Trânsito

STTU estuda retomar projeto da Via Norte-Sul para desafogar o trânsito em Natal

Foto: Reprodução

Em entrevista do Meio-Dia RN, o secretário adjunto de Trânsito da STTU, Walter Pedro, comentou a situação da rua Abaeté, em Capim Macio, Zona Sul de Natal. O blog do BG publicou o caso da rua que existe no papel, mas no local há uma duna tomada pela vegetação que serve para consumo de drogas e abrigo de marginais.

De acordo com o secretário, a proposta para desafogar o trânsito da região existe desde 2008. O estudo, do qual o adjunto de Trânsito da STTU participou, seria para criação da Via Norte Sul, da Rota do Sol até a Felizardo Moura – passando pela rua Abaeté, avenida das Alagoas, BR 101 a Saint-Exupéry, parte do prolongamento da Prudente, Conjunto dos Bancários, Cidade Nova, Felipe Camarão e BR 226 –, incluindo corredores com três faixas, sendo uma exclusiva.

“Esta semana eu discuti com a Semurb, com o secretario Thiago Mesquita, que se prontificou de dar todo apoio na parte ambiental e urbanística para integrar de novo esse projeto para cidade do Natal”, disse Walter Pedro, que confirmou que o projeto pode ser resgatado.

O adjunto de Trânsito falou ainda que o projeto teria atenção quanto aos cuidados ambientais por ser uma área de duna, que terá que ser retirada. “Não seria uma via simples, mas um corredor para desafogar o trânsito de Capim Macio e a rua Abaeté está num projeto maior, mais amplo” explicou.

Entenda mais AQUI com Blog do Dina – por Dinarte Assunção.

Opinião dos leitores

  1. Já vejo uma certa pessoa ligada ao meio ambiente literalmente colocando terra pra não mexerem nessa duna. Isso é Natal, lugar dos ecoxiitas.

  2. Assim como essa rua existem tantas outras. A Adeodato José dos Reis em Nova Parnamirim é outro descaso. Faltam poucos metros para duplicar e melhorar o transito, mas a prefeitura de Parnamirim faz vista grossa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

Portugal tem plano ambicioso para retomar turismo a tempo do verão; tráfego livre com o Brasil pode depender apenas da “política de recepção”

Público no show em Braga que serviu de teste para a retomada de grandes eventos | Carlos Costa/AFP

O barulho das rodas das malas nas calçadas de pedra portuguesa denunciam: os turistas europeus começam a voltar a Portugal. Mesmo discreta, a movimentação nas grandes cidades é um sinal, ainda tímido, do início da retomada econômica da atividade, para a qual ainda não há data para liberação dos brasileiros. A pouco mais de um mês do verão, o governo do país anuncia o lançamento de um plano de recuperação a tempo de impulsionar a estação capaz de reaquecer o setor.

-O governo está a trabalhar em uma coisa mais ambiciosa, dirigida especialmente ao turismo, que corresponde a um plano onde vamos tentar identificar pontos de financiamento provenientes de várias origens. No final da semana, ou na próxima, vamos apresentar – anunciou Pedro Siza Vieira, ministro da Economia e Transição Digital, em entrevista a correspondentes em Portugal.

A data do anúncio detalhado não é aleatória: a partir do dia 17, os britânicos estarão autorizados a viajar para o exterior e voltar ao Reino Unido sem fazer quarentena. Portugal é o único destino da União Europeia (UE) até este momento a ser incluído na lista verde britânica, um marco da reativação, como celebrou a Secretaria de Turismo. Não é para menos: o Reino Unido é mercado responsável por 19% das pernoites no país e gera, em média, € 3 bilhões de receitas por temporada.

Quanto ao mercado brasileiro, somente a mudança na política de recepção aos turistas de países com elevada incidência de casos de Covid-19 poderia liberar voos de turismo em breve. O Turismo de Portugal já havia defendido a proposta de abertura com base no “risco de contágio por pessoa” e não no risco país. Assim, pessoas vacinadas ou imunes poderiam viajar. Esta é uma das bases da proposta de um certificado verde digital enviada à UE pela presidência portuguesa do Conselho Europeu. Esta semana começam os testes do “passaporte da vacina” dentro dos 27 países da UE.

Uma parte do investimento na retomada do turismo virá do resgate previsto no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) aprovado pela UE. O montante a que Portugal tem direito ultrapassa os € 16 bilhões. Mas, como Siza esclareceu, não será a única fonte do projeto de retomada.

-Há vários instrumentos financeiros para a economia nos próximos tempos. É costume prestar atenção em uma parte, que está no PRR. Mas, como se sabe, o Turismo de Portugal tem recursos que decorrem das receitas das contrapartidas do jogo, que reinveste no setor turístico todos os anos. Temos, ainda, os fundos europeus estruturais de investimento Portugal 2020. Contamos apresentar um plano plurianual que buscará recursos a todos estes instrumentos e não só à bazuca (apelido do PRR) – disse o ministro.

Com a pandemia controlada, atraente aos ingleses e com as fronteiras terrestres abertas aos vizinhos espanhóis, o país irá direcionar o plano para a recuperação, capacitação e promoção das empresas do setor, massacradas pela crise. A quebra foi de 80% apenas no primeiro semestre deste ano.

-Estas empresas terão uma retomada mais lenta. E uma parte muito substancial destes apoios serão dirigidos para reestruturação das suas dívidas e reforço dos seus capitais próprios. Mas também faremos apoio à promoção externa, qualificação da oferta e investimento nos destinos turísticos que queremos diversificar – explicou Vieira.

Ao mesmo tempo em que fará promoção no mercado internacional, Portugal lançará uma campanha de incentivo ao consumo interno, com objetivo de ocupação de todo o território com atividades ligadas ao vinho e ao turismo rural. Campanha similar em 2020 teve € 50 milhões de orçamento.

O governo estuda a possibilidade de atrelar à campanha de promoção o projeto Ivaucher, que reembolsa o turista com o valor do imposto gasto na atividade para utilização em novas viagens nacionais.

Blog Portugal Giro – O Globo

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Auxílio emergencial: governo planeja anunciar volta do benefício depois do carnaval, fora do teto de gastos

Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

Pressionado pelo Congresso e pela ala política do governo, o presidente Jair Bolsonaro deve anunciar depois do carnaval a prorrogação do auxílio emergencial, que passaria a vigorar a partir de março.

A ideia é que o custo com a extensão do benefício fique fora do teto de gastos, regra fiscal que impede que as despesas públicas cresçam mais que a inflação do ano anterior.

De acordo com o plano em estudo, a nova rodada de repasses — três parcelas de R$ 200 — seria restrita a cerca de metade dos trabalhadores atendidos no ano passado pelo programa.

A equipe econômica, no entanto, ainda defende que qualquer medida seja compensada por ações de ajuste fiscal.

A estratégia é bancar o novo auxílio por meio de créditos extraordinários, espécie de liberação de dinheiro público que não é sujeita ao teto.

O mecanismo foi o mesmo adotado no ano passado para fazer frente às despesas emergenciais do combate à pandemia, inclusive os R$ 294 bilhões gastos com a medida em 2020.

Uma solução para o retorno do benefício, na avaliação de auxiliares, será importante para a campanha de reeleição do presidente Jair Bolsonaro.

O Ministério da Cidadania, que controla o Bolsa Família e operacionaliza o auxílio emergencial, está sob o comando de Onyx Lorenzoni. O ministro será transferido pela Secretaria-Geral. Anteriormente, prevista para o dia 19, a posse foi adiada para o dia 24 de fevereiro.

Nos últimos dias, líderes do Congresso têm defendido a prorrogação dos repasses, em meio ao agravamento da situação da pandemia.

Na segunda-feira, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que uma solução para o impasse poderia ser alcançada nesta semana e que o pagamento da ajuda aos trabalhadores informais não poderia depender da aprovação de medidas de ajuste fiscal.

Custo de R$ 18 bilhões

Essa avaliação vai de encontro à da equipe econômica. Na terça-feira, o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse que há “pouco ou nenhum” espaço fiscal para nova rodada do programa. Ele afirmou que ampliar gastos sem apresentar contrapartidas seria uma sinalização ruim para o mercado.

— Nós pensamos que há pouco ou nenhum espaço para mais transferências fiscais sem contrapartidas. É necessário ter certeza de que você está falando para o mercado que você tem a necessidade de gastar um pouco mais, mas está tomando medidas para frear um crescimento de despesas no futuro — disse ele, em evento virtual.

Os riscos no horizonte fiscal, diante das pressões para um novo auxílio, preocuparam os investidores. Mesmo com duas intervenções do BC após o dólar se aproximar de R$ 5,45, a moeda americana fechou em alta de 0,22%, a R$ 5,38. Já a Bolsa encerrou em queda de 0,19%, aos 119.471 pontos.

Apesar do alerta de Campos Neto, integrantes do governo defendem que, ao dar início à aprovação de medidas econômicas, como a reforma administrativa e a autonomia do BC, o Executivo começa a sinalizar compromisso com o ajuste fiscal. Assim, a expectativa é de compreensão em relação ao furo do teto.

Outra fonte do alto escalão avalia ainda que espera sensibilidade do mercado com o fato de que a flexibilização tem o objetivo de bancar o auxílio — um motivo específico e emergencial — e não de aumentar os gastos públicos.

Formato final ainda é incerto

O formato final da nova fase do benefício ainda é incerto. Há um receio no governo de que a proposta da equipe econômica de pagar três parcelas de R$ 200 mude no Congresso — como ocorreu no ano passado —, e a conta fique muito mais salgada, além dos R$ 18 bilhões inicialmente estimados.

O valor pode subir para R$ 300, podendo chegar a R$ 600 com aumento também no número de parcelas, por ação de parlamentares interessados em renovar seus mandatos em 2022.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), eleito com o apoio do Planalto, sempre defendeu abertamente o auxílio emergencial. Agora, terá de mostrar força para que o Executivo não sofra uma reviravolta no Parlamento.

Cortes de despesas

Na avaliação de uma fonte, o ideal seria pagar o auxílio, de forma definitiva, apenas para um universo de quatro milhões de famílias, identificadas entre os chamados invisíveis — grupo de trabalhadores informais sem capacidade de gerar renda e fora do Bolsa Família.

Segundo esse interlocutor, com um benefício emergencial para 30 milhões de pessoas, muita gente que não precisa da ajuda acabaria recebendo.

A equipe econômica ainda resiste a gastar fora do teto e tenta negociar cortes de despesas para acomodar o novo auxílio. Mesmo se o gasto for feito fora dessa regra, os técnicos terão de compatibilizar o novo gasto à meta fiscal, que é a diferença entre receitas e despesas do governo.

Para este ano, a previsão é de rombo de R$ 247 bilhões nas contas públicas. Qualquer nova despesa — mesmo fora do teto — precisa se encaixar nessa meta, seja por corte de outros gastos ou aumento de receitas.

A equipe econômica, porém, descarta aumento de impostos e também não quer alterar a meta fiscal para acomodar os novos gastos. Por isso, a insistência em cortar despesas.

No Legislativo, soluções para o impasse fiscal também estão em análise. Ontem, durante reunião de líderes do Senado, parlamentares discutiram possibilidades, como prorrogar o Orçamento de Guerra. A possível criação de um tributo emergencial também é vista como pouco provável. (Colaboraram Manoel Ventura, Gabriel Shinohara, Julia Lindner e João Sorima Neto)

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Pq a esquerda não criou um auxílio emergêncial quando no governo dilma mais de 14 milhões ficaram sem emprego? Taxa de juros acima de 14% e infração acima de10%.

  2. O homem é bom, o homem é espetacular.
    MITO 2022
    Faço campanha de graça, Hô Véio arroxado do cunhão rôxo é Bolsonaro.

    1. Já comeu o capim do dia? Não seja idiota se não fosse a atuação da Esqueda nem isso tinha,

    2. Estamos assim:
      O ações do governo federal existem devido a atuação da esquerda ķkkkkkkkkkkkkkkkk
      A corrupção existente de 2003 a 2016 ninguém na esquerda ou no mundo sabe.
      As estatais levadas a beira da falência, dando bilhões de prejuízo deb2005 a 2016 não foi culpa da esquerda.
      As estatais dando lucro hoje, deve ser por ação da esquerda… ķkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Aproveito para informar que a Venezuela abriu as portas aos brasileiros que queiram ir morar naquele paraíso onde todos são iguais, na miséria

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Caern segue com serviço de alta complexidade com sonda para retomar abastecimento em Tibau, prejudicado nos últimos dias

O serviço continuado com a sonda rotativa no poço de Tibau alcançaram resultados positivos. A Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) já constatou a subida de água com boa vazão no poço da cidade. Antes do trabalho com a sonda, a bomba impedia completamente o fluxo do líquido. A descida de ferramentas específicas que fizeram a rotação e o desgaste em torno da bomba ajudaram a diminuir a pressão do equipamento na tubulação e permitiu a passagem da água. Ao longo desta quinta-feira (14), novos testes de vazão de água e avaliação da situação da bomba serão feitos.

O poço capta água subterrânea, a cerca de mil metros. A água entra pela tubulação, sobe até próximo ao solo e a bomba é o equipamento que joga a água para o reservatório da cidade. Com a queda da bomba a 380 metros do subsolo, ela ficou presa em uma parte da tubulação que é mais reduzida e não permitiu mais a passagem da água captada a mil metros.

“Nós estamos trabalhando para aliviar a pressão lateral da bomba. A permanência da bomba na tubulação pode ser comparada a uma rolha em uma garrafa. No nosso trabalho, é preciso imprimir uma pressão maior do que a pressão da bomba presa à tubulação” ressalta Márcio Bruno, gerente da Regional Oeste.

Uma ferramenta de grande porte, com diâmetro de 30 centímetros, desceu várias vezes ao longo dos últimos dias, tanto para corroer o equipamento, como para puxar o equipamento preso à tubulação. É importante destacar que o serviço é complexo, feito a 380 metros do subsolo. Para ser ter uma ideia, somente para a ferramenta chegar até a bomba é necessária uma hora. Ela permanece rotacionando no subsolo para desgastar a bomba. E leva mais uma hora para ser içada de volta. “É um serviço de alta complexidade. Nós estamos, equipe Caern e Geopetro, fazendo todo o esforço para resolver o problema do poço. Estamos trabalhando desde o ocorrido para termos resultados positivos”, reforça Márcio.

Também foi feita a injeção de ar para ajudar na retirada da bomba. O objetivo é levantar e retirar todo o material que existia na tubulação. “Estamos observando que está havendo contribuição de água no poço. Que é um ótimo indicador”, avalia Márcio.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Projeto permite retomar o nome e o estado civil de solteiro em caso de divórcio ou viuvez

Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

O Projeto de Lei 5083/20 concede ao cônjuge divorciado ou viúvo que comprovar essa condição o direto de retomar, a qualquer tempo, o uso do nome de solteiro, sem qualquer referência a vínculos conjugais anteriores. O texto tramita na Câmara dos Deputados.

O projeto, que altera o Código Civil e a Lei de Registros Públicos, também determina que qualquer um dos companheiros em união estável poderá requerer o acréscimo do sobrenome do outro ao seu, desde que haja concordância, averbando-se a alteração no registro de nascimento. Nesse caso, se houver dissolução da união estável, também será possível requerer a retomada do nome de solteiro sem qualquer referência a vínculos conjugais anteriores.

“O objetivo é proteger a intimidade daqueles que podem ser vítimas de algum preconceito tão somente pelo fato de terem se divorciado ou se tornado viúvos”, pontua o autor do projeto, deputado Capitão Alberto Neto (Republicanos-AM).

“Estamos propondo expressamente que, após ser efetivada a averbação do divórcio ou do óbito de um dos cônjuges no registro de casamento, as certidões de registro indiquem, a pedido de cônjuge divorciado ou viúvo, o respectivo estado civil de solteiro, sem mencionar vínculos conjugais anteriores”, conclui o autor.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Opinião dos leitores

  1. Todo divorciado pode retomar o nome de solteiro, isso já é realidade há tempos, mesmo com uma baita burocracia. Esse deputado deve ser frustrado por algum relacionamento…

  2. Ômi, pq não vais chupar um cipó ?????
    Se na tem nada melhor pra fazer…!
    Se quer ter o nome de solteiro não case !!! Agora, se esse PL vingar…. Tem q constar pelo menos um EX viúvo EX casado …… Aí vá lá ….. ?????

  3. Os falsos-moralistas da igreja piram. Podem viver na mentira e no faz de contas mas assumir um divórcio não pode. Pode até fazer igual a pastora e fazer suruba com os "filhos" e de quebra matar o marido, só pra não se divorciar pq se divorciar vai pro inferno.

  4. A décadas que isso acontece, e este deputado acha que descobriu a roda???
    É o que dá político sem experiência!!!
    Falta do que produzir e pensar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

MAIS DE 18 MIL ESPERAM EM FILA: Governo do Estado lança programa para retomar cirurgias eletivas no RN

Foto: Robson Araújo/ASSECOM/RN

O Governo do Estado lançou nesta segunda-feira (19) o Programa de Cirurgias Eletivas “Mais cirurgias, mais saúde”. A meta é investir R$ 6,1 milhões para realizar três mil cirurgias até dezembro. As cirurgias eletivas foram suspensas no último mês de março devido à necessidade de destinar leitos para pacientes que contraíram a Covid-19. A estimativa da Sesap é de que 18 mil pessoas aguardam por cirurgias eletivas como as de hérnia, vesícula e histerectomias.

“Estamos ampliando as cirurgias feitas com recursos do SUS e pela rede credenciada com oferta de procedimentos em todos os hospitais regionais. Vamos priorizar as que têm maior tempo de espera”, declarou o secretário de Estado da Saúde Pública, Cipriano Maia

O “Mais cirurgias, mais saúde” terá prosseguimento nos próximos anos. “Atingiremos um novo patamar na assistência à saúde com redução do tempo de espera e de riscos às pessoas”, pontuou Cipriano Maia.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

SP vai retomar aulas a partir de setembro com rodízio de alunos

O governo de São Paulo anuncia, no início da tarde desta quarta-feira (24), a retomada das aulas presenciais a partir de setembro.

A proposta prevê rodízio de estudantes e uma combinação de aulas presenciais com manutenção do ensino à distância. As escolas poderão ser reabertas em cidades que estiverem na fase amarela do plano de flexibilização da economia.

A proposta será detalhada pelo governador João Doria (PSDB), em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes. Em fase final de recuperação após contrair o coronavírus e ser hospitalizado na UTI, o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, participa da coletiva virtualmente.

Atualmente, as aulas das escolas estaduais estão sendo transmitidas por meio do aplicativo Centro de Mídias SP (CMSP) e dos canais digitais 2.2 – TV Univesp e 2.3 – TV Educação. De acordo com a Secretaria Estadual de Educação, a pasta arca com os custos dos planos móveis de internet para que alunos e professores tenham acesso ao conteúdo.

No entanto, muitos pais reclamam de dificuldades para acessar as plataformas digitais, já que sem acesso à internet, celular, TV e computador, muitos alunos não têm acompanhado as aulas.

No caso das escolas particulares, o protocolo de funcionamento está pronto desde maio e prevê uma série de medidas, entre elas, suspensão de atividades coletivas, redução do número de alunos em salas de aula e aferição de temperatura.

Além disso, as instituições preveem também uma avaliação do nível de aprendizado dos alunos, ampliação da jornada diária e reposição das aulas aos sábados e em turnos alternativos.

Universidades

No dia 16 de junho, o vice-reitor da Universidade de São Paulo (USP), Antonio Carlos Hernandes, apresentou o plano de readequação das atividades acadêmicas da instituição, que prevê a continuidade do ensino à distância, nos cursos de graduação e pós-graduação, durante o segundo semestre do ano letivo de 2020. A Unicamp e a Unesp também informaram na quarta-feira (17) ao corpo de professores que continuarão com as aulas online na retomada do segundo semestre.

O começo do próximo semestre na USP está previsto para 18 de agosto, com a utilização da metodologia das aulas online, que podem ou não permanecer até o fim do período.

“É importante destacar que esse calendário poderá ser revisto no momento em que a situação epidemiológica for favorável”, afirmou Edmund Chada Baracat, pró-reitor de Graduação da universidade.

Em comunicado enviado às redações, a Unicamp definiu que o primeiro semestre termina em 31 de agosto e o início do segundo semestre inicia em meados de setembro. O reitor da instituição adiantou ao corpo de professores que as aulas do segundo semestre serão retomadas no atual modelo de ensino à distância e a universidade vai aguardar as diretrizes do governo de São Paulo sobre a retomada das atividades presenciais em toda a rede pública de ensino.

Na Unesp, o reitor Sandro Roberto Valentini afirmou ao jornal ‘O Estado de São Paulo’ na quarta (17) que as atividades vão ser retomadas remotamente no segundo semestre, e que “a universidades vai fazer um esforço muito grande com alunos que estão para se formar este ano”.

G1

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

OI, Claro e TIM poderão retomar venda de chips a partir de amanhã

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) autorizou nesta quinta-feira (2) que as três operadoras de telefonia móvel suspensas retomem, a partir desta sexta-feira (3), a venda de novos chips para serviços de voz e dados. Desde o dia 23 de julho, estava em vigor a medida cautelar que proibia a venda de linhas da TIM (18 Estados e Distrito Federal), Oi (cinco Estados) e Claro (três Estados) — a suspensão teve validade por 11 dias.

Nos planos apresentados pelas empresas, a Claro afirmou que vai investir R$ 6,3 bilhões, a Oi R$ 5,5 bilhões e a TIM, R$ 8,2 bilhões. Segundo a Anatel, o total é de R$ 20 bilhões de investimento nos próximos dois anos. Desse montante, cerca de R$ 4 bilhões são decorrentes da medida cautelar, ou seja, as empresas anteciparam e remanejaram alguns investimentos para atender à exigência de melhoria nos serviços.

Isso significa que as operadoras terão de aumentar o número de antenas e também a capacidade de transmissão, para garantir o bom funcionamento do tráfego de voz e dados. Também será avaliada a taxa de interrupção de chamadas (quando a ligação cai). Além disso, as empresas serão obrigadas a aumentar e melhorar o atendimento em seus call centers, para que haja maior taxa de resolução de reclamações.

Ao anunciar a liberação, a Anatel afirmou que fará um monitoramento trimestral para conferir se as empresas estão trabalhando de acordo com os parâmetros de qualidade apresentados. Caso a agência encontre problemas, já existe um protocolo de ação contra as operadoras: elas podem, inclusive, voltar a ter as vendas suspensas.

Bruno Ramos, superintendente da agência, destacou que os relatórios foram avaliados segundo os fatores que levaram à medida cautelar de suspensão de vendas. Ramos disse ainda que não faria sentido verificar o atendimento desses projetos só daqui a dois anos, portanto a avaliação da implementação dos planos será feita trimestralmente.

“O serviço não vai melhorar amanhã”, disse João Rezende, presidente da Anatel, durante o anúncio. Ele afirmou que a melhoria nas centrais de atendimento deve ser vista pelos usuários no período de 30 dias. Já os indicadores relacionados à rede devem apresentar melhoras de quatro a seis meses.

A primeira avaliação das operadoras será em novembro e terá como base os últimos dados colhidos sobre o serviço de dados e voz — os mesmos utilizados na medida cautelar. Nos municípios com mais de 300 mil habitantes, disse Rezende, o controle será feito de “antena por antena”.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *