Anac aumenta tarifa de embarque no Aeroporto Internacional Governador Aluízio Alves, na Grande Natal

Foto: Ilustrativa

Portaria publicada nesta quinta-feira (30) no Diário Oficial da União informa que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) determinou aumento nas tarifas cobradas a passageiros e empresas pelos pousos e decolagens no Aeroporto Internacional Governador Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, na Grande Natal. Os novos valores passam a valer em 30 dias. O reajuste anunciado é de 4,1467%.

Como o reauste, por exemplo, a tarifa de embarque, que é a única paga pelo passageiro, terá o teto reajustado de R$ 22,21 para R$ 23,14, no caso de voos domésticos; e de R$ 39,33 para R$ 40,96 nos voos internacionais. Porém, a tarifa de embarque internacional inclui o adicional do FNAC, de US$ 18,00, que atualmente corresponde a R$ 65,80 – com isso, os valores pagos efetivamente vão passar de R$ 105,13 para R$ 106,76.

A tarifa de embarque é a única paga pelo passageiro, como pagamento pela prestação dos serviços, instalações e facilidades disponibilizadas pela concessionária.

Com acréscimo de informações do G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Aço puro! disse:

    Fora que ainda deve ser o primeiro Aeroporto pedagiado que se tem noticia. Entrou, passou dos 15 minutos tem que coçar o bolso.

  2. Antonio Barbosa Santos disse:

    Só espero o dia que essa joça finalmente feche.
    Só pego voos em João Pessoa ou Recife. Pena que quem vive do turismo vai fechar junto já que os turistas vão preferir ir para essas cidades.
    Quem viria para cá pagar mais caro?

  3. Marciano Loureiro da Silva Amorim disse:

    Desse aeroporto só vem notícia ruim, eita lugarzinho desgraçado.
    Longe, de serviço ruim, conservação precária, preços cada vez mais alto…
    O turista reclama, os usuários reclamam, o norteriograndense não gosta…
    Algum político responsável teria a coragem de fazer o bem ao povo do RN e começar o cominho inverso ao imposto quando fecharam o aeroporto de Parnamirim e abriram esse elefante branco precário??

  4. valter disse:

    A localização deste aeroporto é um absurdo. A população do RN não foi consultada, mas para pagar essa conta é a primeira a ser acionada. Como no estádio, esse aeroporto é sub utilizado. Alguém colocou muito dinheiro no bolso, mas cada centavo será cobrado do bando de irresponsáveis.

  5. Lorena Galvão disse:

    A desgraça do RN, mais vão pagar , bando de irresponsáveis, fecha esta merda

Anac suspende operações da Avianca Brasil

Foto: Reprodução

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) suspendeu cautelarmente todas as operações da Avianca Brasil nesta sexta-feira (24).

A medida determina a suspensão de todos os voos até que a empresa comprove capacidade de continuar operando em segurança.

A Anac recomenda que os passageiros com voos comprados entrem em contato com a empresa. A orientação é que os consumidores não se desloquem até os aeroportos até que novas informações sejam divulgadas.

Mesmo com a suspensão, a Avianca continua sendo obrigada a reembolsar ou reacomodar os passageiros.

O R7 entrou em contato com a assessoria de imprensa da Avianca, que afirma que enviará um posicionamento oficial até o final da tarde.

Greve de funcionários

Os pilotos e comissários da Avianca Brasil decidiram retomar a greve a partir desta sexta nos aeroportos de Congonhas (São Paulo) e Santos Dumont (Rio de Janeiro). A paralisação, definida pelos funcionários em assembleia, tem como motivação o não recebimento dos salários e outras verbas trabalhistas.

A Avianca anunciou o pedido de recuperação judicial em 11 de dezembro deste ano. De lá para cá, centenas de voos da companhia foram cancelados, gerando transtornos aos passageiros.

R7

 

Anac: mais de 100 milhões de pessoas viajaram de avião no último ano

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O número de passageiros pagantes transportados por companhias aéreas brasileiras em voos domésticos e internacionais entre julho de 2017 e junho de 2018 ultrapassou a marca de 100 milhões. Os dados, divulgados nesta segunda-feira (30) pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mostram que nesse período foram transportados 100,87 milhões de pessoas.

Desse total, 91.947.666 passageiros foram transportados em voos domésticos, e 8.924.824 viajantes nos voos internacionais. O número de passageiros no período considera todos os embarques realizados, ainda que pelo mesmo passageiro dentro de uma mesma viagem, antes de chegar ao destino final (conexões).

“Somente em junho de 2018, os 7.163.396 passageiros embarcados representaram uma variação positiva de 3,4% em relação ao mesmo mês do ano passado (6.922.225)”, informou a Anac.

A agência reguladora informou ainda que no caso de rotas chegando ao ou saindo do Brasil, o número de passageiros registrado foi de 656.358 representando um crescimento de 9,9% em relação a igual período de 2017.

De acordo com a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), a última vez em que o acumulado de 12 meses havia superado a marca de 100 milhões de viajantes transportados foi em março de 2016.

Agência Brasil

Esclarecimentos ANAC

Estamos acompanhando a repercussão do texto publicado por vocês sobre as novas medidas da ANAC, que vão mudar os direitos e deveres dos passageiros, e gostaríamos de esclarecer um ponto muito importante.

As medidas publicadas por vocês fazem parte da minuta de norma que foi colocada em audiência pública, e vários pontos que estão ali já sofreram alterações.

Matéria em destaque no Blog que levou a resposta da Agência Nacional de Aviação Civil: Anac deve aprovar na semana que vem fim da bagagem grátis em voos

Infelizmente, não temos como adiantar a nova norma antes da aprovação, que será na semana que vem mesmo, mas gostaríamos de pedir que todas as divulgações sobre o assunto ressaltem que trata-se de uma minuta que já passou por alterações.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Observador disse:

    Traduzindo: vai ser paga mesmo e pode até piorar o q está na minita

  2. Falcao disse:

    BG, o link tá errado

Justiça condena União, Anac, Infraero e empresas por caos aéreo de 2006

A Justiça Federal condenou, nesta terça-feira (15), a União, a Anac (Agência Nacional da Aviação Civil), a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) e outras seis empresas de transporte aéreo a pagar uma indenização de R$ 10 milhões pelos danos e transtornos causados a passageiros durante o caos aéreo de 2006, nesta terça-feira (15). Ainda cabe recurso da decisão.

Entre outubro e novembro de 2006, passageiros sofreram com cancelamentos e atrasos de voos, e passaram até 15 horas de espera em aeroportos, muitas vezes sem informação devida ou auxílio como água e alimentação, segundo o Procon, autor da ação.

O valor será destinado a um fundo de reparação dos danos causados à sociedade e coletivamente sofridos.

Para o juiz federal João Batista Gonçalves, titular da 6ª Vara Federal Cível de São Paulo, foi provada a “má organização, administração, gerenciamento, fiscalização e prestação de serviço de transporte aéreo”.

Gonçalves atendeu ao pedido do Procon na ação e reconheceu a prevalência do  CDC (Código de Defesa do Consumidor) sobre o CBA (Código Brasileiro de Aeronáutica).

“Se faz necessária a condenação, objetiva e solidária, de todos os réus, inclusive públicos ante os termos do art. 22 do CDC, pelos danos causados à coletividade, servindo a sua fixação também para desencorajar os réus a reincidir nos fatos indignos à pessoa humana, de todo evitáveis”, disse em sentença.

Além dos órgãos públicos, também foram condenadas as empresas BRA Transportes Aéreos Ltda., Ocean Air Linhas Aéreas, Pantanal Linhas Aéreas S.A., TAM Linhas Aéreas S.A., Total Linhas Aéreas S.A. e VGR Linhas Aéreas S.A.

A assessoria da ANAC informou que ainda não foi notificada formalmente da condenação. A assessoria da TAM informou que a empresa irá se manifestar nos autos do processo.

A assessoria da Infraero disse que o órgão tomou conhecimento da decisão e que vai apresentar recurso dentro do prazo processual.

A reportagem não conseguiu localizar as assessorias da AGU (Advocacia Geral da União), e nem das empresas BRA, Ocean Air, Pantanal, Total e VGR.

Fonte: Uol

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. alexandre medeiros disse:

    Condena-se, mas não cumpre-se a sentença, porque as nossa leis são feitas de tal modo que existem muitas vírgulas, hiatos, parênteses, poréns, devidos, infrigências, considerandos,etc. Portanto no final o resultado é sempre a impunidade.

Anac libera quase 2.000 novos voos para reforçar malha aérea na Copa

Quase 2.000 novos voos serão incluídos na malha aérea brasileira durante a Copa do Mundo para atender a demanda dos torcedores, entre 6 de junho e 20 de julho, ou seja, uma semana antes e uma semana depois do início e término dos jogos.

A malha aérea brasileira precisou ser revista pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) para que as companhias pudessem adaptar suas operações.

Estão sob coordenação especial da agência os 25 aeroportos mais diretamente afetados pelo aumento da demanda de passageiros, em cidades-sede e suas proximidades.

No total, as aéreas solicitaram –e conseguiram– a inclusão de 1.973 novos voos. O que representa um acréscimo de 1% frente ao praticado hoje.

Além disso, elas realizaram 78.027 alterações em trechos já existentes, para adaptação de horários ou de rota. O número indica que cerca de 42% da malha aérea brasileira vai passar por mudanças durante a Copa.

A Anac defende que a inclusão de novos voos é possível uma vez que as companhias tem autonomia para reduzir voos menos procurados, no período, e redirecioná-los para os trechos de maior demanda.

De acordo com o diretor-presidente da Agência, Marcelo Guaranys, o número maior de voos não excede a capacidade dos aeroportos e nem deve prejudicar os torcedores que estiverem viajando nesse período.

“A condição de aprovação é a capacidade do aeroporto, de pista, pátio e terminais. Não há nenhum horário [nos aeroportos] com mais voos que a capacidade do aeroporto. Claro que teremos horários de pico, como no Natal”, disse.

Guaranys reforçou ainda que ‘não há risco de apagão aéreo’ no período e que toda a força de trabalho da agência estará trabalhando.

Ainda segundo ele, há uma expectativa de que esse aumento represente redução de preço para os consumidores.

“Adequados os dias e locais das partidas, com maior oferta, isso irá permitir que os preços finais possam cair para o consumidor final. Esperamos isso”, afirmou.

Segundo ele, apenas 4% dos assentos foram vendidos para esse período até agora.

AJUSTES

As empresas fizeram seus pedidos desde 20 de dezembro e tiveram acesso às respostas de seus pleitos nesta quarta-feira (15).

Agora, elas terão até a próxima semana para informar se ainda será necessário fazer algum ajuste nos voos autorizados pela Anac.

A agência informou que conseguiu atender todos os pedidos das companhias aéreas, ainda que, para isso, tenha tido de alterar em alguns minutos, para frente ou para trás, os horários pretendidos por delas.

Novos pedidos das empresas ainda poderão ser feitos durante os próximos dias. Para serem aceitos, a Anac levará, mas uma vez, em consideração a capacidade dos aeroportos para o dia e horário pretendido.

VENDAS

Os novos voos já poderão ser comercializados a partir desta sexta-feira (17) caso as empresas consigam, nesse tempo, analisar as respostas da Anac e aceitem as propostas de voos que foram oferecidas.

Se alguma empresa aérea quiser ficar definitivamente com uma de suas novas rotas/trecho, a Anac também informou que isso será possível.

“O caso dos aeroportos é diferente de outros transportes, como linhas de ônibus, em que é preciso uma licitação. No nosso caso elas solicitam e nós vemos se há capacidade no aeroporto. Analisamos e enviamos de volta a resposta”, acrescentou Guaranys.

Todas as alterações da Anac levaram em conta a capacidade dos aeroportos com a conclusão de parte das obras de expansão que estão sendo realizadas.

A agência diz ter sido conservadora e considerado para cálculo da capacidade de cada um deles apenas as obras que estão ‘praticamente prontas’.

Folha

Diretor da Anac considera "antecipado" debate sobre passagens aéreas para a Copa

030210vac6320O diretor-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Marcelo Guaranys, considerou “antecipado” o debate sobre os preços das passagens aéreas no período da Copa do Mundo de 2014. Segundo ele, a malha aérea com a definição do número de voos durante a Copa só será definida em janeiro, depois do sorteio das chaves da competição. Só depois disso, ressaltou, será possível monitorar se as companhias vão cobrar valores “abusivos” nos bilhetes.

Segundo reportagens da Folha de S.Paulo, o preço das passagens aéreas compradas agora para os meses de junho e julho de 2014 chegam a custar dez vezes mais do que o valor cobrado normalmente, fora do período da Copa. De acordo com Guaranys, a elevação dos preços ocorre porque está havendo grande procura, mas destaca que novos voos serão disponibilizados.

“Poucos voos estão sendo comercializados hoje para junho e julho, aí funciona o que acontece no dia a dia: quanto mais cedo estou comprando, a companhia vê que há poucos assentos comerciais e eles são vendido mais caros. Mas essa não é a malha aérea da Copa do Mundo ainda”, disse Guaranys.

“As empresas podem livremente pedir os voos, mas elas estão aguardando as informações completas e teremos isso a parir do sorteio [das chaves da Copa] e esperamos ter a nova malha para a Copa aprovada a partir de janeiro. Aí sim, conseguir monitorar os preços que estão sendo praticados”,  acrescentou o diretor-presidente da Anac.

Mesmo com a comercialização de novos voos, Guaranys não descarta elevação no preço das passagens durante a Copa. “Como em todos os momentos de grandes eventos e grande fluxo [de pessoas], é possível que os preços estejam mais altos. Não todos os preços com foi [publicado] na reportagem. Assim, como temos visto que os hotéis já comercializados estão com os preços mais altos, imagino que teremos alguns voos mais caros, mas teremos um grande número de voos que devem vir a público antes da Copa do Mundo”, frisou.

Durante audiência pública na Comissão de Viação na Câmara dos Deputados, Guaranys disse ainda que a Anac tem conseguido desenvolver um planejamento estratégico para os grandes eventos que tem sido bem-sucedido. Ele citou a Copa das Confederações e a Jornada Mundial da Juventude como situações em que a demanda dos aeroportos cresceu significativamente, mas não foram registrados problemas na operação dos terminais. “Não tivemos nenhum problema nos grandes eventos, apesar de os aeroportos estarem muito cheios.”

Agência Brasil

Anac cria projeto para monitorar segurança nos aeroportos

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) criou projeto para monitorar a segurança nos aeroportos internacionais em Brasília,  Curitiba, no Rio de Janeiro (Antonio Carlos Jobim/Galeão), em Manaus, São Paulo (Guarulhos e Congonhas), Campinas, Ribeirão Preto, Porto Alegre, Porto Seguro, no Recife e em Salvador. De acordo com medida publicada no Diário Oficial da União de hoje (31), o monitoramento será feito, por meio de indicadores, pelos operadores dos aeroportos, sendo a participação voluntária. A coleta de dados ocorrerá no período de um ano.

A finalidade dessa coleta é ajudar a Anac na supervisão de segurança dos aeroportos. Devem ser registrados acidentes, incidentes com lesões, condições de infraestrutura, posições incorretas de aviões, pessoas e veículos, entre outras ocorrências. Os operadores dos aeroportos devem enviar os indicadores de segurança à Anac mensalmente, até o décimo dia útil do mês, para o e-mail [email protected]

Agência Brasil

Procedimento de pouso da Trip é de alto risco, diz Anac

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) abriu um processo administrativo contra a Trip Linhas Aéreas para investigar o uso de um procedimento de pouso não autorizado, considerado de “alto risco” pelo órgão. A companhia aérea confirmou que foi notificada sobre a questão na quinta-feira e orientou seus pilotos a não utilizarem mais o procedimento. “A empresa Trip recorrentemente realiza procedimentos de aproximação não aprovados em sua especificação operativa”, disse relatório de fiscalização da Anac de 27 de agosto, obtido pela reportagem.

A Anac recebeu denúncia anônima sobre o uso pela Trip de uma técnica de pouso chamada RNAV Approach. A técnica usa instrumentos de precisão, como GPS, e permite à empresa voar a alturas mais baixas antes de pousar, segundo o professor do curso de Ciências Aeronáuticas da PUC-RS, Ênio Dexheimer. Com isso, a empresa tem condições de pousar mesmo com visibilidade baixa, evitando sobrevoar até que as condições melhorem ou ter de se dirigir a outro aeroporto – o que aumentaria o custo.

O uso da técnica requer a certificação da empresa e do avião, o que a Trip não possui. E, mesmo com o certificado, as companhias só podem pousar em aeroportos onde o procedimento é autorizado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea). “Como resultado do processo, a empresa poderá ser autuada, sujeitando-se à imposição de sanções administrativas”, disse a Anac em comunicado. Se confirmadas as irregularidades, as sanções poderão ir de multas à suspensão dos voos da empresa.

A Trip disse que sua operação é segura. “O procedimento RNAV Approach é uma técnica moderna e muito segura”, disse o presidente da Trip, José Mario Caprioli. Ele admitiu que a empresa vinha utilizando a técnica, mas o procedimento foi suspenso na quarta-feira, após determinação da Anac.

Com informações do Terra

Reunião em Brasília pode definir destino do aeroporto de Mossoró

Os problemas gerados pela interdição do aeroporto de Mossoró serão levados ao Departamento de Aviação Civil, no dia 19 de abril. A informação foi confirmada pelo deputado Leonardo Nogueira, durante a sessão plenária desta quarta-feira (11). O parlamentar participará de uma audiência, representando a Assembleia Legislativa. Segundo ele, a reunião foi solicitada pelo Governo do Estado, prefeitura de Mossoró e sociedade civil organizada que, juntos, formaram um grupo de estudo para buscar alternativas que solucionem a situação de Mossoró.

Segundo Leonardo Nogueira, o grupo deverá levar duas questões para Brasília. Uma delas é a liberação de alvarás que possibilitem construções próximas ao aeroporto. “A área de Construção Civil está prejudicada. Tivemos dados revelados pelos presidentes das entidades do setor que nos preocuparam. Tivemos de janeiro até hoje 600 demissões na Construção Civil. No ano passado, durante o ano todo, foram 508 admissões. Isso prejudica a população de Mossoró e de toda a região Oeste”, argumentou o deputado.

Além disso, o grupo irá levar também o pedido de reforma do aeroporto ou a possibilidade de fazer um Termo de Ajustamento de Conduta para a construção de um novo equipamento. “Existe um documento emitido pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) que inviabiliza o aeroporto. Hoje são feitos pousos de pequeno porte. Mas até pouco tempo não isso podia. Temos a perspectiva de receber aeronaves maiores”, afirmou. O deputado sugeriu que a governadora Rosalba Ciarlini busque se reunir com a bancada governista, na Assembleia, para encontrar soluções também para os aeroportos de Caicó e Pau dos Ferros, que enfrentam situações semelhantes.

Vem ai mais uma tarifa para quem viaja de Avião

Está no Blog de Sonia Racy no Estadão, mais uma tarifinha para os bestas:

Enquanto as autoridades criam entraves para a construção de um terceiro aeroporto, privado, em SP, a Anac estipulou nova cobrança no edital de concessão de Guarulhos, Viracopos e Brasília.

Trata-se da “tarifa de conexão”, de R$ 7 por cabeça.

Será que o passageiro prefere um novo aeroporto que estimule a concorrência ou pagar mais uma tarifa?

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dani disse:

    Apenas para ESCLARECER (este deveria ser o objetivo do Blog):
    – a taxa será paga pela CIA AÉREA e NÃO pelo passageiro.

    Ou seja, este é o ônus apenas da Companhia Aérea, que decide se o voo terá ou não escala.

O Discurso fácil e o caos nos aeroportos do RN

A governadora Rosalba Ciarlini, devidamente acompanhada de um séquito de assessores, seguiu para Brasília a fim de pressionar politicamente a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) a liberar provisoriamente o funcionamento do Aeroporto de Mossoró.

Se lograr êxito, terá sido por força política. E nunca por questão técnica. Há mais de ano que a Anac vem dizendo que há problemas no Aeroporto da segunda maior cidade do Rio Grande do Norte e uma das cidades que mais crescem no Nordeste e no País.

Se houver a liberação, não terá sido porque o Estado resolveu os problemas técnicos e de segurança que rondam o aeroporto, ao redor do qual a Prefeitura de Mossoró permitiu e licenciou obras.

Se houver a liberação e – Deus nos livre –  ocorrer algum acidente grave, de quem será a responsabilidade?

Se as autoridades públicas do Rio Grande do Norte fossem tão eficientes no cumprimento das questões técnicas o quanto são ou procuram ser no discurso, o Rio Grande do Norte, com certeza, estaria muito melhor.

E não somente o Aeroporto de Mossoró como as pistas de pouso de Caicó e Pau dos Ferros estariam regularizados. E em condições de funcionamento.

Mas não. No Rio Grande do Norte costuma-se substituir a prática eficiente pelo discurso brilhante.

Só que, no caso dos aeroportos, discursos não garantem segurança nem conseguem esconder as falhas. No máximo, garante sobrevida à eficiência do Poder Público.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Romeiro disse:

    Ou seja: alguém fará um loob"zinho" e depois "gastaremos" umas merrecas com publicidde dizendo que "conseguimos" resolver o problema do fechamento do aeroporto. Eita RN poderoso!

Aeroporto de Mossoró fechado!!!

No início da noite de ontem, o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta), Recife, encaminhou um documento à administração do aeroporto Dix-sept Rosado informando sobre o seu fechamento. Desde ontem, as atividades no local estão suspensas.

Segundo informações repassadas por um funcionário do aeroporto, o motivo do fechamento é devido ao não cumprimento de adequações no espaço, como cercas de proteção, melhorias na iluminação da pista, entre outras. As melhorias para o aeroporto foram acordadas em maio e até o momento não foram cumpridas até o prazo limite, conforme justificava o documento.
A partir de agora, de acordo com o funcionário que teve acesso ao documento, o Governo do Estado terá até novembro para se manifestar sobre as adequações apontadas pelo Cindacta. Caso não sejam efetivadas essas melhorias, o aeroporto Dix-huit Rosado será destituído.

Com o fechamento, o aeroporto não poderá realizar nenhum tipo de operação. “Aqui tem um avião que pousou na tarde de hoje (ontem) e deveria decolar amanhã (hoje) pela manhã, mas agora ninguém sabe como vai ficar a situação”, declara o funcionário.

A equipe de reportagem do jornal O Mossoroense não conseguiu falar com nenhum dos administradores locais do aeroporto, devido às atividades do prédio estarem encerradas. A equipe entrou em contato com diretor do Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (DER/RN), Demétrio Torres, para saber sobre a questão do fechamento do espaço.
Demétrio Torres informou que as solicitações apontadas pelo Cindacta já foram encaminhadas para as soluções pedidas. No entanto, ele disse que só se pronunciaria mais sobre o assunto hoje, quando estivesse com alguns documentos em mãos.

Informações: O mossoroense

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Karenine Fernandes disse:

    Uma vergonha para Mossoró.
    Espero que as autoridades competentes tomem atitude!

ANAC acha irregularidades na NOAR

Novo Jornal:

AUDITORIA DA ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) encontrou indícios de irregularidades na operação e na manutenção da empresa aérea Noar.

Em nota divulgada ontem a agência informou que entre os problemas estão o descumprimento dos limites de horas mensal e trimestral dos tripulantes, dos procedimentos para as anotações técnicas do diário de bordo e dos registros de manutenção das aeronaves.

A auditoria foi aberta quatro dias após acidente com um avião bimotor LET-410 da Noar, em Recife. A queda ocorreu no dia 13 de julho, matando todas as 16 pessoas a bordo.

Segundo a Anac, a auditoria na companhia aérea faz parte do processo instaurado para verificar se a Noar está de acordo com os regulamentos vigentes.

(mais…)

ANAC suspende NOAR temporariamente de Voar

Folha.com

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) determinou neste domingo a suspensão temporária das operações da companhia aérea Noar, responsável pelo avião bimotor que caiu na manhã de quarta-feira (13) em Recife, matando 16 pessoas.

O pedido de suspensão veio depois que a Anac recebeu informações da TV Globo de que a companhia “estaria adotando práticas que podem ferir tanto o Código Brasileiro Aeronáutico quanto as regras da agência”.

(mais…)

Novo aeroporto de São Gonçalo terá investimento de R$ 375 milhões

Maquete Aeroporto São Gonçalo

Folha.com

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) divulgou nesta quinta-feira edital da licitação da concessão do primeiro aeroporto federal, em São Gonçalo do Amarante (RN). De acordo com estudos do órgão, o vencedor da concorrência que vai construir o novo terminal de passageiros e administrar todo o aeroporto por 25 anos, vai gastar R$ 375 milhões de investimento inicial no terminal.

A previsão é que o terminal de passageiros tenha 39,5 mil metros quadrados e depois seja ampliado para 69 mil metros quadrados próximo ao fim da concessão. A pista e o pátio já estão em obras feitas pelo governo, com custos que já chegaram a R$ 250 milhões.

Outra previsão do edital é que o aeroporto tenha um movimento de 2,9 milhões de passageiros em 2014, terminando em 2038 com 11,4 milhões. Já o número de aviões em 2014 seria de 27 mil saltando para 98 mil em 2038. Outra previsão do estudo é que as receitas em 2013 fossem de R$ 22 milhões/ano, chegando a R$ 48 milhões em 2014 e saltando para R$ 216 milhões em 2038.

Pelo edital, vence quem oferecer o maior preço pela outorga, cujo valor mínimo é de R$ 51,7 milhões por todo o período da concessão. A previsão é que as propostas sejam entregues em 12 de julho, na Bovespa. A abertura das propostas acontecerá uma semana depois. O contrato deverá ser assinado no fim de outubro, pela previsão da ANAC.

O vencedor tem prazo de três anos para fazer o aeroporto, o que significa que ele pode ser entregue até setembro de 2014 se o contrato for assinado em outubro de 2011, portanto fora do prazo para uso na Copa do Mundo, da qual Natal é uma das sedes. A ANAC acredita que o concessionário fará a obra em dois anos.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ronaldo jr disse:

    Agora, eh so esperar membros do ministerio publico e jornalistas xiitas comentarem: absurdo! Nao tem verba para saude e educacao, mas tem para aeroporto!