Grevistas da UERN vão realizar protestos na Zona Norte de Natal nesta quarta

Nesta quarta-feira (13), os professores, servidores e estudantes da UERN farão nova mobilização grevista. Desta vez, o ato será em frente ao Complexo Cultural de Natal, administrado pela Universidade, na Zona Norte (Av. João Medeiros Filho S/N, Bairro Potengi).

No evento “Sinal Fechado para Educação”, os grevistas irão distribuir panfletos, esclarecendo a importância da Uern e pedindo o apoio da sociedade para o movimento grevista, que reivindica reajuste salarial para os servidores, autonomia financeira da universidade, melhoria das bibliotecas, incentivo à pesquisa, laboratórios estruturados, residências universitárias próprias e de qualidade, assistência estudantil e conclusão das obras inacabadas, entre as quais está o prédio da sede própria da UERN em Natal, que fica ao lado do Complexo Cultural, na Zona Norte, onde será realizado o protesto.

O movimento contará inclusive com o apoio da comunidade que é atendida pelo Complexo Cultural de Natal, através das associações de bairros da Zona Norte.

A movimentação acontecerá a partir das 17h.

Os grevistas esclarecem que o movimento é pacífico e não vai atrapalhar o trânsito. “Não é nosso objetivo causar transtornos à população, mas sim esclarecer a importância da UERN para a educação potiguar, pois a Universidade vem sendo tratada com descaso pelo Governo do Estado”, explica a professora Michele Galdino, uma das organizadoras do evento.

Semestre na UERN perto de ser cancelado por causa da greve dos professores

Rafael Barbosa para a Tribuna do Norte:

O semestre de 2012.1 da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN) pode ser cancelado caso os professores da instituição não retomem as atividades até o dia 1º de julho. A afirmação é do reitor geral da Universidade, Milton Marques de Medeiros. Ele diz que será difícil finalizar os dois semestre previstos para este ano no prazo que duraria até março ou abril de 2013. Caso isso ocorra, o Conselho da UERN vai se reunir para tentar achar uma solução para o problema. “Não temos histórico de casos como esse, então a solução precisaria ser estudada”, explicou o reitor, afirmando ainda que talvez o Ministério da Educação precise ser consultado para a tomada de decisão.

Júnior SantosGreve dos professores da UERN já dura 40 dias, e não há perspectiva de acordo com o Governo do RN

Apesar da má notícia, Milton Marques acredita que até o fim desta semana a categoria e o Poder Público cheguem a uma conciliação. Ainda de acordo  com reitor, o Governo do Estado afirma que pretende negociar com os professores desde que eles retomem o trabalho. “Tudo indica que o Pleno tome uma decisão com relação à greve, e alguma coisa deve ser definida”, disse, Marques sobre o recurso impetrado pelo Executivo para solicitar a ilegalidade do movimento grevista. O Governo recorreu da decisão da juíza Sulamita Pacheco, proferida no último dia 30 de maio pela juíza Sulamita Pacheco, que reconheceu a legalidade da paralisação.

Segundo o Consultor-Geral do Estado, José Marcelo Ferreira Costa, a decisão divulgada liminarmente foi analisada pelo Governo, já que, apesar da greve ser considerada legal, ele acredita que há algumas implicações que devem ser avaliadas, como o fato de garantir um percentual mínimo das atividades para a população. Mas Milton Marques afirma que o percentual de 30% da categoria obrigado por lei para a realização da greve tem sido mantido com os funcionários da administração e das pós-graduações da instituição.

Flaubert Torquato, presidente Associação dos Docentes da UERN (Aduern), diz que não há negociação com o Governo do Estado. “Semana passada enviamos documento solicitando reabertura de negociação, e não obtivemos resposta do Governo”, afirma. Segundo Flaubert, os professores querem o cumprimento do acordo firmado para o fim da última greve da categoria. No fim do ano passado, após negociação, os docentes colocaram fim a uma greve que durou 106 dias. Flaubert Torquato diz que o acordo com o Executivo Estadual se deu após o acerto de reajuste salarial total de 27,7%. O valor foi dividido em três parcelas a serem pagas nos meses de abril de 2012, 2013 e 2014. O primeiro pagamento, 10,65%, não teria sido pago pelo Governo.

A secretário de Educação e Cultura, Batânia Ramalho, foi procurada pela reportagem para salar sobre as negociações, mas não pôde atender por estar em uma reunião da Governadoria, segundo a chefe de gabinete dela.

Cruzamento do Midway deve ser fechado em instantes por manifestantes

Dentro de alguns instantes professores, servidores e estudantes da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN) devem fechar o cruzamento das avenidas Bernardo Vieira com Salgado Filho, em frente ao shopping Midway Mall a partir das 18h em protesto contra um mês de greve e falta de avanço nas negociações com o Governo do Estado. Alguns manifestantes já estão no local.

Os protestantes do ato, batizado de “Aniversário de 1 mês da greve da UERN”, querem pressionar o Governo do Estado a apresentar uma proposta, já que eles alegam que o Governo está descumprindo o acordo da greve anterior.

A manifestação foi marcada após os grevistas conseguirem a legalidade na Justiça. O protesto deve deixar o trânsito totalmente parado. Então, caros, é bom evitar.

Governo vai recorrer da decisão do TJRN sobre a greve da UERN

O Governo do Estado recorrerá da decisão publicada nesta quarta-feira (30) no site do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, onde a juíza convocada Sulamita Pacheco reconhece a legalidade da paralisação dos servidores e professores da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern).

Segundo o Consultor-Geral do Estado, José Marcelo Ferreira Costa, a decisão divulgada liminarmente será analisada pelo Governo, já que, apesar da greve ser considerada legal, existem algumas implicações que devem ser avaliadas, como o fato de garantir um percentual mínimo das atividades para a população, por exemplo.

O processo nº 2012.007272-3 – que requer a suspensão imediata da greve e retorno imediato ao trabalho de todos os servidores e professores da UERN – foi ajuizada na última sexta-feira (25) pelo Governo do Estado.

O Governo do RN, por meio da governadora Rosalba Ciarlini, buscou o diálogo e procurou a negociação para encaminhar o Projeto de Lei ao Parlamento condicionado à observância do limite prudencial previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal, mas as propostas foram rejeitadas já que os professores e servidores somente aceitam o pagamento retroativo ao mês de abril de 2012.  Assim, coube ao Estado judicializar o assunto para tentar garantir que os alunos da UERN não sejam penalizados com a paralisação.

O Estado do Rio Grande do Norte se encontra acima do limite prudencial instituído pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e, dessa forma, a distribuição do reajuste possibilitaria a concessão dos aumentos aos servidores.

Juíza reconhece legalidade de paralisação da UERN

A juíza convocada Sulamita Pacheco, que substitui o desembargador Amaury Moura Sobrinho, reconheceu nesta terça-feira (29) a legalidade da paralisação dos servidores e professores da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern). A decisão da magistrada responde a Ação Originária ajuizada pelo Poder Executivo, que pediu liminarmente a ilegalidade do movimento grevista.

“A greve que hora se analisa não possui ilegalidade que se possa enxergar neste momento processual, exatamente por ser uma reação às condições de trabalho e o exercício do direito de auto-defesa de categorias”, destacou a juíza convocada, que completou: “assegurar agora o direito à greve traz como consequência a segurança de uma educação mais digna”.

Na visão de Sulamita Pacheco, o Estado não cuidou de maneira satisfatória de demonstrar a existência de requisitos necessários, perante à lei, para alcançar a concessão do que pleiteou. Além disso, destacou ela, resta evidenciado o descumprimento do Estado de acordo realizado em 02 de maio deste ano.

O acordo mencionado pela magistrada foi resultado de uma greve deflagrada no período de julho a setembro de 2011 pelos servidores e professores da Uern, que perdurou 90 dias e, embora não tenha sido oficializado, a conciliação entre as partes foi divulgada abundantemente pela mídia, inclusive pelo próprio Governo do Estado.

“Ora, é notório no Brasil que a classe dos professores vem sofrendo péssimas condições de trabalho e uma remuneração que não condiz com a importância do ensino”, exclamou Sulamita Pacheco. Ela enfatiza que, por isso mesmo, há de se reconhecer a necessidade de fortalecimento da categoria desses profissionais, base da sociedade, bem como os direitos dos docentes de reivindicar melhores condições de trabalho mais justos.

Direito dos Trabalhadores

A desembargadora convocada ressaltou ainda que não visualiza desrespeito ao direito constitucional, apesar da alegação do Estado de violação ao artigo 205 da Constituição Federal. “Ao contrário, ao passo que se busca respeitar o direito dos professores a uma luta por melhores condições de trabalho, o resultado é o fortalecimento da educação”, disse ela.

Para embasar juridicamente a decisão, a magistrada lembrou que o ministro Joaquim Barbosa, do STF, ao julgar tema semelhante vaticinou ser o movimento grevista um instrumento legítimo e que o caráter essencial ao serviço não sugere vedação ao exercício do direito de greve. “Posto que a essencialidade dos serviços paralisados indica, na realidade, um chamado à razão e à responsabilidade de todos os atores envolvidos, cabendo ao Judiciário zelar pelo exercício do direito à greve e não mitigá-lo”.

Não vejo como o Poder Judiciário calar neste momento, este grito, que busca a efetivação do de um Estado democrático livre, igualitário e justo”. Juíza Sulamita Pacheco, em decisão sobre legalidade do movimento grevista na Uern.

Ação Cível Originária n.º 2012.007272-3

Fonte: TJRN

Governadora suspende salários da UERN

A governadora Rosalba Ciarlini anunciou que os grevistas da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), não vão receber os salários de maio. A suspensão do pagamento foi anunciada na solenidade de assinatura da ordem de serviço da adutora do Alto Oeste, em Pau dos Ferros, nesta sexta-feira, diante de um grupo de manifestantes da instituição.

“Democracia se faz com responsabilidade e ordem”, exigiu a governadora, relembrando que as negociações foram interrompidas não pelo governo, mas, pelos professores que não aceitaram a proposta do governo de encaminhamento do projeto de Lei `a Assembleia Legislativa, assegurando o compromisso assumido em uma audiência que durou cerca de cinco horas com representantes dos professores, funcionários, estudantes e reitor Milton Marques de Medeiros.

“A Lei dá a segurança do aumento”, argumentou a governadora, frisando que a aplicação do reajuste está condicionada aos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal. A governadora disse que não é justo o professor em greve receber salário e repetiu: “terça-feira sai o pagamento e o governo não paga a quem não estiver trabalhando”, avisou.

Fábio Faria e Fátima Bezerra defendem campus da UERN em Apodi em reunião com ministro

O deputado federal Fábio Faria (PSD) participou de reuniões na manhã desta quarta-feira (9) no Ministério da Educação, juntamente com a deputada Fátima Bezerra (PT), onde defenderam a liberação de emenda parlamentar da bancada do Rio Grande do Norte para a implantação do Campus da Universidade Estadual (UERN) na cidade de Apodi. Os dois foram recebidos pelo secretário de Ensino Superior, Amaro Lins, e pelo secretário-Executivo, José Henrique Paim Fernandes.

“Alocamos emenda ao Orçamento Geral da União em 2011, por indicação minha, e novamente para o OGU 2012 no valor de R$ 20 milhões. O projeto do Campus Avançado da UERN em Apodi prevê a implantação de seis cursos de graduação, formando professores em áreas comprovadamente carentes de pessoal qualificado na região da Chapada, o que fortalecerá, consequentemente, a educação básica”, afirma Fábio Faria.

O mérito do Projeto Técnico apresentado pela UERN já foi aprovado pelo Ministério da Educação, e a tramitação do processo está sendo acompanhada de perto pelos deputados. “O MEC está tratando essa emenda com prioridade por reconhecer a necessidade da ampliação da rede de ensino superior na região da Chapada do Apodi do nosso Rio Grande do Norte”, completa Fátima Bezerra.

Greve da UERN é destaque no Portal UOL

A greve na Universidade Estadual do Rio Grande do Norte volta a ser destaque no Portal Uol, um dos principais portais de notícia do país.

Segue texto na íntegra

Seis meses após maior paralisação da história, professores da Uern entram em greve novamente

Seis meses após encerrarem a maior greve da história da instituição, que durou 106 dias, os professores e técnicos da Uern (Universidade do Estado do Rio Grande do Norte) decidiram, nesta quinta-feira (3), realizar uma nova paralisação. O motivo, segundo a categoria, foi o não cumprimento do acordo fechado com o governo em setembro de 2011. Ao todo, 13 mil alunos podem ficar sem aulas.

Após o movimento no ano passado, o governo do Estado ofereceu reajuste de 27,7%, dividido em três anos. A primeira parcela do reajuste seria paga em abril, com aumento salarial de 10,65% –os demais reajustes seriam dados em 2013 e 2014. Mas a primeira parcela não foi paga, já que o Estado alegou estar no limite da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal) para cumprir o acordado, e os professores decidiram retomar a paralisação.

A informação de que não seriam contemplados em abril, como acordado, foi dada pela própria govenadora, Rosalba Ciarlini (DEM), em audiência com representantes dos professores na noite da última quarta-feira (2).

No dia seguinte, os professores realizaram uma assembleia, quando foram informados da decisão do Estado e decidiram paralisar novamente as atividades. “Estranhamente o governo rasgou o acordo. Estávamos tranquilos, mas quando olhamos os salários de abril tivemos a surpresa. A categoria se sentindo traída pelo governo e decidiu retomar a greve”, explicou o presidente da Aduern (Associação dos Docentes da Uern), Falubert Torquato.

Torquato afirmou que o percentual foi ofertado durante as negociações de 2011 e ficou abaixo do que era pedido. “O mais estranho é que esse percentual foi oferecido pelo próprio governo, que disse que fez todos os cálculos e que era possível. Ou seja, deu com uma mão e tirou com a outra”, lamentou.

Segundo o presidente da Aduern, a categoria está “indignada” e “revoltada” com a postura do governo. “Vamos agora exigir! Só voltamos com aquilo que o próprio governo prometeu. Vários pontos foram descumpridos do acordo, visto que a universidade enfrentando uma nova crise, com contingenciamento de recursos. O governo tem virado as costas para a universidade, e está passando por mais esse vexame”, finalizou.
Sem recursos

Em nota, o governo do Estado afirmou que a governadora reconhece a legitimidade do acordo, mas alegou impedimento legal para aplicar o reajuste em abril, como prometido. Ela se comprometeu a encaminhar para a  Assembleia, até a tarde desta sexta-feira (4), o projeto de lei que trata do aumento salarial para os servidores da Uern –mas sem garantia de data de aplicação.

O governo disse ainda que os acordos firmados serão cumpridos, mas apenas quando forem feitos dentro da “legalidade e obedecendo à LRF.” Segundo o Estado, a folha da Uern custa R$ 14,5 milhões ao mês, e um reajuste de 10% implicaria em ultrapassar o limite das despesas com percentual estabelecidas pela LRF –que é de 49% da receita corrente líquida. Segundo o governo, o Estado utiliza hoje 48,35% da receita para pagar servidores.

Também na nota, o reitor da Uern, Milton Marques, classificou a greve como um “desgaste” para professores, funcionários e alunos. “É desagradabilíssimo. Já estamos iniciando um semestre com muito atraso, isso [a greve] representa uma perda para a instituição junto aos órgãos de fomento e convênios, sem falar nos atuais programas desenvolvidos pela Universidade que não podem simplesmente parar”, disse.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ai118 disse:

    É o RN aparecendo para o país!!! Como diria o narrador Milton Leite da Sportv: "Que Beleza!"

UERN divulga o resultado do Processo Seletivo Vocacionado 2012; confira a lista

A Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN), através da Comissão Permanente de Vestibular (Comperve), divulgou nesta sexta-feira (30) o resultado do Processo Seletivo Vocacionado 2012 (PSV 2012).

O Calendário Universitário 2012 prevê a matrícula para os aprovados no PSV 2012, com ingresso no primeiro semestre letivo, já para os dias 12 e 13 de abril.

Confira o resultado AQUI.

TCE constata irregularidades e vai fiscalizar contratações na UERN

O TCE vai analisar os processos de contratação de servidores da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN).

A medida foi tomada nesta terça-feira (13/03), na reunião plenária da Corte, depois da constatação de irregularidades na contratação de uma funcionária.

A preposição foi do conselheiro em exercício Cláudio Emerenciano, em razão do parecer do conselheiro Carlos Thompson no processo da servidora Paula Viviane Souza de Queiroz, assinado em abril de 2007 pelo Reitor Milton Marques de Medeiros.

A funcionária foi aprovada em concurso público para a área de parasitologia, mas foi lotada no quadro de enfermagem da instituição, o qual exige o diploma de medicina ou enfermagem.

Durante o processo, ficou constatado que a mesma não possui a formação acadêmica superior exigível para o cargo ao qual foi empossada.

Foram detectadas outras irregularidades, como desobediência à ordem de classificação do certame e extrapolação do limite prudencial de gasto com pessoal.
O conselheiro decidiu pela denegação do registro do ato de nomeação e a consequente exoneração da servidora num prazo de 60 (sessenta) dias a contar do trânsito em julgado do acórdão proferido pela Corte de Contas.

Fonte: TCE RN

Cursos de Direito da UFRN, UERN e Farn são os únicos do RN recomendados pela OAB

Os cursos de Direito da UFRN, UERN e Farn foram os únicos recomendados pela OAB no Rio Grande do Norte.

Num universo de 1.210 cursos existentes no Brasil atualmente, apenas 90 cursos, ou 7,4%, acabaram sendo recomendados pelo Selo OAB como cursos de destacada qualidade, dentro de critérios objetivos aplicados pela Comissão Especial da entidade para sua elaboração. A OAB outorgará a premiação aos cursos destacados.

O Selo OAB de 2011 anunciado hoje pelo presidente nacional da OAB é a quarta edição elaborada pela entidade, desde a sua criação em 2001, na gestão do então presidente nacional da entidade, Reginaldo Oscar de Castro.

A segunda edição ocorreu em 2003; e a terceira, em 2007. Na nova edição, os 90 cursos destacados pela OAB como de qualidade recomendável, utilizando-se de uma escala de pontos de 0 (zero) a 10, a Comissão Especial – com base nos critérios definidos e relacionados acima –   concluiu que a nota mínima para ingressar nesse elenco  foi de 6,9 pontos.

Dentre as 27 unidades da Federação que tiveram seus cursos de Direito avaliados, dois Estados não tiveram nenhum  recomendado: Acre e Mato Grosso.

Os cursos desses dois Estados  não atingiram a nota mínima dentro dos critérios de avaliação da OAB  ou estão submetidos a processos de supervisão do Ministério da Educação (MEC), ou, ainda, tiveram parecer desfavorável da Comissão Nacional de Educação Jurídica da OAB Nacional durante a análise dos processos de reconhecimento ou de renovação.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. E a UNP ?? kkkkkkkkkkk

Uern expulsa três estudantes de Medicina que fraudaram processo de seleção

do Uol

A Uern (Universidade Estadual do Rio Grande do Norte) inicia nesta quinta-feira (20) a matrícula de estudantes que herdaram as vagas de três ex-universitários expulsos do curso de medicina por fraudes no sistema de cotas para alunos de baixa renda.

Segundo a universidade, os três alunos foram desclassificados e tiveram as matrículas anuladas depois que a Comperve (Comissão Permanente de Vestibular) descobriu que eles forjaram a renda das famílias para ingressarem no curso por meio das vagas destinadas a pessoas pobres. Os alunos estavam matriculados em vagas destinadas a estudantes oriundos de escolas públicas, e dois deles já cursavam nas turmas iniciadas em 2009 e 2010.

Agora, com a expulsão dos universitários, a Uern reabriu as três vagas e chamou o primeiro classificado de cada vestibular ocorrido nos últimos três anos. Estão convocados Ronaldo Cesar Aguiar Lima, aprovado em 2009, Aline Naiara Azevedo da Silva, em 2010, e Amadeu Benicio Leite, em 2011.

Os três convocados devem apresentar a documentação necessária, de acordo com o edital do Processo Seletivo Vocacionado, para matrícula nesta quinta-feira ou na sexta-feira (21), na secretaria da Faculdade de Ciências da Saúde (FACS). Os universitários já começam a cursar medicina no 2º semestre letivo da Uern, programado para iniciar no dia 16 de novembro.

Do blog: A prática por aqui já é recorrente. Semelhante caso aconteceu na UFRN, que também se mobilizou e puniu os engraçadinhos que burlaram o sistema de seleção da universidade.

Rosalba desconhece movimento #levantedoelefante e está aberta ao diálogo

Nominuto.com

A governadora Rosalba Ciarlini (DEM) se disse “aberta ao diálogo” com o Comando de Mobilização Estudantil de Mossoró (COMEM), que ocupa, há 26 dias, a sede da 12ª Diretoria Regional de Educação, Cultura e Desportos (Dired), mas, ao mesmo tempo, afirmou que os estudantes devem se entender com a direção da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN).

“Alguns secretários foram lá [em Mossoró] para dialogar, mas isso é um processo. Eu entendo que a juventude é mais ansiosa, mas essa é uma questão que tem que ser tratada com a universidade”, declarou a governadora, referindo-se à pauta de reivindicações dos integrantes do COMEM.

Entre outros pontos, os estudantes reivindicam o descontingenciamento da verba da UERN, que teria sido reduzida em 55%. O grupo pede, ainda, a injeção de R$ 4,3 milhões para aplicação na assistência social aos alunos e reclama o pagamento atrasado das bolsas dos universitários.

A governadora demonstrou desconhecer o movimento #levantedoelefante, inspirado no #foramicarla e criado em apoio à causa do COMEM. No final da manhã desta segunda-feira, um grupo de 20 jovens montou acampamento em frente à Governadoria, onde pretendem ficar até que o governo negocie com os estudantes mossoroenses.

“Quem são eles? Eles são daqui?”, questionou a governadora, sem entender o que estava acontecendo em frente ao seu local de trabalho.

Estudantes da UERN vão resistir na Dired em Mossoró

Do Blog da antenada Ana Cadengue:

Em contato com o blog, representantes do Comando de Mobilização Estudantil de Mossoró (C_O_M_E_M) disseram que vão resistir pacificamente à ordem para a desocupação da 12ª Dired, onde eles estão desde o dia 16 de junho.

De acordo com os estudantes, ontem, o Procurador Geral do Estado, Miguel Josino, em conversa diante da Justiça Estadual, declarou a intenção do governo de acatar algumas das reivindicações. E teria acertado o cumprimento das seguintes pautas:

– A volta do pagamento das bolsas que foram paralisadas com o contingenciamento do orçamento da UERN; além de um aumento nas mesmas, até que 20% dos alunos dessa IES sejam contemplados.

– Programa de Urbanização dos Campi da UERN.

– Conclusão das obras que foram paralisadas com o contingenciamento da UERN, além de reformas em diversas salas de aula da instituição que não desfrutam de condições adequadas para o ensino/aprendizagem.

– Construção de novas guaritas no Campus Central, e aumento do número de vigilantes que prestam serviços à UERN.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Patricia disse:

    Todas as reinvindicações deixam claro que o problema não começou na gestão de Rosalba. São problemas que se arrastam. A urbanização já não acontecia, a necessidade de guaritas não apareceu esse ano. Portanto, as reivindicações são lícitas, mas essa politicagem de Primavera Sem Rosa é o que há de mais desnecessário no momento;

Estudantes invadem a DIRED em Mossoró. Só saem com a presença da Governadora

O  Comando de Mobilização Estudantil de Mossoró (C_O_M_E_M) ocupou agora há pouco o prédio da 12ª DIRED – Diretoria Regional de Educação do Governo do Estado. Através do twitter, professores da Rede Estadual de Ensino se solidarizam e prometem seguir para o acampamento.

Os estudantes são da UERN, UFERSA e escolas estaduais e particulares prometem entrar daqui a pouco com imagens ao vivo via Web. A polícia acabou de chegar ao local.

A Jornalista Ana Cadengue, conversou há pouco por telefone com uma das integrantes do Comando de Mobilização Estudantil de Mossoró (C_O_M_E_M), Geordânia, que disse que eles só desocupam o prédio da DIRED com a presença da governadora Rosalba Ciarlini. Os estudantes estão com barracas e vão acampar dentro do prédio até que a governadora Rosalba abra um canal de diálogo. Eles protestam contra o corte de mais de 30% no orçamento da UERN e lutam por uma educação de qualidade….

* Com informações da Jornalista Ana Cadengue

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Maria josé oliveira de Morais disse:

    Parabenizo aos professores pela iniciativa.Lamento que governo continue com tanto descaso para com nós educadores.Embora aposentada serei sempre professora e lamento tanto falta de respeito pela classe trabalhadora que forma pessoas que desconhece o valor o mesmo.