Geral

Terremoto de magnitude 8,2 atinge a costa do Alasca e gera alerta de tsunami

Fila de carros durante evacuação de Homer, no Alasca, após um alerta de tsunami ser emitido devido a um terremoto de magnitude 8,2 — Foto: Sarah Knapp/Homer News via AP

Um terremoto de magnitude 8,2 — considerado um valor muito alto — atingiu a costa do Alasca, estado pertencente aos Estados Unidos, nesta quinta-feira (29).

Autoridades americanas emitiram alertas de tsunami para grande parte da costa sul do estado e também para o Havaí, mas eles foram posteriormente cancelados.

Até a última atualização desta reportagem, não havia informações sobre feridos ou vítimas.

O terremoto ocorreu às 20h15 de quarta-feira (horário local, madrugada desta quinta no Brasil), a cerca de 46 km abaixo da superfície do oceano, de acordo com o USGS (observatório sismológico dos EUA).

Houve ao menos outros dois tremores secundários, um deles de magnitude superior a 6 — valor que também costuma causar estragos em regiões mais habitadas.

Mas o tremor ocorreu próximo a áreas muito pouco habitadas. A situação mais preocupante é com a pequena cidade de Perryville, a apenas 91 km do epicentro. A maior cidade do Alasca é Anchorage.

O Alasca sofreu em 1964 o mais forte terremoto de sua história: um tremor de magnitude 9,2 que deixou mais de 250 mortos pela destruição.

A alta atividade sísmica da região está relacionada com o Círculo de Fogo do Pacífico, uma área de encontro de placas tectônicas que afeta praticamente toda a costa do oceano (veja o mapa abaixo).

Mapa identifica a região do Círculo de Fogo do Pacífico — Foto: Ciência/G1

G1

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Nova Zelândia vive pânico após terremoto de magnitude 8,1 e ameaça de tsunami

Foto: Getty Images

Moradores da Nova Zelândia viveram momentos de pânico nesta sexta-feira (5), após uma sequência de tremores de terra, que chegaram a um terremoto de magnitude 8,1 nas Ilhas Kermadec, de acordo com a Agência Nacional de Gerenciamento de Emergências da Nova Zelândia.

O país chegou a suspender os protocolos da Covid e pedir para as pessoas saírem de casa por conta de um possível tsunami, mas rebaixou o alerta.

Moradores em algumas áreas receberam alertas de emergência em seus telefones pedindo para “EVACUAR AGORA”, quando as sirenes de tsunami tocaram. A agência de emergência emitiu uma ordem de evacuação temporária para as pessoas perto da costa, advertindo-as: “Não fiquem em casa”, pois “um tsunami perigoso pode acontecer”.

As Ilhas Kermadec ficam a cerca de mil quilômetros a nordeste da Ilha do Norte, na Nova Zelândia. A costa leste da Ilha do Norte, a Baía das Ilhas a Whangarei, de Matata à Baía de Tolaga, incluindo Whakatane e Opotiki e a Ilha da Grande Barreira estão incluídas no alerta de tsunami.

Na tarde de sexta-feira [horário local], a agência rebaixou seu alerta de “ameaça terrestre e marinha” para “ameaça marítima e de praia”, o que significa que todos os residentes que evacuaram podem agora retornar para suas casas.

As autoridades acrescentaram que fortes correntes e ondas imprevisíveis podem continuar por horas, e que as pessoas devem ficar longe de praias, margens e rios.

O terremoto veio “sem nenhum aviso importante”, disse o sismologista Bill Fry em uma entrevista coletiva na sexta-feira. Ele acrescentou que, em seus 13 anos respondendo a terremotos e tsunamis na Nova Zelândia, “esta é a primeira vez que temos essa sequência específica”.

Em Russell, Nova Zelândia, Rita Baker disse à CNN que ela havia fugido para uma colina com vista para a Baía das Ilhas junto com seus vizinhos.

Quando surgiram os primeiros alertas sobre terremotos na Nova Zelândia, Baker não ficou muito preocupada, ela contou à CNN. O primeiro terremoto de Kermadec ocorreu sem muito alarde.

“Uma hora depois disso, a sirene do tsunami disparou e por uma fração de segundo eu entrei em pânico”, acrescentou Baker. “Só de ouvir aquele som eu já fiquei nervosa.”

A casa de Baker fica a 10 metros da água. “Meu marido me ligou do trabalho, na cidade, e me disse para sair o mais rápido possível e ir para um terreno mais alto porque aquilo não era um treinamento e eles estavam evacuando o hotel (ele trabalha em um hotel à beira-mar),” ela escreveu.

“Então, eu agarrei a gata (escondida debaixo da cama) e com as mãos trêmulas a coloquei em sua gaiola, peguei minha bolsa e o disco rígido do computador, desci para o carro e dirigi até a colina.”

O terremoto também disparou alertas no Havaí e na Samoa Americana, mas foram cancelados posteriormente. O Bureau de Metodologia da Austrália relatou uma onda de 64 centímetros em sua remota Ilha de Norfolk.

O cismo de quinta-feira foi o maior a acontecer em qualquer lugar do mundo desde agosto de 2018, quando um terremoto de magnitude 8,2 atingiu muito mais fundo no subsolo, também no Pacífico Sul, perto de Fiji.

Cerca de um terremoto de magnitude igual ou superior a 8,0 ocorre a cada ano.

Esta é uma reportagem em desenvolvimento. Há mais por vir.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Veja domingo no Fantástico o terremoto na Nova Zelândia foi culpa do PR Bolsonaro!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Terremoto no sul do pacífico produz tsunami e acende alerta para ilhas da região

Foto: G1 Mundo

Um terremoto de magnitude 7,7 atingiu a região sudeste das Ilhas da Lealdade, um arquipélago no sul do Pacífico, perto da Nova Caledônia, nesta quarta-feira (10), segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

O Escritório de Meteorologia da Austrália (BOM, na sigla em inglês) informou que o tremor formou um tsunami na região e levantou um alerta para os moradores da Ilha Lorde Howe, uma reserva ecológica com cerca de 380 residentes.

O epicentro do terremoto foi a 401 quilômetros da cidade de Tadine, na Nova Caledônia, a uma profundidade de 2 quilômetros, de acordo com o Centro Europeu Mediterrâneo Sismológico (EMSC, na sigla em inglês).

Há também alertas de tsunami para várias outras ilhas da região: Nova Zelândia, Fiji, Vanuatu, Tuvalu e outras.

Essa região faz parte do Círculo de Fogo do Pacífico, uma área com intensa atividade vulcânica e sísmica.

Mapa identifica a região do Círculo de Fogo do Pacífico — Foto: Ciência/G1

G1

Opinião dos leitores

    1. Gente essa criatura não trabalha? Só vive para escrever baboseiras.
      Deve ser algum comissionado da vida.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO: Após terremoto, pequeno tsunami causa inundação em cidade turca

Foto: Reprodução / Twitter

Após o forte terremoto de magnitude 7 graus na escala Richter que atingiu nesta sexta-feira (30) a Grécia e a Turquia, um pequeno tsunami causou inundações na cidade costeira turca de Seferihisar.

Embora nenhuma onda destrutiva tenha sido relatada, o nível da água subitamente subiu 1 metro e inundou grande parte da cidade turística, de 44.000 habitantes, de acordo com informações da emissora de televisão “NTV”.

As águas arrastaram vários objetos pelas ruas, e muitas embarcações que estavam no porto de iates da cidade se soltaram de seus ancoradouros. O vídeo abaixo, publicado no Twitter, mostra a água arrastando mesas, cadeiras e outros objetos por uma rua.

Seferihisar fica a 17 quilômetros do epicentro do terremoto, localizado no Mar Egeu, a cerca de 10 quilômetros da costa da ilha de Samos, na Grécia.

Já em Esmirna, 60 quilômetros ao norte, pelo menos 10 edifícios — alguns deles residenciais — desabaram total ou parcialmente, e as autoridades já iniciaram a busca por soterrados.

O ministro do Meio Ambiente e Planejamento, Murat Kurum, disse à “NTV” que “pessoas estão presas sob os escombros”, mas ainda não há dados sobre o número de vítimas.

R7

Opinião dos leitores

  1. A Natureza vai emitir a fatura por aqui também… Aguardem!
    Queimadas, mortes de milhares de animais, índios…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Alerta de tsunami na América Central após forte terremoto no México

Foto: Getty Images

Um terremoto fez prédios balançarem com força na região central da Cidade do México nesta terça-feira (23). Centenas de pessoas deixaram suas casas e correram para a rua, depois que os alarmes da cidade avisaram os moradores minutos antes dos tremores.

Testemunhas disseram que não viram de imediato sinais de danos ou de feridos. O Instituto Sismológico do México disse que um terremoto de magnitude 7,1 atingiu o estado de Oaxaca, no Sul do país.

As autoridades americanas emitiram um alerta de tsunami para as costas do sul do México, Guatemala, El Salvador e Honduras, após um forte terremoto em território mexicano que abalou nesta terça-feira a América Central.

Este alerta emitido pelo Centro de Alerta de Tsunami do Pacífico cobre um raio de 1.000 km ao redor do epicentro do terremoto, no estado mexicano de Oaxaca e de magnitude 7,4, segundo o Instituto Americano de Geofísica (USGS).

Diário de Pernambuco

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Psiquiatras alertam para ‘tsunami’ de problemas de saúde mental em meio à pandemia

FOTO: SCIENCE PHOTO LIBRARY

Os psiquiatras alertam para um “tsunami” de problemas de saúde mental devido à pandemia de coronavírus.

Os médicos estão particularmente preocupados com o fato de crianças e idosos não receberem o apoio de que precisam devido ao fechamento de escolas, ao isolamento social e ao medo de hospitais. Fatores como a solidão, o medo da covid-19 e incertezas quanto ao futuro agravam doenças mentais pré-existentes e criam novos problemas para pessoas até então saudáveis.

Em uma pesquisa feita no Reino Unido, os psiquiatras relataram aumento no número de atendimentos de emergência relacionados à doenças mentais e uma queda nas consultas de rotina.

Eles afirmam que muitas pessoas deixaram de procurar ajuda mesmo com os serviços de saúde mental ainda abertos, e por isso acabaram chegando ao ponto em que atendimentos de emergência foram mais necessários.

‘Os pacientes evaporaram’

“Já estamos vendo o impacto devastador da covid-19 na saúde mental, com mais pessoas em crise”, diz a professora Wendy Burn, presidente do Royal College of Psychiatrists (Colégio Real de Psiquiatras), no Reino Unido.

“E estamos muito preocupados com as pessoas que precisam de ajuda agora, mas não estão conseguindo. Nosso medo é que o ‘lockdown’ (fechamento total de comércio e serviço) esteja fazendo com que as pessoas guardem problemas que poderiam levar a um ‘tsunami’ de doenças mentais depois”.

A pesquisa da instituição, feita com 1.300 médicos de saúde mental de todo o Reino Unido, constatou que 43% haviam visto um aumento em casos urgentes, enquanto 45% relataram uma redução nas consultas de rotina.

“Na psiquiatria da velhice nossos pacientes parecem ter evaporado, acho que as pessoas têm medo demais de procurar ajuda”, disse um psiquiatra.

Outro escreveu: “Muitos de nossos pacientes desenvolveram distúrbios mentais como resultado direto da interrupção da rotina gerada pelo coronavírus, do isolamento social, do aumento do estresse e da falta de remédios”.

Idosos e jovens estão entre os grupos que geram maior preocupação.

“Estamos preocupados que crianças e jovens com doença mental que possam estar com dificuldades não estejam recebendo o apoio de que precisam”, diz Bernadka Dubicka, que preside a faculdade de psiquiatria infantil e adolescente do Royal College of Psychiatrists. “Precisamos passar a mensagem e deixar claro que os serviços ainda estão abertos.”

Tanto do Reino Unido quanto no Brasil, o atendimento psicológico continua funcionando e pode inclusive ser feito à distância, através de plataformas de videochamada. No entato, o uso da tecnologia para chamar um médico durante o bloqueio é difícil para algumas pessoas mais velhas, explica Amanda Thompsell, especialista em psiquiatria para idosos.

Idosos também costumam ser “relutantes” em procurar ajuda, e sua necessidade de apoio à saúde mental provavelmente é maior do que nunca, diz ela.

‘Prioridade clara’

A instituição de saúde mental Rethink Mental Illness disse que as preocupações levantadas pelos especialistas são apoiadas por evidências de que as pessoas estão convivendo com mais doenças mentais.

Em uma outra pesquisa feita no país, a maioria das pessoas disse que sua saúde mental piorou desde o início da pandemia, devido à interrupção de rotinas e estretégias que elas utilizavam para controlar problemas de saúde mental como depressão, ansiedade, pânico, entre outros.

“O NHS (sistema de saúde público do Reino Unido) está fazendo um trabalho incrível nas circunstâncias mais difíceis, mas a saúde mental deve ser uma prioridade clara”, diz Danielle Hamm, da instituição de caridade. “É preciso investimentos para garantir que os serviços possam lidar com esse aumento antecipado da demanda.”

Segundo ela, sem o atendimento adequado no momento, pode levar anos para que algumas pessoas se recuperem dos problemas mentais gerados pela pandemia.

BBC

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Tsunami que devastou Portugal em 1755 chegou ao Brasil no Nordeste, conclui estudo

Sabia que o Brasil já foi vítima de um tsunami? Mas calma: não como Japão, em 2011, ou Indonésia, em 2006 e 2010. Segundo o estudo de doutorado do pesquisador Francisco Dourado, da Faculdade de Geologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), um tsunami que atingiu Portugal no século 18 também chegou ao nordeste brasileiro.

O evento ficou conhecido como Sismo de Lisboa, já que a capital portuguesa foi devastada pelo tsunami no dia 1º de novembro de 1755. Um grande terremoto desencadeou as ondas, atingindo também as costas atlânticas da África e da América. Até pouco tempo atrás, os impactos transatlânticos tinham sido descritos apenas em algumas ilhas caribenhas. Contudo, Dourado viu que as ondas chegaram ainda mais longe — ou perto, no caso do nosso país.

O grupo de pesquisadores da Uerj realizou um trabalho de campo, percorrendo 270 km ao longo de 22 praias do Nordeste para captar evidências da chegada do tsunami na costa brasileira. Na cidade de Pontinhas, na Paraíba, por exemplo, foi possível detectar uma camada peculiar de areia grossa que, ao ser analisada, apontou um evento de alta energia como responsável por sua deposição.

Com base em dados de modelagem histórica, sedimentológica e numérica apresentados, os cientistas encontraram uma associação altamente provável e compatível ao tsunami de 1755, demonstrando pela primeira vez as evidências desse fenômeno no Atlântico Sul.

A equipe liderada por Dourado encontrou evidências do evento até quatro quilômetros do litoral nordestino, principalmente em locais com rios e nas proximidades da Ilha de Itamaracá, em Pernambuco.

O pesquisador conta que há registros de que as ondas que chegaram ao nosso país mataram um casal, mas isso não foi investigado neste estudo. O que o pesquisador concluiu é que o tsunami não causou muitos danos por aqui.

Segundo Dourado, no ano do fenômeno, o governador da Paraíba enviou uma carta ao Rei de Portugal informando que “uma grande onda” também havia inundado o litoral do estado. “Mas não houve muitos estragos porque o Brasil ainda não era tão populoso”, explica o especialista à GALILEU.

Galileu

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEOS: Falha em piscina em parque aquático cria ‘tsunami’ e deixa 44 feridos

Uma falha técnica em piscina de parque aquático em Shuiyun, um popular destino turístico no verão chinês, acabou provocando uma “tsunami”, na última terça-feira (30/7). A enorme onda pegou banhistas – boa parte, crianças e adolescentes – de surpresa e deixou 44 deles feridos.

De acordo com a imprensa local, a onda chegou a 3 metros de altura. O South China Morning Post relatou que um corte de energia danificou o equipamento eletrônico que controla as ondas na piscina, frequentada por centenas de banhistas.

Muitos dos feridos tiveram fraturas e cortes. Alguns continuam internados. A piscina foiinterditada.

Assista abaixo à ‘tsunami’:

https://www.youtube.com/watch?time_continue=37&v=ZqzrrrRPZ30

Extra

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Número de mortos por tsunami na Indonésia passa de 280

O número de mortos pelo tsunami que atingiu as praias ao redor do estreito de Sunda, na Indonésia, chegou a 281 nesta segunda-feira (24). Os dados são da Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB, na sigla em indonésio) — que afirma ainda serem 843 feridos e 28 desaparecidos em decorrência do desastre, ocorrido no último sábado (22).

As causas do tsunami — que atingiu as praias ao redor do estreito de Sunda, entre Java e Sumatra — continuam sendo investigadas, mas há uma relação com a erupção do vulcão Anak Krakatoa e as fortes ondas que se alastram pela região devido à lua cheia. Além disso, a Indonésia se situa Círculo de Fogo do Pacífico, uma área de constante atividade sísmica e vulcânica.

Fora as mortes, o tsunami provocou danos em casas, hotéis e prédios do país, especialmente nas localidades de Pandeglang e Serang Regency. Pelo menos 5.550 pessoas estão desabrigadas. Após o fenômeno, um alarme falso de novas ondas ainda deixou a população em pânico.

Banda arrastada por ondas

Uma das imagens mais chocantes da tragédia se alastrou pelas redes sociais no domingo (23). Em um vídeo, é possível o momento em que a onda gigante arrasta o palco onde acontecia um show da banda pop Seventeen. Músicos, público e estrutura foram levados pela água.

Horas após o fenômeno, o vocalista do conjunto, Riefian Fajarsyah, divulgou uma mensagem no Instagram em que diz que o empresário e o baixista da Seventeen morreram em decorrência do tsunami.

Sem brasileiros entre vítimas

Na tarde de domingo, o Itamaraty informou que não há registro de brasileiros mortos ou feridos entre as vítimas do tsunami na Indonésia. O órgão diz que “acompanha a situação por meio da Embaixada do Brasil em Jacarta e da DAC (Divisão de Assistência Consular) em Brasília.

O governo brasileiro ainda expressou suas “condolências às famílias das vítimas, seus votos de recuperação aos feridos e sua solidariedade ao povo e ao Governo da Indonésia”.

R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Tsunami de 2011 levou peixe do Japão aos EUA

Volta e meia aparece no litoral oeste dos EUA algum objeto levado pelo mar em decorrência do tsunami de 2011 que atingiu o Japão. Já apareceu uma bola de vôlei, já apreceu até pedaço de píer… Agora, americanos encontraram dentro de um barco um peixe nativo do Japão, de acordo com a agência AP. A pequena embarcação viajou cerca de 7.500 quilômetros e o peixe resistiu à jornada pelo Pacífico. O barco estava na areia de uma praia do estado deWashington. O peixe foi levado ao Seaside Aquarium, no Oregon (EUA).

Fotos: AP

 

Fonte: Page Not Found

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acidente

[FOTOS] Veja como o Japão se reconstruiu uma ano depois da destruição do Tsunami

Fotos: Reuters

Cidade de Miyako, no nordeste do Japão. As fotos datam de 11 de março de 2011(superior) e 17 de fevereiro de 2012 (em baixo)

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Atividade de vulcão ameaça formação de tsunami; RN seria atingido

A atividade sísmica de um vulcão nas Ilhas Canárias, do outro lado do Atlântico, pode colocar em risco as populações dos litorais do Piauí, Ceará, Maranhão e litoral norte do nosso RN, informou o Jornal da Paraíba.

Na semana passada, autoridades de lá elevaram para vermelho o níveo de alerta por risco vulcânico na Zona de La Restinga, no qual está localizado o vulcão, que é submerso.

Na madrugada da sexta-feira (11), um sismo de magnitude 4,6 na escala Richter, o mais forte desde o início da crise sismovulcânica em julho, foi registrado em El Hierro, ilha do arquipélago das Canárias.

O instituto tecnológico e de energias renováveis de Tenerife revelou que a atividade do vulcão já elevou a temperatura da água no mar de Las Calmas em 11 graus.

A atividade vulcânica pode provocar um tsunami com capacidade de alcançar a Paraíba antes mesmo de atingir Fernando de Noronha.

O vulcão está a 4.500 KM do Nordeste e uma erupção mais forte pode provocar ondas gigantes que viajariam a 800 Km/h até atingir, entre seis e oito horas, o litoral paraibano.

 

Opinião dos leitores

  1. preparem-se. A natureza vem aí mostrar que quem manda e desmanda aqui é ela. Pobres ricos pequeninos que dizem ser donos de um nada, ou do tudo que nunca foram. Tudo virá de água abaixo. Simplicidade amigos, esse será o slogan de quem quizer tocar a vida nova que surgirá. aos prepotentes, vaidosos e orgulhosos esses caribarãoo passaporte pra marte.

  2. "A atividade vulcânica pode provocar um tsunami com capacidade de alcançar a Paraíba antes mesmo de atingir Fernando de Noronha. "

    A onda vai bater e voltar?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Clima

Terremoto de 7,1 graus atinge o Japão e gera alerta de tsunami

Veja Online:

Um terremoto de uma magnitude de 7,1 graus na escala de Richter sacudiu neste domingo (horário local) o nordeste do Japão e obrigou o governo a emitir um alerta de tsunami no litoral das províncias de Miyagi, Iwate e Fukushima, informou a Agência Meteorológica japonesa.

O terremoto aconteceu às 9h57 (21h57 deste sábado em Brasília) com epicentro a cerca de dez quilômetros de profundidade no mar em frente ao litoral nordeste do Japão, o mais afetado pelo devastador terremoto do dia 11 de março, de 9 graus na escala Richter.

Após o tremor, a agência emitiu um alerta de tsunami de até 50 centímetros em Miyagi, Iwate e Fukushima, onde por enquanto não foram informados danos, segundo a agência “Kyodo”.

A Tokyo Electric Power (Tepco), operadora da usina nuclear de Fukushima Daiichi, não informou por enquanto sobre anomalias na unidade por causa deste terremoto, embora tenha desalojado temporariamente os técnicos. Também não se informou de danos na central vizinha de Fukushima Daini, paralisada após o terremoto e posterior tsunami de março, que causou mais de 22 mil mortos e desaparecidos.

(com EFE)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Charge do Dia – Tsunami em Natal

Opinião dos leitores

  1. Micarla prefeita de Natal é a borboleta
    Rosalba governadora do estado é a rosa
    misturando as duas no liquidificador , qual é a pior das duas?
    As duas estão enrroladas no casulo, quem virará uma largata primeiro?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *