Economia

Sancionada lei que prorroga concessões de geração de energia e reduz tarifas

Brasília – A presidenta Dilma Rousseff sancionou a lei que prorroga as concessões de geração de energia elétrica e reduz encargos setoriais de forma a oferecer tarifas menores ao consumidor. De acordo com a Lei 12.783, de 11 de janeiro de 2013, publicada hoje (14) no Diário Oficial da União, as concessões de geração de energia elétrica poderão ser prorrogadas uma única vez, pelo prazo de até 30 anos, de forma a assegurar a continuidade, a eficiência da prestação e a tarifa mais baixa.

Para terem o contrato de geração renovado, as concessionárias devem atender a requisitos estabelecidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em relação a tarifas e qualidade do serviço. A agência também disciplinará o repasse, para a tarifa final paga pelo consumidor, de investimentos necessários para manter a qualidade e continuidade da prestação do serviço pelas usinas hidrelétricas.

A lei deixa claro que a prorrogação das concessões de energia elétrica “será feita a título
oneroso, sendo o pagamento pelo uso do bem público revertido em favor da modicidade tarifária, conforme regulamento do poder concedente”.

De forma a assegurar a continuidade, a eficiência da prestação do serviço e a segurança do sistema, a lei também autoriza a prorrogação, pelo prazo de até 20 anos, das concessões de geração de energia termelétrica. O pedido de prorrogação deve ser feito pela concessionária com antecedência de 24 meses do fim do contrato ou outorga.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cidades

Risco de racionamento de energia diminui

RIO – O nível dos principais reservartórios do país teve a primeira alta do ano. As represas das regiões Sudeste e Centro-Oeste ficaram em 28,67% nesta quinta-feira, contra 28,43% do dia anterior. Apesar da melhora, as hidrelétricas ainda estão bem perto do limite de risco, de 28%.

Entre os reservatórios do Sul, o nível subiu de 45,33% para 46,89% entre quarta-feira e quinta-feira. Na região, a margem de segurança é 22%. No Norte do país, as represas atingiram 40,39%, maior em relação aos 39,99% do dia anterior. Na região não há margem de segurança, pois o Norte não está no sistema interligado.

A única região a apresentar queda é o Nordeste. Ontem, o nível ficou em 29,61% nesta quinta-feira, menor que os 29,91% do dia anterior. Com isso, as represas da região estão cada vez mais distantes da margem de segurança, de 34%.

 

Fonte: Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Risco de racionamento de energia faz Dilma convocar setor elétrico

ELIANE CANTANHÊDE

COLUNISTA DA FOLHA

Dez dias depois de dizer que é “ridículo” falar em racionamento de energia, a presidente Dilma Rousseff convocou reunião de emergência sobre os baixos níveis dos reservatórios, para depois de amanhã, em Brasília.

A reunião foi acertada entre Dilma, durante suas férias no Nordeste, e o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, que a presidirá. Balanço e propostas serão levadas diretamente à presidente.

Dirigentes de órgãos do setor tiveram de cancelar compromissos para comparecer.

Na avaliação do governo, os níveis dos reservatórios estão até 62% abaixo dos registrados no ano passado e a situação tem piorado por causa do intenso calor, sobretudo no Sudeste.

Edson Silva/Folhapress
Panorâmica do reservatório de Marimbondo, na divisa entre São Paulo e Minas Gerais, com nível abaixo do normal
Panorâmica do reservatório de Marimbondo

Com temperaturas que chegam a 40 graus em cidades como o Rio de Janeiro, o consumo de energia com ar condicionado, ventilador e refrigerador tem disparado.

Técnicos do setor acusam Dilma de estar centralizando as decisões e dizem que, se o racionamento não é uma certeza, também não pode ser simplesmente descartado. Um deles diz que o risco “está acima do prudencial”.

Mesmo antes da reunião, já vinham sendo tomadas medidas extras para garantir a produção de energia, como a reativação da usina de Uruguaiana, parada desde 2009, e o acionamento a plena capacidade das usinas térmicas, muito mais caras do que as hidrelétricas.

Há duas ironias, conforme análise dos órgãos do setor.

Uma é que a situação só não fugiu ao controle porque o crescimento econômico de 2012 foi pífio, na ordem de 1%. Se tivesse sido de 4,5%, como previra o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o consumo da indústria estaria bem maior e haveria risco imediato de faltar energia.

A segunda ironia é que a reunião governamental e o sinal amarelo pela falta de chuvas ocorrem justamente quando enchentes assolam o Rio de Janeiro, deixando milhares de desabrigados.

Além da preocupação pontual, com o momento presente, o governo teme que a situação se mantenha ao longo deste ano, pressionando todo o setor no último trimestre e no início de 2014.

Quanto à Copa, há certa tranquilidade, porque os estádios, preventivamente, estão sendo equipados com modernos e potentes geradores.

Oficialmente, estarão presentes ao encontro de quarta-feira os integrantes do CMSE (Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico), que é presidido pelo ministro das Minas e Energia e é convocado, por exemplo, quando há apagões de grandes proporções, como ocorreu mais de uma vez em 2012.

Participarão a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), a ANP (agência de petróleo), a CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica), a EPE (Empresa de Pesquisa Energética) e o ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico).

O CMSE se reporta ao CNPE (Conselho Nacional de Política Energética), órgão de assessoria direta da Presidência da República. É possível que também o conselho venha a ser convocado proximamente por Dilma para debater a questão.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Secretário de Mineração do Ministério de Minas e Energia vai deixar o cargo

O secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia, Cláudio Scliar, vai deixar o cargo nos próximos dias. Ele já pediu exoneração, que deve ser publicada em breve no Diário Oficial da União.

Scliar deixa o cargo no momento em que o governo se prepara para enviar ao Congresso Nacional a proposta do novo Código de Mineração, que pretende substituir a atual legislação, em vigor desde 1967.

O Ministério de Minas e Energia informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que Scliar alegou motivos pessoais para se afastar do cargo. Ele será substituído pelo secretário adjunto, Carlos Nogueira.

Fonte: Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Márcia Maia propõe utilização de energia renovável em prédios públicos do Estado

A deputada Márcia Maia-PSB está propondo ao governo, por meio de requerimento encaminhado à governadora Rosalba Ciarlini e à secretária da Infraestrutura Kátia Pinto, a realização de estudo para utilização de energia alternativa e renovável – eólica e solar – nos prédios públicos do Estado, como escolas, hospitais e delegacias, dentre outros.

“A estagnação das fontes convencionais é promovida de certa forma pela saturação de produção energética das hidroelétricas, ocasionadas pelo movimento0 migratório. A ligação na maioria dos casos de redes clandestinas de energia sobrecarregando dessa forma as linhas de distribuição e transformadores, gerando os blecautes. Sendo o nosso Estado um dos maiores produtores de energia eólica, nada mais justo que o governo do Estado realize estudos para implantação desse tipo de energia alternativa nos nossos prédios públicos”, justificou Márcia.

A deputada também encaminhou expediente à Companhia Estadual de Habitação solicitando a construção de unidades habitacionais no município de Itajá. Segundo ela “muitas famílias daquele município sofrem com o problema da falta de casa. É importante que o Governo intensifique sua ação nessa área viabilizando moradia de qualidade para essas famílias”.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social

Excelência no Augusto Severo. Falta energia e gerador não funciona

O Professor da UFRN e Juiz Federal Marco Bruno narra em seu tuiter mais essa vergonha, esse descaso e mostra como o nosso aeroporto é eficiente e está preparado para grande voos:

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Geração individualizada de energia já é realidade no NE

Abrir a conta de energia elétrica e, em vez de um valor a pagar, constatar que tem créditos a receber.  Parece um sonho para a maioria das pessoas, mas em vários países e em algumas cidades brasileiras, essa cena já é realidade.  Largamente utilizada em alguns países da Europa, essa prática vem aos poucos se desenvolvendo no Brasil.

Entre as vantagens, a minigeração de energia elétrica proporciona economia dos investimentos em transmissão, reduz as perdas nas redes e os impactos ambientais, e melhora a qualidade do serviço de energia elétrica. Tudo isso sem pesar na conta de luz do consumidor, garante o diretor de energia eólica do CERNE, Milton Pinto.

E o Rio Grande do Norte é uma das apostas para a produção individual de energia. Porém, este tipo de produção energia ainda é limitado, por causa dos altos custos com equipamentos e instalação. Mas o superintendente do Sebrae/RN, Zeca Melo, acredita que ainda seja cedo para avaliar o impacto desta medida em nível local.  Já para os empresários, a medida significa esperança de redução de despesas:  Luiz Sérgio Barreto, diretor do hotel Vila do Mar, empreendimento localizado na Via Costeira,  considera a regulamentação muito positiva. Ressalta apenas que ainda é necessário o barateamento dos custos com equipamentos.

Para atrair investimentos para a microgeração de energia no Estado é preciso buscar parcerias. É a opinião do presidente da Comissão de Minas e Energia da Assembleia Legislativa do RN, deputado estadual Fernando Mineiro (PT).

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

#Apagão: Mais de 20 municípios potiguares estão sem energia

Um verdadeiro apagão está atingindo o Rio Grande do Norte deste o meio dia. Mais de 20 municípios estão sem energia. A lista dos municípios que estão com o fornecimento de energia é extensa: Macaíba, Parnamirim, São José do Mipibu, Monte Alegre, Nísia Floresta, Tibau do Sul, Nova Cruz, Passa e Fica, Baia Formosa, Serrinha… É muita gente afetada.

De acordo com informações da Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern), o motivo do blackout foi o tombamento de uma torre da rede de transmissão de energia elétrica da Cosern no bairro Planalto, zona Oeste de Natal, que não resistiu à erosão provocada em uma duna, onde a torre estava instalada.

Equipes de manutenção da companhia estão trabalhando nesse momento para tentar resolver o problema e restabelecer o fornecimento. A previsão é que a energia seja restabelecida entre as 20h30 e 22h de hoje.

Nunca é demais lembrar que por causa da falta de energia, vários municípios estão sem internet e sem telefone também.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Cosern corta energia de consumidor de forma ilegal e vai ter que pagar indenização

Uma consumidora dos serviços de fornecimento de energia elétrica prestado pela Cosern – Companhia Energética do Rio Grande do Norte teve reconhecida a inexistência de uma dívida no valor de R$ 5.394,91 cobrada pela empresa de forma indevida. Ao julgar a Apelação Cível movida pela consumidora perante o Tribunal de Justiça, a 2ª Câmara Cível do TJ condenou também a COSERN ao pagamento da quantia de R$ 3 mil, a título de danos morais, acrescido de correção monetária e juros de 1% ao mês.

A autora da ação ingressou com a Apelação Cível contra sentença da 14ª Vara Cível de Natal, que julgou improcedente Ação Declaratória de inexistência de débito c/c indenização por danos morais e materiais proposta contra a Cosern. Ela alegou que, após inspeção em sua unidade consumidora, a empresa suspendeu o fornecimento de energia, bem como efetuou a cobrança da quantia de R$ 5.394,91, a título de energia não faturada.

O Juízo de primeiro grau julgou improcedente a ação, no entanto manteve a liminar concedida na Cautela de número 001.07.001657-8 que determinou o restabelecimento no fornecimento de energia, tendo em vista que a Cosern suspendeu o serviço baseada em débitos passados e sem oportunizar à autora, antes do corte, que fizesse o pagamento ou apresentasse sua defesa administrativamente.

O juiz convocado Artur Cortez Bonifácio, relator do recurso, verificou que o fato ocorreu de forma indevida, haja vista inexistir prova de que, de fato, havia irregularidade no medidor da Cosern que justificasse a suspensão no fornecimento de energia elétrica em sua residência, posto restar constatado que, sequer, houve violação ao medidor, estando os lacres intactos, o que caracteriza a ilegalidade da conduta da empresa.

Além do mais, analisando o histórico de consumo da autora contido nos autos, o relator observou que há uma variação razoável, levando-se em conta os dois últimos anos anteriores à suspensão do serviço, não havendo distorção que possa caracterizar qualquer fraude quanto ao uso de energia elétrica pela autora.

“Partindo da análise das provas colimadas aos autos, é de se declarar a inexistência da dívida no valor de R$ 5.394,91, fulcrada em recuperação de consumo em face de suposta fraude em medidor, na qual não ficou efetivamente comprovada a culpa da demandante, consoante constatações feitas em linhas pretéritas”, decidiu.

O relator entendeu também que o dano moral pode ser presumido no caso, já que não há dúvidas de que a suspensão indevida da energia causou-lhe constrangimento e incômodo, posto ter passado cerca de 15 dias com o serviço suspenso, tendo que distribuir os mantimentos perecíveis em geladeiras de vizinhos, conforme se constata nos depoimentos anexados aos autos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Consumidora será indenizada por corte indevido de energia

Uma consumidora dos serviços de fornecimento de energia elétrica prestado pela Cosern – Companhia Energética do Rio Grande do Norte teve reconhecida a inexistência de uma dívida no valor de R$ 5.394,91 cobrada pela empresa de forma indevida. Ao julgar a Apelação Cível movida pela consumidora perante o Tribunal de Justiça, a 2ª Câmara Cível do TJ condenou também a COSERN ao pagamento da quantia de R$ 3 mil, a título de danos morais, acrescido de correção monetária e juros de 1% ao mês.

A autora da ação ingressou com a Apelação Cível contra sentença da 14ª Vara Cível de Natal, que julgou improcedente Ação Declaratória de inexistência de débito c/c indenização por danos morais e materiais proposta contra a Cosern. Ela alegou que, após inspeção em sua unidade consumidora, a empresa suspendeu o fornecimento de energia, bem como efetuou a cobrança da quantia de R$ 5.394,91, a título de energia não faturada.

O Juízo de primeiro grau julgou improcedente a ação, no entanto manteve a liminar concedida na Cautela de número 001.07.001657-8 que determinou o restabelecimento no fornecimento de energia, tendo em vista que a Cosern suspendeu o serviço baseada em débitos passados e sem oportunizar à autora, antes do corte, que fizesse o pagamento ou apresentasse sua defesa administrativamente.

O juiz convocado Artur Cortez Bonifácio, relator do recurso, verificou que o fato ocorreu de forma indevida, haja vista inexistir prova de que, de fato, havia irregularidade no medidor da Cosern que justificasse a suspensão no fornecimento de energia elétrica em sua residência, posto restar constatado que, sequer, houve violação ao medidor, estando os lacres intactos, o que caracteriza a ilegalidade da conduta da empresa.

Além do mais, analisando o histórico de consumo da autora contido nos autos, o relator observou que há uma variação razoável, levando-se em conta os dois últimos anos anteriores à suspensão do serviço, não havendo distorção que possa caracterizar qualquer fraude quanto ao uso de energia elétrica pela autora.

“Partindo da análise das provas colimadas aos autos, é de se declarar a inexistência da dívida no valor de R$ 5.394,91, fulcrada em recuperação de consumo em face de suposta fraude em medidor, na qual não ficou efetivamente comprovada a culpa da demandante, consoante constatações feitas em linhas pretéritas”, decidiu.

O relator entendeu também que o dano moral pode ser presumido no caso, já que não há dúvidas de que a suspensão indevida da energia causou-lhe constrangimento e incômodo, posto ter passado cerca de 15 dias com o serviço suspenso, tendo que distribuir os mantimentos perecíveis em geladeiras de vizinhos, conforme se constata nos depoimentos anexados aos autos. (Apelação Cível n° 2010.013955-3)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Curto-circuito deixa prédio do TJ às escuras

Após um grande curto-cirucito o prédio do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, na Cidade Alta, foi esvaziado na manhã desta quarta-feira (23). O prédio todo ficou as escuras e a Cosern foi chamada e se encontra no local.

O causador da escuridão no TJ desta vez foi o alagamento na subestação.
O site do TJ também saiu do ar com a falta de energia no prédio.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Conta de luz poderá ter queda de até 3%, afirma Aneel

Os brasileiros terão uma pequena redução na conta de luz neste ano. De acordo com a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), as tarifas cobradas pelas distribuidoras podem ser reduzidas em até 3%.

Ontem, a agência definiu o novo valor para a chamada CCC (Conta de Consumo de Combustíveis), encargo cobrado dos consumidores por todas as empresas de distribuição de energia no país.

Ele serve para subsidiar a geração de energia na região Norte. Estados como Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Acre e Amapá não estão interligados ao restante do sistema elétrico nacional e, por isso, precisam fazer uso de fontes mais caras de energia -como as térmicas, movidas a óleo diesel- para atender a população.

A redução aprovada ontem pelos diretores da Aneel foi atribuída, principalmente, a uma sobra de R$ 1 bilhão do montante recolhido em 2011.

A agência ainda vai realizar uma audiência pública para decidir se o desconto irá retroagir, ou seja, começar a ser contado a partir de janeiro, ou se valerá de maio de 2012 a maio de 2013.

Ainda não há data definida para a audiência.

Fonte: Folha

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Preço da energia vai aumentar no Estado

Os consumidores do Rio Grande do Norte terão as tarifas reajustadas a partir do dia 22 de abril. A medida foi aprovada pela diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) nesta terça-feira (17). O efeito médio a ser percebido pelos consumidores cativos da Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) será de 6,43%. A concessionária atende 1,16 milhões de unidades consumidoras em todo o estado.

Nas residências ou empresas de pequeno porte, que estejam no grupo considerado de Baixa Tensão (abaixo de 2,3 KV), o reajuste será de 6,05%. Já para as indústrias ou demais estabelecimentos classificados na faixa de Alta Tensão (de 2,3 a 230 KV), o reajuste será de 7,35%.

Ao calcular os índices de reajuste, a Aneel considera a variação de custos que a empresa teve no decorrer do período de referência. A fórmula de cálculo inclui custos típicos da atividade de distribuição, sobre os quais incide o IGP-M e o Fator X (índice fixado pela Aneel na época da revisão tarifária), e outros custos que não acompanham necessariamente o índice inflacionário, como energia comprada de geradoras, encargos de transmissão e encargos setoriais. Os índices aprovados são o máximo que as empresas podem praticar.

Fonte: Tribuna do Norte

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Dinamarca terá 100% de energia renovável até 2050

Até 2050, 100% da energia produzida na Dinamarca deverá ser renovável. A meta, anunciada pelo governo do país, é não depender mais dos altos preços de combustíveis fósseis.  Os investimentos, ao longo dos próximos anos, serão voltados para parques eólicos, redes inteligentes, biogás e outras tecnologias.

Em um prazo mais curto, a meta também é ambiciosa: 35% da produção já será limpa até 2020, quando as emissões de gases de efeito estufa terão caído 34% em relação a 1990.

O exemplo de que é possível já vem de “casa”: a ilha dinamarquesa Samso, que abriga cerca de 4 mil pessoas, produz 100% da energia que consome com fontes renováveis. O que sobra é repassado à rede pública, vendido no mercado de carbono e exportado para a parte continental por meio de cabos submarinos – que antes levavam petróleo e gás para abastecer os habitantes do local.

A ilha tornou-se referência para estudiosos do assunto e exemplifica discussões sobre a viabilidade do uso de energias limpas no abastecimento de outros lugares do mundo.

* Com informações da Exame

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Cosern é condenada a pagar mais de R$ 1,3 bilhão por contratação irregular

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern), empresa do grupo Neoernergia, foi condenada a pagar multa no valor de R$ 1.350.786.116,64 por contratar empresas terceirizadas para realizar serviços. A informação foi divulgada na tarde desta quarta-feira (08) pela Procuradoria Regional do Trabalho.

Segundo a PRT 21ª Região/RN, a empresa havia firmado, no ano de 2000, Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público do Trabalho no RN (MPT/RN) em que assumia o compromisso de não terceirizar suas atividades fins, atendendo às regras estabelecidas no art. 131 do Decreto n.º 41.019, de 26 de fevereiro de 1957 (Regulamentação do Serviço de Energia Elétrica).

Assim as atividades da Cosern, ligadas diretamente ao fornecimento de energia elétrica, deveriam ser exercidas por trabalhadores contratados diretamente, não se admitindo que empresas terceirizadas assumissem a frente de trabalho.

Apesar do compromisso, várias denúncias apontavam para o descumprimento do Termo de Ajustamento de Conduta – TAC, momento em que o MPT resolveu expedir Notificação Recomendatória, para que a empresa cessasse imediatamente as irregularidades constadas e abstivesse de praticar novas, sob pena de aplicação da multa prevista no Termo de Ajustamento de Conduta.

Entretanto, contrariando o compromisso assumido, a Companhia endereçou petição ao MPT em que declarava abertamente o não cumprimento dos termos do TAC, alegando a legalidade da terceirização das atividades inerentes à prestação de energia elétrica.

Ainda em busca de uma conciliação e cessação da terceirização, o Procurador do Trabalho José Diniz de Moraes realizou audiência em que compareceram a Companhia Energética e o sindicato dos trabalhadores. Na falta de um acordo, o MPT determinou a requisição de documentos com finalidade de promover a execução da multa.

Os documentos obtidos revelaram que apenas nos anos 2009, por exemplo, a empresa energética utilizou-se da mão de obra de 1.725 trabalhadores terceirizados.

A execução da multa foi ajuizada pelo Procurador do Trabalho José Diniz de Moraes, sendo deferida pelo Juiz titular da 1ª vara do Trabalho, Zéu Palmeira Sobrinho que determinou o pagamento do valor da multa no prazo de 48 horas.

A decisão judicial ainda determinou a comprovação de que a Cosern se abstenha de contratar trabalhadores terceirizados para executar suas atividades fins, no prazo de 180 dias, sob pena de nova multa.

Fonte: DN Online

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social

Sabotagem foi possível causa do apagão da árvore de natal de Mirassol

O apagão repentino da Árvore de Natal de Mirassol, que ocorreu ontem por volta das 21h30, pode ter sido causado pela ação de um sabotador. A revisão da fiação mostrou que alguns dos cabos que ligam à árvore a rede elétrica apresentavam marcas que aparetavam tentativa de cortes, causando fadiga na Energia.

A religação da Árvore foi acompanhada pessoalmente pela prefeita Micarla, que só saiu do local por volta das 2h da madrugada, quando a principal atração da sua decoração de natal voltou a funcionar.

Opinião dos leitores

  1. Não concordo, de maneira nenhuma, com essa atitude criminosa, mas acho que Natal merecia um símbolo natalino muito mais bonito, no lugar daquela gambiarra de gosto duvidoso. Sinto-me envergonhada quando os noticiários expõem as árvores de outras capitais e a nossa fica sempre "esquecida" por absoluta inferioridade.

  2. querer atingir uma pessoa nada tem haver em atingir toda uma cidade.Natal não mereçe esse tipo de conduta,aliás,mal conduta.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *