Denúncias sobre Bergoglio dividem opiniões na Argentina

Para os moradores da  favela Villa 31, no centro de Buenos Aires, Mario Jorge Bergoglio é austero e humilde – um homem talhado para ser o papa dos pobres. Ele é comparado ao padre Carlos Mujica, que trabalhava nos bairros mais carentes da capital argentina e foi metralhado pela repressão na década de 1970. Seu corpo foi enterrado na Capela Cristo Operário, que ele inaugurou na Villa 31.

“Eu me lembro do dia em que trouxeram o corpo do padre Mujica, do Cemitério da Recoleta, para ser enterrado aqui. Levamos o caixão por estas ruas e conosco estava Bergoglio, que rezou missa por ele”, contou, em entrevista à Agência Brasil, Saul Sanchez, padeiro da favela. “Mujica e Bergoglio são parecidos – os dois são o que chamamos de curas villeros (padres favelados). Quando ainda era arcebispo de Buenos Aires, Bergoglio vinha aqui e tomava mate conosco. Nos visitava pelo menos duas vezes ao ano”.

Na Argentina, as opiniões sobre Bergoglio são divididas. Pesa sobre ele a suspeita de que foi conivente com a última ditadura (1976-1983), responsável pela morte ou o desaparecimento de cerca de 30 mil opositores. A denúncia foi feita pelo jornalista Horacio Verbitsky, no livro O Silêncio, sobre o papel da Igreja Católica no regime militar.

Presidente do  Centro de Estudos Legais e Sociais (Cels) – uma organização não governamental (ONG) de defesa dos direitos humanos –, Verbitsky ouviu os jesuítas Orlando Yorio e Francisco Jalics. Os dois foram sequestrados em 1976 e levados a um centro de tortura clandestino, que funcionava dentro da Escola Mecânica da Armada – a temida Esma. As denúncias são de que muitos dos torturados na Esma acabaram sendo jogados vivos, de aviões, no Rio da Prata – nos chamados voos da morte. Os dois sacerdotes foram soltos depois de cinco meses e Yorio acusou Bergoglio de ser o responsável pela prisão e tortura que ambos sofreram. (mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. pedro vidal disse:

    Em republiquetas de bananas é isso mesmo.Quando alguem se destaca,e como

Justiça argentina condena à prisão perpétua 5 agentes da ditadura

A Justiça argentina condenou nesta terça-feira o último presidente da ditadura militar (1976-1983), Reynaldo Bignone, e o ex-comandante Santiago Omar Riveros à prisão perpétua por delitos cometidos contra 23 vítimas, entre elas sete mulheres grávidas que tiveram seus filhos em maternidades clandestinas.

O julgamento de 25 acusados de crimes realizados pela Operação Condor começou no último dia 5. É a primeira vez que repressores são julgados em conjunto por cooperarem na perseguição e assassinato de opositores nas décadas de 1970 e 1980. Segundo cálculo dos magistrados do tribunal, o julgamento terá a duração de pelo menos dois anos; serão ouvidas cerca de 500 testemunhas.

As figuras mais importantes do último governo militar, entre elas o ex-ditador Jorge Rafael Videla, estão presas e condenadas. Os processos também continuam avançando em tribunais do interior da Argentina. Recentemente, a Justiça de La Rioja confirmou a cumplicidade da Igreja Católica com os militares durante os anos de chumbo. (mais…)

Cristina Kirchner chega hoje em Cuba para visitar Hugo Chávez

Hugo Chavez, Cristina Fernandez

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, chegará nesta sexta-feira (11) a Havana para saber sobre o estado de saúde de seu colega e amigo, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, informou o governo argentino.

“Cristina Kirchner parte depois da meia-noite em direção a Havana, onde o presidente da Venezuela se recupera de uma intervenção cirúrgica, e depois realizará um giro por Oriente Médio e Oriente”, segundo o comunicado publicado no site do governo argentino.

A presidente havia instruído seu chanceler, Héctor Timerman, a se dirigir a Caracas representando o país na cerimônia em apoio a Chávez, que contou com a presença de outros presidentes da região, entre eles o uruguaio José Mujica e o boliviano Evo Morales.

Fonte: Globo

Melhor do Brasil, Neymar se diz triste por queda para Argentina

Apesar da derrota para a Argentina por 4 a 3, o Brasil, jogando com seu time olímpico, não se intimidou frente à maior experiência argentina e o poder ofensivo de Messi –a despeito dos três gols do camisa 10.

Um dos fatores preponderantes para a boa jornada da equipe de Mano Menezes foi o santista Neymar. Com uma mudança de posicionamento, o técnico o escalou no meio, logo atrás dos atacantes Hulk e Leandro Damião.

O camisa 11 flutuava atrás dos marcadores argentinos e era o responsável por muitas das boas jogadas do Brasil, distribuindo assistências para Rômulo e Hulk marcarem. Mas apesar da ótima atuação individual, Neymar não saiu satisfeito de campo.

“Saio triste por ter perdido e ter tido chance de vencer”, afirmou Neymar.

O Brasil esteve por duas vezes na frente do placar. Fez 1 a 0, tomou a virada e depois voltou a ficar em vantagem no 3 a 2, mas não resistiu a Messi e acabou perdendo.

“Nossa equipe se comportou muito bem, jogou o jogo, foi para cima, mas no final perdemos a partida”, lamentou Neymar.

Fonte: Folha

Pais descobrem que bebê 'morto' estava vivo após ouvir choro no caixão

Ela foi dada como morta e, 12 horas depois, seus pais a encontraram movendo-se no caixão do necrotério onde haviam ido para dar o último adeus à criança.

Este é o incrível caso da pequena Luz Milagros, bebê prematura que foi dada como morta em um hospital na província do Chaco, no norte da Argentina, após médicos não verificarem sinais vitais na menina.

Mas agora a bebê, nascida após seis meses de gestação, está em terapia intensiva, ainda sem previsão de alta.

A representação do Ministério da Saúde do Chaco suspendeu cinco médicos da unidade hospitalar enquanto investiga o caso.

Os pais da menina receberam uma certidão de óbito uma hora antes de irem se despedir da menina no necrotério.

“Obviamente houve um erro médico protocolar (…) foi um fato lamentável, que por sorte está sendo controlado, e toda a assistência médica está sendo dada à pequena Luz Milagros”, disse à imprensa local o ministro da Saúde Pública do Chaco, Francisco Baquero.

Especialistas que examinaram o caso afirmaram que é muito provável que por ter permanecido em baixas temperaturas no caixão, a bebê (de apenas 28 semanas), pode ter conseguido manter seus órgãos vitais em funcionamento.

‘Não insólito’

“É uma situação lamentável, mas não insólita”, sublinhou ao jornal Clarín o neurologista Claudio Solana. “Os bebês prematuros às vezes nascem sem frequência cardíaca nem respiratória. Sem sinais de vida. O comum é deixá-los em observação por pelo menos duas horas. Às vezes eles se reanimam e recuperam os sinais vitais”, explicou Solana.

A bebê, que nasceu no Hospital Perrando, em Resistência, se chamaria Luciana Abigail, mas seus pais mudaram o nome para Luz Milagros, por acreditarem que foi um milagre a volta da menina à vida.

De acordo com a versão dos pais da criança, a notícia precipitada da morte da menina foi dada poucos instantes depois do parto.

“Houve muitas coisas que me chamaram a atenção, primeiro que não me deixaram ver o corpo de minha filha, e levarem-na para o necrotério, onde colocaram no caixão e fecharam”, contou o pai, Fabián Verón.

“Minha filha esteve 12 horas no necrotério e até o momento, no lugar de uma certidão de nascimento, só temos uma certidão de óbito”, disse a mãe, Analía Bouter.

Ele ainda lembra do instante em que voltou a esperança no que parecia um caso perdido, quando abriram o caixão.

“De repente, escutei um gemido, um choro fraco, ela estava coberta por uma fina camada de gelo”, contou a mãe. “A alegria de saber que estava viva apagou todo o resto”.

A pequena Luz Milagros, segundo o último boletim médico, de quarta-feira, permanecia estável, mas em estado “crítico”. Ela pesa apenas 750 gramas.

“Ela está conectada a um respirador, para que não se esforce, e se recupera”, afirmou a mãe.

BBC Brasil

Brasileiros formam mão de obra para o carnaval da Argentina

Pelo quarto ano consecutivo, o projeto Carnaval e Cidadania, coordenado pela Associação de Mulheres Empreendedoras do Brasil (Amebras), levou instrutores brasileiros para qualificar  mão de obra para o Carnaval do Rio de Janeiro  em San Luis, na Argentina. O evento está em fase de produção e será realizado nos dias 9 e 10 de março próximo na província, localizada na Região Centro-Oeste do país.

A presidente da Amebras, Célia Domingues, informou que no ano passado foram formados 600 argentinos, que participaram de oficinas de adereços, chapelaria e figurino. “Mais 300 pessoas participaram da oficina de percussão e 240 da oficina de samba no pé”, acrescentou.

Segundo ela, a Amebras trouxe ao Rio, em janeiro deste ano, os 30 alunos que mais se destacaram nas oficinas para conhecer de perto a preparação do carnaval. “Eles fizeram um workshop na Cidade do Samba, foram às quadras das escolas, aos ensaios técnicos e aos barracões. E voltaram com mais informação”.

O evento Carnaval do Rio de Janeiro em San Luis é realizado pelo governo da província argentina, em parceria com a empresa Gangazumba Produções Cinematográficas e Artísticas e a AMI7 Produções e Eventos. A Amebras foi convidada a ministrar os cursos para a formação de mão de obra específica para o carnaval e a confecção de figurinos.

Célia Domingues disse que todas as 13 escolas de samba do grupo especial do Rio e dez escolas do grupo de acesso enviaram representantes para desfilar no carnaval de San Luis. Em 2012, o evento será realizado pela terceira vez.  Em 2010, cada escola levou 40 componentes, totalizando 1.000 pessoas. No segundo ano, em 2011, esse número por escola subiu para 80 componentes e será repetido agora, de modo a alcançar um total de  2 mil representantes.

Ela destacou que a continuidade do projeto vai depender da renovação do contrato com o atual governo da província de San Luis. Informou que o ex-governador Alberto Saa é uma pessoa muito ligada à cultura. “Gosta do carnaval e das artes. Ao conhecer o carnaval do Rio, ele se deslumbrou com a possibilidade de  levar à província um espetáculo que desse à população a oportunidade de participar profissionalmente. E, para isso, é preciso qualificação”.

O carnaval de San Luis ocorre sempre 15 dias depois do carnaval do Rio de Janeiro, “para não perder o clima”, lembrou Célia Domingues.

Fonte: Agência Brasil

Depois de Dilma e Lula, Cristina Kirchner é diagnosticada com câncer na tireoide e será operada em janeiro

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, de 58 anos, foi diagnosticada com câncer na tireoide ao fazer exames de rotina na semana passada.

Segundo seu o porta-voz, Alfredo Soccimarro, que anunciou o problema de saúde de Kirchner na noite de terça -feira (27), a doença atingiu o glóbulo direito da tireoide e não afetou outros órgãos.

Segundo ele, o tumor não apresenta metástase (quando o câncer se espalha para outros órgãos).

Soccimarro informou que Kirchner completou a bateria de exames pré-cirúrgicos necessários nesta terça-feira e que a cirurgia para a retirada do tumor foi marcada para o dia 4 de janeiro, no Hospital Austral.

Kirchner ficará internada por 72 horas e terá de cumprir um repouso de 20 dias.

Durante o período de licença, o vice-presidente Amado Boudou assumirá interinamente até o retorno de Kirchner, marcado para o dia 24 mde janeiro.

Cristina Kirchner é a quinta líder da América Latina a ser diagnosticada com câncer nos últimos anos. Dilma Rousseff, de 63 anos, foi diagnosticada em 2009 com um câncer no sistema linfático. O ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, soube no final de outubro que estava com câncer na laringe; desde então vem passando por sessões de quioterapia. Fernando Lugo, presidente do Paraguai, de 60 anos, foi diagnosticado em agosto de 2010 com um linfoma de Hodgkins, doença similar à de Dilma. E Hugo Chávez, presidente da Venezuela, de 57 anos, foi diagnosticado com câncer no fim de junho deste ano, mas não especificou onde era a doença.

Cristina Kirchner, que no último dia 10 de dezembro assumiu seu segundo mandato presidencial depois de ter sido reeleita com 53% dos votos, será operada por uma equipe médica liderada pelo cirurgião e oncologista Pedro Saco.

Fonte: Época