Erros de português: ministro da Educação Weintraub escreve ‘suspenção’ e ‘paralização’ ao pedir recursos a Paulo Guedes

Na foto, o ministro da Educação, Abraham Weintraub Foto: Jorge William / Agência O Globo

O ministro da Educação, Abraham Weintraub , enviou um documento com erros de português ao ministro da Economia, Paulo Guedes , pedindo mais recursos para sua pasta. No texto, Weintraub explica que as verbas previstas para a Educação em 2020 são insuficientes e alerta para o risco de “paralização”. O ministro também cita “suspenção” de pagamentos. A grafia correta das palavras é paralisação e suspensão.

Weintraub afirma no documento, de oito páginas, que o orçamento previsto, de R$ 16,2 bilhões, é menor do que o necessário para a manutenção das atividades da pasta, e pede um acréscimo de R$ 9,8 bilhões. O ministro explica que, sem esse aumento, “38% das despesas discricionárias essenciais às políticas educacionais do país ficariam sem cobertura orçamentária no próximo exercício.”

No ofício, o ministério detalha quais atividades podem ser paralisadas, caso não haja aumento de verbas previstas. Entre elas estão obras da Educação Básica, Programas de Bolsa-Permanência e Bolsa Prouni, Custeio das Universidades e Institutos e Concessão de Bolsas de Estudos no Ensino Superior.

O Programa Nacional das Escolas de Gestão Cívico-Militar, uma bandeira do governo Bolsonaro, também estaria em risco com o atual orçamento previsto, de acordo com o ministro da Educação.

A informação foi divulgada inicialmente pelo “Estadão” e a reportagem obteve depois o documento. Procurado, o ministério da Educação não respondeu até a publicação desta matéria.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. clara disse:

    Tem um método muito bom p alfabetizar adultos, reconhecido no mundo inteiro, que talvez pudesse ajudar o ministro. N sei se eu diga…. Começa com Paulo e termina c Freire

  2. N.A.M.M disse:

    Esse erro e besteira, pior é roubar o pais. Esse erro tem que ser corrigido na cadeia.

  3. Antônio Sabino disse:

    Até pouco tempo tínhamos uma presidanta que nunca falava nada com coisa nenhuma e tudo era normal, tudo era lindo, tudo estava certo! Era assim ou não? Foi estoque de vento, ida que quem não foi, volta que quem iria, morte de quem estava vivo, vivo que havia morrido, nada era tudo, em cima estava em baixo, mas ela era da esquerda, então estava tudo ar$r$r$ticulado e acertado!
    Aí vem o ministro da educação e era duas palavras, pronto o mundo acabou, o Brasil faliu, o país foi dominado por corruptos, a indústria parou de produzir, o desemprego aumentou, a insegurança cresceu, o mundo ruiu…. Quando bate o desespero e falta a distribuição dos recursos públicos, assistimos a esse tipo de hipocrisia, patetice, idiotização

    • ? disse:

      Não era assim. Todo mundo ria, e ria muito das presepadas que dilmanta falava. Era uma verdadeira chacota nacional.
      Mas parece que esse governo leu a mesma cartilha.

    • clara disse:

      Amnésia ou desonestidade?

  4. Fábio disse:

    Talvez ele apenas assine os documentos.

  5. Neto Felipe disse:

    Acunha !!!

  6. fernando disse:

    Romulo. Tá serto mermo

  7. Aparecida disse:

    Qualquer outro ministro se poderia até dar um desconto.. mas o da EDUCAÇÃO???????

  8. Rômulo© disse:

    Tá serto!

Instituto Federal do Paraná cancela evento com Boulos, palestra acontece na rua, e ministro da educação celebra:” o Brasil está mudando”

Debate com Guilherme Boulos foi realocado para a frente do Instituto Federal do Paraná, em Curitiba Foto: Reprodução Facebook

O Instituto Federal do Paraná ( IFPR ) cancelou na véspera o evento “Educação e Democracia”, organizado pelo movimento estudantil, que aconteceria nesta sexta-feira, 9, no Campus Curitiba , com a presença de Guilherme Boulos , que foi candidato à Presidência da República pelo PSOL em 2018. O encontro foi realocado pelos estudantes e aconteceu na rua, na frente do instituto, a partir das 10h.

O instituto, que conta com 19.818 alunos presenciais e 13.449 matriculados em cursos à distância, está em processo de eleição para os cargos de reitoria e direção-geral, e alegou, em nota divulgada em seu site, que o evento foi desmarcado por “medida preventiva”.

Na nota, o IFPR afirma que a palestra, “que contribui para o necessário debate público sobre educação”, poderia ser realizado em nova data ou local e também que “considerando que o Instituto Federal do Paraná está em processo de consulta eleitoral para os cargos de reitor e diretor-geral de campus , e o regulamento vigente veda, sob qualquer pretexto, a vinculação com partidos políticos, considerou-se, por medida preventiva , a não realização do evento no auditório do Campus”

Pelo Twitter, o ministro da Educação , Abraham Weintraub , comemorou nesta manhã o cancelamento do evento: “O Brasil está mudando! Essa tigrada precisa saber que os brasileiros acordaram!”, escreveu o ministro no tuíte. Procurado pela reportagem, o MEC ainda não se pronunciou.

O ministro da educação, Abram Weintraub, celebrou em seu Twitter a decisão do Instituto Federal do Paraná de cancelar o evento “Democracia e Educação” com Guilherme Boulos, que aconteceria no Campus Curitiba nesta sexta-feira Foto: Reprodução Twitter

Guilherme Boulos, no entanto, se posicionou através de suas redes sociais, na quinta-feira à noite, classificando a medida como arbitrária e uma tentativa de se calar a oposição ao governo federal. Ele frisou que foi a Curitiba para tratar de temas relacionados à Educação e não tratar da corrida eleitoral no IFPR.

— Um encontro marcado a convite dos estudantes, para debater a situação do país, debater educação (…) Educação é um espaço da diversidade, que não pode ter pensamento único — disse em um vídeo.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. carlos mendonça disse:

    mas no IFRN foi dentro do campus CENTRAL. Viva o RN dominado pelo PT. Aliás, aquela venda de canecas LULA LIVRE dentro do natal CENTRAL (IFRN) deu em algo? Reitor foi trocado? MP mais inútil do que aqui no RN não tem no resto do brasil!

  2. CURITIBA JA disse:

    QUEM PORRA E ESSE TAL DE BOULOS???? FAZ O QUE??? TRABALHA ONDE???

  3. Véio de Rui disse:

    Nós chegaremos lá, basta saber esperar

  4. Cigano Lulu disse:

    Ninguém duvide: se fosse em Natal Boulos teria sido agraciado com título de doutor honoris causa pelo IFRN.
    Não é de hoje que tudo que não presta aqui tem valor.

  5. joaozinho disse:

    Talvez seja melhor loucos do que ladroes.

  6. Cidadão Indignado disse:

    Esse governo está cheio de loucos! Um verdadeiro hospício…

  7. Ustra disse:

    Boa tarde, BG. Meus comentários não estão sendo postado. muito estranho.

VÍDEO: Ministro da Educação faz dancinha com guarda-chuva para desmascarar mais uma fake news

Foto: Reprodução

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, fez uma dancinha com um guarda-chuva ao som da trilha do clássico “Cantando na Chuva” para rebater uma notícia classificada por ele como “fake news”, de que o MEC teria reduzido os recursos para as obras de recuperação do Museu Nacional.

Segundo o ministro, há uma chuva de “fake news” no MEC.

O vídeo foi postado no Twitter do ministro.

Após entrar com um guarda-chuva, ele fala de emendas parlamentares e usa “haviam”, quando a concordância correta é “havia”.

— Está chovendo fake news. Novamente um veículo de comunicação das pessoas que estão de mal com a vida tenta macular a imagem do MEC.
Essa última fake news fresquinho para você, alega que a paralisação da recuperação do Museu Nacional, aquele que o reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro não conseguiu explicar, essas obras estariam sendo paralisadas pelo MEC. Fake News. O que acontece? Haviam emendas parlamentares de 55 milhões para recuperar o museu. A bancada do Rio de Janeiro, é uma emenda parlamentar, da bancada, resolver reduzir em 12 milhões, sobrando 43 milhões para as obras, nada a ver com o MEC. Mas mesmo que elas não tivessem reduzido e o dinheiro estivesse prontamente disponível para ser gasto, o projeto não está protocolado então não daria para dar. Fake News. Mais uma mentira! Para de chover aqui no MEC.

Veja abaixo o vídeo:

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Joaquim disse:

    Que situação?

Ministro da educação responde internauta no RN em rede social e se interessa por mais informações sobre o caso Funpec

 Reprodução: Twitter

Por rede social, potiguar perguntou nessa quarta-feira(29) ao ministro da educação Abraham Weintraub sobre o caso da Funpec em Natal. Para a sua surpresa, foi respondida, inclusive, sob interesse e tomada de conhecimento.

Veja mais: Funpec é investigada por contrato de R$ 50 milhões com agência de propaganda

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Oliveira disse:

    Pode até ser legal, mas é ao meu ver Imoral

  2. Sergiomacaiba disse:

    Os mortadelas não tem limites

  3. Irany Gomes disse:

    Isso a Globo não mostra!

  4. Luciana Morais Gama disse:

    Parabéns Cecília, vc tá prestando um grande serviço ao nosso Brasil. Temos que denunciar isso.👏🏻👏🏻

  5. Lourdes Siqueira disse:

    50.000.000,00 justifica o desespero na rua….apenas o fio da meada. A aflição que venha aí uma Lava-Federais…..

  6. O Matemático disse:

    Eu fico só encafifando os benefícios q estes 50 milhões trariam se tivessem sido aplicados nas residências universitárias do Estado. OU RN VÉI SEM SORTE!! E O MPRN NÃO VAI FAZER NADA? EXISTEM INSTITUIÇÕES ESTADUAIS QUE ABASTECERAM ESTE COFRE ABENÇOADO (PARA POUCOS, DIGO, POUQUÍSSIMOS).

    • Francisca disse:

      Esperamos que o MP investigue com rigor essas denuncias e tudo que se refere ao financeiro. É não blindar, alguns acham que a Ufrn é o país das maravilhas.

  7. Ivan disse:

    Parabéns pra Sra. Cecília…espero que o ministro coloque esse caso "debaixo do braço" e vá ao PGR pedir uma Lava-Jato das universidades federais…Iremos recuperar dinheiro roubado "com força"!!!!

  8. Indignado disse:

    O que me deixa preocupado e o silencio ensurdecedor ou o pouco espaco na imprensa do estado. Em particular, os jornais em canais de TVs locais. Coisas bem menores ja sairam no jornal nacional. ALÔ L, ALÔ, INTERTV!! E A UFRN, HEIN?

    • Francisca disse:

      O problema é que existe uma interligação entre essas pessoas que estão no poderes uns protegem os outros conforme os interesses.

  9. Osmar Souza disse:

    É um canal interessante estabelecido pelo Ministro. Não é o caso de perseguição, mas de desperdício de dinheiro público. As pessoas tratam de R$ 50 milhões como se fosse mixaria. A FUNPEC precisa ser investigada a respeito de tal despesas.

  10. Allan Pestana disse:

    Por que esse ódio tão grande contra a FUNPEC e contra a UFRN? que será isso? estranho demais

    • DeSacoCheio disse:

      Não é ódio contra a FUNPEC ou UFRN é ódio contra a pilantragem que está enraizada em vários órgãos do governo. Entenda, o filme "Tropa de Elite", um sucesso de bilheteria, custou 17 milhões, como a FUNPEC gasta 50 milhões em publicidade? É algo totalmente desproporcional e tem que ser investigado sim. Você já viu alguma publicidade da FUNPEC? Eu NUNCA vi. Que seja feita uma revisão em todos os órgãos do governo nos contratos realizados nos últimos anos, TODOS.

    • Mário Herculano disse:

      Não entendi sua distorção?
      Quer dizer que DENUNCIAR SITUAÇÃO ESTRANHA E ANORMAL DO USO DOS RECURSOS PÚBLICOS agora é igual a ter "ódio"?
      Você não sabe o significado e a aplicação correta dessa palavra suja? Vou explicar: Veja os comentários dos opositores de Bolsonaro postados sobre a morte do cantor Gabriel Diniz. Talvez assim você comece a entender a enorme diferença entre ódio e denúncia.

    • Ricardo disse:

      Dinheiro do pagador de impostos envolvido.

    • Francisca disse:

      Pestana abra o olho! as coisas não são tão simples assim, a politica está ligada a corrupção a desvio de recursos, etc é não odio.

  11. Anti-Comunista disse:

    A UFRN É COMUNISTA.

    • Anti-Robô disse:

      Comentário extremamente lúcido e válido, agregou em demasia a discussão, confesso que me sinto um iletrado perante tanta demonstração de intelecto.

    • JBBatista. disse:

      Só uma dúvida amigo? o que é o comunismo? confesso que tenho a maior vontade de saber.

    • Severino Carnegie-Rockfeller. disse:

      Comunismo é como uma carroça em que o carroceiro projeta uma cenoura para o burro viver tentando alcançá-la. O carroceiro é a alta nomenklatura. Advinha que é o burro?

    • Thalles disse:

      Liberalismo é como uma carroça em que o carroceiro projeta uma cenoura para o asno viver tentando alcançá-la. O carroceiro é o patrão. Adivinha quem é o asno?

    • Raimundo disse:

      A América Latina é a única região do mundo onde ainda existe gente que defende o comunismo/bolivarianismo/socialismo ou seja lá que nome queiram dar.
      Nos países onde as pessoas vivem bem, não há comunismo.
      Nos países onde há comunismo, as pessoas vivem mal.
      Também não dou valor a liberalismo extremado.
      Algumas pessoas criticando o capitalismo. Mas defendem o quê? A volta do feudalismo?
      Problemas nós temos.
      A solução não é o estado islâmico nem o comunismo.
      Os países onde as pessoas vivem bem são capitalistas.
      O pessoal da esquerda fala em direitos dos trabalhadores. Mas o salário de um médico em Cuba é 200 reais. É proibido fazer greve lá.
      Na Venezuela, os funcionários da PDVSA entraram em greve, Hugo Chávez demitiu 30% deles.
      Na oposição, sempre prometem o paraíso na terra.
      Quando assumem o poder total e o povo não é mais necessário, toda essa história de direitos trabalhistas, aposentadoria, emprego, bons salários somem.
      Acho engraçado quando vejo propaganda política de partidos radicais de esquerda mostrando a população pegando ônibus, falam da precariedade, como se nos países onde governam as pessoas vivessem bem.

VÍDEO: Ministro da Educação desmascara sucessão de “fake news”, diz que MEC não cobrará mensalidade em universidades federais e afirma que terá ‘ótima notícia’ sobre contingenciamento

Foto: Reprodução/ Twitter

Em um vídeo publicado nesta segunda-feira no Twitter, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou, entre outras coisas, que não serão cobradas mensalidades em universidades federais. Ainda na gravação, ele diz que terá uma “ótima notícia” sobre contingenciamento na pasta, mas que só revelará o que é “em uma outra mensagem”.

No Vídeo, cujo título é “Vamos falar sobre #FakeNews? Fique por dentro da verdade!”, Weintraub diz que falará sobre “as notícias mentirosas que estão sendo divulgadas para toda a população gerando desconforto, preocupação e até um certo pânico”.

Entre elas, segundo o ministro, está a de que “o Enem está sob risco”, o que assegura ser mentira. “O Enem está garantido”, diz. Ainda sobre o exame, Weintraub afirma que “os melhores colocados serão contemplados de uma forma sem nenhuma ideologia na avaliação das provas” e pede que os candidatos continuem estudando.

Outra fake news trazida pelo ministro trata da cobrança de mensalidade dos alunos de graduação das universidades federais. De acordo com Weintraub, iisso não acontecerá e explica que a notícia falsa se deu, segundo ele, após o governador da Bahia, Rui Costa (PT), “de um partido da oposição”, propor a medida em uma instituição estadual.

Weintraub destacou também que o Ministério da Educação não contingenciou verbas dos hospitais universitários. E que, “em breve, teremos uma ótima notícia referente ao contingenciamento”.

— E aí vai ficar muito claro quem está mentindo e quem está falando a verdade. E qual é a diferença entre cortar e contingenciar. Mas isso eu deixo em uma próxima mensagem para vocês — finalizou.

O Globo
OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sinope disse:

    Depois da resposta das ruas em relação ao "Corte/Contingenciamento" o ministro tem duas escolhas: Ser abraçado por uma notícia ruim junto com o governo ou entregar uma notícia boa para os estudantes de UFs e IFs. Pelo jeito o ministro foi pressionado a ser "correio da boa notícia" optando pela segunda porta. A força das ruas é mata-leão no poder.

Ministro da Educação estuda dar bolsa para quem tiver nota alta no Enem e quiser ser professor

Ministro da Educação Abraham Weintraub planeja premiar os bons alunos no Enem que quiserem ser professores. Foto: André Borges/MEC

Quase uma semana após as grandes manifestações que marcaram o País na quarta-feira passada (15) – em que estudantes e professores cobraram do ministro da Educação, Abraham Weintraub, uma mudança na sua gestão da pasta – o homem escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para cuidar da educação do País tem uma nova proposta.

De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo , o ministro da Educação estuda criar uma bolsa de estudos para jovens que quiserem seguir a carreira de professor no ensino básico. A ideia seria a de premiar alunos com altas notas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que queiram cursar Pedagogia.

A proposta de Weintraub , já é realidade em países como Chile e Cingapura. Esses dois países, inclusive, têm programas semelhantes e com bons resultados. O ministro tem se reunido com fundações que apoiam a educação e a proposta teria surgido nessas conversas.

Hoje, 70% dos alunos que escolhem Pedagogia no Enem têm notas abaixo da média. A intenção de programas como esse é a de estimular que os melhores alunos do ensino médio queiram ser professores. Afinal, a bolsa seria dada ao aluno durante a graduação.

O grande problema para essa questão é que o projeto está vinculado ao fim do contingenciamento de recursos, que reduziu as verbas do Ministério da Educação . Assim, ainda não há previsão de qual o valor que seria pago a esses aluno e nem de quando a ideia poderá ser colocada em prática.

IG, com Estadão

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bento disse:

    Era bom que o Brasil todo visse o que acontece nos bastidores da Universidade em Brasilia para poder opinar. É com isto que gastamos nossos dinheiros com pagamento de impostos para mandar para as Universidades e ver um comportamento como este que foi visto ali.
    Vergonhoso e lamentável.

  2. Nilvan Rodrigues da Silva disse:

    Eu tô ligado.
    Depois de dar uma paulada no setor de educação, cortando recursos da educação, condicionando retornar, caso a Reforma da Previdência seja aprovada, vem com essa de dar uma Bolsa pro aluno de nota alta.
    Há Arnado, isso pode?

    • Marcos disse:

      Verdade, corta na educação e depois quer mostrar que apoia a docência.

    • Júnior disse:

      Não faça contingenciamento de seus gastos e sua casa não, e depois me fala oq acontece. Ahh faz o Lula livre! Esse resolve até freio pra gato.

    • Verdade disse:

      Faça contingênciamento na educação dos seus filhos, tirando eles de escola particular e colocando em escola publica para ver o futuro deles… Ahhhh… Depois faz arminha com a mão!! Para ver se resolve.

    • Ceará-Mundão disse:

      Quanta falta de memória e de bom senso. Expectativas de receitas frustadas, constantes no orçamento elaborado no ano passdo, obrigam o atual governo a contingenciar despesas. Como TODOS os governos anteriores fizeram. Por que os esquerdopatas não agem com decência, aceitando a realidade? Porque esse povo não sabe o que significa esse termo "decência". Simples.

FOTO: Em audiência com ministro da Educação, deputados da oposição carregam cartazes contra Bolsonaro e fazem ‘L’ de Lula

Durante a audiência com o ministro da Educação na tarde desta quarta-feira(15), deputados da oposição posam para fotos e vídeos nas redes sociais. Carregam cartazes contra Jair Bolsonaro e fazem ‘L’ de Lula com as mãos.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Avante Brasil disse:

    Só tem retardado

  2. Meu RN disse:

    Quando é que esse pessoal vai entender que o ladrão mor tá preso e vai continuar preso.

  3. Waldemir disse:

    Pobre Brasil

  4. Acorda Brasil disse:

    Ahhh… saudade da época do mensalão, aquilo sim era saber "governar".

  5. Getúlio disse:

    Mesmo que Bolsonaro caia, esses petralhas jamais irão ter um governo pra roubar. O povo quer eles longe

  6. Fagner de Orós disse:

    Nada mais coerente, a bancada da ladroagem faz "L" de ladrão com as mãos sujas.

Governadora entrega PEC do novo Fundeb ao ministro da Educação

ASSECOM/RN

Acompanhada dos governadores do Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Amapá, a governadora Fátima Bezerra entregou na noite desta quarta-feira (08), ao ministro da Educação Abraham Weintraub, a proposta de emenda constitucional (PEC) que cria o novo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

O ministro disse que vai acatar a sugestão feita pelos governadores e se comprometeu em criar um grupo de trabalho para fazer o debate acerca do novo Fundeb, com a participação de entidades como o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

“É preciso dialogar com a sociedade civil, com a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e com movimentos educacionais importantes como a Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Todos Pela Educação, bem como com o Congresso Nacional, com a Frente Parlamentar em Defesa da Educação, pois será o Congresso que vai aprovar a PEC que trará o novo FUNDEB, permanente, perene e com mais participação financeira da União no financiamento da educação básica”, disse Fátima.

A proposta estabelece que no primeiro ano de vigência, a participação financeira da União aumentará de 10% para 20%, e no prazo de dez anos seguintes aumenta progressivamente 2% ao ano, até chegar a 40%”, explica a governadora, autora da proposta.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. #Lula Na Cadeia sempre disse:

    A MUIE DO GOPI, anistiou as motos , deu o aumento para o judiciário, estafo rico

  2. Anti-Comunista disse:

    VOCÊS PETISTAS, COMUNISTAS, MARXISTAS TEM 4 ANOS PRA MAMAR NAS TETAS DO GOVERNO DO PT. APROVEITEM AS TETAS CHEIAS DE LEITE DO GOVERNO DURENTE 4 ANOS.

Ministro classifica como ‘tragédia’ expansão do Ensino Superior nos governos passados, e diz que Educação infantil e básica não foram priorizadas

Foto: Pedro França / Agência Senado

Na avaliação de Weintraub, os governos passados expandiram o Ensino Superior sem antes priorizar as etapas da educação infantil e básica.

— A gente aqui no Brasil quis pular etapas e colocou muitos recursos no telhado antes de ter a base da casa — disse.

O ministro criticou várias vezes o modelo de funcionamento das universidades brasileiras. Disse que defende a autonomia universitária, para em seguida afirmar que autonomia não significa soberania.

— Não podemos permitir que tenha consumo de drogas nos campi. Por que a polícia não pode entrar no campus de uma escola? É um país autônomo? Tem violência acontecendo lá dentro, não pode entrar. Tem que bater palma e ficar olhando?

Weintraub afirmou que os governos passados colocaram dinheiro nas instituições privadas e inflaram os cursos de graduação, mas endividaram os alunos que hoje não conseguem emprego.

— É uma tragédia o financiamento estudantil. São 500 mil jovens começando a vida com o nome sujo — disse, em referência aos jovens inadimplentes no Fies .

O ministro ainda apresentou números para mostrar que a produção científica do país, na avaliação dele, “tem pouca relevância”. Os números do ministro não tratam da produção científica, mas das citações dos estudos brasileiros no exterior. Segundo o ministro, apenas 13% da produção da área de ciências humanas e sociais recebem algum tipo de citação.

Weintraub começou sua apresentação às 11h30 e terminou às 12h10. Depois foi sabatinado pelos senadores.

“Sem preconceito, de coração aberto”

Por duas vezes, o ministro pediu aos senadores que o escutassem sem preconceitos.

— Peço que livrem um pouco do preconceito . Às vezes a gente está viciado no olhar antigo para enxergar a educação. Quero discutir aqui, de peito aberto, mas baseado em números.

O ministro comparece à CE na condição de convidado. Em menos de um mês de gestão, ele já fez declarações e adotou medidas consideradas polêmicas . A mais recente é o corte de 30% do orçamento de todas as universidades federais. Inicialmente, Abraham Weintraub chegou a afirmar que o bloqueio atingiria apenas instituições que promovem “balbúrdia”.

Na plateia da Comissão de Educação, representantes da União Nacional dos Estudantes (UNE), protestam contra o ministro exibindo cartazes com frases como ‘Estudante na rua, governo é culpa sua’ e ‘balbúrdia é cortar 30% da educação’.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rogério Rocha disse:

    Tragédia é ouvir o ministro da educação dizer isso.

  2. Cao disse:

    Mais um louco.

  3. Bento disse:

    Quem se formou nos governos do PT são praticamente analfas, quanta interpretação equivocada: dizem que o certo é errado e o errado é certo, esses vermelhos deram um nó na cabecinha desses coitados. Mandar o Presidente por Decreto anular esse tempo e voltar prá sala de aula com esses
    estudantes formados por Lu e Dil, essa mistura não foi nada boa.olha no que deu.

    • Keyla disse:

      Vamos fazer o seguinte, pega o melhor aluno concluinte de qualquer curso de uma universidade privada de Natal e o mediano lá da UFRN do mesmo curso, aplique uma mesma prova aos dois e se surpreenda com o resultado. Não adianta espernear, para lucrar, as privadas procuram o professor ao melhor custo e não o melhor preparo. E nem vamos entrar no mérito das reprovações, não é mesmo? Se reprovar, para de pagar…

    • Professor disse:

      Keyla,
      Fui aluno da UFRN quanto de uma particular. O que você disse é verdade. O aluno da UFRN, por ralar mais, tende a obter melhores resultados. O problema é que os alunos da UFRN, em sua grande maioria, são oriundos da rede de ensino privada. A conclusão que podemos tirar disto é que, ao melhorar o ensino superior, você não prioriza os alunos oriundos do sistema público ou seja, o pobre que precisa fazer um curso superior em uma faculdade federal, não vai passar por que não teve um ensino de qualidade na rede pública.

  4. Véio de Rui disse:

    Simplesmente porque o universitário vota e a creche e fundamental não votam, explicado

    • Esclarecendo disse:

      No Brasil, os municípios são responsáveis por fornecer a educação de base, ou seja: creches (até 3 anos), pré-escolas (educação infantil; 4 e 5 anos) e o ensino fundamental (7 a 14 anos). Ensino médio por conta do Estado. Talvez por isso que o governo federal investiu mais nas universidades.

  5. eliete disse:

    Ele quer um país de bolsominions.

  6. Keyla disse:

    E sob o argumento que é necessário melhorar a base, o que ele faz? Corta também o orçamento da educação de base! Mas os 40 milhões por deputado para a reforma da previdência certamente estão assegurados. #mito

  7. Eduado Costa disse:

    Tragédia é esse governo!!!

    • #Lula Na Cadeia disse:

      Ótimo foram os 13 anos de formação de analfabetos com diplomas …..o pobre te curso superior, Mac não consegue passar na OAB🙈

  8. Cláudio Henrique disse:

    Peraí, peraí peraí quanto exagero…
    Só porque o Brasil é o 95 pior país em ensino entre 100 nações já estão classificando nosso ensino como ruim?
    Isso é falácia dos fascista da direita, os sindicatos dos professores são 100% dominados pela esquerda e fazem um papel primoroso nesse sentido, vejam o resultado com essa maravilhosa classificação do no ensino.
    Estão reclamando do quê?
    Somos hoje o reflexo dos governos maravilhosos existentes entre 2003 a 2018.
    Não temos educação pública, não temos saúde pública, acabou a segurança pública, mas tivemos corrupção, populismo e financiamento de ditadores. Estão reclamando do quê?

    • jota disse:

      Parabens Henrique…
      Tenho duas graduações e confesso que foram suadas. Fiz vestibulares muito concorridos e seletivos. Nos últimos governos a situação foi invertida. As Universidades estão superlotadas de incompetentes. Terminam os cursos de graduação e não têm condição de enfrentar o mercado de trabalho dentro das suas especialidades. Costumamos vê-los ganhando salário mínimo como atendente de supermercado.
      Nada contra, porém, foi jogado dinheiro público no lixo (os impostos que pagamos).
      O atual governo quer inverter, ou seja, investir nas bases.

    • clara disse:

      Fonte: arial 10

“Uma pessoa que sabe ler e escrever e tem acesso à internet não vota no PT”, diz ministro da Educação

Abraham Weintraub disse para o Estadão:

“Não sou caçador de comunistas. Não gosto do comunismo, mas aceito o comunista. Quero a redenção dele.”

Ele deu um exemplo:

“Meu avô foi para campo de concentração. E como ele escapou? Tinha um sargento da SS que protegia ele dentro do campo e o salvou. O cara falou: isso aqui é loucura. Meu avô foi parar no campo com 14 anos.”

Para derrotar o petismo, ele recomenda gramática e matemática:

“Uma pessoa que sabe ler e escrever e tem acesso à internet não vota no PT. A matemática é inimiga do obscurantismo. Eu não sou contra o petista. Tenho amigos que são petistas. Pessoas boas que não conseguem se livrar. Eu converso com as pessoas. Não é que eu tenho: ‘ah, demônio!’ Agora, sou contra o obscurantismo.”

Sobre o Escola Sem Partido, ele respondeu:

“Não tenho opinião formada. Sou contra qualquer discussão política até o ensino secundário.”

O Antagonista, com Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    Gostei desse ministro. Essa entrevista dele foi show. Li toda. Agora vai.

  2. João Pedro disse:

    #VoltaVélez
    Um verdadeiro homem-massa no poder! Devoto de Mamon.

  3. Ribeiro disse:

    Mais um maluquete no governo.

  4. Robério Mauricio da Silva disse:

    Me causa mais estranheza é esse blog, que se auto-proclama como imparcial, reproduzir, de 70 a 80%, matérias do ¨Anta¨ gonista que é reconhecidamente servidor dos ricos da direita. com relação ao ministro é mais um entre os outros.

    • Ceará-Mundão disse:

      Todos nós temos que tomar partido. O da decência, do esforço, do mérito, da honestidade, do caráter, nada que tenha algo a ver com o PT, com a esquerdalha em geral.

    • Matheus disse:

      Ceará mundinho, seus argumentos são inúteis, típico de gente que precisa ler e se informar mais.

  5. Almir Dionisio disse:

    Com este pensamento podemos esperar o que de um ministro da Educação ? Sem mais comentários.

    • Luladrão Encantador de Asnos disse:

      Educação. Basta de mentiras, corrupção e doutrinação ideológica de esquerda.

CORRETIVO PARA UM LADO, RECONCILIAÇÃO COM OUTRO: Bolsonaro revela puxão de orelha em ministro da Educação, e se aproxima da imprensa com café da manhã no Planalto

Foto: Arquivo

Entre as declarações dadas nesta quinta-feira(28) em café da manhã com um grupo de 13 jornalistas no Palácio do Planalto, em que o UOL esteve presente, o presidente Jair Bolsonaro falou da polêmica do hino nacional, revelou puxão de orelha em ministro da Educação, e explicou o caminho que deveria ter sido adotado para o caso.

HINO NACIONAL X INTERNACIONAL SOCIALISTA

O presidente também disse que chamou o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, para uma conversa após ele pedir às escolas que mandassem vídeos de alunos cantando o Hino Nacional e repetindo o slogan da campanha presidencial.

“Eu disse a ele [Vélez Rodríguez]: peça desculpas e desfaça”

Bolsonaro defendeu, porém, a importância de que alunos cantem o hino nas escolas e disse que isso é praticado em muitas nações. Afirmou que o processo deve ocorrer sem doutrinação e fiscalização.

Veja também – Bolsonaro diz que agora filtra Carlos: “nenhum filho meu manda no governo”

Ele disse que Vélez poderia ter sugerido, por exemplo, que as escolas estimulassem mais a participação dos pais dos alunos no ambiente escolar.

Bolsonaro disse também que o ministro da Educação está investigando denúncia de que escolas ligadas ao MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra) estariam impondo a crianças cantar um hino da entidade e também a Internacional Socialista, mas não deu mais detalhes sobre o caso.

APROXIMAÇÃO COM A IMPRENSA

O café da manhã com jornalistas de 13 veículos foi um gesto de aproximação com a imprensa solicitado por Bolsonaro, segundo seus assessores. Durante a conversa, o presidente ressaltou a importância da imprensa para o processo democrático.

Também disse que já deu “caneladas” e que a imprensa já cometeu erros, mas afirmou que tudo faz parte de um processo de amadurecimento necessário para o bem do país. Durante a campanha, Bolsonaro acusou veículos de imprensa de publicarem fake news.

Ele reforçou que seu governo não aceitará práticas da velha política de “toma lá dá cá” e não negociará ministérios.

UOL

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ray disse:

    Presidente fraco e ridículo.

FOTO: Ministro da Educação dá bronca em aluno no Facebook

O ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, deu uma bronca via Facebook em um estudante que perguntou sobre o tema da redação do Enem deste ano: “Estude ética. Muita ética! E pratique”, respondeu o ministro.

Em um post publicado em sua página na rede social, Janine afirma que recebe inúmeras mensagens diariamente, a maioria delas “boa, embora não tenha tempo de responder”. Mas, diante do pedido do garoto, ele disse que fez questão de se posicionar. Sem identificar o remetente, Janine reproduziu a mensagem que recebeu.

janine

“Boa noite ministro!

Eu já estou estudando a (sic) algum tempo para o Enem, e estou pensando em alguns temas que podem cair na redação. O excelentíssimo não poderia me informar algo sobre? Ficarei muito agradecido.”

Após dar a “dica” sobre ser ético, precavido, Janine retornou aos comentários da publicação e escreveu:

“Antes que alguém entenda (!?) que ética será o tema da redação, informo: eu não tenho a menor ideia. Não passou por mim.”

Autor do livro “Ética na política”, o ministro da Educação tem demonstrado preocupação com a questão. Em entrevista ao Programa do Jô no mês passado, Janine afirmou inclusive que pretende implementar nas escolas iniciativas relacionadas à ética e ao combate à corrupção.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luciano disse:

    Faltou o aluno colocar o símbolo do tucano no seu post.

  2. Frede disse:

    Arranjou um pobre bode expiatório, né isso Ministro? Daria V. Exa, a mesma resposta a um parlamentar?

  3. Carvalho disse:

    Estude ética assim como a turma do PT estudou.

Ministro da Educação quer Enem permanente e on-line nos próximos anos

2015013082374CH – RIO DE JANEIRO RJ – 30/01/2015 – visita do ministro da Educação, Cid Gomes ao IFRJ. Foto: Bárbara Lopes / Agência O Globo – Bárbara Lopes / Agência O Globo

O ministro da Educação, Cid Gomes, informou nesta sexta-feira (30) que sua gestão planeja implementar um “Enem permanente” nos próximos anos, totalmente informatizado. Em visita ao Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), Gomes afirmou que abrirá consulta pública logo após o período do Carnaval para que professores, educadores e instituições contribuam com um banco de dados que será fonte das questões da prova.

A ideia de um Enem informatizado, onde todos os candidatos fazem o exame em terminais de computadores com horários e dias diferenciados já havia sido ventilada pelo novo ministro da Educação na primeira semana de sua gestão. A novidade colocaria o fim ao modelo de exame feito por papel.

Cada estudante responderia a questões que integram o Banco Nacional de Itens e não são necessariamente as mesmas. A possibilidade de candidatos responderem a questões distintas é permitida por causa da metodologia de Teoria de Resposta ao Item (TRI), que mantém o mesmo nível de dificuldade e garantiria a equidade na correção.

Mas o projeto mencionado por Gomes nesta sexta traz a novidade de o exame não ter período para a realização. Segundo o ministro, cada candidato poderá fazer quantas vezes quando quiser a prova, optando pela nota que considerar ideal para participar de programas como o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) ou o Prouni.

– Se o estudante vir que sua nota em Ciências da Natureza não foi boa o suficiente, ele poderá fazer a prova de novo, quantas vezes quiser, até achar que conseguiu elevá-la para disputar por vagas no vestibular – explicou Gomes.

O ministro comparou o modelo ao utilizado atualmente pelo Detran para quem deseja tirar a carteira nacional de habilitação:

– É a mesma coisa. Quem quer ser motorista vai lá, sendo no computador, faz sua prova, e vai embora. E a prova do colega ao seu lado não será exatamente a mesma que a tua.

O exame continuaria seria gratuito para estudantes de escolas públicas, sendo cobrada a inscrição toda a vez que o candidato participar.

O Globo