Setor de construção tem primeira alta após 20 trimestres de queda

O NÚMERO DE PESSOAS EMPREGADAS NO SETOR AVANÇOU 0,9% NO SEGUNDO TRIMESTRE (FOTO: FERNANDO DONASCI/AGÊNCIA O GLOBO)

O setor de construção subiu 2% no segundo trimestre de 2019 ante igual período do ano passado, após 20 trimestres consecutivos de queda nessa base de comparação, segundo dados divulgados na manhã desta quinta-feira pelo IBGE. O reaquecimento das obras impulsionou os investimentos, que avançaram 5,2% em relação ao segundo trimestre do ano passado.

A construção civil é apontada como um bom termômetro para investimentos e emprego, pois mobiliza muita mão de obra. O motor desse segmento costuma ser um misto de ganho de renda da população, confiança do empresariado e das famílias de que dias melhores virão e investimento público, cada vez mais restrito.

Segundo o IBGE, o setor foi impulsionado pela alta de 10,7% no crédito para financiamento habitacional, o que acabou ampliando a abertura de vagas. O número de pessoas empregadas no setor avançou 0,9% no segundo trimestre.

A economia brasileira cresceu 0,4% no segundo trimestre ante os três primeiros meses de 2019, consolidando o quadro de estagnação que o país vive nos últimos anos. Frente ao mesmo período do ano passado, a alta ficou em 1%.

Analistas consultados pela Bloomberg esperavam expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,2% frente ao primeiro trimestre e 0,5% contra o mesmo período de 2018, quando houve a greve dos caminhoneiros que parou o Brasil e fez o PIB encerrar o ano com alta de apenas 1,1%.

Apesar da recuperação, a economia brasileira está no mesmo patamar de primeiro trimestre de 2012 e 4,8% abaixo do pico de produção anterior à crise, no primeiro trimestre de 2014.

Época

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Minha Opinião disse:

    Não vejo melhora alguma aqui no RN pelo ao contrário vejo muitos mas muitos Engenheiros Civis desempregados

  2. Lucar disse:

    20 trimestres de queda!! kkkk! Mas os corretores falam q não tem crise. Crise que crise? não tem crise nenhuma, está tudo muito bem, vejam a quantidade de lançamentos imobiliários na cidade. Todo mundo comprando e os preços subindo. Comprem na planta que vcs vão ganhar 30%aa.

Vigilância em Saúde: conheça os serviços do setor em São Gonçalo do Amarante

O setor de Vigilância em Saúde é responsável por coordenar atividades como controle de endemias, zoonoses e vigilância sanitária em São Gonçalo do Amarante. Sua atuação implica diretamente na qualidade de vida dos moradores do município.

Conheça os serviços prestados pelo setor:

Controle de zoonoses:

Opera dentro do município realizando os seguintes serviços:

Recebimento de denúncias para coleta de sangue e testes em animais com suspeita de calazar

Monitoramento de áreas de risco de calazar

Monitoramento de felinos com suspeita de esporotricose (micose subcutânea)

Vacinação de cães e gatos contra raiva. Serviço com disponibilidade diária na sede da Vigilância em Saúde

Projeto São Gonçalo Sem Calazar (Mobiliza os agentes de vigilância para a realização dos testes para detectar a doença. O projeto é direcionado a pequenas comunidades do município)

Controle de endemias:

Combate ao Aedes Aegypti

Agentes casa a casa:

O combate ao mosquito transmissor de doenças como a Dengue, Chickungunya e Zika é feito de diversas maneiras, uma delas é através das equipes de agentes casa a casa. Hoje, o município conta com 40 agentes que operam na área urbana e rural de São Gonçalo. Essas equipes realizam vistorias em imóveis para combater possíveis focos de infestação do mosquito. As visitas são feitas a cada 42 dias.

Trabalho educativo IEC

Esse trabalho se dá através de palestras sobre como combater o Aedes Aegypti, ministradas por profissionais da Vigilância em Saúde em escolas, hospitais, unidades de saúde, comércio e empresas.

O setor de Vigilância também realiza blitzen educativas nas ruas.

Projeto São Gonçalo Unido Contra a Dengue

Trabalho voltado para a conscientização em escolas municipais das áreas de risco, onde há o maior índice de infestação do mosquito. Equipes de saúde são direcionadas a essas localidades para instruir os moradores da região sobre a importância do trabalho contínuo no combate à dengue.

Controle de infestação com borrifação costal

O município disponibiliza o serviço de borrifação com inseticida em áreas com altos índices de infestação do Aedes Aegypti.

Controle de esquistossomose:

O processo se dá em áreas de risco no município, como residências próximas a lagos ou com abastecimento oriundo de poços artesanais. Para que haja o controle, o setor de Vigilância em Saúde distribui coletores para os residentes dessas comunidades. No dia seguinte, as amostras são recolhidas e enviadas ao laboratório do próprio setor. Com o resultado das amostras, caso alguém apresente resultado positivo para o parasita, é emitida a recomendação para procurar uma unidade de saúde.

Vigiagua:

Realiza o monitoramento da qualidade da água que é distribuída para a população. São recolhidas amostras de água nos hospitais, escolas e algumas residências para averiguação junto ao Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN). Com o resultado, a autarquia responsável pela distribuição de água, o SAAE, toma as devidas providências caso haja algum problema com a concentração de cloro na água.

Vigilância sanitária:

A vigilância sanitária é o órgão responsável por eliminar, diminuir ou prevenir riscos à saúde e de intervir nos problemas sanitários decorrentes do meio ambiente, da produção e circulação de bens e da prestação de serviços de interesse da saúde. Sendo assim, o órgão inspeciona farmácias, restaurantes, clinicas, UBSs, entre outros estabelecimentos comerciais, buscando manter os ambientes funcionando de forma segura e sem trazer riscos à saúde da população.

Equipe de reconhecimento geográfico:

O município disponibiliza uma equipe de reconhecimento geográfico dentro da Vigilância em Saúde, que tem como função realizar o mapeamento de todas as áreas do município, visando o controle da quantidade de imóveis para a realização de inspeção.

Telefone para contato e WhatsApp: (84) 98152-9740

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. […] Vigilância em Saúde: conheça os serviços do setor em São Gonçalo do Amarante […]

Sindipostos-RN faz balanço do ano no setor e espera reaquecimento de vendas em 2019

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Derivados de Petróleo (Sindipostos RN), Antonio Sales, fez nesta quarta-feira (5), um balanço sobre o mercado de combustíveis no estado ao longo de 2018.

Na avaliação dele foi um ano com avanços consideráveis, sobretudo nas relações da revenda com o público consumidor e com os órgãos de licenciamento ambiental. “Podemos dizer que este foi o grande avanço do ano. Conseguimos ser mais assertivos na forma como nos comunicamos com o nosso cliente e, sobretudo, com os órgãos fiscalizadores. Conseguimos criar um relacionamento de confiança, respeito e entendimento. Um contexto que acaba sendo positivo para todo mundo”, diz Sales.

Do ponto de vista de mercado, infelizmente, o setor de revenda não tem muito a comemorar. “Estamos fechando os números ainda, mas pelo que sentimos, de uma maneira geral, as vendas no nosso setor devem registrar uma queda significativa”, diz o presidente do Sindipostos.

Além disso, segundo ele, outro grande problema enfrentados pelo segmento foi a queda das margens de lucro da revenda ao longo do ano. Sales explica que, em virtude da grande oscilação dos preços – ao sabor do mercado internacional – e da alta concentração das etapas de refino e distribuição nas mãos de poucas empresas, houve uma pressão muito grande sobre a revenda que, para evitar perder ainda mais vendas, teve que readequar as suas margens, reduzindo-as drasticamente.

Antonio Sales faz questão, no entanto, de ressaltar os pontos positivos do ano. O primeiro, segundo ele, é exatamente o fato de o consumidor começou a entender que os postos são tão vítimas quanto eles quando há um descompasso nos preços dos combustíveis. “Antes, o consumidor nos via como vilões. Agora conseguimos mostrar que não nos interessa, em hipótese alguma, praticar preços abusivos ou mesmo adotar posturas que possam ir de encontro à nossa competitividade. Nosso produto é o combustível. Precisamos fazer nossa parte para torná-lo atraente. E temos feito, talvez até mais do que poderíamos”, pontua.

DIÁLOGO E RESPEITO

Outro ponto positivo do balanço do ano que o presidente do Sindipostos faz questão de destacar é o fato de que houve, na visão dele, um amadurecimento na relação com os órgãos de fiscalização ambiental, sobretudo o Idema, responsável pela emissão e renovação das licenças de operação dos postos de combustíveis do RN. “O presidente do órgão, Rondinelli Oliveira, deu ao órgão um novo dinamismo e implantou uma visão de que somos todos parceiros, que queremos a mesma coisa que é o bem do RN. Foi aberto e vem sendo mantido um canal permanente e respeitoso de diálogo, que tem sido fundamental para que as revendas consigam cumprir com suas obrigações e preservar a competitividade e, sobretudo, os empregos e a renda que geramos. Esta postura de Rondinelli, a nosso ver, se coaduna com um estado que queira promover o desenvolvimento social por meio do estímulo ao setor produtivo e à geração de vagas”, finaliza Sales.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Reginaldo disse:

    Era para ser chamado de sindilixo

  2. Tô veno disse:

    Inacreditável! É brincadeira, só pode!

  3. Sérgio Nogueira disse:

    Se tem uma classe que não merece a menor confiança essa classe é a de donos de postos.

  4. Luciana Morais Gama disse:

    Informei os preços praticados aqui na ZN, e comparei com os da zona sul e o blog não publicou. Não entendi qual o interesse de não publicar.

  5. Sandro Rosado disse:

    Isso é brincadeira. Esse foi o melhor ano para os donos de postos. Quando a Petrobrás aumenta o preço, imediatamente os preços sobem. Quando baixa os precos, demora um mês pra baixar e ainda bem abaixo di que devia baixar.

  6. Antonio disse:

    Esse deve ser humorista

Presidente da Fecomércio pede “socorro” para o setor de comércio e serviços

Motores do Desenvolvimento (16)O assunto crise econômica pautou a nona edição do projeto Motores do Desenvolvimento que aconteceu nesta segunda-feira (4), no Holliday Inn Arena das Dunas. O projeto promovido pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do RN, em parceria com o Sistema Fiern, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), Tribuna do Norte e RG Salamanca. A primeira edição do Motores do Desenvolvimento em 2016 teve como tema central a pergunta: “Comércio e Serviços do RN: Qual o futuro da base da nossa economia?”

Em sua fala, o presidente Marcelo Queiroz fez duras críticas ao atual cenário “com instituições inchadas, ineficientes, ineficazes e burocráticas”. Embasando, o presidente do Sistema Fecomércio apontou que em 2015 os setores fecharam o ano em queda de 5,9% nas vendas e em janeiro de 2016 houve uma retração de 12,3%.

“O setor de comércio e serviços do Rio Grande do Norte está esgotado. Nosso potencial de geração de emprego e renda se exauriu. O setor pede socorro e não somos um setor qualquer, pois empregamos diretamente mais de 290 mil potiguares, o que equivale a cerca de 48% dos empregos aqui existentes, respondemos por 60% de todo ICMS e por 47% do PIB do estado”, listou Queiroz.

O gestor aproveitou a oportunidade e pediu apoio aos podes públicos e o debate de alternativas que possam criar um ambiente propício para a geração de riquezas. “É urgente que tenhamos um debate amplo, aberto e franco sobre o nosso segmento”, acrescentou.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. FELIPE JUSTINO disse:

    MARCELO QUEIROZ É FILIADO DO PMDB, VAMOS SE INFORMAR MAIS COLEGA LUCIANA.

  2. Gercivan oliveira disse:

    Agora fiquei preocupado o presidente da Fecomércio, um gênio em se tratando de pesquisa e dinheiro q entra no nosso estado falando isso me deixou preocupado mesmo.
    A minha sugestão e fazer festas pro comércio arrecadar dinheiro.
    Com o Natal em Natal deu certo!!!
    Com o Carnaval em Natal tb deu certo!!!
    Sugiro São João do comércio em Natal,
    Férias do meio do ano do comércio em Natal,
    Feriado de 7 de Setembro do comércio em Natal,
    Natal do comerciário em Natal,
    Assim resolveriamos o problema do comércio de Natal.

  3. Luciana Morais Gama disse:

    O mais interessante é o Sr. Marcelo Queiroz falar da crise, do desemprego e outra mazelas, tudo fruto desse Governo do PT, quando ele é filiado ao PDT, partido que apoia o Governo Dilma. Não entendi essa!!!

Itep explica interdição de setor, por decorrência da chuva, e disponibilidade de nova sala

A assessoria do Instituto Técnico-Científico de Polícia (Itep) respondeu ao comunicado do Sinpol-RN Diretoria do SINPOL-RN apura informação de interdição no ITEP, publicado pelo Blog no fim da manhã desta segunda-feira(17). Segundo a comunicação do órgão,o fato se deu em decorrência da forte chuva na noite do sábado. Na ocasião, o forro do teto do setor cedeu. De imediato, a diretora, preocupada com o servidor e o atendimento ao público,  solicitou ao Corpo de Bombeiros que inspecionasse o teto e isolasse o local até a realização dos reparos. Enquanto isso o atendimento está sendo realizado em outra sala que n foi afetada pelas chuvas.

Pesquisador afirma: 'Setor de petróleo enfrenta falta de mão de obra especializada'

O economista Maurício Canedo, pesquisador do Centro de Economia e Petróleo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), disse que nas conversas com as pessoas do setor de petróleo, percebe-se, de maneira clara, que há várias atividades que enfrentam hoje falta de mão de obra especializada. “Com o pré-sal, por exemplo, que vai multiplicar essa necessidade por dois ou três, dependendo da atividade, a gente corre o risco de ter um apagão da mão de obra mais especializada”, disse Canedo à Agência Brasil.

Embora considere a atividade de engenharia um gargalo, o economista da FGV lembrou que existem outras ocupações mais técnicas que também podem vir a constituir ameaça para os projetos da área do pré-sal. Um exemplo é a construção naval, que tem várias atividades mais especializadas, como a de soldador, “em que, eventualmente, pode faltar mão de obra”. Isso decorre da estratégia do governo de espalhar a indústria naval pelo Brasil, que era muito concentrada no Rio de Janeiro. “Em alguns lugares do país, essa mão de obra não existe ou não existe na quantidade necessária para suprir a demanda que está se formando”.

A estimativa é que somente na área de automação, a carência chegue a 30%, com tendência de se agravar à medida que a exploração no pré-sal se intensificar. “Na medida em que a demanda por essa mão de obra aumentar, a tendência é que o gap (lacuna) aumente”. Maurício Canedo reconheceu que há um esforço no sentido de treinar e formar mão de obra voltada para o setor do petróleo, porque a demanda vai ser muito grande.

A solução, apontou, é treinar algumas atividades mais específicas, entre elas a de engenheiros seniores. “O Brasil não tem hoje engenheiros com experiência na construção naval, por exemplo. Para isso, a solução é importar mão de obra. Trazer pessoas de outros países, com experiência no setor, até para repassar os conhecimentos aos engenheiros mais novos”. A experiência internacional mostra isso. Foi o que fez, por exemplo, a Coreia do Sul.

Outra saída seria treinar mão de obra local e, eventualmente, enviar profissionais brasileiros para serem treinados no exterior, sugeriu. Acrescentou que isso serviria para internalizar o conhecimento. “O cara vem com uma bagagem de 15, 20 anos, e o aprendizado da mão de obra local é muito mais rápido e com muito mais propriedade. Esse processo tem sido bem-sucedido”, disse.

Fonte: Agência Brasil

Entidades do setor Agropecuário promovem coletiva hoje para mostrarem o Caos no segmento

Está no Blog do amigo Marcelo Abdon:

Nesta sexta-feira (18), às 16h, os representantes do setor agropecuário do Rio Grande do Norte promovem uma entrevista coletiva para a imprensa onde discutirão os graves problemas enfrentados pela seca no estado e o isolamento do rebanho potiguar por conta da febre aftosa.

O encontro será na sede da Federação da Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Norte (Faern), e será apresentada pelo presidente da Entidade, José Álvares Vieira e pelos representantes da Anorc, Ancoc e Sinproleite.

Na oportunidade, eles irão abordar a crise que afeta o setor rural e também pedirão um posicionamento do Governo estadual.

“Iremos informar a sociedade potiguar sobre os problemas da seca, que está dizimando o nosso gado e acabando com a economia das pequenas cidades, também abordaremos o nosso isolamento com relação aos outros estados, no que toca ao comércio entre animais, por conta da febre aftosa e também abordaremos a questão do preço pago pelo Programa do Leite, entre outros temas”, ressaltou Viera.

Na coletiva, os representantes do setor rural irão pedir uma resposta concreta da administração Rosado. “Espero que com isso, o Governo tome medidas concretas e rápidas para ajudar os produtores e as famílias rurais. Afinal, esse é um problema de todos nós. De toda a sociedade”, finalizou José Vieira.

Setor de Precatórios reabre hoje

O setor de precatórios do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte está fechado desde o dia 10 de janeiro, quando a então chefe do setor, Carla Ubarana, foi exonerada. Após 30 dias de suspensão dos trabalhos voltados ao público externo, em razãode investigações destinadas a averiguar irregularidades, o setor de precatórios do TJRN reinicia hoje suas atividades. A nova chefe do setor de precatórios do TJRN é Adamires França, que foi exonerada no dia 16 de janeiro da função de Chefe de Seção de Análise e Registro Contábil para assumir o comando da Divisão de Precatórios.

Segundo a presidência do TJRN, algumas medidas prévias se fazem necessárias para dar total segurança e transparência ao pagamento dos créditos aos respectivos credores, daí porque se iniciam os trabalhos com a convocação de devedores e credores para, querendo, se manifestarem através de seus procuradores, de tal forma que os pagamentos possam reiniciar com absoluta certeza de que não se está preterindo ou prejudicando o direito dos que tem créditos a receber.

Após analisadas eventuais reclamações, serão republicadas as listas e reiniciados os pagamentos. Paralelamente, estão sendo aprovados diversos atos, como Resolução estabelecendo a nova sistemática de pagamento, de forma mais eficiente, além da modernização dos sistemas utilizados, o que dará mais transparência e segurança a todas as etapas do procedimento. Também serão feitas reuniões com todos os interessados, inclusive devedores, Tribunal de Contas e Ministério Público, para apresentação das mudanças e demonstração das medidas de controle orçamentário, financeiro e contábil.

Diário de Natal