Peritos do ITEP identificam que 98% dos medicamentos apreendidos no RN eram falsificados e com riscos à saúde

Peritos criminais Leonardo Rego e Lucas Nobre alertam sobre riscos de medicamentos falsificados – Foto – Júlio Rocha

O uso de medicamentos para o estilo de vida em busca de melhorias estéticas para o corpo têm aumentado significadamente nos dias atuais, seja para incremento de massa muscular, emagrecimento, disfunção erétil, entre outros. Porém, os consumidores precisam ficar atentos para não terem prejuízos para a saúde. Pesquisa desenvolvida no Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP-RN) mostra que 98,6% dos medicamentos apreendidos, nos anos de 2017 e 2018 em operações da Delegacia Especializada em Narcóticos, eram falsificados seja por não terem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ou não apresentar as substâncias descritas nos rótulos.

O trabalho desenvolvido no Núcleo de Laboratório Central de Perícias Forenses pelos peritos criminais Leonardo Rêgo e Lucas Nobre analisou 144 itens, dos quais apenas 6,3% apresentavam registro da Anvisa na embalagem.

“Na maior parte dos medicamentos analisados, foram identificadas a presença de esteroides anabolizantes (74,3%), seguidos de 22,9% de itens que não continham nenhuma substância ativa. Em 33,3% dos itens analisados, a substância detectada não era condizente com a descrita no rótulo do produto e 10,4% não apresentavam rótulo algum”, enfatizou o perito criminal Leonardo Rêgo.

Não foi detectada nenhuma substância ativa em 46,6% dos produtos que não apresentavam rótulo, sendo o restante (53,4%) apresentando esteroides anabolizantes na sua formulação.

“Esse estudo permitiu traçar um perfil dos medicamentos analisados, no qual foi observado que quase a totalidade era formada por substâncias anabolizantes esteroides”, concluiu o perito criminal Lucas Nobre.

Riscos à saúde

Os medicamentos falsificados podem gerar danos graves a saúde, que pode ir desde a não ação terapêutica pretendida (efeito placebo) a problemas relacionados a reações adversas. A população deve estar atenta ao adquirir produtos farmacêuticos para fugir das falsificações. Portanto, o perito criminal Leonardo Rêgo, que também é farmacêutico, dá algumas dicas do que ser observado na aquisição de um medicamento:

1- Compre sempre em estabelecimentos que contenham alvará para comercialização de medicamentos, como farmácias e drogarias;

2 – Verifique na embalagem a presença do registro do medicamento junto à ANVISA. É um número formado por 13 dígitos.

3 – Verifique se na embalagem do produto há a descrição do farmacêutico responsável, bem como o seu número de inscrição no conselho (CRF);

4 – Só adquira medicamentos que apresentem embalagens em bom estado de conservação e lacrados;

5- Verifique se há alteração no tipo de letra e no texto da embalagem ou da bula.

6 – Se possível, verifique as características físicas do medicamento, quanto ao formato e cor do comprimido, gosto do líquido e embalagem. Em muitos casos, o falsificador não consegue copiar todos os detalhes.

7 – Em caso de dúvida, entre em contato com o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) do fabricante do produto.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo Roberto disse:

    Exmº Sr. jornalista/Comunicador BG, nota 10 ( digno de comparaçao confiável com qualquer jornalista do S e Se do Brasil ) Vc. ou sua equipe PODERIAM ajudar MAIS a população SE desse o nome de medicamentos pesquisado pelo Itep/RN e nos deixassem MENOS FRAGILIZADOS ( c/risco de contssminsção..). Sou Carioca dsa MB, e me orgulho de estar morando aqui em Natal/RN ( ter escolhido aqui por ter 2 compadres daqui desde os anos 80 ) onde meus 2 filhos se formaram na Cefet e UFRN e derm-me 2 netos. Já a alguns anos acompanho seus blog CONFIO e fico surpreso com os meios de comunicação dos últimos anos que DÃO A NOTICIA ( as vezes como esta profunda e alarmante..) MAS QUASE SEMPRE não vem completa como um texto que deve ter início-meio e fim. Desculpe me alongar MAS acho precioso que NÓS´possamos saber PELO MENOS alguns medicamentos de maaior uso que esta nesta lista condenável aos seus empresários/produtores, Se Nós iremos poder nos precaver ? ?.

FOTO: Paredões de som são apreendidos em ações da Guarda Municipal em Natal

Foto: Divulgação/Guarda Municipal

Ações sequenciadas do Grupamento Ambiental da Guarda Municipal do Natal (Gaam/GMN) retiram de circulação três paredões de som automotivo que estavam acionados na noite dessa quarta-feira (20), nos bairros do Parque dos Coqueiros e Guarapes. Os guardas municipais expediram os autos de constatação das infrações, identificado os três responsáveis pelos veículos onde estavam instalados os equipamentos de som.

A intervenção dos guardas municipais se deu após o recebimento de denúncias de que veículos estavam com som automotivo ligado em área pública, infringindo a lei municipal 6.246/2011 que proíbe essa conduta. Por ser uma área considerado de risco, foram deslocadas guarnições utilizando armamento de maior potencial, sendo identificada a infração, notificado os responsáveis e apreendido os equipamentos.

Durante a ação um dos autuados não foi colaborativo com os guardas municipais, porém foram aplicados os procedimentos de maneira enérgica e efetivado o cumprimento da lei. “Informações repassadas pela população é de que é comum no local encontro de paredões e já havíamos registrado outras denúncias. Outra coisa é que muitas vezes notificamos pessoas reincidentes que insistem em cometer o delito mesmo após sofrerem punição”, comentou a coordenadora do Gaam/GMN, Francineide Maria.

Além da apreensão dos paredões de som, todos os que estavam no local foram alvos de revista pessoal na busca de algo ilícito, porém nada foi encontrado. A orientação dos guardas municipais foi no sentido de informar que a utilização de paredões de som em via pública configura transgressão a lei municipal que é punida com apreensão do equipamento e multa pecuniária.

O cidadão pode denunciar o uso irregular de paredões de som ligando para o telefone 190 do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) que as viaturas do Grupamento de Ação Ambiental da GMN serão acionadas para averiguar a denúncia. A denúncia pode ser feita também pelo 181 (Disk Denúncia- Polícia Civil) ou 3616-9829 (Ouvidoria da Semurb).

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Irany Gomes disse:

    Daria uma bela fogueira!!!

  2. JOAO MARIA disse:

    ENFIM NOTICIA BOA
    ATE QUANDO ESTES IDIOTAS SEM NOÇÃO FICARAM PERTUBANDO A VIDA DOS OUTROS COM ESTAS VERDADEIRAS ABERRAÇÕES.
    CREIO QUE DEVERIA TER UM AUMENTO NA PENALIDADE E APREENDER TAMBEM O CARRO E O IDIOTA QUE FICA PERTUBANDO

Adolescentes são apreendidos suspeitos de estuprar criança dentro de banheiro em escola particular em João Pessoa-PB; Polícia investiga mais vítimas de estupro e participação de ex-funcionário

Polícia investiga mais vítimas de estupro em banheiro de escola e ex-funcionário suspeito, na PB — Foto: Reprodução/TV Cabo Branco

Três adolescentes foram apreendidos na manhã dessa segunda-feira (11) em João Pessoa suspeitos de estuprarem uma criança de oito anos dentro de uma escola particular. Segundo informações da Polícia Civil, as apreensões foram em decorrência de mandados judiciais após processo que tramita em segredo de justiça desde maio de 2018.

Dois adolescentes foram apreendidos nos bairros de Manaíra e Tambauzinho, em João Pessoa. Um terceiro adolescente foi apreendido no início da tarde desta segunda. Todos os apreendidos foram encaminhados para o Centro Educacional do Adolescente (CEA), no bairro de Mangabeira.

Em nota publicada em uma rede social, o Colégio Geo afirmou que “a partir do momento que tomou conhecimento da notícia, o Colégio GEO tem buscado junto ao poder público a apuração dos fatos. Em respeito à privacidade dos menores envolvidos, o procedimento tramita em segredo de justiça e no âmbito do Poder Judiciário. O colégio está empenhado no esclarecimento integral da verdade”.

De acordo com a delegada Roberta Neiva, gerente da seccional de João Pessoa, um quarto suspeito, alvo de um dos quatro mandados de busca e apreensão , não tinha sido localizado até as 15h40 desta segunda-feira.

“A família da criança, que tinha oito anos na época do caso, trouxe o caso até a polícia. O caso foi para o âmbito judiciário e foi determinada a apreensão dos quatro adolescentes envolvidos”, explicou Roberta Neiva.

Os adolescentes apreendidos têm idades entre 14 e 17 anos. A delegada explicou que eles devem responder pelo ato infracional semelhante ao crime de estupro. “Não temos conhecimento de outras denúncias envolvendo o quatro adolescentes”, relatou a delegada.

Até o início da tarde desta segunda-feira, o outro adolescente alvo do mandado judicial não tinha sido localizado.

Polícia investiga mais vítimas de estupro em banheiro de escola na PB; ex-funcionário é suspeito

A polícia já concluiu o inquérito sobre o estupro de duas crianças, dentro do banheiro de uma escola particular de João Pessoa, e investiga a violência sexual contra outras duas possíveis vítimas. O caso ganhou repercussão nesta segunda-feira (12), quando três adolescentes foram apreendidos suspeitos do ato infracional. Todas as vítimas são meninos de até 10 anos de idade.

Segundo a delegada Joana D’arc Sampaio, também foi confirmada a participação de um ex-funcionário da escola nos crimes. “Ele participava ativamente de alguns abusos e em outros ele dava cobertura apenas olhando o ato”, disse a delegada.

A investigação começou em maio de 2018, com a denúncia da primeira vítima. A segunda vítima foi identificada em dezembro de 2018 e confessou, em depoimento, que também participou dos abusos contra a primeira criança, conforme explicou a delegada.

Ainda de acordo com a delegada, o ex-funcionário – afastado em 2018 após as denúncias – e os adolescentes suspeitos de praticar a violência foram ouvidos ainda em maio de 2018. A delegada afirmou que uma das vítimas relatou que o zelador destravava as portas dos banheiros para praticar os abusos. O suspeito responde em liberdade, sob medidas cautelares da justiça.

Os abusos vieram à tona após a mãe de uma das vítimas receber um aviso da escola que comunicava que o filho dela estava indo com muita frequência ao banheiro. Além disso, a criança também passou a ter um “comportamento agressivo e também choroso”. “Em conversa com a mãe, a vítima contou sobre os abusos e a investigação foi iniciada”, disse a delegada.

Segundo o delegado da Infância e Juventude, Gustavo Carlleto, que está à frente do caso, dois inquéritos já foram concluídos, mas outros podem ser abertos caso apareçam novas vítimas.

Em nota publicada em uma rede social, o Colégio GEO afirmou que “a partir do momento que tomou conhecimento da notícia, o Colégio GEO tem buscado junto ao poder público a apuração dos fatos. Em respeito à privacidade dos menores envolvidos, o procedimento tramita em segredo de justiça e no âmbito do Poder Judiciário. O colégio está empenhado no esclarecimento integral da verdade”.

Três adolescentes foram apreendidos na segunda-feira (11), suspeitos de praticar os abusos. Até o início da tarde desta terça-feira (12), o quarto adolescente alvo do mandado judicial não tinha sido localizado.

“Já tem uma audiência marcada para uma data próxima, e diante dessa audiência possa ser que venha uma nova decisão do juiz sobre esse fato”, afirmou o delegado Carlleto.

G1

Casal de adolescentes é apreendido após assalto e troca de tiros com a PM na Grande Natal

Um casal de adolescentes, ele de 17 anos e ela e 15, foram apreendidos na noite dessa segunda-feira (11), na cidade de São José do Mipibu, na Grande Natal, após um roubo de uma motocicleta e ainda disparos contra a Polícia Militar durante abordagem.

Segundo a PM, durante a fuga com a motocicleta, o casal sofreu um acidente, e ainda assim tentou escapar. Logo em seguida, o adolescente não se intimidou com a chegada de policiais militares e começou atirar, não restando alternativa a viatura responsável pelo cerco, até conseguir atingir o menor durante o confronto. Não se tem informação de seu estado.

Ainda segundo a PM, após ser encaminhada para a delegacia, a companheira do baleado afirmou ter sido obrigado à participação da ação criminosa, mas a versão não convenceu os policiais. Informações dão conta que ele vigiava a ação do comparsa durante o assalto, até subir na garupa.