Ministra do STF anula atos da CPI das Fake News que implicam assessor de Eduardo Bolsonaro

Foto: Reprodução

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber determinou a suspensão do efeito de nove requerimentos da CPI das Fake News que ligam um assessor do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) a uma conta investigada por suposta disseminação de mentiras. A liminar foi expedida a pedido de Carlos Eduardo Guimarães, funcionário do gabinete de Eduardo. A CPI tenta reverter a decisão.

Guimarães solicitou a suspensão de um requerimento do deputado Alexandre Frota (PSDB-SP), que determinava ao Facebook informar dados de contas citadas pela ex-líder de governo Joice Hasselmann (PSL-SP). Segundo ela, esses perfis fazem parte de uma rede de propagação de fake news em defesa do presidente Jair Bolsonaro. A partir dele, a empresa encaminhou informações que permitiram identificar um e-mail de Guimarães como criador da página ‘bolsofeios’ no Instagram.

Ainda de acordo com esses dados do Facebook, a conta ‘bolsofeios’ foi acessada por meio da rede de computadores da Câmara dos Deputados. A página saiu do ar no início de março. Depois da divulgação dessas informações, parlamentares apresentaram outros oito requerimentos pedindo mais informações sobre as contas de Guimarães, além de sua convocação para prestar depoimento à CPI. Paralisada pela pandemia do coronavírus, a comissão ainda não analisou esses pedidos.

Guimarães pediu a suspensão dos efeitos dos nove requerimentos. Rosa Weber anulou o alcance jurídico de três deles e determinou que a CPI não pode analisar seis outros que ainda não foram votados.

O assessor de Eduardo Bolsonaro questionou ao Supremo a própria instauração da CPI, considerando-a com “generalidade excessiva de (…) objeto”, “absolutamente amplo e genérico”. Para ele, os pedidos a seu respeito representariam “profunda e ampla restrição a direitos fundamentais de elevadíssima relevância constitucional, entre eles: a) o sigilo das comunicações de toda espécie (art. 5º, XII, da CF/88); b) a intimidade e a vida privada (art. 5º,X, da CF/88)”. Cita ainda que afrontam o direito à inviolabilidade das comunicações no ambiente virtual.

Para Guimarães, “a chamada ‘CPI das fake news’” seria apenas “palanque político conferido indiscriminadamente aos opositores do governo e de sua base parlamentar, a fim de perseguir politicamente seus integrantes, apoiadores e, não enveredando esforços em destruir injustificadamente os direitos fundamentais que se colocam seu caminho”.

A decisão da ministra Rosa Weber foi fundamentada em jurisprudência do Supremo, em especial medidas deferidas anteriormente por ela mesma, que determina a “necessidade de delimitação eficiente do âmbito de trabalho das Comissões Parlamentares de Inquérito, como forma de evitar seu desvirtuamento, com indiscriminadas devassas”.

A ministra acolheu a alegação de Guimarães de que os requerimentos da CPI careciam de fundamentação jurídica adequada, não apresentavam provas que justificassem as medidas determinadas e eram extremamente extensivos em seu alcance.

“O ponto sensível está, principalmente, na extensão das medidas, a abordar ‘todo o histórico’, ‘todos os seguidores’, ‘todo o conteúdo’. Essa extensão é conflitante, na verdade, com a indicação de prova preexistente, mas não aproveitada para delimitação do Requerimento, na medida em que, ao final do primeiro parágrafo da justificativa, há referência a um ‘laudo pericial apresentado, com prints das páginas’. Apesar desse registro, não há, no corpo do Requerimento, explicitação a respeito do conteúdo e das conclusões desse laudo”, justifica Rosa.

A CPI foi comunicada da decisão no último dia 8 e recorreu da liminar da ministra, que abriu prazo para a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestar sobre o assunto.

O Globo

Ex-ministro de Temer, assessor de Guedes é denunciado por fraude em aportes da Funcef

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

O ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago, atualmente assessor especial do ministro da Economia, Paulo Guedes, está entre os 29 denunciados pela força-tarefa da Operação Greenfield por fraudes nos principais fundos de pensão de empresas estatais e privadas.

De acordo com os investigadores da Procuradoria da República no Distrito Federal, os 29 gestores dos fundos Petros (Petrobras), Funcef (Caixa Econômica), Previ (Banco do Brasil) e Valia (Vale) participaram de investimentos irregulares da Sete Brasil.

A empresa – que seria responsável pela construção de sondas para a exploração do pré-sal – recebeu aportes por meio de um fundo de investimento específico. As operações, segundo o Ministério Público, causaram um prejuízo de R$ 5,5 bilhões.

À época da aprovação dos aportes, Colnago participou do conselho deliberativo da Funcef. Ele também foi ministro do Planejamento durante o governo do ex-presidente Michel Temer.

Outro lado

Conalgo afirmou, em nota, que está à disposição da força-tarefa da Greenfield para prestar os esclarecimentos relacionados à gestão dos fundos de pensão.

Ele aponta “que todas as atividades exercidas como membro do Conselho Deliberativo do Fundação dos Economiários Federais (Funcef) ocorreram em consonância com o regimento interno e demais normas legais”.

Diz ainda que está em tramitação, na Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), processo no âmbito administrativo de semelhante teor, no qual já apresentou defesa.

Procurado, o Ministério da Economia não havia se manifestado até o momento da publicação desta notícia.

Mudança de cargos

Nesta quinta-feira, Guedes realocou integrantes da equipe técnica da pasta, conforme portaria publicada na edição do Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira.

Colnago, que estava no comando da Secretaria Especial de Fazenda, foi exonerado do cargo para assumir a chefia da Assessoria Especial de Relações Institucionais do órgão, responsável pela interlocução com o Congresso Nacional, entre outras atribuições.

O cargo de chefe da Assessoria Especial de Relações Institucionais vinha sendo exercido por Caio Megale, que hoje foi exonerado.

O atual diretor de programa do Ministério da Economia, Jeferson Luis Bittencourt, também deixou o cargo. Ele é o novo secretário especial adjunto da Secretaria Especial de Fazenda, no lugar de Colnago.

Valor

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Disse disse:

    O Bolsonaro LADRÃO gosta de quadrilha, nao é a toa que formou uma dentro de casa…..E agora está expandido pelo Brasil com b minúsculo……BOLSOTRALHAS SÓ ENXERGAM O NARIZ DE LULA, MAIS NAO ESQUECEM DE ENGOLIR A MERDA DESSE CANALHA MELIANTE…..E HAJA PAPO cheio de BOSTA…,

    • Ana disse:

      Realmente o Bolsonaro fala muita besteira mesmo, e pior que é só abrir a boca. Mas roubar Roubar com R maiúscula isso ninguém pode negar que o LULADRAO vou imbatível, CINCO TRILHOES, esse foi o estrago feito pela quadrilha do PT, se vc acha pouco e que nossa país está bem, entendo porque vc tá defendendo lula com tanta veemência, por dois motivos basicos: ou fazia parte da boquinha e perdeu ou não sabe contar.

  2. Anti-Político de Estimação disse:

    Quem for podre que se quebre , seja quem for. Quem tem bandido de estimação é mulher de vagabundo !!

  3. Ojuara disse:

    O valor do rombo só na Petros, foi de TRINTA BILHÕES FEITA PELA QUADRILHA DO PT QUE ADMINISTRAVA OS FUNDOS. SE CONTAR TODOS DEVE CHEGAR QUASE A CEM BILHÕES. IMAGINE BRASIL AFORA O QUE ESSES FDP FIZERAM, POR ISSO O PAÍS TÁ QUEBRADO.

  4. Minion alienado disse:

    Mais um para conta.

  5. Observando disse:

    Colgano Livre.

    • Paran disse:

      Como tem fundos de pensões envolvidos, a petralhada prefere não comentar, não tem conhecimento sobre a causa. Hehehe

    • Ojuara disse:

      Paran, os PTralhas não tem conhecimento pouco né, porque eles é que administravam, quebrou todos eles, agora os funcionários e que estão pagando o pato do roubo dos PTralhas. Na Petrobras, que eu conheço, os funcionários vão pagar a dívida durante DEZOITO ANOS(18) ANOS. E os valores são exorbitantes para cada um, Isso é um absurdo sem tamanho, vc pagou uma previdência a vida inteira trabalhando, qdo se aposenta e quer usufruir, toma no fundo devido a esses ladrões do PT, sob o comando de LULADRAO roubaram BILHÕES DOS FUNDOS DE PENSÃO.

Assessor de Bolsonaro diz que querem criminalizar com expressão “gabinete do ódio” aqueles que defendem o presidente: “trata-se de um fenômeno real”

Foto: Jovem Pan

Em entrevista ao Pânico, da Jovem Pan, Filipe Martins, assessor de Jair Bolsonaro para assuntos internacionais, negou a existência de um “gabinete do ódio” no governo e acusou os críticos de tentarem criminalizar aqueles que defendem o presidente.

“A impressão que fica é que as pessoas querem criminalizar a defesa do governo, como se qualquer coisa que se diga a favor do governo é por um grupo de milhões de robôs”, afirmou. “É não entender como funciona a internet, os fluxos da informação, que é uma coisa totalmente incontrolável.”

Martins criticou o que chamou de “show” em que teria se transformado a CPI das Fake News no Congresso.

“[Trata-se de] Um fenômeno real que as pessoas estão tentando criminalizar, com a expressão ‘gabinete do ódio’ e todo aquele show que estamos vendo na CPI”, disse.

O Antagonista, com Jovem Pan

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Safira disse:

    Inocente!
    Me engana que gosto.
    A PALAVRA DO CLÃ DE MILICIANOS E DE SEUS LARANJAS É UM RISCO NAGUA. BASTA ALGUÉM CONTESTAR OU BATER FORTE DE FRENTE, QUE VOLTAM ATRÁS COM O RABO ENTRE AS PERNAS.

    • Fran disse:

      O único cabeça dura que não volta atrás quando recebe críticas construtivas, é a cobra de duas cabeças (antiga cascavel) mais honesta do mundo, que com seu insofismável luladrão livre, vai deixando o PT aos frangalhos, para num próximo passo desintegrá-lo. hoje o símbolo de desonestos, cujo PT tinha impichado ao Malufismo, caiu como uma luva na mão do PT, mais bem representada por seu mais ultrajante símbolo, o luladrão. A campanha luladrão livre, além da simbologia da desonestidade, da idolatração de criminosos, deixa um rastro de que enseja o pior pra o país, pois monta uma orquestração com todos, inclusive corrompendo os mais altos graus da república a defender com todo afinco "A IMPUNIDADE". Degradante

    • Filgueira disse:

      Fran…
      Deixa de ser encantado, inocente útil. Nem todo mundo que crítica ou discorda é petista ou eleitor de Lula.
      Acorda alienado.

  2. Carlos Bastos disse:

    Esse tem cara de meliciano

VÍDEO: Apontado como comparsa de Ronie Lessa no assassinato de Marielle Franco, ex-PM Élcio Queiroz diz que foi assessor do PT quando o prefeito era Lindbergh

Vídeo poder conferido aqui em texto na íntegra. Foto: Reprodução

O ex-PM Élcio Queiroz, apontado como comparsa de Ronie Lessa no assassinato de Marielle Franco, negou participação no crime.

Em depoimento ao Ministério Público do Rio, ele também revelou que foi funcionário da Prefeitura de Nova Iguaçu, quando o prefeito era Lindbergh Farias. “O melhor patrão que tive.”

“Fui assessor do PT em Nova Iguaçu, quando o prefeito era Lindbergh”, disse, ao ser questionado sobre eventual divergência com a esquerda.

“Não tenho antipatia nenhuma por governo de esquerda. Pelo contrário, melhor patrão que eu já tive. Pagava muito bem seus funcionários. Não tenho nada a falar da esquerda.”

Élcio teve de explicar por que fez pesquisas na internet sobre Jean Wyllys e Marcelo Freixo, padrinho político da vereadora.

“Eu concordo com muitas coisas que ele (Freixo) fala, inclusive do PSOL também. Vou dizer uma coisa, por exemplo: a reforma da Previdência. Eu sou contra a reforma, como o PSOL também é.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ivan disse:

    Onde tem crime e ruindade nesse país, tem esquerda envolvida…Hah quadrilha dos infernos….Só sabem atrapalhar e ir contra tudo que é bom…ô povinho medíocre!!!!

  2. Paulo Campos disse:

    Essa esquerda não se entende, onde tem merda ela vai atrás para apoiar.

  3. djalma disse:

    É gópi; culpa de Moro; Queiroz livre!!! Ninguém solta a mão de ninguém.. kkkkkkk

  4. Manoel disse:

    Deu um bug na esquerda. Um esquerdista, ex assesssor do PT, foi o assassino de Marielle ?

    • Alberto Meneses Castro disse:

      Por isso a esquerda "quer determinar" quem são os assassinos, fazendo de tudo para impedir as investigações normais. Talvez tenham informações privilegiadas e sabem onde vai dar o assassinato de Marielle. A esquerda não tem o menor interesse em desvendar o assassinato de Celso Daniel, de juízes e promotores, e ainda vão a mídia questionar se realmente houve a facada em Bolsonaro. O mudus operandi da esquerda é o mesmo a muito tempo, e como diz: "O pior cego é aquele que faz questão de não ver o que os olhos comprovam"

Assessor nomeado na Câmara Municipal de Natal, filho do dono do Senzala, solta nota de esclarecimento

Nota de Esclarecimento

Em virtude da repercussão de minha nomeação na Câmara Municipal de Natal, venho esclarecer o seguinte:

Meu nome é Amy Trajano de Carvalho Oliveira Júnior, filho de Amy Trajano de Carvalho Oliveira, empresário e proprietário do Senzala, conhecido por muitos na cidade.

Devo esclarecer que sou casado, pai de duas filhas e tenho me dedicado a manter minha família com dignidade.

Sempre tive minha vida profissional independente da do meu pai, passei grande parte da minha vida, inclusive, fora do Estado. E hoje, trabalho no segmento de assistência técnica de celulares, de onde tiro o meu sustento e o da minha família.

O Presidente Paulinho Freire, por sua vez, me deu a oportunidade de trabalhar na Câmara e poder melhorar a vida de minha família, o que agradeço publicamente, tendo procedido com a minha nomeação.

Só não imaginávamos que a maledicência humana iria deturpar tudo, realizar montagens e chacotas, fazendo a opinião pública acreditar que quem estaria sendo nomeado era o meu pai. Respeito meu pai, o amo imensamente, e tenho muito orgulho, pois criou e a mim e os meus outros cinco irmãos sozinho e com muito amor. No entanto, eu também tenho o direito de fazer outras escolhas, como fiz, e seguir minha vida pelos caminhos que a razão e meu coração me guiarem, construindo a minha história e minha imagem independente da dele ou de qualquer outro parente.

É injusto qualquer tipo de julgamento sem base, mas, mais injusto ainda é quando se acusa alguém somente pelo seu nome, sem avaliar seu caráter.

Amy Trajano de Carvalho Oliveira Junior

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fábio disse:

    "Chato" é aceitarmos passivamente esses cargos comissionados.

  2. Antonio Turci disse:

    Ridículo o que está sendo feito contra este cidadão. Amy é uma pessoa decente.

  3. Morgana disse:

    Que chato julgar sem saber da capacidade do rapaz, o pai por ser dono de qualquer que seja o segmento tb é gente

  4. Flavio Eduardo de Azevedo disse:

    E muita humilhação. Lamentável.

  5. Pedro disse:

    Esse que comenta ai deve ser aqueles esquerdistas da extrema, revoltados, que nunca conseguiu nada e fica soltando textos de revolta . O político nomeia quem ele quiser, que ele acha capaz e que seja de sua confiança. Faça um concurso , se quer um lugar assim e deixe de alfinetar.
    Minina se tiver achando ruim , dê uma rabissaca e saia chorando, gritando "oóó´vida injusta…"

  6. djalma disse:

    Excelente a nota. Pensar diferentemente é ser medieval, onde a pena passava de pai para filho. Mundo hipócrita que nos vivemos.

    • Aristeu disse:

      Realmente não vejo mal nenhum em ser dono de Casa de Drinks mas ele deveria esclarecer que o comercio está registrado no nome dele e não do pai. Ele empresta apenas o nome? tudo bem, mas deixe claro.

  7. Marcos disse:

    Manda ele fazer concurso público,,aí ele não precisa se preocupar com nada

  8. Empresário Sofredor disse:

    Comentário perfeito Arthur!

  9. Armando disse:

    Ser filho ou sócio de casa de drinks, de fato, não é desmérito. Mas que critérios técnicos qualificam o cidadão (que conserta celular) a ser ASSESSOR LEGISLATIVO?

    • Arthur disse:

      Natal é realmente uma província e a maioria do povo é daqueles que gastam 200 reais para o outro não ganhar 2 reais. E ainda temos que aguentar um comentário desse, como se um técnico em manutenção de celular não fosse capaz de ser Assessor Legislativo, esquecem que um analfabeto foi presidente da república.

Deputado do PT e assessor envolvidos em escândalo com influenciadores estiveram Natal; campanha de Fátima nega envolvimento

A distância entre Belo Horizonte e Natal está além dos 1.832 km, caso os trechos entre as duas cidades sejam custeados por verba pública. Quem é eleito para a Câmara dos Deputados para representar Minas Gerais só pode voar para a capital do Rio Grande do Norte com dinheiro público se houver interesse para os mineiros.

A viagem que o deputado Miguel Corrêa (PT) e seu assessor, Rodrigo Cardoso, fizeram à Cidade do Sol em 12 de julho passado, todavia, não guarda relação com os interesses de Minas Gerais.

A viagem era desconhecida até a semana passada, quando deputado e assessor se tornaram centro de um escândalo de contratação de influenciadores digitais para, sendo remunerados, falar bem de candidatos do PT, o que é crime eleitoral.

Miguel é o dono da Agência Follow. Rodrigo é quem manda na Beconnected. Deputado, assessor e agências foram desmascarados quando a influenciadora digital Paula Hollanda se negou a falar bem de Wellington Dias, governador do Piauí que entrou na rota dos elogios pagos.

Tanto o parlamentar quanto o auxiliar reservaram vários dias do mês de julho para voar para diversas capitais do Brasil. Não por coincidência, eles estiveram em cidades que são domicílios eleitorais dos candidatos que foram beneficiados pela arregimentação digital paga.

O esquema consistia em, num mesmo dia, influenciadores digitais do Twitter dispararem elogios a determinados candidatos, todos do PT. Foram beneficiados Gleisi Hoffman, senadora do Paraná, Luiz Marinho, candidato do PT ao governo de SP e Wellington Dias, governador do Piauí. Foi em Dias que o esquema ruiu porque foi exposto na internet.

Além deles, revelou O Globo, confirmaram tratativas com o deputado e o assessor as campanhas de Lindbergh Farias, Flávio Dino, Cida Borghetti, candidata à reeleição ao governo do Paraná, e Ciro Gomes, que concorre à presidência. Todos, contudo, afirmam que não foram adiante no negócio.

Em Natal, a campanha da senadora Fátima Bezerra foi procurada pelo blog para confirmar se houve tratativas para que o nome da parlamentar fosse incluído na lista de candidatos beneficiados. Em nota, a campanha de Fátima negou, afirmando não ter havido sequer contato.

Na capital do Rio Grande do Norte, não há registro de atividade parlamentar de Miguel Côrrea. No dia em que esteve na cidade, ele postou em sua conta no Instagram um registro de um dia antes em Brasília, jantando em restaurante. Também não houve qualquer divulgação na agenda local do PT relacionada à passagem do deputado pela capital do Estado.

No total, a Câmara dos Deputados pagou quase 43 mil reais em passagens aéreas pela locomoção de ambos.

Corrêa deu entrevista na semana passada se dizendo tranquilo e que a ação de que participou sua empresa não pedia votos. Também falou que tudo foi feito antes das eleições para identificar tendências.

O Ministério Público Eleitoral investiga o caso.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Robério Mauricio da Silva disse:

    As viagens do Bolsotario, o 007 Brasileiro, por todo o Brasil foram custeadas por quem? Aos Bolsotarios de plantão bem vindos ao mudo real.

    • Pedro Paulo disse:

      O que fico mais revoltado é quando descobrem alguma coisa errada com o PT e os petistas APENAS justificam comparando com os erros dos outros. Como se justifica-se cometer crime, já que outros cometem! Nem todo mundo vota em Bolsonaro ou Lula. Respeitem quem tem opinião formada e ideologia politica sem politico/partido de estimação!
      Cometeu crime?! Cadeia! ponto!

  2. Minha Opinião disse:

    Será que tb não fizeram falcatruas por aqui vamos investigar justiça do RN dar um retorno ao povo ???

Assessor do Ministério do Trabalho é flagrado cobrando propina no RS

A Polícia Federal prendeu em flagrante nesta segunda-feira (23) o assessor parlamentar do Ministério do Trabalho em Caxias do Sul (135 km de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul), Fábio Batistello, acusado de cobrar propina para liberar a carta sindical do Sindicato dos Promotores de Vendas da região. Ex-vereador do PDT na cidade de Esteio, na região metropolitana de Porto Alegre, Batistello é acusado de cobrar R$ 7.000 para liberar o registro.

A operação foi realizada em conjunto com a Gerência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego. A prisão ocorreu no momento em que o assessor recebia a propina, paga em cheque, para liberar o procedimento de registro do sindicato. A denúncia foi encaminhada à PF pelos próprios sindicalistas.

A polícia não descarta que a ação de Batistello faça parte de um esquema para facilitar a regularização de entidades sindicais à revelia da legislação. O delegado Claudino de Oliveira disse que o assessor era lotado em Brasília e se deslocou a Caxias do Sul apenas para fechar o negócio.

As negociações se estenderam por quase três meses. O valor da propina teria começado em R$ 10 mil e baixou até chegar no valor acertado entre as partes. Na sexta-feira (20), segundo uma testemunha ouvida pela PF, Batistello teria oferecido “uma última chance” à instituição. O pedido de registro tramitava há cerca de um ano em Brasília.

O flagrante foi armado na sede do sindicato, no centro da cidade. A secretária da entidade recebeu o suspeito e informou que não tinha dinheiro para o pagamento, oferecendo um cheque. O acusado aceitou e foi preso quando deixava o prédio.

Batistello, que já tinha registro policial quando foi vereador em Esteio, se apresentava como assessor direto do ex-ministro Manoel Dias, indicado pelo PDT, que foi substituído em outubro pelo petista Miguel Rossetto.

O suspeito, que também estava vinculado ao gabinete do deputado federal Giovani Cherrini (PDT-RS), viajava todos os finais de semana para o Rio Grande do Sul utilizando cotas parlamentares.

Em 2007, o então vereador foi preso após ficar 13 dias foragido da Justiça acusado de agredir a ex-mulher e ameaçar a família. Batistello foi detido ao se encaminhar ao Fórum de Esteio para uma audiência de conciliação, mas foi absolvido pela Justiça das acusações.

Oliveira informou que o suspeito negou as acusações e alegou que prestava consultoria para entidades sindicais de todo o país. O advogado de Batistello, Agostinho Iarito Sato, confirmou a versão e disse que seu cliente se deslocou a Caxias “apenas para explicar como seria a consultoria”.

Sato informou que já ingressou com pedido de relaxamento de flagrante e de liberdade provisória para Batistello. O suspeito foi encaminhado para a Penitenciária Industrial de Caxias do Sul e, segundo a PF, responderá por corrupção passiva (artigo 317 do Código Penal), cuja pena é de dois a 12 anos de reclusão e multa.

Fonte: UOL

Câmara paga advogado que defende Feliciano em inquérito por homofobia

O GLOBO

O advogado que protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) a defesa do deputado Marco Feliciano (PSC-SP) em inquérito por homofobia tem emprego e salário pago pela Câmara. Feliciano é defendido por Rafael Novaes da Silva, seu secretário parlamentar desde fevereiro de 2011. O advogado respondeu à denúncia do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, no último dia 21, por meio de um documento com várias citações bíblicas.

Rafael também deve acompanhar Feliciano em interrogatório nas dependências do STF, no próximo dia 5, às 14h30m. O presidente da Comissão de Direitos Humanos será questionado sobre outro processo, no qual é acusado de estelionato, por um juiz federal designado pelo ministro Ricardo Lewandowski, relator da ação. Nesse processo, Feliciano já é réu e tem como advogado o mesmo secretário parlamentar. (mais…)

Ex-assessor da prefeita recebe R$ 16 mil da Prefeitura morando fora do país

O vereador Júlio Protásio se espantou com a informação da Secretaria de Comunicação (Secom) de que o ex-assessor da prefeita Micarla de Sousa e jornalista, Nélio Júnior, que mora no Canadá, mantém um contrato que alimenta um pagamento mensal de R$ 16 mil.

Indignado com o valor pago, o parlamentar invocou a imoralidade para solicitar o cancelamento imediato do contrato.

“Recomendo suspender o contrato, imediatamente, de um jornalista que é ex-assessor da prefeita e que nem mora mais no Brasil, mas que recebe R$ 16 mil todos os meses. Considero até imoral esse contrato e esse pagamento”, disse.