ARRECADAÇÃO E GASTOS: Confira prestação de contas das duas principais favoritas ao SENADO no RN

Através deste canal no TSE, o eleitor potiguar pode acompanhar a prestação de contas dos candidatos ao SENADO nas eleições 2014. as duas principais candidatas, Wilma (PSB) e Fátima (PT) contabilizam as maiores receitas.

Neste levantamento, Wilma de Faria declarou arrecadação de R$ 4,9 milhões, cujo gasto da campanha ultrapassa este valor, chegando ao montante de R$ 5,2 milhões.

Já Fátima Bezerra declarou uma arrecadação de R$ 1,6 milhão, cujo gasto se aproxima dos R$ 2 milhões( R$ 1,9 milhão).

Os valores são equivalentes a prestação de contas da segunda parcial, enviada à Justiça Eleitoral.

Borderôs: Confira percentual de gastos em estádios da Copa

O jornalista Rubens Lemos apresenta nesta quarta-feira(21), em seu Blog, o resultado de levantamento em borderôs de jogos das dez arenas da Copa. Como critério, foram consideradas todas as despesas, desde custos operacionais a descontos de federações estaduais. Na ocasião, foram usadas de três a cinco partidas por sede, com exceção do Itaquerão. A Arena das Dunas foi desconsiderada porque a maioria dos seus jogos dá prejuízo, o que causaria uma distorção. E a Arena da Baixada ainda não tem relatórios financeiros disponíveis.

O ponto mais alarmante levantado pelo jornalista diz respeito aos estádios geridos por empreiteiras ou por governos, que têm os maiores custos. Nas mãos de um consórcio formado pela Odebrecht e pela OAS, a Fonte Nova é o caso mais absurdo com despesas que mordem 69% das receitas em jogos do Bahia e Vitória. Em seguida, estão estádios como Maracanã (47%), Castelão (57%) e Mané Garrincha (53%). Os dois primeiros também são administrados por concessionárias com liderança de empreiteiras – a Odebrecht, no caso da praça carioca. Já a arena brasiliense é responsabilidade do governo do Distrito Federal.

Esses números chamam atenção quando confrontados com os percentuais pagos por Corinthians e Internacional. A estreia do Itaquerão teve um custo de 21,4% da renda total – R$ 650 mil de uma renda de R$ 3 milhões.

Confira quanto gasta percentualmente cada estádio da Copa-2014 com despesas em geral: Arena Amazônia: 43%; Arena Pantanal: 38%; Arena Pernambuco: 26,8%; Beira-Rio: 23,6%; Castelão: 57%; Fonte Nova: 69,2%; Itaquerão: 21,44%; Mané Garrincha: 53,2%; Maracanã: 46,8%; Mineirão: 26,8%.

OUTRO DADO

Pelas últimas contas, feitas às vésperas da abertura do Mundial de Futebol de 2014 no Brasil, a construção ou remodelação dos estádios onde os jogos vão decorrer custou cerca de 2.900 milhões de euros, um valor que representa uma derrapagem global de 66% a mais do que os gastos previstos em 2010. Com as obras concluídas ou à beira da conclusão, como alguns entregues recentemente ainda se encontram, (na realidade), o Brasil passa a ter metade dos 20 estádios mais caros do planeta, segundo um estudo realizado pela empresa KPMG. O ranking elaborado pela empresa coloca o Estádio Mané Garrincha em 3º lugar, atrás apenas do Wembley e do Emirates Stadium, ambos no Reino Unido. Cada lugar do estádio de Brasília custou 6.700 euros.

Com acréscimo de informações do Blog Rubens Lemos, no Portal No Ar

 

Confira "ranking" de gastos dos deputados estaduais do RN com verbas de gabinete em 2013

Um total de R$ 6.665.767,25 foram declarados pelos 24 deputados estaduais do Rio Grande do Norte, em 2013, para ressarcimento a título de verbas indenizatórias do exercício parlamentar. As informações são do Cidadania RN.

Deputados estaduais do RN gastaram R$ 6,66 milhões em verbas de gabinete em 2013

As despesas incluídas nas prestações de conta incluem gastos com combustíveis, restaurantes, viagens, hospedagem, materiais de serviços, conservação e aluguel de veículos, divulgação, consultorias e os “apoios culturais a entidades sociais”, entre outras finalidades não muito claras.

Confira os valores declarados para ressarcimento* por cada deputado estadual

Agnelo Alves  – R$ 248.773,76
Antônio Jácome – R$ 285.309,20
Ezequiel Ferreira – R$ 286.530,50
Fábio Dantas – R$ 277.099,05
Fernando Mineiro – R$ 285.453,79
George Soares            – R$ 283.087,89
Gesane Marinho – R$ 277.378,30
Getúlio Rego – R$ 284.833,7            0
Gilson Moura – R$ 280.518,10
Gustavo Carvalho – R$ 274.182,73
Gustavo Fernandes – R$ 287.153,15
Hermano Morais – R$ 285.642,04
José Adécio – R$ 287.973,27
José Dias – R$ 255.513,55
Kelps Lima – R$ 271.610,63
Larissa Rosado – R$ 278.194,97
Márcia Maia – R$ 272.995,94
Nelter Queiroz – R$   288.157,38

Leonardo Nogueira – R$ 285.140,94
Raimundo Fernandes – R$ 283.923,25
Ricardo Motta            – R$ 270.339,04
Tomba Farias – R$ 275.641,95
Vivaldo Costa – R$ 284.836,62
Walter Alves – R$ 255.477,50

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jurandi disse:

    Só confirma tudo o que já sabemos e não tínhamos como mostrar. Aí, votem nestes
    Cara de Pau, novamente.!

  2. Marco disse:

    Todo povo tem o GOVERNO que merece!

Deputados estaduais do RN gastaram R$ 6,66 milhões em verbas de gabinete em 2013

Veja análise do Cidadania RN, espaço reservado no Facebook para reunir informações, publicações, denúncias, dicas e ações que possam melhorar a prática da cidadania no estado do Rio Grande do Norte:

Um total de R$ 6.665.767,25 foram declarados pelos 24 deputados estaduais do Rio Grande do Norte, em 2013, para ressarcimento a título de verbas indenizatórias do exercício parlamentar. A despesa com dinheiro público em tese não é ilegal, mas a dispensa de licitação para esses gastos e a falta de economicidade no uso dos recursos provenientes dos impostos pagos pelos cidadãos potiguares é alarmante. O valor é superior a R$ 1 milhão por bimestre e todos os parlamentares gastaram em média mais de R$ 20 mil mensais. De acordo com as prestações de contas disponíveis no Portal da Transparência da Assembleia Legislativa, os três que solicitaram ressarcimento dos maiores valores ao longo do último ano foram Nelter Queiroz (R$ 288 mil), José Adécio (R$ 287 mil) e Gustavo Fernandes (R$ 287 mil).

Ainda em tese, essas verbas serviriam para permitir inclusive que políticos com poucos recursos próprios para realizar seu trabalho pudessem exercer os mandatos adequadamente, contudo a falta de regras no uso das verbas apenas aumenta a desconfiança quanto à destinação desse dinheiro.

“Exemplos” – Do total apresentado para ressarcimento pelo deputado Raimundo Fernandes (R$ 283 mil), nada menos de R$ 128 mil em recursos públicos foram destinados à Associação Cultural Esportiva Rodolfense (Acerf), a título de “apoio cultural a entidades sociais”. Somente em setembro foram R$ 13 mil.

Desses R$ 6,6 milhões em verbas de ressarcimento também vieram os R$ 104 mil gastos pelos parlamentares em 12 restaurantes dos mais caros da Grande Natal (conforme divulgado há um mês pelo www.facebook.com/cidadaniarn), sem contar os R$ 1.461,69 da despesa de Tomba Farias em um único dia de julho do ano passado, em um restaurante do Leme, no Rio de Janeiro.

Além disso, independente das verbas de ressarcimento, uma grande estrutura de pessoal e suprimentos é disponibilizada a cada deputado em seus gabinetes, sem falar, é claro, do salário em torno dos R$ 20 mil mensais.

Matemática exata – Há um alerta nas prestações de contas de que o limite para reembolso é de R$ 24.057,90 por mês. Em poucos meses os deputados ultrapassaram esse limite, mas quase sempre chegaram “coincidentemente” muito próximo do valor máximo.

Das 288 prestações mensais analisadas, mais de metade (148) apresentam quantias totais acima de 98% do limite, ou seja, mais de R$ 23.576. Por outro lado, em apenas 12 ocasiões (4% do total) o gasto foi inferior a R$ 20 mil. Em nenhum mês, qualquer deputado gastou menos de 75% da verba.

As despesas incluídas nas prestações de conta incluem gastos com combustíveis, restaurantes, viagens, hospedagem, materiais de serviços, conservação e aluguel de veículos, divulgação, consultorias e os “apoios culturais a entidades sociais”, entre outras finalidades não muito claras.

Inexiste qualquer padrão nos gastos e as aquisições são feitas aos mais diferentes fornecedores, sem necessidade de licitação, demonstrando pouquíssimo interesse em buscar alternativas para a redução dessas despesas.

*O limite mensal máximo para reembolso, de acordo com o estampado em algumas das prestações de contas, era de R$ 24.057,90. Caso o limite tenha sido respeitado, o máximo ressarcido por parlamentar seria de R$ 288.694,80.

De www.facebook.com/cidadaniarn

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. joana darc disse:

    E o salário dos digníssimos em aplicações com certeza, nossos impostos custeiam tudo deles.

Henrique gasta R$ 50 mil em dinheiro público só em outubro para divulgar a si próprio

O valor está registrado no Portal da Transparência da Câmara Federal e diz respeito a apenas um dos vários gastos com dinheiro público realizados pelo parlamentar potiguar que preside a Câmara Federal. As informações são do Cidadania RN, página no Facebook destinada a reunir informações, publicações, denúncias, dicas e ações que possam melhorar a prática da cidadania no estado do Rio Grande do Norte.

Confira aqui

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Eduardo disse:

    É muito fácil ser bacana desse jeito

  2. Jefferson disse:

    E fácil atirar com a pólvora alheia!

Mais Médicos: governo gasta R$ 3,7 milhões com profissionais parados

11_18_26_836_fileQuase duas semanas depois do início oficial dos trabalhos dos médicos com diploma estrangeiro pelo Mais Médicos, 372 profissionais ainda esperam o registro provisório para começar a atuar. Como o custo por profissional é de R$ 10 mil líquidos, apenas com salário, o governo federal está gastando R$ 3,7 milhões com médicos que estão parados e ainda longe do SUS (Sistema Único de Saúde). A primeira bolsa-auxílio será paga na próxima segunda-feira (7).

Esse gasto não inclui os auxílios moradia e alimentação, já que essas despesas são de responsabilidade das prefeituras inscritas no Mais Médicos. Os valores variam nas diferentes cidades brasileiras. Em Minas Gerais, por exemplo, os médicos do programa recebem R$ 1.500 para habitação e R$ 371 para alimentação, além de vale-transporte.

Segundo o Ministério da Saúde, os gastos com os médicos já estavam previstos no planejamento do programa. O governo informou que até o fim do ano destinará R$ 542 milhões ao Mais Médicos. Esse valor inclui gastos assumidos desde o início das atividades, em agosto, mas ainda pode ser superado, pois o programa já funciona em sistema de emergência, sem a exigência de licitação para hospedagens e passagens aéreas.

O primeiro secretário do CFM (Conselho Federal de Medicina), Desiré Carlos Callegari, afirma que o dinheiro gasto com os médicos parados poderia ser investido para melhorar a infraestrutura da saúde pública. Ele pondera, no entanto, que os médicos estrangeiros que vieram para o Brasil devem receber, mesmo que não tenham começado a trabalhar.

— A saúde precisa de muito mais investimento, e é justo que o governo cumpra o compromisso de pagar esses profissionais que ainda não têm o registro provisório para poder atuar.

A coordenadora do CEAHS (Curso de Especialização em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde) da FGV (Fundação Getulio Vargas), Libânia Paes, critica a implementação do programa Mais Médicos e classifica como “desperdício altíssimo” de recursos públicos o pagamento de médicos que não estão trabalhando.

— Há um desperdício altíssimo de dinheiro com esses médicos parados, além de profissionais que vêm para cá, e também não têm o que fazer. Os conselhos [de médicos] estão certos de analisar com calma esses documentos [para emitir os registros]. Vários médicos que vieram de fora inclusive nem diploma têm.

Com o dinheiro aplicado em salários com médicos sem trabalhar, Libânia Paes afirma que seria possível investir em outras áreas da saúde para melhorar o atendimento à população.

— Seria possível comprar material, medicamentos, melhorar infraestrutura e até as condições de profissionais que trabalham aqui. Há um descaso enorme com a saúde. Deveriam ter sido pensados os prós e contras do programa.

Emissão de registros

De acordo com o último balanço divulgado pelo Ministério da Saúde, foram entregues apenas 257 dos 504 pedidos de registro profissional provisório feitos pelo Ministério da Saúde aos Conselhos Regionais de Medicina, cujo prazo máximo de análise expirou na terça-feira (1º).

Também nesta semana, a comissão que analisa o texto da MP (medida provisória) do Mais Médicos alterou o texto original e agora o Ministério da Saúde ficará encarregado de emitir o registro para estrangeiros integrantes do Mais Médicos. O texto, que agora segue para o plenário da Câmara dos Deputados, traz ainda uma série de outras vitórias para o governo, que atualmente se vê às voltas com o atraso do programa.

R7

Deputados potiguares gastam dinheiro público em restaurantes caros, aponta levantamento de "mídia" social

De acordo com levantamento do Cidadania RN, espaço reservado no Facebook destinado a reunir informações, publicações, denúncias, dicas e ações que possam melhorar a prática da cidadania no Estado, enquanto parte da população tem dificuldade para comprar o pão de cada dia, os nossos deputados estaduais utilizam os recursos da chamada verba indenizatória do exercício parlamentar, ou seja, dinheiro do povo, para gastar em refeições nos restaurantes mais caros da Grande Natal.

Segundo o levantamento tomando por fonte o próprio Portal da Transparência (sic) da Assembleia Legislativa, onde se pode obter muito mais detalhes a respeito, a lista que segue inclui apenas gastos de alguns deputados, levando em conta somente o mês de AGOSTO DE 2013 e, apesar dos altos valores, boa parte das despesas foram registradas como tendo sido pagas em uma única data.

Os dados do Portal da Transparência (sic) da Assembleia Legislativa não nos permitem, infelizmente, detalhar qual tipo de refeição ou de alimentos foram adquiridos, nem quantas pessoas foram beneficiadas com a utilização dessas verbas.

Confira os gastos:

Agnelo Alves

Camarões – R$ 1.534,06

Sal e Brasa – R$ 442,75

Tábua de Carne – R$ 242,22

Ezequiel Ferreira

Coisas da Roça – R$ 1.884,00

Fábio Dantas

Fogo e Chama – R$ 495,00

Coisas da Roça – R$ 1.810,00

Getúlio Rego

Piazzale Mall – R$ 288,89

José Adécio

Camarões – R$ 872,41

Coisas da Roça – R$ 780,00

Fogo e Chama – R$ 165,88

Tomba Farias

Sal e Brasa – R$ 205,09

Fogo e Chama – R$ 543,51

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. alex araujo disse:

    Tenho apenas 31anos mas só votei apenas uma vez nestes politicos sem vergonha e descobri como ñ votar mais mudei meu titulo p o interio do estado e agora justifico em todas as eleiçoes e não podem cancela-lo então amigos fassam isto. Para ñ darem seus votos p esta classe podre…

  2. A. Neto disse:

    Enquanto isso, a gente come quitute com sardinha achando que é carne. Sinceramente, tento não ser pessimista, mas vocês veem algum sinal de esperança? Vergonha e desilusão. São essas as palavras !

  3. A. Neto disse:

    Enquanto isso, a gente come quitute com sardinha achamso

  4. Sergio Nogueira disse:

    Alguém me explique porque que todo trabalhador tira de seu salário as despesas de aluguel, telefone, restaurantes, etc., e esses daí não podem fazer o mesmo? Se vergonha na cara fosse requisito para registrar candidaturas…

  5. Eduardo disse:

    Vergonha, vergonha, mas isso é bom para o povo que ainda vota nessa corja aprender. Eu não voto faz tempo, e não adianta virem me dizer que isso não é democracia, ora votar para enricar os outros prefiro ser antidemocrático.

  6. Markinokoff disse:

    Vocês acham que essa briga toda para ser deputado é para ajudar o povo!,a eleição vem ai vamos punir os políticos que gastam o dinheiro publico.(acho que é porque o salario deles não dá para pagar as despesas)

  7. Cristiane Vilar disse:

    Mais uma piada! Onde você anda em Natal ver esses políticos conversando e pagando contas de almoços com amigos ate altas horas da tarde. Trabalhar que e bom e melhorar o município e o estado ninguém faz . Vamos ver se vamos errar mais uma vez nas proximas eleições.

  8. Jaime Lopes disse:

    É um escárnio com o dinheiro público. Não tem nada de atividade parlamentar nisso.

Para equipar restaurantes, Senado compra freezer de R$ 78 mil e guardanapos de pano a R$ 420

Os gastos do Senado Federal com eletrodomésticos para equipar a nova praça de alimentação da Casa, que incluirá dois restaurantes, já chegam a cerca de R$ 176,6 mil. Os restaurantes Escola dos Senadores e Escola de Massas e Risotos, que serão administrados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac/DF), receberão, por exemplo, dois guardanapos de pano no valor de R$ 420 cada. As informações são do site Contas Abertas.

De acordo com o site, entre os eletrodomésticos comprados para os dois estabelecimentos estão um freezer de R$ 77,9 mil, uma máquina embaladora a vácuo, da marca Jetvac, por R$ 39,4 mil — o aparelho é de aço inox, tem painel digital, 15 tipos de programação e uma bomba de vácuo que opera de 100 a 360m3/h — duas máquinas lava louças que, somadas, custaram a bagatela de R$ 20,6 mil e dois mixers, ou misturadores de alimentos, por R$ 1,9 mil cada.

Além disso, constam ainda na lista de compras feitas pelo Senado dois processadores de alimentos Cutter com dupla função, que saem por R$ 19,8 mil, uma centrífuga automática com potência de 700W por R$ 3,5 mil, duas máquinas de gelo por R$ 10 mil e três toalhas de mesa que somam R$ 2 mil.

Questionado sobre as novas aquisições, até o início da tarde desta segunda-feira o Senado ainda não havia dado explicações sobre os gastos com eletrodomésticos, guardanapos e toalhas de mesa.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luciana Morais Gama disse:

    Eh por essa e outras coisas que o povo ta se revoltando nas ruas.

Diárias: Iberê e Wilma gastaram o dobro de Rosalba

Segundo o blog Eliana Lima, terminado o mês de julho, os gastos com diárias no Governo do Estado, que atravessa a pior crise financeira da sua história, chegam a  R$ 876.938,17, em 5.274 diárias. Comparado com o ano passado, o mês foi praticamente dobrado: R$ 1.516.716,33, em 10.174 diárias.

No primeiro ano do governo Rosalba Ciarlini, em 2011, foram gastos R$ 1.311.008,21 em 6.142 diárias. No último ano do governo antecedente, 2010, já sob o comando de Iberê Ferreira de Souza, que concorria à reeleição, os gastos foram de R$ 1.961.699,49, com 10.582.

De acordo com o levantamento de Eliana Lima, apesar de muito combatidos, os gastos com diárias no Governo Rosalba são bem inferiores aos governos Wilma e Iberê.

Vejamos:

– 2009, último ano do Governo Wilma:  R$ 20.139.982,45, em 126.448 diárias;

– 2010, nove meses de Governo Iberê: R$ R$ 20.564.690,27, em 114.736 diárias;

– 2011, primeiro ano do Governo Rosalba: R$ 11.518.253,77, em 60.573 diárias;

– 2012: R$ 12.922.013,19, em 73.610;

– 2013 – de 1º de janeiro a 31 de julho: R$ 5.562.477,32, em 28.937 diárias.

Com informações de Eliana Lima (Abelhinha).

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcelo disse:

    O grande problema do governo Rosalba é o partido. Dilma e Lula não liberam verba para o DEM!

Em SP, Haddad gasta R$ 37,7 milhões em publicidade

Segundo o Diário do Grande ABC, em 17 campanhas publicitárias realizadas nos primeiros seis meses de 2013, a gestão do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), gastou R$ 37,7 milhões em publicidade. No topo da lista dos gastos, estão as divulgações do balanço de 60 dias da Prefeitura, que custou R$ 7,8 milhões, e da Virada Cultural, de R$ 7,4 milhões – todo o evento, que teve 24 horas e apresentações de mais de 300 artistas, custou R$ 10 milhões.

Campanhas de orientação ao cidadão sobre o combate às enchentes (R$ 3,6 milhões) e de prevenção contra a gripe Influenza (R$ 1,8 milhão) custaram bem menos que a divulgação da Virada Cultural, marcada por confusões, arrastões e duas mortes. A verba aplicada na publicidade do evento também custou 290% a mais que os R$ 2 milhões gastos em 2012.

Haddad, porém, gastou menos que o ex-prefeito e presidente nacional do PSD Gilberto Kassab, que, no primeiro semestre de 2012, ano eleitoral, aplicou R$ 56,1 milhões em campanhas publicitárias. Nos primeiros seis meses de 2009, no primeiro ano da segunda gestão, Kassab gastou R$ 36 milhões com “publicações de interesse do município”. A divulgação dos reajustes salariais de até 20% concedidos ao funcionalismo público municipal também consumiu mais verba que a campanha de prevenção e segurança em locais fechados como boates e bares.

E quanto será esse investimento no Rio Grande do Norte? Bateu a curiosidade…

Corte de Gastos: Carlos Eduardo suspende gratificações e compra de equipamentos de informática

O prefeito de Natal Carlos Eduardo está tentando enxugar as contas neste início de gestão. O líder do executivo determinou a suspensão dos adicionais de serviço extraordinário e de jetons. Também foram suspensas, pelo prazo de 60 dias, todas as aquisições e contratações de equipamentos e programas/sistemas da área de informática.

Os dois decretos estão no Diário Oficial de hoje:

Os dois decretos foram publicados no Diário Oficial do Município de hoje.

Decreto 1 jetons decreto 2

Governo Rosa publica decreto suplementar de R$ 10 milhões para divulgação de publicidade

Está no Diário Oficial do RN. Governo estadual decretou o crédito suplementar no valor de R$ 10.000.000,00 (dez milhões de reais), para as dotações especificadas no Anexo I (imagem abaixo), que seria  a divulgação dos programas governamentais.

O Decreto nº 22.990, abrindo crédito suplementar foi publicado no dia 21 de setembro. E está disponível para quem  desejar consultar.

Confira:

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. É por isso que a saúde no RN está morrendo e a educação está em decadência.

  2. Eduardo disse:

    Cadê o MP que se mete em tudo e num caso desse se omite?

  3. RaphaVarela disse:

    Dinheiro p Hospital Walfredo Gurgel naaada!!!

Brasileiro gasta mais de 7% do orçamento familiar com saúde

 

O gasto dos brasileiros com saúde aumentou de 7% do orçamento familiar, no período de 2002 e 2003, para 7,2%, em 2008 e 2009. Os dados fazem parte da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 – Perfil das Despesas do Brasil, divulgada hoje (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O aumento nesse tipo de despesa foi puxado pelas regiões Sudeste, cujos gastos passaram de 7,5% para 7,9% no período, e Sul, que passou de 6,6% para 7%. Já nas outras regiões, os gastos com saúde passaram a representar uma parte menor de seus orçamentos: Nordeste (que passaram de 5,4% para 4,9%), Nordeste (de 6,6% para 6,5%) e Centro-Oeste (de 6,8% para 6,4%).

Em termos absolutos, o brasileiro gastava, em média, R$ 153,81 por mês com saúde no período de 2008 e 2009. Na Região Sudeste, o gasto é maior: R$ 198,89. Já a Região Norte é o local onde os brasileiros gastam menos: R$ 82,22. Há diferença também entre áreas urbanas e rurais: os moradores das cidades gastam R$ 167,58 por mês, mais que o dobro gasto pelos moradores do campo (R$ 79,19).

A maior parte dos orçamentos de saúde dos brasileiros é gasta com remédios (48,6%) e planos de saúde (29,8%). Outras despesas representam menos de 5%, cada um, como consulta e tratamento dentário, consultas médicas e hospitalização.

Tanto os gastos com remédios quanto com planos de saúde aumentaram em relação ao período de 2002 e 2003, quando os itens representavam, respectivamente, 44,9% e 25,9% dos orçamentos destinados à saúde.

Na pesquisa de 2008 e 2009, o IBGE observou que há diferenças nos gastos com saúde por faixas de renda. As famílias de menor rendimento gastaram 74,2% de seus orçamentos de saúde com remédios, enquanto para aqueles de maior renda, os remédios representaram apenas 33,6% dos gastos com saúde.

“A gente vê que os remédios tiveram maior peso para as famílias com os menores rendimentos. Por outro lado, as despesas com planos de saúde são muito maiores para as famílias de maior rendimento”, afirma o pesquisador do IBGE José Mauro Freitas.

A Pesquisa de Orçamentos Familiares é realizada de cinco em cinco anos pelo IBGE e analisa a composição orçamentária das famílias brasileiras, investigando hábitos de consumo, alocação de gastos e distribuição dos rendimentos.

 

TSE publica lista com doadores de campanha, em Natal já foi arrecadado mais de R$ 2,6 milhões

Neste ano, a divulgação, antes da votação, dos doadores de campanha é uma novidade. A decisão de colocar na internet o nome dos doadores foi tomada pela presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Cármen Lúcia, com base na Lei de Acesso à Informação.

De acordo com os dados divulgados pelo TSE, os seis candidatos a prefeito de Natal arrecadaram, nos primeiros dois meses de campanha exatos R$ 2.628.198,84. Em primeiro lugar está o deputado estadual Hermano Morais, (PMDB). Ele recebeu a doação do diretório estadual no valor de R$ 1.664.600, em segundo aparece o candidato Carlos Eduardo (PDT), que conseguiu arrecadar R$ 547.600,00.

Conheça os doadores das Campanhas Eleitorais

HERMANO MORAIS

Arrecadou R$ R$ 1.664.600,00

A doação foi integralmente do diretório estadual do PMDB

 

CARLOS EDUARDO

Arrecadou R$ 547.600,00

Doadores

Agnelo Alves R$ 30.000
Agnelo Alves Filho R$ 30.000
Cedro Empreendimentos E Administrações Ltda – Epp R$ 4.000
Celina Aparecida Nunes Alves R$ 10.000
Direção Estadual/Distrital R$ 157.000
Direção Estadual/Distrital R$ 97.000
Escala Engenharia Ltda R$ 30.000
Homero Grec Cruz Sá R$ 5.000
Jorge Luiz Da Cunha Dantas R$ 8.600
José Luiz Nunes Alves R$ 30.000
Júlia Ferreira Lopes R$ 11.000
Posto Cohabinal Ltda R$ 50.000
RAF Comunicação eMarketing Ltda R$ 40.000
Ricardo José Santana Siminea – Me R$ 15.000
Rogério Nurmberger Nunes R$ 30.000

 

ROGÉRIO MARINHO

Arrecadou R$ 219.120,00

Doadores

Brick Empreedimentos Imobiliarios Ltda R$ 1.500
Cristiane Simonetti Marinho R$ 5.000
Direção Nacional R$ 50.000
Emilson Medeiros Dos Santos R$ 5.000
Emilson Medeiros Dos Santos R$ 5.000
Heloisa Maria Dantas Tinoco R$ 5.000
José Lucio Ribeiro R$ 1.000
José Lucio Ribeiro R$ 2.000
José Lucio Ribeiro R$ 1.000
José Lucio Ribeiro R$ 2.000
Lucyleia Maria de Azevedo R$ 5.000
Luizete Medeiros dos Santos R$ 5.000
Mario Benedito Fernandes de Oliveira R$ 5.000
Mirza Medeiros dos Santos R$ 5.000
Paulo Coelho de Medeiros R$ 20.000
Paulo Coelho de Medeiros R$ 4.000
Paulo Coelho de Medeiros R$ 6.000
Roberto Dantas Da Silveira R$ 5.000
Rogerio Simonetti Marinho R$ 5.000
Rogerio Simonetti Marinho R$ 46.000
Rogerio Simonetti Marinho R$ 3.000
Rogerio Simonetti Marinho R$ 19.900
Rogerio Simonetti Marinho R$ 5.000
Silvio de Araujo Bezerra R$ 2.500
Unigrafica – Grafica E Editora Ltda R$ 220
Valeria Cristina Simonetti Marinho Da Silveira R$ 5.000

 

FERNANDO MINEIRO

Arrecadou R$ R$ 188.478,84

DOARES

Comitê Financeiro Municipal R$ 137.478
Carlos Alberto Freire Medeiros R$ 40.000
Direção Estadual/Distrital R$ 5.000
Fernando Wanderley Vargas da Silva R$ 5.000
Fernando Wanderley Vargas da Silva R$ 10.000

 

ROBÉRIO PAULINO

Gastou R$R$ 7.900,00

Doadores

Joao Paulino da Silva R$ 3.000
Julio Ramon Teles Da Ponte R$ 200
Marcelo Milan R$ 100
Maria Regina de Avila Moreira R$ 600
Robério Paulino Rodrigues R$ 4.000

 

ROBERTO LOPES

Arrecadou R$ 500,00

Doador

Roberto José Lopes da Silva R$ 500

 

Governo Rosalba gastou mais de R$ 8 milhões em diárias este ano

Segundo dados do Portal da Transparência, o Governo Rosalba Ciarlini gastou, nos primeiros oito meses do ano, mais de R$ 8 milhões em diárias.  De acordo com o portal, foram gastos exatos: 8.394.927,98.

A Secretaria Estadual de Saúde Secretaria teve o maior volume de diárias, onde foram gastos R$ 1.432.941,67 no acumulado do ano.

A  Secretaria de Educação vem em segundo com um gasto total de R$ 1.005.572,38 .

 

Confira os gastos com diárias:

Saúde: R$ 1.432.941,67

Educação: R$ 1.005.572,38

Polícia Civil: R$ 894.915,00

Emater: R$ 426.875,00

Idema: R$ 414.458,08

 

Com informações do Blog Panorama Político

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Reginafarache disse:

    Episódio no Cassol com supostas entrevistadoras da Certus lembra tática de um velho publicitário que nunca venceu uma campanha em Natal e tem mania de cagar regra com um rei nas barrigadas que dá no jornal.
    Regina Farache

Gastos com desastres crescem 15 vezes em 6 anos

Nos últimos 30 anos, o aumento da ocorrência de desastres naturais no mundo foi responsável por perdas que saltaram de poucos bilhões de dólares em 1980 para mais de US$ 200 bilhões em 2010. No Brasil, em somente seis anos (2004-2010), os gastos das três esferas governamentais com a reconstrução de estruturas afetadas nesses eventos evoluíram de US$ 65 milhões para mais de US$ 1 bilhão – um aumento de mais de 15 vezes.

Os dados foram citados ontem durante evento de divulgação do Relatório Especial sobre Gestão de Riscos de Extremos Climáticos e Desastres (SREX), do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). A elaboração do documento foi motivada justamente por conta dessa elevação já observada de desastres e perdas. O alerta, porém, é para o futuro – a expectativa é de que essas situações ocorram com frequência cada vez maior em consequência do aquecimento global.

 Alguns dos autores do relatório estiverem presentes ontem em São Paulo, em evento promovido pela Fapesp e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), para divulgar para a comunidade científica e tomadores de decisão os resultados específicos de América Latina e Caribe. A principal conclusão é que para evitar os desastres naturais, os cuidados vão muito além de lidar com o clima. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo