Polícia

Polícia Civil prende, em Natal, mulher por estelionato contra empresária

Policiais civis do 5º Distrito Policial de Natal prenderam em flagrante, nessa terça-feira (02), Jussimara Azevedo da Silva, 40 anos, pelo crime de estelionato. A prisão aconteceu após uma empresária procurar a delegacia, para noticiar que, em dezembro de 2020 e janeiro deste ano, havia sido vítima de fraude praticada pela mulher e que ela repetiu por cinco vezes a conduta.

Jussimara Azevedo teria comprado roupas online e enviado à loja comprovantes de transferência falsos, inclusive em alguns destes constava o nome da mãe da suspeita. A mercadoria obtida pela mulher correspondia a um valor de aproximadamente R$ 5.100,00. O não recebimento da quantia somente foi percebido pela empresária em 14 de janeiro.

Em 29 de janeiro, a suspeita manteve novamente contato com a loja para comprar mais peças, informando o endereço empregatício para entrega, que seria realizada nesta terça-feira (02). Após receber novo comprovante falso, a empresária procurou a delegacia e os policiais diligenciaram e localizaram a suspeita, no escritório de contabilidade onde ela trabalha, no bairro Lagoa Nova, em Natal. A maior parte da mercadoria obtida anteriormente foi recuperada na residência da mulher, em Candelária.

Jussimara Azevedo foi conduzida à Central de Flagrantes, para lavratura do auto de prisão em flagrante pelo crime de estelionato. Em seguida, ela foi encaminhada ao sistema prisional, onde ficará à disposição da Justiça.

A Polícia Civil alerta os empresários que trabalham com compras online a conferirem os depósitos/transferências, antes de realizarem a entrega das mercadorias, evitando prejuízos decorrentes das fraudes.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

“Já vivi com R$ 8 na conta”, diz empresária que vendeu startup ao Bradesco

Foto: Divulgação

Stephanie Fleury, 36, já estava cansada de levar calote de amigos na hora de dividir a conta quando, em 2015, durante uma viagem a Nova York, descobriu o Venmo, um aplicativo usado para a transferência de dinheiro entre amigos pelo celular. De volta ao Brasil, ela registrou o domínio para criar a DinDin e começou a planejar sua futura empresa. “Eu me apaixonei pela ideia, porque, dos eventos que eu organizava com amigos, eu sempre levava calote ou saía no prejuízo”, conta.

Nesta semana, Stephanie anunciou a venda da DinDin, uma carteira digital e conta de pagamentos criada há quatro anos, para o Bradesco, um dos principais bancos do país. A operação é a primeira feita com startup fundada por uma mulher, segundo o banco.

Formada em administração de empresas pela PUC-Rio e com passagens por empresas do Brasil, da Jamaica e dos Estados Unidos, Stephanie tinha um problema para colocar a ideia em prática: faltava experiência com finanças e tecnologia. Foi então estudar o mercado e, um ano mais tarde, lançou a DinDin oficialmente em 2016.

“Muita gente me disse que eu estava louca, que ia concorrer com bancos, empresas grandes, mas juntei todas minhas economias e resolvi insistir”, diz.

A ideia era lançar um aplicativo que funcionasse como rede social e permitisse a transferência de valores com pessoas cadastradas na sua agenda telefônica. Mas os planos mudaram nos primeiros meses da empresa. Isso porque ela percebeu que o mercado aqui era bem diferente do americano, onde havia se inspirado.

Além de outro sistema de tarifas, o mercado mais atrativo no Brasil não era de millennials, como são conhecidos os jovens nascidos nos anos 2000, mas o dos milhões de pessoas que não tem conta bancária. A saída foi partir para a criação de uma conta digital, oferecendo uma série de serviços, além de um cartão pré-pago.

“Eu acho que nós chamamos a atenção de empresas como o Bradesco, porque a gente significa para eles uma economia de tempo, [que permite] saltar a curva de aprendizagem. Já passamos por vários problemas e temos certa expertise”, diz.

Enfrentando barreiras

Stephanie Fleury é a primeira mulher a vender uma fintech, como são chamadas as startups de bancos digitais, para o Bradesco. Para ela, o feito é sinônimo de orgulho, já que gênero era um dos obstáculos na hora de conseguir investimentos e mostrar que o negócio tinha futuro.

“O mercado de fintech, tal qual o financeiro, é muito masculino. O dinheiro vai mais para empresas lideradas por homens do que para as dirigidas por mulheres”, diz. “Eu já notei que, em algumas situações, gerava desconfiança o fato de eu ser mulher e parecem jovem. Então já cheguei a convidar amigos para participarem comigo de reuniões, porque percebi que seria melhor para o negócio.”

Em quatro anos de empresa, o maior obstáculo mesmo foi o dinheiro, ou a falta dele, o que faz com que muitas startups fechem nos primeiros dois anos de vida, a chamada “curva da morte”. “Você pode ter clientes, pode estar no caminho certo, mas o maior problema é ter caixa, porque às vezes ele seca e você tem que se virar. Eu já fiquei com R$ 8 na conta”, lembra.

Nessa época, o alívio foi a mãe, que ganhou um carro em um sorteio e resolveu dividir o valor com Stephanie e o irmão. Só na fase inicial, a empresária já tinha investido pelo menos R$ 50 mil no negócio.

Em 2018, a solução enfim parecia ter chegado. Naquele ano, a startup captou investimento de 46 pessoas através de outra fintech brasileira, a EqSeed. Foi uma captação recorde para a plataforma: R$ 600 mil em apenas 12 dias. O negócio prometia decolar, mas aí apareceu um contratempo.

“O investimento estava na conta e no dia seguinte eu ia aplicar. Acordei e o Banco Central tinha pedido liquidação do Neon, onde estava o meu dinheiro. Eu me desesperei. Pensei ‘agora que eu consegui, ele vai ficar preso?'”, lembra. Apesar do susto, a operação não afetou o montante da DinDin.

A partir daí, as coisas realmente mudaram para a startup. Stephanie ganhou prêmios, foi indicada para representar o Brasil em uma competição internacional da empresa de cartões Visa para mulheres empreendedoras, até que no fim do ano passado foi procurada por representantes do Bradesco. “Quando você chama a atenção de um dos maiores bancos do país, pensa que realmente está no caminho certo”, diz.

“Se eu soubesse que era tão difícil eu acho que não teria feito, mas ainda bem que eu não sabia”, brinca a empreendedora. “Então o meu conselho é: tem que acreditar, porque a gente pensa em desistir todo santo dia”, diz. “Também é muito importante fazer networking, além de estudar, estar preparada.”

Na última terça-feira, as empresas fizeram o anúncio oficial da venda. A partir de agora, a carteira de clientes da DinDin (cujo número não é divulgado pela empresa) deve ser migrado gradualmente para o Bitz, do Bradesco. “É um processo de desapego, porque você começa a ver o filho trocando de nome. Então desapeguei em prol do propósito de bancarizar mais pessoas e de forma mais rápida”.

Por enquanto, ela seguirá como CEO da DinDin e diretora comercial do Bitz. A formalização da aquisição depende da aprovação do Banco Central e outras entidades reguladoras. O valor da transação não foi revelado.

Universa – UOL

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Civil prende empresária suspeita de envolvimento em morte na Grande Natal

Foto: Ilustrativa

Policiais civis da Delegacia Municipal de São José de Mipibu prenderam, nesta quinta-feira (29), Célia Regina da Silva, 37 anos. Contra ela existia um mandado de prisão preventiva, expedido pela Vara Única da Comarca de São José de Mipibu. A prisão aconteceu no centro da cidade.

Célia Regina, proprietária de um restaurante self-service, é suspeita de ser a mandante do homicídio praticado contra Aueilton João de Oliveira Barbosa, conhecido como “Rambo”. O crime aconteceu no dia 22 de março deste ano, no centro do município de São José de Mipibu.

De acordo com as investigações, o executor do crime seria José Douglas Medeiros de Souza, o qual teria, mediante pagamento, matado Aueilton João a pedido de Célia Regina. A motivação do homicídio estaria relacionada a conflitos decorrentes de um suposto envolvimento amoroso, existente entre Célia Regina e a esposa da vítima.

José Douglas já se encontra preso, em razão do homicídio de Aueilton João e também por um duplo homicídio ocorrido na cidade de São José de Mipibu. Célia Regina foi encaminhada ao sistema prisional e ficará à disposição da Justiça.

A Polícia Civil pede que a população continue enviando informações de forma anônima, através do Disque Denúncia 181.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícias Civis do RN e MG prendem suspeito de participar da morte de empresária potiguar

Policiais civis da Divisão Especializada em Investigação e Combate ao Crime Organizado (DEICOR), em operação conjunta com policiais civis do Estado de Minas Gerais prenderam, nesta sexta-feira (08), Fábio Jorge Gomes dos Santos, conhecido como “Dentinho”, na cidade de Bom Repouso-MG, onde estava foragido. Fábio é a quarta pessoa presa por participação no homicídio da empresária potiguar Maria da Conceição de Lima Barbosa, de 56 anos.

O crime aconteceu no dia 7 de novembro do ano passado e no dia seguinte o corpo da vítima foi encontrado na Zona Rural do Município de Pedro Velho-RN, com marcas de tiros de revólver calibre 38 e de espingarda calibre 12.

Durante o início das investigações, os policiais civis da DEICOR identificaram três criminosos, dois no Estado de Alagoas e outro em Sergipe. São eles: Fábio de Souza Santos, vulgo “Xuxa” e Lúcio Silva Calazans Júnior, ambos presos no mês de janeiro, e ainda Geraldo Pereira Júnior, conhecido como “Juninho”, preso no mês de fevereiro deste ano. Segundo as investigações, a participação de Fábio “Dentinho” no homicídio de Maria da Conceição consistiu não só em ter recrutado os “pistoleiros”, como também repassar o pagamento da execução aos homens.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Poluição sonora em rua de Ponta Negra gera condenação de empresária em R$ 20 mil

O juiz Sérgio Augusto de Souza Dantas, 1ª Vara Cível de Natal, condenou empresária proprietária de um imóvel no bairro de Ponta Negra, Zona Sul da Capital, a indenizar o seu vizinho, a título de danos morais, no valor indenizatório em R$ 20 mil, devidamente corrigido, em razão da prática de perturbação ao sossego alheio, através de poluição sonora, que causou inúmeros transtornos ao autor da ação.

O autor, morador do bairro de Ponta Negra, em Natal, ajuizou ação por uso nocivo da propriedade, além de danos morais e tutela provisória de urgência contra sua vizinha, afirmando que esta é proprietária do imóvel localizado na mesma rua em que ele mora, em Ponta Negra.

Disse que a vizinha utiliza o imóvel apenas para fins de locação, tendo iniciado a locar o imóvel, ocasionalmente, a partir de 2014, vindo a se intensificar a partir de 2015. Alegou que o imóvel em questão está localizado ao lado da sua residência, existindo apenas uma casa entre ambas, em que reside um casal de idosos, sendo um deles portador de enfermidade que o impossibilita de levantar da cama.

O autor informou, ainda, que desde que as locações do imóvel se tornaram constantes, geralmente aos finais de semana, é prática comum a perturbação ao sossego da vizinhança por parte dos inquilinos, que na esmagadora maioria das vezes aluga o imóvel para realizar festas e eventos, além de utilizarem como casa de veraneio.

Ele afirmou ainda que manteve contato com a Delegacia Especializada em Proteção ao Meio Ambiente – DEPREMA, onde conseguiu levantar a cronologia de ocorrências do tipo C42 (Perturbação ao sossego alheio) que o CIOSP registrou do imóvel da vizinha e que foi anexado à ação judicial.

Rotina

Como se observa, a partir de janeiro de 2015 as ocorrências se tornaram rotina para os moradores da vizinhança, sendo feitas dezenas de ocorrências policiais na tentativa de solucionar o problema. Como prova, relacionou as principais ocorrências policiais registradas, bem como juntou abaixo-assinado de moradores da área.

Assim, pediu para que seja determinado que a parte ré se abstenha de locar seu imóvel localizado na, ou, subsidiariamente, que seja determinado que ela faça cessar a violação aos direitos de vizinhança oriundos do seu imóvel, fazendo constar nos contratos de locação, de forma clara, a obrigação de respeitar os limites sonoros impostos pela legislação.

Também pediu que se faça constar a obrigação de respeito ao direito de vizinhança, especialmente por se tratar de área estritamente residencial, além de fixar aviso claro no próprio anúncio de locação feito na internet ou em outro meio, e também na residência, sob pena de multa diária de R$ 1000,00 por evento. Também pediu o pagamento de danos morais por todos os danos e prejuízos causados ao autor. Citada, a ré não respondeu aos termos da ação e sofreu os efeitos da revelia.

Decisão

De início, o magistrado considerou, quanto ao pedido de indenização por danos morais, julgou procedente, vez que a falta de defesa faz reconhecer como verdadeira a alegação do autor, além da quantidade de ‘boletins de ocorrência’ juntados aos autos que já dá uma exata ideia do transtorno experimentado pelo autor e outros moradores daquela região.

Ele considerou, ao analisar os autos, que existe nexo entre a conduta da empresária e o dano gerado ao autor, já que este alegou – e provou – uma série de incidentes ocorridos em virtude de perturbação sonora bem além dos níveis de decibéis permitidos e em horários não autorizados em lei. “Deve haver uma razoabilidade nas coisas em geral, e tal não pode ser diferente no mundo jurídico”, comentou.

Entretanto, sobre o pedido referente à proibição da ré alugar o seu imóvel, o magistrado negou o pleito, posto que locá-lo é um direito inerente à propriedade, de modo que não cabe ao Judiciário intervir neste particular. Para ele, a perturbação ao sossego da vizinhança deve ser coibida por outros meios dispostos em lei, e não através da intervenção do órgão judicante em um direito do proprietário usar e dispor do seu imóvel como bem lhe aprouver.

Processo nº 0840258-29.2017.8.20.5001
TJRN

 

Opinião dos leitores

  1. É triste ter que apelar pra justiça para fazer valer uma lei que é direito de todos! Que sirva de exemplo e incentivo a todos que passam pelos mesmo transtornos. Infelizmente vivemos numa época que se faz necessário defender e lutar pelo óbvio. A justiça do RN está de parabéns…

  2. RONCOS DE MOTOS TAMBEM DEVEM SEREM PUNIDOS….RIDICULO ESSES CANOS BARULHENTOS….MOTOQUEIROS MAL EDUCADOS

  3. Excelente matéria.
    Tambem servirá de oxemplo para outras pessoas que passam pelo mesmo transtorno. ????

  4. BG
    Aqui próximo ao Fórum tem um alarme acionado a 10 dias de dia e de noite e ninguém toma providencia. Essas empresas de segurança bemcomo proprietarios de imoveis fechados instalam alarme vão pra suas novas moradias e a vizinhança que fique com o problema. A quem se deve acionar Policia Ambiental, 190, semurb, enfim quem cuida dessas providencias???????

    1. O acionamento do alarme contra a violação do imóvel deixa o imóvel sem a devida proteção. O proprietário e a empresa que presta o serviço estão literalmente facilitando o trabalho do arrombador. Se o alarme é para avisar uma situação e está comunicando uma fraude, desnecessária a sua existência e o imóvel encontra-se sem qualquer proteção

  5. Brilhante ação de justiça. Pena que deva ser tão lenta. Está providência servirá de parâmetro para outras pessoas que não têm noção do que seja viver em sociedade. Parabéns à i inciativa cívica.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Empresária dona de posto de combustíveis é achada morta após ser sequestrada por criminosos no interior do RN

Foto: Arquivo da família

A Polícia Militar confirmou o encontro do corpo de uma empresária dona de uma posto de combustíveis na cidade de Santo Antônio. Maria da Conceição de Lima Barbosa, de 56 anos foi encontrado na madrugada desta quinta-feira (8) na zona rural do município de Pedro Velho, distante cerca de 90 quilômetros de Natal. Ela e sua filha foram vítimas de assaltantes na tarde anterior e levadas como reféns. Na ocasião, a filha foi libertada pouco tempo depois.

Segundo informações inciais, a empresária e a sua filha estavam na estrada, saindo de Santo Antônio a caminho de Natal, quando o carro em que estavam, um Ônix, foi trancado por um Gol com bandidos. Durante a abordagem, dois criminosos assumiram o controle do Ônix e partiram com as vítimas em direção a Brejinho, entrando em uma estrada de terra que dá acesso ao município de Espírito Santo. Neste local, o veículo foi incendiado, e o assaltante que estava no carro se juntou aos outros dois e o Ônix com as reféns seguiu viagem. Eles então decidiram libertar a filha e empreenderam fuga com a empresária rendida.

O que teria sido o objetivo dos bandidos foi noticiado em reportagem do portal G1-RN. Parentes revelaram que os bandidos queriam o dinheiro do posto, exigindo que a empresária entregasse uma certa quantia. Contudo, a vítima teria entregue um envelope com cerca de R$ 3 mil em dinheiro, dizendo que era tudo o que tinha com ela.

Na madrugada,  a trágica notícia: o corpo havia sido encontrado com um disparo de arma de fogo na cabeça em uma estrada de terra entre Espírito Santo e Pedro Velho, próximo ao distrito de Coité.

 

Opinião dos leitores

  1. Mais uma pessoa do bem que perde a vida para a bandidagem. O que fazer com esses covardes que assassinaram uma mulher indefesa? Se alguém dos direitos humanos puder responder?

  2. JUIZ, JURADO E EXECUTOR DA SENTENÇA!!!! Ainda querem que acreditamos que não pena de morte, neste país???? Quando presos deveriam mofar na prisão!!! Esqueci, estamos no Brasil. Meus sentimentos aos familiares e Justiça para esses criminosos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Empresário "bate duro" no diretor do Procon

O Blog reproduz o desabafo do empresário Beto Santos nas redes sociais por entender que o diretor geral do Procon , o senhor Ney Junior transformou o órgão num balcão de promoção pessoal.

Não estamos aqui dizendo que o Procon não deve cumprir as suas obrigações, mas as abordagens em empresas e comércios buscando a mídia a todo instante não é o papel do Procon.

Alardear operações antecipadamente para chamar a atenção, convocar a mídia a todo momento, usar até da truculência e arrogância tem sido o comportamento atual do diretor.

Veja desabafo do empresário abaixo:

11111111111112222222223333333333 444444444

Opinião dos leitores

  1. #CombustívelMaisBaratoJá Temos que voltar pras ruas. Mas o chefe do cartel por favor não mande mais espancar ninguém não viu…

  2. Tudo isso é encenação!!! Tanto de um lado como de outro, o Ney quer aparecer mostrar serviço visando as eleições, já os CARTELEIROS querem pousar de vítimas do sistema. Quando na realidade todos nós sabemos quem são os OTÁRIOS que pagam a conta convivem com os preço exorbitantes do combustível de Natal.
    Essas multas fantasmas não estão surtindo efeito algum, pois os preços não baixaram 0,01 sequer…
    Boa palhaçada da máfia dos combustíveis e do Dep. decadente!!!
    #Chegadetantasafadeza #VampirosdoCombustivel #RNCorrupção

  3. Acho interessante o posicionamento emotivo de grande parte dos que comentaram sobre esta notícia…demonstra um puta conhecimento do processo como um todo, e como resultado já se coloca como julgador da causa…que não é verdade. O Procon está exercendo seu direito como voz do consumidor, e é isto que esperamos…porém, da forma que se coloca este tipo de ação, sem ao menos estudar o processo todo, conhecendo o segmento de fato em que é mais complexo do que se imagina, já chega intimidando mais uma classe empresarial, desequilibrando a humilde falta de interesse de parte da sociedade em tentar ter Know-how deste assunto, levando-os justamente a estes tipos de comentários. Em resumo, de forma grosseira, é que nem eu entrar na casa de outra pessoa que não conheço, andar nu, mudar a arrumação da casa e mandar o dono ficar calado…e paralelo a isso, chamar os familiares e fazê-los ficar a meu favor!!! Época de POLÍTICA…quem não se lembra do mesmo período uns anos atrás, campanha para prefeito e vereador, em que o setor de combustível foi palanque para vários que hoje estão na câmara, e depois de eleito, morreu o assunto??? Repito…é época de Campanha!!! Palanque montado…e o que eles queriam, conseguiram…telespectadores!!!

  4. Xerife da gasolina, procura ver os preços mas em cima. Na distribuidora petrobras por exemplo. Seja macho.

  5. Quem costuma andar pelos estados vizinhos observa logo a diferença de preço nos combustíveis, gostaria de saber se a carga tributária não é igual para a maioria dos tributos entre os estados, e aqui no RN ainda tem o diferencial de ser um estado produtor de petróleo e gás. E quanto a livre concorrência só pode ser piada, basta ver a variação de preço entre os postos do RN, até parece que todos tem a mesma planilha custos!!!

  6. Quanto comentário infundado, a pauta fiscal do RN é 2,97, enquanto que a pauta fiscal na PB é 2,87, portanto 0,10 a menos, o frete de Guamare/Natal é 0,07, enquanto que o frete de Cabedelo/João Pessoa é 0,02, portanto, portanto vender combustível na PB mais barato é simples, façam suas contas. Vamos ver o posicionamento do Sr. Ney Junior, no momento que a arrecadação diminuir, vamos aguardar o comentário do Sr. Carlos Augusto Rosado.

  7. Engraçado!
    O PROCON virou palanque para fazer campanha antecipada.
    Dono de posto está passando necessidade e falando como se só esse segmento fosse roubado descaradamente pelo fisco em todos os níveis (federal, estadual e municipal) e como se isso justificasse a formação de cartel. (sem estudo, porque não precisa. Ninguém é burro). A gente vê cada uma.

  8. Se o Sr. Ney Jr quer ser mesmo ser deputado estadual, estenda sua fiscalização até Mossoró ,terra da governadora, já que o Procon que ele dirige é estadual. Em Mossoró não se compra um litro de gasolina comum por menos que R$ 3,00

  9. Interessante é que o combustível em Recife é 2,79 e a gasolina que consumimos aqui no RN a 2,89, simplesmente é produzida em Guamaré! Agora explique.

  10. Este Ney quer ser mesmo é deputado estadual às custas desta bandeira: redução de preço de combustíveis. Serei a primeira a fazer campanha contra! No lugar de espremer os revendedores de combustível, deveria pressionar os órgãos do governo para reduzir a carga tributária. Não percebe que está sendo ridícula está auto promoção. Como disse esse Sr Beto, "pirotecnia demais". Abre o olho, população!!

  11. Parabens ao CORAJOSO empresario BETO SANTOS pelos esclarecimentos de defesa do seu segmento. O SINDIPOSTOS preferiu SE ACOVARDAR e nao fez qualquer defesa dos donos de postos, deixando os empresarios A DERIVA. Deve haver privilegios de alguns dirigentes junto as DISTRIBUIDORAS, ou eh muita COVARDIA.. Afinal como se justifica tamanho silencio do SINDIPOSTOS???

  12. Lendo este desesperado desabafo deste empresário nota-se o quanto os empresários se fazem de vitima. Antes de qq coisa, a lei do petroleo deixa claro que o setor de combustivel é de "interesse nacional", logo, não pode servir ao bel prazer dos empresarios na sua busca incansavel pelo lucro exarcebado!!!! NOutro passo, o empresário devaneia quando diz que o mercado de combustivel é pautado no livre comércio. Livre comercio no RN???ONde???COm os preços estando no mesmo paramentro!!!! Esse desabafo beira a anedota…

  13. Este Ney Jr, é um despreparado, está fazendo a revenda de combustíveis em palanque eleitoral para 2014, veremos se ele será candidato. Com este comportamento, acho que nem líder de bairro ele se elegerá, imagine se para deputado estadual.

  14. Oh meu Deus, os donos de postos estão todos passando fome, tanto é que estão todos querendo vender os postos!

  15. Muito bem colocadas as palavras de Beto. Tenho Ney na conta de um homem inteligente; mas seu comportamento no Procon é lamentável. É o espelho de um Governo despreparado que sem justificativa para sua incompetência sai à caça de bodes expiatórios. Acho que Ney obteria mais votos se pensasse num programa de geração de emprego e renda através de incentivos a tantos setores daqui que sofrem a concorrência de empresas de outros estados que cuidam de quem produz (ex. PE).
    Fraco, dr. Ney!!! Se está tão desesperado por voto, seja mais humilde. Siga o exemplo do seu colega Dagô…

  16. Bom era o tempo que homens conversavam olho no olho, hoje em dia com instagram e Twiter todo mundo é valente.
    E viva ao Gordinho da Mercato que falou olho no olho.
    Outra coisa, não conheço um dono de posto liso e não tenho dúvida que os preços são combinados, esse papo de livre concorrência é conversa para boi dormir assim como as ladainhas do Diretor do Procon.

  17. Se o Sr. for até a PB, vai ver que tem algo de muito errado com o preço da gasolina aqui em Natal.
    Se o Sr. visitar alguns postos aqui em Natal você irá constatar duas coisas (não será necessário nenhum "estudo"): os preços abusivos e uma formação de cartel descarada.
    Parabéns ao Procon pela atitude inédita.

  18. Desculpe-me a ignorância, mas esse camarada deve ser um daqueles donos de postos que abusam da boa vontade do CONSUMIDOR e foi multado. Procure se adequar as leis camarada, pois essa é a única forma de vc evitar ficar tão revoltado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Mulher que deu golpe de mais de R$ 2 milhões volta a Natal e é presa depois de cinco anos

Depois de cinco anos considerada foragida da Justiça, a empresária caicoense Maria Noélia Araújo Pereira da Silva decidiu se entregar à polícia. Ela estava sendo procurada acusada de aplicar um golpe estimado em cerca de R$ 2 milhões vendendo falsos pacotes turísticos para cerca de 150 pessoas. Entre os clientes estão juízes, promotores e grandes empresários.

Ela nem conseguiu respirar direito o ar de Natal e já recebeu voz de prisão em cumprimento ao mandado de prisão que estava aberto contra ela desde 2007, quando ela, em companhia do marido Walter Pereira da Silva, se escafederam do Brasil. Noélia Araújo foi encaminhada para o Presídio Provisório Feminino João Chaves, onde aguarda julgamento pela Justiça.

“Tínhamos a informação de que a Noélia iria chegaria hoje a Natal. Foi a própria família dela que nos comunicou. Diante disso, montamos uma equipe e fomos ao aeroporto Augusto Severo. Lá, a empresária recebeu voz de prisão”, falou o delegado Ben-Hur Cirino de Medeiros, da Delegacia Especializada de Capturas (Decap).

O marido da empresária, Walter Pereira, já havia sido preso no último dia 6 de fevereiro aeroporto de Recife no instante em que desembarcava de um voo vindo de Portugal. O casal fugiu para a Europa dias antes da expedição do mandado.

O esquema

O “modus operandi” usado por Noélia Araújo e pelo marido na agência de turismo Atlantatur  para fraudar as empresas “parceiras” se mostrava simples e eficiente. Ela comparecia à operadora, comprava os pacotes para os clientes e, repassava para o consumidor final. A caicoense pagava à operadora uma pequena parcela em dinheiro e, o restante emitia cheques da pessoa jurídica da Atlantur e também de terceiros, que ela dizia serem “clientes”.

Além de vender pacotes turísticos falsos, Noélia Araújo é acusada de passar cartão de crédito de clientes, furtar folhas de talão de cheque e emitir cheques de terceiros.

Mandado

A empresária caicoense Maria Noélia Araújo Pereira da Silva, acusada de aplicar um golpe superior a R$ 2 milhões com a venda de falsos pacotes turísticos, teve a prisão preventiva decretada no dia 20 de março de 2007. A juíza da 7ª Vara Criminal, Sandra Elali, acatou o pedido do delegado titular da Defraudações da época, Egídio Chagas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cultura

Mais um. Empresária carioca abandona o BBB 12

A empresária Fernanda Girão, 29, que deixou o pré-confimamento de Big Brother Brasil 12 na manhã de hoje (sábado, 7/1), já tinha pedido para sair do programa 24 horas antes.

Na primeira tentativa, no entanto, ela foi convencida por J.B. Oliveira, o Boninho, a aguentar a pressão e se manter no reality show, que estreia na próxima terça na Globo.

Fernanda foi a segunda participante a abandonar BBB 12 antes mesmo do início. O primeiro foi o advogado mineiro Netinho.

A semana em que os “brothers” ficam confinados em um hotel, antes do início do programa na TV, é a mais difícil de aturar. Os participantes ficam praticamente isolados do mundo. Só têm contato com profissionais da produção. Não podem telefonar e não têm acesso à televisão, jornais, revistas e sites.

A falta de telefone foi um dos motivos da saída de Fernanda Girão. Em crise, ela pediu para telefonar para a mãe, mas a produção não deixou. Fernanda tem dificuldades para dormir. Por questões de segurança, o regulamento de BBB proíbe remédios para dormir tanto no confinamento da casa quanto no do hotel.

 

Polícia

Empresária é morta com tiro na cabeça durante assalto na Zona Norte

DIARIODENATAL.COM.BR
A microempresária Maria Assunção, de 32 anos, foi vítima de um latrocínio na manhã de ontem, durante uma tentativa de assalto a usina de reciclagem de lixo de que era proprietária. Segundo a polícia, ela se negou a dar o dinheiro ao bandido e acabou sendo baleada na cabeça. O acusado do crime fugiu e até a manhã deste sábado encontra-se foragido.

O crime ocorreu por volta das 8h30. O bandido chegou a usina de reciclagem localizada à rua Edson Fialho, no loteamento Kipanorama, no bairro de Pajuçara, e anunciou o assalto. Maria teria tentato esconder o dinheiro. O bandido, que estava armado, ficou com raiva e atirou contra ela, fugindo em seguida. A empresária foi atingida na cabeça. Ela ainda chegou a ser socorrida pelo