Diversos

Desfile Cívico-Militar da Independência acontece neste domingo (7)‏; veja mudança no itinerário dos ônibus

O desfile Cívico-Militar da Independência, que encerra a Semana da Pátria, será realizado na manhã do próximo domingo, a partir das 8h30, na Praça Cívica, na avenida Prudente de Morais, Petrópolis.

 A Semana da Pátria ocorre por ocasião do dia 7 de setembro, data da Independência do Brasil, e tem o objetivo de chamar a atenção de todos os brasileiros para a valorização do país. A programação inclui atividades culturais, esportivas e termina com o tradicional desfile cívico.

 Para moradores da região e público que prestigiarão o desfile, é preciso atenção para as acomodações feitas provisoriamente nos principais corredores. As avenidas Prudente de Morais e Nilo Peçanha serão interditadas a partir da Av. Governador Juvenal Lamartine até a Rua Coronel Joaquim Manoel.

 As ruas Trairi e Potengi serão interditadas entre a Av. Floriano Peixoto e Av. Campos Sales. Já o corredor Av. Hermes da Fonseca/Rua Coronel Joaquim Manoel será interditado a partir da Av. Alexandrino de Alencar até a Av. Nilo Peçanha.Veja abaixo:

Operação Independência é definida pela STTU; confira mudanças no trânsito em Natal com Desfile de 7 de Setembro

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTO: Descontração marca o lançamento do Carnaval Multicultural Natal 2014

18596Foto: Alex Régis

A Prefeitura entrou definitivamente no clima momesco ao lançar na manhã desta segunda-feira (24), no Salão Nobre do Palácio Felipe Camarão, o Carnaval Multicultural Natal 2014. Com a presença do prefeito Carlos Eduardo, do presidente da Fundação Cultural Capitania das Artes (Funcarte), Dácio Galvão, do Rei Momo e da Rainha e do artista homenageado João Mendonça, o evento foi marcado pelo clima de descontração inerente ao período de Momo.

Rica e diversificada, a programação aponta para a valorização dos artistas locais. Nomes como os cantores Rodolfo Amaral, Krystal e Lane Cardoso estão confirmados. “Quando eu cheguei à Prefeitura em 2002, me foi dito que Natal não tinha mais carnaval. Nunca aceitei essa afirmativa. Como o carnaval podia desaparecer? A partir de 2005, com Dácio Galvão, fizemos um esforço muito grande. Houve um hiato de quatro anos, mas agora estamos retomando o carnaval de Natal”.

Ele disse que a gestão valoriza a prata da casa, os carnavalescos e compositores, como é o caso de João Mendonça, morador do bairro da Redinha e compositor da música do bloco Os Cão. “O prefeito vai estar em todos os dias de programação. Neste ano, o carnaval vai crescer. E no próximo ano será bem melhor. O povo de Natal estará nas ruas durante o carnaval”, afirmou.

Sintonizado com o pensamento do prefeito, o presidente da Funcarte, Dácio Galvão, ressaltou que o carnaval 2014 terá uma retomada diferenciada via edital público e patrocínio da Companhia de Bebidas das Américas (Ambev), que incrementou o carnaval no Rio, Salvador, Recife e Olinda. Para o gestor, o carnaval é uma força-motriz da economia, e num breve futuro o aumento do patrocínio permitirá a realização de um evento auto-sustentado.

“Para nossa surpresa, a adesão ao edital foi grande. Nós reforçamos os polos da Redinha, Ponta Negra, Rocas e Cidade Alta. Quero crer que com a participação do artista plástico Flávio Freitas, da Semsur e da Ambev, o carnaval deverá ter uma pulsação diferenciada com uma nova concepção visual. A gente começa a pavimentar um caminho sem volta, por meio do chamamento público de editais”, comemorou Dácio Galvão.

O idealizador do bloco e desfile d’As Kengas, Lula Belmont, comentou que a expectativa para o carnaval deste ano é boa. Conforme o carnavalesco, a organização está caminhando bem, com o envolvimento das secretarias municipais parceiras. Em relação ao edital, ele declarou que aprova a nova modalidade de apoio ao carnaval. “É o caminho mais certo”, resumiu. Há 31 anos presente no carnaval natalense, o desfile d’As Kengas ocorre no domingo de Momo, no Centro Histórico. Este ano o evento vai ter a participação da cantora Mart’nália. Outros nomes de peso como Alceu Valença, Moraes Moreira, Elba Ramalho e Os Originais do Samba também estão confirmados nos cinco polos multiculturais.

Para o diretor do bloco O Galo dos Perturbados, Naldo Alves de Oliveira, o lançamento do carnaval foi bem organizado. A expectativa é que supere o do ano passado. Em seu quarto ano de existência, O Galo dos Perturbados sairá na terça-feira, arrastando 400 foliões pelas ruas da Cidade Alta. Antes disso, haverá uma prévia na segunda-feira. A mascote do bloco é um galo cenográfico de três metros de altura. Participaram, ainda, do evento diversos secretários municipais, carnavalescos e artistas envolvidos no Carnaval Multicultural Natal 2014.

Plano de Mobilidade

Após o lançamento do Carnaval Multicultural Natal 2014, o secretário adjunto de Trânsito da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob), Clodoaldo Cabral, apresentou o Plano de Mobilidade para a folia de Momo, explicando os desvios e bloqueios que ocorrerão no trânsito nos dias de carnaval nos cinco polos.

De acordo com o gestor, a Semob atuará no carnaval com um efetivo de 200 agentes de mobilidade, 27 batedores e 12 viaturas. A secretaria também utilizará 1.200 cones, além de dois acertos geométricos. A recomendação é que o folião evite se deslocar com o próprio veículo, optando pelo transporte público, táxis e carona amiga. No polo Redinha, por exemplo, estão proibidos trios elétricos. Haverá ônibus “corujão”, que fará 19 viagens durante a madrugada.

Programação
Mobilidade no Carnaval

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Secretário garante que obras da Arena das Dunas estão adiantadas

Durante a coletiva para a imprensa cedida pelo Governo do Estado para tratar do cronograma de execução do estádio Arena das Dunas, palco dos jogos da Copa do Mundo de 2014 em Natal, o secretário extraordinário para Assuntos Relativos à Copa do Mundo de 2014 (Secopa), Demétrio Torres, garantiu que o calendário está avançado.

Atualmente, está sendo concluída a fase de colocação das estacas de apoio da arena. Nessa etapa, está prevista a colocação de 3300 estacas. Desse total, de acordo com o secretário, já foram colocadas 3024 estacas. Esse calendário deveria corresponder a 53%, mas as obras estão com 54%.

“Essa etapa é para que a gente estivesse com 53% estamos com 54%. Estamos avançados. Esse bloco une oito estacas. São 3300 estacas estamos com 3024 executadas com mais 10 dias devemos concluir esta etapa. Nessa etapa estamos adiantando em 45 dias a colocação dos pilares”, observou.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

"Das coisas boas e importantes de Natal ninguém fala", desabafa Demétrio Torres

O Governo do Estado reuniu a imprensa no início da tarde desta terça-feira (22) para fazer uma coletiva para mostrar o andamento da execução das obras da Arena das Dunas com a presença da governadora Rosalba Ciarlini e outros envolvidos na obra. Mas, antes do encontro começar, o secretário extraordinário para Assuntos Relativos à Copa do Mundo de 2014 (Secopa), Demétrio Torres, desabafou contra alguns veículos de comunicação que jogam contra.

“A Grante Natal tem aproximadamente 40 mil leitos de hotel. Isso com população de 1,5 milhão de habitantes. Belo Horizonte, com quatro milhões tem 16 mil leitos de hotel. Quer dizer: das coisas boas e importantes de Natal ninguém fala. Se aproveitam de notícias requentadas para diminuir. Sou eu que recebo as delegações de empresários estrangeiros que ficam preocupados com essas notícias negativas e inventadas”, desabafou.

O desabafo de Demétrio Torres é verídico. Muito se teme pelo não cumprimento do cronograma de obras, mas os engenheiros, o Crea (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia), o consórcio Arena das Dunas, o Governo do Estado. Enfim, todos são unânimes em garantir que está tudo dentro do previsto.

Lógico que todos que estão de fora ficam preocupados em ver que a Arena não está “subindo”, mas essa é a parte mais demorada da construção: a que fica em baixo. Concluída essa etapa, aí sim todos vão ver alguma coisa subir.

Se o estádio não ficar pronto até dezembro de 2013, aí sim, a população vai ter que cobrar as falsas promessas. Do contrário, fica o desabafo do secretário Demétrio Torres.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Arena das Dunas antecipa instalação de pilares pré-moldados

Foto Canindé Soares

A construção da Arena das Dunas, estádio que receberá os jogos da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 em Natal, antecipa mais uma etapa do seu cronograma, com o início das instalações dos pilares pré-moldados, nesta terça-feira (22), às 13h30.

A governadora Rosalba Ciarlini acompanhará o início desta nova fase da construção do estádio, que será marcado por um almoço com a imprensa e os trabalhadores no refeitório do canteiro de obras, a partir das 12h.

De acordo com o cronograma aprovado pela FIFA, a etapa de montagem dos pré-moldados estava prevista para ser iniciada apenas no mês de julho. O pilar tem 18 metros de altura, o que equivale a um prédio de seis andares e pesa em torno de 22 toneladas.

Segundo dados atualizados em 30 de abril, a obra da Arena das Dunas já está 23,03% concluída. Até o final deste mês, cerca de 750 colaboradores estarão trabalhando no canteiro de obras do estádio, que será entregue em dezembro de 2013.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Copa 2014: Ministro Aldo Rebelo acredita nos cronogramas dos estádios brasileiros

Apesar de entender a preocupação da Fifa com o andamento do cronograma de obras dos estádios que irão sediar os jogos das copas das Confederações e do Mundo, o ministro Aldo Rebelo (Esportes) discordou da entidade que disse que obras dos estádios brasileiros estão atrasadas, incluindo a Arena das Dunas, que foi o único apontado como em situação crítica para sediar a Copa do Mundo.

“Não creio que esteja atrasado. Eu examinei o relatório. Eles (Fifa) trabalham com critérios diferentes dos usados pelo Governo e pelas empresas que constroem estádios no Brasil. Não há atraso que não possa ser recuperado. Em engenharia você pode antecipar o prazo”, observou o ministro.

A Copa das Confederações será realizada de 15 a 30 de junho de 2013. O evento é uma preparação para a Copa do Mundo de 2014. Natal está, desde o início, fora da Copa das Confederações por não conseguir entregar o estádio a tempo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Secopa rebate a Fifa e garante que vai entregar Arena das Dunas no prazo

O Governo do Rio Grande do Norte recebeu com estranheza a matéria publicada na edição desta terça-feira (15) do jornal “Folha de São Paulo” sobre suposto relatório da FIFA segundo o qual o estádio Arena das Dunas estaria sob risco de não ficar pronto a tempo para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014.

De acordo com o secretário Extraordinário para Assuntos Relativos à Copa do Mundo, Demétrio Torres, a matéria divulgada hoje utiliza informações desatualizadas e mal interpretadas, que ignoram o balanço da evolução da obra do dia 30 de abril, segundo o qual a Arena das Dunas já está 23,03% concluída.

“O próprio COL (Comitê Organizador Local) foi tão surpreendido por esta notícia quanto nós. A reportagem apresenta números defasados para colocar Natal em posição de risco, ignorando o andamento atual das obras, que seguem em ritmo acelerado dentro do cronograma aprovado pela FIFA e segundo o qual a Arena das Dunas será entregue em dezembro de 2013”, disse o titular da Secopa RN, Demétrio Torres.

Leia o pronunciamento da FIFA

O documento a que a “Folha de São Paulo” se referia em um artigo publicado hoje é um subsídio para o trabalho de monitoramento interno desenvolvido no final de abril pelo Comitê Organizador Local (COL) e pela Arena, em colaboração com o consultor especial de estádios da FIFA. Este documento é para os especialistas em estádios e pode ser facilmente mal-interpretado se lido fora de contexto e sem conhecimento dos vários parâmetros e critérios de avaliação. É importante destacar que, em trabalhos de construção, mudanças acontecem diariamente e podem ser influenciadas por vários fatores externos (clima, greves,…),  desencadeando alterações significativas no curso dos preparativos. Novas mudanças podem ocorrer rapidamente de verde para amarelo ou para vermelho e vice-versa. O documento é atualizado mensalmente, pois há vários fatores que podem influenciar e afetar a construção. É impossível tirar conclusões sobre o estado dos preparativos tendo por base apenas um relatório, sem avaliar a situação por inteiro.

O que é importante destacar é o progresso significativo feito nas sedes para a Copa das Confederações da FIFA Brasil 2013, em particular, Salvador, Rio de Janeiro e Recife. Além disso, na reunião de cúpula da Copa do Mundo da FIFA 2014 realizada em Zurique no dia 08 de maio de 2012, a FIFA, o COL e o governo concordaram em trabalhar em conjunto para integrar os sistemas de monitoramento e convergir nos parâmetros de avaliação. 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Mineiro repercute relatório da FIFA que registra atraso na Arena das Dunas

O deputado Fernando Mineiro – PT manifestou hoje sua preocupação com o andamento das obras da Arena das Dunas, ao repercutir matéria sobre relatório da FIFA, publicado no jornal Folha de São Paulo, em que é colocada em dúvida a sua conclusão para a Copa 2014.

“Gostaria de saber a opinião do governo do Estado sobre essa situação. O relatório é da FIFA e registra que a Arena das Dunas pode não ficar pronta dentro do prazo. Se com o estádio está assim, imagine com as obras de mobilidade urbana que até agora não foram iniciadas”, afirmou.

De acordo com a reportagem, para a FIFA, há risco de atraso, em alguma proporção, em cinco arenas. A preocupação principal é com o estádio de Natal apontado como de “alto risco” de não ficar pronto a tempo para o Mundial.

Das 12 sedes, Fortaleza é a única no prazo. O panorama para a Copa das Confederações de 2013 é ainda mais crítico. A FIFA aponta atrasos em três das quatro sedes já anunciadas para a competição. A entidade reclama da burocracia e do “excesso de politização” dos processos no Brasil, mas elogia, em todos os níveis de governo, a disposição para acelerar as obras.

Fernando Mineiro sugeriu que o conselho político da governadora Rosalba Ciarlini, que vai se reunir nesta terça feira em Brasília, responda sobre esse problema da Arena e das obras de mobilidade urbana. “Está acontecendo no Estado o que aconteceu com Natal. Estamos a caminho de um desmente administrativo”, afirmou.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

José Dias afirma que o governo tira recursos da saúde para a Copa

Homem culto, religioso e atencioso com as pessoas, mas nem por isso tímido ou receoso na tomada de suas posições no parlamento, o deputado estadual José Dias (PSD), em entrevista ao O Poti, lamentou o comportamento histórico do brasileiro de conviver com as mazelas nos desvios dos recursos públicos. Na entrevista, o deputado foi instigado a falar sobre política nacional – a corrupção desenfreada nos três Poderes da Repúblicas, a impunidade como fator estimulante para os malfeitos – e, claro, da administração estadual, de quem foi aliado no início do governo Rosalba Ciarlini. Segundo José Dias, as pesquisas de opinião mostrando um percentual muito alto de rejeição da administração da governadora Rosalba Ciarlini refletem a realidade,”que acho que é ainda pior do que o que o povo está vendo. O governo, sob o ponto de vista político e administrativo, é um fracasso absoluto, eu confesso que, sob o ponto de vista político, eu nunca vi uma tragédia tão grande”. Dias também disse que os recursos aplicados na construção da Arena das Dunas estão sendo tirados da alimentação destinada aos hospitais, da segurança pública e para o desenvolvimento econômico do RN.

O país vive hoje com denúncias de corrupção atingindo os três poderes da República. Como cidadão e como homem público, como é que o senhor vê esse quadro?

Eu vejo que nós estamos vivendo um momento diferente. Infelizmente, nós temos que constatar que o que está ocorrendo no Brasil, em profundidade, não é uma coisa inédita. Nós temos, infelizmente, um comportamento histórico de convivência com essas mazelas na gestão dos recursos públicos, com a corrupção. O que o momento atual está expondo são as vísceras dessa situação e isso nós devemos, vamos dizer assim, a uma abertura da informação. Há uma fiscalização, hoje permanente, exercida pela imprensa e pela própria cidadania. O que, aí sim, a gente pode ver como um fator positivo. Talvez seja o caminho, o remédio para a cura desse mal que é histórico. O que nós temos, também, um pouco agravado é a exacerbação da “caça às bruxas” que, em certo sentido, também é perigoso, é negativo. O fato de nós sabermos, reconhecermos, de procurar resolver esse problema de corrupção no Brasil não nos dá a liberdade para crucificar previamente as pessoas. Até porque a crucificação não deve ser nem a posteriori e nós estamos tentando fazer previamente, eu acho que esse caminho, esse atalho é a única coisa perigosa que eu vejo nesse episódio. Agora, sei que o Brasil será diferente.

Essa infecção generalizada nos intestinos dos Poderes da República preocupa ao ponto de se temer pela estabilidade da democracia?

Eu acho que não, acho que nós estamos construindo uma nova democracia, uma democracia diferente. Uma democracia que procura ser verdadeira, se vai chegar lá eu não sei. Mas procura ser verdadeira. Porque a democracia verdadeira é aquela democracia que respeita o direito do povo, e não há direito mais sagrado do que o povo saber que seu trabalho, seu esforço, está sendo respeitado. Por que o tributo que quando se estabelece a desonestidade, o roubo é em cima do que? Do trabalho do povo, do tributo. E também, claro, que a gente tem que admitir que não apenas os “agentes públicos”, políticos, são responsáveis pelo que acontece de mal nesse país, a sociedade como um todo está contaminada. Aí é que eu acho que esse esforço tem que ser bem mais profundo, não se mata o mal apenas resolvendo o problema no âmbito da coisa pública, se resolve no âmbito da devida proporção.

A impunidade não é um estimulante para a corrupção que está se vendo aí todo dia?

Claro que sim! E eu acho que o caldo de cultura de tudo isso que nós estamos vendo aflorar é exatamente a impunidade. Se o que está se pensando fazer hoje, a sociedade tentando fazer hoje, tivesse acontecido no passado, nós estaríamos vivendo uma situação diferente. Eu não vejo de outra forma, a natureza humana tem tendências, e fortíssimas, a estabelecer privilégios, vantagens, acomodações, benefícios. Isso só pode ser coibido se nós tivermos a consciência de que esse benefício tem que ter um limite, que é o direito dos outros.

Mas o senhor não acha que o legislador brasileiro tem um percentual de culpa nessa impunidade, uma vez que elenão está preocupado em fazer leis que punam efetivamente quem comete os malfeitos?

Eu acho que a legislação brasileira, nesse aspecto, ela não peca em quase nada, falta apenas a pena de morte. A legislação brasileira, nesse aspecto, – vamos dizer assim – é efetiva. Ela tem que se adaptar aos tempos, até porque nós não podemos pensar numa norma eterna. Norma eterna é aquela que foi dada por Deus a Moisés. Fora os Dez Mandamentos, as outras leis são leis fadadas a se atualizar. A norma em si ela não se aplica, quem aplica a norma são os homens. Então o que nós realmente precisamos é ter uma aplicação mais rápida e mais severa, no sentido de ser mais justa, isso sim. É preciso a própria sociedade se convencer que ela é também responsável pela aplicação das normas e dos costumes. Os Tribunais são responsáveis pela aplicação das normas escritas, das normas legais mas, uma sociedade que não tenha uma altoregulação, ela dificilmente terá sucesso.

O Judiciário tem culpa nisso por não dar maior agilidade na aplicação dessas leis?

Olha, ter, tem. Agora a culpa não é só do Judiciário, porque você não pode imaginar uma instituição absolutamente desconectada da sua sociedade. O Judiciário está num processo, que ele próprio é responsável, de modificação. Devo lembrar do grande esforço que o Judiciário está fazendo para melhorar os seus procedimentos, acelerar os julgamentos; existem no Brasil hoje, dentro do Judiciário, metas quantitativas a serem cumpridas exatamente para vencer esse problema da morosidade da implantação da Justiça. Então no sentido de que a coisa não funcionou com a presteza que era necessária, o Judiciário é culpado mas, a grande culpa, é de todos nós.

Por falar em Judiciário, vamos trazer o tema para o nível local. O senhor esperava algum dia ter conhecimento de malfeitos praticados dentro do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, ao ponto do Superior Tribunal de Justiça determinar o afastamento sumário de três desembargadores?

O fato que você está levantando é inusitado, ninguém pode dizer que já viu porque não houve, se não houve a gente não viu, não é? Não viu. Eu não estou aqui entrando no julgamento do mérito até porque é uma questão que eu tenho muito cuidado. Conheço as pessoas e tenho delas um conceito muito bom, mas também não posso prejulgar defendendo nem acusando. Eu apenas me reservo ao meu direito como cidadão e, aqui eu apenas estou trabalhando, laborando como cidadão e, vamos dizer assim, viver a emoção de compreender as dificuldades que os amigos estão passando e sem, que eu também não sou julgador no caso, tomar uma posição dizendo quem está certo e quem está errado.

Nas suas caminhadas, nas suas andanças pelo interior, visitando as bases políticas, qual o sentimento do eleitor diante de tudo isso que está acontecendo no país?

Uma coisa que eu acho é que todo mundo é extremamente crítico, severo, punitivo em relação ao outro. Se você for por todo canto, todo mundo está aí com o chicote na mão mas, na intimidade das pessoas, a maioria hoje condena o outro mas eu não vejo um exercício muito explícito para mudar o seu próprio comportamento. Essa não é nem uma visão política, certo? É mais, vamos dizer assim, uma visão sociológica, certo? E até moral, eu confesso que, honestamente, eu queria ver o processo não apenas como ele está se realizando, com essa nossa capacidade enorme de nos indignarmos com o malfeito dos outros.

As pesquisas que têm sido divulgadas, este ano, para prefeito da capital também fazem uma avaliação da administração estadual. E essa avaliação não tem sido muito boa. Um ano e 4 meses da administração Rosalba Ciarlini, ela está com um índice negativo emtorno de 60%. Como é que o senhor vê isso?

– A pesquisa reflete, na minha visão, a realidade, que acho que é ainda pior do que o que o povo está vendo. O governo, sob o ponto de vista político e administrativo, é um fracasso absoluto, eu confesso que, sob o ponto de vista político, eu nunca vi uma tragédia tão grande. O governo, com um ano de vida, substituiu grande parte daqueles que o apoiaram, por aliados que foram seus adversários. Ficou apenas com o núcleo do DEM. Vamos exemplificar para facilitar a compreensão: expulsou o grupo que hoje está no PSD, por várias razões que acho que ainda não seja o tempo de revelar, razões políticas. O tempo vai revelando cada uma e vai se ver que foi um negócio extremamente imcompreensível. O próprio PMDB que apoiou o governo, e que era o PMDB que merecia administrar com o governo, está sofrendo contrariedades políticas sérias, e não foi só uma vez. Então, houve uma reviravolta. Será que aqueles que apoiaram o governo, que fizeram a campanha, são os que não merecem administrar com o governo?

O senhor acha que o PMDB está prestes a sair do governo?

– Eu confesso que o PMDB que apoiou o governo, pra mim não está no governo, porque para estar no governo ele deveria estar numa posição político-administrativa diferente. Agora o PMDB que combateu, aí eu não sei.

Há poucos dias o líder do governo na Assembleia Legislativa, Getúlio Rego, deu uma entrevista reconhecendo que falta diálogo do governo com o parlamento.

– Eu sou testemunha de quando eu estava na base do governo, nós não tínhamos uma diálogo construtivo, e isso foi demonstrado nas dificuldades que tivemos aqui na Assembleia. Pessoalmente, tenho de dizer o seguinte: tenho uma posição política definida contra o governo, mas o meu relacionamento quando era da base do governo era um relacionamento pessoal muito bom. Eu, mesmo com a minha divergência, espero que seja permanente enquanto durar o governo. A governadora não me levou a considerar o governo como um inimigo pessoal, as pessoas que fazem o governo, mas o relacionamento com a classe política foi sempre autoritário, extremamente autoritário, isso acredito até pelos relatos que tenho, exacerbou.

E no aspecto administrativo?

Esse também é extremamente doloroso. Você só tem uma obra que o governo está tocando e que é um perigo, mas um perigo iminente. É presente e iminente, que é o estádio Arena das Dunas. Ele tem um custo presente que é fabuloso, o Estado perdeu capacidade e visão para outras coisas que são permanentes, que são importantes e definitivas para o Estado. O estádio é uma obra que vai onerar por muitos anos o Rio Grande do Norte. Essa obra sairá, no barato, como se diz, acima dos R$ 500 milhões com um custo de manutenção incalculável. E olha que esses R$ 500 milhões serão, na sua grande parte, financiados, e os outros tirados da goela do povo. Aquilo que o governo está investindo, dizendo que é com recursos próprios, não é.

E de onde estão sendo tirados esses recursos?

São recursos dos remédios, é com recursos da alimentação que não vai para os hospitais, é com recursos que são retirados da segurança pública, de investimentos que são extremamente necessários para o desenvolvimento do Rio Grande do Norte. O que o governo faz é sonhar, e sonhar de forma megalomaníaca. Em um ano de governo, a Assembleia já autorizou endividamento de mais de R$ 1 bilhão, é claro que esses investimentos não se concretizaram, até porque são megalomaníacos, mas isso prova exatamente que, não o sonho, mas talvez a quimera, um pesadelo que geralmente é maior do que a realidade.

E como o senhor classifica a capacidade racional do governo?

O governo aprovou aqui na Assembleia, e foi derrotado na primeira vez, uma fórmula que juridicamente era muito discutível, aqueles incentivos para importação sob o fundamento de que o Rio Grande do Norte precisava disso para viabilizar o seu porto. Eu até na época votei a favor com o seguinte argumento que está sendo concretizado: eu não sou advinho, acho que quanto mais a gente votasse no Estado esses benefícios, mais fácil eles cairiam, porqueessa é uma guerra fiscal profundamente danosa, pela própria natureza da guerra fiscal, e danosa porque ela é feita em cima da desindustrialização do Brasil. Você dar incentivo para produtos que são fabricados na China, é uma barbaridade, mas graças a Deus a profecia se concretizou mais rápido do que rapidamente, e a Comissão de Economia do Senado aprovou uma resolução que vai regulamentar, não de forma perfeita, mas pelo menos é menos desmantelada da forma como estava sendo feita.

Quer dizer, então, que o Proimport acabou?

O Proimport acabou, porque a norma passa a ser genérica para todos os estados. Graças a Deus acabou.

Mas o grande discurso do governo para dar emprego e desenvolver a nossa economia era o Proimport.

De qualquer forma, esse Proimport não teria essa relevância que se deu, até porque alguns estados se beneficiaram, saíram na frente, é a história do ovo de Colombo. Aqui no Rio Grande do Norte não teria essa importância que o governo propalava. O que há de negativo é você incentivar a importação de produtos externos, é gravíssimo, não que não devamos abrir o nosso mercado. O grande problema no Brasil, que aumenta a inflação, é essa distorção que vivemos, é exatamente uma política protecionista que não tem racionalidade, é populista, demagógica. Isso é verdade, é tanto verdade que uma das coisas mais esdrúxula que acho é a pessoa sair daqui do Brasil pra comprar produto fabricado aqui, em Miami, e tem gente mais endinheirada que vai comprar em Dubai. Mas em Miami e na Europa você tem pessoas que tiram a diferença das despesas, pelo menos das passagens, com a compra de produtos. A diferença é tão grande que a mesma compra que é permitida pela Receita Federal, já dá pra cobrir as despesas. Isso é um verdadeiro absurdo, você comprar uma coisa em um shopping nos Estados Unidos por 30% ou 40% do que compra aqui.

Um ano e quatro meses já se passaram, e ainda se justifica o governo enfocar a “herança maldita” como forma de se resguardar por não ter feito nada?

– O discurso, num primeiro momento, podiase justificar até para tomar providências, ele podia ser a alavanca para você criar um novo caminho, uma nova realidade. O discurso agora está sendo uma desculpa que não tem nenhuma razão de ser.

Qual é o grande projeto desse governo?

Não existe. A gente está tentando encontrar e não encontra. O único projeto não é a Copa do Mundo? Não tem outra coisa, todo o esforço do governo, do povo, é em cima de uma ilusão. Dois jogos de futebol como se isso fosse salvar a Pátria. Até a melhoria que diziam que viria para cidades da Copa, como Natal, esses efeitos estão sendo muito ineficientes e a gente nem consegue ver.

Mas sempre se disse que os recursos investidos nas obras da Copa iriam transformar Natal e a Grande Natal, com a realização de obras de mobilidade urbana. O senhor também pensa assim?

– Eu não concordo com isso. O próprio governo federal, numa audiência pública na Assembleia, através de um seu representante, disse que não havia nenhuma vinculação de uma coisa com a outra, e estou vendo que não tem. Nós não estamos vendo a coisa caminhar nesse sentido. Uma coisa que é emblemática, que é o aeroporto de São Gonçalo do Amarante, o governo federal fez alguma coisa a não ser vender? Até a pendência com as desapropriações ainda não foi resolvida, as obrigações que os governos estaduais e municipais têm com relação à infraestrutura, que vai permitir o funcionamento do aeroporto, existem providências reais e projetos? Eu não digo nem obras, digo projetos. Eles não existem. Existe muita conversa, essas coisas têm de ser mostradas, você não pode dizer que existem obras e não mostrar, essas coisas são materiais.

Qual será o seu papel nessas eleições?

– Confesso a você que o papel que todo político que detém um mandato, é corresponder a expectativa daqueles que o ajudaram. Eu estou aqui porque um grupo de pessoas trabalharam para que eu viesse, confiando na minha ação e eu tenho que corresponder. Espero que o meu partido tenha a oportunidade de fazer as opções mais certas e vamos trabalhar em favor dessas opções, eu quero pelo menos ter a consciência de que fui correto e leal com aqueles que foram corretos e leais comigo.

O senhor defende o lançamento de um candidato único das oposições, ao invés de três, como os que estão lançados?

– Natal não tem problema de ter um ou ene candidatos porque tem segundo turno, talvez até o fato de você ter mais de um candidato beneficie para que exista o segundo turno. Agora, quando não há o segundo turno eu acho uma barbaridade. Por exemplo, o problema de Mossoró. Eu acho uma barbaridade o PT ter candidato lá, porque o PT não tem a menor chance de eleger o seu candidato; é candidato pra que? Pra fixar posição política, talvez até pessoal? Isso, pra mim, é trair um projeto político consistente, mais amplo, de você ser governo, de você ter uma ideia, uma ideologia, que não seja apenas um benefício pessoal ou partidário.

Desses pré-candidatos a prefeito de Natal, quem é o mais forte hoje?

Dos que estão aí, acho que os mais fortes são dona Wilma e Carlos Eduardo, não tem a menor discussão. Se eles forem realmente candidatos, a eleição girará em torno desses dois nomes. A não ser os candidatos, acho que penso como quase 99% da população.

Fonte: O Poti

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Mesmo dúvidas nos valores das indenizações, prefeitura inicia desapropriações

Os valores finais das desapropriações de aproximadamente 450 imóveis, que deverão ser pagas pela Prefeitura do Natal como parte das contrapartidas das obras de mobilidade urbana, ainda são uma incógnita. Inicialmente, o Município estimou que seriam necessários R$ 25,8 milhões. Num segundo momento, o valor foi orçado em aproximadamente de R$ 45 milhões.

Apesar das incertezas e reclamações de parte da população, a Prefeitura do Natal começou a ajuizar os processos de desapropriação de imóveis que darão espaço às obras de mobilidade urbana com vistas para Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014. De acordo com o Decreto número 9.635, republicado por incorreção no Diário Oficial do Município (DOM) no dia 23 de março passado, dez processos – cada um correspondente a um imóvel – já foram encaminhados à Justiça. Além destes, mais 439 serão impetrados pela Procuradoria Geral do Município (PGM).

Os primeiros imóveis que devem ser desapropriados estão localizados no bairro das Quintas, próximo à Urbana. Não é possível afirmar, no entanto, quando a desapropriação vai acontecer de fato. “Isso depende de alguns fatores. Não sabemos se os proprietários vão aceitar o valor da indenização oferecido e se vão recorrer da decisão judicial. Isso, só o tempo pode responder. Mas é certo que deve demorar”, disse Priscila Pessoa, chefe da Procuradoria Patrimonial do Município.

Priscila Pessoa não soube informar qual o valor das indenizações oferecidas pela Prefeitura. Segundo ela, alguns imóveis ainda não foram avaliados pela secretaria Municipal de Obras Públicas e Infraestrutura (Semopi). “Ainda falta a avaliação dos técnicos da Semopi para saber qual o valor final”, pontuou. Além desse detalhe, outros entraves podem atrasar o processo de desapropriação e início de obras do complexo viário da Urbana, por exemplo.

As primeiras publicações no Diário Oficial do Município acerca das desapropriações, já se transformaram em alvos de ações judiciais. Na semana passada, a Prefeitura do Natal anunciou a desapropriação de mais 20 imóveis na região Oeste para as obras do novo complexo viário da Urbana. O decreto de número 9.679 publicado na edição do dia 14 de março passado, declara de utilidade pública um imóvel situado no bairro das Quintas e outros 19 no Bairro Nordeste, também na zona Oeste e nas proximidades do complexo viário.

Em sua maioria, os imóveis têm áreas construídas em pequenos lotes de terra. E ao contrário de outros decretos publicados ao final de março e começo deste mês, que versavam sobre áreas pertencentes à pessoas físicas, aquele inclui, pela primeira vez, um imóvel situado na rua Jandiras, no bairro das Quintas, e pertencente a uma pessoa jurídica, a empresa Mercantil Martins e Irmãos Ltda, cuja área é de aproximadamente 1.715 metros quadrados.

A Secretaria Municipal de Obras Públicas e Infraestrutura (Semopi) já começou a construir os desvios e a depositar, em juízo, os valores destinados ao pagamento das desapropriações necessárias à execução das obras de mobilidade. A expectativa é que os desvios no bairro das Quintas – de responsabilidade do Município – fiquem prontos em 30 dias, segundo o secretário municipal da Juventude, Esporte, Lazer e Copa do Mundo da Fifa, Jean Valério.

“Há atraso? Depende do ponto de vista. Há etapas que precisam ser cumpridas. O que posso dizer é que vamos terminar a tempo”, afirmou o secretário. Durante discurso na abertura do Seminário Motores do Desenvolvimento do Rio Grande do Norte, a prefeita Micarla de Sousa relembrou que o contrato para execução do primeiro lote das obras foi assinado ainda em dezembro de 2010.

Fonte: Tribuna do Norte

Opinião dos leitores

  1. A Indenização tem que estar em um valor razoável para as pessoas poderem comprar outra moradia .. mais de fato é impossível fazer a Copa sem causar transtornos a parte da população !!

    exelente Matéria do Blog .. Parabens Bruno !! 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Liminar obriga operários da Arena das Dunas a voltar aos trabalhos na próxima segunda

Os operários que trabalham na construção da Arena das Dunas que estão fazendo uma série de paralisações terão que voltar às atividades na próxima segunda-feira (9). A informação foi confirmada no final desta quinta-feira pelo consórcio OAS-Coesa, responsável pelas obras, através de nota à imprensa.

Confira nota na íntegra

Comunicamos que, diante da paralisação iniciada no dia 2 de abril, houve requerimento ao Tribunal Regional do Trabalho para a retomada das atividades, pedido que foi concedido em caráter liminar. Diante disso, a obra de construção da Arena das Dunas será retomada normalmente na próxima segunda-feira (09/05). A empresa reafirma que continuará cumprindo fielmente os acordos trabalhistas e buscando o diálogo franco com os seus colaboradores. É meta do Consórcio a  antecipação do cronograma de trabalho estabelecido para a execução e conclusão da Arena das Dunas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Operários da Arena das Dunas ameaçam demissão coletiva

Foto: Douglas Coé

A Arena das Dunas é um dos mais atrasados na corrida par conclusão para sediar os jogos da Copa do Mundo 2014. Com apenas 20,5% do cronograma completo, o estádio só não é o pior, porque a Arena Beira-Rio está com apenas 20%.

Vale lembrar que esse baixo desempenho foi o responsável por deixar Natal de fora da Copa das Confederações.

Agora, mais uma bomba. Hoje, após os protestos que deixaram o trânsito caótico contra a demissão de 12 funcionários da obra, os operários do consórcio Arena das Dunas deixaram os postos de trabalho nesta terça-feira (3) ameaçando voltar amanhã com as carteiras de trabalho nas mãos.

O objetivo desse ato? Promover uma demissão em massa, que pode atrasar o cronograma, que aparentemente está atrasado, mas que tanto a construtora OAS, quanto o secretário extraordinário da Copa (Secopa) Demétrio Torres, garantem estar plenamente em dia.

Cenas dos próximos capítulos nesta novela da vida real prometem ser emocionantes nesta quarta.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Copa 2014: Reportagem aponta Arena das Dunas e Beira-Rio como estádios mais atrasados

O Ministério do Esporte divulgou nesta terça-feira um balanço sobre as obras em estádios para a Copa do Mundo de 2014. Faltando 800 dias para o início da competição, oito das doze arenas tem menos de 50% das obras realizadas. Os números divulgados são mais otimistas do que os do Tribunal de Contas da União (TCU), que coloca apenas dois estádios com obras além da metade.

O levantamento oficial do governo tem como base visitas feitas pela equipe de monitoramento do ministério do Esporte e informações recebidas de representantes das sedes. De acordo com estes dados, o estádio Castelão, em Fortaleza (CE), é o que tem as obras mais avançadas, com 60,4%. Na sequência aparecem Belo Horizonte (MG) e Salvador (BA), ambos com 55%, e Brasília (DF), com 54%. Para o TCU, porém, apenas Fortaleza e Salvador estavam neste patamar superior à metade.

Itaqueirão

Os estádios com andamento mais atrasado são o Beira-Rio, em Porto Alegre (RS), com 20%, e a Arena das Dunas, em Natal (RN), com 20,5%. Palco da abertura da Copa, o Itaquerão, em São Paulo (SP), tem 30% das obras executadas, de acordo com o balanço do governo. Estádio da final, o Maracanã, no Rio de Janeiro, tem 39% de execução.

Estão ainda abaixo dos 50% a Arena Pernambuco, em Recife, 32%, a Arena da Amazônia, em Manaus (AM), 38%, e a Arena Pantanal, em Cuiabá, 43%. Os números do governo em relação à cidade de Curitiba fogem do padrão.

Em vez de dar um total de obras executadas, o governo optou por informar que a parte da reforma do estádio está com o andamento de 52% enquanto as novas instalações, que incluem parte da arena, centro de imprensa e estacionamento, têm apenas 11% de execução.

O balanço do governo federal é mais otimista do que o divulgado pelo TCU para 11 das 12 sedes, apesar de os dois levantamentos serem em março. Apenas no Beira-Rio, onde as obras estão paradas, ambos concordam que o andamento é de 20%. A maior divergência de dados acontece em Brasília, onde o governo vê execução de 54% das obras e o TCU somente 42,5%.

Fonte: Estadão

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *