Política

Reformas e PEC do Voto Impresso serão prioridade no 2º semestre, anuncia Arthur Lira

Fotos: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados/Reprodução/Twitter

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), disse nesta quarta-feira (28) que a análise das propostas de reforma tributária e administrativa, a privatização dos Correios e a reforma do sistema eleitoral estão entre as prioridades de votação da Casa após o recesso parlamentar. O retomada dos trabalhos no Congresso Nacional está marcada para 2 de agosto.

Em mensagem em uma rede social, Lira informou que, na primeira semana de trabalho, colocará na pauta o Projeto de Lei (PL) 2.337/21. O parecer preliminar da segunda fase da proposta foi apresentado pelo relator, Celso Sabino (PSDB-BA), no último dia 13.

“Como prioridades para o segundo semestre, teremos votações importantes. Logo na primeira semana, na volta do recesso, estamos com tranquilidade para votação da primeira etapa da reforma tributária, a que define as novas regras para o Imposto de Renda [IR]”, tuítou Lira.

Entre outros pontos, o parecer amplia a redução do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ), atualmente em 15%. Sabino propôs que, para empresas com lucro de até R$ 20 mil por mês, a alíquota seja reduzida de 15% para 5% em 2022 e para 2,5% em 2023. Já a taxação do Imposto de Renda para empresas com lucro acima de R$ 20 mil cairia de 25% para 12,5%. O governo havia proposto que a alíquota geral do IRPJ fosse reduzida de 15% para 12,5% em 2022, e 10% a partir de 2023.

A isenção de Imposto de Renda sobre o rendimento de fundos de investimentos imobiliários (FII) foi mantida. A proposta original da equipe econômica previa taxação de 15%. A tributação sobre dividendos será retirada em uma situação: quando o lucro é distribuído entre subsidiárias de uma mesma holding. Nas demais situações, a alíquota de 20%, proposta pelo governo, foi mantida.

O relator também permitiu que prejuízos com ativos financeiros compensem lucros em outras modalidades de investimentos em operações de até três meses. Com tal mecanismo, o rendimento total seria reduzido, fazendo o investidor pagar menos Imposto de Renda. Sabino retirou a obrigatoriedade de que construtoras e imobiliários apurem IR pelo lucro real, modalidade atualmente usada apenas por grandes empresas.

Sabino manteve ainda a cobrança de 20% de IR sobre dividendos continuou no texto, assim como o fim da dedução dos juros sobre capital próprio, forma de remunerar os acionistas que hoje resulta em menos imposto para as empresas. O relator também manteve o limite proposto de R$ 40 mil de renda anual para a pessoa física declarar Imposto de Renda no modelo simplificado. Caso seja aprovada, a proposta afetará 6,8 milhões de contribuintes, que perderiam o benefício.

Correios

Segundo Lira, a Câmara vai também analisar o projeto de privatização dos Correios, cujo texto foi apresentado em fevereiro pelo governo federal. Em abril, a Câmara aprovou a urgência na tramitação do Projeto de Lei (PL) 591/21 que trata da exploração dos serviços postais pela iniciativa privada. Aprovado no dia 20 de abril, aguarda deliberação sobre o mérito. O regime permite acelerar a análise do texto.

De acordo com o ministro das Comunicações, Fábio Faria, caberá ao Congresso Nacional definir o modelo de privatização dos Correios, estatal 100% pública. Além de estabelecer que o Sistema Nacional de Serviços Postais (SNSP) poderá ser explorado em regime privado, o texto prevê que a União mantenha para si uma parte dos serviços, chamada na proposta de “serviço postal universal”, que inclui encomendas simples, cartas e telegramas.

“Além da privatização dos Correios, vamos analisar as reformas política e administrativa. Temos ainda que discutir a reforma eleitoral. A Câmara dos Deputados segue fazendo seu papel, que é aprovar modernização legislativa, sempre em discussão com a maioria dos líderes”, disse Lira.

A reforma do sistema eleitoral tramita por meio da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135/19. O principal ponto do texto é o que torna o voto impresso obrigatório. O texto apresentado pelo relator, Filipe Barros (PSL-PR), no final de junho, determina que se adote um tipo de urna eletrônica que permita a impressão do registro do voto. Essa espécie de cédula em papel será então depositada em recipiente indevassável, assegurada a conferência pelo eleitor, mas sem qualquer contato manual.

O texto ainda precisa ser votado pela comissão especial que analisa o tema. A previsão, segundo Lira, é que o relatório seja votado pelo plenário a partir do dia 4 de agosto.

Já a reforma administrativa (PEC) 32/20) ainda precisa ser analisada por uma comissão especial. Os trabalhos do colegiado tiveram início no dia 16 de junho. A PEC, encaminhada ao Congresso em setembro do ano passado, mexe na Constituição para alterar disposições sobre servidores, empregados públicos e também modifica a organização administrativa do Estado.

O relator da proposta, Arthur Maia (DEM-BA), propôs a realização de 12 audiências públicas sobre o tema. Os deputados já aprovaram uma série de requerimentos com convites a autoridades para debater a proposta. Um dos convidados é o ministro da Economia, Paulo Guedes. Maia tem prazo mínimo de 10 e máximo de 40 sessões da Casa, contadas a partir da data de instalação do colegiado.

Os deputados pretendem realizar ainda diversas audiências públicas para debater o impacto da reforma sobre os serviços públicos federais, inclusive na educação pública e também sobre os serviços públicos incumbidos do enfrentamento de situações de emergência e calamidades públicas, em particular a pandemia de covid-19.

Também serão chamados representantes de diversas categorias, nas áreas de segurança pública, do Judiciário e da Educação e sindicalistas, além de servidores da Receita Federal. A comissão também aprovou o pedido de informações sobre a reforma de órgãos do governo e deve realizar ainda seminários estaduais para debater o tema.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. O voto auditável já foi aprovado antes e negado pelo STF (mais um absurdo). Já foi alvo de projetos de Roberto Requião, de Brizola Neto e de Flávio Dino (isso mesmo!), e do então deputado Jair Bolsonaro. O próprio TSE defendia em video que existia no seu “site” e que foi excluido recentemente. Mais transparência e segurança é sempre bom. Por que tanto medo da oposição e até de ministros do STF? É para desconfiar.

    1. Aí vc se engana, é de interesse da sociedade por mais transparência, coisas que vcs PeTralas não gostam.

    2. Na verdade, defendendo os interesses do CENTRÃO. E o POVÃO que se lixe !

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Comissão da Câmara ignora protesto de deputados oposicionistas e adia votação de parecer do voto impresso nas eleições de 2022

Foto: DIVULGAÇÃO/TRE-PR

A comissão especial criada pela Câmara dos Deputados para analisar o voto impresso obrigatório já nas eleições de 2022, adiou nesta sexta-feira (16) a votação do parecer favorável do relator, deputado Filipe Barros (PSL-PR), sobre a proposta.

A decisão foi anunciada pelo presidente da comissão, Paulo Eduardo Martins (PSC-PR), em meio a protestos de deputados oposicionistas e independentes, que defendiam que a votação fosse feita nesta sexta.

“Essa é uma prerrogativa do relator, confome o artigo 57, inciso 11, do regimento interno. Eu concedo o prazo para o relator fazer ajustes no texto até a próxima sessão ordinária”, disse Martins, encerrando a reunião.

Publicamente, a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 135/19 era rejeitada por dirigentes de 11 partidos políticos antes da votação. Prevendo a derrota iminente, os deputados governistas chegaram a pedir pela retirada de pauta da proposta antes da votação para chegar a um parecer que fosse aprovado.

A proposta é uma das bandeiras do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que afirma que o sistema de urnas eletrônicas não é seguro, embora ainda não tenha apresentado prova de fraudes. Na semana passada, ele chegou a ofender o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, e ameaçar as eleições caso o voto impresso seja negado.

A ideia dos governistas, porém, era de que o sistema seja híbrido, com a impressão do voto registrado na urna eletrônica, o que permitiria auditoria no resultado das eleições.

No último dia 5, a comissão especial, formada por 32 deputados, encerrou a discussão sobre o relatório. Oito deputados da oposição apresentaram votos em separado em que pedem a rejeição da proposta e defendem a manutenção da urna eletrônica atual. Houve pedido de vista (mais tempo para analisar o tema) conjunto do texto e a votação foi adiada.

R7

Opinião dos leitores

  1. Eh necessário fazer uma dieta excessiva de capim cloroquinado pra ainda acreditar no MINTOmaníaco das rachadinhas que tem sua família eleita várias vezes pelo voto eletrônico, inclusive pra presidência e só agora vem com essa história sem pé nem cabeça… Ele vai perder seja em votação manual ou eletrônica e isso eh so uma desculpa pra ele inventar mentiras depois… Engraçado que ele disse q N Estados Unidos houve fraude nas eleições manuais … Vai entender…

    1. Quando um tapado agride a inteligência de quem realmente é inteligente para defender um modelo que só o Brasil, Butão e Bangladesh usam… É muita alienação. Gado são os outros. Patético. Esses bandidos de colarinho branco adoram gente dessa qualidade.

  2. Esse time da esquerda maldita sabe que sem fraude a maioria deles não se reelegerão nem por um decreto, então como são verdadeiros “barraqueiros”…………

  3. Todo o mundo sabe quem tá saindo de suas funções institucionais para fazer política e reabilitar o delinquente. Se vc acha que esse tipo de brincadeira ainda não vai se voltar contra vc, é pq vc não entendeu NADA.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro diz que argumentos de Barroso contra proposta registro do voto após votação na urna eletrônica são ‘imbecil’ e ‘idiota’

Foto: Reprodução/YouTube

Em desvantagem em pesquisas, o presidente Jair Bolsonaro voltou a colocar em dúvida a segurança das eleições nesta sexta-feira, novamente sem apresentar provas. Bolsonaro repetiu que há a chance de não serem realizadas eleições em 2022 e chamou de “idiota” e “imbecil” o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso. Bolsonaro ainda atacou o presidente e o relator da CPI da Covid, Omar Aziz (PSD-AM) e Renan Calheiros (MDB-AL).

— Não tenho medo de eleições. Entrego a faixa a quem ganhar. No voto auditável. Nessa forma, corremos o risco de não termos eleição no ano que vem. Porque é o futuro de vocês que está em jogo — disse Bolsonaro, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada.

Uma pesquisa do Datafolha divulgada na quinta-feira mostrou que rejeição a Bolsonaro atingiu 51%, maior taxa desde início do governo. No mês passado, um levantamento do Ipec apresentou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) liderando a disputa eleitoral do próximo ano.

De acordo com o presidente, os institutos de pesquisas participariam de uma fraude ao lado do TSE para beneficar Lula:

— Daí vem os institutos de pesquisas, fraudados também, botando ali o nove dedos lá em cima. Para que? Para ser confirmado o voto fraudado no TSE — disse, acrescentando depois: — Já está certo quem vai ser presidente no ano que vem. A gente vai deixar entregar isso?

Bolsonaro defende que é preciso imprimir um registro do voto, após a votação na urna eletrônica. Ele, contudo, nunca de nunca ter apresentado nenhuma prova de fraude no modelo atual.

O presidente também atacou Barroso, dizendo que os argumentos dele contra a proposta de voto impresso são de um “imbecil” e “idiota”:

— É uma resposta de um imbecil. Eu lamento falar isso de uma autoridade do Supremo Tribunal Federal. Só um idiota para fazer isso aí.

Procurado por intermédio da assessoria, Barroso ainda não se manifestou.

Bolsonaro também voltou a dizer, sem provas, que houve irregularidade nas eleições de 2014, quando Dilma Rousseff (PT) venceu Aécio Neves (PSDB), e disse que “a fraude está no TSE”. De acordo com Bolsonaro, a evolução dos votos, minuto a minuto, não permitiria a vitória de Dilma.

— Em 2014 se mostrou a apuração minuto a minuto. Obviamente vocês não tiveram acesso. E minuto a minuto, no segundo turno, Aécio Neves, começou o Aécio Neves lá em cima e a Dilma lá embaixo. Com o tempo, essas curvas foram se cruzando até que se estabilizaram na horizontal com a Dilma na frente — disse. — Depois que as curvas se tocaram, ou momentos antes das curvas se tocarem, era Dilma ganhou, Aécio ganhou, Dilma ganhou, Aécio ganhou. Por 271 (mil) vezes. É você jogar uma moeda 217 (mil) vezes para cima e dar cara, coroa, cara, coroa, cara, coroa.

Para Bolsonaro, isso significa que houve “fraude” e “roubalheira”. Em 2014, depois das eleições presidenciais, o PSDB pediu uma auditoria no sistema de votação, alegando falta de transparência. A auditoria foi realizada, mas não foram encontradas irregularidades.

O presidente ainda voltou a atacar Omar Aziz e Renan Calheiros, dois dos principais nomes da CPI da Covid, que tem causado desgaste ao governo ao investigar possíveis irregularidades na compra de vacinas.

— Quem vota em Omar Aziz ou é ignorante ou nasceu naquele lugar. O cara que desviou 260 milhões de saúde investigando saúde — disse Bolsonaro, repetindo acusação feita na quinta-feira e negada por Aziz.

Além disso, Bolsonaro ainda vinculou Renan a possíveis fraudes na eleição:

— Vocês acham que Renan Calheiros, por exemplo, se pudesse fraudar a votação, ele fraudaria, pelo caráter que tem? A única forma de bandidos como Renan Calheiros se perpetuarem na política, entre outros que estão do lado dele, o nove dedos, é na fraude.

O Globo

 

Opinião dos leitores

  1. A única explicação de não querer o voto impresso é querer a volta da corrupção com o luladrão, onde o desemprego disparou as grandes estatais deram prejuízos, e muito dinheiro foi desviado para países comunistas.
    Se voltar eles irão destruir o país, como aconteceu na Venezuela e está acontecendo na Argentina, estatizando empresas, controlando preços, com isso irão afastar qualquer investimento estrangeiro e nacional,

  2. O voto impresso auditavel,foi aprovado em 2015, pelo Congresso. Em 2018 o STF disse que era Inconstitucional.

    Às Urnas Eletrônicas nao são auditaveis, portanto…

  3. Oh homem desclassificado esse que esse gado escolheu pra governar o país. Sinto até vergonha alheia. Paga muito mico, esse povo. Nammm!!

  4. NINGUEM CONHECE MAIS DO QUE ELE, POIS JÁ ELEGEU MULHER, FILHOS 3 E O PRÓPRIO JA FOI ELEITO VARIAS VEZES. PHD NO ROUBO DAS URNAS ELETRONICAS.

    1. Não tem que mudar nada. Importante partir para terceiro VIA. Zero para esse BOZO E ZERO para essa ESQUERDA que congelou o IMPOSTO DE RENDA por 14 anos sem mais 2 de TEMER e mais 3 desse BOZO.

    1. MANDA LULA SAIR NA RUA E VAMOS VER O QUE ACONTECE.
      POR ACASO ESSA PESQUISA É UMA NARRATIVA?
      O QUE JUSTIFICA O MEDO DO VOTO IMPRESSO?

  5. Eita que ele está destemperado de vez… à medida que derrete. Pede pra sair que fica menos feio e ainda tem os argumentos de mimimi.

    1. Nunca houve fraude…só vai faltar voto pro genocida (assim como sobrou na eleição passada)…hj já o conhecemos…sabemos que é corrupto e burro…
      Chora mais que tá bonito de ver o desespero dos minions…kkkkk
      Muuuuuuuuuuummm

    1. kkkkkkkk….Ele se elegeu 28 anos mas agora q vai perder é fraude…oh piada

    2. Ô coisa linda de ver é desespero de minion…
      Chora mais, chora mais….

  6. O STF e o TSE são imparciais?
    A imprensa é imparcial?
    Se não são como confiar nas eleições?
    Essa Mari está mais perdida do que cego.
    Como provar fraude se depois que vota o voto Se perde?
    Sobre Bolsonaro e as pesquisas, se Bolsonaro perder em 2022, o voto auditavel não vai mostrar a realidade?
    Quem tem medo da transparência quer esconder o que?
    O voto continua secreto.
    Pior não era Barroso qur queria voto pelo smartphone?

  7. Eles MENTEM, dizem que é um retrocesso, a volta ao “voto impresso”. Na verdade,o voto continua sendo digital, apenas haverá um comprovante ESCRITO, só que o eleitor não terá acesso, que poderá servir a uma eventual auditoria. Por que não?

  8. Imosec já sei que o MINTOmaníaco das rachadinhas está tomando… Mas alguém tem que receitar vonau pra ele parar de vomitar tanta asneira!

  9. Bolsonaro tem razão, ainda vou além de imbecil, idiota e mau caráter.
    Voto impresso já.
    MITO até 2026

  10. Boa presidente!! Bota p torar nesses esquedistas, comunistas, ladrões e vagabundos !! Bolsonaro 2022 !!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Pacheco diz ser “perfeitamente possível” voto impresso auditável nas próximas eleições

Foto: Pablo Jacob/Agência O Globo/Arquivo

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) afirmou nesta segunda-feira, em live do site “Jota”, que não se opõe a uma mudança no sistema eleitoral que permita a implementação do voto impresso auditável nas próximas eleições.

Ele afirmou que aqueles que veem possível vulnerabilidade no atual sistema eletrônico precisam ter sua opinião respeitada e que, se for o caso, o voto impresso pode ser adotado, “até para dissiparmos qualquer tipo de dúvida em relação à higidez do processo eleitoral brasileiro”.

“Não enxergo e não acredito em vulnerabilidade do sistema eleitoral. Mas a sustentação sobre eventual vulnerabilidade precisa ser respeitada e precisa ser ouvida. O fato de eu não acreditar não significa que não exista. Obviamente temos que aferir isso, que apurar isso e permitir o debate”, opinou o presidente do Congresso.

“Eu tenho permitido plenamente esse debate sobre o voto impresso auditável. É uma discussão que faremos com o TSE, com o presidente da Câmara. Se houver viabilidade técnica e operacional para uma implantação dessa natureza, que dê maior confiabilidade ao sistema de escolha de candidatos, é perfeitamente possível nós admitirmos”.

Valor

Opinião dos leitores

  1. Quando vejo cada comentabsurdo dos jumentos/ignorantes petralhas tenho a certeza que o Brasil não terá jeito nem tão cedo.

  2. Retrógrado ou interesseiro! Voto em papel é mais fácil de fraudar do que o digital, né? Presidente Lula vem aí!!!!!

  3. Incrível como existe desinformação sobre o que é o voto impresso auditável. O eleitor não vai ter acesso ao voto impresso. Ele aparecerá atrás de um vidro / tela transparente para que o eleitor confirme se o seu voto corresponde aos candidatos que ele digitou na urna eletrônica. Após isso esse voto vai automaticamente para uma urna lacrada para futura recontagem caso existam dúvidas sobre os resultados. A urna eletrônica e a urna física para recepção dos votos estão acopladas num mesmo equipamento que inclusive já foi desenvolvido e testado pelo TSE no passado, não sendo nenhuma novidade. Repito, o eleitor não terá nenhum acesso ao voto impresso que não seja apenas a visualização do mesmo.

    1. Vai cuidar dos passeios com os turistas, pois disso tu não entende nada, abestado. Voto auditável sim. Bandidos não podem voltar ao poder fazendo fraudes.

  4. Vai facilitar ainda mais o comércio e a manipulação dos votos . Os milicianos, os traficantes e os coronés agradecem mais esse terrível retrocesso.

  5. Tá certo, nunca ocorreram fraude no voto impresso, ninguém nesse país nunca nem ouviu falar de fraudes em eleições. Rsrsrs

  6. Indubitavelmente as Urnas possuem vulnerabilidade física e técnica às fraudes, como ampla e conhecidamente divulgado.
    Não há outra solução além da impressão do voto, quer os Boca de Veludo queiram ou não queiram.
    Que mal há em se imprimir o voto?
    Por que essa perseguição peremPTória à impressão?
    Cheira à corrupção e ativismo Ideológico. Nada mais.

    1. Theodorico fazia isso, se vc é do Japi, seus pais e familiares gostavam.

    1. Vamos lá entender a questão do voto impresso, o que acontece será o seguinte o candidato vai lhe oferecer dinheiro para comprar o seu voto e vai pedir o cupom fiscal para garantir que você votou nele, apenas isso.

    2. Vc deseja muito que ele bote pra torar em vc não é? Teu pseudônimo te entrega…

    3. será que você sabe que isso significa aumento de gastos do contribuinte? com instalação de impressoras em cada UE, aquisição de papeis, contrato com profissionais para as quebras que irão ocorrer. não é necessário imprimir! basta instalar um softwere para visualização em telas.
      que esses bilhões sejam gastos na saúde ou no combate à corrupção.

    4. Bolsonaro não quer voto impresso, ele quer apenas tumultuar e depois alegar que foi derrotado de forma fraudulenta igual o Trump… voto impresso 2022, para que ninguém mais fale m… ou que tenhamos fraudes…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Voto impresso tem apoio de maioria em comissão e deve avançar na Câmara; “se vier vamos tentar cumprir em 2022”, diz Barroso

Foto: Pablo Valadares/Agência Câmara

Bandeira do presidente Jair Bolsonaro, o voto impresso nas eleições deve ser aprovado na comissão que analisa o tema na Câmara, com aval não apenas de governistas. Levantamento do Estadão/Broadcast com os atuais 32 deputados do colegiado mostra que 21 são favoráveis e apenas quatro se opõem. Outros sete afirmaram ainda estar indecisos. O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, passou quatro horas nesta quarta-feira, 9, debatendo o assunto com os parlamentares, afirmou que a medida representa um “retrocesso”, mas que, uma vez aprovado, o novo sistema será adotado.

Adversários do governo veem na impressão do voto uma possibilidade de auditoria para frear o discurso de fraude eleitoral adotado por Bolsonaro. O PT e a Rede são os únicos partidos que se colocaram contrários à medida na comissão. A aprovação no colegiado é o passo mais importante para a proposta, sem a qual a discussão não chegaria aos plenários da Câmara e do Senado.

Nesta quarta, em evento com líderes evangélicos em Anápolis (GO), o presidente repetiu que a disputa de 2018, quando se elegeu, foi fraudada; caso contrário, teria vencido no primeiro turno. “A fraude que existiu me jogou no segundo turno. Tenho provas materiais disso”, disse Bolsonaro. Apesar de ter prometido, ainda em março de 2020, apresentar as provas de irregularidades, o presidente nunca mostrou qualquer evidência.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) em discussão na Câmara é da deputada Bia Kicis (PSL-DF), uma das aliadas mais próximas ao presidente. O texto não acaba com a urna eletrônica, mas obriga a impressão de comprovantes físicos de votação, que devem ser depositados automaticamente em uma caixa de acrílico acoplada ao equipamento. Com isso, o eleitor poderá conferir se o recibo em papel coincide com o que digitou, mas não poderá levar o comprovante com ele.

Em audiência nesta quarta na Câmara para tratar do tema, Barroso defendeu o sistema atual de votação sob o argumento de que nunca houve qualquer caso de fraude comprovada na urna eletrônica desde que foi adotada, em 1996.

“A introdução do voto impresso seria uma solução desnecessária para um problema que não existe com o aumento relevante de riscos”, afirmou. “O que nós fizemos com o sistema eletrônico de votação foi derrotar um passado de fraudes que marcaram a história brasileira no tempo do voto de papel”, disse o presidente do TSE.

Segundo Barroso, uma vez aprovada, haverá dificuldades operacionais para colocar o novo formato em prática já na disputa de 2022, mas que a Justiça Eleitoral, responsável por organizar as eleições nos 5.570 municípios do País, fará o possível para cumprir o que os parlamentares decidirem.

“Se passar, teremos de fazer uma licitação para comprar as urnas. Não é procedimento banal, não é fácil. O tribunal tem boa fé e vai tentar cumprir, se for essa decisão, que eu torço para que não venha, mas se vier vamos tentar cumprir (em 2022)”, disse o ministro, que estima um custo de R$ 2 bilhões para substituir todos os atuais equipamentos.

Brizola

Além de Bolsonaro, desde o mês passado o PDT passou a defender o voto impresso nas eleições. Invocando a memória do ex-governador Leonel Brizola (1922-2004), fundador da sigla, que costumava atacar a urna eletrônica, o presidente da legenda, Carlos Lupi, argumentou que a possibilidade de “recontagem” inibe eventuais fraudes. “Essa é uma bandeira histórica do PDT e que nada tem a ver com o Bolsonaro, que vai tentar tumultuar o processo eleitoral de qualquer forma”, afirmou o deputado Paulo Ramos (PDT-RJ).

Outro integrante da oposição, o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) defende um modelo em que nem todos os votos seriam impressos, apenas uma amostra entre 5% a 10% das urnas de cada município. “Isso não iria encarecer tanto o sistema e seria razoável. Quem tem medo de auditagem é quem quer fazer coisa errada”, argumentou o parlamentar.

O cientista político Jairo Nicolau, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), vê no modelo de amostragem uma solução política para coibir discursos de fraude. “Por mim, não precisaria de nada, mas seria uma concessão política a um movimento que está deslegitimando o processo eleitoral no Brasil”, afirmou ele.

Atualmente, o TSE já faz auditorias, mas Nicolau afirma que há descrença na apuração eletrônica, embora não veja sentido na desconfiança. “É igual querer ir ao banco para ver se o dinheiro está lá mesmo”, disse o cientista político.

Carolina de Paula, diretora executiva do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da UERJ (Data IESP), aponta alguns problemas que a PEC pode trazer para o sistema eleitoral, como morosidade e possibilidade de erros no processo. “Não existe nenhuma comprovação de fraude e a urna eletrônica é muito mais segura do que o processo que tínhamos antes dela. O que poderia ser feito, na verdade, é aumentar essas auditorias de segurança, como, por exemplo, sortear um número maior de urnas para ser auditada para gerar mais segurança na população”, afirmou Carolina.

Após aprovação na comissão especial, a PEC precisa passar por dois turnos de votação na Câmara, com quórum de 3/5 do total de deputados (308 votos de 513 parlamentares na Casa) e dois turnos no Senado, também com quórum mínimo de 3/5 do total de 81 senadores. Caso a proposta em discussão avance, não será a primeira vez que o Congresso aprova a adoção do voto impresso. O mesmo sistema defendido hoje foi usado de forma experimental nas eleições de 2002. Um relatório do tribunal concluiu que a experiência “demonstrou vários inconvenientes”, em “nada agregou em termos de segurança ou transparência” e o pior: criou problemas. O tribunal apontou que nas seções com voto impresso foram observados filas maiores e um maior porcentual de urnas com defeito. O modelo foi, então, abandonado.

Propostas similares, no entanto, voltaram a ser aprovadas pelo Congresso em 2009 e em 2015, mas nas duas vezes foram barradas pelo Supremo Tribunal Federal, que as considerou inconstitucionais.

Estadão

 

Opinião dos leitores

  1. O que mais se vê são os “rackers” parando grandes conglomerados no mundo, até mesmo em países desenvolvidos. Como vou confiar no urna eletrônica? Sem o voto auditável, como se reconta os votos.Não confio mesmo.

  2. Essa questão de voto impresso é pano de fundo pra justificar a derrota pra esses idiotas limitados que apoiam o Bolsonaro, a vitória da 3a via cada dia fica mais evidente, poucos irão voltar num débil mental, sem capacidade de administrar um país, onde o que mais faz é lançar polêmicas desnessárias, como também não elegerá um ladrão inveterado, onde foi flagrado roubando dinheiro público no mensalão, onde foi perdoado e sem perder tempo, logo em seguida promoveu a maior roubalheira já vista na história mundial, o famoso petrolão. Essa profecia não se concretizará se nosso povo for constituídos de tontos e babacas.

  3. É só o que as milícias e facções querem, agora elas vão obrigar o povo a votar em quem eles querem e terão que mostrar que realmente votaram, sob pena de morte.

    1. Também acho! Só espero q ele não perca para o Lulaladrão! Temos que ter uma terceira via que para votar em alguém sem práticas de corrupção ou peculato de rachadinha!!!

    2. Qual a razão de ter medo do voto impresso? Perder ou ganhar faz parte do jogo da democracia, depois dos militares foram vários presidentes diferentes. O Molusco quis (quis) ficar eternamente, seu candidato mongoloide foi abatido em pleno voo, acredito que por falta de labia,qualificaçao e abestalhamento. Vamos a luta, o resultado só veremos depois, vc reza pelo seu, eu pelo meu. Caso o meu perca, tenho como e vou viver fora do país, vc pense no seu caso, aguentar mais quatro anos é triste.

  4. Bolsominion sobre a eleição impressa nos EUA: Ain, houve fraude!
    Bolsominion no Brasil com eleição eletrônica: Ain, quero o voto impresso aqui p não haver fraude!

    Vai entender…

    1. De fato houve, principalmente nos votos enviados pelos Correios. Muito mortos votaram, confirmando a fraude, ou vc acha q n é?

    2. Adolfo, entre para a história dos EUA.
      Derrube Biden, mostre as provas… você vai ser o rei de lá.

    3. Calígula está de folga hoje e quem veio render ele foi Adolfo T… KKK

    4. Vc continua usando um nome que não representa o sentimento da cidade, devia se abster dessa prática, colocar outro nome, pois o seu ato
      nos envergonha e nos leva a chacota.

    5. Senhor seja sensato, por sua causa, se dizendo Japiense, estamos servindo de piada, certamente vc imagina a desfeita que está fazendo com a população da nossa cidade. Use qualquer nome é dê as suas opiniões, vivemos numa democracia, o que vc faz é feio, deselegante é nos atinge indistintamente, tenha vergonha, a cidade não gosta de ladrões safados.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Se aprovado, voto impresso criará ‘caos’ e ‘judicialização’ do resultado eleitoral, diz Barroso

Foto: Reprodução/Globo News

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, alertou em entrevista à GloboNews que o voto impresso, em discussão no Congresso Nacional, vai criar no país um “desejo imenso de judicialização” do resultado das eleições.

“Nós vamos criar o caos no sistema que funciona muitíssimo bem”, enfatiza Barroso.

Também ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Barroso reforçou a credibilidade do sistema eleitoral brasileiro. “O nosso sistema de voto em urna eletrônica é totalmente confiável”, diz.

A fala do presidente do TSE acontece um dia após o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), ter criado uma comissão especial para discutir a proposta de emenda à Constituição (PEC) que obriga o voto impresso.

A PEC, de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF), aliada do presidente Jair Bolsonaro, exige a impressão de cédulas em papel na votação e na apuração de eleições, plebiscitos e referendos no Brasil.

Leia a íntegra da entrevista:

Camarotti: A Câmara dos Deputados está criando uma comissão, neste momento, para analisar a PEC do voto impresso. O nosso sistema de votação é confiável? A urna eletrônica é confiável?

Barroso: O nosso sistema de voto em urna eletrônica é totalmente confiável. No entanto, eu queria dizer que, numa democracia, nenhum tema é tabu. E, portanto, tudo pode ser discutido à luz do dia. Portanto, o lugar próprio para discutir isso é o Congresso Nacional. Mas nós temos elementos mais do que suficientes para demonstrar a absoluta confiabilidade do sistema. Eu não parto do pressuposto de má-fé. Eu sempre parto do pressuposto de que as pessoas estão de boa-fé. E, portanto, acho que há um certo grau de desconhecimento sobre como o sistema funciona e como ele pode ser auditado. Para usar a palavra da moda, ele pode ser conferido na sua integridade. A cada passo. Talvez o Tribunal Superior Eleitoral tenha subestimado um pouco o compromisso de mostrar o máximo de transparência possível. De modo que eu acabei de gravar, esses dias, o passo a passo da demonstração de como funciona o sistema e de como ele pode ser verificado pelos partidos políticos e pelo Ministério Público a cada momento. Eu espero que, com isso, afastar qualquer tipo de dúvida de quem a cultive. Embora as pesquisas demonstrem que a maior parte da população confia no sistema.

Camarotti: Agora, é um sistema que é hoje referência no mundo. A nossa urna eletrônica e a velocidade, também, do nosso sistema de apuração. Esse movimento que a gente está vendo por um setor da política brasileira e da Câmara dos Deputados, seria um retrocesso? A aprovação da PEC do voto impresso seria voltar ao passado?

Barroso: Eu acho que o voto em cédula, inclusive é o que fala a proposta de emenda constitucional, mesmo o voto impresso pela própria urna, eu acho que seria extremamente problemática e mexeria num time que está ganhando. Tem tanta coisa funcionando mal no Brasil e as pessoas estão, algumas pessoas, pensando em modificar o que vem funcionando bem. E só para lembrar, nesse sistema foi eleito o presidente Fernando Henrique para o segundo mandato, foi eleito o presidente Lula duas vezes, a presidente Dilma por duas vezes e o presidente Jair Bolsonaro. Alguém acha que as urnas não expressaram, efetivamente, a vontade popular? Porque se verificou, em relação à urna eletrônica, é que o discurso dos críticos foi mudando. Primeiro, queriam cédula. Depois, queriam voto impresso. Agora, já querem que ele seja auditado. E eu vou procurar demonstrar a você e ao público cada passo dessa possibilidade de auditoria. Auditoria significando a possibilidade de se conferir a integridade do sistema. Eu acho, sim, que o voto impresso, cédula, impresso pela urna, vai criar desejo imenso de judicialização do resultado das eleições.

Camarotti: Por que esse temor, ministro, em relação à judicialização com o voto impresso?

Barroso: O Brasil tem 5.600 municípios. O voto impresso vai permitir que cada candidato que queira questionar o resultado peça a conferência dos votos. Vai contratar os melhores advogados eleitorais do país para buscar uma nulidade, alguma inconsistência e vai questionar oficialmente o resultado das eleições. E aí nós vamos ter mais um nível de judicialização no país, que vai ser o resultado das eleições, vai ser produto de uma decisão judicial. Ninguém precisa disso. Nos Estados Unidos, o presidente Trump, que inspira muitos dos que questionam as nossas urnas, ele entrou com mais de 50 ações judiciais. Nenhum juiz deu cautelar nem determinou suspensão da contagem ou o que fosse. Mas eu não tenho a mesma certeza de que isso aconteceria no Brasil se houvesse 50 ações judiciais. E, portanto, você ia ter o resultado das eleições, em vez de sair das urnas, saiu de uma decisão judicial. Ninguém precisa disso. Aliás, o Brasil não merece isso. Mais um grau de judicialização no país. Para quem tiver alguma dúvida sobre as urnas serem auditáveis, eu vou narrar de memória cada um dos passos em que é possível conferir a autenticidade do sistema. É feito um programa para ser inseminado nas urnas. Esse programa de computador, ele é submetido, logo após elaborado, a um teste público de segurança em que o próprio TSE convida os partidos políticos, hackers, Polícia Federal, universidade para tentarem violar o programa.

Depois, essa fase é ultrapassada, o programa é aberto para que todos os partidos políticos o examinem, podem comparecer com seus técnicos de informática para examinar o programa. Portanto é o segundo momento de auditoria, depois, quando tudo bem encaminhado, os partidos estão convidados a assinarem o programa, digitalmente, e portanto, eles verificam a autenticidade, assinam e há um procedimento de quarta etapa que chama lacração, que é uma blindagem desse programa. Não há mais como mexer nele.

Esse programa é remetido para os tribunais regionais eleitorais e é inseminado nas urnas na vista dos partidos políticos que são convidados. Se houver qualquer alteração no programa, ele não funciona, ele imediatamente acusa a ocorrência de manipulação. Depois, dias das eleições, a urna já inseminada com esse programa mega conferido imprime um boletim no início da votação chamado zerésima, para demonstrar que não tem nenhum voto lá dentro da urna, e ao final do dia da votação, ele emite um chamado boletim da urna, que é o resultado daquela urna com a quantidade de votos que cada candidato obteve nela. Outra etapa de auditagem é que nas vésperas das eleições são sorteadas 100 urnas, aleatoriamente no país, levadas para o TRE, onde são submetidas a um teste de integridade com uma empresa de auditoria independente, em que um eleitor escolhido vota na cédula, canta o voto de cédula para ser inseminado, inserido na urna digitalmente e depois se verifica na saída por uma empresa independente que aquela urna expeliu exatamente aquilo que foi introduzido pelo eleitor.

E por fim, e acho que esse é um ponto que eu gostaria de enfatizar, a urna ela contém o que se chama registro digital do voto. E, portanto, nós não queremos voltar ao modelo anterior. E alguém diz “não, mas na Alemanha, eles não adotam esse sistema”. É, pode ser, mas na Alemanha não havia uma tradição de fraude no voto por cédula ou no voto impresso e, portanto, eles não precisam lutar contra esse fantasma do qual nós nos livramos com a urna eletrônica. Portanto, ela é confiável, é aditável cada passo, se o partido quiser. O voto impresso corre o risco de trazer uma ampla judicialização. O Brasil tinha, nas últimas eleições que eu presidi, quase 500 mil candidatos. Você imagina se um terço deles resolver questionar o resultado e pedir conferência judicial dos votos. Nós vamos criar o caos no sistema que funciona muitíssimo bem. Agora, o que não pode é um partido político não mandar representante para verificar a autenticidade do programa final, para depois dizer que tem alguma coisa errada. Portanto, não é assim que se joga o jogo democrático.

Camarotti: Como o senhor vê esse movimento pelo voto impresso do ponto de vista da estratégia política? É uma tentativa de minar a credibilidade de um sistema que funciona muito bem e é referência no mundo?

Barroso: Olha, como eu disse, não gosto de presumir má-fé de ninguém. Eu sempre imagino que as pessoas estão agindo de boa-fé e com bons propósitos, de modo que acho que essa desconfiança é mais produto do desconhecimento. Em algumas partes do mundo, e não estou me referindo ao Brasil particularmente, há candidatos, como aconteceu nos Estados Unidos, que antes da divulgação do resultado que anunciaram que se não ganhassem é porque houve fraude. O populismo autoritário que se espalhou pelo mundo – Hungria, Polônia, Rússia, Turquia – esses países, onde não há manipulação, onde há efetiva disputa muitas vezes, já há uma arguição preventiva de que “se eu perder tem fraude”. Isso é a negação da democracia. A democracia é um jogo em que as regras valem para todos. Quem ganhar tem o direito de governar e quem perder tem que respeitar a vontade das urnas. Essa história de cantar a existência de fraude antes da divulgação do resultado e colocar sob suspeita um processo eleitoral que jamais identificou qualquer tipo de fraude é problemático.

Blog do Camarotti – G1

Opinião dos leitores

  1. Qual credibilidade tem o STF? E em particular boca de veludo? Faça assim solte uma liminar proibindo vai la solta

  2. A quem interessa que os votos não possam ser auditados? Em todas as democracias sérias do mundo o sistema eleitoral é totalmente aditável, apenas no Brasil que ter segurança eleitoral é proibido pelos próprios membros do STF. Algo de muito errado está por trás de tudo isso.

  3. Não adianta chorar, bozoburros, seu mito vai perder feio com ou sem voto impresso….
    O omi é ruim, o omi é péssimo, o omi é horrível….

  4. Na verdade, não se trata de voto impresso, é VOTO AUDITÁVEL. O voto continuará sendo eletrônico, do jeito que é hoje. Apenas será emitido um comprovante, ao qual o eleitor NÃO terá acesso, que cairá numa urna ao lado, para uma eventual necessidade.

  5. Causa estranheza a luta insistente desse ministro do STF contra o voto auditável. Por que tanto medo? O mais importante numa eleição é sua transparência, que atestará sua lisura e legitimará os vitoriosos. Quanto a eventuais judicializações, paciência, faz parte do jogo. Recorrer à justiça custa caro e é direito de quem se acha prejudicado. Não cabe a esse ministro querer evitar ações judiciais, cabe a ele JULGÁ-LAS.

  6. Parece que esse Deus TEM MEDO DO VOTO IMPRESSO. Com certeza esse burgueizinho indicado pelo PT está com medo das mudanças e que elas alcancem esses reizinhos. Fora Ministrinho de meia tigela.

  7. Estranha esta frase do Barroso: “O Brasil tem 5.600 municípios. O voto impresso vai permitir que cada candidato que queira questionar o resultado peça a conferência dos votos. ”
    Isto se chama transparência, aprendi na pós de auditoria que qualquer sistema deve ser auditado não só para descobrir se tem fraude como também para demonstrar que é seguro.
    Bastava colocar na lei o está nos EUA onde se quiser uma auditoria da contagem tem de pagar.Queria ver quem teria condições de pagar o alto custo de uma auditoria. Assim não fecha a porta para verificação mas inibe os oportunistas.

  8. Ou o gado é muito burro ou é infantilizado mesmo. O voto impresso é um desejo da milícia para controlar o eleitorado nos seus redutos. A realidade não é cor de rosa, meus caros. O voto de cabresto se faz assim. Sabem de nada, os inocentes

    1. Espero que vc veja meu comentário. Ou burro, vejo que vc não leu sobre o assunto. Ele será auditável, impresso, mas ninguém levará pra casa, pra como vc falou, mostrar a alguém. Enfim, não merece maiores explicações, até pq somos gado, que pode gerar riquezas. E você, um jumento, burro…

  9. A resposta correta de barrosinho seria: Toda forma de qualificar e comprovar a licitude de uma eleição é bem-vinda.
    A principal função de uma eleição auditável em todos os pontos, não é garantir a vitória do vencedor, mas provar ao perdedor que ele realmente perdeu.
    Não se verifica o que acontece na caixa-forte do TSE durante uma apuração, lá ficam os técnicos escolhidos a dedo e o presidente do TSE centralizando TODOS os votos do Brasil. Qual a lisura disso, haja vista que não se pode pautar o processo eleitoral na garantia verbal que as pessoas envolvidas diretamente no processo apuratório são ilibadas e envoltas numa aura impermeável de honestidade e espírito público.

    Essa repulsa por uma eleição limpa é que deixa a certeza de manipulação à vista.
    Barrosinho tem que descer do tamanco.

    1. Eleição limpa com voto impresso?
      Kkkkkkkkkk no Brasil???
      Conta mais outra piada
      Kkkkkkkkkk
      Voto impresso no país dos Coroné!!!!
      Por que o Bozo nunca reclamou nesses últimos trinta anos? Sempre se elegeu e elegeu a família toda com a urna eletrônica e, agora que está vendo o Lula com chance de vencê-lo, quer arrumar um meio de bagunçar o coreto.
      E o gado só repente o som do berrante:
      🐮Muuuuuuuu!!!!

    2. Tem como auditar sim. Pegue os BUs das seções eleitorais para auditar.

    3. Verdade, Paulo. O atual sistema brasileiro é impossível de ser auditado. Isso, inclusive, foi confirmado por uma auditoria contratada pelo PSDB na eleição da Dilma contra o Aécio.

  10. Isso lá é justificativa, ministro !?! Pior é termos uma votação que não pode ser auditável. Onde fica a transparência ??? Que medo é esse ???

  11. Todo dia tem partido de esquerda entrando com ações no STF para barrar as decisões do executivo, são milhares de processos e os ministros nunca reclamaram da quantidade.
    Existem milhares de processos aguardando julgamento, principalmente contra políticos e esses ministros nunca reclamaram, nem julgaram.
    Mas quando é para dar lisura e permitir auditar o voto, logo vão a mídia dar entrevista contra. Qual é o grande problema nisso? Não queremos saber de desculpas, mas o motivo real.
    A pouco tempo teve um órgão que licitou a compra de lagosta a ser servida no almoço ou jantar daquele órgão. Mas o mesmo órgão proibiu o voto impresso com a desculpa que não existe recurso público para despesa do voto impresso. Estão chamando o povo de idiotas úteis.
    O voto impresso é necessário e não será de conhecimento de ninguém antes de uma auditoria.
    O eleitor vota, o voto é impresso, ele confere, assina e coloca dentro de uma urna que vai ficar lacrada e deve ser guardada e vigia pelo exército. Se tudo correr bem, os votos são incinerados depois de 02 anos. Caso exista processo, só pode ser incinerado depois de auditados. Qual o problema nisso?
    Qual é o grande questão por trás da rejeição judicial ao voto impresso? Que medo é esse? Toda vez que se fala nisso, um ministro corre a mídia para dar opinião contra.
    O povo clama pelo voto impresso e a possibilidade de auditoria.
    Porquê o judiciário faz questão de se colocar contra o povo e contra transparência da votação? Como existe hoje, jamais poderá ser auditado. Qual a razão da expressa rejeição a imprimir e auditar o voto?

    1. 👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏👏

    2. Num país onde até hoje existe compra de votos, você acha mesmo que voto impresso é o que dará segurança? O que seu presidente e o gado burro pede é que ele também leve um comprovante do seu voto e que possa ser conferido depois. Isso é ridículo! As urnas eletrônicas, possuem sim um borderô de votação impressa e que depois pode ser conferida, o que já é pelos partidos e correligionários de candidatos! Ela é lacrada, possui total condições de ser verificada se teve alguma manipulação ou se há algum problema no seu resultado. Vocês como sempre gostam de colocar problema em todo lugar, pede para seu presidente que vocês tanto acham um “mito” governar esse país, nós brasileiros precisamos muito!

  12. Ta com medo de ter que trabalhar… se ha questionamentos, é porque ha sensacao de insegurança no sistema. E se querem diminuir o problema, sejam democraticos e desobriguem o voto.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polêmica

Sem voto impresso em 2022, vamos ter problema pior que os EUA, diz Bolsonaro

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o voto impresso nas eleições 2022 nesta quinta-feira (7). “Basicamente, qual foi o problema, a causa dessa crise toda? Falta de confiança no voto. Lá o pessoal votou e potencializaram o voto pelos correios por causa da tal da pandemia e houve gente que votou três, quatros vezes. Mortos votaram. Foi uma festa lá “, afirmou, a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada. “Se nós não tivermos o voto impresso em 22, uma maneira de auditar o voto, nós vamos ter problema pior que os Estados Unidos”, disse.

Matéria completa AQUI no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Para quem não entende, o voto impresso é aquele que vc vota na urna eletrônica e sai o seu voto , sem identificação
    do seu nome, em um documento, vc confere e pronto. Aí sim, qualquer problema de recontagem ten-se o documento impresso. Simples assim. Aí teremos transparência na conferência, se necessário.

  2. Defender a autonomia e a integridade da justiça eleitoral e responsabilizar os que atentam contra a ordem constitucional são imperativos para a defesa da democracia, qua por sua vez não tem lugar para os que dela abusam.

  3. Voto auditável já. Faz por amostragem. Dá uns 300 reais por urna. Caro? Cara é a possibilidade de fraude. Vcs estão confiando nisso com base em discurso de autoridade.

    1. Besta é quem confia em algo que não domina. Nenhum gênio da informática pode expugnar a possibilidade de fraude.

  4. Ele quer voltar aos tempos das cavernas. Isso já é o medo de perder a eleição,e está descreditando um sistema que p elegeu deputado federal, por 16 anos. Palhaço esse BoZonaro!!!

  5. BG !
    Nessa mesma fala o véi do cunhao roxo, chamou Bonner da globo lixo de canalha umas quatro vezes, chamou de mentiroso e perguntou porque não noticiario a fala do doleiro Dario Messer em relação a grana que os irmãos Marinhos receberam.
    Perguntou ainda porque ele ganha o dobro da Renata.
    E disse! Seu salário foi rebaixado porque a farra com o dinheiro público acabou, quem quiser vê é só pesquisar.
    O véi é duro é duro é duro é duro.
    Tamos juntos Presidente.

    1. Os assuntos que te interessam só mostram o quão oca é a sua cabeça. É Bonner pra cá, Renata ora lá, enquanto isso o gás sobe de preço, o número de desempregados e miseráveis só aumentam e você só quer saber dos xingamentos do teu bandido de estimação.

  6. o Brasil fudido e mal pago, quebrado, como o rei do gado mesmo falou. Agora esse doido quer torrar 2,5 bilhões com impressão de voto. Se houvesse fraude nas urnas o mito não teria ganho, a turma teria mexido os pauzinhos e teria dado Haddad.

    1. Mito2022(na cadeia)…o véio é burro, é burro, ô veio burro…

    2. Titia Calígula adora o do véio, o do burro, do véio burro. Duro, duro, roxo de duro. kkkkkkkkkkkkkkkk

  7. Tem que ter cuidado mesmo.
    OBAMA DISSE E DEIXOU ESCRITO QUE LULA É LADRÃO.
    Então!!
    Todo cuidado é pouco.
    Não vou desacreditar do cumpanheiro democrata Obama.
    Rsrs

    1. Quem???
      Quem é o novo lider que vai surgir em dois anos??
      Homi !!!!!
      Quer um conselho??
      É melhor JAIR se acustumando.
      O Brasil de hoje é outro.
      Eu duvido que a grande massa brasileira queira voltar pros tempos do roubo.
      Duvido.
      Que apostar??
      Quem avisa amigo é.
      Aceita doí menos.
      Kkkkkkk
      Babaca.

    2. A grande massa não possui essa carga ideológica do Bozo e de seus seguidores. Não são bolsonaristas, nem petistas. Votaram conforme a moda. Porém já se deram conta do erro que cometeram em 2018 e não vão repeti-lo em 2022. Só os bolsonaristas ainda acreditam na reeleição deste maníaco incompetente! A derrota dele nas urnas será fato consumado. Só resta saber se o Bozo sairá do Planalto de forma honrosa ou defenestrado como seu ídolo Trump parece querer sair.

  8. Qual o problema em tornar auditável a eleição imprimindo o voto direto para uma urna lacrada? É inacreditável as viúvas da Lula/Dilma não quererem a impressora na urna eletrônica.

    1. Essa de voto impresso é pra baderna imperar, pedir recontagem e manipular o resultado com a contagem manual. O sistema atual é seguro, pois não está em rede e se emite um boletim com os nomes dos candidatos antes e depois de terminar o processo. Já a contagem manual abre inúmeros precedentes, eu que o diga por já ter presenciado apuração manual em frente a juiz eleitoral com delegados de partido apoiados por políticos no poder obrigando os escrutinadores a passar votos de um candidato pra outro. Quem questionaria se o juiz eleitoral estava vendo, imaginem sem a presença dele.

  9. Com ou sem voto impresso, nosso problema eh você MINTOmaníaco!!! VÁ TRABALHAR E DEIXE DE FICAR FALANDO MERDA!!!

  10. A grande maioria do povo Brasileiro é pacífico, principalmente os eleitores do Bolsonaro.
    Vejam o que esses caras do STF fazem e fica por isso mesmo.
    O tal Gilmar Mendes solta bandidos a três por mil.
    Os outros, bandidos ligados ao tráfego.
    Políticas corruptos igual ao LULA, e não acontece nada, o Brasil é assim.
    Tudo caí no esquecimento.
    O MITO, tá usando de estratégia dizendo isso.

  11. Isso é um comediante. E tbm ilusionista, usa das palavras, joga informações sem nenhum fundamento ao relento e muito mané cai nessa conversa fiada dele, tbm passou mais de duas décadas mamando e se formando na melhor universidade para essa qualidade de gente, o congresso.

  12. Deixa ver se entendo:
    Nos EUA é impresso e houve fraude
    No Brasil é eletrônico e há (haverá) fraude.
    Alguém interna esse excremento pelo amor de Deus.

    1. Nenhum profeta predisse que o mundo ia acabar assim: quando a internet desse voz aos iluminados. Sempre dominam todos os assuntos: economia, biologia, medicina, epidemiologia, informática e etc.. Eles tem um diagnóstico pra tudo. Que Deus nos ajude.

    2. Você entendeu muito bem, meu amigo. Mas vou traduzir. A eleição nos Estados Unidos é uma zona. Vota- se pelo correio, inventam cédulas, etc. Enfim, a esquerda faz o que deseja. Aqui, como não tem voto pelos Correios, vão programar as urnas eletrônicas. Simples assim.

  13. O Trump deixou um discípulo, o Trump do Paraguai.
    Essa praga, é a pior praga que o Brasil poderia ter.
    Culpa de 57 milhões de imbecis.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro volta a defender voto impresso: “Temos que ter um sistema de apuração que não deixe dúvidas”

Foto: Divulgação/Palácio do Planalto

O presidente Jair Bolsonaro voltou a questionar o sistema de apuração de votos do Brasil na manhã desta segunda-feira, 16. As informações são da Nathália Pase, repórter da Band em Brasília.

“Temos que ter um sistema de apuração que não deixe dúvidas, tem que ser confiável e rápido. Não deixar margem para suposições”, declarou há pouco.

O presidente ainda reafirmou o desejo do retorno do voto impresso. “O Supremo disse que é inconstitucional o voto impresso, tem proposta na Câmara, se não tivermos uma forma confiável a dúvida sempre vai permanecer. Não sou eu quem fala, é o povo que fala”, finalizou o presidente.

Band

Opinião dos leitores

  1. O voto impresso é uma segurança para qualquer partido pode ser de esquerda ou direita.
    voto eletrônico não é confiável , porque não sabemos se foi manipulado ou não, se hacker invade computadores da CIA (central de inteligência americana) que tem segurança máxima vocês acham que não terão condições de alterar dados de uma maquininha eletronica de votos, aberta.
    E falaram ainda dá inovação de voto via celular ser segura, só rindo de vocês.
    Imaginem um corrupto chegando numa área carente oferecendo R$ 30,00 por voto no candidato dele, o cidadão chega com seu celular vota na frente do corrupto e recebe o seu dinheiro.
    Ou os inocentes de plantão acham que isso nunca vai acontecer.
    Só podem estar de sacanagem.
    Que sejam contra o presidente mas vamos botar a cabeça de camarão para pensar.

  2. Se for pra tirar esse quadrúpede da presidência, eu concordo com qualquer tipo de votação, mas tem que ser agora!!!!

  3. Se eu pegar esse esclerosado e colocar aqui na fazenda por uns 5 dias a base feno, farelo, sal, sol no lombo e umas boas açoitadas, duvido que ele volte a falar tanta asneira..

  4. É verdadeiro o seu comentário, caro Turci. Lamentável, como o presidente Bolsonaro, fala bobagem. Ele é o maior opositor do seu governo. João Macena.

  5. Parece me que o sistema de voto impresso seria muito mais passível de erros e de fraude do que o atual. Se há dúvidas quanto a segurança que se aponte tecnicamente quais são os pontos suscetíveis a problemas no atual sistema. Senão é só mimimi de perdedor.

  6. O que esperar de um Débil Mental que só teve inteligência para ensinar os filhos como fazer uma boa rachadinha e encantar o Gado… kkkkk ?

  7. NÃO CONCORDO MEU PRESIDENTE.
    QUERO VOTAR NO Sr JA AGORA EM 2022 PELO CELULAR.
    PENSA BEM!!!!
    SE EU POSSO MOVIMENTAR A MINHA CONTA BANCÁRIA DE FORMA SEGURA (fazer pagamentos PIX) PELO CELULAR, PORQUE NÃO VOTAR HEIN????
    TEM QUE ACABAR AS FILAS Presidente.
    É NESSA DIREÇÃO QUE O SR DEVE PENSAR.
    tamos juntos!!!
    Mito 2022

    1. Quando a paixão é grande a pessoa fica cega mesmo.
      Nem a idiotice do quadrúpede serve pra desencantar o gado!!!!

    2. Calma Erasmo, o presidente é humano e erra, o governo tem pontos vulneráveis, como qualquer outro, o regime democrático de direito é assim, nenhum governo é perfeito.
      Mas não fale mal assim do Presidente Bolsonaro, vc não sabe o que esse CARA SOFRE SOZINHO , pra tirar esse País dessa ANARQUIA QUE SE TRANSFORMOU ao longo dos anos, e com a ajuda do teu PT ladrão.
      Pensa nisso, para de paixão que isso sim, leva a segueira, eu enxergo muito bem, sou brasileiro, não sou bolsominion, muito menos militonto seguidor admirador de ladrão.
      O BRASIL É ESSE CABARÉ por causa de gente como vc, votam errado são pessoas sem noção, não querem avançar, tornar o Brasil em uma potência mundial.
      Potencial tem sobrando, mas falta brasileiros patriotas igual ao presidente Bolsonaro pra ajudar.

  8. Esse homem é um burro , ele quer que seja igual nós Estados Unidos uma zorra total….só na cabeça desse jumento que as urnas eletrônicas tem fraude

  9. BG, ele só acha que ta tudo certo se a vitória for dele… essa é a democracia que essa gente quer.

  10. Quando eleito através do voto eletrônico, nada reclamou! Tava tudo certo. O cara que ele beija as botas ( Donald Trump) não confia nessas cédulas de papel. Mal perdedor!

  11. Estou perdendo a paciência com esse jumento, votei nesse tampo mais quanto mais abre essa matraca mais merda ele produz , esse cavalo quer voltar ao passado do voto no papel que é o processo mais primitivo que existe em detrimento de um processo com tecnologia de ponta.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

CCJ da Câmara aprova admissibilidade da PEC do voto impresso

A CCJ da Câmara acaba de aprovar, por 33 votos a 5, a admissibilidade da PEC que exige a impressão de cédulas em papel nas eleições.

O texto é de autoria da deputada Bia Kicis, do PSL do Distrito Federal.

Segundo o projeto, as cédulas poderão ser conferidas pelo eleitor e deverão ser depositadas em urnas de forma automática e sem contato manual, para fins de auditoria.

A PEC agora segue para uma comissão especial. Em seguida, ela precisa passar pelo plenário da Câmara e do Senado para votação em dois turnos.

O Antagonista

Opinião dos leitores

  1. O STF vai permitir a impressão do voto? Vão alegar de novo falta de recursos ou terão outra desculpa qualquer?
    VEM POR AÍ A DELAÇÃO DE SÉRGIO CABRAL, que poderá envolver além de ex-auxiliares e até familiares, vai tirar as noites de sono de muitos “parceiros” como os ex-presidentes Lula e Dilma e o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes, hoje no DEM. Um que deve ser severamente afetado deve ser o ex-governador Luiz Fernando Pezão.
    Para obter acordo que lhe dê esperança de sair da cadeia antes de morrer, CABRAL TERÁ DE FAZER ENTREGAS CONVINCENTES DE PERSONAGENS E REVELAR FATOS INÉDITOS.
    Informações preliminares apontam para a inclusão de membros do alto escalão do Poder Judiciário nas revelações do ex-governador.
    Os empresários Eike Batista e Fernando Cavendish estão entre os figurões da Lava Jato que devem ter a vida complicada pela delação.
    Também ficarão apreensivos com a delação de Cabral alguns veículos de imprensa nos quais mandava. Até demitia jornalistas incômodos.
    Senadores do MDB de vários Estados, além Carlos Arthur Nuzman, do Comitê Olímpico Brasileiro, também temem a língua de Cabral.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *