PF indicia ministro do Turismo e mais 10 por candidaturas-laranja no PSL em Minas

Foto: José Cruz/Agência Brasil

A Polícia Federal indiciou o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL), e mais 10 pessoas no inquérito sobre o uso de candidaturas-laranja no PSL em Minas Gerais. Ele foi indiciado pelo crime eleitoral de omissão na prestação de contas de campanha e pelo crime de associação criminosa.

O G1 entrou em contato com o assessor do ministro às 9h40 e aguarda retorno. A reportagem também tenta contato com o PSL em Belo Horizonte.

Duas ações da PF já foram deflagradas para investigar o caso. Em abril, a primeira fase da operação cumpriu sete mandados de busca e apreensão em cinco cidades de MG, incluindo a sede da legenda em Belo Horizonte . A segunda fase aconteceu em junho e cumpriu três mandados de prisão, tendo como alvo principal o assessor especial de Álvaro Antônio, Mateus Von Rondon.

Indiciados

Marcelo Álvaro Antônio – ministro

Irineu Inacio da Silva – deputado estadual em Minas pelo PSL – conhecido como Professor Irineu

Lilian Bernardino – suspeita de ser candidata-laranja

Debora Gomes – suspeita de ser candidata-laranja

Camila Fernandes – suspeita de ser candidata-laranja

Naftali Tamar – suspeita de ser candidata-laranja

Marcelo Raid Soares – dono de duas empresas gráficas em Belo Horizonte

Reginaldo Donizeti Soares – irmão de Roberto Silva Soares, sócio de duas empresas que prestaram serviço eleitorais às candidatas investigadas

Roberto Silva Soares – Assessor do ministro, preso em em junho deste ano

Haissander de Paula – ex-assessor do ministro quando ele era deputado federal, preso em junho deste ano

Mateus Von Rondon – assessor especial do ministro, preso em junho deste ano

O indiciamento faz parte da conclusão do inquérito da Polícia Federal. De acordo com o delegado Marinho Rezende, o inquérito foi entregue ao Ministério Público Eleitoral de Minas Gerais, nesta quinta-feira (3). Agora, cabe ao MPE decidir se apresenta ou não denúncia à Justiça.

Marcelo é citado em depoimentos na investigação sobre o uso de candidaturas de mulheres na eleição de 2018 para desvio da verba eleitoral no estado. Ele era o presidente estadual do PSL, partido do presidente da República, Jair Bolsonaro.

A suspeita é que o partido inscreveu essas candidatas sem a intenção de que elas fossem, de fato, eleitas. Isso porque o Tribunal Superior Eleitoral decidiu que pelo menos 30% dos recursos do fundo eleitoral devem ser destinados a candidaturas femininas.

O ministro Marcelo Álvaro Antônio sempre negou irregularidades nas candidaturas.

Candidaturas-laranja no PSL

Em março deste ano, em depoimento à Polícia Federal, a filiada do PSL Zuleide Oliveira acusou Álvaro Antônio de chamá-la para ser candidata-laranja nas eleições do ano passado. Segundo Zuleide, o ministro teria organizado sua candidatura para que ela pudesse receber – e depois devolver – verbas ao partido, desviando dinheiro público da campanha.

Zuleide detalhou que recebeu uma proposta de um assessor do ministro, então presidente do PSL em Minas, para devolver R$ 45 mil dos R$ 60 mil que receberia para a campanha. O ministro negou a acusação e disse que Zuleide “mente descaradamente”.

Outras candidatas do PSL mineiro já são investigadas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público por suspeita de candidatura-laranja na eleição passada. As investigações apuram a denúncia de que o dinheiro enviado às candidatas teria sido devolvido a assessores do ministro Marcelo Álvaro Antônio.

A ex-candidata a deputada federal Adriana Moreira Borges disse ao Ministério Público Eleitoral também ter recebido uma proposta de um assessor de Álvaro Antônio para repassar R$ 90 mil dos R$ 100 mil que receberia para fazer a campanha em 2018.

Gustavo Bebbiano

O caso das candidaturas suspeitas de serem laranjas foi revelado pelo jornal “Folha de S.Paulo”. Além de Álvaro Antônio, as denúncias causaram uma crise que atingiu Gustavo Bebbiano, que acabou exonerado do cargo de secretário-geral da Presidência da República.

No caso de Bebianno, as suspeitas surgiram em Pernambuco, onde a candidata a deputada federal pelo PSL Lourdes Paixão recebeu R$ 400 mil de verba pública eleitoral, mais do que o repassado para a campanha de Bolsonaro, e obteve 274 votos nas eleições de 2018.

Durante as eleições, Bebianno era presidente nacional do PSL, mas ele negou que tenha sido responsável pela escolha dos candidatos que receberam dinheiro do fundo partidário em Pernambuco.

G1

 

STJ aprova criação de novo TRF em Minas e de mais 54 cargos de desembargador em todo país

O presidente do STJ, João Otávio de Noronha. (Foto: Emerson Leal / STJ)

O pleno do Superior Tribunal de Justiça (STJ), formado por 33 integrantes da Corte, aprovou nesta quarta-feira (11) a criação do sexto Tribunal Regional Federal (TRF) do país, em Belo Horizonte (MG).

O STJ, ao qual compete fazer propostas sobre a administração da Justiça de primeiro e segundo graus, enviará ao Congresso Nacional nos próximos dias um anteprojeto de lei com detalhes sobre o novo TRF.

Para que a criação seja efetivada, deputados e senadores ainda precisam discutir e aprovar a proposta. Depois, é necessária a sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro.

Atualmente, o país tem cinco TRFs, que representam a segunda instância da Justiça Federal e são divididos por regiões:
TRF da Primeira Região: AC, AM, AP, BA, DF, GO, MA, MG, MT, PA, PI, RO, RR e TO;
TRF da Segunda Região: ES, RJ;
TRF da Terceira Região: MS, SP;
TRF da Quarta Região: PR, RS, SC;
TRF da Quinta Região: AL, CE, PB, PE, RN, SE.

54 cargos de desembargador

Além da criação do novo tribunal, que terá 18 cargos de desembargador, o STJ também aprovou novas vagas de desembargadores para todos os outros TRFs: 3 na Primeira Região, 8 na Segunda, 4 na Terceira, 12 na Quarta e 9 na Quinta.

Em todos os casos serão convertidos cargos de juízes que estão vagos em funções de desembargador – o salário é um pouco maior.

Leia todos os detalhes aqui no Justiça Potiguar.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lira disse:

    Eita e o MPF entra de lavada, pois tem q ter Procurador para atuar no novo tribunal. E o contribuinte só levando na tampa .

  2. Leonardo disse:

    Bora mamar.

  3. JONAS T. disse:

    Certeza. Bando de safado preguiçoso.

  4. Lima disse:

    Ganhar um mererezinho.

PF faz busca na sede do PSL em Minas em operação que investiga candidaturas-laranja

A Polícia Federal fez buscas na manhã desta quinta-feira (29) na sede do PSL, em Minas Gerais, na investigação sobre supostas candidaturas-laranja durante a eleição de 2018. À época, o diretório era presidido pelo atual ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, mas ele não é alvo direto da operação. Sete mandados foram cumpridos na capital mineira e mais quatro cidades.

A reportagem tenta contato com a sede do partido, mas nenhum representante foi encontrado até as 9h.

Os mandados foram expedidos pela 26ª Zona Eleitoral de Belo Horizonte, e a operação recebe o nome “Sufrágio”. Houve a apreensão de documentos relativos à produção de material gráfico de campanhas eleitorais.

A sede do partido, na Rua Inconfidentes, na Região Centro-Sul da capital mineira, é um dos endereços das buscas, além de uma gráfica no bairro Ipanema, na Região Noroeste. As buscas ocorrem também em mais duas gráficas em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e Lagoa Santa. Há endereços também em Coronel Fabriciano e Ipatinga, no Vale do Rio Doce.

Desde fevereiro, a Justiça de Minas Gerais apura supostas irregularidades no repasse de recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha pelo PSL a quatro candidatas nas eleições de 2018.

A investigação, que tramita na Justiça de Minas Gerais, apura irregularidades no repasse de recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha pelo PSL a quatro candidatas a deputado estadual e federal no estado, nas eleições de 2018. Elas tiveram votações pouco expressivas, embora tenham recebido dinheiro da sigla, o que levantou a suspeita de uso de candidaturas-laranja.

Ainda segundo a PF, o objetivo da ação desta segunda-feira (29) é esclarecer suposta irregularidade na aplicação de recursos para cotas femininas.

O G1 fez contato com o Ministério do Turismo e aguardo retorno. Até esta publicação a assessoria dele não foi localizada.

Na Big Gráfica, no bairro Ipanema, ninguém foi encontrado para comentar a investigação.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lindemberg disse:

    Se cometeu crime, que seja investigado, processado e sentenciado. No PSL não tem BANDIDO DE ESTIMAÇÃO!

Pimentel é indiciado pela PF após faltar a depoimento

pimentel ptO governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), faltou ao depoimento marcado para sexta-feira (8) na Polícia Federal para se explicar na operação Acrônimo, que investiga lavagem de dinheiro e tráfico de influência no BNDES e Ministério do Desenvolvimento e foi indiciado pela PF.

Isso significa que, para a Polícia Federal, há indícios de que o governador cometeu crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. O indiciamento já havia sido autorizado pelo ministro Herman Benjamin, do Superior Tribunal de Justiça. Caberá ao Ministério Público Federal definir se Pimentel deve ou não ser denunciado.

A operação Acrônimo investiga a atuação de Pimentel e parceiros em lavagem de dinheiro no BNDES e benefícios fiscais do Ministério do Desenvolvimento. Ele foi ministro no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff. Entre os investigados estão sua mulher, Carolina Oliveira, e seu amigo Benedito Rodrigues de Olvieira, o Bené, suspeito de ser o operador do esquema.

A empresária Danielle Fonteles, da agência Pepper, também é investigada e fez delação premiada.

Procurada, a defesa de Pimentel disse que ele só prestará depoimento quando tiver acesso à integra da documentação. “Esse é um procedimento sigiloso e não posso dar mais informações. Ele tem interesse em depor mas só ira fazer quando a defesa puder examinar todo o material disponível. Esse é um direito dele, segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal”, disse o advogado Eugênio Pacceli.

Fonte: Época

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Val Lima disse:

    Esse tá mais sujo q pau de galinheiro…Vai jogar dominó com o chefe na cadeia

Secretário de Mineração do Ministério de Minas e Energia vai deixar o cargo

O secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia, Cláudio Scliar, vai deixar o cargo nos próximos dias. Ele já pediu exoneração, que deve ser publicada em breve no Diário Oficial da União.

Scliar deixa o cargo no momento em que o governo se prepara para enviar ao Congresso Nacional a proposta do novo Código de Mineração, que pretende substituir a atual legislação, em vigor desde 1967.

O Ministério de Minas e Energia informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que Scliar alegou motivos pessoais para se afastar do cargo. Ele será substituído pelo secretário adjunto, Carlos Nogueira.

Fonte: Agência Brasil

Show de Latino acaba em barraco em MG

Após seu show em Nazareno (MG) neste domingo (29), Latino foi parar na delegacia para prestar queixa contra o prefeito e os policiais da cidade. Em sua conta no Twitter, o cantor contou que integrantes de sua equipe de produção e seus seguranças foram agredidos fisicamente por policiais locais e verbalmente pelo prefeito, José Heitor Guimarães de Carvalho, antes da apresentação.

“Meus seguranças apanharam dos policiais de Nazareno-MG e meu produtor levou 8 pontos na testa. Chegaram a apontar arma para a gente!”, escreveu Latino.

O cantor disse que o motivo da confusão foi a imposição do político de que seus parentes e amigos fossem atendidos no camarim antes dos fãs. “O prefeito (aparentemente alcoolizado) José Heitor, de Nazareno-MG, não autorizou a entrada dos meus fã no camarim. Tudo isso porque ele queria que atendêssemos seus familiares primeiro antes de todo mundo. Pensa! O povo não seria prioridade? Média política?”, acrescentou Latino.

Procurada pelo UOL, a assessoria de comunicação da prefeitura de Nazareno disse que o prefeito desmente a versão de Latino e vai entrar com um processo por danos morais contra o cantor.

Adolescente de 15 anos mata irmão mais novo por causa de gol em jogo de futebol

Uma brincadeira entre colegas de bairro terminou em tragédia na tarde de domingo, no Bairro Imbiruçu, em Betim, Grande BH. De acordo com informações do 33º Batalhão da Polícia Militar, um menino de 10 anos foi morto pelo irmão de 15, durante uma brincadeira na quadra da Escola Municipal Sebastiana Diniz. Os dois garotos estariam jogando futebol no local quando o mais velho teria acertado o menor com um cabo de vassoura. O caçula chegou a ser socorrido no Hospital do Teresopólis, onde morreu.

A direção da escola informou que o local estaria fechado e que os meninos entraram com permissão do vigia, que não teria acompanhado o incidente. Testemunhas contam que a vítima estaria no gol e teria deixado passar uma bola, o que irritou o mais velho. Segundo os relatos, o adolescente teria então jogado um cabo de vassoura na direção do irmão, acertando-o na nuca. De acordo com a Polícia, a criança teria ainda caído no chão, batendo com a cabeça.

Socorro

No momento do acidente, vizinhos prestaram socorro aos jovens, mas não souberam dizer o que aconteceu com a criança. Ele foi então levado por um morador para o hospital, aonde foi identificado traumatismo craniano. De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, o menino chegou com parada cardíaca e não respondeu às tentativas de reanimação, falecendo pouco após a entrada.

Moradora da região, Rosilene Braz acompanhou o marido na tentativa de auxiliar os meninos. Segundo ela, a criança ferida foi trazida pelo irmão mais velho no colo, em péssimo estado. “Ele estava com os olhos arregalados. Tentamos dar água para ele, mas ele não tomou. Aí meu marido levou para o hospital”, conta. Outra testemunha ainda relata que o irmão mais velho estava desesperado ao ver o caçula morrendo e falava repetidamente ‘não morre não’.

O rapaz também foi encaminhado para o hospital em choque, contudo, não ficou internado. Ele teve uma crise nervosa, foi medicado e liberado. O jovem também foi até a delegacia de plantão para prestar depoimento, mas não foi preso.

Homicídio culposo

De acordo com informações da Delegacia de Homicídios, que irá apurar o caso, existem duas possibilidades de análise, dependendo da intenção do menor. Caso seja apurado que havia a intenção de atingir a criança será instaurado um inquérito de lesão corporal seguido de morte. Já se for constatado que ele não tinha a intenção de atingir o menino, o irmão da vítima deverá responder por homicídio culposo, ou seja, sem intenção de matar. Segundo os investigadores, os relatos das testemunhas oculares do fato serão essenciais para definição da ação a ser instaurada. A família dos irmãos foi procurada pela reportagem, mas não quis comentar sobre o caso.

Fonte: Estado de Minas