Cidade turística sueca usa cocô de galinha para conter disseminação da Covid; entenda

Uma máquina espalha fezes de galinha nos gramados de parque, em uma tentativa de evitar aglomerações Foto: BBC News Brasil

A cidade sueca de Lund espalhou fezes de galinha nos gramados de seu principal parque, em uma tentativa de evitar aglomerações – e assim conter o avanço do novo coronavírus.

Em tempos normais, Lund atrairia dezenas de milhares de visitantes em sua festa anual de Santa Valburga, tradicionalmente comemorada em países escandinavos.

Neste ano, porém, autoridades locais quiseram evitar festividades por conta da pandemia.

“Lund pode muito bem virar um epicentro de avanço do coronavírus”, disse, ainda em abril, Gustav Lundblad, presidente do comitê ambiental local.

Com as fezes de galinha nos gramados, “temos a chance de fertilizar a grama e ao mesmo tempo deixá-la fedida, de modo que não seja agradável sentar-se ali para tomar uma cerveja”, agregou.

A Suécia tem tido uma abordagem incomum — e também polêmica – no enfrentamento da pandemia. Ao contrário da maior parte da Europa e da Escandinávia, o país não impôs um “lockdown” severo e manteve a maioria das escolas, bares, restaurantes e comércios abertos, embora tenha pedido que as pessoas evitassem aglomerações e mantivessem o distanciamento social.

O país de 10,2 milhões de habitantes tem tido um número de infectados (22,3 mil, segundo a OMS em 4 de maio) e mortos pela covid-19 (2,6 mil) bem maior que seus vizinhos nórdicos — a Dinamarca, com população de 5,8 milhões, registrou até agora 9,5 mil casos e 484 óbitos.

Isso levou alguns cientistas suecos a tecerem fortes críticas ao governo, acusando-o de ser leniente com a vida dos cidadãos e cobrando uma quarentena mais rigorosa. Ao mesmo tempo, apesar da ausência de medidas duras, o país não vivenciou o colapso sofrido por outros países europeus, como Itália ou Espanha.

“Tenho confiança na estratégia”, respondeu o premiê sueco, Stefan Lofven, na semana passada, segundo a agência Reuters. “Uma razão pela qual escolhemos essa estratégia é que temos apoiado as agências (de combate à pandemia), e as medidas são sustentáveis ao longo do tempo.”

A Reuters destaca que a população sueca é bastante espalhada por seu território, e mais da metade das residências são ocupadas por apenas um morador ,— a maior proporção na União Europeia. Além disso, o país tem um dos mais altos índices de confiança da população em seu governo.

Época, via BBC

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Papa Jerry Moon disse:

    Nesse ponto o Bolsonaro eatá também contribuindo para evitar aglomerações. Cada vez que abre a boca, fede.

  2. Nono Correia disse:

    Aqui a MERDA é a favor do coronavírus.

  3. mauricio disse:

    E aqui tão tentando usar a humana

Pandemia do novo coronavírus entra numa semana estratégica para contenção ou disseminação do contágio, alerta Sesap

Fotos: Demis Roussos

A pandemia do novo coronavírus entra numa semana estratégica para contenção ou disseminação do contágio. O alerta foi feito pelo secretário adjunto da Saúde Pública no RN, médico Petrônio Spinelli, em entrevista coletiva nesta segunda-feira (20) para atualizar o quadro de ocorrências.

“Esta semana é estratégica e exige reflexões. O Governo do RN continua em processo de expansão de leitos para assistência a casos críticos em todo o Estado. São leitos em Natal e Mossoró, e também em cada região. A ideia é que todas as regiões tenham pontos de estabilização incluindo respiradores, seja pontos públicos ou privados. Este esforço vem dando resultados sim”, afirmou.

O Rio Grande do Norte apresenta nesta segunda-feira (20) aumento do número de internados, mas uma percentagem de ocupação de leitos críticos (em unidades de terapia intensiva e semi-intensiva) está estável (21%), devido ao aumento da oferta. Hoje há 91 pessoas internadas em leitos críticos e observação, 16 casos em UCI (Unidades de Cuidados Intermediários) confirmados e oito suspeitos, e 18 internados em leitos clínicos.

Os casos suspeitos são 2.785. Descartados 2541. Confirmados, em 46 cidades, 595 casos. São 161 pessoas recuperadas. Há notificações em 151 municípios. São 27 óbitos e sete em investigação.

“O diagnóstico de hoje é a fotografia do que aconteceu 10 ou 14 dias atrás. Nos últimos dias vimos um processo extremamente preocupante de aglomerações. E essas aglomerações de hoje terão repercussão nos próximos dias com possível aumento de casos. Não termos colapso no nosso sistema de saúde é resultante das ações normativas, dos decretos do Governo do RN tomou. E também da compreensão da sociedade que adere às medidas de proteção”, explicou Petrônio.

O secretário, entretanto, alertou: “precisamos entender que todas as medidas de mitigação foram fundamentais para o quadro atual. Mas, tudo isso pode ser neutralizado pelas aglomerações dos últimos dias. O Governo do RN tem como meta evitar mortes, salvar vidas, por isso toma medida baseadas no conhecimento científico que devem ser respeitadas. É preciso intensificar proteção aos idosos e generalizar o uso de máscaras. Isso é comprovado mundialmente”, afirma.

MUDANÇA NO PERFIL

A análise do perfil da contaminação, explicou Spinelli, mostra que nos estados em que o sistema de Saúde está em colapso, ou perto disso, como Amazonas, Ceará e São Paulo, apresentam mudança no perfil da pandemia. Antes a maior parte dos contaminados eram pessoas que viajaram. Hoje a contaminação é comunitária e chegou às periferias como está comprovado em São Paulo e aconteceu em Nova York. E está tem sido característica também no RN com a contaminação indo ao interior.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Clebson disse:

    Me impressiona o grau de "deseducação" de alguns "brasileiros-patriotas". Parece até que a Covid-19 surgiu na semana passada e aqui no Brasil. Se fosse algo tão novo assim, comentários como os vistos aqui em em dezenas de outros locais, não me espantariam. Mas vimos o que ocorreu e está acontecendo na China, Itália, Espanha, Irã, Reino Unido, Estados Unidos (pásmen!). Temos FATOS e EXEMPLOS! Do que deu errado e do que deu minimamente certo para conter a pandemia. Mas a seita que segue o atual "presidente?" é de um grau de ignorância (nos sentidos de falta de conhecimento e brutalidade, afinal, tem um mito por exemplo) que me surpreende.

  2. Pedro disse:

    Kkkkkkkk…….esse desgoverno e irresponsável e míope (sem desmerecer os últimos) muita farra, mentira, desmantelo, e desorganização. O secretário um abestalhado incompetente, uma governadora inábil e fraca.

  3. Luan disse:

    Toda semana é a semana estratégica, desde março que eles repetem a mesma conversa, estão mais perdidos que cego em tiroteio

Aplicativo Tô de Olho ajuda a conter o coronavírus no RN

A tecnologia está ajudando a fortalecer as ações de contenção da pandemia da Covid-19 no Rio Grande do Norte. É o caso do aplicativo “Tô de Olho”, desenvolvido para a Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) através de uma parceria com o Ministério Público do RN (MPRN) e o Instituto Metrópole Digital (IMD), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). A nova ferramenta está disponível para todos os potiguares e será bastante útil para reduzir o contágio em massa pelo novo coronavírus.

A parceria tem objetivo de criar uma rede de proteção contra a pandemia que atingiu o Pais há dois meses e já matou cerca de 800 pessoas. Através do aplicativo ou do cadastramento no site todeolho.mprn.mp.br, os potiguares poderão informar a presença de aglomerações, que serão comunicadas às administrações públicas municipais e ao Centro Integrado de Operações de Segurança Pública (Ciosp), da Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed), com garantia da identidade preservada.

Outra funcionalidade é o rastreamento dos contatos, que permite fazer um histórico da localização das pessoas. Através dessa funcionalidade, quem tiver algum contato com uma pessoa infectada no período de contágio será notificado para que possa reforçar o isolamento. O aplicativo permite acesso a um mapa com as regiões de maior risco de infecção, informa ocorrência de sintomas, aponta o índice de isolamento das pessoas e registra denúncias sobre eventual aglomeração em qualquer cidade.

O uso do “Tô de Olho” é totalmente gratuito. Basta instalar o aplicativo, disponível no Google Play, ou se cadastrar no site (https://todeolho.mprn.mp.br). Os dados fornecidos serão utilizados apenas durante a pandemia e para fins específicos do controle da cadeia de contágio, sendo totalmente destruídos ao fim da crise epidêmica.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antonia souza disse:

    Estou me cadastrando para ajudar

  2. Carlos disse:

    Bisbilhotar indiscriminadamente a vida de terceiros e prejudicar por prazer já faz parte do cotidiano do MPRN.

  3. Meu nome é Rosineide Félix Barbosa disse:

    To de olho

  4. Antonio Turci disse:

    Isto de matar de inveja o criminoso Stalin e sua KGB. Mais uma vez uma instituição pública federal (UFRN) mostra suas unhas. George Orwell 1984 fazendo cumprir a proficia da chegada do 'Grande Irmão". Acompanhar os passos das pessoas…….

O vilarejo italiano que conseguiu conter expansão do coronavírus com experimento inédito

Povoado de Vo’ Euganeo foi palco de experimento singular durante a pandemia — Foto: Getty Images via BBC

Vo’ Euganeo era, até pouco mais de um mês, somente um bonito povoado de quase 3,3 mil habitantes na região de Vêneto, incrustado em colinas vulcânicas no norte da Itália.

Difícil imaginar que o idílico cenário se tornaria palco de um “experimento científico único” sobre a pandemia do novo coronavírus, que desde dezembro infectou mais de 380 mil pessoas e matou 16 mil pelo mundo.

O estudo, que permitiu apontar para o papel dos pacientes sem sintomas na disseminação da doença, começou no início de fevereiro, por causa de dois vizinhos internados com pneumonia em um hospital da região.

Seguindo os protocolos do país, os médicos haviam descartado, pela falta de sintomas, a possibilidade de realizar um exame para detectar se Adriano e Renato haviam contraído coronavírus. Mas um dos médicos decidiu burlar as regras e descobriu que o diagnóstico era positivo.

Só que um mistério ainda pairava no ar: como eles contraíram o vírus respiratório se não haviam viajado à China nem tido contato com alguém com sintomas, como febre e tosse?

A única coisa que se sabia era que, pouco antes de desenvolverem sintomas, os dois vizinhos haviam passado horas jogando cartas em um bar do povoado.

A primeira das 6 mil mortes na Itália

De repente, o quadro clínico de Adriano piorou, em 19 de fevereiro, e, dois dias, depois ele morreu. Foi a primeira morte registrada na Itália em decorrência da doença.

Na mesma noite, o prefeito de Vo’, Giuliano Martini, decretou quarentena. Foram fechados escolas, bares, lojas e até pontos de ônibus. Não haveria mais missas nem festas carnavalescas. Todos os moradores foram obrigados a ficar em casa.

Em 23 de fevereiro, o governo italiano e as autoridades regionais impuseram um isolamento da cidade.

Povoado no norte italiano foi submetido a um isolamento de duas semanas — Foto: Getty Images via BBC

“Era como estar em guerra”, lembra Martini em uma conversa por telefone com a BBC Mundo. “Estar preso e cercado por suas próprias Forças Armadas é muito pior do que estar em uma prisão.”

Mas o mistério de como o vírus chegou a essa comunidade ainda não havia sido resolvido.

Testes em massa

Em busca dessa resposta, especialistas e profissionais de saúde instalaram, em 23 de fevereiro, um centro de análise na escola da cidade para testar todos os moradores que assim o desejassem.

Nos seis dias seguintes, praticamente todos os habitantes foram submetidos voluntariamente ao teste por meio de um kit preparado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Pádua, liderada pelo professor Stefano Merigliano.

“Isso não teria acontecido sem o espírito de colaboração de todos os vizinhos”, afirma o prefeito local.

Os investigadores detectaram o vírus em 89 pessoas, cujas autoridades ordenaram isolamento imediato em suas casas por 14 dias. Outra coisa chamou sua atenção: entre 50 e 60% deles apresentaram poucos sintomas ou mesmo nenhum.

“Isso é algo que não havia acontecido em nenhuma das epidemias do século passado”, explica o professor Merigliano à BBC Mundo (serviço em espanhol da BBC).

“Ter essa porcentagem de infectados assintomáticos é perigosíssimo”, acrescenta a professora Andrea Crisanti, professor de epidemiologia e virologia do Hospital da Universidade de Pádua e do Imperial College de Londres, “porque essas pessoas seguem suas vidas habituais e infectam um número muito alto de pessoas”.

Foi nessa época que Merigliano e Crisanti propuseram ao governador de Vêneto, Luca Zaia, uma ideia: transformar o Vo’ Euganeo em “um laboratório experimental único no mundo”.

“Tivemos condições únicas para entender como esse vírus se comporta”, ilustra Merigliano. “Havia uma amostra consistente de pessoas isoladas. Conhecíamos seu estado de saúde e podíamos controlar seus movimentos e com quem eles se relacionavam. Foi perfeito.”

Com a aprovação das autoridades regionais, a partir de 6 de março uma equipe da Universidade de Pádua passou a monitorar todos os habitantes de Vo’ Euganeo. À época, a Itália registrava 4.636 infectados e 197 mortes.

“Antes, havia apenas estimativas”, diz Crisanti, “sendo que conseguimos demonstrar cientificamente duas questões fundamentais: que o período de incubação do vírus é de duas semanas e que qualquer estratégia para conter essa pandemia deve levar em consideração o alto número de infectados que não apresentam sintomas”.

Após duas semanas de quarentena, foram identificados 542 casos positivos em Vo’ Euganeo.

A identificação de pacientes sem sintomas é fundamental para mapear e evitar a disseminação da doença. Segundo um estudo coordenado pela Universidade Columbia, nos EUA, infectados assintomáticos são responsáveis por quase dois terços de todas as infecções por coronavírus, o que se mostra um desafio enorme para conter o avanço da pandemia.

Perfil dos mortos na Itália

Na Itália, também por ter a segunda maior porcentagem de idosos na população (atrás do Japão), a taxa de mortalidade da doença causada pelo vírus gira em torno de 7,7%. Na China, onde a pandemia começou, ela girava em torno de 2,3%.

Mas essas taxas variam conforme a faixa etária. Segundo dados do Instituto Superior de Saúde (ISS), órgão subordinado ao Ministério da Saúde da Itália e que monitora a emergência nacionalmente, a média de idade dos italianos infectados pelo coronavírus é de 63 anos, sendo que 60% deles são do sexo masculino.

Os números do ISS sobre as mortes relacionadas à covid-19 mostram que a imensa maioria das vítimas convivia com pelo menos uma ou mais doenças, com maior porcentagem (37%) para as cardiovasculares.

Mas em entrevista ao programa de rádio RaiNews24, da emissora pública da Itália, Luca Lorini, responsável pelo setor de anestesia e cuidados intensivos de um hospital em Bergamo, no norte da Itália, disse que o “tipo de paciente está mudando”.

“Eles são um pouco mais jovens, entre 40 e 45 anos, e seus casos são mais complicados”, acrescentou.

Retorno à normalidade

Em 8 de março, duas semanas depois da morte de Adriano, o isolamento do povoado chegou ao fim. A vida voltou a circular normalmente, e, a partir de 14 de março, já não havia registros diários de casos novos de infecção. Mas isso só durou seis dias.

“Era de se esperar”, afirma Crisanti.

“Com que critérios se decide acabar com uma quarentena? Se isso é feito apenas baseando-se na diminuição do número de doentes, está deixando de fora todos os assintomáticos, e isso quer dizer que a doença pode voltar.”

O pesquisador admite que o experimento no povoado não é replicável em cidades maiores. Mas garante que é possível sim controlar a disseminação do vírus no âmbito de bairros, identificando rapidamente onde surgem os casos suspeitos e isolando os possíveis infectados.

Algo que a Coreia do Sul conseguiu fazer com sucesso, até agora.

Segundo especialistas, experimento somente poderia ter sido realizado em uma cidade, mas autoridades conseguem monitorar e evitar novos casos como na Coreia do Sul — Foto: Getty Images via BBC

Enquanto isso, a região de Vêneto acaba de lançar uma campanha paralela, também liderada pelo professor Crisanti, a fim de estudar diversas pessoas de outros grupos de risco, como profissionais de saúde, forças policiais, funcionários de mercados e motoristas de ônibus.

O objetivo, segundo autoridades da região, é realizar 13 mil exames diariamente até o fim desta semana.

Desde que Adriano morreu no hospital em Pádua, outras 6.076 pessoas perderam a vida na Itália em razão da pandemia. Na semana passada, um mês depois que ele morreu, sua família finalmente pôde realizar seu funeral.

Bem Estar – Globo

 

Exército reforçará operação para conter óleo no Nordeste

Óleo na praia de Pituba, Salvador Foto: Tiago Caldas/Fotoarena / Agência O Globo

O presidente em exercício Hamilton Mourão afirmou nesta segunda-feira que o Exército passará a reforçar as operações contra o derramamento de óleo no Nordeste. De acordo com Mourão, serão enviados homens da 10ª Brigada de Infantaria Motorizada, sediada em Recife.

— O Exército está colocando a 10ª Brigada, que é a brigada sediada em Recife, que tem mais ou menos em torno de quatro mil, cinco mil homens. Está sendo colocada em reforço. Fora equipamentos que estão sendo distribuídos às Defesas Civis dos estados e municípios — disse, após sair de uma reunião no Ministério da Defesa para discutir o tema.

De acordo com o Ministério da Defesa, já foram utilizados até agora 1.583 militares, quinze navios e uma aeronave da Marinha.

Mourão ressaltou a decisão da Justiça Federal de Sergipe que reconheceu que a União acionou o plano para conter o derramamento, mas reconheceu que houve uma falha do governo em divulgar as ações que vem tomando.

— A juíza já analisou, já mostrou que o governo desde o dia 2 de setembro acionou os protocolos correspondentes. Apenas, mais um vez, nos faltou comunicar mais isso daí.

Secretários municipais e diretores de agências ambientais estaduais têm reclamado da atuação do governo federal contra o derramamento. As principais queixas envolvem problemas de comunicação entre os estados e a União, além da contribuição de órgãos federais no dia a dia das operações.

De acordo com Mourão, trata-se de um acidente “inédito” em todo o mundo:

— Não temos. Está diminuindo. Esse óleo que chegou agora em Pernambuco, vamos dizer, é uma segunda vaga de assalto. Já houve a primeira vaga de assalto, agora chegou a segunda. Pode ter ficado para trás na hora que foi lançado no mar. Esse acidente é inédito no mundo, esse tipo de acidente.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. pereira disse:

    Em vez de colocar o exercito, por que não botar pra trabalhar aquela turma que passa o dia engravatado no corredores ou em casa sem fazerem nada, só sugando o dinheiro do povo brasileiro e puxando o saco, ou aqueles pseudos assessores que ganham muitos e nada produzem. CHEGA DE SANGUESSUGA.

Fachin tomou duas medidas que podem ajudar a conter os danos causados pela Segunda Turma do STF

FOTO: NELSON JR./ STF

Edson Fachin tomou duas medidas que podem ajudar a conter os danos causados pela Segunda Turma do STF.

Em primeiro lugar, ele permitiu a reabertura do processo do Instituto Lula, impedindo que a norma inventada por seus colegas seja usada para anular a terceira condenação do ex-presidente petista.

Em segundo lugar, ele transferiu a decisão final sobre o assunto para o plenário do STF, onde o estrago provocado por Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Cármen Lúcia pode ser mitigado.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. paulo disse:

    BG
    O Sr. Alcalumbre é o responsável por não ter autorizado ainda a instalação da CPI da lava toga, alguns destes ministros tem praticado muito coisa que precisa ser investigada e punidos os culpados. Ministros que tentam DESMORALIZAR a lava-jato como o sr. Gilmar Mendes tem que ser IMPICHIMADO IMEDIATAMENTE. Este individuo fez acintosamente declarações impublicáveis sobre a atuação do Ministério Público com o único intento de salvar seus bandidos de estimação das investigações e condenações.

  2. Lourdes Siqueira disse:

    Os Batman do STF estão desesperados vendo a hora o molusco fazer uma delação e os "acovardados" como ele se referiu aos togados, incluindo a Rosinha que "tem aquilo roxo" como o presidiário falou,irão escapar pelo menos do escárnio público, já que eles são intocáveis deuses do Olimpo.