UFRN realiza matrícula dos ingressantes do 2020.2 em janeiro

Foto: Divulgação

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) vai matricular automaticamente, em janeiro de 2021, os candidatos cadastrados nas vagas do segundo período letivo (2020.2) do Edital de Ingresso nos Cursos de Graduação por meio do Sistema de Seleção Unificada (SiSU) para o ano 2020. Já a confirmação de vínculo deverá ser efetuada eletronicamente pelos estudantes.

Conforme o Termo de Retificação do Edital nº 001/2020, serão matriculados automaticamente, de 4 a 8 de janeiro de 2021, os candidatos convocados e cadastrados dentro das vagas disponíveis para ingresso no segundo período letivo, bem como os que tenham sido convocados no cadastro de reserva e que venham a conseguir vaga para ingresso no 2020.2.

De 18 a 22 de janeiro de 2021, deverão realizar a confirmação de vínculo os ingressantes do 2020.2 que tenham comparecido ao cadastramento nas 1ª ou 2ª chamadas do SiSU e tenham seu cadastro efetivado até 21 de dezembro de 2020. A confirmação de vínculo deverá ser efetuada pelo aluno, eletronicamente, no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa), de acordo com o procedimento que será divulgado no dia 12 de janeiro de 2021.

Já para quem conseguir vaga após 25 de janeiro de 2021, em razão de não confirmação de vínculo ou desistência de candidato melhor classificado, o procedimento de confirmação de vínculo deve ser realizado até o dia 3 de fevereiro de 2021.

Via SiSU 2020, a UFRN ofertou 6.933 vagas em 107 cursos de graduação, sendo 4.649 no período letivo 2020.1 e 2.284 vagas no período letivo 2020.2. Os candidatos devem acessar o Termo de Retificação do Edital nº 001/2020 no site do SiSU-UFRN.

Matrícula e Confirmação de Vínculo

A matrícula é o ato que vincula o aluno a turmas de componentes curriculares em um determinado período letivo. Já a confirmação de vínculo é o procedimento no qual o estudante ingressante confirma o interesse e a sua disponibilidade de frequentar as aulas e demais atividades acadêmicas do curso.

Com UFRN

França diz que vacinação contra o novo coronavírus será gratuita e poderá começar em janeiro

Foto: REUTERS/Dado Ruvic/Direitos Reservados

O ministro da Saúde da França, Olivier Véran, disse nesta terça-feura (17) que se a vacina da Pfizer contra o novo coronavírus for eficaz e segura, a vacinação no país será gratuita e deverá começar no início do próximo ano.

“Se forem validadas, teremos as primeiras vacinas no início do ano”, explicou Véran, em entrevista ao canal BFMTV, acrescentando estar confiante de que a Pfizer e sua parceira BioNtech transmitirão às agências de saúde todos os dados experimentais “até daqui a três semanas”, para serem examinados.

O ministro também lembrou que a Comissão Europeia já fez uma pré-encomenda, que implica o equivalente a cerca de 30 milhões de doses para a França, e que a administração das vacinas será gratuita, assim como os testes de detecção de covid-19.

Olivier Véran recusou-se a avançar com datas para a reabertura do comércio e a comentar informações divulgadas por alguns meios de comunicação, que indicam que o governo analisa a hipótese de manter os bares e restaurantes fechados até meados de janeiro.

“Queremos reabrir as lojas em boas condições para não termos de as fechar novamente”, disse, recusando repetidamente apontar datas concretas.

O ministro da Agricultura, Julien Denormandie, avançou, entretanto, em entrevista à Rádio RMC, que vai ser autorizada, a partir da próxima sexta-feira (20), a venda de árvores de Natal, mas apenas em espaços abertos.

A França está em regime de confinamento domiciliar desde 30 de outubro, devendo a condição durar até, pelo menos, 1º de dezembro, mas o governo já avisou que algumas restrições serão mantidas além dessa data, continuando a ser obrigatório utilizar documentos de autorização para fazer viagens e mantendo-se o fechamento de bares e restaurantes.

A França contabiliza cerca de 45 mil mortos devido à covid-19 desde o início da pandemia e, apesar de os indicadores de disseminação do vírus estarem melhorando no país, o primeiro-ministro sinalizou, na segunda-feira, a vários líderes religiosos que as celebrações só devem voltar a ser autorizadas a partir de 1º de dezembro.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.319.561 mortos, resultantes de mais de 54,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo balanço da agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no fim de dezembro de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

Agência Brasil, com RTP

Vacina da Oxford contra Covid estará disponível no Brasil a partir de janeiro, afirma ministro da Saúde

Foto: Carolina Antunes/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta sexta-feira, 2, que 30 milhões de doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, em parceria com a AstraZeneca, estarão disponíveis no País a partir de janeiro. A nova data é um adiamento do cronograma inicial, que previa a chegada da primeira metade de unidades ainda em dezembro e a segunda no primeiro mês de 2021.

Em entrevista à CNN Brasil, o ministro destacou que mesmo com a entrega, o processo de imunização depende do aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).”Uma vez aprovada a vacina com registros internacionais, cabe à Anvisa certificar no Brasil. Quanto à velocidade da certificação e aceleração de fases, eu não tenho essa posição hoje, que é específica da Anvisa. Assim que tivermos a vacina e a autorização, começamos a vacinar”, disse Pazuello.

Na quarta-feira, 30, ao ser questionado sobre a data para o lançamento da vacina no País, o gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes Lima Santos, afirmou, também em entrevista à CNN: “A Anvisa não se compromete com prazo, mas só libera quando tiver segurança e qualidade bem estabelecidas”. Segundo Mendes, a análise do registro da vacina da Universidade Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, o primeiro desse tipo no País, deve durar até 60 dias. Em situações normais, esse período é de um ano. Entretanto, ele pontuou que um prazo menor não interfere na qualidade da avaliação.

“A iniciativa de otimizar os processos administrativos não significa a redução dos critérios técnicos, que são baseados em três pilares: segurança, qualidade e eficácia”, disse em entrevista à rádio CBN nesta sexta-feira, 2.Sobre a distribuição da vacina após a aprovação pelo órgão, Pazuello reiterou que a imunização estará disponível para toda a população por meio do Sistema Único de Saúde. “É importante deixar claro que todas as vacinas que o SUS adquirir fazem parte do PNI (Programa Nacional de Imunização). Por isso, serão para todos os brasileiros”, afirmou o ministro da Saúde.

Época

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Entregador De Pizza 🍕 disse:

    A vacina Chinesa Coronavac, é mais confiável e tá aí, na cara do gol já.

    • Fulgêncio disse:

      É??
      Mas vc tem que esperar a da Venezuela.
      Quem sabe da Argentina.

  2. Jr disse:

    Não consigo entender como vão começar a vacinação em janeiro? se ainda não existe nem uma vacina comprovada contra a peste?

  3. Jacó disse:

    Bolsonaro, ôôô homi bom!!
    A véi arrochado.
    Chupa entregador de pizzas.

Confiança da indústria atinge maior nível desde janeiro de 2013

CNI/Miguel Ângelo/Direitos reservados

O Índice de Confiança da Indústria, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), cresceu 8 pontos na passagem de agosto para setembro deste ano. Com o resultado, o indicador chegou a 106,7 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos, o maior nível desde janeiro de 2013, quando também registrou 106,7 pontos.

Dezoito dos 19 segmentos industriais pesquisados registraram aumento da confiança de agosto para setembro.

O Índice da Situação Atual, que mede a confiança dos empresários no momento presente, cresceu 9,5 pontos e chegou a 107,3 pontos. Já o Índice de Expectativas, que mede a confiança no futuro, subiu 6,3 pontos e atingiu 105,9 pontos.

“Na opinião dos empresários, a demanda estaria satisfatória, o nível de estoques está confortável e haveria expectativa de aumento de produção e do quadro de pessoal no curtíssimo prazo. Esse resultado sugere que o pior da crise já foi superado e que o setor teria fôlego para continuar a apresentar resultados positivos no próximo trimestre”, afirma a economista da FGV Renata de Mello Franco.

Há no entanto, uma preocupação do setor com relação aos próximos seis meses. “Uma cautela possivelmente motivada pela incerteza com relação aos rumos da economia após a retirada dos programas emergenciais do governo”, diz Renata de Mello Franco.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Cadê os esquerdopatas de plantão?
    A meta deles agora é ir contra o renda cidadã, medida que irá ajudar a mais 6 milhões de desassistidos.

Provas do Enem serão realizadas nos dias 17 e 24 de janeiro de 2021, informa Inep

FOTO: CADU ROLIM/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

O Inep (Instituto Nacional de Estudo e Pesquisas Educacionais) anunciou nesta quarta-feira (8) que o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) será realizado em janeiro de 2021.

Conforme anunciado no edital, as provas deveriam ser realizadas em novembro deste ano, no entanto, por conta da pandemia do novo coronavírus, o exame foi adiado.

Diante disso, o MEC (Ministério da Educação) chegou a realizar uma enquete entre os participantes. A maioria (49,7%) optou por fazer as provas em maio e 35,3% em janeiro. Mas o Inep não levou em consideração o resultado da pesquisa e optou por ouvir secretários de educação e as universidades.

No entendimento do instituto, a realização do Enem em maio faria com que estudantes perdessem o primeiro semestre. Porque além da correção das provas, é preciso que as notas sejam colocadas no Sisu (Sistema de Seleção Unificado), porta de entrada para as universidades públicas. Também prejudicaria os calendários do Fies (Financiamento Estudantil) e ProUni (Programa Universidade para Todos).

As universidades particulares também seriam prejudicadas uma vez que os alunos aguardam as notas das públicas para depois fazerem matrícula nas instituições privadas.

Justiça

Além da mudança de data das provas, uma liminar na Justiça impede que o contrato com a nova gráfica responsável pela impressão das provas seja assinado. A Valid, segunda colocada na licitação, afirma que a Plural não apresentou os requisitos de segurança necessários.

R7

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Dede Costa Gournnon disse:

    Quanta balbúrdia desses esquerdistas da UFRN,. Vamos fechar isso aí, talk?

Estudo da Fiocruz diz que covid-19 chegou ao Brasil em janeiro

Foto: Sérgio Lima/Poder360

Estudo liderado pela Fiocruz (Instituto Oswaldo Cruz) indica que o novo coronavírus –causa da covid-19– já estaria circulando no Brasil em janeiro de 2020. Mais de 1 mês antes do 1º registro da doença, em 26 de fevereiro, em São Paulo.

Leia aqui (597kb) a íntegra da pesquisa.

De acordo com a Fiocruz, a transmissão do vírus já acontecia em 4 de fevereiro, muito antes dos registros oficiais, que indicam 13 de março. Ou seja, a doença já estava se propagando na época do carnaval. Quando o Brasil começou a monitorar a doença em fronteiras e aeroportos, o vírus já estava nas ruas.

A metodologia da pesquisa usa como base os registros de óbitos, além de análises dos resultados de investigação de casos de SRAG (síndrome respiratória aguda grave) por exames moleculares, disponíveis nos portais InfoGripe e MonitoraCovid-19, ambos da Fiocruz. Integraram o estudo pesquisadores da Fiocruz-Bahia, da UFES (Universidade Federal do Espírito Santo) e  Udelar (Universidade da República) – no Uruguai.

De acordo com o estudo, o 1º óbito por covid-19 no Brasil foi no Rio de Janeiro, na 4ª semana epidemiológica –ou seja, de 19 a 25 de janeiro.

O 1º registro oficial de morte por Covid-19 é de 17 de março, em São Paulo. Mas nessa semana –15 a 21 de março–, segundo os registros do MonitoraCovid-19, já havia 670 mortes.

Ao jornal, o coordenador da pesquisa, Gonzalo Bello, disse que a 1ª morte foi identificada por meio de exames moleculares (RT-PCR) em estudos retrospectivos. Os resultados das amostras colhidas dos mortos e doentes identificados apenas como “SRAG” começaram a ser divulgados na última semana.

Poder 360

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    Que tal bg , fazer uma reportagem sobre essa lei 13979, lançada em 06/02 pelo Bolsonaro.

  2. Justus disse:

    Não sou fã de Bolsonaro, mas ao caro leitor que malha o Presidente por qualquer motivo, em 6-2-2020 ele fez a lei 13. 979, que já permitia a quarentena pelos governadores. Inclusive você deve ter aproveitado o carnaval, não é? A propósito, este blog não lançou uma nota sobre descobrimento do Brasil, dia da Vitória (ainda mais em Natal) e o 13 de mao.. Mas civismo é coisa brega, não é?

  3. Brasil Acima de Todos disse:

    O importante para o governadores é que tivesse o carnaval, mesmo sabendo que nesse período seria o start para a disseminação aqui no Brasil. Agora ficam com discurso de lockdown… As contas chegando e o trabalhador e empresários quebrando…

  4. MITO, M I T O, M I T O disse:

    Por que ele não mandou aumentar a produção de cloroquina nessa época?
    Ou ele já contava com milhares de mortos no carnaval. Ele gosta…

  5. Severino Portões (vulgo Biu Gates) disse:

    Quem não sabia, desde novembro/dezembro, que a peste chinesa não estava prestes a se espalhar pelo Mundo? Claro, a santíssima e inquestionável tava dizendo para abraçar um chinês.

  6. Paul disse:

    Só papai Noel, Doria e outros governadores papagaios é que não sabiam. Incrível é que eles foram avisados por um tal Jair Bolsonaro. Estranho né?

  7. J.Dantas disse:

    E os nossos gestores fazendo a festa no carnaval…

Ministério da Saúde corrige data e informa que caso de Covid-19 ocorrido em janeiro foi em 25 de março

Foto: Reprodução

O Ministério da Saúde corrigiu nesta sexta-feira (3) a informação que havia divulgado nesta quinta (2) de que a primeira morte por coronavírus no país tinha sido em 23 de janeiro. Veja a nota:

“O Ministério da Saúde foi comunicado pela Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) nesta sexta-feira (3) sobre a conclusão de investigação do possível primeiro caso de Covid-19 no Brasil. A informação de início dos sintomas foi alterada de 23/1/2020 para 25/3/2020. Os dados no sistema de notificação estão sendo atualizados.”

Questionado sobre quem teria cometido este erro, o Ministério da Saúde disse: “Informamos que o erro foi por parte da SES-MG, que é responsável por cadastrar as notificações no sistema”.

Já a Secretaria de Estado da Saúde disse apenas que apura o ocorrido.

Na quinta-feira (2), o governo informou que a primeira morte causada por coronavírus no Brasil ocorreu em 23 de janeiro, mais de um mês antes daquele que foi confirmado como o primeiro caso. De acordo com o Ministério da Saúde, a descoberta é resultado de uma “investigação retrospectiva” dos pacientes internados com quadros de síndrome respiratória aguda grave.

Até então, o primeiro caso caso positivo de coronavírus tinha sido anunciado em 26 de fevereiro: um homem que mora em São Paulo, tem 61 anos, e que esteve na Itália. Quando o caso foi confirmado à época, já havia outros 20 casos em investigação e 59 suspeitas descartadas. Ao contrário da mulher de Minas Gerais, o empresário de São Paulo não chegou a ser internado e conseguiu se curar da doença.

“Lembrem-se que estamos fazendo a investigação de casos internados. Muitos desses casos estão com material colhido, e nós tivemos, a partir de investigação retrospectiva, a identificação do primeiro caso confirmado. Ele é da semana epidemiológica 4, de 23 de janeiro”, disse o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, nesta quinta-feira (2).

Morte inédita

Em Minas Gerais, até o momento, não houve nenhuma morte registrada no dia 25 de março, tampouco. O primeiro óbito confirmado no estado foi em 29 de março, conforme antecipado pelo G1 naquele dia e tornado público pela Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG) no dia 30 de março.

Tampouco houve até o momento nenhum caso de morte em Minas de paciente com 75 anos, data informada pelo Ministério da Saúde.

No boletim epidemiológico divulgado pela SES-MG no início da tarde desta sexta (3), são confirmadas seis mortes pela Covid-19 em Minas Gerais, mas nenhuma delas é de paciente morto no dia 23 de janeiro ou no dia 25 de março.

O G1 questionou a Secretaria de Estado da Saúde sobre essas divergências e perguntou quem seria esse paciente morto no dia 25 de março e aguarda resposta.

Divergência

Ainda na noite desta quinta-feira (2), a SES-MG disse desconhecer esta morte em 23 de janeiro e reiterou que o primeiro caso de coronavírus confirmado em Minas Gerais foi no dia 8 de março, de paciente em Divinópolis.

Já o primeiro caso suspeito de coronavírus, segundo a SES, foi o de 28 de janeiro. “Era uma mulher de 22 anos, com histórico de intercâmbio estudantil para Wuhan e retorno ao Brasil em 24/01/2020. Este caso foi descartado dias depois”.

Na manhã desta sexta-feira (3), a SES-MG afirmou que aguardava mais informações do governo federal para identificar o caso e “adotar as medidas pertinentes”.

A pasta informou que, segundo dados disponíveis no Sistema de Informação de Vigilância da Gripe (SIVEP-Gripe), no mês de janeiro de 2020 foram registradas 163 notificações de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em Minas Gerais. Destas, 71 notificações foram de SRAG em pacientes com mais de 70 anos de idade.

Outra data para o zika

O secretário afirmou que uma mudança na data que marcou a confirmação do primeiro caso também ocorreu com o vírus da zika.

“Isso foi feito também no zika vírus. Inicialmente achávamos que os primeiros casos eram de abril de 2015 e, um ano depois, com investigação retrospectiva, verificamos que tinha caso de zika vírus identificado em banco de sangue na região amazônica desde abril de 2014”, disse Wanderson.

G1

Produção industrial no país sobe 0,9% em janeiro

Foto: Christiano Diehl Neto / Agência O Globo

A produção industrial cresceu 0,9 % em janeiro, na comparação com dezembro do ano passado, de acordo com a Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada nesta terça-feira pelo IBGE. Em relação ao mesmo mês do ano passado, a retração foi de 0,9 %.

Analistas ouvidos pela Bloomberg esperavam avanço de 0,6% entre dezembro e janeiro e de uma queda de 1% em relação a janeiro de 2019.

O resultado interrompe a sequência de dois meses consecutivos de queda na indústria brasileira, mas precisa ser relativizado, uma vez que não indica uma mudança de trajetória no setor, na avaliação de André Macedo, gerente da pesquisa do IBGE.

— Esse avanço se dá em cima de uma base depreciada, o ano havia terminado com dois resultados negativos em sequência, que totalizavam uma perda acumulada de 2,4% — afirma — A gente permanece com uma leitura de predominância de perda da produção.

O resultado de janeiro foi influenciado pelo desempenho de bens de capital, que no mês registrou um avanço de 12,6% na comparação com dezembro e de 3,9% na comparação com o mesmo período do ano anterior, e de intermediários.

Foi um crescimento acima da média, após a retomada da produção nas indústrias de veículos após o período de férias coletivas.

O aumento na produção de máquinas e equipamentos fez com que o avanço de janeiro em bens de capital fosse o mais intenso desde junho de 2018, quando cresceu 23% logo após a greve dos caminhoneiros.

No entanto, ainda está distante de recuperar a perda de mais de 14,8% registrado ao longo do ano passado, e 35,5% abaixo do maior nível de atividade, registrado em 2013.

— Tivemos um segundo semestre de 2019 com bens de capital com ritmo de menor intensidade, a entrada desse 12,6% (na série histórica da pesquisa) tem que ser pensado que é em cima de algo que havia recuado bastante, mas ainda está longe de recuperar a perda que essa categoria teve no período recente — explica Macedo.

O índice é um indicativo do aporte de recursos feitos no país para aumentar a capacidade produtiva. Economistas afirmam que para o país sair do patamar de 1% de crescimento pelo quarto ano consecutivo será necessário alavancar os investimentos, estagnado em 15,4% do PIB nacional.

Bens intermediários e de consumo durável

Além de bens de capital, os bens intermediários (0,8%), como a produção de derivados do petróleo e alimentícios, e de consumo durável (3,7%), como automóveis e eletrodomésticos, apresentaram elevação da atividade econômica em janeiro, na comparação com dezembro de 2019.

Nos grandes grupos, somente os bens de consumo semi e não duráveis, que incluem laticínios e o setor têxtil, não apresentaram alta (-0,1%).

Apesar do resultado positivo, a indústria ainda está 17,1% abaixo do nível recorde de atividade, registrado em maio de 2011. Segundo Macedo, o nível de produção do setor industrial nacional é similar ao identificado há mais de dez anos, em 2009.

Menor crescimento global

O comportamento da indústria é um dos principais termômetros para avaliar o desempenho do PIB. Com o resultado deste mês, a questão é se o PIB conseguirá avançar a um ritmo dentro do esperado até o fim do ano, diante da provável desaceleração global.

Em todo o país, fábricas já anunciaram a paralisação das linhas de produção por conta da falta de insumos básico para produzir, após a crise do coronavírus afetar as importações.

Para Macedo, os resultados de janeiro não indicam ter sinais de impacto da crise do coronavírus na economia global. Ainda não se sabe se os indicador de fevereiro já pode trazer algum impacto na pesquisa do IBGE.

— Sabemos que pode trazer problemas de insumo na produção de bens domésticos, no comércio internacional, mas não sabemos se isso irá aparecer em fevereiro e em qual insentidade. O que vemos é que diversos setores já estão mapeando empresas que estão sentido isso (problemas de insumo) — ressalta.

Em relatório encaminhado aos clientes, o economista-chefe do Goldman Sachs, Alberto Ramos, alertou que o setor industrial brasileiro deve sofrer com o menor crescimento global nos próximos meses.

No entanto, pode se beneficiar da queda da taxa de juros por parte do Banco Central (BC), especulada para a próxima reunião do Copom, na próxima semana.

“Daqui para frente, esperamos que o setor industrial de baixo desempenho sofra os ventos contrários do menor crescimento global e do comércio devido ao impacto econômico e social do surto de Covid-19. A produção e as interrupções logísticas nas cadeias de suprimentos industriais internacionais também podem impactar temporariamente a base industrial doméstica”, alerta.

Economistas de instituições financeiras têm revisado para baixo as projeções para os indicadores brasileiros nas últimas semanas. Para este ano, eles projetam um cenário de crescimento da produção industrial na ordem de 2%, segundo pesquisa Focus do Banco Central. Já para o resultado do PIB, a previsão é de uma alta de 1,99%.

O Globo

Contas públicas com saldo positivo: maior superávit para janeiro da série histórica, com R$ 44,124 bilhões

 

As contas públicas iniciaram o ano com o saldo positivo. Em janeiro, foi registrado superávit primário do Governo Central – Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central – de R$ 44,124 bilhões, aumento real (descontada a inflação) de 41% em relação ao mesmo período de 2019 (R$ 30,030 bilhões). O resultado do primeiro mês do ano foi o melhor para o período já registrado pela Secretaria do Tesouro Nacional, na série histórica com início em 1997.

O resultado primário é formado por receitas, menos despesas, sem considerar os gastos com juros. Neste ano, a meta para o resultado primário é de déficit de R$ 124,1 bilhões.

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, explicou que o resultado de janeiro foi “muito bom”, influenciado pela arrecadação recorde, mas ainda é cedo para dizer vai continuar assim nos outros meses do ano.

“O resultado de janeiro foi muito bom, com movimento muito atípico da arrecadação. Mas não dá pra extrapolar para o resto do ano. Não dá pra saber se vai ser consistente ou não. Temos de esperar alguns meses para ver o que vai acontecer com a arrecadação, que teve um crescimento expressivo em janeiro”, disse.

Em janeiro, a receita líquida (descontadas as transferências para estados e municípios) chegou a R$ 151,691 bilhões, com aumento 6,4% em relação ao mesmo mês de 2019. A despesa total caiu 3,3%, chegando a R$ 107,567 bilhões.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Esses petralhas deviam ser proibidos de escrever besteiras, já nos basta o pinguço de nove dedos e sua anta sapatão. É muita burrice para um partido que será declarado extinto em breve.

  2. Francisco disse:

    A custa dos trabalhadores, servidores públicos do executivo e dos programas sociais, programas de saúde para a população mais pobre, pesquisas científicas e Instituições de ensino, que estão pagando essa conta.
    Se o estado fosse uma instituição privada que visasse apenas lucro, ainda poderíamos aceitar tal gerenciamento. Mas quando sabemos que os maiores bens do Estado são as pessoas e o seu bem estar o maior patrimônio, as contas estão ao inverso, pois como está sendo gerido, os grandes ganhadores tem sido os investidores das bolsas de valores, banqueiros e empresários, que mandam seu rico dinheirinho para fora do país, aplicado em paraísos fiscais longe de nós que pagamos mais essa conta.

  3. Cresio disse:

    Deve ser o resultado dos milhões de aposentadorias e bolsa família represadas! Quando começar a liberação desses valores, o país quebrará de vez…

    • Socorro disse:

      Chola não bb.
      O bolsa miséria teve até décimo terceiro no governo Bolsonaro.
      Mas a intenção mesmo, é acabar com essa porcaria, não tira ninguém da miséria, só serve para o PT, trocar por votos e nada mais.
      Bolsonaro, vai acabar com essa vergonha, o povo precisa é de emprego, gerar rendas, e não esmolas.
      Pense nisso meu caro.

  4. Humilde Iconoclasta disse:

    É só votar no 13 nas próximas eleições que acaba essa farra de notícias boas. Brasileiro é para se lascar mesmo, não tem esse negócio de progresso aqui não.

Mais de 198 mil brasileiros tiveram WhatsApp clonado em janeiro

Foto: Getty Images

Um levantamento da statup PSafe estimou que 198,1 mil brasileiros tiveram o Whatsapp clonado em todo o país somente no mês de janeiro. De acordo com o estudo, São Paulo lidera a lista de estados mais afetados, com 41,2 mil vítimas. Em seguida, estão o Rio de Janeiro (24, 2 mil) e Minas Gerais (15,9 mil).

O Whatsapp tem sido alvo constante de clonagem. O golpe mais comum recentemente ficou conhecido como o golpe da festa.

“No golpe da festa, o criminoso pesquisa por eventos que terão a presença de pessoas famosas. Depois, se passando pelo organizador da festa, o golpista entra em contato com a potencial vítima para solicitar uma suposta confirmação de identidade. Para realizar a confirmação, a pessoa precisa informar um código enviado ao seu celular. Contudo, o que a vítima não percebe é que este código se trata de um PIN de seis dígitos que libera acesso à sua conta do WhatsApp. Ao fornecê-lo, ela tem a conta bloqueada em seu celular e liberada no aparelho do atacante. A partir daí, a vítima tem seu WhatsApp clonado”, explicou Emilio Simoni, diretor do dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe, no resultado da pesquisa.

Vaga de emprego foi golpe mais usado

Ainda segundo o levantamento, em janeiro foram detectados 7.590 mil golpes que impactaram 13,6 milhões de usuários em todo o país. A temática mais usada foi a de vaga de emprego falsa, atingindo mais de 5 milhões de pessoas.

Como se proteger

Emilio Simoni listou na divulgação da pesquisa alguns cuidados para não cair em golpes. Confira:

Tenha cuidado ao clicar em links compartilhados no WhatsApp ou nas redes sociais. Sempre verifique as informações compartilhadas nos sites oficiais das empresas, e desconfie de promoções, brindes e descontos.

Para evitar ter o Whatsapp clonado, ative a autenticação em dois fatores. Disponível no próprio Whatsapp, a função aumenta a segurança da conta. Para ativar, abra seu Whatsapp e toque em Configuração (Android) ou Ajustes (iOS) > Conta > Confirmação em duas etapas > ativar

Utilize soluções de segurança no celular que disponibilizam proteção contra clonagem no Whatsapp

Ilustração/Arte UOL

UOL

PM tem em janeiro índice de recuperação de veículos roubados acima de 68% na região metropolitana de Natal

FOTO: PM/ASSECOM/REPÓRTER: CB GLAUCIA

O Comando de Policiamento Metropolitano (COM), responsável pela coordenação das unidades operacionais na Região Metropolitana de Natal, divulgou, na última sexta-feira (14), os dados de prisões e apreensões efetuadas em janeiro de 2020 nos dez municípios de atuação dos batalhões e unidades especializadas sob o seu comando.

De acordo com os dados extraídos do setor estatístico do Comando de Policiamento Metropolitano, os policiais militares que integram as unidades operacionais sob seu comando conseguiram ter um índice de recuperação de veículos roubados e furtados em 68,31%.

Conforme os dados, o índice de recuperação aumenta em relação ao número de carros recuperados. Em janeiro de 2020, cerca de 79% dos carros roubados na Região Metropolitana foram recuperados pela Polícia Militar. Já em relação às motos roubadas, o índice de recuperação foi de 54,5%.

Embora o Comando de Policiamento Metropolitano tenha como área de atuação dez municípios que integram a Região Metropolitana de Natal, o maior índice de recuperação de veículos roubados foi constatado no Município de Natal, com 66,6% de recuperação de veículos e restituição aos seus respectivos proprietários.

O Comando de Policiamento Metropolitano – antigo Comando de Policiamento da Capital (CPC), foi criado pelo Decreto n° 21.614/2010, tendo como missão a preservação da ordem pública na Região Metropolitana de Natal, no que compete à Polícia Militar, de acordo com as diretrizes e ordens emanadas do Comando Geral da corporação.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. JSL disse:

    Nessa ótica dos comentários do Paulo, Joca e Daniel, devemos então agradecer aos vagabundos por terem abandonado os veículos.
    Queira vcs que não sejam roubados.

  2. Daniel disse:

    Se não fossem abandonados, o índice de recuperação seria praticamente ZERO.

  3. Joca disse:

    Polícia ir atrás de carro roubado??!! isso não existe. A gente presta queixa e eles dizem “está certo vamos procurar” kkkkk

  4. PAULO disse:

    EXISTE UMA DIFERENÇA MUITO GRANDE ENTRE UM VEÍCULO RECUPERADO E UM VEÍCULO ABANDONADO PELO PRÓPRIO CRIMINOSO. A GRANDE MAIORIA DESSES VEÍCULOS FORAM ABANDONADOS NO MEIO DA RUA, A POPULAÇÃO LIGA INFORMANDO PARA O 190 E PRONTO, ESTÁ "RECUPERADO"! rsrsrs A PERGUNTA É, SE O PRÓPRIO BANDIDO NÃO ABANDONASSE O VEÍCULO, QUANTOS POR CENTO REALMENTE SERIAM RECUPERADOS ( ESCONDIDOS NO QUINTAL DE UMA RESIDÊNCIA, EM UM DESMANCHE.)???? 5%,10%, NO MÁXIMO…

  5. dev disse:

    Testando comentários

Entrada direta de turistas estrangeiros no RN cresce 48% em janeiro

Foto: Wendell Jefferson/Inframerica/Divulgação

A quantidade de turistas internacionais que desembarcaram no Rio Grande do Norte por meio de voos diretos em janeiro de 2020 foi 48,11% maior que o mesmo período de 2019. Os dados foram informados pelo Núcleo de Imigração da Polícia Federal no RN, responsável pela fiscalização de voos diretos que aportam no Aeroporto de Natal. É estimada uma movimentação financeira de aproximadamente R$15 milhões referente aos mais de 3000 viajantes.

A secretária de turismo do estado ressalta os efeitos da implantação de novos voos e frequências na alta temporada. “É importante observar e valorizar os efeitos que a chegada de novos voos promovem em um destino, principalmente em se tratando de frequências internacionais. As perspectivas de fomento na economia impactam a realidade das pessoas que trabalham direta ou indiretamente no setor do turismo”, comentou Aninha Costa.

“Estamos trabalhando fortemente com ações de marketing e inteligência comercial voltadas para o mercado internacional, tendo em vista o mercado europeu e sem esquecer o público latino, que representa hoje a nossa maior entrada. Nossa expectativa é que os esforços façam com que a busca pelo destino RN seja ampliada nesses mercados específicos também na baixa temporada”, afirmou Bruno Reis, diretor da Empresa Potiguar de Promoção Turística.

Maior entrada de portugueses do Brasil

Entre as principais portas de entrada dos voos da TAP no Brasil, Natal é a que possui maior participação de passageiros estrangeiros de entrada em relação ao total de viajantes, sendo o único estado a receber uma quantidade maior de estrangeiros que a quantidade de brasileiros saindo do país. Em números, do total de passageiros (77.408) que voaram a ligação Natal-Lisboa/Lisboa-Natal, de outubro de 2018 a setembro de 2019, 59,7% correspondem ao fluxo de entrada no país (inbound), enquanto 40,3% (outbound) ao de saída.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Petralha disse:

    A patrulha da direta só comenta oq lhe convém! Quando ministro babaca Guedes falou sobre viagens, empregados domésticos, Disney e dólar alto….não falam nada! Essa turma que frequenta os lugares da burguesia de Petrópolis é foda.

    • Ricardo disse:

      Todo o mundo que usa o termo "burguesia" quer fazer parte dela.
      Morre de inveja.

  2. Matematica disse:

    Guedes diria. Absurdo isso. Empregadas domésticas de outros países nos visitando.

  3. Ricardo disse:

    Dólar barato = Real caro = enviamos turistas.
    Dólar caro = Real barato = recebemos turistas.
    Reclamem com o Paulo Guedes.

  4. Sayonara disse:

    Um trabalha de desenvolvimento feito pelo o governo do estado, injetando positivamente na economia, parabéns a Govenadora #FátimaBezerra sei que muito mais ela irá fazer em nossa estado

    • Vitor disse:

      Destaque para a secretária Aninha, trabalho excelente. Mérito também ao consórcio nordeste, que está buscando parcerias na Europa, já que temos um governo federal inoperante com o qual não podemos contar.

  5. Pedro disse:

    Mais que a governadora é fraca igual a caldo de biloca não se discute, verdade absoluta. Ela consegue se aproximar e as vezes ultrapassar, na mediocridade, Rosalba e Robinson, fato lamentável, inclusive não só ela é mais toda a sua equipe, faltam quadros e inteligência. Ela é uma bronca, covarde, mentirosa, que em virtude das suas limitações vai nos fazer sofrer ainda 03 anos.

    • Dedé Costa disse:

      Todos os PARTIDOS DE ESQUERDA, sempre conviveu com mentiras , encenação teatral e enganação. O exemplo é o atual governo, mentiu 40 anos, PELEGAS, SINDICATOS, ORGANIZAÇÕES e FUNCIONALISMO tudo pelo PT, até agora , as reivindicações nenhuma foram atendidas. As propostas atendidas e únicas foram dos altos SALÁRIOS. VIVA PT!!!

  6. PAULO disse:

    Acho chato quando às pessoas só comentam o que lhe convêm, se a matéria estivesse dizendo que o RN perdeu 10 turistas, teríamos muita gente aqui bradando que o RN tá acabado e blá blá, mas como a notícia é positiva, ninguém aparece pra comentar. Tudo isso fruto de uma polarização burra, por isso que prefiro ser livre pra criticar ou elogiar…

Com queda da carne, inflação vai a 0,21%, a menor para janeiro desde 1994

(Cris Faga/NurPhoto/Getty Images)

Depois de avançar a 1,15% em dezembro por conta dos preços da carne, a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), desacelerou para 0,21% em janeiro, divulgou nesta sexta-feira (7) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

É o menor resultado registrado no mês desde o início do Plano Real, em julho de 1994. No acumulado dos últimos 12 meses, o indicador registrou 4,19%.

O valor de janeiro ficou abaixo do esperado pelo mercado. A expectativa do Top 5 do Boletim Focus, por exemplo, formado pelo grupo dos economistas que mais acertam, era de um avanço de 0,32%, igual ao verificado em janeiro do ano passado.

“Foi um resultado surpreendente. Prevíamos uma taxa de 0,4%, o dobro do que veio. Erramos na magnitude dos movimentos. O IBGE registrou para carne bovina, por exemplo, recuo de 4% e a gente esperava queda um pouco mais tímida, em torno de metade disso”, diz André Braz, especialista em inflação do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre/FGV).

O recuo no preço das carnes foi o grande responsável pela desaceleração geral dos preços, segundo o gerente de Índice de Preços do IBGE, Pedro Kislanov. Esse movimento pode ser visto na variação do grupo Alimentação e Bebidas, que foi de 3,38% em dezembro para 0,39% em janeiro.

Após a alta de 18,06% no mês anterior, as carnes apresentaram queda de 4,03% no IPCA de janeiro, contribuindo com o maior impacto negativo no índice do mês (-0,11 p.p.), segundo ele.

“Tivemos uma alta muito grande no preço das carnes, nos últimos meses do ano passado, devido às exportações para a China e alta do dólar que restringiram a oferta no mercado interno. Agora, percebemos um recuo natural dos preços, na medida em que a produção vai se restabelecendo para atender ao mercado interno”, disse Kislanov em nota.

Para Braz, do Ibre, a variação dos preços no início do ano antecipa parte da devolução pelas altas registradas no final de 2019. “Lembrando que, apesar de ser um bom número, ainda não neutraliza a sensação do consumidor. Isso porque os aumentos acumulados ainda superam muito essa pequena devolução registrada em janeiro”, diz.

Esse efeito de devolução deve continuar. “Não se limita a esse mês. Em fevereiro, queda deve ser mais acentuada, porque a carne pode continuar caindo”, completa Braz.

IPCA – Brasil – Variação 12 meses

O grupo Habitação teve a maior alta entre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados (0,55%), assim como o maior impacto na inflação mensal (0,08 ponto percentual p.p.). Segundo o IBGE, isso aconteceu por causa dos preços de condomínio (1,39%) e aluguel residencial (0,61%).

Outros cinco grupos também apresentaram alta, com destaque para os Transportes, que com uma revisão do IBGE se tornaram o grupo com maior peso na cesta de e Transportes (veja mais na tabela abaixo).

O resultado dos Transportes (0,32%) foi puxado pela gasolina (0,89%) e o etanol (2,59%). O peso dos impostos nos preço dos combustíveis foi o estopim de uma divergência pública, nesta semana, entre o presidente Jair Bolsonaro e os governadores.

Os preços dos ônibus urbanos variaram 0,78%, devido aos reajustes nas tarifas em várias regiões. Já o maior impacto negativo (-0,05 p.p.) veio das passagens aéreas (-6,75%), que haviam apresentado alta de 15,62% no índice de dezembro.

No lado das quedas, a contribuição negativa mais intensa (-0,04 p.p.) veio de Saúde e cuidados pessoais (-0,32%). Os demais grupos ficaram entre a queda de 0,48% em Vestuário e a alta de 0,35% em Despesas pessoais, destaca o IBGE.

Nova estrutura

Nos cálculos da inflação de janeiro, o IBGE usou pela primeira vez a estrutura atualizada pela edição 2017/2018 da nova Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), que acompanha as mudanças nos hábitos de consumo da população. Com a atualização, 56 novos produtos e serviços passam a fazer parte do cálculo, incluindo aplicativos de transporte e serviços de streaming, como Uber e Spotify.

Entraram também na conta despesas relacionadas à vida saudável e estética, tratamento e higiene de animais domésticos e até o consumo de macarrão instantâneo. Outros itens, porém, perderam espaço ou foram excluídos, como aparelhos de DVD, assinatura de jornais e máquinas fotográficas.

Kislanov observa que nenhum dos novos itens da cesta impactaram o indicador em janeiro, mas cita algumas variações: o transporte por aplicativo, cujos preços foram coletados pelo robô criado pelo IBGE, recuou 0,54%, com a maior queda em São Paulo (-2,89%) e maior alta em Goiânia (1,99%).

Já os serviços de streaming não variaram. Higiene de animais domésticos registrou alta de 0,19%, cabeleireiro e barbeiro de 0,20% e sobrancelha, 0,26%.

Para 2020, a projeção dos especialistas de instituições financeiras ouvidos pelo último Boletim Focus é que a inflação fique em 3,40%. A meta é de 4%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Exame

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Josiel disse:

    Com aumento de 6 (seis) reais no salário Mínimo, dá mesmo pra comemorar que a carne suba ou desça.
    A alienação faz o cego ver miragens no deserto onde só existe areia e vento.

  2. Alisson disse:

    Chupa petralhas… Falem o que quiser… Vcs não sabem o que falam mesmo…kkkkkkkk

  3. marcus disse:

    Sou fã do MITO!

  4. Ivan disse:

    Chupa essa manga seu adorador de bandido desviador de verba pública!!!!

  5. Bento disse:

    Eíiiiiiiiiiitttttaaaaa Presidento porreta.

    • José disse:

      Não entendi, na hora que a carne aumentou, a culpa não era do presidente, era a lei do mercado, agora que se estabiliza, foi obra do Presidente.

    • Minion alienado disse:

      Eita vida de 🐄 🐮 Parece que o Messias está na terra e gosta de 🍊

Chuvas em janeiro deste ano no RN foram 66% maiores do que o mesmo período em 2019

Foto: Ilustrativa

O aumento das chuvas ocorreu devido a atuação do sistema meteorológico Vórtice Ciclônico de Ar Superior (VCANS), e em alguns momentos, juntamente com a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT)

As mesorregiões Leste e Agreste do Rio Grande do Norte registraram a maior média de chuvas observadas em janeiro, sendo 125,6% e 87,6%, respectivamente, superiores em comparação a janeiro de 2019. No estado como um todo o incremento foi de 66,6% do volume para o mesmo período, correspondendo a média observada de chuva de 100,7 milímetros (mm), enquanto que a esperada era de 60,4 mm.

Os postos pluviométricos, monitorados pela Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), dos municípios de Portalegre (212,9mm), Barcelona (216,9mm), Cel. João Pessoa (2018mm), São Fernando (196,8mm) registraram a ocorrência de chuvas com volumes mais expressivos em janeiro.

De acordo com o Chefe da Unidade Instrumental de Meteorologia da EMPARN, Gilmar Bristot, foram observadas chuvas com boa distribuição. As precipitações ocorreram em todas as regiões do RN neste período, com registros de volumes acima de 200mm no Alto Oeste e no Trairi. “As chuvas ocorridas em janeiro de 2020 no Estado ocorreram devido a atuação do sistema meteorológico Vórtice Ciclônico de Ar Superior (VCANS), e em alguns momentos, juntamente com a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT)”, disse.

Os primeiros dias de fevereiro já registraram a ocorrência de boas chuvas, especialmente na mesorregião Oeste Potiguar com os três maiores volumes no último fim de semana: Rafael Godeiro (133,4mm), Olho D´água dos Borges (129,7mm) e em Martins (119,4mm). “A perspectiva é de que em 2020 tenhamos um período chuvoso normal a acima do normal, dentro, ou acima, da média histórica na região semiárida potiguar”, avalia Bristot.

A tabela abaixo mostra os valores da chuva média acumulada observada em janeiro de 2020:

Mormaço persiste em Natal e pancadas de chuvas devem se estender no interior entre esta sexta e domingo

Foto: Reprodução/Emparn

A Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte(Emparn) lançou a sua previsão climática para o período que compreende esta sexta(31) e ainda sábado(01) e domingo(02). Na capital potiguar, permanece o tempo abafado, com possibilidade de discretas pancadas de chuvas. No interior, maior probabilidade de chuvas mais volumosas, especialmente, nas regiões Oeste e Leste.

Prefeitura de Natal paga folha de janeiro nesta quinta

Foto: Ilustrativa

A Prefeitura de Natal paga nesta quarta-feira (29) o salário referente ao mês de janeiro de todas as categorias do funcionalismo público municipal, entre ativos, inativos e pensionistas.

As informações estão sendo enviadas pela Secretaria Municipal de Administração (Semad) à instituição financeira responsável pelo crédito nas contas e os servidores poderão movimentar o dinheiro na manhã desta quinta-feira (30).

Ao todo, 21.350 trabalhadores e trabalhadoras da gestão municipal receberão seus vencimentos, injetando quase R$ 61 milhões de reais na economia da capital potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Jeam disse:

    A fiscalização quando vai sempre é ostilizada pelos arruaceiros…

  2. Valerio disse:

    Prefeito, pelo amor de Deus. O que é que a fiscalização da semsur faz? Ponta Negra, está um caos! Ninguém consegui andar pelo calçadão, o local está todo loteado por comerciante irregular. Veja isso pfv.

    • Carlos disse:

      Amigo, ao que parece a Semsur não tem interesse nenhum em resolver essas e outras tantas irregularidades na cidade. Não é só ponta negra a cidade esta toda um caos. Vc Já tentou pegar um ônibus na parada do midway? Caminhar nas calçadas do alecrim?

  3. Juvenal disse:

    O prefeito ÁLVARO DIAS segue mostrando o que é ser um administrador competente! Bem diferente dos oportunistas de plantão que só se preocupam em criar fofocas.