Política

Bolsonaro nomeia Ciro Nogueira na Casa Civil e Onyx no Ministério do Trabalho

O presidente Jair Bolsonaro oficializou nesta quarta-feira a reforma ministerial realizada para receber o senador Ciro Nogueira (PP-PI) no Palácio do Planalto. Nogueira foi nomeado ministro da Casa Civil, o que levou a uma rearranjo no governo: o ex-titular da Casa Civil, Luiz Eduardo Ramos, foi deslocado para a Secretaria-Geral da Presidência, que era ocupada por Onyx Lorenzoni. Onyx, por sua vez, foi nomeado para o recriado Ministério do Trabalho e Previdência.

As trocas já estavam definidas desde a semana passada, mas Bolsonaro aguardou uma conversa presencial com Nogueira, que ocorreu na terça-feira. As três nomeações foram publicadas nesta quarta no Diário Oficial da União (DOU), assim como a medida provisória (MP) que recriou o Ministério do Trabalho, que havia sido extinto por Bolsonaro.

Com a nomeação de Ciro Nogueira, Bolsonaro alçou um dos principais líderes do Centrão ao espaço mais nobre já ocupado por esse bloco partidário nesta e em outras gestões no Planalto. Nas palavras do próprio presidente, ele entregou a “alma do governo” ao senador.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. É tome rebanho de gado mais um ministério e era o presidente que ia te menos ministro enganou os bestas todos e nessa criação aí desse ministério mais de 200 Vargas de emprego aí eu pergunto esse é o Brasil que queremos que continue onde quem manda é o centrão o presidente minto só de enfeite

  2. Fraudar eleições é verdadeiramente isso. Se elege com um discurso anti corrupção, é eleito e abre as portas do governo pra os corruptos fazerem o que sabem, saquear o dinheiro do povo, como fizeram no governo petralha. Presidente PATIFE!

  3. Vcs sabem que não é bem assim, estamos nesta situação de presidente ter que ajoelhar para o centrão por causa da maldita esquerda que aparelhou para nunca sair do governo, vejam quem são os elementos do STF, fica dificil se ter um pais de vergonha, é o tal negócio se correr o bicho pega se fica o bicho come. Esse Brasil só Deus na causa.

    1. A esquerda “aparelhou” e o governo Bolsonaro está “aparelhando” ainda mais as instituições brasileiras. E isso só é bom para quem faz parte dessas quadrilhas, não para o cidadão brasileiro.
      Fato.

    2. Dokinha direita, entao a culpa das [email protected] do Mito é culpa do Lula, da Globo e da esquerda… Entao eles que manda no capitão? Ou será que você tomou cloroquina aduterada, confira seu fornecedor!

  4. Perfeito meu presidente.
    É assim que se governa.
    Percebam que os adversários andam aprontando nas suas costas e tem um objetivos, só resta ao Sr, se municiar pra levar a missão até o fim.
    Tamos juntos, tamos reeleitos, vamos mandar até 2026, aí sim a nossa missão estará cumprida.
    Mito!!!
    No primeiro turno.
    Essas pesquisas fajutas dizia em 2018 que o Sr não ganhava de ninguém, no final foi empossado.

    1. Lula e Minto é tudo farinha do mesmo saco… jumentos e gado também… idolatram estes ladrões safados e mentirosos que os enganam… se soubessem o ridículo que fazem em defender estes canalhas…

    1. Estou mais ansioso pelo contorcionismo retórico do Direita Rachadinha pra tentar justificar o injustificável…

    2. Caligula, Direita Honesta, Neco, Acorda Brasil… são todos a mesma figura, afinal escrevem as mesmas bobagens com a mesma ira, as mesmas frases, a mesma “narrativa”(os bozominions adoram essa palavra) e os mesmos erros de português. É um tremendo de um água de salsicha

    3. Vou pegar um gancho e te perguntar?
      E os coxinhas?
      E os golpistas?
      Kkkkkkkk
      Vão juntar os panos de bundas.
      Só que dessa vez, não vão conseguir roubar.
      Estão derrotados.
      Vcs vão vê babacas.

  5. Eh a nova política talkei! Essa nova política consiste em colocar os MESMOS CORRUPTOS DE SEMPRE do centrão (aqueles mesmos que roubavam inclusive no governo do PT) no governo do MINTOmaníaco das rachadinhas… No final o presidente inepto vai usar a mesma desculpa que Lulaladrao usou: eu não sabia de nada! E a gadolândia vai acreditar claro… Kkkk. Seria cômico se não fosse trágico ver todo nosso dinheiro de impostos indo, novamente, pros bolsos desses corruptos… E dessa vez sem a Lava Jato pra importuna-los né! Afinal, o MINTOmaníaco das rachadinhas acabou com a lava jato talkei! Quero ver o gado mugindo alto….

  6. “Se gritar pega ladrão… não fica um meu irmão…” e aí Minto?! e o gado aplaude… igualzinho os jumentos faziam com o Luladrão… ô povo burro…

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

General Braga Netto assumirá Casa Civil, e Onyx, Ministério da Cidadania, diz Bolsonaro

Foto: Reprodução/GloboNews

O presidente Jair Bolsonaro informou nesta quinta-feira (13) em uma rede social que o general Walter Souza Braga Netto assumirá a Casa Civil. Informou também que o atual responsável pela pasta, Onyx Lorenzoni, passará a chefiar o Ministério da Cidadania.

Segundo o presidente, o atual ministro da Cidadania, Osmar Terra, deputado licenciado, retomará o mandato na Câmara.

Com o anúncio desta quinta, já são três mudanças no primeiro escalão do governo desde a semana passada. No último dia 6, o presidente nomeou o ex-deputado Rogério Marinho como novo ministro do Desenvolvimento Regional, no lugar de Gustavo Canuto.

A Casa Civil responde pela coordenação do andamento das ações entre os ministérios, em uma espécie de centro de governo. A pasta também possui uma secretaria que trata dos passos para entrada do Brasil na OCDE.

O Ministério da Cidadania é responsável pela área social do governo. A pasta gere os programas Bolsa Família, Criança Feliz e Progredir, por exemplo. Além disso, é responsável pela Secretaria Especial de Esporte, que substituiu o extinto Ministério do Esporte.

Novo ministro da Cidadania

Deputado federal licenciado do mandato, Onyx participou da campanha eleitoral de 2018 ao lado de Bolsonaro e, após o resultado, coordenou a equipe de transição.

Na Casa Civil, contudo, deixou de ser o responsável pela articulação política e também deixou de comandar o programa de concessões do governo federal.

Saída de Osmar Terra

Também deputado federal licenciado, Osmar Terra deverá retomar o mandato na Câmara.

Terra comandou o Ministério do Desenvolvimento Social no governo de Michel Temer e, por sugestão de Onyx, foi convidado por Bolsonaro a assumir o Ministério da Cidadania a partir de 2019.

A pasta até então comandada por Osmar Terra unificou os ministérios do Desenvolvimento Social, do Esporte e da Cultura.

O desgaste de Terra na pasta teve início no ano passado, quando Bolsonaro decidiu transferir a Secretaria Especial da Cultura para o Ministério do Turismo em meio à uma crise na pasta (relembre a polêmica).

Bastidores das negociações

Bolsonaro convidou Braga Netto para a Casa Civil ainda em janeiro.

Responsável pela intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, em 2018, o general ainda está na ativa e atualmente chefia o Estado Maior do Exército.

Antes disso, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, também chegou a ser sondado para o cargo, mas não aceitou.

Também foi discutida a possibilidade de o governo unificar a Casa Civil e a Secretaria de Governo da Presidência, deixando o ministro Luiz Eduardo Ramos à frente da nova pasta.

Criação da Casa Civil

A Casa Civil passou a ter este nome em 1992, no governo Itamar Franco. Até então, a pasta era chamada de Gabinete Civil.

O último militar a chefiar a pasta foi Golbery do Couto e Silva, no governo de João Baptista Figueiredo (1979-1985). Golbery também comandou a pasta no governo de Ernesto Geisel (1974-1979).

Desde a redemocratização, somente o ex-presidente Fernando Collor não utilizou os nomes Gabinete Civil ou Casa Civil para a estrutura da Presidência que trata das ações gerenciais do dia a dia do governo. O então presidente optou por Secretaria-Geral e Secretaria de Governo.

Quem é Braga Netto

General de quatro estrelas, Walter Souza Braga Netto chegou ao posto máximo da carreira dentro do Exército. Nascido em Belo Horizonte (MG), o militar tem 63 anos de idade. Atualmente chefia o Estado-Maior do Exército, um dos principais cargos dentro da força.

Além da chefia da intervenção federal no Rio, decretada no governo de Michel Temer, Braga Netto foi comandante Militar do Leste, responsável pelas atividades do Exército nos estados do Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

O militar ainda foi um dos responsáveis pela coordenação da segurança durante a Olimpíada do Rio, em 2016. Ele também trabalhou no serviço de inteligência do Exército e foi observador militar durante a missão de paz das Nações Unidas no Timor Leste, no sudeste asiático

G1

 

Opinião dos leitores

  1. Lorenzoni foi rebaixado novamente? Coitado, daqui a pouco será o bobo da corte, para animar o circo kkkk

  2. Pode colocar super homem e mulher Maravilha nesse governo de faladores de bosta que nada resolvem….!!!! Passado mais de um ano se mudou algo foi pra pior!!!

  3. Os Civis já devem ter percebido que não valem nada pra esse desgoverno. Os Milicos estão só dobrando os salários e privilégios que já não são poucos.
    A Democracia vai ficando cada vez menor, governada por quem entende bem de ordem unida e submissão. e
    Perde espaço os civis que ainda restam com alguma dignidade…

  4. Governo de troca-troca…
    Ninguém quer!
    Tem medo da boca de Onyx.
    Troca Onyx por Prisma, então!

    1. A esquerdalha está histérica!! critica tudo! tudo é motivo de crítica! KKKKK

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro convida general Braga Netto para substituir Onyx, que irá para o Ministério da Cidadania, repercutem agências de notícias

Foto: reprodução / Agência O Globo

O presidente Jair Bolsonaro convidou o general Walter Braga Netto, atual Chefe do Estado-Maior do Exército e que comandou a intervenção no Rio de Janeiro em 2018, para o cargo de ministro da Casa Civil. Ele substituirá Onyx Lorenzoni, que deverá ser deslocado para o Ministério da Cidadania, hoje comandado por Osmar Terra. Desta forma, todos os ministros que trabalham dentro do Palácio do Planalto serão de origem militar.

Um importante auxiliar de Bolsonaro definiu o novo escolhido para a Casa Civil como “um homem muito preparado”. Disse ainda que ele vai fazer no governo o que faz no Exército. A troca no governo é a segunda feita em menos de uma semana. Procurado pelo Estado, Braga Netto disse apenas: “Estou com o comandante”. Em seguida, desligou o telefone.

Na quinta-feira passada, Bolsonaro demitiu Gustavo Canuto do Ministério do Desenvolvimento Regional e nomeou Rogério Marinho em seu lugar.

Após o esvaziamento da Casa Civil, o principal impasse para Bolsonaro efetivar a troca no comando da pasta era escolher o nome que substituiria Onyx na função. A ideia, de acordo com duas fontes do governo, era colocar alguém com perfil técnico ou da área militar para evitar que o Palácio do Planalto seja usado para pretensões eleitorais, ideia que aborrece Bolsonaro. Como saída honrosa, Bolsonaro deve transferir Onyx ao Ministério da Cidadania no lugar de Terra.

A possível troca ocorre após o Estado revelar que a pasta da Cidadania contratou uma empresa suspeita de ter sido usada como laranja para desviar R$ 50 milhões dos cofres públicos. O atual titular do ministério precisou se explicar ao presidente sobre a contratação da Business to Technology (B2T), que é alvo da Operação Gaveteiro, da Polícia Federal. O Estado revelou que mesmo alertado sobre suspeitas de fraudes por órgãos de controle e pelas concorrentes no certame, a pasta de Osmar Terra assinou um contrato de R$ 7 milhões com a empresa.

Procurado desde a terça-feira da semana passada, Terra só se manifestou sobre o caso nesta quarta-feira, após ser cobrado por Bolsonaro. Em nota, o ministro afirmou que procurou a PF para investigar a contratação da empresa pelo seu ministério. “Todos os funcionários da linha de decisão e que estão envolvidos na contratação da empresa foram afastados num processo de aperfeiçoamento dos controles”, afirmou na nota. “O Ministério da Cidadania está fazendo um pente-fino em todos os contratos da área.”

Terra participou nesta quarta-feira de almoço ao lado de Bolsonaro no Palácio do Planalto. O presidente recebeu atletas e artistas que estão em Brasília para participar do Fórum Permanente de Mobilização Contra as Drogas.

O encontro com o presidente foi combinado ontem, de improviso, enquanto Bolsonaro deixava o Palácio da Alvorada. Na ocasião, ele falou por videochamada com o humorista Paulo Cesar Rocha, que ficou célebre pelo personagem Paulo Cintura na primeira versão da Escolinha do Professor Raimundo. Antes do almoço, Terra participou de uma agenda com a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, na Embaixada de Israel em Brasília.

Quem é Braga Netto? Conheça o currículo do novo chefe da Casa Civil

O general de Exército Walter Souza Braga Netto, então comandante militar do Leste, foi escolhido pelo então presidente Michel Temer em 2018 como chefe da intervenção federal do Rio, uma medida inédita, que lhe concedeu poderes de governador do Estado na área da Segurança Pública.

Braga Netto nasceu em Belo Horizonte e cumpre o “perfil mineiro”. Prefere o trabalho ao verbo. Ao assumir o comando da intervenção, determinou a seus subordinados e pediu aos familiares discrição nas redes sociais.

Braga Netto entrou no Exército em 1974. Em 1994, ainda como major de Cavalaria, apresentou na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (Eceme) uma monografia com propostas sobre como aproveitar melhor o pessoal na carreira militar, com foco nos oficiais. Em uma espécie de prognóstico, dizia que “a sociedade, dentro do enfoque da qualidade total, cada vez mais cobrará da instituição a eficácia na consecução de sua destinação fim” e propunha a especialização, por causa das mudanças tecnológicas. “O militar, em particular, deve ser orientado para a função em que apresente um melhor rendimento em prol da instituição. O Exército do ano 2000 necessitará, mais do que nunca, de uma otimização de seus valores humanos”, escreveu.

Estadão

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro diz que vai tornar sem efeito a admissão de ex-número 2 da Casa Civil em novo cargo

Foto: Divulgação/ Presidência da República/Alan Santos

O presidente Jair Bolsonaro escreveu em uma rede social nesta quinta-feira (30) que vai tornar sem efeito a admissão do ex-número 2 da Casa Civil, Vicente Santini, no novo cargo. Esta é a segunda vez na semana que Bolsonaro anuncia a saída de Santini de algum posto no governo.

Santini foi primeiramente exonerado por Bolsonaro do cargo de secretário-executivo da Casa Civil, na quarta-feira (29). O presidente não gostou de ele ter usado um voo da Força Aérea Brasileira para viajar à Índia. Logo depois, Santini foi nomeado novamente para outro cargo na Casa Civil. Ele seria assessor especial da Secretaria Especial de Relacionamento Externo da Casa Civil. Agora o presidente está dispensando o servidor também da nova função.

No cargo de número 2 da Casa Civil, de natureza especial, Santini recebia um salário bruto de R$ 17.327,65 mensais. No novo cargo, de categoria DAS 102.6, a remuneração prevista seria de R$ 16.944,90 (R$ 382,75 a menos).

Após a primeira exoneração e nomeação no novo cargo, a Casa Civil disse em nota que:

“O presidente [Bolsonaro] e Vicente Santini conversaram, e o presidente entendeu que o Santini deve seguir colaborando com o governo.”

De acordo com o blog do Valdo Cruz, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filhos do presidente, haviam feito um apelo para ele manter Santini no governo. Os dois são amigos de Santini e, após a primeira exoneração, haviam pedido para Bolsonaro aceitá-lo em um novo cargo. Foi lembrado que Santini, durante a campanha, chegou a conseguir segurança extra para a mulher de Bolsonaro, Michelle – intermediada por um irmão de Santini em São Paulo.

Bolsonaro informou ainda que decidiu exonerar o ministro interino da Casa Civil, Fernando Moura, que assinou a nomeação de Santini para o novo cargo.

Todas essas modificações na Casa Civil ocorrem em um momento em que o ministro titular, Onyx Lorenozini, está de férias. Lorenzoni havia escolhido Moura (então secretário-adjunto) para substituir Santini na Secretaria Executiva da pasta.

Na saída da residência oficial do Palácio da Alvorada, na manhã desta quinta, Bolsonaro não quis responder as perguntas dos jornalistas sobre as demissões na Casa Civil. Ele disse que todas as informações estavam na postagem dele nas redes sociais.

PPI sai da Casa Civil

O presidente também anunciou em sua postagem na rede social que o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) vai sair da alçada da Casa Civil e passará a ficar sob responsabilidade do Ministério da Economia.

O PPI foi criado em 2017, pelo governo do então presidente Michel Temer. O objetivo do programa é criar parcerias entre o governo e a iniciativa privada em projetos, principalmente, de infraestrutura. Fazem parte das atribuições, por exemplo, as privatizações e concessões consideradas estratégicas pelo governo, como as de rodovias, ferrovias e aeroportos.

No início do governo Bolsonaro, o PPI ficou sob o comando do ex-ministro da Secretaria de Governo, Carlos Alberto dos Santos Cruz. Quando Santos Cruz foi exonerado, o programa passou para a Casa Civil, comandada pelo ministro Onyx Lorenzoni.

Onyx Lorenzoni

A decisão de retirar o PPI da Casa Civil exclui uma das mais importantes atribuições da pasta.

Um dos principais nomes da campanha de Bolsonaro, Onyx comandou a transição de governo e assumiu a Casa Civil, porém perdeu força desde o início da gestão, em janeiro de 2019.

Onyx era o articulador político do Planalto. A missão, no entanto, foi repassada ao ministro Luiz Eduardo Ramos, chefe da Secretaria de Governo, que é general do Exército e amigo de Bolsonaro.

Também saiu da Casa Civil a Subchefia para Assuntos Jurídicos (SAJ), que analisa a viabilidade jurídica dos atos assinados pelo presidente. A SAJ em governos passados ficava na Casa Civil, mas foi transferida para a Secretaria-Geral, comandado pelo ministro Jorge Oliveira.

G1

 

(mais…)

Opinião dos leitores

  1. Bolsonaro demitiu o assessor de imprensa que divulgou que esse amiguinho do filho dele tinha sido nomeado para outro cargo.
    Essa é a tal Nova Política que ia acabar com as MAMATAS?

  2. Aí está a importância de uma imprensa livre . Se esse fato não chegasse á opinião pública, nada teria acontecido. Isso vale para qualquer governante de plantão.

    1. Exatamente. Suas palavras está corretas!! O recuo se faz pela pressão também.

    2. Vou discordar de você metido a anti político de estimação.
      Quantos escândalos foram levados a conhecimento público nos últimos 16 anos e os acusados forma punidos? Aponte qual foi afastado das funções ao ser acusado?
      Pelo contrário, todos acusados por corrupto, mesmo diante das provas apresentadas, foram colocados na pratilheira de vítimas, inocentes e até criaram a falsa figura de perseguido político.
      Só o governo federal vem adotando essa postura, os demais, continuam aplaudindo os acusados.

    3. Você esteve no Brasil nos últimos 14, 15 anos ?. Os chefões do PT não foram condenados e presos não ? Lula não foi condenado e esteve preso até pouco tempo não ? A imprensa livre não teve participação nenhuma em tudo isso não ???????

    4. Realista, você fala do atual governo que abriga laranjas, milicianos, grileiros, neofascistas, corruptos e fica alisando a cabeça? A lavajato,mesmo sendo algo controverso, colocou muitos na cadeia e a mídia ficou em cima. O que me diz da atual proteção estatal? Não precisas falar do petê, só fale a partir de 2019.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Bolsonaro demite secretário da Casa Civil por viagem em voo da FAB: “É inadmissível o que aconteceu. Ponto final”

FOTO: GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDO

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (28) que o secretário-executivo da Casa Civil, José Vicente Santini, está destituído por ter usado um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para viajar à Índia.

Santini, que estava como ministro interino devido a período de férias do titular da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, participou da programação da viagem oficial de Bolsonaro à Índia, onde apresentou a carteira de investimentos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) a investidores.

De acordo com a Casa Civil, a utilização de aeronave da FAB “seguiu os critérios definidos na legislação vigente”, mas Bolsonaro considerou a medida um ato inadmissível.

“Questão do avião da Força Aérea. Inadmissível o que aconteceu. Já está destituído da função de executivo do Onyx, decidido por mim. Vou conversar com o Onyx, ver quais outras medidas podem ser tomadas contra ele”, disse Bolsonaro em entrevista no Palácio da Alvorada após desembarcar da viagem à Índia.

“É inadmissível o que aconteceu. Ponto final. O cargo de secretário-executivo está perdido, outras coisas virão depois que eu conversar com Onyx”, acrescentou.

Antes de viajar à Índia, Santini também esteve em Davos, na Suíça, para o Fórum Econômico Mundial, onde também se encontrou com investidores externos para apresentar possibilidades de negócios no Brasil, de acordo com a Casa Civil.

Reuters

Opinião dos leitores

  1. A onde cabe investigações, se investiga até apurar os fatos.
    A onde não tem o que investigar, o caminho é esse.
    Parabéns meu presidente.
    Eu já sabia!!
    Não tem BOQUINHA, boquinha e coisa da esquerdalha ladrona. O Brasil mudou, só não vê quem não quer.
    Ou dar uma de João sem braço, joao bobo.

  2. Tinha que acabar era com essas canalhice toda. Ajuda disso, dez mil, ajuda daquilo mais vinte mil, ajuda daquilo outro, mais trinta mil, apartamento, passagens, gasolina…….tinha era que acabar com essa patifaria toda, rapidinho tirava esse país do buraco.

  3. É assim que se faz, esquerdopatas. Como funcionava na época dos governos do PT? E o governo do RN? Dia desses fizeram uma farra pela Europa e Ásia. Até contrabando de queijo manteiga houve. E tudo às custas do estado falido.

    1. Ninguém em sã consciência e movido de boas e altruístas intenções será favorável a quem destrói o futuro de seu país. Só aqueles preocupados apenas com seus próprios interesses e totalmente alheios ao bem comum poderão ser favoráveis à essa turma.

  4. Vou discordar do presidente, deveria seguir o exemplo usado até 2018 quando, mesmo provando a corrupção, tendo condenação, o político é tratado como inocente, coitadinho e vítima.
    Está errando e afastar quem comete erro, não vai agradar a esquerda, tem que perdoar, passar a mão na cabeça e mais, o errado, culpado, incompetente ser idolatrado.
    Bolsonaro não aprendeu a lição não????

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Kassab é oficialmente afastado da Casa Civil do governo Doria, para se defender de acusações de corrupção no caso JBS

Herivelto Batista/Divulgação

O Diário Oficial do Estado de São Paulo traz, nesta sexta-feira (4), a confirmação do afastamento de Gilberto Kassab da Casa Civil do governo de João Doria (PSDB). No decreto, retroativo à quinta (3), o governador aponta que o motivo do afastamento “sem qualquer ônus para o Estado” são “interesses pessoais”.

Kassab está afastado, agora oficialmente, para se defender de acusações de corrupção no caso JBS. Ele não participou da primeira reunião do secretariado na quarta-feira. Em seu lugar estava o secretário-adjunto Antonio Carlos Malufe.

A Procuradoria-Geral da República afirmou que ele teria recebido R$ 58 milhões do grupo J&F entre os anos de 2010 e 2016. Em 19 de dezembro, ele foi alvo de busca e apreensão.

Em entrevista exclusiva ao jornal O Estado de S. Paulo, Kassab disse que não teme ser preso e se defende das acusações.

Estadão

 

Opinião dos leitores

  1. Alguém poderia dizer ao excelentíssimo governador de São Paulo, pra nao dá pasta pra esse senhor, já é conhehido é do time dos outros!? Kkkkkkkkkkkkkkk.

    1. Sendo do 1o time do lula, não escapa um. Pense numa quadrilha montada, tudo a revelia do chefão luladrão. Uns inocentes! Kkkkkkk

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Governo recorre ao Supremo contra suspensão de Lula na Casa Civil

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, apresentou recurso nesta quarta-feira (23) contra decisão do ministro Gilmar Mendes, da semana passada, que suspendeu a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no cargo de ministro-chefe da Casa Civil.

O recurso pede que o próprio Gilmar Mendes conceda efeito suspensivo à sua decisão e que depois o caso seja levado ao plenário do Supremo. A peça não aborda decisão desta terça (22) do ministro Teori Zavascki que determinou o envio ao STF das investigações sobre o ex-presidente, por conta de gravações envolvendo outras autoridades.

Na peça, a Advocacia Geral da União (AGU) argumenta que “em período de notória crise política e turbulência institucional, não se pode manietar a Presidenta da República no seu típico espaço de discricionariedade na direção política”, em referência à escolha da presidente Dilma Rousseff em chamar Lula para integrar o Executivo.

O recurso também nega que o objetivo da nomeação tenha sido livrar o ex-presidente das investigações da Operação Lava Jato. Na decisão, Mendes apontou que o ato buscou tirar o caso do juiz Sérgio Moro, da primeira instância, e levá-lo ao STF, o que poderia configurar “desvio de finalidade” por parte da presidente.
A AGU destaca que Lula não está condenado em qualquer instância, “muito menos
despido de seus direitos políticos” e que “mera existência de investigação ou ação penal em
curso não configura causa a obstar o ingresso” no ministério.

Sobre o argumento de que a decisão poderia aliviar as investigações contra Lula, a AGU diz que trata-se de premissa “inteiramente equivocada”. “Adota pressuposto de que essa Suprema Corte seria leniente, menos capaz ou eficaz do que qualquer juízo inferior no processamento e julgamento das ações penais originárias, como que um loeus para proteção e impunidade”, diz a peça.

Por fim, o recurso argumenta que a decisão de Gilmar Mendes “deixa em aberto o exercício de pasta ministerial absolutamente estratégica, com risco de graves prejuízos às ações governamentais”.

A manutenção da decisão, acrescenta, deixa “acéfalo um Ministério da envergadura da Casa Civil, comprometendo a execução de uma série de políticas públicas e ações governamentais que necessitam da anuênica e/ou assistência daquela Pasta para a sua execução, além de retirar do cargo de Presidente da República a competência, que lhe é própria, de nomear um Ministro de Estado”.

Fonte: G1

Opinião dos leitores

  1. BG
    Pode espernear,chorar se arrepender e tudo mais. Está chegando ao fim o pior governo nunca visto antes na historia desse PAÍS chamado Brasil onde um MAFIA tomou de ASSALTO A NAÇÃO BRASILEIRA.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Para Fátima, Lula vai ajudar governo a retomar desenvolvimento do país

1935225_902152883215408_3090902825327479594_nA senadora Fátima Bezerra comemorou a indicação do ex-presidente Lula para ocupar o cargo de ministro chefe da Casa Civil. Para senadora, a decisão da presidenta Dilma Rousseff de convidar Lula para compor o governo é mais uma prova do esforço que ela está fazendo, no sentido de colocar o país de volta no caminho do desenvolvimento econômico, da estabilidade fiscal e da inclusão social, buscando o diálogo político. “Ela sabe da experiência desse homem, da capacidade extraordinária que ele tem de buscar a coesão, de buscar a unidade, de buscar a união. E é por isso que nós estamos muito confiantes e esperançosos”, ressaltou Fátima.

Da mesma forma, Fátima considera que Lula também teve uma atitude grandiosa ao aceitar o convite. A senadora lembrou que o ex-presidente é um dos melhores presidentes que o país já teve: deixou o governo, ao final de dois mandatos, com 80% de aprovação e foi o primeiro presidente a receber o prêmio Estadista Global, do Fórum Econômico Mundial. Para ela, por ser um grande estadista, Lula, não poderia se omitir em um momento difícil da vida do país.

“E é provavelmente por isso que a oposição está com os nervos à flor da pele, porque a oposição teme que a presença de Lula no Governo ajude a fortalecer o governo e a retomar o desenvolvimento”, destacou a parlamentar.

Aos que dizem que o ex-presidente assumiu um cargo no governo para ganhar foro privilegiado, a senadora fez questão de esclarecer que Lula não terá benefício jurídico algum por se tornar ministro. Ela lembrou que a prerrogativa de foro não é um privilégio, pois só significa que as investigações continuam, mas no âmbito da Suprema Corte do país e, inclusive, se for aberto um processo, enquanto os cidadãos comuns têm direito a, no mínimo, duplo grau de jurisdição, os que têm o chamado foro privilegiado só passam pelo julgamento do Supremo, sem uma instância superior para recorrer. “Aliás, com essas críticas, a oposição está na verdade colocando em suspeição a mais alta Corte deste país. Isso é uma total falta de desrespeito!”, destacou.

A senadora fez questão de ressaltar ainda que, quando os adversários criticam a ida do presidente para o ministério dizendo que a presidenta Dilma iria virar uma rainha da Inglaterra estão movimentos pelo preconceito: “Se fosse um homem que estivesse à frente da Presidência da República, eu duvido que eles fariam essa afirmação com tanta ênfase”, destacou.

Fonte: Agência Senado

Opinião dos leitores

  1. Tô esperando pra ver o que vai dizer depois que o Lula ter mencionado o nome dela. Nunca me enganou, sempre tive desconfiança, sempre tive certeza que ela e Mineiro são manobrados feito rabo de canoa pelo o chefe.

  2. Parece que Lulalau não dispensa um nível mínimo de respeito em relação as mulheres do Partido.
    Estou esperando a resposta de Fátima sobre a frase usada em relação a elas perguntando "onde estavam as mulheres do grelo duro".
    Ela vai aguentar calada?

  3. O maldito governo do PT é ridículo e incapaz de servir ao país de forma séria e honesta.
    O governo do PT também não é capaz de perceber o que a população brasileira realmente almeja.

  4. A RAINHA DE BAGDÁ QUE FALTAVA NA CORTE DE ALILULA LADRÃO E QUE COVARDEMENTE ENTREGOU O PINICO.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

[VÍDEO] Manifestantes protestam no Palácio do Planalto contra nomeação de Lula: “Casa Civil é a…”

Centenas de manifestantes contrários ao governo da presidenta Dilma Rousseff fazem uma manifestação neste momento em frente ao Palácio do Planalto. Eles protestam contra a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil, feita hoje (16) por Dilma.

Manifestantes entoam gritos como “Casa Civil é a…”. Eles também gritam palavras de ordem como “Lula, ladrão, seu lugar é na prisão”. Cartazes também são exibidos pelos manifestantes com dizeres “O Brasil não é do PT” e “O limite chegou. Não aguento mais. Fora Dilma. Fora Lula”. O BG teve acesso a um dos vídeos feitos agora há pouco.

O boneco do Pixuleco se encontra aberto em frente ao Palácio do Planalto. A tropa de choque da Polícia Militar e seguranças do Planalto estão posicionados. De acordo com a Polícia, mais de dois mil manifestantes já se encontram no local. Os protestos foram iniciados por volta das 17h.

18159999

Opinião dos leitores

  1. Só sei de uma coisa. Tem militares assistindo isso. Se essa turma não larga o osso, sem não viu!!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

DEM e PPS querem convocar Jaques Wagner para CPI dos Fundos de Pensão

wagnerQuando os deputados voltarem ao trabalho após o recesso parlamentar, em fevereiro, os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Fundos de Pensão deverão analisar um requerimento de convocação do chefe da Casa Civil da Presidência da República, ministro Jaques Wagner. O requerimento foi apresentado hoje (11) pelo DEM e pelo PPS.

Os dois partidos de oposição querem que o ministro dê explicações sobre a troca de mensagens entre ele e o ex-presidente da construtora OAS Leo Pinheiro, cujos conteúdos vazaram para a imprensa. As mensagens encontradas no celular de Pinheiro, preso na Operação Lava Jato, indicam que Wagner pode ter intermediado negócios entre a OAS e os fundos de pensão de empresas públicas.

“As suspeitas de que Jaques Wagner intermediou negócios entre a OAS e os fundos de pensão são tão graves que não podem passar em branco. O mínimo que o ministro da Casa Civil tem que explicar é como se deu essa intermediação e se houve tráfico de influência, ou não”, afirma o deputado Paulo Azi (DEM-BA).

O vice-líder do PPS, Raul Jungmann (PE), concorda que os fatos noticiados são “graves” e diz que a convocação do ministro “se impõe”. “Daí, a necessidade de convocar o ministro para que ele preste os devidos esclarecimentos sobre esses fatos que são extremamente graves e que o envolvem seu nome. Uma imposição que estamos cumprindo. Espero que [o requerimento] seja aprovado pelo colegiado.”

Opinião dos leitores

  1. Esse menino dos "zoios de gato" pelo visto vai ter uma conversa com a PF e o STF ….bem q poderia levar junto o colega de explanada Edson Antonio (para os íntimos Ediho Silva) Ministro Chefe da Comunicação Social do Brasil….

  2. Com a denúncia do Aécio nós já sabemos como a imprensa se comportou. E agora como a mídia irá tratar a propina da era FHC?

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Wagner diz que governo não tem ‘coelho na cartola’ para melhorar a economia

wagnerApós uma reunião de quase duas horas com o vice Michel Temer, o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, disse que a população não deve esperar uma grande notícia que irá salvar a economia, porque a retomada do crescimento será gradual. Segundo ele, o governo não tem um “coelho na cartola”. Os tempos de pacotes econômicos passaram e agora as medidas serão tomadas dia após dia.

— Nós não estamos mais em tempo de pacotes. Acho que não tem nada bombástico. Na verdade a gente tem a consciência de que as coisas vão ser passo a passo retomando a confiança do empresariado, interna e externamente, recuperando a esperança das pessoas em mais emprego. É uma coisa paulatina.Parece que as pessoas estão esperando qual é a grande notícia, o coelho da cartola. Não tem coelho na cartola — afirmou Wagner ao sair do gabinete de Temer, no anexo do Palácio do Planalto.

A conversa, uma tentativa de reaproximação com o vice, foi solicitada por Wagner e ocorreu no gabinete do peemedebista. Para o ministro, diminuiu a possibilidade de a presidente Dilma Rousseff sofrer um impeachment. O governo, disse, tem o interesse de resolver esse assunto no Congresso o mais rapidamente possível. Ele voltou a afirmar que o governo deverá conseguir votos suficientes para derrubar o processo de impeachment ainda na Câmara, antes mesmo de o Senado ter de julgá-lo.

— Nós não temos nenhum interesse de manter esta pauta ou esta agenda. Se depender da presidenta e do nosso juízo de valor, quanto mais rápido melhor. Eu reconheço que perdeu força, mas o bom é que ele termine definitivamente e só termina com a votação na Câmara, que eu acho que a gente vai derrotá-lo já na Câmara — afirmou.

Jaques Wagner contou que pediu o encontro com Temer para desejar um feliz ano novo e que não tinha uma pauta específica para tratar com ele. O ministro, que participou do jantar que a presidente Dilma Rousseff ofereceu na noite de ontem para o ex-presidente Lula e para o presidente do PT, Rui Falcão, disse que a avaliação feita pelo grupo é que 2015 terminou melhor do que o esperado e que agora é trabalhar “sem ilusão”.

— Ele (Lula) veio com o presidente Rui Falcão, eu e a presidente. Foi uma conversa óbvia, de vamos aproveitar esse momento em que fechamos o ano melhor e portanto continuar cuidando sem nenhuma ilusão — afirmou.

Ao deixar seu gabinete, Temer disse que ele e Wagner fizeram uma avaliação da conjuntura política prevista para este ano e que estabeleceram “a ideia de harmonia absoluta”. O vice afirmou que tem pregado a unidade dentro do partido e que a escolha do novo líder do PMDB na Câmara é um assunto que deve ser resolvido dentro da bancada. Segundo ele, a bancada do partido não pode ser dividida entre os que apoiam o governo e os que se opõem a ele.

— O partido, evidentemente, não vai interferir nessa matéria porque é uma matéria da bancada da Câmara. Mas não se pode dividir a bancada entre governistas e não-governistas. O que deve haver é uma conjugação da própria bancada para que haja unidade dela. Essas questões de quem é a favor disso, a favor daquilo devem ficar fora dessa discussão — afirmou.

Fonte: O Globo

Opinião dos leitores

  1. A afirmação de Wagner não resiste aos fatos. Ainda está muito vivo na memória de todos que Lula gabava-se de possuir sim "coelhos na cartola" quando pegou de FHC um país equilibrado economicamente. Voando em céu debrigadeiro, em 2003, implantou seu desastroso populismo eleitoreiro, sob a alcunha de "políticas sociais". Mas, paralelamente, deflagrou o assalto sistemático às arcas da viúva. Com o governo tomado de selvagens petralhas amestrados, começou a raspagem ("como nunca ântef na iftória dêfit paíf") das finanças da Petrobras, dos Correios, da Eletrobras, do BNDES, e dos fundos de pensão dessas estatais. Com dinheiro roubado à farta, e navegando em mares de absoluta impunidade, pagou sua promessa de eleger "um poste" para a Presidência. Com um STF vergonhosamente ilegítimo, porque também aparelhado, está aí gargalhando dos imbecis e mandando recado por seus utilitários ventríloquos: "Não há coelho na cartola". Nem nunca houve, a não ser incompetência e roubalheira descarada e generalizada.

    1. O Brasil é um país dirigido por uma Anta, sob a tutela de um marginal barbudo!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Para Temer, PMDB não pode se dividir entre governistas e não governistas

Michel TemerO vice-presidente Michel Temer, que também é presidente nacional do PMDB, afirmou nesta quarta-feira (6) que a bancada do partido na Câmara não pode ser dividida entre governistas e não governistas.

Após se reunir com o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, em seu gabinete no Palácio do Planalto, Temer afirmou também que o comando do PMDB não vai interferir na disputa pela liderança do partido na Câmara.

“Nós temos pregado unidade absoluta à bancada, até porque tenho dito a deputados que o partido, evidentemente, não vai interferir nessa matéria porque é uma matéria da bancada da Câmara. Em segundo lugar, não se pode dividir a bancada entre governistas e não governistas, o que deve haver é conjugação da própria bancada para que haja unidade”, disse.

Quando o atual presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), liderava a bancada do partido na Casa, em 2014, parte dos deputados da sigla votava projetos conforme os interesses do Palácio do Planalto e outra parte de maneira contrária. Após Cunha assumir o comando da Câmara, a bancada continuou dividida.
O vice-presidente Michel Temer, que também é presidente nacional do PMDB, afirmou nesta quarta-feira (6) que a bancada do partido na Câmara não pode ser dividida entre governistas e não governistas.

Após se reunir com o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, em seu gabinete no Palácio do Planalto, Temer afirmou também que o comando do PMDB não vai interferir na disputa pela liderança do partido na Câmara.

“Nós temos pregado unidade absoluta à bancada, até porque tenho dito a deputados que o partido, evidentemente, não vai interferir nessa matéria porque é uma matéria da bancada da Câmara. Em segundo lugar, não se pode dividir a bancada entre governistas e não governistas, o que deve haver é conjugação da própria bancada para que haja unidade”, disse.

Quando o atual presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), liderava a bancada do partido na Casa, em 2014, parte dos deputados da sigla votava projetos conforme os interesses do Palácio do Planalto e outra parte de maneira contrária. Após Cunha assumir o comando da Câmara, a bancada continuou dividida.
Fonte: G1

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Dilma acerta com Aloizio Mercadante ida para a Casa Civil

 A transição na Casa Civil começará a ser feita no fim de semana, quando Gleisi Hoffmann, hoje titular da pasta, retorna das férias a Brasília.

A presidente Dilma formalizou no sábado (18) o convite a Aloizio Mercadante. Hoje titular da Educação, ele substituirá a petista à frente do ministério.

Segundo interlocutores da Casa Civil, uma sala já foi colocada à disposição do ministro no Planalto para que ele possa começar a articular a transferência de comando.

Gleisi deixará o governo para se dedicar à campanha ao governo do Paraná. Pela legislação, ministros que vão disputar as eleições de outubro precisam deixar a Esplanada dos Ministérios até o início de abril.

Folha

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Gleisi Hoffmann começa sob desconfiança

O Glogo:

A decisão da presidente Dilma Rousseff de nomear a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e não seu marido, o ministro Paulo Bernardo (Comunicação), para a Casa Civil surpreendeu a base governista. Apesar dos elogios públicos, representantes de partidos aliados criticaram a escolha, afirmando que ela não tem experiência política e que essa decisão não acaba com os problemas na articulação política do governo. Para tentar resolver o problema, Dilma deve substituir o ministro da Secretaria de Relações Institucionais (SRI), o petista fluminense Luiz Sérgio , alvo das maiores críticas e reclamações sobre a falta de coordenação política do governo. Atualmente nas mãos do PT, a vaga pode acabar sendo transferida para o PMDB.

Gleisi e Paulo Bernardo formam o primeiro casal de ministros na História da República. Embora esteja em seu primeiro mandato eletivo, Gleisi, de 45 anos, foi escolhida também por ser mulher, o que tem um simbolismo para a presidente Dilma. Ela vinha se mostrando uma parlamentar aplicada no Senado. Ganhou destaque com sua atuação em defesa do governo, angariando antipatias na oposição e provocando ciúmes entre governistas. Casada há 15 anos com o ministro das Comunicações, ela começou sua militância política na adolescência e trabalhou na assessoria econômica da liderança do PT na Câmara, quando conheceu o marido, na época deputado federal.

Formada em Direito e com especialização em Administração Financeira, Gleisi foi secretária estadual e diretora financeira de Itaipu. No Senado, atuava nas comissões de Assuntos Econômicos, Agricultura e Relações Exteriores. Foi designada relatora do PPA, o plano de ação de quatro anos do governo. Surpreendeu a base ao propor emendas na Comissão Mista de Orçamento para reduzir o valor e o número das emendas parlamentares.

(mais…)

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

UM HIPÓCRITA NA CASA CIVIL DE MICARLA

O Blog reproduz a coluna do Jornalista Franklin Jorge escrita no Novo Jornal de hoje. Domingo 08/05:

EIS A PERGUNTA que não quer calar: o que faz alguém que se apresenta como “paladino da moralidade” participar de um governo que tem a corrupção como uma marca registrada? Um governo que tem sido permanentemente bombardeado com denuncias e que se tornou freguês da vigilância do Ministério Público, cioso da defesa do patrimônio e do cumprimento das leis?
É a pergunta que muitos desejariam fazer ao chefe da Casa Civil da Prefeitura do Natal, o probo e excelentíssimo dr. Kalasans Bezerra, homem sisudo e de cara amarrada, sempre vestido de preto, que está me processando sob a alegação de que o chamei de “ambientalista de araque”, uma simples frase – embora verdadeira – que desonerou em apenas três palavras a (até então) aparentemente sólida estrutura moral do cioso comissionado que abusa da própria caratonha para impor um papel que os fatos têm se encarregado de desmoralizar ou colocado em dúvida.
(mais…)

Opinião dos leitores

  1. Execelente texto. expressa de maneira clara e inteligente o que as pessoas de bem dessa Cidade estão sentindo. Cadê o Ministério Público? cadê a OAB? Meu Deus, Aonde vamos parar com tanta irresponsabilidade, incompetência e outras coisas mais, as quais não quero citar para não ser acionado judicialmente. Até quando meu Deus?

  2. Belo texto. Estamos diante da pior administração de todos os tempos. Ah, se o Ministério Público começasse a investigar pela Secretaria de Comunicação…

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *