora mais!!

  2. Governadora, excelente intervenção.
    Mas, por que não extender essa redução a todos os demais combustíveis e a toda sociedade?

  3. Parabéns ao Governo do RN. Agora vamos aguardar a Prefeitura de Natal reduzir o ISS.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *