Saúde

Metade dos jovens brasileiros relata problemas de saúde mental

Foto: Getty Images

Uma pesquisa realizada em capitais brasileiras mostrou que metade dos jovens de 18 a 24 anos consideram sua saúde mental como “ruim” (39%) ou “muito ruim” (11%). No mesmo grupo, somente 4% classifica sua saúde mental como muito boa. A análise lança luz sobre o atual período, altamente afetado pela pandemia da Covid-19.

O estudo — que avaliou respostas de homens e mulheres com 18 anos ou mais — mostra que os jovens se sentem mais afetados do que os outros grupos. Considerando o público geral, o número de pessoas que classificou a saúde mental como “muito ruim” foi de 5% e “ruim”, 25%.

Do total dos pesquisados, as queixas mais comuns foram: tristeza (42%), insônia (38%), irritação (38%), angústia ou medo (36%), além de crises de choro (21%).

Ao todo, 2 mil pessoas responderam ao questionário em São Paulo, capital, e nas regiões metropolitanas de Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba e Salvador. O levantamento é da consultoria Ipec e foi apresentado pela Pfizer nesta quarta-feira.

O estudo também analisou a busca dos participantes por ajuda especializada: 21% chegaram a procurar ajuda profissional, e 11% fazem acompanhamento de maneira contínua. Os diagnósticos mais detectados foram de ansiedade, com 16% dos respondentes, e depressão, detectado em 8%. Também foram relatadas síndrome do pânico (3%) e fobia social (2%).

Em entrevista coletiva realizada pela farmacêutica, o médico e pesquisador do departamento de Psiquiatria da Unifesp Michel Haddad explicou que o aparecimento desse tipo de transtorno está ligado a uma série de fatores combinados.

— A escalada de transtornos mentais já acontece há pelo menos duas décadas, a pandemia só escancarou o problema — disse o especialista.

Em busca de soluções

O levantamento mostra as soluções buscadas pelos respondentes para aplacar o impacto psicológico imposto pela pandemia. Do total, 19% praticam atividade física ao ar livre, e 18% em casa. Outros (17%) apostam na leitura de livros. Embora, seja importante reafirmar, assim como desordens de saúde física, o tratamento de doenças que afetem a saúde mental necessitam de acompanhamento médico e, por vezes, de tratamento farmacológico.

Ao todo, quatro em cada cinco participantes declararam que a pandemia impactou sua saúde mental de alguma forma. Em especial, a preocupação com acúmulo de dívidas foi a mais relatada, com 23% dos respondentes. Na sequência, aparecem o medo de testar positivo para a Covid-19 (18%) e a morte de alguém próximo (12%).

O Globo

Opinião dos leitores

  1. e é daí p/ pior. A ganancia de uns poucos está destruindo os sonhos da imensa maioria. Enquanto o filho de um grande acionista da petrobras tem um vidão, o filho de um servidor publico do medio a baixo escalao sofre p/ ser alguem na vida. Essa é a grande realidade. Depois a petrobras ainda inventa agora de fazer propaganda usando um tal nome VIBRA p/ enganar os brasileiros ja muito raivosos com essa petrocanalhice formada por acionistas gananciosos que estao fazendo tudo nesse pais ficar mais caro, basta o petroleo ficar mais caro p/ o frete de tudo, inclusive comida, ficar mais caro. A gente era p/ ter todo mundo uma repulsa enorme da petrobras/vibra porque de brasileira ela nao tem é nada, pois nao se importa com o bem estar da maioria do povo, estao nem aí!

  2. o que esperar de uma geração educada pelo esquema PSOL-Paulo Freire? Um sistema que corroi as crenças profundas adquiridas de cedo no seio da família, o próprio cerne psicológica da pessoas se esboroa

  3. nós adultos podemos até ser ‘cringe’, mas pelo menos temos a mente mais forte que essa geração fraca

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Internações por Covid em UTIs no RN caem pela metade em um mês

O portal G1-RN destaca em reportagem nesta sexta-feira(13) que as internações por Covid em UTIs públicas caíram 54% no período de um mês no Rio Grande do Norte. Os dados estão no sistema Regula RN, que monitora a rede de assistência em todo o estado desde o início da pandemia.

Como exemplo, a reportagem destaca que no dia 11 de julho, o estado tinha 213 pessoas internadas em leitos críticos nos hospitais com Covid. Nessa quarta-feira (11), dia mais recente com o relatório fechado no sistema, o Regula RN registrava 96 pacientes.

Relatório do LAIS aponta que queda nos indicadores da pandemia no estado tem relação direta com a aceleração da vacinação.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Número de pacientes internados em leitos críticos(UTIs) cai pela metade em um mês no RN

Foto: Reprodução/Regulação RN

No Rio Grande do Norte, 42,5% dos leitos críticos para tratamento da covid-19 amanheceram ocupados nesta segunda-feira (26). A situação resume a tendência de queda nas solicitações e é o melhor percentual desde 15 de novembro do ano passado.

Para se ter ideia, há um mês, 293 leitos de UTI estavam com pacientes, sendo 71,29% da taxa de ocupação naquele momento. Às 9h20 desta segunda eram 144 pacientes internados, ou seja, menos da metade em comparação.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Mais da metade das cidades brasileiras não registraram mortes por Covid na última semana

Foto: Mario Tama/Getty Images

Mais da metade das cidades brasileiras não registraram novas mortes por Covid-19 na última semana, entre 19 e 22 de julho. As informações fazem parte da 18 ª edição do estudo feito pela Confederação Nacional de Municípios (CMN), que mostra o cenário da pandemia no país. A pesquisa foi divulgada nesta sexta-feira (23) e ouviu 5,5 mil prefeitos.

De acordo com o levantamento, 53% dos municípios do Brasil não registraram mortes pelo novo coronavírus na última semana. Outras 16,8% das cidades do país tiveram redução no número de óbitos, enquanto 19% permaneceram estáveis. Já 10% tiveram aumento.

O número de municípios sem óbitos no Brasil nunca foi tão alto, destaca a pesquisa da CNM. Pela primeira vez, mais da metade das cidades do país passam uma semana sem a detecção de novas mortes.

Cidades flexibilizam medidas restritivas

Ao mesmo tempo que cai o número de mortes por Covid-19 nos municípios brasileiros, as medidas restritivas contra a propagação do vírus passam a ser flexibilizadas pelos prefeitos. Dados da CNM mostram que 69% das cidades ainda mantêm regras de distanciamento, número inferior ao registrado na primeira semana de julho, quando 75% dos municípios adotavam restrições.

Apesar dos bons resultados, a decisão de flexibilizar as medidas restritivas surpreende o pesquisador em saúde pública da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Raphael Guimarães.

“Provavelmente são municípios menores, do interior, que não estão registrando mortes pela doença. A gente não vê a ausência de óbitos em cidades grandes, que tenham milhares de habitantes. Essa flexibilização pode gerar grandes problemas para os menores municípios, pois provavelmente eles vão ter um aumento no número de casos e, consequentemente, de mortes. A rede de saúde dessas cidades é frágil”, frisou.

O Brasil superou nesta sexta-feira (22) a marca de 546 mil mortes em decorrência do novo coronavírus. Ao todo, o Ministério da Saúde registrou 19,5 milhões de casos em todo território nacional.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

Seca atinge metade dos municípios do RN, avalia pesquisador da EMPARN; saiba cidades que apresentam situação mais crítica

Ao final do período da quadra chuvosa de 2021, correspondente aos meses de fevereiro a maio, conhecido como o inverno no interior do Rio Grande do Norte, o estado apresentou mais de 80 municípios em situação de seca fraca e seca moderada, conforme última classificação divulgada pelo Monitor de Seca. Municípios da borborema potiguar (como Santa Cruz, Tangará, Jaçanã, São José do Campestre, entre outros) apresentam situação mais crítica de severidade de seca.

Comparando o mesmo período de 2020, o Monitor registra uma piora generalizada da condição de seca em todo RN. Ano passado, a metade do Estado encontrava-se sem seca aparente e a outra metade estava numa condição de seca fraca. “Esta situação foi motivada principalmente devido a qualidade do período chuvoso no Estado, que no ano de 2020 foi de normal a chuvoso e neste ano ficou 30,4% abaixo da normal pluviométrica”, avaliou o pesquisador da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), Josemir Neves.

As análises apontam que a situação de seca da maioria das regiões se agravou, com exceção da região do Alto Oeste do Estado, onde predominava seca moderada houve um recuo para a condição de seca fraca. “ A região do Seridó Oriental e parte da Borborema Potiguar são as áreas que apresentam a condição de Seca Grave no momento, isto motivado pelo baixo quantitativo de chuvas ocorridas nessas regiões e a situação da maioria dos reservatórios, que se encontram em situação crítica”, completou.

Sobre o Monitor da Seca

O Monitor da Seca é divulgado mensalmente pela Agência Nacional de Águas (ANA)  e conta com a contribuição de diversas instituições do Brasil. No Rio grande do Norte, os dados meteorológicos e pluviométricos utilizados como  base para a geração dos indicadores que alimentam o monitor são fornecidos pela EMPARN, que também é a instituição que coordena a validação local em conjunto com a Secretaria de Meio Ambiente e Recursos hídricos do Rio Grande do Norte e  Instituto de Gestão das Águas do Estado do Rio Grande do Norte, (monitoramento da situação volumétrica dos reservatórios).

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Topo da pirâmide avança na pandemia, e 1% mais rico do Brasil já detém metade da riqueza nacional

No Brasil, mercado de barcos está aquecido Foto: Hermes de Paula / Hermes de Paula/06-11-2020

A fatia da riqueza nas mãos do 1% que está no topo da pirâmide avançou em vários países do mundo em plena pandemia. E, no Brasil, ela alcançou inéditos 49,6%, ou quase metade da riqueza total do país, segundo o relatório Riqueza Global, publicado anualmente pelo Credit Suisse, que analisa o comportamento da renda no topo da pirâmide.

Entre os dez países avaliados no relatório, apenas na Rússia a desigualdade é maior. Lá, o 1% mais rico detém 58,2% da renda nacional.

Mas o acréscimo na fatia obtida pelos mais ricos foi maior no Brasil em 2020. Aqui, eles viram sua participação na riqueza do país avançar em 2,7 pontos percentuais. Na Rússia, a alta foi de 1,1 ponto percentual.

Dos 10 países avaliados no relatório, em oito o pedaço da fortuna do país abocanhado pelos mais ricos avançou.

Na avaliação do Credit Suisse, isso reflete o movimento global de forte queda nas taxas de juros, medida adotada pelos governos para tentar evitar uma queda maior da economia em meio à pandemia de Covid.

“Os grupos mais ricos foram relativamente pouco afetados pela redução no nível geral de atividade econômica e, ainda, se beneficiaram com o impacto da queda de juros na valorização das ações e dos preços de imóveis”, avalia o relatório.

A riqueza mundial foi estimada em US$ 418 trilhões no fim de 2020, uma alta de 7,4%, segundo o Credit Suisse. O banco destaca que “de maneira geral, os países mais afetados pela pandemia não foram os que mais sofreram em termos de geração de riquezas”

Até 2025, Brasil terá 361 mil milionários

Apesar de ver a fortuna dos mais ricos avançar e alcançar quase metade da riqueza nacional, o Brasil vivenciou uma queda no número de milionários em 2020, muito devido à desvalorização do real no ano passado.

O total de brasileiros com patrimônio superior a US$ 1 milhão caiu de 315 mil para 207 mil.

O Credit Suisse prevê, porém, que até 2025 o número de milionários brasileiros vá aumentar para 361 mil – um acréscimo de 154 mil no total de brasileiros afortunados.

O relatório cita dados de uma outra pesquisa, da Economist Intelligence Unit (EIU), segundo a qual apenas 193 mil indivíduos concentravam 1% da riqueza do Brasil em 2020. E 3,2 milhões reuniam 10% da fortuna nacional. O Brasil tem uma população estimada em 213 milhões.

O aumento da riqueza nas mãos de poucos e a piora na desigualdade têm levado vários países a discutir uma maior tributação dos ricos, ainda mais num contexto em que governos enfrentam déficits públicos crescentes devido aos efeitos da pandemia.

O presidente americano Joe Biden já propôs aumentar a tributação sobre ganhos de capital e sobre herança. No Reino Unido, uma comissão independente sugeriu ao governo a criação de um imposto sobre grandes fortunas para arrecadar 260 bilhões de libras (US$ 361 bilhões).

Países em desenvolvimento também discutem alternativas. A Argentina criou um imposto sobre grandes fortunas, que arrecadou US$ 2,4 bilhões este ano.

2020, um ano atípico

O relatório Riqueza Global do Credit Suisse destaca que 2020 foi um ano atípico. O primeiro impacto da pandemia sobre o patrimônio das famílias foi forte: entre janeiro e março, houve uma queda de 4,4% na riqueza mundial.

“Mas o que aconteceu no segundo semestre de 2020 foi imprevisível. As ações alcançaram níveis recordes no fim do ano. Os preços dos imóveis começaram a subir num ritmo não visto há anos. Essa valorização dos ativos é o que explica o aumento na riqueza global”.

O relatório acrescenta: “Países que foram muito afetados pela Covid-19 estiveram também entre os que registraram os maiores ganhos na riqueza por adulto. O contraste entre o que ocorreu com a riqueza das famílias e o que ocorreu na economia em geral nunca foi tão nítido”.

O estudo do Credit Suisse mostra o aumento do patrimônio em geral das famílias, e não apenas a riqueza no topo da pirâmide. Além da queda dos juros, que ajudou na valorização dos ativos dos ricaços, pacotes de estímulos e transferências de renda evitaram uma perda de renda das famílias em geral, destaca o banco.

Além disso, com as restrições de consumo impostas pela pandemia, muitas famílias aumentaram a sua poupança. O relatório mostra que a riqueza financeira, ou seja, advinda da valorização dos ativos, foi a que mais cresceu em 2020.

Perda maior na América Latina

No geral, a riqueza global avançou US$ 28,7 trilhões no mundo, para um total de US$ 418,3 trilhões. Mas houve disparidades regionais.

Na América do Norte, o avanço foi de US$ 12,4 trilhões e na Europa, de US$ 9,2 trilhões. Na China também houve acréscimo, de US$ 4,2 trilhões. Mas na Índia houve queda, de US$ 594 bilhões, com impacto da desvalorização da moeda local.

A América Latina registrou a maior perda, de US$ 1,2 trilhões, devido à perda de valor de suas moedas mas também, segundo o relatório, aos efeitos da pandemia, já que a região foi uma das mais afetadas pela Covid no planeta.

O Globo

Opinião dos leitores

    1. E Luladrão e seus filhinhos estão BILHONÁRIOS só com os mensalões, petrolões e outros ões que eles criaram. Ahhhh e lembre-se que seu partidinho vermelho é quem está no topo da pirâmide das rachadinhas do RJ. Agora acho que você tem perdido muitas mortadelas e isto está dando sindrome de abstinência.

  1. Luladrão através do dinheiro do BNDES foi determinante nesse crescimento da riqueza desses poderosos, dirigentes da oas, Odebrecht, Queiroz Galvão, JBS e outros beneficiado pelo esquema de Corrupção, tiveram aumentos de patrimônio absurdos, enquanto a grande massa era enebriada com esmolas. Esquema montado por 16 anos dos petralhas, resulta nisso, aumento patrimonial das elites e miserabilidade do povo. Já Bolsonaro manteve essa política e até reforçou, extinguindo as aposentadoria e diminuindo salários das massas trabalhadora. Por isso uma terceira via que quebre a espinha dorsal desse esquema e avance num projeto anti corrupção é a melhor opção.

  2. O Véio Bolsonaro pode não está no topo da pirâmide financeira, mas está no topo da pirâmide do Melhor Presidente do Brasil.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Agnaldo Timóteo deixa metade da herança de R$ 16 milhões para filha de criação, e irmãos do cantor querem anular testamento

Fotos: Arquivo pessoal

Um mês antes de morrer por complicações da Covid-19, aos 84 anos, Agnaldo Timóteo fez um testamento deixando metade do seu patrimônio, avaliado em R$ 16 milhões, para a filha Keyty Evelyn, de 14. A menina foi criada pelo cantor desde os 2 anos de idade e se tornou sua maior herdeira. Ainda de acordo com a vontade do músico, os outros 50% dos bens terão que ser divididos entre dois afilhados (10% cada um) e dois dos seus seis irmãos.

Na época, Agnaldo nomeou como inventariante e também tutor da menina em sua ausência o seu advogado, Sidney Lobo Pedroso, amigo do cantor há 45 anos. Apesar do amor que tinha pela filha, a adoção não chegou a ser formalizada enquanto o músico ainda estava com vida. No fim do ano passado, depois de sofrer um AVC e ficar quase dois meses internado em São Paulo, ele solicitou ao advogado que desse entrada no processo de adoção, o que ocorreu em janeiro.

Em vídeo enviado por ele ao seu advogado em 23 de dezembro, o cantor pede que Sidney Lobo legalize oficialmente Keyty como sua filha e a cita como sua herdeira.

“Dr. Sidney, essas fotos que eu mandei para você, são da minha filha, que eu adoro desde março de 2008, quando a conheci, na porta do meu gabinete, ao lado da mãe, quando eu era vereador em São Paulo. Preciso legalizá-la para que ela seja Keyty Evelyn Timóteo. Ela já tem um documento como minha herdeira, mas quero que ela seja minha filha oficial. Gostaria que você providenciasse tudo. Ela é a razão da minha vida”, disse o cantor nas imagens (assista abaixo).

A ação da adoção corre em segredo de justiça em São Paulo, mas o Ministério Público, provisoriamente, já deu um parecer favorável para a guarda da menina, determinando que o advogado do cantor seja o tutor de Keyty, conforme o desejo de Agnaldo em testamento.

Irmãos contestam

Acontece que os irmãos do cantor querem pedir a anulação do testamento, alegando que Agnaldo estava confuso na época em que manifestou o seu desejo sobre a partilha de bens. A irmã Ruthinete chegou a apresentar uma declaração de um médico em que diz que o cantor estava desorientado, sem ter como responder pelos seus atos. Ela ainda pediu que fosse nomeada inventariante do cantor, mas a Justiça negou.

“Como inventariante, só quero que a vontade de Agnaldo seja respeitada, me colocando como tutor da menina, para que eu cuidasse dela até os 18 anos”, diz o advogado do cantor. “O primeiro pedido do Agnaldo foi que eu fosse o tutor da Keyty. Tutor voluntário, eu não recebo um centavo para ser tutor dela. Ele me deixou também como inventariante. Ao mesmo tempo, abrimos uma ação de testamento para saber quem são os beneficiados”, explica.

A filha de Agnaldo está atualmente em São Paulo com avó materna. Uma amiga do cantor, que frequenta a casa dele há 25 anos, relata o descaso de Ruthinete, irmã do artista, com a menina após a morte do músico. “Ela disse a seguinte frase: ‘A Keyty tinha vindo do lixo, e pro lixo ia voltar’. Essa menina era tudo na vida do Agnaldo, e isso me deixou muito triste”, diz a testemunha.

Sobrinho e ex-assessor de Agnaldo Timóteo, Timotinho conta que Keyty nunca foi aceita pelos irmãos do cantor. Ele chama atenção ainda para o fato de que se Ruthinete conseguir anular o testamento e for concedido a adoção póstuma da menina, Keyty poderá herdar 100% dos bens do artista, e não só a metade.

“Os irmãos de Agnaldo nunca aceitaram a menina. E agora, depois de todo esse episódio de saber que ela tem direito a 50% do patrimônio dele, e que, possivelmente, concluída a adoção, ela, possivelmente, pode levar 100% dos bens, os irmãos estão querendo dificultar”, diz ele.

Entre os bens deixados pelo cantor estão uma casa na Barra da Tijuca, um apartamento em Vila Valqueire, ambos na Zona Oeste do Rio, um imóvel em São Paulo, uma sala comercial em Copacabana, além de alguns carros e direitos autorais.

Extra – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Acho que os irmãos estão dando um tiro no pé, pois a paternidade socioafetiva esta mais que comprovada, além do que as manifestações de vontade dele e afirmando que era o pai da criança são incontestáveis, ainda mais corroborada com o início do processo de adoção.
    Caso o testamento seja anulado, a filha dele herda tudo só.
    Daí porque falo que é um tiro no pé.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Vacina contra covid: Uma dose de Pfizer ou AstraZeneca já corta transmissão pela metade, indica estudo

Foto: Reuters

Uma única dose da vacina contra a covid da Pfizer-BioNTech ou Oxford/AstraZeneca pode reduzir a transmissão doméstica do vírus pela metade, segundo um novo estudo.

Aqueles que receberam a primeira dose desses imunizantes – e que foram infectados três semanas depois – tinham entre 38% e 49% menos probabilidade de transmitir o vírus do que pessoas não vacinadas, concluiu a Public Health England, agência governamental de saúde pública do Reino Unido.

O experimento foi realizado levando em conta dados disponíveis para essas duas vacinas, pois elas são as que atualmente estão disponíveis no país. Sendo assim, a CoronaVac, a vacina mais prevalente no Brasil, não foi incluída na pesquisa.

De qualquer maneira, especialistas reforçam que as pessoas devem completar o esquema de vacinação, ou seja, as duas doses das vacinas contra covid. Todos os estudos de eficácia das vacinas disponíveis no Brasil para combater a covid-19 mostraram a imunização completa somente 14 dias depois da segunda dose.

Falando sobre o estudo, o secretário de saúde (cargo equivalente ao Ministro da Saúde no Brasil) Matt Hancock descreveu os resultados como “uma notícia fantástica”.

Ele pediu “a todos que tomem suas vacinas assim que forem elegíveis”.

No estudo, a proteção contra a covid foi observada cerca de 14 dias após a vacinação, com níveis semelhantes de proteção, independentemente da idade dos vacinados ou contatos, disse a PHE em um comunicado.

O órgão acrescentou que esta proteção se soma ao risco reduzido de uma pessoa vacinada desenvolver infecção sintomática em primeiro lugar, que é em torno de 60 a 65% – quatro semanas após uma dose de qualquer uma das vacinas.

Mary Ramsay, chefe de imunização da PHE, disse: “As vacinas são vitais para nos ajudar a voltar a um estilo de vida normal. As vacinas não apenas reduzem a gravidade da doença e evitam centenas de mortes todos os dias, agora vemos que também têm um impacto adicional na redução da chance de passar a covid-19 para outras pessoas.”

Mas, apesar de dizer que as descobertas eram “encorajadoras”, Ramsay disse ser importante que as pessoas continuassem a agir como se tivessem o vírus, “praticando uma boa higiene das mãos e seguindo as orientações de distanciamento social”.

As casas com famílias são locais de alto risco de transmissão, o que significa que o estudo fornece evidências iniciais sobre o impacto das vacinas na prevenção da transmissão, informou a PHE.

Resultados semelhantes podem ser esperados em outros ambientes com riscos de transmissão semelhantes, como acomodações compartilhadas e prisões, acrescentou o órgão.

Importância de vacinar a todos e rápido

Em entrevista à BBC, o epidemiologista da Universidade de Warwick (Reino Unido), Mike Tildesley, diz que as descobertas são significativas, e reforçou que as pessoas precisam continuar sendo vacinadas.

“Embora nenhuma vacina garante 100% de proteção, temos evidências de que elas estão fornecendo pelo menos algum nível de proteção contra a transmissão do vírus se formos infectados”.

Segundo Tildesley, o estudo era mais uma prova de que o maior número possível de pessoas precisa ser vacinado, mesmo que não corra risco de desenvolver sintomas graves. O objetivo, diz ele, é obter níveis muito mais elevados de proteção em toda a população, reduzindo, portanto, a parcela daqueles que podem ficar gravemente doentes e morrer de complicações da covid.

O estudo, que ainda não foi totalmente revisado por pares, considerou mais de 57 mil contatos de 24.000 domicílios nos quais uma pessoa teve infecção por coronavírus confirmado em laboratório após receber a primeira dose da vacina. Esses dados foram comparados com quase 1 milhão de contatos de casos de não vacinados.

Os contatos foram definidos como casos secundários de coronavírus, se testassem positivo dois a 14 dias após o caso doméstico inicial. A maioria das pessoas no estudo tinha menos de 60 anos.

Estudos anteriores da PHE mostraram que as vacinas Pfizer-BioNTech e Oxford-AstraZeneca são altamente eficazes na redução de infecções por covid-19 entre pessoas mais velhas, com 10,4 mil mortes evitadas em maiores de 60 anos no fim de março.

A PHE também está realizando estudos separados sobre o efeito da vacinação na transmissão na população em geral.

BBC

 

Opinião dos leitores

  1. Tivemos a chance de comprar 70 milhões de doses da Pfizer, chegando ainda no ano passado. Teríamos quase o triplo de pessoas vacinadas, quantas vidas podíamos ter poupado?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Flávio Bolsonaro diz que usou recurso da venda de imóvel no Rio e mais da metade de valor financiado para comprar mansão de R$ 6 milhões em Brasília

Foto: Pablo Jacob/Agência O Globo

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) afirmou nesta terça-feira que comprou no início do ano uma mansão no valor de R$ 6 milhões no Lago Sul, bairro nobre de Brasília, com recursos da venda de seu imóvel no Rio de Janeiro. Em nota, Flávio diz ainda que a maior parte do valor da operação foi financiada. O filho do presidente Jair Bolsonaro é investigado por suspeita de realizar lavagem de dinheiro por meio da venda e compra de imóveis, na suposta existência de um esquema de desvios de recursos dos salários de seus assessores quando era deputado estadual da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

“A casa adquirida pelo senador Flávio Bolsonaro em Brasília foi comprada com recursos próprios, em especial oriundos da venda seu imóvel no Rio de Janeiro. Mais da metade do valor da operação ocorreu por intermédio de financiamento imobiliário. Tudo registrado em escritura pública”, diz a nota.

A compra da casa foi revelada nesta segunda-feira pelo site “O Antagonista”. O GLOBO também teve acesso ao registro do negócio em cartório, cujo valor da compra foi de R$ 5,97 milhões. O documento informa que o imóvel tem 2.400 m², fica localizado em uma área batizada de “Setor de Mansões Dom Bosco” e teve a aquisição registrada no dia 29 de janeiro. Constam como compradores Flávio e sua esposa, Fernanda Antunes Figueira Bolsonaro, com quem é casado sob comunhão parcial de bens. A vendedora é a RVA Construções e Incorporações.

A certidão do imóvel registra que, do total do imóvel, houve a contratação de um financiamento junto ao Banco de Brasília (BRB) para o pagamento de R$ 3,1 milhões. Serão 360 prestações mensais, com taxas de juros entre 3,65% e 4,85%. Flávio ganha salário de R$ 33 mil mensais como senador.

Infográfico: Confira quem são e como se relacionam as famílias empregadas nos gabinetes do clã Bolsonaro

O valor do imóvel é quase quatro vezes o patrimônio declarado por ele nas eleições de 2018. Naquele ano, ele de informou possuir bens no valor total de R$ 1,7 milhão, incluindo dois imóveis e participações em uma loja de chocolates — recentemente, Flávio vendeu a participação na loja.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Não bata ser honesto,tem que demonstrar.Esta conversa não cola.Esta rapaz é novo na praça,o chocolataria dava prejuízo,está escondendo o sol com a peneira.
    Esta casa é a ponta do iceberg.

  2. E, se querem levantar suspeitas sobre a origem do patrimônio de alguém, tragam provas. Senão, estarão cometendo crime de calúnia, injúria ou difamação. Código Penal. E sujeito a indenização na área cível.

    1. Flávio Bolsonaro está respondendo crimes devido a rachadinha que ele fazia com Queiroz! Como ele não conseguiu provar sua inocência, nem tem como pois as provas dos crimes cometidos por eles são robustas, ele está conseguindo anular , depois de muitos e muitos recursos processuais e apelar para uma prerrogativa de função (conhecido popularmente como foro privilegiado – sim, aquele mesmo que tanto ele como o pai tanto criticavam, lembram?) Então provas contra Flávio Bolsonaro tem de sobra viu!

    2. A Federal revirou tudo da família de Lula e não encontrou nada sobre o Lulinha. Mas essa fake news vc continua repetindo!

  3. Financiar um 8movel TD bem. O problema q só ele consegue essa tx de 3.85%. será q ele consegue pra mim. A minha de 8.69%

  4. Artigo tendencioso, sugerindo sigo errado, sem nenhuma prova ou sequer evidência. Globo, né? A questão não é o imóvel em si, se é uma "mansão" ou um "cafofo". A questão é COMO foi adquirido o imóvel, de onde vieram os recursos para sua compra e/ou construção. Foi oriundo de propinas, foi uma retribuição por algo, foi roubado de alguém? Enfim, as pessoas têm todo o direito de viver bem, desde que às próprias custas e de forma honesta, lícita. É bem simples.

    1. Justifica como ele consegue sobreviver com o salário de senador. Diz quais são as demais fontes de renda da família.

    2. A senhora ou senhor pode até ser honesta(o), mas sabemos que o filho do presidente não… Assim como Lula e entrono também não são… Portanto, não gaste suas energias para defender corrupto, assim como muitos fazem, seja pela esquerda ou pela direita. Estamos caminhando para mais uma década perdida e os brasileiros defendendo bandido A ou bandido B. Boa sorte.

  5. É porque Lula guardou o dinheiro fora do Brazil, nunca vai aparecer. Quem guarda, foi muito bem pago. O que admira a todos nós, é tanta preocupação com os filhos de Bolsonaro. E filhos de Lula, de onde tiraram tantos bens e dinheiro?

    1. O problema com os filhos de Bolsonaro é porque se diziam muitíssimos honestos.A família mais honesta do planeta terra.so ir isso.

    2. O problema não é lula,está condenado O problema é que repete as mesmas práticas.
      O Hitler quando invadiu a Rússia,sabia que Napoleão tinha sido derrotado,mas repetiu o mesmo erro.
      A historia se repete!!

  6. Aaaaaipapai

    Rachadinha dá dinheiro demais ?????????????

    Valeu Queiroz.

    Vcs aí com inveja, vão atrás de uma boquinha pra mamar tbm

  7. A turma do mensalão e do petrolao quer voltar.
    Para isso, tentam criar factoides para a população esquecer das dezenas de bilhões que eles desviaram.

  8. Nessa casa de FLAVITO tem muita animação
    é chocolate em todo canto a e laranja de montão
    É festa todo dia com churrasco e arrasta pé ?
    Só tem que ter muito cuidado
    pois na piscina tem um grande JACARÉ ?
    AÍ PAPAI ! PIXU só tirando onda
    Chega Das Dores ! Bota meu almoço .

  9. Eu só não entendo, como a casa de LULA, (o maior ladrão de todas as galáxias), é um kitnet na frente dessa mansão? Roubar tanto pra viver num cafofo…pq meu Deussss.

    1. O esquerdista é cara de pau mesmo.
      Durante 13 anos, o PT promoveu o mensalão e o petrolao…
      Bilhões e bilhões desviados.
      Em 2003, a Oi comprou uma empresa de fundo de quintal do filho de Lula por 5 milhões de reais, o que hoje em dia seria 15 a 20 milhões.
      É bom lembrar que mafiosos não colocam bens em seu próprio nome.
      Depois do mensalão e do petrolao, o PT quer posar de bonzinho .

    2. Sr. Greg, o senhor acha mesmo que Janja queria casar com o dito cujo se ele não fosse milionário?
      Vai ver tá no nome dela como foi feito com a finada da Avon.

    3. Vc viu o patrimônio do lulinha? Do gabinete civil Palocci? Do tesoureiro do pt? Do lider do governo pt a época?Do que a lava jato bloqueou dele? Cuidado com essa venda nos zói, vai que um poste passa na sus frente. Rsrsrs

    4. A narrativa agora é essa: Lulaladrão roubou mais? Tenham paciência, o MINTO só está na presidência faz dois anos somente… Como ele está a cada dia mais parecido com DilmAnta, pode ser que quando ele chegar na meta, queira dobrar a meta…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Governo é a favor de aquisição de 33 milhões de doses da AstraZeneca por empresas brasileiras; Bolsonaro defende metade delas doadas para o SUS

FOTO: REUTERS/Adriano Machado

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (26) que o governo federal assinou uma carta de intenções favorável à compra de 33 milhões de doses da vacina da AstraZeneca por empresas do Brasil.

Ainda de acordo com Bolsonaro, o governo defende que metade dessas doses sejam doadas para o SUS e, a outra metade, aplicadas em funcionários dessas empresas, para garantir que a economia do país não pare.

Bolsonaro informou que foi procurado na semana passada por um grupo de empresários que quer o apoio do governo para a compra das doses.

A vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, tem autorização para uso emergencial no Brasil. O governo federal fez um acordo para obter 100 milhões de doses desse imunizante. Além disso, a Fiocruz poderá produzir doses no país.

“Semana passada nós fomos procurados por um representante de empresários e nós assinamos carta de intenções favorável a isso, para que 33 milhões de doses da Oxford viessem do Reino Unido para o Brasil a custo zero para o governo. E metade dessas doses, 16,5 milhões, entrariam aqui para o SUS e estariam então no programa nacional de imunização, seguindo aqueles critérios, e outros 16,5 milhões ficariam com esses empresários para que fossem vacinados, então, os seus empregados, para que a economia não parasse”, afirmou o presidente em uma live do banco Credit Suisse.

Em nota, a AstraZeneca informou que, por ora, não tem condições de vender doses para o setor privado.

“No momento, todas as doses da vacina estão disponíveis por meio de acordos firmados com governos e organizações multilaterais ao redor do mundo, incluindo da Covax Facility [consórcio coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS)], não sendo possível disponibilizar vacinas para o mercado privado”, disse a farmacêutica.

Na live, Bolsonaro ressaltou que o governo vai estimular, no que for possível, o sucesso da proposta das empresas junto à AstraZeneca.

“No que puder essa proposta ir à frente, nós estaremos estimulando, porque com 33 milhões de graça aqui no Brasil, para nós ajudaria, e muito, a economia e aqueles que por ventura queiram se vacinar, porque a nossa proposta é voluntariado, o façam para ficar livre do vírus”, disse o presidente.

Vacinação

Em sua fala no evento, Bolsonaro afirmou que a vacinação contra a Covid-19 dará “segurança” aos brasileiros e garantirá que a economia “não deixe de funcionar”.

“Brevemente estaremos entre os primeiros lugares para dar mais conforto à população, segurança a todos e de modo que a nossa economia não deixe de funcionar”, disse Bolsonaro.

A declaração contrasta com falas públicas do presidente nos últimos meses, em que ele desestimulou a aplicação da vacina, levantando dúvidas sobre a eficácia dos imunizantes e repetindo que ele próprio não se vacinaria.

Ao longo da pandemia, Bolsonaro questionou mais de uma vez a eficiência da vacina CoronaVac, produzida no Brasil pela empresa chinesa em parceria com o Instituto Butantan, ligado ao estado de São Paulo, governador por João Doria (PSDB), seu adversário político..

Nesta terça, o presidente disse que sempre se mostrou favorável ao uso de vacinas aprovadas pela Anvisa – a CoronaVac, além da vacina de Oxford, teve uso emergencial liberado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e também está sendo aplicada no país.

Segundo consórcio de veículos de imprensa, na segunda-feira (25) 17 estados e o Distrito Federal vacinaram 685.201 pessoas.

Teto de gastos

Bolsonaro afirmou ainda que o governo manterá em 2021 o “firme compromisso” com a regra do teto de gastos do orçamento. No ano passado, o presidente admitiu que o governo discutia a possibilidade de quebrar o teto, declaração que teve reação negativa junto ao mercado. O evento do Credit Suisse era voltado a investidores.

“No âmbito fiscal, manteremos firme o compromisso com a regra do teto de despesas como âncora de sustentabilidade e de credibilidade econômica”, disse.

O presidente também declarou, sem citar o auxílio emergencial, que medidas adotadas para lidar com a crise da pandemia não se tornarão permanentes.

“Não vamos deixar que medidas temporárias relacionadas com a crise se tornem compromissos permanentes de despesas. Nossos objetivo é passar da recuperação baseada no apoio ao consumo para um crescimento sustentado pelo dinamismo do setor privado”, afirmou.

Bolsonaro também se comprometeu a acelerar privatizações e concessões, bem como a agenda de reformas, que não avançou no Congresso no ano passado.

“Também vamos avançar na tramitação de reformas fiscal, tributária e administrativa em parceria com Congresso Nacional e a sociedade brasileira”, afirmou o presidente.

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Incompetente, não sabe nada de gestão pública. São mais de 200 mil mortos e até agora não é no mínimo exemplo, ao usar máscara em público.

  2. Esperar o que do governo "leite condensado"? Um incompetente, irresponsável que despreza o maior sistema de saúde do mundo e que domina uma capacidade de vacinação de mais de hum milhão de pessoas por dia. A única coisa que sabe fazer bem é comprar leite condensado. O gado adora.

  3. Boora arrochar vacina nesse povo meu Presidente! Tou doido pra aglomerar nas festas de vaquejada, dançar forró e pegar as gatas…

  4. Minions, preparem o saldo do cartão de crédito ou façam empréstimos para vacinar a família.

  5. Povo do bem, esse ZeGado está se escondendo nesse nome por achar bonito, na verdade ele é um ASNO vermelho, portanto em fase de extinção kkkkkkkkkk.

    1. A sua sorte é o mediador do blog, todas as merdas que vc escreve, ele posta.

    2. Se eu não fosse um pé rapado igual a ze gado, ia comprar 100 milhões de dose dessa vacina.
      Dava todinhas pro meu presidente que Amo muito, mandar aplicar na população brasileira.
      Quero vê o povo feliz.
      Há tem mais.
      So pederia a ele que desse a primeira dose a da China no braço esquerdo da população e a outra de Oxford na segunda dose no braço direito, só assim, parava com essa frescura de divisão, todo mundo igual pra ninguém ficar com desgostos.
      Pronto!!
      Resolvido.
      Kkkkkkkk

  6. O melhor presidente do Brasil após a chamada redemocratização e o melhor "governador" que o RN já teve.

    1. TB se fosse contra, podia botar fora pq não era mais humano um na criatura dessa, a rede privada aliviará e muito, contanto que não atrapalhe os contratos do SUS, o ideal seria outra vacina que já não esteja sendo usada no Brasil

  7. o petralha imbecil não enxerga o óbvio: se um plano de saúde comprar vacina e vacinar seus clientes, o governo DEIXARÁ de gastar para dar vacina a essa pessoa.

    mas se petista enxergasse, não seria petista.

    1. Tu é tão esperto que esqueceu que quanto maior a demanda, maior o preço.

    1. Tenho gado, 217 mil mortes.
      É pouco pra vc?
      O STF abriu inquérito conta o milico da logística, o miliciano é contra qualquer tipo de vacina.

    2. Já ouviu falar em números relativos, para efeito de comparação com países muito mais ricos, menores e menos populosos, seu quadrúpde?
      E a responsabilidade de estados e muncípios?

    3. Se ele fosse contra a vacina não teria contratado Oxford em junho e começado a trazer a vacina na semana que a Anvisa deu sinal verde. SÓ MENTIRAS REPETIDAS AD NAUSEAM.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Quarentena de turistas na Inglaterra e na Irlanda pode ser reduzida pela metade; afrouxamento vale para viajantes do Brasil

Mulher caminha sobre a Westminster Bridge, em Londres, com o Parlamento britânico ao fundo Foto: DANIEL LEAL-OLIVAS / AFP

Quarentena obrigatória de 14 dias é um empecilho e tanto para viagens internacionais. E se for de uma semana? Inglaterra e Irlanda anunciaram que viajantes que se submeterem a novos testes PCR cinco dias após a chegada em seus territórios poderão, caso não estejam com o novo coronavírus, sair do isolamento bem antes do previsto. O afrouxamento vale para as pessoas provenientes de países considerados de alto risco de transmissão comunitária, como o Brasil.

A política conhecida em inglês como Test-to-Release (“testar para liberar”) já está sendo aplicada na Irlanda desde o final de novembro. Na Inglaterra (e não nas demais nações do Reino Unido), ela começará a valer em 15 de dezembro.

O programa não é obrigatório a todos os viajantes. Mas quem aderir precisa informar com antecedência, através dos formulários de entrada, preenchidos antes do embarque, tanto para a Inglaterra quanto para a Irlanda.

As autoridades locais sugerem que o turista agende seu teste com antecedência, para garantir que a data coincida com o quinto dia após o início da viagem. O exame é feito por laboratórios particulares e o custo do PCR deverá ser pago pelo próprio viajante, o que não deve sair por menos de cem libras esterlinas (cerca de R$ 680) na Inglaterra.

O teste poderá ser feito no imóvel ou quarto de hotel onde o viajante está isolado, ou mesmo em locais externos, como centros de testagem. Se esta for a opção, é necessário usar um meio de transporte particular.

Como o resultado costuma sair em 48 horas, quem tiver teste negativo para a presença do novo coronavírus estará liberado após uma semana, em média. Mas se o teste der positivo, o confinamento deverá continuar por dez dias após a data da coleta ou do surgimento dos primeiros sintomas. Após esse período, o viajante será monitorado pelo sistema de saúde britânico.

Mais informações estão nos portais oficiais dos governos do Reino Unido (gov.uk) e da República da Irlanda (gov.ie).

O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

E AINDA TEM SEDENTARISMO NO “PACOTE”: Pandemia afeta sono e altera o humor de quase metade dos adolescentes no país entre 12 e 17 anos , diz Fiocruz

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) revelou que a pandemia deixou quase metade – cerca de 9 milhões – dos adolescentes do País entre 12 e 17 anos nervosos, ansiosos e de mau humor. Também aumentou o sedentarismo e o consumo de doces e congelados entre eles e está afetando o sono de aproximadamente 4,3 milhões (23,9%) de adolescentes. Os pesquisadores acompanharam de junho a setembro jovens entre 12 e 17 anos de todo o Brasil e investigaram as mudanças na rotina, nos estilos de vida, nas relações com familiares e amigos, nas atividades escolares e nos cuidados à saúde.

De acordo o relatório Covid-19 Adolescentes, o percentual de jovens que não faziam 60 minutos de atividade física em nenhum dia da semana antes da pandemia era de 20,9%, e passou a ser de 43,4%. Setenta por cento dos brasileiros de 16 a 17 anos passaram a ficar mais de 4 horas por dia em frente ao computador, tablet ou celular, além do tempo das aulas online e 59% sentiram dificuldades para se concentrar nas aulas a distância.

“Chama muita atenção também o estado de ânimo desses jovens, que relataram tristeza, ansiedade e a ausência de amigos. A falta de atividade física entre os adolescentes foi um dos resultados que mais se destacou. Em geral, os jovens brasileiros praticam mais atividades coletivas, como aulas de danças e jogos com bola. Com as medidas de restrição social, tornou-se mais difícil para eles manterem a prática de exercícios”, aponta a pesquisadora Celia Landmann Szwarcwald, coordenadora do trabalho.

O estudo foi coordenado pelo Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict), da Fiocruz, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e realizado de forma online.

Segundo o levantamento, a piora da saúde foi apontada por 5.488 milhões (30%) dos jovens, com as com as meninas relatando maior impacto na saúde (33,8%) do que os meninos (25,8%), e os adolescentes mais velhos (37,0%) do que os mais novos (26,4%).

O percentual de adolescentes que relataram piora na qualidade do sono durante a pandemia foi de 36% – aproximadamente 6.624 milhões -, sendo que 4,3 milhões (23,9%) começaram a ter problemas com o sono durante a pandemia e 12,1% relataram já terem problemas, porém, eles pioraram. Já a qualidade do sono foi mais afetada entre as meninas, e nos adolescentes com 16 a 17 anos, em relação aos mais novos.

“Também é importante destacar a piora na qualidade de sono e os problemas no estado de ânimo. Há um conjunto de fatores como sentimento de tristeza, nervosismo, isolamento, insegurança, medo por familiares, que está afetando diretamente a saúde dos jovens. Não é à toa que 30% deles identificam uma piora em seu estado de saúde”, explicou a pesquisadora.

Sentir-se preocupado, nervoso ou mal-humorado foi descrito por 48,7% dos adolescentes, na maioria das vezes ou sempre. Entre as meninas, o percentual foi de 61,6%. Os adolescentes de 16-17 anos de idade relataram esse sentimento mais frequentemente (55,3%) do que os de 12-15 anos (45,5%).

Sobre as aulas online, os adolescentes disseram estar tendo muita dificuldade para acompanhar e assimilar o conteúdo: 59% relataram falta de concentração, 38,3% falta de interação com os professores, 31,3% falta de interação com amigos, 47,8% dos adolescentes relataram estar entendendo pouco, e 15,8% disseram não estar entendendo nada. Apenas 1 em cada 4 adolescentes de 16-17 anos relatou estar entendendo tudo ou quase tudo das aulas presenciais.

Dados do IBGE indicam que o Brasil tem 18,2 milhões de jovens entre 12 e 17 anos. A pesquisa da Fiocruz ouviu de forma online 9.470 adolescentes. Eles responderam a um questionário virtual, entre os dias 27 de junho e 17 de setembro.

CNN Brasil

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Prefeitura de Parnamirim antecipa para hoje metade do décimo-terceiro dos servidores

Numa justa homenagem aos seus servidores, a Prefeitura de Parnamirim paga esta quarta-feira(28), de forma antecipada, 50 por cento do décimo-terceiro.

O ponto facultativo para comemorar o Dia do Servidor foi transferido para a próxima sexta-feira, 30, quando também serão creditados os salários referentes ao mês de outubro. Nesta quarta-feira o expediente será normal e na sexta-feira funcionarão apenas as repartições prestadoras de serviços essenciais.

Como a segunda-feira, 2 de novembro, é Dia de Finados, os servidores de Parnamirim terão um feriadão pela frente com dinheiro no bolso. É só alegria, papai!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Turismo responde por quase metade das perdas de empregos no País

Foto: Divulgação/Agência Brasil

O Grupo de Pesquisa em Economia do Turismo da Universidade de São Paulo divulgou que o setor perdeu 384 mil postos formais de trabalho em 2020, quantidade que corresponde a 45% do total de vagas fechadas na economia brasileira até agosto. O Turismo respondeu por quase metade da perda total de empregos da economia brasileira, mesmo respondendo por apenas 4% das carteiras assinadas do País. A perda nas atividades características do Turismo (ACTs) atingiu 19% do total de postos no setor.

A redução percentual foi mais de dez vezes superior à da economia como um todo, que chegou a 1,8% do total de carteiras assinadas. Apesar do emprego da economia ter começado a se recuperar a partir de julho, a queda no setor de Turismo não parou. Em agosto, o número de demissões no setor superou o de contratações em 17 mil.

Dentre as atividades características do Turismo, os serviços de alimentação foram os mais atingidos em termos absolutos, com perda de 236 mil postos formais de trabalho. Em termos relativos, a atividade mais impactada foi o agenciamento de viagens. As 20 mil vagas fechadas em agências e operadoras representam 29% do total de empregos formais que existiam no segmento no começo do ano. Na hospedagem, foram fechadas 75 mil vagas, o equivalente a 25% do total. No transporte rodoviário, o saldo foi de 28 mil demissões. Já no transporte aéreo, apesar das demissões terem ganhado escala somente a partir de julho, até o fim de agosto elas já acumulavam 8 mil, o que equivale a 13% do total de empregos no setor.

As estatísticas do Turismo foram estimadas a partir de dados do Novo CAGED e da RAIS. Para facilitar o acesso aos dados, o Grupo de Pesquisa lançou um dashboard que permite a análise da situação do emprego no Turismo de maneira atualizada, detalhada e dinâmica. O interessado pode consultar as estatísticas por atividade econômica, unidade da federação e período.

Portal Panrotas

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Metade dos russos rejeitariam vacina contra coronavírus

Foto: Dado Ruvic/Reuters

Uma pesquisa realizada pelo centro de opinião pública FOM, veiculada nesta sexta-feira (26), indicou que 50% da população da Rússia não aceitaria ser vacinada contra o novo coronavírus em futuro próximo.

De acordo com a enquete, apenas 44% dos entrevistados responderam positivamente à pergunta feita sobre a eventual imunização para o patógeno, que provoca a covid-19.

Entre os motivos que levaram os russos a rejeitar a vacina estão a desconfiança em uma vacina feita às pressas e a falta de certeza sobre existir uma forma real de imunidade contra o novo coronavírus, entre outras respostas.

Segundo os dados detalhados divulgados pela FOM, as pessoas de até 45 anos são a maioria entre os que não querem ser vacinados.

Além disso, 48% dos entrevistados acredita que a imunização que está sendo elaborada na Rússia será de boa qualidade, contra 20% entre os que não concordam com essa possibilidade.

Segundo boletim mais recente divulgado pelo governo local, há 620.794 infectados no país.

EFE

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Estado reduz pela metade ICMS do diesel para o setor de transporte coletivo de Natal, interestadual e cargas

O Governo do Estado, através da Secretaria Estadual de Tributação (SET-RN), decidiu nesta terça-feira (23) reduzir em 50% a base de cálculo do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) do diesel e biodiesel adquiridos por empresas de transporte coletivo urbano, intermunicipal e alternativo no Rio Grande do Norte. A decisão foi confirmada após reunião da equipe do governo com trabalhadores e empresários.

A medida atende a uma demanda tanto de donos de empresas quanto de rodoviários, e representa um esforço do governo para contribuir com o fim da paralisação dos motoristas e cobradores de ônibus de Natal, que já dura dois dias. A superlotação da frota de emergência potencializa os riscos de transmissão do novo coronavírus (Covid-19) entre os passageiros que precisam usar o serviço.

Atualmente, o Estado recolhe 18% do valor desse tipo de combustível e, com a redução da base de cálculo pela metade, serão recolhidos das empresas de ônibus urbanos e de transporte de passageiros uma alíquota de apenas 9%, recursos que o governo abre mão para dar alternativas no sentido de sanar o impasse entre os trabalhadores do setor rodoviário e as empresas de transporte coletivo.

A desoneração visa também mitigar os efeitos da crise gerada pela pandemia para as empresas neste momento delicado da economia, em que grande parte do setor produtivo está com a rentabilidade baixa.

A redução será publicada nos próximos dias no Diário Oficial do Estado em forma de decreto, apresentando os detalhes para ter acesso ao benefício fiscal. A regra valerá tanto para as empresas de ônibus urbanos da capital quanto para o transporte opcional regulamentado pelos órgãos de trânsito e mobilidade urbana e intermunicipal.

Opinião dos leitores

  1. Só se vê esses empresários PÔDRES de rico às custas de benesses públicas.
    Se dá pra um, tem q dar a todos, pois estamos todos na mesma situação.
    Ora mais!!

  2. Governadora, excelente intervenção.
    Mas, por que não extender essa redução a todos os demais combustíveis e a toda sociedade?

  3. Parabéns ao Governo do RN. Agora vamos aguardar a Prefeitura de Natal reduzir o ISS.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *