Diversos

Artigo de pesquisadores da UFRGS diz que lockdown não funciona e cientistas pedem revisão

Um artigo publicado na revista Scientific Reports, do grupo Nature, por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) teve repercussão internacional recentemente ao afirmar que o lockdown não diminuiu o número de mortes por Covid-19 em diversos países do mundo, incluindo o Brasil.

A pesquisa avaliou a relação entre isolamento social, medida pelo índice de mobilidade do Google, e o número de óbitos por Covid-19 e não encontrou diferença significativa. Em outras palavras, comparando os lugares onde as pessoas passaram mais tempo em casa e aqueles que não o fizeram, o número de mortes de Covid por milhão de habitantes foi o mesmo.

No entanto, existem evidências, dentro e fora do Brasil, de como o fechamento de serviços diminui o número de casos e óbitos drasticamente. São os casos de Araraquara, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, que decidiram adotar lockdown entre fevereiro e março como forma de tentar frear a disseminação da Covid-19.

Os dados foram coletados de fevereiro a agosto de 2020 em 87 locais diferentes: 51 países, 27 estados e seis capitais no Brasil (Manaus, Fortaleza, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre) e três grandes cidades de outros países (Tóquio, Berlim e Nova York).

A associação entre isolamento social e redução de óbitos nas áreas estudadas não foi significativa para mais de 98% delas. E em apenas 63 (1,6%) amostras do total de 3.741 combinações foi encontrada uma diferença significativa.

Após a publicação do artigo, pesquisadores que refizeram os cálculos enviaram comentários para a Scientific Reports, que aguarda a tréplica dos autores.

Carlos Góes, pesquisador do departamento de economia da Universidade da Califórnia, em San Diego, escreveu uma resposta ao estudo que, segundo ele, tem um erro matemático.

“O cálculo feito é uma média ponderada entre as duas cidades, ou seja, para cada região foi calculada a associação entre ficar em casa e número de mortes com pesos diferentes [por ter ou não lockdown], e não uma diferença. Pode ser que você tenha uma cidade com correlação positiva e negativa em outra —na média, a diferença é zero”, diz.

“Os dados são por definição limitados. Como foram inseridos apenas dados de áreas residenciais do Google, e as pessoas normalmente passam de 12 a 16 horas em casa, os autores alegam que não encontraram um benefício em ficar em casa, mas nós achamos que eles não teriam encontrado mesmo quando há benefício devido aos dados utilizados”, explica Gideon Meyerowitz-Katz, epidemiologista da Universidade de Wollongong (Austrália) e autor da primeira revisão do estudo.

Além disso, Meyerowitz-Katz afirma que ao comparar as duas variáveis— ficar em casa e número de mortes por Covid-19 —, os autores não levam em consideração o fator tempo, que foi determinante durante toda a pandemia, uma vez que quanto pior a situação da Covid em uma região, mais restritivas são as medidas de contenção do vírus.

Para Paulo Inácio Prado, professor do Instituto de Biociências da USP e membro do Observatório Covid-19 BR, os dados utilizados não sustentam a conclusão encontrada. “O artigo comete um erro comum, que é usar a incapacidade dos autores em encontrar provas como se fosse uma prova contra o isolamento”, diz.

Lorena Barberia, pesquisadora do departamento de ciência política da USP e também integrante do Observatório Covid-19 BR, afirma que nem todos os países que adotaram medidas de distanciamento social podem ser classificados como países que decretaram lockdown, termo que se refere a um pacote complexo de medidas, e não houve muitos casos “verdadeiros” de lockdown em todo o mundo.

“Um caso que chama atenção especial é Manaus, que os autores classificaram como um local em que houve controle da pandemia, mas não houve adoção de medidas de restrição importantes nesta cidade”, explica.

Além disso, o estudo misturou dados de países, estados e cidades, e as medidas adotadas nas três esferas são diferentes. “Os impactos da falta de coordenação entre os três níveis são relevantes, uma vez que a população não sabe quais medidas seguir ou não”, diz. Um exemplo recente é Bauru, no interior de São Paulo, que no início de março ignorou a decisão do governo estadual de fase vermelha e decidiu manter o comércio aberto.

Os autores reconheceram a limitação do estudo em utilizar o índice de mobilidade do Google como indicador de ficar em casa, por ser uma amostra enviesada —apenas usuários de celulares com a opção de localização ligada o tempo todo foram incluídos na análise.

A Folha contatou Ricardo Savaris, primeiro autor do artigo, e requisitou uma entrevista, mas ele preferiu não concedê-la. Questionado sobre as conclusões, Savaris disse que sua pesquisa não conseguiu relacionar a política de ficar em casa à redução de mortes por Covid.

Ainda segundo o autor, nunca foi mencionado que o estudo era sobre lockdown, embora fossem incluídos dados de regiões que fizeram lockdown no período mencionado, como o Reino Unido.

Em relação aos questionamentos matemáticos, Savaris preferiu não explicar a metodologia.

Por fim, o autor disse que “os questionamentos enviados para os editores da Scientific Reports foram respondidos adequadamente e que não retiram a veracidade dos dados publicados”.

O corpo editorial da Scientific Reports disse à Folha que os editores da revista estão atentos aos questionamentos levantados sobre a metodologia e conclusões do artigo e que é esperada uma decisão nos próximos dias do conselho editorial do periódico.

“Uma nota editorial foi acrescentada ao artigo para alertar os leitores sobre as críticas levantadas enquanto os questionamentos estão sendo avaliados. Nós conduzimos todo o processo editorial e de comunicação com os autores de maneira sigilosa, e não podemos divulgar mais detalhes sobre o caso”, disse Anne Korn, porta-voz da revista.​

Durante a pandemia, proliferaram artigos científicos, alguns sérios e produzidos com rigor científico, outros com problemas metodológicos, que ajudaram a criar uma confusão tanto para o grande público quanto para os governantes sobre as medidas de proteção a serem tomadas, incluindo o uso de tratamentos comprovadamente ineficazes contra a Covid-19.

Diante de uma nova doença, é natural que surjam estudos em todo o mundo que busquem explicar e trazer o maior número de evidências para um tratamento ou medida combativa possível. Mas comparar estudos controlados randomizados e duplo-cegos (padrão-ouro do ensaio clínico) com relatos de casos, estudos de coorte ou até mesmo pesquisas observacionais pode levar a falsas comparações isonômicas.

Além disso, a publicação de um grande número de artigos ainda em formatos pré-print, isto é, sem passar primeiro pela revisão dos pares, pode também levar à aceitação destas pesquisas como “verdades incontestáveis”.

No caso do artigo publicado na revista Scientific Reports, o mesmo passou por um processo de revisão por pares e recebeu uma aprovação editorial para publicação.

Folha de São Paulo

 

Opinião dos leitores

  1. Kkkkkkkkkkk
    O pessoal parece que não leu a notícia. O artigo será revisado, pois está repleto de erros de metodologia, alguns grosseiros, inclusive matemáticos. Ou seja, Bolsonaro não tem razão p nenhuma!

  2. Claro que aqui no Brasil NÃO funcionou, NUNCA vai funcionar, pois Isolamento e Distânciamento Social bem como o USO Obrigatório de Máscaras, mais Fiscalização para Cumprimento dos Protocolos de Combate a Disseminação do covid-19 é TUDO um FAZ de CONTA. A população Irresponsável e Inconsequente Inventam que Ficam em casa e os governantes Fazem de Conta que FISCALIZAM.

  3. Vixe ! Não li a matéria, se for verdade, muitos estudos sinalizam nesse sentido, os secretários de saúde do RN, doutores LAIS, vão ser desmoralizado duas vezes.

    1. Lockdown poderia não existir, se tivéssemos um presidente que defendesse as vacinas, que comprasse e fizesse propaganda do que é necessário, não indo na contra mão da ciência. Economia se faz com povo saldável para trabalhar. O mundo sabe disso, menos claro o presidente do Brasil. Até os maiores empresário do Brasil defende a politica da vacinação e este senhor faz tudo ao contrário.

    2. Dona Solange, o comentário de Calígula foi correto é isso mesmo que a esquerda só pensa, outra coisa a palavra “Saudável” é escrita com a letra U e não com L no início da palavra.

    3. Deixa de falar m. Somos o 5° país que mais vacinou. Inclusive, com a água da China. Essa narrativa não cola mais.
      Ok, senhorita Solange!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

TRF determina retorno do lockdown no DF e afeta Supercopa, Recopa e Libertadores

Estádio Mané Garrincha — Foto: Lucas Magalhães

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) derrubou, no início da tarde desta quinta-feira, a decisão que suspendia o retorno do lockdown no Distrito Federal. Com isso, volta a valer a determinação que proíbe atividades consideradas não essenciais, como a realização de eventos esportivos. O governador do DF, Ibaneis Rocha, disse que vai recorrer.

Na programação para os próximos dias, três grandes jogos estão marcados para o estádio Mané Garrincha: a Supercopa do Brasil, neste domingo, entre Flamengo e Palmeiras; Santos e San Lorenzo, na terça (13), pela pré-Libertadores; e Palmeiras e Defensa y Justicia, na quarta (14), pelo jogo de volta da Recopa Sul-Americana.

As chegadas de Flamengo e Palmeiras a Brasília para a disputa da Supercopa estão previstas para esta sexta.

Procurada pelo ge sobre a realização da Supercopa, a CBF informou que não vai se manifestar neste momento. O Flamengo disse que vai manter a programação e que confia na reversão da decisão. Já o Palmeiras ainda não se manifestou.

No entendimento do desembargador Souza Prudente, a situação da pandemia que serviu de base para o lockdown – decretado em março – ainda não sofreu qualquer redução.

“(…) há uma escalada no risco de iminente colapso do serviço de saúde público e privado no DF, não se justificando, dessa maneira, o relaxamento de tais medidas, enquanto não reduzidos os índices de contaminação e de capacidade de atendimento e tratamento às enfermidades decorrentes do contágio do coronavírus”, argumentou Prudente, em um trecho da decisão.

Até quarta-feira, o DF registra 6.532 óbitos pela Covid-19. O índice de ocupação de leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) na rede pública está em 98%. Na rede privada, 98,12% das vagas estão ocupadas.

Entenda o caso

Durante o mês de março, o DF entrou no sistema de lockdown, com a proibição de funcionamento de atividades consideradas não essenciais, com os eventos esportivos.

O retorno dessas atividades estava marcado para o dia 29 de março. Porém, uma liminar proferida na no dia 30 pela juíza Kátia Balbino de Carvalho Ferreira determinou que o Governo do Distrito Federal retornasse com as medidas restritivas a partir do dia 1º de abril. O GDF recorreu da decisão e conseguiu derrubar a liminar no dia 31 de março.

Agora, essa liminar foi derrubada pelo TRF-1, e o lockdown que ocorreu durante o mês de março volta a valer.

Globo Esporte

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

VÍDEO: Trabalhadores do turismo em Natal protestam em frente à Governadoria e apelam para retorno das atividades

Agentes de turismo realizaram nesta quarta-feira(31) um protesto em frente à Governadoria, no Centro Administrativo, em Natal. No vídeo em destaque, a categoria reconhece a gravidade da pandemia, mas entende que o lockdown “é uma farsa”.

A categoria pede que o Estado estabeleça um meio de continuidade do trabalho. Citam ambulates, guias de turismo e trabalhadores de bares e restaurantes passando necessidade em casa.

Assista abaixo:

Opinião dos leitores

  1. Se depender de Fátima Cadeado , não terão nenhuma ajuda, terão é um auxílio falência, dívidas e quebradeira.

  2. Gente, tem que cobrar do Mito que:
    CoronaVac – Gov Federal recusou compra
    Oxford – Fiocruz que fez o acordo
    Covax – Min de Rel Exteriores recusou compra
    Sputnik V – Acatamos EUA pra não comprar
    Pfizer – Ignoramos em Agosto/20
    Janssen – só compramos em 03/21

    Falta vacina por escolha.

    1. Verdade Riva…foi tudo planejado pelo MInTO nos mínimos detalhes…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTO: Trabalhadores protestam em Natal pelo “fim do lockdown”

Foto: Cedida

Trabalhadores protestam em Natal no fim da tarde desta sexta-feira(26), pelo fim das medidas de restrição na capital.

Com faixas como “Ponta Negra pede o fim do lockdown”, manifestantes apelam aos governantes por medidas menos severas contra a classe trabalhadora.

Opinião dos leitores

  1. Kkkkkkkkk. É sempre a mesma estorinha: o senhor de engenho na sua confortável casa, vacinado as “escondidas”, esperando a 2a dose só de bouas e instigando de longa, a peaozada ir pra rua e pedir fim de medidas restritivas. Kkkkkk. Vão pedir vacina ao mitu. E a cloroquina num serve mais não? Tomem 1 coquetel de ivermectina + Cloroquina e ácido fosfórico e sumam pra o além. Deixem as vagas de uti pra quem realmente precisa.

  2. 3.600 mortes diárias e as vacinas a conta gotas,agora o governo do mundo da lua diz que vai ter uma vacina nacional,governo sonolento,negacionista,vai parar quando este genocídio?

    1. Por que eles não vão a pé? Vai um perto do outro que dá certo!

  3. PQ NAO PROTESTAM COBRANDO VACINA? PQ NAO RECLAMAM PELO FATO DO AUXILIO TER PARADO POR 4 MESES? PQ NAO CLAMAM PELO AUXILIO EMERGENCIAL DE 600,00? PQ NAO PEDEM QUE O SATANÁS PARE DE CONTRARIAR A CIÊNCIA?

    1. E também pq a governadora não cria o seu auxílio emergencial de 1.000,00 reais como fez o gevernador do Ceará…

    1. Que comentário mais idiota, esse seu! No mínimo está com o salário garantido ao final do mês!

    2. Pois é Everton, 'atrapalhando quem quer ir e vir'… na verdade tá todo mundo trancado, eles estão defendendo o direito de ir e vir né? E também o direito ao trabalho.

      Se pra vc isso é comunismo, então só lamentamos…

    3. Estou sim, CTPS na mão e labutando como se não houvesse amanhã. Dois pesos e duas medidas só se cria nas tuas áreas, Ricardo; veja como estava o Deck de ponta negra numa noite qualquer nos últimos meses… agora veja o estrago.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Covas confirma 1ª morte por leito em São Paulo e diz que lockdown é ‘inviável’

Foto: Reprodução

O prefeito Bruno Covas (PSDB) confirmou a primeira morte por falta de leito de UTI na cidade de São Paulo e disse ser inviável decretar um lockdown no município.

De acordo com Covas, a prefeitura deverá anunciar nesta quinta (18) a antecipação de feriados para tentar conter a pandemia.

“Essa medida se mostrou eficiente no ano passado, é uma das que a gente pode anunciar agora no final da manhã”, afirmou ele entrevista à GloboNews.

“Se a gente conseguir 15 dias que as pessoas consigam voltar aos índices de isolamento do início da pandemia, a gente já consegue uma melhora na quantidade de casos e internações. Precisamos desse prazo de 15 dias que os especialistas da vigilância apontaram para conseguir colocar a curva para baixo e atender todo mundo na cidade”, completou.

Em julho de 2020, a gestão Covas antecipou os feriados de Corpus Christi e o da Consciência Negra para frear o avanço de casos de Covid à época.

Segundo o prefeito, a capital paulista não tem efetivo de segurança para implementar medidas restritivas mais rígidas.

“No município é inviável decretar lockdown. A gente tem 1.000 guardas da GCM (Guarda Civil Metropolitana). É inviável fiscalizar se as pessoas estão saindo de casa com mil guardas”, afirmou.

Morte por falta de atendimento

Covas citou o registro da primeira morte por falta de atendimento na cidade. Segundo ele, o caso ocorreu na Zona Leste. A capital está com 88% dos leitos de UTI ocupados.

“Infelizmente, nós tivemos o primeiro caso, na Zona Leste de São Paulo, uma pessoa faleceu sem conseguir atendimento aqui na cidade. Infelizmente a gente vê colapsando o sistema de saúde”, afirmou.

“As vagas são em hospitais permanentes e não mais em hospitais de campanhas. Entregamos nove hospitais. A continuar o crescimento dessa curva, só vamos ver ampliar esses casos de pessoas que não conseguem leitos de UTI. Só ontem, eram 395 pessoas aguardando leitos. Um momento triste, difícil”, afirmou o prefeito.

No estado, ao menos 79 pessoas com Covid-19 ou suspeita morreram na fila por um leito de UTI.

A explosão de casos atinge também a rede privada da capital. Nesta semana, hospitais particulares pediram 30 leitos do SUS à Secretária Municipal da Saúde. “Algo inédito”, disse o secretário Edson Aparecido.

O prefeito defendeu a importância do respeito às medidas de distanciamento social e afirmou que o município não tem condições de ampliar a rede de assistência na mesma velocidade da contaminação.

“Há um limite. A gente não consegue dobrar, triplicar, quadruplicar a quantidade de leito, as pessoas precisam respeitar o isolamento social para a gente diminuir a contaminação. Essa segunda onda mudou o quadro que nós enfrentamos no ano passado.”

G1

Opinião dos leitores

  1. Quando o próprio Presidente da República desdenha de um problema sério como esse, finge que nada está acontecendo e não se mexe para correr atrás de vacinas no tempo certo, o resultado só pode ser morte, sofrimento e lockdown, infelizmente.

    1. O combate a pandemia é de RESPONSABILIDADE DIRETA DOS GOVERDORES E PREFEITOS, por decisão do STF, desenhei?
      Vá ao site da transparência e veja quanto foi enviado pelo governo federal a cada estado durante a pandemia, depois aprenda a quem cobrar e acusar.

    2. Essa narrativa não cola. Com as redes sociais as mentiras são desmascaradas em segundos. O povo está deixando de ser massa de manobra. Se atualize.

    3. Ricardo.
      Esse anti é um boi tabaco, não perca tempo com gente desse naipe.
      Ele sabe disso.
      Dá uma de João sem braço.
      Otário

    4. Deixe de ser abestatado seu jumento. A culpa de td é desses governadores que pregam o genocîdio.

  2. a mesma conversa do ano passado…. não fizeram o que era para ser feito tai o resultado, igualzinho ao nosso DESgoverno do RN.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Policiais Civis do RN fazem Lockdown da Segurança Pública na manhã desta quinta-feira

Fotos: Divulgação

Os Policiais Civis do Rio Grande do Norte promovem um Lockdown da Segurança Pública na manhã desta quinta-feira, 18, para cobrar a vacinação dos trabalhadores da segurança e para demonstrar a insatisfação da categoria com a retirada de direitos imposta pela PEC 186. Das 8h às 12h, o atendimento nas delegacias estará suspenso.

O Lockdown da Segurança Pública acontece simultaneamente nos estados do Nordeste, como parte de um movimento nacional dos policiais civis.

“Nós decidimos aderir ao Lockdown da Segurança Pública para mostramos à sociedade o tratamento injusto que é dado às forças de segurança em todo o território nacional. O Governo Federal enviou ao Congresso um projeto para congelar salários e impedir promoções dos policiais. Os senadores e deputados, por sua vez, aprovaram parte desses ataques aos direitos dos servidores, imputando grandes prejuízos aos policiais”, comenta Edilza Faustino.

A presidente do SINPOL-RN lembra que os trabalhadores da Segurança convivem diariamente com os riscos da profissão e, diante da pandemia, mantiveram-se na linha de frente, pois exercem atividades essenciais.

“Somos essenciais no combate ao crime e até mesmo no enfrentamento à covid-19, combatendo aglomerações e mantendo as delegacias abertas com todas as atividades funcionando, pois os criminosos não fazem quarentena. Mesmo assim, não tivemos nenhum tipo de reconhecimento, nem mesmo recebemos prioridade na vacinação, como aconteceu com os profissionais da saúde. Ao contrário disso, fomos duramente atacados com a retirada de direitos. Por isso, vamos fazer o Lockdown da Segurança Pública para mostramos nossa insatisfação e para cobrar que os policiais sejam prioridade no recebimento da vacina”, completa.

Opinião dos leitores

  1. Embora haja distorções graves na ordem de prioridade da vacinação, aparentemente esse movimento está mais relacionado à "traição" de Bolsonaro na PEC.

  2. Essa turminha do contra quando precisarem da polícia não liguem para o 190 e nem vão na delegacia, liguem para o Batman, Supermen, cambada de hipócritas.

    1. Quando vc ficar doente não vá p o hospital não, ligue para o 190, se alguém atender, peça a eles uma receita.

    2. Justiceiro, eu não pago a Batman nem ao Superman para fazer a minha segurança. Eu pago ao pessoal da segurança pública e quero ser atendido quando precisar, e que fique claro que não é nenhum favor. Vcs são pagos para servir ao contribuinte, daí o nome servidor público.

    3. Peça demissão e fique em casa. Vidas interessam, empregos não.

  3. Parabéns aos policiais. Quase todo dia, morre um policial no RN por conta do COVID-19. A segurança pública não parou de trabalhar durante a Pandemia e não teve seu efetivo vacinado. Além da perda de direitos. O Governo Federal proibiu, por 15 anos, a atualização salarial. Só madeira!

    1. Linha de frente está os profissonais da saúde.
      Policiais passam longe da linha de frente.

  4. Os trabalhadores da segurança estão na linha de frente e tem legitimidade para defender o direito à vacinação!

    1. Mentira sua!!! quem está na linha de frente são os profissionais da saúde. Esse lidam diretamente com o doente em salas infectadas. Và mentir em outro lugar.

  5. Os trabalhares da segurança na linha de frente, parabéns para vcs que não pararam. Necessário a vacina para todos e de imediato para aqueles que estão na linha de frente. O Governo Federal precisa comprar vacina.

  6. Saúde e segurança deveriam ser tratadas de forma diferenciada, pois nunca tiveram direito a home office e sempre estiveram na linha de frente.

  7. Os Policiais Civis estão lutando pelos direitos conquistados, que bom se o povo em geral saísse de sua apatia para exigir dos governos, Federal, Estadual e Municipal.

  8. O retrato dos servidores da segurança q votarão no bozo (o minto)ainda tá pouco eu kero e mais ,não tem um projeto de lei aprovado nesse governo q ajude os policiais .

  9. Estão sentindo um pouco do q a população q não tem contracheque passa. Era pra cortar pela metade o salário d todos os servidores públicos. Afinal todos tem q fazer um esforço.

  10. O NARISMO é cruel. Paulo Guedes falou e Naro colocou a granada sem o pino no bolso dos servidores. Impressionante é ver servidores fanáticos que ainda defendem Naro. Mas já estamos na contagem regressiva para 2022. A alternância do poder é salutar para a democracia.

  11. Bando de sem noção!!!! tudo mundo da iniciativa privada fudido e mal pago e chega essas belezas com salários de 10 mil, pagos todo mês, estabilidade no emprego e no auge da pandemia criam seu próprio Lockdown. Mas rapaz, era só o que que faltava. Eu teria vergonha.

  12. TODOS SOMOS ESSENCIAIS: GARI. POLICIAL, PESSOAL DA SAÚDE, GARÇON, JUIZ PROFESSORES, SE FOR COLOCAR UMA LISTA DE PROFISSÕES ESSENCIAIS IRIA OCUPAR TODO MEU TEMPO. DEIXEM DE MIMIMI E VÃO TRABALHAR, QUE A BANDIDAGEM ESTÁ SOLTA LÁ EM MACAÍBA, INCLUSIVE EXPULSANDO AS PESSOAS DE CASA.

  13. O sindicato dos policiais e delegados poderiam fazem um protesto para os policiais civis cedidos para órgãos que não são da área de segurança voltarem para as suas funções policiais.

  14. Fico imaginando se os médicos e enfermeiros tivessem a mesma atitude individualista desses policiais e resolvessem também fazer lockdow. O negócio é ser contra o governo federal, não interessa como e quando. O povo que os salários que se dane.

  15. Kkk Kkk todo mundo querendo furar filas. Vão pra rua colocar bêbados pra casa.
    Fátima Bezerra agradece.

  16. Reclamem em Brasília!
    Tanto o plano nacional de vacinação quanto o texto da PEC são oriundos do governo federal.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Ministérios públicos propõem que Governo do Estado e Prefeitura de Natal decretem lockdown

Em reunião com autoridades locais e membros do Estado e do Município, o Ministério Público do Estado, Ministério Público do Trabalho e a Ministério Público Federal fizeram nesta quarta-feira(17) uma proposta de que o governo do Estado e a Prefeitura do Natal façam um decreto para estabelecer o lockdown no Estado. No entendimento dos órgãos, a medida seria a forma de achatar a curva de casos da Covid 19 no Estado do Rio Grande do Norte.

Segundo a proposta dos MPs, com exceção dos serviços considerados essenciais, as demais atividades deveriam ser fechadas diante do cenário atual da pandemia no estado. Ainda segundo os órgãos, a quarentena, dessa forma, enquadraria em uma estratégia visando o “achatamento” da curva de casos visando dar tempo de melhor estruturação da rede assistencial do Estado.

Opinião dos leitores

  1. Logico esses funcionários publicos querem ficar em casa e ganhando
    Corte salário deles ai vamos ver o que eles querem mesmo

  2. "Achatar a curva" esse filme é repetido e não foi muito legal. Nossas instituições públicas são uma vergonha, pois, em vez de nos proteger de medidas autoritárias, pelo contrário, contribuem para a violação dos nossos direitos. Nosso sistema de saúde está há décadas esquecido, porém demos quase um ano para dar uma melhorada. Qual o resultado? fizeram politicagem — prometeram criar novos leitos de UTI, hospitais de campanha, só promessas — pensando nas eleições de 2020.

    Ficam os questionamentos: qual o sacrifício dos políticos e funcionários públicos, que tem sua renda garantida pelos que estão no lockdow? onde estão hospitais de campanha? quais medicamentos o governo indica para tomar preventivamente? o governo estadual vai dar algum auxílio emergencial para os desfavorecidos? qual a comprovação científica da eficácia do lockdown?

  3. Sinceramente! Eu não entendo. Os comentários postados Aki, estão sempre batendo em servidor publico e seus salários. Estão sempre pedindo que dividam os salários com quem não ganha salário. Afinal divisão de rendas ( quem estuda,trabalha dá metade pra quem não estuda e não trabalha) e ainda defende Bolsonaro e criticam o PT. Decidam: capitalismo ou comunismo. Afinal precisamos ou não da polícia, médico, juiz, gari, professor? Serviço público ou pagamos tudo

  4. É dar muito cabimento a este MP. Quem governa cidades, estados e países são pessoas eleitas para administra-las. Vão se candidatar e depois administrem. O poder emana do povo. Não sabia que eles tinham virado médicos pra ficar dando palpites.

  5. Por que o MP não interviu nas eleições, nas festas de fim de ano e no carnaval ..??? E agora vem sugerir fechar tudo. As restrições eram para serem mantidas a medida que foram aumentando os casos e não agora com 90% dos leitos ocupados. O MP devia liberar o recurso que tem sobrado em caixa para ajudar aos comerciantes que estão em dificuldade. São uns mercenários e não ajudam à sociedase em nada.

  6. BG
    Esses caras tem salários de marajas ganham acima de 20.00 mil reais por mês, pra eles ficarem dentro de casa só comendo e cagando 10.00 mil dava tranquilo.
    Que tal pegar os outros dez mil e passar pra quem não tem nada.
    Será que eles fazem isso??
    Sugiro que façam até o final do ano.
    Quero saber!!

  7. O papel do MP não seria fiscalizar onde os recursos que vieram para combater a pandemia foram utilizados? Assim como o PGR está fazendo? Ou é ficar balançando a cabeça igual a uma lagartixa concordando com tudo que o PT fala.

  8. Isso parece coisa premeditada, todos governadores e prefeitos sabem que com o começo da vacinação em massa , os casos irão diminuir e eles decretando Lockdown, no futuro vão dizer que o que fez a diminuição dos casos foi mérito do Lockdown.

  9. Quando falta competência, sobra Lockdown.
    Queria que Médicos e enfermeiros tbm fizessem Lockdown, pois vidas de todos interessam ou não?

  10. Desde o inicio da Pandemia que se preparam para conte-la, 1 ano se passou e o discurso é o mesmo. Concordo com fechamento das atividades, desde que arquem com as despesas daqueles que irão ficar sem trabalhar e com isso sem receber dinheiro também.

  11. Quem tem salários garantidos , é fácil falar.
    Esses caras deveriam fazer alguma ação positiva, sugiro passar a bolada de dinheiro do MP dois meses pra população que não tem ganhos certos.
    Topam??
    É só por dois meses.
    E aí??
    Topam???

  12. Concordo 100% desde que os membros do MP abram mão dos seus vencimentos por Equivalente período, aliviando a nossa folha de salário.

    Todos precisam se sacrificar.

  13. Eu quero ver quando os médicos, enfermeiros, maqueiros e todos os demais que estão na linha de frente não aguentarem mais e começarem a parar, o que o sociedade vai fazer…..vai ser um LOCKDOWN.

  14. Concordo com o LOCKDOWN desde que os salários dos promotores também entrem em lockdown. Aí sim!!

  15. BG. Faz uma pesquisa com quais profissões são a favor do Lockdown e quais contra. Aposto em 90% do setor público

    1. Procura conversar com o prefeito de Ceará Mirim e Dr Fernando presidente da Unimed e para de teclar o que vc não sabe.

    2. Parabéns ao Sr João
      Procurem falar com aqueles que enfrentam a dificuldade da regulação de leitos e vejam o quanto neste momento é fundamental atitudes mais rigidas

  16. O MPRN ajudava mais indo investigar onde estão os cinco milhões deviados via Consórcio do Nordeste, pois é muito bom recomendar lockdaw causando desemprego, fome e falência tendo salários milionários todo final de mês. Deviam ter no mínimo vergonha de fazer esse tipo de recomendação. Onde está para o MPRN a defesa da sociedade?

  17. Corta também 50% dos salários dos promotores para que esse dinheiro todo poder custear cestas básicas para aqueles que ficaram e vão ficar desempregados.

  18. Salário gordo garantido no final do mês (fora as regalias) aí é Fácil demais propor isso. Corta 50% que a opinião muda ligeiro.

  19. Depois de 1 ano, o governo estadual não teve tempo de estruturar a rede pública de saúde? Conta outra que essa conversinha não cola mais não. Parece piada pronta contra quem precisa trabalhar de manhã para comer a noite.

    1. Não tem leito que de conta , cidadão . Porque não tem Nem profissionais e nem insumos que deem conta . Não adianta ease diazurso simplista não . O problema é muito mais grave

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Podem ter certeza que tudo que for legal fazer, eu farei”, diz Bolsonaro, ao voltar a criticar o lockdown

Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar nesta segunda-feira as políticas de restrição de circulação e insinuou a apoiadores, na saída do Palácio da Alvorada, que está estudando medidas para resolver a situação.

“Podem ter certeza que tudo que for legal fazer, eu farei. Brevemente teremos as consequências do que está acontecendo, fiquem tranquilos”, disse Bolsonaro ao grupo, que participou na segunda de uma carreata a favor do presidente e contra as medidas de fechamento de serviços em Brasília.

O presidente é um crítico contumaz das medidas de contenção de circulação que levam ao fechamento do comércio e acusa, inveridicamente, o Supremo Tribunal Federal de ter tirado seus poderes para gerenciar a resposta à pandemia. Na verdade, a decisão da corte determinou que Estados e municípios também têm responsabilidade e podem adotar medidas mais rígidas que o governo federal.

Há duas semanas, em uma viagem, Bolsonaro chegou a dizer que iria agir para que pudesse ter seu “poder” de volta. Nesta segunda, ao responder a um apoiador que reclamava das restrições em Brasília, o presidente afirmou que se colocava no lugar da pessoa, que é comerciante, e repetiu:

“Eu estou fazendo minha parte. Fique tranquilo, a gente vai chegar a um bom termo sobre isso.”

Bolsonaro disse ainda que não é ele quem está com essa “política excessiva de fique em casa”.

Questionado sobre a que o presidente se referia ao dizer que medidas seriam tomadas, o Palácio do Planalto não respondeu.

Money Times, com Reuters

Opinião dos leitores

  1. Boleto,eu não disse apoio Lula,que na minha opinião deveria está preso,mas Bolsonaro também não voto.

  2. Está na hora daquela turma do 'Se não der certo a gente tira' começar a agir se não vai ser tarde demais… Será que não tomam por exemplo do que aconteceu nos EUA? Foi só trocar que tudo mudou.

  3. Chico 100, Zé do gado e Nunes, vcs vai ter que Jair se acostumando, Bolsonaro ganha no primeiro turno, lula volta pra cadeia.

    1. Sua opinião e a de um desnorteado, bêbado, desprovido de responsabilidade é mesma coisa. Prova isso toda vez que vomita seu ódio contra o Presidente.

  4. O deputado bajulador desse aí já era, ficou com medo de Lula e passou a usar a máscara e falar em vacina,Esse cara é instável,não dar pra levar a sério.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

PT faria “festa” com lockdown, compras sem licitação e país estaria na miséria, diz Bolsonaro

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar nesta 4ª feira (10.mar.2021) as medidas de isolamento social adotadas por governadores para frear o alastramento da pandemia de covid-19 no Brasil.

A apoiadores, disse que, caso o candidato do PT à Presidência em 2018, Fernando Haddad, tivesse sido eleito, o “lockdown” teria sido decretado antes mesmo de haver solicitação dos governadores. A conversa foi publicada em um canal bolsonarista no YouTube.

“A maioria dos governadores querem lockdown nacional, imagina se fosse o Haddad presidente. Nem precisava os governadores terem pedido”, disse em frente ao Palácio da Alvorada.

“Sabemos das dificuldades, o povo está sofrendo, está havendo abuso no meu entender nessa política de fecha tudo, porque a economia não dá para ver depois não”, declarou.

Na conversa, Bolsonaro disse duas vezes que a gestão da pandemia por um eventual governo petista seria diferente da dele. “Imagina se o PT fosse governo com essa onda de comprar as coisas sem licitação como seria. Como estaria a festa no Brasil. Não quero citar países, mas a gente estaria numa miséria aqui”.

Bolsonaro afirmou que o governo federal tem investido na aquisição de vacinas contra a covid-19 desde 2020. “A 1ª vacina nossa quando foi comprada? 6 de agosto. E o pessoal fala que eu sou negacionista”, disse.

O chefe do Executivo também voltou a dizer que os governadores foram abastecidos de recursos federais para estruturar o sistema de saúde. Citou o Maranhão como exemplo de Estado que “investiu muito pouco ou quase nada” nos hospitais.

“Um dos Estados que receberam, o Maranhão, foram muitos bilhões também. Então o governador lá pagou folha de salário, fez muita coisa, mas não investiu na saúde”, disse.

A declaração de Bolsonaro foi feita horas antes de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva conceder entrevista à imprensa para falar, dentre outros assuntos, da decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin que anulou as condenações do petista pela Justiça Federal do Paraná na operação Lava Jato. A decisão o tornou apto a disputar as eleições de 2022.

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. Bolsonaro tá reeleito.
    É honesto.
    E os outros são corruptos.
    O Brasil não quer mais voltar a essas experiências desastrosas.

    1. Vamos comprar Leite Moça e fazer uma RACHADINHA na Mansão de 6 Milhões.

    1. O pior é que com Lula na disputa, ajuda ele a ganhar de novo.
      Esse país só pode ser amaldiçoado mesmo. Passar mais 4 anos com Bolsonaro é decretar o fim desse país. Vamos aumentar o abismo social da desigualdade. Rico cada vez mais rico, pobre cada vez mais pobre e alto escalão do serviço público cada vez mais privilegiado (políticos, juízes, ministros, desembargadores, auditores, defensores públicos, procuradores e procuradores). Se tá ruim hj, daqui a 10 anos vai tá 2 vezes pior. Muita gente vai sair em desespero pra outros países, hj ja estar bem comum isso.

    2. O que é que ele fala, que é mentira? Zégado, vc é petista doente. Essa questão de gado, não existe. Gado só se for vcs esquerdopatas

    3. Nenhum que vota em Bolsonaro usa argola, mas aqueles que tem seus bandidos de estimação, gostam de tornozeleira eletrônica como enfeite.
      Você está em festa por seu líder maior está solto e pode concorrer na eleição? Que bom, aproveite o momento e continue assistindo a mídia comprometida com o quanto pior para o país, melhor para nós.
      Ele não foi inocentado, afinal 90% dos volumes nos vários processos que ele responde por corrupção, são provas incontestáveis que revelam o quanto ele se apoderou e distribuiu recursos públicos a seus amigos.
      Além das deleções premiadas que aguardam validação como a de Palocci e Eduardo Cunha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Decreto determina lockdown em Ceará-Mirim; apenas serviços essenciais funcionam

A Prefeitura de Ceará-Mirim anunciou lockdown na cidade como medida para conter o avanço do Covid-19. O novo decreto que será expedido hoje determina o fechamento de todas as repartições públicas do município, bem como o fechamento do comércio, e suspensão da feira livre por um período de sete dias.  Apenas serão permitidos comércio tidos essenciais, limitando a 30% a capacidade de pessoas nos estabelecimentos.

“Peço o apoio de toda a população nesse momento de dificuldade que estamos enfrentando, lembrando que nenhum Prefeito gostaria deestar tomando esse tipo de decisão, mas o momento pede que isto seja feito para preservar a vida do nosso povo. Deus no comando sempre”, declarou o prefeito.

Opinião dos leitores

  1. Esses prefeitos estão querendo aparecer de toda maneira, a maioria são analfabetos do direito, pois para instalar um lockdown, eles tem que decretar estado de emergência no município. Esses espetáculos de pirotecnia avassaladora deverá ser usado nas próximas eleições municipais, pode escrever aí.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

“Alguns querem que eu decrete lockdown. Não vou decretar. O meu Exército [que é o Exército de vocês] não vai para a rua para obrigar o povo a ficar em casa”, diz Bolsonaro

Foto: Marcos Corrêa/Presidência

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que o “seu” Exército não irá “obrigar o povo a ficar em casa”. Bolsonaro disse que poderia decretar um lockdown em todo o país, mas que não fará isso. O presidente também disse que “alguns estão se excedendo”, sem especificar quem.

— Alguns querem que eu decrete lockdown. Não vou decretar. E pode ter certeza de uma coisa: o meu Exército não vai para a rua para obrigar o povo a ficar em casa. O meu Exército, que é o Exército de vocês. Fiquem tranquilos no tocante a isso daí. Agora, vamos ver até onde o Brasil aguenta esse estado de coisas. Eu quero paz, tranquilidade, democracia, respeito às instituições. Mas alguns estão se excedendo — disse Bolsonaro a apoiadores, na saída do Palácio da Alvorada.

Desde o início da pandemia de Covid-19, no ano passado, Bolsonaro criticas as medidas de isolamento social, tomadas para diminuir o contágio do novo coronavírus. O Brasil passa pelo pior momento da pandemia, com recordes seguidos nos registos de mortes.

Na semana passada, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) defendeu um toque de recolher nacional, das 20h às 6h, incluindo finais de semana e um lockdown em regiões com mais de 85% de ocupação de leitos.

Nesta segunda, ao elogiar a atuação do Japão na pandemia, Bolsonaro insinuou que no Brasil algumas pessoas se uniram para tentar derruba-lo, mas não explicou quem.

— No Japão não tem fica em casa. E é uma população, acho que talvez a mais idosa do mundo. Mas lá ninguém estava unido para derrubar o presidente. Assim é quase no mundo tudo. Raro são os países que estão aproveitando a pandemia para tentar derrubar o presidente.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. E agora teremos a batalha do ladrāo contra o alucinado. Façam suas apostas. Quem sabe lançam uma chapa juntos. É o bolsopetismo a todo vapor. O Gado chora mas Bozo nem sequer fingiu indignação. Está comemorando.

  2. Ninguém quer Lockdown animal, basta ficar em silêncio e não sabotar o seu ministério da saúde, nem estimular o suicídio pela contaminação do virus. Se temos 10 milhões de contamimados por covid, já estamos atingindo quase 10% dos eleitores que infelizmente escolheram o senhor pra presidente. Outros 55 milhões que não votaram certamente estão escapando, mas respeite ao menos seu eleitorado.

  3. Corte os vencimentos de TODOS os funcionários públicos que estão em casa, além de TODA verba publicitária estatal para a extrema-imprensa e veja a mágica acontecer.

    Parabéns a todos os profissionais da saúde, segurança, do campo e profissionais liberais que não pararam um dia.

    1. a besteira q o Silva fala o BG não censura… vai estudar Silva… o trabalho remoto foi provado que rende mais q o presencial e ainda fornece economia para o serviço público..

  4. Sensacional ver a revolta dos apoiadores de corruptos, da mídia e jornalistas em choque por abstinência de recursos públicos. Das opiniões que sequer conseguem entender o que está escrito kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Mas para aqueles que se fazem de desinformados, existe comprovação científica que o lockdown é solução para a pandemia? Quem fez e onde foi publicado?
    Qual a cidade, região ou país que adotou o lockdown e resolveu a pandemia?
    Quem adotou o lockdown o que aconteceu com a economia dos locais?
    O México, Peru, Uruguai adotaram o lockdown? Como vai a pandemia nesses países?
    Depois das respostas vocês soltam sua críticas. Por favor que ela tenham 1% de coerência.

  5. Essa criatura está desorientada sabem por que? porque fazem dois anos que não se ver um ato de corrupção no seu governo, seus imbecis hipocritas e estúpidos adoradores de marginais.

  6. Canalhas petistas adoradores de bandidos, quem fala a verdade sempre é criticado por vcs seus idiotas uteis.

    1. Não teve carnaval. O problema é de gestão pública, o governo federal não sabe o que fazer. A gestão Bolsonaro é um desastre.

  7. A situação é de saturamento epidmologico, a saúde estar a beira do colapso, os equipamentos sao insufientes e saturados, o pessoal da linha de frente, em exaustão e com problemas neurológicos, pedindo afastamento das funções Só nos resta uma única saída, a Interdição de Jair Bolsonaro da presidência. CRIAR uma comissão gestora, para corrigir o nagacionismo e urgenciar uma campanha de vacinação em massa.

  8. Que criatura desorientada! Quem danado quer exército na rua. Esse cidadão não sabe o que faz ou fala.

    1. Qual seria a outra forma dele trancar o povo em casa? Ou exército ou puliça.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Comitê científico não recomenda ‘lockdown’ no RN contra a covid-19

Em entrevista ao Bom Dia RN nesta sexta-feira(05), o coordenador do Laboratório de Inovação em Saúde da UFRN e membro do comitê, Ricardo Valentim, disse que o comitê científico do Rio Grande do Norte não recomendou “lockdown” entre as medidas que são avaliadas pelo governo para tentar reduzir a transmissibilidade da Covid-19 no estado.

“Não há recomendação de lockdown. Isso nunca aconteceu no Brasil. Ele é muito mais rigoroso, como a gente viu agora em Portugal. O que Ceará, Pernambuco, São Paulo estão fazendo são medidas mais restritivas. Em nenhum momento nós observamos isso (lockdown) no país. É consenso que seria preciso ter uma organização social maior, como na Europa, que teve 3 trilhões de euros só para amparar empresas e pessoas com risco de perder seu emprego. Somos um país culturalmente diferente e com mais desigualdades”, afirmou.

O pesquisador afirmou que o estado ainda terá 15 dias “duros”, com alta demanda por leitos e pedidos de internações. Somente nesta quinta-feira (4), o estado registrou mais de 120 pedidos de internação. Vale destacar que o Governo do Estado está na iminência de publicar um decreto com novas medidas restritivas no Rio Grande do Norte com objetivo de frear a alta de casos neste mês.

Opinião dos leitores

  1. Diabrete precisa sim, me passe um nome desses passa fome que ligo e não entendi a "medida sensata", quando era o presidente que não recomendava a coisa era diferente ou não? Pode ser que eu esteja enganado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

‘Com lockdown pessoas vão morrer de fome’, diz secretário de Saúde de SP

Foto: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

O secretário da Saúde do estado de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse ser contra o lockdown no Brasil por considerar que a medida combinada com a falta do auxílio-emergencial vai levar parte da população “a morrer de fome”.

“Sou contra lockdown como é feito em outros países, enquanto nós não tivermos esse auxílio (emergencial) para as pessoas que dependem disso. Temos que fazer restrições mais robustas e enérgicas, mas o lockdown no nosso país, não temos condições de fazer. As pessoas vão morrer de fome. Vamos ter um problema civil”, disse Gorinchteyn em entrevista à rádio CBN.

O secretário justificou a opinião explicando que “o Brasil tem uma questão social e econômica muito peculiar. Fazer o lockdown significa colocar uma parcela vulnerável numa situação difícil sem o auxílio. Eu vejo que alguns estados chegaram numa situação limite”.

Ainda na entrevista, Gorinchteyn defende a suspensão das aulas presenciais no estado para diminuir a circulação de pessoas.

“Se nós estamos entendendo que as pessoas estão em risco circulando temos que avaliar as situações em que as pessoas estão expostas, então temos que avaliar as escolas. O problema não são as escolas, mas a circulação das pessoas em seus entornos. Professores, pais que levam os filhos, no transporte público. Nos próximos dias vale a observação disso”, afirmou.

Segundo o secretário, a proposta de suspender as aulas será debatida com o Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo.

Ontem, secretários estaduais de Saúde publicaram carta aberta ao governo federal pedindo pelo estreitamento das medidas de prevenção ao novo coronavírus e a volta do auxílio-emergencial. Gorinchteyn não assinou a carta.

Entre as medidas sugeridas, estão o toque de recolher noturno — das 20h às 6h — e aos finais de semana; “restrição em nível máximo” das atividades em regiões com ocupação de leitos acima de 85%; proibição de eventos presenciais como shows, atividades religiosas e esportivas; fechamento de bares de praias, além da suspensão de aulas presenciais e a adoção do trabalho remoto nas esferas públicas e privadas.

UOL

 

Opinião dos leitores

  1. O Presidente da República, desde o início da pandemia, apela em favor do " isolamento vertical". Seria este a melhor maneira de enfrentar o Covid19 sem colapsar a economia.

  2. Mande João calça colada da um prato de sopa que não morre.
    Kkkkkkkkkkkk
    Tão tudo doido.
    Ja não sabe mais o que dizer.
    Bolsonaro neles!!!
    Fui!!

  3. O Bozo diz isso desde o início da pandemia e é chamado de genocida, agora os esquerdalhas estão dizendo a mesma coisa e não são genocidas, quanta hipocrisia…

  4. Esses governadores junto aos prefeitos que são favoráveis ao lockdown, não estão nem aí se a população está com dificuldade em por comida em casa ou não, se irão pagar suas contas ou não.
    Os governantes nunca se preocuparam com o cidadão dependente de hospitais públicos, em todos os estados sempre houve superlotação,falta de médicos, falta de medicamentos, falta de leitos e nenhum deles nunca ficaram preocupados em resolver os problemas, agora todos estão preocupados do povo se contaminar porque não tem leitos, estão sim é querendo desestabilizar o país deixando as pessoas em casa sem ganhar o seu ganha pão para sobrevivência e causando um caos na cidade como até falta de alimentos como vem acontecendo em Araraquara sp .
    Esses são os políticos canalhas que colocam essa política rasteira e covarde, acabando com a vida e o bem estar de milhões de brasileiros.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Conselho Regional de Medicina do DF publica nota contrária ao lockdown

Após o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), decretar lockdown (fechamento) para conter o avanço da covid-19, o Conselho Regional de Medicina (CRM-DF), enviou, nesta segunda-feira 1º, nota contrária às medidas de sanitárias implementadas pelo governo. O conteúdo também está no site oficial da entidade. O Estadão apurou ainda que o conselho enviará o mesmo posicionamento também às assessorias dos deputados federais.

Na nota, o CRM diz que “tal medida já se mostrou ineficaz, condenada até mesmo pela própria Organização Mundial da Saúde (OMS) nas palavras do Dr. David Nabarro: ‘O lockdown não salva vidas e faz os pobres muito mais pobres’”. Como o Estadão mostrou em outubro do ano passado, por meio do projeto Comprova, a frase do enviado da OMS foi retirada de contexto em publicações na internet para sugerir que a entidade condena o lockdown.

Na ocasião, David Nabarro de fato destacou os impactos econômicos e sociais negativos dos lockdowns. Isso não significa, no entanto, que a OMS seja contrária à medida ou que a considere ineficaz. Na mesma entrevista, Nabarro afirmou que os lockdowns são justificados em momentos de crise, para reorganizar os sistemas de saúde e proteger os profissionais que estão na linha de frente do combate à doença. A ideia desta prática é “achatar a curva” de contágio, evitar a superlotação de hospitais e, depois, permitir a reabertura das economias.

O Conselho do DF cita o Amazonas como exemplo negativo da medida. “Estado com maior índice de isolamento social do Brasil, apresentou o maior número de internações e mortes por covid-19, cerca de 30-45 dias após o primeiro lockdown, sendo ainda mais imediato, após o segundo, configurando mais uma evidência do fracasso dessas medidas extremas de restrição”, diz o texto. Especialistas em saúde têm defendido o lockdown como forma de conter o avanço do vírus, em fases mais descontroladas da pandemia.

Para o CRM, ações preventivas eficazes estão relacionadas a campanhas de educação sobre medidas individuais de higiene, uso de máscaras, distanciamento social, vacinação populacional e ostensiva fiscalização por parte do governo, mas “nunca pela decretação de lockdown”.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) desde o início da pandemia considera que o lockdown é uma das formas conhecidas de combate ao coronavírus. Em 1º de abril de 2020, Michael Ryan, diretor-executivo do Programa de Emergências da entidade, afirmou: “Além das medidas de lockdown, precisamos de estratégias abrangentes baseadas em vigilância, em intervenção de saúde pública, detecção de casos, testagem, isolamento, quarentena, e fortalecer nossos sistemas de saúde para absorver o golpe”.

O Distrito Federal é uma das unidades da Federação que, nos últimos dias, elevaram as medidas de restrição para o comércio. O movimento é uma reação ao aumento da ocupação de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) em várias regiões, em um momento em que a vacinação ainda não deslanchou. Dados do Ministério da Saúde mostram que no Distrito Federal 295.615 pessoas já se contaminaram com a covid-19, ou 9,8% da população. Deste total, 4.831 pessoas morreram (1,6% dos contaminados).

Na última quinta-feira, o governador já havia decidido restringir o funcionamento dos estabelecimentos comerciais das 20 horas às 5 horas. Na sexta-feira, porém, com os leitos de UTIs específicos para pacientes de covid-19 com 98% de ocupação, Ibaneis decidiu intensificar as restrições.

Estadão

Opinião dos leitores

  1. Já disse!!
    Se isso desse certo, no país de Gales não tinha um caso.
    E aqui nossos vizinhos argentinos, ficaram entocados dentro fr casa igual a Fátima, e não deu certo.
    Esses incompetentes querem se esquivar da responsabilidade.
    No Brasil todo, só tem um que tem coragemde falar a verdade.
    Adivinha quem é!!!
    O resto é tão somente o resto.
    Frouxos!!!!
    Apertado só as calças.

  2. Simples! Não fazemos o lockdown no DF e caso o número de casos se agrave o Registro de cada médico que apoiou essa pataquada será cassado. O que acham?

  3. Todos os países que fizeram lockdown , tais como Israel, Alemanha, Portugal, Nova Zelândia, Austrália… Todos são países com cientistas e médicos burros ora! Afinal, segundo o que o CRM/DF interpretou da OMS, o lockdown não serve pra nada talkei! Esses países são tão burros e ricos que fizeram lockdown só pra ficarem mais pobres talkei!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Maior cidade da Nova Zelândia entra em lockdown após registro de caso único de Covid

Reportagem AQUI

Auckland, a maior cidade da Nova Zelândia, entrou em um novo lockdown nesse domingo (28). O governo do país tomou a medida após o registro de apenas um caso de Covid-19.

Durante o bloqueio de sete dias, a população só poderá sair para trabalhar e realizar atividades essenciais. O último confinamento no país durou três dias e foi suspenso há duas semanas.

A Nova Zelândia registrava até este domingo 2.372 casos do novo coronavírus e 26 mortes.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Enquanto vocês estão falando merda por aqui, mais uma pessoa morrer de Covid nos hospitais do Brasil afora. Vão negando a pandemia ou tomando Ivermectina até um pai, uma mãe ou um filho seu vir a óbito. Aí depois não vá dizer que não foi alertado. Bando de jegue analfabetos.

  2. Realidades distintas. A Nova Zelândia é pais do 1° Mundo, tem apenas 5 milhões de habitantes e uma renda per capita de US$44.639.00, e 268 mil quilômetros quadrados.
    O Brasil é 3° Mundo, tem 210 milhões de habitantes, renda per capital de US$6.450.00 8.510.255 Km2. Não dá para comparar peculiaridades tão distintas.

    1. Faltou comparar o principal, a qualidade dos governantes e políticos e o nível de escolaridade/educaçāo dos habitantes.

  3. Olha o que é exemplo de lockdown, não esse aqui do Brasilq deixou primeiro o povo se F&%*# pra depois inventar lockdown justificando que estão trabalhando

  4. Pense em um pessoal burro são esse que faz comentários aqui no BG ninguém fez comparação aqui entre nova Zelândia X Brasil não minha gente teve um comentário que falou exemplo a ser seguinte o rapaz que fez o comentário não fez comparação, olhe por isso que o brasil não vai pra frente e esse vírus tão cedo vai embora do brasil. essa não é hora de fazer politica e nem comparar brasil com A OU B essa é hora de união, o povo fica fazendo protesto por causa do decreto , gente ninguém vai morrer de fome não , será que a saúde não é melhor que o dinheiro não? O que o vírus quer que a população fique brigando entre eles mesmo.

  5. Não queira comparar um país de primeiro mundo com o Brasil.
    Lá às pessoas sabem o que é civilidade. Aqui o povo só sabe o que é bagunça, pilantragem, som alto, etc.

  6. Não dá pra comparar, Brasil com Nova Zelândia. A área territorial, a cultura, não existe sindicatos, nem a política como no Brasil. Afinal outra realidade! A história relata uma outra colonização.

  7. País comunista, petista, socialista e lulista … Pq só quem pensa assim faz lockdown talkei! (IRONIA)

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Com UTIs lotadas e Covid-19 fora de controle, Paraná e Santa Catarina decretam lockdown

Foto: Reprodução / Governo PR

Em meio ao momento mais duro da pandemia do novo coronavírus desde seu início, há um ano, dois estados decretaram lockdown nesta sexta-feira: Paraná e Santa Catarina. Os estados da região Sul são dos mais atingidos pela nova variante da doença no país, que nesta quinta-feira bateu o recorde de mortes em apenas um dia, com 1.582. No Paraná, a ocupação dos leitos de UTI é de 94% e, em Santa Catarina, de 90,4%. Em São Paulo, o governador João Doria (PSDB) voltou a endurecer a quarentena em algumas localidades.

A capital paulista voltará à fase laranja, considerada intermediária, em que restaurantes só poderão funcionar até as 20h. Bares funcionarão, primordialmente, no sistema de delivery. O atendiemento ao público só será permitido para os estabelecimentos que vendem refeições.

Especialistas alertaram, nesta quinta-feira, para a possibilidade de um colapso nacional do sistema de saúde, com diversos estados registrando ao mesmo tempo ocupação máxima dos leitos exclusivos para pacientes com Covid-19.

— Essa nova cepa que chegou ao Brasil e se alastrou fez com que a infecção tomasse uma velocidade além da normalidade que estava sendo acompanhada e planejada pela secretaria estadual de Saúde — afirmou o governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD).

No Paraná, serviços e atividades não essenciais serão suspensos a partir deste sábado até o dia 8 de março. No período, haverá também proibição da circulação de pessoas em espaços e vias públicas das 20h às 5h. O governador também anunciou a suspensão das aulas.

Em Santa Catarina, o lockdown ocorrerá neste final de semana e no próximo. Nessas datas, os serviçõs não essenciais também serão fechados.

— O novo quadro que se apresenta é extremamente grave, e, por isso, é fundamental que o governo estadual tome medidas ainda mais duras, pois o que importa é preservar a vida dos catarinenses — afirmou o governador Carlos Moisés (PSL).

Nesta quinta-feira, o país registrou o pior número de mortos em 24 horas de toda a pandemia. Foram 1.582 óbitos registrados em apenas um dia, com recorde também na média móvel de mortes, que ficou em 1.150, o que representa 8% a mais do que há duas semanas. A média de óbitos está acima de mil desde o dia 21 de janeiro.

Já são 251.661 vidas perdidas e 10.393.886 de pessoas infectadas pelo vírus, segundo os dados compilados pelo consórcio formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo, com informações das secretarias estaduais de Saúde.

— Estamos pedindo um período de oito dias. Não é um longo prazo sem poder voltar à normalidade. Estamos em um momento de descontrole da transmissão no estado do Paraná — afirmou Ratinho Junior.

Em entrevista ao GLOBO, o médico e cientista Miguel Nicolelis afirmou que teme um colapso nacional do sistema de saúde:

— Estou vendo chance grande de um colapso nacional. Boa parte das capitais pode colapsar ao mesmo tempo, nunca estivemos (tão) perto disso. Se eliminar o genocídio indígena e a escravidão, (esta) é a maior tragédia do Brasil — disse Nicolelis.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Parabéns ao nosso presidente MINTOmaníaco inepto que deixou de comprar 100 milhões de doses da coronavac a serem entregues até dezembro! Nosso país vai passar mais um ano na míngua pq se acreditou na imunidade de rebanho e em placebos ao mesmo tempo que se desprezou vacinas como a coronavac e pfizer , essa último usada amplamente e com muito sucesso em Israel! Acordem ! Tirem as viseiras! O Brasil vai quebrar não por causa de lockdown mas pq não se apostou em vacinas!

    1. Parabéns a nossa população q fez de tudo pra essa praga se propagar. Todo castigo pro povo é pouco.

    1. rapaz …, não votei nesse presidente mas tem nada a ver isso que vc falou, o cara só fez liberar verbas pra os estados , o STF determinou que a autonomia era dos Estados e municípios, então qual a culpa dele ? vcs fazem política por fazer , sem analizar os fatos , esse presidente fala muita besteira , vai na dele quem quer , ninguém é menino buchudo , com certeza vc deve ser um radical .

    2. É verdade. Bolsonaro também influenciou bastante no aumento do covid nos Estados Unidos, França, Inglaterra, Alemanha…além de eliminar uma quadrilha de Ptistas da Petrobrás, Ibama, Banco do Brasil…
      Homi vai lamber sabão PTista sem futuro…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *