Política

Renan Calheiros lista revelações ‘graves’ de Mandetta em depoimento ‘esclarecedor’ sobre Bolsonaro

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) elencou uma lista de revelações feitas pelo ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta que atingem o governo do presidente Jair Bolsonaro. Ele diz que os fatos descritos são “graves”.

“O depoimento mostrou que houve aconselhamento paralelo na Covid, adoção da cloroquina ao arrepio do Ministério [da Saúde], participação de Carlos Bolsonaro [vereador do Rio e filho do presidente] em reuniões (por que?) e alerta sobre 180 mil mortes [Mandetta disse na CPI que afirmou a Bolsonaro que os óbitos poderiam chegar a esse número)”, disse Renan em mensagem enviada à coluna.

Ele segue: “Bolsonaro divergiu das orientações científicas, no isolamento e na cloroquina. Foi um depoimento importante na minha opinião para clarear exatamente o que ocorreu naquele momento inicial da pandemia”.

“Também é relevante a informação de que Mandetta viu um decreto para mudar a bula e recomendar a cloroquina”, afirma Renan Calheiros.

O ex-ministro da Saúde disse aos integrantes da CPI que “várias vezes na reunião do ministério, o filho do presidente, que é vereador do Rio de Janeiro, estava atrás, tomando as notas na reunião. Eles tinham constantemente reuniões com esses grupos dentro da Presidência”.

Ele afirmou que os aconselhamentos de grupos paralelos eram constantes na gestão de Bolsonaro. Entre outros fatos, relembrou que foi informado, em uma reunião, que “era para subir para o terceiro andar porque tinha lá uma reunião de vários ministros e médicos. Vinha propor esse negócio de cloroquina que eu nunca havia conhecido, porque ele [Bolsonaro] tinha um assessoramento paralelo nesse dia”.

Foi nessa ocasião que chegaram a sugerir que a bula da cloroquina fosse modificada por decreto para poder ser receitada no tratamento da Covid-19.

Renan Calheiros diz ainda que a CPI já tem “gerado uma mudança elogiável no comportamento, na condução de vacinas, na negociação de insumos e até mesmo no abandono do negacionismo” por parte do governo.

Sobre o fato de o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello afirmar que teve contato com pessoas com Covid-19 e por isso não pretende depor presencialmente na CPI, Calheiros afirma: “Quanto ao ex-ministro Pazuello, fico até contente que mais um integrante do governo fique preocupado com isolamento, distanciamento, ao contrário de comportamentos recentes”.

Mônica Bergamo – Folha de São Paulo

 

Opinião dos leitores

  1. Esse Mandetta é um picareta!! E Renan Calheiros é um Verme!!! Ninguém acredita em NADA que for dito dessa CPI fajuta!!!

  2. UM LADRÃO DESSES TEM ALGUMA MORAL PARA CONDUZIR UMA CPI.? SE TIVESE LEI NESSE PAÍS, ESSE CIDADÃO ESTARIA NA CADEIA

  3. Renan Calheiros o relator , o homem que tem mais processos de corrupção, oivindo o depoimento de mandetta , aquele que é pré-canddato contra bolsonaro, mandetta é aquele que disse que só procurasse hospital quando tivesse falta de ar, esse país é coisa que deixa qualquer um sem entender, mas o circo está armado , era isso que ele queriam pra tentar impedir a reeleição de Bolsonaro, mas sábado eles tiveram resposta de como vai ser a eleição, pode esperniar , a reeleição vai acontecer contra essa turma do mal ,dessa turma que é contra a família, dessa turma que quanto pior melhor, Bolsonaro 2022.

  4. Renan Calheiros, o mais novo ídolo da esquerdalha. Essa gente está baixando de nível a uma velocidade assustadora. Desse jeito, em 2022 o presidente Bolsonaro já pode se considerar reeleito. Tá difícil a coisa prá oposição.

    1. E Roberto Jefferson de vcs homens concervadores, patriotas e de Deus

  5. Grave mesmo é um criminoso desses bandido, corrupto de carterinha, recebedor de propina em investigações de empreiteiras ser relator de uma CPI , talvez o cabaré mais esculhambado desse país tenha mais credibilidade do que essa corja de criminosos se passando por paladino da moral . Brasil da falta de vergonha, da desfatez e do fascismo, esse é apenas o teatro para o palanque das Eleições. Bando de Pilantra.

    1. Né isso! Só começou agora, mas o louco negacionista que não fez NADA para evitar quase MEIO milhão de mortos só consegue chegar a 2050 na presidência se der um golpe e a gente virar uma ditadura como ele tanto quer! Mas não se preocupem, Renan Calheiros está usando a CPI como moeda de troca e tudo vai dar certo, é só ele ganhar uns favores do MINTO…

    2. Calma, amiguinho. O apressado come cru. Muita água vai rolar ainda. Tenha calma. Não se desespere com esse sorriso nervoso.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Com apenas 1 dose, vacina da Johnson teve eficácia de 85% contra casos graves de Covid-19, e sem mortes de imunizados; capacidade global é de 66%

Foto: Dado Ruvic/Reuters

A Johnson anunciou, nesta sexta-feira (29), que sua vacina contra a Covid-19 teve 66% de eficácia em prevenir casos moderados e graves. Considerados apenas os casos graves, o nível de proteção foi de 85%. Nenhuma pessoa vacinada morreu de Covid. A eficácia global da vacina não foi divulgada, e os resultados ainda não foram publicados em revista científica.

A vacina da Johnson é uma das que foram testadas no Brasil. Por isso, a empresa pode entrar com o pedido de uso emergencial no país: a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou que só pode haver liberação para uso emergencial de vacinas que já estejam em teste no Brasil.

A Johnson ainda não entrou com o pedido de uso emergencial ou pedido de registro sanitário junto à Anvisa.

O imunizante também funcionou contra a variante da África do Sul, mais contagiosa. A vacina, que usa a tecnologia de vetor viral, é a única em etapa avançada de testes com apenas uma dose.

Veja os principais pontos do anúncio:

Considerando todos os ensaios de fase 3 – em 8 países, incluindo Estados Unidos, Brasil e África do Sul – a vacina teve 66% de eficácia contra casos moderados e graves de Covid 28 dias após a vacinação. Isso significa uma redução de 66% nos casos moderados e graves de Covid no grupo vacinado em relação ao grupo não vacinado.

Nos ensaios dos EUA, a eficácia contra casos moderados e graves foi de 72%; na América Latina, de 66%; na África do Sul, onde uma variante mais contagiosa do coronavírus está circulando, a eficácia foi de 57%.

Considerados apenas os casos graves, em todas as regiões, a eficácia da vacina chegou a 85%. Isso significa uma redução de 85% nos casos graves de Covid no grupo vacinado em relação ao grupo não vacinado.

A proteção começou 14 dias após a vacinação.

A eficácia da vacina aumentou com o passar do tempo: não houve nenhum caso grave de Covid nos participantes vacinados 49 dias após a aplicação da vacina. A vacina garantiu 100% de proteção contra hospitalização e morte por Covid 28 dias depois da vacinação. Após essa data, ninguém foi hospitalizado ou morreu de Covid.

A proteção foi, de forma geral, “consistente” em todos os participantes, independentemente da raça ou idade – inclusive em adultos acima de 60 anos.

A vacina pode ser armazenada por pelo menos 3 meses em temperaturas de 2ºC a 8ºC – o que é compatível com a rede de frio de vacinação usada no Brasil hoje. Em temperaturas de -20ºC, ela fica estável por dois anos, estima a Johnson.

No Brasil, segundo a Anvisa, 7.560 pessoas participaram dos ensaios: em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do Norte, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina.

G1

Opinião dos leitores

  1. Prefiro a gota milagrosa da Venezuela, 100% de eficácia e nem precisa de agulhas – 10 gotas abaixo da língua e o milagre está feito, segundo Maduro. O PT e Gleisi Hoffman não vão fazer nenhum esforço pra trazer pra o Brasil as gotas milagrosas do Maduro? Se movimentem!!! Cadê Mineiro?! Taí uma primeira missão kkkkkk

    1. Precisa não. A Coronavac que já está no Brasil tem eficácia de 100% p casos graves

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Butantan pede uso emergencial da Coronavac à Anvisa: eficácia é de 78% em casos leves e 100% em graves

Foto: Reprodução/CNN Brasil

A Coronavac tem taxa de eficácia de 78% em casos leves e de 100% em casos graves e moderados, anunciou o governo paulista nesta quinta-feira (7). O Instituto Butantan, inclusive, informa que solicitou o uso emergencial da Coronavac à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A informação foi obtida antecipadamente pelo colunista da CNN, Igor Gadelha. Os dados completos devem ser anunciados em entrevista coletiva no início desta tarde.

A taxa mínima recomendada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é de 50%. Esses dados foram apresentados para a agência em reunião nesta manhã. O governo deve solicitar tanto o registro definitivo como o pedido de uso emergencial do imunizante.

O Plano de Imunização estadual de São Paulo prevê o início da imunização para 25 de janeiro.

No Brasil, a Coronavac foi testada em 16 centros de pesquisa clínica em sete estados e no distrito federal, com cerca de 13 mil voluntários, no total.

No último dia 30, chegou a São Paulo o sexto e último lote do imunizante. No total, quase 11 milhões de doses da vacina já foram entregues ao estado, além de insumos para produção nacional. O Butantan espera produzir 46 milhões de doses no total.

Com CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Uma vacina que protege 100% em casos graves é ótimo.
    Parabéns ao Butantã.
    Lembrando que a vacina da gripe tem eficácia de 60% e todo ano tem campanha.
    Que a Anvisa certifique e que comece a aplicação.

    1. É muito bom, a de Oxford teve menor eficácia, 62% em alguns casos. Meu Deus , que a população não politize as vacinas no Brasil.

    2. Com base em que vc acha um "péssimo" desempenho? Vc fez faculdade de medicina e especialização em epidemiologia onde?

    3. Péssimo desempenho? Você sabe qual a porcentagem de eficácia uma vacina precisa ter para se tornar apta para uso? Apenas 50%. Aí vem você dizer que 78% de eficácia é um péssimo desempenho. Sabe de nada inocente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Ventiladores não são mais a primeira opção no tratamento de casos graves de coronavírus, diz pesquisa

Foto: Edilson Dantas

Para reduzir a mortalidade pela Covid-19, uma estratégia tem feito a diferença em UTIs. A velha e boa prática médica de qualidade, com recursos conhecidos, tem feito a diferença, afirmou ontem o pneumologista Carlos Alberto Barros Franco, um dos primeiros médicos do país a tratar a Covid-19.

— Dos primeiros casos no Brasil para cá, as coisas mudaram no que diz respeito ao procedimento com os pacientes graves. O tratamento mudou radicalmente e a sobrevivência aumentou. Ventiladores não são mais a primeira opção — disse Barros Franco, um dos pneumologistas mais respeitados do país, durante o simpósio “Covid-19 — Que doença é essa?”, organizado pela Academia Nacional de Medicina (ANM).

O evento, transmitido por plataformas digitais, reuniu alguns dos maiores especialistas do Brasil para avaliar o que se aprendeu e os desafios no combate à pandemia de coronavírus no país. O coordenador do simpósio, o hematologista e oncologista Daniel Tabak, destacou que a queda da mortalidade nas UTIs está relacionada ao melhor cuidado. Antes, os respiradores eram necessários, hoje pacientes recebem pronação (uma manobra para estimular a respiração) e fisioterapia e se recuperam melhor.

— O melhor tratamento não é um remédio. É a boa prática médica. Ventilação em prona, autoprona, oxigênio a baixo fluxo, fisioterapia, tudo isso tem sido usado. Hoje, a ventilação mecânica invasiva é o último recurso para tratar um paciente de Covid-19. Isso é uma mudança radical — observou Barros Franco.

Os respiradores, vistos como essenciais no início da pandemia, perderam o protagonismo à medida que os médicos aprendem mais sobre a doença. Ventilação precoce não é mais uma indicação médica na maioria dos casos, de acordo com o pneumologista, que destaca que ainda há muito o que descobrir para melhorar o tratamento.

Mais de 29 mil estudos foram publicados, mas o coronavírus e a doença que ele causa continuam um desafio e um mistério. Um desses mistérios é a possibilidade da existência da chamada persistência. Isto é, se o coronavírus consegue permanecer no organismo de uma pessoa mesmo após o desaparecimento dos sintomas da Covid-19.

Também discutida no evento da ANM, a persistência lança dúvidas desconcertantes. Ela gera incerteza sobre se uma pessoa recuperada, sem sintomas, mas ainda positiva, poderia continuar a transmitir o vírus ou corre o risco de adoecer de novo.

O professor titular de virologia da USP de Ribeirão Preto Eurico Arruda, considerado um dos maiores especialistas do país em vírus respiratórios e um dos poucos que já estudava os coronavírus antes da pandemia, está convencido de que a persistência existe. Mas sua dimensão precisa ser conhecida.

— Acho que existem pessoas com persistência viral. Pessoas que estão PCR positivas há um mês, 40 dias. E não têm mais doença. Vimos isso num estudo pequeno. Precisamos aprender mais — disse Arruda.

Para ele, o critério de alta de pacientes que tiveram um quadro grave de Covid-19 e já se recuperaram da doença deveria ser ter dois resultados negativos consecutivos de exames de PCR.

O professor titular de virologia da UFRJ Amílcar Tanuri, cujo grupo fez um dos maiores estudos de sorologia de Sars-CoV-2 do país, tem opinião semelhante.

— Nosso grupo investiga a possibilidade de uma “cronicidade” do vírus. É raro, mas acontece. É impressionante. Mas é esse o dado — frisou Tanuri, que observou que essas pesquisas estão no início.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. — O melhor tratamento não é um remédio. É a boa prática médica. Ventilação em prona, autoprona, oxigênio a baixo fluxo, fisioterapia, tudo isso tem sido usado. Hoje.
    Esse texto acima foi o que o médico relatou. Ele diz que o remédio não é o melhor tratamento, esse cidadão nunca teve covid se pegar eu dúvido que não tome nenhum medicamento e que fique somente na ventilação em prona.
    Não precisa nem ser médico para dizer que irá morrer se seguir este tratamento.

  2. Rapaz e os milhões gastos com respiradores? E os 5 milhões que o Desgoverno do Estado enviou para o consórcio Nordeste comprar os ventiladores, vai ficar por isso mesmo?

  3. SE tivessem adotado o uso da hidroxicloroquina e os demais remédios do kit, logo nos primeiros sintomas dos pacientes, não seria necessário despesas com hospitais de campanha, roubalheira na compra de respiradores a preços superfaturados, pois mais de 90% das pessoas que se trataram logo no início se curaram em casa, sem a necessidade de se internar em hospitais. Mas claro que os governadores e prefeitos não queriam isso, pois como eles iriam receber os bilhões do governo federal?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Advogada aponta falsificação de assinatura e denúncias graves contra Bento Herculano no CNJ; ele rebate: “pessoa com reduzida saúde psicológica”

Foto: Divulgação

Disputas judiciais envolvendo o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-RN) mais uma vez estão rendendo no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Desta vez a acusação grave foi impetrada pela advogada Beatriz Helena Cavalcanti Siqueira contra o desembargador e presidente do TRT-RN, Bento Herculano, em processo referente a disputas no Sindicato dos Bancários. A advogada lista argumentos que segundo ela, impediriam o justo julgamento do desembargador. Bento Herculano terá 15 dias pra se manifestar.

Na peça jurídica, a qual o Justiça Potiguar teve acesso e está tramitando na Corregedoria sob relatoria do corregedor Humberto Martins, a advogada alegou argumentos que poderiam fazer com que o desembargador se julgasse suspeito. Segundo ela, Bento Herculano seria “amigo íntimo dos advogados da parte contrária”, tendo inclusive fotos juntos e o advogado Marcus Vinicio Santiago de Oliveira teria sido convidado do casamento do desembargador.

Veja reportagem completa aqui no Justiça Potiguar.

Opinião dos leitores

  1. Onde tem fumaça tem fogo!
    Tá sempre aparecendo denúncias contra esse Bento, a PF tem que encalcar nele.

  2. A Corregedoria tem que tomar providências URGENTES para conter atitudes tomadas por alguns desembargadores do judiciário brasileiro. Investigar e, se for o caso, punir rigorosamente. Tem que acabar essa vergonha chamada aposentadoria compulsória, um tapa na cara do povo brasileiro.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Jornalismo

Acidentes com motos já respondem por 50% das mortes nas rodovias federais no RN

Reportagem da Tribuna do Norte de hoje mostra esse número alarmante sobre mortes com motociclistas no RN. Segue:

Os acidentes envolvendo motocicletas já respondem por 50% das mortes nas rodovias federais do Rio Grande do Norte. A estatísticas do Hospital Walfredo Gurgel, para onde vai a maioria das vítimas de acidentes de trânsito que ocorrem em Natal e no interior do Estado,   reforçam esse dado, pois das 5.291 pessoas feridas que deram entrada  naquele pronto-socorro no ano passado, 59,61% eram  motoqueiros.

Adriano AbreuAcidentes também aumentam número de vítimas feridas

De acordo com o Departamento da Polícia Rodoviária Federal no Rio Grande do Norte, nos últimos cinco anos, o percentual de mortes sobre veículo de duas rodas, nas BRs , que   foi de 29,38% em 2007, subiu para 43,72% no ano passado e somente neste primeiro semestre de 2012, foi a 50%.

Segundo o Núcleo de Acidentes da PRF, em 2007 morreram 177 pessoas vítimas de acidentes nas rodovias federais que cortam o Rio Grande do Norte, sendo pilotos ou carona de motocicletas. Em 2011, o número total de mortes foi de 183, dos quais 80 vítimas viajavam de motocicletas. Em 2012, essa relação foi 54 mortes, das quais 27 em duas rodas.

O índice de pessoas feridas também chama a atenção da PRF, pois dos 1.612 feridos, 632 ou 39,2% estavam em cima de uma moto. Já no ano passado foram 2.124 feridos, dos quais 1,157 (54,47%) estavam em duas rodas. Em 2012, dos 658 feridos, 350 (53,19%) envolveram-se em acidentes com motos.

As estatísticas do Hospital Walfredo Gurgel, que é referência em atendimento de politraumatismo no Estado, mostram que dentre as 5.291 vítimas ali socorridas, 3.154 eram motoqueiros, enquanto 997 eram passageiros de veículos automotores, 418 motoristas e 722 pedestres. No primeiro trimestre deste ano, a relação continua a mesma, o maior número de vítima é de motoqueiros (1.593), contra 335 pedestres, 168 motoristas e 513 pedestres.

MOTIVOS

O Samu Natal não tem dados atualizados sobre o número de acidentes e de vitimas envolvidas, mas o seu coordenador administrativo, Kleiber Rodrigues, disse que os casos de acidentes envolvendo motoqueiros é preocupante, inclusive porque é crescente o número acidentes envolvendo moto de 50 cilindradas, em que não se exige que o piloto tenha carteira de habilitação. “A gente vê  que, muitas vezes, é um garoto ou um adulto que nunca pegou numa moto e não passaram por uma auto-escola”, disse ele.

Mesmo não sendo obrigatória a carteira de habilitação para quem pilota esse tipo de veículo, Rodrigues disse que pelo menos a legislação de trânsito exige o uso de capacete: “Hoje mesmo (ontem) vi uma pessoa na garupa de uma moto dessa sem capacete e o piloto usando o capacete no braço”.

Além do crescente número de veículos rodando em Natal, avaliou Rodrigues, o aumento de motocicletas em circulação é muito maior, devido as facilidades que uma pessoa tem, agora, para adquirir um veículo desse tipo, porque o preço “é barato e e valor do financiamento muito baixo”.

Segundo Rodrigues, afora as mortes no trânsito, uma vítima de acidente de moto pode sofrer sequelas e até prejuízos financeiros e sociais, como ocorrem com motoboys, “que têm de se afastar do trabalho por algum período”, em casos de acidentes graves.

A informação do Samu Natal é que o maior número de acidentes de trânsito ocorrem nas avenidas Salgado Filho/Hermes da Fonseca – Engenheiro Roberto Freire – BR 101 e ainda na Tomaz Landim,  João Medeiros Filho e Moema Tinoco da Cunha Lima, na Zona Norte e na  Ranieri Mazili, Zona Oeste.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Ministro da Justiça diz que denúncias contra Demóstenes são muito graves

O ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) afirmou nesta quinta-feira (29) que são “graves em todas as dimensões” os fatos colhidos pela Polícia Federal nas investigações que resultaram na Operação Monte Carlo e defendeu a legalidade das provas, inclusive as conversas telefônicas em que aparecem o senador Demóstenes Torres (DEM-GO).

“A Polícia Federal cumpriu seu papel rigorosamente. Todas as provas coletadas foram feitas a partir do que a lei determina. Temos a consciência tranquila”, disse o ministro, ao ser questionado sobre o argumento da defesa de Demóstens que as escutas são nulas, pois o monitoramento do senador não poderia ter ocorrido sem autorização do Supremo Tribunal Federal, local onde ele responde criminalmente.

O senador aparece em conversas telefônicas, interceptadas com autorização judicial, que ele teve durante meses como empresário do ramo de jogos Carlinhos Cachoeira. Era o seu telefone que foi grampeado pela Polícia Federal e não o do político.

“Os fatos que estão relatados ali em todas as dimensões são graves e se espera que efetivamente a Justiça, apreciando as provas e dando oportunidade de defesa, possa dar a prestação jurisdicional que seja a expressão daquilo que a nossa lei determina”, concluiu Cardozo.

Fonte: Folha

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Denúncia

Acusações graves contra Vereador de Natal referente ao projeto de combustível na CMN

O vereador Raniere Barbosa pediu dinheiro ao presidente do Sindicato dos Postos para retardar a votação do projeto que pode decidir pela criação de postos em supermercados e o porta-voz dessa notícia foi a assessora parlamentar Thalita Moema. As informações são do vereador Júlio Protásio, que promete repetir isso na tribuna da Câmara Municipal hoje à tarde.

De acordo com Protásio, Thalita Moema ligou para ele na terça-feira, às 18h, e disse: “Júlio, o presidente do Sindicastos dos Postos, Júnior Rocha, me ligou e disse que o Vereador Ranieri Barbosa tinha ligado para ele para pedir dinheiro para retardar o projeto dos combustíveis nos supermercados”.

Para não ter dúvidas, o blog perguntou novamente ao Vereador, que confirmou tudo novamente. E disse mais, que tinha dito para a assessora que ela deveria procurar o MP e a Polícia Federal para fazer essas denúncias.

O vereador afirmou que apesar de não acreditar nas palavras da assessora, prometeu que vai ao Ministério Público Estadual e Polícia Federal para apresentar a denúncia, que foi gravada pelo blog, com o conhecimento do vereador.

Com a palavra, o vereador Raniere Barbosa, o presidente do Sindipostos, Júnior Rocha e a assessora parlamentar Thalita Moema.

Opinião dos leitores

  1. Só não sei o que a Polícia Federal tem a ver com isso. Será que o Vereador acha que a Câmara que ele trabalha é a dos Deputados Federais? Eu hein!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Ricardo Teixeira atolado até o pescoço. Sexta ele vai estar em Natal

A rede Record vem fazendo uma série de denúncias graves contra o Presidente da CBF, Ricardo Teixeira, que por coincidência estará aqui na sexta-feira para um evento sobre a copa. Uma boa oportunidade de fazermos perguntas a ele.

Opinião dos leitores

  1. Acho que só o blog mais ácido do RN, o do BG, terá coragem de perguntar a Ricardão as indagações que não querem calar… Sim! Ia esquecendo. Edmo Sinedino também tem coragem. Mas acho que não irão deixá-lo chegar perto do homem.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *